Curso de Comunicação Social Trabalho de Conclusão de Curso. MESPE Manual de Eventos Sustentáveis para Pequenos Empreendedores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Comunicação Social Trabalho de Conclusão de Curso. MESPE Manual de Eventos Sustentáveis para Pequenos Empreendedores"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Comunicação Social Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Comunicação Social Trabalho de Conclusão de Curso MESPE Manual de Eventos Sustentáveis para Pequenos Empreendedores Autora: Thalita Pereira Mattos Orientador: Prof.ª Dr.ª Sheila Costa Oliveira tora: Thalita Pereira Mattos entador: Prof.ª Dr.ª Sheila Costa Oliveira Brasília - DF Brasília - DF

2 THALITA PEREIRA MATTOS MESPE - MANUAL DE EVENTOS SUSTENTÁVEIS PARA PEQUENOS EMPREENDEDORES Trabalho apresentado ao curso de Graduação de Comunicação Social Publicidade e Propaganda pela Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Comunicação Social. Orientadora: Prof.ª. Dr.ª Sheila da Costa Oliveira. Brasília

3 Trabalho de autoria de Thalita Pereira Mattos, intitulado MESPE MANUAL DE EVENTOS SUSTENTÁVEIS PARA PEQUENOS EMPREENDEDORES, apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Comunicação Social da Universidade Católica de Brasília, em 22 de junho de 2013, defendida e aprovada pela banca examinadora abaixo assinada: Prof.ª. Dra. Sheila da Costa Oliveira Orientadora Prof. Dra. Karina Gomes Barbosa da Silva Prof. Msc. Fernanda Vasques Ferreira Brasília

4 Dedico este trabalho a todos que procuram trazer cada vez mais a sustentabilidade, não importando os seus limites, para a nossa realidade. A todos que buscam e aos que já encontraram na área de eventos um grande motivo para levar o diferencial até as pessoas. 4

5 AGRADECIMENTOS Ao Ser onisciente, onipresente e onipotente que fez com que eu descobrisse o meu talento e que nele eu poderia levar um pouco mais de felicidade às pessoas. Àquele que se tornou um anjo invisível e que me guia sempre, meu grande pai. Àquela que é eu anjo visível, pequena no tamanho e enorme de coração, minha grande mãe. À Professora Orientadora Sheila Costa pela sua dedicação, amor, paciência e puxões de orelha que teve comigo em todos os momentos. Ao Rodrigo Bacelar, Digão, grande amigo da vida que me acompanha desde os meus 12 anos e que, brincando e sorrindo me disse o que era necessário dizer. Obrigada pela sua amizade e pela sua contribuição nessa etapa da minha vida. À todos que direta ou indiretamente me apoiaram, me incentivaram e me deram forças para continuar. Meus sinceros agradecimentos. 5

6 RESUMO MATTOS, Thalita Pereira. MESPE - Manual de Eventos Sustentáveis para Pequenos Empreendedores páginas. Curso de Comunicação Social Universidade Católica de Brasília, Brasília, O presente trabalho consiste na elaboração de um manual de eventos sustentáveis, área que tem aumentado a demanda a cada dia que passa e que, apesar dessa grande demanda, possui poucas referências sobre o assunto. Para tanto, foram procuradas informações sobre o perfil do micro e pequeno empreendedor do Distrito Federal e realizadas pesquisas sobre os universos de empreendedorismo, eventos e sustentabilidade para que obtenção de dados e informações que viriam a compor o manual. O MESPE Manual de Eventos Sustentáveis para Pequenos Empreendedores tem como objetivo auxiliar todos àqueles que buscam referências sobre eventos e que os pequenos empreendedores, principalmente os pequenos empreendedores do Distrito Federal. Palavras-chave: empreendedorismo, eventos, sustentabilidade, manual, pequeno empreendedor, planejamento. 6

7 ABSTRACT This work consists of the preparation of a manual of sustainable events, an area that has increased demand with every day that passes and that despite this huge demand, has few references on the subject. Thus, we sought information on the profile of the micro and small entrepreneurs in the Federal District and conducted research on the worlds of entrepreneurship, events and sustainability to obtain data and information that would compose the manual. The MESPE - Sustainable Events Guide for Small Entrepreneurs aims to assist all those who seek references about events and small entrepreneurs, especially small entrepreneurs of the Federal District. Key words: entrepreneurship, events, sustainability, manual, small entrepreneur, planning 7

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA PROBLEMÁTICA OBJETIVOS Geral Específicos PÚBLICO-ALVO EMPREENDEDORISMO O QUE É EMPREENDEDORISMO? MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO: QUAL A DIFERENÇA? O EMPREENDEDORISMO NO BRASIL PERFIL DO EMPREENDEDOR NO DF POR QUE UM MANUAL? SUSTENTABILIDADE O QUE É SUSTENTABILIDADE? ÂMBITOS/DIMENSÕES DA SUSTENTABILIDADE A SUSTENTABILIDADE NO BRASIL (IDS IBGE) EVENTO O QUE É EVENTO? CLASSIFICAÇÃO TIPOS DE EVENTO NÚCLEO COMUM DOS EVENTOS SUSTENTABILIDADE EM EVENTOS Sustentabilidade Ambiental Sustentabilidade Econômica Sustentabilidade Organizacional Sustentabilidade Social Sustentabilidade Mercadológica MANUAL

9 5.1 CONCEITO TIPOS MODELOS VANTAGENS DE UM MANUAL RISCOS E INCONVENIENTES DE MANUAIS ATUALMENTE DISPONÍVEIS DESCRIÇÃO DO MODO COMO ESSE MANUAL FOI MONTADO DESCRIÇÃO TÉCNICA DO DOCUMENTO POSSÍVEIS MODOS DE DIVULGAÇÃO O PROJETO GRÁFICO DIÁRIO DE BORDO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE

10 1. INTRODUÇÃO Eventos são acontecimentos que reúnem pessoas que possuem objetivos em comum. A crescente demanda pelos eventos tem feito com que as pessoas procurem referências a respeito do assunto, porém, apesar da grande procura, ainda são poucas as fontes de informação, principalmente no que diz respeito aos eventos sustentáveis. Todo evento busca atrair a atenção do público seja ela uma ideia, um novo produto, um reforço de marca através de ações que se bem planejadas e executadas, irão trazer resultados positivos à empresa. Porém cada evento possui sua característica, podemos dizer que são únicos. Eles são diferentes pelo públicoalvo, objetivos, abrangência, etc. Por isso é importante saber qual o tipo de evento será feito para poder tomar as várias outras decisões. O MESPE Manual de Eventos Sustentáveis para Pequenos Empreendedores tem como objetivo auxiliar todos àqueles que buscam referências sobre eventos e que os pequenos empreendedores, principalmente os pequenos empreendedores do Distrito Federal. 1.1 JUSTIFICATIVA Criar e transformar ideias em eventos não é uma tarefa simples. É necessário ter paciência e bastante organização já que cada evento possui sua própria característica. Um evento, se bem organizado, pode trazer grandes benefícios para um empreendimento independente do seu porte e os profissionais da área de relações públicas já tem ciência desse potencial. Porém, atualmente é bastante comum que profissionais de áreas como recursos humanos, marketing, hotelaria, turismo e vários outras, busquem referências, uma vez que perceberam que seus empreendimentos podem ser realizados através dos eventos e que isso pode agregar valores ao seu negócio. Em pleno século XXI ainda enfrentamos a falta de referências no segmento de eventos, mesmo existindo cursos voltados para esse campo em várias 10

11 instituições de ensino. É ainda mais escassa quando o assunto é evento sustentável. São poucos os livros e alguns poucos sites que se dedicam ao tema. Os eventos sustentáveis tendem a crescer a cada dia que passa, já que as pessoas estão se tornando mais conscientes sobre a realidade que as cercam, principalmente por meio das consequências das catástrofes ambientais, causadas por ações humanas insustentáveis, que afetam as nossas vidas direta ou indiretamente. Essa percepção faz com que consumidores procurem por produtos e/ou serviços sustentáveis, forçando as empresas a alterarem ou mudarem os seus processos rapidamente. Caso contrário, correm o enorme risco de verem suas vendas e lucros caírem rapidamente. Pequenos empreendedores também já começaram a perceber essa necessidade, tanto através da melhora do desempenho do trabalho de seus funcionários, a partir do momento que a sustentabilidade organizacional é aplicada, quanto através da redução de custos em curto, médio e longo prazo, quando a sustentabilidade ambiental é aplicada por meio de ações como reciclagem de papeis, alumínio e outros materiais que podem ter retorno financeiro (algumas cooperativas compram esses materiais) e de economia de energia, com o uso de lâmpadas brancas ou de LED. Isso significa que eles estão procurando melhorar o próprio negócio. Além desse panorama, a vontade pessoal de trabalhar na área de eventos, universo com que comecei a ter contato com aproximadamente 15 anos, cresceu. Ali iniciou a percepção de que, através dos eventos, poderia levar - e deixar - algo novo e construtivo na vida das pessoas. Procurando por referências e agrupada com a necessidade que senti de trabalhar com a sustentabilidade, percebi a carência desse tipo de material e procurei viabilizar o desenvolvimento de um material sobre o tema para esses empreendedores. 11

12 1.2 PROBLEMÁTICA A finalidade do MESPE é ser um diferencial dentro do universo dos manuais e dos eventos, sendo que seu foco principal é ser um facilitador para as práticas sustentáveis na área dos eventos, desde a sustentabilidade ambiental até a sustentabilidade organizacional. que: Através das experiências frequentes que temos com manuais, observamos a linguagem é quase sempre muito complicada; a leitura se torna chata e cansativa; por diversas vezes notamos que as instruções são confusas; o formato do manual não auxilia (vem muito dobrado); por vezes o tamanho da fonte utilizada é muito pequena e dificulta a leitura. Com essa análise, é notável que na maioria dos casos os manuais não cumprem seu papel fundamental: dar informações específica a respeito de eventos sustentáveis de forma clara e objetiva, de maneira que tenha um resultado positivo ao final. A ideia de criar um Manual de Eventos Sustentáveis para Micro e Pequenos Empresários é um diferencial nesse tipo de material e surgiu da necessidade de orientar as pessoas, principalmente empreendedores, a executar esse tipo de evento além de desmistificar a existência da sustentabilidade somente no que refere a ecologia. Assim, para abordar de maneira eficiente este assunto, realizamos pesquisas sobre o Perfil do Empreendedor no Distrito Federal juntamente com a referências sobre o desenvolvimento sustentável do país e os principais elementos para planejar e executar um evento. Segundo o Sebrae, em estudo em parceria com o Instituto Fecomércio no ano de 2009, no Distrito Federal a maioria dos micro e pequenos empreendedores são mulheres (52,4%), com idade media abaixo dos 30 anos (36%). Além disso, desses empreendedores 37% cursou o ensino médio e 31,3% possuem renda de até dois 12

13 salários mínimos. Este perfil nos mostra a necessidade de elaborar um manual que tenha linguagem fácil para que cumpra o seu principal papel, o de orientar, já que a redação de manuais é extremamente polêmica e por várias vezes, trazem termos extremamente técnicos que dificultam a compreensão, acabando por gerar prejuízos ao final do processo. O desenvolvimento sustentável do Brasil foi traçado pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - na publicação Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Brasil 2010 que tem como objetivo geral disponibilizar um sistema de informações para o acompanhamento da sustentabilidade do padrão de desenvolvimento do país (2010, pág. 9). Neste estudo, foram analisados mais de 50 aspectos (como emissão de gases, taxa de crescimento da população, PIB, gastos com pesquisas e desenvolvimento, etc.) que são ligados direta ou indiretamente ao desenvolvimento sustentável do país e que foram agrupados em quatro grandes grupos: ambiental, social, econômico e institucional. Os elementos abordados neste manual serão os necessários para que um evento sustentável tenha sucesso, tais como: quais os tipos de eventos, o que deve ser feito antes (planejamento e organização), durante (execução) e depois de um evento (avaliação/replanejamento). Segundo Calaça, um evento pode ser entendido como sendo um acontecimento, previamente planejado, visando atingir resultados definidos junto ao seu público alvo. (2003, p. 10). A proposta aqui é instruir o empreendedor de maneira fácil sobre cada etapa do processo de produção de um evento para que, ao final, ele traga resultados positivos para seu empreendimento seja em aumento de vendas, maior fidelização, conscientização dos seus clientes, etc. Além disso, duas eram as propostas iniciais no que diz respeito ao formato final do manual. Qual atingiria melhor o objetivo? O material digital ou o material impresso? Foi feita então uma Análise SWOT - Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) - onde foram detectados os pontos fontes e fracos de cada tipo de material, conforme tabela abaixo: 13

14 Manual Digital Forças Fraquezas Menor custo; Sem gasto de material gráfico: tinta, papel, energia, água, etc. Maior acessibilidade na internet; Inversão do fluxo de pesquisa: primeiro na internet, depois nos livros. Falta de acesso por parte de alguns empreendedores (não possuem este hábito por algum motivo); Perda da sensação física: compra, manuseio, cheiro, etc. Oportunidades Ameaças Rápida difusão da informação; Publicar profissionalmente. Direitos autorais. Manual Impresso Forças Fraquezas Maior acessibilidade; Maior visibilidade. Maior custo; Gasto de material gráfico: tinta, papel, energia, água, etc. Maior impacto ambiental. Oportunidades Ameaças Divulgar o trabalho; O mercado necessita de algo para orientar pequenos empresários; Colocar em prática os conhecimentos adquiridos durante o curso; Realizar contato com fundos de apoio. Inversão do fluxo de pesquisa: primeiro na internet, depois nos livros. 14

15 A conclusão após ambas as análises é de que a publicação do material impresso nos apresenta menor risco, já que possibilita maior aplicação dos conceitos aprendidos durante o curso e que, além de ter maior visibilidade, atende ao empreendedor no que diz respeito à acessibilidade. 1.3 OBJETIVOS Geral Confeccionar um Manual de Eventos Sustentáveis para Pequenos Empreendedores - MESPE - buscando atender às necessidades do público-alvo, micro e pequenos empresários do Distrito Federal, viabilizando assim a realização de eventos sustentáveis (sejam de cunho social, ecológico, organizacional e etc.), de uma forma simplificada e eficaz, fornecendo para as mesmas diretrizes ou princípios de como estruturar seus eventos de modo sustentável. O MESPE será feito não apenas como objeto de estudo, mas também com a pretensão de futuras publicações e distribuição em livrarias, sindicatos e empresas Específicos Preencher uma lacuna informacional a respeito da realização de eventos sustentáveis; Mostrar que a sustentabilidade vai além do aspecto ambiental e que também existem formas de aplicar tal sustentabilidade nos eventos, sem deixar de lado a criatividade, o bem-estar e o aspecto econômico; Viabilizar a realização de eventos sustentáveis por parte dos micros e pequenos empreendedores buscando alternativas que supram suas necessidades. 1.4 PÚBLICO-ALVO Este material é destinado a empreendedores, principalmente micro e pequenos empresários, do Distrito Federal que tenham interesse em realizar eventos preferencialmente sustentáveis, nas suas principais dimensões. 15

16 2. EMPREENDEDORISMO 2.1 O QUE É EMPREENDEDORISMO? O mundo muda a todo instante e essas transformações ocorrem em curtos espaços de tempo, principalmente no século XX, onde grande parte das invenções criadas mudaram radicalmente o estilo de vida das pessoas. Invenções essas feitas por pessoas que arriscam, questionam, querem algo diferente. Enfim, são visionárias e empreendem, são empreendedores. Segundo Pombo (2003), empreendedor é um realizador que produz novas ideias através da congruência entre criatividade e imaginação. Em geral é motivado pela autorrealização e pelo forte desejo de assumir responsabilidades e de ser, principalmente, independente. Empreendedor é, enfim, aquela pessoa que pensa sempre à frente, imagina antes das demais pessoas e parte para ação fazendo com que esse sonho se torne realidade. Alguns conceitos administrativos predominaram no século passado, consequência dos contextos culturais, sociopolíticos, culturais, etc. Segundo a evolução histórica das teorias administrativas no início do século, até a década de 20, foi o movimento de racionalização do trabalho; na década de 1930, o movimento de relações humanas. O movimento do funcionalismo estrutural predominou as décadas de 1940 e 1950; na década de 1960, o movimento dos sistemas abertos; na década de 1970 e 1980, o movimento das contingências ambientais. Atualmente não há um movimento predominante, porém, tem se dado crédito ao empreendedorismo, mudando cada vez mais a maneira de fazer negócios no mundo atual. A função do empreendedor, que sempre foi fundamental, agora tem se intensificado por conta do grande avanço tecnológico e se faz necessário um grande número de empreendedores, inclusive para sustentar a outros empreendedores. E então, o que vem a ser empreendedorismo? A palavra empreender tem origem no latim imprehendere e é definida pelo Dicionário Michaelis como a ação de tentar e iniciar algo, de pôr em execução, de realizar. Já a palavra empreendedorismo tem origem da tradução livre da palavra da língua inglesa entrepreneurship. Empreender nos transporta à ação de quem faz acontecer, que utiliza suas habilidades a fim de realizar algo que tenha valor para a sociedade e, 16

17 principalmente, para si. Fernando Dolabela, um dos maiores percursores do empreendedorismo no Brasil, apud Mariano e Mayer (2008, p.66), diz que: há muitas definições do termo empreendedor, principalmente porque são propostas por pesquisadores de diferentes campos, que utilizam os princípios de suas próprias áreas de interesse para construir o conceito. (...) os economistas, associarmos empreendedor à inovação, e os comportamentalistas, que enfatizam aspectos atitudinais, com a criatividade e a intuição. Podemos então dizer que empreendedorismo é o envolvimento simultâneo de pessoas e processos que transforma ideias em oportunidades. Essas oportunidades, quando são implantadas de maneira correta, geram negócios bem sucedidos. 2.2 MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO: QUAL A DIFERENÇA? A Lei Geral para Micro e Pequenas Empresas, de dezembro de 2006, diz que são consideradas microempresas aquelas que possuem faturamento máximo de R$ ,01, e pequenas empresas as que faturam entre R$ ,01 a R$ 2,4 milhões anuais. Dentro desses parâmetros, as empresas tendem a ter vantagens fiscais como a inclusão no Super Simples (Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), desde que não exerçam nenhuma atividade que seja impedida de participar do regime e atendam os requisitos previstos na lei LC 123/2006, de O EMPREENDEDORISMO NO BRASIL No Brasil, somente a partir dessa década 90, quando a SOFTEX e o Sebrae foram finalmente criados, é que o empreendedorismo começou a ter forma. Antes de 1990, empreendedorismo e criação de empresas não eram assuntos tão falados. Além disso, tanto a economia quanto a política do país não eram propícias para a atividade e a pessoa interessada (empreendedor) quase não encontrava informações que a ajudariam durante a caminhada. Mas isso não significa que não existiam empreendedores, pelo contrário, existiram muitos visionários que atuaram dentro de um cenário escuro, fazendo o seu melhor. 17

18 Com a entrada da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa e da Lei do Microempreendedor Individual, em 2007 e em 2008 respectivamente, o empreendedorismo ganhou mais força e destaque. Hoje, sabemos que o Sebrae é um dos órgãos mais conhecidos no que diz respeito aos pequenos empresários brasileiros, oferecendo-lhes suporte para iniciar a empresa além das consultorias que auxiliam na solução de problemas nos negócios. Este órgão tem implantado a cultura do empreendedorismo em universidades com o projeto Desafio SEBRAE, que objetiva a criação e administração de uma empresa virtual. A SOFTEX foi criada para ampliar o mercado das empresas de software através da exportação e incentivar a produção nacional por meio de projetos que capacitavam empresários de informática em gestão e tecnologia dos empresários de informática. A partir de programas criados junto a incubadoras, universidades e cursos de das várias áreas da informática, foi possível popularizar no país termo como plano de negócios, o business plan, antes ignorados pelos empresários. Mesmo com pouco tempo, o Brasil mostra que pode e mostra ações que objetivam desenvolver um dos maiores programas de ensino de empreendedorismo. Como exemplo, Dornellas (2008) cita: a. Programas SOFTEX e Genesis (Geração de Novas Empresas de Software, Informação e Serviços), criados na década de 90 e que apoiavam atividades de empreendedorismo, estimulando o ensino da disciplina nos cursos juntamente com a geração de start-ups, as novas empresas de software. b. Programa Brasil Empreendedor do Governo Federal que visava capacitar mais de 6 milhões de empreendedores em todo o Brasil. Este programa investiu 8 bilhões de reais e vigorou de 1999 a c. Programas como Empretec e Jovem Empreendedor do Sebrae, direcionados à capacitação do empreendedor e que são os mais procurados. d. Cursos e programas criados nas universidades para ensinar o empreendedorismo, como no estado de Santa Catarina com o programa Engenheiro Empreendedor. Além do programa Ensino Universitário de Empreendedorismo da CNI (Confederação Nacional das Indústrias) e do IEL 18

19 (Instituto Euvaldo Lodi) que visa difundir o empreendedorismo no ensino superior de todo o país, em mais de 200 instituições. e. E enfim, o enorme crescimento do movimento de incubadoras de empresas no Brasil. Dados da ANPROTEC (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas) nos informam de haviam mais de 400 incubadoras ativas no país no final de No relatório executivo do GEM (Global Entrepreneurship Monitor) de 2010, a cada 100 pessoas, aproximadamente 18 desenvolviam alguma atividade empreendedora no Brasil, isto é, havia mais de 21,1 milhões de pessoas envolvidas na criação e/ou no desenvolvimento de novos negócios, a maior taxa desde que a pesquisa GEM começou a ser realizada no país. Foi observado que ocorreu um aumento das diferentes Taxas de Empreendedores: novos, nascentes ou estabelecidos e, além disso, a Taxa de Empreendedores por Necessidade diminuiu, caindo de 5,9% para 5,4% principalmente por conta da economia que vem crescendo a cada ano com base no mercado interno, a expressiva expansão do emprego, formal no Brasil e da diminuição da Taxa de Desocupação da população economicamente ativa das principais regiões metropolitanas a níveis historicamente reduzidos. Esses mesmos fatores também explicam a Taxa de Empreendedores por Oportunidade, que aumentou em todas as faixas de níveis de escolaridade. Apesar disso e das condições macroeconômicas estarem favorecendo o empreendedorismo no Brasil se faz necessário que as políticas de apoio, infraestrutura e capital formal para os negócios evoluam já que as altas taxas de empreendedorismo brasileiro se devem muito mais ao ambiente social e cultural do que às condições favoráveis para empreender. 2.4 PERFIL DO EMPREENDEDOR NO DF Segundo o SEBRAE, em estudo em parceria com o Instituto FECOMÉRCIO no ano de 2009, no Distrito Federal a maioria dos micro e pequenos empreendedores são mulheres (52,4%), com idade media abaixo dos 30 anos 19

20 (36%). Além disso, desses empreendedores 37% cursaram o ensino médio e 31,3% possuem renda de até dois salários mínimos. Este perfil nos mostra a necessidade de elaborar um manual que tenha linguagem fácil para que cumpra o seu principal papel, o de orientar, já que a redação de manuais é extremamente polêmica e por várias vezes, trazem termos extremamente técnicos que dificultam a compreensão, acabando por gerar prejuízos ao final do processo. 2.5 POR QUE UM MANUAL? A ideia de criar um Manual de Eventos Sustentáveis é um diferencial nesse tipo de material e surgiu da necessidade de orientar as pessoas, principalmente pequenos empreendedores, a executar esse tipo de evento, além de desmistificar a existência da sustentabilidade somente no que refere à ecologia. Assim, para abordar de maneira eficiente este assunto, realizamos pesquisas sobre o Perfil do Empreendedor no Distrito Federal, juntamente com as referências sobre o desenvolvimento sustentável do país e os principais elementos para planejar e executar um evento. 3. SUSTENTABILIDADE 3.1 O QUE É SUSTENTABILIDADE? Atualmente, muito tem se falado em sustentabilidade no âmbito eco ambiental, ou seja, em ações que visam trazer menos impacto ao meio ambiente de forma que este mantenha o equilíbrio esgotado pelo ser humano sem a interferência de outros. Porém a sustentabilidade possui outros campos. Segundo o Minidicionário da Língua Portuguesa Silveira Bueno (2000), sustentabilidade é algo que tem a qualidade de ser sustentável. Para Cabrera (2009), trata-se de um conceito sistêmico, ou seja, ele correlaciona e integra de forma organizada os aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade. A palavra-chave é continuidade como essas vertentes podem se manter em equilíbrio ao longo do tempo. 20

21 A primeira pessoa a utilizar o termo sustentabilidade foi a norueguesa Gro Brundtland, ex-primeira ministra da Noruega, em 1987 quando presidente da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, da ONU Organização das Nações Unidas. Nesse ano, Gro publicou o Relatório, o documento intitulado Nosso Futuro Comum (Our Common Future) onde o conceito de sustentabilidade é o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades. Dentre as medidas propostas, estão: Limitação do crescimento populacional; Garantia de recursos básicos (água, alimentos, energia) em longo prazo; Preservação da biodiversidade e dos ecossistemas; Diminuição do consumo de energia e desenvolvimento de tecnologias com uso de fontes energéticas renováveis; Aumento da produção industrial nos países não-industrializados com base em tecnologias ecologicamente adaptadas; Controle da urbanização desordenada e integração entre campo e cidades menores; Atendimento das necessidades básicas (saúde, escola, moradia). O Relatório critica o modelo de desenvolvimento adotado por países industrializados e que é reproduzido por países em desenvolvimento. Além disso, mostra a incompatibilidade entre desenvolvimento sustentável e os padrões de produção e consumos vigentes. O conceito de sustentabilidade é muito maior do que o simples fato de explicar a realidade, uma vez que se faz necessárias aplicações práticas. É necessária uma análise profunda do passando, presente e futuro para aprofundar no conceito. A sustentabilidade é assim, multidimensional. Possui interdependências entre as dimensões e compõe o sistema no qual o ser humano está inserido. 21

22 3.2 ÂMBITOS/DIMENSÕES DA SUSTENTABILIDADE Para algumas pessoas, muitas vezes o termo sustentabilidade muitas vezes remete a conceitos puramente econômicos. Já para outras, remete somente a conceitos ecológicos. Porém é muito mais que isso: reflete a habilidade que as pessoas tem se se manter sem comprometerem existência e a permanência de outras pessoas. Segundo a ONU - Organização das Nações Unidas - são quatro dimensões para atuação sustentável: Dimensão Social Diz respeito à diversidade, empoderamento de grupos populacionais anteriormente excluídos socialmente, incentivo à resolução pacífica de conflitos e convivência saudável tanto na família e quanto sociedade. Dimensão Econômica Aborda o equacionamento dos recursos naturais investidos na produção de bens e serviços visando a sustentabilidade econômica, além da justiça no acesso ao sustento familiar e pessoal e economia solidária e responsável. Dimensão Ecológica Analisa a relação do homem com a natureza, verificando formas de mitigar ou acabar com o impacto decorrente da relação e repensar as estruturas e iniciativas que reforçam e representam a mútua dependência. Visão de Mundo Também é chamada de visão holística e faz referência à relação do homem consigo mesmo, a espiritualidade que mantém, as relações que estabelece com outros seres vivos juntamente com a demonstração a ética e a responsabilidade que deve existir nas ações. Ser sustentável então é pensar e agir de maneira que os impactos nessas 4 dimensões sejam o menor possível. Segundo Mendes, Sachs acrescenta a estas mais três dimensões: 22

23 Sustentabilidade espacial ou territorial - busca de equilíbrio na configuração rural-urbana e melhor distribuição territorial dos assentamentos humanos e atividades econômicas; melhorias no ambiente urbano; superação das disparidades inter-regionais e elaboração de estratégias ambientalmente seguras para áreas ecologicamente frágeis a fim de garantir a conservação da biodiversidade e do ecodesenvolvimento. Sustentabilidade cultural - respeito à cultura de cada local; garantindo continuidade e equilíbrio entre a tradição e a inovação. Sustentabilidade política - no âmbito nacional baseia-se na democracia, apropriação universal dos direitos humanos; desenvolvimento da capacidade do Estado para implementar o projeto nacional em parceria com empreendedores e em coesão social. No aspecto internacional tem sua eficácia na prevenção de guerras, na garantia da paz e na promoção da cooperação internacional e na aplicação do princípio da precaução na gestão do meio ambiente e dos recursos naturais; prevenção da biodiversidade e da diversidade cultural; gestão do patrimônio global como herança da humanidade; cooperação científica e tecnológica internacional. Por fim, a dimensão psicológica é incorporada ao estudo devido a relacionar o ser humano às dimensões culturais, sociais, políticas e econômicas. 3.3 A SUSTENTABILIDADE NO BRASIL (IDS IBGE) No Brasil, a palavra tem ganhado mais força a cada dia. Em setembro de 2010, o IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística publicou o estudo Indicadores de Desenvolvimento Sustentável, o IDS 2010, onde foram analisados mais de 50 aspectos (como emissão de gases, taxa de crescimento da população, PIB, gastos com pesquisas e desenvolvimentos, etc.) que são ligados direta ou indiretamente ao desenvolvimento sustentável do país e que foram organizados em 4 grandes grupos: ambiental, social, econômico e institucional. 23

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário REGULAMENTO I Prêmio do Empreendedorismo Universitário 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente regulamento visa orientar os interessados em participar da 1.ª edição do Prêmio do Empreendedorismo Universitário, iniciativa

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

1.2- Então, por que o ensino do empreendedorismo está se intensificando agora? O que é diferente do passado?

1.2- Então, por que o ensino do empreendedorismo está se intensificando agora? O que é diferente do passado? 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / I UNIDADE : O PROCESSO EMPREENDEDOR

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES A Feira do Empreendedor é promovida pelo Sebrae desde 1992 em todos os estados do país. É considerado o maior evento presencial de

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

MPE Brasil 2010 Prêmio de Competitividade para MPEs

MPE Brasil 2010 Prêmio de Competitividade para MPEs MPE Brasil 2010 Prêmio de Competitividade para MPEs Evolução do prêmio: O Prêmio Talentos Empreendedores completou 15 anos em 2008 e desde então com o processo de nacionalização, ele se chama Prêmio MPE

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Lançamento Agência Stamina: o Tesouro Perdido 1

Lançamento Agência Stamina: o Tesouro Perdido 1 Lançamento Agência Stamina: o Tesouro Perdido 1 Yuri HORIGUCHI 2 Mariana MENEZES 3 Vanessa SIMÕES 4 Manuela CORRAL 5 Centro Universitário do Pará, CESUPA Resumo A Agência Stamina, especializada em ações

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Planejamento e Organização de Eventos. CEPE 2015 Profa. Cinara Cardoso

Planejamento e Organização de Eventos. CEPE 2015 Profa. Cinara Cardoso Planejamento e Organização de Eventos CEPE 2015 Profa. Cinara Cardoso O que são Eventos? Acontecimentos pontuais... Ou seja, não contínuos,...mas que devem ter periodicidade definida;...e que, do ponto

Leia mais

10 Dicas para lucrar

10 Dicas para lucrar E-BOOK 10 Dicas para lucrar com Fotografia Infantil, Gestante e Casamentos Autor: Leo Castro www.marketingparafotografos.com.br E-BOOK Copyright 2015, Marketing para fotógrafos, Todos os direitos reservados

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Exponor 02/2009 Copyright Portaldoser 2007 1 Conceitos Básicos O que é um Evento? Um EVENTO é um acontecimento planeado, que ocorre num dado tempo e lugar, que visa promover a relação

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Jose Carlos Alves Roberto, Msc. Baseado no Livro do Dr. José Dornelas, sobre Empreendedorismo Origem do Termo O termo empreendedor

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 LEMOS, Haroldo Matos. Desenvolvimento Sustentável: antecedentes. Rio

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUCPR PRÓ-REITORIA COMUNITÁRIA DIRETORIA DE PASTORAL E IDENTIDADE INSTITUCIONAL NÚCLEO DE PROJETOS COMUNITÁRIOS SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL Sumário 1 OBJETIVO...4 2 PÚBLICO ALVO...4 3 DEFINIÇÕES...4 4 APRESENTAÇÃO DO ESCOPO ou PORTFÓLIO DA RSE PROSUL...6 4.1 Detalhamento dos Programas...6 5 ITENS

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição INFORMAÇÕES ÚTEIS Em pesquisa realizada pelo Banco Mundial o Brasil é um país que pode levar cerca de 5 meses para se legalizar uma empresa, mas o desemprego, a vontade de ter um negócio próprio, está

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional ROTEIRO PPT DICA: TREINE ANTES O DISCURSO E AS PASSAGENS PARA QUE A APRESENTAÇÃO FIQUE BEM FLUIDA E VOCÊ, SEGURO COM O TEMA E COM A FERRAMENTA. Para acessar cada uma das telas,

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Segunda-feira, 22 de abril de 2013

Segunda-feira, 22 de abril de 2013 Segunda-feira, 22 de abril de 2013 22/04/2013 07h00 - Atualizado em 22/04/2013 07h00 Empresários dão dicas de como empreender após a aposentadoria Professora aposentada montou empresa de reforma de calçadas.

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

A Paralisia Decisória.

A Paralisia Decisória. A Paralisia Decisória. Começo este artigo com uma abordagem um pouco irônica, vinda de uma amiga minha, que, inconformada como a humanidade vêm se portando perante a fé em algo superior, soltou a máxima

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO

QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade abordar a importância das ferramentas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL AUFLA foi uma das instituições mapeadas por uma pesquisa realizada em 2010 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que resultou

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

PRÊMIO CARLOS DREHER. Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) REGULAMENTO

PRÊMIO CARLOS DREHER. Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) REGULAMENTO PRÊMIO CARLOS DREHER Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) Carlos Dreher dedicou mais de duas décadas a uma fotografia transformadora, aquela que propicia cidadania

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Se hoje investir em responsabilidade socioambiental é uma opção, em breve será praticamente obrigatório para se manter no mercado. Especialistas da indústria

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais