RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS"

Transcrição

1 RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS Elaborado em João Marcos Brito Martins Bacharel em Administração de Empresas e em Ciências Jurídicas, pós-graduado em Seguros pelo Instituto de Administração e Gerência (IAG), master pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio), mestre em Direito, membro da Associação Internacional de Direito de Seguro (AIDA Brasil), consultor jurídico de Villela Duplan Advocacia (RJ) nas áreas de seguro, previdência privada e capitalização. A Lei Complementar 126/07 dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações de coseguro, as contratações de seguro no exterior e as operações em moeda estrangeira do setor securitário. Portanto, embora tivesse por finalidade maior propiciar a quebra, na prática, do monopólio do resseguro exercido até então pelo IRB Brasil Resseguros S/A, em realidade também traça normas relativas a outras modalidades de pulverização de riscos, no mercado segurador brasileiro. Assim é que disciplina também as operações de co-seguro. Nesta modalidade de distribuição de risco, a seguradora cede parte do risco assumido em regra parte do total que não pode reter a outra companhia de seguros, operação esta que deve ser de conhecimento e autorização do segurado, na medida em que ele, o segurado, nessa modalidade de distribuição de risco, contrata, simultaneamente, com diversas seguradoras, as quais não têm solidariedade entre si. Isto é, cada uma responde por si mesma. Caso haja liquidação de qualquer uma delas, depois de ocorrido o sinistro, o segurado não receberá o percentual a ela relativo. Já a operação de retrocessão, objeto também da lei em questão, diz respeito a parte do risco a ser cedido por um

2 ressegurador a outro ressegurador ou a um segurador habilitado a reter risco em retrocessão. Isto porque o ressegurador, a exemplo do segurador neste aspecto, não pode assumir riscos ilimitadamente. Toda e qualquer entidade seguradora e resseguradora é limitada no tocante à aceitação de riscos, função direta de seu ativo líquido, representado pelo patrimônio líquido com algumas adições e subtrações, próprias do negócio em si, e geralmente decorrente de normas oriundas do órgão regulador. Relativamente à operação de resseguro, esta é, em princípio, estranha ao segurado. Ou seja, ele não toma parte no contrato de resseguro, próprio do negócio entre segurador e ressegurador. Dizemos em princípio, pois há exceção. Alguns contratos admitem, em caso de falência do segurador, ação direta do segurado contra o ressegurador. São negócios específicos, em regra, envolvendo vultosos capitais. A legislação atual criou três tipos de resseguradores: local, admitido e eventual. O ressegurador local é definido como aquela empresa sediada no País, constituída sob a forma de sociedade anônima, tendo por objeto exclusivo a realização de operações de resseguro e retrocessão. Ou seja, tal ressegurador local deverá ser uma companhia nacional operando sob a regulação e fiscalização dos mesmos órgãos que realizam tais funções junto às seguradoras. Nada mais natural, na medida em que os contratos de seguro e resseguro, a par de serem diferentes entre si, têm por fundamento técnico o mesmo tipo de operação. Assim, aplicam-se aos resseguradores locais, observadas as peculiaridades técnicas, contratuais, operacionais e de risco da atividade e as disposições do órgão regulador de seguros: I - o Decreto-Lei n 73, de 21 de novembro de 1966, e as demais leis aplicáveis às sociedades seguradoras, inclusive as que se referem à intervenção e liquidação de empresas, mandato e responsabilidade de administradores; e II - as regras estabelecidas para as sociedades seguradoras. o

3 Por conseguinte, ao início da abertura, propriamente dita, do mercado de resseguro, os resseguradores locais terão uma reserva de mercado, certamente para que a transformação de um mercado monopolizado, para um mercado aberto, se faça de forma suave. Então, observadas as normas do órgão regulador de seguros, a cedente contratará ou ofertará preferencialmente a resseguradores locais para, pelo menos, I - 60% (sessenta por cento) de sua cessão de resseguro, nos 3 (três) primeiros anos após a entrada em vigor da lei; e II - 40% (quarenta por cento) de sua cessão de resseguro, após decorridos 3 (três) anos da entrada em da lei. Como ressegurador local, a nova lei admite o IRB Brasil Resseguros S/A, automaticamente, quando determina, em seu artigo 22, literalmente: "O IRB-Brasil Resseguros S.A. fica autorizado a continuar exercendo suas atividades de resseguro e de retrocessão, sem qualquer solução de continuidade, independentemente de requerimento e autorização governamental, qualificando-se como ressegurador local. Parágrafo único. O IRB-Brasil Resseguros S.A. fornecerá ao órgão fiscalizador da atividade de seguros informações técnicas e cópia de seu acervo de dados e de quaisquer outros documentos ou registros que esse órgão fiscalizador julgue necessários para o desempenho das funções de fiscalização das operações de seguro, co-seguro, resseguro e retrocessão". Já o ressegurador admitido é definido como a organização sediada no exterior, com escritório de representação no País, que, atendendo às exigências previstas na lei complementar e nas normas aplicáveis à atividade de resseguro e retrocessão, tenha sido cadastrada como tal no órgão fiscalizador de seguros para realizar operações de resseguro e retrocessão. Portanto, para este tipo de ressegurador não há exigência na forma da composição societária, bastando que tenha escritório de representação no país. No que concerne ao terceiro tipo, o assim denominado ressegurador eventual é definido como empresa resseguradora

4 estrangeira sediada no exterior, sem escritório de representação no País, que, atendendo às exigências previstas na lei complementar e nas normas aplicáveis à atividade de resseguro e retrocessão, tenha sido cadastrada como tal no órgão fiscalizador de seguros para realizar operações de resseguro e retrocessão. Importa ressaltar a exigência para a efetivação de cadastro desse tipo de ressegurador em nosso país. A lei proíbe o cadastro de empresas estrangeiras sediadas em paraísos fiscais, assim considerados países ou dependências que não tributam a renda ou que a tributam a alíquota inferior a 20% (vinte por cento) ou, ainda, cuja legislação interna oponha sigilo relativo à composição societária de pessoas jurídicas ou à sua titularidade. Isto porque, convém esclarecer, as atividades de seguros, resseguros e retrocessão, infelizmente, são bastante visadas por pessoas que delas se aproveitam com a finalidade de lavagem de dinheiro, o que se dá em nível internacional e também no mercado interno. Demais disso, tanto o ressegurador admitido, quanto o eventual, deverá atender aos seguintes requisitos mínimos: I - estar constituído, segundo as leis de seu país de origem, para subscrever resseguros locais e internacionais nos ramos em que pretenda operar no Brasil e que tenha dado início a tais operações no país de origem, há mais de 5 (cinco) anos; II - dispor de capacidade econômica e financeira não inferior à mínima estabelecida pelo órgão regulador de seguros brasileiro; III - ser portador de avaliação de solvência por agência classificadora reconhecida pelo órgão fiscalizador de seguros brasileiro, com classificação igual ou superior ao mínimo estabelecido pelo órgão regulador de seguros brasileiro; IV - designar procurador, domiciliado no Brasil, com amplos poderes administrativos e judiciais, inclusive para receber citações, para quem serão enviadas todas as notificações; e

5 V - outros requisitos que venham a ser fixados pelo órgão regulador de seguros brasileiro. Constituem-se ainda requisitos para os resseguradores admitidos: I - manutenção de conta em moeda estrangeira vinculada ao órgão fiscalizador de seguros brasileiro, na forma e montante definido pelo órgão regulador de seguros brasileiro para garantia de suas operações no País; II - apresentação periódica de demonstrações financeiras, na forma definida pelo órgão regulador de seguros brasileiro. Por essas breves considerações acerca dos novos resseguradores a entrarem em operação, pode-se notar que a passagem de um mercado monopolizado para um mercado aberto se dará de forma conveniente, a julgar pelos cuidados tomados pelo legislador a respeito. No mais, o futuro dirá.

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Resseguro: os novos resseguradores legais João Marcos Brito Martins* A Lei Complementar 126/07 dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 Mensagem de veto Dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações de co-seguro,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 DOU DE 16/1/2007

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 DOU DE 16/1/2007 LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 DOU DE 16/1/2007 Dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações de co-seguro, as contratações de seguro no exterior

Leia mais

I - cedente: a sociedade seguradora que contrata operação de resseguro ou o ressegurador que contrata operação de retrocessão;

I - cedente: a sociedade seguradora que contrata operação de resseguro ou o ressegurador que contrata operação de retrocessão; Resolução Susep nº 168 de 17/12/07 DOU de 19/12/07 Obs.: Ret. DOU de 10/01/08 Dispõe sobre a atividade de resseguro, retrocessão e sua intermediação e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Reunião IBRADEMP. O Resseguro no Brasil. Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008

Reunião IBRADEMP. O Resseguro no Brasil. Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008 Reunião IBRADEMP O Resseguro no Brasil Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008 CONCEITO DE RESSEGURO DEFINIÇÕES Ernst Hosp... is balancing fluctuating results ;... balancing results

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR CAPÍTULO I DO OBJETO

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR CAPÍTULO I DO OBJETO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre a política de resseguro, cosseguro, retrocessão e sua intermediação, de seguro no exterior e as operações em moeda estrangeira do setor securitário, e dá outras

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro ANDRÉ ALARCON Sócio da Área de Seguros e Resseguros BÁRBARA BASSANI Advogada da área de Seguros e Resseguros Desde o advento da Lei Complementar

Leia mais

O Mercado de Resseguros no Brasil. San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL

O Mercado de Resseguros no Brasil. San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL O Mercado de Resseguros no Brasil San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL Sumário Tema Breve Histórico do Resseguro no Brasil Marcos Importantes Legislação Modalidades de Resseguradores LC nº 126/2007 Restrições

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010. Dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital adicional baseado no risco de crédito das sociedades

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre o plano de regularização de

Leia mais

MINISTERIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N.º 330, DE 2015.

MINISTERIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N.º 330, DE 2015. MINISTERIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N.º 330, DE 2015. Dispõe sobre os requisitos e procedimentos para constituição, autorização para funcionamento, cadastro, alterações

Leia mais

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI Nº 4.594, DE 29 DEZEMBRO DE 1964 (DOU 05.01.1965) Regula a Profissão de Corretor de Seguros. Nota: Ver Resolução SUSEP nº 81, de

Leia mais

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR .MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 65, DE 16 DE ABRIL DE 2001 (*) Dispõe sobre as sociedades seguradoras especializadas em saúde. A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

Cartilha explicativa do programa FipSusep

Cartilha explicativa do programa FipSusep Cartilha explicativa do programa FipSusep para as empresas resseguradoras, corretoras de resseguros e autorreguladoras JANEIRO - 2015 Esta cartilha tem por objetivo facilitar o preenchimento dos dados

Leia mais

Regulamento Top Seguro Digital Lojas Dadalto. 1. Cessão: Essa promoção comercial envolve apenas a cessão de participação nos sorteios.

Regulamento Top Seguro Digital Lojas Dadalto. 1. Cessão: Essa promoção comercial envolve apenas a cessão de participação nos sorteios. Regulamento Top Seguro Digital Lojas Dadalto 1. Cessão: Essa promoção comercial envolve apenas a cessão de participação nos sorteios. 2. Promotora: A Royal & Sunalliance Seguros (Brasil)S.A, é titular

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964 Regula a profissão de Corretor de Seguros. CAPÍTULO I Do Corretor de Seguros e da sua Habilitação Profissional Art. 1º O corretor de seguros, seja pessoa física ou jurídica, é o intermediário legalmente

Leia mais

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 259, DE 2010 (Complementar)

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 259, DE 2010 (Complementar) SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 259, DE 2010 (Complementar) Altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação,

Leia mais

PLANO DE CONTAS PADRÃO ANS

PLANO DE CONTAS PADRÃO ANS MICROFLEX Informática Folha 1 1 ATIVO 1.2 ATIVO CIRCULANTE 1.2.1 DISPONÍVEL 1.2.1.1 CAIXA 1.2.1.1.1 Caixa 1.2.1.1.1.9.1.0.0 Caixa 1.2.1.2 VALORES EM TRÂNSITO 1.2.1.2.1 Valores em Trânsito 1.2.1.2.1.9.1.0.0

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FIDC

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FIDC I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG EM DIREITOS CREDITÓRIOS FIDC Evaristo Dumont de Lucena Pereira epereira@machadomeyer.com.br Patrocinadores: 2 QUE BICHO É ESSE?????

Leia mais

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO 1 Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil 1º de abril de 2014 Roteiro 2 Alterações na Norma Contábil Principais justificativas para as alterações na norma contábil Alterações promovidas

Leia mais

AS NOVAS REGRAS DE REGISTRO DE EMISSORES DE VALORES MOBILIÁRIOS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

AS NOVAS REGRAS DE REGISTRO DE EMISSORES DE VALORES MOBILIÁRIOS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber Sócio Fundador de Walter Stuber Consultoria Jurídica, atuando como advogado especializado em direito empresarial, societário, financeiro

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Pelo presente Contrato de Distribuição de Cotas, doravante designado simplesmente Contrato, as PARTES (doravante assim designadas em conjunto, e, quando individualmente, como PARTE): a) FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

Aula 05. Prof. Dr. Iran Siqueira Lima Prof. Dr. Renê Coppe Pimentel. Combate e Prevenção ao Crime de Lavagem de Dinheiro

Aula 05. Prof. Dr. Iran Siqueira Lima Prof. Dr. Renê Coppe Pimentel. Combate e Prevenção ao Crime de Lavagem de Dinheiro Aula 05 Combate e Prevenção ao Crime de Lavagem de Dinheiro Prof. Dr. Iran Siqueira Lima Prof. Dr. Renê Coppe Pimentel Introdução 1. Métodos de Lavagem de Dinheiro 2. Operações características de Lavagem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal;

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal; RESOLUÇÃO Nº 2828 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de agências de fomento. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas funções, para cumprimento das obrigações previstas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964.

LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964. LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964. Regula a profissão de corretor de seguros. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPíTULO I Do Corretor

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 D.O.U.: 30.07.2013 (Estabelece normas gerais de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 Dispõe sobre procedimentos operacionais para emissão de seguro em moeda estrangeira e para contratação de seguro no exterior, e dá outras

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História)

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História) 3 Resseguro 3.1. Introdução (História) De acordo com a Enciclopédia Virtual Wikipedia 4, o primeiro contrato de resseguro é datado de 12 de julho de 1370 em Gênova na forma de compra e venda condicional

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NO MERCADO A TERMO

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NO MERCADO A TERMO São partes neste instrumento: I CORRETORA: CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NO MERCADO A TERMO ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A., com sede no Município de São Paulo, Estado de São

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.212. II - de 2 (dois) a 4 (quatro) anos: PLE = 0,24(APR) + 0,015 (SW); IV - a partir de 6 (seis) anos: PLE = 0,08 (APR) + 0,015 (SW).

RESOLUÇÃO Nº 2.212. II - de 2 (dois) a 4 (quatro) anos: PLE = 0,24(APR) + 0,015 (SW); IV - a partir de 6 (seis) anos: PLE = 0,08 (APR) + 0,015 (SW). RESOLUÇÃO Nº 2.212 Altera dispositivos das Resoluções nºs 2.099, de 17.08.94, e 2.122, de 30.11.94. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE ADMINISTRAÇÃO DE CONTAS DE CUSTÓDIA DE TÍTULOS ADQUIRIDOS E VENDIDOS NO TESOURO DIRETO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE ADMINISTRAÇÃO DE CONTAS DE CUSTÓDIA DE TÍTULOS ADQUIRIDOS E VENDIDOS NO TESOURO DIRETO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE ADMINISTRAÇÃO DE CONTAS DE CUSTÓDIA DE TÍTULOS ADQUIRIDOS E VENDIDOS NO TESOURO DIRETO São partes neste instrumento: I CORRETORA: ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Grupo Ramo 0982 Início de vigência às 24 h do dia Nº da Apólice CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Nº do Certificado Individual Fim de vigência às 24 h do dia Data da Emissão

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ITALVA Diretoria Executiva

ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ITALVA Diretoria Executiva EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ADMINISTRADORES DE ATIVOS EDITAL N 001/2015 O Fundo de Previdência do Município de Italva - FPMI, sediado na Rua Aracy Vilarinho, n 154, centro, Italva/RJ,

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

CIRCULAR N 2694. I - Cópia do Regulamento do Fundo; II - Cópia do registro, na CVM, de distribuição de quotas.

CIRCULAR N 2694. I - Cópia do Regulamento do Fundo; II - Cópia do registro, na CVM, de distribuição de quotas. CIRCULAR N 2694 Estabelece condições para registro de capitais estrangeiros aplicados em Fundos de Investimento Imobiliário, constituídos ao amparo da Instrução CVM nº 205, de 14.01.94, e regulamentação

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. Estabelece regras para a Nota Técnica Atuarial de Carteira que deverá ser encaminhada com o Plano

Leia mais

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL Fulano de Tal, brasileiro, casado, advogado, inscrito na OAB/PR sob o nº 00.000, residente e domiciliado na Av....

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS FGC ANEXO II Á RESOLUÇÃO nº 4.222 DE 23.05.2013

REGULAMENTO DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS FGC ANEXO II Á RESOLUÇÃO nº 4.222 DE 23.05.2013 REGULAMENTO DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS FGC ANEXO II Á RESOLUÇÃO nº 4.222 DE 23.05.2013 CAPÍTULO I Da Garantia Ordinária Art. 1.º São beneficiários da garantia ordinária prestada pelo Fundo Garantidor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES)

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) Da caracterização, dos fins e dos objetivos Art. 1º. Este Regimento regulamenta a estrutura,

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II 2014 Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II Nota Técnica 14 Nota Técnica nº 14 Operações de Recebíveis de Royalties de

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE

ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA CASA CIVIL Nº 03/2013 ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE Modelo de Garantia de Proposta - Seguro-Garantia (Termos e Condições Mínimas) 1. Tomador:

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: Nº 03.558.096/0001-04 PU 12 MESES - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA NOVEMBRO/2008 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO Constituição de subsidiárias integrais ou controladas para o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal...4 Aquisição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA Introdução A sociedade decorre de um contrato entre pessoas que contribuem com bens e serviços para o exercício de determinada atividade visando a partilha de resultados. A Sociedade

Leia mais

PATRIMÔNIO LÍQUIDO DAS SEGURADORAS BRASILEIRAS UMA EVOLUÇÃO MARCANTE. Em dezembro de 2006, através da Resolução CNSP 158, com vigência a partir de

PATRIMÔNIO LÍQUIDO DAS SEGURADORAS BRASILEIRAS UMA EVOLUÇÃO MARCANTE. Em dezembro de 2006, através da Resolução CNSP 158, com vigência a partir de PATRIMÔNIO LÍQUIDO DAS SEGURADORAS BRASILEIRAS UMA EVOLUÇÃO MARCANTE Em dezembro de 2006, através da Resolução CNSP 158, com vigência a partir de 1º de janeiro de 2008, foram instituídas as regras sobre

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE I Informações Iniciais... 4 II Glossário... 4 III Objetivo... 5 IV Natureza do Título... 5 V Vigência... 5 VI Pagamento... 5 VII Carência...

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CADASTRO NACIONAL DE AUDITORES INDEPENDENTES (CNAI) DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC) Edital CFC/CAE 08/2006 SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO Este caderno contém as

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. Pelo presente instrumento particular, (A) TOTVS S.A., sociedade por ações de capital aberto, com sede na Cidade de São

Leia mais

ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL

ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL p. 1 / 13 ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta:

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta: DECRETO-LEI Nº 9.295/46 Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guardalivros e dá outras providências. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CADASTRO NACIONAL DE AUDITORES INDEPENDENTES (CNAI) do conselho federal de contabilidade (CFC) Edital CFC/CAE 1/2012 SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO Este caderno contém as questões

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais