MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES"

Transcrição

1 MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES PASSOS, Edina Angelo 1, OLIVEIRA, Aline Damasceno 2, OLIVEIRA, Laisa da Costa 3, SILVA John Hebert 4, COSTA, Fernanda Nepomuceno 5. UFRB/ CETEC, Campus de Cruz das Almas, Centro Cruz das Almas/BA. CEP: , Resumo - Quando se fala de acessibilidade normalmente associa-se a mobilidade com algum tipo de deficiência. No entanto, este termo perpassa por todos os indivíduos, englobando desde idosos, pessoas com mobilidade reduzida, obesos, mães com carros de bebês e, inclusive, a população sem nenhum tipo de necessidade especial. Prezar pela acessibilidade é o mesmo que garantir acesso a todos, independente de suas limitações, a qualquer ambiente. Logo, as universidades públicas devem dispor de espaços que permitam aos seus usuários acesso a suas edificações com conforto, segurança e autonomia. Este artigo tem como objetivo apresentar um método para avaliação da acessibilidade em edificações de universidades, embasado nos requisitos da NBR 9050:2004, norma brasileira que trata da acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Para teste do método de avaliação, foi realizado um estudo piloto no campus de Cruz das Almas, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Embora, extenso, o método mostrou tratar da realidade da acessibilidade nas edificações, com aplicação fácil. Palavras-chave: Acessibilidade, universidade, método de avaliação, NBR Área do Conhecimento: Engenharia Introdução Acessibilidade é uma palavra ainda pouco conhecida no Brasil. Felizmente, tal definição vem disseminando-se de forma lenta, mas gradativa, fazendo com que a população mantenha-se cada vez mais ciente e assim exija e garanta direitos de todos, inclusive das pessoas com mobilidade reduzida. Apesar de representarem uma minoria da sociedade, os mesmos devem, também, usufruir o direito de ir e vir assegurado na Constituição Brasileira e para tanto, necessitam de ambientes acessíveis. As universidades do Brasil, enquanto produtoras de conhecimento e ciência devem garantir a todos o acesso às suas edificações, espaços e equipamentos urbanos a fim de permitir a democratização e a igualdade ao acesso à informação e ao conhecimento. No entanto, não é o que acontece em maior parte delas, quando se trata do espaço edificado. Ademais disso, a NBR 9050 (ABNT, 2004), relaciona acessibilidade não apenas ao acesso de pessoas com limitações ou reduções de mobilidade, mas também à utilização de maneira autônoma e segura de ambientes, equipamentos urbanos e elementos por todos os seus usuários. Assim, a fim de garantir melhorias e expansão da mobilidade em universidades brasileiras, este artigo apresenta um método de avaliação da acessibilidade em edificações de universidades. Para testar o método, foi realizado um estudo piloto na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, no campus de Cruz das Almas. Esse estudo poderá ser aplicado a qualquer ambiente universitário, público ou privado, sem prejuízos ou complicações, para verificação da existência de conformidade com a NBR 9050: Metodologia Para realização do estudo desenvolveu-se a seguinte metodologia. Na primeira etapa da pesquisa fez-se uma pesquisa documental e a revisão bibliográfica, utilizando principalmente leis e portarias que tratam da acessibilidade em instituição de ensino; o Código de Trânsito Brasileiro; e a NBR 9050: 2004; além de materiais bibliográficos diversos, tais como publicações de pesquisas anteriores sobre o tema, a fim embasar 1

2 e compreender os conceitos e as exigências, propostos por esses documentos. papeleiras cabides e porta-objeto, conforme figuras 1 e 2. Na segunda etapa, foi possível criar ferramentas de avaliação, sob a forma de listas de verificação do comprimento dos requisitos da NBR9050: 2004, para avaliar cada ambiente existente numa edificação de universidades. As listas de verificação são compostas por três alternativas a serem assinaladas: SIM, NÃO e Não se Aplica. As respostas SIM representam a conformidade com os aspectos da NBR 9050; as respostas NÃO representam requisitos da NBR9050 descumpridos nas edificações da universidade, enquanto que Não se Aplica indica itens que não foram possíveis avaliar, por serem impraticáveis no ambiente edificado estudado. Na terceira parte do estudo fez-se o estudo piloto utilizando como campo de estudo a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia campus Cruz das Almas, no intuito de testar as ferramentas e o método de avaliação proposto, identificando as falhas para posteriores correções. Por fim, recomendar a correção dos problemas encontrados durante o estudo piloto, como forma de contribuir e dar um retorno aos gestores e comunidade universitária. Figura 1: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia a bacia sanitária. Resultados O método de avaliação da acessibilidade nas edificações de universidades é o principal produto deste trabalho. A seguir serão explicitados trechos da principal ferramenta, as listas de verificação dos requisitos de acessibilidade, as quais foram aplicadas em variados locais edificados da universidade. A avaliação abrange espaços edificados e equipamentos urbanos, tais como: sanitários e vestiários, bebedouros, telefones públicos, mesas para refeições e trabalho, parâmetros antropométricos, biblioteca, circulação externa e interna, estacionamentos, símbolos e sinalização. A avaliação da acessibilidade segue requisitos como altura, comprimento, profundidade e quantidade de equipamentos, seguindo a NBR 9050: Banheiro: A figura 1 apresenta um trecho da ferramenta que avalia a bacia sanitária quanto à área de transferência, barra de apoio e altura da bacia. Figura 2: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia os acessórios para banheiro. 2. Locais de reunião: A figura 3 ilustra o trecho da ferramenta que avalia auditório quanto aos espaços reservados ao portador de necessidades especiais como Pessoa com Mobilidade Reduzida, Obesa e Portador de Cadeiras de Rodas. 3. Locais de Hospedagem: A figura 4 mostra o trecho da ferramenta que avalia os locais de hospedagem quanto à dimensão dos mobiliários. No banheiro verifica-se a composição dos acessórios com os seguintes itens: espelhos, 2

3 Figura 3: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia o auditório. Figura 5: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia a biblioteca. 5. Acesso e Circulação interna: A figura 6 apresenta um trecho da ferramenta que avalia o piso tátil nas circulações dentro da edificação e se estão localizadas no começo das escadas, rampas e nos rebaixamento de calçadas. A figura 7 identifica se os corrimões e guardacorpos são instalados de acordo com a NBR9050. Figura 4: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia locais de hospedagem. 4. Biblioteca e Centro de leitura: A figura 5 contém o trecho da ferramenta lista de verificação que avalia se a biblioteca é acessível, se é garantido um módulo de referência que possibilite uma aproximação segura e confortável e se as mesas estão localizadas em rotas acessíveis. Figura 6: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia o piso tátil. 3

4 Figura 7: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia corrimão de escadas. Figura 9: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia as dimensões referenciais para deslocamento de pessoas em pé. 6. Estacionamento: A NBR9050 orienta como sinalizar as vagas para estacionamento de veículos que conduzam ou sejam conduzidos por pessoas com deficiência. A figura 8 mostra algumas exigências desse quesito. Figura 10: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia as dimensões referenciais para cadeiras de rodas manuais ou motorizadas. Figura 8: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia as vagas para pessoas com deficiência em estacionamentos. 7. Parâmetros Antropométricos: Esse item representa a avaliação em áreas de edificações de acordo com medidas do corpo humano que possibilita a pessoa portadora de necessidades especiais em pé (figura 9) e a dimensão referencial para pessoa em cadeira de rodas (figura 10). 8. Circulação Externa: As áreas de circulação externa incluem as áreas públicas, como passeios, calçadas, vias de pedestres, faixas de travessia de pedestres, passarelas, caminhos, passagens, calçadas verdes e pisos drenantes. A figura 11 ilustra um trecho da ferramenta que avalia esse quesito. 4

5 todos, a fim de contemplar seus interesses primários. Após sua aplicação percebeu-se a acessibilidade como um alvo possível, sem necessariamente grandes ou desnecessários despendimentos de espaço ou dinheiro. A intenção dos pesquisadores, na proposição desse método de avaliação, é facilitar a verificação da existência de requisitos de acessibilidade no espaço construído, focando edificações de universidades, por meio de uma ferramenta fácil e que agrega itens de uma norma técnica com conteúdo extenso e que trata de vários outros ambientes edificados. Figura 11: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia os rebaixamentos de calçadas. 9. Símbolos: São representações gráficas que, através de figuras ou formas convencionadas, estabelecem uma analogia entre o objeto ou a informação e sua representação. Todos os símbolos podem ser associados a uma sinalização direcional. A figura 12 ilustra um trecho da ferramenta que possibilita a identificação dos símbolos em locais como sanitários, escadas e elevadores. É de conhecimento de todos que conforto, segurança e autonomia estão diretamente ligados à qualidade de vida (MORAES, 2007) e esta, por sua vez, à aprendizagem, objetivo maior destas instituições as universidades e sem a qual todo investimento acaba dissipado. Com a análise dos dados coletados para a validação do método de avaliação da acessibilidade em edificações de universidades, foi possível identificar a necessidade de aquisições e adaptações de partes do espaço edificado, no tocante à facilitação do acesso, mobilidade e permanência de todos os cidadãos ao ambiente universitário. Assim, de forma prática, foi constatado nas edificações da UFRB, objeto de estudo piloto, que, embora haja a obrigação de se assistir aos usuários de suas instalações com acessibilidade em todos os ambientes necessários ao uso, conforme preconiza a NBR9050:2004, efetivamente existe necessidade de intervenção para sanar deficiências no espaço edificado, com adaptação de instalações focadas em ampliar a mobilidade. Figura 12: Trecho da ferramenta lista de verificação que avalia a sinalização. Discussão O método de avaliação proposto mostrou-se útil na verificação de ambientes acessíveis em uma universidade. Considerando a universidade como um espaço que visa a democratização e a igualdade ao acesso à informação e ao conhecimento, foi observada a necessidade de ambientes propícios ao trânsito e permanência de Conclusão Esse trabalho apresentou um método de avaliação da acessibilidade em edificações de universidades, verificando a existência de ambientes e rotas acessíveis em seus espaços edificados. Uma dificuldade encontrada ao longo do estudo e da criação de ferramentas para avaliação foi a escassez de bibliografia particular à acessibilidade aplicada ao espaço acadêmico. Muito embora existam diversos documentos, apostilhas, dissertações, teses e artigos envolvendo o tema acessibilidade e construções acessíveis, literaturas peculiares ao tema tratado são raras. 5

6 Dessa forma, o estudo traz contribuições para a disseminação do tema no país. Tendo em vista que a universidade compreende um ambiente capaz de transformar o espaço e o indivíduo, ingressado e à sua volta, faz-se essencial direcionar pesquisas à promoção de ambientes propícios à indução, à formação e à troca de conhecimento e informação, para a obtenção de suas intenções primordiais. Dessa maneira, a acessibilidade constitui aspecto imprescidível. Agradecimentos: Grupo de Pesquisa: Estrutura, Materiais e Construção Civil Sustentável; UFRB/PIBIC. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 2 ed. Rio de Janeiro, BRASIL. Portaria nº de dezembro de Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/portaria s/p1679.pdf>. Acesso em: 17 abril LAUFER, Adriana Mariana; RIBAS, Viviane Gaspar; KISTMANN, Virginia Borges. Acessibilidade nos edifícios educacionais. In: II Congresso Brasileiro e I Ibero-Americano Habitação Social. 2006, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis, MORAES, Miguel Correia de. Acessibilidade no Brasil: análise da NBR Florianópolis: UFSC, Dissertação de mestrado. Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ Fábio Cosme Pandolfo 1 Tiago Cássio Pandolfo 2 Dorival L. dos Santos Junior 3 Gabriel Francisco Alves 4 Maria Conceição

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR ARQUITETA DA DIVERSIDADE REFLEXÃO USUÁRIOS COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 1.CONFORTÁVEL??? ELEMENTO: LONGO PERCURSO LAVATÓRIO

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE Autoria: Laudicéia Araújo Santana (orientadora) FACISA/IFPB E-mail: laudiceia.araujo@hotmail.com RESUMO AMPLIADO O tema da pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ)

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ) ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ) 1 Isabella Cabral SANTANA, 2 Lettícia Moreira dos Santos SANTANA; 3 Samara Grigório POLICARPO; 4 Maria Danielle Passos Ribeiro

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 Júlia Regina Magni 2, Bruna Thays Uhde 3, Tarcisio Dorn De Oliveira 4. 1 Trabalho desenvolvido na disciplina de Urbanismo do curso de Engenharia

Leia mais

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB Maria Abílio Fragoso (1); Jaqueline de Souza (1); Idairis Andrade dos Santos(2); Caio César Alves de

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais... todas as pessoas têm uma necessidade especial, alguma coisa que sintam dificuldade em fazer... Acessibilidade Utilização, com segurança e

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA A Pesquisa de Mobilidade Urbana teve como objetivo levantar a opinião da população, para avaliar a situação da mobilidade urbana em Florianópolis, e dessa forma, auxiliar

Leia mais

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE Graziela Cristiane PAURA 1 Carolina Lotufo Bueno BARTHOLOMEI 2 Resumo: O design universal

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA Leonel Silva Rocha 1, Renan Henrique Casarim de Albuquerque 2, Bruno Luiz Domingos

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 Lúcio Zorzan 2, Djiovani Dalben 3, Lucas Gustavo Freiberger 4. 1 Pesquisa desenvolvida no Curso de Engenharia Civil da UNIJUI

Leia mais

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA ATIVIDADES DO CIA/ GTAA - 2014 MEMBROS DO GRUPO DE TRABALHO ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA Coordenação: Prof.ª Dra. Angelina Dias Leão Costa Representante do Laboratório de Acessibilidade/ Departamento de

Leia mais

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 O SER HUMANO Estatística Alarmante "As quedas fatais entre idosos representam cerca de 12% de todos os óbitos na população

Leia mais

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011 ERGONOMIA Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou Junho 2011 CASTELNOU CONCEITUAÇÃO ERGONOMIA consiste no conjunto de conhecimentos que se tem a respeito do

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA COSTA 1, Angelina Dias Leão SARMENTO 2, Bruna Ramalho FARIAS 3, Savina Brito de Centro de Tecnologia / Departamento de Arquitetura / PROBEX RESUMO

Leia mais

ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Marcelo Lemos Barini 1

ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Marcelo Lemos Barini 1 ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO Marcelo Lemos Barini 1 Thiago Morais de Castro 2 Fernanda Antonio Simões 3 Bruno Luiz Domingos

Leia mais

LIMA, Laurize Trodo 2 ;TONÚS, Daniela 3 RESUMO

LIMA, Laurize Trodo 2 ;TONÚS, Daniela 3 RESUMO AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE DOS AMBIENTES MAIS UTILIZADOS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM ESCOLA REGULAR DO MUNICIPIO DE SANTA MARIA, RS ¹ LIMA, Laurize Trodo 2 ;TONÚS, Daniela 3

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and

Leia mais

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Bruna Ramalho Sarmento¹ Aluizia Márcia Fonseca de Lima² Colaboradores³

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA UFG - Números 2015 GRADUAÇÃO Deficiência No. Especificidade No. Auditiva 57 Surdos 27 Física 52 Cadeirante 4 Intelectual 19 Sínd. de Down 2 Visual 36 Cego 2 Asperger

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ELEMENTOS DO PROJETO NORMA/LEI 1. CALÇADA a. Deve ter faixa livre para pedestres com largura mínima de 1,50 m, sendo admissível

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece

Leia mais

a acessibilidade em edifícios de habitação

a acessibilidade em edifícios de habitação a acessibilidade em edifícios de habitação Seminário Internacional Design Inclusivo - Sociedade inclusiva Câmara Municipal de Lisboa 2 e 3 de Julho de 2003 João Branco Pedro Jpedro@lnec.pt Laboratório

Leia mais

Criar a possibilidade de todos se movimentarem não é somente uma questão legal, mas que também agrega valor social à sua construtora.

Criar a possibilidade de todos se movimentarem não é somente uma questão legal, mas que também agrega valor social à sua construtora. Criar a possibilidade de todos se movimentarem não é somente uma questão legal, mas que também agrega valor social à sua construtora. Saiba como adaptar a sua obra com este e-book! 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR:

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: I- PASSEIO CIRCUNDANTE AO LOTE 01 - Falta construir o passeio circundante ao lote. (Dec.19.915/98. Art.50, 1º, V) 02 -

Leia mais

A dificuldade de acesso às estações do transporte coletivo pelos pedestres isola o sistema dos usuários. Elaborado pelo WRI Brasil. Dezembro, 2016.

A dificuldade de acesso às estações do transporte coletivo pelos pedestres isola o sistema dos usuários. Elaborado pelo WRI Brasil. Dezembro, 2016. Elaborado pelo WRI Brasil. Dezembro, 2016. O dia a dia dos brasileiros é prejudicado por um modelo insustentável de urbanização. Grandes cidades enfrentam consequências de um rápido crescimento da população

Leia mais

Processo Seletivo Vagas Ociosas/ Transferência Facultativa Externa Portador de Diploma de Graduação

Processo Seletivo Vagas Ociosas/ Transferência Facultativa Externa Portador de Diploma de Graduação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Processo Seletivo Vagas Ociosas/2016-1 Transferência Facultativa

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB OLIVEIRA, Ane Francisca (1); BATISTA, Andreza (2); RODRIGUES, Joyce(3); FERNANDES, Júlio César (4) (1) Faculdades Integradas

Leia mais

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Lei de Uso e Ocupação do Solo Paulo Roberto Secretário de Planejamento Ponte Nova 31 99989-1636 23/11/2016 Mobilidade Urbana: é a condição em

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE INDICE 1. Objetivo...... 6 2. Conceito de acessibilidade... 6 3. Acessibilidade NA ART... 6 4. Normas e legislação... 7 5. Legislação federal 10.048/2000... 8 6. Legislação federal 10.098/2000... 8 7.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 240, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a aprovação do Plano de Acessibilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA

Leia mais

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho ASSEMAE VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título Do Trabalho INCENTIVO À PESQUISA, REFLEXÃO E DEBATE DE TEMAS AMBIENTAIS: ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO E VISUAL DIFERENCIADO

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013

IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013 IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013 Recomendações aos Conselhos para garantir a acessibilidade nas Conferências de Assistência Social Brasília, março de 2013 Comissão organizadora

Leia mais

APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA

APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA Jefferson Fernandes da Franca; Washington Dionísio Sobrinho; Emilia Fernandes

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 237, DE 4 DE AGOSTO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS Compreendendo que, Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente

Leia mais

Plano Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEE)

Plano Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEE) Plano Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEE) Nota: Este plano deverá ser revisto no que diz respeito à circulação viária em frente ao prédio da Administração, preservando- se o estacionamento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU. Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU. Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA Lei 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui diretrizes

Leia mais

Infraestrutura do Distrito Federal Estrutura das calçadas

Infraestrutura do Distrito Federal Estrutura das calçadas Infraestrutura do Distrito Federal Estrutura das calçadas Abril Brasília Para Pessoas Brasília, uma capital sem calçadas Caminhar, em qualquer cidade brasileira, é coisa para valente. Em Brasília, capital

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES Boletim nº2 GT Acessibilidade SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES A Norma Brasileira de Acessibilidade ABNT NBR 9050, desde sua primeira edição em 01/09/1985, estabelece

Leia mais

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG A mobilidade urbana é um desafio crescente nas cidades brasileiras. Na metrópole goiana observa-se uma alta taxa de motorização individual.

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS Análise dos Critérios de Atendimento à Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Estudo de caso em empresas do programa Inovacon-CE AGRADECIMENTOS Instituições de ensino INOVACON Programa

Leia mais

A PRECARIEDADE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE OFERECIDAS POR UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL

A PRECARIEDADE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE OFERECIDAS POR UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL A PRECARIEDADE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE OFERECIDAS POR UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL Carlos Humberto Martins 1 William Cestari 2 RESUMO A acessibilidade é tema frequente na sociedade global contemporânea.

Leia mais

Acessibilidade Aplicada Nova NBR 9050:2015 e Nova NBR 16537:2016

Acessibilidade Aplicada Nova NBR 9050:2015 e Nova NBR 16537:2016 Acessibilidade Aplicada Nova NBR 9050:2015 e Nova NBR 16537:2016 Introdução É possível projetar e executar edificações belas, agradáveis e aconchegantes, e que atendam às leis de acessibilidade, em especial

Leia mais

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis CÂMPUS DIANÓPOLIS UNITINS SUDESTE A avaliação interna da Unitins destacou como principais problemas identificados pelos discentes, docentes e técnicos administrativos, nas instalações físicas da universidade:

Leia mais

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE EM CIDADES DE PEQUENO PORTE - CASO DE GRAMADO XAVIER-RS

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE EM CIDADES DE PEQUENO PORTE - CASO DE GRAMADO XAVIER-RS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE EM CIDADES DE PEQUENO PORTE - CASO DE GRAMADO XAVIER-RS Claudiane Andréia Battisti Anelise Schmitz Universidade de Santa Cruz do Sul Curso de Engenharia Civil RESUMO

Leia mais

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Aposta na Reabilitação Urbana O novo modelo de desenvolvimento territorial proposto na Lei de Bases da Política dos Solos, do Ordenamento

Leia mais

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO CARTA COMPROMISSO O SINDIURBANO-PR (Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná), o Sindicato mantém histórico de atuação em prol dos interesses, direitos e melhores condições de trabalho

Leia mais

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA 16 TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

Leia mais

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4)

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 23 Segurança de trânsito (parte 3 de 4) 23. Intervenções preventivas - legislação - planejamento

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL 1 PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Criado em 1985 pelo Ministério das Minas e Energia e da Indústria e Comércio Sua função é promover a

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Orientação Bibliográfica. Normas Técnicas. Bases de dados.

PALAVRAS-CHAVE Orientação Bibliográfica. Normas Técnicas. Bases de dados. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA.

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. ANEXO 02 DA RESOLUÇÃO CGESA Nº 001, DE 27 DE MARÇO DE 2013. NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. A estrutura do TCC deverá ser composta por pré-texto,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES DEFESA DE TESE PROGRAMA DE DOUTORADO ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 0313101 APRIMORAMENTO DE UM CURSO DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO À

Leia mais

NORMA 01/ INSTRUÇÕES E PROCEDIMENTOS NORMATIVOS PARA ELABORAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMA 01/ INSTRUÇÕES E PROCEDIMENTOS NORMATIVOS PARA ELABORAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES O Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), no uso de suas atribuições, estabelece: NORMA 01/2014 - INSTRUÇÕES

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL DATA HORÁRIO CURSO VAGAS OBJETIVO MINISTRANTE CARGA HORÁRIA LOCAL BLOCO / SALA 24/out 19h ABERTURA 700 14h - 21h30 Espaço Interativo Livre A importância de compreender

Leia mais

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE PARA ALUNOS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE REMÍGIO-PB

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE PARA ALUNOS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE REMÍGIO-PB CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE PARA ALUNOS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE REMÍGIO-PB Janaina Moreira de Brito (1) ; Aldeni Barbosa da Silva (2) 1 Graduada em Ciências Biológicas/CCA/UFPB.

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES DEFESA DE TESE PROGRAMA DE DOUTORADO ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 0313101 APRIMORAMENTO DE UM CURSO DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO À

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03 DE 25 DE FEVEREIRO DE

RESOLUÇÃO Nº 03 DE 25 DE FEVEREIRO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO- CONSEPE Secretaria dos Órgãos Colegiados Superiores (Socs) Bloco IV, Segundo Andar, Câmpus de Palmas (63) 3232-8067 (63) 3232-8238

Leia mais