ÍNDICE Crescimento e Estratégias Competitivas Estratégias Competitivas de Empresas _ 2 Economia Agrícola I Economia Agrária 3 Economia Brasileira III

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE Crescimento e Estratégias Competitivas Estratégias Competitivas de Empresas _ 2 Economia Agrícola I Economia Agrária 3 Economia Brasileira III"

Transcrição

1 ÍNDICE Crescimento e Estratégias Competitivas Estratégias Competitivas de Empresas _ 2 Economia Agrícola I Economia Agrária 3 Economia Brasileira III Política Brasileira Recente 5 Economia da Energia 6 Economia da Tecnologia 8 Economia de Empresas 10 Economia dos Recursos Naturais - Estratégias Empresariais em Energia 12 Economia Industrial e Tecnológica - Introdução a Economia do Setor Elétrico 13 Economia Política III - Pensamento Econômico Institucionalista (Veblen-Commons) 17 Economia Regional e Urbana 19 Estatísticas Econômicas Análise Estatística Multivariada 21 História Econômica Firmas E Mercados: Teoria E História 22 Matemática Financeira I - Matemática Financeira com Excel 24 Matemática Financeira I - Matemática Financeira com HP 12C e Excel 25 Teoria dos Jogos 26 Tópicos em História Financeira 28

2 CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS DE EMPRESAS Código da disciplina: IEE-625 Pré-requisito: Economia Industrial Prof.: Renato Cotta 2ª/5ª 11:00/12:50 Nº da turma no SIGA: 3360 OBJETIVO O objetivo da cadeira é permitir a apresentação e a discussão dos principais conceitos e modelos que envolvem a elaboração, a implementação e a análise de estratégias competitivas em empresas. TEMAS Os temas que serão abordados ao longo do programa incluem: - Conceito de Planejamento Estratégico - Processo de Administração Estratégica - Cenário de Negócios - Análise SWOT e Fatores Críticos de Sucesso - Análise Estrutural de Indústria - Resource-based view - Estratégias no Nível de Negócios - Dinâmica Competitiva - Ciclo de Vida de Produto - Análise de Cadeia de Valor - Avaliação de Estratégias - Competências Essenciais - Aspectos de Estratégia Internacional AVALIAÇÃO Os alunos serão avaliados da seguinte forma: 1. Pela qualidade das apresentações dos artigos em sala da aula, correspondendo a 30% do conceito final; e 2. Pelo desempenho obtido nas duas provas que serão aplicadas ao longo do semestre, correspondendo a 70% do conceito final. LIVRO-TEXTO HITT, M.A; IRELAND, R.D; HOSKISSON, R.E. Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, Além do livro-texto, serão distribuídos aos alunos artigos adicionais para cada sessão/tema que comporão a base para discussões em sala de aula. PRÉ-REQUISITOS Estar cursando o 6º período do curso de Economia, e ter concluído os cursos de Macroeconomia, Microeconomia e Economia Industrial.

3 ECONOMIA AGRÍCOLA I ECONOMIA AGRÁRIA Código da disciplina: IEE422 Pré-requisito: Não tem Prof: José Roberto Pereira Novaes 3ª - 09:20/12:50 Nº da turma no SIGA: 3357 Instituto de Economia da UFRJ OBJETIVO O curso Economia Agrária será desenvolvido em quatro unidades. A articulação destas unidades pretende dar aos estudantes uma referência histórica do processo de industrialização da agricultura brasileira, colocando em evidência as mudanças na base técnica e nas relações sociais de produção, o papel do Estado, a dinâmica dos mercados dos produtos agrícolas, as questões da produção sustentável no que se refere ao meio ambiente, aos problemas sociais de saúde pública e dos trabalhadores advindos deste padrão de desenvolvimento. PROGRAMA Unidade l Inovações tecnológicas na Agricultura: a integração setorial e a questão regional Temas: - relação agricultura/indústria: a questão da subordinação - descontinuidade do processo de produção agrícola - a dinâmica dos mercados Textos básicos - O Capital ; Marx, K., livro II: cap: 12,13,14(tempo de circulação/tempo de produção) - "Da Lavoura às Biotecnologias". David Goodman, Bernardo Sorj, John Wilkson Ed. Campus; "Modernização da Agricultura e Sindicalismo: Luta dos Trabalhadores Assalariados Rurais da Região Canavieira de Ribeirão Preto". Alves, J. Francisco, cap. II, tese de doutorado UNICAMP, Progresso Técnico e Relação de Trabalho na Agricultura ; Graziano Silva, José; HUCITEC Estatuto da Terra", "O Capital Financeiro e Agricultura no Brasil". Delgado, G.; Ed. UNICAMP, Unidade II A dinâmica do capital na agricultura brasileira e o padrão de desenvolvimento desigual e combinado. Temas: - os Complexos Agroindustriais: - a dinâmica do Capital na Fronteira Agrícola: - o Capital Comercial e a configuração do "atraso" no Campo. Textos básicos - "A Crise Agrária" Guimarães P. Alberto; Paz e Terra,1979.(cap.lll e lv) - "Complexos Agroindustriais e outros Complexos". Graziano da Silva, José; in Reforma Agrária, v.12,n.3, "Os Complexos Agroindustriais na Economia Brasileira". Haguenauer,L. et alli, IEI/UFRJ, Textos para Discussão, n.62,1984. "Modernização, Produtividade e Emprego na Agricultura: uma análise regional". Kageyama, Angela, tese doutorado, UNICAMP, Fronteira: a degradação do Outro nos conflitos do humano ; Martins; José de Souza; HUCITEC; 1997 Unidade III A segmentação do trabalho na agricultura e as formas de organização dos trabalhadores Temas: - o trabalho assalariado: permanentes e temporários/a migração/cooperativas de trabalho. - o trabalho familiar na agricultura - a problemática da integração.

4 Textos básicos "Mercado de Trabalho do Setor Sucroalcooleiro do Brasil". Coord. Ricci, R., IPEA, Estudos de Política Agrícola n. 15, "Camponeses e Agroindústria", Sorj, B. et alli, Editora Zahar, "Produtor e Agroindústria: consensos e dissensos". Paulilo, M. Maria, Editora UFSC, "Agricultura, Cooperativas e Multinacionais" Coradini, L.Odacir, Editora Zahar, 1982 "No Coração do Canavial: estudo crítico da evolução do complexo agro-industrial sucro-alcooleiro e das relações de trabalho na lavoura canavieira" Paixão, Marcelo; tese mestrado COPPE/UFRJ, Processo de Trabalho em Tempos de Reestruturação Produtiva: Estratégias e Controle na Agricultura Canavieira ; autor: Luciano Nunes Padrão, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro; Curso de Pós Graduação em Desenvolvimento Agrícola e Sociedade/CPDA; Dinâmica do mercado de Trabalho no setor sucro - alcooleiro, Novaes, José R.,in Segurança Alimentar e Cidadania, org Maria Antonieta Galeazzi, editora: Mercado e Letras, Campinas, 1996 Unidade IV: A questão agrária, o trabalho familiar e os assentamentos de trabalhadores rurais "História dos Movimentos Sociais no Campo", Medeiros, Leonilde, FASE, 1989 O cativeiro da Terra, Martins. J.S., Editora Ciências Humanas, 1981, SP Reconstruindo a Agricultura, Almeida, J et Navarro, Z, Editora da Universidade, 1997, Porto Alegre Reforma Agrária: produção, emprego e renda ; Romeiro, A et alli Editora Vozes, 1994

5 ECONOMIA BRASILEIRA III POLÍTICA BRASILEIRA RECENTE Código da disciplina: IEE508 Pré-requisito: Economia Brasileira Contemporânea I Prof: Fábio Sá Earp 3ª/6ª 11:00/12:50 Nº da turma no SIGA: 3373 OBJETIVO O objetivo da disciplina é examinar em maior profundidade o desempenho da economia após a estabilização de meados dos anos 90, comparando as visões do governo com os principais críticos. Serão objeto de análise o papel do Estado no desenvolvimento; as crises internacionais; as políticas monetária, fiscal e cambial; o investimento; as possíveis ameaças (desindustrialização, comodificação das exportações, doença holandesa). PROGRAMA Unidade I: Construção, aplicação e aperfeiçoamentos da âncora cambial.. Os debates dentro da equipe econômica. As crises internacionais do primeiro governo FHC Unidade II: Construção, aplicação e aperfeiçoamentos do tripé câmbio flexível, metas de inflação e superávit primário.. O apagão e as crises de 2001 e As críticas Unidade III: O primeiro Lula ( ).. Dúvidas iniciais: Fazenda liberal x política industrial do BNDES. A vitória de Palocci.. A crise do Mensalão e a mudança política e econômica (Palocci X Mantega, Dirceu X Dilma) Unidade IV: O segundo Lula. o semi-desenvolvimentismo da Fazenda. a adaptação da política fiscal. Expansão do comércio exterior e ampliação das reservas Unidade V: Um balanço de 17 anos de estabilização. Custos e benefícios do combate à inflação. O debate sobre as altas taxas de juros Unidade VI: Uma visão global. Mudanças na estrutura econômica após a estabilização. O nó cambial. Os problemas da apreciação: existem desindustrialização e doença holandesa?

6 ECONOMIA DA ENERGIA Código da disciplina: IEE530 Pré-requisito: Teoria Microeconômica I Profs.: Ronaldo Bicalho & Renato Pinto 2ª/4ª - 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3457 OBJETIVO Todos os Estados Nacionais se preocupam com o aprovisionamento energético. Cada um deles o faz de acordo com suas tradições, seus recursos e o seu peso no cenário internacional. As soluções dos problemas relacionados ao abastecimento energético de uma economia nacional podem ser encontradas na reorganização industrial, nas novas relações internacionais ou na gestão e diversificação das fontes de energia. Essas escolhas, evidentemente, têm conseqüências sobre: o crescimento e a competitividade das nações, a evolução das trocas internacionais, a divisão internacional do trabalho e a mudança tecnológica. A compreensão das políticas de energia implica o conhecimento da Economia da Energia; ou seja, das condições nas quais as necessidades podem ser satisfeitas através da produção e da troca de diversas fontes de energia tecnicamente exploráveis. O objetivo do curso é fornecer um conjunto de elementos conceituais, teóricos e empíricos que permita analisar as estruturas de abastecimento e consumo de energia hoje no mundo. A partir desse conjunto é possível avaliar as políticas energéticas de alguns grandes atores no cenário energético mundial - destacando-se as políticas energéticas dos Estados Unidos, da Comunidade Econômica Européia e dos países emergentes -, e situar as questões atuais relacionadas à política energética brasileira neste contexto. MÉTODO DE AVALIAÇÃO Serão aplicadas quatro provas, cada uma delas cobrindo um módulo do curso, das quais serão escolhidas as três maiores notas. PROGRAMA DO CURSO O curso é dividido em quatro módulos. No primeiro módulo são apresentados alguns conceitos básicos de Economia da Energia que permitem a construção de uma abordagem abrangente de todas as fontes e cadeias energéticas. No segundo módulo são apresentados os métodos de contabilização dos fluxos de energia dos diversos espaços socioeconômicos e analisada a evolução do sistema energético brasileiro nas últimas décadas, a partir da sua conta de energia mais importante: o Balanço Energético Nacional; assim como o quadro energético mundial, a partir das contas da Agência Internacional de Energia. O terceiro módulo discute a relação entre Energia e crescimento econômico, ressaltando os métodos analíticos que procuram apreender e explicitar quantitativamente esta relação. No quarto módulo, sintetizando os anteriores, é apresentada uma discussão sobre política energética, cobrindo desde a sua funcionalidade e principais instrumentos e desafios até as grandes questões da política energética brasileira, passando pela descrição e avaliação das políticas energéticas dos Estados Unidos, da Comunidade Econômica Européia e dos países emergentes. I. Tecnologia da Energia: definições e conceitos relevantes 1. Introdução 2. Formas de energia e conversão de energia 3. Cadeia energética 4. Princípios

7 II. III. IV. 5. Equivalência Balanço Energético e os Sistemas Energéticos mundial e brasileiro 1. Introdução 2. BEN: unidades de medida 3. BEN: Fontes de energia 4. BEN: Balanço de Oferta 5. BEN: Balanço de transformação 6. BEN: Balanço de Consumo 7. AIE: Balanço Energético Mundial Economia e Energia 1. Introdução 2. Elasticidade constante e universal 3. Elasticidade variável e específica 4. Intensidade energética 5. Efeitos atividade, estrutura e conteúdo. Política Energética 1. Política Energética: objetivos, Instrumentos e instituições. 2. Política Energética Americana 3. Política Energética Européia 4. Política Energética dos Países Emergentes 5. Política Energética Brasileira BIBLIOGRAFIA BÁSICA Pinto Jr. e alli, Economia da Energia: fundamentos econômicos, evolução histórica e organização industrial, Editora Elsevier, Rio de Janeiro, 2007.

8 ECONOMIA DA TECNOLOGIA Código da disciplina: IEE415 Pré-requisito: Teoria Microeconômica I Prof.: Paulo Bastos Tigre 2ª/4ª- 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3981 PROGRAMA 1.Teorias Econômicas da Tecnologia Teorias econômicas clássicas da tecnologia A tecnologia nas visões marxista e neoclássica A era fordista e a concorrência oligopolista O pós fordismo e as novas teorias da firma e da tecnologia 2. Inovação e Difusão Tecnológica Conceitos de Mudança Tecnológica Tipos de Inovações Fatores Indutores das Inovações O Processo de Difusão Tecnológica Indicadores de Inovação Tecnológica 3. Fontes de Tecnologia na Empresa Fontes de Inovação Desenvolvimento tecnológico próprio Transferência de tecnologia Tecnologia incorporada em bens de capital e insumos críticos Conhecimento tácito e codificado Aprendizado cumulativo Tecnologia Industrial Básica (TIB) Propriedade intelectual Fontes de tecnologia na indústria brasileira 4. Setor de Atividades, Tamanho da Firma e Localização Geográfica Inovação e Setores de Atividades Econômicas Produtores de commodities Setores Tradicionais Setores Difusores do Progresso Técnico Inovações em Serviços Inovação e Tamanho da Firma Sistemas de inovação e arranjos produtivos locais. 5. Inovação e Competitividade Internacional Tecnologia e Competitividade Internacional Hiato de Produtividade Padrão de especialização e competitividade internacional Balanço de pagamentos tecnológicos Necessidades Tecnológicas das Empresas Exportadoras Acordos multilaterais de comércio e tecnologia 6. Inovação e Estratégia Competitiva Conceitos de Estratégia Estratégia Ofensiva Estratégia Defensiva Estratégia Imitativa

9 Estratégia Dependente Estratégia Tradicional e Oportunista 7. Integração entre Estratégia Competitiva e Capacitação Tecnológica Capacitação e Estratégia Competitiva Necessidades de recursos produtivos ao longo do ciclo de vida do produto. Conflitos entre as visões e metas dos diferentes setores da empresa 8. Redes de Firmas e Cadeias Produtivas Redes de firmas e competitividade Redes Verticais ou Hierarquizadas Redes horizontais Agregação de valor e mobilidade em cadeias produtivas Redes de firmas e propriedade intelectual 9. Gestão da Inovação na Economia do Conhecimento O conhecimento como fator de produção Gestão de preços na economia do conhecimento Gestão das relações com clientes Economias de redes e seleção tecnológica Inovações e economias de escopo Custos de mudança e aprisionamento do cliente BIBLIOGRAFIA BÁSICA Tigre, Paulo B. Gestão da Inovação: A Economia da Tecnologia no Brasil. Editora Campus/Elsevier, Textos selecionados em economia da tecnologia

10 ECONOMIA DE EMPRESAS Código da disciplina: IEE365 Pré-requisito: Economia Industrial Prof.: Jacob Frenkel 3ª/6ª - 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3456 OBJETIVO Incorporar aos conhecimentos dos alunos vários aspectos teóricos e práticos da firma, que permitam ampliar o conhecimento sobre o tema e melhores as possibilidades de atuação profissional, como economistas, nas empresas. A lista de leituras é indicativa e compreende alguns dos principais autores sobre o tema; a sua utilização no curso dependerá da evolução da turma e da dinâmica do curso. TEMAS 1. Teoria da Firma e Contabilidade -Ribeiro, O.M.; Estrutura e Análise de Balanços, Cap. 1-6, 8, Ed Saraiva, Boulding, K.E.; A Reconstruction of Economics, Cap. 3,4 e 6, Jonh Wiley & Sons, Vickers, D.; The Theory of the Firm:Production, Capital and Finance, Cap. 3, McGraw-Hill, Conceituação e Evolução da empresa -Kwasnicka, E. L; Introdução à Administração. Cap. 15 e 16, 6ª. Edição, Ed. Atlas, Milgrom, P. e Roberts, J.; Economics, Organization & Management, Cap. 16 e 17. -Chandler, A.D.; -Penrose,E.T.; A Teoria do Crescimento da Firma, Cap.2, Ed. Unicamp, Coase, R.; The Nature of the Firm, Economica, pp , 4, As Funções Operacionais da Empresa 3.1. Produção: -Kwasnicka, E.L, Cap Financeira: -Kwasnicka, E.L, Cap. 7. -Lerner, E.M. e Carleton, W.T.; A Theory of Financial Analysis, Cap. 1 e 2, Harcourt, Brace & World, Marketing e Vendas, -Kwasnicka, E.L., Cap. 8, -Kotler, P.; Marketing Edição Compacta, Cap. 1 e 3., Ed. Atlas, RH, -Kwasnicka, E.L, Cap Organização, -Kwasnicka, E.L, Cap Simon, H.A.; Administrative Behavior, 2nd. Ed., Cap. I e II, Free Press, Evolução Organizacional da Empresa -Williamson, O.E.; The Modern Corporation: Origins, Evolution, Attributes, in Williamson, O.E., Economic Organization : Firms, Markets and Policy Control, pp , Wheastsheaf Books, Jensen, M. C. e Meckling, W.H.; Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs, and Ownership Structure, in A Theory of the Firm, Harvard University Press, Marris, R e Mueller, D. C.; The Corporation, Competition, and the Invisible Hand, Journal of Economic Literature, 1980, 18(1), pp

11 5. Custos -Wernke, R.; Análise de Custos e Preços de Venda, Cap. 1 a 10, Ed. Saraiva, Blocher, E.J., Chen K.H.,Cokins, G., Lin, T.W.; Gestão Estratégica de Custos, Cap. 3, 3ª. Ed. McGraw-Hill, Preços -Dean,J; Pricing Policies for New Products, in Harvard Business Review on Pricing, pp , HBR paperbacks, Nagle, T.T. e Hogan, J.E.; Estratégia e Táticas de Preço, Cap. 1 e 12, 4ª. Ed. Prentice Hall, Estratégias Competitivas -Barney, J.B. e Hesterly, W.S.; Administração Estratégica e Vantagem Competitiva, Cap. I e II, Prentice Hall, Chandler, A.D.; Introduction e Conclusion, Scale an Scope, the Dynamics of Industrial Capitalism, Introduction, Harvar University Press, Chandler, A.D.; Shaping the Industrial Century Chemical and Pharmaceutical Industry, Cap. 1, Harvard University Press, Chandler, A. D.; Inventing the Electronic Industry, Ch 1. Free Press, 2001.

12 ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS - ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS EM ENERGIA Código da disciplina: IEE615 Pré-requisito: Teoria Microeconômica I Prof.: José Vitor Bomtempo & Marcelo Colomer 3ª/5ª - 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3458 PROGRAMA Trata-se de entender as possibilidades teóricas de formulação de um pensamento crítico do efetivamente existente dentro de condições sociais diversas das da Esquerda clássica, mas tendo-se de alguma maneira que lidar com o legado da mesma. Apresentação do curso Perspectiva história da estratégia de negócios e competição Modelo Estrutura-Conduta-Desempenho Visão Baseada em Recursos Evolução do contexto histórico do setor de energia elétrica Estratégias de crescimento das principais empresas elétricas Evolução do contexto histórico do setor de petróleo e gás Estratégias de crescimento das principais empresas elétricas Reformas dos setores de energia e as multi-utilities Novas tecnologias e diversificação no setor de energia AVALIAÇÃO O curso é presencial. Isto significa que o comparecimento em 75 % das aulas ministradas é pré-requisito para aprovação do aluno. O número máximo de faltas toleradas no semestre é 7. A avaliação será realizada a partir de 1 provas um trabalho. A prova final abordará todo o programa ministrado ao longo do semestre. REVISÃO DE PROVAS A revisão de provas será por escrito. Após a entrega das provas corrigidas, os alunos poderão elaborar por escrito um pedido de revisão da prova. BIBLIOGRAFIA BÁSICA Chandler A., (1990), Scale and Scope: The Dynamics of Industrial Capitalism, Belknap Press. Chandler A., (1977),The Visible Hand: The Managerial Revolution in American Business Belknap Press. Chandler A., (1962), Strategy and Structure: Chapters in the History of the American Industrial Enterprise, The MIT Press CLÔ, Alberto (2000). Oil Economics and Policy. Kluwer Academic Publishers. London. Penrose E., (1959), The theory of the growth of the firm, Ed.Oxford Yergin D., (1992), Petróleo: Uma História De Ganância, Dinheiro E Poder, Ed.Scritta PINTO Jr., Helder (org.) (2007). Economia da Energia: Fundamentos Econômicos Evolução Histórica e Organização Industrial. Campus, Rio de Janeiro. Scherer, F.M e Ross,D. (1990) Industrial Market Structure and Economic Performance Ed. Houghton Mifflin Company.

13 ECONOMIA INDUSTRIAL E TECNOLÓGICA - INTRODUÇÃO A ECONOMIA DO SETOR ELÉTRICO Código da Disciplina: IEE514 Pré-requisitos: Introdução a Economia: Macroeconomia & Introdução a Economia: Microeconomia Prof.: Nivalde 3ª/5ª- 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3376 PÚBLICO ALVO Alunos a partir do segundo período (inclusive) que desejam adquirir conhecimentos analíticos sobre as origens, evolução, características e dinâmica do setor elétrico brasileiro. Desta forma, adquirindo capacitação para estagiar no BNDES, Eletrobrás, Petrobras, Light, Ampla, etc. e, eventualmente adquirir base para cursar outras disciplinas na área de energia e realizar monografia sobre o setor. PRÉ-REQUISITOS Ter cursado as disciplinas de: Introdução à Economia: Macroeconomia IEE 205 Introdução à Economia: Microeconomia IEE 107 OBJETIVO O objetivo central desta disciplina é analisar a dinâmica do setor elétrico e os elementos constitutivos do setor elétrico no Brasil. O foco analítico e metodológico estará centrado nos conceitos - tecnológicos, históricos e de política econômica setorial. Parte-se do estudo das características técnicas e econômicas da indústria elétrica. Em seguida estudam-se as fases da evolução histórica - econômica do Setor Elétrico no Brasil. Por fim, são apresentados os desafios e as tendências do setor elétrico. PROGRAMA Unidade 1 - Características Tecnológicas do SE. O processo de produção da energia elétrica: hidráulica, térmica, nuclear, eólica, solar e biomassa; etapas do processo de produção; estrutura do setor. Aqui serão definidos os principais conceitos técnicos do processo de produção de energia elétrica. Unidade 2 - Características Econômicas do SE. Apresentar as características econômicas que tornam peculiar a indústria de energia elétrica. Nesta parte do curso, será apresentado o modelo como o setor elétrico se estruturou, as causas econômicas de sua crise no final do Século XX e as motivações para sua reforma. Unidade 3 Evolução do Setor Elétrico no Brasil As Primeiras demandas por Energia - o nascimento do setor industrial: Os Primórdios do SE: A formação das Ilhas de Eletricidade ; Crise e Pacto da Clivagem: Estado e iniciativa privada ; A Intervenção do Estado e consolidação do Setor ( ) e Crise financeira do setor ( ). Unidade 4 Desafios e Tendências do Setor Elétrico A necessidade de garantia de oferta de suprimento concomitantemente a mitigação das alterações climáticas somada a necessidade universalizar o acesso à energia elétrica com preços competitivos faz com que os desafios do setor elétrico sejam de grande magnitude. Esta seção visa examinar os mecanismos que possivelmente serão utilizados para atender a estas demandas. Nesta parte do curso, serão estudadas questões como integração energética e smart grid.

14 METODOLOGIA 1. O curso disporá de recursos de tecnologia da informação para aumentar a capacidade e produtividade do processo de análise e entendimento das questões relacionadas ao tema central. Neste sentido, destacam-se duas ferramentas de TI: 1.1 Criação de uma lista de discussão - exclusiva da turma. 1.2 Acesso exclusivo para os alunos a uma plataforma, tipo site - - onde estarão disponíveis toda a bibliografia ( em versão integral) e demais informações. 2. As aulas terão uma metodologia mais centrada na exposição oral, baseada na indicação de bibliografia para leitura prévia. 3- Serão organizadas duas visitas a unidades produtivas do setor elétrico 4. Serão estruturadas palestras com especialistas de reconhecida competência e experiência no setor a fim de ampliar a capacidade analítica da política energética brasileira. SISTEMA DE AVALIAÇÃO A avaliação do curso estará dividida dois trabalhos, gerando, respectivamente a primeira e segunda nota em: (a) Elaboração de trabalho, sobre um tema relacionado com as unidades 1 e 2 do curso. (b) Elaboração de trabalho, sobre um tema relacionado com as unidades 3 e 4 do curso. BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR (todas disponíveis em versão completa e eletrônica) BORGES, Luis Ferreira Xavier; CASTRO, Nivalde J. A Convergência de um novo padrão de financiamento para o setor elétrico brasileiro. Seminário Internacional de Regulação e Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro. Rio de Janeiro, de agosto de BUENO, Daniel; CASTRO, Nivalde J. Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Público-Privada. São Paulo. Revista GTD, agosto de 2006, p CARVALHO, Ricardo Luiz de. "Programa Termoelétrico Brasileiro faz água e investidores convivem com riscos elevados em seus projetos" Fitchratings, Julho de CASTRO, Nivalde Jose; DANTAS, Guilherme de Azevedo; LEITE, André Luis da Silva; GOODWARD, Jenna. Perspectivas para a Energia Eólica no Brasil. Texto de Discussão n. 18. Rio de Janeiro: GESEL/IE/UFRJ, CASTRO, Nivalde José; BRANDÃO, Roberto; DANTAS, Guilherme de A. Considerações sobre a ampliação da geração complementar ao parque hídrico brasileiro. Texto de Discussão n. 15. Rio de Janeiro: Gesel/IE/UFRJ, 2010a. CASTRO, Nivalde José; BRANDÃO, Roberto; DANTAS, Guilherme de A. O risco financeiro de um período seco prolongado para o setor elétrico brasileiro. Texto de Discussão n. 17. Rio de Janeiro: Gesel/IE/UFRJ, 2010b. CASTRO, Nivalde José. "Avanços na reestruturação do setor de energia elétrica". Rio de Janeiro: IE-UFRJ, 31 de março de "As condições macroeconômicas do país e a ampliação do Setor Elétrico" Rio de Janeiro, IFE nº IE - UFRJ, 05 de maio de "Problemas e perspectivas da crise financeira do setor elétrico Brasileiro" Rio de Janeiro, IFE nº IE - UFRJ, 28 de abril de "As duas crises do setor elétrico brasileiro: a criação de energia nova" Rio de Janeiro, IFE nº IE - UFRJ, 14 de abril de "As duas crises do setor elétrico brasileiro: a vertente financeira" Rio de Janeiro: IE-UFRJ, 07 de abril de 2003.

15 . "Avanços na reestruturação do Setor de Energia Elétrica" Rio de Janeiro: IE-UFRJ, 31 de março de "Agências Reguladoras e estratégia das empresas do Setor de Energia Elétrica". Rio de Janeiro: Instituto de Economia-UFRJ, 24 de março de CASTRO, Nivalde J.; Rosental, Rubens; Bruni, Pedro; Soares, Isabel. Concorrência do setor de distribuição de energia elétrica no Brasil: uma abordagem teórica e empírica. Seminário Internacional de Regulação e Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro. Rio de Janeiro, de agosto de CASTRO, Nivalde José de. O Brasil e o gás boliviano. Rio de Janeiro. IFE nº , Rio de Janeiro. 8 de novembro de CASTRO, Nivalde José de; BUENO, Daniel. Análise e Perspectivas do Leilão de Linhas de Transmissão de Energia Elétrica de Novembro de IFE nº Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2006 CASTRO, N.J.; FERNANDES, P. C. A Expansão da Fronteira Elétrica no Brasil. Revista Brasil Energia, Rio de Janeiro, nº 312, p , novembro de CASTRO, Nivalde José de; BRANDÃO, Roberto. Os Leilões de linhas de transmissão e o Risco Brasil. IFE n Rio de Janeiro, 18 de dezembro de CASTRO, Nivalde José de; BUENO, Daniel. Distribuição de renda e o consumo de energia elétrica das classes sociais menos favorecidas. IFE n Rio de Janeiro, 11 de dezembro de Comissão de Análise do Sistema Hidrotérmico de Energia Elétrica. "Relatório: O desequilíbrio entre oferta e demanda de energia elétrica" Brasília: Agência Nacional de Águas/ANA, 21 de julho de DEPARTMENT OF ENERGY, DOE. International Energy Outlook Wasghinton, EUROPEAN PHOTOVOLTAIC INDUSTRY ASSOCIATION, EPIA. Global Market Outlook for Photovoltaic until Bruxelas, FIESP - Departamento de Infra-estrutura. "Pontos fundamentais para a indústria na área de energia" São Paulo: Janeiro de páginas FIRJAN (Conselho de Energia). "Atualidade do setor elétrico nacional" Rio de Janeiro: Julho de páginas FRANCESCUTTI, Fábio G. & CASTRO, Nivalde J. "Algumas considerações sobre as transformações recentes do Setor de Energia Elétrica no Brasil" Macau: III Encontro dos Economistas da Língua Portuguesa, Junho de GOLDEMBERG, José; LUCON, Oswaldo. Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo, HOFFMANN, Bettina Susanne. O Ciclo Combinado com Gaesificação Integrada e a Captura de CO2: uma solução para mitigar as emissões de CO2 em termoelétricas a carvão em larga escala no curto prazo? Dissertação de Mestrado. PPE/COPPE/UFRJ. Rio de Janeiro, INTERNATIONAL ENERGY AGENCY. Key World Energy Statistics IEA. Paris, 2010a. INTERNATIONAL ENERGY AGENCY. World Energy Outlook IEA. Paris, 2010b. GLOBAL WIND ENERGY COUNCIL, GWEC. Global Wind Report: annual market update Bruxelas, LEITE, Antonio Dias. "O risco de novo desastre no sistema elétrico". São Paulo: Estado de São Paulo, 23 de novembro de "A Reforma da energia (Brasil, década de noventa)" Rio de Janeiro: IE/UFRJ. Agosto de 1998 MATSUDO, Eduardo. "A reestruturação setorial e os reflexos sobre o planejamento e os estudos de mercado das distribuidoras de energia elétrica" Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa Interunidades de Pós Graduação em Energia da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, Maio de 2001.

16 McGANN, Frank; LEAL, Felipe. "Brasilian electric utilities" Merril Lynch. 5 de fevereiro de MOTA, Raffaella. "The restructuring and privatisation of electricity distribution and supply businesses in Brazil: a social cost-benefit analysis" Working Paper, University of Cambridge, Cambridge, UK, 04 de junho de SAUER, Ildo. "Nem os erros do passado nem o desastre presente: um modelo alternativo para o Setor de Energia Elétrica" São Paulo: USP, Outubro de Soares, Isabel; Castro, Nivalde J. Fusões e aquisições no mercado europeu de eletricidade: onde falha a regulação? Seminário Internacional de Regulação e Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro. Rio de Janeiro, de agosto de SOUZA, Paulo Roberto Cavalcanti de. "Evolução da indústria de energia elétrica brasileira sob mudanças no ambiente de negócios: um enfoque institucionalista" Florianópolis: Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Junho de TERRY, Leslie Afrânio. "Monopólio natural na geração e transmissão no sistema elétrico brasileiro" Rio de Janeiro: ILUMINA, 23 de outubro de 2003.

17 ECONOMIA POLÍTICA III - PENSAMENTO ECONÔMICO INSTITUCIONALISTA (VEBLEN-COMMONS) Código da disciplina: IEE515 Pré-requisito(s): Economia Política I Prof.: Murillo Cruz preferencialmente e 3ª/5ª- 11:10/12:50 BLOG Principal : Nº da turma no SIGA: 3358 EMENTA I Aspectos Gerais da Escola Institucionalista (Original) em Economia no Contexto da História do Pensamento Econômico I.1 Origens e Fontes Históricas do Pensamento Institucionalista em Economia I.2 A Relevância da Formação e Consolidação do Capitalismo Financeiro Corporativo II Thorstein Veblen ( ) e a Formação do Pensamento Econômico Institucionalista Original II.1 - As Radicais Transformações de Nossa Atual Época: a Importância da Revolução Científica Darwinista e o Papel da Ciência Moderna e da Biologia nas Ciências Sociais e na Psicologia; a Luta contra o Animismo, a Auto-Ilusão e a Filosofia Moral II.2 A Estrutura Sinedóquica da Obra de T.Veblen: os principais Livros e Artigos de T.Veblen; a Estrutura do Principal Curso de T.Veblen: Economic Factors in Civilization II.3 A Concepção de Natureza Humana para T.Veblen e a Crítica da Economia Ortodoxa (Clássica e Neoclássica) II4 As Principais Categorias Teóricas de T.Veblen II.5 A Compreensão e a Crítica do Capitalismo Financeiro Corporativo Contemporâneo (A Teoria da Moderna Empresa de Negócios) III A Recepção e o Legado da Obra de Thorstein Veblen III.1 As Principais Tentativas e Dificuldades de Sistematização de uma Doutrina e de uma Escola Institucionalista em Economia III.2 John Commons ( ); e outros fundadores do Institucionalismo Econômico III.3 O Legado de Veblen: a Moderna Teoria do Consumo (Consumerism); O New Deal; o Movimento Tecnocrático; a Teoria do Imperialismo; a Moderna Teoria das Empresas; a Sociobiologia; BIBLIOGRAFIA (De Referência Re) (Obrigatória Ob).1. Cruz, M. Nossa Época, Nossa Atual Época, Nossa Atual Presente Época, 2004 Re.;.2 Galbraith, J.K.; Os Costumes e a Moral do Alto Capitalismo [(Cap. 2), in A Era da Incerteza, ] Ob..3. Atkins, W. Introdução ao Pensamento Econômico Institucionalista, 1933 Re..4. Cruz, M. A Estrutura do Pensamento Econômico e Social de Thorstein Veblen. Seu Ponto Arquimediano, 2007 Ob..6. Heilbroner, R. Grandes Economistas, cap. 8 A Sociedade Selvagem de Thorstein Veblen, 1959 Re..7. Veblen, T. A Teoria da Classe Ociosa, 1899 (7 primeiros Capítulos versão port.) Ob..8 Spindler, Michael; Veblen and Modern America. Revolutionary Iconoclast, 2002; Re..9 Gambs, John; Beyond Supply and Demand. A Reappraisal of Institutional Economics, 1946; Re..10. Commons, John; Legal Foundations of Capitalism, 1924; Re..11 Commons, John: A Revolução Comercial, Ob..12. Veblen, Thorstein; The Instinct of Workmanship and the State of the Industrial Arts, 1914; Ob.

18 .13. Veblen, Thorstein; The Theory of Business Enterprise, 1904; Re..14. Jaffé, William; Les Théories Économiques et Sociales de Thorstein Veblen, 1924 Re.

19 ECONOMIA REGIONAL E URBANA Código da disciplina: IEE411 Pré-requisito: Economia Política I Prof.: René Louis de Carvalho 3ª/5ª- 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3983 OBJETIVO A disciplina tem por objetivo desenvolver o estudo das relações entre atividade econômica e espaço [território], no plano da teoria e da evolução real da economia. Uma ênfase especial será dada à relação entre desenvolvimento regional e local e globalização econômica, à análise das experiências recentes de desenvolvimento regional e ao estudo das configurações e sistemas produtivos locais. PROGRAMA O programa da disciplina será desenvolvido em 4 blocos temáticos: I - As Teorias Clássicas da Localização da atividade industrial e do desenvolvimento regional Introdução: O tratamento da questão do espaço na economia: da Distância ao Território. Evolução da economia e padrões de localização espacial das atividades econômicas. As Teorias Clássicas da localização das atividades econômicas, do desenvolvimento regional e das estruturas urbanas : von Thunen, Weber, Losch. II - As novas teorias do desenvolvimento regional e as configurações recentes do desenvolvimento espacial O novo regionalismo : globalização, desterritorializçaão e reterritorialização da atividade econômica. Local e Global. Economias de Aglomeração Incidentais. Marshall, Krugman e Porter. Economias de Aglomeração Planejadas (Eficiência Coletiva) - Cooperação, instituiçoes, aprendizado e inovação. Configuraçoes recentes do desenvolvimento espacial : distritos industriais,, centro-radiais, plataformas satélite e tecnópolos. As escalas do Desenvolvimento Regional Arranjos produtivos locais : tipologias e especificadades dos países emergentes,,. APLs no Brasil : características, tendências, peso econômico e impacto sobre o desenvolvimento industrial, regional e local. Escalas espaciais da análise. III - As desigualdades regionais. Desenvolvimento Regional : Tendência à Convergência / Divergência das rendas regionais. Brasil : A questão regional no Brasil e sua evolução. Desenvolvimento industrial no Brasil e regiões. Determinantes da Concentração e Desconcetração das atividades economicas. Politicas e Ações voltadas ao Desenvolvimento Regional : a experiência internacional recente USA Europa e o Brasil. IV - Desenvolvimento Regional e Urbano/ Metrópoles / Redes Urbanas / Cidades globais e cidades região. Urbanização e Desenvolvimento. Teorias da Urbanização : industrializão e desenvolvimento dos serviços. Tendências recentes da Urbanização. Interiorização das atividades industriais e Evolução da rede urbana no Brasil. Metrópoles, Cidades Globais e Cidades Região, As novas dinâmicas metropolitanas. As metrópoles latino americanas. METODOLOGIA

20 O curso procurara combinar aulas teóricas, estudos de caso e palestras de convidados. AVALIAÇÃO A avaliação da disciplina constará de duas provas relativas à matéria lecionada. BIBLIOGRAFIA BÁSICA Azzoni, C.R. Evolução das teorias de localização da atividade econômica. Economia Urbana, IPE-USP Benko, G. (1999) - Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI Brandão, C. Território e Desenvolvimento. Unicamp Diniz, C. C. - (2000) - Impactos Territoriais da Reestruturação Produtiva. In O Futuro das Metrópoles: Desigualdades e Governabilidade. Ribeiro, L.C. Diniz, C.D. Lemos, MB - (2005) Economia e Território.Editora UFJM. Haddad, P.R. (org.) (1999).A competitividade do agronegócio e o desenvolvimento regional no Brasil. Estudos de clusters. Brasília. CNPQ/EMBRAPA Klink, J. (2001) A cidade região regionalismo e reestruturação no grande ABC paulista. DP&A editora. RJ. Krugman, P. (1999) A Geografia que Achamos e Perdemos. In Development, Geography and Economic Theory. The MIT Press, Cambridge.. Lemos, M.B, Croco, M. (2000) Competitividade e dinâmica comparativa das regiões metropolitanas. XXVIII Encontro Nacional de Economia. Longo e Rizziere, Organizadores Economia Urbana. IPE-USP Myrdall, G. Teoria economica e regiões subdesenvolvidas. MEC-ISEB Markussen, A. Uma tipologia dos distritos industriais.economia Pecqueur, B. Paris. L Harmattan. Saboia, J. Evolulção Regional do emprego industrial. (1996) - Dinâmicas Territoriais e mutações econômicas. Schwartzman, J. Economia Regional Textos Escolhidos. CEDEPLAR-MINTER. Tironi, L.F. (2002) - Industrialização Descentralizada: sistemas industriais locais. IPEA.

21 ESTATÍSTICAS ECONÔMICAS ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA Código da disciplina: IEE551 Pré-requisito: Álgebra Linear e Estatística Econômica e Introdução a Econometria Profa: Lúcia Kubrusly 4ª/6ª - 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3455 OBJETIVO Estudo de Variáveis Aleatórias N-Dimensionais; Apresentação de Modelos de Análise Estatística Multivariada e Aplicações. PROGRAMA Variáveis Aleatórias N-Dimensionais: vetor de médias, matrizes de covariância e correlação, distribuição normal multivariada. Estimação: matrizes de covariância e correlação. Análise de Grupamento (Cluster Analysis) - o modelo, medidas de similaridade, métodos hierárquicos, métodos não hierárquicos, aplicações. Análise de Componentes Principais - o modelo, solução pela decomposição das matrizes de covariância e correlação, interpretação, aplicações. Análise Fatorial - o modelo, indeterminação da solução, métodos para solução inicial, métodos para rotação, interpretação, aplicações. BIBLIOGRAFIA Lattin, J., Carroll, J.D., Green, P. E. Análise de Dados Multivariados, Cengage Learning. Mingoti, S.A. Análise de Dados Através de Métodos de Estatística Multivariada uma abordagem aplicada, Editora UFMG. Johnson, R.A. & Wichern, D.W. - Applied Multivariate Statistical Analysis, Prentice Hall.

22 HISTÓRIA ECONÔMICA III FIRMAS E MERCADOS: TEORIA E HISTÓRIA Código da disciplina: IEE234 Pré-requisito: História Econômica Geral II Prof.: Jaques Kerstenetzky 2ª/5ª- 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3384 OBJETIVO Analisar a evolução dos negócios, tanto no que se refere à organização interna das empresas, como ao ambiente empresarial, de forma a discutir a origem e a emergência das formas modernas de organização da atividade econômica. Apresentar de forma integrada história e teoria da firma e mercados. Apresentar a História como abordagem aos problemas econômicos, na qualidade de estudo de processos complexos de transformação. PROGRAMA Introdução Teoria e história. A natureza da firma: metodologia, história, história do pensamento econômico e teoria. Ajustamento, preços, concorrência e inovação. Formas históricas de organização empresarial. Unidade I Comércio e empreendimento na antiguidade, no feudalismo e na transição do feudalismo ao capitalismo: Diásporas comerciais, formas de associação; revolução comercial na idade média no sentido de De Roover: as super companhias da idade média; O caso da Casa dos Medici; sociedades por ações do século XVII: cias das Índias e outras cias comerciais; empresa comercial e putting-out system. Adam Smith. Unidade II Revolução industrial; firma familiar, firma comercial, sistema financeiro; distritos industriais; capitalismo de pequenas empresas e comércio internacional; bases técnicas, tecnologia e capitalismo. Caso clássico de empresário: Josiah Wedgwood; Economistas clássicos e Marxacumulação de capital e tecnologia; Marshall e empresa familiar, demais economistas neoclássicos. Unidade III EUA, da revolução industrial ao capitalismo de grandes corporações; Alemanha, indústria e bancos universais; tecnologia e concentração de capital; novas formas de competição, equilíbrio e mudança. Casos clássicos de empresas: Ford X GM, IBM, Procter & Gamble; Pensamento econômico de Marshall, Coase, Knight, Penrose, P.W.S. Andrews, Marris, Simon, Cyert e March, Steindl, Schumpeter Unidade IV Pós-guerra e Época contemporânea: Difusão do modelo americano e modelos alternativos de grande empresa; O novo contexto institucional e tecnológico; tecnologias de informação e comunicação; mudanças organizacionais nas empresas; desregulamentação de mercados financeiros e controle corporativo: conglomerados, Leveraged buy-outs; NEBM; Responsabilidade corporativa; Distritos industriais e desenvolvimento local; Casos recentes; Analistas contemporâneos: Jensen, Lazonick, Fligstein, Becattini. Questão em debate: está o paradigma de Chandler superado? BIBLIOGRAFIA BÁSICA (*) E COMPLEMENTAR * BASKIN, J.B. & MIRANTI, Jr, P.J. A History of Corporate Finance. Cambridge U.P., 1997.

23 BEST, M The new competitive advantage. The renewal of American industry. Oxford: BEST, M. The new competition. Institutions of industrial reconstruction. Cambridge: Polity Press, CHANDLER, A.D. The Visible Hand: the Managerial Revolution in American Business. Cambridge, Harvard U.P., CHANDLER, A,D. Scale and Scope: the Dynamics of Industrial Capitalism. Cambridge, Belknap P. of Harvard U.P., CHAPMAN, S.D Merchant Enterprise in Britain. From the Industrial Revolution to World War I. Cambridge University Press., CURTIN, P.D. Cross Cultural Trade in World History. Cambridge U.P., * De ROOVER, R. The commercial revolution of the thirteenth century. IN: LANE & RIEMERSMA, Enterprise and Secular Change. London: Allen & Unwin, HICKS, J. A Theory of Economic History. Oxford U.P., * HOBSON, J.A. A Evolução do Capitalismo Moderno. São Paulo, Abril Cultural, HUNT, E.S. e MURRAY, J.M. A History of Business in Medieval Europe, Cambridge and New York: Cambridge U.P., HOUNSHELL, D.A. From the American System to Mass Production, Baltimore e London: The Johns Hopkins U.P., JENSEN, M. C. A theory of the firm. Governance, residual claims and organizational forms. Cambridge: Harvard U.P MICKLETHTWAIT, J. & WOOLDRIDGE, A. The Company. A short history of a revolutionary idea. New York: A modern library Chronicles book, KAYSEN, C. The American corporation today. New York and Oxford: Oxford UP, KERSTENETZKY, J. Coordenação como tema histórico-institucional: discussão de duas experiências históricas. Revista Brasileira de Economia, 55(3): , Jul/set de * KERSTENETZKY, J. A natureza da firma contemporânea: o problema da governança corporativa à luz da história do pensamento econômico. Econômica (Niterói), v. 9, p , * KERSTENETZKY, J. Alfred Marshall on big business. Cambridge Journal of Economics, Advance access publication, * KERSTENETZKY, J. Empresas, Mercado e Concorrência, cap 1. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000 LAZONICK, W.; DORE, R. & de JONG, H.W. The Corporate Triangle. The Structure and Performance of Corporate Systems in a Global Economy. Oxford: Blackwell, LAZONICK, W. and O SULLIVAN, M. Maximizing shareholder value: a new ideology for corporate governance. Economy and society, 29(1)13-35, LAZONICK, W. Evolution of the new economic business model. Business and economic history online 3, 2005, * LE GOFF, J. Banqueiros e Mercadores da Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, MATHIAS, P. The First Industrial Nation. An Economic History of Britain London and New York: Routledge, 1983, 2 nd edition. McCRAW, T.K. (ed) Creating Modern Capitalism. Cambridge, Mass and London: Harvard., * McCRAW, T.K. (ed) Alfred Chandler. Ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Rio de Janeiro, FGV, NORTH, Douglas C. Institutions, Institutional Change and Economic Performance. Cambridge, Cambridge University Press., * SMITH, A. A Riqueza das Nações. São Paulo: Abril Cultural. * VALDALISO, Jesus Maria e LOPEZ, Santiago História económica de la empresa. Barcelona: Critica, 2008.

24 MATEMÁTICA FINANCEIRA I - MATEMÁTICA FINANCEIRA COM EXCEL Código da disciplina: IEE624 Pré-requisito: Matemática I Prof.: Nelson Chalfun 4ª/6ª - 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3359 OBJETIVO O objetivo do CURSO é o de capacitar o participante a resolver problemas envolvendo a aplicação de instrumentos de matemática financeira em diversos campos da economia e finanças, tais como cálculos de antecipação/postecipação de amortizações, de rentabilidade de carteiras de títulos de renda fixa, de alternativas de investimento, de decisão sobre compras, estoques, de análise de viabilidade de projetos, e outras operações econômicas e financeiras. METODOLOGIA A metodologia segue o sistema de aulas práticas no microcomputador, utilizando o software Excel. Em cada aula são apresentados um tipo de problema, os conceitos econômicos e financeiros a ele associados, as funções do Excel passíveis de serem utilizadas, exercícios resolvidos e, finalmente, a proposição de exercícios voltados para a fixação do aprendizado. Os participantes que desejarem poderão utilizar suas calculadoras HP 12C na resolução, em paralelo, de exercícios efetuados. IMPORTANTE: Este não é um curso voltado para o aprendizado de planilha eletrônica. É necessário já possuir prática na utilização da planilha Excel e, para a elaboração de relatórios que incluam gráficos e tabelas, é indispensável a familiaridade com os comandos do editor de texto e do sistema Windows em geral. Tópicos do Curso (não necessariamente nesta ordem) 1. Finalidade do uso da calculadora financeira HP 12C e da planilha eletrônica. 2. Revisão da utilização da planilha Excel 3. Comandos gerais e específicos da planilha eletrônica 4. Preparando a planilha eletrônica para as funções financeiras 5. Construindo fórmulas 6. Construindo tabelas de uso freqüente 7. Construindo tabelas com fórmulas 8. Construindo gráficos 9. Utilizando as funções financeiras principais 10. Taxas equivalentes 11. Utilização das funções calendário (dias corridos, dia360, dias úteis e feriados) 12. Fator de capitalização 13. Fator de desconto 14. Valor presente de uma série uniforme de pagamentos/recebimentos (taxa, período) 15. Valor presente de uma série de pagamentos/recebimentos 16. Valor presente líquido e taxa interna de retorno 17. Operações com títulos públicos e privados 18. Comparação entre fluxos alternativos 19. Tábuas de amortização 20. Situações reais aplicáveis a carteiras de financiamentos e a alternativas de investimento 21. Análise de Sensibilidade 22. Montagem de planos alternativos de investimento

25 MATEMÁTICA FINANCEIRA I - MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL Código da disciplina: IEE624 Pré-requisito: Matemática I Prof.: Ary Barradas 4ª/65ª - 11:10/12:50 Nº da turma no SIGA: 3364 PROGRAMA 1 Equações de Diferenças Finitas de Primeira ordem 2 - Capitalização Simples e Capitalização composta 3 Taxas de juros Taxa nominal - Taxa proporcional - Taxa efetiva - Taxa equivalente 4 - Desconto Simples e Composto Desconto comercial, bancário composto ou por fora Desconto racional composto ou por dentro 5 - Inflação, Deflação e correção monetária Índices : TR - VRF - UFIR - Variação cambial 6 - Anuidades ou séries de pagamentos Classificação : Prazo Valor Forma - Período 7 - Série em Gradiente 8 - Depreciacão Método da taxa constante - Método de Cole -Método de capitalização - Método de anuidades 9 - Amortizações e empréstimos Sistema francês de amortização ou sistema Price (SFA) Sistema de amortização constante - SAC Sistema de amortização misto (SAM) 10 - Sistema de amortização com correção monetária 11 Introdução à Análise de Investimento BIBLIOGRAFIA FONSECA, Manuel Alcino. Caderno de estudo n o 6/94.IE-UFRJ FRANCISCO, Walter. Matemática financeira. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1977 HAZZAN, Samuel, POMPEO, Inácio. Matemática financeira. São Paulo: ed. Saraiva, 2001 KUHNEN, Osmar L., KUHNEN, Udibert Reinoldo Bauer. Matemática financeira aplicada e análise de investimentos - São Paulo: atlas, 1998 LAPPONI, J. C. Matemática Financeira Usando o Excel. Editora Ebras. MATHIAS, Washington Franco, Gomes, José Maria. Matemática financeira. São Paulo: Atlas, 1979 MISHKIN, Frederic S., Moedas, Bancos e Mercados Financeiros. Rio de Janeiro - LTC PUCCINI, Abelardo de Lima. Matemática financeira objetiva e aplicada. Rio de janeiro:livros Técnicos e científico, 1984 SAMANEZ, Carlos P., Matemática Financeira aplicação e análise de investimentos - São Paulo: Prentice Hall, 2002.

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB PLANO DE DISCIPLINA ANO LETIVO: 2011 2º SEMESTRE DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO DISC

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito:

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Componente Curricular: Economia CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: MATEMÁTICA FINANCEIRA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: MATEMÁTICA FINANCEIRA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV)

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV) OBJETIVO: Capacitar profissionais, de qualquer área de atuação, para a carreira executiva, desenvolvendo as principais habilidades gerenciais, tais como: liderança, comunicação interpessoal e visão estratégica,

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC Economia Regional I Ementa: Modelos de base econômica. Divisões espaciais do trabalho. Localizações Industriais. Convergência e disparidade. Experiências internacionais. Medidas de Localização das atividades

Leia mais

6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno)

6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno) 6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno) Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Graduação (ESTRUTURA CURRICULAR 2010-2011) MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 ESCOLA DE DEFESA Linha de Gestão de Defesa Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 Apresentação pessoal Ariela Diniz Cordeiro Leske Doutora em Economia Profa da linha Pesquisa de Gestão de Defesa

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Turma BNDES Engenharia Específica Regular

Turma BNDES Engenharia Específica Regular Turma BNDES Engenharia Específica Regular Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 161,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR-141 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2015.2 Professor: Edilene de

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito Disciplinas (*) Modalidade H/A (**) Núcleo Contabilidade Contabilidade Financeira Presencial 24 Contabilidade dos Investimentos em Participações Societárias

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. Disciplina I Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Prérequisito s Carga Horária

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA O conceito de estratégia. O estrategista. A formulação da estratégia. A análise da estratégia. A formação da estratégia. Implementação da estratégia. O controle estratégico. A estrutura. Liderança

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

2.2.1 - REMUNERAÇÃO INICIAL: R$ 8.788,13 (oito mil setecentos e oitenta e oito reais e treze centavos).

2.2.1 - REMUNERAÇÃO INICIAL: R$ 8.788,13 (oito mil setecentos e oitenta e oito reais e treze centavos). MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP) CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NOS CARGOS DE ANALISTA E DE ASSISTENTE EDITAL N.º 2 - FINEP, DE 27 DE

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Programa Prof. João Pedro Couto Objectivos Esta disciplina tem como finalidade fornecer aos alunos um conjunto de elementos que permitam aos mesmos, utilizando uma lógica de raciocínio

Leia mais

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 54 hs TEORIA: 54 hs PRÁTICA:

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 54 hs TEORIA: 54 hs PRÁTICA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: DESA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA SIGLA:

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

Educação Empreendedora

Educação Empreendedora Educação Empreendedora José Dornelas.br Agenda Conceitos Metodologias e referências mundiais Estado da arte O que ainda precisa ser feito Exemplos Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade Empreendedorismo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica FGV : Professora Denize Dutra CÓDIGO NO SIGA : VIANNA0/TMBAGE*1225-14 1. ECONOMIA EMPRESARIAL Fundamentos

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias do Núcleo Básico Geral Comum do Campus de Limeira

Disciplinas Obrigatórias do Núcleo Básico Geral Comum do Campus de Limeira EMENTAS DAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DA ÁREA DE GESTÃO Disciplinas Obrigatórias do Núcleo Básico Geral Comum do Campus de Limeira Sociedade e Cultura no Mundo Contemporâneo As mudanças nas relações entre

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Ciências Contábeis

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. I II Matriz Curricular vigente a partir de 2010-1 Disciplina Prérequisitos Carga

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Capacitação de Agentes Gestores de APLs

Capacitação de Agentes Gestores de APLs Capacitação de Agentes Gestores de APLs Fontes de Fomento à Inovação sandro.cortezia@venti.com.br Sandro Cortezia, MSc. Apresentação Nome: Onde trabalha/função: Já elaborou ou foi contemplado em projetos

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 6ª Semestre: 2º Ano: 2011

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 6ª Semestre: 2º Ano: 2011 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Matemática Professores: Eda Drehmer edadrehmer@uniarp.edu.br Período/ Fase: 6ª Semestre: 2º Ano: 2011

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h CAPITAL DE GIRO liquidez e capital circulante líquido rentabilidade do ativo estratégias de gerência fontes de financiamento estudo de caso orçamento de caixa

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

PLANO DE CURSO 5. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

PLANO DE CURSO 5. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Direito Disciplina: Economia Política Professor: Arivaldo Ferreira de Jesus Código: DIR00 Carga Horária: 60 H Créditos: 03 Pré-requisito(s):

Leia mais

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO Departamento de Economia Programa de Economia Monetária e Financeira Docente: 1304284 - Fabiano Abranches Silva Dalto PROGRAMA 2015 I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

Leia mais

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL 1. OBJETIVOS Proporcionar aos discentes conhecimentos teóricos e práticos acerca da gestão empresarial com intuito de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Mestrado em Administração Disciplina: Internacionalização e Globalização Carga horária: 45 horas-aula Créditos: 3 I. OBJETIVOS DA DISCIPLINA A presente

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CARGA HORÁRIA TOTAL: 72hs TEORIA: 72hs PRÁTICA: PRÉ-REQUISITOS: ADF

PLANO DE ENSINO. CARGA HORÁRIA TOTAL: 72hs TEORIA: 72hs PRÁTICA: PRÉ-REQUISITOS: ADF UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: DCC PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: MERCADO DE CAPITAIS SIGLA: MCP

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Curso de Pós-Graduação lato Sensu em Matemática para Negócios. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Curso de Pós-Graduação lato Sensu em Matemática para Negócios. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) Curso de Pós-Graduação lato Sensu em Matemática para Negócios. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) 1. Apresentação Com os avanços tecnológicos inseridos no mundo informatizado e virtual e a forma

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 1-CEPE/UNICENTRO, DE 27 DE JANEIRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Negócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO.

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Economia Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares EMENTA PLANO DE ENSINO

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE SIGA: TMBAES*06/26 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país A nova unidade de negócios da Urban Systems Brasil APRESENTAÇÃO 5 de maio de 2009 As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país Thomaz Assumpção Marco Versiani Modelo

Leia mais

Geopolítica do Petróleo:

Geopolítica do Petróleo: Seminário Energia e Geopolítica: Os impactos da segurança energética nas relações internacionais Geopolítica do Petróleo: uma Década de Transformações Helder Queiroz Pinto Junior Diretor ANP CEBRI Rio

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais Coordenação Acadêmica: Prof. Dr. Miguel Ferreira Lima CÓDIGO SIGA : TMBACEN*12/01 1 OBJETIVO:

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Maria da Graça Derengowski Fonseca (IE-UFRJ) Bioeconomia. Apresentação

Maria da Graça Derengowski Fonseca (IE-UFRJ) Bioeconomia. Apresentação Maria da Graça Derengowski Fonseca (IE-UFRJ) Bioeconomia Apresentação A bioeconomia é uma nova área de conhecimento que investiga o impacto que a difusão dos conhecimentos proporcionados pela biologia

Leia mais