MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República infra-assinada, doravante denominado COMPROMITENTE, e, de outro lado, a ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA S/C LTDA., entidade mantenedora da UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO - UNIBAN, neste ato representada por seu Reitor, o Sr. Heitor Pinto e Silva Filho, brasileiro, casado, empresário, portador da cédula de identidade RG SSP/SP e CPF nº , residente e domiciliado em São Paulo SP, com endereço na Rua Bela Vista nº 739, Chácara Santo Antonio, doravante denominada COMPROMISSÁRIA, celebram este COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA, referente ao procedimento preparatório nº / , nos seguintes termos: CONSIDERANDO que a defesa dos interesses sociais e individuais indisponíveis é função institucional do Ministério Público (art. 127, CF); CONSIDERANDO o disposto no inciso II do artigo 129 da Constituição Federal, que reconhece como função institucional do Ministério Público zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos e dos serviços de relevância pública aos direitos assegurados na Constituição, promovendo as medidas necessárias a sua garantia; CONSIDERANDO que a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação é objetivo fundamental da República Federativa do Brasil (art. 3º, IV, CF); CONSIDERANDO que compete à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios zelar pelas pessoas portadoras de deficiência (art. 23, II, CF); CONSIDERANDO que a Constituição Federal outorgou à lei ordinária a disposição sobre normas de construção e adaptação dos logradouros e edifícios de uso público a fim de garantir o acesso da pessoa portadora de deficiência (art. 24, inciso XIV e art. 227, 2º CF); CONSIDERANDO que ao Poder Público e aos seus órgãos cabe assegurar às pessoas portadoras de deficiência o pleno exercício de seus direitos básicos que lhes propiciem bem-estar pessoal, social e econômico (Lei nº 7.853/89); CONSIDERANDO o Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, que regulamenta a Lei nº 7.853/89 e dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência; 1

2 CONSIDERANDO a Lei nº , de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida; CONSIDERANDO o Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004, que regulamenta a Lei nº /2000 e, em seu Capítulo III, estabelece as condições gerais da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida; CONSIDERANDO as Normas Brasileiras da ABNT, inclusive a NBR 9050/04, referente à acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos; CONSIDERANDO o Procedimento Preparatório nº / , instaurado na Procuradoria da República no Estado de São Paulo com o fito de apurar as condições de acessibilidade do Campus Campo Limpo da Universidade Bandeirantes, localizado na Estrada de Campo Limpo, n.º 3677, São Paulo-SP; CONSIDERANDO as irregularidades apontadas nos relatórios VT- 048/2006- UNIBAN-Campus Campo Limpo-Setor Esportivo,, VT-049/2006-UNIBAN-, VT-050/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo-Blocos B, E e F e VT-051/2006-UNIBAN-Campus Campo Limpo- Biblioteca e das visitas realizadas nas instalações do referido Campus, em 20 de fevereiro de 2006, pela Comissão Permanente de Acessibilidade da Prefeitura do Município de São Paulo; e CONSIDERANDO o cronograma de obras a serem realizadas para atendimento das normas de acessibilidade no Campus Campo Limpo, apresentado pelo Vice-Presidente da UNIBAN. Sr. Américo Calandriello Júnior, em reunião realizada na sede desta Procuradoria em 24 de novembro. Fica ajustado que: CLÁUSULA PRIMEIRA Do Objetivo O presente Termo de Ajustamento de Conduta tem por finalidade a fixação de obrigações à Academia Paulista Anchieta S/C Ltda., visando à melhoria da acessibilidade do seu Campus Campo Limpo, localizado na Estrada de Campo Limpo, n.º 3677, São Paulo-SP. 2

3 CLÁUSULA SEGUNDA Das obrigações assumidas pela Universidade Santo Amaro Pelo presente Termo de Ajustamento de Conduta, a Universidade Santo Amaro se compromete a tornar acessível às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, em conformidade com os relatórios da Comissão Permanente de Acessibilidade da Prefeitura de São Paulo VT- 048/2006-UNIBAN-Campus Campo Limpo-Setor Esportivo, Acessos e Circulação, VT-049/2006-UNIBAN- Laboratório de Informática, VT-050/2006- e VT- 051/2006- em 20 de fevereiro de 2006 que constituem parte integrante deste Compromisso: a) até o dia 20 de dezembro de 2009: Passeio Público regularizar o passeio público para que tenha superfície regular, firme, estável e antiderrapante e não provoque trepidações, inserir piso tátil de alerta junto aos obstáculos suspensos. Acessos Estrada de Itapecerica inserir sinalização informativa, indicativa e direcional de entrada acessível. Acessos Acesso secundário (Rua Ivar) inserir sinalização informativa, indicativa e direcional de entrada acessível e passagem lateral reservada para acesso a pessoas com cadeira de rodas. Acessos para Quadra Coberta inserir, na rampa, corrimão, piso tátil de alerta e guia de balizamento, regularizar o desnível na porta de entrada e sua sinalização. Acessos - Acesso à Piscina corrigir o desnível no acesso à piscina e a sua sinalização visual. Acessos Acesso para o vestiário masculino inserir sinalização informativa, indicativa e direcional da localização das entradas acessíveis, faixa de cor contrastante nos degraus do acesso e regularizar a largura do vão de passagem da porta para as pessoas que utilizam cadeiras de rodas do tipo cambadas Acessos Acesso para o vestiário feminino - corrigir a largura do vão de passagem da Página 01 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Página 04 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Página 05 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Páginas 05/06 do Relatório VT- 048/2006- UNIBAN-Campus Campo Limpo - Setor Esportivo, Página 07 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Páginas 07/08 do Relatório VT- 048/2006- UNIBAN-Campus Campo Limpo - Setor Esportivo, Páginas 08/09 do Relatório VT- 048/2006- UNIBAN-Campus Campo Limpo - Setor 3

4 porta para as pessoas que utilizam cadeiras de rodas do tipo cambadas e o corrimão da rampa, inserir guia de balizamento em um dos lados da rampa e piso tátil de alerta, bem como adequar a sinalização. Acessos Acesso para o Campo de Futebol inserir corrimão, faixa de cor contrastante e piso tátil de alerta na escada. Circulação Horizontal Circulação Externa Adequar: 1. as inclinações longitudinais na área de acesso ao Bloco B pela Portaria secundária e no acesso ao Bloco da Secretaria pela Estrada de Itapecerica; 2. o passeio lateral à quadra coberta para acesso à piscina; e 3. as janelas no passeio lateral à quadra coberta, para acesso à piscina. Inserir: 1. guias rebaixadas nas áreas de passeio próximos aos blocos e as ruas internas; 2. faixa de travessia de pedestres na circulação interna onde há circulação de veículos; 3. sinalização visual nos degraus isolados do passeio lateral à quadra coberta para acesso à piscina; 4. proteção e piso tátil de alerta e direcional no desnível com a área gramada; e 5. sinalização tátil de alerta nas barreiras. Circulação Horizontal Piscina tornar acessível a rota para a piscina e inserir faixa de cor contrastante no desnível do lava-pés Portas adequar a largura das portas dos vestiários e inserir, na porta da piscina, maçaneta do tipo alavanca. Sanitários e Vestiários feminino e masculino ao lado da piscina tornar acessíveis os sanitários masculino e feminino localizados ao lado da piscina, de acordo com regras da NBR 9050/2004 da ABNT. Piscina tornar a piscina acessível, garantindo o acesso à água, conforme item da NBR 9050/2004 da ABNT. Mobiliário instalar 50% de bebedouros acessíveis por pavimento, respeitado o número mínimo de um, localizados em rotas acessíveis. Esportivo, Página 10 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Páginas 11/13 do Relatório VT- 048/2006- UNIBAN-Campus Campo Limpo - Setor Esportivo, Página 14 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Página 15 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Página 16 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Página 16 do Relatório VT- 048/2006-UNIBAN- Páginas 17 do Relatório VT- 048/2006- UNIBAN-Campus Campo Limpo - Setor Esportivo, 4

5 b) até o dia 10 de janeiro de 2010: Acessos tornar acessível, no mínimo, um acesso ao Bloco da Secretaria Geral e Laboratórios de Informática para pessoas com cadeiras de rodas. Acessos Entrada a partir da circulação exterior ao bloco B inserir piso tátil de alerta e faixa de cor contrastante no degrau. Acessos Entrada 1 a partir do acesso da Estrada do Campo Limpo inserir sinalização informativa, indicativa e direcional da localização das entradas acessíveis e faixa de cor contrastante no degrau, fixação dos capachos da entrada e tornar acessível o desnível. Acessos - Entrada 2 a partir do acesso da Estrada do Campo Limpo corrigir a sinalização do desnível da porta e fixar os capachos dos acessos. Circulação Horizontal regularizar a sinalização do desnível. Circulação Vertical instalar uma rota acessível ao pavimento superior do edifício em que se encontram os laboratórios de informática de acordo com a NBR 13994/2000 e NBR 9050/04 da ABNT. Circulação Vertical Escada ao lado do elevador inserir piso tátil de alerta e sinalização visual nos degraus, bem como corrigir a continuidade, o prolongamento e a geometria dos corrimãos de acordo com o item da NBR 9050/04 da ABNT. Circulação Vertical Escada ao lado dos sanitários inserir piso tátil de alerta e faixa de cor contrastante nos degraus da escada e corrimão dos dois lados da escada, bem como regularizar o diâmetro da seção, a continuidade e o prolongamento do corrimão existente. Elevador inserir sinalização em Braille nos botões internos e externos do elevador, piso Página 02 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 03 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 04 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 05 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 05 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 05 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 07 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 08/09 do Relatório VT-049/2006- UNIBAN-Campus Campo Limpo- Secretaria Geral e Página 10 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- 5

6 tátil de alerta em frente à porta, sinalização em Braille indicando os pavimentos existentes, bem como adequar a largura do vão da porta e a profundidade da cabine Portas inserir nas portas maçanetas do tipo alavanca. Sanitários instalar sanitários adaptados em quantidade e formato conformes a NBR 9050/04 da ABNT. Mobiliário instalar 50% de bebedouros acessíveis, respeitado o mínimo de um, adequar o balcão de atendimento e inserir sinalização no balcão. Estacionamento adequar a largura da sinalização horizontal pintada e inserir sinalização vertical e rampa de acesso da rua ao passeio do bloco. Página 11 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 11 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 12 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- Página 13 do Relatório VT-049/2006-UNIBAN- c) Até o dia 25 de janeiro de 2010 Acessos Acesso ao Bloco B inserir piso tátil de alerta na rampa da porta de entrada, corrimão, guia de balizamento e adequar-lhe a inclinação e a sinalização da rampa. Acessos Saídas de Emergência Bloco B adequar a maçaneta da câmara enclausurada da saída de emergência e rebaixar a guia na rota de fuga a partir da rampa da saída para a rua interna exterior ao Bloco B. Acessos - Acesso para o pavimento superior do Bloco E inserir sinalização visual nos degraus e sinalização tátil de alerta, corrimãos e guia de balizamento na rampa, bem como adequar sua inclinação e largura e a sinalização. Fixar, também, os capachos para evitar enrugamento da superfície. Acessos Acesso para o pavimento inferior do Bloco F inserir sinalização visual no degrau nos termos da Seção 5 da NBR Página 03 do Relatório VT-050/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo-Blocos B, E e F Página 04 do Relatório VT-050/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo-Blocos B, E e F Páginas 05/06 do Relatório VT-050/2006- Páginas 07/08 do Relatório VT-050/2006-6

7 9050/04 da ABNT. Fixar, também, o capacho para se evitar o enrugamento da superfície. Acessos Acesso para o pavimento inferior do Bloco F inserir sinalização visual no degrau e adequar a altura, o prolongamento na extremidade inferior e o diâmetro da seção dos corrimãos. Circulação Horizontal - Bloco B regularizar o desnível no acesso aos sanitários de acordo com as especificações da NBR 9050/04 da ABNT. Circulação Horizontal Bloco E Pavimento Superior corrigir a inclinação da rampa e inserir guia de balizamento, corrimão e sinalização tátil de alerta. Circulação Horizontal Bloco E - Pavimento Inferior inserir piso tátil de alerta e regularizar a inclinação da rampa. Circulação Horizontal Bloco F Pavimento Superior corrigir o desnível no acesso aos sanitários. Circulação Vertical instalar rota acessível ao pavimento inferior do Bloco E de acordo com as NBR 13994/2000 e NBR 9050/04 da ABNT. Circulação Vertical Escada enclausurada do Bloco E instalar piso tátil de alerta, sinalização visual nos degraus e adequar a altura, a continuidade e o prolongamento dos corrimãos. Inserir nos corrimãos sinalização em Braille informando sobre os pavimentos no início e no fim das escadas fixas e um anel com textura contrastante com a superfície dos corrimãos. Circulação Vertical Escada aberta do Bloco E inserir piso tátil de alerta e sinalização visual dos degraus, bem como regularizar a continuidade e o prolongamento dos corrimãos. Inserir nos corrimãos sinalização em Braille informando sobre os pavimentos no início e no fim das escadas fixas e um anel com textura contrastante com a superfície dos corrimãos. Portas adequar a largura do vão da porta dos sanitários feminino e instalar maçanetas Páginas 08/09 do Relatório VT-050/2006- Página 10 do Relatório VT-050/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo-Blocos B, E e F Páginas 11/12 do Relatório VT-050/2006- Páginas 12/13 do Relatório VT-050/2006- Página 13 do Relatório VT-050/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo-Blocos B, E e F Página 14 do Relatório VT-050/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo-Blocos B, E e F Páginas 15/16 do Relatório VT-050/2006- Páginas 16/17 do Relatório VT-050/2006- Páginas 17/18 do Relatório VT-050/2006-7

8 do tipo alavanca nas portas em rotas acessíveis dos Blocos B, E e F. Sanitários Sanitários Feminino e Masculino Adaptado do Bloco B inserir sinalização, maçaneta do tipo alavanca, barra horizontal na face interna da porta do sanitário, barras de apoio horizontais no vaso sanitário e mictório adaptado; adequar a altura do vaso sanitário e do eixo da descarga; e retirar a coluna do lavatório do boxe. Sanitários - Sanitários Feminino e Masculino Adaptados do Pavimento Superior do Bloco E - inserir: 1. sinalização no sanitário, 2. maçaneta do tipo alavanca na porta, 3. barra horizontal na face interna da porta, 4. sistema de fechamento interno na porta do boxe e 5.barra de apoio horizontal no boxe. Adequar: 1. as dimensões do sanitário, 2. a altura do vaso sanitário, 3. a altura do eixo da descarga, 4. a altura da papeleira do vaso e 5. a distância do eixo do vaso sanitário à barra horizontal de apoio. Corrigir: 1. a altura do lavatório do boxe adaptado, 2. da papeleira do lavatório, 3. o sistema de abertura da torneira e 4. retirar a coluna do lavatório. Sanitários - Sanitários Feminino e Masculino Adaptados do Pavimento Inferior do Bloco E inserir: 1. sinalização do sanitário adaptado, 2. maçaneta do tipo alavanca na porta, 3.barra horizontal na face interna da porta, e 4. barra de apoio horizontal no lavatório do boxe. Adequar: 1. as dimensões do sanitário adaptado, 2. a altura do vaso sanitário, 3. a altura do eixo da descarga, 3. a altura da papeleira de papel do vaso sanitário, 4. a distância do vaso sanitário à barra horizontal de apoio, 5. a altura do lavatório do boxe. Retirar a coluna do lavatório do boxe. Sanitários - Sanitário Feminino e Masculino Adaptados 1 do Pavimento Superior do Bloco F inserir: 1. sinalização do sanitário adaptado, 2. maçaneta do tipo alavanca na porta do boxe, 3. barra horizontal na face interna da porta, 4. sistema de fechamento interno e 5. barra de apoio horizontal no Páginas 19/20 do Relatório VT-050/2006- Páginas 21/23 do Relatório VT-050/2006- Páginas 24/26 do Relatório VT-050/2006- Páginas 26/28 do Relatório VT-050/2006-8

9 lavatório do boxe. Adequar: 1. a altura do vaso sanitário, 2. a altura do eixo da descarga, 3. a distância do eixo da descarga à barra de apoio horizontal, 4. a altura do lavatório do boxe e 5. a altura da papeleira do lavatório. Retirar a coluna do lavatório. Sanitários - Sanitários Feminino e Masculino Páginas 29/30 do Relatório VT-050/2006- Adaptados do Pavimento Superior do Bloco F inserir: 1. sinalização do sanitário adaptado, 2. maçaneta do tipo alavanca na porta do boxe, 3. barra horizontal na face interna da porta, 4. barra de apoio horizontal no lavatório do boxe. Adequar: 1. a altura do vaso sanitário, 2. a altura do eixo da descarga, 3. a distância do eixo da descarga à barra de apoio horizontal, 4. a altura do lavatório do boxe e 5. a altura da papeleira do lavatório. Retirar a coluna do lavatório. Mobiliário inserir sinalização direcional para o bebedouro acessível do Bloco B, bem como adequar os bebedouros dos Blocos E e F e os demais do Bloco B, a altura dos balcões de atendimento, os mobiliários do Bloco E às pessoas com cadeiras de rodas e as lousas das salas de aula. Páginas 31/33 do Relatório VT-050/2006- d) Até o dia 30 de janeiro de 2010 Acessos Entrada para a Biblioteca adequar a inclinação da rampa e inserir corrimão, bem como instalar sinalização tátil de alerta dos desnível existente na porta de entrada. Fixação dos capachos dos acessos para se evitar o enrugamento da superfície. Acessos Entrada em rampa para a Praça de Alimentação a partir da circulação externa do Bloco B adequar a inclinação da rampa e nela inserir corrimãos, bem como instalar sinalização tátil de alerta e regularizar a sinalização. Páginas 02/03 do Relatório VT-051/2006- Páginas 04/05 do Relatório VT-051/2006- Acessos - Entrada em forma de escada para Páginas 05/06 do Relatório VT-051/2006-9

10 a Praça de Alimentação a partir da circulação externa do Bloco B inserir sinalização visual nos degraus, sinalização tátil de alerta e corrimãos nos dois lados da escada. Fixar os capachos nos acessos para evitar o enrugamento da superfície. Acessos Entrada 1 em rampa para a Praça de Alimentação a partir da circulação externa próxima à quadra coberta inserir corrimãos na rampa e regularizar a sua sinalização tátil de alerta. Fixar os capachos para evitar o enrugamento da superfície. Acessos Entrada 2 em rampa para a Praça de Alimentação a partir da circulação externa próxima à quadra coberta inserir corrimãos na rampa e regularizar a sua sinalização tátil de alerta. Fixar os capachos para evitar o enrugamento da superfície. Portas inserir maçanetas do tipo alavanca nas portas da sala de estudos da biblioteca e nos boxes adaptados dos banheiros. Sanitários Sanitários Feminino e Masculino adaptados da Biblioteca inserir: 1. sinalização no sanitário adaptado, 2. maçaneta do tipo alavanca na porta dos boxes, 3. barra horizontal na face interna da porta do sanitário adaptado e 4. lavatório adaptado. Adequar: 1. as dimensões do boxe adaptado do banheiro masculino, 2. a altura do vaso sanitário, 3. a altura do eixo da descarga, 4. a altura da papeleira do vaso sanitário, 5. as barras de apoio horizontais do sanitário masculino. Sanitários Sanitários Masculino e Feminino adaptados da Praça de Alimentação inserir: 1. sinalização no sanitário adaptado, 2. maçaneta do tipo alavanca na porta do boxe adaptado, 3. barra horizontal da face interna da porta lavatório adaptado e 4. lavatório adaptado. Adequar: 1. as dimensões do boxe adaptado do sanitário feminino, 2. a altura do vaso sanitário, 3. a altura do eixo da descarga. Mobiliário Biblioteca adequar as dimensões do balcão de atendimento e Páginas 06/07 do Relatório VT-051/2006- Páginas 07/08 do Relatório VT-051/2006- Página 10 do Relatório VT-051/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo- Biblioteca e Praça de Alimentação Páginas 10/13 do Relatório VT-051/2006- Páginas 13/16 do Relatório VT-051/2006- Página 16 do Relatório VT-051/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo- Biblioteca e Praça de 10

11 inserir sinalização (SIA) Mobiliário Praça de Alimentação adequar os balcões de atendimento das lojas, os bebedouros e os equipamentos de autoatendimento bancário. Alimentação Página 17 do Relatório VT-051/2006-UNIBAN- Campus Campo Limpo- Biblioteca e Praça de Alimentação CLÁUSULA TERCEIRA Caso sobrevenha norma que substitua a NBR 9050/04, as adaptações constantes no presente termo Termo serão realizadas de acordo com as novas regras. CLÁUSULA QUARTA Da comprovação do cumprimento do ajuste A Academia Paulista Anchieta encaminhará ao Ministério Público Federal, no final de cada prazo ofertado, relatório circunstanciado das providências adotadas no cumprimento das obrigações constantes do presente Termo. CLÁUSULA QUINTA Do acompanhamento do acordo Ao Ministério Público Federal fica assegurado, a qualquer tempo, acompanhar os atos tendentes ao cumprimento deste acordo, com vistas a garantir o adimplemento das obrigações assumidas, independentemente do disposto na cláusula terceira. CLÁUSULA SEXTA Outras ações de controle O presente Termo não inibe ou restringe as ações de controle, fiscalização ou monitoramento de qualquer órgão das Administrações Públicas Federal, Estadual ou Municipal, nem limita ou impede o exercício de suas atribuições e prerrogativas legais ou regulamentares. CLÁUSULA SÉTIMA Do descumprimento do ajuste O descumprimento parcial ou total do presente Termo de Ajustamento de Conduta 11

12 ensejará o pagamento de multa diária no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), até a satisfação total das obrigações assumidas, que reverterá para o Fundo de que cuida o art. 13 da lei nº 7.347/85, sem prejuízo da propositura de execução específica das obrigações de fazer constantes deste instrumento. CLÁUSULA OITAVA Das vias O presente Termo de Ajustamento de Conduta é fixado em três vias de igual teor e forma, na presença das partes e testemunhas abaixo. São Paulo, 7 de dezembro de Adriana da Silva Fernandes PROCURADORA DA REPÚBLICA COMPROMITENTE Heitor Pinto e Silva Filho REITOR DA ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA LTDA. COMPROMISSÁRIA 12

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR:

NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: NA VISTORIA REALIZADA, FORAM CONSTATADAS AS IRREGULARIDADES ASSINALADAS A SEGUIR: I- PASSEIO CIRCUNDANTE AO LOTE 01 - Falta construir o passeio circundante ao lote. (Dec.19.915/98. Art.50, 1º, V) 02 -

Leia mais

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ANEXO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ACESSÍVEIS VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA ELEMENTOS DO PROJETO NORMA/LEI 1. CALÇADA a. Deve ter faixa livre para pedestres com largura mínima de 1,50 m, sendo admissível

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MARANHÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MARANHÃO Procedimento Administrativo nº:1.19.000.000988/2010-60 Assunto: Matrícula de alunos aprovados no Vestibular do IFMA e da UFMA mediante apresentação

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

GERAIS BANCO MÚLTIPLO S/A

GERAIS BANCO MÚLTIPLO S/A T ERMOO DE AJUSTAMENTO DE C ONDUT A Nº 028/2004 Inquérito Civil Público nº 056/2003 Compromitente: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Compromissário: BANKBOSTON BANCO MÚLTIPLO S/A Aos oito dias

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE INDICE 1. Objetivo...... 6 2. Conceito de acessibilidade... 6 3. Acessibilidade NA ART... 6 4. Normas e legislação... 7 5. Legislação federal 10.048/2000... 8 6. Legislação federal 10.098/2000... 8 7.

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 O SER HUMANO Estatística Alarmante "As quedas fatais entre idosos representam cerca de 12% de todos os óbitos na população

Leia mais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais... todas as pessoas têm uma necessidade especial, alguma coisa que sintam dificuldade em fazer... Acessibilidade Utilização, com segurança e

Leia mais

Funcionários Terceirizados

Funcionários Terceirizados 1. Faixa etária de pessoas atendidas: Todas as idades 2. Bairros Atendidos TODOS 3. Existem critérios para que o espaço seja usado: Sim 3.1 No caso de sim, quais esses critérios: PRÁTICA ESPORTIVA 4. São

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23 Procedimento Página 1 de 23 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto e na execução de barreiras de segurança. ABSTRACT This document presents

Leia mais

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57;

a) anel com textura contrastante com a superficie do corrimao, instalado 1,00 mantes das extremidades, conforme figura 57; 5.11.1 As superficies horizontais ou inclinadas (ate 15% em relayao ao piso) contendo informayoes em Braille, pianos e mapas tateis devem ser instaladas a altura entre 0,90 m e 1,10 m, conforme figura

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer LEI MUNICIPAL Nº 1425 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ASSEGURA DIREITOS ÀS PESSOAS DEFICIENTES E IDOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE TAUÁ, no uso de suas atribuições legais: Lei: Faço saber

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

relatório da avaliação das condições de acessibilidade

relatório da avaliação das condições de acessibilidade relatório da avaliação das condições de acessibilidade identificação do cliente nome e descrição da atividade principal (a certificar) outras atividades relevantes /complementares data da visita Centro

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE HABITAÇÃO E DEFESA DA ORDEM URBANÍSTICA

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE HABITAÇÃO E DEFESA DA ORDEM URBANÍSTICA TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO Pelo presente instrumento, o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, por sua Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística, sito na Av.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESTADO DO TOCANTINS, neste ato representado pela Promotora de Justiça Titular da ### Promotoria de Defesa do Consumidor,

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

PARTE II ACESSIBILIDADE

PARTE II ACESSIBILIDADE PARTE II ACESSIBILIDADE Manual de Sinalização de Acessibilidade - Ano 2013 Detalhamento Técnico Especificações CAPA ACESSIBILIDADE REGRA GERAL PARA CONFECÇÃO DAS PLACAS VISUAL/BRAILLE 1- Todos os textos

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

Regulamento sobre a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital

Regulamento sobre a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital Regulamento sobre a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital Disciplina a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital. Considerando que: 1. Um campus Universitário

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO Nº 003/2016 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM A PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS E A CASA DE REPOUSO GAETANA STERNI

TERMO DE CONVÊNIO Nº 003/2016 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM A PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS E A CASA DE REPOUSO GAETANA STERNI TERMO DE CONVÊNIO Nº 003/2016 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM A PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS E A CASA DE REPOUSO GAETANA STERNI A PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS, pessoa jurídica de direito público

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

2ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE PARANAGUÁ/PR

2ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE PARANAGUÁ/PR Destinatários: a) Prefeito Municipal de Paranaguá Sr. Edison de Oliveira Kersten b) Coordenadora do Centro de Referência Especializado de Assistência Social Sra. Jussara Ferreira das Neves c) Secretária

Leia mais

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA ATIVIDADES DO CIA/ GTAA - 2014 MEMBROS DO GRUPO DE TRABALHO ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA Coordenação: Prof.ª Dra. Angelina Dias Leão Costa Representante do Laboratório de Acessibilidade/ Departamento de

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO Consulta técnica do 5º CRB,

Leia mais

TABELA DE PREÇO REGIÃO NORTE - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2016 Atualizada em Outubro/ Valores validos até 31/12/2016

TABELA DE PREÇO REGIÃO NORTE - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2016 Atualizada em Outubro/ Valores validos até 31/12/2016 TABELA DE PREÇO REGIÃO NORTE - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2016 Atualizada em Outubro/2016 - Valores validos até 31/12/2016 SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL COM PISOS TÁTEIS 1 PISO TÁTIL BRASIL BORRACHA

Leia mais

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada.

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada. CALÇAdA cidada Essa publicação tem por objetivo divulgar o regramento de construção e manutenção das calçadas da cidade de Canoas. Apresentação Cuidar de sua calçada é um sinal de amor à cidade e de respeito

Leia mais

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por

Leia mais

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Superintendência de Planejamento, Normas e Procedimentos PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE PROJETO : ACESSIBILIDADE EM PASSEIOS

Leia mais

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio Versão 3. Janeiro 2014 Rio de Janeiro

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio Versão 3. Janeiro 2014 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 3 Janeiro 2014 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 3 Dezembro 2013 Rio de Janeiro 1 2 3 Acessos

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES Boletim nº2 GT Acessibilidade SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES A Norma Brasileira de Acessibilidade ABNT NBR 9050, desde sua primeira edição em 01/09/1985, estabelece

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA CONTRATO DE LOCAÇÃO TENDAS, BANHEIROS QUIMICO E DISCIPLINADORES CONTRATO Nº 178/2013

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA CONTRATO DE LOCAÇÃO TENDAS, BANHEIROS QUIMICO E DISCIPLINADORES CONTRATO Nº 178/2013 CONTRATO DE LOCAÇÃO TENDAS, BANHEIROS QUIMICO E DISCIPLINADORES CONTRATO Nº 178/2013 INSTRUMENTO PARTICULAR DE LOCAÇÃO - Pelo presente instrumento particular de locação, de um lado. MULTIPLA EVENTOS LTDA

Leia mais

PAVIMENTOS TIPO E PAVIMENTOS COBERTURA SUBSOLO PILOTIS

PAVIMENTOS TIPO E PAVIMENTOS COBERTURA SUBSOLO PILOTIS DESCRIÇÃO PRELIMINAR O Complexo Residencial será composto por 03 torres, cada torre com 22 pavimentos, sendo 1 subsolo, 1 pilotis, 19 pavimentos tipo e 1 pavimento cobertura. As torres serão denominadas:

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

DESCRIÇÕES PRELIMINARES

DESCRIÇÕES PRELIMINARES DESCRIÇÕES PRELIMINARES O Residencial Villa Bella, será composto por 14 pavimentos, sendo 1 pilotis e 13 pavimentos tipo. Serão no total 104 unidades, sendo 08 apartamentos por pavimento tipo. Pilotis

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO EDIFÍCIO LIFESPACE CURITIBA

CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO EDIFÍCIO LIFESPACE CURITIBA EDIFÍCIO LIFESPACE CURITIBA Por este instrumento particular, CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO LIFESPACE CURITIBA, com CNPJ em processamento, localizado à Avenida Visconde de Guarapuava, 3.806, cidade de Curitiba,

Leia mais

COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, na forma da Lei nº7347/85, de um lado o DO ESTADO DE MATO GROSSO, por meio de seu agente signatário, infra-afirmado, doravante denominado

Leia mais

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1.

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo 20 1.1 2º grupo 72 1.2 3º grupo 75 1.3 4º grupo 100 1.4 5º grupo 75 1.5 6º grupo 85 1.6 Dos alunos matriculados, quantos estão no Tempo Integral

Leia mais

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO 6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO I. BAIRRO AMÂNCIO PIMENTA Foto 1 Declividade acentuada acesso bairro Foto 2 Via em blocos sextavados em conjunto habitacional II. BAIRRO CAMPO VINTE Foto 3 Principal via

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO BREJÃO CNPJ: 01.616.680/0001-35 SETOR DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO BREJÃO CNPJ: 01.616.680/0001-35 SETOR DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS PREGÃO PRESENCIAL N. 015/2016 CONTRA TO DE FORNECIMENTO DE PRODUTOS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS Contrato N. 019.2016, que entre si celebram o Município de São Francisco do Brejão -

Leia mais

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final - 3. Edificado 3.7. Religioso Março 2010 3.7.1. Cemitério e espaço público envolvente de Águas Santas Identificação Cemitério de Águas Santas Localização Rua do Mosteiro Descrição função e uso do edifício

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO

MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO DE IBIRAPUITÃ, pessoa jurídica de direito público interno,

Leia mais

4... L BANCO CENTRAL DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BACEN/MTE-SENAES

4... L BANCO CENTRAL DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BACEN/MTE-SENAES . ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BACEN/MTESENAES ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO MTE E O BANCO CENTRAL DO BRASIL BACEN COM A INTERVENIÊNCIA DA SECRETARIA

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA INQUÉRITO CIVIL N : INTERESSADOS: COMPROMISSÁRIO E POPULAÇÃO EM GERAL OBJETO: MANUTENÇÃO DE PÁSSARO DA FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO. TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA No dia de de, compareceu

Leia mais

ANEXO I - DESCRIÇÃO DE ACOMODAÇÃO DOS SERVIDORES A- CONSULTORIA JURÍDICA DA UNIÃO/MS

ANEXO I - DESCRIÇÃO DE ACOMODAÇÃO DOS SERVIDORES A- CONSULTORIA JURÍDICA DA UNIÃO/MS ANEXO I - DESCRIÇÃO DE ACOMODAÇÃO DOS SERVIDORES A- CONSULTORIA JURÍDICA DA UNIÃO/MS Área estimada de 174,00m², compreendendo os ambientes a seguir: 1. GABINETE DO COORDENADOR: 01 Gabinete com 15m², destinado

Leia mais

RESERVA DO PAIVA LOTEAMENTO PAIVA

RESERVA DO PAIVA LOTEAMENTO PAIVA MINUTA RESERVA DO PAIVA LOTEAMENTO PAIVA CONDOMÍNIO PARADISO CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO 1/47 CONDOMÍNIO PARADISO CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO Lei Federal número 4.591 de 16 de dezembro de 1964, art. 32, alínea

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013

IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013 IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013 Recomendações aos Conselhos para garantir a acessibilidade nas Conferências de Assistência Social Brasília, março de 2013 Comissão organizadora

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento Fls: 1 / 18 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

ACESSIBILIDADE CIDADES

ACESSIBILIDADE CIDADES ACESSIBILIDADE CIDADES PARA AS PESSOAS ACESSIBILIDADE É o direito de ir e vir: Em locais abertos e fechados, público e privado; Com autonomia(independência) e segurança; Sozinho ou acompanhado; e Por

Leia mais

Anexo B DEMONSTRATIVO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA (IMÓVEL) IMÓVEL LOCALIZADO À xxxxxxxxxxxxx

Anexo B DEMONSTRATIVO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA (IMÓVEL) IMÓVEL LOCALIZADO À xxxxxxxxxxxxx Anexo B DEMONSTRATIVO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA (IMÓVEL) IMÓVEL LOCALIZADO À xxxxxxxxxxxxx SALAS E LABORATÓRIOS ESPAÇO QUANTIDADE ÁREA POR ESPAÇO - M² ÁREA SALAS DE AULA SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

Leia mais

Inclusão e Acessibilidade em edifícios de uso coletivo: O desenho universal e o sistema de ensino de Presidente Prudente

Inclusão e Acessibilidade em edifícios de uso coletivo: O desenho universal e o sistema de ensino de Presidente Prudente 1 Inclusão e Acessibilidade em edifícios de uso coletivo: O desenho universal e o sistema de ensino de Presidente Prudente Inclusion and Accessibility in buildings of collective use: the universal drawing

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 09/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 09/2010 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 09/2010 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Outubro / 2013

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Outubro / 2013 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Outubro / 2013 OBRA: RESERVA DA LAGOA Informações da Obra: Att. Aos clientes do Reserva da Lagoa A Iguatemi Construções Ltda. tem a satisfação de informar aos nossos clientes

Leia mais

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76.

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76. 6 Circulação e Acessos Excluído: e Circulação Neste item será estabelecido os critérios orientativos básicos de acessibilidade nos acessos e circulação para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Leia mais

ELEVADORES PALESTRANTE : Engº Mecânico Ronaldo Chartuni BANDEIRA

ELEVADORES PALESTRANTE : Engº Mecânico Ronaldo Chartuni BANDEIRA ELEVADORES PALESTRANTE : Engº Mecânico Ronaldo Chartuni BANDEIRA VTC - EXEMPLOS DE SERVIÇOS CONSULTORIA CÁLCULO DE TRÁFEGO VILA OLÍMPICA - RJ EXEMPLOS DE SERVIÇOS - VTC GERENCIAMENTO CCBB - BH EXEMPLOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO MENOR DE PASSO FUNDO SEPLAN 054/2007 O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de direito público, inscrito

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS 02/2016

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS 02/2016 Página 1 de 5 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS 02/2016 Processo nº 04/2016 Pregão Presencial nº 04/2016 O CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE FRANCA UNI-FACEF situado na Av. Major Nicácio, 2433, Bairro São José,

Leia mais

DECIMO PRIMEIRO ADITAMENTO AO CONTRATO DE OPÇÃO E DE DIREITO DE PREFERÊNCIA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL

DECIMO PRIMEIRO ADITAMENTO AO CONTRATO DE OPÇÃO E DE DIREITO DE PREFERÊNCIA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL DECIMO PRIMEIRO ADITAMENTO AO CONTRATO DE OPÇÃO E DE DIREITO DE PREFERÊNCIA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Pelo presente instrumento particular, as Partes: SPACE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ( Space

Leia mais

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA COSTA 1, Angelina Dias Leão SARMENTO 2, Bruna Ramalho FARIAS 3, Savina Brito de Centro de Tecnologia / Departamento de Arquitetura / PROBEX RESUMO

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE - LIC 71.3.8 - Índice 1. Elementos de Arquitetura 1.1 Passeio 1.2 Vagas de estacionamento - demarcação 1.3 Vagas de estacionamento - sinalização 1.4 Rampas 1.5 Escadas e seus componentes 1.6 Aproximação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS CACHOEIRAS LEI Nº DE 28 DE MAIO DE 2014.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS CACHOEIRAS LEI Nº DE 28 DE MAIO DE 2014. LEI Nº 1.453 DE 28 DE MAIO DE 2014. Autoriza o Poder Executivo a celebrar convênio com a Associação Te Yang de Taekwondo. NESTOR BEHENCK SEBASTIÃO, Prefeito de Três Cachoeiras, Estado do Rio Grande do

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria

Leia mais

PROCESSO LICITATÓRIO Nº 31 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2014

PROCESSO LICITATÓRIO Nº 31 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2014 PROCESSO LICITATÓRIO Nº 31 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2014 O MUNICÍPIO DE PETROLÂNDIA, com sede administrativa localizada na Rua Prefeito Frederico Probst, nº 67, Centro, Município de Petrolândia,

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO RIO DE JANEIRO síntese

LEGISLAÇÃO DO RIO DE JANEIRO síntese LEGISLAÇÃO DO RIO DE JANEIRO síntese Legislação Estadual DOCUMENTO CONTEÚDO ACESSIBILIDADE EDUCAÇÃO Constituição Estadual 1989 Lei n o 678 25/10/1983 Lei n o 887 10/09/1985 Lei n o 1.117 21/01/1987 Lei

Leia mais

TABELA DE PREÇO REGIÃO SUL - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2013

TABELA DE PREÇO REGIÃO SUL - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2013 TABELA DE PREÇO REGIÃO SUL - PRODUTOS PARA ACESSIBILIDADE - ANO 2013 SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL PISOS TÁTEIS 1 PISO TÁTIL BRASIL BORRACHA SINTÉTICA ALERTA E DIRECIONAL 250X250X5MM AZUL, AMARELO, VERMELHO,

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS DE ACESSIBILIDADE PARA APOIO AO PROJETO ARQUITETÔNICO Manual de instruções técnicas de acessibilidade para apoio ao projeto arquitetônico PRINCÍPIOS BÁSICOS DIRETRIZES CHECK

Leia mais