GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS"

Transcrição

1 GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS NORMA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA BRASILEIRA NOBRADE APLICAÇÃO DO SOFTWARE ICA-ATOM NOÇÕES DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS QUÍMICA APLICADA À CONSERVAÇÃO DE BENS CULTURAIS SEGURANÇA DE ACERVOS E PATRIMÔNIOS CULTURAIS

2 GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Disseminar conhecimentos para gestão de documentos e informação em órgãos e entidades públicas e privadas Atualizar e qualificar os profissionais para atuarem eficientemente em arquivos; Orientar nos aspectos fundamentais da gestão de documentos, com destaque para a identificação dos tipos documentais e a compreensão do seu contexto de produção Apresentar os instrumentos básicos da gestão de documentos 2

3 GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS Conteúdo Programático: M1 - Conceitos fundamentais de Arquivologia Conceituação e caracterização dos documentos de arquivo Características Gênero Espécie Tipo Natureza do assunto Qualidades dos documentos arquivísticos públicos Conceituação e caracterização dos arquivos Natureza da entidade produtora Natureza jurídica Princípios arquivísticos 3

4 GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS Conteúdo Programático (Continuação): M2 - Política Nacional de Arquivos e Legislação Arquivística Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ: papéis e funções Sistema Nacional de Arquivos (SINAR) Arquivos Públicos (federal, estadual e municipal) Legislação Arquivística Brasileira M3 - Gestão de Documentos Conceituação arquivística Programa de Gestão de documentos Objetivos Ciclo Vital dos Documentos e Teoria das Três Idades: arquivos correntes, intermediários e permanentes Fases da gestão de documentos Sistema de protocolo Análise do contexto da produção documental 4

5 GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS Conteúdo Programático (Continuação): M3 - Gestão de Documentos (continuação) Classificação e análise documental Conhecimento do fluxo documental, da frequência de consulta, dos locais e prazos de guarda Organicidade Identificação dos tipos documentais gerados pelas atividades Funções, atividades-fim e atividades-meio Classificação nos arquivos correntes Planos de classificação: importância, constituição e aplicação prática Avaliação de documentos Definição e objetivos da avaliação Ciclo de vida dos documentos Fundamentos legais da avaliação Comissão de Avaliação de Documentos (CPAD) Composição da Comissão permanente de avaliação Tabelas de temporalidade e destinação de documentos Identificação dos valores dos documentos Definição dos prazos de guarda dos documentos Procedimentos para aplicação da tabela de temporalidade Destinação de Documentos Transferência: procedimentos Recolhimento: procedimentos Eliminação: procedimentos 5

6 GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS Público Alvo: Arquivistas, diretores, gestores, profissionais que atuam em setores de arquivo de instituições pública e privada e demais profissionais interessados no assunto. Carga horária: 16 horas Número de participantes por turma: 35 Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet Material de referência para leitura e consulta em PDF 6

7 GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: Gestão de arquivos hospitalares Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ /Colaborador Objetivo da Oficina/Curso: Fornecer aos participantes do curso, conhecimentos sobre a gestão de documentos em instituições de saúde. Conteúdo Programático: História da medicina e do prontuário médico Tipos de documentos hospitalares Tabela de temporalidade dos estabelecimentos de saúde Diagnóstico documental de arquivos médicos SAME (serviço de arquivo médico estatístico) Sistema de controle de documentos médicos 7

8 GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES Conteúdo Programático (Continuação): Microfilmagem de prontuários médicos Legislação e prazo de guarda dos prontuários médicos Digitalização de prontuários Certificação digital do prontuários médicos Público Alvo: Arquivistas, gestores e profissionais que atuam em arquivos de instituições de saúde pública e privada. Carga horária: 8 horas Número de participantes por turma: 20 8

9 GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet Material de referência para leitura e consulta em PDF 9

10 INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS e-arq BRASIL DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS e-arq BRASIL Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Possibilitar o entendimento da aplicação do Modelo e-arq Brasil na gestão de documentos arquivísticos nas organizações. Conteúdo Programático: Introdução ao Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos e-arq Brasil, ao Modelo de Entidades e Relacionamentos do e-arq Brasil e as Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos. 10

11 INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS EARQ BRASIL Público Alvo: Arquivistas, diretores, gestores, profissionais que atuam em setores de arquivo e TI de instituições pública e privada e demais profissionais interessados no assunto. Carga horária: 12 horas Número de participantes por turma: 20 Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet Material de referência para leitura e consulta em PDF 11

12 REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Apresentação e aplicação em organizações da Resolução do CONARQ: Diretrizes para Implementação de Repositórios Confiáveis para Documentos Arquivísticos. 12

13 REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS Conteúdo Programático: Apresentação da Resolução do CONARQ: Diretriz para Implementação de Repositórios Confiáveis para Documentos Arquivísticos ; Utilização das ferramentas RODA (Repositório de Objetos Digitais Autênticos. Desenvolvida em Portugal) e Archivematica (promovida pelo Conselho Internacional de Arquivos ICA) para a manutenção de documentos arquivísticos em formato digital; Estratégias de Preservação Digital Público Alvo: Arquivistas, diretores, gestores, profissionais que atuam em setores de arquivo e TI de instituições pública e privada e demais profissionais interessados no assunto. Carga horária: 12 horas Número de participantes por turma: 20 13

14 REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Computador com Datashow PCs com acesso à Internet, um por aluno Não ter bloqueio de Boot - Inicialização por dispositivo externo Pendrive/DVD Ou, Ter instalado ou não ter bloqueio para a instalação dos 2 programas: - VirtualBox e UNETBootIN (para a execução da máquina virtual do Archivematica e RODA e o último para gerar.iso em Pendrive) 14

15 NORMA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA BRASILEIRA - NOBRADE DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: NORMA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA BRASILEIRA - NOBRADE Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Capacitar os participantes para a descrição de conjuntos documentais em consonância com as normas de descrição arquivísticas nacional e internacional. Conteúdo Programático: Apresentação das Normas do Conselho Internacional de Arquivos Apresentar a Norma de Descrição Arquivística Brasileira - NOBRADE 15

16 NORMA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA BRASILEIRA - NOBRADE Público Alvo: Arquivistas e profissionais que atuam em arquivos, gestores públicos, professores e estudantes de Arquivologia. Carga horária: 8 horas Número de participantes por turma: 40 Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet 16

17 APLICAÇÃO DO SOFTWARE ICA-ATOM DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: APLICAÇÃO DO SOFTWARE ICA-ATOM Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Capacitar os participantes para a descrição de conjuntos documentais com o uso do software livre ICA ATOM. Conteúdo Programático: Aplicação do Software ICA-AtoM 17

18 APLICAÇÃO DO SOFTWARE ICA-ATOM Público Alvo: Arquivistas e profissionais que atuam em arquivos, gestores públicos, professores e estudantes de Arquivologia. Carga horária: 8 horas Número de participantes por turma: 40 Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet 18

19 DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: NOÇÕES DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS Oficina: NOÇÕES DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Ensinar conceitos de conservação preventiva de documentos, além de critérios nacionais e internacionais para intervenção e procedimentos que podem ser empregados para a preservação de acervos arquivísticos. 19

20 NOÇÕES DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS Conteúdo Programático: 1 CONCEITOS PRESERVAÇÃO CONSERVAÇÃO CONSERVAÇÃO PREVENTIVA RESTAURAÇÃO 2 AGENTES DE DEGRADAÇÃO DO PAPEL Internos Externos AGENTES FÍSICOS a) Luz b) Temperatura e umidade relativa AGENTES QUÍMICOS a) Poluição ambiental b) Poeira AGENTES FÍSICOS MECÂNICOS a) Guarda inadequada b) Manuseio incorreto c) Desastres AGENTES BIOLÓGICOS a) Microorganismos: bactérias e fungos b) Insetos: traças, baratas, cupins, brocas e piolhos c) Roedores d) Homem 20

21 NOÇÕES DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS Conteúdo Programático (Continuação): 3 TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO Diagnóstico Monitoramento ambiental Vistoria Higienização Acondicionamento Reparos: fragmentos Encadernação e reencadernação Armazenamento Plano de salvamento e emergência Público Alvo: Arquivistas, profissionais que atuam em arquivos e demais interessados. Carga horária: 12 horas Número de participantes por turma: 40 Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet 21

22 QUÍMICA APLICADA À CONSERVAÇÃO DE BENS CULTURAIS DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: NOÇÕES DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Descrever a importância do conhecimento das características do papel, para melhor compreensão da sua deterioração e métodos de conservação preventiva com vistas a aumentar a durabilidade de acervo documental. 22

23 QUÍMICA APLICADA À CONSERVAÇÃO DE BENS CULTURAIS Conteúdo Programático: História do papel, métodos de fabricação de celulose e Tecnologia de fabricação do papel moderno Precursores utilizados como suporte de escrita antes da invenção do papel Metodologia de obtenção de fibras de celulose para a fabricação de papel e descrever a metodologia de fabricação do papel moderno e as características do papel permanente para ser utilizado na confecção de documentos Causas da deterioração do papel Características, químicas, físicas e biológicas da deterioração do papel e os aspectos da conservação preventiva para aumentar a durabilidade de acervos Conservação de acervo arquivístico permanente antes da sua digitalização para melhorar a imagem digital e facilitar o acesso a informação Polímeros no cinema Características químicas dos materiais poliméricos utilizados como base das películas cinematográficas, microfilmes, microfichas, acervo sonoro e de alguns plásticos empregados no acondicionamento de acervos 23

24 QUÍMICA APLICADA À CONSERVAÇÃO DE BENS CULTURAIS Público Alvo: Arquivistas, profissionais que atuam em arquivos, bibliotecário, museólogo, arquitetos, curadores, auxiliares técnicos. Carga horária: 21 horas (9h às 17h) Número de participantes por turma: 40 Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet 24

25 SEGURANÇA DE ACERVOS E PATRIMÔNIOS CULTURAIS DESCRIÇÃO DO EVENTO DE CAPACITAÇÃO: Oficina: SEGURANÇA DE ACERVOS E PATRIMÔNIOS CULTURAIS Instrutor/professor: Especialistas do CONARQ (Os instrutores se revezam em pares conforme disponibilidade) Objetivo da Oficina/Curso: Introduzir os princípios básicos que envolvem a segurança de acervos, ressaltando a importância de medidas preventivas e avaliação de riscos Conscientizar profissionais para a gestão de segurança de acervos culturais, objetivando a preservação do patrimônio; Instruir sobre questões da conservação preventiva voltada à segurança de bens culturais Incentivar estudos na área de segurança de bens culturais 25

26 SEGURANÇA DE ACERVOS E PATRIMÔNIOS CULTURAIS Conteúdo Programático: Conceituação: patrimônio, preservação, conservação, segurança, acervo e documento Introdução aos princípios básicos que envolvem a segurança de um acervo histórico, ressaltando a importância de medidas preventivas e avaliação de riscos Segurança física: Responsabilidades, proteção por perímetro, linhas de atuação, segurança do prédio Segurança das pessoas e equipe de segurança Emergências (controle de pragas, inundações, vendavais, etc.), proteção contra sinistros, roubo e vandalismo, incêndio, alarmes e CCTv, desocupação de acervos e pessoas Vídeo, aplicação de questionário de diagnóstico institucional e exercícios de fixação. Pode ser incluído aqui um exercício de diagnóstico em alguma instituição (arquivo, biblioteca e museu) 26

27 SEGURANÇA DE ACERVOS E PATRIMÔNIOS CULTURAIS Público Alvo: Arquivistas, Conservadores, restauradores, engenheiros, arquitetos, curadores museólogos, bibliotecários, dirigentes de arquivos, instituições culturais e profissionais que estejam diretamente envolvidos com a preservação de acervos culturais e demais interessados. Carga horária: 21 horas (9h às 17h) Número de participantes por turma: 30 Recursos necessários para ministrar a Oficina/Curso: Data Show Computador com acesso à internet 27

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11

LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11 LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11 1. (CESPE / TRE GO / 2009 - adaptada) A teoria das três idades é aquela que afirma que os documentos passam por diferentes fases, determinadas, por um lado, pela frequência

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 PCD 063.01 Gabinete do Reitor Projeto de Desenvolvimento das Ações da Administração Central DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 1. INTRODUÇÃO 1.1 As presentes diretrizes foram definidas

Leia mais

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal LEI Nº 1381/2015 Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Municipal de Rubineia, define as diretrizes da política municipal de arquivos públicos e privados e cria o Sistema Municipal de Arquivos SISMARQ.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA ARQUIVO HISTÓRICO DA UFJF CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Versão do dia 14/11/07. gad.pdf Prof. Galba Ribeiro Di Mambro

Leia mais

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução 94% da informação escrita pelo Homem está em papel. Principal motivo para a má qualidade do papel, foi a introdução de produtos químicos para branquear e aumentar a produção.

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO

BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO XIV ENCONTRO DE BIBLIOTECÁRIOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO Eduardo Maciel Engenheiro de Segurança do Trabalho Assessor e Consultor

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens que Julgue os itens seguintes, que versam acerca das normas nacionais se seguem. e internacionais de arquivo.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 8 5 Diretrizes... 8 6

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS 1 Divisão de Arquivo está subordinada à Coordenação de Documentação e Arquivo Atividades Arquivar e desarquivar documentos/processos; Dar orientação

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Renato Tarciso Barbosa de Sousa Universidade de Brasília renasou@unb.br A organização 1. Os fatos 2. O Discurso 3. As considerações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais

Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais Observação: este modelo foi gentilmente encaminhado ao Arquivo Público Mineiro pela equipe que trabalhou no projeto do texto legal para criação

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS Projeto OEI/BRA/09/005 Desenvolvimento da Gestão Estratégica do Ibram e dos Museus Brasileiros para o Fortalecimento Institucional na Formulação e Implantação

Leia mais

Preservação Documental

Preservação Documental Preservação Documental O acesso e a preservação são duas funções vitais dos Centros de Documentação, mas muitas vezes são antagônicas. A primeira, entendida aqui como a possibilidade de consulta, como

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos?

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos? CONSIDERAÇÕES DO ARQUIVO NACIONAL, ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ACERCA DO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES SEI O Arquivo Nacional,

Leia mais

Curso Gestão Eletrônica de Documentos na Administração Pública: Procedimentos para Implantação e Monitoramento.

Curso Gestão Eletrônica de Documentos na Administração Pública: Procedimentos para Implantação e Monitoramento. Mostrar Todos Curso Gestão Eletrônica de Documentos na Administração Pública: Procedimentos para Implantação e Monitoramento. Imprimir Rio de Janeiro/RJ - 05/08 a 07/08/2015 Natal/RN - 16/09 a 18/09/2015

Leia mais

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL Edna Maria da Silva Matte 1 ; Graziela Boreck Rosa 2 ; Josilda Rodrigues Souza 3 ; Marcia Correia de Souza 4 ; Marizete Aparecida Schulz de Souza5 Agente Universitária vinculada

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Questão 1: As atividades apresentadas a seguir fazem parte das rotinas de protocolo, EXCETO:

Questão 1: As atividades apresentadas a seguir fazem parte das rotinas de protocolo, EXCETO: Questão 1: As atividades apresentadas a seguir fazem parte das rotinas de protocolo, EXCETO: a) distribuir a correspondência particular. b) abrir a correspondência sigilosa. c) verificar a existência de

Leia mais

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Departamento de Arquivologia SIGAD Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Agenda Introdução Conceitos Iniciais e-arq e SIGAD Para quem? Para quê? O que são? O que não são?

Leia mais

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Vanderlei Batista dos Santos Doutor em Ciência da Informação / UnB Arquivista 1/25 Preservação: perguntas

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI Sonia Maria/Ronal Guedes Informações Iniciais Sobre o MCTI Criação e finalidade A unidade

Leia mais

Repositórios digitais para documentos arquivísticos

Repositórios digitais para documentos arquivísticos Repositórios digitais para documentos arquivísticos Fundação Casa de Rui Barbosa Memória & Informação 4 de abril de 2012 Claudia Lacombe Rocha Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Roteiro Repositório

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como criar um Arquivo Público Municipal Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI 2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 PORTARIA Nº 970/PRES, de 15.08.2013 de agosto de 2013 Institui a Política de Gestão Documental da Fundação Nacional do Índio Funai.

Leia mais

EXPERIÊNCIA DO METRÔ GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPERIÊNCIA DO METRÔ GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPERIÊNCIA DO METRÔ GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS X SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO LEGISLAÇÃO - Art. 9º da Lei Federal 8.159/91 (Política

Leia mais

PARECER CFM 6/15 INTERESSADOS:

PARECER CFM 6/15 INTERESSADOS: PARECER CFM nº 6/15 INTERESSADOS: Sr. Artur Augusto Rodrigues Junior Sra. Clarice Moraes Durães Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro ASSUNTO: Microfilmagem de prontuários RELATOR:

Leia mais

a) espécie, gênero, tipo, suporte e forma. b) técnica de registro, formato, forma, tipo e espécie.

a) espécie, gênero, tipo, suporte e forma. b) técnica de registro, formato, forma, tipo e espécie. Diapositivo, datilografia, contrato, textual e ata de reunião são exemplos, respectivamente, de a) espécie, gênero, tipo, suporte e forma. b) técnica de registro, formato, forma, tipo e espécie. c) invólucro,

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

PROVA OBJETIVA P 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA OBJETIVA P 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROVA OBJETIVA P 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens a seguir. 51 Os arquivos são organizados, mantidos e preservados originalmente devido a sua

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF RES. nº 669/2010 maio 2010 FOR-101 SUMÁRIO

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional.

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional. POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO PFDA DA BIBLIOTECA DO INSTITUO J. ANDRADE 1. Objetivo Para que o acervo da biblioteca esteja em conformidade com as necessidades e os objetivos da Instituição

Leia mais

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 OBJETO Prestação de serviços de organização arquivística, guarda física, digitalização e gerenciamento

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE ACERVOS BIBLIOGRÁFICOS Iuri Rocio Franco Rizzi Professor Assistente Curso de Biblioteconomia Universidade Federal de Alagoas Alfenas-MG 5 jun. 2013 PLANO DA OFICINA: Parte I:

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE NA ADMINISTRAÇÃO DIRETA ESTADUAL

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE NA ADMINISTRAÇÃO DIRETA ESTADUAL IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE NA ADMINISTRAÇÃO DIRETA ESTADUAL Setembro/2011 Equipe técnica/pgdi Secretaria da Educação Eliana Martinelli Avagliano Alessandra Zorzetto Moreno

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como:

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como: Manual de Arquivo IINTRODUÇÃO A elaboração do presente manual de arquivo tem como objetivo disponibilizar um instrumento de auxílio aos usuários dos arquivos setoriais, intermediário e permanente que integram

Leia mais

POLÍTICA DE MICROFILMAGEM E DIGITALIZAÇÃO DOCUMENTAL NA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

POLÍTICA DE MICROFILMAGEM E DIGITALIZAÇÃO DOCUMENTAL NA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA POLÍTICA DE MICROFILMAGEM E DIGITALIZAÇÃO DOCUMENTAL NA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA SILVA, Laila Mendes da 1 MADIO, Telma Campanha de Carvalho 2 Resumo: O documento de arquivo é uma peça importante para a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente?

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? CONCEITO Prontuário do Paciente é o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados ao registro dos cuidados profissionais, prestados ao paciente

Leia mais

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental do Ministério Público do Estado do Paraná Curitiba 2015 P223g Paraná. Ministério Público. Departamento de Gestão Documental Guia prático para a mensuração do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Acondicionamento e guarda de documentos de arquivo

Acondicionamento e guarda de documentos de arquivo DOSSIÊ DOSIER Acondicionamento e guarda de documentos de arquivo Emiliana Brandão e Lúcia Regina Saramago Peralta 1 Introdução A atividade de preservação do patrimônio documental da Administração Pública

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006 CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE CBIS 2006 Padrões e Certificação em Saúde Florianópolis, 16/10/06 A Certificação SBIS-CFM ROBERTO LUIZ d AVILAd Cardiologista Corregedor do Conselho Federal

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADES Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

ORIENTTAÇÕES BÁSICAS SOBRE GESTÃO DE ARQUIVOS DE ORGANIZAÇÕES MILITARES

ORIENTTAÇÕES BÁSICAS SOBRE GESTÃO DE ARQUIVOS DE ORGANIZAÇÕES MILITARES ORI IENTAÇÕES BÁSICAS SOBRE GESTÃO DE ARQ QUIVOS DE ORGANIZAÇÕES MILITARES ÍNDICE 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. INSTRUÇÕES E REGULAMENTOS 3. MISSÕES DOS ARQUIVOS DAS OM (CORRENTE E GERAL) 4. FINALIDADES

Leia mais

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1.º O ARQUIVO CENTRAL (ACE) é órgão de natureza complementar da Fundação Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

Gestão de Documentos no BNDES Avanços e Desafios

Gestão de Documentos no BNDES Avanços e Desafios Gestão de Documentos no BNDES Avanços e Desafios Contexto Legal Como integrante do Sistema Nacional de Arquivos SINAR, o BNDES deve promover a gestão, a preservação e o acesso às informações e aos documentos

Leia mais

Curso PMIP - Project Management Information Professional

Curso PMIP - Project Management Information Professional Curso PMIP - Project Management Information Professional ECM+GED+Gestão por Processos= O primeiro passo para integrar as informações com o conhecimento da sua empresa. Atualmente é cada vez mais claro

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA SERVIÇO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ARQUIVO CENTRAL REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ÓRGÃO SUPLEMENTAR Art.1º. Ao ARQUIVO CENTRAL da UFPA, Órgão Suplementar

Leia mais

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Projeto InterPARES Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Cláudia Lacombe Rocha Audiência Pública sobre Gestão Eletrônica de Documentos desafios e perspectivas 5 de julho de 2011 - Brasília

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Luciane Tomé da Cunha lucianetome@issx.com.br EU QUERO UM ECM O QUE O SE ESPERA

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DA UEL - SAUEL

SISTEMA DE ARQUIVOS DA UEL - SAUEL SISTEMA DE ARQUIVOS DA UEL - SAUEL O Sistema de Arquivos da UEL - SAUEL foi criado através da Resolução do Conselho Universitário nº 76/25, como órgão de Apoio da UEL. Com a finalidade de administrar a

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF

PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF Ana Rosa dos Santos Anderclébio de Lima Macedo RESUMO Relata a experiência da Biblioteca

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 25/07/2012-16:17:54 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Marcos Moysés da Cunha marcos.cunha@eletrobras.com (21) 2514-5695 Gestão de Documentos SharePoint GED... caminho... Gestão de Documentos

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Conservação de Acervos Documentais

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

TERMINOLOGIA ARQUIVÍSTICA (características/princípios)

TERMINOLOGIA ARQUIVÍSTICA (características/princípios) TERMINOLOGIA ARQUIVÍSTICA (características/princípios) 1. (FGV - TJGO 2014) Todos os princípios arquivísticos devem estar na raiz da organização e do funcionamento dos arquivos. Analise os seguintes princípios:

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB Celio Roberto Freire de Miranda(1); Isabel Cristina Lourenço Freire(1); Michele da Silva(1) Alana Miraca

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVOS DA UFJF 1. Galba Ribeiro Di Mambro 2

CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVOS DA UFJF 1. Galba Ribeiro Di Mambro 2 1 CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVOS DA UFJF 1 Galba Ribeiro Di Mambro 2 RESUMO: Apresentação dos antecedentes da criação do Sistema de Arquivos e do Arquivo Central da UFJF, análise das estruturas

Leia mais

Questões comentadas de Arquivologia para concursos

Questões comentadas de Arquivologia para concursos 580 Questões Comentadas de Apostila amostra Para adquirir a apostila de 580 Questões Comentadas de Arquivologia Para Concursos acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br SUMÁRIO Apresentação...2 Conceitos

Leia mais

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS Prof. Antonio Victor Botão TÉCNICAS MODERNAS DE ARQUIVAMENTO Anteriormente tratamento somente de suporte papel em arquivos, os materiais especiais

Leia mais