ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA"

Transcrição

1 M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade total nas unidades do MPF no Estado de São Paulo ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DADOS DA VISITA PRM: Data Vistoria: Endereço: Número: Complemento: Cidade: Estado: CEP: O imóvel é bem tombado ou situa-se em área próxima a bem tombado? Coordenador da PRM: Responsável pelo levantamento técnico: Descrição: Levantamento Técnico 1

2 ESTACIONAMENTO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 2.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 2

3 ESTACIONAMENTO Verifique se as vagas reservadas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Estão localizadas próximas ao acesso principal do edifício? Possuem dimensões mínimas de 2,50 m x 5,50 m, com faixa adicional de 1,20 m? Possuem sinalização horizontal de 1,70 m x 1,70 m pintada no piso? A sinalização está em conformidade com as dimensões e cores padronizadas? Possuem rebaixamento de guia no alinhamento da faixa de circulação no caso de vaga externa? Quantas vagas existem no local? Destas, quantas são consideradas acessíveis? O número de vagas reservadas está de acordo com as exigências? As vagas adaptadas estão localizadas em rota acessível? Possuem sinalização vertical conforme as figuras abaixo (esq.: via pública, dir.: espaço interno)? O local possui sinalização para orientar o percurso até a localização da(s) vaga(s) acessível(is)? Levantamento Técnico 3

4 ENTRADAS E SAÍDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 3.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 4

5 ENTRADAS E SAÍDAS Verifique se as entradas e saídas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Os pisos possuem superfície regular, firme, contínua, estável e antiderrapante sob quaisquer condições climáticas? Possuem percurso livre de obstáculos, com largura mínima de 1,20 m? As grelhas e juntas de dilatação são transversais à direção do movimento, embutidas no piso e com vão máximo de 1,5 cm? No caso de catracas ou cancelas, ao menos uma é acessível às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida? Em edificações novas: todas as entradas e saídas estão em nível ou possuem rampas ou equipamentos eletromecânicos? Em edificações existentes: a distância máxima de percurso real da entrada principal (não acessível) até a entrada acessível é inferior a 50 m? Possuem piso tátil de alerta para sinalização e indicação de desnível? Possuem piso tátil de alerta para obstáculos suspensos a mais de 60 cm do piso? Possuem Símbolo Internacional de Acesso - SIA para indicar, localizar e direcionar adequadamente a pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida para a rota acessível? Verifique se a rampa de acesso à edificação está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui largura mínima de 1,20 m/? O patamar possui no mínimo 1,20 m de comprimento? A rampa possui inclinação máxima de 8,33%, atendendo ao desnível máximo por segmento de rampa exigido? (Obs.: a inclinação de 8,33% significa que são necessários 12 m de rampa para Levantamento Técnico 5

6 vencer 1 m de desnível) Possui paredes laterais ou rodapé como guia de balizamento? A guia de balizamento possui altura mínima de 5 cm executada sob os guarda-corpos? A rampa possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m, localizado antes do início e após o término da rampa? O piso tátil de alerta está distante no máximo 0,32 m do início e do final da rampa? Verifique se o corrimão da rampa está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da rampa, instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão é duplo com alturas respectivas de 0,70 m e 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades, mantendo as mesmas alturas? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Permite passagem contínua da mão? Nas rampas com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Verifique se a escada de acesso à edificação está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui largura mínima de 1,20 m? O patamar possui comprimento mínimo de 1,20 m? Todos os degraus possuem sinalização visual em cor contrastante nas bordas do piso, com comprimento mínimo de 20 cm e largura entre 2 cm e 3 cm? A escada possui espelho vazado? Levantamento Técnico 6

7 Verifique se o piso tátil da escada está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m localizado antes do início e após o término da escada? Este piso tátil está distante no máximo 0,32 m do início e após o fim da escada? Verifique se o corrimão da escada está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da escada, instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão possui altura de 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades, mantendo a altura de 0,92cm? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Permite passagem contínua da mão? Na escada com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Levantamento Técnico 7

8 CIRCULAÇÃO INTERNA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 4.0 E 20.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 8

9 CIRCULAÇÃO INTERNA Verifique se a circulação interna está de acordo com as normas de acessibilidade: Os corredores estão dimensionados de acordo com a tabela abaixo? Tipo de uso do corredor Extensão do corredor (c) Largura mínima admitida Sim Não Não é o caso Comum Até 4,00 m 0,90 m Comum Até 10,00 m 1,20 m Comum Público Superior a 10,00m 1,50 m 1,50 m O piso possui superfície regular, firme, estável e antiderrapante sob qualquer condição? Os capachos estão embutidos no chão, não ultrapassando 0,5 cm de altura? Os tapetes são evitados nas rotas acessíveis? As barreiras suspensas (orelhões, balcões, bebedouros, fundo de escada, etc) abaixo de 2,10 m, na rota acessível, são sinalizadas com piso tátil de alerta ou possuem barreira arquitetônica em sua projeção? Existe rota acessível para pessoas em cadeira de rodas interligando os pavimentos de uso coletivo ou público? Os desníveis entre 0,5 cm e 1,5 cm possuem acabamento chanfrado na proporção de 1:2? Levantamento Técnico 9

10 RAMPA INTERNA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 6.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 10

11 RAMPA INTERNA Verifique se a rampa interna está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui largura mínima de 1,20 m? O patamar possui no mínimo 1,20 m de comprimento? A rampa possui inclinação máxima de 8,33%, atendendo ao desnível máximo por segmento de rampa exigido? (Obs.: a inclinação de 8,33% significa que são necessários 12 m de rampa para vencer 1 m de desnível) Possui paredes laterais ou rodapé como guia de balizamento? A guia de balizamento possui altura mínima de 5 cm executadas sob os guarda-corpos? A rampa possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m, localizado antes do início e após o término da rampa? O piso tátil de alerta está distante no máximo 0,32 m do início e do final da rampa? Verifique se o corrimão da rampa está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da rampa instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão é duplo com alturas respectivas de 0,70 m e 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Permite passagem contínua da mão? Há um espaço livre de, no mínimo, 4,0 cm entre a parede e o corrimão? Levantamento Técnico 11

12 Nas rampas com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Levantamento Técnico 12

13 ESCADA INTERNA E DEGRAUS ISOLADOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 7.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 13

14 ESCADA INTERNA E DEGRAUS ISOLADOS Verifique se as escadas e degraus isolados internos estão de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui largura mínima de 1,20 m? O patamar possui comprimento mínimo de 1,20 m? Todos os degraus possuem sinalização visual em cor contrastante nas bordas do piso, com comprimento mínimo de 20 cm e largura entre 2 cm e 3 cm? A escada possui espelho vazado? Verifique se o piso tátil das escadas está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m localizado antes do início e após o término da escada? Este piso tátil está distante no máximo 0,32 m do início e após o fim da escada? O degrau isolado possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m localizado antes do início e após o término do degrau? Este piso tátil está distante, no máximo, 0,32 m antes do início e após o término do degrau? Verifique se o corrimão da escada está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da escada, instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão possui altura de 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades, mantendo a altura de 0,92 m? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Levantamento Técnico 14

15 Permite passagem contínua da mão? Há um espaço livre de, no mínimo, 4,0 cm entre a parede e o corrimão? Nas escadas com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Levantamento Técnico 15

16 PORTAS E ABERTURAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 5.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 16

17 PORTAS E ABERTURAS Verifique se as portas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Nos ambientes comuns, como sanitários, salas de reunião, saídas de emergência e outros, as portas possuem sinalização visual e tátil? Todas possuem área de aproximação lateral (60 cm para puxar e 30 cm para empurrar)? Todas possuem fácil abertura, não exigindo esforços para utilização? Em portas de correr, os trilhos ou guias inferiores estão nivelados com a superfície do piso ou com desnível inferior a 0,5 cm? Verifique se os vãos estão de acordo com as normas de acessibilidade: Todas as portas e vãos de passagem possuem largura livre mínima de 0,80 m? Verifique se as maçanetas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Todas as maçanetas são do tipo alavanca? Estão a uma altura entre 0,90 m e 1,10 m do piso acabado? Verifique se os puxadores (barras com diâmetro entre 3,0 e 4,5 cm) estão de acordo com as normas de acessibilidade: Todas as portas de sanitários, vestiários e salas acessíveis possuem puxador horizontal? Estão a uma altura de 0,90 m de eixo a piso? O comprimento é igual à metade da largura da porta, com comprimento mínimo de 40cm? Verifique se os visores das portas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Possuem altura inferior iniciando entre 0,40 m e 0,90 m? Levantamento Técnico 17

18 Possuem altura superior no mínimo a 1,50 m do piso acabado? Possuem largura mínima de 0,20 m? Verifique se os dispositivos foram instalados de acordo com as normas de acessibilidade: Todos os dispositivos abaixo estão instalados nas alturas corretas, como indicado na tabela? Dispositivos Variação de altura (Local de manuseio) Sim Não Não é o caso Interruptor 0,60 m 1,00 m Campainha/alarme 0,60 m 1,00 m Tomada 0,40 m 1,00 m Comando de janela 0,60 m 1,20 m Maçaneta de porta 0,80 m 1,00 m Registro 0,80 m 1,20 m Interfone 0,80 m 1,20 m Quadro de luz 0,80 m 1,20 m Levantamento Técnico 18

19 SANITÁRIOS E VESTIÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 13.0, 14.0, 15.0, 16.0, 17.0 E 19.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 19

20 SANITÁRIOS E VESTIÁRIO Verifique se o sanitário adaptado está de acordo com as normas de acessibilidade: Está localizado em rota acessível e devidamente sinalizado? Verifique se o boxe adaptado de sanitários está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui no mínimo uma peça por pavimento adequada ao uso da pessoa com deficiência? O sanitário acessível possui um dispositivo de sinalização de emergência ao lado da bacia, a uma altura de 40 cm do piso acabado? Nas edificações existentes: O sanitário acessível possui dimensão minima de 1,50 m x 1,50 m? A porta possui 0,80 m de vão livre? Possui área de manobra que permita rotação de 180 (1,20 m x 1,50 m)? Verifique se a bacia sanitária está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui área de transferência lateral, diagonal e perpendicular? As bacias de sanitário acessível possuem 0,46 m de altura, da borda superior do assento ao piso acabado? Levantamento Técnico 20

21 As barras de apoio possuem altura e dimensões adequadas? A papeleira embutida da bacia acessível: Esta localizada a uma altura de 0,50 m a 0,60 m do piso acabado? Possui distância máxima de 0,15 m da borda frontal da bacia? A papeleira sobreposta da bacia acessível: Está localizada a uma altura de 1,00 m a 1,20 m do piso acabado? Possui distância máxima de 0,15 m da borda frontal da bacia? Verifique se o lavatório está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui área de aproximação frontal para usuários em cadeiras de rodas? Possui comandos de torneira do tipo monocomando, alavanca ou sensor eletrônico? Está instalado entre 0,78 m e 0,80 m do piso em relação a sua face superior? Permite altura livre de 0,73 m, sem colunas ou gabinetes, com proteção para o sifão e a tubulação? O lavatório possui barra de apoio na horizontal na altura adequada (entre 0,78 m e 0,80 m)? O espelho do sanitário acessível: Possui a borda inferior na altura de no máximo 0,90 m em relação ao piso acabado? (Obs.: Quando inclinado a 10, a borda inferior está na altura de, no máximo, 1,10 m em relação ao piso acabado? ) Levantamento Técnico 21

22 Verifique se o mictório está de acordo com as normas de acessibilidade: O mictório acessível possui área de aproximação frontal? Possui barras verticais com comprimento mínimo de 0,70cm e altura de 0,75cm do piso? Possui afastamento máximo entre as barras de 0,60 m? A borda frontal do mictório está instalada a uma altura entre 0,60 m e 0,65 m? Levantamento Técnico 22

23 COPA / COZINHA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 24.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 23

24 COPA / COZINHA Verifique se a copa e/ou a cozinha, estão de acordo com as normas de acessibilidade: A largura livre mínima para aproximação frontal à cuba é de 0,80 m? A pia possui altura de no máximo 0,85 m do piso acabado? A altura livre inferior é de no mínimo 0,73 m? Existe protetor de sifão? Existem condições de circulação e alcance dos utensílios? Há pelo menos 5% das mesas (sendo no mínimo uma acessível) para pessoas em cadeiras de rodas? Há uma faixa livre de circulação de 0,90 m e área de manobra de 1,50 m para o acesso à(s) mesa(s)? Levantamento Técnico 24

25 ELEVADOR DE PASSAGEIROS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 8.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 25

26 ELEVADOR DE PASSAGEIROS Verifique se os elevadores de passageiros estão de acordo com as normas de acessibilidade: O elevador, em edificações novas, possui cabina com dimensões minimas de 1,10m (largura) x 1,40 m (profundidade)? O elevador adaptado, em edificações existentes, possui cabina com dimensão mínima de 1,00 m (largura) x 1,25 m (profundidade)? O elevador possui piso tátil de alerta junto à porta, com largura entre 0,25 m e 0,60 m? O piso tátil de alerta está distante, no máximo, 0,32 m da porta? As botoeiras do elevador estão localizadas entre a altura mínima de 0,89 m e máxima de 1,35 m do piso? O elevador possui espelho fixado na parede oposta à porta? O elevador possui sinalização em Braille ao lado esquerdo do botão correspondente? O elevador possui registro visível e audível dado a cada operação individual do botão? O elevador possui sinal sonoro diferenciado para subida e descida? O elevador possui comunicação sonora interna indicando os andares nas paradas de destino? O elevador possui identificação em Braille do pavimento afixada em ambos os lados do batente do elevador, respeitando a altura entre 0,90 m e 1,10 m? O elevador possui dispositivo de comunicação para solicitação de auxílio (interfone)? Levantamento Técnico 26

27 ELEVADOR EXCLUSIVO PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (COM CABINE E POÇO ENCLAUSURADO) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 9.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 27

28 ELEVADOR EXCLUSIVO PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Verifique se os elevadores exclusivos estão de acordo com as normas de acessibilidade: O percurso máximo é de, no máximo, 12 m de altura? Possui dimensões mínimas de 0,90 m de largura e 1,30 m de profundidade? Os botões de comando de pavimento do elevador de uso exclusivo estão posicionados entre 0,90 m e 1,10 m de altura do piso? Os botões de comando da cabina do elevador de uso exclusivo estão posicionados entre 0,80 m e 1,20 m de altura do piso da cabina? O elevador possui identificação em Braille do pavimento afixada em ambos os lados do batente do elevador, respeitando a altura entre 0,90 m e 1,10 m? Levantamento Técnico 28

29 PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS PERCURSO VERTICAL 1- PLATAFORMA ABERTA (ATÉ 2m DE DESNÍVEL) 2 CAIXA ENCLAUSURADA (DE 2m A 9m DE DESNÍVEL) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 10.0, 10.1 E 10.2 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 29

30 PLATAFORMA ELEVATÓRIA Verifique se as plataformas elevatórias estão de acordo com as normas de acessibilidade: A plataforma, de uso público, possui dimensões mínimas de 0,90 m x 1,40 m? A plataforma obstrui a escada? Verifique se o percurso vertical está de acordo com as normas de acessibilidade: O desnível vencido é de até 2,00 m (edificações de uso público ou coletivo)? Possui fechamento contínuo até 1,10 m do piso? Em desníveis superiores a 2,00 m, em edificação de uso publico ou coletivo, a plataforma possui caixa enclausurada? Na passagem através da laje existe caixa enclausurada? Possui Símbolo Internacional de Acesso - SIA, visível em todos os pavimentos? Levantamento Técnico 30

31 LOCAIS DE REUNIÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 21.0, 21.1, 21.2 E 21.3 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 31

32 LOCAIS DE REUNIÃO Verifique se os locais de reunião estão de acordo com as normas de acessibilidade (considerando auditórios com capacidade para até 100 assentos): Possuem 1 assento reservado para pessoa com mobilidade reduzida (PMR)? Possuem 3 espaços para pessoas em cadeira de rodas (PCR)? Possuem 1 assento reservado para pessoa obesa (PO)? Os espaços reservados para pessoa em cadeira de rodas (PCR), assim como os assentos para pessoa com mobilidade reduzida (PMR) e pessoa obesa (PO), estão localizados em rotas acessíveis e em locais de piso plano? O assento reservado para pessoa com mobilidade reduzida (PMR): Possui um espaço livre frontal de no mínimo 0,60 m? Os espaços reservados para pessoa em cadeira de rodas (PCR): Estão associados a um assento fixo para acompanhante? Possuem dimensão mínima de 0,80 m x 1,20 m? Estão deslocados 0,30 m em relação à cadeira ao lado? O assento reservado para pessoa obesa (PO): Possui largura equivalente a de dois assentos adotados no local? Possui espaço livre frontal de no mínimo 0,60 m? Suporta uma carga de no mínimo 250 kg? Há piso tátil de alerta ou barreira arquitetônica na beirada do palco? O Palco possui rampa ou equipamento eletromecânico para acesso? Levantamento Técnico 32

33 No caso de rampa, ela possui: Largura mínima de 0,90m? Inclinação de no máximo 1:6 (16,66%) para altura de até 0,60 m? Inclinação de no máximo de 1:10 (10%) para alturas superiores a 0,60 m? Guia de balizamento ou corrimão? Levantamento Técnico 33

34 MOBILIÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 4.0 E 20.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 34

35 MOBILIÁRIO Verifique se o telefone público está de acordo com as normas de acessibilidade: Há pelo menos 1 telefone acessível, com os comandos entre 0,80 m e 1,20 m do piso? O telefone possui área de aproximação frontal e lateral? Há piso tátil de alerta em sua projeção? Verifique se os bebedouros estão de acordo com as normas de acessibilidade: Pelo menos 50% dos bebedouros, por pavimento, são acessíveis? Possuem área de aproximação frontal a pessoas em cadeira de rodas, com bica na face frontal? Possuem altura inferior livre de, no mínimo, 0,73 m e altura da bica de, no máximo, 0,90 m do piso? Bebedouros do tipo garrafão, filtros e similares, possuem dispositivo de acionamento a uma altura de 0,80 m a 1,20 m do piso? Os copos estão instalados a uma altura de 0,80 m a 1,20 m do piso? Levantamento Técnico 35

36 Verifique se os assentos fixos da recepção estão de acordo com as normas de acessibilidade: Ao lado dos assentos de espera há um módulo de referência, em rota acessível? Verifique se o balcão de atendimento está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui altura máxima de 0,90 m do piso na face superior e altura livre inferior de 0,73 m? Possui atendimento com largura mínima de 0,90 m? Possui recuo de 0,30 m para aproximação do cadeirante? Possui direcionamento em piso tátil desde a entrada da PRM até o balcão de atendimento? Levantamento Técnico 36

37 PLANILHA DE CONTAGEM RELACIONAR NA PLANILHA A SEGUIR AS PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA QUE A PRM ATENDA A TODOS OS ITENS DA NORMA DE ACESSIBILIDADE NBR 9050) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 37

38 ALTERAÇÕES PARA ADEQUAÇÃO ÀS NORMAS DE ACESSIBILIDADE PRM: DESCRIÇÃO DO ITEM PARA AQUISIÇÃO QUANTI- OU REFORMA DADE ORÇAMENTO OBSERVAÇÕES Levantamento Técnico 38

INTRODUÇÃO. Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida SMPED 43

INTRODUÇÃO. Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida SMPED 43 CHECK LIST INTRODUÇÃO Este documento tem como objetivo possibilitar uma verificação rápida dos princípios de acessibilidade de edificações e vias públicas, porém, as instruções complementares para a observância

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

QUESTIONÁRIO ACESSIBILIDADE ARQUITEÔNICA EM AMBIENTES ESCOLARES

QUESTIONÁRIO ACESSIBILIDADE ARQUITEÔNICA EM AMBIENTES ESCOLARES Prezado(a) Sr(a), Este questionário tem como objetivo mapear e caracterizar a situação da educação dos alunos com deficiência na Rede Estadual de Ensino para auxiliar na melhoria da educação. A sua participação

Leia mais

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE INDICE 1. Objetivo...... 6 2. Conceito de acessibilidade... 6 3. Acessibilidade NA ART... 6 4. Normas e legislação... 7 5. Legislação federal 10.048/2000... 8 6. Legislação federal 10.098/2000... 8 7.

Leia mais

Checklist de Acessibilidade dos Espaços Internos da UFES

Checklist de Acessibilidade dos Espaços Internos da UFES Checklist de Acessibilidade dos Espaços Internos da UFES Introdução Segundo o art. 205 da Constituição Federal de 1988, a educação é um direito de todos e dever do Estado e da família, já que orienta no

Leia mais

ANEXO I LISTA DE VERIFICAÇÃO EM ACESSIBILIDADE

ANEXO I LISTA DE VERIFICAÇÃO EM ACESSIBILIDADE ANEXO I LISTA DE VERIFICAÇÃO EM ACESSIBILIDADE ITEM DESCRIÇÃO ATENDIMENTO* ETAPA DE VERIFICAÇÃO PELO CONCEDENTE PELO N/A - PELO NÃO OU CONVENENTE Justificar CONVENENTE SIM nesta MANDATÁRIA** NO PROJETO

Leia mais

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I . ITEM. SIM. CALÇADAS. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21 A ANEXO I LISTA DE VERIFICAÇÃO EM ACESSIBILIDADE. ROTA ACES- SÍVEL DESCRIÇÃO AT E N D I M E N TO * ETAPA DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência LAUDO / CHECK LIST DE ACESSIBILIDADE PARA AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS DE ACESSIBILIDADE (CONFORME NBR 9050:) TOTAL DE 2 CIDADE São Francisco do Sul ESTADO Santa Cataina RUA / AV Rod. Duque de Caxias

Leia mais

Aula 10 Acessibilidade

Aula 10 Acessibilidade Aula 10 Acessibilidade Sumário 1. Introdução 2. Instalações e equipamentos Portas Cozinha Copa / Refeições Sala de estar Banheiro Piso Tátil Elevadores Rampas Cadeiras Elevadoras Plataformas Elevadoras

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO DE ADEQUAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO DE ADEQUAÇÃO DE ACESSIBILIDADE MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO DE ADEQUAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este documento técnico tem por finalidade descrever as ações e/ou serviços a serem executados referentes a acessibilidade da Unidade Básica

Leia mais

Acessibilidade Física

Acessibilidade Física Acessibilidade Física ACESSIBILIDADE FÍSICA OBJETIVO -> ACESSIBILIDADE FÍSICA - Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações,espaço,mobiliário,equipamentourbanoeelementos.

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ELEMENTOS DO PROJETO NORMA/LEI 1. CALÇADA a. Deve ter faixa livre para pedestres com largura mínima de 1,50 m, sendo admissível

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias ACESSIBILIDADE DESENHO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de uso, com segurança, autonomia e independência de edificações, espaços, mobiliários, vias públicas, equipamentos urbanos e de

Leia mais

Aula 07 Acessibilidade

Aula 07 Acessibilidade Aula 07 Acessibilidade Sumário 1. Introdução 2. Instalações e equipamentos Portas Cozinha Copa / Refeições Sala de estar Banheiro Piso Tátil Elevadores Rampas Cadeiras Elevadoras Plataformas Elevadoras

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76.

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76. 6 Circulação e Acessos Excluído: e Circulação Neste item será estabelecido os critérios orientativos básicos de acessibilidade nos acessos e circulação para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Leia mais

NBR 9050:2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

NBR 9050:2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Versões: NBR 9050:2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NBR 9050:2015 (Vigente) Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Descrição:

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR:

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: I- PASSEIO CIRCUNDANTE AO LOTE 01 - Falta construir o passeio circundante ao lote. (Dec.19.915/98. Art.50, 1º, V) 02 -

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

Laudo técnico de acessibilidade MODELO DATA R00. 0

Laudo técnico de acessibilidade MODELO DATA R00.  0 Laudo técnico de acessibilidade MODELO DATA R00 www.nucaa.com.br 0 Objetivo Este laudo técnico de acessibilidade tem como objetivo analisar as condições físicas das instalações do edifício localizado em

Leia mais

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência LAUDO / CHECK LIST DE ACESSIBILIDADE PARA AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS DE ACESSIBILIDADE (CONFORME NBR 9050:) TOTAL DE 2 CIDADE Ibirama ESTADO SC RUA / AV Dr Getúlio Vargas Nº 3006 ÁREA TOTAL 6.032,67

Leia mais

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência Banheiro 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha 7.3.4.1 Área de transferência Para boxes de chuveiros deve ser prevista área de transferência externa ao boxe, de forma a permitir a aproximação paralela, devendo

Leia mais

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CONFORME NBR 9050:) TOTAL DE 1 CIDADE Araquari ESTADO SC RUA / AV Rodovia BR280 Nº Km 27 ÁREA TOTAL BAIRRO Colégio Agrícola ANO DE CONSTRUÇÃO PAVTOS ATENDE PÚBLICO SITUAÇÃO DO IMÓVEL RESPONSÁVEL PELA

Leia mais

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência LAUDO / CHECK LIST DE ACESSIBILIDADE PARA AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS DE ACESSIBILIDADE (CONFORME NBR 9050:2015) TOTAL DE PAVTOS 550 ÁREA TOTAL SC CIDADE LUZERNA RUA / AV VIGÁRIO FREI JOÃO Nº BAIRRO

Leia mais

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência LAUDO / CHECK LIST DE ACESSIBILIDADE PARA AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS DE ACESSIBILIDADE (CONFORME NBR 9050:) TOTAL DE UNIDADE / ÓRGÃO IFC CAMPUS ARAQUARI 1 CIDADE Araquari ESTADO SANTA CATARINA

Leia mais

DEFINIÇÕES. Deficiência: redução, limitação ou inexistência

DEFINIÇÕES. Deficiência: redução, limitação ou inexistência 0800-940-3838 Esta é uma publicação da Editora Nosso Trânsito, escrita com base na NBR 9050 da ABNT e inserido alguns complementos e exemplos para melhor entendimento da norma. Página 2 DEFINIÇÕES Área

Leia mais

PARTE II ACESSIBILIDADE

PARTE II ACESSIBILIDADE PARTE II ACESSIBILIDADE Manual de Sinalização de Acessibilidade - Ano 2013 Detalhamento Técnico Especificações CAPA ACESSIBILIDADE REGRA GERAL PARA CONFECÇÃO DAS PLACAS VISUAL/BRAILLE 1- Todos os textos

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele PL 220 e PL 240 PIONEIRA EM ACESSIBILIDADE NO BRASIL Fundada em 1982, a Montele é pioneira na fabricacão de elevadores e plataformas

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria LAUDO DE ACESSIBILIDADE REITORIA Blumenau/SC, dezembro de 2017 1/12 Marcelo Bradacz Lopes Arquiteto e Urbanista CAU A59736-8 RRT 6444081 2/12 INTRODUÇÃO O Art. 120. da Lei 13.146, de 2015, estabeleceu

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico fonte: PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Las Dimensiones en los Espacios Interiores. Mexico: Gustavo Gili, 1996 [1979]. Pg

Leia mais

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA GUIA DE ACESSIBILIDADE EM LOCAIS DOS EVENTOS UVESP União de Vereadores do Estado de São Paulo Luiz Baggio Neto Este guia prático de Acessibilidade foi preparado

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

CREA-RN. Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte

CREA-RN. Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CENTRO DE APOIO OPERACIONAL ÀS PROMOTORIAS DE DEFESA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, DO IDOSO, DAS COMUNIDADES INDÍGENAS E DAS MINORIAS ÉTNICAS 2017 Ministério Público do Estado Procurador-Geral de Justiça:

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes - NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência

Leia mais

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57;

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57; 5.11.1 As superficies horizontais ou inclinadas (ate 15% em relayao ao piso) contendo informayoes em Braille, pianos e mapas tateis devem ser instaladas a altura entre 0,90 m e 1,10 m, conforme figura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE RESPONSÁVEL: ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO CREA/CAU: A5819-0 CONTRATANTE: OBRA: CAMPUS EIRUNEPÉ LOCAL: AMAZONAS 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 26/08/2016 EMISSÃO

Leia mais

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Ministério da Justiça e Cidadania Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência LAUDO / CHECK LIST DE ACESSIBILIDADE PARA AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS DE ACESSIBILIDADE (CONFORME NBR 9050:) TOTAL DE 2 CIDADE Blumenau ESTADO Santa Catarina RUA / AV Nº 81 ÁREA TOTAL BAIRRO ANO

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS DIVISÃO DE ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14 INTRODUÇÃO Este material tem o objetivo de avaliar a acessibilidade mínima de estabelecimentos comerciais e de serviço ao público. Ele avalia basicamente a acessibilidade física do local e as condições

Leia mais

PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS

PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS PL220 Solução para vencer percursos de até 2 metros, com adequação de obra simplificada e curto prazo de fornecimento e instalação Sistema de

Leia mais

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE ESTRUTURAS ESCADAS E RAMPAS Definição de Escada Série de degraus para subiredescer Dicionário Aurélio Construção formada por uma série de degraus, destinadas a ligar locais com diferenças de

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, pode-se usar as dimensões de um

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer LEI MUNICIPAL Nº 1425 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ASSEGURA DIREITOS ÀS PESSOAS DEFICIENTES E IDOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE TAUÁ, no uso de suas atribuições legais: Lei: Faço saber

Leia mais

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades:

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: Plataformas Monta-Cargas Monta-Pratos Acessibilidades Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: AFMO PO Capacidade: 100 kg a 10.000 kg. Velocidade: até 0,30 m/s. Curso Máximo: até 12 metros.

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos I Normas Gerais ANEXO II Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos 1 Para efeito das presentes normas entende -se por pavimento tátil os pavimentos que utilizam cumulativamente cor

Leia mais

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio:

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE APOIO OPERACIONAL ÀS PROMOTORIAS DE DEFESA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, DO IDOSO, DAS COMUNIDADES INDÍGENAS E DAS MINORIAS ÉTNICAS ACESSIBILIDADE:

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei

Leia mais

AGÊNCIA RIO DE JANEIRO AUTO ATENDIMENTO DAS 8H ÀS 22H

AGÊNCIA RIO DE JANEIRO AUTO ATENDIMENTO DAS 8H ÀS 22H SINLIZÇÃO 2.7 Sinalização visual e tátil noa cesso 180 mm PLC crílico ou policarbonatotransparente 6 mm adesivado pelo verso em película adesiva de vinil jateada, referência SCOTCHCL 3M BR7300-314 FIXÇÃO

Leia mais

EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. CONCESSÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU

EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. CONCESSÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. CONCESSÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU ANEXO I.5 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA PARA A DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO A PESSOAS

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

Colaboração de Guilherme Armond - armondg@net.em.com.br

Colaboração de Guilherme Armond - armondg@net.em.com.br ATENÇAO: Norma disponível aqui apenas à título de informação. Para aplicação desta Norma em projetos ou outra utilização oficial, adquira sempre a última edição junto à ABNT-ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DE NORMAS

Leia mais

3.3. Edificado Cultura. Capítulo III Propostas de Intervenção. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia Entrega Final

3.3. Edificado Cultura. Capítulo III Propostas de Intervenção. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia Entrega Final 3.3. Edificado 3.3.3. Cultura Março 2010 Identificação Designação: Biblioteca da Maia Localização: Praça Dr. Vieira de Carvalho Descrição, Função ou Uso do Edifício: Espaço onde possibilita a requisição

Leia mais

6 Acessos e circulação

6 Acessos e circulação 6 Acessos e circulação 6.1 Circulação - Condições gerais As determinações contidas neste capítulo deverão ser mantidas através da conservação criteriosa e continua, de forma a garantir a qualidade em seu

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

Libertà. Elevador. Uso Acessibilidade

Libertà. Elevador. Uso Acessibilidade Elevador Uso Acessibilidade Solução ideal para acessibilidade Fácil instalação em edificações existentes Interação total com o ambiente Instalação compacta sem casa de máquinas Segurança, conforto e praticidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. Altera dispositivos e os Anexos da Resolução CONTRAN nº 402, de 26 de abril de 2012, com redação dada pelas Deliberações nº 104 de 24 de dezembro de 2010 e nº

Leia mais

DECRETO Nº 9.451, DE 26 DE JULHO DE 2018

DECRETO Nº 9.451, DE 26 DE JULHO DE 2018 DECRETO Nº 9.451, DE 26 DE JULHO DE 2018 Regulamenta o art. 58 da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015, que institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Estatuto da Pessoa com Deficiência.

Leia mais

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO O elevador de uso restrito é unifamiliar, adaptado para uso de pessoas com mobilidade reduzida. Pode ser instalado em residências, edifícios

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a aprovação do Plano de Acessibilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA

Leia mais

3.3. Edificado Saúde. Capítulo III Propostas de Intervenção. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final

3.3. Edificado Saúde. Capítulo III Propostas de Intervenção. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final - 3.3. Edificado 3.3.8. Saúde Março 2010 Identificação Designação: Centro de Saúde de Águas Santas Localização: Rua Nova da Corga Lugar dos Moutidos Descrição, Função ou Uso do Edifício: Local onde se

Leia mais

CATÁLOGO DE PLATAFORMAS. ptus

CATÁLOGO DE PLATAFORMAS. ptus CATÁLOGO DE PLATAFORMAS ptus ptus Plataformas Elevatórias de Acessibilidade Garantir para todos o direito à acessibilidade nos espaços públicos e privados de uso coletivo. Nisto, baseia- -se o conjunto

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei Estadual

Leia mais

REALIZAÇÃO Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA

REALIZAÇÃO Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA ACESSIBILIDADE Respeite o direito de ir e de vir DEFICIÊNCIA VISUAL DEFICIÊNCIA MOTORA GESTANTE +60 DEFICIÊNCIA INTELECTUAL IDOSO NANISMO OBESIDADE DEFICIÊNCIA AUDITIVA OR I A M A A I C N A Ê Ç I C N I

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS AS MELHORES MARCAS

LINHA DE PRODUTOS AS MELHORES MARCAS A MR SERVICE é uma empresa comprometida com a satisfação no atendimento do seu cliente, agregando produtos de qualidade com agilidade e eficiência na execução dos serviços. LINHA DE PRODUTOS Elevadores

Leia mais

ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES: O CASO DE UMA ESCOLA INTEGRAL DO MUNICÍPIO DE REMÍGIO - PB

ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES: O CASO DE UMA ESCOLA INTEGRAL DO MUNICÍPIO DE REMÍGIO - PB ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES: O CASO DE UMA ESCOLA INTEGRAL DO MUNICÍPIO DE REMÍGIO - PB Daniely dos Santos Cabral (1); Maria Poliana de Souza Lima (1); Maria Betania Hermenegildo dos Santos (2)

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Nº 195, terça-feira, 10 de outubro de 2017 1 47 Ministério do Desenvolvimento Social GABINETE DO MINISTRO DESPACHO DO CHEFE DE GABINETE Em 9 de outubro de 2017 O CHEFE DE GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Acessibilidade no Espaço Escolar

Acessibilidade no Espaço Escolar Acessibilidade no Espaço Escolar pessoas incluindo pessoas Ficha técnica Instituto Paradigma Presidência: Luiza Russo Diretoria Técnica: Danilo Namo Coordenação do projeto: Fabiano Puhlmann Equipe técnica

Leia mais

ELEVADOR RESIDENCIAL. O elevador residencial Unifamiliar é adaptado para uso de pessoas com mobilidade

ELEVADOR RESIDENCIAL. O elevador residencial Unifamiliar é adaptado para uso de pessoas com mobilidade A Ortobras é reconhecida no Brasil e no mundo pela qualidade de seus produtos, investindo constantemente em atualizações tecnológicas e projetos sustentáveis. Localizada em Barão (RS), a empresa se destaca

Leia mais

ACESSIBILIDADE CIDADES

ACESSIBILIDADE CIDADES ACESSIBILIDADE CIDADES PARA AS PESSOAS ACESSIBILIDADE É o direito de ir e vir: Em locais abertos e fechados, público e privado; Com autonomia(independência) e segurança; Sozinho ou acompanhado; e Por

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO OBRA: INTERVENÇÕES CORRETIVAS NO EDIFÍCIO RIO BRANCO (anexo casarão) CONTRATADA: N.S. SANTA RITA CONSTRUTORA DE OBRAS EIRELI Considerando a instituição da Comissão de Recebimento

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

REFERENCIAL DE ACESSIBILIDADE E DE SERVIÇO INCLUSIVO BRENDAIT 2016 CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUSEU OU MONUMENTO

REFERENCIAL DE ACESSIBILIDADE E DE SERVIÇO INCLUSIVO BRENDAIT 2016 CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUSEU OU MONUMENTO REFERENCIAL DE ACESSIBILIDADE E DE SERVIÇO INCLUSIVO BRENDAIT 2016 GRELHA : MUSEUS E MONUMENTOS - Ficha de Requisitos CARACTERIZAÇÃO GERAL DO NOME: ENDEREÇO: WEBSITE: SERVIÇOS: PESSOA DE CONTACTO projeto

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS Conceito do DESENHO UNIVERSAL Pensar em quem vai utilizar o espaço, e como. Deficientes físicos; Deficientes mentais; Cegos; Surdos; Pessoas com nanismo; Idosos; Gestantes;

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: conceito De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico SET/2013 Acionamento Hidráulico Atende às normas NBR 9050 e NBR15655-1 Movimentação por joystick com pressionamento constante Baixo

Leia mais

SOLUÇÃO COMPLETA EM EXTINTORES, EQUIPAMENTOS E PLACAS DE SINALIZAÇÃO

SOLUÇÃO COMPLETA EM EXTINTORES, EQUIPAMENTOS E PLACAS DE SINALIZAÇÃO SOLUÇÃO COMPLETA EM EXTINTORES, EQUIPAMENTOS E PLACAS DE SINALIZAÇÃO EXTINTORES Extintor de Incêndio Pó BC Extintor de Incêndio Pó ABC 4 KG - P4-BC 6 KG - P6-BC 8 KG - P8-BC 12 KG - P12-BC Extintor de

Leia mais

Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria

Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria As escadas servem para unir, por degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção. Para isso deveremos seguir

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM MISSÃO SALESIANA DE MATO GROSSO MANTENEDORA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM MISSÃO SALESIANA DE MATO GROSSO MANTENEDORA INFRAESTRUTURA DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LABORATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO: Destinado à realização de aulas práticas. Sua infraestrutura está composta com 33 computadores interligados em redes com

Leia mais