ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA"

Transcrição

1 ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ELEMENTOS DO PROJETO NORMA/LEI 1. CALÇADA a. Deve ter faixa livre para pedestres com largura mínima de 1,50 m, sendo admissível 1,20 m. NBR 9.050/ b. Deve possuir inclinação transversal de, no máximo, 3 %. NBR 9.050/ c. Calçada nivelada com os lotes vizinhos. NBR 9.050/ d. Os desníveis entre o lote e o nível da calçada devem ser vencidos sempre no interior do lote. NBR 9.050/ e. O nível da calçada deve respeitar sempre o meio-fio instalado, sem sobreposição de piso ou descaracterização deste nível. NBR 9.050/ f. A inclinação longitudinal da calçada deve acompanhar sempre o greide da via. NBR 9.050/ g. Os lotes e edificações devem localizar-se em ruas cuja inclinação das vias seja menor que 8,33 %. NBR 9.050/ h. Na ausência da linha-guia (estacionamentos, acesso, etc.) deve existir sinalização com piso tátil (recomendado o direcional) para balizamento das pessoas com deficiência visual. NBR 9.050/ i. Obstáculos aéreos, como marquises, placas, toldos e vegetação devem estar localizados a uma altura superior a 2,10 m. NBR 9.050/ j. Deve ser livre de obstáculos no piso que comprometam a rota acessível. NBR 9.050/ QUANTO AO PISO UTILIZADO a. Deve ser antiderrapante. NBR 9.050/ b. Deve ser contínuo, sem sobressaltos ou depressões. NBR 9.050/ c. Deve ser regular, estável e não trepidante. NBR 9.050/ d. Deve possuir piso tátil de alerta com largura mínima de 25 cm, onde couber. NBR 9.050/ e. Deve possuir piso tátil direcional com largura mínima de 20 cm, onde couber. NBR 9.050/ QUANTO ÀS GUIAS REBAIXADAS PARA PEDESTRES a. Deve localizar-se somente em frente à faixa de pedestres, nas esquinas onde houver travessia de pedestres. NBR 9.050/ b. Deve localizar-se associada à vaga para PCD em via pública (oficializada pelo órgão gestor de trânsito) NBR 9.050/ d c. A rampa principal deve ter inclinação máxima de 8,33 % NBR 9.050/ d. A rampa deve ter largura mínima de 1,20 m. NBR 9.050/ e. Deve ter abas laterais com largura mínima de 50 cm e inclinação máxima de 10 %. NBR 9.050/ f. Deve apresentar continuidade entre o piso da rampa e da via publica, sem ressaltos ou degraus. NBR 9.050/ g. Deve haver correspondência com outra rampa do lado oposto. NBR 9.050/ h. Deve ser sinalizada com piso tátil de alerta em torno da guia ou na rampa principal. NBR 9.050/ b i. Deve ter faixa livre no passeio, além do rebaixamento, de, no mínimo 80 cm, sendo recomendável 1,20 m. NBR 9.050/ j. O piso da rampa deve ser em material antiderrapante. NBR 9.050/ QUANTO ÀS GUIAS REBAIXADAS PARA VEÍCULOS a. Respeitar a faixa exclusiva de pedestres, deixando a calçada nivelada e sem cortes. NBR 9.050/ b. Sinalização visual na entrada e saída de veículos. NBR 9.050/ /5.7.3 c. Eventuais desníveis vencidos no interior do lote. NBR 9.050/ QUANTO À VEGETAÇÃO a. As raízes da espécie plantada preservam o piso do passeio. NBR 9.050/ b. O tipo (sem espinhos, não venenosas, que não desprendam muitas folhas, flores, frutos) e a altura devem atender a norma técnica. NBR 9.050/ c. A vegetação, assim como ramos, galhos e arbustos de árvores devem estar localizados fora da faixa livre de circulação (rota acessível) e em área contígua ao meio-fio. NBR 9.050/ ESTACIONAMENTO a. 2 % da vagas destinadas a PCD e PMR, com, no mínimo, uma vaga. Dec /04 art. 25 b. 5% das vagas destinadas a idosos, com, no mínimo, uma vaga. Dec /03 art. 41 c. Vagas localizadas próximas ao acesso ou a algum polo de atração. Dec /04 art. 25 d. Caso a vaga seja localizada em via pública, deve existir guia rebaixada de acesso à calçada. NBR 9.050/ d e. Deve ter vagas localizadas de modo a evitar que ocorra a circulação e passagem de pedestres entre os veículos. NBR 9.050/ f f. Deve ter rota acessível interligando as vagas do estacionamento até o interior da edificação. NBR 9.050/ /6.2.3/6.12.1e g. Deve ter faixa de circulação livre de obstáculos (1,20 m) localizada ao lado da vaga de estacionamento, para PCD. NBR 9.050/ b h. Deve ter rampa para eliminar os desníveis existentes até a edificação. NBR 9.050/ /6.2.3/6.12.1e i. Deve ter sinalização vertical e horizontal para vagas de PCD. Resolução 303/08 art. 1º j. Deve ter sinalização vertical e horizontal para vagas de idosos. Resolução 304/08 art. 1º k. O piso do estacionamento deve ser antiderrapante, nivelado e sem inclinação. NBR 9.050/ /6.2.3/6.12.1e 3. ACESSO À EDIFICAÇÃO 1

2 a. Pelo menos um dos acessos ao interior da edificação deve ter comunicação com todas as dependências e serviços livre de barreiras e obstáculos. Dec /04 art. 19 b. Verificar a possibilidade de ampliação do número de acessos livres de obstáculos na edificação. Dec /04 art. 19 2º c. Caso todas as entradas não sejam acessíveis, deve haver sinalização informativa, indicativa e direcional da localização das entradas acessíveis. NBR 9.050/ QUANTO AO PISO UTILIZADO a. Deve ser antiderrapante. NBR 9.050/ b. Deve ser regular, estável e não trepidante. NBR 9.050/ c. Deve possuir piso tátil de alerta com largura mínima de 25 cm, onde couber. NBR 9.050/ d. Deve possuir piso tátil direcional com largura mínima de 20 cm, onde couber. NBR 9.050/ e. Deve ter sinalização informativa e direcional dos acesso à edificação. NBR 9.050/ f. Deve ter sinalização direcional do acesso da edificação até o balcão de informações. NBR 9.050/ QUANTO ÀS RAMPAS PARA ELEMINAR DESNÍVEIS a. Devem atender à largura mínima de 1,50 m, sendo admissível 120 m. NBR 9.050/ b. Deve ter inclinação longitudinal máxima de 8,33 % c. Se sim, identificar o item correspondente a seguir: c.1. Rampas com inclinação de 5 %: os segmentos da rampa devem vencer desníveis de, no máximo 1,50 m. c.2. Rampas com inclinação entre 5 % e 6,25 %: os segmentos da rampa devem vencer desníveis de, no máximo, 1,00 m. c.3. Rampas com inclinação entre 6,25 % e 8,33 %: os segmentos da rampa devem vencer desníveis de, no máximo, 80 cm. d. Inclinação transversal máxima de 2 % para rampas internas e 3 % para rampas externas. NBR 9.050/ CIRCULAÇÃO INTERNA 4.1. CIRCULAÇÃO HORIZONTAL a. A largura dos corredores deve ser de, no mínimo, 1.50 m. NBR 9.050/ C b. Em reformas, no caso de ser impraticável a adequação dos corredores, devem existir bolsões de retorno com dimensões que permitam a manobra de uma cadeira de rodas (180º e L=1,50 m), NBR 9.050/ sendo no mínimo um bolsão a cada 15 m, e corredor com largura mínima de 90 cm. c. O piso deve ser antiderrapante. NBR 9.050/ d. O piso deve ser regular, estável e não trepidante. NBR 9.050/ e. Deve possuir piso tátil de alerta com largura mínima de 25 cm, onde couber. NBR 9.050/ f. Deve possuir piso tátil direcional com largura mínima de 20 cm, onde couber. NBR 9.050/ g. Forrações, tapetes e carpetes embutidos no piso e nivelados, firmemente fixados ao piso, com felpas de, no máximo, 6 mm. NBR 9.050/ h. No caso de haver capachos, estes estão embutidos de forma a não ultrapassar 5 mm. NBR 9.050/ QUANTO ÀS JUNTAS E GRELHAS a. Grades, ralos e tampas de inspeção devem ser nivelados com o piso, com frestas, ressaltos ou rebaixos máximos de 5 cm. NBR 9.050/ /6.1.5 b. Os vãos das grelhas devem ter distanciamento máximo de 1,5 cm e o sentido das aberturas deve ser transversal ao sentido do deslocamento. NBR 9.050/ CIRCULAÇÃO VERTICAL a. Além da escada, deve haver outra forma de acesso para vencer desníveis existentes, tais como rampas, elevadores ou plataformas móveis. Dec /04 art. 20 NBR 9.050/ QUANTO ÀS RAMPAS a. A rampa deve atender à largura mínima de 1,50 m, sendo admissível 1,20 m. NBR 9.050/ b. Em edificações existentes, deve haver largura mínima admissível de 90 cm com segmentos de, no máximo, 4,00 m (projeção horizontal). NBR 9.050/ c. A rampa deve ter inclinação longitudinal máxima de 8,33%. d. Deve ser previsto patamar com dimensão longitudinal mínima recomendável de 1,50 m, sendo admissível 1,20 m no início e término da rampa, além de área de circulação adjacente. NBR 9.050/ e. Rampa com inclinação de 5%: os segmentos de rampa devem vencer desníveis de, no máximo, 1,50 m. f. Rampa com inclinação entre 5% e 6,25%: os segmentos de rampa devem vencer desníveis de, no máximo, 1.00 m. g. Rampa com inclinação entre 6,25 e 8,33%: os segmentos de rampa devem vencer desníveis de, no máximo, 80 cm. h. A inclinação transversal da rampa deve ser, no máximo, de 2% se ela for interna e 3% se ela for interna. NBR 9.050/ i. As inclinações diferenciadas máximas de 10% e 12,5% somente devem ser utilizadas em reformas, respeitando os desníveis e lances máximos permitidos. NBR 9.050/ j. Deve possuir faixa de piso alerta distante 32 cm do início e término da rampa, com largura entre 25 cm a 60 cm. NBR 9.050/ c k. O corrimão deve possuir seção circular entre 3,0 cm e 4,5 cm. NBR 9.050/ l. O corrimão deve prolongar-se 30 cm antes do início e após o término da rampa. NBR 9.050/ m. O corrimão deve possuir extremidades curvadas. NBR 9.050/ n. Deve respeitar o afastamento mínimo de 4 cm entre a parede e o corrimão. NBR 9.050/ o. O corrimão deve ser duplo e contínuo nos dois lados da rampa, com alturas de 70 cm e 92 cm. NBR 9.050/ / p. Deve ter corrimão intermediário para rampas com largura a partir de 2.40 m. NBR 9.050/ q. Na ausência de paredes, deve haver guarda-corpo associado, com altura de 1,05 m. NBR 9.050/

3 r. Na ausência de paredes laterais deve existir guia de balizamento com altura mínima de 5 cm. NBR 9.050/ s. Deve existir anel com textura contrastante com a superfície do corrimão, instalado 1,00 m antes das extremidades. NBR 9.050/ ª t. Deve haver sinalização em braile, informando sobre os pavimentos, no início e no final das rampas fixas, instalada na geratriz superior do prolongamento horizontal do corrimão. NBR 9.050/ b QUANTO ÀS ESCADAS a. O primeiro e último degrau de cada lance devem atender à distância mínima de 30 cm da área de circulação adjacente. NBR 9.050/ b. O piso dos degraus deve estar entre 28 cm e 32 cm. NBR 9.050/ c. A altura do espelho deve medir entre 16 cm e 18 cm. NBR 9.050/ d. A escada deve atender a fórmula 63 cm < p + 2e < 65 cm. NBR 9.050/ e. O piso dos degraus deve ser antiderrapante e estável. NBR 9.050/ f. A escada não deve possuir espelho vazado se compõe, obrigatoriamente, rota acessível. NBR 9.050/ g. Deve possuir largura mínima de 1,50 m, sendo admissível 1,20 m. NBR 9.050/ h. Deve possuir patamar com, no mínimo, a mesma largura da escada, quando na mudança de direção ou a cada 3,20 m de altura. NBR 9.050/ i. Deve possuir faixa de piso tátil no início e término da escada, com largura de 25 cm a 60 cm. NBR 9.050/ c j. Deve possuir corrimão contínuo instalado nas duas laterais da escada. NBR 9.050/ k. O corrimão deve atender à altura de 92 cm. NBR 9.050/ l. O corrimão deve possuir seção circular entre 3,0 cm e 4,5 cm NBR 9.050/ m. O espaço livre entre a parede e o corrimão deve ser de, no mínimo, 4 cm. NBR 9.050/ n. O corrimão deve prolongar-se 30 cm antes do início e após o término da escada. NBR 9.050/ o. O corrimão deve possuir acabamento curvado. NBR 9.050/ p. Deve haver corrimão intermediário para escadas com largura a partir de 2,40 m. NBR 9.050/ q. Na ausência de paredes, deve haver guarda-corpo associado, com altura de 1,05 m. NBR 9.050/ r. Deve possuir sinalização visual na borda dos degraus. NBR 9.050/ s. No caso de existirem escadas compondo as rotas de fuga, deverão ser previstas, fora do fluxo de circulação, áreas de resgate com espaço reservado e demarcado para o posicionamento de NBR 9.050/ PCD. t. No caso de existirem escadas compondo as rotas de fuga, estas devem possuir identificação com sinalização em material fotoluminescente na porta de acesso. NBR 9.050/ u. Deve haver demarcação do módulo de referência na área de resgate. NBR 9.050/ v. Deve existir anel com textura contrastante com a superfície do corrimão, instalado 1,00 m antes das extremidades. NBR 9.050/ ª x. Deve haver sinalização em braile informando sobre os pavimentos, no início e no final das escadas fixas, instalada na geratriz superior do prolongamento horizontal do corrimão. NBR 9.050/ b QUANTO AOS ELEVADORES a. Devem oferecer acesso a todos os pavimentos. NBR NM 313/07 b. O piso da cabine deve possuir superfície rígida e antiderrapante. NBR NM 313/07 E.6.3 c. O piso da cabine deve contrastar com o da circulação. NBR NM 313/07 E.6.3 d. As portas do elevador devem contrastar com o acabamento da parede circundante. NBR NM 313/07 E.5.1 e. A cabine deve possuir dimensões mínimas de 1,40 m x 1,10 m. NBR NM 313/ f. A porta deve possuir largura livre mínima de 80 cm. NBR 9.050/ g. Deve possuir sinalização com piso tátil de alerta distando, no máximo, 32 cm da porta do elevador. NBR 9.050/ h. Deve haver espelho ou vidro que permita ao usuário de cadeira de rodas observar obstáculos enquanto se move para trás ao sair do elevador. NBR NM 313/ i. Deve possuir corrimão fixado nos painéis laterais e de fundo atendendo a altura entre 85 cm e 90 cm da sua face superior ao piso. NBR NM 313/ j. Deve possuir sinalização sonora no andar para identificar a chegada da cabine. NBR NM 313/ k. Junto à porta do elevador, deve haver dispositivo entre 1,80 m e 2,50 m que emite sinais sonoro e visual, indicando o sentido em que a cabine se movimenta. NBR NM 313/ l. A botoeira do pavimento deve estar localizada entre 90 cm e 110 cm do piso. NBR NM 313/07 Tabela 2 m. A botoeira da cabine deverá estar localizada entre 90 cm e 130 cm do piso. NBR NM 313/07 Tabela 2 n. As botoeiras devem possuir sinalização em braile localizada ao lado esquerdo ou sobre os botões. NBR NM 313/07 Tabela 2 o. O desnível entre o piso da cabine e o piso externo deve ser de, no máximo, 1,5 cm. NBR NM 313/ p. A distância horizontal entre o piso da cabine e o piso externo deve ser de, no máximo, 3,5 cm. NBR NM 313/ QUANTO ÀS PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS a. Em caso da plataforma ser de percurso aberto (caixa não enclausurada), utilizada para vencer desníveis de até 2 m, deve possuir fechamento contínuo das laterais até a altura de 1,10 m do NBR Figura 8 piso. b. Em caso da plataforma ser de percurso fechado (caixa enclausurada), utilizada para vencer o desnível entre 2 m e 4 m, deve possuir fechamento contínuo das laterais até altura de 2,00 m do NBR Figura 6 piso. c. Deve possuir entrada livre mínima de 90 cm. NBR Figura 8 d. A cabine deve ter dimensões mínimas de 90 cm x 140 cm. NBR Figura 8 5. ESQUADRIAS 5.1. QUANTO ÀS PORTAS a. As portas devem atender à largura livre mínima de 80 cm e altura de 2,10 m. NBR 9.050/ b. Nas portas com duas folhas, pelo menos uma delas deve possuir o vão livre de 80 cm. NBR 9.050/

4 c. As portas do tipo vaivém devem possuir visor com largura mínima de 20 cm distando entre 40 cm e 90 cm do piso. NBR 9.050/ d. Em caso da necessidade de portas giratórias ou catracas, deve existir outro acesso vinculado à rota acessível. NBR 9.050/ e. As portas devem estar dispostas de maneira a permitir sua completa abertura. NBR 9.050/ f. As maçanetas devem ser do tipo alavanca e com altura entre 90 cm e 110 cm. NBR 9.050/ g. Deve haver largura mínima de 1,50 m em frente à porta (sentido da abertura). NBR 9.050/ h. Deve haver largura mínima de 1,20 m em frente à porta (sentido contrário da abertura). NBR 9.050/ i. Deve haver espaço lateral à porta (sentido da abertura) de, no mínimo, 60 cm que possibilite a aproximação à maçaneta. NBR 9.050/ j. Deve haver espaço lateral à porta (sentido contrário da abertura) de, no mínimo, 30 cm que possibilite a aproximação à maçaneta. NBR 9.050/ k. As portas acionadas por sensores de presença deverão ser ajustadas para detectar pessoas de baixa estatura, crianças e usuários de cadeiras de rodas. NBR 9.050/ l. As portas de correr devem possuir trilhos na parte superior. Se houver trilho no piso, este deve ser nivelado com o piso e ter frestas máximas de 15 mm. NBR 9.050/ m. Deve haver sinalização visual no centro da porta (1,40 m - 1,60 m) e tátil em relevo e braile (90 cm 110 cm) no lado externo, informando o ambiente. NBR 9.050/ QUANTO ÀS JANELAS a. A altura dos comandos de abertura da janela deve permitir o alcance manual do usuário de cadeira de rodas. NBR 9.050/ b. A altura do peitoril da janela deve permitir o alcance visual do usuário de cadeira de rodas (1,15 m). NBR 9.050/ c. Os comandos de abertura da janela devem ser do tipo pressão ou alavanca. NBR 9.050/04 4.6/ BANHEIROS a. Tratando-se de projeto de construção, este deve dispor de banheiro acessível, para cada sexo, em todos os pavimentos, com entrada independente dos sanitários coletivos. Dec /04 art. 22 1º b. Tratando-se de projeto de reforma, este deve dispor de pelo menos um banheiro acessível por pavimento, com entrada independente dos sanitários coletivos. Dec /04 art. 22 4º c. A edificação deve possuir 5% do total de cada peça instalada acessível NBR 9.050/ d. Os banheiros com entrada independente devem possuir, ao lado da bacia sanitária e do chuveiro, dispositivo de sinalização de emergência. NBR 9.050/ e. Caso o piso possua desnível acima de 5 mm, deve existir rampa para eliminar o obstáculo. NBR 9.050/ f. O piso deve ser antiderrapante. NBR 9.050/ /7.2.4 g. A dimensão mínima do banheiro (situação que não inclui chuveiro) deve atender à especificidade da norma técnica (1,50 m x 170 m) NBR 9.050/ h. A porta deve possuir vão livre de 80 cm e seu sentido de abertura deve ser para fora. NBR 9.050/ / i. Possui barra horizontal com largura igual à metade da dimensão da porta, afixada na parte interna da porta, distando 0,90m do piso acabado? NBR 9.050/ / j. Tratando-se de box para bacia sanitária comum, possui porta com vão livre mínimo de 0,80m e distância entre o vaso e a porta (quando aberta) de, no mínimo, 0,60m? NBR 9.050/ QUANTO ÀS BACIAS SANITÁRIAS a. Deve possuir área de transferência (80 cm x 120 cm) lateral, diagonal e perpendicular para a bacia sanitária. NBR 9.050/ b. Caso o projeto contemple mais de um banheiro acessível, as bacias sanitárias, áreas de transferência e barras de apoio deverão estar posicionadas de lados diferentes. NBR 9.050/ c. A bacia deve ter 46 cm de altura (com assento) ou 43 cm a 45 cm, sem o assento. NBR 9.050/ d. Se houver sóculo, sua dimensão deve respeitar o excedente máximo de 5 cm da borda da base da bacia sanitária. NBR 9.050/ ª e. Deve possuir barras de apoio com comprimento mínimo de 80 cm, fixadas na parede de fundo e na lateral da bacia sanitária, distando 75 cm do piso acabado. NBR 9.050/ f. A barra de apoio localizada na lateral do sanitário deve distar 30 cm da parede de fundo. NBR 9.050/ g. A barra de apoio afixada na parede de fundo deve distar 30 cm (em direção à barra lateral) do eixo da bacia sanitária. NBR 9.050/ h. O eixo da bacia sanitária deve distar 40 cm da barra de apoio afixada na lateral do sanitário. NBR 9.050/ i. As barras de apoio devem possuir seção circular entre 3 cm e 4,5 cm de diâmetro. NBR 9.050/ j. As barras de apoio devem distar, no mínimo, 4 cm da parede. NBR 9.050/ k. A válvula de descarga deve atender à altura de 1 m do piso. NBR 9.050/ QUANTO AOS CHUVEIROS a. Deve existir rampa para eliminar o desnível do boxe. NBR 9.050/ b. O boxe deve possuir a dimensão mínima de 90 cm x 95 cm. NBR 9.050/ c. Deve possuir banco articulado ou removível com profundidade mínima de 45 cm, 46 cm de altura do piso e comprimento mínimo de 70 cm. NBR 9.050/ d. Na parede de fixação do banco deverá haver uma barra vertical com altura de 75 cm do piso acabado e comprimento mínimo de 70 cm, a uma distância de 85 cm da parede lateral ao banco. NBR 9.050/ e. Deve possuir área de transferência (80 cm x 120 cm) externa ao boxe, possibilitando a aproximação paralela ao banco. NBR 9.050/ f. A área de transferência deverá estar deslocada 30 cm em relação à parte posterior da parede, onde o banco está fixado. NBR 9.050/ g. O chuveiro deverá ser equipado com desviador para ducha manual na qual o controle de fluxo deverá ser na ducha manual. NBR 9.050/ h. O registro do chuveiro deverá ser do tipo alavanca. NBR 9.050/

5 i. O registro do chuveiro deverá encontrar-se instalado a 1,00 m do piso acabado, e distando 45 cm da parede que se encontra fixado o banco. NBR 9.050/ j. Deverá haver barras de apoio vertical e horizontal ou em L (em substituição às anteriores) na parede lateral ao banco. NBR 9.050/ k. A barra vertical deverá possuir comprimento mínimo de 70 cm, estar a uma altura de 75 cm do piso e a uma distância de 45 cm da borda frontal do banco. NBR 9.050/ l. A barra horizontal deverá possuir comprimento mínimo de 60 cm, estar a uma altura de 75 cm do piso e a uma distância máxima de 20 cm da parede de fixação do banco. NBR 9.050/ m. A barra em L deverá ter segmentos de 70 cm de comprimento mínimo, estar a uma altura de 75 cm do piso no segmento horizontal e a uma distância de 45 cm da borda frontal do banco no NBR 9.050/ segmento vertical. n. As barras de apoio devem possuir seção circular entre 3 cm e 4,5 cm de diâmetro. NBR 9.050/ QUANTO AOS LAVATÓRIOS a. Tratando-se de banheiro acessível, deve haver obrigatoriamente lavatório dentro do box de modo a não interferir na área de transferência para a bacia sanitária. NBR 9.050/ b. Deve estar fixado a uma altura de 80 cm do piso e respeitando uma altura livre de 73 cm (borda inferior). NBR 9.050/ c. O sifão e a tubulação devem estar situados a 25 cm da face externa frontal e devem possuir dispositivo de proteção do tipo coluna suspensa ou similar. NBR 9.050/ d. O comando da torneira deve estar, no máximo, a 50 cm da face externa frontal do lavatório. NBR 9.050/ e. As torneiras devem ser acionadas por alavanca, sensor eletrônico ou dispositivo equivalente. NBR 9.050/ f. Deve possuir barra de apoio junto ao lavatório afixada na altura do mesmo. NBR 9.050/ QUANTO AOS MICTÓRIOS a. Deve existir área de aproximação frontal para PMR (diâmetro de 60 cm) e para PCR (80 cm x 120 cm). NBR 9.050/ b. Para os modelos suspensos, deve ter altura (na borda frontal) de 60 cm a 65 cm. NBR 9.050/ c. O acionamento da descarga deve ser do tipo alavanca ou automático, com altura de 1,00 m do seu eixo. NBR 9.050/ d. Deve possuir barras de apoio com afastamento de 60 cm (centralizado pelo eixo), comprimento mínimo de 70 cm, fixadas com altura inferior a 75 cm. NBR 9.050/ QUANTO AOS ACESSÓRIOS a. Se o espelho tiver altura (da borda inferior) acima de 90 cm, deve estar instalado com inclinação de 10º. NBR 9.050/ b. A papeleira embutida deve possuir altura mínima de 50 cm, e máxima de 60 cm. NBR 9.050/ c. A papeleira embutida deve distar, no máximo, 15 cm da borda frontal do sanitário. NBR 9.050/ d. Os acessórios (cabide, saboneteira, toalheiro, porta-objetos) devem atender à altura entre 80 cm e 120 cm. NBR 9.050/ / e. Se existir ducha higiênica, deve estar instalada na área de alcance manual. NBR 9.050/ VESTIÁRIOS a. A porta deve possuir vão livre de 80 cm. NBR 9.050/ b. Os bancos devem possuir encosto. NBR 9.050/ c. Os bancos devem ter 45 cm de profundidade e 46 cm de altura. NBR 9.050/ d. Deve ser reservado um espaço de 30 cm atrás do banco para garantir a transferência lateral. NBR 9.050/ e. A profundidade da prateleira deve atender ao máximo de 55 cm. NBR 9.050/ /4.6 f. A altura dos armários deve estar entre 40 cm e 120 cm do piso acabado. NBR 9.050/ g. No caso de haver cabina individual acessível, esta deve possuir dimensões mínimas de 1,80 x 1,80 m. NBR 9.050/ h. Deve possuir barras de apoio afixadas na parede da cabeceira a 30 cm de distância da parede lateral, e outra na parede lateral a 40 cm da parede da cabeceira. NBR 9.050/ i. Na cabina, a abertura da porta deve ser para o lado externo. NBR 9.050/ j. O espelho deve possuir sua borda inferior a 30 cm e a superior a uma altura máxima de 1,80 m do piso acabado. NBR 9.050/ k. Os cabides devem estar instalados em altura entre 80 cm e 120 cm do piso acabado. NBR 9.050/ BIBLIOTECA a. Os locais de pesquisa, salas de estudo e leitura, terminais de consulta devem ser acessíveis. NBR 9.050/ b. Deve Possuir 5% das mesas acessíveis, com no mínimo uma. NBR 9.050/ c. Deve possuir 5% dos terminais de consulta acessíveis. NBR 9.050/ d. A distância entre as estantes deve ser, no mínimo, de 90 cm. NBR 9.050/ AUDITÓRIOS E SIMILARES a. A quantidade de espaços reservados para pessoas em cadeira de rodas na área destinada ao público deve atender à exigência da legislação. NBR 9.050/ e Dec /04 - art. 23 b. Os espaços para PCR devem possuir dimensões mínimas de 80 cm x 120 cm, acrescidos de faixa de no mínimo 30 cm de largura (na frente, atrás ou em ambas as posições). NBR 9.050/ c. A quantidade de assentos para pessoas com mobilidade reduzida na área destinada ao público atende à exigência do Decreto 5.296/04 ou da NBR 9050/04 (aplicando-se o mais favorável, conforme o caso)? 5 NBR 9.050/ Dec /04 - art. 23 ª 1ª d. O assento para PMR deve possuir espaço livre frontal de no mínimo 60 cm. NBR 9.050/ e. A quantidade de assentos para pessoas obesas deve atender à exigência da legislação. NBR 9.050/ Dec /04 Art. 23 1º f. O assento para pessoa obesa deve possuir a dimensão de dois assentos mais espaço livre de 60 cm na frente da cadeira. NBR 9.050/ g. Os locais destinados a PCR e os assentos para PMR e PO devem estar distribuídos pelo Dec /04 Art. 23

6 recinto. h. Esses espaços devem estar localizados junto a assento para acompanhante. NBR 9.050/ c Dec /04 Art. 23 3º i. Esses locais devem estar indicados por sinalização no local. NBR 9.050/ f Dec /04 Art. 23 1ª j. Esses locais devem garantir a visualização da atividade desenvolvida no palco, ou seja, atendendo a um ângulo visual de, no máximo, 30 a partir do limite superior da tela até a linha do NBR 9.050/ horizonte visual (do usuário) obedecendo à altura de 1,15 m do piso. k. Estes locais devem estar localizados em uma rota acessível vinculada a uma rota de fuga e saída de emergência acessível. NBR 9.050/ ª Dec /04 Art. 23 4º l. Há sinalização visual e sonora nas saídas de emergência? NBR 9.050/ m. O palco deve possuir acesso através de rampa ou aparelho eletromecânico para o usuário de NBR 9.050/04 cadeira de rodas / n. O desnível entre o palco e a plateia deve estar indicado com sinalização tátil de alerta no piso. NBR 9.050/ o. Deve haver, no palco, para posicionamento do intérprete de libras identificado com o símbolo internacional de pessoas com deficiência auditiva. NBR 9.050/ p. Deve haver foco de luz posicionado de forma a iluminar o intérprete de libras. NBR 9.050/ RESTAURANTES E SIMILARES a. Possui 5% dos balcões - de caixa para pagamento - acessíveis? NBR 9.050/ /9.5.4 b. Nos balcões de autosserviço as bandejas, talheres, pratos, copos, temperos, alimentos e bebidas estão dispostos dentro da faixa de alcance manual (0,50m de profundidade e 1,20m de NBR 9.050/ altura)? c. Os alimentos e bebidas estão dispostos de forma a permitir o alcance visual (1,15m)? NBR 9.050/ d. Quanto aos balcões de autosserviço, é previsto pelo menos 50% do total, com, no mínimo, um para cada tipo de serviço acessível para pessoas em cadeira de rodas? NBR 9.050/ e. Existe a previsão de passa pratos com altura entre 0,75-0,85m do piso acabado? NBR 9.050/ f. É garantida a dimensão de, no mínimo, 0,90m de circulação no entorno do balcão de autosserviço? NBR 9.050/04 Figura 164 g. Possui 5%, com no mínimo uma do total, de mesas acessíveis para usuários de cadeira de rodas, sinalizadas com o SIA? (detalhes no item Mesas ou superfícies para refeições ou NBR 9.050/ trabalho ) h. É garantida uma faixa de circulação de 0,90m entre as mesas e área de manobra para acesso às mesmas? NBR 9.050/ MOBILIÁRIO 11.1 QUANTO AOS TELEFONES PÚBLICOS a. Havendo telefone público no pavimento, deve ser ofertado pelo menos um acessível. NBR 9.050/ b. Deve possuir área de aproximação frontal e lateral para o usuário de cadeira de rodas. NBR 9.050/ c. Deve estar sinalizado com o símbolo internacional de acesso. NBR 9.050/ d. Os comandos superiores devem atendem à altura máxima de 1,20 m. NBR 9.050/ e. Deve haver pelo menos um telefone de atendimento adaptado para comunicação por pessoas com deficiência. NBR 9.050/ / f. Deve possuir sinalização com piso tátil de alerta para os modelos tipo orelhão. NBR 9.050/ ª QUANTO AOS BEBEDOUROS a. Havendo bebedouros no pavimento, 50% com, no mínimo um, devem ser acessíveis. NBR 9.050/ b. O dispositivo de acionamento deve localizar-se na parte frontal ou na lateral próximo a borda frontal do equipamento. NBR 9.050/ c. A bica deve ter altura máxima de 90 cm. NBR 9.050/ d. O equipamento deve possuir altura livre inferior a 73 cm. NBR 9.050/ e. Deve haver avanço da superfície que permita a aproximação frontal sob o equipamento. NBR 9.050/ f. Havendo copos descartáveis, estes deverão estar em altura de no máximo 1,20 m do piso. NBR 9.050/ g. Os outros modelos, assim como o manuseio dos copos, deverão estar posicionados na altura entre 80 cm e 120 cm. NBR 9.050/ h. Estes modelos devem permitir a aproximação lateral de PCR. NBR 9.050/ QUANTO ÀS MESAS OU SUPERFÍCIES PARA TRABALHO a. Devem atender à altura entre 75 cm e 85 cm. NBR 9.050/ b. Deve possuir altura livre, no mínimo, inferior a 73 cm. NBR 9.050/ c. A largura da mesa deve permitir a aproximação frontal do usuário de cadeira de rodas (80 cm x 120 cm). NBR 9.050/ d. A mobília deve permitir que o usuário de cadeira de rodas avance sob a mesa, no mínimo, 50 cm. NBR 9.050/ QUANTO AOS ARMÁRIOS a. Devem atender à altura de utilização entre 40 cm e 120 cm do piso acabado. NBR 9.050/04 b. Os puxadores devem encontrar-se em uma faixa de alcance manual entre 80 cm e 120 cm. NBR 9.050/ QUANTO AO BALCÃO DE ATENDIMENTO a. Deve ser acessível a PCR e estar localizado em rota acessível. NBR 9.050/ a. Deve possuir altura máxima de 90 cm, com altura livre de 73 cm do piso e 90 cm no mínimo, de extensão. NBR 9.050/ b. Deve permitir que o usuário de cadeira de rodas avance sob o balcão até 30 cm, no mínimo. NBR 9.050/ QUANTO AOS ASSENTOS FIXOS a. Deve existir um Módulo de Referência (5%, com, no mínimo, 01 assento) ao lado dos assentos fixos em rotas acessíveis, sem interferir com a faixa livre de circulação. NBR 9.050/ /9.4.2 b. Deve estar identificado com o símbolo internacional de acessibilidade. NBR 9.050/ f 6

7 11.7. QUANTO AOS PLANOS E MAPAS TÁTEIS a. Na existência de Planos e Mapas Táteis, as superfícies com estas informações deverão ser instaladas a altura entre 90 cm a 110 cm. b. Devem possuir reentrância na parte inferior com, no mínimo, 30 cm de altura e 30 cm de profundidade, para permitir aproximação frontal de PCR. NBR 9.050/ NBR 9.050/

8 ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS ITEM ELEMENTOS DO PROJETO 1 Escolha de elementos arquitetônicos adequados ao baixo consumo de energia 1.1 Uso de elementos de fachada que proporcionem baixa transmitância térmica 1.2 Acabamentos internos e externos de cor clara 1.3 Elementos que proporcionem ventilação cruzada 1.4 Recursos que garantam iluminação natural 1.5 Cobertura vegetal 2 Uso de sistemas que otimizem o gasto energético 2.1 Painéis fotovoltaicos 2.2 Aquecimento solar 3 Medidas que visam reduzir consumo de água 3.1 Reaproveitamento da água da chuva para irrigação e limpeza 3.2 Uso de torneiras temporizadas 3.3 Uso de bacias sanitárias com baixo volume de descarga ou sistema a vácuo 3.4 Uso de redutores de pressão ou registro regulador de vazão 4 Coleta seletiva dos resíduos, reciclagem e afins 4.1 Manter local adequado para armazenamento de produtos nocivos e poluentes 4.2 Manter local adequado para armazenamento de resíduos a serem coletados 5 Uso de recursos que visem economizar energia 5.1 Utilização de sensores de presença para iluminação das áreas de uso comum 5.2 Uso de lâmpadas com menor gasto energético (leds). 5.3 Temporização da iluminação externa 5.4 Ambientação da iluminação interna em áreas de constante fluxo 6 Escolha de elementos que criem condições de conforto higrotérmico 6.1 Correta orientação solar das áreas de trabalho 6.2 Uso de proteção solar fixa ou móvel adaptada a cada orientação 6.3 Dimensionamento adequado das aberturas 7 Escolha de elementos que criem condições de conforto acústico 7.1 Posicionamento dos ambientes com relação ao tipo de uso 7.2 Uso de recursos de proteção ou isolamento acústico nos gabinetes e nas áreas de uso específico, como auditórios e salas de leitura. 7.3 Uso de carpetes ou pisos que limitem o ruído ao caminhar nas áreas de trabalho 7.4 Uso de equipamentos com baixo nível de ruído 8 Escolha de elementos que criem condições de conforto visual 8.1 Atender aos níveis de iluminância necessários a cada tarefa de acordo com a NBR Dispor de acesso à luz do dia e vistas externas em ambientes de permanência prolongada 8.3 Dimensionamento correto da luz natural para evitar ofuscamento 9 Escolha de elementos que criem condições de conforto olfativo 9.1 Otimização do sistema de ventilação, instalação de sistemas distintos de ventilação mecânica para áreas de trabalho e áreas técnicas 9.2 Presença de entrada de ar em todas as dependências principais 9.3 Presença de saída de ar nas dependências de serviço, cozinha e banheiros 9.4 Localizar as entradas de renovação de ar fora do alcance de fontes de poluição 9.5 Possibilitar o controle da ventilação através de acionamento mecânico pelos usuários 9.6 Oferecer áreas específicas para fumantes, afastadas das zonas de renovação do ar. 8

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I . ITEM. SIM. CALÇADAS. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21 A ANEXO I LISTA DE VERIFICAÇÃO EM ACESSIBILIDADE. ROTA ACES- SÍVEL DESCRIÇÃO AT E N D I M E N TO * ETAPA DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias ACESSIBILIDADE DESENHO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de uso, com segurança, autonomia e independência de edificações, espaços, mobiliários, vias públicas, equipamentos urbanos e de

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and

Leia mais

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA GUIA DE ACESSIBILIDADE EM LOCAIS DOS EVENTOS UVESP União de Vereadores do Estado de São Paulo Luiz Baggio Neto Este guia prático de Acessibilidade foi preparado

Leia mais

Acessibilidade Física

Acessibilidade Física Acessibilidade Física ACESSIBILIDADE FÍSICA OBJETIVO -> ACESSIBILIDADE FÍSICA - Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações,espaço,mobiliário,equipamentourbanoeelementos.

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR:

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: I- PASSEIO CIRCUNDANTE AO LOTE 01 - Falta construir o passeio circundante ao lote. (Dec.19.915/98. Art.50, 1º, V) 02 -

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE INDICE 1. Objetivo...... 6 2. Conceito de acessibilidade... 6 3. Acessibilidade NA ART... 6 4. Normas e legislação... 7 5. Legislação federal 10.048/2000... 8 6. Legislação federal 10.098/2000... 8 7.

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: conceito De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE RESPONSÁVEL: ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO CREA/CAU: A5819-0 CONTRATANTE: OBRA: CAMPUS EIRUNEPÉ LOCAL: AMAZONAS 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 26/08/2016 EMISSÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57;

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57; 5.11.1 As superficies horizontais ou inclinadas (ate 15% em relayao ao piso) contendo informayoes em Braille, pianos e mapas tateis devem ser instaladas a altura entre 0,90 m e 1,10 m, conforme figura

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais... todas as pessoas têm uma necessidade especial, alguma coisa que sintam dificuldade em fazer... Acessibilidade Utilização, com segurança e

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 SUMARIO 1.0.0 SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO... 02 1.1.1 NORMA NBR 9050... 02 1.2.0 PISO TÁTIL... 02 1.2.1 PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 1.2.2 PISO TÁTIL DE DIRECIONAL... 03 1.3.0 COMPOSIÇÃO DOS PISOS TÁTEIS DE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência Banheiro 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha 7.3.4.1 Área de transferência Para boxes de chuveiros deve ser prevista área de transferência externa ao boxe, de forma a permitir a aproximação paralela, devendo

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS Conceito do DESENHO UNIVERSAL Pensar em quem vai utilizar o espaço, e como. Deficientes físicos; Deficientes mentais; Cegos; Surdos; Pessoas com nanismo; Idosos; Gestantes;

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76.

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76. 6 Circulação e Acessos Excluído: e Circulação Neste item será estabelecido os critérios orientativos básicos de acessibilidade nos acessos e circulação para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a aprovação do Plano de Acessibilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA

Leia mais

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência.

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. SINALIZAÇÃO As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio,

Leia mais

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos I Normas Gerais ANEXO II Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos 1 Para efeito das presentes normas entende -se por pavimento tátil os pavimentos que utilizam cumulativamente cor

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras Normas Regulamentadoras Módulo 6 NR 08 Norma Regulamentadoras 8 (Edificações) Esta Norma Regulamentadora -NR estabelece requisitos técnicos mínimos

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

REQUISITOS DE HABITABILIDADE

REQUISITOS DE HABITABILIDADE REQUISITOS DE HABITABILIDADE 1 - DEFINIÇÕES a) Espaço para Redes é o espaço destinado ao transporte de passageiros com redes armadas, sendo considerada a rede o único elemento de permanência do passageiro.

Leia mais

Acessibilidade em Unidades Básicas de Saúde

Acessibilidade em Unidades Básicas de Saúde Acessibilidade em Unidades Básicas de Saúde UBS No princípio da igualdade de direitos entre as pessoas, as necessidades de todo o indivíduo com deficiência ou sem deficiência têm a mesma importância e

Leia mais

REALIZAÇÃO Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA

REALIZAÇÃO Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA ACESSIBILIDADE Respeite o direito de ir e de vir DEFICIÊNCIA VISUAL DEFICIÊNCIA MOTORA GESTANTE +60 DEFICIÊNCIA INTELECTUAL IDOSO NANISMO OBESIDADE DEFICIÊNCIA AUDITIVA OR I A M A A I C N A Ê Ç I C N I

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio:

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE APOIO OPERACIONAL ÀS PROMOTORIAS DE DEFESA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, DO IDOSO, DAS COMUNIDADES INDÍGENAS E DAS MINORIAS ÉTNICAS ACESSIBILIDADE:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA NOTA: 1 - Os fabricantes dos metais e louças sanitárias deverão ser participantes do Programa Brasileiro de Qualidade

Leia mais

Acessibilidade no Espaço Escolar

Acessibilidade no Espaço Escolar Acessibilidade no Espaço Escolar pessoas incluindo pessoas Ficha técnica Instituto Paradigma Presidência: Luiza Russo Diretoria Técnica: Danilo Namo Coordenação do projeto: Fabiano Puhlmann Equipe técnica

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Nº 195, terça-feira, 10 de outubro de 2017 1 47 Ministério do Desenvolvimento Social GABINETE DO MINISTRO DESPACHO DO CHEFE DE GABINETE Em 9 de outubro de 2017 O CHEFE DE GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

web CurSo 2015 InStALAção DE ProDutoS EConomIzADorES DE ÁguA ACESSIBILIDADE

web CurSo 2015 InStALAção DE ProDutoS EConomIzADorES DE ÁguA ACESSIBILIDADE web curso 2015 Instalação de Produtos Economizadores de Água ACESSIBILIDADE A Linha Benefit da Docol possui produtos adequados a pessoas com dificuldades de locomoção, deficientes físicos e crianças. Os

Leia mais

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais

CENTRO DE EVENTOS FIERGS

CENTRO DE EVENTOS FIERGS CENTRO DE EVENTOS FIERGS CENTRO DE EVENTOS FIERGS Av. Assis Brasil, 8787-91140-001 - Porto Alegre - RS - Fone: (55) 51.3347 8636 Site: www.centrodeeventosfiergs.com.br E-mail: centrodeeventos@fiergs.org.br

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES PASSOS, Edina Angelo 1, OLIVEIRA, Aline Damasceno 2, OLIVEIRA, Laisa da Costa 3, SILVA John Hebert 4, COSTA, Fernanda Nepomuceno 5.

Leia mais

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 ESCADA Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido. Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SETEC RI nº. 1188 PARECER TÉCNICO INTERESSADA: Promotoria de Justiça de Itapevi INQUÉRITO CIVIL: nº. 25/07 ASSUNTO: Acessibilidade às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, no local conhecido

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ANEXO I 1 OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 O presente Termo de Referência tem por objeto a elaboração de Projetos Complementares de Acessibilidade para os imóveis onde estão instaladas a Procuradoria Regional

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final - 3. Edificado 3.7. Religioso Março 2010 3.7.1. Cemitério e espaço público envolvente de Águas Santas Identificação Cemitério de Águas Santas Localização Rua do Mosteiro Descrição função e uso do edifício

Leia mais

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio Versão 3. Janeiro 2014 Rio de Janeiro

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio Versão 3. Janeiro 2014 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 3 Janeiro 2014 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 3 Dezembro 2013 Rio de Janeiro 1 2 3 Acessos

Leia mais

relatório da avaliação das condições de acessibilidade

relatório da avaliação das condições de acessibilidade relatório da avaliação das condições de acessibilidade identificação do cliente nome e descrição da atividade principal (a certificar) outras atividades relevantes /complementares data da visita Centro

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 O SER HUMANO Estatística Alarmante "As quedas fatais entre idosos representam cerca de 12% de todos os óbitos na população

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

Normativas Gerais da NR-18

Normativas Gerais da NR-18 Normativas Gerais da NR-18 18.12 - ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS 2 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS - A transposição de pisos com diferença de nível superior a 40cm deve ser feita por meio de escadas ou rampas.

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL H3 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3 pessoas

Leia mais

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto Sede: Rio de Janeiro Av. Treze

Leia mais

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO O elevador de uso restrito é unifamiliar, adaptado para uso de pessoas com mobilidade reduzida. Pode ser instalado em residências, edifícios

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES

PROGRAMA DE NECESSIDADES Área Total - Presidência Espera / Secretaria Sala da presidência Acesso ao setor 1 posto de trabalho; estar Presidência para 6 O ambiente de 1 mesa de trabalho, 1 reuniões deverá ser mesa de reunião para

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015)

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015) GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras Rua Bernardo Sayão, 38 Térreo - Cidade Universitária Zeferino Vaz - CEP 13083-866 - fone/fax: (19) 3521-4105 CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE

Leia mais

Banheiros. - Banheiros e cozinhas - áreas mais caras de uma residência

Banheiros. - Banheiros e cozinhas - áreas mais caras de uma residência Banheiros - Banheiros e cozinhas - áreas mais caras de uma residência -EXIGÊNCIA LEGAL (Código de Obras do Rio de Janeiro) compartimento não habitável, de permanência temporária; exige ventilação (direta,

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U (Continuação) Parte II Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille ESQUADRIAS/ABERTURAS PORTAS Representar a(s) folha(s) da esquadria procurando

Leia mais

TABELA DE PREÇO REGIÃO SUDESTE - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2017 Atualizada em Janeiro/ Valores validos até 30/06/2017

TABELA DE PREÇO REGIÃO SUDESTE - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2017 Atualizada em Janeiro/ Valores validos até 30/06/2017 TABELA DE PREÇO REGIÃO SUDESTE - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2017 Atualizada em Janeiro/2017 - Valores validos até 30/06/2017 SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL COM PISOS TÁTEIS 1 PISO TÁTIL BRASIL BORRACHA

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Aula -01 Prof.: Guilherme Nanni Grabowski Instalação predial de Esgoto Sanitário Tem por finalidade o transporte de todo o efluente

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23 Procedimento Página 1 de 23 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto e na execução de barreiras de segurança. ABSTRACT This document presents

Leia mais