Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL)"

Transcrição

1 Seminários Extraordinários do Departamento de Economia Edmund Phelps Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) ISEG, 11 de Outubro de 2006

2 Síntese Algumas considerações sobre o prémio Nobel As principais contribuições de Edmund Phelps [A acumulação de capital e o crescimento económico]

3 Algumas considerações sobre o prémio Nobel Edmund Phelps: Nasceu em 1933 norte-americano Ph.D., 1959, Yale University Actualmente professor em Columbia University O prémio Nobel em Economia de 2006 consagra toda uma carreira científica e académica o que parece ser uma tendência (a de ser atribuído a académicos em idade de reforma). Os galardoados mais jovens foram: W. Sharpe, 1990, 56 anos R. Lucas, 1995, 58 anos

4 Algumas considerações sobre o prémio Nobel De qualquer forma, um claro contraste com outras áreas: Prémio Nobel da Medicina 2006, Andrew Fire and Craig Mello, 47 e 46 anos, respectivamente Porquê esta diferença? Conservadorismo específico na atribuição do Nobel em Economia? Características próprias da ciência económica: Ausência de verdadeira experimentação As grandes descobertas demoram tempo a ser aceites como tal Pode ter acontecido com Edmund Phelps

5 As principais contribuições de Edmund Phelps O prémio Nobel foi-lhe atribuído pela sua análise dos trade offs intertemporais na análise da política macroeconómica" Na macroeconomia de curto prazo, conjuntural, no que diz respeito ao trade off entre inflação e desemprego Na macroeconomia de longo prazo, no que diz respeito ao trade off entre consumo presente (das gerações contemporâneas) e consumo futuro (das gerações futuras) Conceitos, ideias, modelos hoje muito utilizados ou referidos devem a sua primeira versão a Phelps (por vezes acompanhado de outros autores)

6 As principais contribuições de Edmund Phelps Uma pequena lista desses conceitos : Importância da modelização das expectativas dos agentes económicos Curva de Phillips aumentada com as expectativas Taxa de desemprego de equilíbrio (NAIRU, taxa natural) Curva de Phillips vertical no longo prazo Abordagem intertemporal da política monetária Fundamentos microeconómicos da determinação dos preços e dos salários Salários de eficiência Consequências da assincronia dos contratos salariais

7 As principais contribuições de Edmund Phelps Uma pequena lista desses conceitos (cont.): Ineficiência dinâmica Regra de ouro da acumulação de capital Acumulação (investimento) em I&D e em capital humano Edmund Phelps terá sido: um inspirador dos economistas Novos Keynesianos um percursor dos teóricos do crescimento endógeno tendo ainda contribuições na área das Finanças Públicas

8

9 Nos anos 60, parecia ser verdade que: Se poderia escolher qualquer taxa de desemprego Se se escolhesse uma taxa de desemprego mais baixa, ter-se se-ia inflação mais alta ( mas e qual o problema? ) Alguns problemas: Uma regularidade empírica (trade( off) ) sem fundamento teórico Contradição com a dicotomia clássica o desemprego, variável real, surge relacionado com a inflação, variável monetária Não se explica o desemprego que permanece (mesmo no pleno emprego )

10 Phelps, e também Friedman, anteciparam o problema: A tentativa de colocar o desemprego de forma persistente abaixo de certa taxa levaria a taxas de inflação cada vez maiores Essa taxa é denominada de NAIRU (non( accelerating rate of unemployment), de taxa natural de desemprego ou de taxa de desemprego de equilíbrio, conforme os autores A curva de Phillips de curto prazo desloca-se se para cima ao longo do tempo A curva de Phillips de longo prazo é vertical

11

12 Na explicação de Phelps para a verticalidade da curva de Phillips no longo prazo, é fundamental o papel das expectativas de inflação. Os agentes económicos não têm expectativas constantes para a inflação. Quando a inflação é mais elevada, os aumentos salariais nominais tendem a ser igualmente mais elevados. O trade off entre inflação e desemprego desloca-se se quando a inflação (e portanto as expectativas de inflação) se alteram.

13 A assunção de uma curva de Phillips vertical no longo prazo permitiu resolver uma contradição entre uma regularidade empírica (a descoberta de Phillips ) e um profundo convencimento teórico (dicotomia clássica): A inflação é um fenómeno essencialmente monetário (no longo prazo, pelo menos) A taxa de desemprego depende das condições estruturais do mercado de trabalho (no longo prazo, o desemprego é o desemprego natural ). Phelps preocupou-se com os fundamentos microeconómicos de um trade off de curto prazo: modelizou explicitamente um mercado de trabalho imperfeito, com fricções.

14 Quais as consequências da concepção de Phelps para as políticas da procura agregada (monetária ou orçamental)? Não determinam, no longo prazo, o nível de actividade económica Podem, se utilizadas com demasiada liberalidade, contribuir para uma maior inflação estrutural No entanto, na devida medida, podem reduzir a variância do produto e do desemprego Abre-se caminho para uma abordagem intertemporal da política monetária: Exemplo: desinflação vs. custos em desemprego

15 A política monetária, para Phelps, tem efeitos reais no curto prazo: porque empregadores e trabalhadores têm percepções diferentes sobre a evolução dos preços (fim dos anos 60) esta ideia seria retomada por Lucas (anos 70) só as políticas de surpresa poderiam ter feitos reais, se as expectativas fossem racionais e os preços se ajustassem rapidamente Mas, mesmo com expectativas racionais, a política monetária pode ter efeitos reais no curto prazo, se o ajustamento dos preços e salários for lento (Phelps e Taylor, 1977).

16 É interessante notar que Phelps foi dos primeiros economistas a mencionar o fenómeno da histerese do desemprego, em 1972: Um aumento do desemprego pode ser parcialmente irreversível, devido a perdas psicológicas e de qualificações Igualmente, uma diminuição aparentemente temporária do desemprego pode levar a uma diminuição do desemprego de equilíbrio, devido aos efeitos benéficos da experiência de trabalho. Mais recentemente, a histerese do desemprego foi proposta como explicação parcial para o desemprego europeu nos anos 80 (e. g. Blanchard).

17 As ideias de Phelps sobre o trade off entre inflação e desemprego estão na base de muitos desenvolvimentos posteriores, que muito influenciam na condução da política monetária europeia e norte- americana : Nova Escola Clássica e expectativas racionais inconsistência temporal da política monetária independência do banco central optimização intertemporal da política monetária regras de condução da política monetária

18 As ideias de Phelps sobre o trade off entre inflação e desemprego fazem parte daquilo que se ensina hoje à maior parte dos estudantes de licenciatura em Economia, e integrou-se em (quase?) todos os manuais mais utilizados: Blanchard Burda e Wyplosz Dornbusch, Fischer e Starz Mankiw e outros.

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais Unidade Curricular Política Económica e Financeira Semestre: 5 Nº ECTS: 3,0 Regente Helena

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 3 Política Monetária

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 3 Política Monetária Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor Coordenador: José Luiz Pagnussat Professor da Aula 3: Flávio A. C. Basilio Período: 11 a

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

INFLAÇÃO E DESEMPREGO NO PLANO REAL UMA ABORDAGEM EMPÍRICA 1. PALAVRAS-CHAVE: Curva de Phillips, inflação, desemprego, teoria aceleracionista.

INFLAÇÃO E DESEMPREGO NO PLANO REAL UMA ABORDAGEM EMPÍRICA 1. PALAVRAS-CHAVE: Curva de Phillips, inflação, desemprego, teoria aceleracionista. 1 INFLAÇÃO E DESEMPREGO NO PLANO REAL UMA ABORDAGEM EMPÍRICA 1 Ricardo Dalla Costa* RESUMO O presente artigo vem colocar uma nota em relação ao plano que estabilizou a inflação no Brasil e que agora inicia

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015.

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015. São Paulo (SP), 20 de julho de 205. Discurso do Diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Tony Volpon, no Encontro com Investidores promovido pela CM Capital Markets. Gostaria

Leia mais

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO Departamento de Economia Programa de Economia Monetária e Financeira Docente: 1304284 - Fabiano Abranches Silva Dalto PROGRAMA 2015 I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais, Contabilidade Unidade Curricular Macroeconomia Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Eduardo Luís

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA UDI ZABOT DEPARTAMENTO DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

INTRODUÇÃO À ECONOMIA UDI ZABOT DEPARTAMENTO DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO INTRODUÇÃO À ECONOMIA UDI ZABOT DEPARTAMENTO DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO O homem que dedica toda sua vida a execução de algumas poucas operações simples [...] chega aos limites da

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa

DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa É do conhecimento geral que a economia mundial sofreu uma contracção de 2,2%, em 2009, com uma

Leia mais

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O mercado de trabalho é fonte de indicadores muito importantes à condução da política monetária como, por exemplo, a taxa de desemprego, os níveis de salários

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais 3.1. Aspectos conceptuais - antecipação do futuro, informação e expectativas racionais 3.2. A restrição orçamental intertemporal das famílias 3.3. Teoria

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS Ney Roberto Ottoni de Brito Ph.D., Stanford University Sócio-Diretor, Ney O. Brito e Associados Foi Professor Titular da UFRJ e Associado

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR-141 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2015.2 Professor: Edilene de

Leia mais

Austeridade História de uma ideia perigosa

Austeridade História de uma ideia perigosa Austeridade História de uma ideia perigosa Com base no livro de Marc Blyth Socialismo, 2014 «O Estado tem de cumprir a sua parte, gastando menos, e as empresas privadas e as famílias vão ter de gastar

Leia mais

Instituto Superior Técinco Gabinete de Estudos e Planeamento

Instituto Superior Técinco Gabinete de Estudos e Planeamento Instituto Superior Técinco Gabinete de Estudos e Planeamento Perspectiva Global do Ensino Superior nos Estados Unidos da América Luis de Oliveira Silva Janeiro de 1995 1. O Ensino Superior Americano Ensino

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA II CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO

Leia mais

O EFEITO COLATERAL (em economia)

O EFEITO COLATERAL (em economia) O EFEITO COLATERAL (em economia) 1 Ubirajara Rodrigues Ribas, PhD. Todas as ações econômicas tem no mínimo dois efeitos, o desejado e o indesejado. Às vezes ocorre o 2 trade off, outras vezes não. O ideal

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito:

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Componente Curricular: Economia CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

Política Monetária Monetarismo Marco II

Política Monetária Monetarismo Marco II Política Monetária Monetarismo Marco II SE 506 Economia Monetária e Financeira - UFPR Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Referências: CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia Monetária e Financeira:

Leia mais

REVISÃO DO NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO

REVISÃO DO NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO REVISÃO DO NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO Simpósio Desenvolvimentos Recentes da Teoria Macroeconômica Brasília, UnB/CORECON-DF, 09/04/2015 Luiz Fernando de Paula (UERJ) Paulo Saraiva (UFRRJ) Fatos estilizados

Leia mais

5. Moeda e Política Monetária

5. Moeda e Política Monetária 5. Moeda e Política Monetária 5.1. Introdução 5.3. Procura de Moeda 5.4. Equilíbrio de curto Prazo no Mercado Monetário Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 9 Nota: A secção 5.2. é muito abreviada, porque

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS NÚCLEO DE SELEÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS NÚCLEO DE SELEÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS NÚCLEO DE SELEÇÃO Concurso Público para provimento de vagas no cargo de Docente de Ensino Superior da Universidade Estadual de Goiás UEG Retificação n. 1 do Edital de Abertura

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

HENRIQUE MARINHO. CONOMin MON TRRIfl. Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA

HENRIQUE MARINHO. CONOMin MON TRRIfl. Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA HENRIQUE MARINHO CONOMin MON TRRIfl Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA Sumário Capítulo 1 - O Sistema Monetário e o Modelo de Expansão Monetária 1 1. Considerações Preliminares,

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA CURSO de ECONOMIA 2004-2005 NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 Porquê estudar mercados financeiros? Porquê estudar os bancos e as outras instituições financeiras?

Leia mais

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL UFRJ Lisboa 4 de Março de 2011 Sumário Cenário macroeconômico da América

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Unidade: FACE Semestre: 2015/02

Unidade: FACE Semestre: 2015/02 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PLANO DE ENSINO Disciplina: FACOO76 - Economia

Leia mais

A CURVA DE PHILLIPS E SUA APLICAÇÃO NA ECONOMIA CONTEMPORÂNEA

A CURVA DE PHILLIPS E SUA APLICAÇÃO NA ECONOMIA CONTEMPORÂNEA 1 A CURVA DE PHILLIPS E SUA APLICAÇÃO NA ECONOMIA CONTEMPORÂNEA Rodrigo Cardoso de Lima e Silva * Luiz Carlos Ribeiro Neduziak ** Marcelo Luiz Curado *** RESUMO Existiria uma relação entre crescimento

Leia mais

A diferença entre o curto e o longo prazo

A diferença entre o curto e o longo prazo Aula Teórica nº 14 Sumário: Procura e oferta agregada Procura agregada - inclinação - deslocação Oferta agregada de curto e de longo prazo O modelo procura agregada/oferta agregada - choques da procura

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: ECONOMIA Ano: 2005/2 Disciplina: Microeconomia III Código: 3276 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A EMENTA Abordar,

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2013.1 Atualizado em 7 de agosto BRUSQUE de 2013 pela Assessoria (SC) de Desenvolvimento 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO

Leia mais

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL JOSÉ M. VAREJÃO Enquadramento Trajectória desfavorável

Leia mais

Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo

Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo Parecer da Federação Académica do Porto A participação de Portugal na subscrição da Declaração de Bolonha em Junho de 1999 gerou para o Estado

Leia mais

Economia Financeira Internacional

Economia Financeira Internacional Economia Financeira Internacional Curso de Economia, 3º ano, 2001-2002 Época Especial de Exame Dirigentes Associativos 03/05/2002 Parte A Sem consulta Duração: 1 hora 1. Considere as economias A, B e C,

Leia mais

Relatório de Inflação

Relatório de Inflação Relatório de Inflação Junho 2015 Volume 17 Número 2 ISSN 1517-6576 CNPJ 00.038.166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v. 17 nº 2 jun. 2015 p. 1 111 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê

Leia mais

Explicando os Ciclos de Negócios*

Explicando os Ciclos de Negócios* Explicando os Ciclos de Negócios* Matheus Albergaria de Magalhães RESUMO O presente trabalho tem por objetivo expor o debate macroeconômico contemporâneo envolvendo basicamente duas correntes de pensamento:

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Workshop de Economia da Saúde

Workshop de Economia da Saúde A Doença de Baumol Portugal e a Experiência dos Países da OCDE UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA João Tovar Jalles Fevereiro 2006 (1) Sector da Saúde com importância económica e social crescente na sociedade

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

O mercado de trabalho: actores e políticas para o século XXI

O mercado de trabalho: actores e políticas para o século XXI O mercado de trabalho: actores e políticas para o século XXI Mário Centeno & Álvaro Novo Afirmar o Futuro Políticas Públicas para Portugal Lisboa, 6 de Outubro, 2014 [a] briefing posted on the White House

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 2 DEZ PRINCÍPIOS DE ECONOMIA 3 PENSANDO COMO UM ECONOMISTA 21. Conclusão 16 Resumo 17 Conceitos-Chave 17 PARTE 1 INTRODUÇÃO 1

SUMÁRIO CAPÍTULO 2 DEZ PRINCÍPIOS DE ECONOMIA 3 PENSANDO COMO UM ECONOMISTA 21. Conclusão 16 Resumo 17 Conceitos-Chave 17 PARTE 1 INTRODUÇÃO 1 SUMÁRIO PARTE 1 INTRODUÇÃO 1 Conclusão 16 Resumo 17 Conceitos-Chave 17 CAPITULO 1 DEZ PRINCÍPIOS DE ECONOMIA 3 Como as Pessoas Tomam Decisões 4 Princípio 1: As Pessoas Enfrentam Tradeoffs 4 Principio 2:

Leia mais

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Maria José Rodrigues de Farias Universidade Estadual da Paraíba lyarodriguesbio@gmail.com Introdução Atualmente os modelos

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires iv Índice Prefácio xiii 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos financeiros...................... 1 1.2 Escolhaintertemporaletaxadejuro...

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

TEORIAS DA TAXA DE JUROS:

TEORIAS DA TAXA DE JUROS: TEORIAS DA TAXA DE JUROS: Teoria dos Fundos de Empréstimos Teoria da Preferência por Liquidez Teoria da Exogeneidade dos Juros Teorias da Taxa de Juros a termo Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo

3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo 3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo Apresentação do papel do sistema monetário no comportamento do nível de preços, da taxa de inflação e de outras variáveis nominais Introdução Inflação é o crescimento

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado;

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado; PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ECONOMIA A 10º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Poupança, acumulação de capital e CAPÍTULO 11 2006 Pearson Education Macroeconomics, 4/e Olivier Blanchard Poupança, Os efeitos da taxa de poupança a razão entre a poupança

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA 1- As acetabularias (fotografia à esquerda) são algas verdes marinhas, com 2 a 3 cm de altura, constituídas por uma base ou pé, onde está o núcleo, e um caulículo, na extremidade do qual se diferencia

Leia mais