Ovazio acima traduz o CADERNO ESPECIAL - 50 ANOS DO GOLPE DE 1964 ABRIL/MAIO 2014 FAMECOS/PUCRS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ovazio acima traduz o CADERNO ESPECIAL - 50 ANOS DO GOLPE DE 1964 ABRIL/MAIO 2014 FAMECOS/PUCRS WWW.PUCRS.BR/FAMECOS/EDITORIALJ"

Transcrição

1 CADERNO ESPECIAL - 50 ANOS DO GOLPE DE 1964 ABRIL/MAIO 2014 FAMECOS/PUCRS Ovazio acima traduz o silêncio que imperou no Brasil durante os anos de chumbo. Entre 1964 e 1985, militares governaram o país a partir de um golpe contra o governo de João Goulart em 1º de abril, impondo um período de violência, censura e arbitrariedade. Cinquenta anos depois, os brasileiros ainda buscam a verdade e têm o direito de entender os desdobramentos de duas décadas que esvaziaram de sentido a vida de muitos. O Editorial J mergulhou em algumas histórias daqueles tempos de medo e sobressaltos, mas também de resistência. Neste caderno especial de oito páginas, o leitor conhecerá como a repressão montou um aparato de vigilância e perseguição no Interior do Rio Grande do Sul, Estado-chave para o regime conter qualquer possibilidade de reação aos golpistas. O sistema criou filiais do temido Dops em dez municípios gaúchos. Também mostramos como a mídia, de uma maneira geral, aliouse aos militares e civis que urdiram a derrubada de Jango. Por meio de editoriais e coberturas parciais dos acontecimentos, a imprensa agiu como aliada dos grupos que traçaram o objetivo de afastar do poder o governo legitimamente eleito. Mesmo com o clima político asfixiado pela censura, houve indignação e mobilizações para mostrar que alguma coisa de errado atormentava a normalidade política. Fotógrafos usaram as paredes de prédios nas ruas do centro da Capital para compartilhar imagens vetadas ou que poderiam soar provocativas - um movimento de reação àqueles anos de vazio e silêncio.

2 Um perfil criado pelo Editorial J no Twitter recontou episódios do golpe. Nas próximas páginas, o jornal publica uma seleção dos principais posts: Março, 13 - Comício das Reformas, na Praça da República, no Rio de Janeiro, com a presença do presidente João Goulart. Março, 31 - Gen. Mourão dá início ao golpe em Juiz de Fora (MG), horas antes do combinado. As tropas se dirigem ao Rio de Janeiro. Março, 31 - Juscelino avisa a Jango Março, 31 - Gen. Ladário é recebido sobre as ações em Minas Gerais. O Presidente não acredita. mando do III Exército e o ordena se por Jango, que lhe entrega o co- deslocar para o Sul do país. Março, 31 - Gen. Kruel apela para Jango se libertar do cerco das forças populares. O presidente se nega. O Interior perseguido COM O OBJETIVO DE CRIAR UMA TEIA DE VIGILÂNCIA, DEZ CIDADES GAÚCHAS TINHAM FILIAIS DO TEMIDO DOPS, QUE ERAM CONHECIDAS COMO SOPS POR Bruna Zanatta (3º sem.) e Júlia Bernardi (3º sem.) Muitos preferem esquecer o ano de Porém, com oito décadas de vida, Valdetar Antônio Dorneles ainda lembra de tudo. Com o apoio de Leonel Brizola, então exilado no Uruguai, Dorneles convocou um grupo de rebeldes na primeira guerrilha rural contra o governo militar, na cidade de Três Passos, a 470 km da Capital. A operação, que contava com 20 homens, acabou fracassando. Seus militantes foram cruelmente torturados, e o grupo ficou 11 meses sem qualquer comunicação, encarcerado. Preso por quatro anos, cumpriu pena em cinco prisões e carrega na pele cicatrizes daquele tempo de lutas. O militante é uma das tantas vítimas da repressão no interior do Rio Grande do Sul, Estado que recebeu atenção especial dos militares, pela resistência à tentativa de golpe de 1961, no movimento que ficou conhecido como Campanha da Legalidade. Já nessa época, segundo a historiadora Caroline Bauer, foram criadas as Seções de Ordem Política e Social (Sops), que funcionavam como uma espécie de filial do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), e agiam dentro das delegacias regionais de cada cidade, vigiando de perto a atuação de possíveis rebeldes no Interior. Essa comunicação, porém, não era exclusividade do sistema de repressão gaúcho. O diálogo entre o Dops, nas capitais, e as delegacias regionais, no Interior, acontecia em todo o território nacional, porém, no Rio Grande do Sul acontecia através de um departamento especial, Dorneles começou a ser perseguido com a atuação no Grupo dos 11 explica Caroline. Esses braços operacionais elaboravam relatórios diários sobre a movimentação política, ainda que nada de anormal tivesse ocorrido na região. Ao fim do dia, um resumo de todas as ocorrências era encaminhado ao Dops, na Capital. Todos os movimentos articulados pela sociedade estavam sob vigilância. Em debates ou discussões nas escolas, os professores e organizadores eram minuciosamente observados, para saber se agiam ou pensavam contra ou a favor do regime militar. Essa era, em suma, a principal função do Sops. Caroline ressalta que a filial tinha a função de vigiar maior até do que a de reprimir. Segundo a dissertação de mestrado de Vanessa Lieberknecht, dois fatores eram mencionados com frequência nos documentos: a preocupação com a padronização da informação, para que se pudesse operar de forma mais eficiente e sem erros; Guilherme Almeida: (5º sem.) e a diferenciação entre informe e informação. Os informes eram produzidos a partir de fatos concretos ocorridos na região, acusando um indivíduo específico. Já as informações não tinham uma comprovação efetiva do fato. Era preciso confirmação, por parte do delegado para que a informação (Código INFE) se tornasse um informe (Código INFO). A produção desses informes garantia o controle da população e a repressão.toda essa vigilância, para a historiadora Evelise Zimmer Neves, se devia, principalmente ao fato de que, na década de 1960, a maioria (55%) da população brasileira estava longe dos grandes centros urbanos. No Rio Grande do Sul, essa porcentagem era ainda maior, 62% dos gaúchos estavam na zona rural. A presença [da repressão] no interior era indispensável, conclui Evelise. No total, dez Sops foram distribuídos de maneira estratégica pelo Estado, nas cidades de Alegrete, Cachoeira do Sul, Caxias do Sul, Cruz Alta, Erechim, Lajeado, Lagoa Vermelha, Osório, Rio Grande e Santo Ângelo. Três Passos, onde Dorneles vivia com a família, estava sob acompanhamento do Sops de Santo Ângelo. Mais velho de oito irmãos, ele ingressou na vida política com a Legalidade e a defesa da posse de João Goulart, após a renúncia de Jânio Quadros. Na época, era professor e, pelas cidades onde passou lecionando, sempre buscou mobilizar a população em prol de melhorias, como escolas, times de futebol, igrejas e até reforma agrária. Sua família, respeitada e influente, sempre esteve engajada na política e, por essa razão, eram vigiados de perto. Em um domingo de abril de 1964, o primeiro mês da ditadura militar ( ), instaurada no Brasil em 31 de março daquele ano, a casa de Dorneles foi invadida por 41 militares. Fizeram uma limpa na minha casa. Não fiquei nem com a faca de cozinha. Levaram tudo, conta. Levaram também seu pai, Euzébio Teixeira Dornelles, preso, acusado de participar do Grupo dos 11 e solto na mesma noite. Na cozinha, abaixo da pistola fixada na parede que foi levada pelos soldados, estava uma pasta contendo documentos e atas referentes aos grupos. A casa foi revirada, mas a pasta ficou ali. Dias depois, Dorneles, temendo que mais famílias fossem prejudicadas, retirou-a do local e ateou fogo. Hoje, ele se arrepende: Eu podia ter só enterrado aquela pasta. Aquilo era documento histórico. O Grupo dos 11 era formado por colonos de uma região, que se comprometiam a garantir a legalidade constitucional e a concretização das reformas agrária e urbana. Apesar de terem sido idealizados por Brizola, não chegaram a ter uma coordenação geral e centralizada. Para alguns setores sociais militares, integrantes de partidos como PSD e UDN e a maioria da Igreja Católica, essas organizações eram vistas como subversivas e Dali em diante, para o Exército, éramos comunistas. integradas ao movimento comunista internacional. Em sua tese, Evelise conta que, em algumas paróquias no interior do Estado, os filhos dos integrantes desses grupos não eram Valdetar nem batizados. Dorneles Segundo a edição de 10 de abril de 1965 da extinta revista Manchete, o número de Grupo dos 11 chegou a 24 mil, em Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A partir do Golpe de 1964, a perseguição a quem estivesse ligado a esses comandos só aumentou. Na verdade, a acusação de pertencer a essa organização foi um amplo guarda-chuva sob o qual os novos donos do poder civis e militares enquadraram toda sorte de inimigo político, avalia Evelise. Mais tarde, a maior parte dos indiciados foi absolvida por absoluta falta de provas. Ainda assim, naquele momento, para Dorneles, o cenário mudou. De ali em diante, para o exército, éramos comunistas, lembra. No Uruguai, Brizola enviou o coronel Jefferson Cardim de Alencar Osório e Albery Vieira dos Santos que, mais tarde, seria acusado de ter se infiltrado e entregado o movimento. Dorneles ficou encarregado de mobilizar os colonos. No total, 23 homens, entre eles, seu pai, Euzébio Teixeira Dornelles, e seu irmão Abrão Antonio Dornelles, deixaram suas casas para fazerem parte da primeira guerrilha. Ao se despedir da mãe e dos irmãos, o alerta: Se disserem que eu morri, não acreditem. A Guerrilha de Três Passos começou em 25 de março de Os rebeldes tomaram o presídio e o destacamento da Brigada Militar de Três Passos, levando armas, munição e fardas. Deixaram a cidade sem comunicação telefônica, cortando os fios da rede e ainda invadiram a Rádio Difusora, onde Odilon Vieira Bruhn transmitiu para toda a população um manifesto contra a ditadura militar: As armas que derrubaram nossos presidentes e governadores hoje se levantam para reestruturar a democracia desse país, explicaram. No caminhão Mercedes ano 1939, o grupo passava por cidades pedindo apoio e realizando saques. Escondiam-se no mato. Quando o Exército os encontrou, eles já estavam no Paraná, na cidade de Leônidas Marques (PR). As ordens do coronel eram de que não atirassem em ninguém para matar. Ao verem o grupo diminuir de 20 para 10 integrantes, resolveram se entregar, mas acabaram caindo em uma emboscada. O grupo foi capturado e preso no Quartel General de Foz do Iguaçu (PR), quartel mais próximo da região, apenas dois dias depois do começo da guerrilha. No Paraná, começou aquela que Dorneles considera a fase mais dura de sua vida. Nos interrogatórios, negou que tivessem tido o apoio de Brizola, e tomou a responsabilidade da guerrilha para si quando o coronel Jefferson pensou em se matar. Ele pagou caro por sua astúcia. Por quatro anos, oscilou por prisões entre Porto Alegre e cidades do Paraná até ser liberto, em Ele lembra das sessões de tortura pelas quais passou: Enrolavam uma linha de pescar nos nossos dedos, tu conhece Fulano? Não, e puxavam aquela linha. A linha corta até o osso. Em Foz do Iguaçu, passou 51 dias em uma sala com 48 homens e apenas um banheiro. O pior momento veio em Porto Alegre. Na sede do 18º Regimento de Infantaria, que funcionava na Avenida Padre Cacique, onde hoje se localiza a Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Sul (Fase), Dorneles passou cinco dias sem saber se era dia ou noite. O pior castigo que tive, não foi o pau, não foi a corda, nem o enforcamento. Nada me abalou tanto quanto aqueles cinco dias. Desligado do mundo, não se ouvia nada, lembra. Alguns não conseguiram resristir tanto. Dorneles conta com pesar, que o ex-sargento da Brigada Militar Albery Vieira dos Santos entregou o grupo. Homem da confiança de Brizola, Santos teria atuado dentro do movimento, como agente do governo militar, e, mais tarde, em interrogatório, entregou todo o esquema da Guerrilha de Três Passos, conforme trechos do seu depoimento que relatam que dotado de privilegiada memória, menciona grande número de pessoas que estão ligadas ao esquema contrarrevolucionário de Leonel Brizola. Segundo Dorneles, muita gente inocente apanhou por causa dele. O irmão de Albery, José Soares dos Santos, foi uma vítima fatal da repressão, morrendo de forma violenta em 1977, também em Foz do Iguaçu. Ao que tudo indica, uma ação de queima de arquivo. O Dops deixou de existir em 1982, e junto com ele, o Sops. Cinquenta anos depois, hoje advogado, casado, pai de três filhos, Dorneles ainda mora em Três Passos e reafirma seu compromisso com o Brasil: Se a pátria for ultrajada e precisar de um voluntário, eu saio outra vez. A conexão da vigília Informe diário produzido por Delegacias Regionais para o Sops de Lagoa Vermelha Solicitação do Dops pedindo informação para o Sops de Lagoa Vermelha Informe do fim da ditadura ainda acusa presença do Grupo dos 11 na região 2 3

3 Março, 31 - Jango recebe um bilhete do Ministro da Justiça, Abelardo Jurema, lhe informando da movimentação das tropas em Minas. Março, 31 - Gov. Carlos Lacerda é informado que o Ministro da Justiça, Abelardo Jurema, ordenou um ataque ao Palácio da Guanabara. Março, 31 - Gen. Zerbini intercepta o Esquadrão Motorizado. O General Aluísio diz que foi forçado a aderir à manobra do Gen. Kruel. Março, 31 - Gen. Assis Brasil, chefe da Casa Militar, pede informações ao Gen. Zerbini, que acredita não possuir forças para enfrentar o II Exército. Março, 31 - Kruel emite proclamação de que o II Exército aderiu ao golpe para salvar a pátria, livrando-a do jugo vermelho. Abril, 1 - Gen. Morais Âncora sugere ao presidente deixar o Rio de Janeiro por falta de segurança. Conspiração impressa nos jornais Os 50 anos do golpe que instalou a ditadura militar no Brasil espalham uma sensação de constrangimento pela imprensa brasileira. Nos idos de 1964, os grandes grupos midiáticos assumiram um objetivo claro: derrubar o presidente João Goulart. O Editorial J buscou registros que ilustram a posição dos jornais da época e mostram como a imprensa integrou o conjunto de forças dominantes do país que, temerosas pela postura reformista de Jango, ajudaram a consolidar o golpe de Estado. POR Thamiris Mondin (5º sem.) A atuação da imprensa nos últimos dias do governo de João Goulart antes do golpe militar de 1964 alinhavou o discurso fervoroso das classes conservadoras brasileiras, que enxergavam uma ameaça nas reformas de base propostas pelo presidente. A mídia nacional da época concentrava suas forças nos periódicos impressos, que detinham grande influência sobre a sociedade civil. O esforço pela neutralidade, ainda que superficial, só viria depois. Com as redações pouco profissionalizadas, a opinião naquele período não ficava restrita aos editoriais: as páginas também pingavam ideologia. A tensão da Guerra Fria e a campanha anticomunista davam o tom da conjuntura histórica de A imprensa destacava o suposto perigo de uma cubanização do Brasil a partir das ideias de transformação social do governo federal. A mídia da época representava os interesses das camadas mais ricas da população e cumpriu esse papel de reagir às reformas de base de Jango como quem reage diante do medo de perder seus privilégios. Uma mídia de classe, ideologicamente marcada e que se deixou envolver naquela trama da Guerra Fria, acreditando ou fingindo acreditar que o Brasil estava à beira de uma revolução comunista, explica o historiador e jornalista Juremir Machado da Silva, autor do livro 1964:golpe midiático-civil-militar. Dos jornais do eixo central do país surgia um discurso replicado por todo o Brasil. Os opositores declarados do governo Jango eram essencialmente os diários paulistas Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo e os cariocas O Globo, Jornal do Brasil, Correio da Manhã e Tribuna da Imprensa, este de Carlos Lacerda, então governador do Estado da Guanabara e inimigo político de Getúlio Vargas, de quem Jango foi ministro do Trabalho e herdou o posicionamento reformista. Os editoriais do Correio da Manhã de 31 de março e 1 de abril de 1964, intitulados de Basta! e Fora!, foram o marco da atuação da imprensa na construção do golpe. Com um discuro imperativo, clamavam pela saída do presidente. As propostas de Jango, apesar do viés social, propunham movimentação econômica e consequente manutenção do sistema capitalista. Mesmo assim, ele era diariamente associado aos ideais soviéticos. Destacado como imprudente e ignorante, o presidente, que era um social democrata, foi pintado nos jornais como uma personalidade fraca e influenciada pela aproximação com o comunismo. Estas acusações sustentaram a ideia do contragolpe, que legitimava a intenção de derrubar um governante eleito democraticamente em nome da preservação da legalidade. Uma esquizofrenia política hoje tão evidente, que deixa dúvidas sobre a ingenuidade dos jornalistas que participaram do golpe. Entre os intelectuais que emprestaram suas palavras para vociferar contra Jango, a maioria purgou o arrependimento quase imediato após o golpe. Muitos, no entanto, se mantiverem fiéis ao regime militar, que ainda apareceria na imprensa como uma revolução legalista ou um contragolpe, mesmo depois de 1965, quando os militares não respeitaram o que seria o final do mandato de Jango e permaneceram no poder. O Correio da Manhã reconheceu imediatamente que havia uma ditadura e tentou combatê-la mas 3 Editorial do Correio da Manhã de 31 de março de 1964 foi um marco da ação golpista ainda assim, sempre que falava do Jango, falava mal. O jornal do Brasil falava mal do Jango e gostava do regime. O Globo também. A Tribuna da Imprensa se arrependeu porque acreditava que, com a queda do Jango, o governo iria para o colo de Carlos Lacerda, e não foi, eclarece Juremir. Passados 50 anos, os grandes veículos tentam espiar a culpa, destacando principalmente o período da censura, mas o estrago foi irremediável. No Rio Grande do Sul, o Diário de Notícias, um braço dos Diários Associados, de Assis Chateaubriand, estampava nos seus editoriais a insatisfação com João Goulart e, especialmente, com o decreto da Superintendência de Política Agrária (SUPRA), um passo decisivo para a implantação da reforma agrária. A campanha de desmoralização do governo federal condizia com o público do jornal, as classes que se autodenominaram produtoras durante a tentativa de golpe de 1961, que encontrou a resistência na campanha da Legalidade liderada por Leonel Brizola. Ruralistas tinham espaço privilegiado no Diário e acusavam Jango de populista e incoerente, um traidor, já que ele era também um produtor rural. Eles representavam na época a classe mais conservadora da sociedade, em um país predominantemente agrícola e cujo latifúndio era a expressão maior da riqueza. Embora a imprensa gaúcha não repercutisse com intensidade no cenário nacional, era essencial para as forças direitistas que o aparato midiático do Rio Grande do Sul mantivesse a opinião de seu público no caminho da campanha contra Jango, para evitar insurreições como a de O Rio Grande do Sul sempre foi muito visado pelo regime em função do eleitorado trabalhista e pelos simpatizantes de Jango e Brizola, explica o historiador e pesquisador de ditaduras de segurança nacional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Enrique Padrós. Apesar da atmosfera midiática predominantemente contrária ao governo Jango, houve também 4 resistência dentro da imprensa. O jornal Última Hora, do carioca Samuel Wainer, era o respiro janguista no país, em especial na sua versão gaúcha, por se tratar de um veículo com trajetória fortemente ligada à Getúlio Vargas. Sufocado pela censura, o periódico se desfez de suas sedes regionais e encerrou as atividades definitivamente em João Batista Melo Filho era redator da Agência Nacional em 1964, a agência de notícias oficial criada durante o Estado Novo como um braço do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). Por se posicionar a favor do governo de João Goulart, como boa parte dos funcionários, foi demitido em 5 de março de Eu fui incluído entre os afastados porque esta era a minha posição, depois de ter acompanhado muito de perto o movimento da legalidade em 1961, lembra Batista. Na época Batista também trabalhava como diretor de telejornalismo na TV Piratini. A sua demissão foi solicitada ao diretor da emissora, que recusou. Mas o nome de Batista não apareceria nos créditos do telejornal até Para ele, não é possível dissociar o golpe de Estado dos interesses da mídia da época. Os grandes veículos eram das famílias conservadoras, passavam de geração para geração. Com as imagens das marchas da família com Deus, o papel fundamental da imprensa foi transmitir a sensação de que toda a nação estava contra o governo, conclui. Roteiro de ataques 1 Artigos do Diário de Notícias, de março de 1964, atacam Jango, acusando-o de entravar o desenvolvimento brasileiro. 2 Correspondente do O Estado de S.Paulo em Buenos Aires, em edição de 6 de abril de 1964, fala sobre os louvores da Argentina à participação da imprensa brasileira no Golpe. 3 Capa do O Globo, de 3 de abril de 1964, exalta a Marcha da Família, com Deus e pela Liberdade como Marcha da Vitória. 4 Nota do jornal O Estado de S. Paulo, de março de 1964, desqualifica João Goulart, destacando-o como inculto e ironizando seus conhecimentos políticos. 5 Notícia do O Estado de S. Paulo, de 3 de abril de 1964, anuncia o primeiro Ato Institucional

4 Abril, 1 - Leonel Brizola visita o Gen. Ladário e sugere uma requisição das emissoras de rádio e TV, para fazer propaganda da Legalidade. Abril, 1 - Jango informa Raul Ryff, seu assessor de imprensa, que está indo para Brasília. Abril, 1 - Jango debate com seus aliados se deve permanecer em Brasília ou se deslocar para o Rio Grande do Sul. Abril, 1 - Jango deixa Brasília rumo a Abril, 2 - Ignorando protestos dos Porto Alegre, usando um avião menor deputados janguistas, presidente do que o planejado. Senado, Auro de Moura Andrade, declara vaga a Presidência. Acesse todos os posts com a reencenação da derrubada de João Goulart acessando golpe1964: Retratos da ditadura FOTÓGRAFOS ORGANIZARAM MOSTRA LIVRE QUE APROXIMOU REPORTAGENS POR Caroline Ferraz (5º sem.) A Rua da Praia já foi um local para dar voz a fotojornalistas, quando as redações se calavam em apoio à ditadura e esqueciam temáticas sociais. Por quase dez anos e com o objetivo de democratizar o acesso à arte fotográfica, um grupo de profissionais organizou a Mostra Livre de Fotografia. Para alguns fotógrafos, foi um meio de dar visibilidade ao seu trabalho. Para outros, uma forma, aberta ao público, de contestar o momento em que se vivia. Iniciou em 1976 com exposições de profissionais e, como era livre, contava até mesmo com a participação de arquivos pessoais daqueles que passavam pela Praça da Alfândega, em Porto Alegre. Já na primeira edição, em 1976, na Praça da Alfândega, a exposição foi marcada por vendaval e chuva, situação que deixou registros na memória daqueles que participaram. Mas o evento ocorreu mesmo com as fotos molhadas e as imagens no chão. No segundo ano, a Empresa Porto Alegrense de Turismo (Epatur) ofereceu uma área coberta, para evitar o problema. Quem passava pela Rua da Praia acompanhava de perto o material exposto, os quais, segundo os participantes, não tinham exclusivamente um viés de denúncia. Ricardo Chaves, o Kadão, por muito tempo editor de Fotografia de Zero Hora, fala de uma série de imagens que fez em Londres, no Speak Corner, em que há um grande número de pessoas com as mais variadas ideologias e expressam suas opiniões. Para o fotógrafo, mostrar estas fotos era uma contradição DA POPULAÇÃO E ENFRENTOU REPRESSÃO DO REGIME MILITAR Jorge Aguiar registrou agressão truculenta de policiais militares contra estudantes com a situação do Brasil. Expus pra mostrar que em algum lugar do mundo as pessoas podiam dizer o que queriam e não eram punidas, explica. A escolha do local não ocorreu por um motivo qualquer. Além de ser um ponto de grande circulação diária, era próximo à Companhia Jornalística Caldas Júnior, empresa em que trabalhavam boa parte dos fotógrafos que expunham seu material. Entre eles, Baru Derquin, apontado como um dos idealizadores da Mostra Livre. Junto a Baru, Juan Carlos Gomez, um uruguaio que saiu do país por causa da ditadura e foi recebido no jornal Zero Hora para trabalhar como repórter fotográfico. Eles organizaram a primeira edição. A intensão de trazer os trabalhos para a Rua da Praia foi de aproximar a fotografia do público. O que pretendíamos ali era conseguir um espaço para mostrar nosso trabalho, não apenas com cunho militar, mas de opressão social, esclarece Gomez. Havia diversidade nas fotografias, pois elas não reportavam apenas ações dos órgãos de repressão. Seu caráter livre também deu suporte a uma pluralidade de interesses. Daniel de Andrade integrou-se à mostra na década de Ele conta que foi uma forma de dar maior visibilidade ao seu trabalho como fotojornalista, uma vez que a exposição já estava consolidada. Com a colaboração da Epatur, foi criado um prêmio que elegia as melhores fotografias a cada ano. Os vencedores recebiam um valor de 10 mil cruzados. Ao mesmo tempo em que atraiu participantes, a premiação também afastou idealizadores, como Luiz Abreu. Ele participou da primeira edição e afirma que eleger a melhor fotografia não era a ideia inicial. Não me agradou. Estava quebrando o espírito original da mostra, por que estava propondo um tema e com prêmio em dinheiro. Já não seria tão livre assim, alguns botariam lá porque queriam ganhar o prêmio da Epatur, explica. Abreu também participou da concepção da Mostra, a partir de um conceito anárquico, que dentro do período e da proposta era coerente com o que a gente pensava e com o momento em que a gente vivia. O termo livre ligado à exposição dizia respeito à igualdade entre aqueles que colocavam suas fotografias no varal. Havia consenso sobre a necessidade de tornar democrática a arte fotográfica. A gente renegava a ideia de galeria por que era muito elitizado. Achava que o espaço verdadeiro para a foto deveria ser a rua, onde o público podia olhar, completa Abreu. + Luiz Abreu documentou varal, que retratava temáticas variadas Ricardo Chaves, o Kadão, expôs imagens feitas fora do país Os depoimentos do livro em + Acesse o site com o conteúdo do Histórias para Lembrar Histórias para lembrar Relatos sobre a ditadura de 1964 Meio século é pouco para a história de um país, mas é muito tempo para que se corra o risco de perder a memória. Em 2014, completam-se 50 anos do golpe militar que instaurou uma ditadura no Brasil. Ela durou até Antes que a memória perca o viço, deve-se ouvir e registrar a voz de quem viveu esse período de arbítrio, quando o terrorismo de Estado se impôs. Alguns tiveram atuação no combate ou na manutenção do regime de exceção; outros, viveram o período sem envolvimento direto. Há ainda aqueles que guardam lembranças, mesmo que tenham nascido depois do fim da ditadura. A memória de um país é coletiva. Ao mesmo tempo, individual. Da singularidade de vidas, surgem narrativas que abrem caminhos para se entender um tempo. Histórias para lembrar se inscreve na perspectiva de dar voz a 31 sujeitos. O militante que combateu e foi preso. Os jornalistas que tentaram contar o que se passava. O rapaz que descobriu que sua mãe foi torturada. O filho do torturador que descreve os traumas de sua família. Há também os entusiastas, que enaltecem o regime de E quem vive diariamente com a ausência e que, décadas depois, luta para ter o direito de pelo menos sepultar o familiar desaparecido. Luta com imagens A mostra na Praça da Alfândega ocorreu até meados da década de Para Eduardo Tavares, repórter que participou de diversas edições, um dos motivos para que ela não continuasse, além do diferentes rumos que tomaram as carreiras dos fotógrafos organizadores, está a abertura política e o fim do regime militar. Trabalhar durante o regime militar não foi fácil para os fotógrafos que iniciavam suas carreiras. Enquanto na rua repórteres se arriscavam ao tentar fotografias que desafiassem o olhar dos militares, nas redações nem sempre estes trabalhos vinham a público. Tavares, fotógrafo há 40 anos, conta que era chamado de louco por fotógrafos profissionais quando começou, pois ficava em cima da cena com suas lentes, enquanto os outros acompanhavam de longe com tele-objetivas. Além disso, ele lembra que, Coojornal destaca primeira Mostra em situações de aglomeração de repórteres, como nas visitas a Porto Alegre do presidente-general João Figueiredo ( ), os agentes de segurança seguravam pregos para afugentar os jornalistas que tentavam se aproximar da comitiva presidencial. Como Tavares, diversos fotógrafos eram jovens e ainda mantêm na memória os acontecimentos de um período marcado pela autocensura e pela censura dos militares no poder. Jorge Aguiar, 58 anos, chegou a publicar materiais sem o seu crédito, pois receava a repercussão que poderia ter a divulgação de fotos que não fossem percebidas pela censura. Em conversa com a reportagem do Editorial J, ele se comoveu ao lembrar de colegas que foram presos. Eu me emociono ao falar sobre este assunto, porque teve colegas que sumiram, foram presos, torturados e perderam suas vidas, declara. Luiz Ávila também enfrentou a censura na Zero Hora, jornal que foi criado em 4 de maio de 1964, após o fechamento do diário Última Hora. Ele lembra que, como boa parte dos trabalhos acabavam por não ser publicados, os repórteres fotográficos expunham seu material em frente à Loja Guaspari, na Avenida Borges de Medeiros. na Capital. Os três fotógrafos que mais tarde participaram da Mostra Livre expunham seus materiais ali, já no fim do período considerado de maior repressão militar (do AI-5, em 1968, até 1974) como forma de resistência política. Profissionais com trabalho de maior viés político colavam suas fotos na parede da loja, sem assinatura, e logo se afastavam para acompanhar as reações do público que passava pela rua. Eles se mantinham afastados, também, porque não tardava para que as fotografias fossem retiradas por militares fardados ou infiltrados entre os transeuntes. Aguiar lembra que estas ações não tinham data marcada para ocorrer, até mesmo porque existia um medo constante de que a espionagem do governo pudesse descobrir e levá-los presos. Outra tática usada, até mesmo para reportagens cotidianas, era nunca andar sozinho para que não ocorresse de serem levados para esclarecimentos no Departamento de Ordem Política e Social (Dops). 6 7

5 Todos fomos afetados PROFESSOR DA PUCRS LANÇOU LIVRO SOBRE AÇÃO DA MÍDIA EM 1964 POR Anselmo Loureiro (3º sem.) Jornalista e pesquisador acostumado a colecionar polêmicas, Juremir Machado da Silva comprou mais uma. Desta vez, ao lançar um livro que relaciona mídia e ditadura militar ( ) no Brasil. Autor de 34 obras, seus dois últimos lançamentos abordam fatos ligados, de alguma forma, aos 21 anos do regime militar no país: Jango: a vida e a morte no exílio, lançado pela L&PM no ano passado, e o mais recente, 1964: golpe midiático-civil-militar, pela Sulina, sobre a forma como a imprensa brasileira apoiou o golpe. O Editorial J conversou com o Juremir sobre suas pesquisas. Enxergamos de uma maneira muito positiva, aqueles (jornalistas) que apoiaram o golpe, como Alberto Dines, Antônio Calado e Carlos Heitor Cony. Depois, eles rapidamente se arrependeram, mas na época jornalistas e intelectuais caíram no discurso de uma ameaça comunista, explicou. A seguir, trechos da entrevista: Editorial J A reação da imprensa do Rio Grande do Sul foi diferente da do resto do país? Juremir Machado da Silva A reação da imprensa gaúcha não foi diferente. O meu livro trata dos jornais de São Paulo e do Rio de Janeiro, por uma escolha metodológica. J Houve uma mudança de postura da imprensa gaúcha em relação aos golpistas entre 1961, com a Legalidade, e 1964? Juremir São posturas totalmente diferentes, tanto no Rio Grande do Sul quanto fora do Estado. Em 1961, era visto como despropósito, como algo ilegítimo agir contra Jango, que de alguma maneira foi considerado injustiçado. No mesmo ano, o (Leonel) Brizola era governador do Estado e cunhado do Jango. Também os periódicos apoiaram o Jango de maneira geral, com a exceção do O Globo. Três anos depois, a imprensa ficou contra o presidente deposto. Poderíamos dizer que os mais coerentes foram o jornal A Última Hora que em 1961 e 1964 estava com ele. Já a Tribuna da Imprensa e O Globo eram contrários a Jango nos dois episódios. Os demais mudaram de posição. J Por que quase toda imprensa apoiou um movimento antidemocrático? Juremir Creio que existiram vá- Foto: Guilherme Almeida Juremir acredita que jornalistas têm espaço para autonomia rios fatores. Primeiramente, a situação da Guerra Fria. O mundo estava dividido em dois blocos. O capitalismo, influenciado pelos EUA. A passagem de Cuba para o socialismo assustava a população e a mídia da época. Também havia a influência da imprensa estadunidense. Eles criaram essa ideia de que o Brasil estava a mercê de uma ameaça comunista muito concreta. Outro fator também é o conservadorismo exacerbado dos proprietários dos jornais e dos jornalistas. Os jornalistas e os intelectuais caíram em uma ameaça comunista. J É possível traçar algum paralelo entre o comportamento da mídia em 1964 e hoje? Juremir Hoje não estamos mais perto de uma ameaça comunista. Atualmente, é bem mais difícil de se criar esta ideia, embora muitos dos que se opõem ao governo Dilma Rousseff, ao lulismo e ao petismo utilizem uma retórica anticomunista como se eles (Dilma, o lulismo e o petismo) estivessem próximo de Cuba. Tentam mostrar que o PT é, no fundo, marxista e gostariam que o Brasil fosse viver um regime cubano. O que está mais próximo mesmo é o clima de combate ao governo, apesar de o sistema ser de centro-esquerda, tentando fazer crer que é a gestão mais corrupta de todos os tempos. Em 1964, também era assim. Toda vez que a esquerda está no poder, eles defendem a ideia de que são (os componentes da esquerda) corruptos. Na época do Getulio, Jango e agora. Sempre foi assim. J Quais são as responsabilidades individuais do jornalista, em situações como a campanha da imprensa contra Jango? Juremir Os jornalistas têm, como todas as pessoas, uma margem de autonomia. Quanto maior o capital simbólico, mais audiência e prestigio e mais ele é reconhecido. O principal problema da autonomia é a ideologia profissional. Em 1964, apoiaram o golpe porque acreditavam que era preciso derrubar o Jango. Não foi porque eles eram obrigados, mas sim por adesão. J Atualmente, se houvesse uma situação no país como a de 1964, a mídia brasileira seria golpista? Juremir É especulação, mas parece que sim. Parte de nossa imprensa gostaria de se livrar do governo petista. Não sei se a imprensa iria muito longe. Atualmente, temos um espírito democrático mais consolidado. Na época, todos eram golpistas. Toda hora havia tentativas de golpe. Nos anos 1950 foram muitas. O golpismo estava na mentalidade de todos. Hoje é muito difícil. J Quais as fontes que o senhor utilizou? Juremir Os jornais da época são fontes primárias. Os livros escritos na época por jornalistas caíram no esquecimento. Documentos e bibliografia. Para esse tipo de obra, o fundamental são os periódicos. J Por que o senhor se interessa em pesquisar e escrever sobre o Jango e Golpe de 64? Juremir Estamos vivendo agora os 50 anos do golpe. Esse assunto sempre mexeu como o nosso ego. O período mudou a vida de todos. Pessoas foram exiladas, assassinadas, desaparecidas, torturadas, presas. Outras perderam emprego. Foi uma transformação radical. Todos nós fomos afetados pela ditadura militar. Cresci nesse momento. Foi uma mudança tremenda na nação e que não terminou, em certo sentido, porque os torturadores não sofreram punições. As comissões da verdade ainda estão na justiça de transição. O Jango é uma figura emblemática. Se ele foi assassinado ou não, ele é o personagem importante da história. 8

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Conselho Nacional de Controle Interno

Conselho Nacional de Controle Interno Veículo: Site Congresso em Foco Data: 13/07/2012 Editoria: Lei de Acesso Coluna: - Página: - Só 12% das prefeituras dão atenção a transparência Uma mesma pergunta foi feita às administrações de 133 cidades

Leia mais

Como se livrar da humilhação

Como se livrar da humilhação 1 Como se livrar da humilhação Casos de assédio moral triplicam na Justiça em quatro anos. Veja o que fazer para evitar problemas no trabalho e não prejudicar sua carreira Andrea Giardino Há três anos,

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

AGÊNCIA CARCARÁ. Agência Carcará 2016 www.agenciacarcara.com.br AGÊNCIA CARCARÁ

AGÊNCIA CARCARÁ. Agência Carcará 2016 www.agenciacarcara.com.br AGÊNCIA CARCARÁ 1 2 O Governo da presidenta Dilma Roussef sofreu o maior golpe em sua trajetória. Por 367 votos a 137, o pedido de impeachment foi aceito pela Câmara dos Deputados no domingo, 17 de abril. Até mesmo votos

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. As sentenças a seguir se referem ao segundo governo de Getúlio Vargas. Marque V nas sentenças verdadeiras e F nas falsas.

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Ditadura Militar no Brasil. 50 anos

Ditadura Militar no Brasil. 50 anos Ditadura Militar no Brasil 50 anos É difícil expurgar da lembrança tempos que deixaram marcas tão fortes como as da censura, da prisão, da tortura e do assassinato político. Tempos que também foram de

Leia mais

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Dilma Rousseff nasceu em Belo Horizonte em 1947. Presidência é seu primeiro cargo eletivo. Marília Juste Do G1, em São Paulo Dilma Rousseff

Leia mais

PROC. Nº 1850/09 PLL Nº 075/09 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 1850/09 PLL Nº 075/09 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Filho de Sebastião Joaquim Borges e Juvelina Ortiz Borges, Ney Ortiz Borges nasceu no antigo 8º Distrito de Soledade, hoje Barros Cassal, em 25 de junho de 1924. Aos 16 anos, por decisão

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Portifólio Regina Ramalho

Portifólio Regina Ramalho 1 Portifólio Regina Ramalho Diretora de Comunicação e Editora do Pró Trabalhador Aniger Comunicação janeiro de 2013 até o momento (1 ano 6 meses)aclimação Regina Ramalho- Estratégias de comunicação e Assessoria

Leia mais

Campanha "Está Provado por A+B arma não é brinquedo"

Campanha Está Provado por A+B arma não é brinquedo Campanha "Está Provado por A+B arma não é brinquedo" Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "Participo do

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano.

Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano. Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano. Reportagem que chocou o país completou um ano esta semana. O Fantástico mostra o que aconteceu com

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Deputado Rubens Bueno)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Deputado Rubens Bueno) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Deputado Rubens Bueno) Requer informações ao Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sr. Fernando Damata Pimentel sobre a contratação pelo

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar 5 CAPÍTULO 5 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I: GESTÃO EDUCACIONAL O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar Introdução A compreensão deste capítulo está diretamente relacionada ao entendimento

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012 Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM Frei David Santos, OFM - out de 2012 Dados disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Violência aumenta no Afeganistão. Resenha Segurança / Desenvolvimento

Violência aumenta no Afeganistão. Resenha Segurança / Desenvolvimento Violência aumenta no Afeganistão Resenha Segurança / Desenvolvimento Tiago Cerqueira Lazier 26 de maio de 2006 Violência aumenta no Afeganistão Resenha Segurança / Desenvolvimento Tiago Cerqueira Lazier

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Dos 56 detidos, 11 são adolescentes; 30 foram ouvidos e liberados. Manifestantes e polícia se enfrentaram em dois momentos neste sábado.

Leia mais

No seu ponto de vista porque a ABPp iniciou-se em São Paulo, quais eram as condições?

No seu ponto de vista porque a ABPp iniciou-se em São Paulo, quais eram as condições? "Entrevista com Barone" Elisa Maria Pitombo Entrevista feita com Barone pela ABPp-SP realizada em 29/03/2005, agradecemos a possibilidade dessa entrevista. Você poderia citar fatos marcantes e curiosos

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Chapecó-SC, 23 de junho de 2006 Presidente: É um programa, talvez

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil. Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague,

Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil. Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague, Rio de Janeiro 03 de dezembro de 2009 Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague, Tendo em vista a confecção coletiva de uma

Leia mais

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS: 12 A 19 DE SETEMBRO

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 Autoria: Prof. Dr. Introdução Entre os dias 08 e 10 de dezembro de 2010 ocorreu na sede da Etec-Cepam a primeira edição do curso de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

3 Breve história da criminalidade nas favelas

3 Breve história da criminalidade nas favelas 3 Breve história da criminalidade nas favelas A origem das favelas no Rio de Janeiro é consensualmente datada no final do século XIX. A primeira favela foi a ocupação do Morro da Providência no centro

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Ouvidor: Dr. Luiz Gonzaga Dantas

Ouvidor: Dr. Luiz Gonzaga Dantas Ouvidor: Dr. Luiz Gonzaga Dantas Ouvidoria na Defesa dos Direitos Humanos Na concepção individualista da sociedade 1º vem o indivíduo que tem valor em si mesmo, depois vem o Estado. Essa concepção diz

Leia mais

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT)

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) Há dois anos, um grupo de trabalhadores ocupou um local abandonado próximo ao bairro Parque Cuiabá (Mato Grosso). O local era ponto de usuários

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Geografia da Fome. Geopolítica da fome

Geografia da Fome. Geopolítica da fome Atividade facebook para os alunos dos 8 anos C, D e E da Emeb Estância. Continuando a temática "formação da desigualdade social", nesse bimestre vocês me farão uma PESQUISA BIOGRÁFICA DO GEÓGRAFO CHAMADO

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados Datafolha, propaganda e eleitores nos estados 23 de agosto de 2010 1. Vitória de Dilma no 1º turno Bastou uma semana de horário eleitoral gratuito em rádio e televisão ao lado do presidente Lula para Dilma

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO HQ se lga! i CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO Defender a CONSTITUINTE é um erro! Erro, por que? A direita vai aproveitar uma Constituinte

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais