APOSTILA TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217"

Transcrição

1 APOSTILA TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217 Professor: Márcio Garcia 1º Semestre de 2012

2 Apresentação do curso Conteúdo complemento de Macro I, com ênfase em política macroeconômica em duas etapas: economia fechada e economia aberta; Livros espera-se que, ao fim da sequência Macro I e II, o conteúdo de dois livros-texto (Dornbusch & Fischer e o Blanchard) esteja totalmente coberto. 2

3 Regras Monitorias complemento natural das aulas, conteúdo obrigatório; listas de exercícios Material didático aulas preparadas em ppt e listas de exercícios Sistema de Aprovação critério 4 de avaliação de disciplinas Provas nos dias: 12/abril, 17/maio, 21/junho e 28/junho. 3

4 Referência básica O.Blanchard, capítulo 6 A questão chave da macroeconomia é: O que determina o nível do produto agregado e outras variáveis-chave, como inflação e desemprego? 1) Demanda Agregada 2) Produto Potencial 3) Determinantes de longo prazo da oferta agregada Qual das três é a resposta correta? 4

5 Todas as três respostas estão corretas: cada uma para um horizonte distinto. No curto prazo, a demanda agregada determina os movimentos do produto agregado. No médio prazo, a oferta agregada predomina. O produto tende a oscilar em torno do produto potencial. No longo prazo, predomina o produto potencial cujos determinantes são o estoque de capital, a tecnologia e a força de trabalho. 5

6 Nesta unidade, complementaremos o curso de Macro I, no qual a ênfase era no curto prazo, (IS-LM, Oferta Agregada e Demanda Agregada) com o estudo dos determinantes do produto no médio prazo. Estes capítulos do Blanchard serão a referência: Cap. 6: Mercado de Trabalho Cap. 7: Modelo OA-DA - equilíbrio no mercado de bens, no mercado financeiro e no mercado de trabalho Caps. 8 e 9: usam tal modelo para explicar diversas questões de política macroeconômica, como a relação entre o produto e inflação e o papel das políticas fiscais e monetárias no curto e no médio prazo. 6

7 Capítulo 6 - Equilíbrio no mercado de trabalho - Taxa natural de desemprego - Produto potencial Quando usamos o modelo IS-LM para determinar o nível de produto, estamos pressupondo, implicitamente, que as firmas podem produzir o que for demandado sem alterar o nível de preços. No curto prazo isto é aceitável. No médio prazo, contudo, uma sequência de eventos altera o nível dos preços (inflação), o que afeta o produto agregado. 7

8 A sequência pode ser a seguinte: - maior demanda requer aumento da produção, a qual requer um aumento no emprego; - menor desemprego pressiona os salários para cima; - maiores salários representam maiores custos de produção, fazendo com que as firmas, ao tentarem repassá-los, aumentem os preços dos produtos; -preços maiores levam os trabalhadores a demandarem maiores salários e assim por diante. Vemos neste exemplo que, nesta ótica, o mercado de trabalho representa um papel central no processo. 8

9 Demanda Produção Emprego Desemprego Salários Preços Salários

10 Conceitos básicos do mercado de trabalho: PIA população em idade ativa (exclui as crianças e os idosos; razão de dependência). IBGE (jan/2012) = 42,08 milhões (6 maiores regiões metropolitanas) PEA (Labor Force) procura de emprego; parte da PIA que está empregada ou à PNAD (2009) = 95,4 milhões (Todo o Brasil) PME (jan/2012) = 23,83 milhões (6 maiores regiões metropolitanas) Taxa de participação (das RMs) PEA 56,63% (jan/2012) PIA Taxa de desemprego no. de desempregados PEA 10

11 Dependency Ratio Definition A measure of the portion of a population which is composed of dependents (people who are too young or too old to work). The dependency ratio is equal to the number of individuals aged below 15 or above 64 divided by the number of individuals aged 15 to 64, expressed as a percentage. A rising dependency ratio is a concern in many countries that are facing an aging population, since it becomes difficult for pension and social security systems to provide for a significantly older, non-working population. 11

12 por 100 adultos Razão de Dependência - Brasil [UNPD 2008] Total Crianças Idosos 12

13 Assim: Taxa de desemprego = PEA - E = 1 - E PEA PEA - desligamentos - voluntários (quits) - demissões (layoffs) - duração do desemprego menor que 3 meses no Brasil -relação desemprego x nível de atividade 13

14 13% Relação PIB Vs Desemprego 9,00% 8,00% 11% 7,00% 6,00% 9% 5,00% 4,00% 7% 3,00% 2,00% 5% 1,00% 0,00% 3% -1,00% Desemprego PIB (YoY %a.a.) Fonte : IBGE e BCB 14

15 IBC-BR (taxa acumulada em 12 meses) Desemprego (média dos últimos 12 meses) 14,0% IBC-Br Vs Desemprego 13% 11,5% 12% 9,0% 11% 6,5% 10% 4,0% 9% 1,5% 8% -1,0% 7% -3,5% 6% -6,0% 5% IBC-BR Desemprego Fonte: IBGE e BCB

16 MERCADO DE TRABALHO - BRASIL Fluxos médios mensais, OCUPADOS DESEMPREGADOS FORA DA PEA Fonte: Neri M. et alli, Aspectos Dinâmicos do Desemprego e da Posição na Ocupação, Estudos Econômicos, vol.27, nº especial, pp ,

17 milhões de pessoas 24,5 PEA e pessoas ocupadas 23,5 22,5 21,5 20,5 19,5 18,5 17,5 16,5 Pessoas Ocupadas PEA Fonte : IBGE 17

18 DETERMINAÇÃO DOS SALÁRIOS: 2 elementos comuns que permitem a criação de uma teoria geral de determinação dos salários 1. Os trabalhadores recebem acima de seu salário de reserva. A maior parte dos trabalhadores recebe um salário ao qual eles preferem estar empregados a estarem desempregados. 2. Os salários dependem do estado do mercado de trabalho. Quanto menor a taxa de desemprego, maior o salário que o trabalhador pode obter, menor o risco que corre de ficar desempregado e maior a dificuldade de reposição do trabalhador. 18

19 Como explicar tais fatos? Com sindicatos fortes, é compreensível, que os processos de negociação coletiva possam explorar os efeitos da união dos trabalhadores para aumentar o poder de barganha. Mas mesmo sendo a negociação coletiva uma exceção e não a regra, os trabalhadores sempre têm algum poder de barganha. É do interesse das firmas pagarem mais do que o mínimo aceitável. Por quê? Vamos explorar essas duas explicações, uma de cada vez. 19

20 Poder de Barganha O poder de barganha do trabalhador depende de dois fatores: Quão difícil (custoso) é para a firma repor alguém em seu lugar; e Quão difícil (custoso) é para o trabalhador achar um novo emprego. Quão mais custoso for para firma substituir o trabalhador e quão mais fácil for para o trabalhador encontrar um novo emprego, mais poder de barganha terá o trabalhador. O custo de substituir o trabalhador depende da natureza do trabalho (trabalhadores do McDonald s x bons economistas da PUC); O poder de barganha do trabalhador depende das condições do mercado de trabalho. Quando este está mais aquecido, mais difícil é para a empresa substituir o trabalhador e mais fácil é para o trabalhador encontrar outro emprego. Consequentemente, maior será seu poder de barganha. 20

21 SALÁRIO EFICIÊNCIA Turnover é alto caso se pague apenas o salário de reserva; pagar mais pode incentivar os bons trabalhadores a ficarem e isso pode baixar a rotatividade da mão-de-obra e aumentar a produtividade via redução do shirking e melhora da satisfação do trabalhador. Ex: Henry Ford mais do que dobrou os salários, conseguindo reduzir a taxa de rotatividade de 370% para 16% a.a. e a taxa de demissões de 62% para zero em dois anos. A produtividade aumentou de 30 a 50% no ano do aumento e os lucros aumentaram. 21

22 SALÁRIO EFICIÊNCIA A teoria de salário eficiência, tal como a de poder de barganha, ligam o salário à natureza do emprego e às condições do mercado de trabalho. 1.O trabalhador qualificado tem mais poder de barganha. 2. Menor desemprego afeta positivamente o salário. Vamos formalizar estas idéias. 22

23 Equação de determinação dos salários: W = P e.f(u,z) (6.1) W = salário nominal, P e =nível esperado de preços, u = taxa de desemprego, z = outros fatores (qualificação, seguro desemprego,salário mínimo etc.) dw/du <0, dw/dz >0 23

24 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS: Para determinar os preços dados os salários, temos que olhar para a função de produção: Y = A.N - trabalho é o único fator de produção; - a produtividade do trabalho é constante igual a A; Simplificando ainda mais: A = 1. Y = N (6.2) (6.2) implica que o custo de produzir uma unidade adicional de produto é o custo do salário, W. O custo marginal de produção é W. Se considerarmos concorrência perfeita: P = CMg = W. Mas geralmente os mercados não estão em concorrência perfeita, assim: P = (1 + µ).w (6.3). onde µ é o poder de mercado das empresas (mark-up). 24

25 DETERMINAÇÃO DE SALÁRIOS A relação de determinação de salários vem da eq. (6.1), substituindo o nível esperado de preços pelo nível realizado de preços: W = P. F(u -, z + ) Dividindo ambos os lados pelo nível de preços, W = F(u -,z + ) (6.4) P Esta é a relação de determinação de salários (WS). 25

26 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS Pela relação de determinação de preços: Logo, P = (1 + µ ) (6.5) W W = 1 (6.6) P (1 + µ) W/P 1 (1+µ) A PS WS u 26

27 Dois tipos de fatores provocam a mudança de salários e preços de equilíbrio no modelo Fatores que deslocam o salário eficiência, são os fatores que deslocam a variável z: mudanças de regras que alterem o custo de busca por emprego seguro desemprego, maior informação. Fatores que deslocam o poder de mercado das empresas, dado o nível de demanda: legislação de proteção ao consumidor, concorrência, controles de preços e outros fatores que desloquem a variável µ. 27

28 RESULTADO MACROECONÔMICO: SALÁRIO REAL DE EQUILÍBRIO, EMPREGO E DESEMPREGO Equilíbrio no mercado de trabalho requer que o salário real implicado pela determinação de salários (WS) seja igual ao implicado pela determinação dos preços (PS). F(u n,z) = 1 (1 + µ) A taxa u n que resolve esta equação é a taxa de desemprego de equilíbrio denominada taxa natural de desemprego. W/P A PS WS Un U 28

29 Considere dois exemplos de como a relação de determinação de salários (WS) e a relação de determinação de preços (PS) dependem tanto de z quanto de µ. 1. Aumento do seguro-desemprego (aumento em z, ou seja, nas variáveis que aumentam o poder de barganha ou baixam o custo do desemprego para o trabalhador) Aumenta o salário para um mesmo nível de preços e desemprego. W/P A A` PS WS` WS Un Un U 29

30 2. Endurecimento da legislação antitruste: O poder de mercado diminui reduzindo o mark-up. W/P _1_ 1+μ A` PS` _1_ A 1+μ WS PS Un Un U 30

31 DO DESEMPREGO PARA O PRODUTO Associada à taxa natural de desemprego está a taxa natural de emprego, N n : u U = L N = 1 N L L L Rearranjando os termos, N = L(1 u) N n = L(1 u n ) E como trabalho é o único fator de produção no modelo, o nível natural de produto é: Y n = N n = L(1 u n ) Notem que tais taxas devem satisfazer a relação: F( 1 Y n, z) = 1 (6.8) L (1 + µ) 31

32 Comparação do modelo de fixação de salários e preços com o modelo competitivo A curva de determinação de salários parece com uma oferta de trabalho; à medida que aumenta o nível de emprego, o salário real pago aos trabalhadores também aumenta; 32

33 Comparação do modelo de fixação de salários e preços com o modelo competitivo (cont.) Entretanto, o salário correspondente a um dado nível de emprego na curva de fixação de salários é o resultado de um processo de barganha entre trabalhadores e firmas, ou produto da fixação unilateral dos salários pelas firmas. 33

34 Comparação do modelo de fixação de salários e preços com o modelo competitivo (cont.) Já a comparação entre a curva de determinação de preços com a demanda por trabalho é estranha. A curva é horizontal, não respondendo ao aumento do salário real com a diminuição do emprego. A razão é a hipótese simplificadora de retornos constantes na produção. Com rendimentos decrescentes, a curva de fixação de preços seria decrescente. À medida que o emprego cresce, o custo marginal de produzir também cresce, forçando as firmas a aumentarem seus preços dado o salário nominal. Em outras palavras, o salário real implicado pela fixação de preços seria decrescente com o aumento do emprego. 34

35 Comparação do modelo de fixação de salários e preços com o modelo competitivo (cont.) A demanda por trabalho padrão gera o nível de emprego contratado pelas firmas para um dado salário real. Essa relação é feita supondo que as firmas estão em mercados competitivos de bens e de trabalho, e, portanto, tomam o salário e o nível de preços como dados: F (L)=W/P 35

36 Comparação do modelo de fixação de salários e preços com o modelo competitivo (cont.) Já a curva de fixação de preços pressupõe que as firmas têm algum poder de mercado (concorrência monopolista ao invés de concorrência perfeita). Fatores como o grau de competição no mercado de bens afeta a relação de fixação de preços através de sua influência sobre o mark-up. Tais fatores inexistem na derivação da demanda de trabalho padrão. 36

37 Comparação do modelo de fixação de salários e preços com o modelo competitivo (cont.) No arcabouço padrão de oferta e demanda por trabalho, os desempregados estão nessa situação porque querem. Ao salário real vigente, eles poderiam estar trabalhando se quisessem. Já no arcabouço de fixação de saláriosdeterminação de preços, o desemprego é provavelmente involuntário. Esta característica Keynesiana parece adequar-se melhor à realidade. 37

38 Conclusão Mostramos como o equilíbrio no mercado de trabalho determina a taxa de desemprego de equilíbrio que, por sua vez, determina o nivel de produto de equilíbrio. Então, para que serviu o curso de Macro 1 e o estudo do modelo IS-LM, que mostrava que o produto era determinado por fatores como política monetária, política fiscal, etc? 38

39 Conclusão (continuação) A equação de equilíbrio no mercado de trabalho supõe que P=P e. Isso não necessariamente será verdade no curto prazo. Contudo, é improvável que as expectativas estejam sistematicamente ao longo do tempo. erradas no médio prazo. Portanto, devemos esperar um retorno do produto para o seu nível natural 39

40 A Curva de Beveridge Relação entre postos vagos de trabalho e a taxa de desemprego da economia. Uma melhora nas condições econômicas faz com que as firmas expandam investimentos e abram mais postos de trabalho. Como existem fricções no mercado de trabalho, a taxa de desemprego tenderá a cair ao longo do tempo. Nas recessões, a curva de Beveridge tende a se deslocar paralelamente para baixo menos vagas para o mesmo nível de desemprego que em seguida se traduzirá em um aumento do desemprego. E o que pode estar acontecendo quando as vagas aumentam e o desemprego também? 40

41 4,5 vagas EUA: Curva de Beveridge 4,0 De dezembro de 2000 a julho de ,5 3,0 Pós janeiro de ,5 2,0 1,5 De agosto de 2007 a dezembro de ,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 11,0 Desemprego

42 42

43 Objetivo: explorar os efeitos da correção dos preços sobre o nível de atividade Fatores a serem explorados: surpresas para cima do nível de preços (P-P e )>0 fazem com que haja, a curto prazo, mais emprego do que seria justificado pelo salário real resultante do estado da demanda por bens e por mão de obra. 43

44 MODELO OA DA: JUNTANDO TODOS OS MERCADOS Diferença entre a determinação do produto e do emprego no curto prazo e no médio prazo resulta em possíveis inconsistências entre as variáveis. 44

45 Para podermos examinar a causa dessas inconsistências e o que pode resultar das correções, vamos agregar todos os mercados através de duas relações: 1) Oferta Agregada (OA): equilíbrio no mercado de trabalho 2) Demanda Agregada (DA): equilíbrio nos mercados de bens e de moeda (financeiro). 45

46 A OFERTA AGREGADA (OA) A relação de oferta agregada captura o efeito do nível de produto sobre o nível de preços. O ponto de partida de sua derivação foi o equilíbrio no mercado de trabalho. 46

47 Revendo a derivação da OA a partir da determinação de salários e preços, W = P e.f(u,z) P = (1 + µ )W Obtivemos P = P e.(1 + µ ).F(u,z) (7.1) 47

48 O nível de preços é uma função do nível esperado de preços e da taxa de desemprego (nível de atividade), dados o mark-up e os fatores estruturais que reduzem o custo do desemprego para o trabalhador. 48

49 A OFERTA AGREGADA (OA) Para conveniência, vamos trocar a taxa de desemprego pelo nível de produto, seguindo a relação: u U = 1 N = 1 Y L L L 49

50 Assim, a relação de oferta agregada expressa em termos de produto é: P = P e.(1 + µ ).F(1 Y/L, z) (7.2) 50

51 A OFERTA AGREGADA (OA) Observe-se na equação acima que: 1) P e P na mesma proporção. Como funciona? Se as firmas e trabalhadores (wage setters) esperam preços maiores, o resultado é aumento de salários nominais pretendidos. Este reajuste, por sua vez, leva a um aumento de preços: P e W P 51

52 A OFERTA AGREGADA (OA) 2) Um aumento no produto requer um aumento no nível de preços: Y P 52

53 Como funciona? Y N u W P P OA P e A Yn Y 53

54 CARACTERÍSTICAS DA OA É monotonicamente crescente (para um dado preço esperado, um aumento de produto leva a um aumento do nível de preços), ou seja, P/ Y > 0. 54

55 o Passa pelo ponto A, no qual Y = Y n e P = P e. Portanto, se não houver surpresa na realização dos preços esperados, P = P e o emprego é compatível com o produto ao seu nível natural Y n.. 55

56 Esta conclusão é consequência da definição de u n taxa de desemprego que prevalece quando P = P e e da definição de Y n como o produto correspondente a u n. 56

57 CARACTERÍSTICAS DA OA Tais características implicam que: 1) Quando Y > Y n P > P e : trata-se de um movimento ao longo da curva de oferta agregada OA, ou seja, reações da oferta a deslocamentos da demanda. P OA P P e Y n Y Y 57

58 2) Um aumento em P e desloca a curva OA: P e OA P OA` P e` OA P e Y n Y 58

59 DEMANDA AGREGADA (DA) A demanda agregada captura o efeito do nível de preços no produto. É derivada, como foi visto em Macro I, a partir do equilíbrio no mercado de bens e nos mercados financeiros: 59

60 Mercado de Bens: IS Y = C(Y T) + I(Y,i) + G Mercado Financeiro: LM M/P = Y. L( i ) 60

61 Lembrar: Movimentos ao longo da curva de demanda agregada refletem, assim, os efeitos contracionistas de aumentos do nível geral de preços. 61

62 A queda da liquidez real, ou seja excesso de demanda por moeda que contrai a LM, aumentando a taxa de juros requerida para equilibrar, a cada nível de produto, o mercado financeiro. 62

63 Fatores de deslocamento da curva de DEMANDA AGREGADA (DA) Exemplo: aumento do índice de confiança do consumidor, ou do investimento autônomo, resultam no deslocamento da curva IS para direita 63

64 OUTRO EXEMPLO DE DESLOCAMENTO DA DA Uma operação contracionista de open-market. 64

65 65

66 DEMANDA AGREGADA (DA) A DA pode ser descrita algebricamente por: Y = Y( M, G, T) P com Y / (M/P) > 0, Y / G > 0, Y / T < 0. 66

67 PRODUTO DE EQUILÍBRIO NO CURTO PRAZO Examinemos agora o efeito conjunto de oferta e demanda agregada: A CURTO PRAZO, DADO P e OA : P = P e.(1 + µ ).F(1 Y/L, z) DA : Y = Y(M/P, G, T) 67

68 Produto e o Nível de Preços de equilíbrio (ponto A): mercados de bens, financeiro e trabalho em equilíbrio. 68

69 P OA P A P e B DA Y n Y 69

70 Modelo OA DA Dinâmica do Produto e do Preço No curto prazo, o produto pode diferir do produto natural: P e P. Nesse caso, o salário real que estava por trás dos contratos celebrados com salários nominais pode não se realizar. 70

71 o Mas o que ocorre ao longo do tempo, do curto para o médio prazo? o Vamos supor que o produto esteja maior que o seu nível natural e que as demais variáveis exógenas permaneçam constantes. 71

72 o Para estudar a dinâmica de Y e P, precisamos analisar como as expectativas se comportam. P e pode variar ao longo do tempo. Se o nível de preços do período anterior não correspondeu à expectativa, este erro deve ser levado em consideração ao se formular as expectativas para o período corrente. 72

73 Modelo OA DA Dinâmica do Produto e do Preço Vamos pressupor que P e = P t-1. Logo, teremos: Oferta Agregada P t = P t-1 (1 + µ) F(1 Y t, z) L 73

74 o Demanda Agregada Y t = Y(M, G, T) P t 74

75 Modelo OA DA Dinâmica do Produto e do Preço Supondo Y>Yn no período t. Sob nossa hipótese sobre os preços, P e t=p t-1. Então, no ponto B, temos (Yn, P t-1 ), e no ponto A, (Y t, P t ). 75

76 o No período t+1, a curva OA deve se deslocar para cima, pois teremos o novo nível P e t+1= P t. A curva se desloca para cima e atingimos os pontos B (Yn, P e t+1 = P t ), e A (Y t+1, P t+1 ). 76

77 MODELO OA DA DINÂMICA DO PRODUTO E DO PREÇO Observe que a demanda agregada não se desloca, apenas há um deslocamento ao longo desta curva. Como P t+1 é maior que P t e Y t+1 é menor que Y t, A está mais próximo do produto natural. 77

78 78

79 Modelo OA DA Dinâmica do Produto e do Preço Mas o que ocorre entre t e t+1? Como em t o produto está acima do nível natural, o nível de preços está acima do esperado. No ano t+1, o preço esperado é maior, o que eleva o preço em t+1. Um preço maior reduz o estoque de moeda real o que aumenta o nível de juros e reduz a demanda por bens em t+1. 79

80 o Em t+2, ainda temos Y>Yn, assim, P e t+2=p t+1. A OA se desloca para cima novamente, repetindo o mesmo processo descrito anteriormente. o Enquanto o produto corrente for maior que o natural, o nível de preços continua crescendo e o produto continua decrescendo até que Y alcance Yn, e não haja mais pressão sobre os preços. 80

81 Modelo OA DA Dinâmica do Produto e do Preço 81

82 Modelo OA DA Dinâmica do Produto e do Preço Conclusão: No curto prazo, o produto pode estar acima ou abaixo do produto natural, mas no médio prazo, o produto retorna para seu nível natural. O ajuste é feito via preços. Se o produto estiver acima do natural, os preços aumentam até que o produto alcance o nível natural. 82

83 Características do ajuste via OA Dado que a variável de ajuste que vai fazer o nível de emprego se ajustar é o nível de preços, a direção do ajuste será dada pelo que acontece com o salário real no processo. 83

84 o Se o emprego em A for maior do que o natural, por exemplo, preços superiores fazem cair o salário real, e assim diminuem a oferta de emprego, deslocando a oferta global. 84

85 Até aqui vimos o arcabouço OA-DA que nos mostrou a dinâmica diferenciada da economia no curto prazo e no médio prazo. No curto prazo, o produto pode tanto estar acima quanto abaixo de seu nível natural. Mudanças em qualquer das variáveis que entram na relação de oferta ou na relação de demanda agregada levam a mudanças no produto e no nível de preços. 85

86 o No médio prazo, entretanto, o produto tende a retornar para o seu nível natural. Quando o produto está acima de seu nível natural, o nível de preços aumenta. Preços maiores diminuem a demanda e o produto. Quando o produto se situa abaixo de seu nível natural, os preços caem, aumentando a demanda e o produto. 86

87 Vamos agora usar o modelo para investigar os efeitos dinâmicos de mudanças causadas pelas políticas macroeconômicas. Veremos três políticas: Operação de Mercado Aberto o Redução no déficit fiscal o Aumento no preço do petróleo 87

88 EFEITOS DE UMA EXPANSÃO MONETÁRIA Quais os efeitos no curto prazo e no médio prazo de um aumento no estoque nominal de moeda de M para M? O AJUSTE DINÂMICO Para um dado nível de preços P t, o aumento em M eleva M/ P t, levando a um aumento no produto (Y). No curto prazo, a economia vai para o ponto A`, com produto e nível de preços maiores. 88

89 No médio prazo, temos o efeito do produto sobre o nível esperado de preços. Vendo que P e, os trabalhadores pedem W. Isto deflagra novos aumentos de P. Conquanto Y > Y n, este processo continua. O equilíbrio no médio prazo é em A, com Y = Y n e P t+j > P to. 89

90 P A AS AS P to A A AD (M > M) Y n Y t AD Y 90

91 EFEITOS DE UMA EXPANSÃO MONETÁRIA Vejamos o que está ocorrendo com o modelo IS-LM subjacente: P A A AS P to A AD (M > M) Y n Y t AD Y i LM i i t A e A A B LM LM Y n Y t Y 91

92 NEUTRALIDADE DA MOEDA Em suma, vimos que: No curto prazo, uma expansão monetária leva a um aumento no produto, e a um aumento no nível de preços. A repartição entre o efeito sobre preços e o efeito sobre o produto dependerá da inclinação da curva AS (OA). Quando se estudou inicialmente o IS-LM, presumiu-se que os preços fossem fixos, isto é, uma OA horizontal. Isto é uma simplificação, mas a evidência empírica indica que o efeito inicial de Y em P é pequeno. 92

93 À medida que o tempo passa, os preços aumentam e os efeitos da expansão monetária sobre o produto e a taxa de juros desaparecem. No médio prazo, o efeito da expansão monetária se reflete só em aumento dos preços. Não há qualquer efeito sobre o produto ou sobre a taxa de juros. 93

94 A ausência de efeitos de médio prazo sobre o produto ou juros de uma variação de M é conhecida como a Neutralidade da moeda no médio prazo. Portanto, para fins de política econômica, pode-se usar a política monetária no curto prazo para, por exemplo, incentivar a economia. Não obstante, é inócuo tentar manter a economia permanentemente super aquecida (Y > Yn) via aumentos em M. 94

95 QUÃO DURADOUROS SÃO OS EFEITOS DE M? Uma forma de responder esta pergunta é recorrer a grandes modelos macroeconométricos que são usados para gerar previsões e estudar efeitos de políticas alternativas. 95

96 o A figura a seguir mostra o efeito de um aumento em 3% da oferta monetária ao longo do tempo, no modelo construído por John Taylor Stanford University. O aumento da moeda ocorre durante 4 trimestres (0.1%, 0.6%, 1.2% e 1.1%, respectivamente). 96

97 o O produto cresce e atinge um pico após os 4 períodos. O preço vai aumentando ao longo dos anos. Após 4 anos, o preço aumentou 2.5% enquanto o produto retornou ao nível natural. 97

98 Expansão Monetária no Modelo Taylor 98

99 QUÃO DURADOUROS SÃO OS EFEITOS DE M? Esses modelos macroeconométricos requerem decisões sobre diversas variáveis e inclusões de equações. Um método mais simples seria olhar para a resposta do produto em relação a mudanças na moeda, utilizando econometria (regressões). Problema: A moeda pode estar afetando o produto ou o produto pode estar afetando a política monetária. Em seu trabalho, Mishkin separa os movimentos na oferta monetária entre antecipados e não antecipados e observa a resposta do produto em relação aos dois tipos de movimentos. Apesar dos resultados serem diferentes, apresentam as mesmas propriedades. Ambos os exercícios confirmam que o efeito da política monetária sobre o produto não pode ser sustentado no médio prazo. 99

100 Efeitos de uma expansão monetária de 1% sobre o produto (%) Trimestres Mudança Antecipada na moeda Mudança não antecipada na moeda

101 REDUÇÃO NO DÉFICIT FISCAL Vimos o que ocorre com a Política Monetária (LM). Vejamos agora o efeito de uma contração na política fiscal (IS): P A A A OA OA DA DA (G < G) Y n Y i LM LM A i LM B i t A Y t Y n IS IS Y 101

102 REDUÇÃO NO DÉFICIT FISCAL Resumindo os efeitos da política fiscal: Y = C(Y T) + I(Y, i) + G No curto prazo, G (mantendo M constante) leva a Y, e talvez a I. No médio prazo, Y volta a Yn, e i cai permanentemente. Desse modo, I aumenta inequivocamente. Se considerássemos os efeitos de longo prazo, G I e Y 102

103 Mudanças nos Preços do Petróleo Em 1973 o preço do petróleo subiu drasticamente. A formação da OPEC fez com que a oferta de petróleo fosse reduzida aumentando seu preço. Este preço quase triplicou entre 1970 e 1982 em relação ao PPI. Mas, como se espera de um jogo de coalizão, as quotas de produção foram sendo abandonadas e a oferta de petróleo foi crescendo causando uma redução no preço. Observe que o petróleo não entra nem na oferta nem na demanda agregada, já que pressupomos que o único fator de produção é o trabalho. Poderíamos incluir diretamente a energia como fator de produção. Mas vale a pena manter o nosso modelo e considerar que o choque do petróleo correspondeu a um aumento no mark-up, µ. 103

104 jan/67 jan/68 jan/69 jan/70 jan/71 jan/72 jan/73 jan/74 jan/75 jan/76 jan/77 jan/78 jan/79 jan/80 jan/81 jan/82 jan/83 jan/84 jan/85 jan/86 jan/87 jan/88 jan/89 jan/90 jan/91 jan/92 jan/93 jan/94 jan/95 jan/96 jan/97 jan/98 jan/99 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 Preço do Barril (USD) Preços de Petróleo Petróleo Brent (US$/Barril) - Fim de Período 160, , , ,000 80,000 60,000 40,000 20,000 0,000 Preço do Barril à vista Preço deflacionado Fonte: Saint Louis FED 104

105 Mudanças nos Preços do Petróleo Do capítulo 6, tínhamos que o mercado de trabalho era dado pelo gráfico abaixo. Um aumento no mark-up faz com que a curva de salário real (determinação de preços) se desloque para baixo o que aumenta a taxa de desemprego natural de equilíbrio. W P A PS A PS u n u n WS 105

106 Mudanças nos Preços do Petróleo O aumento da taxa de desemprego natural leva a uma queda do produto natural, ou seja, o aumento do preço do petróleo leva a uma queda do produto natural. Vamos então supor que inicialmente a economia está num ponto como A tal que temos (Y n, P t =P t-1 ). Um aumento no preço do petróleo leva a uma queda em Yn para Yn. Pela oferta agregada, um aumento no mark-up aumenta P t para um dado nível de Y t, ou seja, a oferta se desloca para cima, no curto prazo. P t = P t-1 (1 + µ) F(1 Y t, z) L 106

107 Mudanças nos Preços do Petróleo Após o aumento no preço do petróleo, a nova curva de oferta passa pelo ponto B onde temos (Yn, P t-1 ). Assim, a nova oferta é dada por OA`. No curto prazo a economia se desloca para A. O aumento do preço do petróleo aumenta os preços que as firmas cobram em seus produtos, o que reduz a demanda e o produto. Observe que a demanda não se desloca neste modelo. Vários efeitos poderiam induzir um deslocamento da demanda, mas vamos considerar que esses efeitos se cancelam. Vale ressaltar que num choque de demanda negativo, tínhamos como resultado um produto menor e um nível de preços menor. Num choque de oferta, o produto é menor e o preço é maior. 107

108 Mudanças nos Preços do Petróleo Ao longo do tempo, no ponto A a economia ainda está acima de Yn, então os preços aumentam até que a economia alcance o novo equilíbrio em A. 108

109 OA` OA` A OA P t-1 B A A DA Yn Yn 109

110 EXPANSÃO MONETÁRIA Resumo CURTO PRAZO MÉDIO PRAZO PRODUTO JUROS PREÇOS PRODUTO JUROS PREÇOS AUMENTO REDUÇÃO AUMENTO SEM MUDANÇA SEM MUDANÇA AUMENTO REDUÇÃO DO DÉFICIT FISCAL REDUÇÃO REDUÇÃO REDUÇÃO SEM MUDANÇA REDUÇÃO REDUÇÃO CHOQUE DO PREÇO DO PETRÓLEO REDUÇÃO AUMENTO AUMENTO REDUÇÃO AUMENTO AUMENTO 110

111 Choques e Mecanismos de Propagação As flutuações do produto (às vezes chamadas de ciclos econômicos) são variações do produto em torno de sua tendência. A economia é constantemente afetada por choques na oferta agregada, na demanda agregada ou em ambas. Cada choque tem efeitos dinâmicos sobre o produto e seus componentes. Esses efeitos são chamados de mecanismo de propagação do choque. 111

112 Uma descrição do ciclo econômico neste modelo Expansão: suponhamos um choque de demanda (expansão temporária de M, por exemplo) deslocamentos de preços e quantidades ao longo da curva de oferta, aumento temporário de emprego, com preços esperados constantes. Propagação expansionista se esgota quando os preços convergem de volta para o valor esperado (ancorado, por exemplo, em uma tradição de estabilidade de preços). Choques com média zero gerariam oscilações em torno da taxa natural. 112

113 Tentativa de Recuperação do emprego via política monetária expansionista. Com preços esperados constantes, podese explicar uma oscilação da economia em torno da taxa natural de desemprego. Com preços esperados influenciados pelos erros, pode-se gerar espiral de salários e preços. 113

114 Com correção das expectativas Como podem ser corrigidas? Com mecanismos de correção a partir dos erros passados (adaptativas). A partir de projeções quanto aos efeitos finais esperados das mudanças no ambiente. Novas trajetórias de equilíbrio podem resultar de expectativas que são formadas olhando-se para o futuro ( forward-looking ). 114

115 Correções de expectativas Correções de expectativas poderiam ocorrer, por exemplo, como resultado da tentativa de sustentação da expansão monetária, o que converteria um choque temporário de demanda em permanente. A curva de oferta move-se para o alto e para a esquerda (noroeste), via correção de expectativas, a taxa natural a médio prazo permanece constante (neutralidade da moeda) e o nível de preços subiria de forma permanente. Salários e preços subiriam provocados pela tentativa de usar o estímulo monetário para alterar a taxa natural de desemprego. 115

116 Exemplos de choques Efeitos de uma redução permanente do déficit deslocamento temporário recessivo do produto, pela queda da demanda; propagação expansionista da oferta global por queda dos preços, que permitem aumento da oferta do emprego por aumento dos salários reais. Choques de oferta positivos melhorias na produtividade (modelar via quedas do mark-up). 116

117 Tema: Curva de Phillips Referência básica (Capítulo 8 O. Blanchard)

118 Curva de Phillips O artigo de Phillips de 1958 identificou uma relação negativa entre aumentos de salários e desemprego para a economia inglesa através de uma longa série de dados ( ). Dois anos depois, Samuelson e Solow (1960) reaplicam o exercício para os EUA, substituindo aumentos de salários por taxa de inflação e batizam a relação de Curva de Phillips. 118

119 Curva de Phillips A relação empírica deu a impressão de que os países podiam escolher entre inflação e desemprego, ou seja, determinar sua posição na curva. A Curva de Phillips seria um menu explorável de alternativas para a política macroeconômica. Em 1968, Milton Friedman e Edmond Phelps crítica aos fundamentos irracionalidade dos contratos nominais, dependência dos erros permanentes. 119

120 Curva de Phillips Depois dos choques do início dos anos 70, entretanto, a estagflação pôs em cheque esta possibilidade de tradeoff, e reviveu as críticas de Friedman e Phelps. Nova relação surge: o que pode ser escolhido é entre a taxa de desemprego e a variação na taxa de inflação. Hoje em dia, não se acredita que um desemprego elevado leve a uma inflação baixa, mas a uma redução na inflação. Estudaremos a relação entre a Oferta Agregada e a Curva de Phillips e de que forma as mutações na Curva de Phillips foram compatibilizadas com o processo pelo qual pessoas e firmas formam expectativas. 120

121 Da curva de Oferta à Curva de Phillips Fazendo a álgebra, seja F(u t,z)= 1- u t +z então, P t =P t e (1+ )(1- u t +z) => P t /P t-1 = P t e /P t-1 (1+ )(1- u t +z) Como P t /P t-1 = 1+ (P t - P t-1 )/P t-1 =1+ t, temos que 1+ t =(1+ t e )(1+ )(1- u t +z) => (1+ t)/[(1+ t e )(1+ )]= 1- u t +z Se t, t e, não forem muito elevados, uma boa aproximação será 1+ t - t e - =1- u t +z => t= t e + ( +z)- u t (8.1) Intuição: Inflação depende positivamente da inflação esperada e negativamente do desemprego. Dada a inflação esperada, quanto maior o markup escolhido pelas firmas,, ou maior o valor de z, maior a inflação. 121

122 A Curva de Phillips Reconstruída A novidade agora é que quanto maior o desemprego, menor a inflação, dada a inflação esperada. Comparando as versões empíricas da Curva de Phillips: A primeira versão refletia uma economia com inflação zero (na média) irreal nos dias de hoje. Agentes que determinam os salários escolhem os salários nominais para o ano seguinte (período contratual) tendo de prever a inflação do período seguinte. Assim, como a média da inflação passada é zero, é razoável supor: t e =0 122

123 Substituindo na eq.(8.1), obtém-se: t=( +z) - u t Que é exatamente a relação que Phillips, Samuelson e Solow encontraram para o Reino Unido e para os EUA com os dados até a década de 50. Intuição: Dados os preços esperados, os quais são tomados pelos trabalhadores como iguais aos preços do ano anterior, baixo desemprego leva a salários mais altos. Salários mais altos levam a preços mais altos quando comparados aos preços do ano anterior, isto é, elevam a inflação. Este mecanismo é a espiral de preços e salários. 123

124 Evolução da Curva de Phillips modelando os fatos empíricos e a evolução da conjuntura Década de 60 a queda do desemprego provoca aumento de inflação. Década de 70 a relação é quebrada. Por quê? A economia americana foi atingida duas vezes pelo aumento no preço do petróleo. Ou seja, aumenta, o que implica P mais alto para um dado nível de desemprego. Mas a razão principal não foi esta. Os agentes responsáveis pela determinação dos salários (wagesetters) empresários e trabalhadores alteraram o processo de formação de expectativas. Após 1960, a inflação fica constantemente positiva e mais persistente, sugerindo que o anterior processo de formação de expectativas pudesse ter ficado obsoleto. A persistência da inflação promoveu uma mudança na formação de expectativas. Vejamos os gráficos das curvas de Phillips para diferentes períodos. 124

125 Inflação e Desemprego

126 Inflação e Desemprego

127 Curva de Phillips Aceleracionista Suponha que as expectativas sejam formadas da seguinte forma: t e = t-1 Quanto maior, maior efeito de t-1 sobre t e. No período estudado por Samuelson e Solow, tínhamos t e =0, com bem próximo de zero. Com o aumento e a persistência da inflação, foi crescendo. Nos anos 70, a evidência era de que =1. Implicações do crescimento de : Substituindo t e = t-1 na equação 8.1; t= t-1 + ( +z) - u t Com =0, obtemos a curva de Phillips original. Quando >0, a inflação não depende só de u t. Quando =1, a relação se torna: t - t-1= ( +z) - u t (8.4). Ou seja, com =1, a taxa de desemprego afeta diretamente não a taxa de inflação, mas, sim, a variação (1ª diferença) da taxa de inflação. Desemprego elevado leva à inflação decrescente, não necessariamente baixa, e desemprego baixo leva à inflação crescente, não necessariamente alta. 127

128 (8.4) é conhecida como: Curva de Phillips modificada, ou curva de Phillips com expectativas ou Curva de Phillips Aceleracionista. Vamos nos referir à (8.4) como a Curva de Phillips e à (8.2) como Curva de Phillips original. Em suma, Curva de Phillips Aceleracionista Curva de Phillips original: u t sobe, t cai. Curva de Phillips (modificada): u t sobe, ( t- t-1) cai. Isso nos mostra o que ocorreu nos anos 70. Conforme aumentou de tamanho, a relação entre inflação e desemprego desapareceu. A relação relevante passou a ser entre o desemprego e a variação da inflação. 128

129 Variação na Inflação e Desemprego

130 Curva de Phillips e Taxa Natural de Desemprego Pela Curva de Phillips original, não existe uma taxa natural de desemprego. Qualquer desemprego poderia ser atingido se o país estivesse disposto a assumir a (elevada) inflação necessária, e poder-se-ia manter desemprego baixo permanentemente. A taxa natural de desemprego é definida como a taxa à qual P t =P t e ou t= t e. Usando isso em (8.1), t= t e + ( +z)- u t,tem-se: 0=( +z) - u n, ou u n =( +z)/ (8.6) Se aumenta, u n aumenta e se z aumenta, u n aumenta. Agora, de (8.6) [( +z)/ =u n ] e substituindo de volta em (8.1), temos: t- t e = - (u t -u n ) (8.7) t- t-1= - (u t -u n ) (8.8) 130

131 Curva de Phillips e Taxa natural de Desemprego t- t-1 = - (u t -u n ) (8.8) A equação 8.8 nos dá outra forma de pensar sobre a Curva de Phillips. Agora, a variação na inflação depende da diferença entre a taxa de desemprego e a taxa de desemprego natural. Quando u t >u n, inflação cai. Quando u t <u n, inflação sobe Quando u t =u n, inflação está estabilizada. Ou seja, a taxa natural de desemprego pode ser vista também como a taxa de desemprego que mantém a inflação constante (Nonaccelerating inflation rate of unemployment - NAIRU). 131

132 Como calcular a NAIRU? Qual a Taxa natural de desemprego nos EUA desde 1970? Fazer t = t-1 e isolar u n => u n = 6% (linha de regressão, ver gráfico slide 129). - A evidência sugere que a taxa de desemprego necessária para manter a inflação constante era de cerca de 6%. - No entanto, a taxa média de desemprego entre foi de 4,7% sem aumento da taxa de inflação, o que sugere que a NAIRU ao final da década de 90 devia estar abaixo de 6%. - Esta foi uma das evidências que levou Greenspan a relaxar a política monetária sem medo de elevar a inflação. Outros efeitos colaterais, entretanto, ocorrreram. 132

133 Observações A relação entre desemprego e inflação varia entre países e ao longo do tempo. Por que as taxas naturais de desemprego variam entre países? Dado a equação (8.6) u n =( +z)/, temos que a taxa natural de desemprego depende das variáveis,z e que diferem entre países. Como u n não é observado diretamente, mas, por hipótese, a economia flutua em torno dela, podemos estimar a taxa de desemprego natural como uma taxa média de desemprego ao longo de uma década. Ex: Japão (2%) x EUA (6,1%) dados a partir de No entanto, em 2000, o Japão teve uma taxa de desemprego de 4,7% contra 4% dos EUA. Isso deveu-se a uma recessão no Japão com u t >u n e vice versa nos EUA. Qual o motivo para a taxa natural ser menor no Japão? Basicamente, menores fluxos de desligamentos e contratações. 133

134 Variações da Nairu ao longo do tempo Até agora consideramos ( + z) como uma constante. O que não é verdade na realidade, pois o poder de monopólio das empresas, a estrutura das negociações salariais e o sistema de seguro-desemprego tendem a mudar com o tempo, alterando a taxa natural de desemprego (u n ). Há ainda incertezas sobre os fatores que podem estar inclusos em z e o efeito de cada fator sobre o desemprego natural. Pode ser que uma variação em implique, também, mudanças em z. Ex: Quando sobe, nos modelos de negociação trabalhista, os trabalhadores podem aceitar um corte de salário para evitar o aumento da taxa de desemprego, reduzindo z de modo que u n fique inalterada. 134

135 Variações da Nairu ao longo do tempo As variações de u n são difíceis de medir. Por quê? Porque u n não é observado, apenas u t. No entanto, podemos observar tendências a partir da comparação da taxa média de desemprego ao longo das décadas. Ex: Nos EUA, a taxa de desemprego médio caiu na década de 90 e em 2000 era de 4% quase sem aumento da inflação. No entanto, a partir de 2001, a taxa de desemprego começou a subir, ultrapassando 6%. Podemos concluir que a taxa natural caiu e depois subiu? R: Não. Pois a economia americana entrou em recessão em 2001/2. 135

136 11% Taxa de Desemprego - EUA 10% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 136

137 Como distinguir entre uma taxa de desemprego alta de uma taxa natural alta? R: Examinando a variação da inflação dada pela equação t - t-1 = - (u t -u n ) (8.8). Se a inflação está em queda é sinal que o desemprego real está acima do nível natural. Já se a inflação está estável e o desemprego real está alto, isso indica que a taxa natural está elevada. Ex: União Européia A curva de Phillips entre a variação da inflação e a taxa de desemprego aponta um aumento contínuo da taxa natural de desemprego desde

138 Processo inflacionário e a Curva de Phillips A regra de formação de expectativas pode mudar e também podem ocorrer mudanças institucionais. Quando a inflação está muito elevada, em geral, sua variabilidade aumenta. Os trabalhadores evitam contratos de trabalho que fixem os salários por muito tempo. Nestes casos, os contratos são firmados por um curto período de tempo e a indexação dos salários prevalece. Essas mudanças implicam aumento da resposta da inflação ao desemprego. Vamos ver isso remodelando nossa economia supondo agora que haja 2 tipos de contratos de trabalho: Uma proporção desses contratos tem salário nominal indexado (salário nominal variam de acordo com o preço realizado no período) e uma proporção 1- de salários não indexados (salários são baseados nas expectativas de inflação). 138

139 Indexação dos salários = proporção de contratos indexados. t= [ t+ (1- ) t-1 ]- (u t -u n ) Se =0 voltamos a equação (8.8). Para >0, temos: t- t-1= -( /(1- ))(u t -u n ) Quanto maior, maior o efeito do desemprego sobre a inflação. Intuição: Com indexação, um desemprego menor aumenta os salários não somente no próximo mas também neste período. E assim, maior o efeito sobre inflação. Se tende a um, pequenas variações em u t causam grandes variações em t- t-1 139

140 Tema: Efeitos da Política Monetária sobre Produto, Desemprego e Inflação Referência básica (Capítulo 9 O. Blanchard)

141 Efeitos da Política Monetária sobre Produto, Desemprego e Inflação Motivação: Em outubro de 79, a inflação nos EUA andava perto de 14% ao ano, quando o FED decidiu reduzir o crescimento da moeda para derrubar a inflação. Após 5 anos e também depois de uma grande recessão, a inflação estava de volta a 4% a.a. - Como ele conseguiu reduzir a inflação? - Por que houve uma recessão? Ou seja, queremos estudar os efeitos do crescimento monetário na inflação e no nível de atividade. Esta é uma área de muita pesquisa recente, tanto em teoria quanto em econometria. 141

142 Produto, Desemprego e Inflação São três os blocos componentes do nosso arcabouço teórico que nos permite pensar sobre as inter-relações entre produto, desemprego e inflação, a saber: Demanda Agregada: relaciona a taxa de crescimento nominal da moeda ao crescimento do produto; Lei de Okun: relaciona o crescimento do produto à variação no desemprego; Curva de Phillips: relaciona a taxa de desemprego à variação na inflação. 142

143 Lei de Okun: Crescimento do produto e variações no desemprego Até aqui, por simplicidade, presumimos que: Y = N Y = N L = constante N = - U Vamos agora abandonar essas hipóteses excessivamente distantes da realidade em favor de outra que a melhor descreve. Por que as abandonar? Porque implicam comportamentos diferente dos observados Se Y=N, 1% de aumento de Y 1% de aumento em N Se N= - U 1% de aumento N/L 1% de queda em U. 143

144 Lei de Okun: Crescimento do produto e variações no desemprego Seja g yt a taxa de crescimento do produto. Então, até agora temos que: u t - u t-1 = -g yt (9.1) Ou seja, se o produto cresce a 4%, por exemplo, o desemprego deve cair 4%! Na verdade, isso é uma aproximação, pois: u =U/L = 1-N/L, Com L=constante, u = U/L = - N/L = - ( N/N)(N/L) Assim, se N/L = 0.95, então N/N = 1% causa u = -0.95%. O resultado acima só seria exato se N/L=1. V. sabe a diferença entre um porcento e um ponto porcentual? 144

145 Lei de Okun: Crescimento do produto e variações no desemprego Empiricamente, nos EUA, temos: u t u t-1 = -0.4(g yt -3%) (9.2) A equação (9.2) difere da equação (9.1) de duas formas: 1- A taxa de crescimento anual do produto tem que ser de pelo menos 3% para impedir que a taxa de desemprego aumente. (por 9.1 bastava não haver crescimento negativo) Isto ocorre devido a dois fatores: 1.1- A força de trabalho (PEA) nos EUA tem crescido a 1.7% ao ano. Para manter uma taxa constante de desemprego, o emprego precisa crescer à mesma taxa da força de trabalho, 1.7% ao ano. 145

146 Lei de Okun: Crescimento do produto e variações no desemprego 1.2- Suponha também que a produtividade do trabalho (o produto por trabalhador) esteja crescendo a 1.3% ao ano. Se o emprego crescer a 1.7% e a produtividade crescer a 1.3%, o produto crescerá a 1.3% + 1.7% = 3%. Em outras palavras, para manter u constante, g y tem que igualar a 3%. Nos EUA, a soma do crescimento da produtividade do trabalho com o crescimento da PEA tem sido, em média, igual a 3% desde Esta é a razão pela qual o número 3% aparece na lei de OKUN. Denominaremos de taxa de crescimento normal do produto aquela necessária para manter uma taxa de desemprego constante. 146

147 Lei de Okun: Crescimento do produto e variações no desemprego 2- A segunda diferença entre a equações (9.2) e (9.1) está no coeficiente que relaciona a diferença entre o crescimento do produto e a taxa normal de crescimento com a variação do desemprego. Em (9.2) este coeficiente é de 0.4% em (9.2), em contraste com 1 em (9.1). Isto ocorre por 2 razões: 2.1- As firmas ajustam o emprego em menos do que um para um em resposta a desvios na taxa de crescimento do produto. Por exemplo, se g y está 1% acima do normal por um ano, a taxa de emprego aumenta só em 0.6%. Isto ocorre porque algumas funções não dependem do nível de produção (depto. de contabilidade, por exemplo). Outra razão é que firmas preferem horas-extras, para evitar custos de treinamento (labor hoarding). 147

148 Lei de Okun: Crescimento do produto e variações no desemprego 2.2- Um aumento na taxa de emprego não leva a um decréscimo de um para um na taxa de desemprego. Mais especificamente, um aumento de 0.6% na taxa de emprego leva a uma queda de somente 0.4% na taxa de desemprego. A razão é um aumento na taxa de participação. Quando o emprego aumenta nem todas as vagas são preenchidas pelos desempregados. Alguns vêm diretamente de fora da PEA. Outro efeito é que à medida que o mercado de trabalho se aquece, trabalhadores que não estavam mais procurando emprego (portanto fora da PEA) passam a fazê-lo, e passam a ser classificados como desempregados. Por ambos os motivos, o desemprego cai menos do que o aumento do produto. Nem todos os novos postos de trabalho são ocupados pelos desempregados que já estavam no mercado. 148

149 Algebricamente, a Lei de Okun é: u t u t-1 = - (g yt g c y) (9.3) A inclinação ( ) da lei de Okun reflete a organização interna das firmas, bem como as restrições legais e sociais quanto a demissões e contratações. A evidência internacional é : País EUA 0,39 0,42 Reino Unido 0,15 0,51 Alemanha 0,20 0,29 Japão 0,02 0,11 149

150 Lei de Okun:

151 Lei de Okun: Crescimento do produto e variações no desemprego u - u = - β( g - g ) t t- 1 yt y O crescimento do produto acima do normal provoca uma redução da taxa de desemprego; o crescimento do produto abaixo do normal leva a um aumento da taxa de desemprego. Esta é a lei de Okun: g g u u yt y t t 1 g g u u yt y t t 1 151

152 A Curva de Phillips: Desemprego e Mudança na Inflação Na aula passada, derivamos a seguinte relação entre inflação, inflação esperada e desemprego. t = e t - (u t u n ) Supusemos, então, que e t t-1 para os EUA. Com essa hipótese, a relação entre inflação e desemprego passa a ser: t - t-1 = - (u t u n ) Onde: u u u t n t t 1 u t n t t 1 152

153 A Relação de Demanda Agregada: Crescimento Monetário, Inflação e Crescimento do Produto Sabemos que: Y = Y(M/P, G, T), com Y/ (M/P) >0, Y/ G>0 e Y/ T<0 Vamos agora, ignorar outros fatores que não a moeda e adicionar indicadores de tempo: Y t =.(M t /P t ), onde > 0 (9.6) Esta equação nos diz que um aumento em (M/P) causa um aumento proporcional na demanda por bens e, por conseguinte, no produto. Por trás deste efeito está o modelo IS-LM: M/P i I Y 153

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

A armadilha dos juros

A armadilha dos juros A armadilha dos juros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Yoshiaki Nakano Folha de S.Paulo, 20.02.02 A função principal da taxa de juros alta no Brasil é manter artificialmente sobrevalorizado o câmbio flutuante.

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O mercado de trabalho é fonte de indicadores muito importantes à condução da política monetária como, por exemplo, a taxa de desemprego, os níveis de salários

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Poupança, acumulação de capital e CAPÍTULO 11 2006 Pearson Education Macroeconomics, 4/e Olivier Blanchard Poupança, Os efeitos da taxa de poupança a razão entre a poupança

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL)

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) Seminários Extraordinários do Departamento de Economia Edmund Phelps Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) ISEG, 11 de Outubro de 2006 Síntese Algumas considerações sobre o prémio Nobel As principais contribuições

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único Teoria: um primeiro olhar ECONOMIA INTERNACIONAL II Paridade Poder de Compra Professor: André M. Cunha 1. Teoria da Paridade Poder de Compra (PPC) : a abordagem da paridade poder de compra (PPC) sugere

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo TEORIA MACROECONÔMICA II ECO7 Aula 4 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 7/04/006 Conteúdo Poupança e Investimento na Economia Aberta a Conta Consolidada de Capital do Sistema

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global João Sousa Andrade 18 de Novembro de 2004 Faculdade de Economia - Mestrado de Economia Ano Lectivo de 2004/05 Texto com carácter provisório para acompanhamento

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

INFLAÇÃO E DESEMPREGO NO PLANO REAL UMA ABORDAGEM EMPÍRICA 1. PALAVRAS-CHAVE: Curva de Phillips, inflação, desemprego, teoria aceleracionista.

INFLAÇÃO E DESEMPREGO NO PLANO REAL UMA ABORDAGEM EMPÍRICA 1. PALAVRAS-CHAVE: Curva de Phillips, inflação, desemprego, teoria aceleracionista. 1 INFLAÇÃO E DESEMPREGO NO PLANO REAL UMA ABORDAGEM EMPÍRICA 1 Ricardo Dalla Costa* RESUMO O presente artigo vem colocar uma nota em relação ao plano que estabilizou a inflação no Brasil e que agora inicia

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Mercados Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 4 4.1 Demanda por moeda O Fed (apelido do Federal Reserve Bank) é o Banco Central dos Estados Unidos. A moeda, que você pode usar para transações,

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Política Monetária Monetarismo Marco II

Política Monetária Monetarismo Marco II Política Monetária Monetarismo Marco II SE 506 Economia Monetária e Financeira - UFPR Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Referências: CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia Monetária e Financeira:

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Demanda por Moeda. 1. Introdução

Demanda por Moeda. 1. Introdução 1. Introdução Demanda por Moeda 2. Breve Histórico de um Longo Debate 2.1 A Controvérsia Bullionista: 1797-1821 2.2 A Controvérsia Continua: 1821 em diante 3. A Teoria Quantitativa da Moeda: a herdeira

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 2. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 Quero iniciar com um modelo com dois

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior Es ecial Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior MARCELO SAKATE economia brasileira atingiu

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PUC-RIO. TEXTO PARA DISCUSSÃO N o. 386 PRODUTIVIDADE E PREÇOS RELATIVOS O MERCADO DE TRABALHO NO PERÍODO PÓS ESTABILIZAÇÃO

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PUC-RIO. TEXTO PARA DISCUSSÃO N o. 386 PRODUTIVIDADE E PREÇOS RELATIVOS O MERCADO DE TRABALHO NO PERÍODO PÓS ESTABILIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PUC-RIO TEXTO PARA DISCUSSÃO N o. 386 PRODUTIVIDADE E PREÇOS RELATIVOS O MERCADO DE TRABALHO NO PERÍODO PÓS ESTABILIZAÇÃO JOSÉ MÁRCIO CAMARGO SETEMBRO 1998 1 Produtividade e Preços

Leia mais