Relatório. Avaliação das Acessibilidades. Prédio da Rua de Gondarém, Nevogilde - Porto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório. Avaliação das Acessibilidades. Prédio da Rua de Gondarém, 708-712. Nevogilde - Porto"

Transcrição

1 Relatório Avaliação das Acessibilidades Prédio da Rua de Gondarém, Nevogilde - Porto Porto Página 1 de 6 Fax

2 Relatório da Avaliação das Acessibilidades Prédio da Rua de Gondarém, Nevogilde - Porto Índice 1 - Introdução 2 - Estrutura do Relatório 3 - Grelha de avaliação geral 4 - Avaliação da situação das acessibilidades no prédio Percurso acessível definido Avaliação geral 5 - Soluções para melhorar as acessibilidades no prédio Acessibilidade do exterior Pisos interiores e da garagem 6 - Anexos Plantas com o Percurso Acessível Resumo da Lista de Verificação dos pontos do Percurso Acessível Lista de Verificação com os pontos segundo o Dec. Lei 163/ Planta com proposta de implantação da plataforma elevatória Porto Página 2 de 6 Fax

3 1 - Introdução O Relatório da Avaliação das Acessibilidades permite identificar os pontos de um local (habitação, prédio, escritório) que não permitem o acesso a pessoas com mobilidade reduzida ou em que o acesso não está de acordo com as indicações do Decreto Lei 163/06. O Decreto Lei 163/06 reúne as normas técnicas para que um local seja acessível a pessoas com mobilidade reduzida. Com a atribuição de valores estimativos das adaptações necessárias para tornar acessível ou melhorar a acessibilidade de cada ponto, obtém-se um orçamento global estimativo para as adaptações, permitindo definir a abordagem a ter para tornar o local acessível a pessoas com mobilidade reduzida. 2 - Estrutura do Relatório Para a elaboração do Relatório da Avaliação das Acessibilidades parte-se da definição do Percurso Acessível no local em que queremos avaliar as acessibilidades. O Percurso Acessível consiste na reunião de todos os percursos que uma pessoa com mobilidade reduzida deverá poder efectuar para ter acesso a todas as funcionalidades disponíveis no local para avaliação. Esses percursos são assinalados numa planta do local para avaliação. A partir do Percurso Acessível assinalado na planta é elaborada uma lista dos pontos que constam desse percurso e que são para verificar (ex. portas de acesso, corredores, patamares, ascensores, escadas, comandos de luzes, divisões da casa, lugares de garagem, etc.). Com a lista dos pontos a verificar é elaborada uma Lista de Verificação no programa informático desenvolvido pela Vida sem Barreiras - "CheckList de Acessibilidades" - que inclui todas as normas técnicas do Dec. Lei 163/06 e onde se regista a avaliação dos diversos pontos verificados e todas as observações e características do Percurso Acessível. O programa "CheckList de Acessibilidades" dispõe de cinco estados para os pontos a verificar: - Estado 1: Não verificado - o ponto ainda não foi avaliado na totalidade dos seus sub-pontos - Estado 2: - o ponto avaliado não é Acessível (conforme as indicações do Dec. Lei 163/06) e a sua transformação em Acessível através de obras de adaptação ou ajudas técnicas não é técnica ou economicamente viável - Estado 3: Viável - o ponto avaliado não é Acessível (conforme as indicações do Dec. Lei 163/06) mas a sua transformação em Ponto Acessível através de obras de adaptação ou ajudas técnicas é técnica e economicamente viável; a solução possível para esse ponto é registada durante a avaliação - Estado 4: Acessível - o ponto avaliado é Acessível (conforme as indicações do Dec. Lei 163/06) - Estado 5: Não aplicável - as indicações do Dec. Lei 163/06 não são aplicáveis ao ponto avaliado, mas a sua não aplicabilidade foi confirmada A todo o instante é possível verificar o estado geral da avaliação, os pontos que falta verificar e quais os pontos e sub-pontos acessíveis, viáveis e não viáveis. Na Lista de Verificação concluída são atribuídos valores de adaptação a todos os sub-pontos não acessíveis mas cuja adaptação a acessível é viável (Pontos "Viáveis"). Obtém-se assim um orçamento descriminado com as soluções possiveis e descritas resumidamente, permitindo definir a abordagem para tornar o local acessível a pessoas com mobilidade reduzida Porto Página 3 de 6 Fax

4 3 - Grelha de avaliação geral das acessibilidades no prédio Identificação do Prédio Morada Rua de Gondarém, 708 e 712 Código Postal Freguesia Concelho Distrito Porto Nevogilde Porto Porto Caracterização do Prédio Nº Habitações 8 ; 1 no RC, 2 no 1º, 2º e 3º Andares e 1 no 4º Nº Elevadores 1 elevador com acesso da cave ao 4º andar Data construção 1974 (conclusão) Relatório da Avaliação das Acessibilidades Responsável Alexandre Carreira Data elaboração Composto por folhas Planta disponível Dados obtidos A Acessibilidades Via pública circundante ao prédio Acessibilidades ao prédio a partir do exterior Acesso e condição dos lugares de garagem Portas e átrios interiores Ascensores Circulação nas áreas comuns Outros (Arrumos na Cave) B Valores estimados para as adaptações Não disponível - desenhada pela Vida sem Barreiras Avaliação Viável Viável Viável Via pública circundante ao prédio 0 Acessibilidades ao prédio a partir do exterior Acesso e condição dos lugares de garagem Portas e átrios interiores 0 Ascensores 350 Circulação nas áreas comuns Outros (Arrumos na Cave) Total Geral Porto Página 4 de 6 Fax

5 4 - Avaliação das acessibilidades no prédio Percurso acessível definido O Percurso Acessível foi dividido em dois sub-percursos para estruturar a Lista de Verificação na avaliação das acessibilidades das partes comuns do prédio da Rua de Gondarém. Um sub-percurso consiste na ligação da porta da entrada de uma habitação até à garagem, incluindo a entrada/saída do prédio o o ascensor. O segundo sub-percurso reporta-se unicamente aos arrumos na cave, a partir do patamar de saída do ascensor na cave. Para verificar a sequência dos pontos avaliados e os resultados da avaliação geral desses pontos consultar o ponto Resumo da Lista de Verificação dos pontos do Percurso Acessível. Para verificar todos os sub-pontos avaliados em cada ponto, os resultados e os custos das eventuais adaptações consultar o ponto Lista de Verificação com os pontos segundo o Dec. Lei 163/ Avaliação geral O passeio público é amplo (largura livre superior a 1,5 m), a inclinação está dentro dos parâmetros indicados (a rua é plana e o passeio na direcção transversal tem inclinação inferior a 2%). O passeio tem juntas normais, que não são as preconizadas pelo Dec. Lei 163/6 (juntas com profundidade inferior a 5 mm). O passeio dá acesso a passadeiras para peões que têm ressaltos superiores a 2 cm e não têm faixas contrastantes (visuais e textura) pelo que também não estão de acordo com o preconizado pelo Dec. Lei 163/6. O acesso ao interior do prédio é efectuado através de escadas em dois lanços, tendo um patamar intermédio onde se encontra a porta de entrada. As escadas têm os degraus com as dimensões adequadas mas com focinho saliente e não têm faixa anti-derrapante. O piso do patamar e do átrio de entrada é polido e não dispõe das faixas contrastantes antes das escadas. O átrio de entrada permite a inscrição de uma zona de rotação pelo que a zona é considerada acessivel a pessoas que utilizem cadeiras de rodas. As caixas dos correios estão localizadas no interior do prédio ao nível do segundo lanço das escadas pelo que a sua localização teria de ser alterada. A cabine do ascensor não tem as medidas adequadas devido à sua antiguidade e a caixa do elevador não permite a alteração da cabine, sendo que só permite a utilização por cadeiras de rodas com dimensões específicas que lhe permitam entrar no ascensor. Os patamares dos andares têm 1,3 m de largura à saída do ascensor e o corredor que liga Às habitações do Lado Esquerdo dispõe de 1,2 m de largura pelo que não é possível inscrever uma zona de manobra para cadeiras de rodas. A manobra em cadeira de rodas nos patamares dos andares poderá ser possível, dependendo das dimensões específicas da cadeira. A garagem permite introduzir um lugar para pessoas com mobilidade reduzida no lugar imediatamente à frente da porta da garagem, permitindo ainda inscrever a faixa lateral que será sobreposta parcialmente com a zona de passagem das outras viaturas. O patamar do elevador da cave tem um degrau para o restante nível da cave. Dispõe de corredores de acesso às portas de arrumos com 1 m de largura mas é possivel inscrever zonas de manobra no patamar das escadas e num dos extremos do corredor Porto Página 5 de 6 Fax

6 Toda a aparelhagem eléctrica está posicionada a 1,4 m de altura. Para cumprir as indicações do Dec. Lei 163/06 será necessário reduzir a altura para 1,2 m. 5 - Soluções para melhorar as acessibilidades no prédio Acessibilidade do exterior Para permitir a acessibilidade ao prédio a cadeiras de rodas e a pessoas com mobilidade muito condicionada deverá ser instalada uma plataforma elevatória no interior do prédio, ligando o nível do passeio público ao nível do átrio de entrada do prédio, que está ao nível do Rés do Chão e que permite o acesso ao elevador. Para isso será necessário cortar os dois lanços das escadas à largura para criar o espaço necessário para instalar a plataforma elevatória. A caixilharia de entrada deverá também ser refeita para introduzir uma nova porta ao nível do passeio. Aproveitar estas adaptações para reposicionar as caixas do correio e as campaínhas de entrada. (ver ponto Planta com proposta de implantação da plataforma elevatória) Esta solução apresenta a grande vantagem de instalar a plataforma no interior do prédio, minorando a possibilidade de utilizações indevidas e os riscos de vandalismo Pisos interiores e da garagem As soluções indicadas para o piso interior e escadas são: - cortar as saliências dos degraus para evitar que os pés possam embater nessas saliências - bolear as arestas dos degraus para facilitar a passagem dos pés que se arrastam - bojardar os degraus e a superfície do piso do patamar intermédio e do átrio da entrada para aumentar a aderência e reduzir o risco de deslize - instalar corrimãos duplos nas escadas e barra de apoio na cabine do elevador - rebaixar o degrau intermédio na passagem para o patamar do Rés do Chão e as soleiras de entrada das habitações - rebaixar o degrau do desnível no piso da cave (introduzir uma rampa) e pintar o piso para obter a reflectância adequada mantendo a aderência necessária Para o acesso à garagem e na garagem as soluções indicadas são: - recuperar a tampa do saneamento no acesso à garagem, reduzindo os desníveis - reduzir os desníveis na grelha das águas pluviais no acesso à garagem - pintar o piso da garagem com tinta apropriada para refazer as marcações dos lugares e obter a reflectância adequada, mantendo a aderência necessária Porto, 23 de Outubro, de 2008 Alexandre Carreira Porto Página 6 de 6 Fax

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708 Percurso 1 - Habitação -> Garagem Avaliação: Não viável Custo global de adaptação: 30.900 Item a verificar Avaliação Descrição Solução apontada 1.1 - Percurso Verificado Verificação da concordância da

Leia mais

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO TÉCNICO E ESPECIALIZADO DIVISÃO DE ACESSIBILIDADES E AJUDAS TÉCNICAS INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS

Leia mais

ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares

ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares Lista de Verificação Ponto 1.1 Algumas das principais exigências das normas técnicas do Decreto-Lei n.º

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público OBJECTIVO DO DOCUMENTO Informar acerca dos elementos-chave a ter em consideração na avaliação das barreiras à acessibilidade numa casa e espaços comuns. No caso da intervenção é crítico o envolvimento

Leia mais

O programa previsto para o Centro Escolar é o seguinte: Área útil unitária

O programa previsto para o Centro Escolar é o seguinte: Área útil unitária MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL Freguesia de Tavarede CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO / TAVAREDE Projecto de Arquitectura _ Projecto Base Memória Descritiva e Justificativa Refere-se a presente

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal. Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística

Município de Leiria Câmara Municipal. Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística :,J~'")i~~~,".-s.y, ~ _ 1lIIIIIIfll I --I'~r1Y-" """'1 r: i:!i - 111 11 " Município de Leiria Câmara Municipal!, \ ;,J '...: r.---------------- Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Publicitado

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

Alunos do 5º Ano Turma B

Alunos do 5º Ano Turma B EB 23 de Valadares Projecto Concurso Escola Alerta Alunos do 5º Ano Turma B Boa tarde e Bem Vindos! 1 EB 23 de Valadares Projecto Concurso Escola Alerta Estamos aqui hoje para apresentar os resultados

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

Estantes para Picking com passarelas

Estantes para Picking com passarelas Estantes para Picking com passarelas PICKING COM PASSARELAS A importância que tem o máximo aproveitamento do espaço dos armazéns requer soluções que permitam aceder aos níveis mais altos. Uma destas soluções

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14 INTRODUÇÃO Este material tem o objetivo de avaliar a acessibilidade mínima de estabelecimentos comerciais e de serviço ao público. Ele avalia basicamente a acessibilidade física do local e as condições

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA REABILITAÇÃO/AMPLIAÇÃO DAS ESCOLAS BÁSICAS DO 1º CICLO E PRÉ-ESCOLAR DE PORTO DE MÓS PARA CENTRO ESCOLAR PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA Projeto de Instalações

Leia mais

EDIFICADO. Plano Local de Promoção da Acessibilidade do Município de Alvaiázere FASE II - PLANO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE

EDIFICADO. Plano Local de Promoção da Acessibilidade do Município de Alvaiázere FASE II - PLANO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE EDIFICADO 5 102 5.1. METODOLOGIA DE ABORDAGEM A promoção da acessibilidade constitui um fator fundamental na qualidade de vida das pessoas, sendo este um meio imprescindível para o exercício dos direitos

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Superintendência de Planejamento, Normas e Procedimentos PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE PROJETO : ACESSIBILIDADE EM PASSEIOS

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

A C E S S I B I L I D A D E S O L U Ç Õ E S D E D O M U S L I F T O Domuslift é o elevador ideal para moradias (novas ou existentes) proporcionando estilo e comodidade de vida, podendo também ser utilizado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Guia prático da acessibilidade

Guia prático da acessibilidade S Guia prático da acessibilidade Índice Guia prático da acessibilidade Turismo para Todos - Pág. 2 1. Percurso Acessível - Pág. 6 1.1 Circulações - Pág. 7 1.2 Escadas - Pág. 8 1.3 Rampas - Pág. 9 1.4 Ascensores

Leia mais

FICHA TÉCNICA Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada

FICHA TÉCNICA Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada nº 31 FICHA TÉCNICA Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada Nº Pág.s: 04 31 17. Julho. 2007 Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada 01 Todos os cidadãos têm

Leia mais

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações 5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: Designação: Localização: Função: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM Largo Cândido dos Reis Empresa que presta serviços de comunicações Acesso exterior ao edifício Estacionamento Não

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

República de Moçambique CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 53/2008 30 de Dezembro

República de Moçambique CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 53/2008 30 de Dezembro República de Moçambique CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 53/2008 30 de Dezembro Havendo necessidade de se estabelecer dispositivos técnicos que permitam a acessibilidade, circulação e utilização dos sistemas

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento Fls: 1 / 18 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

Portaria Inmetro 27/2011, 152/2009 e 364/2010 Código: 3466

Portaria Inmetro 27/2011, 152/2009 e 364/2010 Código: 3466 PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO EM VEÍCULOS ACESSÍVEIS, FABRICADOS COM CARACTERÍSTICAS RODOVIÁRIAS QUE TRAFEGAM EM VIAS URBANAS PARA TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS Portaria Inmetro 27/2011, 152/2009

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

PORTARIA INMETRO Nº 364, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 21.09.2010

PORTARIA INMETRO Nº 364, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 21.09.2010 PORTARIA INMETRO Nº 364, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 21.09.2010 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO, no uso de suas atribuições, conferidas

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Cartilha de Acessibilidade

Cartilha de Acessibilidade Cartilha de Acessibilidade Acessibilidade em Terminais e Pontos de Parada Rodoviários e Estações Ferroviárias do Sistema de Transporte Interestadual e Internacional de Passageiros Realização ANTT - Agência

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv Postos de transformação PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv PFS CABINAS SUBTERRÂNEAS PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DESCRIÇÃO A cabina PFS é uma envolvente monobloco de betão

Leia mais

VII Seminário APPR Vilamoura, 13-11-2015. Acessibilidade. Marinas e espaço público envolvente. Filipe Nascimento Trip Accessible

VII Seminário APPR Vilamoura, 13-11-2015. Acessibilidade. Marinas e espaço público envolvente. Filipe Nascimento Trip Accessible VII Seminário APPR Vilamoura, 13-11-2015 Acessibilidade Marinas e espaço público envolvente Filipe Nascimento Trip Accessible Conceito "Acessibilidade é uma característica do ambiente ou de um objecto

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Tarouca Viseu

Dossier Promocional. Moradia em Tarouca Viseu Dossier Promocional Moradia em Tarouca Viseu 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

FENACERCI, 2008. Checklist de. Acessibilidade dos. Espaços Públicos de Cultura

FENACERCI, 2008. Checklist de. Acessibilidade dos. Espaços Públicos de Cultura FENACERCI, 2008 Checklist de Acessibilidade dos Espaços Públicos de Cultura Introdução A legislação nacional Lei 9/89 de 2 de Maio, o D.L. 123/97 de 22 de Maio e as Resoluções do Conselho de Ministros

Leia mais

Plataforma Elevatória Vertical para Cadeira de Rodas

Plataforma Elevatória Vertical para Cadeira de Rodas Plataforma Elevatória Vertical para Cadeira de Rodas TK Elevadores Plataforma elevatória vertical para cadeira de rodas A ThyssenKrupp Elevadores oferece agora dispositivos de acessibilidade em adição

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Centro Universitário UNICAPITAL e Faculdades Integradas Paulista FIP Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Calcular Escadas Prof a Suely Midori Aoki Estag. Eriki Masahiko

Leia mais

CIRCULAÇÕES VERTICAIS

CIRCULAÇÕES VERTICAIS CIRCULAÇÕES VERTICAIS CEG219 Desenho arquitetônico II Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG219 DESENHO ARQUITETÔNICO II - Prof. Márcio Carboni 1 CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS DE ACESSIBILIDADE PARA APOIO AO PROJETO ARQUITETÔNICO Manual de instruções técnicas de acessibilidade para apoio ao projeto arquitetônico PRINCÍPIOS BÁSICOS DIRETRIZES CHECK

Leia mais

Plataforma de Plano Vertical:

Plataforma de Plano Vertical: 38 - CARTILHA SANTOS PARA TODOS CONDEFI Plataforma de Plano Vertical: A Plataforma Vertical é indicada quando não se pode construir uma rampa, mas há um espaço para fazer uma abertura lateral no plano

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS Acessibilidade, responsabilidade de todos Conquista consciente, com responsabilidade O QUE É ACESSIBILIDADE? Acessibilidade, responsabilidade de todos Todos temos

Leia mais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à PROJECTO

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO Elisa Furian elisafurian@outlook.com ESCALA É a relação existente entre as dimensões de um desenho e as dimensões reais

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Casa Museu Miguel Torga 2. LOCALIZAÇÃO Praça Sá de Miranda. Freguesia de Santo António dos Olivais 3. SCRIÇÃO GERAL A Câmara Municipal deliberou em

Leia mais

6 Acessos e circulação

6 Acessos e circulação 6 Acessos e circulação 6.1 Circulação - Condições gerais As determinações contidas neste capítulo deverão ser mantidas através da conservação criteriosa e continua, de forma a garantir a qualidade em seu

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE ESTRUTURAS ESCADAS E RAMPAS Definição de Escada Série de degraus para subiredescer Dicionário Aurélio Construção formada por uma série de degraus, destinadas a ligar locais com diferenças de

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Carregal do Sal Viseu

Dossier Promocional. Moradia em Carregal do Sal Viseu Dossier Promocional Moradia em Carregal do Sal Viseu 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6.

Leia mais

PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS. Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga

PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS. Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga julho 2015 Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos ( ) in Declaração dos Direitos Humanos,

Leia mais

Edital n.º 29/2004. Regulamento para a Promoção da Acessibilidade e Mobilidade Pedonal

Edital n.º 29/2004. Regulamento para a Promoção da Acessibilidade e Mobilidade Pedonal Edital n.º 29/2004 Faz-se saber que a Assembleia Municipal de Lisboa, na sua reunião de 2004/04/27, aprovou o Regulamento Municipal sobre Acessibilidade Urbana, que a seguir se publica: Regulamento para

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE - LIC 71.3.8 - Índice 1. Elementos de Arquitetura 1.1 Passeio 1.2 Vagas de estacionamento - demarcação 1.3 Vagas de estacionamento - sinalização 1.4 Rampas 1.5 Escadas e seus componentes 1.6 Aproximação

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS A circulação vertical tem função de vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. A circulação

Leia mais

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02.

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14022 EMENDA 1 20.02.2009 Válida a partir de 20.03.2009 Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros Accessibility in vehicles

Leia mais

Acessibilidade Uma solução para todas as barreiras. As plataformas elevatórias Silver Steppy

Acessibilidade Uma solução para todas as barreiras. As plataformas elevatórias Silver Steppy Acessibilidade Uma solução para todas as barreiras As plataformas elevatórias Silver Steppy Silver Acessibilidade sem problemas com os melhores níveis de segurança e flexibilidade A plataforma elevatória

Leia mais

Histórico. Conceituação

Histórico. Conceituação MEMORIAL DESCRITIVO Histórico O Solar, antiga sede da fazenda do Barão de Muriaé, que foi construído por volta de 1844, tem profunda importância histórica, pois foi palco de marcantes acontecimentos em

Leia mais

GOVERNO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 1 GOVERNO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO GOVERNADOR Aécio Neves da Cunha VICE-GOVERNADOR Clésio Andrade SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Vanessa Guimarães Pinto SECRETÁRIO-ADJUNTO DE EDUCAÇÃO João

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

Ofício de acessibilidade Rock in Rio

Ofício de acessibilidade Rock in Rio Ofício de acessibilidade Rock in Rio Quem somos e objetivos A área de PNE do Rock in Rio está está em constante mudança e aprimoramento para se adequar as normas exigidas para atender e satisfazer a todas

Leia mais

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Regulamenta o Art. 16 da Lei Orgânica, que diz respeito à garantia de acesso adequado aos portadores de deficiência física ou mental aos bens e serviços coletivos,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 123/97 de 22 de Maio

Decreto-Lei n.º 123/97 de 22 de Maio A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 123/97, de 22 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 123/97 de 22 de Maio Normas

Leia mais

T09. R o by. Trepador Móvel de Escada

T09. R o by. Trepador Móvel de Escada T09 R o by Trepador Móvel de Escada T09 Roby T09 Roby, o Trepador Móvel de Escada para o seu máximo conforto e segurança. O Roby permite às pessoas em cadeira de rodas ultrapassar as barreiras arquitetónicas,

Leia mais

5670 Diário da República, 1. a série N. o 152 8 de Agosto de 2006

5670 Diário da República, 1. a série N. o 152 8 de Agosto de 2006 5670 Diário da República, 1. a série N. o 152 8 de Agosto de 2006 assessores consulares são equiparados aos adidos do pessoal especializado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, sendo-lhes aplicável

Leia mais

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso respeite o direito de ir e vir de cada um Fique sabendo: De acordo com o último senso realizado em 2010, 23,5% da população brasileira tem algum tipo

Leia mais

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios

Leia mais

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas:

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas: ANEXO I NORMAS TÉCNICAS DOS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES (NTRU) 1. Disposições gerais As presentes normas técnicas dizem respeito ao projeto dos sistemas de deposição de resíduos

Leia mais

Carony TRANSFERÊNCIA DO BANCO DO SISTEMA CARONY. Carony 12" 214 426 919. www.automobilidade.pt. info@automobilidade.pt.

Carony TRANSFERÊNCIA DO BANCO DO SISTEMA CARONY. Carony 12 214 426 919. www.automobilidade.pt. info@automobilidade.pt. Carony é um sistema de cadeira de rodas simples e confortável tanto para o utilizador como para a pessoa que o auxilia. Nas operações de entrada e saída do veículo o sistema Carony elimina a necessidade

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE Rio de Janeiro 12 de Março de 2010 Este relatório foi produzido por Amarildo

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

ANEXO. Regulamento da Comissão

ANEXO. Regulamento da Comissão COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, XXX [ ](2014) XXX draft ANNEX 1 ANEXO do Regulamento da Comissão relativo à especificação técnica de interoperabilidade respeitante à acessibilidade do sistema ferroviário da

Leia mais

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. "Dispõe sobre adaptações no Transporte Coletivo Urbano e garante o acesso de pessoas portadoras de deficiência, do idoso e dá outras providências".

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Escadas. Disciplina: ARQUITETURA. Profº.: Fernando Batista

Faculdade Pitágoras. Escadas. Disciplina: ARQUITETURA. Profº.: Fernando Batista Faculdade Pitágoras Disciplina: ARQUITETURA Escadas Profº.: Fernando Batista ESCADAS A circulação vertical tem função de vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00

INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00 INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00 Página 1 de 6 em 11 de outubro de 2001 Estabelece orientações e procedimentos na instalação de Corrimãos e Guarda-Corpos Em Vigor a Partir de 15 DE JUNHO DE 2000 Primeira

Leia mais

REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO

REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO Nos termos do Decreto-Lei n.º 163/2006, de 8 de agosto, foram definidas as condições de acessibilidade a satisfazer no projeto e na construção de espaços

Leia mais

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Agora com Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S Aluguer SOLUÇÕES DE ACESSO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS BASES SIMPLES / DUPLAS - ALUMÍNIO EN 1004 classe 3 EN 1298 DE

Leia mais