Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia"

Transcrição

1 Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Dra. Patricia Fretes Coord. do curso de atualização em Implantodontia IOA PY Profa. adjunta do curso de especialização em Implantodontia IOA PY Especialista em Implantes Uningá BR Dr. Fernando Pereira Prof. Titular da cátedra de Implantes IOA PY Especialista em Periodontia FOB-USP Especialista em Implantodontia SLM Campinas Mestre em Implantodontia SLM Campinas Propriedades biológicas Osteocondutor Manter a arquitetura do enxerto para posterior remodelação Osteoindutor Induzir a diferenciação das células mesenquimais em células osteoprogenitoras Osteogenico Possuir células generadoras de osso proveniente do leito doador Osteopromotor Barreiras (membranas) para uma formação óssea 1

2 Fatores de Crescimento Fatores de Crescimento Mediadores químicos locais, sem efeito sistêmico. Se unem a receptores de membrana. Comunicação Proliferação Crescimento Diferenciação Wozney y Wang,

3 Fatores de Crescimento Plasma Rico em Plaquetas (PRP) Precursores Quantidade Imprevisibilidade MARSHALL URIST 1965: Descobre a proteína e seu potencial de formação óssea em ratos; 1971: Nomeia a proteína - Bone Morphogenetic Protein (BMP); 1985: Isóla a molécula de BMP-2 da matriz óssea extracelular; 1988: Produz a 1ª proteína humana recombinante (rhbmp-2) BOYNE (1996): Inicia os primeiros estudos clínicos para o uso em cirugías de levantamento de seio maxilar. 3

4 Fatores de Crescimento BMP 2 (Bone Morphogenetic Protein) Marshall Urist Mistura proteica heterogenea implantado em músculo. Lozney, Woney y Wang Fatores de crescimento (BMP) Glicoproteínas, produzidas por células do organismo 40 tipos de proteínas, dais quais a 2, 4, 6 y 7, propriedades osteogênicas Mediadores químicos locais (sem efeito sistêmico); Difícil de ser isoladas Pouca quantidade no organismo (1 microgramo de proteínas por kilogramo de tecido ósseo) WOZNEY, WANG (1992); GÓMEZ (2000); GONZÁLEZ (2005); DOS SANTOS et al. (2005) 4

5 rh-bmp-2 Capacidade OSTEOINDUTORA A neoformação óssea é dependente da sua concentração Atuam localmente SEM efeito sistêmico (vida curta no sistema sanguíneo) Wozney, Wang (1992) rh-bmp-2 Estudos de Comprovação 2002 rhbmp-2 (INFUSE Bone Graft) aprovada FDA para fusão vertebral de coluna Reduções de fratura de tíbia Levantamento de seio maxilar e preenchimentos de alvéolos pós exodontia. rh BMP- 2 é um dos temas mas estudados e de maiores avanços em ortopedia. rh BMP- 2 tem uma vida sistêmica entre 7 a 16 minutos. rh BMP- 7 tem uma vida sistêmica entre 10 a 15 horas e em alguns estudos, tem sido associado a formações ectópicas de osso em tecidos renais. Stryker. China McKay W F e cols. JOC

6 Remodelação óssea CAPILARES SANGUÍNEOS FATORES DE CRESCIMENTO MONÓCITOS MICROFRATURAS OSTEOBLASTOS OSTEOCLASTOS OSTEÓCITOS OSTEÓCITOS MATRIZ ÓSSEA Comparação de cortes histológicos osteocitos Cristales de Hidroxiapatita Tejido conectivo osteoide osteocitos Osso autógeno Hidroxiapatita sintética 6

7 2002: FDA aprova o uso de rh-bmp2 para o uso em fusão de vertebras (INFUSE Bone Graft -Medtronic Sofamor Danek, Memphis, TN) 2005: Aprovado el uso de rh-bmp2 na Europa (European Agency for the Evaluation of Medicinal Products -EMEA), para procedimentos de fusão de vertebras 2007: FDA aprova o uso cranio-facial do INFUSE Bone Graft com esponja de colágeno reabsorvível (ACS) em concentração de 1,5 mg/ml. Controversias... Controversias

8 Mecanismo de ação das bmp Implante das BMPs aonde desaja-se promover o aumento ósseo SMAD Migração de CMI e outras células com receptores para BMP-2 Unión das BMPs com receptores proteicos da membrana celular Formação do elemento BMP receptor 1- receptor 2 no qual adquire a capacidade de fosforilar as proteinas SMAD Proteínas SMAD fosforiladas: Se transladam ao núcleo da célula e regulam a atividade de transcripção de varios genes; Promovem a PROLIFERACÃO E DIFERENCIAÇÃO de células em OSTEOBLASTOS Os OSTEOBLASTOS começam a síntese de matriz óssea e neoformação vascular Clonagem 1. IDENTIFICAÇÃO DO GENE Identificação e isolamento do gene que carrega o código genético para produzir BMP-2 de células humanas 2. RECOMBINAÇÃO GENÉTICA ( Inserção ) O gene isolado é enxertado no genomas das células com alta capacidade de proliferação em laboratório 3. CLONAGEM As células que reciberam as cópias de BMP-2 se reproduzem em laboratório, transmitindo o gene para as células f. 8

9 4. Armazenamento em um BANCO DE CELULAS e congelamento a -135 graus (produção futura de BMP); 5. Imersão das células em um MEIO NUTRICIONAL (s/ composto animal ou humano) para o crescimento da produção das proteínas; 6. Tranferencia para um BIORREATOR: aonde se inicia a produção das proteínas em grande escala; 5. FILTRADO e NANOFILTRADO 6. CONTROLE DE QUALIDADE: incluem liofilização e rigorosas provas para garantir pureza e concentração ºC Meio Nutricional Biorreactor Filtrado e Nanofiltrado Concentração adequada do uso 1,5 mg/cc de rh-bmp-2/acs 9

10 rh-bmp-2/acs - MATERIAL CARGADOR O colágeno (ACS) promove as condições ideais para uma angiogénese e réplica celular, dando lugar para que os fatores de crescimento liberem seus agentes quimiotáticos. Brekke & Toth 1998 Objetivo do tratamiento com implantes Colocação dos Implantes em posição protética ideal 10

11 MUCOSA QUERATINIZADA/ ARMONIA ESTETICA IMPLANTE RODEADO POR TECIDO VIVO (REMODELAÇÃO ÓSSEA) 11

12 Comparação de cortes histológicos OSSO AUTOGENO rh-bmp-2 Indicações Defeitos verticais Defeitos Horizontais Fissuras labiopalatinas Defeitos de continuidade Zetola

13 Aplicações clínicas Caso 1 13

14 14

15 1,5 mg/ml 15

16 16

17 17

18 18

19 19

20 20

21 Caso 2 1,5 mg/ml 21

22 22

23 Caso 3 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 28

29 29

30 Caso 4 Caso gentilmente cedido pelos Dres. Leandro Leão e Luiz Nantes 30

31 Caso 5 Caso gentilmente cedido pelo Dr. Andre Zetola 31

32 32

33 33

34 Injerto con rhbmp-2 Previsibilidade Custo elevado *** 1 sitio cirúrgico Técnica relativamente simples Pós operatório sensível (Edema) De Freitas R.B. et al. - Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent. vol.66 no.2 Sao Paulo Abr./Jun

35 A utilização do rh-bmp2, demonstra ser, tanto na literatura como na prática clínica, uma excelente e previsível Conclusión técnica para a regeneração óssea em espessura e altura na reabilitação com implantes. Muito Obrigado IOA - Instituto de Odontología Avanzada 35

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br M!K! Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br Objetivos Tipos de consolidação: Primária e Secundária Tipos de estabilidade: Absoluta e Relativa O Osso 1 Estrutura Óssea OSTEOCLASTOS OSTEOBLASTOS MATRIZ

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas Bruno Salles Sotto Maior 1 Henrique Furlani Sotto Maior 2 Rodrigo Guerra de Oliveira 3

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na 13 2 Hidroxiapatita 2.1. Aplicações biomédicas da hidroxiapatita A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância

Leia mais

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO Data: 19 a 23 de agosto de 2013. PROFESSORES Prof. Dr. Júlio César Joly Especialista em Periodontia CFO Mestre e Doutor em Clínica

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA AMANDA DINIZ LOPES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA AMANDA DINIZ LOPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA AMANDA DINIZ LOPES APLICABILIDADES DA rhbmp-2 NA REGENERAÇÃO ÓSSEA EM IMPLANTODONTIA - REVISÃO DE LITERATURA BELO HORIZONTE 2011 AMANDA DINIZ

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA PAULO DA SILVA

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA PAULO DA SILVA UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA PAULO DA SILVA A UTILIZAÇÃO DAS PROTEÍNAS MORFOGENÉTICAS ÓSSEAS (BMPs) NA IMPLANTODONIA PASSO FUNDO 2011

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) Chamada Pública Universal 03/2006 1.1. N do Contrato:

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado Os seus dentes, naturalmente sãos PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado PRGF -Endoret O QUE É O PLASMA RICO EM FACTORES DE CRESCIMENTO? INVESTIGAÇÃO

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Ivone Adelina Cavalca O PAPEL DA PROTEÍNA ÓSSEA MORFOGENÉTICA (BMP) NA REPARAÇÃO DO TECIDO ÓSSEO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Ivone Adelina Cavalca O PAPEL DA PROTEÍNA ÓSSEA MORFOGENÉTICA (BMP) NA REPARAÇÃO DO TECIDO ÓSSEO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ivone Adelina Cavalca O PAPEL DA PROTEÍNA ÓSSEA MORFOGENÉTICA (BMP) NA REPARAÇÃO DO TECIDO ÓSSEO CURITIBA 2011 Ivone Adelina Cavalca O PAPEL DA PROTEÍNA ÓSSEA MORFOGENÉTICA

Leia mais

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PERIODONTIA MARCOS AURÉLIO MEZZOMO

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PERIODONTIA MARCOS AURÉLIO MEZZOMO 0 UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PERIODONTIA MARCOS AURÉLIO MEZZOMO BMP (Proteína Morfogenética Óssea) E SUA UTILIZAÇÃO NA REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA EM

Leia mais

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt Biomateriais Recriar a Biologia Texto: ANA ALBERNAZ 28 Mesmo em época de crise económica em que o investimento em Investigação e desenvolvimento abrandou, continuam a surgir novos diária e cujo valor é

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução Biomateriais Excelência e Evolução Catálogo Biomateriais Empresa Linha de Produtos Inovação com qualidade A Bionnovation é uma empresa brasileira especializada na fabricação de biomateriais, que oferece

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea André Montillo UVA Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea O Tecido ósseo é o único que no final de sua cicatrização originará tecido ósseo verdadeiro e não fibrose como os demais tecidos

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 10 CAPA Tire suas dúvidas so O avanço na profissão tem sido responsável pelo aprimoramento de técnicas para

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA.

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA. INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA. Manaus, 2010 JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA.

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

MILTON MIKIO MORISHIN FILHO

MILTON MIKIO MORISHIN FILHO MILTON MIKIO MORISHIN FILHO ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CRANIOTOMIAS TRATADAS COM PROTEÍNA MORFOGENÉTICA ÓSSEA (rhbmp-2) E CRANIOTOMIAS TRATADAS COM PÓ DE OSSO EM SUÍNOS: AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DO ENXERTO

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

Coautor do livro Restauração Dentoalveolar Imediata - Implantes com carga imediata em alvéolos

Coautor do livro Restauração Dentoalveolar Imediata - Implantes com carga imediata em alvéolos Com a maturidade atingida nesses quase 10 anos de desenvolvimento e uso da técnica RDI, novos passos foram dados no sentido de aperfeiçoá-la e aplicá-la em maior profundidade. Hoje, a técnica já é amplamente

Leia mais

EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO. discreta de células-tronco adultas fazem a reposição. laboratório, determinar suas propriedades

EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO. discreta de células-tronco adultas fazem a reposição. laboratório, determinar suas propriedades EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO José Carlos Rossini Iglézias* As células-tronco são importantes para os organismos vivos por várias razões. No embrião, na fase do terceiro ao quinto dia de idade -

Leia mais

As bases biológicas do plasma rico em plaquetas

As bases biológicas do plasma rico em plaquetas As bases biológicas do plasma rico em plaquetas The biologics basis of the platelet-rich plasma Elaine Duarte Artuso de Mello* Guilherme Paulo Scarpel de Mello** Luciana Alves da Silva*** Maria Aparecida

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA DALVO VIEIRA DE OLIVEIRA

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA DALVO VIEIRA DE OLIVEIRA 0 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA DALVO VIEIRA DE OLIVEIRA MATERIAIS PARA ENXERTOS EM CIRURGIAS DE ELEVAÇÃO DO ASSOALHO DO SEIO MAXILAR PASSO

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

Objetivos. Diferenciais. Módulos IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO PERI-IMPLANTAR CURSOS 2016

Objetivos. Diferenciais. Módulos IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO PERI-IMPLANTAR CURSOS 2016 CURSOS 2016 IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO PERI-IMPLANTAR Objetivos Discutir a importância da reconstrução tecidual peri-implantar; Definir protocolos terapêuticos em diferentes etapas do tratamento peri-implantar;

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000 Nome Curso: IMPLANTE. Implantando idéias, um curso diferente. Curso de extensão Universitária Natureza: Teórico prático Data do inicio do curso: 27 de agosto de 2010 Local: Clinica Universitário Módulo

Leia mais

Mitocôndrias e Cloroplastos

Mitocôndrias e Cloroplastos Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Morfologia Biologia Celular Mitocôndrias e Cloroplastos Características gerais de mitocôndrias e cloroplastos Mitocôndrias

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Losartan e a Prevenção de Aneurisma de Aorta Habashi

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL.

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL. 11 PROVA DE BIOLOGIA Q U E S T Ã O 1 6 Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Partícula de LDL (Lipoproteína de baixa densidade) Receptores de LDL Endossomo

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE SISTEMA ENDÓCRINO Jatin Das Os hormônios tireoidianos são fundamentais para o desenvolvimento de vários órgãos no período embrionário, rio, mas também m são responsáveis pelo crescimento, a diferenciação

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015)

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) 1- A Fábrica Celular Células de bactérias (procarióticas) e células animais (eucarióticas), apresentam semelhanças e diferenças. a) Qual a estrutura presente em ambas que

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina 36 Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina Horizontal augmentation of anterior maxillary alveolar ridge using bovine bone graft Célia Maria Braga 1 Juliana de

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Verônica Araceli Aquino Monteiro

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Verônica Araceli Aquino Monteiro Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Verônica Araceli Aquino Monteiro Enxertia óssea associada a implantes imediatos ou tardios. CURITIBA 2012 Verônica Araceli Aquino Coitino Monteiro

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA NILZA MARIA CANTARELLI DA SILVA

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA NILZA MARIA CANTARELLI DA SILVA 0 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA NILZA MARIA CANTARELLI DA SILVA ENXERTOS HOMÓGENOS EM RECONSTRUÇÕES PARA IMPLANTODONTIA PASSO FUNDO 2011

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

FUNORTE FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO DE JI-PARANÁ RO WANDERLUCE BARBOSA SILVA

FUNORTE FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO DE JI-PARANÁ RO WANDERLUCE BARBOSA SILVA FUNORTE FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO DE JI-PARANÁ RO WANDERLUCE BARBOSA SILVA BIOMATERIAIS UTILIZADOS NA TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR ABERTA JI-PARANÁ 2012 1 WANDERLUCE BARBOSA

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE DIFERENTES MATERIAIS EM ENXERTO ANTRAL SUBMUCOSO - DISCUSSÃO A LUZ DA LITERATURA CIENTÍFICA.

ESTUDO COMPARATIVO DE DIFERENTES MATERIAIS EM ENXERTO ANTRAL SUBMUCOSO - DISCUSSÃO A LUZ DA LITERATURA CIENTÍFICA. INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE ESTUDO COMPARATIVO DE DIFERENTES MATERIAIS EM ENXERTO ANTRAL SUBMUCOSO - DISCUSSÃO A LUZ DA LITERATURA CIENTÍFICA. José Luis Herrera Higa SÃO PAULO 2011 José Luis

Leia mais

Medbone da Ideia à Prática

Medbone da Ideia à Prática Medbone da Ideia à Prática V xåecdd Cascais 27 e 28 de outubro 1ª Conferência Ibérica de Empreendedorismo 28 de Outubro 2011 Especialistas em Reparação e Regeneração Óssea Toda a informação contida neste

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

A nova dimensão na regeneração do tecido mole

A nova dimensão na regeneração do tecido mole A nova dimensão na regeneração do tecido mole Geistlich Mucograft : a matriz 3D... Seguindo sua tradição de pioneiro, com a Geistlich Mucograft, a nova matriz 3D, a Geistlich leva a regeneração do tecido

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO Membrana que impede a penetração de outros espermatozóides Fusão das membranas plasmáticas do óvulo e do espermatozóide Núcleo do espermatozóide no

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

Biologia CITOLOGIA - UNICAMP - VESTIBULARES DE 2016-2010

Biologia CITOLOGIA - UNICAMP - VESTIBULARES DE 2016-2010 1. (Unicamp 2015) O vírus Ebola foi isolado em 1976, após uma epidemia de febre hemorrágica ocorrida em vilas do noroeste do Zaire, perto do rio Ebola. Esse vírus está associado a um quadro de febre hemorrágica

Leia mais

IMPLANTODONTIA E REABILITAÇÃO ORAL

IMPLANTODONTIA E REABILITAÇÃO ORAL Duração: 12 meses aperfeiçoamento e 30 meses especialização Periodicidade: 1 módulo/mês PÚBLICO ALVO: Cirurgiões dentistas que queiram iniciar sua formação em implantodontia e reabilitação oral, como também

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública Pós-Graduação em Odontologia da Bahiana

Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública Pós-Graduação em Odontologia da Bahiana EDITAL PARA EXAME DE SELEÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA TURMA III - 2015 A Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, em conformidade com o regimento lato sensu da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre ESTUDO BASE 8 ANO Prof. Alexandre FORMA E FUNÇÃO Natureza FORMA E FUNÇÃO Artificiais FORMA E FUNÇÃO Todos os objetos apresentam uma relação intíma entre sua forma e função Relação = FORMA/FUNÇÃO BIOLOGIA

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO Amanda Roberta Barbosa Juliasse Da Silva ¹ Márcio Baltazar Conz ² Diferentes biomateriais têm

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

Docente: Sheila C. Ribeiro Abril/2016

Docente: Sheila C. Ribeiro Abril/2016 Docente: Sheila C. Ribeiro Abril/2016 Introdução Função Suporte Proteção Apoio Contrações Depósito de minerais Tecido Conjuntivo Especializado Células e Matriz óssea endósteo Periósteo Osteoblastos Osteócitos

Leia mais

ENXERTO EM SEIO MAXILAR COM COLOCAÇÃO SIMULTÂNEA DE IMPLANTE

ENXERTO EM SEIO MAXILAR COM COLOCAÇÃO SIMULTÂNEA DE IMPLANTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO EM SEIO MAXILAR COM COLOCAÇÃO SIMULTÂNEA DE IMPLANTE RICARDO ARAÚJO FEIRA DE SANTANA 2009 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO

Leia mais

Aula6 TECIDO ÓSSEO. Shirlei Octacílio da Silva

Aula6 TECIDO ÓSSEO. Shirlei Octacílio da Silva Aula6 TECIDO ÓSSEO META Descrever a composição do tecido ósseo, correlacionando as características estruturais do osso com suas funções no corpo, ressaltando que os mesmos componentes que trazem a rigidez

Leia mais

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade.

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade. 1. Tecido Ósseo Compacto desgastado Material: Diáfise de osso em corte transversal Técnica: Desgaste com a utilização de disco de Carborundum Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos

Leia mais

Porque a Implantodontia tem que ser simples

Porque a Implantodontia tem que ser simples REVISTA Ano 2 - edição 3 Porque a Implantodontia tem que ser simples 16 pag.indd 1 Novo Pilar Temporário Índice Mais versátil do que isso, só esperando o dente nascer de novo. 5-6 9-10 Provisórios de Longa

Leia mais

CIODONTO/FAISA. Carlos Hugo da Silveira França

CIODONTO/FAISA. Carlos Hugo da Silveira França CIODONTO/FAISA Pós Graduação Lato sensu em Implantodontia Carlos Hugo da Silveira França OSSO HOMÓLOGO E SUA APLICABILIDADE NA IMPLANTODONTIA Rio de Janeiro 2010 2 CIODONTO/FAISA Pós Graduação Lato sensu

Leia mais

FUNORTE FACULDADE UNIDADES DO NORTE DE MINAS NÚCLEO SALVADOR IAPPEM - INSTITUTO AGENOR PAIVA DE PÓS-GRADUAÇÃO DEMÉTRIO SILVINO BARROS FILHO

FUNORTE FACULDADE UNIDADES DO NORTE DE MINAS NÚCLEO SALVADOR IAPPEM - INSTITUTO AGENOR PAIVA DE PÓS-GRADUAÇÃO DEMÉTRIO SILVINO BARROS FILHO 0 FUNORTE FACULDADE UNIDADES DO NORTE DE MINAS NÚCLEO SALVADOR IAPPEM - INSTITUTO AGENOR PAIVA DE PÓS-GRADUAÇÃO DEMÉTRIO SILVINO BARROS FILHO A EFICIÊNCIA DOS BIOMATERIAIS EM IMPLANTODONTIA SALVADOR/BA

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11 Componente Curricular: HISTOLOGIA BUCO-DENTAL Código: ODO-007 Pré-Requisito: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA HUMANA Período Letivo: 2013.1 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11,

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO NEODENT E ILAPEO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO NEODENT E ILAPEO PROGRAMA DE FORMAÇÃO NEODENT E ILAPEO 2015 CONHEÇA O ILAPEO < O ILAPEO, Instituto Latino Americano de Investigação e Ensino Odontológico, criado em 2004, tem os seus princípios fundamentais baseados na

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS NARJHARA PALMA SOARES UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR Brasília, 2012 NARJHARA PALMA SOARES

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema Tecido Conjuntivo Prof Leonardo M. Crema Variedades de Tecido Conjuntivo Propriamente dito (frouxo, denso modelado e não modelado) Com propriedades especiais (tecido elástico, reticular, adiposo, mielóide,

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Tecidos animais Tecidos conjuntivos São constituídos predominantemente por material

Leia mais

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL ANIMAL Módulo 12 Página 15 à 36 FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS TECIDOS = Conjunto

Leia mais

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas SOLUÇÃO PARA: Odontologia ODONTOLOGIA TECNOLOGIA PARA: Implantodontia, Periodontia, Endodontia e Bucomaxilo. Vista Aérea - Parque Industrial Baumer - Mogi Mirim -

Leia mais

EFEITOS DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA NA INCORPORAÇÃO DE ALOENXERTO ÓSSEO TRITURADO

EFEITOS DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA NA INCORPORAÇÃO DE ALOENXERTO ÓSSEO TRITURADO 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - DOUTORADO - CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE Alessandro Leonardo de Barros Vieira RECONSTRUÇÃO DE MANDÍBULAS SEVERAMENTE REABSORVIDAS Salvador 2012 Alessandro Leonardo de Barros Vieira RECONSTRUÇÃO DE MANDÍBULAS

Leia mais

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof.

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof. Questão 01 QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO Prof. Cláudio Góes O mundo vivo é construído de tal forma que podemos estabelecer

Leia mais

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE O sangue é um tecido conectivo especializado constituído por diferentes tipos celulares em suspensão em um meio líquido denominado de plasma. Funciona primordialmente

Leia mais

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia Clínica As células estaminais

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA Departamento de Ciências Fisiológicas Carga horária total: 188h Ano letivo: 2012 - Série: 1º ano - Curso de Medicina Coordenador: Professor Doutor Wagner Ricardo Montor

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS BIOMATERIAIS NA RECONSTRUÇÃO ÓSSEA VISANDO INSTALAÇÃO DE IMPLANTES MARIA MARTA DE CARVALHO Monografia apresentada ao programa Especialização em Implantodontia

Leia mais

Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual Faculdade de Odontologia. Orientador: Profa. Dra. Lizeti Toledo de Oliveira

Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual Faculdade de Odontologia. Orientador: Profa. Dra. Lizeti Toledo de Oliveira Hermes Pretel Ação de Biomateriais e Laser de baixa intensidade na reparação tecidual óssea. Estudo histológico em ratos Dissertação apresentada ao curso de Pósgraduação em Ciências Odontológicas Área

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais