Gestão e preservação de documentos digitais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão e preservação de documentos digitais"

Transcrição

1 Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004

2 Contexto Internacional

3 Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros estudos e projetos de pesquisa sobre a produção e preservação dos documentos digitais. Conselho Internacional de Arquivos Comitê de Documentos Eletrônicos Projeto da Universidade de Pittsburgh EUA 1993/96 DLM-Forum União Européia 1996 Projeto da Universidade de British Columbia Canadá 1994/97 InterPares projeto internacional - sediado na Universidade de British Columbia 1999/2001 3

4 Essas pesquisas têm tratado de questões trazidas pelo uso crescente dos documentos digitais, tais como: Definição do documento arquivístico digital Preservação de documentos digitais Gestão dos documentos Metadados Acesso e uso Custódia 4

5 Definição / Identificação do documento digital Como é uma entidade lógica, há dificuldade em se identificar entre os registros digitais aqueles que são documentos de arquivo. Preservação Nos documentos digitais a preservação não se resume ao armazenamento em condições ideais; é necessária a transferência periódica para outros suportes a fim de garantir o acesso contínuo (refreshing) ou conversão para outros formatos e sistemas computacionais (migração). 5

6 Metadados (dados sobre os dados) Os metadados são imprescindíveis para assegurar autenticidade, compreensão e uso dos documentos digitais; descrevem como a informação foi registrada (hardware, software, formato, linguagem, estrutura de dados) e identificam o documento (autor, data(s), assunto, hora de transmissão, código de classificação, etc.). Acesso e uso Nos documentos digitais, o conteúdo não está acessível à compreensão humana diretamente. Os símbolos precisam ser decodificados por software específico para se tornarem legíveis, ou seja, depende de uma máquina e um programa complexo. 6

7 Gestão A manutenção dos documentos digitais é mais dependente de um bom sistema de gestão arquivística de documentos., As iniciativas internacionais tem mostrado que os arquivistas tem que estar presentes no processo de gestão desde a fase de concepção do projeto dos sistemas de gerenciamento de documentos digitais. 7

8 Resultados: Normas ISO: OAIS (Open Archival Information System) ISO Gestão de documentos ISO União Européia MoReq (Modelo de Requisitos Funcionais) Reino Unido Requisitos funcionais e metadados do PRO (Public Record Office) Estados Unidos Programa ERA do NARA (National Archives and Records Administration) Padrão DoD (Departamento de Defesa) Austrália Dirks: diretrizes de gestão e metadados 8

9 Contexto Nacional

10 Lei de 8 de janeiro de 1991 Art. 2º - Consideram-se arquivos, para os fins desta Lei, os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por órgãos públicos, instituições de caráter público e entidades privadas, em decorrência do exercício de atividades específicas, bem como por pessoa física, qualquer que seja o suporte da informação ou a natureza dos documentos. 10

11 A partir da década de 90, no Brasil, cresce a produção de documentos digitais: planilhas eletrônicas, sistemas de workflow, GED, bases de dados, etc. Daí a necessidade de se instalar na comunidade arquivística brasileira a discussão a respeito dos documentos digitais : Participação ativa dos arquivistas na gestão dos documentos Definição de estratégias de preservação 11

12 Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE) do Conselho Nacional de Arquivos (Conarq)

13 Arquivo Nacional Missão: gestão, tratamento técnico, preservação e divulgação do patrimônio documental do Poder Executivo Federal. Objetivo: garantir o acesso à informação para subsidiar as decisões governamentais, o cidadão na defesa de seus direitos e a produção do conhecimento científico e cultural. 13

14 Conselho Nacional de Arquivos - Conarq órgão colegiado, vinculado ao Arquivo Nacional da Casa Civil da Presidência da República. Missão: definir a política nacional de arquivos públicos e privados, como órgão central de um Sistema Nacional de Arquivos; exercer orientação normativa visando à gestão documental e à proteção especial aos documentos de arquivo. 14

15 Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Histórico Portaria nº 8 do Conarq, de 23/8/1995 criação da CTDE Portaria nº 60 do Conarq, de 7/3/2002 reformulação da CTDE 15

16 Composição da CTDE Representantes de vários setores do governo e da sociedade civil: Casa Civil /PR Ministério do Planejamento Marinha Câmara dos Deputados Arquivo Nacional Biblioteca Nacional Museu do Índio /FUNAI CNEN PUC-RJ Unicamp Pesquisadores Composição multidisciplinar: Arquivologia Biblioteconomia Ciência da Informação Tecnologia da Informação Direito Administração 16

17 Objetivo da CTDE: Sugerir normas, procedimentos técnicos e instrumentos legais, para a gestão arquivística e a preservação dos documentos digitais das instituições públicas e privadas. 17

18 Conceitos básicos O documento arquivístico é informação registrada, independente da forma ou do suporte, produzida ou recebida no decorrer das atividades de uma instituição ou pessoa, dotada de organicidade, que possui elementos constitutivos suficientes para servir de prova dessas atividades. O documento arquivístico digital é um documento arquivístico, em formato digital, produzido, processado e armazenado por um computador. Estas definições constam das FAQs na página da CTDE 18

19 Documentos digitais - Vantagens Economia de espaço físico; Ganho de produtividade; Otimização dos fluxos de trabalho; Facilidade de acesso aos estoques de informação; facilidade de geração e distribuição de dados e informações digitais. 19

20 Documentos digitais - Problemas Fragilidade intrínseca do armazenamento digital degradação física do suporte. Rápida obsolescência da tecnologia digital: hardware, software e formatos; Dificuldade em garantir a integridade dos documentos fácil acesso; Complexidade e custos da preservação digital; Dependência social da informação digital: dependência do documento digital como fonte de prova das funções e atividades de indivíduos, instituições e governos. 20

21 Os documentos processados por um computador podem ser manipulados sem deixar qualquer vestígio, sendo instáveis e extremamente vulneráveis à intervenção humana e à obsolescência tecnológica O documento de arquivo em ambiente tradicional se caracteriza primordialmente pela sua estabilidade (permanência e durabilidade). A autenticidade do documento arquivístico está ligada à sua estabilidade. 21

22 O principal desafio Necessidade de produzir, manter e preservar documentos digitais fidedignos, autênticos e acessíveis. Como fazer? Gestão Arquivística de Documentos Preservação digital 22

23 Gestão arquivística de Documentos Definição: Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento dos documentos em fase corrente e intermediária, visando a sua eliminação ou recolhimento para a guarda permanente. (Lei 8159 / 91) Finalidade: Assegurar que os documentos produzidos sejam os melhores testemunhos de uma atividade. Somente um sistema de gerenciamento arquivístico de documentos é capaz de garantir a produção e a manutenção de documentos eletrônicos fidedignos e autênticos 23

24 As realizações da CTDE - o que já foi feito: 1. Estudo dos resultados e conclusões dos projetos internacionais: InterPARES, Pittsburgh, MoReq, DoD, DIRKS, OAIS. 24

25 As realizações da CTDE - o que já foi feito: 2. Sítio da CTDE : Atas, Textos de gestão e preservação, Glossário, Carta para preservação Perguntas mais freqüentes, Legislação, Referências bibliográficas e sítios de interesse. 25

26 As realizações da CTDE - o que já foi feito: 3. Elaboração de glossário de termos relacionados aos documentos digitais 4. Carta para preservação do patrimônio arquivístico digital do Conarq 5. Resolução nº 20 do Conarq, de 16 de julho de gestão de documentos digitais 6. Divulgação dos trabalhos em eventos nacionais e junto ao governo 26

27 As realizações da CTDE - o que está em andamento: 6. Especificação de requisitos funcionais e metadados para sistemas eletrônicos de gestão arquivística de documentos, que atendam às especificidades da legislação e práticas arquivísticas brasileiras 7. Diretrizes para recolhimento e transferência de documentos digitais às instituições arquivísticas 27

28 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital

29 29

30 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Após um processo de ampla divulgação e discussão pública, o Anteprojeto da Carta da CTDE, foi aprovado pelo Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ - em 6 de julho de 2004, no Rio de Janeiro. 30

31 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Por que uma carta de preservação dos documentos arquivísticos digitais? Carta de preservação do patrimônio digital da UNESCO. Constata-se a existência de um patrimônio arquivístico digital em perigo de desaparecimento e de falta de confiabilidade. Instrumento oficial sobre a importância e necessidade de ações para a preservação de documentos digitais 31

32 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Definições da UNESCO: Patrimônio Digital Conjunto de materiais digitais que possuem valor suficiente para serem conservados a fim de que se possa consultar e utilizar no futuro. Preservação Digital Conjunto de ações destinadas a manter a acessibilidade dos objetos digitais a longo prazo. 32

33 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Diretrizes para tratar a questão: ações arquivísticas para a preservação incorporadas em todo o ciclo de vida dos documentos, desde a etapa de planejamento e concepção de sistemas eletrônicos para que não haja perda nem adulteração; Ações de preservação que garantam o acesso contínuo aos conteúdos e funcionalidades Necessidade de participação ativa dos arquivistas e das instituições arquivísticas no processo de gestão de documentos digitais. 33

34 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital A Carta apresenta três proposições principais 1. Elaboração de estratégias e políticas Gestão arquivística de documentos; Instrumentalização das organizações arquivísticas; Governo eletrônico; Ações cooperativas. 34

35 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital 2. Estabelecimento de normas Padrões e protocolos Requisitos funcionais Metadados de preservação Segurança da informação digital 35

36 Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital 3. Promoção do conhecimento Agenda de pesquisa científica; Ensino e Formação de recursos humanos; Disseminação do conhecimento 36

37 Resolução nº 20 do Conarq 16 de julho de 2004

38 Resolução nº 20 Dispõe sobre a inserção dos documentos digitais em programas de gestão arquivística de documentos dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos. 38

39 Resolução nº Identificação dos documentos digitais Art. 1º Os órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos deverão identificar, dentre as informações e os documentos produzidos, recebidos ou armazenados em meio digital, aqueles considerados arquivísticos para que sejam contemplados pelo programa de gestão arquivística de documentos. 2. O programa de gestão é único tanto para os documentos digitais como para os não digitais. Art. 2º - Um programa de gestão arquivística de documentos é aplicável independente da forma ou do suporte, em ambientes convencionais, digitais ou híbridos em que as informações são produzidas e armazenadas. 39

40 Resolução nº O sistema eletrônico de gestão deve prever requisitos arquivísticos, de acordo com as orientações do Conarq Art. 3º - A gestão arquivística de documentos digitais deverá prever a implantação de um sistema eletrônico de gestão arquivística de documentos, que adotará requisitos funcionais, requisitos não funcionais e metadados estabelecidos pelo Conselho Nacional de Arquivos, que visam garantir a integridade e a acessibilidade de longo prazo dos documentos arquivísticos. Requisitos funcionais Requisitos não funcionias Metadados 40

41 Resolução nº Participação dos profissionais de arquivo em todo o processo Art. 4º - Os profissionais de arquivo e as instituições arquivísticas devem participar da concepção, do projeto, da implantação e do gerenciamento dos sistemas eletrônicos de gestão de documentos, a fim de garantir o cumprimento dos requisitos e metadados previstos no artigo 3º. 41

42 Resolução nº Eliminação Art. 5º A avaliação e a destinação dos documentos arquivísticos digitais devem obedecer aos procedimentos e critérios previstos na Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991, e às Resoluções do CONARQ, nº 5, de 30 de setembro de 1996, nº 7, de 20 de maio de 1997, e nº 14, de 24 de outubro de Parágrafo único A eliminação de documentos arquivísticos submetidos a processo de digitalização só deverá ocorrer se estiver prevista na tabela de temporalidade do órgão ou entidade, aprovada pela autoridade competente na sua esfera de atuação e respeitado o disposto no art. 9º da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de

43 Requisitos Funcionais para Sistemas Eletrônicos de Gestão Arquivística de Documentos

44 Requisitos Funcionais definição É um conjunto de condições a serem cumpridas pela organização produtora de documentos, pelo sistema de gestão arquivística e pelos próprios documentos a fim de garantir a sua autenticidade ao longo do tempo, ou seja, o seu valor como fonte de prova das atividades desenvolvidas por uma dada instituição. objetivos garantir a autenticidade dos documentos tradicionais e/ou digitais; facilitar o acesso, a utilização, a legibilidade e a compreensão dos documentos digitais; garantir a preservação a longo prazo. 44

45 Requisitos Funcionais Os requisitos tratam de: Captura Código de classificação Tramitação Avaliação e destinação Recuperação da informação Segurança: física (backup) e lógica (controle de acesso) Armazenamento Preservação Metadados 45

46 Metadados Dados relativos a outros dados, isto é, dados estruturados e codificados que descrevem e permitem encontrar, gerenciar, compreender ou preservar outros dados ao longo do tempo. (I) Metadata, (F) métadonnée 46

47 Como acessar a CTDE 47

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Departamento de Arquivologia SIGAD Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Agenda Introdução Conceitos Iniciais e-arq e SIGAD Para quem? Para quê? O que são? O que não são?

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA ARQUIVO HISTÓRICO DA UFJF CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Versão do dia 14/11/07. gad.pdf Prof. Galba Ribeiro Di Mambro

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 Institui a Política de Preservação Digital da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, usando de suas

Leia mais

Curso Gestão Eletrônica de Documentos na Administração Pública: Procedimentos para Implantação e Monitoramento.

Curso Gestão Eletrônica de Documentos na Administração Pública: Procedimentos para Implantação e Monitoramento. Mostrar Todos Curso Gestão Eletrônica de Documentos na Administração Pública: Procedimentos para Implantação e Monitoramento. Imprimir Rio de Janeiro/RJ - 05/08 a 07/08/2015 Natal/RN - 16/09 a 18/09/2015

Leia mais

PADRÕES DE FORMATOS DE DOCUMENTOS DIGITAIS ADOTADOS PELO ARQUIVO PERMANENTE DO SISTEMA DE ARQUIVOS DA UNICAMP PARA PRESERVAÇÃO E ACESSO

PADRÕES DE FORMATOS DE DOCUMENTOS DIGITAIS ADOTADOS PELO ARQUIVO PERMANENTE DO SISTEMA DE ARQUIVOS DA UNICAMP PARA PRESERVAÇÃO E ACESSO PADRÕES DE FORMATOS DE DOCUMENTOS DIGITAIS ADOTADOS PELO ARQUIVO PERMANENTE DO SISTEMA DE ARQUIVOS DA UNICAMP PARA PRESERVAÇÃO E ACESSO Andressa Cristiani Piconi Humberto Celeste Innarelli Arquivo Central

Leia mais

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Vanderlei Batista dos Santos Doutor em Ciência da Informação / UnB Arquivista 1/25 Preservação: perguntas

Leia mais

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO 2 MOVIMENTO AMBIENTALISTA PRESERVAÇÃO DIGITAL OS DOCUMENTOS PROCESSADOS POR UM COMPUTADOR PODEM SER MANIPULADOS SEM DEIXAR QUALQUER VESTÍGIO, SENDO INSTÁVEIS

Leia mais

Curso de Gestão Arquivística de. Documentos Digitais. Gestão arquivística de documentos digitais

Curso de Gestão Arquivística de. Documentos Digitais. Gestão arquivística de documentos digitais Curso de Gestão Arquivística de Documentos Digitais Gestão arquivística de documentos digitais Programa 1. Introdução: Gestão de documentos Conceitos Impacto do formato digital para a gestão de documentos

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

Aplicações práticas das diretrizes InterPARES em documentos arquivísticos digitais Daniela Francescutti Martins Hott

Aplicações práticas das diretrizes InterPARES em documentos arquivísticos digitais Daniela Francescutti Martins Hott Brasília,. Aplicações práticas das diretrizes InterPARES em documentos arquivísticos digitais Daniela Francescutti Martins Hott E-mail: daniela.martins@camara.leg.br Panorama Arquivologia 2.0 nas empresas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Projeto InterPARES Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Cláudia Lacombe Rocha Audiência Pública sobre Gestão Eletrônica de Documentos desafios e perspectivas 5 de julho de 2011 - Brasília

Leia mais

EXPERIÊNCIA DO METRÔ GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPERIÊNCIA DO METRÔ GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPERIÊNCIA DO METRÔ GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS X SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO LEGISLAÇÃO - Art. 9º da Lei Federal 8.159/91 (Política

Leia mais

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Luciane Tomé da Cunha lucianetome@issx.com.br EU QUERO UM ECM O QUE O SE ESPERA

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS Prof. Antonio Victor Botão TÉCNICAS MODERNAS DE ARQUIVAMENTO Anteriormente tratamento somente de suporte papel em arquivos, os materiais especiais

Leia mais

Programa Permanente de Preservação e Acesso a Documentos Arquivísticos Digitais - ANDigital. Arquivo Nacional

Programa Permanente de Preservação e Acesso a Documentos Arquivísticos Digitais - ANDigital. Arquivo Nacional Programa Permanente de Preservação e Acesso a Documentos Arquivísticos Digitais - ANDigital Arquivo Nacional Rio de Janeiro, 2010 3 / 22 Índice Índice...3 1 Introdução...4 2 Objeto...7 3 Detalhamento do

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos?

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos? CONSIDERAÇÕES DO ARQUIVO NACIONAL, ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ACERCA DO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES SEI O Arquivo Nacional,

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Marcos Moysés da Cunha marcos.cunha@eletrobras.com (21) 2514-5695 Gestão de Documentos SharePoint GED... caminho... Gestão de Documentos

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

O caminho da Informação do Papel ao Digital

O caminho da Informação do Papel ao Digital O caminho da Informação do Papel ao Digital Programa de Tratamento Integrado de Acervos - PROPTIA Conceitos Necessários a Equipe do Projeto Informacional - PI reflexão Gestão de Acervos - Premissas do

Leia mais

Repositórios digitais para documentos arquivísticos

Repositórios digitais para documentos arquivísticos Repositórios digitais para documentos arquivísticos Fundação Casa de Rui Barbosa Memória & Informação 4 de abril de 2012 Claudia Lacombe Rocha Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Roteiro Repositório

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Renato Tarciso Barbosa de Sousa Universidade de Brasília renasou@unb.br A organização 1. Os fatos 2. O Discurso 3. As considerações

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE 18 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto Arquivos e serviços de informação: a certificação da qualidade no Brasil Maria Odila Fonseca Universidade Federal

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação 1 Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação Rosely Curi Rondinelli Jorge Phelipe Lira de Abreu Setembro de 2015 2 Orientações

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU 1 INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU Organizado por: Ana Claudia de Carvalho Cabral Lopes 2012 2 SUMÁRIO Conteúdo SUMÁRIO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 INTRODUÇÃO... 5

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

PROPOSTAS DE POLÍTICAS E DE AÇÕES PARA A GESTÃO E A PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS NA UNICAMP: RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

PROPOSTAS DE POLÍTICAS E DE AÇÕES PARA A GESTÃO E A PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS NA UNICAMP: RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PROPOSTAS DE POLÍTICAS E DE AÇÕES PARA A GESTÃO E A PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS NA UNICAMP: RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Pedro Paulo Abreu Funari (Presidente) Neire do Rossio Martins (Coordenadora

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI 2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 PORTARIA Nº 970/PRES, de 15.08.2013 de agosto de 2013 Institui a Política de Gestão Documental da Fundação Nacional do Índio Funai.

Leia mais

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições Anexo I Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1 Definições Para efeitos do presente Decreto, estabelecem-se as seguintes definições: a) Arquivo: o conjunto de

Leia mais

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 PCD 063.01 Gabinete do Reitor Projeto de Desenvolvimento das Ações da Administração Central DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 1. INTRODUÇÃO 1.1 As presentes diretrizes foram definidas

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

NORMAS E LEGISLAÇÃO NO BRASIL. Leis, medidas provisórias e decretos:

NORMAS E LEGISLAÇÃO NO BRASIL. Leis, medidas provisórias e decretos: NORMAS E LEGISLAÇÃO NO BRASIL Leis, medidas provisórias e decretos: Lei nº 5.433, de 8 de maio de 1968. Regula a microfilmagem de documentos oficiais e dá outras providências. Diário Oficial da República

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013

RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013 RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013 Cria o Arquivo Central (ACE) e o Sistema de Arquivos (SAUnB) da Fundação Universidade de Brasília, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO E REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

e-arq, SIGAD s e Repositórios

e-arq, SIGAD s e Repositórios e-arq, SIGAD s e Repositórios Requisitos para um sistema de Gestão Arquivística de Documentos: a confiabilidade e a autenticidade como garantia para a tomada de decisões, de fonte de prova, de direitos

Leia mais

Jornada de Profissionais da Informação. Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt. 2007 DGARQ/Arquivo Distrital da Guarda 28 de Novembro de 2007

Jornada de Profissionais da Informação. Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt. 2007 DGARQ/Arquivo Distrital da Guarda 28 de Novembro de 2007 1 Jornada de Profissionais da Informação Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt 2 1 Microfilmagem e A tecnologia micrográfica e digital nas organizações : Preservação da documentação Aumentar a qualidade e

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento Institucional de. Gestão Documental

Projeto de Desenvolvimento Institucional de. Gestão Documental 01 02 Projeto de Desenvolvimento Institucional de Gestão Documental O Archive é um projeto de desenvolvimento institucional de gestão documental com fornecimento de suporte de infra-estrutura tecnológica

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. PORTARIA Nº 002-EME, DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional. SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na. Administração Pública Federal

Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional. SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na. Administração Pública Federal As Boas Práticas para a Digitalização de Documentos na Administração Pública Federal Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na Administração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS Projeto OEI/BRA/09/005 Desenvolvimento da Gestão Estratégica do Ibram e dos Museus Brasileiros para o Fortalecimento Institucional na Formulação e Implantação

Leia mais

Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS. e-arq.

Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS. e-arq. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos MDEL DE REQUISITS PARA SISTEMAS INFRMATIZS DE GESTÃ ARQUIVÍSTICA DE DCUMENTS e-arq 2006 Versão 0 EQUIPE TÉCNICA DE ELABRAÇÃ D E-ARQ Equipe de redação da Câmara

Leia mais

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos do Judiciário brasileiro. MoReq-Jus Versão 1.

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos do Judiciário brasileiro. MoReq-Jus Versão 1. Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos do Judiciário brasileiro. MoReq-Jus Versão 1.0 Brasília, agosto de 2009. MoReq-Jus i Sumário 1 Introdução...8 1.1 bjetivos...10

Leia mais

18/08/2013. Autenticidade Digital PRESERVAÇÃO DIGITAL. Preservação Digital

18/08/2013. Autenticidade Digital PRESERVAÇÃO DIGITAL. Preservação Digital Autenticidade Digital PRESERVAÇÃO DIGITAL Preservação Digital 1 Introdução Urgência da sociedade contemporânea em transformar tudo para formatos digitais Textos, imagens, vídeos, música Economia de espaço

Leia mais

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia.

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia. A Empresa A GDDoc é uma empresa especializada na gestão de documentos digitais e arquivos, auxilia as empresas a administrar através da tecnologia o uso de papel, para alcançar estes objetivos fazemos

Leia mais

Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento

Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento Promoção do acesso universal Informação atualizada Facilidade de pesquisa Compartilhamento de informação Facilidade de manutenção da informação

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA GESTÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS DIGITAIS DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL Por: Flavio Monteiro da Trindade Orientadora

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMAS DE GESTÃO DE DOCUMENTOS NO ÓRGÃOS E ENTIDADES INTEGRANTES DO SIGA

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMAS DE GESTÃO DE DOCUMENTOS NO ÓRGÃOS E ENTIDADES INTEGRANTES DO SIGA V ENCONTRO TÉCNICOS DOS INTEGRANTES DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL V SEMINÁRIO A GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

Leia mais

e-arq Brasil MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos

e-arq Brasil MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos MDEL DE REQUISITS PARA SISTEMAS INFRMATIZS DE GESTÃ ARQUIVÍSTICA DE DCUMENTS e-arq Brasil 2006 dezembro Versão 1 EQUIPE TÉCNICA DE ELABRAÇÃ D E-ARQ BRASIL Equipe

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

Preservação Digital. Documento Digital. Software (lógico) Hardware (físico) Informação (suporte + bits)

Preservação Digital. Documento Digital. Software (lógico) Hardware (físico) Informação (suporte + bits) Preservação Digital Documento Digital Hardware (físico) Software (lógico) Informação (suporte + bits) 1 Preservação Digital: introdução Efeitos negativos das tecnologias modernas Degradação ambiental Perda

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários Ministério Público (Paraná). Departamento de Gestão Documental. Levantamento

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

Sistemas de Gestão de Arquivos

Sistemas de Gestão de Arquivos Sistemas de Gestão de Arquivos de acordo com o MoReq2010 Ricardo Vieira (rjcv@tecnico.ulisboa.pt) 6/14/2014 Workshop BAD - Sistemas de Gestão de Arquivos 1 De acordo com a ISO 15489 (NP4438) Terminologia

Leia mais

Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas. CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV

Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas. CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV Rádio e Televisão da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Maria

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 39, DE 29 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 39, DE 29 DE ABRIL DE 2014 Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos RESOLUÇÃO Nº 39, DE 29 DE ABRIL DE 2014 Estabelece diretrizes para a implementação de repositórios digitais confiáveis para a transferência e recolhimento de documentos

Leia mais

O caminho da Informação do Papel ao Digital

O caminho da Informação do Papel ao Digital O caminho da Informação do Papel ao Digital Programa de Tratamento Integrado de Acervos - PROPTIA Matriz de Temporalidade Documental Como Elaborar: Ficha de Análise Temporal - FAD Tipo ou Espécie Documental

Leia mais

Gestão de Informação no ambiente de Cloud Computing

Gestão de Informação no ambiente de Cloud Computing Gestão de Informação no ambiente de Cloud Computing Karine Georg Dressler Karine Georg Dressler Programa Doutoral de Informação e Comunicação em Plataformas Digitais ICPD Faculdade de Letras Universidade

Leia mais

AN Digital: programa de preservação e acesso aos documentos digitais do Arquivo Nacional do Brasil

AN Digital: programa de preservação e acesso aos documentos digitais do Arquivo Nacional do Brasil DOSSIÊ DOSIER AN Digital: programa de preservação e acesso aos documentos digitais do Arquivo Nacional do Brasil Claudia Carvalho Masset Lacombe Rocha * Resumo O Arquivo Nacional vem desenvolvendo várias

Leia mais