ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA"

Transcrição

1 M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade total nas unidades do MPF no Estado de São Paulo ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DADOS DA VISITA PRM: Data Vistoria: Endereço: Número: Complemento: Cidade: Estado: CEP: O imóvel é bem tombado ou situa-se em área próxima a bem tombado? Coordenador da PRM: Responsável pelo levantamento técnico: Descrição: Levantamento Técnico 1

2 ESTACIONAMENTO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 2.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 2

3 ESTACIONAMENTO Verifique se as vagas reservadas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Estão localizadas próximas ao acesso principal do edifício? Possuem dimensões mínimas de 2,50 m x 5,50 m, com faixa adicional de 1,20 m? Possuem sinalização horizontal de 1,70 m x 1,70 m pintada no piso? A sinalização está em conformidade com as dimensões e cores padronizadas? Possuem rebaixamento de guia no alinhamento da faixa de circulação no caso de vaga externa? Quantas vagas existem no local? Destas, quantas são consideradas acessíveis? O número de vagas reservadas está de acordo com as exigências? As vagas adaptadas estão localizadas em rota acessível? Possuem sinalização vertical conforme as figuras abaixo (esq.: via pública, dir.: espaço interno)? O local possui sinalização para orientar o percurso até a localização da(s) vaga(s) acessível(is)? Levantamento Técnico 3

4 ENTRADAS E SAÍDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 3.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 4

5 ENTRADAS E SAÍDAS Verifique se as entradas e saídas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Os pisos possuem superfície regular, firme, contínua, estável e antiderrapante sob quaisquer condições climáticas? Possuem percurso livre de obstáculos, com largura mínima de 1,20 m? As grelhas e juntas de dilatação são transversais à direção do movimento, embutidas no piso e com vão máximo de 1,5 cm? No caso de catracas ou cancelas, ao menos uma é acessível às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida? Em edificações novas: todas as entradas e saídas estão em nível ou possuem rampas ou equipamentos eletromecânicos? Em edificações existentes: a distância máxima de percurso real da entrada principal (não acessível) até a entrada acessível é inferior a 50 m? Possuem piso tátil de alerta para sinalização e indicação de desnível? Possuem piso tátil de alerta para obstáculos suspensos a mais de 60 cm do piso? Possuem Símbolo Internacional de Acesso - SIA para indicar, localizar e direcionar adequadamente a pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida para a rota acessível? Verifique se a rampa de acesso à edificação está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui largura mínima de 1,20 m/? O patamar possui no mínimo 1,20 m de comprimento? A rampa possui inclinação máxima de 8,33%, atendendo ao desnível máximo por segmento de rampa exigido? (Obs.: a inclinação de 8,33% significa que são necessários 12 m de rampa para Levantamento Técnico 5

6 vencer 1 m de desnível) Possui paredes laterais ou rodapé como guia de balizamento? A guia de balizamento possui altura mínima de 5 cm executada sob os guarda-corpos? A rampa possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m, localizado antes do início e após o término da rampa? O piso tátil de alerta está distante no máximo 0,32 m do início e do final da rampa? Verifique se o corrimão da rampa está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da rampa, instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão é duplo com alturas respectivas de 0,70 m e 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades, mantendo as mesmas alturas? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Permite passagem contínua da mão? Nas rampas com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Verifique se a escada de acesso à edificação está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui largura mínima de 1,20 m? O patamar possui comprimento mínimo de 1,20 m? Todos os degraus possuem sinalização visual em cor contrastante nas bordas do piso, com comprimento mínimo de 20 cm e largura entre 2 cm e 3 cm? A escada possui espelho vazado? Levantamento Técnico 6

7 Verifique se o piso tátil da escada está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m localizado antes do início e após o término da escada? Este piso tátil está distante no máximo 0,32 m do início e após o fim da escada? Verifique se o corrimão da escada está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da escada, instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão possui altura de 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades, mantendo a altura de 0,92cm? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Permite passagem contínua da mão? Na escada com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Levantamento Técnico 7

8 CIRCULAÇÃO INTERNA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 4.0 E 20.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 8

9 CIRCULAÇÃO INTERNA Verifique se a circulação interna está de acordo com as normas de acessibilidade: Os corredores estão dimensionados de acordo com a tabela abaixo? Tipo de uso do corredor Extensão do corredor (c) Largura mínima admitida Sim Não Não é o caso Comum Até 4,00 m 0,90 m Comum Até 10,00 m 1,20 m Comum Público Superior a 10,00m 1,50 m 1,50 m O piso possui superfície regular, firme, estável e antiderrapante sob qualquer condição? Os capachos estão embutidos no chão, não ultrapassando 0,5 cm de altura? Os tapetes são evitados nas rotas acessíveis? As barreiras suspensas (orelhões, balcões, bebedouros, fundo de escada, etc) abaixo de 2,10 m, na rota acessível, são sinalizadas com piso tátil de alerta ou possuem barreira arquitetônica em sua projeção? Existe rota acessível para pessoas em cadeira de rodas interligando os pavimentos de uso coletivo ou público? Os desníveis entre 0,5 cm e 1,5 cm possuem acabamento chanfrado na proporção de 1:2? Levantamento Técnico 9

10 RAMPA INTERNA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 6.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 10

11 RAMPA INTERNA Verifique se a rampa interna está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui largura mínima de 1,20 m? O patamar possui no mínimo 1,20 m de comprimento? A rampa possui inclinação máxima de 8,33%, atendendo ao desnível máximo por segmento de rampa exigido? (Obs.: a inclinação de 8,33% significa que são necessários 12 m de rampa para vencer 1 m de desnível) Possui paredes laterais ou rodapé como guia de balizamento? A guia de balizamento possui altura mínima de 5 cm executadas sob os guarda-corpos? A rampa possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m, localizado antes do início e após o término da rampa? O piso tátil de alerta está distante no máximo 0,32 m do início e do final da rampa? Verifique se o corrimão da rampa está de acordo com as normas de acessibilidade: A rampa possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da rampa instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão é duplo com alturas respectivas de 0,70 m e 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Permite passagem contínua da mão? Há um espaço livre de, no mínimo, 4,0 cm entre a parede e o corrimão? Levantamento Técnico 11

12 Nas rampas com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Levantamento Técnico 12

13 ESCADA INTERNA E DEGRAUS ISOLADOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 7.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 13

14 ESCADA INTERNA E DEGRAUS ISOLADOS Verifique se as escadas e degraus isolados internos estão de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui largura mínima de 1,20 m? O patamar possui comprimento mínimo de 1,20 m? Todos os degraus possuem sinalização visual em cor contrastante nas bordas do piso, com comprimento mínimo de 20 cm e largura entre 2 cm e 3 cm? A escada possui espelho vazado? Verifique se o piso tátil das escadas está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m localizado antes do início e após o término da escada? Este piso tátil está distante no máximo 0,32 m do início e após o fim da escada? O degrau isolado possui piso tátil de alerta com largura entre 0,25 m e 0,60 m localizado antes do início e após o término do degrau? Este piso tátil está distante, no máximo, 0,32 m antes do início e após o término do degrau? Verifique se o corrimão da escada está de acordo com as normas de acessibilidade: A escada possui corrimão contínuo nos dois lados? Há sinalização em Braille informando sobre os pavimentos, no início e no final da escada, instalada na face superior do prolongamento horizontal do corrimão? Este corrimão possui altura de 0,92 m? Possui prolongamento de 0,30 m nas extremidades, mantendo a altura de 0,92 m? Possui diâmetro entre 3,0 cm e 4,5 cm? Levantamento Técnico 14

15 Permite passagem contínua da mão? Há um espaço livre de, no mínimo, 4,0 cm entre a parede e o corrimão? Nas escadas com mais de 2,40 m de largura há um corrimão central, além dos laterais? Levantamento Técnico 15

16 PORTAS E ABERTURAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 5.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 16

17 PORTAS E ABERTURAS Verifique se as portas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Nos ambientes comuns, como sanitários, salas de reunião, saídas de emergência e outros, as portas possuem sinalização visual e tátil? Todas possuem área de aproximação lateral (60 cm para puxar e 30 cm para empurrar)? Todas possuem fácil abertura, não exigindo esforços para utilização? Em portas de correr, os trilhos ou guias inferiores estão nivelados com a superfície do piso ou com desnível inferior a 0,5 cm? Verifique se os vãos estão de acordo com as normas de acessibilidade: Todas as portas e vãos de passagem possuem largura livre mínima de 0,80 m? Verifique se as maçanetas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Todas as maçanetas são do tipo alavanca? Estão a uma altura entre 0,90 m e 1,10 m do piso acabado? Verifique se os puxadores (barras com diâmetro entre 3,0 e 4,5 cm) estão de acordo com as normas de acessibilidade: Todas as portas de sanitários, vestiários e salas acessíveis possuem puxador horizontal? Estão a uma altura de 0,90 m de eixo a piso? O comprimento é igual à metade da largura da porta, com comprimento mínimo de 40cm? Verifique se os visores das portas estão de acordo com as normas de acessibilidade: Possuem altura inferior iniciando entre 0,40 m e 0,90 m? Levantamento Técnico 17

18 Possuem altura superior no mínimo a 1,50 m do piso acabado? Possuem largura mínima de 0,20 m? Verifique se os dispositivos foram instalados de acordo com as normas de acessibilidade: Todos os dispositivos abaixo estão instalados nas alturas corretas, como indicado na tabela? Dispositivos Variação de altura (Local de manuseio) Sim Não Não é o caso Interruptor 0,60 m 1,00 m Campainha/alarme 0,60 m 1,00 m Tomada 0,40 m 1,00 m Comando de janela 0,60 m 1,20 m Maçaneta de porta 0,80 m 1,00 m Registro 0,80 m 1,20 m Interfone 0,80 m 1,20 m Quadro de luz 0,80 m 1,20 m Levantamento Técnico 18

19 SANITÁRIOS E VESTIÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 13.0, 14.0, 15.0, 16.0, 17.0 E 19.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 19

20 SANITÁRIOS E VESTIÁRIO Verifique se o sanitário adaptado está de acordo com as normas de acessibilidade: Está localizado em rota acessível e devidamente sinalizado? Verifique se o boxe adaptado de sanitários está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui no mínimo uma peça por pavimento adequada ao uso da pessoa com deficiência? O sanitário acessível possui um dispositivo de sinalização de emergência ao lado da bacia, a uma altura de 40 cm do piso acabado? Nas edificações existentes: O sanitário acessível possui dimensão minima de 1,50 m x 1,50 m? A porta possui 0,80 m de vão livre? Possui área de manobra que permita rotação de 180 (1,20 m x 1,50 m)? Verifique se a bacia sanitária está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui área de transferência lateral, diagonal e perpendicular? As bacias de sanitário acessível possuem 0,46 m de altura, da borda superior do assento ao piso acabado? Levantamento Técnico 20

21 As barras de apoio possuem altura e dimensões adequadas? A papeleira embutida da bacia acessível: Esta localizada a uma altura de 0,50 m a 0,60 m do piso acabado? Possui distância máxima de 0,15 m da borda frontal da bacia? A papeleira sobreposta da bacia acessível: Está localizada a uma altura de 1,00 m a 1,20 m do piso acabado? Possui distância máxima de 0,15 m da borda frontal da bacia? Verifique se o lavatório está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui área de aproximação frontal para usuários em cadeiras de rodas? Possui comandos de torneira do tipo monocomando, alavanca ou sensor eletrônico? Está instalado entre 0,78 m e 0,80 m do piso em relação a sua face superior? Permite altura livre de 0,73 m, sem colunas ou gabinetes, com proteção para o sifão e a tubulação? O lavatório possui barra de apoio na horizontal na altura adequada (entre 0,78 m e 0,80 m)? O espelho do sanitário acessível: Possui a borda inferior na altura de no máximo 0,90 m em relação ao piso acabado? (Obs.: Quando inclinado a 10, a borda inferior está na altura de, no máximo, 1,10 m em relação ao piso acabado? ) Levantamento Técnico 21

22 Verifique se o mictório está de acordo com as normas de acessibilidade: O mictório acessível possui área de aproximação frontal? Possui barras verticais com comprimento mínimo de 0,70cm e altura de 0,75cm do piso? Possui afastamento máximo entre as barras de 0,60 m? A borda frontal do mictório está instalada a uma altura entre 0,60 m e 0,65 m? Levantamento Técnico 22

23 COPA / COZINHA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 24.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 23

24 COPA / COZINHA Verifique se a copa e/ou a cozinha, estão de acordo com as normas de acessibilidade: A largura livre mínima para aproximação frontal à cuba é de 0,80 m? A pia possui altura de no máximo 0,85 m do piso acabado? A altura livre inferior é de no mínimo 0,73 m? Existe protetor de sifão? Existem condições de circulação e alcance dos utensílios? Há pelo menos 5% das mesas (sendo no mínimo uma acessível) para pessoas em cadeiras de rodas? Há uma faixa livre de circulação de 0,90 m e área de manobra de 1,50 m para o acesso à(s) mesa(s)? Levantamento Técnico 24

25 ELEVADOR DE PASSAGEIROS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 8.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 25

26 ELEVADOR DE PASSAGEIROS Verifique se os elevadores de passageiros estão de acordo com as normas de acessibilidade: O elevador, em edificações novas, possui cabina com dimensões minimas de 1,10m (largura) x 1,40 m (profundidade)? O elevador adaptado, em edificações existentes, possui cabina com dimensão mínima de 1,00 m (largura) x 1,25 m (profundidade)? O elevador possui piso tátil de alerta junto à porta, com largura entre 0,25 m e 0,60 m? O piso tátil de alerta está distante, no máximo, 0,32 m da porta? As botoeiras do elevador estão localizadas entre a altura mínima de 0,89 m e máxima de 1,35 m do piso? O elevador possui espelho fixado na parede oposta à porta? O elevador possui sinalização em Braille ao lado esquerdo do botão correspondente? O elevador possui registro visível e audível dado a cada operação individual do botão? O elevador possui sinal sonoro diferenciado para subida e descida? O elevador possui comunicação sonora interna indicando os andares nas paradas de destino? O elevador possui identificação em Braille do pavimento afixada em ambos os lados do batente do elevador, respeitando a altura entre 0,90 m e 1,10 m? O elevador possui dispositivo de comunicação para solicitação de auxílio (interfone)? Levantamento Técnico 26

27 ELEVADOR EXCLUSIVO PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (COM CABINE E POÇO ENCLAUSURADO) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITEM 9.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 27

28 ELEVADOR EXCLUSIVO PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Verifique se os elevadores exclusivos estão de acordo com as normas de acessibilidade: O percurso máximo é de, no máximo, 12 m de altura? Possui dimensões mínimas de 0,90 m de largura e 1,30 m de profundidade? Os botões de comando de pavimento do elevador de uso exclusivo estão posicionados entre 0,90 m e 1,10 m de altura do piso? Os botões de comando da cabina do elevador de uso exclusivo estão posicionados entre 0,80 m e 1,20 m de altura do piso da cabina? O elevador possui identificação em Braille do pavimento afixada em ambos os lados do batente do elevador, respeitando a altura entre 0,90 m e 1,10 m? Levantamento Técnico 28

29 PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS PERCURSO VERTICAL 1- PLATAFORMA ABERTA (ATÉ 2m DE DESNÍVEL) 2 CAIXA ENCLAUSURADA (DE 2m A 9m DE DESNÍVEL) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 10.0, 10.1 E 10.2 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 29

30 PLATAFORMA ELEVATÓRIA Verifique se as plataformas elevatórias estão de acordo com as normas de acessibilidade: A plataforma, de uso público, possui dimensões mínimas de 0,90 m x 1,40 m? A plataforma obstrui a escada? Verifique se o percurso vertical está de acordo com as normas de acessibilidade: O desnível vencido é de até 2,00 m (edificações de uso público ou coletivo)? Possui fechamento contínuo até 1,10 m do piso? Em desníveis superiores a 2,00 m, em edificação de uso publico ou coletivo, a plataforma possui caixa enclausurada? Na passagem através da laje existe caixa enclausurada? Possui Símbolo Internacional de Acesso - SIA, visível em todos os pavimentos? Levantamento Técnico 30

31 LOCAIS DE REUNIÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 21.0, 21.1, 21.2 E 21.3 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 31

32 LOCAIS DE REUNIÃO Verifique se os locais de reunião estão de acordo com as normas de acessibilidade (considerando auditórios com capacidade para até 100 assentos): Possuem 1 assento reservado para pessoa com mobilidade reduzida (PMR)? Possuem 3 espaços para pessoas em cadeira de rodas (PCR)? Possuem 1 assento reservado para pessoa obesa (PO)? Os espaços reservados para pessoa em cadeira de rodas (PCR), assim como os assentos para pessoa com mobilidade reduzida (PMR) e pessoa obesa (PO), estão localizados em rotas acessíveis e em locais de piso plano? O assento reservado para pessoa com mobilidade reduzida (PMR): Possui um espaço livre frontal de no mínimo 0,60 m? Os espaços reservados para pessoa em cadeira de rodas (PCR): Estão associados a um assento fixo para acompanhante? Possuem dimensão mínima de 0,80 m x 1,20 m? Estão deslocados 0,30 m em relação à cadeira ao lado? O assento reservado para pessoa obesa (PO): Possui largura equivalente a de dois assentos adotados no local? Possui espaço livre frontal de no mínimo 0,60 m? Suporta uma carga de no mínimo 250 kg? Há piso tátil de alerta ou barreira arquitetônica na beirada do palco? O Palco possui rampa ou equipamento eletromecânico para acesso? Levantamento Técnico 32

33 No caso de rampa, ela possui: Largura mínima de 0,90m? Inclinação de no máximo 1:6 (16,66%) para altura de até 0,60 m? Inclinação de no máximo de 1:10 (10%) para alturas superiores a 0,60 m? Guia de balizamento ou corrimão? Levantamento Técnico 33

34 MOBILIÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS, ITENS 4.0 E 20.0 E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 34

35 MOBILIÁRIO Verifique se o telefone público está de acordo com as normas de acessibilidade: Há pelo menos 1 telefone acessível, com os comandos entre 0,80 m e 1,20 m do piso? O telefone possui área de aproximação frontal e lateral? Há piso tátil de alerta em sua projeção? Verifique se os bebedouros estão de acordo com as normas de acessibilidade: Pelo menos 50% dos bebedouros, por pavimento, são acessíveis? Possuem área de aproximação frontal a pessoas em cadeira de rodas, com bica na face frontal? Possuem altura inferior livre de, no mínimo, 0,73 m e altura da bica de, no máximo, 0,90 m do piso? Bebedouros do tipo garrafão, filtros e similares, possuem dispositivo de acionamento a uma altura de 0,80 m a 1,20 m do piso? Os copos estão instalados a uma altura de 0,80 m a 1,20 m do piso? Levantamento Técnico 35

36 Verifique se os assentos fixos da recepção estão de acordo com as normas de acessibilidade: Ao lado dos assentos de espera há um módulo de referência, em rota acessível? Verifique se o balcão de atendimento está de acordo com as normas de acessibilidade: Possui altura máxima de 0,90 m do piso na face superior e altura livre inferior de 0,73 m? Possui atendimento com largura mínima de 0,90 m? Possui recuo de 0,30 m para aproximação do cadeirante? Possui direcionamento em piso tátil desde a entrada da PRM até o balcão de atendimento? Levantamento Técnico 36

37 PLANILHA DE CONTAGEM RELACIONAR NA PLANILHA A SEGUIR AS PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA QUE A PRM ATENDA A TODOS OS ITENS DA NORMA DE ACESSIBILIDADE NBR 9050) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES VEJA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES NAS DIRETRIZES DO MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS E NO ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA Levantamento Técnico 37

38 ALTERAÇÕES PARA ADEQUAÇÃO ÀS NORMAS DE ACESSIBILIDADE PRM: DESCRIÇÃO DO ITEM PARA AQUISIÇÃO QUANTI- OU REFORMA DADE ORÇAMENTO OBSERVAÇÕES Levantamento Técnico 38

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE INDICE 1. Objetivo...... 6 2. Conceito de acessibilidade... 6 3. Acessibilidade NA ART... 6 4. Normas e legislação... 7 5. Legislação federal 10.048/2000... 8 6. Legislação federal 10.098/2000... 8 7.

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ELEMENTOS DO PROJETO NORMA/LEI 1. CALÇADA a. Deve ter faixa livre para pedestres com largura mínima de 1,50 m, sendo admissível

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76.

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76. 6 Circulação e Acessos Excluído: e Circulação Neste item será estabelecido os critérios orientativos básicos de acessibilidade nos acessos e circulação para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele PL 220 e PL 240 PIONEIRA EM ACESSIBILIDADE NO BRASIL Fundada em 1982, a Montele é pioneira na fabricacão de elevadores e plataformas

Leia mais

PARTE II ACESSIBILIDADE

PARTE II ACESSIBILIDADE PARTE II ACESSIBILIDADE Manual de Sinalização de Acessibilidade - Ano 2013 Detalhamento Técnico Especificações CAPA ACESSIBILIDADE REGRA GERAL PARA CONFECÇÃO DAS PLACAS VISUAL/BRAILLE 1- Todos os textos

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR:

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: I- PASSEIO CIRCUNDANTE AO LOTE 01 - Falta construir o passeio circundante ao lote. (Dec.19.915/98. Art.50, 1º, V) 02 -

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência Banheiro 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha 7.3.4.1 Área de transferência Para boxes de chuveiros deve ser prevista área de transferência externa ao boxe, de forma a permitir a aproximação paralela, devendo

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico fonte: PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Las Dimensiones en los Espacios Interiores. Mexico: Gustavo Gili, 1996 [1979]. Pg

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57;

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57; 5.11.1 As superficies horizontais ou inclinadas (ate 15% em relayao ao piso) contendo informayoes em Braille, pianos e mapas tateis devem ser instaladas a altura entre 0,90 m e 1,10 m, conforme figura

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14 INTRODUÇÃO Este material tem o objetivo de avaliar a acessibilidade mínima de estabelecimentos comerciais e de serviço ao público. Ele avalia basicamente a acessibilidade física do local e as condições

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer LEI MUNICIPAL Nº 1425 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ASSEGURA DIREITOS ÀS PESSOAS DEFICIENTES E IDOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE TAUÁ, no uso de suas atribuições legais: Lei: Faço saber

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. Altera dispositivos e os Anexos da Resolução CONTRAN nº 402, de 26 de abril de 2012, com redação dada pelas Deliberações nº 104 de 24 de dezembro de 2010 e nº

Leia mais

PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS

PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS PL220 Solução para vencer percursos de até 2 metros, com adequação de obra simplificada e curto prazo de fornecimento e instalação Sistema de

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei Estadual

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

AGÊNCIA RIO DE JANEIRO AUTO ATENDIMENTO DAS 8H ÀS 22H

AGÊNCIA RIO DE JANEIRO AUTO ATENDIMENTO DAS 8H ÀS 22H SINLIZÇÃO 2.7 Sinalização visual e tátil noa cesso 180 mm PLC crílico ou policarbonatotransparente 6 mm adesivado pelo verso em película adesiva de vinil jateada, referência SCOTCHCL 3M BR7300-314 FIXÇÃO

Leia mais

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO O elevador de uso restrito é unifamiliar, adaptado para uso de pessoas com mobilidade reduzida. Pode ser instalado em residências, edifícios

Leia mais

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades:

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: Plataformas Monta-Cargas Monta-Pratos Acessibilidades Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: AFMO PO Capacidade: 100 kg a 10.000 kg. Velocidade: até 0,30 m/s. Curso Máximo: até 12 metros.

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. CONCESSÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU

EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. CONCESSÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. CONCESSÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU ANEXO I.5 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA PARA A DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO A PESSOAS

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS AS MELHORES MARCAS

LINHA DE PRODUTOS AS MELHORES MARCAS A MR SERVICE é uma empresa comprometida com a satisfação no atendimento do seu cliente, agregando produtos de qualidade com agilidade e eficiência na execução dos serviços. LINHA DE PRODUTOS Elevadores

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria

Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria As escadas servem para unir, por degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção. Para isso deveremos seguir

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS Conceito do DESENHO UNIVERSAL Pensar em quem vai utilizar o espaço, e como. Deficientes físicos; Deficientes mentais; Cegos; Surdos; Pessoas com nanismo; Idosos; Gestantes;

Leia mais

Plataforma de Plano Vertical:

Plataforma de Plano Vertical: 38 - CARTILHA SANTOS PARA TODOS CONDEFI Plataforma de Plano Vertical: A Plataforma Vertical é indicada quando não se pode construir uma rampa, mas há um espaço para fazer uma abertura lateral no plano

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

Normativas Gerais da NR-18

Normativas Gerais da NR-18 Normativas Gerais da NR-18 18.12 - ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS 2 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS - A transposição de pisos com diferença de nível superior a 40cm deve ser feita por meio de escadas ou rampas.

Leia mais

Colaboração de Guilherme Armond - armondg@net.em.com.br

Colaboração de Guilherme Armond - armondg@net.em.com.br ATENÇAO: Norma disponível aqui apenas à título de informação. Para aplicação desta Norma em projetos ou outra utilização oficial, adquira sempre a última edição junto à ABNT-ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DE NORMAS

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO OBRA: INTERVENÇÕES CORRETIVAS NO EDIFÍCIO RIO BRANCO (anexo casarão) CONTRATADA: N.S. SANTA RITA CONSTRUTORA DE OBRAS EIRELI Considerando a instituição da Comissão de Recebimento

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei

Leia mais

ACESSIBILIDADE CIDADES

ACESSIBILIDADE CIDADES ACESSIBILIDADE CIDADES PARA AS PESSOAS ACESSIBILIDADE É o direito de ir e vir: Em locais abertos e fechados, público e privado; Com autonomia(independência) e segurança; Sozinho ou acompanhado; e Por

Leia mais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais... todas as pessoas têm uma necessidade especial, alguma coisa que sintam dificuldade em fazer... Acessibilidade Utilização, com segurança e

Leia mais

IMAGENS DE EQUIPAMENTOS

IMAGENS DE EQUIPAMENTOS www.ortobras.com.br ÍNDICE 1 2 3 4 5 INTRODUÇÃO IMAGENS DE EQUIPAMENTOS DETALHAMENTO DO MODELO SEM CASA DE MÁQUINAS TABELA DE ESPECIFICAÇÕES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 02 03 04 05 06 www.ortobras.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Guia para Análise de Acessibilidade em Projetos Arquitetônicos:

Guia para Análise de Acessibilidade em Projetos Arquitetônicos: Projeto: Solicitante: Guia para Análise de Acessibilidade em Projetos Arquitetônicos: 1. Geral (em todas as reformas e construções) 1.1 - Acesso a todos os espaços, mesmo os destinados apenas a funcionários,

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a aprovação do Plano de Acessibilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS DE ACESSIBILIDADE PARA APOIO AO PROJETO ARQUITETÔNICO Manual de instruções técnicas de acessibilidade para apoio ao projeto arquitetônico PRINCÍPIOS BÁSICOS DIRETRIZES CHECK

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL H3 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3 pessoas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015)

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015) GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras Rua Bernardo Sayão, 38 Térreo - Cidade Universitária Zeferino Vaz - CEP 13083-866 - fone/fax: (19) 3521-4105 CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE

Leia mais

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência.

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. SINALIZAÇÃO As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio,

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA EDIFICAÇÕES DE USO PÚBLICO ACESSIBILIDADE

DIRETRIZES BÁSICAS PARA EDIFICAÇÕES DE USO PÚBLICO ACESSIBILIDADE DIRETRIZES BÁSICAS PARA EDIFICAÇÕES DE USO PÚBLICO ACESSIBILIDADE julho de 2012 APRESENTAÇÃO Neste documento estão reunidas informações extraídas de normas técnicas e legislação vigente em esfera federal

Leia mais

web CurSo 2015 InStALAção DE ProDutoS EConomIzADorES DE ÁguA ACESSIBILIDADE

web CurSo 2015 InStALAção DE ProDutoS EConomIzADorES DE ÁguA ACESSIBILIDADE web curso 2015 Instalação de Produtos Economizadores de Água ACESSIBILIDADE A Linha Benefit da Docol possui produtos adequados a pessoas com dificuldades de locomoção, deficientes físicos e crianças. Os

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL OBRA(S): EMT.rar INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO ESPECIFICAÇÂO TÉCNICA DOS ELEVADORES II - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS: Edifício: COMPLEXO SENAI Endereço: AV Norte Miguel

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23 Procedimento Página 1 de 23 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto e na execução de barreiras de segurança. ABSTRACT This document presents

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada.

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada. CALÇAdA cidada Essa publicação tem por objetivo divulgar o regramento de construção e manutenção das calçadas da cidade de Canoas. Apresentação Cuidar de sua calçada é um sinal de amor à cidade e de respeito

Leia mais

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades:

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: Plataformas Monta-Cargas Monta-Pratos Acessibilidades Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: Modelo PO Capacidade: 100 kg a 10.000 kg. Velocidade: até 0,30 m/s. Curso Máximo: até 12

Leia mais

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO Produto Utilização Ref. Cm. Indica o sentido da saída nos locais planos e sem escadas, onde a orientação seja PV10231 seguir à direita a partir do ponto

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

RACK DE PAREDE 19 PADRÃO

RACK DE PAREDE 19 PADRÃO RACK DE PAREDE 19 PADRÃO Especificações: O Gabinete para acondicionamento de equipamentos e acessórios padrão 19, garante proteção e segurança aos equipamentos e a rede em si, por ser totalmente fechado

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

DARELO VISTORIAS IMOBILIÁRIAS ESPECIALISTA EM VISTORIAS IMOBILIÁRIAS FONE

DARELO VISTORIAS IMOBILIÁRIAS ESPECIALISTA EM VISTORIAS IMOBILIÁRIAS FONE DARELO VISTORIAS IMOBILIÁRIAS ESPECIALISTA EM VISTORIAS IMOBILIÁRIAS darelovistoria@gmail.com FONE 11 3438-6268 11 98655-7805 LAUDO DE VISTORIA E FOTOS PARTE INTEGRANTE DO CONTRATO DE LOCAÇÃO DO IMÓVEL

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio Residencial: Villa Dei Fiori Rua Cândido Silveira 160

Memorial Descritivo. Prédio Residencial: Villa Dei Fiori Rua Cândido Silveira 160 Memorial Descritivo Prédio Residencial: Villa Dei Fiori Rua Cândido Silveira 160 1. Descrição do prédio O prédio a ser construído compõe-se de 16 pavimentos, incluindo um subsolo, constituído de 42 (quarenta

Leia mais

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Projeto Será um edifício residencial contendo subsolo, térreo, mezanino, 13 pavimentos tipo com 04 (quatro) apartamentos

Leia mais

ANEXO I LOCALIZAÇÃO, CARACTERÍSTICA DOS EQUIPAMENTOS E ESTOQUE OPERACIONAL

ANEXO I LOCALIZAÇÃO, CARACTERÍSTICA DOS EQUIPAMENTOS E ESTOQUE OPERACIONAL ANEXO I LOCALIZAÇÃO, CARACTERÍSTICA DOS EQUIPAMENTOS E ESTOQUE OPERACIONAL I. LOCAL: FÓRUM MINISTRO ARNALDO SÜSSEKIND Av. Presidente Antônio Carlos, nº 251 - Castelo - Rio de Janeiro, RJ. 1. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Elevadores de carga. Dimensionamento Classe de carregamento: Classe A. Transporte de carga comum (NBR 14712) Entradas opostas - contrapeso na lateral

Elevadores de carga. Dimensionamento Classe de carregamento: Classe A. Transporte de carga comum (NBR 14712) Entradas opostas - contrapeso na lateral Elevadores de carga Classe de carregamento: Classe A Transporte de carga comum (NBR 14712) Entrada única - contrapeso no fundo Entrada única - contrapeso na lateral Entradas opostas - contrapeso na lateral

Leia mais

AULA 4 DESENHANDO ESCADAS

AULA 4 DESENHANDO ESCADAS AULA 4 DESENHANDO ESCADAS Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido. Representação de projetos de arquitetura NBR- 649: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Equipamentos

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ANEXO I 1 OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 O presente Termo de Referência tem por objeto a elaboração de Projetos Complementares de Acessibilidade para os imóveis onde estão instaladas a Procuradoria Regional

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

Posto de trabalho adaptado a pessoas com limitações motoras severas

Posto de trabalho adaptado a pessoas com limitações motoras severas Posto de trabalho adaptado a pessoas com limitações motoras severas R. P. Guimaraes 1, S.C.M. Rodrigues 1 1UMC Universidade de Mogi das Cruzes, Mogi das Cruzes, Brasil, 5511 4798-7105, reginag@umc.br,

Leia mais

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U (Continuação) Parte II Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille ESQUADRIAS/ABERTURAS PORTAS Representar a(s) folha(s) da esquadria procurando

Leia mais

Dados Técnicos e Equipamentos. Golf Cabrio

Dados Técnicos e Equipamentos. Golf Cabrio Dados Técnicos e Equipamentos Golf Cabrio Os motores 1.2 TSI (105cv) 1.4 TSI (160cv) 1.6 TDI (105cv) BlueMotion Technology BlueMotion Technology Motor, Tipo de motor 4 cilindros, Gasolina 4 cilindros,

Leia mais

Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo)

Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo) Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo) Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Paulo Cesar dos Santos Figueiredo Engenheiro Civil CREA 354/D

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

Manual de Sinalização Predial

Manual de Sinalização Predial Manual de Sinalização Predial Sumário Introdução 1 Tipografia 2 Padronização Processo de produção 3 Tamanho das placas 4 Modo de fixação 5 Altura de fixação 6 Diagramação e localização 7 Cores e acabamentos

Leia mais