O RESSEGURO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O RESSEGURO NO BRASIL"

Transcrição

1 ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DO MERCADO SEGURADOR ANO 90 Nº892 JANEIRO/ FEVEREIRO/ MARÇO DE 2015 O RESSEGURO NO BRASIL Grandes desafios e oportunidades ainda maiores 4º Encontro de resseguro vai reunir lideranças para o debate Em entrevista exclusiva, Inga Beale, CEO do Lloyd s of London, reconhece o potencial da indústria brasileira e reafirma o interesse da instituição em investir nesse mercado

2 CENÁRIO BRASILEIRO Desafios para o futuro do resseguro Por CARLOS MONTEIRO Resseguradoras passam por um período de estabilidade, mas o cenário econômico, baseado em fatores como alta de juros e inflação, inspira cuidados. o crescimento é o fato de termos profissionais de resseguros com capacidade mais do que suficiente para atender ao mercado, acredita. Segundo o executivo, a chegada de profissionais do mercado financeiro contribuiu com a adoção de melhores práticas, pois trouxe uma política de pessoal diferenciada. Paralela- sete anos após sua abertura, com a entrada em vigor da Resolução nº 168/07, do CNSP, o mercado ressegurador brasileiro vive um momento de maturidade e encara velhos desafios, como as condições econômicas do País e as novas características dos riscos. Há um consenso entre os executivos do mercado ressegurador brasileiro, composto por cerca de 120 empresas, distribuídas entre 16 locais, 30 admitidas e a maioria de eventuais, de que este é um período de estabilidade para as resseguradoras, mas que inspira cuidados, principalmente devido ao cenário econômico. No bojo da abertura, com o incremento da capacidade das seguradoras para concessão de seguros em âmbito nacional, veio a concorrência, responsável por trazer novos produtos, maior qualificação, práticas internacionais e geração de empregos. Grandes transformações resultaram deste processo, bem como a chegada de dezenas de players internacionais. O presidente da Federação Nacional de Empresas de Resseguros - Fenaber, Paulo Pereira, faz um balanço da atuação da entidade para o amadurecimento do setor e lembra que a Fenaber contribuiu com a sistematização da legislação adotada no País. Nós, associados, juntamos forças e demos sugestões de forma uniformizada. A concordância da Susep com cerca de 80% destas sugestões mostra que nossa contribuição foi importante, salienta. Crescimento real Os dados da Fenaber indicam que o setor de fato cresceu em termos reais. De abril de 2008 a dezembro de 2014, o mercado de resseguros brasileiro mais do que dobrou de tamanho, passando de R$ 3,8 bilhões para R$ 9,5 bilhões. Para Pereira, a profissionalização do mercado foi um fator que fez a diferença nesse período. Mais importante do que Ou as empresas investem pesado em treinamento ou acabam tendo que trazer profissionais de fora. Os bons são sempre disputados internamente. Paulo Pereira mente ao sangue novo injetado no resseguro brasileiro, o treinamento também contribuiu para os bons resultados. Passamos por um período de muitos problemas com a falta de pessoal. Hoje o movimento é bem diferente, pois as empresas ou investem pesado em treinamento ou acabam tendo que trazer profissionais de fora. Os bons são sempre disputados internamente, analisa. O presidente da Comissão de Resseguro da CNseg, Wady Cury, avalia 08 REVISTA DE SEGUROS

3 que, nesses sete anos, um dos maiores avanços ocorreu nas práticas de administração. Saímos da gestão de regras para uma gestão conceitual, de reflexão. Foram anos de aprendizado, em que cometemos erros, porém, tivemos muitos acertos também, recorda. Segundo Cury, durante o período de amadurecimento, as vantagens competitivas brasileiras foram reveladas. O mercado não conhecia bem o Brasil, mas nos descobriu, junto com nossa qualidade técnica e nossos riscos. O País atrai o interesse das maiores empresas mundiais pelas oportunidades representadas por sua dimensão e diversidade econômica, comercial e industrial. Momento delicado A combinação de fatores como baixo crescimento econômico, alta de juros e do dólar, inflação, desemprego e aumento de impostos e de preços Rosane Bekierman controlados (luz, água, gasolina e transportes), prevista para este ano, tem impacto sobre o mercado de resseguros. Para a Fenaber, o momento econômico é delicado, mas a situação não terá o efeito de paralisar o setor. Certos investimentos o governo não vai deixar de fazer, principalmente os relacionados à infraestrutura. E o resseguro será necessário tanto para grandes projetos de engenharia, como, e principalmente, para riscos patrimoniais, acredita. O executivo estima em dois anos o prazo para que a situação encontre um equilíbrio. Será um tempo de ajustes, de medidas amargas, em que talvez não consigamos crescer tanto como antes, prevê. Mesmo com a investigação de emprei- O Brasil atrai o interesse das maiores empresas mundiais pelas oportunidades representadas por sua dimensão e diversidade econômica, comercial e industrial. Wady Cury Shutterstock teiras envolvidas na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, Pereira pondera que haverá soluções para que o País continue se desenvolvendo. Temos outras empreiteiras trabalhando, que podem servir de substitutas, vir a ocupar um espaço que não ocupavam antes, e até empresas estrangeiras. O importante é os investimentos serem mantidos, indica. O presidente do IRB Brasil Re, Leonardo Paixão, que ocupa assento na vice-presidência da Fenaber, concorda que 2015 será um ano difícil, de ajustes. O executivo avalia, porém, que nos últimos anos, houve avanços sociais e econômicos. O resseguro, por ser um negócio global, está mais acostumado aos picos e vales da economia. O Brasil vai se desenvolver cada vez mais, depois do freio de arrumação, acredita. Rumo necessário Wady Cury também é otimista em relação ao futuro, apontando as REVISTA DE SEGUROS 09

4 CENÁRIO BRASILEIRO próprias características do mercado ressegurador. O setor tem uma natureza de flexibilidade. Estamos acompanhando o desempenho da economia mundial na última década, vencendo desafios, e nos adaptando às dificuldades e mudanças. Cury acredita que já é consensual que não há resseguro se não há seguro. O investimento em obras não haveria sem resseguro. As grandes seguradoras estão por todo o mundo. Basta o Brasil se ajustar e buscar o rumo necessário, conclui. Como solução para tempos de crise, o executivo aponta o investimento em nichos que ainda não são explorados, principalmente os ligados à infraestrutura, além de criação de produtos. Entre os nichos, Cury destaca os resseguros financeiros e o risco cibernético ou riscos eletrônicos. O Brasil já tem um conhecimento global no mundo, o que permitiu uma curva de aprendizado que garante flexibilidade frente ao cenário atual. De É preciso revisitar a legislação para permitir uma atuação mais eficiente das resseguradoras locais na aceitação de riscos do exterior. Marcelo Mansur uns anos para cá, estamos sofrendo com mais frequência catástrofes naturais, que podem ter impacto, por exemplo, na agricultura, completa. Catástrofes naturais Em muitos países, a indústria de seguros e, especificamente, as resseguradoras, vêm se confrontando com novos cenários de impacto que não são provocados por catástrofes naturais. Atentados terroristas, mudanças climáticas antrópicas e também a crise dos mercados financeiros têm conturbado as sociedades e suas instituições. A Fenaber defende que a operação do resseguro, com sua característica internacional por excelência, permite que responsabilidades sejam pulverizadas em países diversos, dispersando os prejuízos nas ocorrências de sinistros, especialmente aqueles de natureza catastrófica. O movimento de internacionalização, aliás, é um dos maiores trunfos do IRB Brasil Re, sete anos depois de ter deixado de responder pelo monopólio do resseguro no Brasil e dois anos após sua privatização. A retomada do crescimento no mercado interno fez com que o IRB começasse a trilhar sua expansão internacional, que privilegia, num primeiro momento, os mercados da América Latina e da África. No continente latino-americano, o IRB inaugurou sua sucursal em Buenos Aires, em setembro de 2011, com uma equipe composta basicamente por profissionais locais. Na África, o ressegurador participou de um aumento de capital promovido pela African O resseguro é um negócio global e está acostumado aos picos e vales da economia. O Brasil vai se desenvolver ainda mais, depois do freio de arrumação. Leonardo Paixão Reinsurance Corporation Africa Re, adquirindo 4,8% do capital da companhia e desenvolvendo uma parceria de negócios voltada para o continente africano. A atuação na Ásia está crescendo, bem como na África. É um cenário motivador, o que nos leva a expandir internacionalmente, afirma Leonardo Paixão, presidente do IRB. A partir de 2007, a empresa passou a vivenciar uma nova fase de sua história, que vem sendo marcada por profundas transformações: as políticas internas foram revisadas e os guidelines e taxas para aceitação de riscos, atualizados. A estrutura organizacional foi adaptada ao novo tempo e a área de TI, modernizada. São mudanças que conferem agilidade e criatividade às soluções para os desafios do negócio. O IRB passou de um problema de ideologia, para mais uma questão de sobrevivência. O desenho do monopólio gera grandes custos, comenta. Abertura de capital Para o futuro, as metas são a abertura de capital do IRB e a intensificação do investimento internacional. Para 10 REVISTA DE SEGUROS

5 Shutterstock empreendê-las, o instituto ampara- -se em um lucro líquido de R$ 601,5 milhões, registrado em 2014, 72,5% maior que o do ano anterior; e num volume de prêmios emitidos de R$ 3,2 bilhões (18,6% maior em relação ao mesmo período). O desempenho resultou num market share de cerca de 34%, o que garantiu, segundo o IRB, a manutenção de sua liderança no mercado nacional de resseguro. Ainda na seara da internacionalização, o advogado Marcelo Mansur, sócio de Seguros, Resseguros e Previdência do Mattos Filho, escritório de reconhecida atuação na área jurídica relacionada a resseguro, avalia que ainda há aspectos na legislação que podem ser melhorados. É preciso revisitar a legislação para permitir uma atuação mais eficiente das resseguradoras locais na aceitação de riscos do exterior, facilitando a atuação destas como hubs regionais de resseguro. Seria mais importante uma revisão das regras cambiais e fiscais aplicáveis, do que efetivamente das ressecuritárias, acredita. O advogado, no entanto, descarta a necessidade de novas normas. A regulamentação ressecuritária deve ser minimalista. O mais importante é se ter clareza sobre a interpretação que o regulador tem destas normas e uma garantia de que a aplicação será feita de uma forma consistente, conclui. Contenção financeira O risco de crimes cibernéticos e falhas de TI também continuam a crescer rapidamente, entrando pela primeira vez no top 5 do ranking (em 2014, eles ocuparam a 8ª posição, e em 2013, a 15ª). Apesar desse aumento, muitas empresas estão subestimando os diferentes impactos, segundo 73% dos entrevistados e, em muitos casos, por motivo de contenção financeira. A pesquisa foi feita com mais de 500 analistas de risco e especialistas em seguro corporativo da Allianz e de outras companhias globais em 47 países. De acordo com o levantamento, a combinação de novos riscos econômicos e regulatórios relacionados à tecnologia cria uma ameaça sistêmica para as empresas globais. Para responder a esses desafios, a Allianz sugere que as companhias façam controles internos mais fortes e uma gestão de risco holística dos negócios. A crescente interdependência de indústrias e processos significa que os negócios estão cada vez mais sujeitos a cenários desfavoráveis. Assim, os efeitos negativos podem se multiplicar rapidamente, com um risco criando diversos outros. Catástrofes naturais ou ataques cibernéticos podem interromper os negócios de setores inteiros ou de infraestrutura crítica, afirma Chris Fischer Hirs, CEO da AGCS, conforme comunicado divulgado pela companhia. Cenários desfavoráveis criam novas dificuldades Estudo divulgado pela Allianz Global Corporate & Specialty - AGCS trouxe números sobre a incidência dos maiores riscos para os negócios em Segundo o quarto relatório Barômetro de Risco da AGCS, o ambiente de negócios enfrenta novas dificuldades graças ao surgimento de vários cenários desfavoráveis num mundo corporativo cada vez mais integrado. De acordo com o estudo, os maiores riscos para as empresas ao longo do ano serão as interrupções bruscas nos negócios e falhas na cadeia de suprimentos (46%), catástrofes naturais (30%) e incêndios e explosões (27%). Os perigos cibernéticos (17%) e políticos (11%) foram os que mais subiram no ranking, e continuam a preocupar os especialistas. Por sua vez, a perda de reputação (61%) e a interrupção nos negócios (49%) após um incidente são vistas como as principais causas de prejuízos para as empresas. REVISTA DE SEGUROS 11

6 CENÁRIO BRASILEIRO Encontro debaterá temas importantes para o setor Os desafios, temas técnicos e futuro do mercado de resseguros brasileiro serão debatidos no 4º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro, que acontece nos dias 14 e 15 de abril, no hotel Sofitel Rio, em Copacabana. Entre os assuntos tratados, estão o desenvolvimento do mercado de energia no Brasil, o desenvolvimento sustentável do agronegócio e os desafios e oportunidades na América Latina. O evento é realizado em parceria pela CNseg, Fenaber e Escola Nacional de Seguros. Programação* Dia 14/04/ Manhã 08h às 08h30 Credenciamento 08h30 às 09h 09h às 10h30 Debatedor: 10h30 às 11h 11h às 12h30 12h30 às 14h Cerimônia de Abertura Plenária I O Desenvolvimento do Mercado de Energia no Brasil Rafael Schechtman CBIE - Centro Brasileiro de Infra Estrutura José Carlos Cardoso IRB Brasil Re Vinicius Bergamaschi ACE Seguros Soluções Corporativas S/A Coffee Break Plenária II Economia Brasileira a Curto e Médio Prazo José Júlio Senna FGV e MCM Consultores Associados Affonso Celso Pastore Economista William Waack Jornalista Almoço Dia 14/04/ Tarde Técnica 14h às 16h Mesa Redonda Agrícola Joaquim Francisco Rodrigues César Neto Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais Palestrantes: Wady José Mourão Cury Grupo Segurador BBMapfre Eduardo Porcel Trans Re Panamá Angelo Gemignani Instituto Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável do Agronegócio (IBDAgro) Debatedor: Bruno Valentim Austral Re 14h às 15h Debatedor: 15h às 16h Debatedores: 16h às 16h30 Painel Técnico I Necessidade de Capital Alexandre Leal CNseg José Alberto Rodrigues Pereira Susep Frederico Knapp Swiss Re Painel Técnico II Retrocessão para Seguradoras Alexandre Leal CNseg Diogo Ornellas Geraldo Susep Eduardo Menezes Bradesco Auto/Re Rodrigo de Souza Lobo Botti Terra Brasis Resseguros Coffee Break Dia 15/04/ Manhã 08h30 às 9h Credenciamento 09h às 10h30 Debatedor: 10h30 às 11h 11h às 12h30 12h30 às 14h Plenária IV Perspectivas do século 21 Claudio Contador Escola Nacional de Seguros Paulo Vicente Fundação Dom Cabral a definir Coffee Break Plenária V Desafios e Oportunidades: a Atração da América Latina Michel Liès Swiss Re Patrick Larragoiti Sul América Almoço Dia 15/04/ Tarde Técnica 14h às 16h Mesa Redonda Jurídica Aspectos Jurídicos da Regulação de Sinistros Sérgio Ruy Barroso de Mello Pellon & Associados Advocacia Debatedores: Carlos Velloso IRB Brasil Re Marcelo Mansur Mattos Filho Advogados Patrícia Godoy Aon Service Corporation 14h às 15h Debatedor: 15h às 16h Debatedor: 16h às 16h30 16h30 às 17h30 Palestrantes: Debatedor: Painel Técnico III Transferência de Risco através de Mercado de Capitais André Marino Gregório BTG Pactual Seguradora S/A Craig Hupper Capital Partners Rodrigo de Souza Lobo Botti Terra Brasis Resseguros Painel Técnico IV Resseguro Paramétrico André Marino Gregório BTG Pactual Seguradora S/A Florian Kummer Swiss Re Rodrigo Protasio JLT Re Brasil Coffee Break Painel Técnico V D&O Thabata Najdek Allianz Seguros Fábio Torres TM Law Torres, Marcelino & Advogados Associados Daniel Veiga IRB Brasil Re Gustavo Galrão Argos Seguros Brasil S/A 16h30 às 18h30 Plenária III Assuntos Correntes de Resseguro no Brasil Paulo Eduardo de Freitas Botti Terra Brasis Palestrantes: > Ratings do Mercado Segurador e o Risco País - Tina Bukow A.M. Best > Presente e Futuro do Resseguro no Brasil - João Francisco Silveira Borges da Costa HDI Seguros S/A 16h30 às 17h30 Debatedor: Painel Técnico VI Proteção de Portfólio André Marino Gregório BTG Pactual Seguradora S/A Alexander Gollin Hannover Re Nilton Rafael Haiter Tokio Marine Seguradora S/A 18h30 às 19h30 Coquetel * SUJEITO A ALTERAÇÃO 12 REVISTA DE SEGUROS

7 NO MUNDO Um gigante em crescimento Por LARISSA MORAIS Mercado global de resseguros movimenta US$ 240 bilhões e avança em ritmo acelerado. Brasil responde por pouco mais de 1%. Shutterstock Ao assumir riscos de indivíduos e empresas, as resseguradoras provêm proteção financeira e, assim, estabilidade econômica e social a um país. Margo Black Os percentuais de crescimento, contudo, enchem os olhos dos principais operadores globais: 26,3%, em 2013, e 16,6%, no ano passado. Omercado internacional de resseguros representa uma força financeira da ordem de US$ 240 bilhões e está com o pé no acelerador. O relatório que no fim do ano passado divulgou resultados consolidados de 2013 apontou um crescimento de 5,7% em relação ao ano anterior praticamente duas vezes o avanço do PIB mundial no mesmo ano, que foi de 2,4%. O Brasil não responde por um volu- me representativo desse montante, mas vive uma expansão ainda mais acentuada. Dados da Superintendência de Seguros Privados - Susep, autarquia governamental que regula o mercado segurador e ressegurador no País, mostram que em 2013 o volume de prêmios foi de R$ 7,24 bilhões, cerca de US$ 3,1 bilhões pela cotação do dólar na época o que representa 1,3% do volume mundial. Mercado estratégico Considerado um mercado estratégico e com enorme potencial de crescimento e desenvolvimento, o País já reúne 36 dos 40 maiores grupos de resseguradoras mundiais. Das dez maiores, todas estão aqui. Até 2007, o mercado estava nas mãos de uma única empresa estatal, o IRB. Com o fim do monopólio, as resseguradoras internacionais também puderam disputar o mercado nacional. 14 REVISTA DE SEGUROS

8 Regra do jogo No entanto, o professor Luiz Antonio Nunes é mais cauteloso ao comentar um possível crescimento no número de players locais no mercado de resseguros brasileiro. Existe um requerimento de capital enorme para que uma companhia seja aceita como local. É regra do jogo. Se ela tem interesse, tem que cumprir as exigências. Não vejo nenhum problema. Mas isto dependerá muito de como o mercado vai se adequando. O aumento na quantidade de empresas participantes no mercado de resseguros deve continuar neste ano, de acordo com relatório de perspectivas elaborado pela Fitch Ratings. O requerimento de capital para se tornar uma resseguradora local é de R$ 60 milhões, mais o valor proporcional ao tamanho da operação, além da obrigatoriedade de contar com uma sede no País. Para as resseguradoras admitidas, o capital mínimo exigido é de R$ 5 milhões. As eventuais recebem autorização para operar de acordo com suas necessidades. O consultor Francisco Galiza, da Rating de Seguros, destaca que a confiança no setor está em queda. O Índice de Confiança e Expectativas das Resseguradoras - ICER, elaborado pela consultoria, caiu para 66,7 em fevereiro, ante 77,5 em janeiro. As opiniões apontam para um ano difícil. E isso tem a ver com o ambiente econômico em geral, não só do mercado de resseguro. Galiza ainda lembra que o mercado brasileiro é fortemente dominado pelo IRB Brasil Re, que recebeu mais de R$ 3 bilhões em prêmios no ano passado, segundo a Susep. O volume representa 35,7% dos prêmios de todas as resseguradoras, que totalizaram R$ 8,4 Ranking dos resseguradores que atuam no País (Ano Valores em R$) Ressegurador Prêmios aceitos IRB BRASIL RESSEGUROS S.A ZURICH RESSEGURADORA BRASIL S.A ALLIANZ GLOBAL CORPORATE & SPECIALTY RESSEGUROS BRASIL S.A LLOYD S AUSTRAL RESSEGURADORA S.A MAPFRE RE COMPAÑÍA DE REASEGUROS S.A MUNICH RE DO BRASIL RESSEGURADORA S.A EVEREST REINSURANCE COMPANY ACE RESSEGURADORA S/A HANNOVER RUCK SE (ANTIGA HANNOVER RÜCKVERSICHERUNG AG) SWISS RE BRASIL RESSEGUROS S.A MAPFRE RE DO BRASIL COMPANHIA DE RESSEGUROS J. MALUCELLI RESSEGURADORA S/A BTG PACTUAL RESSEGURADORA S.A SCOR REINSURANCE COMPANY AMERICAN HOME ASSURANCE COMPANY ZURICH INSURANCE COMPANY OUTRAS Total O maior desafio hoje é a qualificação, pois são poucos os profissionais gabaritados a trabalhar neste mercado. Luiz Antonio Nunes bilhões; e é 4,5 vezes maior do que o registrado pela segunda do ranking, a Zurich Re. O panorama é bem distinto do observado no cenário mundial, onde Munich Re e Swiss Re disputam o topo do ranking. Mais eficiência Luiz Antonio Nunes lembra, no entanto, que o IRB está competindo no mercado e tem que se tornar cada vez mais eficiente. O IRB perdeu espaço num primeiro momento, mas ainda detém a memória do mercado, construída anos a fio. Isso confere a ele uma vantagem e a possibilidade de se manter numa posição estratégica. Ainda na avaliação do professor do Ibmec e da ENS, o principal gargalo do setor de resseguros no País é justamente a falta de profissionalização. Ele avalia que a abertura do setor deixou latente o problema da capacitação e a solução virá apenas quando houver uma ação forte que envolva todos os agentes do mercado. O maior desafio hoje é a qualificação do profissional, pois são poucos os gabaritados a trabalhar neste mercado. Essa defasagem intelectual chegou a ser cômoda, pois o mercado era concentrado e não havia competição. Mesmo com a abertura, o mercado não se preparou. Mas vai conseguir chegar lá, concluiu. REVISTA DE SEGUROS 21

9 PERSPECTIVAS Recessão não vai tirar resseguros da rota Por MARIA LUISA BARROS Empresas devem compensar eventuais retrações da economia interna com expansão no mercado internacional. mesmo período aumento de 24% em relação ao ano anterior. O nosso lucro hoje é muito maior do que na época do monopólio, informa Cardoso, que aposta na sua experiência internacional para ampliar as fronteiras do IRB. Segundo ele, Colômbia e Miami devem ganhar filiais em breve. Diante da crise que engavetou novos investimentos e projetos do governo as turbulências na economia brasileira, provocadas pela forte desaceleração do crescimento do Produto Interno Bruto - PIB, não devem tirar da rota o mercado de resseguros nacional. O cenário de recessão projetado para este ano vai obrigar as empresas a apertarem o cinto, porém, o desempenho do setor tende a manter o fôlego e a se descolar do PIB, registrando desempenho acima de 10% este ano, alavancado, sobretudo, pelos ramos do agronegócio, bens patrimoniais e infraestrutura. Os cálculos são do vice-presidente do IRB Brasil Re, José Carlos Cardoso. Considero a projeção altamente conservadora. Pretendemos compensar eventuais retrações internas com a expansão do IRB no mercado internacional. Essa combinação pode, sem dúvida, ultrapassar o índice previsto, afirma. Segundo ele, para alcançar o resultado acima do esperado e enfrentar a concorrência das mais de 100 empresas estrangeiras que atuam no Brasil, a resseguradora vem fazendo a lição de casa, tendo reduzido quase à metade o número de funcionários terceirizados e um terço dos empregados fixos. Atenções no exterior Líder no ramo de agronegócios, com 34% de participação no mercado, e com forte atuação em todos os ramos, o IRB tem suas atenções voltadas para o exterior, onde atualmente concentra apenas 10% do total de prêmios da sua carteira. Temos um mercado internacional praticamente inexplorado. E no momento estamos sendo favorecidos pela alta do dólar. Pretendemos nos próximos anos crescer substancialmente lá fora, diz José Carlos Cardoso. Nos planos do IRB está a abertura de novos escritórios na América Latina e na África até o final do ano. A instabilidade financeira não assusta a resseguradora, que até 2007 detinha o monopólio da atividade no Brasil. Ao contrário, os números são bastante animadores. O IRB encerrou 2014 contabilizando um volume de prêmios emitidos da ordem de R$ 3,2 bilhões e um lucro de R$ 602 milhões no O mercado internacional é praticamente inexplorado e estamos sendo favorecidos pela alta do dólar. Pretendemos crescer substancialmente lá fora. José Carlos Cardoso Divulgação IRB 22 REVISTA DE SEGUROS

10 Miami: o IRB Brasil RE quer expandir suas fronteiras e chegar à cidade da Flórida, nos Estados Unidos, e também à Colômbia, ampliando sua atuação na América do Sul. federal, as resseguradoras apostam na diversificação das carteiras e aproveitam a expertise adquirida no mercado internacional para fornecer subsídios às empresas brasileiras no gerenciamento de riscos complexos e de alto valor em seus negócios. Essa é uma das estratégias adotadas pela resseguradora alemã, Munich Re do Brasil, para se sobressair no mercado nacional, conforme explica o CEO da empresa, Rodrigo Belloube. Queremos nos posicionar como parceiro estratégico de nossos clientes, construindo a quatro mãos projetos e iniciativas relacionadas a inovação, sofisticação da oferta ao mercado, agregar valor e serviços a produtos, de forma a atender demandas cada vez mais complexas e específicas. Queremos ser parceiros, em suma, e ajudar nossos clientes a atingir seus objetivos estratégicos e operacionais, adianta. Perspectivas otimistas Para o vice-presidente do IRB, é consenso entre os concorrentes que as perspectivas são otimistas e que, de tempos em tempos, o mercado de resseguros passa por uma volatilida- de. É um momento de atenção que pode ser compensado pelo aumento dos preços. Mas, independentemente dos problemas atuais, as concessões vão continuar sendo feitas e as empresas precisarão contratar seguros. O setor vai se adaptar, analisa. Para Belloube, o Brasil continua a ser analisado sob uma lógica de longo prazo e a questão macroeconômica tende a ganhar importância. O desempenho do mercado de seguros vem significativamente superando o crescimento econômico, com baixa correlação entre os dois, pois existe uma demanda não atendida de proporções consideráveis, diz o CEO da Munich Re do Brasil. Na visão do executivo, o investimento em obras para sediar grandes eventos, como os Jogos Olímpicos de 2016, representa uma fatia pequena na margem de lucro das resseguradoras. O trem já passou. A maioria das obras que demandavam resseguro já foram negociadas. Os Jogos Olímpicos são pequenos para o mercado ressegurador. O que conta mais é o desenvolvimento do País, o investimento contínuo em formação bruta de capital fixo, em infraestrutura, afirma Belloube. Níveis de investimentos No entanto, ele acredita, que para os atores cujas carteiras sejam mais dependentes dos níveis de investimento, como, por exemplo, as de riscos de engenharia e de garantias, o cenário econômico tem outra dimensão. Para o executivo, o País tem hoje performance inferior à média mundial sob a Independentemente dos problemas atuais, as concessões vão continuar sendo feitas e as empresas precisarão contratar seguros. O setor vai se adaptar. Rodrigo Belloube perspectiva de rentabilidade. Há uma certa comoditização do setor, uma mecanização do processo de pulverização de risco, com as negociações, via de regra, focadas predominantemente na variável preço, cujo valor médio teve trajetória de queda brusca nos últimos anos, diz. Na avaliação de Belloube, em parte isso se deve ao desequilíbrio entre oferta e demanda, resultado de quase 70 anos de monopólio estatal exercido pelo IRB. Precisamos manter o mercado nos trilhos e isso significa pensar sempre na melhor solução para o País, e não para atores específicos, defende. Divulgação Munich RE REVISTA DE SEGUROS 23

11 BANCO MUNDIAL IFC transfere expertise ao mercado brasileiro Por TATIANA MAIA Braço financeiro do Banco Mundial, a IFC ajuda a promover a inovação e a competitividade do setor seguros e de resseguros. O aumento da cobertura de seguros e da disponibilidade de resseguro são elementos fundamentais para capacitar o desenvolvimento econômico sustentável e o crescimento do setor privado. O seguro tem um papel importante na mitigação de riscos nos mercados emergentes, ajudando a proteger indivíduos e negócios contra os efeitos adversos de desastres naturais, incêndios, secas e outros eventos imprevisíveis. A abertura do mercado de resseguros no Brasil é recente, mas o cenário de monopólio do IRB já é passado distante. De acordo com dados do Terra Report, Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros, produzido pela Terra Brasis, o IRB encerrou os primeiros nove meses de 2014 com uma participação de mercado de 31%, enquanto as outras resseguradoras locais detinham 37% do mercado e as resseguradoras estrangeiras já somavam 32%. Dos 40 maiores grupos resseguradores internacionais, 36 operam no Brasil. E, neste cenário, chama a atenção a participação acionária da International Finance Corporation - IFC, braço financeiro do Banco Mundial em duas resseguradoras locais, a Austral (desde 2014) e a Terra Brasis (desde 2011), cujos dirigentes integram a diretoria da Federação Nacional das Empresas de Resseguros Fenaber. Impacto da aliança Para a Terra Brasis ainda é cedo para avaliar o impacto que uma aliança com o Banco Mundial traz para uma companhia, pois a empresa está ligada à instituição desde o início de suas operações. A parceria começou antes de a resseguradora iniciar sua operação, o que levou seu desenvolvimento a ser traçado em conjunto com o Banco Mundial - e continua sendo assim. Temos muito orgulho de ser o primeiro investimento feito pelo Banco na nossa área de atuação. Fomos também o projeto mais rapidamente aprovado por eles. Nossa cultura organizacional, postura de mercado e comportamento profissional e ético foram moldados de forma integrada com a participação deles, de nossos sócios e de colaborado- res, enfatiza o diretor-presidente da Terra Brasis, Paulo Botti. Há regras que devem ser seguidas para a manutenção da parceria com o Banco Mundial, e todas elas são encaradas pela Terra Brasis como muito positivas. São regras quanto à alocação de investimentos, pois há restrições à aceitação de negócios que podem ser considerados nocivos à sociedade ou ao meio ambiente. E há regras de sustentabilidade que devem ser seguidas, compliance e garantia de governança nos padrões do Banco Mundial. Estamos muito felizes com isto, declara Botti. Além de toda a reputação que a instituição nos traz, aporta também uma experiência mundial em seguros e resseguros que estamos absorvendo continuamente. Paulo Botti Divulgação Terra Brasis 24 REVISTA DE SEGUROS

12 Reflexo dos aportes A IFC adquiriu, em setembro de 2014, 19,5% de participação na Austral Re através de um aporte de R$ 80 milhões, que foi usado para aumentar o capital da empresa. Segundo Bruno Freire, diretor-executivo da Austral Re, como a entrada do IFC aconteceu recentemente, ainda não deu tempo para analisar o reflexo do potencial desse aporte nos resultados. De qualquer forma, 2014 foi o melhor ano da companhia, desde o início das operações, em 2011, segundo Freire. A Austral Re emitiu R$ 445 milhões em prêmios brutos no ano passado contra R$ 328 milhões em 2013, com lucro líquido de quase R$ 19 milhões e índice combinado de 97%. O retorno sobre o capital já está em 11%, o que a companhia considera um ótimo resultado. Segundo Ariane di Iorio, executiva responsável pela área de Instituições Financeiras da IFC no Brasil, o investimento da instituição no mercado de seguros e de resseguros tem por objetivo ajudar a promover a inovação e a competitividade no setor, a elevação da qualidade dos serviços e produtos, a criação de oportunidades de mercado para seus participantes, e a viabilização do desenvolvimento de setores vitais para a economia brasileira, como infraestrutura e agronegócios. A IFC, como parte de seu propósito de ajudar a promover o desenvolvimento socioeconômico e sustentável do País, tem o objetivo de ajudar a desenvolver também o mercado de seguros como um todo, criando oportunidades para seus participantes e estimulando a adoção das melhores práticas de sustentabilidade, completa Ariane. Fôlego e expertise Os executivos foram unânimes em afirmar que a parceria com o Banco Mundial é uma oportunidade especial para as empresas brasileiras ganharem fôlego financeiro e expertise. Para Paulo Botti, o fomento do mercado de resseguros brasileiro é muito importante, não só para o Brasil mas também para toda a região da América Latina. Além de toda a reputação que eles nos trazem, aportam também uma experiência mundial em seguros e resseguros que estamos absorvendo continuamente. O conhecimento que a instituição tem do mercado mundial A IFC, como parte de seu propósito de promover o desenvolvimento socioeconômico do País, cria oportunidades e estimula a adoção das melhores práticas de sustentabilidade. Ariane di Iorio Divulgação IFC A experiência do IFC, que já participa do capital de vários seguradores e resseguradores pelo mundo, traz um ganho adicional de expertise para a Austral Re. Bruno Freire e de instrumentos novos e modernos de transferência de riscos tem sido muito útil para nós, avalia. Bruno Freire segue a mesma linha de raciocínio. Para ele, a entrada do IFC como parceiro da Austral Re traz várias vantagens que devem alavancar o crescimento da empresa. O IFC, por ser uma entidade internacional, reconhecida globalmente e com rating AAA, confere mais credibilidade e reconhecimento para os parceiros internacionais. O aumento de capital também ajuda na viabilização de um crescimento sustentável e conservador. A experiência do IFC, que já participa do capital de vários seguradores e resseguradores pelo mundo, nos traz um ganho adicional de expertise, estima Freire. REVISTA DE SEGUROS 25 Divulgação Austral RE

13 artigo especial Arquivo CNseg O resseguro sob a ótica das seguradoras Por Luis Tavares Pereira Filho - Vice-presidente executivo da CNseg Passados sete anos desde a abertura, pergunta-se: aquelas promessas foram realizadas? sempre que se lamentava o atraso na abertura do mercado de resseguros, somente ocorrida a partir de 2007, dizia-se que o ambiente concorrencial proporcionaria às seguradoras todo um leque de benefícios. Assim, a disputa por clientes entre os resseguradores conduziria a preços menores, inclusive para o consumidor de seguros, contribuindo para o concomitante crescimento do mercado; haveria sensível melhora no atendimento às cedentes; e seriam introduzidas coberturas inéditas no mercado brasileiro, trazidas pelos grandes players internacionais. Passados sete anos desde a abertura, pergunta-se: aquelas promessas foram realizadas? Sob a perspectiva das seguradoras cedentes, a resposta é um vigoroso sim, mas com temperamentos. Quanto aos preços, a recente eleva- ção para 90% do índice de sinistralidade médio no setor de resseguro é um indicador, entre outros sinais, de que os preços cederam, mercê da forte concorrência, mais visível em alguns segmentos de maior competição. Também o crescimento das operações de resseguro tem correspondido às expectativas otimistas, pois de 2011 a 2014, o volume total de prêmios cresceu nada menos que 52%. O incremento deixou muito para trás o do PIB e, no ano passado, o setor de resseguros cresceu o dobro do experimentado pelo segmento de seguros (20% contra 10%). Reconheça-se que os desafios para os resseguradores ainda são de monta, destacando-se a necessidade de formação de novos quadros técnicos. Também a volatilidade de mercado é uma preocupação constante, o que pode levar a indesejá- veis flutuações nos níveis de preço. Mas o fato é que o setor se desenvolveu e se consolidou. São 16 resseguradores locais, 35 admitidos e 71 eventuais, oferecendo capacidade e negócios às suas parceiras, as seguradoras cedentes. Cenário nacional O IRB, que sofreu forte perda de market share, no primeiro momento da abertura, parece ter-se firmado e afirmado como empresa competitiva no cenário nacional, com faturamento de prêmios em 2014 da ordem de R$ 3,024 bilhões, cogitando agora penetrar em novos mercados (que não falte prudência!). Por sua vez, os outros 16 resseguradores seguintes do ranking obtiveram, no País, produção de prêmios entre R$ 665 e R$ 102 milhões, configurando um mercado robusto e diversificado. 26 REVISTA DE SEGUROS

14 E, em termos de atendimento às seguradoras clientes, o que teria mudado? Bem, a primeira alteração deu-se na postura comercial. Nos tempos do monopólio, o IRB reinava absoluto, sequer dispondo de uma diretoria comercial. Claro, bastava-lhe aguardar tranquilamente as demandas do mercado e estabelecer as condições de preço e cobertura (com consulta ao mercado internacional, reconheça-se). É fato que a situação anterior teria mesmo que mudar: agora são muitos os resseguradores a cortejar as cedentes. Por isso mesmo, nesse novo mundo de ofertas e afagos, as seguradoras têm que se cercar de alguns cuidados. Nesse sentido, são vários os fatores a serem levados em consideração na escolha dos parceiros pelas cedentes. Independentemente da questão do preço há, em princípio, preferência pelos grandes resseguradores internacionais, haja vista a exigência de security constante das normas internas das seguradoras. Isso cria dificuldades para algumas pequenas resseguradoras nacionais, consideradas butiques, que ainda precisam fortalecer seus balanços para concorrer com os grandes ou buscar nichos especializados de atuação. Agora são muitos os resseguradores a cortejar as cedentes. Por isso mesmo, nesse novo mundo de ofertas e afagos, as seguradoras têm que se cercar de alguns cuidados. Razões de governança Mas a opção pela melhor security nem sempre é tranquila: sucede que a seguradora, por razões de governança, precisa examinar também a questão da diversificação dos riscos, ou seja, precisa verificar se o ressegurador com quem pretende operar tem acúmulo excessivo de responsabilidades considerando outros países onde atua. É que as seguradoras que operam fortemente em resseguro, no Brasil, têm capital de origem estrangeira (infelizmente são poucas as seguradoras de capital nacional que operam em grandes riscos), atuando em âmbito mundial. A complicar ainda mais a cessão do resseguro, tem-se o fato de o mercado internacional passar por processo de concentração, podendo ocorrer que o ressegurador escolhido hoje possa deixar de existir amanhã. Outro cuidado que a seguradora precisa tomar diz respeito às cláusulas contratuais, especialmente àquela que trata da regulação de sinistros. Se a seguradora deixar de optar pela cláusula claims cooperation e contratar a claims control, pode-se ver em maus lençóis, pois o cliente final é seu, mas o ressegurador é quem decidirá o pagamento da reclamação. Aliás, não são raros os casos em que a judicialização do sinistro deve-se não a uma decisão da seguradora que tem o cliente e a própria imagem envolvidos mas a uma recusa do(s) ressegurador(es). Finalmente, quanto às inovações: as esperadas novas coberturas não vieram, a menos de poucas exceções. Ocorrem, inclusive, casos em que a inovação decorre da iniciativa da seguradora em buscar cobertura para uma determinada necessidade de proteção de um segurado seu. E muitas vezes acabam atendidas, o que demonstra as potencialidades de uma política de trazer inovações para o mercado segurador brasileiro. Em suma, sob a ótica das seguradoras, um longo caminho já foi percorrido em termos de preços, opções de parcerias e nível de atendimento. Não se chegou ainda ao ponto de obter o esperado avanço qualitativo na prestação de certos serviços, o que obriga as seguradoras a cuidados, notadamente na elaboração dos termos dos contratos que vão reger suas relações com os resseguradores. Adicionalmente, a ausência de resseguro para determinados ramos, como o seguro saúde, está a indicar um significativo potencial de crescimento do setor, com a introdução de novas e específicas modalidades de cobertura. REVISTA DE SEGUROS 27

15 Internacionalização América Latina ainda é foco da internacionalização Por ANGÉLICA MARTINS Resseguradoras brasileiras fazem registro em países vizinhos em busca de presença global. Países vizinhos O IRB deu início à internacionalização pela Argentina, onde tem negócios há quatro anos, mas também está presente em outros países, como a Espaas resseguradoras brasileiras estão expandindo ainda mais os negócios em outros países da América Latina. Além da proximidade geográfica, a forma de empreender dos países vizinhos, parecida com a dos brasileiros, atrai a procura por registros em locais como Argentina, Colômbia e Chile. Após o pioneirismo do IRB na internacionalização por países vizinhos, resseguradoras de grupos como BTG Pactual e JMalucelli também buscam seus espaços. Um dos principais motivos pela procura de registro em outros países latino-americanos é experiência oferecida. De acordo com Leonardo Paixão, presidente do IRB, os países vizinhos são vistos como uma escola que prepara as resseguradoras para uma internacionalizaçao global. A proximidade geográfica, a língua e culturas semelhantes são vantagens numa primeira etapa. Quem passa por esse desafio está pronto para outros continentes, explica. nha. Desde então, o faturamento da resseguradora cresceu 500%. O IRB é a resseguradora com maior número de negócios na América Latina, representando 14% do seu faturamento. Pela legislação, as empresas podem fazer contratos nos países vizinhos e declarar os ganhos no balanço da operação brasileira. Paixão conta, ainda, que há projeto de registrar a resseguradora no México e na Colômbia neste ano. Mas, assim como em outros negócios, é necessário tomar cuidado. Os riscos políticos e econômicos de alguns países da América Latina se tornam uma preocupação a mais para quem planeja investimentos na região. Na Argentina, por exemplo, além dos conflitos políticos enfrentados no último ano, a estimativa para o crescimento econômico desaponta. A agência de classificação de risco Moody s espera uma retração de 1% no Produto Interno Bruto - PIB do País, além de uma inflação de 30%. Mesmo assim, Paixão garante que os pontos positivos superam os negativos. Eu diria que os desafios a serem enfrentados são os mesmos em qualquer Divulgação IRB A proximidade geográfica, a língua e culturas semelhantes são vantagens numa primeira etapa. Quem passa por esse desafio está pronto para outros continentes. Leonardo Paixão 28 REVISTA DE SEGUROS

16 Divulgação BTG A América Latina será um foco importante para a BTG neste ano. São países com avanço em infraestrutura, assim como o México, que também almejamos. André Gregori negócio. Com cautela é possível diminuir as preocupações, avalia o executivo. Grau de investimento Além do IRB, a BTG Pactual já entrou com pedido de registro da resseguradora na Colômbia, Chile e Peru. André Gregori, CEO da BTG Seguros, explica que a companhia estava aguardando a divulgação do rating para a entrada dos processos. De acordo com a última avaliação da Fitch, a BTG possui nota BBB-. Em alguns países, como o Chile, o órgão regulador exige que as resseguradoras tenham classificação grau de investimento de agências globais. O rating é importante, pois a resseguradora tem risco de crédito para a seguradora. Em grandes apólices, a seguradora mitiga o risco assumido transferindo parte dele para uma resseguradora. No caso de acionamento do seguro, cada uma paga a parte que lhe corresponde na indenização. Se a resseguradora quebrar ou não tiver condições de pagar sua parte, quem arca com o prejuízo é a seguradora. A América Latina será um foco importante para a BTG neste ano. São países com avanço em infraestrutura, assim como México, que também almejamos, explica Gregori. Para os próximos cinco anos, o governo mexicano prevê um investimento em infraestrutura, de iniciativa pública e privada, com ordem de US$ 590 bilhões. Mesmo assim, Gregori considera que ainda é cedo para falar sobre números. Não temos uma meta de quanto os negócios em países latino-americanos vão impactar no nosso rendimento, justifica. Emissão de apólices A JMalucelli, por sua vez, adquiriu o controle da seguradora colombiana Cardinal, especializada em Seguro Garantia e de Responsabilidade Civil. O diretor técnico Eduardo O. Nóbrega explica que a resseguradora também auxilia seus clientes que desejam seguro fora do País. Isso significa que quando um cliente procura a companhia para apresentar alguma garantia em um país latino-americano ou nos Estados Unidos, somos capazes de auxiliá-los até a emissão da apólice. A resseguradora mantém relacionamento há mais de 20 anos com a maioria das seguradoras latino- -americanas por meio da Associação Panamericana das Seguradoras de Garantia. Para Nóbrega, este intercâmbio permite conhecer em profundidade a legislação de seguros de cada um destes países. Dessa forma, tanto o conhecimento que temos da legislação quanto a proximidade com os executivos destas companhias nos trazem o conforto necessário para fazer negócios nestes países. Entretanto, a internacionalização da Austral Re não segue esses padrões. O diretor executivo da resseguradora, Bruno Freire, explica que a empresa não vê a Amércia Latina como uma escola. Apostamos de cara em alguns países europeus, já que a diversificação de experiência pode ser feita em outros continentes. Mas estamos abertos a oportunidades na América Latina, acrescenta. Para Freire, o maior desafio na internacionalização é se tornar conhecido. Por isso, há três anos, a Austral começou a atuar em países onde o grupo já tinha negócios. Cada país novo traz um desafio muito grande. É necessário ter cautela e foi por isso que decidimos trilhar esse caminho, conclui. REVISTA DE SEGUROS 29

17 Mercado aberto Abertura Um longo caminho ainda a percorrer Por FRANCISCO NOEL Jovem em comparação às décadas de monopólio, o mercado livre tem ainda muito a evoluir em apoio ao fortalecimento da proteção contra riscos. Em 15 de janeiro de 2007, a sanção presidencial da Lei Complementar 126, aprovada pelo Congresso Nacional ao fim de quase dois anos de debate, inaugurou uma nova era para o mercado de resseguro no País. A atividade tornou- -se aberta a companhias privadas nacionais e estrangeiras credenciadas pela Susep uma regra generalizada em todo o mundo, da qual o Brasil deixava finalmente de ser exceção. De lá para cá, o volume de prêmios cedidos ao resseguro saltou de R$ 2,9 bilhões para o patamar dos R$ 8 bilhões. O aumento, de 175%, guarda relação com o crescimento percentual do bolo cedido em relação ao prêmio total do seguro proporção que chegou à faixa dos 9%, em linha com os níveis internacionais. Mercado obrigatório para os players globais do setor, o País conta atualmente com resseguradores locais, admitidos, além de eventuais e de corretoras de resseguro. Evolução em marcha Jovem em comparação com os 68 anos de monopólio do Estado, o mercado livre do resseguro no Brasil tem ainda muito a evoluir em apoio ao fortalecimento da proteção contra riscos. A constatação é compartilhada por profissionais dos vários segmentos resseguradoras, seguradoras, corretoras, clientes e formadores de profissionais especializados. Diferenças de ponto de vista à parte, é unânime a opinião de que há muito a fazer para desenvolver ainda mais o resseguro entre os brasileiros. O foco de sugestões e expectativas de aprimoramento da dinâmica do mercado está o marco regulatório do resseguro. Constituído pela lei de 2007 e por várias resoluções do CNSP, o marco vem assegurando o incremento e a sustentabilidade da atividade resseguradora, mas alguns de seus requisitos são objeto de proposições nem sempre consensuais entre os agentes do mercado. Interesses nacionais Um ponto de divergências continua sendo, três anos depois de ganhar força de lei, a obrigatoriedade da colocação de 40% das cessões de resseguro em companhias atuantes no País. Imposta pela Resolução CNSP 225, de 2011, a medida é vista por parte do mercado como fundamental para a consolidação da abertura do setor, por proteger os interesses nacionais na atividade. Outra parte discorda e ainda se ressente da normativa do CNSP, considerada restritiva às práticas do resseguro num mundo de finanças globalizadas. Aos olhos de empresas com riscos cobertos pelo resseguro e de corretoras, a confiança no amadurecimento do mercado é acompanhada pela expectativa da diversificação da oferta de produtos. Ao mesmo tempo, para fazer frente à esperada expansão do resseguro, o Brasil precisa formar profissionais, pois a oferta de empregos qualificados superou a demanda defasagem que a Escola Nacional de Seguros ENS busca sanar oferecendo MBA para executivos em seguros e resseguro. Aos olhos de empresas com riscos cobertos pelo resseguro, a confiança no amadurecimento do mercado é acompanhada pela expectativa da diversificação da oferta de produtos. 30 REVISTA DE SEGUROS

18 Arquivo CNseg Retrospectiva Após a resistência à abertura, a expansão Por FRANCISCO NOEL O IRB era obrigado a aceitar pesadas cargas de risco. Mas, no ambiente competitivo, passou a exercer o direito de rejeitar os mais graves.?????? Aconteceu o que se esperava: o mercado se expandiu sob o ponto de vista técnico e operacional, com a liberdade alcançada pelos participantes do processo. Peón de Sá s primeiros passos para a abertura O do mercado de resseguro, consumada em 2007, foram dados 15 anos antes. Em 1992, a liberalização do setor de seguros era tema da Carta de Brasília, da Fenaseg, acolhida pelo governo federal no Plano Diretor do Sistema de Seguros, Capitalização e Previdência Complementar. Obra do IRB, Susep e Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, o plano combinava matiz liberalizante com tons de moderação. O presidente do instituto na época, o atuário e especialista em resseguro José Américo Peón de Sá, recorda os motivos da discrição: estávamos preparando a abertura do IRB, mas havia muita resistência. Hoje, passados 23 anos, Peón comemora os benefícios decorrentes do fim do monopólio estatal exercido pelo IRB sobre o resseguro e a entrada de novas resseguradoras em cena, após a sanção da Lei Complementar 126, em Aconteceu o que se esperava: o mercado se expandiu sob o ponto de vista técnico e operacional, com a liberdade alcançada pelos participantes do processo, assinala. Antes mesmo da efetivação da abertura, várias resseguradoras estrangeiras já se faziam presentes no País, traba- lhando com o IRB. Oito anos após o fim do monopólio do instituto, as resseguradoras locais e admitidas são mais de 50 e a elas somam-se cerca de 70 eventuais. A exemplo de outros países, cerca de 9% dos seguros de danos no Brasil são cobertos pelo resseguro. Mercado nacional Os novos ventos da liberalização sopraram a favor até mesmo do IRB. O ex-presidente lembra que, no regime de monopólio, o instituto era obrigado a aceitar pesadas cargas de risco, como o de joalherias. No ambiente competitivo, o IRB passou a exercer o direito de rejeitar os riscos graves. Houve problemas no mercado, mas depois tudo isso se normalizou, diz Peón de Sá, que preside o conselho da CesceBrasil Seguros de Crédito e atua há 60 anos no mercado. A Resolução CNSP 225/2011 consolidou a abertura no resseguro. Em meio a controvérsias, a edição da medida obrigou a colocação de 40% das cessões de resseguro nas empresas locais. Seguro é poupança forçada, que não pode sair do País sem regras. Antes, havia empresas operando como meras sucursais das matrizes no exterior. Hoje, o mercado se mantém protegido até o limite razoável do interesse nacional, salienta. Para Peón de Sá, um desafio a vencer é a difusão de informações sobre resseguro. Quando há necessidade de cobrir algum risco, muitas vezes os operadores sequer sabem que existe o seguro, por exemplo, para riscos financeiros, responsabilidade civil e de natureza catastrófica campos abertos ao avanço do seguro e do resseguro no Brasil. REVISTA DE SEGUROS 31

Resseguros sem fronteiras

Resseguros sem fronteiras Resseguros sem fronteiras Ernesto Borges do Rio O dia 17 de abril já entrou para a história do setor de seguros no Brasil. Depois de 70 anos de monopólio estatal, o segmento de resseguros foi finalmente

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

22 e 23 de março de 2006 - Melia Confort Paulista, São Paulo. Com a participação de:

22 e 23 de março de 2006 - Melia Confort Paulista, São Paulo. Com a participação de: Seminário Obtenha Melhor Performance e Segurança em Seus Projetos com a Utilização do SEGURO GARANTIA 22 e 23 de março de 2006 - Melia Confort Paulista, São Paulo Reduza custos com os financiamentos bancários

Leia mais

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia JARDINE LLOYD THOMPSON JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia Seguro Garantia - Definição O Seguro Garantia é um ramo de seguro destinado a garantir o cumprimento de uma obrigação contratual, seja ele de

Leia mais

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA RESPONDENTES 1065 executivos (as) PERÍODO De 02 a 17 (Novembro de 2009) CEOs Diretores UNs Diretores Funcionais QUESTIONÁRIO

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Cresce procura por gestores de risco Em tempos de crise, os gestores de risco estão sendo garimpados pelas empresas como pedras raras. Segundo a consultoria Michael

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2009 Sumário 1) Situação Atual 2) Mercado Segurador em 2015?? (1ª Pesquisa Dezembro/2008) 3) Mercado Segurador

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 14. Edição. Dezembro 2014. Índice:

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 14. Edição. Dezembro 2014. Índice: Edição número 14 Dezembro 2014 Data de publicação: 30 de Março de 2015 Índice: Terra Report... 1 Introdução... 2 Mercado Brasileiro de Seguros Gerais... 3 Mercado Brasileiro de Resseguros... 5 Resultado

Leia mais

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis.

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis. Iago Whately, Banco Fator: Eu tenho duas perguntas. A primeira é a respeito da sinistralidade no seguro de saúde. A sinistralidade da SulAmérica no 1T ficou bem abaixo da média do mercado segurador. Eu

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio.

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Separadas, XL e Catlin eram duas empresas fortes e inovadoras. Juntas, somos ainda mais fortes. Conteúdo Conheça a XL Catlin Pessoas

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Regime Diferenciado de Contratação RDC

Regime Diferenciado de Contratação RDC Regime Diferenciado de Contratação RDC São Paulo SINICESP - Abril de 2013 1 SUMÁRIO 1. Grupo JMalucelli e JMalucelli Seguradora 2. Seguro Garantia - Conceitos básicos O que é o seguro garantia Partes envolvidas

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

1- INTRODUÇÃO: 2- RESULTADOS SUSEP JAN A SET 2015:

1- INTRODUÇÃO: 2- RESULTADOS SUSEP JAN A SET 2015: 1- INTRODUÇÃO: A SUSEP liberou no dia 26/10/2015 os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao período de jan a setembro de 2015. Cabe ainda lembrar que esses números se referem ao banco

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

De fato a situação poderá se complicar em função da situação econômica do País.

De fato a situação poderá se complicar em função da situação econômica do País. 1- INTRODUÇÃO: A SUSEP liberou no dia 21/09/2015 os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao período de jan a julho de 2015. Cabe ainda lembrar que esses números se referem ao banco de

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Mesa Redonda Agrícola

Mesa Redonda Agrícola Mesa Redonda Agrícola Dia 14/04 das 14 às 16h Wady J. M. Cury 14 e 15 de Abril de 2015 ÍNDICE Princípios do Seguro MUTUALISMO... É um dos princípios fundamentais que constitui a base de todas as operações

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

A palavra é eficiência

A palavra é eficiência A palavra é eficiência A redução de juros está no radar da indústria global de seguros. Compensar negócios mal precificados com ganhos financeiros já não é mais possível em um cenário de taxas em queda.

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA Grupo PTV em expansão internacional - também na América do Sul PTV inaugura sua própria filial no Brasil Karlsruhe/São Paulo, 15/10/2015. Os especialistas em transportes do Grupo PTV estão expandindo ainda

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009 Aon Corporation Líder Mundial em Consultoria de Riscos, Benefícios, Seguros e Resseguros; Detentora do maior volume de prêmios emitidos do mercado mundial; 8ª empresa na categoria Diversidade Financeira

Leia mais

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN - Treinar e capacitar os profissionais que cobram e atendem inadimplentes nas escolas; - Cadastrar os inadimplentes

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

SEGUROS E RESSEGUROS

SEGUROS E RESSEGUROS SEGUROS E RESSEGUROS S EGUROS E R ESS Especialistas do setor prevêem que o mercado de seguros representará cerca de 6% do PIB até 2015 o mercado de seguros e resseguros no Brasil vem crescendo de forma

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO 2 PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR 3 4 PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO Seguros Gerais 14 Milhões de Automóveis Segurados 7 Milhões

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside O PRAZER DO RECONHECIMENTO Por Fabiane Abel Há quase três décadas, o Prêmio Anefac Profissional do Ano escolhe anualmente os melhores executivos das áreas de Finanças, Administração e Contabilidade, levando

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP NOVO MECANISMO PARA COBERTURA FINANCEIRA DO PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO Apresentador: Sérgio Leite Santiago Gerente Comercial do Rio de Janeiro Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP Ministério da

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 O Resseguro e a Administração Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração

Leia mais

O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas. www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010

O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas. www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010 O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010 Sumário 1) Passado: História Econômica do Setor 2) Presente: Situação Atual 3)

Leia mais

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08 1T11 Disclaimer Todas as informações financeiras aqui apresentadas são consolidadas, abrangendo as demonstrações financeiras do Banco, suas controladas, a JMalucelli Seguradora, a JMalucelli Seguradora

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas:

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas: 1- Introdução: Antes de analisar os números da modalidade Garantia é importante que conheçamos os principais conceitos que a regem, uma vez que alguns profissionais e poucas seguradoras se dedicam de fato

Leia mais