XI Curso de Formação de Gestores e Educadores, Educação Inclusiva: direito à diversidade. Genética e a Inteligência 20/05/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XI Curso de Formação de Gestores e Educadores, Educação Inclusiva: direito à diversidade. Genética e a Inteligência 20/05/2015"

Transcrição

1 XI Curso de Formação de Gestores e Educadores, Educação Inclusiva: direito à diversidade Genética e a Inteligência 20/05/2015

2 Biologia e Psicologia, Atuação no processo de inclusão escolar Genética Humana e as causas do nascimento de crianças com deficiências (gênicas e cromossômicas); Genética da inteligência, do comportamento e dos distúrbios mentais Genética e Evolução comportamento humano.

3 Núcleos de Ensino UNESP

4 Atuação do Psicólogo na Educação Básica

5 Deficiência Intelectual Funcionamento intelectual significativamente inferior à média, acompanhado de limitações significativas no funcionamento adaptativo em pelo menos duas das seguintes áreas de habilidades (DSM IV): comunicação, autocuidados, vida doméstica, habilidades sociais, relacionamento interpessoal, uso de recursos comunitários, autossuficiência, habilidades acadêmicas, trabalho, lazer, saúde e segurança.

6 DSM-5 - TRANSTORNOS DO NEURODESENVOLVIMENTO Deficiência intelectual (transtorno do desenvolvimento intelectual) é um transtorno com início no período do desenvolvimento que inclui déficits funcionais, tanto intelectuais quanto adaptativos, nos domínios conceitual, social e prático. Os três critérios a seguir devem ser preenchidos: A. Déficits em funções intelectuais como raciocínio, solução de problemas, planejamento, pensamento abstrato, juízo, aprendizagem acadêmica e aprendizagem pela experiência confirmados tanto pela avaliação clínica quanto por testes de inteligência padronizados e individualizados.

7 Deficiência intelectual (transtorno do desenvolvimento intelectual) B. Déficits em funções adaptativas que resultam em fracasso para atingir padrões de desenvolvimento e socioculturais em relação a independência pessoal e responsabilidade social. Sem apoio continuado, os déficits de adaptação limitam o funcionamento em uma ou mais atividades diárias, como comunicação, participação social e vida independente, e em múltiplos ambientes, como em casa, na escola, no local de trabalho e na comunidade. C. Início dos déficits intelectuais e adaptativos durante o período do desenvolvimento...

8 Deficiência Intelectual 10% da população em países em desenvolvimento, possuem de algum tipo de deficiência (OMS), sendo que metade destes possuem Deficiência Intelectual (está diretamente correlacionado ao grau de desenvolvimento de um país) Relatório 15%? Nos países desenvolvidos, a porcentagem de jovens de até 18 anos que possuem Deficiência Intelectual grave se situa entre 0,5 e o 2,5% E chega a 4,6%, nos países em desenvolvimento.

9 45,6 M declararam ter algum tipo de deficiência Fonte: IBGE

10 IBGE CENSO 2010 São Paulo

11 IBGE CENSO 2010 Ourinhos

12

13

14 Deficiência Intelectual 3 a 5% da População apresenta Deficiência Intelectual (4%) CAUSAS % BR SP Todas População Total 4% Recessivas 5 % Gênicas Dominantes 1 % Ligada ao X 1 % Poligenes 15 % Síndrome de Down 10 % Cromosômicas Outras anomalias 2 % cromossômicas Anomalias nos 3 % cromossomos sexuais Doenças específicas: Ambientais infecções e lesão cerebral 5 % Várias 15 % Desconhecidas - 43 % Brasil São Paulo (CENSO 2010 IBGE)

15 Exemplos de Causas de DI

16 ERROS METABÓLICOS Conceitos básicos Anemia Falciforme Principais erros metabólicos Galactosemia Mucopolissacaridoses Fenilcetonúria, Tirosinemia, Alcaptonúria Doença de Gaucher; Niemann-Pick; Tay-Sachs Doença de Wilson Síndrome de Lesch-Nyhan Fibrose cística Distrofias Musculares Mapa Genético Humano (principais exemplos)

17 Online Mendelian Inheritance in Man

18 Mapas Gênicos Cromossomo 1 Doença de Gaucher Neuropatias Cromossomo 2 Distrofia muscular 2B Cromossomo 3 MPS IV Alcaptonúria Cromossomo 4 Acondroplasia Coréia de Huntington MPS I PKU (dhp redutase) Distrofia muscular Facioscapulohumeral

19 Fenilcetonúria (PKU) Ausência da enzima Hidroxilase da Fenilalanina Causado por gene autossômico recessivo (4p; 12q) Aumento da fenilalanina sérica e excreção de ácido fenilpirúvico e seus derivados na urina Cromatografia > 20 mg/100 ml de sangue Deficiência intelectual, distúrbios neurológicos com anormalidades eletroencefalográficas, incapacidade motora, incontinência esfincteriana, tremores, hipertensão muscular, ausência de mielinização, cabelos, pele e olhos claros, eczema. Teste do "pezinho" Dieta com pouca Fenilalanina (LOFENALAC)

20 Bloqueio na Via Metabólica Fenilalanina Ac. Fenilpirúvico Fenilalanina Hidroxilase 1 Fenilcetonúria Ac. Feniláctico Tirosina Morte na Infância 3. Albinismo (Tirosina +) Feniletilalanina Ac Hidroxifenilpirúvico Tirosinase Dihidroxifenilalanina (DOPA) Ac Homogentísico Oxidase Ac. Homogentísico 2 Alcaptonúria Ac Maleilacetoacético Melanina 4. Albinismo (Tirosina -) Ac Fumarilacetoacético Fumarato + Aceto Acetato CO 2 + H 2 O

21 Síndrome do X Frágil Mais freqüente forma de deficiência intelectual hereditária em homens, com uma freqüência em torno de 1/ A mutação responsável geralmente consiste no aumento do número de repetições de nucleotídeo instáveis (CGG). O indivíduo normal tem de 6 a 54 repetições Tanto os homens quanto mulheres portadoras da rémutação possuem 54 a 200 repetições

22 Distrofias Musculares Doença caracterizada pela perda gradual do músculo esquelético. O prognóstico progressivo com diminuição da massa muscular e conseqüente enfraquecimento até o confinamento em cadeira de rodas e morte.tem caráter degenerativo, progressivo e irreversível Existem 4 formas clínicas principais: padrão de herança idade do aparecimento dos primeiros sinais distribuição dos músculos inicialmente envolvidos. No tipo Duchenne os sintomas aparecem antes dos 5 anos, nos músculos da pélvis e costas, resultando numa deformação da coluna. Causada por um gene recessivo ligado ao X, sendo assim, atinge geralmente garotos.

23 Distrofias Musculares Formas de distrofia muscular no Homem e respectivos tipos de herança e localização cromossômica dos genes associados

24 Análise dos Cromossomos Humanos Preparação do cariótipo - Moorhead (1960) com modificações um grande número de células em divisão. Em metáfase (maior compactação)

25

26 Cariótipo Humano Normal Feminino - 16 cromossomos no grupo C - 4 cromossomos no grupo G Masculino - 15 cromossomos no grupo C - 5 cromossomos no grupo G

27 Identificação dos Cromossomos Humanos utilizando a técnica de Hibridação In-Situ por Fluorescência Speicher e col. (1996) desenvolveram a técnica de múltipla Hibridação in situ por Fluorescência, ou seja, desenvolveram um conjunto de filtros para fluorescência e um software de computador capaz de detectar e discriminar 27 diferentes tons

28 Pequenas alterações cromossômicas detectadas através do método FISH Williams syndrome del(7)(q11.23) Prader-Willi syndrome del(15)(q12) Angelman syndrome del(15)(q12) Miller-Dieker syndrome/ Isolated lissencephaly del(17)(p13.3) Charcot-Marie-Tooth disease (Type 1A) dup(17)(p12) Hereditary neuropathy del(17)(p12) Smith-Magenis syndrome del(17)(p11.2) DiGeorge syndrome/ Velocardiofacial syndrome del(22)(q11.2) Glycerol kinase deficiency-adrenal hypoplasia del(x)(p21) congenita Steroid sulfatase deficiency/ Kallman syndrome del(x)(p22.3)

29

30 Aneuploidias Autossômicas (cromossomos não sexuais) S. Down - 47, XX ou XY +21 S. Patau - 47, XX ou XY +13 S. Edwards - 47, XX ou XY +18 Mosaicismo 47, XX ou XY +8 / Normal Mosaicismo 47, XX ou XY +9 / Normal Alossômicas (cromossomos sexuais) S. Turner - 45, X0 S. Klinefelter - 47, XXY S. Triplo X - 47, XXX; 48, XXXX S XYY - 47, XYY

31 SÍNDROME DE DOWN - Resultados combinados de 11 estudos demonstrou as seguintes freqüências relativas de tipos particulares de alterações cromossômicas na síndrome de Down: Trissomia 21 completa 94,3% Trissomia 21/mosaicismo normal 2,4% Casos de translocação (D/G = G/G) 3,3% Health Care Guidelines

32 Inteligência é Genética? Existem fatores hereditários associados a inteligência?

33 FSP 27/03/2015

34 Inteligência ( Psicol.)- Capacidade de resolver situações problemáticas novas mediante reestruturação dos dados perceptivos (Aurélio, 1999); A inteligência humana além da integração dos sentidos, apreensão da realidade e capacidade de agir, pode ser definida como atributo mental multifatorial, envolvendo a linguagem, o pensamento, a memória, a consciência; A inteligência pode ser considerada um atributo mental que combina muitos processos mentais, naturalmente dirigidos à adaptação à realidade.

35

36 Como provar a existência desses fatores genéticos? Como quantificá-los?

37

38 Estimativas dos efeitos genéticos e ambientais em trabalhos recentes com gêmeos. A - variância genética aditiva (herdabilidade) C - variância devido ao ambiente compartilhado E - variância ambiental

39 Herdabilidade O primeiro aspecto a ser analisado é como quantificar a participação genética na expressão de uma característica, como p. ex. a inteligência A estimativa da HERDABILIDADE possibilita essa quantificação da variação de natureza genética de um determinado traço em uma dada população. Há varias formas de se estimar a Herdabilidade de uma característica (métodos: Geral; dos Gêmeos e dos Filhos Adotivos)

40 Conceitos Básicos: Método dos Gêmeos Gêmeos monozigóticos compartilham 100% genes e boa parte do ambiente; Gêmeos dizigóticos compartilham 50% genes e boa parte do ambiente; Irmãos compartilham 50% genes e uma porção reduzida do ambiente;

41 Cálculo da Herdabilidade Método dos Gêmeos (Saldanha, 1980) H = Cmz - Cdz Cdz Cmz = concordância entre monozigóticos Cdz = concordância entre dizigóticos

42 Genética e a Habilidade Cognitiva Geral Inteligência ou g Definição objetiva: Capacidade de resolver problemas de teste que avaliam a habilidade cognitiva geral Na Tabela abaixo podemos visualizar o cálculo da herdabilidade segundo o método dos gêmeos. Gêmeos Número Concordantes Discordantes Monozigóticos (81%) 28 (19%) Dizigóticos (35%) 130 (65%) Herdabilidade = (81-35)/(100-35) = 71%

43 Cálculo da Herdabilidade - Gêmeos Plomin e cols Criados Juntos Criados Separados MZ DZ MZ DZ Extroversão 0,54 0,06 0,30 0,04 MZ criados juntos e separados diferem somente quanto ao ambiente, sendo assim a diferença na correlação (0,54-0,30) representa o efeito dos fatores ambientas nos MZ. Por outro lado, em relação aos DZ o resultado é de somente 0,02. Conseqüentemente estes resultados colocam em dúvida a premissa de ambiente-equivalente para o cálculo da Herdabilidade

44 GENÉTICA E INTELIGÊNCIA Qual o mecanismo de herança das características do comportamento?

45 HERANÇA POLIGÊNICA Herança quantitativa - vários pares de genes atuam aditivamente na expressão de uma característica que apresenta variação contínua na população. Pode ser multifatorial quando sofre influência de fatores ambientais Ex. peso estatura, cor da pele e a maior parte das características POLIGENE - gene que individualmente exerce um leve efeito em um traço, mas, em conjunção com poucos ou muitos genes, controla uma característica quantitativa A herança de traços poligênicos, portanto, depende da ação cumulativa ou aditiva de vários ou muitos genes, cada um dos quais produz uma pequena proporção do efeito total

46 Herança Poligênica Multifatorial O Termo Poligênico significa que existem vários pares de genes que atuam aditivamente na expressão de uma característica. Multifatorial significa interação de fatores genéticos e ambientais na expressão de uma característica. Portanto há um conjunto de genes que atuam aditivamente na predisposição a um determinado nível de inteligência e estes interagem com os fatores ambientais (como alimentação; educação) que determinarão esse nível intelectual.

47 GENÉTICA E INTELIGÊNCIA Qual a participação dos fatores ambientais?

48

49 GENÉTICA E INTELIGÊNCIA Com base nos estudos atuais, como é a genética da inteligência? PLOMIN et. al. Genética do Comportamento 5ª. Ed Porto Alegre. Ed. Artmed 2011, 480p.

50

51

52 Genética e Inteligência Uma avaliação cuidadosa dos trabalhos sobre genética da inteligência permite-nos sumarizar o assunto da seguinte maneira: Não há nenhum estudo mostrando que a herdabilidade seja nula; Estudos com gêmeos; filhos adotivos e correlações em famílias mostram e existência de fatores genéticos; Fatores ambientais, principalmente à educação, nutrição e saúde, contribuem para aumentar as diferenças intelectuais entre as pessoas;

53 Genética e Inteligência Desde de Newman e col. (1937) não há uma metodologia capaz de obter uma avaliação satisfatória da Inteligência e de sua herdabilidade; Não há conclusões sobre as causas das diferenças no nível de inteligência médio entre grupos humanos (genéticas e/ou ambientais); Tem havido manipulação tendenciosa dos dados sobre a genética da inteligência (interesses racistas, socioeconômicos, religiosos e outros) conseqüentemente devemos manter uma atitude crítica e fiscalização cuidadosa contra tendenciosidades emocionais.

54 Herança Poligênica Multifatorial Existem diferenças de níveis médios de inteligência quando consideramos as raças? A variabilidade genética entre indivíduos de uma mesma "raça" é muito maior que as que as diferenças entre as "raças". Portanto pode até existir diferenças nos níveis médios de QI entre os grupos raciais, porém devemos lembrar que associado aos fatores genéticos há componentes sócio-econômicos interagindo na expressão das diferenças.

55 A Curva do Sino

56 Bibliografia Básica JONES, K. L. Smith s Padrões Reconhecíveis de Malformações Congênitas, Brasil Ed Manole 1ª Ed NUSSBAUM, R. L.; McINNES, R.R.; WILLARD, H. F. Genética Médica THOMPSON & THOMPSON, 7ª Edição - Elsevier Cap. 7 - Padrões de herança de genes únicos pag OTTO, P.G.; OTTO, P.A. & FROTA-PESSOA, O. Genética Humana e Clínica. Ed. Roca, São Paulo, PASSARGE, E. Color Atlas of Genetics Ed Thieme 1994

57 Bibliografia Básica APA - DSM IV Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (em CD-ROM) Ed Artes Médicas.1995 BEÇAK, W. e FROTA-PESSOA. O. Genética Humana. Ed. Sarvier. São Paulo, PLOMIN, R.; De FRIES, J.C.; McCLEARN, G.E. & McGUFFIN, P. Behavioral Genetics. Ed Freeman 4ª Edição pág PLOMIN et. al. Genética do Comportamento 5ª. Ed Porto Alegre. Ed. Artmed 2011, 480p.

Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros

Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros Professora Amara Maria Pedrosa Silva Aluno(a) nº: Aluno(a) nº: Aluno(a) nº: Série: 3ª Curso Turma: Data: / / Trabalho de Biologia 2ª Unidade QUESTÃO 001 (UFMS)

Leia mais

São alterações ou modificações súbitas em genes ou cromossomas, podendo acarretar variação hereditária.

São alterações ou modificações súbitas em genes ou cromossomas, podendo acarretar variação hereditária. MUTAÇÕES Mutações São alterações ou modificações súbitas em genes ou cromossomas, podendo acarretar variação hereditária. As mutações podem ser génicas quando alteram a estrutura do DNA ou cromossómicas

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e Saúde. Aula 15.1 Conteúdo: Mutações gênicas e cromossômicas.

Unidade IV Ser Humano e Saúde. Aula 15.1 Conteúdo: Mutações gênicas e cromossômicas. Unidade IV Ser Humano e Saúde. Aula 15.1 Conteúdo: Mutações gênicas e cromossômicas. 2 Habilidade: Conceituar mutações gênicas e cromossômicas, compreendendo como podem influenciar nossas vidas. 3 REVISÃO

Leia mais

As Mutações. Aumento da biodiversidade

As Mutações. Aumento da biodiversidade As Mutações Aumento da biodiversidade Mutações As mutações são espontâneas e podem ser silenciosas, ou seja, não alterar a proteína ou sua ação. Podem ainda ser letais, quando provocam a morte, ou ainda

Leia mais

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade Unidade 7 Reprodução e hereditariedade O ESTUDO DA HEREDITARIEDADE Teoria da pré-formação ou Progênese: dentro de cada semente (gameta) existiam miniaturas de seres humanos, chamados homúnculos. Gregor

Leia mais

Genética III: Genética Humana

Genética III: Genética Humana Genética III: Genética Humana 1. Genética Humana As árvores genealógicas são usadas para mostrar a herança de doenças genéticas humanas. Uma árvore genealógica na qual é possível rastrear o padrão de herança

Leia mais

Síndromes cromossômicas. Alunos: Agnes, Amanda e Pedro Conte.

Síndromes cromossômicas. Alunos: Agnes, Amanda e Pedro Conte. Síndromes cromossômicas Alunos: Agnes, Amanda e Pedro Conte. Introdução: As anomalias cromossômicas sexuais ocorrem em virtude de meioses atípicas, durante a produção de gametas (espermatozoide e óvulo).

Leia mais

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Curso: Enfermagem, Nutrição e TO Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas INTERAÇÃO GÊNICA Ocorre quando dois ou mais pares de genes, situados em cromossomos homólogos diferentes, interagem entre si para determinar uma mesma característica. FENÓTIPOS Crista ervilha Crista rosa

Leia mais

Exercícios de Anomalias Cromossômicas

Exercícios de Anomalias Cromossômicas Exercícios de Anomalias Cromossômicas 1. Responda esta questão com base na figura abaixo. Nela, A representa uma célula com 2n cromossomos. Os esquemas B e C representam, respectivamente: a) Monossomia

Leia mais

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que:

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que: 01 - (UEPA) Pela primeira vez, cientistas conseguiram identificar uma maneira de neutralizar a alteração genética responsável pela Síndrome de Down. Em um estudo feito com células de cultura, pesquisadores

Leia mais

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 16 Alterações Cromossômicas

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 16 Alterações Cromossômicas Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 16 Alterações Cromossômicas Pergunta: Os cromossomos ou o conjunto deles podem ser alterados? Como isso acontece e quais são as consequências? Objetivos: Diferenciar

Leia mais

46,XY 46,XX CROMOSSOMOS HUMANOS. 23 pares. Autossomos: 22 pares Cromossomos Sexuais: 1 par. Cada Espécie: Constituição Cromossômica Específica

46,XY 46,XX CROMOSSOMOS HUMANOS. 23 pares. Autossomos: 22 pares Cromossomos Sexuais: 1 par. Cada Espécie: Constituição Cromossômica Específica CROMOSSOMOS HUMANOS 3 pares Autossomos: pares Cromossomos Sexuais: par ( pares a ) ( par XY ) 46,XX 46,XY Cada Espécie: Constituição Cromossômica Específica Número Forma Tamanho Natureza da informação

Leia mais

Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos.

Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos. Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos. Ambiente Genótipo Caixa Preta Fenótipo Complexidade A grande maioria

Leia mais

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Escola Secundária Quinta do Marquês Mutações Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Trabalho realizado por: Bárbara Dória, nº4, 11ºB Definição de mutação As

Leia mais

A presentamos, a seguir, a descrição dos

A presentamos, a seguir, a descrição dos PROPOSTAS PARA DESENVOLVER EM SALA DE AULA NÚMERO 5 JULHO DE 1997 EDITORA MODERNA ANALISANDO CARIÓTIPOS HUMANOS ABERRANTES J. M. Amabis* * e G. R. Martho Este folheto complementa e amplia as atividades

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência intelectual De acordo com o Decreto nº 5.296, a deficiência mental, atualmente denominada deficiência intelectual, refere-se ao

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

HERANÇA E SEXO. Professora Msc Flávia Martins Agosto 2011

HERANÇA E SEXO. Professora Msc Flávia Martins Agosto 2011 HERANÇA E SEXO Professora Msc Flávia Martins Agosto 2011 1.Determinação cromossômica do sexo A característica mais fundamental da vida é a reprodução (sexuada e assexuada) Produção de gametas (óvulo e

Leia mais

Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina: Genética Humana e do Comportamento II

Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina: Genética Humana e do Comportamento II Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina: Genética Humana e do Comportamento II Professor(es) Ms. Horácio Bernardo Rosário - DRT 1020337 Dr. Waldir

Leia mais

Padrões de Transmissão

Padrões de Transmissão Padrões de Transmissão Gênica Padrões de Transmissão Gênica DISCIPLINA: GENÉTICA BÁSICA PROFA. ZULMIRA LACAVA E LUZIRLANE BRAUN Heranças Monogênicas ou Mendelianas 1 1ª Lei de Mendel Modelo pressupôs que

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Curso: Psicologia Núcleo Temático: Fundamentos Epistemológicos e Interfaces da Psicologia Disciplina: Genética Humana e do Comportamento

Leia mais

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam características hereditárias desse estudante que são influenciadas

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI N o 6.234, DE 2002 Dispõe sobre o tratamento dos casos de hipotireoidismo congênito e de fenilcetonúria, diagnosticados precocemente. Autor:

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

Complexidade. Fenótipo é qualquer característica mensurável.

Complexidade. Fenótipo é qualquer característica mensurável. Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos. Isto se tornou um problema sério para o Mendelismo e para a teoria

Leia mais

FERTILIDADE DE CAPRINOS MOCHOS. Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura

FERTILIDADE DE CAPRINOS MOCHOS. Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura FERTILIDADE DE CAPRINOS MOCHOS Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária Universidade Federal da Bahia

Leia mais

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético TPNIs usam DNA livre de células. Amostra de sangue materno cfdna materno cfdna fetal TPNIs usam DNA livre

Leia mais

A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos

A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos.

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. PROFESSOR: FreD. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / 2015. PROFESSOR: FreD. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 1º ALUNO(a): Lista de Exercícios No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº 12 2013 Síndrome do X Frágil C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Introdução

SÍNDROME DE DOWN Introdução SÍNDROME DE DOWN SÍNDROME DE DOWN Introdução Em 1959 dois pesquisadores, o francês Lejeune e a canadense Jacobson, descobriram, simultaneamente e de forma independente, que indivíduos com o então chamado

Leia mais

O NÚCLEO CELULAR Descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown.

O NÚCLEO CELULAR Descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown. O NÚCLEO CELULAR Descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown. Ocorrência- células eucariontes; Características - contém o DNA da célula. Funções básicas: regular as reações químicas que ocorrem

Leia mais

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores.

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores. BIO V7 CAP 19 19.01 O genótipo do casal III-2 e III-3 é X A X a x X a y. Fazendo o cruzamento os filhos podem ser: X A X a, X A Y, X a X a, X a Y. Como se pode observar qual é o masculino e qual é o feminino,

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

Estatísticas sobre as Pessoas com Deficiência

Estatísticas sobre as Pessoas com Deficiência Estatísticas sobre as Pessoas com Deficiência Alicia Bercovich IETS Seminário Internacional sobre Cidades e Inclusão Social Instituto JNG Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2014 Principais Temas Pessoas

Leia mais

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7 Nos últimos anos, graças às técnicas de biologia molecular, os cientistas vêm constatando que diversas doenças caracterizadas por deficiências mentais e anormalidades físicas estão associadas à ausência

Leia mais

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino Conteúdos abordados Prof. Ivan Lima Schonmann CREF 082406-G/SP Deficiência intelectual e motora Definição Classificação Características Estratégias de trabalho Deficiência Intelectual (DI) IBGE 2010 Censo

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO 1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO Unidade IV O homem na construção do conhecimento. 2 Aula 10.1 Conteúdo Conceito de deficiência. 3 Habilidade Classificar os tipos de deficiência

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Jan/2012 Herança Multifatorial Herança Monogênica Herança Cromossômica Padrões de Herança Distúrbios Monogênicos São determinados por um

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA DISCIPLINA DE GENÉTICA GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA Profa. Dra. Mônica Gusmão Engenheira Agrônoma Profa. Mônica Gusmão PERGUNTAS FUNDAMENTAIS DOS PADRÕES

Leia mais

CAPÍTULO 4. O ESTUDO DE CARACTERES QUALITATIVOS EM GÊMEOS

CAPÍTULO 4. O ESTUDO DE CARACTERES QUALITATIVOS EM GÊMEOS CAPÍTULO 4. O ESTUDO DE CARACTERES QUALITATIVOS EM GÊMEOS A investigação de um caráter qualitativo em gêmeos baseia-se na análise da proporção de gêmeos MZ e nos quais apenas um dos elementos de cada par

Leia mais

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho:

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: TESTE DO PEZINHO Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: 1) FENILCETONÚRIA Doença causada por falta de uma substância (enzima) que transforma a fenilalanina (aminoácido) em tirosina.

Leia mais

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta.

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta. BIOLOGIA CORREÇÃO PROVA PAPILO GOIÁS PROF. WAGNER BERTOLINI Prova tipo C. 31. Acerca das características que diferem células eucarióticas de células procarióticas, é correto afirmar que: (A) a compartimentalização

Leia mais

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária.

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Mutação O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Introdução Agentes internos ou externos causam alterações

Leia mais

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015 Entendendo a herança genética Capítulo 5 CSA 2015 Como explicar as semelhanças entre gerações diferentes? Pai e filha Avó e neta Pai e filho Avó, mãe e filha Histórico Acreditava na produção, por todas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRO-REITORIA ACADÊMICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRO-REITORIA ACADÊMICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Campus: Uruguaiana Curso: Enfermagem Componente Curricular: Genética Humana Código: UR 1303 Pré requisito: UR 1103 Co- requisito: ---------- Professor: Michel Mansur Machado Carga

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

Mutações e Aberrações Cromossômicas

Mutações e Aberrações Cromossômicas Mutações e Aberrações Cromossômicas Aula 32, 33 e 34 Aspectos Conceituais e Rotas Metabólicas Prof. Antonio Márcio Teodoro Cordeiro Silva, M.Sc. Mutação Mutações são modificações casuais do material genético,

Leia mais

Gametogênese e Aberrações cromossômicas. Profº MSc. Leandro Felício

Gametogênese e Aberrações cromossômicas. Profº MSc. Leandro Felício Gametogênese e Aberrações cromossômicas Profº MSc. Leandro Felício Gametogênese (espermatogênese) EPIDÍDIMO (armazena espermatozóides ) (em corte transversal) Ampliação de um TESTÍCULO Túbulo seminífero

Leia mais

O NÚCLEO E OS CROMOSSOMOS. Maximiliano Mendes - 2015 http://www.youtube.com/maxaug http://maxaug.blogspot.com

O NÚCLEO E OS CROMOSSOMOS. Maximiliano Mendes - 2015 http://www.youtube.com/maxaug http://maxaug.blogspot.com O NÚCLEO E OS CROMOSSOMOS Maximiliano Mendes - 2015 http://www.youtube.com/maxaug http://maxaug.blogspot.com O NÚCLEO Estrutura presente apenas nas células eucariontes, onde se encontra o DNA genômico

Leia mais

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO NOME: ANO: 2º EM Nº: PROF.(A): Claudia Lobo DATA: ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO 1. A fenilcetonúria é uma doença que tem herança autossômica recessiva. Considere

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Unesp 97) Em gatos, as cores marrom e branca dos pêlos têm sido descritas como devidas a, pelo menos, um par de genes. Considere o cruzamento de gatos homozigotos brancos e marrons. Qual a proporção

Leia mais

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Hibridação Definição: O cruzamento entre indivíduos homozigotos que apresentam

Leia mais

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Quem são estas crianças? SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO ORDENADOR QUE ASSEGURA A INTEGRAÇÃO RECEBIDA DO MUNDO EXTERIOR E DO PRÓPRIO

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Assista aos vídeos e descreva os processos que ocorrem durante a meiose

Assista aos vídeos e descreva os processos que ocorrem durante a meiose http://4.bp.blogspot.com/-bl7zu4klob4/udtgfm6ygvi/aaaaaaaaamk/yomlckp4xrm/s1600/slide2.png 1 http://4.bp.blogspot.com/-bl7zu4klob4/udtgfm6ygvi/aaaaaaaaamk/yomlckp4xrm/s1600/slide2.png 2 Possibilita a reprodução

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

INTERFACE ENTRE A GENÉTICA E A PSICOLOGIA: A CONTRIBUIÇÃO DO PSICÓLOGO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

INTERFACE ENTRE A GENÉTICA E A PSICOLOGIA: A CONTRIBUIÇÃO DO PSICÓLOGO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO INTERFACE ENTRE A GENÉTICA E A PSICOLOGIA: A CONTRIBUIÇÃO DO PSICÓLOGO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO INTERFACE BETWEEN GENETICS AND PSYCHOLOGY: THE CONTRIBUTION FROM PSYCHOLOGIST IN THE GENETIC COUNSELING

Leia mais

DOENÇAS GENÉTICAS. Classificação das Doenças Genéticas. Distúrbios Monogênicos (Mendeliano)

DOENÇAS GENÉTICAS. Classificação das Doenças Genéticas. Distúrbios Monogênicos (Mendeliano) DOENÇAS GENÉTICAS Classificação das Doenças Genéticas Distúrbios cromossômicos Distúrbios Monogênicos (Mendeliano) Distúrbios Multifatoriais Distúrbios Oligogênicos e poligênicos Distúrbios Mitocôndriais

Leia mais

CRITÉRIOS E PROPOSTA DE CORRECÇÃO DE PROVA ESCRITA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA DE BIOLOGIA

CRITÉRIOS E PROPOSTA DE CORRECÇÃO DE PROVA ESCRITA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA DE BIOLOGIA CRITÉRIOS E PROPOSTA DE CORRECÇÃO DE PROVA ESCRITA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA DE BIOLOGIA Ano Lectivo: 2006/2007 CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO DO TESTE SUMATIVO Todas as respostas deverão ser perfeitamente

Leia mais

ERROS INATOS DO METABOLISMO

ERROS INATOS DO METABOLISMO Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) E-mail: marilanda_bellini@yahoo.com Blog: http://marilandabellini.wordpress.com ERROS INATOS DO METABOLISMO Docente:

Leia mais

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto Unidade 7 Fecundação Gestação Parto Reprodução Sexual A fecundação resulta na formação de uma nova célula (célula-ovo ou zigoto), que dará origem a um novo indivíduo. A célula deste novo indivíduo contém

Leia mais

Instituto de Educação Ciências e Letras. Aluno (a): Série: 3ª

Instituto de Educação Ciências e Letras. Aluno (a): Série: 3ª Instituto de Educação Ciências e Letras Aluno (a): Série: 3ª Professor (a): LG Matéria: BIOLOGIA 01-A figura adiante representa a citocinese em duas células diferentes, 1 e 2. a) Qual fase esta sendo representada?

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr.

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr. DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS Prof. Olayr Modesto Jr. INTRODUÇÃO A domesticação é um processo evolucionário conduzido pelo homem visando adaptar plantas e animais às necessidades humanas. Plantas

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

Hereditariedade ligado ao X

Hereditariedade ligado ao X 12 Porto: Instituto de Genética Médica Tel.: (+351).22.607.03.00 Email: genetica@igm.min-saude.pt www.igm.min-saude.pt Hereditariedade ligado ao X Centro de Genética Preditiva e Preventiva IBMC, Univ.

Leia mais