RELAÇÃO UNIVERSIDADE E ESCOLA NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO UNIVERSIDADE E ESCOLA NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES"

Transcrição

1 RELAÇÃO UNIVERSIDADE E ESCOLA NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lilia Maria Pereira de Oliveira 1 - PUCPR Joana Paulin Romanowski 2 - PUCPR Grupo de trabalho Pesquisa Formação de Professores e Profissionalização Docente. Agência financiadora: CNPQ Resumo Esse relato de experiência insere-se no projeto de pesquisa que focaliza a formação inicial do professor da educação básica realizada em cursos de licenciatura quanto à relação entre a universidade e a escola básica, em específico, as disciplinas pedagógicas dos cursos de licenciatura. O objeto busca compreender como a universidade realiza a formação inicial do professor da educação básica e sua inserção no campo de trabalho. Para o seu desenvolvimento foram tomados por base os questionários respondidos por professores da educação básica realizados pelos participantes do grupo de pesquisa práxis educativa: dimensões e processos. Associado ao projeto de pesquisa está em desenvolvimento a criação de uma rede de pesquisadores interinstitucional de grupos de pesquisa que investigam formação de professores. Assim, este texto inclui o relato de experiência da criação deste grupo e os dados gerados na investigação. Os dados se referem a cento e sessenta e sete questionários respondidos por professores da educação básica. Destes respondentes, a maioria graduou-se durante a década de 1990 e Poucos são graduados em décadas anteriores e quinze não indicaram o período de formação. Em relação ao aprendido durante o curso os professores apontam que os cursos são base de sua formação. No entanto, apontam que sentiram falta de formação em prática docente. Um menor número reclama de alguns professores formadores e de condições materiais precárias. Em relação à formação em prática docente é recorrente entre os professores que os cursos de licenciatura focalizam uma densa formação teórica. Há queixa constante quanto à formação prática, pois os respondentes consideram a formação prática insuficiente, tanto no decorrer do conjunto das disciplinas do curso como nos estágios. Essa queixa foi constatada em outras pesquisas semelhantes. Palavras chave: Cursos de licenciatura. Formação inicial. Relação universidade e escola. 1 Lilia Maria Pereira de Oliveira - Pontifícia Universidade Católica do Paraná, graduanda de Pedagogia, bolsista pesquisadora do CNPQ, aluna PIBIC desde Profa. Dra. Joana Paulin Romanowski Pontifícia Universidade Católica (PR) - Coordenadora do GT 08 (Anped) - Formação de professores (2010/2013) Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (1972). Mestrado em Educação pela UFPR (1985). Especialista em Alfabetização pela UFPR (1992). Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PPGE e colaboradora no Centro Universitário UNINTER. ISSN

2 32569 Introdução A formação inicial de professores no Brasil constitui-se objeto de inúmeras pesquisas na área de educação, preocupação que consta nas políticas públicas, programas, planos de Governo e nas reformas educacionais. A pesquisa, relação universidade e escola nos cursos de formação de professores, busca entender como a universidade realiza a formação inicial do professor da educação básica e sua inserção no campo de trabalho. O projeto inclui também a formação de uma rede de pesquisadores interinstitucional de grupos de pesquisa que investigam formação de professores. Na presente fase desse processo está em construção de um site para a comunicação desses grupos de pesquisa sobre formação docente. A investigação direciona-se para a formação inicial do professor da educação básica realizada em cursos de licenciatura. Focaliza a relação entre a universidade e a escola básica, em específico, as disciplinas pedagógicas dos cursos de licenciatura. Nossa pesquisa busca a inserção de professores da Educação Básica em atividades realizadas no grupo de pesquisa contribuindo com a sua formação e a articulação com professores de cursos de licenciatura, em decorrência, procura contribuir com os cursos de licenciatura. A formação docente tem sido alvo de inúmeros estudos e pesquisas no Brasil, especialmente as licenciaturas, tais como Diniz- Pereira (2000), Diniz-Pereira e Viana (2010), Terrazan (2004) Gatti (2010), Romanowski (2003), Martins e Romanoski (2010). Entre os referenciais de outros países esses estudos são desenvolvidos por Nóvoa (1992; 2009), Vaillant e Marcelo (2000); Imbernón (2001). Esses autores serão considerados na próxima fase quando for realizada a análise dos dados, neste relato incluímos apenas a descrição dos dados agrupados em categorias provisórias e uma primeira inferência obtida nas leituras realizadas. Sobre o desenvolvimento de um site, onde se concentrarão vários grupos que pesquisam a formação de professores descrevemos o processo a seguir. Analisamos alguns sites conhecidos que trabalham na mesma linha de pesquisa em que atuamos, entre eles: a) O site Centre de recherche interuniversitaire sur la formation et la profession enseignante (CRIFPE 3 ) é um centro para a pesquisa educacional sediado no Canadá, que acolhe pesquisadores daquele país e outros, a pagina Formacion de Profesores, administrada pelo Professor Carlos Marcelo professor do Departamento de Ensino e Organização Educacional da Universidade de Sevilha. 3 Centro de Pesquisa Interuniversitária sobre a Formação e Profissão Docente, tradução livre das autoras. Disponível em: <http://www.crifpe.ca/>.

3 32570 b) O site Grupo de Pesquisa Educação e Religião (GPER 4 ) um portal para voltado a divulgação do Ensino Religioso com a finalidade de ampliar e aprofundar os estudos acadêmicos para a identidade pedagógica do Ensino Religioso. Em seguida, tomando como base a estrutura dos sites acima citados adequamos o mapa do site a ser construído de acordo com as necessidades dos grupos de pesquisa que farão parte deste projeto. Encaminhamos s de consulta e levantamos às sugestões dos participantes dos grupos de pesquisa. Neste momento a primeira versão do site está em funcionamento disponível no endereço <https://www.ripfor.com.br>. O material coletado foi sistematizado e a proposta inicial contém os seguintes itens, Minha página, Membros, Biblioteca, Material Didático, Eventos, Fórum e Grupos. A Rede Interinstitucional de Pesquisas de Formação e Práticas Docentes RIPFOR, de caráter não oneroso, é composta por grupos de pesquisa e pesquisadores que elegem este tema como objeto de investigação. As atividades de cooperação acadêmica da rede RIPFOR tem as seguintes características: a) articulação entre os Grupos de Pesquisa constitui a Rede Interinstitucional de Pesquisas de Formação e Práticas Docentes RIPFOR. b) elaboração e desenvolvimento conjunto de atividades de pesquisa e projetos de investigação no campo da Formação, Profissionalização, Trabalho e Práticas Docente; c) organização de iniciativas de dinamização acadêmica, cultural e científica, designadamente pela realização conjunta de seminários, conferências e/ou outros encontros; d) intercâmbio pedagógico e científico de docentes, pesquisadores e estudantes em programas conjuntos de formação graduada e pós-graduada; e) desenvolvimento de produções coletivas, comunicações e publicações, articulados aos estudos dos Grupos de Pesquisa. O site conta com 58 inscritos de diversas instituições são elas, FAE, FURB, Instituto Federal Sul Rio Grandense, SEED PR, SME PR, UFPEL, UFPR, UNINTER, UNIVILLE, com um participante inscrito, Prefeitura Municipal de Curitiba e UFSC, com dois participantes inscritos, UTFPR, com cinco participantes inscritos, UEPG, com dez participantes inscritos e por fim a PUCPR, com vinte e oito participantes inscritos. A expectativa é que com isso 4 Grupo de Pesquisa Educação e Religião. Disponível em: <http://www.gper.com.br.>.

4 32571 possamos aproximar os pesquisadores e facilitar a comunicação entre eles possibilitando a troca de experiências entre as diferentes pesquisas realizadas pelos grupos. Os dados de pesquisa Participaram da pesquisa cento e sessenta e sete professores (as). Não foi solicitada a identificação quanto a sexo. Aplicamos um questionário com as seguintes questões: Conte como foi sua formação inicial, descreva um pouco. O que você sentiu falta na sua formação inicial no curso de licenciatura? O que você considera necessário saber para sua pratica docente? Quais são os problemas que você encontra na sua prática docente? Como faz para resolver os problemas da pratica? Em que se baseia? Que autores e que temas foram memoráveis em sua formação? E os atuais? A análise dos dados foi feita seguindo as seguintes etapas: (i) leitura das respostas para tomada de decisão sobre como melhor organizar os dados; (ii) composição das respostas em planilha do Excel agrupando as respostas semelhantes; (iii) definição da categoria de respostas pela análise de seu conteúdo; (iv) descrição dos dados após a organização das categorias; (v) inferência das conclusões. Incluímos neste item a caracterização dos respondentes dos questionários. São todos professores da educação básica que atuam em escolas públicas da rede municipal da cidade de Curitiba e região metropolitana. Ressalta-se que todos aceitaram participar da pesquisa manifestando por escrito a autorização para utilização das respostas. Os professores respondentes, a maioria graduou-se durante a década de 1990 e Poucos são graduados em décadas anteriores e quinze não indicaram o período de formação. A maioria dos professores é graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Em menor número são graduados na Universidade Tuiuti do Paraná, Universidade Federal do Paraná, pelo Centro Universitário UNIANDRADE, e em outras instituições consta apenas um graduado. Apenas um respondente não informou a instituição. A maior parte dos professores entrevistados considera sua formação inicial boa com muita teoria, é comum encontrarmos nos depoimentos professores indicações que gostariam de ter tido um melhor preparo para a docência, afirmam que seus cursos de licenciatura formam para o conteúdo específico direcionando a formação para o bacharelado e não para ser professor. Quando foi perguntado sobre o que sentiam falta em sua formação inicial no curso de licenciatura, muitos responderam que sentiam falta de estágio, pois, saíram da faculdade sem

5 32572 ter a experiência que julgavam necessária para a docência. Como podemos notar no depoimento abaixo: Mais prática, pois trabalhava com muita teoria sem mostrar realmente a realidade em sala de aula. Senti falta de mais práticas diretas com alunos, pois teoricamente é diferente do que a prática. (Professor 11 licenciatura não informada). Apenas uma pequena parcela citou falta de estrutura e atendimento do professor dos cursos de licenciaturas, outros poucos disseram que faltaram práticas didáticas, outras questões citadas foram, falta de conteúdos específicos, falta de preparo para inclusão, falta de material didático, poucos disseram não sentir falta de nada em sua formação inicial. Conhecimentos necessários para ser professor Na pergunta o que você considera necessário saber para sua prática docente? A resposta mais comum entre os entrevistados foi da necessidade de saber o que ensina, como ensina, e para quem ensina. Como no depoimento: Dominar o conteúdo de sua disciplina, ser inter e transdisciplinar, ter noção da globalização quando se fala do regional, entender do comportamento humano diante de vários problemas. (Professor 20 licenciatura em pedagogia) A segunda resposta mais citada foi, atualização profissional, os professores citam a atualização profissional como item de extrema importância. A prática docente exige atualização. Estar sempre em dia com os acontecimentos, buscando informações e acima de tudo ter muita criatividade para despertar o interesse da criança. (Professor 15 licenciatura em pedagogia) Em relação aos problemas em sua prática docente, foram citados superlotação das escolas, a falta de recursos financeiros e pessoais, conflitos e relações interpessoais, falta de tempo para o planejamento de suas aulas, porém a maioria cita como principal problema o comportamento tanto de seus alunos como de familiares de seus alunos, que agem com falta de respeito e falta de comprometimento, assim como nos depoimentos abaixo. Falta de compromisso da família com o aluno, indisciplina do aluno e as limitações que enfrentamos na escola devido ao sistema... (Professor 19 licenciatura em pedagogia) Educação que o aluno traz de casa, comprometimento dos pais com a escola e com seu filho. (professor 8 licenciatura não informada)

6 32573 Ausência da família... (professor 2 licenciatura em letras) Indisciplina por parte dos alunos e desmotivação para os estudos, famílias ausentes e restrições financeiras e problemas de ordem emocional e psicológica bastantes presentes nas famílias... (Professor 7 licenciatura não informada) Alunos desinteressados, com poucos limites, sem uma sólida formação em valores, pais menos presentes e acreditando que a tecnologia resolverá seus problemas fazem parte segundo os depoimentos dos professores dos problemas enfrentados na prática. Insuficiências nos cursos de licenciatura Ao apontarem sobre o que sentiram falta na sua formação em relação aos cursos de licenciatura em que se graduaram, os respondentes centralizam as indicações na formação em prática docente, em conhecimentos específicos. Em relação à formação em prática docente é recorrente entre os professores que os cursos de licenciatura focalizam uma densa formação teórica. No entanto, há uma queixa constante quanto à formação prática. Os respondentes consideram a formação prática insuficiente, tanto no decorrer do conjunto das disciplinas como nos estágios. A compreensão da prática se manifesta como ação, estar em contato com o campo profissional. Alguns recortes de relatos expressam estas questões: Pouca prática. É importante para os futuros professores o contato com a realidade das escolas. Hoje, boa parte das professoras não cursaram o magistério, fazem curso superior e acabam assumindo sem ter uma boa formação da didática em sala de aula.(professora 3, formada em Pedagogia). Trabalhar com a realidade escolar, com os vários problemas que nos deparamos quando entramos com uma sala de aula, não é só o conteúdo da disciplina que precisamos saber, mas todo um conhecimento de relação interpessoais, familiares, sociais, de ordem publica, entre outros. (Professor 7, Licenciatura em Educação Física) Senti falta da prática, da atuação em escolas, treinamento, pois conhecemos a realidade depois de formada. (Professor 5, licenciatura em Matemática). Em algumas respostas o foco direciona-se a situações específicas da prática profissional. No entanto, as indicações feitas pelos respondentes só foram possíveis após o professor ingressar no campo de atuação profissional. Como trabalhar com adolescentes, como transmitir o conteúdo de maneira mais clara para o entendimento dos mesmos. (Professor 9,sem identificação de curso)

7 32574 Senti falta da prática, da atuação em escolas, treinamento, pois conhecemos a realidade depois de formada. (Professor 5, licenciatura em Matemática). Em específico aos estágios os respondentes apontam que esperavam maior intensidade de inserção no campo da prática: encontrado: No meu ponto de vista faltou mais contato de estágio nas escolas para adquirir experiências na formação. (Professor 4, licenciatura em Língua Portuguesa) Ainda sobre o estágio, na perspectiva de seu encaminhamento metodológico foi Faltaram estágios orientadores (presença do orientador do curso para supervisão e orientação gerando intervenções pedagógicas). (Professor 9, licenciatura não informada) Em relação às sugestões para a melhoria da sua prática docente os respondentes apontam a necessidade de ampliar seus conhecimentos e compartilhar conhecimentos. Ampliar seus conhecimentos Em relação a ampliar seus conhecimentos os respondentes apontam que conhecer melhor a escola, aspectos didáticos e de conteúdos específicos, atualização e inclusão são assuntos a serem estudados. Necessário conhecer melhor o contexto da escola; na contemporaneidade há muitos problemas pertinentes tanto à sociedade, a família e nesse contexto a escola. Não considero o aluno sem problema, pois este é fruto das relações e a função primordial da escola é medir o conhecimento e orientar a construção e aprofundamento do mesmo. Respeitar o aluno, o que ele é e traz de casa, sua família, seu conhecimento existente. Criar um vínculo com esse aluno, para que ele confie em você. Trazer novidades com muita criatividade e imaginação. A realidade da escola. (Professor 5, licenciatura em geografia).

8 32575 Necessário saber o que ensina/ como ensina e para quem ensina. Nossa diretriz curricular do Paraná é muito extensa e com conteúdos que não são dominados pelos professores. Ênfase nenhuma a um roli de conteúdos teóricos. Um pouco de psicologia, ter domínio de sua disciplina, ética e postura profissional. Ter um conhecimento mais linguístico. Alem do pleno domínio dos conteúdos também é necessário se saber como ensinar, além de postura do docente, vocabulário acessível aos alunos. O básico da formação. Uma troca maior entre os educando sobre a prática cotidiana. Conhecimento teórico, voz de comando, disciplina e domínio da turma. Dominar os conteúdos específicos, planejar aulas de forma a aprimorar o tempo e os recursos a serem utilizados. Ter um conhecimento básico dos recursos tecnológicos. Dominar o conteúdo de sua disciplina, ser inter e transdisciplinar, ter noção da globalização quando se fala do regional, entender do comportamento humano diante de vários problemas. É necessário dominar o conteúdo, ter controle das turmas, saber identificar problemas de aprendizagem e estar preparado para enfrentar qualquer imprevisto, ou seja, saber de tudo um pouco. (Professor 30, licenciatura em pedagogia). Necessário atualizar-se. A prática docente exige atualização. Estar sempre em dia com os acontecimentos, buscando informações e acima de tudo ter muita criatividade para despertar o interesse da criança. Necessidade de referencial teórico, informações sobre a turma e alunos que sejam relevantes para o andamento da aula e postura docente. Domínio dos conteúdos a transmitir e a forma como fazê-lo, ou seja, seguir uma linha teórica. Quanto mais o professor se informar melhor, leituras de jornais, revistas, fazer cursos e se atualizar sempre. Considero necessário conhecimentos especifico e elementos relacionados a psicologia, para compreender as relações humanas e as metodologias e didáticas aplicadas na ação profissional. Estar atualizada e entender a dificuldade de cada aluno durante a realização da pratica. (Professor 39, licenciatura em pedagogia). Necessário especializar-se. Fundamentação teórica mais a pratica efetiva. Necessário referencial teórico e capacitação voltada para a área de atuação. Toda parte didática referente ao ciclo trabalhado. Atualizações periódicas em questões científicas e novas metodologias para auxiliar na escola para atender melhor a clientela atual. Saber sobre a educação inclusiva e praticas com alunos com déficit de aprendizagem. Como trabalhar com os alunos de inclusão. Necessário compartilhar experiências entre os professores. (Professor 90, licenciatura em pedagogia). Cabe destacar a valorização da troca de experiências com os professores com mais tempo em sala de aula e também a questão de gostar do que faz. Os futuros professores carecem de mais apoio e atenção quando estão iniciando, também precisam de teorias ligadas a pratica docente diária. O professor iniciante deve estar apto às mudanças rápidas e repentinas, para lidar com as diferentes situações em constantes e diversos momentos e estar sempre em contato com a atualidade, ler bastante, vivenciar e gostar do que faz. Considerações finais Percebemos que a maioria dos professores considera sua formação inicial boa quando se referem à parte teórica. No entanto, a maioria aponta como problema a forma de como as

9 32576 universidades os preparam para a docência. Dizem que quando saem da universidade para trabalhar nas escolas sentem-se despreparados para enfrentar a realidade da sala de aula. Entre os principais problemas apontam a falta de comprometimento dos alunos e a não participação da família no processo de ensino. Alunos desinteressados, com menos limites, menos valores, pais menos presentes e acreditando que a tecnologia resolverá seus problemas fazem parte segundo os depoimentos dos professores do maior problema da docência. Desse modo, verifica-se que as licenciaturas não conseguiram ainda romper com a dicotomia existente entre a teoria e a prática, como apontam Romanowski, Martins e Cartaxo: a dicotomização existente na organização, estruturação e sistematização dos cursos de licenciatura pode ser representada por duas paralelas que mantém entre si um espaço vazio a ser superados pelos alunos, futuros professores, na sua prática profissional. A desarticulação se manifesta entre as instituições de formação com as instituições em que se dá o exercício profissional; entre as áreas de formação dos conhecimentos específicos e dos conhecimentos pedagógicos; na abordagem destes conteúdos pela separação da teoria e da prática; entre professores da educação superior e professores da educação básica; entre pesquisa e ensino; entre professores formadores e licenciandos (ROMANOWSKI; MARTINS; CARTAXO. 2011, p.405). Assim a formação pedagógica permanece desarticulada do conjunto das disciplinas fragilizando a formação. A mudança na educação implica cada vez mais nas iniciativas dos educadores. Cada vez mais temos que assumir a condição de educadores, e seguir as diretrizes que orientam no sentido de que educar e cuidar são indissociáveis. Para Romanowski: Desde a década de 1990, os sistemas de ensino proclamam por uma formação de professores capaz de promover mudanças no processo de ensino. Nesta perspectiva, entre as alternativas, na definição das políticas de intervenção no estatuto da formação de professores, é elevar o nível de exigência para os cursos de formação inicial do professor e a ampliação da formação continuada (ROMANOWSKI; MARTINS; CARTAXO. 2011, p.409). As universidades direcionam a formação inicial de seus alunos para uma educação focada nas teorias em detrimento de uma intensificação de apropriação da prática docente. De que modo priorizar as inúmeras teorias sem a segurança necessária para a atuação docente favorece esta relação? Não por acaso encontramos na sociedade pessoas formadas em licenciaturas que não atuam na área educacional por não julgarem-se aptos para a função. A pesquisa sobre formação inicial de professores vem sendo investigada desde o final de 1998, e ainda está em continuidade, isso implica dizer que são provisórios os dados desta reflexão, porém já se podem apontar alguns pontos para sua continuidade. Universidade e Educação Básica continuam campos distintos, as questões do campo de atuação profissional são abordadas como teorias disciplinares, conceitos, sem que as

10 32577 articulações necessárias possam ser estabelecidas, e por outro lado a realidade na prática da escola não fundamenta os estudos realizados na universidade. Nas universidades a formação para a compreensão da totalidade é uma meta não concretizada, a conscientização dos professores sobre sua profissionalidade na maioria das vezes é construída na prática da docência, o recém-formado precisa determinar-se como professor e muitas vezes esta atitude está longe de acontecer. Conforme Romanowski: o desafio vai muito além da expansão do número de matrículas e da reformulação das propostas curriculares e dos processos formativos, as universidades precisam encontrar o ponto de fusão entre teoria e pratica docente em contraponto os recémformados precisam apropriar-se deste conceito (ROMANOWSKI, 2009 p.89). Ao analisar as respostas dos professores podemos concluir que a maioria atribui exclusivamente ao professor a responsabilidade de prender a atenção dos estudantes, assumindo um papel de único responsável pelo aprendizado. A sociedade cultiva uma ideia de que os professores detém o poder de ensinar o aluno fica eximido da responsabilidade de aprender, como se fosse menos importante o estudante ter a consciência de aprendiz. Essa cultura deve ser combatida e desde bem cedo já na educação infantil deve-se mostrar aos pequenos que eles devem assumir seu papel de aprendiz. É claro que o papel do professor é indiscutivelmente essencial na construção do conhecimento, porém ele não é o único responsável é uma via de mão dupla que deve ser amplamente explorada nas escolas de todo país. REFERÊNCIAS DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação de professores: pesquisas, representações e poder. Belo Horizonte: Autêntica, DINIZ-PEREIRA, J. E; VIANA, G. M. A atual reforma das licenciaturas na UFMG e as lutas concorrenciais no campo universitário. In: Simone Albuquerque da Rocha. (Org.). Formação de professores: licenciaturas em discussão. Cuiabá: EDUFMT, GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade. Campinas: IMBERNÓN, Francisco. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 3. ed. São Paulo: Cortez, MARTINS, P. L.O; ROMANOWSKI, J. P. A didática na formação pedagógica de professores nas novas propostas para os cursos de licenciatura. In: Angela Dalben; Júlio Diniz; Leiva Leal; Lucíola Santos. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do

11 32578 trabalho docente: didática, formação de professores e trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, NÓVOA, António. Formação de professores e formação docente. In: NÓVOA, António. (org.) Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, Professores imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, ROMANOWSKI, J. P. Expansão dos cursos de licenciatura no Brasil. In: Ana Maria Eyng; Romilda Teodora; Sérgio Rogério Azevedo Junqueira. (Org.). O tempo e o espaço na educação: a formação do professor. Curitiba: Champagnat, ROMANOWSKI, Joana P.; MARTINS, Pura L. O.; CARTAXO, Simone R. M. Reformulation of undergraduate courses in Brazil: new directions? In: Conference Proceedings,15 Th Biennial ISATT Conference. Braga, Pt.: Universidade do Minho, International Study Association on Teachers and Teaching ISATT, ROMANOWSKI, Joana Paulin. Formação e Profissionalização docente. Curitiba: Ibpex, TERRAZAN, E. A. Condicionantes para tutoria escolar no estágio curricular supervisionado: articulando formação inicial e formação continuada de professores (COTESC). Projeto e relatório de pesquisa. Santa Maria: UFSM, (texto de relatório) VAILLANT, Denise, MARCELO, Carlos. Quién educará a los educadores? Teoría y práctica de la formación de formadores. Montevideo: ANEP, AECI, 2000.

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS VIEIRA, Débora Cristina de Oliveira PUCPR mmdvieira@hotmail.com MARTINS, Pura Lúcia Oliver - PUCPR Pura.oliver@pucpr.br Eixo Temático: Didática: Teorias,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO Conceito CAPES: 4 Área de Concentração: Pensamento Educacional Brasileiro e Formação de Professores Rua: Imaculada

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF Alta Floresta/2011 Sumário DA FINALIDADE E DA COORDENAÇÃO 03 DOS OBJETIVOS 04 DO CURRÍCULO E DA CARGA HORÁRIA

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Resumo SANTOS, Gisele Mugnol - FACINTER 1 gisele@facinter.br ROSENAU, Luciana dos Santos - FACINTER

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

TUTOR EM EAD. Quem é? - Tutor/Educador. Educação à Distância - Profissional que acompanha o aluno nas aulas virtuais.

TUTOR EM EAD. Quem é? - Tutor/Educador. Educação à Distância - Profissional que acompanha o aluno nas aulas virtuais. TUTOR EM EAD Quem é? - Tutor/Educador - Competência em Educação à Distância - Profissional que acompanha o aluno nas aulas virtuais. SURGIMENTO Com a implantação da EAD surgiu a necessidade de um educador/tutor

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula.

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º -O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de licenciados em Pedagogia

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Claudia Davis: É preciso valorizar e manter ativas equipes bem preparadas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR Marcos Legais Resolução

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Thais Tolentino 1 Valdeniza Maria Lopes da Barra 2 RESUMO: Este trabalho pretende mostrar os apontamentos

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais