INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA."

Transcrição

1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA. Manaus, 2010

2 JONAS FRÖHLICH SANCHES BIOMATERIAIS SUBSTITUTOS ÓSSEOS NA IMPLANTODONTIA. Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Implantodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO MANAUS, como parte dos requisitos para obtenção do titulo de Especialista. ORIENTADOR: Prof. Ms. Edilbert Leito Brito Manaus, 2010

3 Sanches, Jonas Fröhlich. Biomateriais substitutos ósseos na implantodontia/ Jonas Fröhlich Sanches Orientador Prof. Ms. Edilbert Leite Brito Manaus ICS Instituto de Ciências da Saúde FUNORTE/SOEBRAS Monografia (Especialização em Implantodontia) Instituto de Ciências da Saúde FUNORTE/SOEBRAS Núcleo Manaus, p: 1. Biomateriais 2. Substitutos ósseos 3. Enxertos 4. Biocompatibibidade

4 p A minha esposa, dedico este trabalho por me apoiar em todas as minhas opções e ser o meu maior incentivo para as minhas conquistas. A D e u s,

5 AGRADECIMENTO Agradeço primeiramente a minha esposa, por todo o apoio e incentivo prestados para esta vitória; Agradeço aos meus pais, por terem me dado a melhor educação, fundamental para todas as minhas conquistas; Agradeço ao professor Edilbert Leite Brito e ao professor Johny Sasahara, por compartilharem toda a experiência e seus vastos conhecimentos, além da amizade; Agradeço, por fim, a todos os colegas de turma, pela amizade e companheirismo durante esta jornada pelo conhecimento.

6 o sacrifício é a primeira condição de toda a grandeza A D e u s,

7 RESUMO Em implantodontia, o termo substitutos ósseos é utilizado rotineiramente para nominar biomateriais que é qualquer substância, droga, combinação de substâncias de origem natural ou sintética que pode ser usada por um período como parte do sistema tratado ou como reposição de algum tecido, órgão ou função do corpo. Os biomateriais tem sido uma ótima alternativa na implantodontia para reposição de estruturas ósseas perdidas como na manutenção do volume alveolar pós-exodôntico, contorno de rebordo, diastases, aumento em altura e espessura do processo alveolar e levantamento da membrana do seio maxilar. Podemos citar como exemplos de biomateriais: o osso liofilizado desmineralizado, osso anorgânico e vidro bioativo. Os biomateriais podem ser classificados quanto a sua origem como: autógenos, alógenos, xenógenos e sintéticos; quanto a sua reação biológica podem ser: biotolerados, bioinertes e bioatiovos; e quanto as suas propriedades biológicas podem ser: osteocondutores, osteoindutores, osteogênicos e osteopromotores. Os enxertos autógenos são considerados os enxertos tipo padrão ouro para regeneração tecidual guiada e enxertias ósseas, pois possuem as melhores características como material substituto ósseo. Palavras-chave: Biomateriais substitutos ósseos enxertos biocompatibilidade.

8 ABSTRACT In implantology, the term bone substitutes is used routinely to nominate biomaterials, that is any substance, drug, combination of substances of natural or synthetic origin which may be used for a period as part of treated system or as a replacement tissue, organ or body function. The biomaterials has been a great alternative in implantology for replacement of lost bone structures such as the maintenance of alveolar volume after tooth extraction, contour ridge, diastase, increasing in height and thickness of alveolar process and raising the membrane of the maxillary sinus. Examples of biomaterials can be pointed: freeze-dried demineralized bone, inorganic bone and bioactive glass. The biomaterials can be classified according to their origin as: autografts, allografts, xenograft and synthetic; as its biological reaction may be: biotolerated, bioinactive and bioactive; and as their biological properties can be: osteodrivers, osteoinducing, osteogenic and osteopromoters. Autografts are considered the kind of grafts "gold standard" for guided tissue regeneration and bone grafts, as they have the best characteristics as a bone substitute material. Key-words: Biomaterials bone substitutes grafts biocompatibility.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Osso bovino inorgânico FIGURA 2 Bio-Oss reidratado em solução de tetraciclina e inserido nos defeitos ao redor do implante FIGURA 3 Hidroxiapatita sintética associada ao β-tricalcio-fosfato Gen- Phos FIGURA 4 Esquema de preparação de quitina e quitosana a partir de exoesqueleto (carapaças) de crustáceos e fungos e suas aplicações.. 27 FIGURA 5 (a) cascas de camarão higienizadas, a matéria prima para a obtenção da quitina e (b) as cascas já trituradas, prontas para ser desproteinizadas e desmineralizadas FIGURA 6 (a) quitina em pó obtida durante a aplicação da metodologia e (b) quitosana em pó obtida a partir da quitina FIGURA 7 Célula mesenquimal indiferenciada (CMI) se unindo com a RhBMP FIGURA 8 CMI se combinando com a rhbmp-2 para se transformarem em um pré-osteoblasto e finalmente se transformando em um osteoblasto secretor para iniciar a neoformação óssea... 31

10 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Classificação dos biomateriais... 36

11 LISTA DE ABREVEATURAS BMP Proteína Óssea Morfogenética BMP-2 Proteína Morfogenética tipo 2 rhbmp-2 Proteína Recombinante morfogenética tipo 2 CMI Células Mesenquimais Indiferenciadas DFDBA Osso Descalcificado Liofilizado FDBA Osso Mineralizado Liofilizado HA Hidroxiapatita HCA Hidroxicarbonatoapatita SUS Sistema Único de Saúde TCP Fosfato Tricálcio

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO RETROSPECTIVA DA LITERATURA CONCEITO DE BIOCOMPATIBILIDADE IMPLICAÇÕES LEGAIS BIOMATERIAIS CLASSIFICAÇÕES DOS BIOMATERIAIS Classificação quanto a origem Autólogo ou Autógeno Homógeno ou Alógeno Heterógeno ou Xenógeno Sintético ou Aloplástico Classificação quanto a reação biológica Biotolerado Bioinerte Bioativo Classificação quanto a caractarística física Classificação quanto a propriedade biológica Osteocondução Osteoindução Osteopromoção Osteogênese Outras classificações INDICAÇÕES PARA O USO DOS BIOMATERIAIS... 3 PROPOSIÇÃO DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

13 1 INTRODUÇÃO As estruturas periodontais são originadas e desenvolvidas em conjunto com o elemento dental, sendo assim, a perda do dente faz com que ocorra um processo de involução destas estruturas, devido a uma remodelação progressiva no processo alveolar, e remanescente ósseo que é acompanhada pelos tecidos moles (PINTO et al., 2004). O tecido ósseo possui características biológicas que promovem sua regeneração espontânea quando lesionado, repondo a porção perdida (TAGA et al., 1997). Em grande parte, isto se deve a habilidade dos fatores de crescimento em direcionar as células-tronco para as vias condrogênica e osteogênica, e ao papel das forças mecânicas que estimulam a remodelação óssea (SICCA et al., 2000; CARNEIRO et al., 2005). Há situações em que a capacidade de reparo é limitada pelo tamanho da perda óssea como aquelas causadas por trauma, patologias ou conseqüência de procedimentos cirúrgicos diversos. Nestes casos, o defeito ósseo torna-se crítico a reparação espontânea, onde se faz necessário o uso de enxertos para um correto tratamento e bom prognóstico (CARNEIRO et al., 2005). Atualmente o número de pacientes em busca de reabilitações orais complexas, baseadas principalmente em implantes osseointegráveis aumentou muito. Devido à ausência de altura e largura óssea, freqüentemente encontradas em pacientes candidatos a esta modalidade de tratamento, e essenciais para que estes implantes possam ser corretamente instalados, várias técnicas são propostas objetivando viabilizar as condições ósseas, permitindo a ampliação das indicações da reabilitação com implantes e sua colocação em posições que favoreçam a estética e a funcionalidade (ADELL, 1981).

14 A utilização de diversos materiais, sintéticos ou naturais, para reparar ou substituir órgãos ou partes dos sistemas do corpo humano tem crescido muito nos últimos anos, graças ao desenvolvimento de novas tecnologias e materiais e uma melhor compreensão dos mecanismos de interação desses implantes com os tecidos biológicos. Em Implantodontia, o termo substituto ósseo é utilizado rotineiramente para nominar biomateriais que, segundo Williams (1987), é qualquer substância, droga, combinação de substâncias de origem natural ou sintética que pode ser usada por um período como parte de sistema tratado ou como reposição de algum tecido, órgão ou função do corpo. Muitos deles são uma alternativa efetiva para a substituição dos tecidos ósseos, pois não possuem riscos de transmissão de doenças ou rejeição imunológica além de apresentarem suprimento ilimitado (HALL et al., 1999). Os Biomateriais têm-se tornado uma alternativa para a correção de defeitos ósseos como, preenchimento de alvéolos pós-exodontia, preenchimento de espaços vazios entre os implantes osseointegrados instalados imediatamente e as paredes alveolares do terço cervical, para preenchimento do seio maxilar, nos procedimentos de reconstrução do rebordo alveolar total ou parcialmente perdido como conseqüência de doenças periodontais, cistos, tumores e traumatismos (CARVALHO, 2004).

15 2 RETROSPECTIVA DA LITERATURA Uma das definições correntes diz que Biomateriais são materiais (sintéticos ou naturais; sólidos ou, às vezes, líquidos) utilizados em dispositivos médicos ou em contacto com sistemas biológicos (RATNER, 2004), enquanto que na definição clássica biomaterial é parte de um sistema que trata, aumenta ou substitua qualquer tecido, órgão ou função do corpo (HELMUS & TWEDEN, 1995). Em Implantodontia, o termo substituto ósseo é utilizado rotineiramente para nominar biomateriais que são utilizados em diversas situações, tais como: para o preenchimento de defeitos ósseos, de alvéolos pós-exodontia, de espaços vazios entre os implantes osseointegrados instalados imediatamente e as paredes alveolares do terço cervical, para preenchimento do seio maxilar. (CARVALHO et al., 2004). Para que o biomaterial execute sua função biológica com sucesso, o mesmo deve ser utilizado em íntimo contato com os tecidos do indivíduo e, para tanto, deve possuir características como: biocompatibilidade, previsibilidade, aplicabilidade clínica, ausência de riscos trans-operatórios e seqüelas pós-operatórias mínimas, além de aceitação pelo paciente (SERVICE, 2000). O bom desempenho de um biomaterial está associado a um equilíbrio entre a biocompatibilidade, definida como a habilidade que um material tem de induzir no hospedeiro uma resposta adequada a uma aplicação especifica (WILLIAMS, 1987), e a capacidade deste material desempenhar a função para a qual foi projetado com a máxima eficiência, isto é, ser biofuncional (PARK & ROBINSON, 1984; WILLIAMS, 1987). Além disso, um biomaterial deve apresentar propriedades mecânicas adequadas, não deve ser tóxico nem carcinogênico, relativamente barato, reprodutível, apresentar

16 densidade, peso e forma adequados de acordo com sua aplicação. (DOILLON et al., 1998; KATO et al., 1989). Artigos científicos sobre defeitos ósseos criados experimentalmente e preenchidos com biomateriais são bastante comuns na literatura. Ponto pacífico nesses artigos seria o fato de que um biomaterial ideal para implante ósseo, de origem não autógena, deve ser esterilizável, não tóxico, não induzir resposta imunológica e que possa estar disponível em quantidades suficientes. Este deve ainda ser capaz de induzir a diferenciação de células em osteoblastos, sendo ao mesmo tempo gradualmente absorvível, fornecendo um suporte condutivo para formação de um novo osso. Adicionalmente, o material deve funcionar como uma barreira mecânica para o crescimento de tecido fibroso ou invaginação de tecido muscular para dentro do defeito (AABOE et al.,1995). 2.1 CONCEITO DE BIOCOMPATIBILIDADE Para melhor compreender os diversos mecanismos de ação dos substitutos ósseos, é importante revisar o conceito de biocompatibilidade. Williams (1986) refere-se à biocompatibilidade como sendo a habilidade do material realizar com responsabilidade apropriada uma específica aplicação. Ou seja, um material será biocompatível quando for aplicado no sistema biológico, com um determinado objetivo, sem provocar efeitos tóxicos ou injúrias. Segundo Carvalho et al. (2004), será biocompatível um material que é introduzido em uma cavidade óssea e que, após o reparo ósseo, fica incrustado no osso neoformado. Já algumas ligas metálicas como, por exemplo, a liga de cromo-cobaltomolibdênio ou mesmo o ouro, quando utilizadas como material de implante endósseo,

17 apresenta após um período de reparo, uma cápsula de tecido conjuntivo ao seu redor, o que mostra que estes materiais metálicos não são biocompatíveis para a finalidade que foram utilizados. Assim, a biocompatibilidade é uma propriedade que os materiais devem apresentar para que eles possam ser utilizados em um sistema biológico, sem provocar reações adversas e nem impedir a diferenciação tecidual característica do local da implantação. 2.2 IMPLICAÇÕES LEGAIS Segundo Garrafa (2003), o uso de biomateriais sem critérios de biossegurança estabelecidos, além de gerar problemas clínicos como o insucesso terapêutico, cria situações de conflito ético. Isso porque o paciente pode ser submetido a uma terapêutica sem o conhecimento dos riscos advindos, tanto por sua parte como do próprio profissional. Muñoz & Fortes (1998) alertam que o paciente tem o direito moral de ser esclarecido sobre a natureza e os objetivos dos procedimentos diagnósticos, preventivos ou terapêuticos. Da mesma maneira, deve ser informado de sua invasibilidade, duração dos tratamentos, benefícios, prováveis desconfortos e possíveis riscos físicos, psíquicos, econômicos e sociais que possa ter. O profissional de saúde deve apresentar possíveis alternativas de tratamento, quando existentes. A pessoa precisa ser informada da eficácia presumida das medidas propostas, sobre as probabilidades de alteração das condições de dor, sofrimento e de suas condições patológicas, ou seja, deve ser esclarecida em tudo que possa fundamentar suas decisões.

18 2.3 BIOMATERIAIS O desenvolvimento dos biomateriais, especialmente dos substitutos ósseos, é atualmente objeto de intensa pesquisa para utilização em cirurgia ortopédica, traumatológica e buco-maxilo-facial. Desta forma, com intuito de suprir as limitações conseqüentes ao uso de enxerto autógeno e/ou de bancos de osso, os biomateriais vêm sendo utilizados com perspectiva de uma reconstituição do tecido ósseo, seja no reforço de uma estrutura ou preenchimento de um defeito (GUTIERRES et al., 2006). Na busca de desenvolver substitutos biológicos para restaurar, manter ou melhorar a função de diversos tecidos, várias estratégias tem sido utilizadas, tais como: 1) reposição com biomaterial sintético; 2) biomateriais xenógenos submetido à ligação cruzada para estabilização; 3) células presas em câmeras de difusão, microcápsulas ou que cresceram sobre substratos reabsorvíveis; 4) substâncias capazes de induzir a proliferação celular e tecidual (fatores de crescimento e morfogenes), destinadas e/ou implantadas em local adequado (SICCA et al., 2000). Podemos citar como exemplos de biomateriais: o osso liofilizado desmineralizado, osso anorgânico e vidro bioativo. Segundo Carvalho et al. (2004), deve-se ressaltar que estes biomateriais devem ter indicações precisas e não se deve exigir uma demanda biológica irreal como, por exemplo, a neoformação óssea a partir deles. Sabe-se que a neoformação óssea é um processo biológico que acontece, unicamente, às expensas da atividade osteoblástica e a qualidade do tecido ósseo neoformado quando da presença destes biomateriais, chamados de substitutos ósseos, não é igual para todos e depende do material, sua origem, das condições clínicas do local receptor e do domínio das indicações e de técnica cirúrgica.

19 Atualmente tem-se observado diversos trabalhos sobre o estudo da reparação óssea, utilizando os mais diversos biomateriais, tais como: polímero de mamona (JACQUES et al., 2004; LAUREANO FILHO et al., 2007), hidroxiapatita sintética (SOCCOL et al., 2006), β-tricálcio fosfato (FROTA, 2006), osso bovino orgânico (MARINS et al., 2004; PINHEIRO et al., 2003) e inorgânico (PINHEIRO et al., 2003; LIMEIRA JÚNIOR et al., 2003; ZAMBUZZI et al., 2006). Os derivados inorgânicos sintéticos como a hidroxiapatita e fosfato tricálcio, têm recebido grande atenção como materiais de preenchimento, espaçadores e substitutos para os enxertos ósseos, principalmente devido a sua biocompatibilidade, bioatividade e características de osteocondução em relação ao tecido hospedeiro (SICCA et al., 2000; MOREIRA et al., 2003). O papel de carreador dos fatores de indução óssea pode ser desempenhado pelo osso bovino cortical ou medular, macro ou microgranular, desproteinizado. Além de fornecerem uma estrutura de suporte e osteocondução, podem prover também um alto conteúdo de cálcio e fósforo, essenciais para a neoformação do tecido ósseo (SICCA et al., 2000; ZAMBUZZI et al., 2006). Mais recentemente, muitos pesquisadores demonstraram interesse na pesquisa de novos materiais que possam substituir osso perdido e permitir função semelhante. Entre estes destacamos especialmente os biopolímeros naturais, em particular a quitosana (PARK et al., 2003). Segundo Carvalho et al. (2004), os biomateriais devem possuir as seguintes propriedades: 1. Não induzir à formação de trombos como resultado do contato entre o sangue e o biomaterial; 2. Não induzir resposta imunológica adversa;

20 3. Não ser tóxico; 4. Não ser carcinogênico; 5. Não perturbar o fluxo sangüíneo. 6. Não produzir resposta inflamatória aguda ou crônica que impeça a diferenciação própria dos tecidos adjacentes. 2.4 CLASSIFICAÇÕES DOS BIOMATERIAIS Classificação quanto a origem Com relação à origem, os biomateriais são classificados em sintéticos e naturais (RAWLINGS, 1993). No caso dos materiais sintéticos são utilizados materiais como polímeros, metais, cerâmicas, e mais recentemente materiais compostos. Os de origem natural ainda podem ser classificados como autógenos, quando o tecido utilizado é proveniente de áreas doadoras do próprio indivíduo; alógenos ou homógenos, quando o doador é da mesma espécie que o receptor; heterógenos ou xenógenos, quando o material utilizado é originário de uma espécie diferente do receptor (bovino) (RAWLINGS, 1993; MELLONIG, 1998; WILLIAMS, 1987). A utilização de biomateriais sintéticos ou naturais como substitutos do tecido ósseo em contato com roscas de implantes expostas, assim como para preenchimento de defeitos ósseos, tem demonstrado, histologicamente, resultados satisfatórios (CANCIAN et al., 2004; BLOCK & KENT, 1997) Autólogo ou Autógeno

21 Marx & Saunders (1986) relatam que dentre os materiais biológicos os enxertos de origem autógena (do mesmo indivíduo) são os que apresentam melhor previsibilidade de regeneração óssea. Além de ser um material orgânico, seu emprego é fundamentado, principalmente, no conceito de osteogênese, onde células vivas são transplantadas para a região receptora junto com a matriz óssea autógena. Há um consenso de que o enxerto autógeno é o padrão ouro dentre os materiais de enxertos devido às propriedades osteocondutoras, osteoindutoras e osteogênicas (TRIPLETT & SCHOW, 1996). Os enxertos autógenos têm sido utilizados com índice de sucesso considerável, sendo que enxertos cortico-medulares apresentam alto potencial osteoindutor. Este tipo de material pode apresentar propriedades osteoindutoras pela presença da BMP (BOYNE et al., 1997). Tais propriedades conferem ao enxerto ósseo autógeno papel fundamental na formação de osso adequado para receber implantes (BOYNE & JAMES, 1980; SMILER et al., 1992; SMILER, 1993; WHEELER et al., 1998). Os materiais de enxertos autógenos são frequentemente preferidos pelo fato de serem biocompatíveis, não apresentam potencial imunogênico e, por serem provenientes do próprio paciente, não oferecem risco de transmissão de doenças, além do grande potencial osteogênico das células transplantadas (TOTH et al., 1995). Entretanto, sua aplicação está limitada a cada caso em particular, ao estado do paciente, à localização e ao tamanho do defeito. Além disso, apresentam inconvenientes que limitam seu uso na prática clínica exigindo, em alguns casos, procedimentos em ambiente hospitalar, aumento do tempo e custo cirúrgico, a necessidade de outro sítio cirúrgico intra ou extrabucal tornando esses procedimentos cirúrgicos mais invasivos e aumentando a morbidade e o desconforto para o paciente, além de alguma resistência por parte dos pacientes (BAGANBISA et al., 1990; SCHIMITT, et al., 1997).

22 Homógeno ou Alógeno Os biomateriais homógenos são obtidos de indivíduos de espécie semelhante ao receptor. Os implantes homógenos são os materiais que mais se aproximam dos enxertos autógenos (LYNCH et al., 1999; OKAMOTO et al., 1994). São enxertos transplantados entre indivíduos de mesma espécie, porém geneticamente diferentes. O tecido é obtido de osso humano, processado e estocado sob várias formas e tamanhos, em bancos de ossos para uso futuro (BUCK, 1994). Os aloenxertos são utilizados na tentativa de estimular a formação óssea em defeitos ósseos eliminando a agressão cirúrgica adicional associada ao uso de enxertos autógenos. No entanto, o uso de aloenxertos envolve um certo risco com relação a antigenicidade, muito embora sejam, usualmente, pré-tratados por congelamento, radiação ou agentes químicos, visando evitar reação de corpo estranho (LINDHE et al., 2005; OGATA et al., 2006). Os enxertos homógenos podem ser comercializados nas formas de osso trabecular de ilíaco congelado, enxertos de osso mineralizado liofilizado (FDBA) e enxertos de osso descalcificado liofilizado (DFDBA). Essas biomateriais atuam por diferentes mecanismos (GARG, 1999). O osso transplantado induz uma resposta imune o hospedeiro, sendo que os enxertos alógenos congelados são considerados os mais antigênicos e, por isso, são pouco utilizados (MISCH, 2000) Heterógeno ou Xenógeno Os enxertos xenógenos são obtidos de doadores de outra espécie sendo, mais comumente, abtidos de bovinos e, eventualmente, de suínos e caprinos (BAUER, 2000;

23 FONSECA, 1997) e são produzidos apartir da porção inorgânica do tecido ósseo, de origem animal e classificados como osteocondutores (MISCH, 2000). A matriz inorgânica do osso bovino é produzida apartir de osso cortical e esponjoso e contêm apatita carbonatada com composição química, porosidade e estruturas cristalinas compatíveis com o tecido ósseo humano. Segundo Tadjoedin et al. (2003), esse material é altamente osteocondutivo e, química e fisicamente semelhante ao osso humano. O enxerto xenógeno é uma alternativa ao osso autógeno, pois elimina os riscos cirúrgicos e a possibilidade de infecção, além de poder ser obtido a partir de fontes, virtualmente inesgotáveis (bovino), apresentando resultados previsíveis quando os princípios cirúrgicos, como ambiente estéril e manipulação correta, conforme orintações do fabricante são levadas em consideração. As desvantagens da utilização dos enxertos de origem bovina incluem a possibilidade de transmissão de doenças e a reação imune do hospedeiro ao material enxertado, em casos onde o enxerto apresente remanescentes de matriz orgânica, o que diminui a aceitação da utilização desses materiais pelos pacientes e pelos profissionais (CALLAN & ROHRER, 1993). Os materiais xenógenos vêm sendo pesquisados como biomateriais desde os anos 60, incluindo ensaios clínicos para o preenchimento de defeitos ósseos (MELCHER & DENT, 1962; SCOOP et al., 1966). Segundo Carneiro et al. (2005), o advento de novos biomateriais xenógenos, como o osso bovino que se comporta como promotor da reparação e carreador de fatores de indução óssea, parece representar o futuro da reconstrução de defeitos ósseos. Entretanto, há uma preocupação constante com a apresentação destes biomateriais, tais como: forma e tamanho. O papel de carreador dos fatores de indução óssea potencialmente pode ser desempenhado pelo osso bovino medular ou cortical, macro ou microgranular, desproteinizado ou desmineralizado.

24 O processamento do osso bovino pode resultar em dois tipos distintos de material: o inorgânico e o orgânico. O osso bovino inorgânico é livre de proteínas e células, e está caracterizado pelo elevado conteúdo de hidroxiapatita. A desproteinização é obtida através de tratamento térmico a temperaturas superiores a 3000C, mas quanto mais alta a temperatura, menor a possibilidade de bioabsorção do material. Por outro lado, o tratamento com solventes orgânicos, álcalis e ácidos com concentração e temperatura controlada leva à remoção de células, detritos celularese várias proteínas não colágenas, bem como a porção mineral, deixando um arcabouço protéico constituído basicamente de colágeno tipo I e pequena quantidade de fatores de crescimento, como a proteína morfogenética óssea. O osso bovino orgânico, adequadamente processado e desmineralizado, proporciona um material de enxerto poroso constituído principalmente de colágeno bovino tipo I, que apresenta grande homologia com o colágeno humano. Possui, ainda, traços de fatores de crescimento que podem estimular a osteogênese (SANADA et al., 2003). FIGURA 1 osso bovino inorgânico (CATÁLOGO GEISTLICH BIO-OSS, 2008).

25 FIGURA 2 Bio-Oss reidratado em solução de tetraciclina e inserido nos defeitos ao redor do implante. (SCHWARZ et al., 2006) Sintético ou Aloplástico Os biomateriais sintéticos ou aloplásticos podem ser de natureza metálica, cerâmica ou plástica. Esses materiais sintéticos são denominados como materiais de implante. Entretanto, esses implantes, em sua maioria, desempenham um papel fundamental no preenchimento dos espaços apresentados pelos defeitos ósseos, sem haver uma incorporação fisiológica (OKAMOTO, 1994). Biomateriais metálicos são aqueles que apresentam, quando na forma sólida, ligações metálicas em sua composição. Já os cerâmicos são aqueles obtidos pelo cozimento ou queima de minerais não metálicos, enquanto que os poliméricos seriam compostos formados pela combinação de unidades menores, unidas por ligações covalentes, formando macromoléculas, tais como a quitosana (WILLIAMS, 1987).

26 Materiais aloplásticos vêm sendo utilizados no preenchimento de cavidades ósseas na tentativa de induzir reparação óssea. No início dos anos 70, muitos pesquisadores começaram a estudar um grupo de materiais sintéticos constituídos de cerâmicas de fosfato de cálcio. Nos anos 80, uma série de artigos foi publicada, avaliando os diversos aspectos destas cerâmicas. Estes materiais são biocompatíveis, pois não induzem qualquer reação adversa, além de conter cálcio e fosfato, os quais são presentes no tecido ósseo (BUCHAIM et al., 2002). Dalapícula (2006) sustenta que a utilização de biomateriais sintéticos para substituição ou aumento dos tecidos biológicos sempre foi uma preocupação na área da saúde. Para suprir essa demanda, são confeccionados diversos biomateriais a partir de metais, cerâmicas, polímeros e, mais recentemente, compósitos. De acordo com Gutierres et al. (2006), é possível produzir materiais cerâmicos sintéticos com uma composição semelhante à matriz óssea inorgânica e sem limitações em termos de quantidade disponível. Entre eles, temos: 1) sulfato de cálcio, 2) biovidros e 3) materiais cerâmicos à base de fosfato de cálcio (fosfato tricálcio TCP, hidroxiapatita HA, biocompósitos à base de fosfato de cálcio e cimentos de cerâmica injetáveis). Segundo Stephan (1999), pesquisas têm mostrado que os biomateriais cerâmicos a base de fosfato de cálcio são seguros e efetivos para uma variedade de aplicações clínicas. As hidroxiapatitas de origem sintética e natural, o tricálciofosfato e as cerâmicas de vidro bioativo têm recebido maior atenção dos pesquisadores como biomateriais de substituição óssea. Três parâmetros são utilizados para estimar o comportamento de degradação das biocerâmicas: área de superfície, cristalinidade e substituição do carbonato (MONTEIRO et al., 2003). Um biomaterial cristalino possui uma organização atômica

27 bem definida, ao contrário de um material amorfo, que apresenta um formato de cristal irregular. A cristalinidade é uma propriedade que altera o índice de dissolução do biomaterial é dependente da temperatura de sinterização, com o aumento da temperatura, mais perfeita a forma do cristal e com isso menor o grau de degradação (CONZ et al., 2005). Quanto menos cristalino for o biomaterial, mais rápida será sua degradação e reabsorção (GROOT, 1983; DUCHEYNE & LEMONS, 1998; LEGEROS, 1988; WANG, 1996). Fosfatos de cálcio (CaP) ou cerâmicas fosfo-cálcicas (como denominadas pelo SUS) como a hidroxiapatita (HA) são boas opções ao uso de osso autólogo, materiais provenientes de banco de ossos e, principalmente, ao uso de enxertos de origem animal, que sofrem restrição em função do tecido animal e da região de onde provém o animal (ANVISA, 2002). A cerâmica de hidroxiapatita tem sido estudada por tratar-se de uma substância bioativa não tóxica, que provoca pouca reação tecidual, apresentando-se como um importante recurso para a substituição óssea (MOREIRA et al., 2003). Segundo Conz et al. (2005), materiais de fosfato de cálcio podem ser encontrados na natureza (hidroxiapatita de coral) ou sintetizados por métodos de precipitação que utilizam reagentes químicos. A hidroxiapatita, Ca10(PO4)6(OH)2, é a biocerâmica de fosfato de cálcio mais conhecida e estudada. Nas áreas médica e odontológica, o termo hidroxiapatita é muitas vezes usado para descrever os materiais de fosfato de cálcio. Geralmente, estas biocerâmicas são aceitas como osteocondutoras e não osteoindutoras. Soccol (2006) relata que a hidroxiapatita sintética consiste em um material inorgânico comumente usado em falha óssea e constituinte da fase mineral dos tecidos calcificados. Pode ser utilizada em defeito ósseo sem carga ou em falha onde a carga,

28 estresse de torção ou cisalhamento é neutralizado por implante rígido, como placa e parafusos. Tem sido mostrado que materiais denominados como hidroxiapatita pura apresentam biocompatibilidade diferente daqueles formados pela mistura de hidroxiapatita e fosfato tricálcio. Resultados preliminares utilizando cultura de células sugerem que a presença de maior porcentagem de microporos (< 10 μm) interfere negativamente com a biocompatibilidade da hidroxiapatita. Tais evidências sugerem que o comportamento biológico destas cerâmicas é dependente de vários fatores, tais como: composição química e características físicas finais do produto (ROSA et al., 2000). FIGURA 3 - hidroxiapatita sintética associada aoβ-tricalcio-fosfato Gen-Phos (CATÁLOGO GENIUS, 2009). Recentemente, pesquisadores têm mostrado interesse em novos materiais que favoreçam a formação óssea, especialmente os biopolímeros naturais, em particular a quitosana, um biopolímero hidrofílico obtido a partir da quitina, que parece apresentar potencial na reparação de defeitos ósseos (PARK et al., 2003).

29 A quitina é proveniente principalmente de carapaças de crustáceos, sendo também encontrada em insetos, molúscos e na parede celular de fungos. No entanto, toda a quitina comercialmente produzida é obtida dos resíduos das indústrias de processamento de crustáceos enquanto alimento. A quitosana é um polissacarídeo originado a partir da reação de destilação parcial de quitina, geralmente por tratamento alcalino, podendo ocorrer também naturalmente em alguns fungos (CHEN et al., 2005). Este material pode ser apresentado na forma de gel, pasta, membranas e em diferentes granulações do pó da quitosana, e passou-se a avaliar a possibilidade de sua utilização em sítios cirúrgicos ou em terapia periodontal não cirúrgica (GERENTES, 2002). Figura 4 - Esquema de preparação de quitina e quitosana a partir de exoesqueleto (carapaças) de crustáceos e fungos e suas aplicações (THARANATHAN, 2007).

30 A B FIGURA 5 - (a) cascas de camarão higienizadas, a matéria prima para a obtenção da quitina e (b) as cascas já trituradas, prontas para ser desproteinizadas e desmineralizadas (NETO, 2008). A B FIGURA 6 - (a) quitina em pó obtida durante a aplicação da metodologia e (b) quitosana em pó obtida a partir da quitina (NETO, 2008). Park et al. (2003) realizaram um estudo histológico em cães Beagle, para analisar o efeito da quitosana na regeneração de defeitos intra-ósseos (4 x 4mm), cirurgicamente criados. Os três grupos testados foram: grupo controle cirúrgico, no qual foi realizado apenas o retalho, grupo controle tampão, no qual a solução tampão fosfatada foi adicionada a uma esponja de colágeno, e o último grupo foi tratado com quitosana também em esponja de colágeno. O grupo que melhor manteve a migração apical de um epitélio juncional longo, e que teve maior regeneração de cemento e ainda maior quantidade de regeneração óssea alveolar foi o grupo quitosana. Não houve

31 diferença estatística significante entre os grupos quando se avaliou a extensão da adesão dos tecidos do ligamento. O biovidro ou vidro bioativo, é um material composto de sais de Cálcio e de Sódio, fosfato e dióxido de sílica. Em sua forma sólida tem sido usado em odontologia após exodontias e para manutenção de rebordo alveolar (DUCHEYNE, 1987; FROUN et al., 1998). Existem formas de Biovidros disponíveis no mercado, que são descritos na literatura como material sintético reabsorvível utilizado para tratamento de defeitos intraósseos decorrentes da doença periodontal bem como de defeitos resultantes de exodontias ou necessidade de aumento do rebordo alveolar, constituído de grânulos de vidro bioativo com diâmetro variando entre μm (SCHEPERS et al., 1993) ou 90 a 710 μm, que se transformam em câmaras de Fosfato de Cálcio onde irá ocorrer a formação óssea (WHEELER et al., 1998). Quando em contato com fluidos tissulares, o vidro bioativo desencadeia uma série de reações químicas, resultando na formação de Hidroxicarbonatoapatita (HCA) na superfície das partículas. Proteínas orgânicas como Sulfato de Condroitina e Glicosaminoglicanas incorporam-se à câmaras de Hidroxicarbonatoapatita (HCA), e os osteoblastos e constituintes orgânicos são atraídos por tais câmaras, levando à mineralização do tecido ósseo. A velocidade de crescimento ósseo ao redor do material tem se mostrado rápida, com osso neoformado denso (ANDEREG et al., 1999; WILSON et al., 1981). Sendo assim, pode-se dizer que os vidros bioativos apresentam propriedades osteocondutoras, ou seja, servem como arcabouço para as células formadoras de tecido ósseo (SCHEPERS et al., 1993). Os biovidros comercializados mais comuns são o PerioGlass e Biogran (SiO2;NaO/P2O5+CaO).

32 A ciência vem buscando, cada vez mais, uma alternativa mais efetiva e de menor morbidade na reconstrução de estruturas ósseas perdidas. Em 1965 foi isolada por Urist a Proteína Óssea Morfogenética (BMP), substância capaz de induzir a transformação das células mesenquimais indiferenciadas ou, também chamadas de células totipotentes em osteoblastos secretores com intuito da realizar a neoformação óssea. As BMPs são fundamentais para a reparação das fraturas e durante o desenvolvimento do esqueleto ósseo. Também se atribui à essa proteína a capacidade osteoindutiva do enxerto de osso autógeno e ao enxerto de matriz óssea desmineralizada do osso homógeno. Ela possui essa capacidade por se unir a específicos receptores das Células Mesenquimais Indiferenciadas (CMI) e transformá-las em células ósseo formadoras, essas proteínas são em número de mais de vinte diferentes tipos, mas apenas três, que são as de número 2, 6 e 9, têm comprovadamente a capacidade de induzir a migração, a proliferação e a diferenciação de CMI em osteoblastos secretores e formar osso. Através de um intenso trabalho de pesquisa na engenharia genética, conseguiram isolar a principal proteína para a regeneração óssea, a morfogenética tipo 2 (BMP-2), e derivaram sinteticamente esse componente (rhbmp-2), também chamada proteína recombinante morfogenética tipo 2. Esta tem um grande potencial osteogênico, basicamente ela induz as células mesenquimais pluripotenciais, com capacidade para se diferenciarem em células produtoras de tecido ósseo, chamados de osteoblastos secretores. São também agentes osteoindutores, sendo produzidas no interior de diferentes células e estocadas em elementos como plaquetas. Também podem ser considerados como agentes osseocondutores, pois propor-cionam um arcabouço para o crescimento ósseo, sendo progressivamente substituídos pelo osso. Para que ela funcione no rebordo alveolar, devido à ação deletéria das próteses muco-suportadas, deve haver a presença de uma proteção mecânica. A qual pode ser ou através de

33 membranas com reforço de titânio, ou através de placas de titânio, ou até mesmo através de telas desse mesmo material (ZÉTOLA et al., 2010). FIGURA 7 Célula mesenquimal indiferenciada (CMI) se unindo com a RhBMP-2 (ZÉTOLA et al., 2010). FIGURA 8 CMI se combinando com a rhbmp-2 para se transformarem em um pré-osteoblasto e finalmente se transformando em um osteoblasto secretor para iniciar a neoformação óssea (ZÉTOLA et al., 2010) Classificação quanto a reação biológica Biotolerado

34 É um material caracterizado pela presença de tecido conjuntivo fibroso entre o implante e o tecido ósseo (CARVALHO et al., 2004). Esses materiais não estabelecem um contato direto com os tecidos adjacentes, sendo isolados por meio da formação de uma camada envoltória de tecido fibroso. A formação desse tecido fibroso é interpretada como uma resposta do tecido ao material, que estimula as células adjacentes a sintetizar, secretar e manter um tecido conjuntivo na interface (KIESWETTER et al., 1996) Bioinerte Material caracterizado por uma neoformação óssea de contato, ou seja, estabelecem contato direto com o tecido ósseo cirundante (não há reação entre o leito e o implante). São materiais menos susceptíveis a causar uma reação biológica adversa devido a sua estabilidade química em comparação com outros materiais (CARVALHO et al., 2004; KOHN & DUCHEYNE, 1992) Bioativo Material caracterizado por induzir uma reação físico-química entre o implante e o osso. É o resultado de uma adaptação química e microestrutural com o tecido ósseo (CARVALHO et al., 2004). Como as cerâmicas de fosfato de cálcio e os vidros bioativos, não só estabelecem contato direto, como também interagem com os tecidos vizinhos estimulando a proliferação de células, a síntese de produtos específicos e a adesão celular (KIRKPATRIC, 1990).

35 O termo bioatividade foi usado primeiro para descrever a habilidade que certas composições de vidros, desenvolvidos no fim da década de 60 e início da de 70, têm de se ligarem ao tecido ósseo circundante ao biomaterial, induzindo a formação de uma camada de hidroxiapatita (HA) em sua superfície (DUCHEYNE, 1998). Sabe-se que outros materiais cerâmicos como a HA sintética, o fosfato tricálcio sintetizado a algumas vitro-cerâmicas também podem ser bioativos sob certas condições de síntese (KOKUBO, 1991) Classificação quanto a característica física Os biomateriais podem ser inorgânicos ou mineralizados quando, por meio de processo químico, os componentes orgânicos são removidos e a matriz inorgânica é preparada na forma de grânulos com dimensões variadas (NOVAES, 2000), desmineralizados quando, por meio de processo químico, os componentes inorgânicos e celulares são removidos permanecendo os componentes da matriz extracelular, podendo ou não incluir as BMPs ou frescos quando o material é obtido e utilizado sem nenhum tipo de processamento (GARG, 1999) Classificação quanto a propriedade biológica Os biomateriais podem também ser classificados de acordo com seu mecanismo de ação em osteogênicos, osteoindutores, osteopromotores e osteocondutores. Mudanças tecnológicas na produção dos biomateriais e na obtenção dos substitutos ósseos são responsáveis por conferir a estes materiais características de osteoindução,

36 osteocondução ou osteogênese, e estes fatores são o grande foco atual da bioengenharia (CARVALHO et al., 2004) Osteocondução É a habilidade para suportar o crescimento ósseo ao longo de uma superfície de contato. A capacidade osteocondutora é atribuída ao material, geralmente inorgânico, que orienta a proliferação celular, permitindo a aposição de tecido ósseo originado de células osteoprogenitoras já existentes (SANADA et al., 2003). A osteocondução referese a capacidade do biomaterial em conduzir o desenvolvimento de novo tecido ósseo através de sua matriz de suporte (arcabouço). A matriz deve ser reabsorvida e simultaneamente substituída pelo tecido ósseo. Assim, os materiais osteocondutores são biocompatíveis e formam um arcabouço para deposição e proliferação celular com atividade osteoblástica. Se um material osteocondutor for inserido em um local ectópico (não ósseo), isto é, subcutâneo, ele não estimula neoformação óssea, ao contrário os materiais permanecem relativamente inalterados encapsulados ou reabsorvem. Os materiais osteocondutores mais comuns usados na Implantodontia são os aloplásticos e os heterógenos (CARVALHO et al., 2004) Osteoindução É a habilidade para induzir células mesenquimais indiferenciadas a se diferenciarem em osteoblastos (SANADA et al., 2003). O processo de osteoindução envolve a formação de novo osso a partir das células osteoprogenitoras do leito

37 receptor, derivadas das células mesenquimais indiferenciadas, que se diferenciam sob a influência de um ou mais agentes indutores. Os materiais homógenos e os autógenos são os agentes osteoindutores mais usados em Implantodontia, embora o plasma rico em plaquetas e os fatores de crescimento recombinates também possuam propriedade osteoindutora (CARVALHO et al., 2004). O osso liofilizado desmineralizado apresenta diferenças no potencial de osteoindução conforme o método de obtenção, tempo de retirada do osso após morte do doador, temperatura de armazenamento, tamanho de partícula e idade do doador (SCHWARTZ et al., 1996). No entanto, mais recentemente, tem sido questionada a função osteoindutora da maioria dos substitutos ósseos (LI et al., 2000) Osteopromoção É a habilidade para atuar separando células com características distintas, como fibroblastos e osteoblastos. Na regeneração tecidual guiada os materiais osteopromotores buscam impedir que fibroblastos proliferem para dentro da região do defeito ósseo em detrimento dos osteoblastos que proliferam mais lentamente (SANADA et al., 2003). É caracterizado pelo uso de meios físicos (membranas ou barreiras) que promovem o isolamento anatômico de um local, permitindo a seleção e proliferação de um grupo de células, predominantemente osteoblastos, a partir do leito receptor e simultaneamente impedem a ação de fatores concorrentes inibitórios ao processo de regeneração. Nesta técnica é imperioso que haja um espaço biológico entre a barreira ou membrana e o defeito ósseo (CARVALHO et al., 2004). A regeneração óssea guiada é a técnica que usa a osteopromoção como princípio biológico. Está indicada para a regeneração óssea em alvéolos frescos; defeitos ósseos

38 que tenham paredes ósseas remanescentes; para promover a neoformação óssea ao redor de implantes instalados imediatamente após a exodontia; ou para corrigir perda óssea (periimplantar) que ocorreram após a osseointegração (NOVAES et al., 2002) Osteogênese É a habilidade para estimular a formação de osso diretamente a partir de osteoblastos, o que é feito geralmente por materiais orgânicos. Osteogênese é o processo pelo qual células ósseas vivas são enxertadas em um leito receptor e permanecem com a capacidade de formação de novo tecido ósseo (SICCA et al., 2000; CARVALHO et al., 2004). O osso autógeno é o único biomaterial disponível com propriedade osteogênica. A sua forma mais eficaz é o osso esponjoso, que contém a maior concentração de células ósseas. O novo osso é regenerado pelos osteoblastos endósseos e pelas células que se originam na medula transferidas junto ao enxerto (MELLONIG et al., 1998) Outras classificações Os biomateriais podem ainda ser classificados como bioestáveis (permanentes, utilizados na substituição por tempo indeterminado, de um tecido lesado, devendo possuir características mecânicas e físico-químicas compatíveis com tal função) e bioabsorvíveis (temporários, substituindo tecidos que necessitam de um suporte que preencha apenas temporariamente a região lesada, até que a recomposição tecidual se concretize, ou ainda que direcione o processo regenerativo (TORMALA, 1998). HA (Osteosynt) Bio-Oss Osso desmineralizado Vidro bioativo Osso autógeno Membrana

39 Quanto a origem Autógena X Homógena X Heterógena X Aloplástica X X X Quanto a reação Biológica Biotolerado Bioinerte X X X X X Bioativo Quanto a característica física Fresco X Inorgânico ou mineral X X X Desmineralizado X Quanto a propriedade biológica Osteocondutor X X X X X Osteoindutor X Osteogenético X Osteopromotor X QUADRO 1 Classificação dos biomateriais (CARVALHO et al., 2004). 2.5 INDICAÇÕES PARA O USO DOS BIOMATERIAIS Em Implantodontia, a preocupação do profissional no ato da exodontia, é avaliar a possibilidade de instalar implantes imediatos e, com isso, evitar a perda óssea em volume do alvéolo. No entanto, é de conhecimento corrente que o implante, para ter previsibilidade de sucesso, deve ter estabilidade inicial que é conferida pela quantidade e qualidade óssea na região e pelo desenho do implante. Quando não é possível instalar implantes imediatamente após a exodontia, o processo alveolar, dependendo da espessura da tábua óssea vestibular, pode reabsorver e, como conseqüência, apresentar depressão na superfície vestibular, o que implicaria a necessidade de enxertos ósseos autógenos em bloco (CARVALHO et al., 2004).

40 Na maxila anterior há perda de 25% de volume ósseo no primeiro ano e de 40 a 60% de espessura até o terceiro ano pós-exondontia (CARLSSON et al., 1967). Já na região posterior, há perda óssea alveolar de 50% no mesmo período; no entanto, devese considerar que o volume inicial da maxila posterior é duas vezes maior do que a maxila anterior (MISCH, 2000). Ulm et al. (1992), ao avaliarem a redução do osso compacto e do osso esponjoso em mandíbulas desdentadas, citam que a mandíbula perde 60% da sua substância óssea original e que a maior redução ocorre na área do 2o pré-molar e 1o molar inferior. Assim, a conseqüência de uma exodontia torna-se preocupante para o implantodontista que deve utilizar técnicas que possibilitem a manutenção do volume do processo alveolar e instalação de implante posteriormente. A regeneração óssea guiada é uma técnica a ser utilizada nestes casos, e se houver estrutura óssea que suporte a membrana mantendo o espaço biológico não há necessidade de utilizar biomateriais no alvéolo. Caso não haja esta condição, pode-se utilizar osso desmineralizado (de origem homógena ou heterógena), vidro bioativo ou osso autógeno em partículas para evitar que a membrana colabe e perca o espaço biológico. No caso de haver tábua óssea vestibular delgada, muito comum na maxila anterior, pode-se preencher o alvéolo com osso desminerizado, vidro bioativo ou osso autógeno em partículas. Sugere-se que os implantes devam ser instalados 120 dias após o preenchimento do alvéolo. E quando utilizar o vidro bioativo, o período de reparo alveolar deve ser, no mínimo, de 180 dias. Existem casos, considerados limítrofes para instalação dos implantes, em que o tecido ósseo remanescente é suficiente para estabilizar o implante; no entanto, há deficiência de contorno de rebordo vestibular, o que provoca, no momento da instalação do implante, fenestração parcial da tábua óssea vestibular. Nestes casos, os biomateriais podem ser utilizados com o objetivo de melhorar o contorno do rebordo e, como

41 conseqüência, a harmonia da prótese considerando as dimensões dos dentes e o volume gengival. Os materiais mais indicados nestes casos são os inorgânicos (hidroxiapatita sintética ou de origem homógena ou heterógena) que mantêm o volume e não são reabsorvidos. Quando houver a utilização destes biomateriais deve-se usar as membranas para proteger a área e evitar que haja deslocamento do biomaterial. Nestes casos, não se espera neoformação óssea na área que recebeu o material. O importante é que haja manutenção do contorno do rebordo sem exposição do biomaterial, que é a contaminação e, como conseqüência, o fracasso do procedimento cirúrgico. Pode-se, ainda, utilizar o osso autógeno em forma de partículas o que seria, biologicamente, mais favorável. Para evitar a complicação de exposição do material, o paciente deverá ser bem selecionado e apresentar tecido gengival espesso e queratinizado. Clinicamente, no momento da reabertura dos implantes, observa-se parte do material junto ao tecido gengival e parte dele constituindo uma massa mineralizada aderida ao osso. Para este procedimento, deve-se evitar o uso de materiais desmineralizados e vidros bioativos (CARVALHO et al., 2004). Quando se instalam implantes imediatamente após as exodontias, entre as paredes ósseas alveolares do terço cervical e o implante permanece um espaço que se denomina diastase. Este espaço é preenchido por coágulo, mas pode ser protegido com membrana com ou sem o preenchimento de espaço com biomateriais. Como os biomateriais, nestes casos, ficam aprisionados pelas paredes ósseas, pode-se utilizar tanto os materiais desmineralizados, mineralizados, vidro bioativo ou osso autógeno particulado. O que se pretende com este procedimento é o preenchimento do espaço por osso neoformado. No entanto, há dúvidas se ocorre neste espaço o fenômeno da osseointegração (CARVALHO et al., 2004).

42 No caso de processos alveolares atróficos em espessura e/ou altura, os blocos ósseos autógenos estão indicados e há contra-indicação para o uso de materiais homógenos, heterógenos ou aloplásticos. Pode-se obter osso da crista do ilíaco, calota craniana, mento ou linha obliqua, e a seleção da área doadora depende da relação cortiço medular e da quantidade de osso que será necessária para a reconstrução. Sugere-se que para as reconstruções totais sejam indicadas crista do ilíaco e a calota craniana. Quando a reconstrução engloba altura e espessura simultaneamente, a crista do ilíaco é mais indicada. Já para as reconstruções parciais, com perdas individuais ou para dois elementos dentários, a linha oblíqua pode ser indicada e, em até quatro elementos, o mento seria a indicação mais precisa (CARVALHO et al., 2004). O Brasil apresenta um número enorme de pessoas edentulas. As pessoas que apresentam ausências dentárias sofrem o processo de pneumatização de seio maxilar podendo atingir grandes volumes (BERGH et al., 2000). A reabilitação é necessária nestes indivíduos, entretanto técnicas reabilitacionais de elevação de seio maxilar podem permitir a colocação de implantes (BOYNE & JAMES, 1980; TATUM, 1986), com enxerto ósseo autógeno próprio paciente e auxílio de biomateriais com excelentes resultados. A utilização de enxertos pode ser benéficas com a técnica de sinus lifting, evitando obtenção de osso autólogo de crista de osso ilíaco, que necessita de internação e cirurgia geral. A utilização de biomateriais em cirurgias de enxertos de elevação de seio maxilar vem sendo utilizadas com freqüência, sendo que sucessos convincentes foram demonstrados com esses materiais conforme (YILDIRIM et al., 2000; TADJOEDIN et al., 2003). Para evitar a perda do volume inicial conseguido imediatamente após o enxerto, os autores recomendam a utilização de materiais mineralizados como hidroxiapatitas

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução Biomateriais Excelência e Evolução Catálogo Biomateriais Empresa Linha de Produtos Inovação com qualidade A Bionnovation é uma empresa brasileira especializada na fabricação de biomateriais, que oferece

Leia mais

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Dra. Patricia Fretes Coord. do curso de atualização em Implantodontia IOA PY Profa. adjunta do curso de especialização em Implantodontia IOA PY Especialista em Implantes

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO Data: 19 a 23 de agosto de 2013. PROFESSORES Prof. Dr. Júlio César Joly Especialista em Periodontia CFO Mestre e Doutor em Clínica

Leia mais

FUNORTE FACULDADE UNIDADES DO NORTE DE MINAS NÚCLEO SALVADOR IAPPEM - INSTITUTO AGENOR PAIVA DE PÓS-GRADUAÇÃO DEMÉTRIO SILVINO BARROS FILHO

FUNORTE FACULDADE UNIDADES DO NORTE DE MINAS NÚCLEO SALVADOR IAPPEM - INSTITUTO AGENOR PAIVA DE PÓS-GRADUAÇÃO DEMÉTRIO SILVINO BARROS FILHO 0 FUNORTE FACULDADE UNIDADES DO NORTE DE MINAS NÚCLEO SALVADOR IAPPEM - INSTITUTO AGENOR PAIVA DE PÓS-GRADUAÇÃO DEMÉTRIO SILVINO BARROS FILHO A EFICIÊNCIA DOS BIOMATERIAIS EM IMPLANTODONTIA SALVADOR/BA

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt Biomateriais Recriar a Biologia Texto: ANA ALBERNAZ 28 Mesmo em época de crise económica em que o investimento em Investigação e desenvolvimento abrandou, continuam a surgir novos diária e cujo valor é

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas Bruno Salles Sotto Maior 1 Henrique Furlani Sotto Maior 2 Rodrigo Guerra de Oliveira 3

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

Medbone da Ideia à Prática

Medbone da Ideia à Prática Medbone da Ideia à Prática V xåecdd Cascais 27 e 28 de outubro 1ª Conferência Ibérica de Empreendedorismo 28 de Outubro 2011 Especialistas em Reparação e Regeneração Óssea Toda a informação contida neste

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado Os seus dentes, naturalmente sãos PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado PRGF -Endoret O QUE É O PLASMA RICO EM FACTORES DE CRESCIMENTO? INVESTIGAÇÃO

Leia mais

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na 13 2 Hidroxiapatita 2.1. Aplicações biomédicas da hidroxiapatita A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea André Montillo UVA Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea O Tecido ósseo é o único que no final de sua cicatrização originará tecido ósseo verdadeiro e não fibrose como os demais tecidos

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS BIOMATERIAIS NA RECONSTRUÇÃO ÓSSEA VISANDO INSTALAÇÃO DE IMPLANTES MARIA MARTA DE CARVALHO Monografia apresentada ao programa Especialização em Implantodontia

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Ossos Resumo da aula Classificação Estrutura óssea Funções Remodelagem Cargas Torque/ Momento Stress em função da Geometria Óssea Resumo da aula Esqueleto axial

Leia mais

Biomateriais aplicados a Implantodontia

Biomateriais aplicados a Implantodontia de Carvalho PSP Rosa AL Bassi APF Pereira LAVD Biomateriais aplicados a Implantodontia Biomaterials applied to Implantology Paulo Sérgio Perri de Carvalho* Adalberto Luiz Rosa** Ana Paula Farnezi Bassi***

Leia mais

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas SOLUÇÃO PARA: Odontologia ODONTOLOGIA TECNOLOGIA PARA: Implantodontia, Periodontia, Endodontia e Bucomaxilo. Vista Aérea - Parque Industrial Baumer - Mogi Mirim -

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) Chamada Pública Universal 03/2006 1.1. N do Contrato:

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina 36 Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina Horizontal augmentation of anterior maxillary alveolar ridge using bovine bone graft Célia Maria Braga 1 Juliana de

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

FUNORTE FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO DE JI-PARANÁ RO WANDERLUCE BARBOSA SILVA

FUNORTE FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO DE JI-PARANÁ RO WANDERLUCE BARBOSA SILVA FUNORTE FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO DE JI-PARANÁ RO WANDERLUCE BARBOSA SILVA BIOMATERIAIS UTILIZADOS NA TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR ABERTA JI-PARANÁ 2012 1 WANDERLUCE BARBOSA

Leia mais

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante Carga ou Função Imediata sobre Implantes Perda do elemento dental Coágulo O início Degradação ação da cortical alveolar periodontal Regeneração óssea Tratamento Prótese fixa convencional => sem estímulo

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Buco Maxilo Facial Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Sistema de Buco Maxilo Facial Os princípios biomecânicos da osteossíntese com placas aplicável a mandíbula culminou

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS GABINETE DO VEREADOR ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS GABINETE DO VEREADOR ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº048/2015. Institui no Calendário Oficial do Município o Dia de Conscientização de Doação ao Transplante de Fígado, a ser celebrado anualmente no dia 27 de setembro, e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS NARJHARA PALMA SOARES UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR Brasília, 2012 NARJHARA PALMA SOARES

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br M!K! Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br Objetivos Tipos de consolidação: Primária e Secundária Tipos de estabilidade: Absoluta e Relativa O Osso 1 Estrutura Óssea OSTEOCLASTOS OSTEOBLASTOS MATRIZ

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA DALVO VIEIRA DE OLIVEIRA

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA DALVO VIEIRA DE OLIVEIRA 0 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA DALVO VIEIRA DE OLIVEIRA MATERIAIS PARA ENXERTOS EM CIRURGIAS DE ELEVAÇÃO DO ASSOALHO DO SEIO MAXILAR PASSO

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Regeneração Membranas de Colagénio

Regeneração Membranas de Colagénio Regeneração Membranas de Colagénio Membrana Dentária Colagénio A Membrana Dentária GT-Medical é fabricada com Atelo-colagénio de tipo I, sem ligações cruzadas adicionais e com uma matriz semi-translúcida,

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica

Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica SIEXBRASIL: 17707 Área Temática Principal: Saúde Área Temática Secundária: Atenção à saúde e qualidade de vida das pessoas.

Leia mais

Tecnologias Associadas às Aplicações Industriais Biomateriais Poliméricos Dionatan Arruda João Paulo Luiz Otávio Pedro Eugênio Trabalho desenvolvido durante a disciplina CTT211 Ciência e Tecnologia dos

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

A nova dimensão na regeneração do tecido mole

A nova dimensão na regeneração do tecido mole A nova dimensão na regeneração do tecido mole Geistlich Mucograft : a matriz 3D... Seguindo sua tradição de pioneiro, com a Geistlich Mucograft, a nova matriz 3D, a Geistlich leva a regeneração do tecido

Leia mais

PADINACTIVE NUTRI Extrato padronizado da alga Padina pavonica

PADINACTIVE NUTRI Extrato padronizado da alga Padina pavonica PADINACTIVE NUTRI Extrato padronizado da alga Padina pavonica Associado de PADINACTIVE SKIN Evolução no conceito IN/OUT para rejuvenescimento Nutriente, rico em Maltanedienol, capaz de ativar os fibroblastos

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 10 CAPA Tire suas dúvidas so O avanço na profissão tem sido responsável pelo aprimoramento de técnicas para

Leia mais

ELETROSTÁTICA 214EE. Figura 1

ELETROSTÁTICA 214EE. Figura 1 1 T E O R I A 1. CARGA ELÉTRICA A carga elétrica é uma propriedade física inerente aos prótons e elétrons (os nêutrons não possuem esta propriedade) que confere a eles a capacidade de interação mútua.

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Verônica Araceli Aquino Monteiro

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Verônica Araceli Aquino Monteiro Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Verônica Araceli Aquino Monteiro Enxertia óssea associada a implantes imediatos ou tardios. CURITIBA 2012 Verônica Araceli Aquino Coitino Monteiro

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS CÉLULA Unidade fundamental dos seres vivos Menor estrutura biológica capaz de ter vida autônoma Átomos Moléculas Estruturas supramoleculares Células tecidos órgãos Sistemas

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Capítulo VII. Biotecnologia da Saúde

Capítulo VII. Biotecnologia da Saúde Capítulo VII Biotecnologia da Saúde 1 Terapia génica e novas vacinas Terapia génica Vectores virais para transferência de DNA: Retrovírus Adenovírus Vírus adeno-associados Vírus herpes simplex tipo 1 Vectores

Leia mais