- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;"

Transcrição

1 LAUDO DE 3 DE JULHO DE CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora junto às entradas de veículos dos estacionamentos, em desacordo com o artigo 242 da Lei 9.845/2010 (Código de Posturas de Belo Horizonte) e item 5.7 da NBR9050/2004, da ABNT; o que deve ser regularizado. - A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser 1.1.Rua Pitangui Piso intertravado de concreto com sinalização tátil e jardineira entre faixas de circulação; possui rebaixamento do meio-fio junto à travessia de pedestres e próximo às escadas de acesso aos portões de entrada. Piso cimentado com faixa elevada na calçada em frente à entrada do Estacionamento A. - A calçada apresentava piso irregular junto à entrada do Estacionamento A e a faixa elevada possui largura inferior a 120cm, além de desníveis junto ao meio fio, em desacordo com os itens 6.1.4, e da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Havia escada na calçada junto ao Estacionamento A, em desacordo com o artigo 20, item I, do Decreto Municipal /2010 que regulamenta a Lei 8.616/2003 que contém o Código de Posturas do Município de Belo Horizonte, diferentemente do apresentado no projeto, o que deve ser - O rebaixamento do meio-fio para passagem de pedestres possuía inclinação superior a 8,33% próximo ao Portão 5, em desacordo com o item da

2 - A calçada possuía inclinação transversal entre 4% e 6,9%, em desacordo com os parâmetros estabelecidos para inclinação transversal constantes no o item da NBR 9050/2004, da ABNT, o que deve ser - A calçada apresentava desníveis não sinalizados entre 12cm e 20cm, em desacordo com o item da NBR 9050/2004, da ABNT, o que deve ser 1.2. Rua Ismênia Tunis Piso intertravado de concreto com sinalização com piso tátil e rebaixamento para entrada de veículos. Apresenta desníveis vencidos por escada ou piso rampado. - Possui escada junto à entrada do Estacionamento conforme artigo 20, item II, do Decreto Municipal /2010 que regulamenta a Lei 8.616/2003 que contém o Código de Posturas do Município de Belo Horizonte, diferentemente do apresentado no projeto; o que deve ser - Escada sem sinalização, degraus com 95cm de largura e espelhos com altura irregular média de 18,5cm, o que deve ser - Entrada de veículos em frente ao Portão 8 sem sinalização tátil de alerta e sinalização direcional sem interrupção, em desacordo com item da 2.ESTACIONAMENTO Vagas reservadas para pessoas com deficiência no subsolo, próximo aos elevadores. - As vagas reservadas não possuíam faixa de circulação lateral conforme item b da

3 - As vagas reservadas não possuíam sinalização vertical conforme item c da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado. 3. ACESSOS 3.1. Escadas: - Não há sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da - Possuíam corrimãos em duas alturas com 64cm e 89cm, mas com alturas diferentes das indicadas no item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado. 3.2 Plataforma: - Plataforma móvel acesso pela rua Pitangui; - Possui sinalização com Símbolo Internacional de Acesso conforme item e item da NBR 9050/2004, da ABNT; - Não possuía sinalização tátil de alerta, em desacordo com o item e da NBR 9050/2004 da ABNT, o que deve ser - A plataforma deve atender a todos os critérios definidos no item e item da NBR 9050/2004, da ABNT. 3.3 Sinalização

4 - Os acessos não estavam sinalizados com Símbolo Internacional de Acesso, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - A marcação do piso tátil na mudança de direção não atendia ao item a da - As placas de piso tátil estavam soltas em alguns pontos, apresentando risco de acidentes, o que deve ser - A sinalização tátil de alerta em frente à porta estava em desacordo com o item da - Não havia sinalização de obstáculos suspensos em desacordo com o item a da - Não havia sinalização indicando os setores, arquibancadas e equipamentos, conforme indicações do item 5 da NBR9050/2004 da ABNT, o que deve ser regularizado. - Não havia sinalização nas saídas de emergência e rotas de fuga, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado. 4. CIRCULAÇÃO GERAL 4.1. Considerações gerais - A rota acessível não estava sinalizada com Símbolo Internacional de Acesso, em desacordo com as indicações do item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser

5 - O piso apresentava desníveis nas soleiras nas caixas de escada e de alguns sanitários, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - A sinalização com piso tátil não estava representada de acordo com os critérios do item 5.14 da - Presença de obstáculos suspensos não sinalizados e desprotegidos na circulação sob as arquibancadas em desacordo com o item a da - As rotas de fuga junto às escadas devem possuir espaço reservado e demarcado para posicionamento de pessoas em cadeira de rodas, de acordo com o item 6.3 da NBR9050/2004, da ABNT. Apenas no nível de acesso do estacionamento foi encontrada esta sinalização, o que deve ser - A sinalização com Símbolo Internacional de Acesso do módulo reservado para pessoas em cadeira de rodas na rota de fuga da caixa de escada no nível do subsolo possuia figura voltada para o lado esquerdo, em desacordo com o item da - Deveria haver pelo menos uma catraca acessível em cada acesso, de acordo com o item da NBR 9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado Rampas - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da - Alguns trechos das rampas possuíam estreitamento do pé-direito na altura de 208cm.

6 4.3. Escadas - Possuíam sinalização tátil de alerta no início e término das escadas conforme item c da NBR9050/2004, da ABNT ainda não concluídas, o que deve ser concluído; - Não havia sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da - Possuíam corrimãos em duas alturas, mas com alturas diferentes das indicadas no item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Na maioria das escadas os corrimãos não possuíam prolongamento de 30cm conforme item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado Escadas - rota de fuga - Não possuíam sinalização tátil de alerta no início e término das escadas em desacordo com o item c da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Não havia sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da - Não há sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado Elevador - Botoeiras externas com 100cm de altura e não possuíam sinalização em

7 braile, o que deve ser corrigido; - Elevadores sem aviso sonoro ativado, o que deve ser - Não possuía sinalização com piso tátil de alerta, em desacordo com o item d da NBR 9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Não possuía sinalização com Símbolo Internacional de Acesso, em desacordo com o item da NBR 9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado. - Os elevadores devem atender a todos os critérios definidos no item 5.1 da NBR 13994/00 da ABNT, conforme item da NBR 9050/2004, da ABNT Escada de acesso ao campo - Estreitamento da circulação junto à arquibancada causada pela instalação da escada lateral de acesso ao campo; - Não possuíam sinalização tátil de alerta no início e término das escadas em desacordo com o item c da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Não havia sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da - Possuíam corrimão de apenas um dos lados, em desacordo com o item da NBR 9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Os corrimãos possuem prolongamento de 30cm somente ao término, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser

8 - Não há sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da - Não possuíam patamar com 88cm de largura, em desacordo com o item da NBR9050/2004 da ABNT, o que deve ser - Possuíam desnível para o campo de 36cm de altura, em desacordo o item b da NBR9050/2004 da ABNT, o que deve ser regularizado. 5. ARQUIBANCADA 5.1. Circulação na arquibancada - Circulação com assento retrátil aberto com 24cm de largura, em desacordo com as dimensões referenciais indicadas no item 4.1 da - Não há espaço de circulação livre com pessoa sentada na cadeira, os corredores devem ser dimensionados conforme indicações do item da - Assentos com dimensões 42,5cm x 42cm; - Algumas cadeiras não atendem aos parâmetros visuais indicados no item 4.7 e na figura 21 referente a cones visuais da pessoa sentada da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado Escadas da arquibancada - Escada entre cadeiras com 200cm de largura, mas com estreitamento provocado pela instalação de corrimãos, em desacordo com o item da

9 - Degraus com piso com 40cm e 42,5cm de largura, em desacordo com o item da - Não possuíam sinalização tátil de alerta no piso, em desacordo com o item c da - Não havia sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da - Corrimãos com 85cm de altura, em desacordo com o item da - Espaçamento entre corrimãos com 77cm de largura, em desacordo com o item da - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado Escadas fixadas à laje: - Patamar de descanso no início e final com dimensões entre 62cm e 123cm de largura, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Cadeiras obstruindo a circulação junto aos patamares, o que deve ser - Algumas escadas apresentam espaçamento entre patamar e laje, apresentando risco de acidente, o que deve ser

10 - Não havia sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da - Os corrimãos não são contínuos em desacordo com o item da - Os corrimãos não possuíam prolongamento de 30cm, em desacordo com o item da - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da - As escadas devem atender a todos os critérios indicados no item 6.6 da NBR9050/2004, da ABNT Escadas fixadas à laje: - Patamar de descanso no início e final com dimensões entre 62cm e 123cm de largura, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Cadeiras obstruindo a circulação junto aos patamares, o que deve ser - Algumas escadas apresentam espaçamento entre patamar e laje, apresentando risco de acidente, o que deve ser - Não havia sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da

11 - Os corrimãos não são contínuos em desacordo com o item da - Os corrimãos não possuíam prolongamento de 30cm, em desacordo com o item da - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da - As escadas devem atender a todos os critérios indicados no item 6.6 da NBR9050/2004, da ABNT. 6. MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS DE USO PÚBLICO 6.1. Bilheteria - Não havia bilheteria acessível, o que deverá ser regularizado conforme abaixo especificado; - Guichê da bilheteria com 114cm de altura, em desacordo com o item da - Guichê de atendimento possuía 40cm de largura e sem recuo; - As bilheterias não possuíam sinalização com Símbolo Internacional de Acesso, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - As bilheterias deverão atender a todos os critérios do item da NBR9050/2004, da ABNT e aos itens indicados abaixo:

12 - Deverá haver bilheteria acessível a pessoas em cadeira de rodas; - Deverão estar localizados na rota acessível; - O guichê deverá ter altura máxima de 105cm do piso acabado; - Deverá ser garantida uma área de 80cm de largura por 120cm, de forma a permitir aproximação por pessoa em cadeira de rodas e uma área de manobra de 180 graus; - O guichê acessível deverá ser sinalizado com Símbolo Internacional de Acesso, conforme padrão indicado na NBR9050/2004, da ABNT Balcões de atendimento das lanchonetes: - Balcões de atendimento com superfície superior com 73,5cm de altura, o que deve ser - Não havia espaço para aproximação de cadeira de rodas, esta área coincide com eixo da soleira, em desacordo com o item da - Não havia sinalização com Símbolo Internacional de Acesso, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - O balcão adaptado está segregado da área de atendimento dos demais balcões, o que fere o princípio da inclusão da pessoa com deficiência; - Os balcões de atendimento devem atender a todos os critérios do item 9.5 da NBR9050/2004, da ABNT e aos itens indicados abaixo: - Deverá haver balcões acessíveis a pessoas em cadeira de rodas; - O balcão deverá ter altura livre de 73cm e altura máxima de 90cm do piso acabado;

13 - Deverá possuir profundidade mínima de 30cm de forma a permitir a aproximação de pessoas em cadeira de rodas; - Deverá possuir largura mínima de 90cm; - O balcão acessível deverá ser sinalizado com Símbolo Internacional de Acesso, conforme padrão indicado na NBR9050/2004, da ABNT. 6.3.Balcão de caixas de pagamento - Não havia caixas acessíveis, em desacordo com o item da - Os balcões de atendimento dos caixas devem atender a todos os critérios do item 9.5 da NBR9050/2004, da ABNT e aos itens indicados abaixo: - Deverá haver balcões acessíveis a pessoas em cadeira de rodas; - O balcão deverá ter altura livre de 73cm e altura máxima de 90cm do piso acabado; - Deverá possuir profundidade mínima de 30cm de forma a permitir a aproximação de pessoas em cadeira de rodas; - Deverá possuir largura mínima de 90cm; - O balcão acessível deverá ser sinalizado com Símbolo Internacional de Acesso, conforme padrão indicado na NBR9050/2004, da ABNT; Pelo menos 5% dos balcões de caixas de pagamento devem ser acessíveis e outros 10% devem ser adaptáveis 6.4.Bebedouros

14 - Não havia bebedouros acessíveis, em desacordo com o item da NBR9050/2004 da ABNT, o que deve ser regularizado, conforme especificado abaixo; - Foram instalados além de bebedouros padrão, bebedouros infantis; - Os bebedouros devem atender a todos os critérios do item 9.1 da NBR9050/2004, da ABNT e aos itens indicados abaixo: - 50% dos bebedouros em cada pavimento deverão ser acessíveis; - A bica deverá estar localizada na parte frontal do bebedouro a uma altura máxima de 90cm e permitir a utilização por meio de copos; - Os controles deverão estar localizados na parte lateral ou próximo à borda frontal; - Deverão possuir altura livre mínima de 73cm do piso acabado; - Deverão possuir área de aproximação com profundidade máxima de 50cm. 7.SANITÁRIOS ADAPTADOS - Alguns sanitários possuíam soleira com desnível de até 3cm, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - A área de aproximação frontal do lavatório possuía 20cm, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que vê ser - Barra de apoio lateral possui 76cm de altura e 70cm de comprimento, e está afastada 29cm da parede, em desacordo com o item da

15 - Os sanitários são separados por sexo e possuem sinalização com Símbolo Internacional de Acesso com pictograma branco sobre fundo verde, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Alguns sanitários não possuíam espaço para área de aproximação, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado. 8. BLOCO VESTIÁRIOS 8.1. Considerações gerais - Havia desníveis entre a rampa de acesso ao bloco onde estão instalados os vestiários e o estacionamento, em desacordo com o item da - Rampas sem sinalização com piso tátil de alerta em desacordo com item c da - Desníveis de 19cm a 30cm, sem sinalização em desacordo com item e da - Algumas portas possuíam vão menor que 80cm, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado Sala de Imprensa - Porta de duas folhas na sala de imprensa com folhas menores que 80cm, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Não possuía sinalização para assentos reservados com Símbolo Internacional de Acesso, o que deve ser

16 - A sala de imprensa deve estar de acordo com o item 8.2 da NBR9050/2004, da ABNT Sanitários acessíveis - Sanitários acessíveis separados por sexo, sinalizados com Símbolo Internacional de Acesso com pictograma branco em fundo verde, em desacordo com o item da NBR9050/2004 da ABNT, o que deve ser 8.4. Vestiários adaptados - Os vestiários adaptados não são acessíveis, estando em desacordo com o item da NBR90250/2004, da ABNT, o que deve ser - A porta de entrada do banheiro e das cabines possuem vão livre com 78cm de largura, em desacordo com item e o item da NBR90250/2004, da ABNT, o que deve ser - As portas das cabines possuíam travas e não possuíam puxadores ou maçanetas em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Banco do chuveiro com 43cm de altura, 46cm de comprimento e 33cm de profundidade, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Porta-objetos instalados a 151cm de altura, em desacordo com o item da - Cabine adaptada dentro do vestiário não possui barras de apoio junto ao vaso sanitário, em desacordo com o item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser

17 - O sanitário não possui espaço para área de aproximação, em desacordo com o item da - Os sanitários e vestiários acessíveis devem estar de acordo com o item 7 da NBR9050/2004, da ABNT Rampa de acesso ao campo - Inclinação i=4,9%; - Largura L=213cm - Comprimento C=16,88m; - Desnível d=57cm; - Corrimão instalado de apenas um dos lados da rampa; os corrimãos devem atender a todos os critérios do item da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da - Não possuía sinalização com piso tátil de alerta, em desacordo com o item c da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve ser regularizado. 8.6.Escada de acesso ao campo (associada à rampa): - Possui três espelhos com 19cm de altura, em desacordo com o item b da

18 - Escada possui corrimãos, mas estes não atendem a todos os critérios do item da - Não havia sinalização tátil nos corrimãos, em desacordo com o item 5.12 da - Não havia sinalização visual dos degraus, em desacordo com o item 5.13 da Não possuía sinalização com piso tátil de alerta, em desacordo com o item c da NBR9050/2004, da ABNT, o que deve

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

Aula 07 Acessibilidade

Aula 07 Acessibilidade Aula 07 Acessibilidade Sumário 1. Introdução 2. Instalações e equipamentos Portas Cozinha Copa / Refeições Sala de estar Banheiro Piso Tátil Elevadores Rampas Cadeiras Elevadoras Plataformas Elevadoras

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I . ITEM. SIM. CALÇADAS. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21 A ANEXO I LISTA DE VERIFICAÇÃO EM ACESSIBILIDADE. ROTA ACES- SÍVEL DESCRIÇÃO AT E N D I M E N TO * ETAPA DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE RESPONSÁVEL: ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO CREA/CAU: A5819-0 CONTRATANTE: OBRA: CAMPUS EIRUNEPÉ LOCAL: AMAZONAS 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 26/08/2016 EMISSÃO

Leia mais

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA GUIA DE ACESSIBILIDADE EM LOCAIS DOS EVENTOS UVESP União de Vereadores do Estado de São Paulo Luiz Baggio Neto Este guia prático de Acessibilidade foi preparado

Leia mais

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias ACESSIBILIDADE DESENHO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de uso, com segurança, autonomia e independência de edificações, espaços, mobiliários, vias públicas, equipamentos urbanos e de

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ELEMENTOS DO PROJETO NORMA/LEI 1. CALÇADA a. Deve ter faixa livre para pedestres com largura mínima de 1,50 m, sendo admissível

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

Acessibilidade Física

Acessibilidade Física Acessibilidade Física ACESSIBILIDADE FÍSICA OBJETIVO -> ACESSIBILIDADE FÍSICA - Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações,espaço,mobiliário,equipamentourbanoeelementos.

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR:

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: I- PASSEIO CIRCUNDANTE AO LOTE 01 - Falta construir o passeio circundante ao lote. (Dec.19.915/98. Art.50, 1º, V) 02 -

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA) RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA) RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA) RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE Estacionamento da Inspetoria Regional de Pau dos Ferros Proprietário: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do RN 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a aprovação do Plano de Acessibilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: conceito De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, pode-se usar as dimensões de um

Leia mais

GERAIS BANCO MÚLTIPLO S/A

GERAIS BANCO MÚLTIPLO S/A T ERMOO DE AJUSTAMENTO DE C ONDUT A Nº 028/2004 Inquérito Civil Público nº 056/2003 Compromitente: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Compromissário: BANKBOSTON BANCO MÚLTIPLO S/A Aos oito dias

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Projeto realizado em disciplina no curso de Engenharia Civil da Unijuí. 2

Projeto realizado em disciplina no curso de Engenharia Civil da Unijuí. 2 ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE EM CALÇADAS E PASSEIOS NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA DO BURICÁ 1 ANALYSIS OF ACCESSIBILITY IN FOOTWEAR AND TOURS IN THE MUNICIPALITY OF BOA VISTA DO BURICÁ Carla Letícia Hunhoff 2,

Leia mais

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência.

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. SINALIZAÇÃO As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio,

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 SUMARIO 1.0.0 SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO... 02 1.1.1 NORMA NBR 9050... 02 1.2.0 PISO TÁTIL... 02 1.2.1 PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 1.2.2 PISO TÁTIL DE DIRECIONAL... 03 1.3.0 COMPOSIÇÃO DOS PISOS TÁTEIS DE

Leia mais

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos I Normas Gerais ANEXO II Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos 1 Para efeito das presentes normas entende -se por pavimento tátil os pavimentos que utilizam cumulativamente cor

Leia mais

Federação Paulista de Futebol

Federação Paulista de Futebol MANUAL DE INFRAESTRUTURA DE ESTÁDIOS DA FPF 1. FINALIDADE O MANUAL DE INFRAESTRUTURAA DE ESTÁDIOS DA FPF tem por finalidade estabelecer critérios para a classificação dos estádios de futebol utilizados

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio:

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE APOIO OPERACIONAL ÀS PROMOTORIAS DE DEFESA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, DO IDOSO, DAS COMUNIDADES INDÍGENAS E DAS MINORIAS ÉTNICAS ACESSIBILIDADE:

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE INDICE 1. Objetivo...... 6 2. Conceito de acessibilidade... 6 3. Acessibilidade NA ART... 6 4. Normas e legislação... 7 5. Legislação federal 10.048/2000... 8 6. Legislação federal 10.098/2000... 8 7.

Leia mais

Inclusão e Acessibilidade. Lailah Vilela e Rafael Giguer

Inclusão e Acessibilidade. Lailah Vilela e Rafael Giguer Inclusão e Acessibilidade Lailah Vilela e Rafael Giguer Novo Conceito de PCD Caracteriza a pessoa com deficiência como aquela que tem limitações individuais (sensoriais, físicas, intelectuais ou mentais)

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57;

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57; 5.11.1 As superficies horizontais ou inclinadas (ate 15% em relayao ao piso) contendo informayoes em Braille, pianos e mapas tateis devem ser instaladas a altura entre 0,90 m e 1,10 m, conforme figura

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

Acessibilidade no Espaço Escolar

Acessibilidade no Espaço Escolar Acessibilidade no Espaço Escolar pessoas incluindo pessoas Ficha técnica Instituto Paradigma Presidência: Luiza Russo Diretoria Técnica: Danilo Namo Coordenação do projeto: Fabiano Puhlmann Equipe técnica

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 O SER HUMANO Estatística Alarmante "As quedas fatais entre idosos representam cerca de 12% de todos os óbitos na população

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Nº 195, terça-feira, 10 de outubro de 2017 1 47 Ministério do Desenvolvimento Social GABINETE DO MINISTRO DESPACHO DO CHEFE DE GABINETE Em 9 de outubro de 2017 O CHEFE DE GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

REALIZAÇÃO Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA

REALIZAÇÃO Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA ACESSIBILIDADE Respeite o direito de ir e de vir DEFICIÊNCIA VISUAL DEFICIÊNCIA MOTORA GESTANTE +60 DEFICIÊNCIA INTELECTUAL IDOSO NANISMO OBESIDADE DEFICIÊNCIA AUDITIVA OR I A M A A I C N A Ê Ç I C N I

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

PERICIA NA ACESSIBILIDADE

PERICIA NA ACESSIBILIDADE AGOSTO 2017 Eng. Mecânico Sergio Yamawaki Presidente da Comissão de Acessibilidade do CREA-PR PERICIA NA ACESSIBILIDADE Segundo a ONU - 2012 Deficientes no Mundo 1 bilhão Segundo a ONU - 2012 A cada 5

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento Fls: 1 / 18 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DE ESTÁGIO_2017

QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DE ESTÁGIO_2017 NOME:GABARITO QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DE ESTÁGIO_2017 INST. ENSINO: DATA: 01. Com relação ao AutoCAD, assinale a alternativa que apresenta a função correspondente ao ícone da imagem abaixo em português

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES PASSOS, Edina Angelo 1, OLIVEIRA, Aline Damasceno 2, OLIVEIRA, Laisa da Costa 3, SILVA John Hebert 4, COSTA, Fernanda Nepomuceno 5.

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO Produto Utilização Ref. Cm. Indica o sentido da saída nos locais planos e sem escadas, onde a orientação seja PV10231 seguir à direita a partir do ponto

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SETEC RI nº. 1188 PARECER TÉCNICO INTERESSADA: Promotoria de Justiça de Itapevi INQUÉRITO CIVIL: nº. 25/07 ASSUNTO: Acessibilidade às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, no local conhecido

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

PRI!PeITU.A DA CIDADE DE SÃO PAULO

PRI!PeITU.A DA CIDADE DE SÃO PAULO OFICIO N' 120 Assessoria de SGM /2009 Excelentlssimo Senhor, PRI!PeITU.A DA CIDADE DE SÃO PAULO Assessoria Especial! SG M sao Paulo. 17 de junho de 2009. r V- w= 1'.0~J~OJY' ~ ~. ft VJ..(X, (fi ;J.,. ~I"\

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função de vencer os desníveis, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. ESCADAS

Leia mais

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio Versão 3. Janeiro 2014 Rio de Janeiro

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio Versão 3. Janeiro 2014 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 3 Janeiro 2014 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 3 Dezembro 2013 Rio de Janeiro 1 2 3 Acessos

Leia mais

Acessibilidade em Unidades Básicas de Saúde

Acessibilidade em Unidades Básicas de Saúde Acessibilidade em Unidades Básicas de Saúde UBS No princípio da igualdade de direitos entre as pessoas, as necessidades de todo o indivíduo com deficiência ou sem deficiência têm a mesma importância e

Leia mais

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76.

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76. 6 Circulação e Acessos Excluído: e Circulação Neste item será estabelecido os critérios orientativos básicos de acessibilidade nos acessos e circulação para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Leia mais

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 ESCADA Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido. Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais... todas as pessoas têm uma necessidade especial, alguma coisa que sintam dificuldade em fazer... Acessibilidade Utilização, com segurança e

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO Consulta técnica do 5º CRB,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

relatório da avaliação das condições de acessibilidade

relatório da avaliação das condições de acessibilidade relatório da avaliação das condições de acessibilidade identificação do cliente nome e descrição da atividade principal (a certificar) outras atividades relevantes /complementares data da visita Centro

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

CENTRO DE EVENTOS FIERGS

CENTRO DE EVENTOS FIERGS CENTRO DE EVENTOS FIERGS CENTRO DE EVENTOS FIERGS Av. Assis Brasil, 8787-91140-001 - Porto Alegre - RS - Fone: (55) 51.3347 8636 Site: www.centrodeeventosfiergs.com.br E-mail: centrodeeventos@fiergs.org.br

Leia mais

ESTUDO COMPARADO SOBRE A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE- PB EM RELAÇÃO À NBR 9050

ESTUDO COMPARADO SOBRE A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE- PB EM RELAÇÃO À NBR 9050 ESTUDO COMPARADO SOBRE A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE- PB EM RELAÇÃO À NBR 9050 João Joacélio Duarte Araújo Júnior Éder Wilian de Macedo Siqueira Rafael Wesley Barbosa

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N. 1.893, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013 Altera a Norma Regulamentadora n. 12 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,no uso das atribuições que lhe conferem o inciso

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.896 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. 153) Altera a Norma Regulamentadora n.º 31. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO

Leia mais

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Superintendência de Planejamento, Normas e Procedimentos PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE PROJETO : ACESSIBILIDADE EM PASSEIOS

Leia mais

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final - 3. Edificado 3.7. Religioso Março 2010 3.7.1. Cemitério e espaço público envolvente de Águas Santas Identificação Cemitério de Águas Santas Localização Rua do Mosteiro Descrição função e uso do edifício

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

REQUISITOS DE HABITABILIDADE

REQUISITOS DE HABITABILIDADE REQUISITOS DE HABITABILIDADE 1 - DEFINIÇÕES a) Espaço para Redes é o espaço destinado ao transporte de passageiros com redes armadas, sendo considerada a rede o único elemento de permanência do passageiro.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Normas técnicas para melhoria da acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada

Normas técnicas para melhoria da acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada Normas técnicas para melhoria da acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada Decreto-Lei n.º 163/2006, de 8 de Agosto (DR 152 - Série I - Emitido Por Ministério do Trabalho e da Solidariedade

Leia mais

ANÁLISE DE ACESSIBILIDADE NAS CALÇADAS DE ACESSO À PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO MOURÃO, E ENTRE SEUS AMBIENTES

ANÁLISE DE ACESSIBILIDADE NAS CALÇADAS DE ACESSO À PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO MOURÃO, E ENTRE SEUS AMBIENTES 0 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL RENAN BATAGLIA ANÁLISE DE ACESSIBILIDADE NAS CALÇADAS DE ACESSO À PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO MOURÃO,

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso respeite o direito de ir e vir de cada um Fique sabendo: De acordo com o último senso realizado em 2010, 23,5% da população brasileira tem algum tipo

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE Autoria: Laudicéia Araújo Santana (orientadora) FACISA/IFPB E-mail: laudiceia.araujo@hotmail.com RESUMO AMPLIADO O tema da pesquisa

Leia mais