UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - UNIJUI MICHELE OLIVEIRA ROCHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - UNIJUI MICHELE OLIVEIRA ROCHA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - UNIJUI MICHELE OLIVEIRA ROCHA OPÇÕES METODOLÓGICAS E AQUISIÇÃO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA INGLÊS EM CURSOS LIVRES Ijuí 2011

2 2 MICHELE OLIVEIRA ROCHA OPÇÕES METODOLÓGICAS E AQUISIÇÃO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA INGLÊS EM CURSOS LIVRES Monografia apresentada ao Curso de Letras Habilitação em Língua Inglesa e Respectivas Literaturas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ, como requisito parcial para obtenção do título de Licenciada em Letras Língua Inglesa. Orientador: Jairo de Oliveira Ijuí 2011

3 3 AGRADECIMENTOS Aos meus queridos mestres: meu professor, dedicado e paciente orientador Jairo de Oliveira, e à professora Marília Forgearini Nunes que me inspiraram e através dos quais me envolvi e me apaixonei pelas teorias de aquisição e pelas metodologias de ensino/aprendizagem de uma segunda língua. À minha mãe, meu irmão, meu pai querido, e minha tia pelo incentivo a sua maneira, pela compreensão em tantos momentos, pelo apoio e amor... A meus amigos amados, que souberam me acompanhar, me dar forças e ânimo nesta caminhada, que souberam entender a minha ausência por tantas vezes e acima de tudo por esta amizade única, verdadeira e incondicional... À Liane, eterna secretária do departamento, por sua prestatividade, carinho e atenção durante toda a caminhada de graduação. A quem me é especialmente doce, por ser doce e estar presente em todos todos - os momentos, me apoiando, segurando a minha mão e me mostrando que realizar sonhos é possível... A todos que fizeram parte desta longa e salutar jornada, os meus mais sinceros agradecimentos.

4 4 RESUMO Esta monografia tem como objetivo analisar o as teorias de aquisição, métodos e abordagens adotados tanto no material didático, quanto na prática em sala de aula em dois cursos livres no que tange ao ensino/aprendizagem de língua inglesa. A metodologia adotada para o desenvolvimento deste foi do tipo bibliográfico, tendo como base descritiva, uma vez que se propôs a expor, relatar as características de determinadas teorias, métodos, metodologias e abordagens no que tange ao ensino/aprendizagem de uma segunda língua; com uma metodologia de tipo qualitativa, baseada fundamentalmente na análise do material didático e na observação das aulas. Palavras-chave: teorias de aquisição, métodos, abordagens, língua inglesa, processo de ensino/aprendizagem. ABSTRACT This monograph aims to analyze the acquisition theories, methods and approaches which are the basis in the didactic materials, as well as in the practice during the classes in two free courses concerning the English language teaching-learning process. The methodology used for developing this work was bibliographical, having a descriptive basis, once its objective was to expose, report the characteristics of some theories, methods, methodologies and approaches in a second language teaching-learning process, with a qualitative methodology, based mainly in an analysis of the didactic material and class observation. Key words: acquisition theories, methods, approaches, English language, teaching-learning process.

5 5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO Conceitos: método, abordagem, metodologia Método tradicional Método direto Método audiolingual Abordagem comunicativa Teorias de aquisição e as principais abordagens de ensino/aprendizagem de uma segunda língua Behaviorismo Inatismo Socioconstrutivismo e interacionismo Aquisição x aprendizagem de uma segunda língua METODOLOGIA DA PESQUISA Tipo de pesquisa Instrumentos da pesquisa Sujeitos da pesquisa ANÁLISE DE DADOS Curso A Curso B CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 60

6 6 INTRODUÇÃO O ensino/aprendizagem de línguas inscreve-se num processo mais vasto, que ultrapassa a mera competência linguística, englobando aspectos ligados ao desenvolvimento pessoal e social dos alunos, levando-os a construir a sua identidade através do contato com outras línguas e culturas. Aprender línguas favorece o desenvolvimento de uma postura questionante, analítica e crítica, concorrendo para a formação de cidadãos autônomos, participantes e ativos em suas comunidades. Em se tratando de uma educação multicultural, o ensino/aprendizagem de línguas assume um papel relevante na formação integral dos alunos, não apenas no que diz respeito aos processos de aquisição dos saberes curriculares, como também na construção de uma educação para a cidadania. O professor que se sujeita a difundir uma segunda língua ao aluno deve-se atentar para a diversidade cultural que ele encontrará em uma sala de aula e, a partir disso, escolher os métodos mais apropriados para orientação da aprendizagem daqueles sujeitos e desta forma obter melhores resultados. Neste ínterim, o mediador em sala de aula deve optar por uma metodologia de ensino estruturada em suas concepções sobre a linguagem e o aprendizado de uma língua estrangeira, o papel do aprendiz e do professor, as atividades e os materiais instrucionais. Sendo assim, metodologia é um processo dinâmico, criativo e exploratório, que se renova a cada grupo de novos aprendizes. Neste sentido, baseando-se na própria formação, concepções e crenças, o professor tende a eleger o método que melhor aborda todo o processo em sua prática, numa tentativa de organizar as relações entre os elementos que contextualizam uma aula (Prabhu, 1990 apud Kfouri Kaneoya, 2002). Dentre os mais variados aspectos que poderiam ser analisados quando se trata do ensino/aprendizagem de língua inglesa em um ambiente formal de ensino, como é o caso do curso livre, salienta-se neste estudo a questão das opções metodológicas: teorias de aquisição, métodos, metodologias e abordagens no processo de ensinar/aprender. As teorias de aprendizagem, métodos de ensino e abordagens devem ser considerados um referencial a ser adaptado por parte do professor de acordo com a situação particular ou contexto em que está inserido. De acordo com Jalil e Procailo (2009), desta maneira, o professor estará utilizando abordagens e métodos que refletem seus princípios de forma mais acurada, o que diminuiria o abismo entre a teoria elaborada por estudiosos da Linguística Aplicada e a prática, vivenciada pelo professor em seu dia-a-dia. Segundo os autores, a seleção dos encaminhamentos metodológicos mais adequados para o contexto em que o professor está inserido não pode

7 7 acontecer de forma eclética e aleatória, sem reflexão, ou seja, um professor, consciente do valor de uma prática pedagógica coerente e instigante, poderá melhor nortear seu trabalho. O compreender o processo pelo qual o aluno passa durante o aprendizado, neste caso específico, o de língua estrangeira, como uma rede complexa de fatores que são decisivos para determinar seu sucesso ou fracasso. Assim, a conscientização do aluno a respeito do uso de estratégias de comunicação é apontada como um caminho para o aprender a aprender, de forma a obter uma aprendizagem mais efetiva. O presente estudo se faz importante na medida em que, se os professores compreenderem melhor como ocorre este processo de aprendizagem, serão capazes de auxiliar os alunos a se tornarem melhores aprendizes da língua em estudo. Este trabalho monográfico tem como base descritiva, uma vez que se propõe a expor, relatar as características de determinadas teorias, métodos, metodologias e abordagens no que tange ao ensino/aprendizagem de uma segunda língua; com uma metodologia de tipo qualitativa, baseada fundamentalmente na análise do material didático e na observação das aulas. Caracteriza-se ainda com base explicativa, pois tem como objetivo servir de base para explicar as escolhas metodológicas dos sujeitos da pesquisa, buscando justificar seus motivos e trazer autores que possam esclarecer os fatores que contribuíram para tais escolhas, no afã de obter um conhecimento mais amplo e detalhado dos mesmos. O presente trabalho está organizado em quatro capítulos, além desta introdução. No capítulo dois, é apresentado o referencial teórico empregado na pesquisa, o qual aborda os conceitos de método, abordagem e metodologia segundo autores como Vilaça (2008) e Kfouri Kaneoya (2002). Ainda neste capítulo são relatos alguns métodos: desde o método tradicional até a atual abordagem comunicativa com Almeida Filho (1993) e Brown (1994). Teorias de aquisição como Behaviorismo, Inatismo, Socioconstrutivismo e interacionismo também são relatadas, e por fim, dá-se atenção aos conceitos de aquisição e aprendizagem, conforme Krashen apud Schütz (2011). No capítulo três, discute-se a metodologia da pesquisa empregada na coleta e análise de dados, o tipo da pesquisa, os instrumentos da pesquisa e os sujeitos da pesquisa. Logo a seguir, no capítulo quatro, é apresentada a análise dos dados do estudo que vai explicitar os resultados da pesquisa. Por fim, são delineadas as considerações finais do trabalho.

8 8 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Conceitos: método, abordagem, metodologia A busca por um método perfeito foi durante muito tempo uma obsessão (Brown, 1994). Conforme Nunan (1995) apud Vilaça (2008) aponta, acreditava-se na possibilidade de desenvolvimento ou descoberta de um método que pudesse ser bem-sucedido em todos os contextos e com todos os alunos. Esta incansável busca pelo método perfeito de ensino de língua estrangeira foi comparada por diversos autores, entre eles, Prator (1979), ao movimento de um pêndulo, uma vez que, em geral, cada método novo busca, de certa forma, romper radicalmente com o anterior. Cada nova metodologia de ensino era defendida como uma revolução que pretendia corrigir todos os erros das anteriores. Conforme afirma Prator (1979), os defensores e adeptos de um método novo negavam a validade dos métodos anteriores. Motivados por essa constatação e por um conseqüente descontentamento com o próprio conceito de método, alguns autores e pesquisadores passaram a defender a impossibilidade de existência de um método perfeito (Prahbu, 1990). Conforme Duque (2004) apud Vilaça (2008) destaca, a busca pelo método perfeito se transformou na busca de um método mais adequado. Esta conclusão conduziu, de certa forma, à defesa do ecletismo no ensino de línguas estrangeiras como forma de liberdade e flexibilidade metodológicas. Deseja-se com isso estabelecer um rompimento com a rigidez imposta por muitos métodos e a valorização dos professores, dos alunos e dos contextos de aprendizagem. Em termos gerais, o ecletismo visa a possibilitar que o professor faça escolhas metodológicas que sejam mais coerentes e necessárias, tendo em vista o contexto de ensino aprendizagem onde cada professor desempenha a sua atividade docente. Isto representa, em outros termos, um rompimento com procedimentos metodológicos que, na maioria das vezes, foram planejados para salas de aula padronizadas e idealizadas, desconsiderando diferenças contextuais e individuais de naturezas variadas. (VILAÇA, 2008) O autor ainda destaca que o ecletismo deve ser compreendido como flexibilidade e não como ausência metodológica. Conforme defendido por Larsen- Freeman (2003) e Brown apud Vilaça (2008), o método eclético deve conduzir a uma prática coerente e plural no ensino de uma língua, onde grande variedade de atividades possa ser empregada de forma a facilitar, acelerar ou otimizar o processo de ensino. Os autores e pesquisadores apontam que este ecletismo deve ser guiado por princípios. Ao adotar um método eclético, o professor deve ser capaz de fazer escolhas metodológicas que atendam às características e às necessidades de seu contexto pedagógico.

9 9 Portanto, ele deve estar atento para que o caminho até seus objetivos seja coerentemente percorrido. Em outras palavras, toda atividade docente deve ser justificável e estar em harmonia com os objetivos de ensino/aprendizagem. Desta forma, ao realizarmos este estudo acerca de opções metodológicas no ensino/aprendizagem de língua inglesa, faz-se necessária uma conceituação quanto aos termos: método, abordagem, metodologia. As abordagens, métodos e técnicas foram criadas em contextos distintos, visando cada qual suprir necessidades diversas, fossem elas econômicas, sociais ou políticas estavam sempre buscando uma aprendizagem mais efetiva para cada época. Para entender melhor essas terminologias, seguem as definições de Brown (1994) e Larsen- Freeman (2000) apud Veroneze e Carvalho (2008): Abordagem refere-se aos conceitos e crenças sobre a linguagem e aprendizagem da língua. Método são procedimentos pelos quais a teoria é colocada em prática sobre o quê, como e quando ensinar, baseado numa abordagem determinada. Técnica são atividades específicas utilizadas no processo de ensino em harmonia com o método e abordagem definidos. Entretanto Brown (1994) amplia os conceitos de Antony (1963) e Richards e Rodgers (1986) apud Veroneze e Carvalho (2008), acrescentando as definições de Metodologia e Programa, a saber: (a) Metodologia é o estudo da prática pedagógica em geral e considerações envolvidas no como ensinar ; (b) Programa é o conteúdo lingüístico propriamente dito com seus objetivos, seqüências e materiais específicos voltados às necessidades dos aprendizes. Considerando que método é o conjunto de procedimentos utilizados no ensino da LE, Larsen- Freeman (2000) apud Veroneze e Carvalho (2008) sugere cinco motivos para o estudo dos métodos: 1) os métodos podem auxiliar na tomada de consciência e embasar a ação dos professores; 2) tendo clareza sobre os métodos, o professor pode optar em ensinar de formas variadas; 3) o conhecimento dos métodos é a base do processo de ensino; 4) a interação profissional desafia as concepções do professor sobre como o ensino gera aprendizagem; 5) o conhecimento dos métodos ajuda a expandir o repertório de técnicas mostrando novos caminhos filosóficos. Maciel (2003) aponta que os métodos de ensino/aprendizagem podem ser vistos como orientações para que o professor comece a refletir sobre os processos envolvidos, possibilitando construir sua própria visão informada pela prática diária. Neste sentido, seria possível afirmar que o professor é, de certa forma, influenciado pela sua experiência anterior como professor ou aluno de língua estrangeira. É necessário que se acrescente, também, o papel da visão de mundo que o professor detenha, o que o leva a identificar-se mais com um

10 10 método do que com outro. Ele pode, então, demonstrar um discurso mais tradicional ou, por outro lado, mais aberto a mudanças, a interações com o outro. Maciel ainda afirma que o importante é estar disposto a uma reflexividade sobre a complexidade da sala de aula, no caso em questão, sala de aula de língua estrangeira. Da mesma forma em que o professor é afetado, influenciado por suas experiências decorrentes do seu processo de aprendizagem de língua inglesa, Maciel (2003) coloca que o aluno também é influenciado por pressupostos do que seja ensinar/aprender e isto também interfere no seu processo de ensino/aprendizagem, levando-o a identificar-se melhor com um ou outro método. De acordo com Vilaça (2008), a palavra método vem do grego méthodos, palavra composta por meta, que denota sucessão, ordenação e hódos, que significa caminho. Partindo desta etimologia, o conceito de método está relacionado a um caminho que, seguido de forma ordenada via a chegar a certos objetivos, fins, resultados, conceitos, etc. Rampazzo (2002) apud Vilaça (2008) afirma que atualmente a palavra método refere-se a um conjunto de etapas, ordenadamente dispostas a serem vencidas na investigação da verdade, no estudo de uma ciência, ou para um determinado fim. Rampazzo considera o método como um trajeto linear que deve ser seguido para que um fim previamente estabelecido seja obtido. O conceito de método tem gerado inúmeras críticas; todavia, conforme trazido por Rampazzo (2002) apud Vilaça (2008) pode-se entrar em conflito com os argumentos trazidos por Paiva (2009), que trata da aquisição de línguas estrangeiras (LE) ou segunda língua (SL) como um processo sócio-cognitivo complexo. Esse processo reflete o caos e a imprevisibilidade, descrito por Paiva (2009), pois este processo de aprendizagem está sujeito às intervenções de muitos outros sistemas, sejam eles internos (fatores biológicos, cognitivos, psíquicos) como externos (escola, família, sociedade, cultura). Segundo Maciel (2003), o conceito de método aponta para um conjunto sistemático de práticas de ensino que tem como base uma teoria de ensino/aprendizagem. A autora apresenta uma conceituação de método baseada em Richards & Rodgers (1986), os quais, por sua vez citam vários níveis: abordagem, método, desenho, procedimentos. A abordagem tem a ver com os pressupostos teóricos sobre a natureza da linguagem e da aprendizagem, que servem de ponto de partida para estabelecer práticas e princípios. A metodologia no ensino, por sua vez, segundo Richards (1985) apud Kfouri Kaneoya (2002), é definida como as atividades, tarefas e experiências de ensinar usadas pelo professor no processo de ensino e aprendizagem; é, portanto, o estudo da prática pedagógica em geral.

11 11 Dessa forma, o professor opta por uma metodologia de ensino estruturada em suas concepções sobre a linguagem e o aprendizado de uma língua estrangeira, o papel do aprendiz e do professor, as atividades e os materiais instrucionais, conforme já mencionados anteriormente. Metodologia é, assim, um processo dinâmico, criativo e exploratório, que se renova a cada grupo de novos aprendizes. Silva (2004) conceitua abordagem e método segundo Brown (1997): Abordagem é entendida como "posições teóricas e crenças sobre a natureza da linguagem, a natureza da aprendizagem de línguas e a aplicabilidade de ambas no contexto pedagógico", enquanto que método é entendido como "um conjunto geral e prescrito de especificações da sala de aula para se atingir objetivos lingüísticos. Os métodos tendem a estar relacionados, em primeiro plano, com os papéis e comportamentos de professores(as) e alunos(as) e, em segundo plano, com aspectos tais como objetivos lingüísticos e de conteúdo, ordem dos assuntos e materiais utilizados [...]". Cabe a cada professor escolher a melhor abordagem, para que não haja interferência inconsciente de estímulos que foram marcados durante o momento da aprendizagem de cada indivíduo. Segundo Almeida Filho (1993), a abordagem é um grupo de disposições, conhecimentos, crenças, pressupostos e eventualmente princípios sobre o que é linguagem humana, Língua Estrangeira, e o que é aprender e ensinar uma língua-alvo. Já os métodos, conforme assevera Almeida Filho (1993) são as distintas e reconhecíveis práticas de ensino de línguas com seus respectivos correlatos, a saber, o planejamento das unidades, os materiais de ensino produzidos e as formas de avaliação do rendimento dos aprendizes. Isto é, o professor precisa escolher as práticas para se abordar na sala de aula, com materiais e atividades que possam ajudar no momento da aprendizagem, bem como na apreciação do resultado da turma e do professor. As abordagens e métodos de ensino da língua estrangeira foram sendo utilizados ao longo dos anos, cada qual com a intenção de solucionar as possíveis deficiências que o método anterior possuía. Segundo a autora Simone Rinaldi (2006): Embora possamos imaginar que muitos dos métodos que foram importantíssimos em suas épocas tenham sido rejeitados quando um novo método surgia, nenhum método foi totalmente ignorado ou esquecido. Dada as argumentações acerca da importância da escolha metodológica, em 2009, o site para estudantes e professores de língua inglesa English Experts (http://www.englishexperts.com.br/) fez uma enquete com o intuito de descobrir o que poderia fidelizar um aluno a uma determinada escola de inglês. A pergunta lançada foi: O

12 12 que te fidelizaria em uma escola de inglês? O participante poderia escolher até três opções entre as seguintes: A estrutura da escola; Bons professores; Localização da escola; Marca; Método de ensino; Preço. De acordo com o site, das pessoas que votaram na enquete, 75%, ou seja, 772 pessoas, consideraram o método de ensino em primeiro lugar. Neste sentido, considerando a importância dos métodos no processo de ensino/aprendizagem, segue uma breve descrição de alguns dos mais significativos: Método tradicional O método da gramática e tradução, ou método tradicional, é feito a partir da língua materna, com exercícios frequentes de tradução da língua alvo para a materna, não há ênfase na pronúncia da segunda língua e não é preciso que o professor saiba falar a língua alvo. Há somente a preocupação de o aluno memorizar certo número de palavras, ter conhecimento na elaboração das frases, ter domínio das terminologias gramaticais da língua alvo. Rinaldi (2006, p. 64) descreve que: O aluno deve aprender de memória as regras gramaticais da língua meta, o vocabulário, as conjugações verbais e outros pontos gramaticais. A interação ocorre com freqüência entre o professor e o aluno, quase nunca entre um aluno e outro e essa comunicação sempre acontece na língua materna. Nesse método, os alunos tendem somente a memorizar as regras da gramática imposta pela língua a ser estudada, busca-se a tradução como um tipo de exercício frequente, e não se faz obrigatório a pronúncia da língua alvo durante as aulas Método direto No método direto, o processo de ensino-aprendizagem é baseado apenas na língua alvo sem nunca mencionar a língua materna do aluno, o professor não precisa saber a língua materna do aluno, os exercícios iniciais são orais e de forma repetitiva para que o aluno se familiarize com a segunda língua, não há tradução da língua alvo para a língua materna, as explicações são feitas através de gestos, mímicas e gravuras. Com diálogos sobre assuntos diários, o aprendizado é feito primeiro pelo ouvir, falar, ler e escrever, o aluno não precisa sistematizar a língua alvo, e as regras gramaticais são aperfeiçoadas com o tempo e a

13 13 experiência. O princípio fundamental do método direto é de que a língua-alvo se aprende através da língua-alvo. Com isso, a língua materna nunca deve ser usada na sala de aula Método audiolingual O método audiolingual tem como finalidade ensinar a parte escrita ao aluno somente quando o mesmo estiver familiarizado com a oralidade da língua alvo. Primeiro ele precisa ouvir, depois falar, ler para então escrever. O conteúdo estrutural é apresentado a partir de diálogos que devem ser imitados, repetidos e memorizados pelo aluno. A pronúncia é ensinada desde o primeiro momento, geralmente com a utilização de laboratórios de línguas e é esperado do aluno que produza a mesma pronúncia de um falante cuja língua materna é a que se está aprendendo (Rinaldi, 2006, p.65) Abordagem comunicativa O interesse pelo desenvolvimento da competência comunicativa em uma língua estrangeira, seja ele o de falar, ouvir, escrever e fazer-se entender em outra língua, faz as pessoas buscarem métodos e lugares que acreditam ser o ambiente ideal para sua aquisição. Qualquer que seja o lugar onde se aprende esta nova língua, o aprendiz busca conseguir se comunicar fluentemente por meio dela. O desenvolvimento da competência comunicativa se justifica uma vez que a língua inglesa é vista hoje como uma língua franca presente no dia-adia. De acordo com Portela (2006): A abordagem comunicativa defende a aprendizagem centrada no aluno não só em termos de conteúdo, mas também de técnicas usadas em sala de aula, o professor deixa de exercer seu papel de orientador devendo subordinar seu comportamento às necessidades de aprendizagem dos alunos, mostrando sensibilidade aos seus interesses, conduzindo-os a participação e aceitando sugestões. O aluno torna-se responsável pela sua própria aprendizagem e técnicas de trabalhos em grupo são muito encorajadoras para que haja uma maior troca de conhecimentos entre os alunos sem a participação direta do professor. Afirmada a importância do meio e das interações, e tendo a comunicação como elemento de ligação, percebe-se que os métodos comunicativos têm em comum como característica o foco no sentido, no significado e na interação propositada entre sujeitos na

14 14 língua estrangeira. O ensino comunicativo organiza as experiências de aprender em termos de atividades relevantes/tarefas de real interesse e/ou necessidade do aluno para que ele se capacite a usar a língua/alvo para realizar ações de autênticas na interação com outros falantes-usuários. Nunan apud Brown (1994) lista cinco características da abordagem comunicativa: - uma ênfase no aprender a comunicar-se através da interação com a língua-alvo; - a introdução de textos autênticos na situação da aprendizagem; - a provisão de oportunidades para os alunos, não somente na linguagem, mas também no processo de sua aprendizagem; - uma intensificação das próprias experiências pessoais do aluno como elementos importantes na contribuição para aprendizagem em sala de aula; - uma tentativa de ligar a aprendizagem da linguagem em sala de aula com ativação da linguagem fora da sala de aula. As características da abordagem comunicativa são ratificadas por Maia et al. (2002), ao falar sobre a mesma, contrapondo com o método tradicional no ensino/aprendizagem de línguas, ou seja, com gramática desde a primeira aula: Ao invés de descrever a língua por meio de conceitos gramaticais e vocabulário, a língua era usada por meio de sistemas de significados necessários para o uso comunicativo da língua. Contudo, como Almeida Filho (1993) afirma no conceito de abordagem comunicativa, esta, por sua vez, não exclui a gramática: A abordagem comunicativa se caracteriza por ter o foco no sentido, no significado e na interação propositada entre os sujeitos que estão aprendendo uma nova língua. O ensino comunicativo é aquele que organiza as experiências de aprender em termos de atividades/tarefas de real interesse e/ou necessidade do aluno para que ele se capacite a usar a língua-alvo para realizar ações autênticas na interação com outros falantesusuários dessa língua. Além disso, este ensino não toma as formas da língua descritas nas gramáticas como modelo suficiente para organizar as experiências de aprender outra língua, embora não descarte a possibilidade de criar na sala momentos de explicitação de regras e de prática rotinizante dos subsistemas gramaticais, como o dos pronomes, as terminações de verbos, etc. A esta interação comunicativa, já mencionava Richards e Rodgers (1986) acerca de estudos realizados em sala de aula que demonstram que a metodologia do professor deriva de processos de interação entre ele e seus alunos, no uso de atividades e tarefas instrucionais, comprovando que o ensino não é um ato estático ou pré-determinado temporalmente, mas é um processo dinâmico e interacional de acordo com os autores, já que envolve os objetivos do professor, os movimentos comportamentais e estratégicos dos alunos, a estruturação da aula,

15 15 as tarefas, os agrupamentos, enfim, uma série de acontecimentos que tornam a aula efetiva, sem que os envolvidos - professor e alunos tomem consciência disso. Deste modo, este processo dinâmico e interacional como citado anteriormente por Richards e Rodgers (1986), é neste ponto complementado por Nunan (2000) que ressalta a importância da autonomia. No caso de ensino de línguas, o autor ressalta que a aprendizagem de uma segunda língua ocorrerá com mais eficácia se os aprendizes puderem desenvolver e exercer a sua autonomia. Tal afirmação coloca a autonomia como uma das molas propulsoras para uma aprendizagem eficaz e sustentável. 2.2 Teorias de aquisição e as principais abordagens de ensino/aprendizagem de uma segunda língua Frente a esta importância e a fim de que seja possível compreender um pouco mais sobre os caminhos tomados no ensino de línguas estrangeiras, apresentou-se anteriormente um panorama do que os principais métodos e abordagens postulavam desde o começo do século XX, que são complementados agora. Vale lembrar que são colocadas apenas as linhas gerais do desenvolvimento e da aplicação de alguns desses métodos. Salutar salientar, assim como Leffa (1988) já frisou traçando um panorama dos principais métodos de ensino de línguas, não com a intenção de doutrinar o professor no uso de um determinado método, mas informá-lo das opções existentes. Cabendo a ele, partindo de experiência, das características de seus alunos, e das condições existentes, tomar a decisão final. Assim como abordaremos a questão das teorias, métodos, abordagens num plano de observação de sala de aula, na prática dos professores, também cabe ressaltar que foram analisados os materiais didáticos abordados pelos cursos livres estudados. Nesta tangente, em detrimento de sua importância, segundo Richards (2001) apud Corchs (2006), o ensino de línguas no mundo hoje depende, em grande parte, do uso de materiais comercializados. Os materiais são componentes chave em programas de ensino de línguas e servem de base para o estímulo que os alunos recebem para a prática em sala de aula. Cunningsworth (1995) apud Corchs (2006) declara que o material didático no ensino de língua é fonte de sugestões de atividades que englobam as quatro habilidades da língua: fala, compreensão auditiva, leitura e escrita, além de proporcionar recursos de atividades comunicativas e interativas. Corchs (2006) acrescenta que os materiais são fonte de estímulo e

16 16 ideias para atividades que propiciam processos de aprendizagem progressivos e que balanceiam as habilidades, além de trabalhar com gramática, vocabulário e pronúncia. Em tempo, a Secretaria Educação do Estado de São Paulo, através do seu site - conceitua curso livre, sujeitos deste estudo, da seguinte forma: Curso Livre é a modalidade de educação não-formal de duração variável, destinada a proporcionar ao trabalhador conhecimentos que lhe permitam reprofissionalizar-se, qualificar-se e atualizar-se para o trabalho. Após a Lei nº Diretrizes e Bases da Educação Nacional, os cursos livres passaram a integrar a Educação Profissional, como Educação Profissional de Nível Básico. Para tal, não há exigência de escolaridade anterior, tais cursos não são regulamentados, sendo livres sua oferta e sua organização; e a escola pode emitir certificado de qualificação profissional. Seguindo as abordagens, numa visão mais ampla, Schütz (2004, 2009) aponta três abordagens principais no que tange ao ensino de línguas: language learning (visto como o estudo formal, voltado a obter e acumular conhecimento), language drilling - habit formation (visto como a repetição mecânica, que conduziria a automatização de estruturas), e language acquisition (visto como interação em ambientes autênticos, o que levaria a adquirir habilidade). Language learning (visto como o estudo formal, voltado a obter e acumular conhecimento) de acordo com o autor, seria o processo cognitivo cujo objetivo é o entendimento da estrutura e das regras do idioma, através de esforço intelectual e da capacidade dedutivo-lógica do estudante. Atenção à língua na sua forma escrita e ênfase em gramática e tradução. Este processo seria de teoria inspiradora do Grammar-Translation Method (Método tradicional), que predominou até a metade do século 20 e ainda se encontra em muitas escolas de Ensino Médio. Language drilling - habit formation (visto como a repetição mecânica, que conduziria a automatização de estruturas). Segundo o autor, este seria um processo artificial, atrelado a um plano didático serializado e rígido, que procuraria criar reflexos condicionados através de exercícios de repetição e memorização de formas da língua fora de contexto. Teoria inspiradora do Audiolingual Method (Método Audiolingual), que predominou a partir dos anos 50 e é ainda hoje praticada por muitos cursos de línguas no Brasil, conforme cita Schütz (2004, 2009). Language acquisition (visto como interação em ambientes autênticos, o que levaria a adquirir habilidade), de acordo com o autor, trata-se de um processo de assimilação natural, intuitivo e subconsciente, fruto de interação em situações reais de convívio humano em

17 17 ambientes caracterizados pela presença da língua estrangeira e sua cultura. Teoria inspiradora do Natural Approach de Stephen Krashen e das abordagens comunicativas, a partir dos anos 80, como já abordado em capítulo anterior. Com o intuito de melhor elaborar as concepções mencionadas, Schütz (2004, 2009) traz uma tabela comparativa entre as três abordagens: TABELA 1 LEARNING DRILLING ACQUISITION Artificial Artificial Natural Técnico Mecânico Pessoal Prioridade na língua escrita Teoria (análise da língua) Ensino dedutivo (direcionado por regra; top-down) Syllabus préestabelecido Atividades SOBRE a língua Prioridade na língua falada Prática do modelo (língua descontextualizada) Sem raciocínio (mecânico) Syllabus préestabelecido Atividades COM a língua Prioridade na língua falada Prática (língua em uso) Ensino indutivo (descobrir a regra; bottom-up) Atividades improvisadas Atividades NA língua Foco na forma Foco no discurso Foco na comunicação Produz conhecimento Produz hábito Produz uma habilidade As teorias de aprendizagem, métodos de ensino e abordagens devem ser considerados um referencial a ser adaptado por parte do professor de acordo com a situação particular ou contexto em que está inserido. De acordo com Jalil e Procailo (2009), desta maneira, o professor estará utilizando abordagens e métodos que refletem seus princípios de forma mais

18 18 acurada, o que diminuiria o abismo entre a teoria elaborada por estudiosos da Linguística Aplicada e a prática, vivenciada pelo professor em seu dia-a-dia. Segundo os autores, a seleção dos encaminhamentos metodológicos mais adequados para o contexto em que o professor está inserido não pode acontecer de forma eclética e aleatória, sem reflexão. Deste modo, o professor, consciente do valor de uma prática pedagógica coerente e instigante, poderá melhor nortear seu trabalho. Além destas abordagens trazidas por Schütz, serão traçadas na sequência algumas conceituações clássicas de teorias de aprendizado Behaviorismo Dê-me uma dúzia de crianças saudáveis, bem formadas, e meu próprio mundo especificado para criá-las e garanto pegar qualquer uma ao acaso e treiná-la para se tornar qualquer tipo de especialista que eu escolher médico, advogado, artista, comerciante-chefe e sim, até mesmo mendigo e ladrão, independente de seus talentos, inclinações, tendências, vocações, e raça de seus ancestrais. (John Watson, Behaviorismo, 1930) Genericamente falando, o behaviorismo é uma atitude. Estritamente falando, o behaviorismo é uma doutrina - de acordo com Graham (2010). O behaviorismo define aprendizagem como nada mais do que a aquisição de um novo comportamento com base nas condições ambientais. É uma teoria de aprendizagem baseada na ideia de que todos os comportamentos são adquiridos através de condicionamento. O condicionamento ocorre através da interação com o meio ambiente. De acordo com o behaviorismo, o comportamento pode ser estudado de forma sistemática e observável, sem consideração de estados mentais internos. Lightbown e Spada (1999) mencionam que os behavioristas contam com a aprendizagem em termos de imitação, a prática, o reforço (ou feedback em caso de sucesso), e formação de hábito. Os aprendizes recebem input lingüístico de falantes em seu ambiente e fazem associações entre palavras e objetos ou eventos. Essas associações se tornam mais fortes a medida que as experiências se repetem. Os aprendizes recebem incentivo para suas imitações corretas e feedback corretivo em seus erros. De acordo com Paiva (2005), o modelo behaviorista vê a aquisição como criação de hábitos automáticos adquiridos através da imitação em forma de repetição (drills). Se considerarmos que a memorização é um dos métodos utilizados dentro da abordagem behaviorista, assim como a imitação e a mímica (Diller 1978, apud Maia et al, 2002) e que a abordagem behaviorista já provou ser incompleta para o aprendizado de segunda língua

19 19 (Lightbown e Spada, 1996), algumas mudanças no ensino de língua estrangeira se fazem necessárias, a fim de favorecer a aprendizagem Inatismo O Inatismo é uma teoria em lingüística proposta a Noam Chomsky. Musalim e Bentes (2001) mencionam que a teoria de Chomsky afirma que a linguagem vem de herança genética, isto é, inata, em que algumas regras de gramática são fixas no cérebro, segundo ele, nascem com a pessoa, e manifestam-se sem que sejam ensinadas, manifestandose durante o desenvolvimento humano. A fala dos adultos serve como uma base para as crianças, que serve como uma estrutura para o desenvolvimento de suas próprias regras. No momento em que as crianças incorporam-nas, elas as assimilam como alguns modelos da língua materna; não é porque elas imitam os adultos, mas porque elas incorporaram, assimilaram novos modelos de regras para sua própria língua. Chomsky defende ainda que a criança tem um dispositivo de aprendizagem - LAD - (language acquisition device) - dispositivo de aquisição da linguagem, que é ativado e processado a partir de um conjunto de sentenças ouvido num contexto, que é chamada de input. Segundo essa proposta, as crianças têm uma Gramática Universal inata, que contém todas as regras de todas as línguas. Inatismo é uma tendência que acredita na existência da mente como depositário, e que todo e qualquer aprendizado é inato e não simples imitação. A teoria do inatismo se opõe a várias tendências, que afirmam que as crianças aprendem em um processo conhecido por imitação, que funciona através de estímulos, reforço, e respostas, tese fundamental do behaviorismo, defendido por Skinner. Schütz (2011) sobre Chomsky e Krashen: Noam Chomsky revoluciona a lingüística nos anos 60 afirmando que língua é uma habilidade criativa e não memorizada, e que não são as regras da gramática que determinam o que é certo e errado, mas sim o desempenho de um native speaker que determina o que é aceitável ou inaceitável. Mais recentemente as ideias de Chomsky passaram a inspirar a metodologia de ensino de línguas na direção de uma abordagem humanística baseada em comunicação e intermediação de um orientador carismático, e com participação ativa do aluno. Stephen Krashen finalmente nos anos 80 cria o Natural Approach, trazendo ao ensino de línguas estrangeiras as contribuições de Piaget e Vygotsky à psicologia educacional. Em

20 20 seu livro (Principles and Practice in Second Language Acquisition) Krashen estabelece uma distinção entre estudo formal e assimilação natural de idiomas e conclui que o ensino de línguas eficiente não é aquele que depende de receitas didáticas em pacote, de prática oral repetitiva, ou que busca apoio de equipamentos, mas sim aquele que explora a habilidade do instrutor em criar situações de comunicação autêntica, não necessariamente dentro de uma sala de aula, que enfatiza o intercâmbio entre pessoas de diferentes culturas, e que dissocia as atividades de ensino e aprendizado do plano técnico-didático, colocando-as num plano pessoal-psicológico Socioconstrutivismo e interacionismo Numa corrente socioconstrutivista e interacionisma, temos ainda Piaget e Vygotsky, segundo Schütz (2011): Piaget e Vygotsky, pais da psicologia cognitiva contemporânea, enfatizam que conhecimento é construído em ambientes naturais de interação social, estruturados culturalmente. Cada aluno constrói seu próprio aprendizado num processo de dentro para fora baseado em experiências de fundo psicológico. De acordo com Vygostsky apud Cardoso (2010), para aprender uma LE necessita-se primeiramente, de um contexto, já que os processos de compreensão e aprendizagem acontecem em meio a interações sociais entre indivíduos historicamente constituídos. Assim, a aprendizagem de uma LE, dentro do espaço escolar, pressupõe a interação dos indivíduos envolvidos no processo, professor e alunos, salientando a importância de um parceiro mais competente nessa aprendizagem. Pressupõe também, contextos interativos em que as pessoas que rodeiam o indivíduo não são passivas ou juízes, mas agentes do desenvolvimento. Neste sentido, a interação é defendida por Vygotsky (1994), sendo que é a aprendizagem quem determina o desenvolvimento, e a aprendizagem, segundo o autor é fundamentalmente uma experiência social, de interação pela linguagem e pela ação - interação social é origem e motor da aprendizagem e do desenvolvimento intelectual. Todas as funções no desenvolvimento do ser humano aparecem primeiro no nível social (interpessoal), depois, no nível individual (intrapessoal). Vygotsky apoia a teoria Interacionista, a qual enfoca o ambiente linguístico com a capacidade da criança para o desenvolvimento de uma determinada língua. Segundo este autor, o desenvolvimento linguístico ocorre através da interação com o mundo. Os alunos precisam de um input para a aquisição da linguagem, ou seja, o input linguístico é tudo o que

21 21 a criança ouve ou lê, mas só precisam da oportunidade de interagir com outros falantes desta língua, e que essa interação com outras pessoas seja produtiva, a fim de aprender a língua por meio da interação. (Vygotsky apud Cardoso, 2010). No contexto de sala de aula, a interação entre professor-aluno(s), aluno(s)-aluno(s), aluno-tarefa e aluno-autor de um texto deveria normalmente ocorrer na língua-alvo. Vygotsky (1994) destaca a importância das interações sociais, e é através da interação com outros que a criança incorpora os instrumentos culturais. O contexto cultural é o palco das principais transformações e evoluções do ser humano. Pela interação social, aprendemos e nos desenvolvemos, criamos novas formas de agir no mundo, ampliando nossas ferramentas de atuação neste contexto cultural complexo que nos recebeu, durante todo o ciclo vital. Segundo Rabelo e Passos (2011), para os teóricos Construcionistas, tendo como ícone Piaget, o desenvolvimento é construído a partir de uma interação entre o desenvolvimento biológico e as aquisições da criança com o meio. Temos ainda a abordagem Sociointeracionista, de Vygotsky, segundo a qual o desenvolvimento humano se dá em relação nas trocas entre parceiros sociais, através de processos de interação e mediação. Vygotsky enfatizava o processo histórico-social e o papel da linguagem no desenvolvimento do indivíduo. Sua questão central é a aquisição de conhecimentos pela interação do sujeito com o meio. Para o teórico, o sujeito é interativo, pois adquire conhecimentos a partir de relações intra e interpessoais e de troca com o meio, a partir de um processo denominado mediação. Já na chamada perspectiva Sociointeracionista, sócio-cultural ou sócio-histórica, abordada por L. Vygotsky apud Rabelo e Passos (2011), a relação entre o desenvolvimento e a aprendizagem está atrelada ao fato de o ser humano viver em meio social, sendo este a alavanca para estes dois processos. Isso quer dizer que os processos caminham juntos, ainda que não em paralelo. 2.3 Aquisição x aprendizagem de uma segunda língua Língua é um dos veículos responsáveis por transmitir a nossa cultura e junto com ela os seus valores, e o aprendizado de uma segunda língua durante a formação escolar, proporciona ao aluno um maior envolvimento com os conhecimentos. O professor que se sujeita a difundir uma segunda língua ao aluno deve-se atentar para a diversidade cultural que

22 22 ele encontrará em uma sala de aula e, a partir disso, escolher os métodos mais apropriados para orientação da aprendizagem daquela turma e obter melhores resultados. De acordo com Kfouri Kaneoya (2002), as diversas formas de interação em sala de aula, bem como a construção do processo de ensino/aprendizagem de uma língua, relacionamse de forma íntima à abordagem que norteia a ação pedagógica do professor em sua relação com o aluno. Nessa escolha por uma abordagem, especificam-se elementos fundamentais no processo de ensinar e aprender uma língua: os objetivos, o planejamento, o papel do aprendiz, o papel do professor e a função dos materiais instrucionais e suas estratégias de uso. No que tange ao conceito de abordagem, Brown (1994) apud Kfouri Kaneoya (2002) traz que: Entende-se abordagem como um conjunto coerente de posições e crenças teóricas acerca da natureza da linguagem, do ensino e aprendizagem e a aplicabilidade de ambos na prática pedagógica do professor. Entretanto, em alguns contextos de ensino, a abordagem declarada pelo professor como norteadora de seu trabalho prático não condiz com a elaboração teórica de seu plano de curso ou com seus procedimentos em sala de aula, o que nos leva a constatar que, quase sempre, há um desencontro entre o dizer e o fazer desse professor, ainda que de maneira inconsciente. Face a estas realidades, julga-se necessária a explicitação e estudo aprofundado das teorias de aquisição, dos métodos, abordagens e metodologias que são utilizadas no ambiente da sala de aula, como já feito anteriormente, a fim que o processo de ensino aprendizagem possa ocorrer, buscando harmonia entre o dizer e o fazer. E para buscar este equilíbrio, um aspecto fundamental a ser analisado é o da metodologia no ensino de línguas. Segundo Richards (1985) apud Kfouri Kaneoya (2002), a metodologia no ensino é definida como as atividades, tarefas e experiências de ensinar usadas pelo professor no processo de ensino e aprendizagem; é, portanto, o estudo da prática pedagógica em geral. O professor, desta forma, opta por uma metodologia de ensino estruturada em suas concepções sobre a linguagem e o aprendizado de uma língua estrangeira, o papel do aprendiz e do professor, as atividades e os materiais instrucionais. Desta forma, metodologia é um processo dinâmico, criativo e exploratório, que se renova a cada grupo de novos aprendizes. Neste sentido, baseando-se na própria formação, concepções e crenças, o professor tende a eleger o método que melhor aborda todo o processo em sua prática, numa tentativa de organizar as relações entre os elementos que contextualizam uma aula (Prabhu, 1990 apud Kfouri Kaneoya, 2002). Sendo assim, a seguir, serão abordadas algumas das tendências

23 23 vigentes no ensino de línguas estrangeiras, considerando aquelas que percebemos como mais significativas, mais presentes na ação pedagógica dos objetos de estudo em questão, os cursos livres. A aprendizagem/aquisição de uma língua é um assunto que sempre gerou interesse; é uma curiosidade natural saber como se aprende uma língua. Quando aprendemos nossa língua materna, o processo é automático, aprende-se inconscientemente, ao aprendermos a falar ninguém nos ensina gramática, listas de verbos, exceções, regras com preposições, conjunções, etc. Contudo, a aprendizagem/aquisição de uma segunda língua é objeto de estudo de incontáveis autores, abordaremos neste momento a teoria do monitoramento de Krashen. Uma teoria inatista de aquisição de uma segunda língua que tem tido grande influência na prática de ensino de uma segunda língua é a proposta por Stephen Krashen (1982), de acordo com Lightbown e Spada (1999), ela aborda o processo e as dimensões de condição do aprendizado. O processo é relacionado com aquisição e aprendizagem. Aquisição se refere a assimilação natural das regras através usando a linguagem para comunicação. Aprendizagem se refere ao estudo formal das regras de uma língua e é um processo consciente. (Richards e Rodgers, 1986). Segundo Krashen apud Schütz (2011) entende-se por aprendizagem, o desenvolvimento formal e consciente da língua, normalmente obtido através da explicitação de regras. Aquisição é o desenvolvimento informal e espontâneo da segunda língua, obtido normalmente através de situações reais, sem esforço consciente. De acordo com Molina (2011): A distinção entre aprendizagem e aquisição baseia-se na premissa de que aquisição e aprendizagem são dois fenômenos diferentes, de origem diferentes, com finalidades diferentes, podendo ocorrer simultaneamente, mas o último não sendo causa do primeiro. Aprendizagem não gera, não se transforma em aquisição. A diferença básica entre esses dois fenômenos é que a aquisição, é um processo que ocorre a nível do subconsciente, funcionando por força de necessidade de comunicação enquanto impulso vital, uma função que o cérebro não pode evitar de cumprir ao ser exposto aos impulsos auditivos identificados como mensagem codificada em língua. Aprendizagem significa saber as regras, ter consciência delas, pode falar sobre elas, exigindo portanto, um esforço consciente. Em outras palavras, uma significa saber usar a língua, a outra saber sobre a língua. Daí o insucesso dos cursos de gramática em língua materna. Como a finalidade primordial de qualquer língua é a comunicação com outros falantes da mesma, a maioria dos falantes não têm o mínimo interesse em saber sobre a língua. No que diz respeito à teoria do monitoramento de Krashen, cinco hipóteses constituem o que Krashen originalmente chamava de monitor model. O autor afirma que resultados de

24 24 pesquisas de um número de diferentes domínios são consistentes com estas hipóteses: (1) a hipótese da aquisição aprendizado; (2) a hipótese do monitor; (3) a hipótese da ordem natural; (4) a hipótese do input; e (5) a hipótese do filtro afetivo. Lightbown e Spada (1999) apontam o seguinte em cada uma das hipóteses da teoria de Krashen: (1) A hipótese da aquisição aprendizagem. De acordo com Krashen, há duas maneiras para que um adulto aprendiz de segunda língua desenvolva conhecimento de uma segunda língua através de aquisição ou aprendizagem. Se adquirirmos a língua, não há atenção consciente, que é o meio pelo qual as crianças pegam sua língua materna, é uma maneira inconsciente de adquirir a língua. Esta abordagem levaria a uma comunicação fluente e natural. Por outro lado, se aprendermos a língua, o processo acontecerá através da atenção consciente, com estudos que focam a forma e as regras da língua. (2) A hipótese do monitor Krashen argumenta que o sistema adquirido age para iniciar as declarações do falante e é responsável julgamentos intuitivos de fluência sobre a correção. O sistema aprendido, por outro lado, age somente como um editor ou monitor, fazendo pequenas mudanças e polindo o que o sistema adquirido produziu. (3) A hipótese da ordem natural Língua não é aprendida em uma sequência prédeterminada. Os aprendizes passam por sequências e fases de desenvolvimento. As regras mais fáceis não precisam necessariamente ser ensinadas primeiro. (4) A hipótese do input Krashen afirma que se adquire a linguagem de uma única maneira pela exposição a um input compreensível. Se o input contiver formas e estruturas além do nível atual da competência na linguagem do aluno, então a compreensão e a aquisição irão ocorrer. (5) A hipótese do filtro afetivo O filtro afetivo é uma barreira imaginária que impede o aluno de adquirir a linguagem a partir de um input disponível. Afeto se refere a motivos, necessidades, atitudes, e estado emocional. Um aprendiz que está tenso, irritado, ansioso ou entediado pode filtrar, tornando indisponível a aquisição. Assim, dependendo do estado de espírito ou da disposição do aprendiz, o filtro limita o que é notado e o que é adquirido. Leffa (1988) também elenca a questão da distinção entre aprendizagem e aquisição. Entende-se por aprendizagem o desenvolvimento formal e consciente da língua, normalmente

25 25 obtido através da explicitação de regras. Aquisição é o desenvolvimento informal e espontâneo da segunda língua, obtido normalmente através de situações reais, sem esforço consciente. Aprender/adquirir uma segunda língua pode ser um processo que oscila entre ser uma tarefa muito difícil para algumas pessoas a algo impossível para outras. Segundo Schütz (2004), este talento pode sofrer a influência de uma série de aspectos alguns a ser considerados: idade, formação linguística, versatilidade linguística, acuidade auditiva, como ainda características de personalidade podem afetar o processo de aprendizagem/aquisição positiva ou negativamente. Em How languages are learned, Lightrown e Spada (1999) enfatizam que características pessoais e do meio são a base para a teoria de aquisição. Qualquer teoria de aquisição de línguas pode estar baseada em três aspectos: 1. As características inatas da pessoa; 2. O contexto; e 3. Ambas as características inatas da pessoa associadas ao contexto. Success (in language learning) depends [...] on what goes on inside and between people in the classroom. - a esta afirmação de Stevick (1980) podemos relacionar a distinção feita por Krashen antes mencionada entre aprendizagem e aquisição de línguas num ambiente interativo, como trazido por Lightbown e Spada, e ainda pela teoria interacionista de Vygotsky (1994) que destaca a importância das interações sociais, e é através da interação com outros que a criança incorpora os instrumentos culturais. O contexto cultural é o palco das principais transformações e evoluções do ser humano. Pela interação social, aprendemos e nos desenvolvemos, criamos novas formas de agir no mundo, ampliando nossas ferramentas de atuação neste contexto cultural complexo que nos recebeu, durante todo o ciclo vital.

26 26 3. METODOLOGIA DA PESQUISA 3.1 Tipo de pesquisa O estudo a ser desenvolvido, quanto à tipologia, será bibliográfico, pois como salienta Leite (1997), pesquisa bibliográfica é o método por excelência de que dispõe o pesquisador, sem com isso esgotar as outras manifestações metodológicas. Tendo ainda como base descritiva, uma vez que se propõe a expor, relatar as características de determinadas teorias, métodos, metodologias e abordagens no que tange ao ensino/aprendizagem de uma segunda língua; com uma metodologia de tipo qualitativa, baseada fundamentalmente na análise do material didático e na observação das aulas. Caracteriza-se ainda com base explicativa, pois tem como objetivo servir de base para explicar as escolhas metodológicas dos sujeitos da pesquisa, buscando justificar seus motivos e trazer autores que possam esclarecer os fatores que contribuíram para tais escolhas, no afã de obter um conhecimento mais amplo e detalhado dos mesmos. 3.2 Instrumentos da pesquisa Além da pesquisa bibliográfica, que envolveu a leitura de várias obras, a mesma deuse com fonte primária através do material didático usado pelos cursos, que exemplificam os argumentos na análise dados, fontes secundárias também foram usadas, como sites e fóruns na Internet acerca dos cursos analisados. A pesquisa de campo também serviu como instrumento, consistindo em uma investigação empírica realizada nos locais de estudo, ou seja, nos dois cursos livres analisados; este procedimento concretizou-se através da observação simples (com certo distanciamento, sem participação efetiva) de algumas aulas que foram gravadas em áudio, como também entrevistas informais com coordenadores pedagógicos, professores e diretores, a fim de conhecer as teorias, métodos, metodologias e abordagens que fundamentam tanto o material didático do dado curso, como também a prática de sala de aula dos professores.

27 Sujeitos da pesquisa Os sujeitos da pesquisa foram os dois cursos livres definidos como alvo desta pesquisa, tais cursos foram escolhidos dada a sua grande abrangência em nível regional, estadual, bem como nacional, além disso, foi considerado ainda o renome de tais cursos livres frente a seu público alvo. Em cada curso, dois aspectos foram primordialmente analisados: a) material didático; e b) metodologias adotadas na prática pelos professores através da observação em sala de aula. Foram realizadas ainda entrevistas informais com diretores, coordenadores pedagógicos e professores a fim de ter maior embasamento frente à sistemática metodológica de cada sujeito, alvo desta pesquisa. 4. ANÁLISE DE DADOS Os cursos livres de idioma ocupam um papel relevante na formação dos falantes de língua inglesa como segunda língua. Entretanto, há de se sublinhar que embora tais cursos sejam frequentemente configurados como os únicos lugares onde é possível aprender língua inglesa, essa afirmação merece maiores investigações, pois a aprendizagem pode acontecer em outros ambientes formais de ensino, bem como em ambientes não-formais. Numa época em que a habilidade de se falar inglês torna-se uma qualificação tanto cultural como profissional básica, indispensável, quando seu aprendizado exige um considerável investimento de tempo e dinheiro, ao mesmo tempo em que escolas e cursinhos de inglês instalam-se praticamente em cada esquina, em cidades grandes e pequenas, bombardeando-nos com mensagens publicitárias, torna-se necessário saber avaliar a qualidade daquilo que nos oferecem. (Schütz, 2006) Sabendo tanto da importância que tais organizações podem ter, a responsabilidade que podem assumir no ensino de língua inglesa, deve-se estar atento ao que é oferecido. Desta forma, busca-se aqui um olhar crítico frente às metodologias escolhidas/adotadas/usadas em alguns cursos livres de idiomas que enfocam o ensino de língua inglesa na nossa região. O objetivo, no entanto, não é eleger a melhor escola, apenas analisar suas práticas, ver a influência que determinadas teorias, abordagens, metodologias têm em cada curso, até porque o ensino de línguas hoje já não acontece como no passado, ou seja, baseado em métodos tradicionais, como gramática e tradução, mas constrói-se a partir de diversas abordagens,

28 28 costurando diferentes metodologias, com o intuito de atender a diferentes alunos e a suas maneiras subjetivas de aprendizagem. A busca por um método perfeito foi durante muito tempo uma obsessão (Brown, 1994). Conforme Nunan (1995) apud Vilaça (2008) aponta, acreditava-se na possibilidade de desenvolvimento ou descoberta de um método que pudesse ser bem-sucedido em todos os contextos e com todos os alunos. Esta incansável busca pelo método perfeito de ensino de língua estrangeira foi comparada por diversos autores, entre eles, Prator (1979), ao movimento de um pêndulo, uma vez que, em geral, cada método novo busca, de certa forma, romper radicalmente com o anterior. Cada nova metodologia de ensino era defendida como uma revolução que pretendia corrigir todos os erros das anteriores. Conforme afirma Prator (1979), os defensores e adeptos de um método novo negavam a validade dos métodos anteriores. Motivados por essa constatação e por um conseqüente descontentamento com o próprio conceito de método, alguns autores e pesquisadores passaram a defender a impossibilidade de existência de um método perfeito (Prabhu, 1990). Conforme Duque (2004) apud Vilaça (2008) destaca, a busca pelo método perfeito se transformou na busca de um método mais adequado, enfatizando ainda: Esta conclusão conduziu, de certa forma, à defesa do ecletismo no ensino de línguas estrangeiras como forma de liberdade e flexibilidade metodológicas. Deseja-se com isso estabelecer um rompimento com a rigidez imposta por muitos métodos e a valorização dos professores, dos alunos e dos contextos de aprendizagem. Em termos gerais, o ecletismo visa a possibilitar que o professor faça escolhas metodológicas que sejam mais coerentes e necessárias, tendo em vista o contexto de ensino aprendizagem onde cada professor desempenha a sua atividade docente. Isto representa, em outros termos, um rompimento com procedimentos metodológicos que, na maioria das vezes, foram planejados para salas de aula padronizadas e idealizadas, desconsiderando diferenças contextuais e individuais de naturezas variadas. O autor ainda destaca que o ecletismo deve ser compreendido como flexibilidade e não como ausência metodológica. Conforme defendido por Larsen- Freeman (2003) e Brown apud Vilaça (2008), o método eclético deve conduzir a uma prática coerente e plural no ensino de uma língua, onde grande variedade de atividades possa ser empregada de forma a facilitar, acelerar ou otimizar o processo de ensino. Os autores e pesquisadores apontam que este ecletismo deve ser guiado por princípios. Ao adotar um métod,kç~ o eclético, o professor deve ser capaz de fazer escolhas metodológicas que atendam às características e às necessidades de seu contexto pedagógico. Portanto, ele deve estar atento para que o caminho até seus objetivos seja coerentemente

29 29 percorrido. Em outras palavras, toda atividade docente deve ser justificável e estar em harmonia com os objetivos de ensino/aprendizagem. Sendo assim, diante desta realidade de observação de metodologias abordadas tanto através do material didático, quanto daqueles adotados na prática pelos professores, foram estabelecidos dois cursos livres, que serão denominados: Curso A e Curso B. Tais cursos foram escolhidos dada a sua grande abrangência em nível regional, estadual, bem como nacional, além disso, foi considerado ainda o renome de tais cursos livres frente a seu público alvo. Em cada curso, dois aspectos serão primordialmente analisados: a) Material didático; b) Metodologia adotada na prática. Em 2009, o site para estudantes e professores de língua inglesa English Experts fez uma enquete com o intuito de descobrir o que poderia fidelizar um aluno a uma determinada escola de inglês. A pergunta lançada foi: O que te fidelizaria em uma escola de inglês? O participante poderia escolher até três opções entre as seguintes: a) a estrutura da escola; b) bons professores; c) localização da escola; d) marca; e) método de ensino; f) preço. De acordo com o site, 1,032 pessoas votaram na enquete e os resultados, que podem ser visualizados no gráfico 1 foram os seguintes: Método de ensino (75%, 772 Votos) Bons professores (72%, 743 Votos) Preço (36%, 376 Votos) A estrutura da escola (20%, 208 Votos) Localização da escola (12%, 125 Votos) Marca (2%, 22 Votos) GRÁFICO 1 English Experts (2009)

30 30 O interesse pelo desenvolvimento da competência comunicativa em uma língua estrangeira, seja ele o de falar, ouvir, escrever e fazer-se entender em outra língua, faz as pessoas buscarem métodos e lugares que acreditam ser o ambiente ideal para sua aquisição. Almeida Filho (1993) nos traz esta competência como a mais básica que a implícita, constituída de crenças e experiências. Qualquer que seja o lugar onde se aprende esta nova língua, o aprendiz busca conseguir se comunicar fluentemente por meio dela. O desenvolvimento da competência comunicativa se justifica uma vez que a língua inglesa é vista hoje como uma língua franca presente no dia-a-dia. Considerando a afirmação de Santos (2009): Os alunos estão inseridos em um contexto de aprendizagem basicamente do ambiente escolar para estarem expostos à língua, portanto, o professor tem a tarefa de transformar a sala de aula em um lugar atrativo - nesse contexto, o professor tem um papel muito importante. Ele é fundamental na escolha do modo como será trabalhada a língua, em como o ensino deve ser efetivado para que as expectativas não se convertam em frustrações, tanto por parte do professor, em não ver avanço de seu aluno, quanto do aprendiz. O sucesso para a aprendizagem de uma língua estrangeira depende de vários fatores relacionados tanto aos alunos quanto aos professores. Para que os alunos aprendam uma língua eles precisam estar motivados e interessados, cabendo ao professor propiciar momentos de aprendizagem relevantes, fazendo da sala de aula um ambiente de interação. Assim, não basta que o professor conheça a língua que irá ensinar: ele deve conhecer também seus alunos. O professor apenas poderá criar atividades relevantes se conhecer seus alunos, no entanto, segundo Batstone (1994), isso não garante o sucesso da aprendizagem, que depende do aluno. Contudo, partindo destes dois pontos essenciais: um profissional competente e que conheça seus alunos e suas formas de aprender constitui elementos significativamente fortes no processo de ensino aprendizagem de língua inglesa, o que não garante uma aprendizagem/aquisição significativa de fato, mas estabelece elementos fortemente eficazes neste processo. Outrossim, fatores como preço, estrutura e localização da escola, e mais: a marca, as famosas marcas não se mostram tão significativas na enquete. Já dizia Paulo Freire que... educação se faz até embaixo de uma árvore.. Estrutura, localização, preço, marca, caem por terra diante de um bom professor com boas metodologias de ensino. Dentre os mais variados aspectos que poderiam ser analisados quando se trata do ensino/aprendizagem de língua inglesa em um ambiente formal de ensino, como é o caso do

31 31 curso livre, um aspecto fundamental a ser abordado é o instrutor: Schütz (2006) elenca como características essenciais a competência na língua e cultura, características de personalidade e qualificação acadêmica. Além do instrutor, o material didático que vai permear a ação pedagógica, que irá servir de ferramenta no percurso também deve ser levado em consideração. Somam-se aqui então: instrutor capacitado, material didático funcional e dinâmico e o uso de metodologias adequadas que por fim resultarão em um desenvolvimento satisfatório. Estes aspectos foram escolhidos em detrimento de sua importância, segundo Richards (2001) apud Corchs (2006), o ensino de línguas no mundo hoje depende, em grande parte, do uso de materiais comercializados. Os materiais são componentes chave em programas de ensino de línguas e servem de base para o estímulo que os alunos recebem para a prática em sala de aula. Cunningsworth (1995) apud Corchs (2006) declara que o material didático no ensino de língua é fonte de sugestões de atividades que englobam as quatro habilidades da língua: fala, compreensão auditiva, leitura e escrita, além de proporcionar recursos de atividades comunicativas e interativas. Ainda segundo Corchs (2006), a autora acrescenta que os materiais são fonte de estímulo e ideias para atividades que propiciam processos de aprendizagem progressivos e que balanceiam as habilidades, além de trabalhar com gramática, vocabulário e pronúncia. Leffa (1988) dá uma visão dos principais métodos de ensino de línguas, não com a intenção de doutrinar o professor no uso de um determinado método, mas informá-lo das opções existentes. Cabendo a ele, partindo de experiência, das características de seus alunos, e das condições existentes, tomar a decisão final. Nesse ínterim, o que se buscou num segundo momento foi analisar as metodologias de ensino na prática, através da observação de algumas aulas. E como ato final na análise das metodologias abordadas primeiramente no material didático, em um segundo momento na vivência de sala de aula, e também, através de entrevistas informais com diretores, coordenadores pedagógicos e com professores de cada curso.

32 Curso A O Curso A, de acordo com sua home page na Internet, possui cerca de unidades, espalhadas por todo Brasil e países como: Argentina, Angola, Estados Unidos, Japão, México e Paraguai. Caracteriza-se por apresentar método próprio como enfatizado repetidamente em sua home page na Internet e em seus materiais. O método desenvolvido pelo fundador da rede foi criado com base na solução das dificuldades específicas que os brasileiros apresentam ao aprender a língua inglesa. De acordo com Vilaça (2008), a palavra método vem do grego méthodos, palavra composta por meta, que denota sucessão, ordenação e hódos, que significa caminho. Partindo desta etimologia, é possível afirmar que o conceito de método está relacionado a um caminho que, seguido de forma ordenada via a chegar a certos objetivos, fins, resultados, conceitos, etc. Rampazzo (2002) apud Vilaça (2008) afirma que atualmente a palavra método refere-se a um conjunto de etapas, ordenadamente dispostas a serem vencidas na investigação da verdade, no estudo de uma ciência, ou para um determinado fim. Rampazzo considera o método como um trajeto linear que deve ser seguido para que um fim previamente estabelecido seja obtido. O conceito de método tem gerado inúmeras críticas, todavia, se lermos desta forma trazida por Rampazzo (2002) apud Vilaça (2008) entraremos em conflito com os argumentos trazidos por Paiva (2009), que trata da aquisição de línguas estrangeiras (LE) ou segunda língua (SL) como um processo sócio-cognitivo complexo. Esse processo reflete o caos e a imprevisibilidade, descrito por Paiva (2009), pois este processo de aprendizagem está sujeito às intervenções de muitos outros sistemas, sejam eles internos (fatores biológicos, cognitivos, psíquicos) como externos (escola, família, sociedade, cultura). O aspecto fundamental do método do Curso A é desenvolver, desde a primeira aula, as quatro habilidades comunicativas - conversação, leitura, escrita e compreensão auditiva - associadas a um conhecimento do sistema gramatical para que o aluno seja capaz de utilizar o idioma corretamente, o que já nos traz a reflexão do uso da gramática normativa, colocando em questão a comunicabilidade do método. De acordo com material disponibilizado na Internet, este curso tem uma abordagem tradicional no ensino aprendizagem de línguas, ou seja, com gramática desde a primeira aula, todavia, o conceito desta abordagem não é aprofundado. Segundo entrevista concedida pelo diretor de ensino da instituição, a metodologia da escola tem como diferencial o ensino

33 33 da estrutura da língua estrangeira. Ainda de acordo com a entrevista, ele afirma que este método permite que o aluno compreenda e elabore seu próprio diálogo e não apenas decore frases prontas, desta forma, os estudantes aprendem a organizar sentenças de forma correta, ao invés de apenas trocar as palavras do português para o inglês, aspecto este que ratifica essa tendência ao uso da gramática normativa. A atenção está bastante voltada ao entendimento pelo aluno da estrutura gramatical e das regras do idioma, cujas partes são dissecadas e analisadas. Na teoria, afirmam que a forma tem importância igual à comunicação; ensino e aprendizagem são vistos como atividades num plano técnico-didático delimitado pelo conteúdo. Incorreto seria dizer que há ausência de prática, pois a comunicação é incentivada em grande parte da aula. Todavia, a forma, o estudo da metalíngua é muito enfatizado no material didático. Ensina-se, por exemplo, os modos interrogativos e negativos, verbos auxiliares, verbos irregulares, modais, present perfect, o aluno até aprende o conhecimento da língua, mas mostra-se fraco ao uso natural das estruturas. De acordo com Schütz (2011): É um processo progressivo e cumulativo, normalmente atrelado a um plano didático predeterminado, que inclui memorização de vocabulário e tem por objetivo proporcionar conhecimento metalinguístico. Ou seja, transmite ao aluno conhecimento a respeito da língua estrangeira, de seu funcionamento e de sua estrutura gramatical com suas irregularidades, de seus contrastes em relação à língua materna, conhecimento este que espera-se venha a se transformar na habilidade prática de entender e falar essa língua. Entretanto, este esforço de acumular conhecimento sobre a língua com todas suas irregularidades torna-se frustrante na razão direta da falta de familiaridade com a língua. A este ponto, a distinção entre aprendizagem e aquisição, segundo Krashen apud Schütz (2011) se faz necessária: entende-se por aprendizagem o desenvolvimento formal e consciente da língua, normalmente obtido através da explicitação de regras. Aquisição é o desenvolvimento informal e espontâneo da segunda língua, obtido normalmente através de situações reais, sem esforço consciente. De acordo com Molina (2011): A distinção entre aprendizagem e aquisição baseia-se na premissa de que aquisição e aprendizagem são dois fenômenos diferentes, de origem diferentes, com finalidades diferentes, podendo ocorrer simultaneamente, mas o último não sendo causa do primeiro. Aprendizagem não gera, não se transforma em aquisição. A diferença básica entre esses dois fenômenos é que a aquisição, é um processo que ocorre a nível do subconsciente, funcionando por força de necessidade de comunicação enquanto impulso vital, uma função que o cérebro não pode evitar de cumprir ao ser exposto aos impulsos auditivos identificados como mensagem codificada em língua. Aprendizagem significa saber as regras, ter consciência delas, pode falar sobre elas, exigindo portanto, um esforço consciente. Em outras palavras, uma significa saber usar a língua, a outra saber sobre a língua. Daí o insucesso dos cursos de

34 34 gramática em língua materna. Como a finalidade primordial de qualquer língua é a comunicação com outros falantes da mesma, a maioria dos falantes não têm o mínimo interesse em saber sobre a língua. No que diz respeito ao material didático: o contents/syllabus nos livros do nível básico é apresentado em functions, teaching points e vocabulary. No nível intermediário é acrescentado pronunciation. No nível avançado é apresentado da seguinte forma: theme/vocabulary, expanding skills, grammar e verbal combinations e writing. No último livro da série, o que forma o aluno, as unidades são apresentadas como países, a ênfase na comunicação e no estudo de aspectos culturais é altamente enfatizada. No content, cada país é apresentado com functions, grammar/structure e vocabulary. Nos estágios iniciais, as aulas enfatizam o ensino e a prática de estruturas gramaticais através de exercícios de conversação direcionada, com a aplicação de algumas atividades de comunicação livre. À medida que o aluno aprende mais, ele passa a ser envolvido em mais atividades comunicativas, reforçando os tópicos estudados e ampliando sua capacidade de comunicação oral e escrita. No nível básico, as lições são abordadas através de um tema gerador trazido através de um diálogo, seguido de atividades práticas sobre o assunto, que visam à comunicação. Neste aspecto, o livro mostra-se interativo, pois além de trazer os diálogos gravados por nativos, as atividades que dão sequência, fazem que os alunos interajam com o professor e entre si. FIGURA 1

35 35 Como ilustra a figura 1, são apresentados vocábulos novos, associados através da imagem, os alunos devem relacionar o termo com a imagem. Na sequência, propõe-se uma atividade interativa nas quais se espera que os alunos reproduzam com seus pares, perguntem e depois reportem as respostas para o grupo. Após este momento, segue-se uma atividade que deve ser realizadas em duplas, os alunos devem fazer as perguntas um para o outro. O material didático propõe aqui situações que possam vir a desenvolver a habilidade de speaking, estimulando os alunos a trocarem informações sobre o assunto em questão, neste caso: means of transportation. Tendo em vista que é a aprendizagem quem determina o desenvolvimento, e a aprendizagem, segundo Vygotsky (1994), é fundamentalmente uma experiência social, de interação pela linguagem e pela ação - interação social é origem e motor da aprendizagem e do desenvolvimento intelectual. Todas as funções no desenvolvimento do ser humano aparecem primeiro no nível social (interpessoal), depois, no nível individual (intrapessoal). Na sequência da lição, a seção learning traz o ponto de gramática bastante esmiuçado, colocando o aluno numa posição de aprendizagem e não de aquisição. Krashen apud Schütz (2011) conclui que aquisição de línguas é mais eficaz do que aprendizagem de línguas para

36 36 se alcançar habilidade funcional na língua estrangeira. Em tempo, importante ressaltar que não é uma forma incoerente de ensino/aprendizagem, pois pode mostrar-se eficaz para adultos que possuem um estilo de aprendizagem analítico, baseado em regras e racionalidade, e que conseguem monitorar sua produção oral de forma moderada e eficaz. Leffa (1988) também elenca a questão da distinção entre aprendizagem e aquisição. Entende-se por aprendizagem o desenvolvimento formal e consciente da língua, normalmente obtido através da explicitação de regras. Aquisição é o desenvolvimento informal e espontâneo da segunda língua, obtido normalmente através de situações reais, sem esforço consciente. Na aprendizagem, o enunciado tem origem na língua materna, podendo conscientemente passar para a segunda língua. Na aquisição, o enunciado já se origina diretamente na segunda língua. Neste sentido, o material didático do curso A se adapta ao conceito de aquisição, pois não traz a língua materna em nenhum momento, a não ser no glossário, ao final do livro, como demonstrado na figura 2. FIGURA 2

37 37 As atividades de gramática são seguidas por exercícios de repetição, o que marca uma tendência comportamentalista, marcada pela repetição, com a pretensão de formar hábitos corretos através de exercícios de drills, adotando assim uma abordagem indutiva para a aprendizagem da gramática. De acordo com Paiva (2005), o modelo behaviorista vê a aquisição como criação de hábitos automáticos adquiridos através da imitação em forma de repetição (drills). Os drills apresentados solicitam que o aluno complete as lacunas com palavras que faltam, respondam a perguntas, de acordo com os modelos recém apresentados (modelo repetição). FIGURA 3 Entretanto, essa apresentação da gramática é precedida por diálogos, que por sua vez trazem expressões, e também atividades interativas com os alunos. A apresentação do conteúdo desta forma tão tradicional, e os exercícios de repetição, tão característicos do Behaviorismo só apresentam-se com tanta força no nível básico, desaparecendo nos níveis que o seguem. Contudo, tais atividades de aprendizagem de determinados pontos gramaticais, exercícios de drills (complete as lacunas), são intercalados com atividades de speaking e listening, que por sua vez, trazem uma abordagem mais prático-comunicativa. Ambas as habilidades são trazidas embasando-se no tema gerador da lição e no ponto gramatical

38 38 apresentado, ou seja, todas as habilidades focadas são interligadas, não sendo apresentadas descontextualizadas. Em uma única lição, são apresentados em média três pontos de gramática (learning), quatro/cinco momentos específicos de speaking, dois momentos específicos de atividades que focam o listening, três momentos que focam working (atividades práticas sobre o tema gerador e os pontos de gramática apresentados). Nos primeiro livro do nível básico há um enfoque maior na gramática, na estrutura da língua de acordo com as observações de sala de aula, foi possível perceber que tanto os professores quanto os livros preocupam-se demasiadamente em ensinar um vocabulário específico e frases prontas. Não que o aprendizado do vocabulário seja desnecessário, mas a forma como ele é apresentado é algumas vezes descontextualizada, ou contextualizada de uma forma muito artificial - em diversas situações, fazendo com que o aluno aprenda ou decore as palavras por repetição e memorização, não por interação. Se considerarmos que a memorização é um dos métodos utilizados dentro da abordagem behaviorista, assim como a imitação e a mímica (Diller 1978, apud Maia et al, 2002) e que a abordagem behaviorista já provou ser incompleta para o aprendizado de segunda língua (Lightbown e Spada, 1996), algumas mudanças no ensino de língua estrangeira se fazem necessárias, a fim de favorecer a aprendizagem. Entretanto, as diversas atividades propostas pelos livros apresentam um vocabulário muito próximo da realidade dos alunos, no nível básico, e assim, muitas destas atividades favorecem, estimulam o uso desse vocabulário para a comunicação efetiva dos alunos. O material didático ainda apresenta tema de casa para cada lição, as atividades são com foco na escrita, com atividades de uso da gramática e vocabulário aprendido na lição. Há atividades de leitura e interpretação textual também, além de trazer atividades de drills (completar lacunas) em diálogos que tem como objetivo retomar aspectos lingüísticoscomunicativos. A organização do material didático é feita através de doze lições, depois das lições seis e doze há exercícios de revisão para as provas; a cada três lições há atividades de vídeo relacionadas ao que os alunos aprenderam. As Video Activities atividades de vídeo (DVD) gravadas exclusivamente para retomada das lições estudadas. As atividades são feitas a cada três lições (sendo quatro no total), os alunos assistem aos vídeos com simulações de situações da vida real (sem legenda), cada episódio contém os pontos de linguagem que os alunos aprenderam no decorrer das lições, contudo as histórias e os personagens são diferentes dos apresentados no livro. Os

39 39 episódios terminam em um dilema, com dois finais diferentes, ao qual, os alunos devem decidir qual querem assistir. FIGURA 4 A última seção do material didático Conversation activities fornece atividades que devem ser feitas ao final de cada lição, nas quais os alunos devem realizar atividades em pares ou pequenos grupos. Tais atividades são bastante diversificadas, simulações de role play, como atendente de hotel e hóspede; entrevista de emprego entre chefe e interessado na vaga; narrativas que precisam de perguntas para ser completadas; quiz oral; jogo de tabuleiro com dados, que faz revisão de vocabulário e pontos gramaticais, etc...

40 40 FIGURA 5 O método apresentado pelo Curso A projeta-se na abordagem comunicativa, tentando centrar-se nos interesses do aprendiz, contudo, limita-se fortemente a realização de atividades tipo role play bastante artificiais em sala de aula. Dentre as aulas assistidas, foi possível perceber que os professores têm liberdade para quebrar esses paradigmas, alguns os fazem buscando reais interações e vivências da vida real para a sala de aula, tornando a aula mais comunicativa. As funções são apresentadas em situações que modificam as necessidades, como por exemplo: como solicitar informações, dá-se ênfase ao modo de como usar determinada forma para se atingir determinada necessidade da comunicação. Há ainda uma participação ativa do aluno no processo de aprendizagem através de dramatizações, trabalhos em grupo etc.

41 41 O material didático propõe-se desenvolver a competência comunicativa através de lições que apresentam expressões funcionais, vocabulário e estruturas fundamentais em um processo fácil e gradual. Os livros didáticos da série básica fornecem aos alunos a base para comunicação em várias situações além de discutir alguns aspectos culturais simples no decorrer do livro. As simulações de diálogo, enquanto atividade interativa podem ser observadas na figura 5 abaixo, que oferecem ao aluno, espaço de prática e alguma interação oral. As figuras apresentadas dizem respeito às primeiras páginas da lição um do nível básico para adultos. FIGURA 6

42 42 O material didático não traz atividades de tradução em nenhum momento, o único espaço no qual a língua materna é citada é no glossário ao final dos livros; seção esta que acompanha os livros de nível básico e intermediário, os níveis avançados não possuem a seção de glossário ou lista de verbos irregulares. Cada lição no nível básico é organizada em oito páginas, a qual os professores têm como recomendação trabalharem em aproximadamente três horas, os temas de cada são atividades do dia-a-dia. Os livros são de material de boa qualidade, coloridos, sendo muito atrativos para o aluno. Todos os livros vêm acompanhados de CDs de áudio, variando de um a três CDs, dependendo do nível. Além dos CDs de áudio que são gravados por nativos (estadunidenses), os livros ainda vem acompanhados de CD-Rom, ferramenta esta a qual os alunos são motivados a usar em casa, como atividade complementar. Na série intermediária, os alunos são encorajados a desenvolver com precisão as quatro habilidades comunicativas: compreensão auditiva, conversação, leitura e escrita. Através da prática de diferentes atividades e dramatizações, o aluno amplia sua compreensão da língua, o que, segundo material disponibilizado na Internet, contribuirá para uma maior fluência. Na primeira série do nível avançado desenvolve-se a fluência na conversação com o uso de expressões idiomáticas do dia-a-dia, que são ensinadas a partir de uma série de exemplos e exercícios. Após esta fase, o aluno encaminha-se para o último estágio, cujo objetivo é preparar o aluno para o exame final, além de proporcionar-lhe uma consolidação de seus conhecimentos do idioma e de suas habilidades comunicativas. Após a conclusão deste, o aluno prestará um exame para obter o certificado de conclusão do curso. No que tange ao processo de avaliação os alunos são avaliados formalmente nas habilidades listening and written; a habilidade de speaking não ocorre em um único momento, como as outras avaliações, o aluno é continuamente avaliado nas interações e participações em sala de aula. As avaliações formais ocorrem em dois momentos, quando o aluno tiver completado 50% do livro e num segundo momento ao final do módulo. A média é 7.0, e o aluno pode ter uma segunda chance caso não atinja a média, mas somente mediante aula de reforço. Na coleção para adultos iniciantes são apresentados sete módulos, que se organizados na modalidade regular semestral, seriam concluídos em média de 3 anos e meio a 4 anos. Após a conclusão do livro final, o curso A apresenta a proposta de formar o aluno, ou seja, apresenta uma linearidade de níveis, culminando em um livro final, uma avaliação ao final da

43 43 coleção que forma o aluno, concedendo-lhe ainda diploma de conclusão. Entretanto, mesmo formando o aluno, o curso dá opções a serem oferecidas ao aluno após essa fase final, entretanto, têm a característica de realizar a formatura do aluno no curso. Paiva (2009), que trata da aquisição de línguas estrangeiras (LE) ou segunda língua (SL) como um processo sócio-cognitivo complexo. Esse processo reflete o caos e a imprevisibilidade, descrito por Paiva (2009), pois este processo de aprendizagem está sujeito às intervenções de muitos outros sistemas, sejam eles internos (fatores biológicos, cognitivos, psíquicos) como externos (escola, família, sociedade, cultura). Ao contrário das ciências exatas, línguas são sistemas orais complexos, criativos, arbitrários, irregulares, mostrando um acentuado grau de tolerância a variações, repletos de ambiguidades e em constante evolução aleatória. Aprender uma língua estrangeira é um empreendimento longo e complexo, e tomando como base a questão da este ser um processo sócio-cognitivo complexo, que reflete caos e imprevisibilidade como trazido por Paiva, nos remete à realidade de o processo de ensino/aprendizagem ter um objetivo final, um fim. Redundante afirmar que a aprendizagem de uma língua é um processo que não tem um fim, verdade única que nem com a nossa língua materna, a qual fazemos uso durante todo o dia, todos os dias, o processo de ensino/aprendizagem mão tem fim, o seu ponto de chegada com um consagrado agora sabemos tudo, sendo assim, considerando todo esse tempo de uso diário com a língua materna e nunca aprende-se tudo, de que forma, a finitude do processo de ensino aprendizagem de uma segunda língua poderia validar-se? Neste sentido, é possível tecer uma crítica à questão do formar o aluno, de determinar um ponto final num processo sabido como infinito.

44 Curso B O Curso B possui aproximadamente 400 escolas no Brasil, sendo esta a primeira franquia do Brasil. Uma escola tradicional, com experiência no ensino aprendizagem de inglês; conceitua-se como moderna e inovadora, conforme sua home page na Internet. A metodologia adotada pela escola supostamente apresenta uma abordagem comunicativa, foco na conversação em todas as aulas, apontando para que 85% da aula seja comunicação. Caracteriza-se por ser uma escola que não se preocupa somente com a qualidade do seu ensino, tendo como missão formar cidadãos do mundo, preocupando-se com os objetivos pessoais de cada aluno, e isso é diretamente refletido no material didático, que é apresentado de uma forma global, dinâmica e abrangente. Discutindo assuntos de interesse dos alunos, assuntos atuais, tabus, assuntos mais delicados, que exigem posicionamento, que estimulam a reflexão. FIGURA 1 A filosofia de educação do curso B parte do princípio de que o ensino de uma língua estrangeira deve preparar os alunos para interagir com outras pessoas no mundo globalizado e estimular a reflexão sobre o que significa viver e agir nesse universo. Para isso, o curso

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Assimilação natural x Estudo formal

Assimilação natural x Estudo formal Escolhemos adaptar este texto para inaugurar o novo site do CEI porque ele apresenta duas abordagens do aprendizado de idiomas como sendo propostas contrastantes. No entanto, acreditamos que o ensino na

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os

Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os aspectos, e à Bruna, minha amada filha que fez nascer em mim

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM José Cícero Santos (UFAL) [cjnego2007@gmail.com] Aldisío Alencar Gomes (UFAL) [aldisioalencar@gmail.com] Ana Paula Perdigão Praxedes

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM Katharine Dunham Maciel- (UFRJ) Ingeborg Hartl- (UFRJ) Os métodos apontam um caminho para o professor, fornecem-lhe

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO.

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. RESUMO QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. Francinilda Raquel Cardoso Silva (1); José Jorge Casimiro dos Santos (2) Faculdade São Francisco da Paraíba raquelmk06@gmail.com ¹

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA DINÂMICA DE GRUPO NO AMBIENTE ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL

A INFLUÊNCIA DA DINÂMICA DE GRUPO NO AMBIENTE ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA DINÂMICA DE GRUPO NO AMBIENTE ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL Jhanislei Souza 1 ; Jéssica Tanji 2 ; Beatriz Machado 3. RESUMO: O presente

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO Roberto Leal Lobo e Silva Filho A organização do ensino de uma disciplina específica dentro de um currículo de graduação vai depender,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE FAQ PROGRAMA BILÍNGUE 1) O que é o bilinguismo? Segundo alguns teóricos, o bilinguismo é qualquer sistema de educação escolar no qual, em dado momento e período, simultânea ou consecutivamente, a instrução

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO ESPAÑOL: INTERMEDIARIO

Leia mais