CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN"

Transcrição

1 ISSN CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN HELOIZA PIASSA BENETTI (UTFPR) Ildeivan da Silva Junior (UTFPR) Eduardo Bellei (UTFPR) Resumo Nesta pesquisa, o objetivo é utilizar a ferramenta o modelo Rapid Lean Construction - Quality Rating Model (LCR), em canteiros de obras, para avaliar quantitativamente o grau de aplicação de ferramentas lean em ambientes de construção. O moodelo LCR pode ser usado de forma simples, relacionado com a busca da filosofia lean pelas empresas construtoras, assim como permitir a visualização da diferença na qualidade da obra entre canteiros onde existe a filosofia e outros onde não existe. O modelo foi aplicado em quatro canteiros de obras em empresas construtoras de Pato Branco/PR. Baseado nos pontos de avaliação indicados pelo modelo LCR, foram construídos gráficos comparativos para que a qualificação das empresas fosse mais clara e para utilizar, como parâmetro, para que as mesmas buscassem um maior desenvolvimento da filosofia lean. Palavras-chaves: Modelo de avaliação LCR, Lean Construction, Classificação das empresas

2 1. INTRODUÇÃO Um sistema produtivo corresponde ao arranjo de elementos que funcionam dinamicamente, interagindo entre si e em conexão com o meio externo, produzindo a partir de entradas (materiais, informações, pessoas), as saídas desejadas (produtos fabricados, serviços, pessoas satisfeitas) (PASA, 2004). Atualmente, o modelo de sistemas de produção adotado pela Toyota Motors Corporation Ltd., conhecido como Sistema Toyota de Produção (STP) (OHNO, 1997; SHINGO, 1996), vem sendo usado como referência por empresas de diversos setores. Um dos objetivos do STP é aperfeiçoar os processos, buscando aumentar a eficiência da produção através da eliminação contínua de desperdícios. Assim, a essência do sistema está na perseguição e eliminação de toda e qualquer perda (GHINATO, 2000). Na indústria em geral o preço dos produtos é definido pelo mercado, por isso a importância de se eliminar desperdícios, pois essa é a melhor maneira de se aumentar os lucros. Na construção civil, o Lean Construction (LC) não tem tanto reconhecimento como ferramenta de produtividade, porque o valor do produto final sempre foi definido pelo custo da obra mais o lucro desejado, mas esse quadro vem mudando recentemente. Por esse motivo, o LC vem para revolucionar uma metodologia de trabalho que gera muitos resíduos e baseia-se fundamentalmente em eliminar desperdícios, enquanto que o objetivo das empresas, geralmente, é criar valor. No entanto, se for possível, o ideal é eliminar atividades que não agreguem valor ao produto final, e assim, ganhar tempo e, consequentemente, produtividade gerando menos desperdícios, sem adquirir gastos até então desconhecidos. Para que a construção enxuta possa se tornar uma realidade, torna-se importante classificar as empresas de construção, para avaliar o quanto o pensamento enxuto já é realidade no atual sistema produtivo. HOFACKER et al. (2008) desenvolveram um modelo de classificação de empresas quanto ao grau de aplicação de ferramentas Lean: O Rapid Lean Construction-Quality Rating Model (LCR). Este artigo apresenta a aplicação do LCR, nos canteiros de obra de Pato Branco, 2

3 no qual avalia quantitativamente o grau de aplicação de ferramentas Lean em ambientes de construção. O resultado proporciona uma avaliação categorizada, com fácil visualização e interpretação dos resultados, de modo simples, apenas se relacionado à busca pelo pensamento enxuto com o que realmente é aplicado em obra, verificando-se assim a diferença na qualidade da obra entre os canteiros, com ou sem a filosofia Lean. 2. O MODELO LCR O modelo de aplicação surgiu de uma proposta denominada de Plano de Aplicação da Lean Construction (PALC), para aplicação dos conceitos enxutos em canteiros de obra. Neste plano, um check-list foi utilizado como instrumento de avaliação para medir o desempenho das empresas. O modelo LCR foi desenvolvido, no intuito de resolver algumas falhas do PALC, com o objetivo de avaliar a qualidade e o grau de aplicação da construção enxuta em empresas construtoras. A Figura 1 apresenta o modelo LCR desenvolvido por HOFACKER et al. (2008), com as características para facilitar a aplicação, dentro do canteiro de obras, como: o tempo de aplicação não maior do que 1h; interface de preenchimento simples e resumida, com itens agrupados em categorias e com pontuação na escala Likert. Pode-se destacar ainda que a aplicação pode ser realizada na presença apenas do engenheiro da obra ou do mestre de obras, dentro do canteiro, para entrevista acompanhada de observação dos pesquisadores. 3

4 FIGURA 1 Modelo LCR. Fonte: Adaptado de HOFACKER et al., A composição do modelo está distribuída em trinta itens distribuídos pelas seis categorias: Foco no Cliente; Desperdícios; Qualidade; Fluxo de Materiais; Organização, planejamento e fluxo de informações; Melhorias contínuas. Estas categorias foram definidas a partir dos 5 princípios do Lean Thinking (WOMACK; JONES; ROOS, 1992) e dos 11 princípios de Koskela (1992) da Lean Construction. Para cada categoria foram escolhidos pontos de avaliação, com pontuação de 0 a 6, sendo que o modelo totalizou 30 questões a serem avaliadas. Para fazer o perfil de aplicação da construção enxuta, os autores do modelo recomendam aplicá-lo em: pelo menos cinco obras de uma mesma empresa; por dois pesquisadores com domínio da teoria da Lean Construction. A apresentação simplificada do modelo, com os trinta itens distribuídos pelas seis categorias estão apresentadas na Tabela 1: TABELA 1 - Apresentação simplificada do modelo, com a divisão entre categorias. 1. Foco no cliente 1. Foco no cliente, em termos de vendas, marketing e foco estratégico, detectando o que é valor 2. Comunicação regular com o cliente e flexibilidade para adaptar as mudanças requeridas para o cliente; 3. Flexibilidade do projeto e comunicação entre projetistas e gerente da construção (durante a 4. Limpeza do canteiro de obras (5S). execução); 2. Desperdícios 5. Desperdício dos materiais de construção: detecção dos desperdícios e consciência no canteiro; 4

5 6. Ações, conhecimento e incentivos para eliminar os desperdícios (produção em excesso, tempos 7. Gerenciamento dos resíduos (reciclagem, separação do entulho da construção); de espera, transportes desnecessários, retrabalhos ); 8. Utilização dos espaços: quanto o espaço é eficientemente utilizado (áreas dedicadas aos 9. Tempo desperdiçado (redução do tempo de transporte, tempo de espera, padronização do uso de materiais, pequenas peças organizadas, menor espaço possível utilizado); 3. Qualidade equipamentos e transportes). 10. Controle de qualidade constante dos materiais de construção (e.g. certificação de controle da 11. A empresa possui algum tipo de certificação da qualidade (ISSO, PBQP-H); resistência do concreto); 12. Percepção visual da qualidade de execução dos serviços (variabilidade do padrão); 13. Segurança no canteiro de obras; 14. Busca e análise das causas dos retrabalhos (5W); 15. Padronização de processos; 16. Sistema de gerenciamento visual (sinalização clara, sinalização autoexplicativa e sistemas de 17. Grau de mecanização (maquinário técnico) para obter uma qualidade de padronização e controle de qualidade); 4. Fluxo de materiais e produção puxada desempenho. 18. Sistema de cartões Kanban (existência e bom funcionamento); 19. Aplicação de conceitos Just-In-Time (medição e.g. da quantidade de armazenamento, e.g. 20. Uso de concreto usinado (uso = (6), feito no canteiro = (0)); estoque > 1 semana, não é JIT); 21. Sistema de pedido e tempo de reposição de materiais (concreto, aço, tijolos) pelos fornecedores 22. Uso de sistemas de suporte ao transporte (grua) e padronização dos transportes (pallets). (1 dia = (6), 1 semana = (3), > 2 semanas = (0)); 5. Organização, Planejamento e Fluxo de materiais 23. Como é a consciência, convencimento e suporte da alta gerência na aplicação dos conceitos da 24. Motivação e responsabilidade dos empregados (existem ações, métodos que promovam isso?); Lean Construction; 25. Polivalência dos times (o quão flexíveis são os empregados para trabalhar em diferentes 26. São feitas reuniões diárias com aplicação do sistema Last-Planner (6)? Ou a estrutura de serviços) 27. Ferramentas de comunicação (e.g. aplicação do Andon); planejamento da produção é tradicional (0)?; 28. Aplicação de sistemas de informação vertical e horizontal. 6. Melhorias Contínuas 29. Busca da empresa pela perfeição, processo de aplicação do aprendizado de projeto para projeto; 30. Educação continuada dos empregados (qualidade, cursos de especialização, Lean ). Fonte: Adaptado de Hofacker et al., O grau de aplicação dos conceitos da construção enxuta nas obras é classificado de AAA até D. Onde AAA, de 95% a 100% da pontuação atingida, significa a busca pela perfeição tanto em desenvolver a qualidade como na aplicação dos conceitos Lean. Já a classificação D, varia de 0% a 9% da pontuação, significa baixa qualidade dos processos e do produto, baixo foco em melhorias, desperdícios e nenhum conhecimento da filosofia enxuta. Assim, somente as empresas que aplicam a filosofia Lean em suas obras podem atingir os níveis B e A. 3. APLICAÇÃO DO MODELO LCR O modelo LCR foi aplicado em quatro empresas construtoras, num total de onze canteiros de obras, todos localizados em Pato Branco, O desenvolvimento da pesquisa está apoiada no pensamento enxuto, e selecionada as seis categorias, que servirão de base para a qualificação dos canteiros de obra quanto à aplicação e funcionamento do mesmo. 5

6 A avaliação foi realizada pelos dois pesquisadores, desta pesquisa, que aplicaram a pontuação de 0 a 6 por item. Os pesquisadores não preencheram o modelo em obra, mas sim posteriormente, afim de não interferir nas atividades que estão sendo executadas pelos colaboradores das empresas. E, ainda, como normativa para a avaliação, os pesquisadores não deverão ficar mais de uma hora no canteiro de obras. A seguir são apresentados os resultados da aplicação do LCR, através de visitas aos canteiros de obras. A partir das visitas, foi realizada a classificação das quatro empresas quanto ao grau de aplicação dos conceitos da construção enxuta, respeitando as metodologias do modelo. 3.1 Empresa 1 A empresa 1 tem como missão Aprimorar a qualidade de nossos processos respeitando nossos clientes, visando estreitar nossos laços de confiança antes, durante e depois da compra de nossos imóveis. Como política de qualidade visa Construir e incorporar obras civis de edificação, visando à satisfação dos clientes, valorizando a equipe de funcionários, criando um ambiente de trabalho produtivo, obtendo a melhoria continua de nossos processos. Nesta empresa foram visitados quatro canteiros de obras de prédios residenciais de médio e alto padrão. Para melhor visualização dos dados obtidos nas visitas construiu-se a Figura 2, com a aplicação do modelo na presença do Engenheiro responsável pela obra. FIGURA 2 Avaliação da empresa 1 pelos pesquisadores. 6

7 A Figura 2 apresenta os resultados da aplicação do modelo pelos dois avaliadores, mostrando a importância da presença de mais de um avaliador, para que o resultado não seja fruto de uma única visão da obra. A avaliação final da obra da empresa 1 está representado na Figura 3. FIGURA 3 Gráfico radar com a classificação final da empresa 1. A empresa 1 apresentou um melhor desempenho nos pontos de foco no cliente, qualidade, e um pior desempenho nos pontos de organização, planejamento e fluxo de informações e desperdícios. Levando em consideração a missão e política de qualidade, a empresa esta agindo conforme seus objetivos. A classificação final, quanto ao LCR da empresa 1, nos quatro canteiros, foi de 54,0% que compreende ao nível CCC, onde a há consciência da qualidade mas baixa, ou nenhum conhecimento da construção enxuta. 3.2 Empresa 2 A empresa 2 não torna pública a sua missão e política de qualidade, no entanto os responsáveis pela empresa apresentaram consciência da importância do pensamento enxuto, e eliminação de desperdícios e atividades que não agreguem valor. Nesta empresa foram visitados três canteiros, onde estavam sendo construídos edifícios de alto padrão. Os pontos de avaliação apresentaram certo equilíbrio sem que nenhum ponto apresentasse destaque. 7

8 A Figura 4 mostra os resultados da aplicação do modelo na empresa 2. FIGURA 4 Gráfico radar com a classificação final da empresa 2. A empresa acima apresentou avaliação de 67,4%, que corresponde ao nível BB, pois a empresa já possui um foco de alta qualidade e evidenciam esforços para aprender e melhorar a aplicação da construção enxuta. 3.3 Empresa 3 A empresa 3 tem como missão, Incorporação e prestação de serviços na construção civil, entregando ao cliente produtos diferenciados, relacionando-se diretamente com o cliente. E, como política de qualidade, Obter a satisfação dos clientes, atendendo por completo as suas necessidades e expectativas através do fornecimento de produtos e serviços, melhorando continuamente os processos e comprometendo toda a empresa na realização e busca pela melhoria continua na qualidade. Na empresa 3 foram visitados dois canteiros de obra, sendo um prédio residencial e a ampliação de uma escola. Os melhores resultados, apresentados foram no fluxo de materiais e produção puxada e desperdícios, em função do uso de um método construtivo diferenciado. A Figura 5 mostra a classificação final da empresa 3. 8

9 FIGURA 5 Gráfico radar com a classificação final da empresa 3. A empresa 3 foi classificada no nível B com 60,7%, apresentando as mesma características da Empresa Empresa 4 Na empresa 4 não havia, por parte da alta gerencia, conhecimento do pensamento enxuto. No entanto, havia ações empíricas que vem trazendo bons resultados, em obra. Na empresa 4 foram visitados dois canteiros de obra, ou seja, duas obras comerciais. Esta empresa apresentou resultados mais positivos nos pontos de melhorias contínuas e fluxo de materiais, e produção puxada. São nestes pontos que empresa evidencia a intenção de melhorar os processos, mesmo sem o conhecimento do pensamento enxuto. No entanto, apresentou ponto fraco na organização, planejamento e fluxo de materiais (Figura 6). 9

10 FIGURA 6 Gráfico radar com a classificação final da empresa 4. A empresa 4, com 59,2% foi classificada no nível B. Apresentando as mesmas características das empresa 1 e 2. A classificação foi determinada de modo que as empresas que não conhecessem e/ou não aplicassem os conceitos da construção enxuta não pudessem atingir o nível B na classificação. Na classificação quanto ao LCR, nenhuma empresa alcançou o nível A, revelando que nenhuma das empresas aplica a filosofia Lean em suas obras. 4. CONCLUSÕES Na construção civil, a transformação enxuta envolve os diversos agentes da cadeia de valor da construção, e exige ações nos níveis de empreendimento, empresas e setor. Para isso, é preciso constante pesquisa em busca de tecnologias e inovações que sejam mais adaptadas as suas necessidades. Modelos que mensurem o grau de aplicação de ferramentas Lean se tornam importantes, para que a empresa esteja sempre em busca das melhorias. A utilização dos sistemas de gestão de qualidade combinados com os conceitos do pensamento enxuto, torna-se possível e também recomendável, permitindo resultados muito além dos obtidos até o momento. No geral todas as empresas pesquisadas apresentaram características 10

11 semelhantes, onde ainda estão aprendendo e implantando a filosofia da construção enxuta, e isso reflete a realidade atual da construção civil regional. Assim sendo, dos pontos avaliados os melhores foram às melhorias contínuas e fluxo de materiais e produção puxada e o pior foi o de organização, planejamento e fluxo de informações. Os resultados da aplicação do LCR nas obras das quatro empresas, mostrados na Figura 7, permitiram a constatação de que a classificação proposta (de D a AAA) está apropriada, uma vez que nenhuma empresa que não conhece ou aplica os conceitos da Lean Construction atingiu o nível B. FIGURA 7 Comparação entre a classificação das obras das empresas. As maiorias dos empreendimentos brasileiros atuais encontram-se na classe C, devido aos aspectos da produção enxuta ainda serem desconhecidos por essa maioria. Embora as empresas pesquisadas, não aplicarem os conceitos da Lean Construction, as mesmas estão trabalhando com um nível de pensamento enxuto acima da média. Num contexto nacional, deve ser destacado que há duas décadas vários esforços estão sendo empreendidos na área implantação do pensamento enxuto. Mas, de qualquer forma a filosofia da construção enxuta é mais uma ferramenta para se eliminar desperdícios. E, dentro desta realidade, eliminar desperdícios está se tornando cada vez mais relevante para a qualidade, lucro e competitividade. 11

12 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GHINATO, P. Elementos fundamentais do Sistema Toyota de Produção. In: Produção e Competitividade: aplicações e inovações. Recife: Editora Universitária da UFPE, HOFACKER, A.; OLIVEIRA, B. F.; GEHBAUER, F.; FREITAS, M. C. D.;MENDES JÚNIOR, R.; SANTOS, A.; Kirsch, J. Rapid lean construction-quality rating model (LCR). In: 16th International Group for Lean Construction Conference, Manchester, IGLC, KOSKELA, L. Application of the New Production Philosophy to Construction. Stanford, CA: Center for Integrated Facility Engineering, Stanford University, (Technical Report, 72). OHNO, T. Sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, PASA, G. S. Uma abordagem para avaliar a consistência teórica de sistemas produtivos. 188 f. Tese (Doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, SHINGO, S. O Sistema Toyota de produção do ponto de vista da engenharia da engenharia de produção. Porto Alegre: Bookman, WOMACK, J.; JONES D.; ROOS, D. A máquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Campus,

UM MODELO DE AVALIAÇÃO DO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN EM EMPRESAS CONSTRUTORAS: O RAPID LEAN CONSTRUCTION-QUALITY RATING MODEL (LCR)

UM MODELO DE AVALIAÇÃO DO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN EM EMPRESAS CONSTRUTORAS: O RAPID LEAN CONSTRUCTION-QUALITY RATING MODEL (LCR) Periódico da área de Engenharia Industrial e áreas correlatas Editor responsável: Nelson Casarotto Filho, Prof. Dr. Organização responsável: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Processo de avaliação

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Danielle Meireles de Oliveira, Mariana Del Carlo Pereira (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

FERRAMENTAS LEAN APLICADAS ÀS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL CLASSIFICADAS NO MODELO LCR

FERRAMENTAS LEAN APLICADAS ÀS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL CLASSIFICADAS NO MODELO LCR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ANA PAULA VANSAN ELOISE APARECIDA LANGARO FERRAMENTAS LEAN APLICADAS ÀS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção 1 Por que planejamento é importante? Eliminação de problemas relacionados à incidência de perdas e baixa produtividade Aumento da transparência dos processos (possibilidade

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Conceitos básicos Aula 09 Conteúdo do Módulo Aula 1 (30/04): Conceitos básicos Importância do Planejamento Lean Construction: conceitos e exemplos práticos Aula 2 (05/05):

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Aplicação do sistema kanban no transporte de materiais na construção civil

Aplicação do sistema kanban no transporte de materiais na construção civil Aplicação do sistema kanban no transporte de materiais na construção civil Madalena Osório Leite (IRB) viladosol@secrel.com.br Igor Barros Pinho (IRB) igorbpinho@zipmail.com.br Pedro Eduardo Pereira (M

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11]

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11] Iniciando com a Logística [1 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Esta série de artigos foi elaborada de tal forma que os artigos fazem referências uns aos outros. Portanto, para melhor

Leia mais

A APLICABILIDADE DO LEAN CONSTRUCTION DENTRO DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE BELO HORIZONTE

A APLICABILIDADE DO LEAN CONSTRUCTION DENTRO DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE BELO HORIZONTE Luiza Ferreira Mota A APLICABILIDADE DO LEAN CONSTRUCTION DENTRO DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE BELO HORIZONTE Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção Civil Belo Horizonte,

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015! XXVIENANGRAD A LOGÍSTICA DENTRO DA CONSTRUÇÃO ENXUTA: ESTUDO DE CASO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA. LARISSE OLIVEIRA COSTA Andriele Pinto de Amorim ÁreaTemática GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS. Engº. Gilberto Mian

CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS. Engº. Gilberto Mian CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS Engº. Gilberto Mian SOBRE A METAX A Metax é especializada em Engenharia de Acesso, fornecendo soluções para acesso e elevação de carga, atuando

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Cristiano Marques de Oliveira Delphi Automotive Systems E-mail: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM CONSTRUTORAS DAS CIDADES DE SÃO CARLOS E SÃO PAULO - SP

DIAGNÓSTICO DA APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM CONSTRUTORAS DAS CIDADES DE SÃO CARLOS E SÃO PAULO - SP DIAGNÓSTICO DA APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM CONSTRUTORAS DAS CIDADES DE SÃO CARLOS E SÃO PAULO - SP Henrique de Albuquerque Francisco (1) ; Sheyla Mara Baptista Serra (2) ; Itamar Aparecido Lorenzon

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Conteúdo. Conceitos Básicos de Gestão da Produção. Contexto da gestão da produção na construção. Conceitos básicos de gestão da produção

Conteúdo. Conceitos Básicos de Gestão da Produção. Contexto da gestão da produção na construção. Conceitos básicos de gestão da produção Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Conceitos Básicos de Gestão da Produção Conteúdo Contexto da gestão da

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Alessandra Luize Fontes Sales (Engª. Civil) luize.sales@ig.com.br José de Paula

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE.

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. João Adriano Ponciano NOBRE Graduando de Eng.º Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Waldery

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A.

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. PLANO DE NEGÓCIOS Data: Janeiro 2.013 Dr. Marido - Operacional S U M Á R

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

QUEM SOMOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

QUEM SOMOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PERFIL QUEM SOMOS Fundada em 07 de março de 1995 a PIERRE Engenharia e Construções Ltda., é uma empresa brasileira, sediada em Jundiaí-SP, que vem executando a prestação de serviços nos diferentes ramos

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos na construção civil predial - uma proposta de modelo de gestão integrada GIULLIANO POLITO 19/09/2013 Título

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

A LEAN CONSTRUCTION NO CENÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE GOIÂNIA

A LEAN CONSTRUCTION NO CENÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE GOIÂNIA A LEAN CONSTRUCTION NO CENÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE GOIÂNIA Leiliane Santana Souza (1); Maria Carolina Gomes de Oliveira Brandstetter (2); Tatiana Gondim do Amaral (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ser percebida como empresa referência em ações de marketing de atendimento.

Ser percebida como empresa referência em ações de marketing de atendimento. MAIS MARKETING Uma empresa voltada para pesquisa de avaliação do atendimento e relacionamento com cliente. Nossa filosofia é oferecer ferramentas de gestão focadas na qualidade do atendimento, apresentando

Leia mais

MATURIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO BASEADA NOS PRINCÍPOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA. CASO DE UMA EMPRESA CONSTRUTORA CAPIXABA

MATURIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO BASEADA NOS PRINCÍPOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA. CASO DE UMA EMPRESA CONSTRUTORA CAPIXABA MATURIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO BASEADA NOS PRINCÍPOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA. CASO DE UMA EMPRESA CONSTRUTORA CAPIXABA SILVA, Alexandre Tadeu S.P. (1); CALMON, J.L. (2) (1)

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013 1ª edição 1 DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO 1.1 O Sinduscon Premium Etapa Litoral Norte 1ª edição instituído pelo SINDUSCON RS, Sindicato das Indústrias

Leia mais