Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708"

Transcrição

1 Percurso 1 - Habitação -> Garagem Avaliação: Não viável Custo global de adaptação: Item a verificar Avaliação Descrição Solução apontada Percurso Verificado Verificação da concordância da planta Verificado Porta da habitação Nota: Não incluído no valor global para as 750 partes comuns porque pertence a cada condómino Dispositivos de operação das portas 1 - Resistência mínima de operação Custos Individ Vãos de porta 1 - Porta de batente - largura útil de 0,77 m Largura útil de 0,82 m Altura útil 1 - Altura útil de passagem >= 2,00 m Zonas de manobra 1 - Porta de batente Largura - A >= 0,80 Dimensão do outro lado da porta - B >=1,10 m Dimensão do lado da da porta - C >= 1,40 m Dimensão para além da ombreira - D >= 0,10 m Dimensão para além da ombreira do lado da porta - E >= 0,30 m Dimensão para além da ombreira - F >= 0,15 m Portas com ressaltos superiores a 0,02 m 1 - Ressaltos de piso Não aplic. 2 - Calhas elevadas Não aplic. 3 - Batentes Não aplic. 4 - Soleiras Ressalto de 0,045 m na Rebaixar a soleira 150 entrada da habitação através de desbaste e rampeamento Custos item Vida sem Barreiras Página 1 de

2 2 - Forma adequada de accionar Portas com abertura por Fechadura electrónica 500 chave de cartão ou código com puxador de muleta 3 - Não exige rotação do pulso Exige rotação do pulso idem para rodar a chave Localização dos dispositivos de operação das portas 1 - Altura do piso entre 0,8 m e 1,1 m Altura do piso de 1,1 m 2 - Distância do bordo exterior da porta >= 0,05 m Conforme Portas de batente Possibilidade de existência de barra horizontal fixa Instalação de barra 100 horizontal fixa Altura do piso entre 0,80 m e 1,10 m idem Comprimento mínimo de 0,25 m idem Força de operação (puxar ou empurrar) Força de operação inferior a 22 N Espaço de entrada das habitações Não viável 0 1) Inscrever zona de manobra para rotação de 360 º Não viável Largura máxima de 1,2 m do átrio de entrada das portas das habitações Comandos luzes e campainhas dos patamares Características 1) Estar situados em zona livre conforme Dimensões da zona livre Largura da zona livre: A >= 0,75 m Largura de 1,2 m Comprimento da zona livre: B >= 1,2 m Comprimento cerca de 2,5 m Lado totalmente desobstruído A zona livre deve ter uma parede lisa 2) Estar situados a uma altura conforme Localização frontal dos objectos a alcançar Não aplic. Não é possível alargar os patamares Vida sem Barreiras Página 2 de

3 Localização lateral dos objectos a alcançar a) Alcance lateral com ressalto lateral inferior a 0,3 m Altura entre 0,3 m e 1,2 m Altura de 1,4 m Reposicionar os 100 comandos ou duplicálos 3) Forma fácil de actuar e que não requeira rotação do pulso 4) Força de operação inferior a 22 N 5) Ter pelo menos uma das dimensões superior a 0,02 m Identificação 1) Indicação por dispositivo luminoso de presença 2) Identificação táctil (alto-relevo ou braille) Alterar a aparelhagem Patamares do elevador e das entradas para as Não viável 0 habitações Largura não inferior a 1,2 m Troços com largura entre 1,2 m e 0,9 m Comprimento não superior a 1,5 m Zonas de manobra com distância inferior a 10 m entre as zonas quando a largura é inferior a 1,5 m Não viável Largura mínima de 1,2 m Vão entre patamar do elevador e dos apartamenos direito e os do lado esquerdo com largura de 1,0 m Não existe a possibilidade de inscrever uma zona de manobra nos patamares dos andares Não é possível alargar os patamares Não apresenta qualquer problema para a passagem de uma cadeira de rodas Piso dos patamares Características 1 - Estável - não se desloca quando em uso normal 2 - Durável - não desgastável com água da chuva os das lavagens 3 - Firme - não deformável quando sujeito a acções mecânicas normais Vida sem Barreiras Página 3 de

4 4 - Contínuo - juntas com profundidade inferior a 0,005 m Superfície do piso a) Tipo de piso Ascensor Não viável Patamares diante das portas Não viável 1) Permitir zonas de manobra para rotação 360º Não viável 2) Inclinação inferior a 2 por cento em qq direcção 3) Desobstruído de obstáculos Cabines e funcionamento Não viável 1) Dimensões interiores não inferiores a 1,1 m x 1,4 m Não viável 2) Precisão de paragem não superior a +-0,02 m 3) Espaço entre patamares e cabine não superior a 0,035 m Marmorite; encontra-se um pouco sujo b) Reflectâncias c) Acabamento não polido d) Aderência com água e) Drenagem Inclinação do piso Troços inclinados Não aplic Ressaltos no piso Evitar mudanças abruptas de nível Em caso de existirem mudanças de nível 2) Com altura entre 0,005 m e 0,02 m podem ser verticais Ressalto da passagem Rebaixar ou rampear 50 com o bordo boleado ou chanfrado do átrio de entrada e o ligeiramente o ressalto patamar de acesso para o RC Largura máxima do patamar de 1,3 m Largura de 1,0 m e 0,9 m de profundidade Não existe a possibilidade de inscrever uma zona de manobra nos patamares dos andares A coluna do elevador não permite alterar a cabina para uma adequada Vida sem Barreiras Página 4 de

5 4) Barra de apoio entre 0,875 e 0,925 m Existem barras de Aplicar uma barra de 50 apoio/estéticas a uma apoio na cabine altura de 0,98 m Decorações das cabines Decoração do interior com profundidade não superior a 0,015 m Portas dos ascensores Não viável 1) Em ascensores novos têm de correr horizontalmente e Não aplic. automático 2) Largura útil quando aberta não inferior a 0,8 m Não viável 3) Ter cortina de luz de imobilização as portas e a deslocação da cabina Medida entre a face da folha aberta e o batente ou guarnição do lado oposto -> Largura útil de 0,67 m Dispõe de detecção de presença de pé no chão perto da porta A coluna do elevador não permite alterar a cabina para uma adequada Dispositivos de comando 1.1) Altura entre 0,9 e 1,2 m no patamar No patamar está a 1,4 m Alterar a aparelhagem 300 de chamada 1.2) Altura entre 0,9 m e 1,3 m na cabine Na cabine a altura é de 1,2 m 2) Ter sinais visuais para indicar quando o comando está actuado 3) Botão de alarme e outro de paragem de emergência no interior da cabina Átrio de entrada do prédio e entrada no elevador Átrio interior Zona de rotação de 360º Diâmetro A superior a 1,50 m Piso do átrio de entrada do prédio Características 1 - Estável - não se desloca quando em uso normal Vida sem Barreiras Página 5 de

6 2 - Durável - não desgastável com água da chuva os das lavagens 3 - Firme - não deformável quando sujeito a acções mecânicas normais 4 - Contínuo - juntas com profundidade inferior a 0,005 m Superfície do piso a) Tipo de piso b) Reflectâncias c) Acabamento não polido O material do piso é Necessário bojardar o d) Aderência com água idem idem e) Drenagem Inclinação do piso Ressaltos no piso Evitar mudanças abruptas de nível Em caso de existirem mudanças de nível Não aplic. 1) Com altura inferior a 0,005 m podem ser verticais e sem tratamento no bordo 2) Com altura entre 0,005 m e 0,02 m podem ser verticais com o bordo boleado ou chanfrado 3) Com altura superior a 0,02 m devem ter rampa ou dispositivo mecânico Não aplic. Não aplic Escadas do patamar intermédio para o átrio de entrada ) Faixas de aproximação às escadas Patamar superior Material de revestimento Textura diferente mármore que está polido mármore em contínuo ou em faixas Existem escadas de Instalação de plataforma acesso do exterior ao elevatória para vencer o átrio (cerca de 1,9 m de desnível; Rampa não desnível) possível O material do piso é mármore que está polido Já está previsto no tratamento do pavimento do átrio Prever no tratamento do piso Vida sem Barreiras Página 6 de

7 Cor contrastante Dimensões e localização Largura igual à dos degraus Largura na direcção do percurso de 0,60 m Afastada do primeiro degrau 0,50 m Patamar inferior Material de revestimento Textura diferente Cor contrastante Dimensões e localização Largura igual à dos degraus Largura na direcção do percurso de 0,60 m Afastada do primeiro degrau 0,50 m Largura não inferior a 1,2 m 1 - Lanços 2 - Patins 3 - Patamares Patamares e patins 1 - Patamares a) Patamar superior com profundidade não inferior a 1,2 m b) Patamar inferior com profundidade não inferior a 1,2 m 2 - Patins intermédios Não aplic. Desnível superior a 2,4 m Não aplic. Patins com profundidade não inferior a 0,7 m Não aplic Degraus 1;2 - Espelho inferior a 0,18 e cobertor superior a 0,28 m O material do piso é mármore que está polido Desnível de cerca de 1,9 m mas com patim intermédio superior a 0,7 m Já está previsto no tratamento do pavimento do átrio Prever no tratamento do piso Vida sem Barreiras Página 7 de

8 Espelho 0,15 m -> Cobertor 0,3 a 0,35 m Espelho de 0,17 m e cobertor de 0,315 m 3 - Dimensões dos degraus constantes 4 - Aresta dos focinhos boleadas As arestas não são Bolear as arestas 500 vivas mas devem ser mais boleadas 5 - Faixas antiderrapantes e de sinalização a) Largura não inferior a 0,04 m Bojardar os degraus 750 b) Encastradas nos degraus Ressaltos entre espelho e o cobertor Degrau tem de ter espelho O cobertor não deve ser saliente O cobertor é saliente Cortar os degraus 750 cerca de 1 cm Arestas vivas ou projectadas Desníveis superiores a 0,40 m a) Largura inferior a 3 m Corrimãos de ambos os lados Não dispõe de Aplicar corrimãos de 800 corrimãos ambos os lados Corrimãos 1 - Altura entre 0,85 e 0,90 m 2 - Prolongamento paralelo de 0,3 m no topo 3 - Na base prolongamento igual ao primeiro cobertor 4 - Corrimãos contínuos nos diversos lanços Bateria de receptáculos postais Localização no percurso acessível Localizada depois da Alterar a localização da 600 porta de entrada do bateria de receptáculos edifício postais para fora do prédio 2 - Zona livre de aproximação conforme Dimensões da zona livre Largura da zona livre: A >= 0,75 m Comprimento da zona livre: B >= 1,2 m Lado totalmente desobstruído Deve ter uma parede lisa Vida sem Barreiras Página 8 de

9 3 - Altura entre 0,6 m e 1,4 m Altura entre 1,4 m e 1,8 m Comandos luzes e campainhas do átrio de 150 entrada Características 1) Estar situados em zona livre conforme Dimensões da zona livre Largura da zona livre: A >= 0,75 m Comprimento da zona livre: B >= 1,2 m Lado totalmente desobstruído A zona livre deve ter uma parede lisa 2) Estar situados a uma altura conforme Localização frontal dos objectos a alcançar Localização lateral dos objectos a alcançar a) Alcance lateral com ressalto lateral inferior a 0,3 m Altura entre 0,3 m e 1,2 m Altura de 1,4 m Reposicionar os 100 comandos ou duplicálos 3) Forma fácil de actuar e que não requeira rotação do pulso 4) Força de operação inferior a 22 N 5) Ter pelo menos uma das dimensões superior a 0,02 m Identificação 1) Indicação por dispositivo luminoso de presença 2) Identificação táctil (alto-relevo ou braille) Alterar a aparelhagem Porta de entrada do edifício Vãos de porta 1 - Porta de batente - largura útil de 0,87 m Largura útil de 0,94 m Altura útil 1 - Altura útil de passagem >= 2,00 m Zonas de manobra 1 - Porta de batente Largura - A >= 0,80 Vida sem Barreiras Página 9 de

10 Dimensão do outro lado da porta - B >=1,10 m Dimensão do lado da da porta - C >= 1,40 m Dimensão para além da ombreira - D >= 0,10 m Dimensão para além da ombreira do lado da porta - E >= 0,30 m Dimensão para além da ombreira - F >= 0,15 m Transição inferior a 0,02 m 1 - Ressaltos de piso 2 - Calhas elevadas 3 - Batentes 4 - Soleiras Dispositivos de operação das portas 1 - Resistência mínima de operação 2 - Forma adequada de accionar Abertura por chave Fechadura electrónica 500 de cartão ou código com puxador de muleta 3 - Não exige rotação do pulso Localização dos dispositivos de operação das portas Exige rotação do pulso para rodar a chave 1 - Altura do piso entre 0,8 m e 1,1 m 2 - Distância do bordo exterior da porta >= 0,05 m Portas de batente Possibilidade de existência de barra horizontal fixa Altura do piso entre 0,80 m e 1,10 m Aplicar barra horizontal 50 Comprimento mínimo de 0,25 m Força de operação Força de operação inferior a 22 N Portas envidraçadas Marcas de segurança bem vísiveis Aplicar marcas de 50 sinalização 1 - Altura entre 1,2 e 1,5 m Dispõe de uma barra a uma altura de 0,9 m 2 - Cor contrastante Vida sem Barreiras Página 10 de

11 3 - Dimensões adequadas Campaínhas da porta de entrada Características 750 1) Estar situados em zona livre conforme 4.1 Alterar o local ou duplicar o intercomunicador de entrada para um local acessível Dimensões da zona livre Largura da zona livre: A >= 0,75 m Comprimento da zona livre: B >= 1,2 m 2) Estar situados a uma altura conforme Localização lateral dos objectos a alcançar a) Alcance lateral com ressalto lateral inferior a 0,3 m Altura entre 0,3 m e 1,2 m Altura entre 1,4 m e 1,8 incluído na duplicação m 3) Forma fácil de actuar e que não requeira rotação do pulso 4) Força de operação inferior a 22 N 5) Ter pelo menos uma das dimensões superior a 0,02 m Identificação 1) Indicação por dispositivo luminoso de presença 2) Identificação táctil (alto-relevo ou braille) Escadas entre o passeio e o patamar intermédio ) Faixas de aproximação às escadas Patamar superior Material de revestimento Textura diferente Cor contrastante Dimensões e localização O material do piso é mármore que está polido Já está previsto no tratamento do pavimento do átrio Vida sem Barreiras Página 11 de

12 Largura igual à dos degraus Largura na direcção do percurso de 0,60 m Afastada do primeiro degrau 0,50 m Patamar inferior É o passeio público Material de revestimento Textura diferente Cor contrastante Dimensões e localização Largura igual à dos degraus Largura na direcção do percurso de 0,60 m Afastada do primeiro degrau 0,50 m Largura não inferior a 1,2 m 1 - Lanços 2 - Patins 3 - Patamares Degraus 1;2 - Espelho inferior a 0,18 e cobertor superior a 0,28 m Espelho 0,15 m -> Cobertor 0,3 a 0,35 m Espelho de 0,17 m e 3 - Dimensões dos degraus constantes cobertor de 0,315 m 4 - Aresta dos focinhos boleadas Bolear as arestas Faixas antiderrapantes e de sinalização a) Largura não inferior a 0,04 m Bojardar degraus 750 b) Encastradas nos degraus Ressaltos entre espelho e o cobertor Cortar os degraus 750 Degrau tem de ter espelho O cobertor não deve ser saliente O cobertor está 0,01 m saliente Arestas vivas ou projectadas Desníveis superiores a 0,40 m a) Largura inferior a 3 m Corrimãos de ambos os lados Não tem corimão Vida sem Barreiras Página 12 de

13 Corrimãos Aplicar corrimãos de 800 ambos os lados 1 - Altura entre 0,85 e 0,90 m 2 - Prolongamento paralelo de 0,3 m no topo 3 - Na base prolongamento igual ao primeiro cobertor 4 - Corrimãos contínuos nos diversos lanços Passeios e caminhos de peões Passeio 1- Contínuo a) Largura livre não inferior a 1,5 m b) Liberto de estruturas junto às paredes c) Existência de grelhas ou caixas de visita d) Existência de caldeiras de árvores Não aplic. e) Ressaltos ou degraus Características f) Juntas com profundidade inferior a 0,005 m g) Inclinação inferior a 5 por cento na direcção do percurso h) Inclinação inferior a 2 por cento na direcção transversal Juntas no passeio superiores a 0,005 m Comunicar à Câmara para corrigir 2 - Coerente a) Tipo de piso 1) Estável 2) Durável 3) Firme b) Reflectâncias c) Acabamento não polido d) Aderência com água e) Drenagem 3 - Abrangente a) Liga a passadeiras para peões Liga a passadeiras não acessíveis Comunicar à Câmara para corrigir Vida sem Barreiras Página 13 de

14 b) Liga a saída de parques de estacionamento Piso de acesso às garagens Características 1 - Estável - não se desloca quando em uso normal 2 - Durável - não desgastável com água da chuva os das lavagens 3 - Firme - não deformável quando sujeito a acções mecânicas normais 4 - Contínuo - juntas com profundidade inferior a 0,005 m Superfície do piso a) Tipo de piso Cimento em bruto b) Reflectâncias Aceitável c) Acabamento não polido d) Aderência com água e) Drenagem Inclinação do piso Troços inclinados Ressaltos no piso Evitar mudanças abruptas de nível Em caso de existirem mudanças de nível 2) Com altura entre 0,005 m e 0,02 m podem ser verticais com o bordo boleado ou chanfrado 3) Com altura superior a 0,02 m devem ter rampa ou dispositivo mecânico Existem grelhas e Correcção e 100 tampas para serem nivelamento de grelhas corrigidas e tampas Ressalto da entrada da Rebaixamento e 250 garagem cerca de 0,04 rampeamento m Comandos da porta e da luz na garagem Características 1) Estar situados em zona livre conforme Dimensões da zona livre Largura da zona livre: A >= 0,75 m Comprimento da zona livre: B >= 1,2 m Lado totalmente desobstruído Vida sem Barreiras Página 14 de

15 2) Estar situados a uma altura conforme Localização frontal dos objectos a alcançar a) Alcance frontal Altura entre 0,4 m e 1,2 m Altura de 1,4 m Reposicionar os 100 comandos ou duplicálos 3) Forma fácil de actuar e que não requeira rotação do pulso 4) Força de operação inferior a 22 N 5) Ter pelo menos uma das dimensões superior a 0,02 m Identificação 1) Indicação por dispositivo luminoso de presença 2) Identificação táctil (alto-relevo ou braille) Alterar a aparelhagem Espaços para estacionamento de viaturas Número de lugares 1) Um lugar se a lotação não superior a 10 lugares Definir um lugar para 0 estacionamento específico para pessoas com mobilidade condicionada Dimensões e localização 1) Ter largura útil não inferior a 2,5 m Tem largura de 2,8 m 2) Possuir faixa lateral com largura não inferior a 1 m Caso de utilizar o lugar mais perto da porta de acesso, onde se poderá inscrever uma faixa de aproximação usada em paralelo com o acesso das viaturas 3) Ter comprimento útil não inferior a 5 m Tem compriemnto de 5,5 m, incluindo o coredor de acesso Vida sem Barreiras Página 15 de

16 4) Localizados no Percurso e o mais perto da entrada/saída 6) Limites assinalados de forma contrastante com a restante superfície Pintar o piso da garagem com marcações dos lugares 7) Ser assinalados pelos símbolos internacioonais Símbolo horizontal com Aplicação do símbolo 150 dimensão não inferior a internacional na parede 1 m de lado e por um sinal vertical vísivel mesmo quando está um veículo estacionado nesse lugar Comandos de acesso Devem poder ser accionados por pessoas dentro de um automóvel Tem de ser seleccionado o lugar mais próximo da entrada A porta de garagem tem comando à distância e as luzes acendem com o movimento Piso das garagens Características 1 - Estável - não se desloca quando em uso normal 2 - Durável - não desgastável com água da chuva os das lavagens 3 - Firme - não deformável quando sujeito a acções mecânicas normais 4 - Contínuo - juntas com profundidade inferior a 0,005 m Superfície do piso a) Tipo de piso Piso não acabado Previsto quando da 0 pintura do piso b) Reflectâncias Demasiado escuro Previsto quando da pintura do piso c) Acabamento não polido d) Aderência com água Vida sem Barreiras Página 16 de

17 e) Drenagem Inclinação do piso Ressaltos no piso Evitar mudanças abruptas de nível Em caso de existirem mudanças de nível Não existem quaisquer desníveis Percurso 2 - Habitação -> Arrumos Cave Avaliação: Não viável Custo global de adaptação: Item a verificar Avaliação Descrição Solução apontada Percurso Verificado Verificação da concordância da planta Verificado Patamares diante da porta do elevador Não viável 0 1) Permitir zonas de manobra para rotação 360º Não viável Não existe a possibilidade de inscrever uma zona de manobra nos patamares dos andares 2) Inclinação inferior a 2 por cento em qq direcção 3) Desobstruído de obstáculos Patamar da cave Não viável Largura não inferior a 1,2 m Em parte Troços com largura entre 1,2 m e 0,9 m Não viável Comprimento não superior a 1,5 m Não viável Corredor de acesso aos arrumos com 1 m e com mais de 1,5 m de comprimento Custos Individ. Custos item Vida sem Barreiras Página 17 de

18 Zonas de manobra com distância inferior a 10 m quando a largura é inferior a 1,5 m Tem zonas de manobra no hall das escadas e num dos extremos do corredor de acesso aos arrumos Piso do patamar da cave Características 1 - Estável - não se desloca quando em uso normal 2 - Durável - não desgastável com água da chuva os das lavagens 3 - Firme - não deformável quando sujeito a acções mecânicas normais 4 - Contínuo - juntas com profundidade inferior a 0,005 m Superfície do piso a) Tipo de piso Cimento em bruto Pintura époxi b) Reflectâncias Escuro c) Acabamento não polido d) Aderência com água e) Drenagem Inclinação do piso Ressaltos no piso Evitar mudanças abruptas de nível Em caso de existirem mudanças de nível 3) Com altura superior a 0,02 m devem ter rampa ou dispositivo mecânico Existe um degrau do Rampear o degrau e 500 patamar do elevador introduzir um corrimão para o restante patamar de protecção que dá acesso aos arrumos Comandos das luzes na cave Características 1) Estar situados em zona livre conforme Dimensões da zona livre Largura da zona livre: A >= 0,75 m Comprimento da zona livre: B >= 1,2 m Vida sem Barreiras Página 18 de

19 Lado totalmente desobstruído 2) Estar situados a uma altura conforme Localização lateral dos objectos a alcançar a) Alcance lateral com ressalto lateral inferior a 0,3 m Altura entre 0,3 m e 1,2 m Altura de 1,4 m Reposicionar os 100 comandos ou duplicálos 3) Forma fácil de actuar e que não requeira rotação do pulso 4) Força de operação inferior a 22 N 5) Ter pelo menos uma das dimensões superior a 0,02 m Identificação 1) Indicação por dispositivo luminoso de presença 2) Identificação táctil (alto-relevo ou braille) Alterar a aparelhagem Portas dos arrumos Não viável Nota: Não incluído no valor global para as 550 partes comuns porque pertence a cada condómino Vãos de porta 1 - Porta de batente - largura útil de 0,77 m Largura útil de 0,67 m Altura útil 1 - Altura útil de passagem >= 2,00 m Zonas de manobra Não viável 1 - Porta de batente Não viável Largura - A >= 0,80 Comprimento disponível à entrada da porta - B >=1,10 m Não viável Largura do corredor de 1,0 m Comprimento disponível à saída da porta - C >= 1,40 m Dimensão para além da ombreira - D >= 0,10 m Dimensão para além da ombreira do lado da porta - E >= 0,30 m Dimensão para além da ombreira - F >= 0,15 m Portas com ressaltos superiores a 0,02 m As portas não têm ressaltos Vida sem Barreiras Página 19 de

20 1 - Ressaltos de piso 2 - Calhas elevadas 3 - Batentes 4 - Soleiras Dispositivos de operação das portas 1 - Resistência mínima de operação 2 - Forma adequada de accionar Abertura por chave Fechadura electrónica 500 de cartão ou código com puxador de muleta 3 - Não exige rotação do pulso Localização dos dispositivos de operação das portas Exige rotação do pulso para rodar a chave 1 - Altura do piso entre 0,8 m e 1,1 m Altura de 1,1 m 2 - Distância do bordo exterior da porta >= 0,05 m Portas de batente Possibilidade de existência de barra horizontal fixa Instalar barra horizontal 50 Altura do piso entre 0,80 m e 1,10 m Comprimento mínimo de 0,25 m Força de operação (puxar ou empurrar) Força de operação inferior a 22 N Vida sem Barreiras Página 20 de

Relatório. Avaliação das Acessibilidades. Prédio da Rua de Gondarém, 708-712. Nevogilde - Porto

Relatório. Avaliação das Acessibilidades. Prédio da Rua de Gondarém, 708-712. Nevogilde - Porto Relatório Avaliação das Acessibilidades Prédio da Rua de Gondarém, 708-712 Nevogilde - Porto 4100-128 Porto Página 1 de 6 Fax 22 609 3198 Relatório da Avaliação das Acessibilidades Prédio da Rua de Gondarém,

Leia mais

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público OBJECTIVO DO DOCUMENTO Informar acerca dos elementos-chave a ter em consideração na avaliação das barreiras à acessibilidade numa casa e espaços comuns. No caso da intervenção é crítico o envolvimento

Leia mais

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO TÉCNICO E ESPECIALIZADO DIVISÃO DE ACESSIBILIDADES E AJUDAS TÉCNICAS INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS

Leia mais

ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares

ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares Lista de Verificação Ponto 1.1 Algumas das principais exigências das normas técnicas do Decreto-Lei n.º

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

O programa previsto para o Centro Escolar é o seguinte: Área útil unitária

O programa previsto para o Centro Escolar é o seguinte: Área útil unitária MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL Freguesia de Tavarede CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO / TAVAREDE Projecto de Arquitectura _ Projecto Base Memória Descritiva e Justificativa Refere-se a presente

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

EDIFICADO. Plano Local de Promoção da Acessibilidade do Município de Alvaiázere FASE II - PLANO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE

EDIFICADO. Plano Local de Promoção da Acessibilidade do Município de Alvaiázere FASE II - PLANO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE EDIFICADO 5 102 5.1. METODOLOGIA DE ABORDAGEM A promoção da acessibilidade constitui um fator fundamental na qualidade de vida das pessoas, sendo este um meio imprescindível para o exercício dos direitos

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14 INTRODUÇÃO Este material tem o objetivo de avaliar a acessibilidade mínima de estabelecimentos comerciais e de serviço ao público. Ele avalia basicamente a acessibilidade física do local e as condições

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento Fls: 1 / 18 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE ESTRUTURAS ESCADAS E RAMPAS Definição de Escada Série de degraus para subiredescer Dicionário Aurélio Construção formada por uma série de degraus, destinadas a ligar locais com diferenças de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Guia prático da acessibilidade

Guia prático da acessibilidade S Guia prático da acessibilidade Índice Guia prático da acessibilidade Turismo para Todos - Pág. 2 1. Percurso Acessível - Pág. 6 1.1 Circulações - Pág. 7 1.2 Escadas - Pág. 8 1.3 Rampas - Pág. 9 1.4 Ascensores

Leia mais

2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011

2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011 2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011 AS PESSOAS COM INCAPACIDADES E A EVACUAÇÃO DE CENTROS COMERCIAIS EM CASO DE INCÊNDIO Susana Neves *

Leia mais

A C E S S I B I L I D A D E S O L U Ç Õ E S D E D O M U S L I F T O Domuslift é o elevador ideal para moradias (novas ou existentes) proporcionando estilo e comodidade de vida, podendo também ser utilizado

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE - LIC 71.3.8 - Índice 1. Elementos de Arquitetura 1.1 Passeio 1.2 Vagas de estacionamento - demarcação 1.3 Vagas de estacionamento - sinalização 1.4 Rampas 1.5 Escadas e seus componentes 1.6 Aproximação

Leia mais

MANUAL DE PROJECTO PARA A ACESSIBILIDADE NAS ESCOLAS

MANUAL DE PROJECTO PARA A ACESSIBILIDADE NAS ESCOLAS MANUAL DE PROJECTO PARA A ACESSIBILIDADE NAS ESCOLAS MANUAL DE PROJECTO PARA A ACESSIBILIDADE NAS ESCOLAS Ficha técnica Edição: Parque Escolar E.P.E, LPDM-CRS, CPD Direcção editorial: CPD Beatriz Vidal,

Leia mais

Plataforma de Plano Vertical:

Plataforma de Plano Vertical: 38 - CARTILHA SANTOS PARA TODOS CONDEFI Plataforma de Plano Vertical: A Plataforma Vertical é indicada quando não se pode construir uma rampa, mas há um espaço para fazer uma abertura lateral no plano

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

República de Moçambique CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 53/2008 30 de Dezembro

República de Moçambique CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 53/2008 30 de Dezembro República de Moçambique CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 53/2008 30 de Dezembro Havendo necessidade de se estabelecer dispositivos técnicos que permitam a acessibilidade, circulação e utilização dos sistemas

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA REABILITAÇÃO/AMPLIAÇÃO DAS ESCOLAS BÁSICAS DO 1º CICLO E PRÉ-ESCOLAR DE PORTO DE MÓS PARA CENTRO ESCOLAR PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA Projeto de Instalações

Leia mais

6 Acessos e circulação

6 Acessos e circulação 6 Acessos e circulação 6.1 Circulação - Condições gerais As determinações contidas neste capítulo deverão ser mantidas através da conservação criteriosa e continua, de forma a garantir a qualidade em seu

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Regulamenta o Art. 16 da Lei Orgânica, que diz respeito à garantia de acesso adequado aos portadores de deficiência física ou mental aos bens e serviços coletivos,

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

FENACERCI, 2008. Checklist de. Acessibilidade dos. Espaços Públicos de Cultura

FENACERCI, 2008. Checklist de. Acessibilidade dos. Espaços Públicos de Cultura FENACERCI, 2008 Checklist de Acessibilidade dos Espaços Públicos de Cultura Introdução A legislação nacional Lei 9/89 de 2 de Maio, o D.L. 123/97 de 22 de Maio e as Resoluções do Conselho de Ministros

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS DE ACESSIBILIDADE PARA APOIO AO PROJETO ARQUITETÔNICO Manual de instruções técnicas de acessibilidade para apoio ao projeto arquitetônico PRINCÍPIOS BÁSICOS DIRETRIZES CHECK

Leia mais

VII Seminário APPR Vilamoura, 13-11-2015. Acessibilidade. Marinas e espaço público envolvente. Filipe Nascimento Trip Accessible

VII Seminário APPR Vilamoura, 13-11-2015. Acessibilidade. Marinas e espaço público envolvente. Filipe Nascimento Trip Accessible VII Seminário APPR Vilamoura, 13-11-2015 Acessibilidade Marinas e espaço público envolvente Filipe Nascimento Trip Accessible Conceito "Acessibilidade é uma característica do ambiente ou de um objecto

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal. Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística

Município de Leiria Câmara Municipal. Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística :,J~'")i~~~,".-s.y, ~ _ 1lIIIIIIfll I --I'~r1Y-" """'1 r: i:!i - 111 11 " Município de Leiria Câmara Municipal!, \ ;,J '...: r.---------------- Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Publicitado

Leia mais

REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO

REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO Nos termos do Decreto-Lei n.º 163/2006, de 8 de agosto, foram definidas as condições de acessibilidade a satisfazer no projeto e na construção de espaços

Leia mais

FICHA TÉCNICA Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada

FICHA TÉCNICA Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada nº 31 FICHA TÉCNICA Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada Nº Pág.s: 04 31 17. Julho. 2007 Sistemas Elevatórios para Pessoas com Mobilidade Condicionada 01 Todos os cidadãos têm

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015)

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015) GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras Rua Bernardo Sayão, 38 Térreo - Cidade Universitária Zeferino Vaz - CEP 13083-866 - fone/fax: (19) 3521-4105 CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE

Leia mais

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Superintendência de Planejamento, Normas e Procedimentos PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE PROJETO : ACESSIBILIDADE EM PASSEIOS

Leia mais

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02.

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14022 EMENDA 1 20.02.2009 Válida a partir de 20.03.2009 Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros Accessibility in vehicles

Leia mais

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações 5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: Designação: Localização: Função: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM Largo Cândido dos Reis Empresa que presta serviços de comunicações Acesso exterior ao edifício Estacionamento Não

Leia mais

Decreto-Lei n.º 66/95 de 8 de Abril Aprova o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Parques de Estacionamento Cobertos

Decreto-Lei n.º 66/95 de 8 de Abril Aprova o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Parques de Estacionamento Cobertos A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 66/95, de 8 de Abril, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 66/95 de 8 de Abril Aprova

Leia mais

NBR 13994. Elevadores de passageiros - Elevadores para transporte de pessoa portadora de deficiência. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

NBR 13994. Elevadores de passageiros - Elevadores para transporte de pessoa portadora de deficiência. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas MAIO 2000 NBR 13994 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Elevadores de passageiros - Elevadores para transporte de pessoa portadora de deficiência Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

MODELO. Relatório da inspecção preliminar das escadas rolantes (Modelo) Anexo 3. Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.

MODELO. Relatório da inspecção preliminar das escadas rolantes (Modelo) Anexo 3. Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n. Anexo 3 Relatório n.º: Relatório da inspecção preliminar das escadas rolantes (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo dos equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de

Leia mais

Alunos do 5º Ano Turma B

Alunos do 5º Ano Turma B EB 23 de Valadares Projecto Concurso Escola Alerta Alunos do 5º Ano Turma B Boa tarde e Bem Vindos! 1 EB 23 de Valadares Projecto Concurso Escola Alerta Estamos aqui hoje para apresentar os resultados

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

Plataforma Elevatória Vertical para Cadeira de Rodas

Plataforma Elevatória Vertical para Cadeira de Rodas Plataforma Elevatória Vertical para Cadeira de Rodas TK Elevadores Plataforma elevatória vertical para cadeira de rodas A ThyssenKrupp Elevadores oferece agora dispositivos de acessibilidade em adição

Leia mais

Edital n.º 29/2004. Regulamento para a Promoção da Acessibilidade e Mobilidade Pedonal

Edital n.º 29/2004. Regulamento para a Promoção da Acessibilidade e Mobilidade Pedonal Edital n.º 29/2004 Faz-se saber que a Assembleia Municipal de Lisboa, na sua reunião de 2004/04/27, aprovou o Regulamento Municipal sobre Acessibilidade Urbana, que a seguir se publica: Regulamento para

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA

CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA 26.FEV.2011 05.MAR.2011 12.MAR.2011 VISTORIAS ÀS ZONAS DE USO COMUM DO CONDOMÍNIO PARA REGISTO DE ANOMALIAS ENCONTRADOS NA CONSTRUÇÃO: 1. INTERIOR DOS BLOCOS 1.1. BLOCO A:

Leia mais

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE: UM ESTUDO DAS CLÍNICAS DE FISIOTERAPIA DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE: UM ESTUDO DAS CLÍNICAS DE FISIOTERAPIA DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE: UM ESTUDO DAS CLÍNICAS DE FISIOTERAPIA DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC Rodrigo Ghizzo*, Alexandre Zabot ** * Acadêmico da 8ª fase do curso de Fisioterapia, de Conclusão de Curso

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

5670 Diário da República, 1. a série N. o 152 8 de Agosto de 2006

5670 Diário da República, 1. a série N. o 152 8 de Agosto de 2006 5670 Diário da República, 1. a série N. o 152 8 de Agosto de 2006 assessores consulares são equiparados aos adidos do pessoal especializado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, sendo-lhes aplicável

Leia mais

PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS. Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga

PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS. Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga julho 2015 Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos ( ) in Declaração dos Direitos Humanos,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 123/97 de 22 de Maio

Decreto-Lei n.º 123/97 de 22 de Maio A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 123/97, de 22 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 123/97 de 22 de Maio Normas

Leia mais

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Centro Universitário UNICAPITAL e Faculdades Integradas Paulista FIP Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Calcular Escadas Prof a Suely Midori Aoki Estag. Eriki Masahiko

Leia mais

Portaria Inmetro 27/2011, 152/2009 e 364/2010 Código: 3466

Portaria Inmetro 27/2011, 152/2009 e 364/2010 Código: 3466 PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO EM VEÍCULOS ACESSÍVEIS, FABRICADOS COM CARACTERÍSTICAS RODOVIÁRIAS QUE TRAFEGAM EM VIAS URBANAS PARA TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS Portaria Inmetro 27/2011, 152/2009

Leia mais

CIRCULAÇÕES VERTICAIS

CIRCULAÇÕES VERTICAIS CIRCULAÇÕES VERTICAIS CEG219 Desenho arquitetônico II Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG219 DESENHO ARQUITETÔNICO II - Prof. Márcio Carboni 1 CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função

Leia mais

Decreto-Lei nº163/2006 de 8 de Agosto

Decreto-Lei nº163/2006 de 8 de Agosto Decreto-Lei nº163/2006 de 8 de Agosto ACESSIBILIDADE DE ESPAÇOS PÚBLICOS, EQUIPAMENTOS COLECTIVOS E EDIFÍCIOS PÚBLICOS E HABITACIONAIS Decreto-Lei nº163/2006 de 8 de Agosto A promoção da acessibilidade

Leia mais

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL PARA SER INSTALADO NO EDÍFICIO DO ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL EM FORTALEZA-CE.

Leia mais

Security, Health and Safety

Security, Health and Safety Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt As quedas, escorregadelas e os tropeçamentos são a causa de acidentes e ferimentos entre Trabalhadores.

Leia mais

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector :

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Anexo 2 Relatório da inspecção preliminar dos elevadores (Modelo) Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo de equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de inspecção

Leia mais

Cartilha de Acessibilidade

Cartilha de Acessibilidade Cartilha de Acessibilidade Acessibilidade em Terminais e Pontos de Parada Rodoviários e Estações Ferroviárias do Sistema de Transporte Interestadual e Internacional de Passageiros Realização ANTT - Agência

Leia mais

Ficha Técnica Designação Especificação Especialidade

Ficha Técnica Designação Especificação Especialidade Nº Definir os criterios de aceitação /rejeição das instalações de Eléctricos. Lista de Deficiências - Orgão - Quadro de Serviços omuns A alimentação do Quadro da asa das Máquinas não possui protecção contra

Leia mais

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso respeite o direito de ir e vir de cada um Fique sabendo: De acordo com o último senso realizado em 2010, 23,5% da população brasileira tem algum tipo

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Manual de acessibilidade para agências bancárias

Manual de acessibilidade para agências bancárias Manual de acessibilidade para agências bancárias Especificações técnicas para adequações na acessibilidade para pessoas com deficiência e/ou com mobilidade reduzida Índice 2 M a n u a l d e A c e s s i

Leia mais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à PROJECTO

Leia mais

ANEXO. Regulamento da Comissão

ANEXO. Regulamento da Comissão COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, XXX [ ](2014) XXX draft ANNEX 1 ANEXO do Regulamento da Comissão relativo à especificação técnica de interoperabilidade respeitante à acessibilidade do sistema ferroviário da

Leia mais

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso OUT / 2011 plataforma elevatória ac 02 Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios residenciais

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA 2 SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA Com um conceito que busca facilidades, desenvolvemos uma plataforma cabinada, compacta e moderna, perfeita para o tipo de aplicação em estrutura de alvenaria. Com

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

Aplicação lateral. Aplicação traseira. Rotativa

Aplicação lateral. Aplicação traseira. Rotativa Plataforma Bipartida Electro-hidráulica Tem como objectivo facilitar a entrada de menos-válidos que se desloquem em cadeira de rodas. Passível de ser aplicada na entrada lateral ou traseira da viatura.

Leia mais

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. "Dispõe sobre adaptações no Transporte Coletivo Urbano e garante o acesso de pessoas portadoras de deficiência, do idoso e dá outras providências".

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS

LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS Condomínio privado com entrada controlada e jardim interior, através do qual se acede aos átrios dos apartamentos Estrutura em betão armado, anti-sísmica,

Leia mais

MIG - Identidade Sicoob

MIG - Identidade Sicoob MIG - Identidade Sicoob Acessibilidade Acessbilidade 1. introdução Mais do que cumprir a lei (Lei 10.098/2000 e Decreto 5.296/2004), contemplar acessibilidade nas edificações das cooperativas do Sicoob

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO Elisa Furian elisafurian@outlook.com ESCALA É a relação existente entre as dimensões de um desenho e as dimensões reais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO SUMÁRIA DE MATERIAIS UTILIZADOS

ESPECIFICAÇÃO SUMÁRIA DE MATERIAIS UTILIZADOS ESPECIFICAÇÃO SUMÁRIA DE MATERIAIS UTILIZADOS OBRA: EDIFICIO SAN REMY -2 E 3 DORMITÓRIOS ENDEREÇO: MIGUEL COUTO 218 PROJETO: CARLOS HENRIQUE HORST-CREA 83447 1.ÁREA PRIVATIVA 1.1 PAVIMENTO TIPO 1.1.1ESTAR/JANTAR

Leia mais