UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC"

Transcrição

1 Economia Regional I Ementa: Modelos de base econômica. Divisões espaciais do trabalho. Localizações Industriais. Convergência e disparidade. Experiências internacionais. Medidas de Localização das atividades e de Especialização Regional. A Análise de Clusters: Técnica de Classificação na Análise Espacial. Quadro regional brasileiro e os blocos Econômicos. Perspectivas de políticas regionais em um quadro de abertura e integração. Bibliografia: AMARAL FILHO, Jair do. Desenvolvimento regional endógeno em um Ambiente Federalista. Planejamento e Políticas Públicas. N. 14. Brasília: IPEA, dez Edição Eletrônica..A Endogeneização no Desenvolvimento Econômico. In: Encontro de Economia da Região Sul ANPEC, 2, Curitiba, AMATO NETO, J. Redes de Cooperação Produtiva e Clusters Regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, BARQUERO, A. V. Desenvolvimento Local: Novas Dinâmicas na Acumulação e Regulação do Capital. Tradução Ricardo Brinco. Ensaios FEE, Porto Alegre, Ano 16, v. 1, p , BECATTINI, G. Distritos Industriais na Itália. In: URANI, André, COCCO, Giuseppe, GALVÃO, Alexander Patez (Org.). Empresários e Empregos nos Novos Territórios Produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, BECKER, D. F. Necessidades e Finalidades dos Projetos Regionais de Desenvolvimento Local. Revista Redes, Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 2.p , BENKO, G. Economia, Espaço e Globalização na Aurora do Século XXI. Trad. Antônio de Pádua Danesi. 2 ed. São Paulo: Hucitec, BERNARDO, M. S.; SILVA, A. C. da; SATO, S. Distritos Industriais Clusters. Texto para Discussão N. 3. São Paulo, Edição Eletrônica. BOTELHO, M. dos R. A. Distritos Industriais e política industrial: notas sobre tendências recentes. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 19, n. 1, p , 1998.

2 BRITTO, J. Características Estruturais dos Clusters Industriais na Economia Brasileira. Nota Técnica n Rio de Janeiro: BNDES, jul CACCIA, G. Modelos empresariais e figuras do trabalho no nordeste da Itália. In: URANI, André, COCCO, Giuseppe, GALVÃO, Alexander Patez (Org.). Empresários e Empregos nos Novos Territórios Produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, CAMPOS, R. R.; NICOLAU, J. A.; CÁRIO, S. A. F. Cluster e Capacitação Tecnológica: A Experiência na Indústria Cerâmica de Revestimento de Santa Catarina. Ensaios FEE, Porto Alegre: FEE v. 21, p , CÂNDIDO, G. A.; ABREU, A. F. Aglomerados Industriais de Pequenas e Médias Empresas como Mecanismo para Promoção de Desenvolvimento Regional. Revista Eletrônica de Administração. Rio Grande do Sul, v. 6, n. 6, dez CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Aglomerações Cadeias e Sistemas Produtivos de inovações. Revista Brasileira de Competitividade. Rio de Janeiro, Ano 1, n. 1, abr/jun, CATTANI, A. D. Trabalho e Tecnologia: Dicionário Crítico. 2 ed., Petrópolis-RJ: Vozes, COCCO, G., GALVÃO; A. P, SILVA; M. C. P. Desenvolvimento local e espaço público na Terceira Itália: questões para a realidade brasileira. In: URANI, André; COCCO, Giuseppe; GALVÃO, Alexander Patez (Org.). Empresários e Empregos nos Novos Territórios Produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, COLLETIS, G.; WINTERHALTER, F. O exemplo alemão. Ensaios FEE, Porto Alegre, Ano 14, n. 1, p , CORÒ, G. Distritos e sistemas de pequena empresa na transição. In: URANI, André; COCCO, Giuseppe; GALVÃO, Alexander Patez (Org.). Empresários e Empregos nos Novos Territórios Produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, COURLET, C. Novas Dinâmicas de Desenvolvimento e Sistemas Industriais Localizados (SIL). Ensaios FEE: Porto Alegre, Ano 14, n. 1, p. 9-25, 1993

3 DALLABRIDA, V. R. Sustentabilidade e endogenização: princípios balizadores do desenvolvimento regional. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 2, p. 9-43, dez DINIZ, C. C. Global-Local: Interdependência e Desigualdade ou Notas para uma Política Tecnológica e Industrial Regionalizada no Brasil. Estudos Temáticos Nota Técnica n. 9. BNDES, Rio de Janeiro, dez FORMIGONI, R. O modelo Lombardo das PMIs e os distritos industriais (discurso proferido no Brasil), São Paulo, dez GALVÃO, C. A. Sistemas Industriais Localizados: O Vale do Paranhana Complexo Calçadista do Rio Grande do Sul. Textos para Discussão N Brasília: IPEA, GALVÃO, O. J. de A. Clusters e Distritos Industriais: Estudos de Casos em Países Selecionados e Implicações de Política. Planejamento e Políticas Públicas. N. 21. Brasília: IPEA, jun Edição Eletrônica.. Especialização flexível, firmas inovativas e novos espaços industriais: algumas lições da experiência internacional. In: Encontro Nacional de Economia Política, 3, Niterói, Rio de Janeiro, GARAY, A. B. S. Reestruturação Produtiva e Desafios de Qualificação: algumas considerações críticas. Revista Eletrônica de Administração (UFRGS). Rio Grande do Sul. Edição n. 5, v. 3, n. 1, jul GARCEZ, C. M. D. A. Sistemas Locais de inovação na Economia do Aprendizado: uma abordagem conceitual. Revista do BNDES: Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p , dez GARCIA, R. A importância da dimensão local da inovação e a formação de clusters em setores de alta tecnologia. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p , GAROFOLO, G. O Exemplo Italiano. Ensaios FEE, Porto Alegre, Ano 14, n. 1, p , GURISATTI, P. O nordeste italiano: nascimento de um novo modelo de organização industrial. In: URANI, André; COCCO, Giuseppe; GALVÃO, Alexander Patez (Org.). Empresários e Empregos nos Novos Territórios Produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

4 HADDAD. P. R. Clusters e Desenvolvimento Regional no Brasil. São Paulo, [s.d.]. HSAINI, A. A Indústria de Artefatos de Couro de El Jem (Tunísia): Um Sistema de Especialização Flexível em Formação. Tradução: Ernesto de Freitas Xavier Neto. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p , LEMOS, M. B., CUNHA, A. R. A. A. Novas Aglomerações Industriais e Desenvolvimento Regional Recente no Brasil. Revista Econômica do Nordeste, v. 27, n. 4, p , LINS, H. N. Clusters Industriais: Uma Experiência no Brasil Meridional. In: Encontro de Economia da Região Sul ANPEC, 2, Curitiba, Edição Eletrônica. MARKUSEN, A. Áreas de atração de investimentos em um espaço econômico cambiante: uma tipologia de distritos industriais. Tradução: William Ricardo de Sá. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, dez MARSHALL, A. Princípios de Economia. São Paulo: Nova Cultural, Coleção Os Economistas, NASSER, B. Economia Regional, Desigualdade Regional no Brasil e o Estudo dos Eixos Nacionais de Integração e Desenvolvimento. Revista do BNDES. Rio de Janeiro, V. 7, N. 14, p , dez PECQUEUR, B. Sistemas Industriais Localizados: O Exemplo Francês. Ensaios FEE, Porto Alegre, Ano 14, n. 1, p , PEREIRA, G. H. Cluster Industrial como Modelo para Formulação de Políticas Locais de Desenvolvimento. Estudos Empresariais. São Paulo, Ano 3, n. 3, Set-Dez, PIRES, J. M. Economia Regional e Urbana. In: PINHO, Diva Benevides, PORTER, Michael. Clusters e Competitividade. Revista Management. São Paulo: Saraiva, jul PUGA, F. P. Experiências de Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas nos Estados Unidos, na Itália e em Taiwan. Textos para Discussão N. 75. Revista do BNDES. Rio de Janeiro. fev

5 ROSANDISKI, E. N., GARCIA, R. de C. A política industrial local para pequenas e médias empresas e a questão do emprego. LEP, Campinas: n. 2, p , jun SCHMITZ, H. Eficiência Coletiva: Caminho de Crescimento para a Indústria de Pequeno Porte. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p , SENGENBERGER, W., PIKE, F. Distritos Industriais e recuperação econômica local: questões de pesquisa e política. In: URANI, André; COCCO, Giuseppe; GALVÃO, Alexander Patez (Org.). Empresários e Empregos nos Novos Territórios Produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, SOUZA FILHO, J. R. Desenvolvimento Regional Endógeno, Capital Social e Cooperação. Disponível em em 20/03/2002. SOUZA, M. C. de A. F. A Especialização Flexível e as Pequenas e Médias Empresas (PMEs): Algumas Notas sobre a Visão de Piore e Sabel. Ensaios FEE, Porto Alegre: FEE, V. 13, N. 1, p , SUZIGAN, W. Aglomerações Industriais: avaliação e sugestões de políticas. [s.n.t.]. SUZIGAN, W. et al. Aglomerações Industriais no Estado de São Paulo.Economia Aplicada. São Paulo: v. 5, n. 4, 2001.

ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL CMEA 45 horas

ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL CMEA 45 horas Código: ECO011 Disciplina: Curso de Destino: Carga Horária: Período Letivo: ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL CMEA 45 horas Ementa Objetivos Fornecer o instrumental teórico para a análise dos problemas

Leia mais

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS 1 2 Curso Geografia Código: 35 3 4 Modalidade(s): Licenciatura / Bacharelado

Leia mais

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Maria Lucrécia Calandro * O acelerado desenvolvimento do setor serviços e a intensificação da cooperação entre empresas estão associados às transformações

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Arranjos produtivos locais: o caso da indústria do vestuário de São Gonçalo/RJ.

Arranjos produtivos locais: o caso da indústria do vestuário de São Gonçalo/RJ. Arranjos produtivos locais: o caso da indústria do vestuário de São Gonçalo/RJ. M.Sc. Edison Alves Portela Júnior (UFF) seaportshorts@ig.com.br D.Sc. Fernando Toledo Ferraz (UFF) fernando@latec.uff.br

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2013)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2013) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2013) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA GESTÃO DE SERVIÇOS CARGA HORÁRIA 72h DE INFORMAÇÃO

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL E DESENVOLVIMENTO ENDÓGENO: UMA APRESENTAÇÃO DO APL DE TURISMO NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE ALAGOAS

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL E DESENVOLVIMENTO ENDÓGENO: UMA APRESENTAÇÃO DO APL DE TURISMO NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE ALAGOAS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ARRANJO PRODUTIVO LOCAL E DESENVOLVIMENTO ENDÓGENO:

Leia mais

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados pelo Fundopem no Período 1989/1998 Antônio Ernani Martins Lima Porto

Leia mais

OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO

OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO I OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO POLITICAS REGIONAIS NA UNIÃO EUROPEIA E LIÇÕES PARA O BRASIL 1 a Reimpressão Fortaleza Banco do Nordeste do Brasil 2012 Sumário LISTA DE ILUSTRAÇÃO 6 LISTA DE MAPAS. 7

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA Disciplina: Estrutura e Evolução da Indústria no Brasil Profs.: Silvio A. F. Cario Trajetória do desenvolvimento

Leia mais

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval WORKSHOP INICIAL Plano de Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais para o Setor de Petróleo, Gás e Naval Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs

Leia mais

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 ÍNDICE Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 1. Inovação e o Desenvolvimento Regional 13 1.1 Inovação e geografia económica 15 1.2 Inovação e desenvolvimento regional 18 Questões para reflexão

Leia mais

GOVERNANÇA E CAPITAL SOCIAL: O CASO DE BENTO GONÇALVES.

GOVERNANÇA E CAPITAL SOCIAL: O CASO DE BENTO GONÇALVES. GOVERNANÇA E CAPITAL SOCIAL: O CASO DE BENTO GONÇALVES. Glória Silvina Lia Fernández Molina 1 Milton Roberto Keller 2 Resumo: Neste trabalho pretende se analisar a região de Bento Gonçalves demonstrando

Leia mais

ANÁLISE DO AGLOMERADO MOVELEIRO DO MUNICÍPIO DE ARARUNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA LOCAL

ANÁLISE DO AGLOMERADO MOVELEIRO DO MUNICÍPIO DE ARARUNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA LOCAL ANÁLISE DO AGLOMERADO MOVELEIRO DO MUNICÍPIO DE ARARUNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA LOCAL Bruno Aparecido Vitula, (IC), UNESPAR/FECILCAM João Carlos Leonello, (OR), UNESPAR/FECILCAM 1- INTRODUÇÃO

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO FLEXÍVEL: UMA ALTERNATIVA ESTRATÉGICA COM VISTAS AO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

ESPECIALIZAÇÃO FLEXÍVEL: UMA ALTERNATIVA ESTRATÉGICA COM VISTAS AO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ESPECIALIZAÇÃO FLEXÍVEL: UMA ALTERNATIVA ESTRATÉGICA

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PLANO DE CURSO I EMENTA

PLANO DE CURSO I EMENTA Disciplina: Geografia Regional do Mundo I Carga horária total: 90H PLANO DE CURSO I EMENTA Formas de agrupamento dos países segundo a lógica econômica; Globalização e geopolítica internacional; Questões

Leia mais

COOPERAÇÃO EM REDE COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ENDÓGENO: A REALIDADE DO SETOR CALÇADISTA FRANCANO

COOPERAÇÃO EM REDE COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ENDÓGENO: A REALIDADE DO SETOR CALÇADISTA FRANCANO 402 COOPERAÇÃO EM REDE COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ENDÓGENO: A REALIDADE DO SETOR CALÇADISTA FRANCANO Everton Roberto de Oliveira Pires Alfredo José Machado Neto INTRODUÇÃO As mudanças e transformações

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA Gestão Empresarial Internacional e Diplomacia Económica International Management and Economic Diplomacy 2 O aumento das exportações

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

PADRÃO DE LOCALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILERIA DE TRANSFORMADO PLÁSTICO: UMA ANÁLISE DA ESPECIALIZAÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO

PADRÃO DE LOCALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILERIA DE TRANSFORMADO PLÁSTICO: UMA ANÁLISE DA ESPECIALIZAÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Sistemas Locais de Inovação na Economia do Aprendizado: Uma Abordagem Conceitual

Sistemas Locais de Inovação na Economia do Aprendizado: Uma Abordagem Conceitual REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 7, N. 14, P. 351-366, DEZ. 2000 Sistemas Locais de Inovação na Economia do Aprendizado: Uma Abordagem Conceitual CRISTIANE M. D AVILA GARCEZ* RESUMO As características

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

Na teoria e na vida, FDC

Na teoria e na vida, FDC C T E C E N T R O D E T E C N O L O G I A E M P R E S A R I A L C T E C o o p e r a ç ã o e n t r e e m p r e s a s d e g r a n d e p o r t e Na teoria e na vida, FDC AF - 05-006 - CTE02 R.indd 2 7/10/07

Leia mais

Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável

Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável Helena M M Lastres Secretaria de Arranjos Produtivos e Inovativos e Desenvolvimento Local Rio de Janeiro, 1 de dezembro de 2010 Novas geração

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso: Administração Disciplina: Criação de Negócios Inovadores Carga horária: 4 horas Ementa: ( X ) Teórica ( ) Prática Núcleo Temático: Formação

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS ENSINO MÉDIO 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS ENSINO MÉDIO 2014 DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 5-6 - Fax (045) 79-58 www.lasalletoledo.com.br PROGRAMA DE ENSINO

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Posição das empresas do Pólo Calçadista do Vale do Rio Tijucas em relação a Santa Catarina - 2001:

Posição das empresas do Pólo Calçadista do Vale do Rio Tijucas em relação a Santa Catarina - 2001: INTRODUÇÃO Este trabalho busca investigar a 'economia de redes e industrial' em seu novo ressurgimento, especialmente a partir da década de 70, quando novos rumos se traçaram para a economia industrial,

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Logística

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Logística Disciplina: Empreendedorismo C.H. Teórica: 60 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Logística Período Letivo: Série: Periodo: 1 sem/2012 1ª Série Não definido C.H. Outras: 20 Semestre de

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES 20.10.2009 Luciano Coutinho Mensagem Inicial Pré-sal:

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 573 5.2 ESFORÇOS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS E INOVATIVAS Silvio A. F. Cário * A estrutura industrial do estado de Santa Catarina respondeu de forma positiva à mudança no marco regulatório da economia brasileira

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020027 7º 4 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020027 7º 4 Semanal Mensal 04 60 Credenciada pela Portaria Ministerial nº 2.611, de 18 de setembro de 2002 DOU - nº 183 - Seção 1, de 20 de Setembro de 2002 -. CURSOS AUTORIZADOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS Portaria nº 2.612 18/09/2002 PEDAGOGIA

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO

GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO Ana Caroline Suzuki Bellucci 1 Fabiany Maria Made e Vellasco 2 Iedo Brito da Silva 3 Maria Cristina de A. C. Milani 4 1 INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho

Leia mais

Crises Econômicas em Arranjos Produtivos Locais: O caso do APL calçadista de Franca (SP).

Crises Econômicas em Arranjos Produtivos Locais: O caso do APL calçadista de Franca (SP). Crises Econômicas em Arranjos Produtivos Locais: O caso do APL calçadista de Franca (SP). Autor 1: Maximiliano Engler Lemos Autor 2: Auro Aparecido Mendes Embasamento Teórico: O Caminho a ser Percorrido

Leia mais

O desenvolvimento econômico de «PLATAFORMAS TECNÓLOGICAS» para dar suporte à inovação e è competitividade do POLO INDUSTRIAL de MANAUS e da AMAZÔNIA

O desenvolvimento econômico de «PLATAFORMAS TECNÓLOGICAS» para dar suporte à inovação e è competitividade do POLO INDUSTRIAL de MANAUS e da AMAZÔNIA O desenvolvimento econômico de «PLATAFORMAS TECNÓLOGICAS» para dar suporte à inovação e è competitividade do POLO INDUSTRIAL de MANAUS e da AMAZÔNIA Alessandro GIARI Presidente APSTI Diretor General Polo

Leia mais

SC.Invest Modelo de Negócios para Plataforma de Governo Eletrônico

SC.Invest Modelo de Negócios para Plataforma de Governo Eletrônico Universidade Federal de Santa Catarina em Engenharia e Gestão do Conhecimento Disciplina de Governo Eletrônico SC.Invest Modelo de Negócios para Plataforma de Governo Eletrônico Professores: Aires Rover,

Leia mais

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 PROGRAMA DE COMPETITIVIDADE DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO ENCADEAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 Desempenho recente da Construção Civil De

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Aglomerações industriais: um estudo de caso da governança local do APL de Confecções do Sudoeste do Paraná

Aglomerações industriais: um estudo de caso da governança local do APL de Confecções do Sudoeste do Paraná Aglomerações industriais: um estudo de caso da governança local do APL de Confecções do Sudoeste do Paraná Marcos Junior Marini Professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Câmpus Pato

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO QUE BUSCAMOS PARA PORTO ALEGRE

O DESENVOLVIMENTO QUE BUSCAMOS PARA PORTO ALEGRE O DESENVOLVIMENTO QUE BUSCAMOS PARA PORTO ALEGRE Carlos Eduardo Gomes Macedo 1 1 - INTRODUÇÃO O tema deste painel requer que nos debrucemos sobre a seguinte questão: as políticas subnacionais de desenvolvimento

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Processos Financeiros e Orçamentários

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Processos Financeiros e Orçamentários Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU EXTENSÃO PIRATININGA Código: 1302 Município: BAURU - PIRATININGA / SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

2ºSeminário Experiência dos Estados com Editais de Apoio a APL de Baixa Renda -BNDES. Apoio a Projetos Produtivos - Ceará

2ºSeminário Experiência dos Estados com Editais de Apoio a APL de Baixa Renda -BNDES. Apoio a Projetos Produtivos - Ceará 2ºSeminário Experiência dos Estados com Editais de Apoio a APL de Baixa Renda -BNDES Apoio a Projetos Produtivos - Ceará Política Estadual de Desenvolvimento Estabelecer mecanismos de estímulo ao processo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( x ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E LOCAL

ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E LOCAL ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E LOCAL Raquel Virmond Rauen Dalla Vecchia E-mail: raquelvrdv@yahoo.com.br Universidade Estadual do Centro-Oeste Guarapuava, PR -

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. CÓDIGO DISCIPLINA NATUREZA ANO SIS19 Introdução à Economia. 72 horas Sem Pré-Requisito PROFESSOR RESPONSÁVEL

PROGRAMA DA DISCIPLINA. CÓDIGO DISCIPLINA NATUREZA ANO SIS19 Introdução à Economia. 72 horas Sem Pré-Requisito PROFESSOR RESPONSÁVEL PROGRAMA DA DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA NATUREZA ANO SIS19 Introdução à Economia OB 2014.1 CARGA HORÁRIA PRÉ-REQUISITO 72 horas Sem Pré-Requisito PROFESSOR RESPONSÁVEL Ms. Rolando Restany EMENTA Conceitos

Leia mais

OIAPSS : UMA REDE DE INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS E NÃO

OIAPSS : UMA REDE DE INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS E NÃO O QUE DEVE SER OBSERVADO NUM SISTEMA DE SAÚDE? DESENVOLVIMENTO DE MATRIZ ANALÍTICA PARA ACOMPANHAMENTO DOS SISTEMAS DE SAÚDE DE PAÍSES IBERO-AMERICANOS AUTORES: Conill, E, Fernandes S, Dimitrov P, Xavier

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA INOVAÇÃO TECNOLOGICA NO CRESCIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DE RONDÔNIA.

A INTERFERÊNCIA DA INOVAÇÃO TECNOLOGICA NO CRESCIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DE RONDÔNIA. A INTERFERÊNCIA DA INOVAÇÃO TECNOLOGICA NO CRESCIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DE RONDÔNIA. Marcus Roberto Ribeiro 1, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Paulo César Ribeiro Quintairos 3 1 Universidade

Leia mais

Arranjo Produtivo Local: o setor de confecções em Goiás

Arranjo Produtivo Local: o setor de confecções em Goiás Arranjo Produtivo Local: o setor de confecções em Goiás Juliana Dias Lopes 1 Rafael dos Reis Costa 2 Glady Duarte Correia 3 Juscelino Afonso de Sá 4 Aline Figlioli 5 Resumo: Este artigo realiza um recorte

Leia mais

Aula 15: Externalidades e Economias de Aglomeração. Prof. Eduardo A. Haddad

Aula 15: Externalidades e Economias de Aglomeração. Prof. Eduardo A. Haddad Aula 15: Externalidades e Economias de Aglomeração Prof. Eduardo A. Haddad Aquecendo os motores... Rua Teodoro Sampaio Rua José Paulino Av. Europa Consolação Rua Santa Efigênia Barão de Limeira Nova Faria

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com ESCOLA DE DEFESA Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni lgoldoni@hotmail.com 08 Jul 2015 Luiz Rogério Franco Goldoni - Doutor em Ciência Política pela UFF (2011); -

Leia mais

A FORÇA DOS VALORES SÓCIO-CULTURAIS NOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APLs) UM NOVO OLHAR SOBRE A ESPIRAL DO CONHECIMENTO

A FORÇA DOS VALORES SÓCIO-CULTURAIS NOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APLs) UM NOVO OLHAR SOBRE A ESPIRAL DO CONHECIMENTO A FORÇA DOS VALORES SÓCIO-CULTURAIS NOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APLs) UM NOVO OLHAR SOBRE A ESPIRAL DO CONHECIMENTO LEONARDO B. DE MORAES * leomoraes_bh@superig.com.br RESUMO Esse trabalho é parte

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

MPH1101 UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MPH1101 UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS III Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento 20 a 22 de outubro de 2014 CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL MPH1101 UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 1. EMENTA Visão epistemológica do conhecimento científico. Ciência e método: positivismo, fenomenologia, dialética. Limites da ciência. Ciência e ética. Tipos de pesquisa e sua relação com os objetos de

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPH0339 O ENSINO SUPERIOR NO GOVERNO FHC E SUA DISTRIBUIÇÃO SOBRE O

Leia mais

Desenvolvimento de Carreiras. Desenvolvimento Empresarial IEL. Inovação que está no DNA das empresas de sucesso.

Desenvolvimento de Carreiras. Desenvolvimento Empresarial IEL. Inovação que está no DNA das empresas de sucesso. Desenvolvimento de Carreiras Desenvolvimento Empresarial IEL Inovação que está no DNA das empresas de sucesso. Soluções para sua empresa. Mais do que caminhar ao lado da indústria, o Instituto Euvaldo

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

2. EXPERIÊNCIAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA TERCEIRA ITÁLIA

2. EXPERIÊNCIAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA TERCEIRA ITÁLIA O MODELO ITALIANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: ALGUMAS PROPOSIÇÕES PARA A METADE SUL DO RIO GRANDE DO SUL 1 Área Temática: Estudos setoriais, cadeias produtivas, sistemas locais de produção. Adayr da Silva

Leia mais

CLUSTERS REGIONAIS: ESTRATÉGIAS LOGÍSTICAS COMO FATOR COMPETITVO

CLUSTERS REGIONAIS: ESTRATÉGIAS LOGÍSTICAS COMO FATOR COMPETITVO CLUSTERS REGIONAIS: ESTRATÉGIAS LOGÍSTICAS COMO FATOR COMPETITVO ¹ Carlos Eduardo Silva ² Marcelus A A Valentim Área temática: Administração Logística e Gestão Estratégica Resumo Os clusters industriais

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia ECONOMIA INDUSTRIAL Aula 01 e 02: 04/03/2008 e 06/03/2008 Docentes: Carlos Nuno Castel-Branco; Carlos Vicente; Nelsa Massingue. Conceito de Industrialização

Leia mais

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade 1 QREN. 2007-2013 Conhecimento e inovação Produção transaccionável QREN 2007-2013 Competitividade Financiamento Empresarial Eficiência da Administração Pública Convergência com a UE Perfil de especialização

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: De nível médio - Técnico Jurídico. Componente Curricular: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E TÁTICO

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: De nível médio - Técnico Jurídico. Componente Curricular: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E TÁTICO Plano de Trabalho Docente 010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 1 Município: Bauru Eixo Tecnológico: GESTÃO Habilitação Profissional: TÉCNICO JURIDICO Qualificação: De nível médio - Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD Ana Maria Ferreira Carvalho Mariza Russo Nadir Ferreira Alves Nysia Oliveira de Sá CBG/FACC/UFRJ

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU: ( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável

Cluster Habitat Sustentável Seminário Mercado de Tintas Associação Portuguesa de Tintas Luso - 26.03.2015 Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

AGLOMERADOS PRODUTIVOS E CONCENTRAÇÃO: UMA ANÁLISE TEÓRICO- CONCEITUAL

AGLOMERADOS PRODUTIVOS E CONCENTRAÇÃO: UMA ANÁLISE TEÓRICO- CONCEITUAL AGLOMERADOS PRODUTIVOS E CONCENTRAÇÃO: UMA ANÁLISE TEÓRICO- CONCEITUAL Lucimar Antonio Teixeira Roxo Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Economia - PPGE Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14/2010 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE EMPRESA CONSULTORIA/ASSESSORIA PARA APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PROGRAMA

Leia mais