@ Elevada procura. Introdução à Gestão das Operações. Introdução à Gestão das Operações. Introdução à Gestão das Operações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "@ Elevada procura. Introdução à Gestão das Operações. Introdução à Gestão das Operações. Introdução à Gestão das Operações"

Transcrição

1 A gestão tem como finalidade assegurar a execução de objectivos da empresa através da utilização integrada de recursos Concepção do Produto (Funcionalidade, Projecto, Protótipos Testes) de Processos (Preparação do Trabalho, Métodos e Tempos) da Produção (Programação e afectação de recursos) Controlo do Processo e da Produção Equipamento de Produção Processos de Fabrico (corte, enformação, injecção, soldadura, fundição, montagem) (Máq.-Ferramenta, equip. auxiliar) (Retroacção, Supervisão, Optimização) Produto Final A gestão da ou das operações define e aplica os procedimentos necessários à transformação de materiais, informação e conhecimento em produtos e serviços, acrescentando-lhes valor, utilizando os recursos disponíveis num horizonte temporal prédeterminado Criatividade (Ideias, conceitos) Necessidades de mercado (Especificação do Produto) CUSTOS E CAPACIDADES Inovação (Invenção, I&DT) Funções típicas num sistema produtivo Os factores que influenciam a definição e o desenvolvimento da estratégia competitiva das empresas estão em rápida mudança... accelerating change is the only thing which is stable.. Conhecer como no passado se processou a mudança e identificar as suas causas permite compreender as motivações da alteração da envolvente e antecipar a direcção dessa evolução Evolução do mercado Altera Alteração da envolvente das empresas Alteração de estruturas sociais e de valores Alteração de estruturas sociais e de valores Progresso tecnológico acelerado Progresso tecnológico acelerado Maiores exigências nos produtos e serviços Maiores exigências nos produtos e serviços Alteração da estrutura dos mercados Alteração da estrutura dos mercados Evolução das tecnol. de comunicação Evolução das tecnol. de comunicação Alteração do nível de formação/educação Aumento da idade média da população Importância da satisfação pessoal em detrimento do dever e da aceitação Redução do ciclo de vida dos produtos Elevado ritmo de inovação tecnológica Elevadas exigências e expectativas do mercado (qualidade, prazos, integração, ambiente) Globalização e mercados específico Alterações políticas com impacto nas condições de mercado Elevado ritmo de evolução das tecnologias de informação / comunicação Facilidade de acesso à Elevada procura Maior concorrência Internacionalização Mercados voláteis Concorrência fraca Aumento de exigências Forte concorrência Restrições legais Produção em massa Mercado de compradores Variantes / complexidade Ritmo de inovação Ambiente Mass costumization Globalização O aumento das exigências determinou a alteração da abordagem à qualidade. Inicialmente a qualidade era sinónimo de conformidade e de funcionalidade e a forma de a assegurar era essencialmente baseada no controlo de qualidade final Evolução das condições no mercado de trabalho A qualidade passou a ser integrada no processo produtivo surgindo o conceito de garantia da qualidade Evoluiu para a certificação de sistemas da qualidade, como a forma de garantir e evidenciar para o exterior a capacidade de produzir com qualidade, de forma sistemática e reprodutível h Divisão de tarefas Carência de mão-de - Prosperidade Concorrência severa Simplicidade do trabalho obra Sociedade do lazer Alteração das Complexidade do condições políticas trabalho Finalmente, surge a mais recente abordagem à qualidade como a satisfação total do cliente, para o que é necessário integrar a qualidade como um factor de cultura das organizações. Abundância de mão-deobra não qualificada Fluxos migratórios Qualificação Elevados custos da mãode-obra Elevada qualificação Flexibilidade do trabalho Motivação e autonomia Aprendizagem

2 Evolução da estrutura organizacional O objectivo é criar as condições para, sem perda de eficiência, majorar a flexibilidade e a capacidade de adaptação a mudanças na envolvente. Poucas variantes Divisão funcional de tarefas Complexidade complexo Elevada complexidade Reduzida transparência Eficiência nos processos Organização funcional Organização em Grupos de trabalho Estruturas magras matriz Células Responsabilização Estruturas de aprendizagem A competitividade de uma empresa está relacionada com a rapidez com que consegue reagir e adaptar-se à mudança e mesmo de antecipar essa mudança adoptando uma atitude proactiva em oposição à postura tradicional de reactividade Inovação Capacidade de desenvolver novos produtos/serviços e de os explorar eficazmente Adaptabilidade Capacidade de adaptação e de exploração das mudanças inesperadas no ambiente competitivo Eficiência operacional Capacidade de produzir produtos/serviços com custo, qualidade e flexibilidade de nível world class As actividades produtivas são suportadas por um conjunto de tecnologias e de recursos humanos e são caracterizadas por um conjunto de atributos relevantes em qualquer processo de decisão O equilíbrio estabelecido entre os atributos de competitividade, as tecnologias e os recursos humanos é dinâmico. Mais ainda, a alteração das condições da envolvente industrial afecta esse equilíbrio. Não é possível a optimização simultânea de todos os atributos, tornando-se necessário estabelecer equilíbrios, onde o peso de cada atributo depende das necessidades do mercado, da concorrência e, em última análise, da envolvente socio-económica Tecnologias Ambiente Qualidade Custo Flexibilidade Tempo Recursos humanos Exemplos: a grande ênfase colocada no custo de tem vindo a ser contrabalançada pela necessidade de satisfação total do cliente garantida através da aplicação de técnicas de gestão da qualidade total. enquanto que no passado se considerava fundamental assegurar a utilização da capacidade dos recursos produtivos, considerados na perspectiva de equipamentos, actualmente esse conceito tem sido alargado para o objectivo de explorar exaustivamente todos os recursos materiais e imateriais. Durante a década de 80, as máquinas-ferramenta apenas despendiam horas. por ano em trabalho efectivo de maquinagem Para uma disponibilidade teórica de 365 dias 24 horas, mudança de apenas em cerca de 8% do tempo se gerava valor preparação da ferramenta acrescentado. máquina posicionar peça maquinagem Nos últimos anos estas tecnologias atingiram ganhos no efectiva desempenho de cerca de 500% (maiores velocidades e potências, automatização de funções). Mas esse ganho é não utilização de insignificante no plano de utilização anual da maioria das turnos férias e fins-desemana máquinas-ferramenta. máquina não operacional Melhorar significativamente a ocupação da máquina passa pela solução de laboração em turnos. Mas estes têm a sua viabilidade económica condicionada à existência de um mercado capaz de absorver a. Assim, num ambiente altamente competitivo, justifica-se o esforço de engenharia e de organização no sentido da redução ou eliminação dos tempos não produtivos (claramente todos excepto o referente à maquinagem efectiva). Alteração perspectivada nos atributos de competitividade Utilização de recursos Qualidade Global Recursos humanos Tempo Futuro Hoje Custo Ambiente Flexibilidade / Agilidade

3 O atributo tempo refere-se simultaneamente à: Velocidade de ou cadência de, medida em unidades produzidas por unidade de tempo; Rapidez com que o sistema de concepção e/ou de fabrico consegue responder a alterações do produto ou do volume de requerido (atributo Flexibilidade). A velocidade de depende do tempo de cada uma das fases elementares do processo de fabrico e dos tempos de espera entre operações sucessivas. Diferentes componentes de tempo que ao nível fabril constituem o tempo total de fabrico: processo preparação da máquina, montagem e ajuste de ferramentas (setup da série de fabrico) carga e descarga de peças (setup da peça) controlo de qualidade Act. sem valor acrescentado movimentação e espera Negociação outros Act. de valor acrescentado Engenharia Fabrico Expedição Tempo total de Nos últimos anos o atributo tempo adquiriu a sua segunda dimensão relacionada com a rapidez com que a empresa consegue desenvolver novos produtos (ou alterar produtos existentes) e colocá-los no mercado. A redução do tempo de desenvolvimento do produto ou serviço não depende da maior velocidade de mas sim da redução do tempo para o mercado. A eficácia da concepção de um produto, que seja realizável num sistema produtivo que é planeado, instalado e testado em simultâneo com o processo de concepção e projecto detalhado do produto, passou a ser exigida pela necessidade de antecipadamente atingir o mercado. A organização das actividades de desenvolvimento do produto e de industrialização do processo, de modo sequencial e rígido, deixa de ser aplicado sempre que a rapidez de introdução de novos produtos é determinante na competitividade. engenharia simultânea como um princípio de organização baseado na cooperação activa de diferentes especialistas com diferentes competências e na distribuição pelos elementos da equipa das responsabilidades e tarefas identificadas para o cumprimento do objectivo comum. Engenharia Simultânea Convencional concepção projecto projecto detalhado dos recursos de fabricação concepção do produto tempo concepção do produto concepção redução do tempo requesitos projecto para a inovação alternativas projecto geral projecto detalhado avaliação componentes selecção projecto melhoramentos optimizado no projecto elaboração aquisição dos recursos de fabricação A engenharia simultânea, o trabalho em equipa e as ferramentas de engenharia suportadas nas tecnologias da informação contribuem para a redução efectiva do tempo para a inovação (entendida como a capacidade de colocar no mercado produtos inovadores e competitivos ) Evolução dos tempos de lançamento em fabrico (desenvolvimento do produto e industrialização) Produto Passado Presente Futuro Automóvel 84 meses 24 meses < 18 meses Avião comercial 8-10 anos 5 anos 2,5 anos Equipamento electrónico 2 anos 6 meses < 6 meses Uma possível estruturação básica (que não a única) das diversas parcelas de custo que contribuem para o custo de custos indirectos de materiais directos mão de obra custo directa directo equipamentos directos de engenharia directa outros encargos directos custo de

4 Os custos de projecto constituam uma pequena parcela do custo total do produto, da ordem dos 5% a 7%, Mas cerca de 75% a 85% desse custo é induzido e pré-determinado na fase de desenvolvimento do produto. As decisões de projecto reduzem os graus de liberdade do processo de fabrico e condicionam as alternativas nas fases posteriores mais operacionais orientadas para o aprovisionamento, preparação,, fabrico e montagem. Custos (%) 100% 80% 60% 40% 20% 0% Pré-definição dos custos totais Evolução dos custos Economia potencial Estudos 2 4Industrialização 6 Produção Os parâmetros processuais afectam os custos de. Em regra, o aumento da taxa de poderá aumentar o custo unitário directo, uma vez que afectará algumas das parcelas de custo atrás referidas. Custo de maquinagem (UM) Vc - velocidade económica de corte Vt - velocidade de máxima Vc Vt 650 Velocidade de corte (m/min) Custo Tempo 10 9 Tempo de maquinagem (min) Inter-relação dos custos e tempos de fabrico: o caso do torneamento avanço profundidade de corte velocidade de rotação Os custos associados à posse de inventários são uma componente importante nos custos de e, na medida em que são quase sempre considerados custos indirectos, tendem a ser ignorados. Para minimizar a posse de materiais está em causa reduzir o tempo de ciclo total de, considerado como o tempo que decorre desde que as matérias-primas entram no sistema produtivo até que saem para o mercado como produtos acabados. Os materiais só devem permanecer no sistema o tempo estritamente necessário e suficiente para serem valorizadas e transformados em produtos acabados. Negociação Engenharia Act. sem valor acrescentado Fabrico Act. de valor acrescentado Expedição Tempo total de Potencial de redução do tempo de ciclo O fabrico Just-in-Time (Produção Magra) como uma abordagem de melhoria contínua ao sistema produtivo no sentido de identificar e eliminar o desperdício Contribui fortemente para a redução do ciclo total de eliminando actividades sem valor acrescentado E como tal contribui para a redução do custo total de M E R C A D O passado fabrico (inventáriode da encomenda do fabrico segurança) presente da encomenda do fabrico fabrico (Just-In-Time) aprovisionamento 18 semanas redução de inventários $ 2 semanas $ Características dos atributos tempo, custo, flexibilidade, ambiente e qualidade Dimensões da flexibilidade ao nível da engenharia e da gestão de operações: Flexibilidade estratégica: capacidade da empresa mudar a sua estratégia de negócio (relação produto-processo-mercado) e/ou de sem degeneração significativa no desempenho económico. Flexibilidade de volume: capacidade de variar o volume de de um ou mais produtos sem redução significativa de margens de lucro. Flexibilidade de gama: capacidade de introduzir e descontinuar produtos e componentes do mercado, de introduzir modificações nos produtos de modo a inovar, a introduzir produtos diferenciados e a explorar oportunidades. Flexibilidade de mix : capacidade de alteração do mix de de uma determinada família de produtos (capacidade de aceitar ordens de fabrico em sequência aleatória). Flexibilidade para suportar o mau funcionamento do sistema produtivo e os erros de previsão. Características dos atributos tempo, custo, flexibilidade, ambiente e qualidade Como avaliar a flexibilidade? Número de inovações introduzidas por unidade de tempo; Tempo necessário à transição do estado A para o B do sistema produtivo; Variação dos custos de para uma determinada flutuação do mercado; Medidas de satisfação do cliente; Evolução da colocação da empresa no mercado (competição pela qualidade versus competição pelo preço)

5 Forte pressão para introduzir melhorias contínuas nos produtos e serviços em termos da: funcionalidade, operacionalidade, fiabilidade, facilidade de manutenção, disponibilidade, segurança, estética ergonomia... em ciclos de desenvolvimento curtos que garantam o lançamento antecipado no mercado. Controlo da Qualidade (controlo por amostragem do produto e controlo estatístico do processo): conjunto de técnicas e actividades de carácter operacional utilizadas com vista a responder às exigências relativas à qualidade Gestão e Garantia da Qualidade: política de gestão e de implementação de um sistema de qualidade necessário para assegurar que um produto ou serviço atinge um determinado nível de qualidade ao custo mínimo Qualidade Total: estratégia e cultura da empresa Fundamentos Centralização no Cliente Gestão dos Processos Melhoria Contínua Envolvimento e Mobilização de Todos Objectivos de Qualidade e Orientação do Progresso Os impactes ambientais são cada vez mais inaceitáveis, determinando a implementação de legislação mais restritiva e alavancando os custos inerentes à remoção e tratamento dos resíduos de, cujo aumento possui actualmente um impacte significativo nos custos totais de. reduzir os impactes ambientais dos fluxos de energia e materiais ENERGIA MATERIAL Produção RECICLAGEM DE ENERGIA E DE MATERIAL A globalização da competição conduz a imperativos de redução de custos e de aumento de produtividade, aparentemente numa direcção conflituosa com a pressão exercida no sentido de melhorar o desempenho ambiental. O grande desafio é conseguir reduzir os níveis de poluição, de geração de desperdícios e de consumo de recursos, para níveis compatíveis com a sustentabilidade do ambiente a longo prazo, minimizando ao mesmo tempo as reduções de competitividade e de rentabilidade. PRODUTO UTILIZAÇÃO RESÍDUOS Reaproveitamento Reciclagem depósito de resíduos GESTÃO DE RESÍDUOS Produção Mais Limpa (PML) aplicação contínua de uma estratégia ambiental, integrada e preventiva, aplicada tanto a produtos como processos, com o intuito de reduzir os riscos para o Homem e para o Ambiente. A PML dirige-se para a: Redução do consumo de materiais especialmente se não-renováveis; Selecção de novos materiais com funcionalidades equivalentes mas com menor impacto ambiental; Redução ou eliminação de consumíveis; Prevenção da poluição eliminando as suas causas; Promoção da reciclagem interna; Domínio tecnológico dos processos no sentido de os desenvolver e explorar majorando a sua eficiência. Benefícios da Produção Mais Limpa (PML) Benefícios de cariz económico associados à PML Melhoria da produtividade Economia de energia e de matérias primas Redução de necessidade de armazenar desperdícios/resíduos e materiais tóxicos Redução de responsabilidades Redução de custos de controlo de poluição Foco na melhoria contínua Força de trabalho motivada Melhores condições de saúde e de segurança Imagem pública melhorada

6 Função da Gestão de Operações Exemplo da alteração de elementos de liga para redução dos impactos Sabe-se que os latões utilizados em componentes em contacto com a água, sofrem processos de deszincificação e a água é contaminada com o chumbo constituinte. Os latões do tipo 60/40 possuem um teor em chumbo entre 1 e 2% com o objectivo de melhorar a maquinabilidade da liga. Os corpos de contadores de água, válvulas, torneiras e outros acessórios para canalizações são normalmente vazados em coquilha metálica ou em moldação de areia e são posteriormente acabados por maquinagem o que justifica a preocupação na utilização de uma liga de corte fácil. A Directiva 80/778, EEC regulou e reduziu os níveis de chumbo permitidos nos sistemas Europeus de água potável. Outro dos problemas associados à deszincificação deste tipo de ligas é a consequente perda de resistência mecânica do material. Consideradas as condições de serviço deste tipo de produtos, facilmente se compreende o interesse industrial em reduzir a deszincificação. Após um intenso esforço de I&D foi possível reduzir o teor em chumbo destas ligas sem perda significativa da maquinabilidade, surgindo como elemento de liga alternativo, para assegurar a maquinabilidade, o bismuto. A função gestão de operações pode ser considerada como as actividades de gestão de um sistema integrado que, a partir de um conjunto de inputs, os transforma, acrescentando-lhes valor de forma a que sejam desejáveis para um consumidor. Inputs (Capital, Trabalho, Informação, Equipamento, Energia, Materiais) Função operações (sistema produtivo) Transformação Finanças Marketing Outputs (Bens e Serviços) Mercado Mercado estratégico da Informação externa Função da Gestão de Operações Informação do estratégico agregado da Informação da procura Informação técnica Plano agregado da do processo da Gamas de fabrico é i Plano de Plano director de Plano de necessidades de Plano de cargas detalhadas Escalonamento da Lançamento em fabrico Informação de resultados de Controlo da Informação do controlo da

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 1 PROBLEMA Como responder às crescentes exigências económicas e ambientais, às alterações permanentes e aos diversos estilos

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Visão Sistémica e Contingencial da Organização

Visão Sistémica e Contingencial da Organização Introdução Visão Sistémica e Contingencial da Organização de Informação Ambiente Geral Tarefa Vitor Vaz da Silva Vitor Vaz da Silva - SI http://tektonia.com 2 O modelo da Teoria das Organizações das concepções

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Introdução à Gestão das Operações Uma perspectiva histórica

Introdução à Gestão das Operações Uma perspectiva histórica Introdução à Gestão das Operações Uma perspectiva histórica MTG - 2005/2006 Licenciatura em Engenharia Aeroespacial A gestão tem como finalidade assegurar a execução de objectivos da empresa através da

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 04

Planeamento Industrial Aula 04 Planeamento Industrial Aula 04 Análise de processos:.fluxogramas;.tipos de processo;.medição do desempenho;.exemplos Análise de Processos 2 o Entender como os processos funcionam é fundamental para garantir

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial.

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial. Método das Secções Homogéneas versus ABC Custeio Baseado em Actividades Activity-Based Costing ABM Gestão Baseado em Actividades Activity Activity-based management Novas Tendências da Contabilidade de

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Optimização de compras graças ao controlo de produção em tempo real;

Optimização de compras graças ao controlo de produção em tempo real; PARE 1 - Introdução à Automatização e Informática Industrial 1-1 1. AUOMAIZAÇÃO INDUSRIA: MOIVAÇÃO Nos últimos anos os esquemas de produção têm mudado drasticamente. Isto deve-se, por um lado à crescente

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

AULA 1 Marketing de Serviços

AULA 1 Marketing de Serviços AULA 1 Marketing de Serviços Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração

Leia mais

Avaliação de Processos

Avaliação de Processos Avaliação de Processos Avaliação de Processos Um fator-chave para o sucesso das organizações é sua capacidade de medir seu desempenho Tal informação em uma base temporal contínua, fornece aos gerentes

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Objectivos de Marketing

Objectivos de Marketing Negócios Internacionais Marketing e Finanças as Objectivos de Marketing Tipos de Marketing; Introduzir técnicas t para avaliar dimensões para determinados países; Enfatizar como as diferenças contextuais

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

adaptation to change Modular Platforms as a solution for just-in-time 3 Platform System automotive case study Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep.

adaptation to change Modular Platforms as a solution for just-in-time 3 Platform System automotive case study Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 3 Platform System Modular Platforms as a solution for just-in-time adaptation to change utomotive Industry nalyzes automotive case study he evolution from a anufacturer

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING NOVAS TENDÊNCIAS DE CONTABILIDADE DE GESTÃO MESTRADO CONTABILIDADE E FINANÇAS 2009/2010 1 Introdução Actualmente, com a transformação de uma economia localizada

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

AUDITORIA DE MANUTENÇÃO

AUDITORIA DE MANUTENÇÃO Seminário Domine os Processos de Gestão, Planificação e Controlo AUDITORIA DE MANUTENÇÃO E melhore a Eficiência Global Disponibilidade Fiabilidade Custos LUANDA 15 e 16 de OUTUBRO de 2014 Realize uma revisão

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy*

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy* Revista FOCUS e Diário Económico Maio / 2001 O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO João de Quinhones Levy* O custo de produção de uma empresa, quer se trate de um projecto,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO

Leia mais

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Introdução aos estudos da Administração da Produção 1 Introdução aos estudos da Administração da Produção UNIDADE I Evolução Histórica Objeto de estudo: ambiente, contexto

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

1.1. «Economia da Inovação e do Conhecimento»: Objecto da disciplina

1.1. «Economia da Inovação e do Conhecimento»: Objecto da disciplina 1.1. «Economia da Inovação e do Conhecimento»: Objecto da disciplina 1.1.1. O que é Inovação? 1.1.2. Como se inova? 1.1.3. Quem benefecia com a inovação? 1 1.1.1. O que é a inovação?? 2 ? 3 ? 4 1.1.1.

Leia mais

C. Pereira Cabrita, Paulo Vaz, Diogo S. Madeira, João C. Matias, Davide S. Fonseca

C. Pereira Cabrita, Paulo Vaz, Diogo S. Madeira, João C. Matias, Davide S. Fonseca MANUTENÇÃO INDUSTRIAL SEIS SIGMA PROPOSTA DE METODOLOGIA E CASOS PRÁTICOS C. Pereira Cabrita, Paulo Vaz, Diogo S. Madeira, João C. Matias, Davide S. Fonseca Universidade id d da Beira Interior PARTE 1

Leia mais

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 03 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO Nos termos do

Leia mais

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação COTEC 2010/10/19 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c Apresentação

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS Compreender a estratégia de produção dentro da organização; Diferenciar requisitos de mercado e recursos de produção Reconhecer as prioridades diferentes

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Negócios à Sua dimensão

Negócios à Sua dimensão Negócios à Sua dimensão O seu Software de Gestão acompanha-o? O ArtSOFT pode ser a solução de gestão da sua empresa. O ArtSOFT Profissional permite o controlo total sobre a gestão da sua empresa, assegura

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar O que é a Manutenção? Conjunto de acções conduzidas com o fim de manter em condição aceitável as instalações e o equipamento fabril de forma a assegurar a regularidade da produção, a sua qualidade e a

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias GESTÃO DA INOVAÇÃO AGENDA 1. IDT Consulting 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias 4. Diagnósticos Estratégicos de Inovação 5. Implementação de

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM Manutenção e A MANUTENÇÃO O PILAR ESSENCIAL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS Não seria excelente se existisse um sistema de manutenção que reparasse o seu equipamento antes de ele avariar? Sim, pois quando os equipamentos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição ISLA Licenciatura em Ciências Empresariais (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 A distribuição é um sector de actividade económica que assegura uma função essencial

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - AUTOMÓVEL OBJECTIVO GLOBAL - Planear, organizar, acompanhar e efectuar

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II EMPRESA FABRIL DE PRODUTOS ELÉCTRICOS, SA O Lean Lean na EFAPEL Carlos Ramos Gestão de Operações carlos.ramos@efapel.pt A EFAPEL no Mundo Exportamos para mais de 40 países da Europa,, Ásia, Europa Ásia,

Leia mais

10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO

10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO Gestão da Manutenção ou Gestão de Activos? (custos ao longo do Ciclo de Vida) (rassis@rassis.com ) (juliao@fe.lisboa.ucp.pt ) Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais