PRODUTIVIDADE DO MELOEIRO SOB DIFERENTES INTERVALOS DE IRRIGAÇÃO E DISPOSIÇÕES DE LINHAS LATERAIS DE GOTEJAMENTO EM SOLO ARENOSO COESO!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUTIVIDADE DO MELOEIRO SOB DIFERENTES INTERVALOS DE IRRIGAÇÃO E DISPOSIÇÕES DE LINHAS LATERAIS DE GOTEJAMENTO EM SOLO ARENOSO COESO!"

Transcrição

1 Revista Brasileira de Engenharia Agrícla e Ambiental, v.3, n.3, p , 999 Grande, PB, DEAg!UFPB PRODUTVDADE DO MELOERO SOB DFERENTES NTERVALOS DE RRGAÇÃO E DSPOSÇÕES DE LNHAS LATERAS DE GOTEJAMENTO EM SOLO ARENOSO COESO! Eugêni Ferreira Celh", Valdemici Ferreira de Snsa', Bráz Henrique Nunes Rdrigues", Valdmir Auréli Barbsa de Suza" & Camil de Lélis Texeira de Andrade" RESUMO Este trabalh, bjetiva ferecer alternativas de reduçã ns custs de sistemas de irrigaçã pr gtejament d meleir, sem afetar manej da irrigaçã e cmparar gtejament enterrad, em terms de rendiment da cultura, a gtejament superficial. O trabalh fi desenvlvid em um sl arens ces de tabuleir csteir, cm delineament experimental em blcs a acas, em parcelas subsubdivididas, cm cinc repetições. Os trataments cnsistiram da cmbinaçã de quatr intervals de irrigaçã (,2,3 e 4 dias) cm as linhas laterais de gtejament junt à fileira de plantas e entre fileiras alternadas de plantas, superficial e enterradas a prfundidade de 0,25 m. O interval de irrigaçã e a dispsiçã das linhas laterais nã afetaram a prdutividade d meleir. Palavras-chave gtejament superficial, gtejament subterrâne, manej de irrigaçã MELON YELD UNDER DFFERENT RRGATON NTERVALS AND PLACEMENT OF DRP LNES N COHESVE SANDY SOLS ABSTRACT The research had as its bjective the prvisin f alternatives t reduce csts f drip irrigatin systems withut affecting the irrigatin management and t cmpare subsurface drip t surface drip in terms f crp yield. The experiment was carried ut in a chesive sand frm castal tablelands. The experiment fllwed a split-split plt design, in randm blcks, with five replicatins. The treatments cnsisted f a cmbinatin f fur irrigatin intervals (, 2, 3 and 4 days) with drip lines in crp rws and drip lines between alterna te rws n surface drip line and buried at 5 m. The irrigatin intervals and drip line lcatin in crp rws did nt affect meln yields. Key wrds surface drip, subsurface drip, irrigatin management Trabalh financiad pela FUNDEClETENE, Banc d Nrdeste d Brasil - BNB 2Eng. Agric., Ph.D., Embrapa Mandica e Fruticultura, CEP , Cruz das Almas, BA, Fne (075) 72220, Fax (075) 72249, 3Eng. Agric., M.Sc., Embrapa Mei-Nrte, CP 0, CEP , Teresina, P, Fne (086) 22542, Fax (086) 2254, 4Eng. Agrn., Ph.D., Embrapa Mei-Nrte, CP 0, CEP , Teresina, P, Fne (086) 22542, Fax (086) 2254, 5 Eng. Agric., Ph.D., Embrapa - Milh e Srg, km 24 - BR 48, CEP , Sete Lagas, MG, Fne (03) , Fax (03) ,

2 E.F. COELHO et a!. 30 NTRODUÇÃO A elabraçã de um prjet de irrigaçã pr gtejament, deve ter, cm base, três bjetivs (Burt, 986) (i) bter um sistema de alta eficiência pr mei de alta unifrmidade de emissã; (ii) bter um sistema flexível suficiente para permitir adequad manej da irrigaçã e, assim, atender às necessidades hídricas da cultura; e (iii) minimizar s custs fixs anuais. Esses custs sã funçã ds custs iniciais de manutençã e de peraçã, da água e da energia (Anshutz, 986). N cas da irrigaçã pr gtejament, a minimizaçã ds custs anuais tem sid pnt de mair atençã ds prdutres, pis este métd de irrigaçã lcalizada tem sid cnsiderad um ds mais nerss entre s métds dispníveis. As invações intrduzi das ns últims ans cntribuíram muit para desenvlviment de sistemas de irrigaçã pr gtejament de alta precisã e eficiência (Bucks & Davis, 986); entretant, essas invações truxeram também aument d cust inicial desses sistemas (Anshutz, 986). As pesquisas relati vas à engenharia de irrigaçã, particularmente as referentes a sistemas de irrigaçã lcalizada, têm sid dirigidas para aprimrament de emissres e válvulas, n sentid de timizar a unifrmidade de emissã, atuand principalmente na reduçã de entupiment e na cmpensaçã da pressã na linha lateral. Uma limitaçã na adçã d gtejament para culturas de alt retm ecnômic e de alta densidade de planti, tem sid a necessidade de us d elevad númer de linhas laterais e de gtejadres, que aumenta significativamente s custs desse sistema, prém técnicas alternativas de manej da irrigaçã em interaçã cm sistema pdem ser prpstas, de frma a reduzir custs, sem diminuir a eficiência de irrigaçã. O us de sistema de gtejament enterrad tem-se ppularizad n mund, a medida que s prblemas principais citads pr Gldberg et a. (976) u seja, difícil inspeçã, entupiment pr raízes u precipitads e dificuldade de manutençã, tem sid reslvids pela melhria ds própris equipaments e pela rientaçã técnica adequada (Phene et al., 983; Bucks & Davis, 986; Phene et al., 987). N Brasil, tal sistema vem send aplicad para culturas de alt retrn ecnômic, cm fruteiras e hrtaliças; entretant, nã há literatura sbre avaliaçã das prdutividades de culturas nessas cndições. As vantagens principais.esperadas cm us desse sistema, sã eliminaçã 'da expsiçã das linhas laterais as trats culturais manuais u mecânics, aument da eficiência da irrigaçã devid a reduçã da evapraçã e aument da eficiência de aplicaçã de fertilizantes via água (Phene et a., 993). Essas vantagens, juntamente cm increment de prdutividade, devem superar as desvantagens d sistema, entre as quais cust inicial elevad e s prblemas de entupiment e de intrusã de raízes. O métd de irrigaçã lcalizada pr gtejament tem sid cnsiderad mais adequad à cultura d meleir pelas cndições hídricas, prpícias a desenvlviment e prduçã da cultura, que prprcinam a sl (Gldberg & Shmueli, 970; Shmueli & Gldberg, 97; Olitta et al., 978) bem cm pelas cndições micrclimáticas d ds se vegetal mens favráveis à prliferaçã de denças. N Nrdeste brasileir, respnsável pr 82% da prduçã nacinal de melã (AGRANUAL, 998) grande parte ds plantis sã irrigads pr gtejament, cujas prdutividades cmerciais pdem variar de 30 a 45 t ha', sb manej tecnlógic adequad (Susa, 993; Pint et a., 996). Os sistemas de gtejament usads nessa cultura têm sid prjetads para funcinar cm uma linha lateral de irrigaçã pr fileira de plantas e as linhas têm sid dispstas na superfície d sl. O trabalh teve cm bjetiv (i) apresentar alternativas para minimizar s custs d sistema de irrigaçã pr gtejament, sem reduzir a eficiência e a qualidade d manej da irrigaçã, pr mei d us de linhas laterais alternadas entre fileiras de culturas; (ii) avaliar us d gtejament enterrad, em terms de rendiment da cultura d meleir, em cmparaçã a gtejament superficial em sl arens ces de tabuleir csteir. MATERAL E MÉTODOS Este trabalh fi cnduzid na área experimental da Embrapa Mei-Nrte, em Parnaíba, P (3 5' S e 4 47' W) n períd de 3097 a O clima da regiã é equatrial marítim, cm temperatura média anual de 27 C, umidade relativa média d ar de 75% e precipitaçã anual entre 000 e 600 mm, cncentrada n períd janeir-junh (EMBRAPA, 992). O sl pertence as tabuleirs csteirs (Frmaçã Barreiras d Terciári) classificad cm areia franca, cujas características físic-hídricas sã apresentadas na Tabela. Na Figura sã apresentadas as características de retençã de água d sl, cm base ns valres médis ds teres de água das três camadas amstradas n perfil, ajustads a mdel nã linear de van Genuchten (980). 0,20 0,8 ~ 0,6 Me 0,4 n=,4427 u=,72355 m" Ss = 0,95 m' m' Sr = 0,045 m3 m' '-' j 5h 0,2 <Ll 0,.0 '<r "d-.. r..8 0,08 0,06 0, t-t--t-hh-l--t Ptencial Matricial (- kpa) Figura. Curva de retençã de água d sl da área experimental (Ss - ter de água d sl à saturaçã, Sr - ter de água residual d sl) Tabela. Características físic-hídricas d sl da área experimental Prfundidade (m) 0,00-0,5 0,5-0,30 0,30-0,45 R. Bras. Eng. Agríc. Ambiemal, Areia grssa Areia fina Silte Argila (g kg') Grande, v.3, n.j, p , 999 Densidade Aparente Partículas (kg dm'),65 2,63,75 2,68,74 2,68 Prsidade ttal nr' m" 0,373 0,3449 0,3485

3 PRODUTVDADE DO MELOERO SOB DFERENTES NTERVALOSDE RRGAÇÃO E DSPOSÇÃO DE LNHAS A área experimental de 920 m? fi dividida em cinc blcs de 6 x 24 m e estes em quatr parcelas de 6 x 6 m; cada parcela fi cnstituída de duas subparcelas de 8 x 6 m, e cada subparcela de duas subsubparcelas de 4 x 6 m. Fi utilizada a cultivar de melã Gld Mine, plantada n espaçament de,50 x 0,30 m (ppulaçã de plantas ha'). O experiment fi cnduzid n delineament experimental em blcs a acas, arranjad em parcelas subsubdivididas, cm cinc repetições. Os trataments estudads fram (i) na parcela, quatr intervals de irrigaçã (, 2, 3 e 4 dias); (ii) na subparcela, duas dispsições das linhas laterais (uma junt à fileira de plantas e utra entre fileiras alternadas de plantas); (iii) na subsubparcela, dis níveis de dispsiçã d sistema de irrigaçã (gtejament superficial e gtejament enterrad a 0,25 m de prfundidade). Cada subsubparcela teve área útil de 8, m? e 8 plantas. Utilizu-se um sistema de irrigaçã pr gtejament, cm linhas laterais de 7 mm de diâmetr extern, cm gtejadres "na linha" d tip' labirint, autcmpensantes e autlimpantes, vazã 2 L h' e espaçads de 0,5 m. A quantidade de água aplicada pr irrigaçã fi definida pel balanç de água d sl, send a evaptranspiraçã da cultura determinada pela evaptranspiraçã de referência btida da evapraçã d tanque Classe "A" e pel ceficiente de cultiv da cultura (Drenbs & Kassam, 979). Ns l3 dias iniciais d cicl da cultura, a irrigaçã das subsubparcelas cm gtejament enterrad e das parcelas cm linhas laterais entre fileiras de plantas, fi feita pr micraspersã que, em cndições práticas, pderia ser realizad pr um sistema de aspersã cnvencinal prtátil, que atenderia, além d meleir, a utras culturas da fazenda. Esta irrigaçã pr aspersã, em cas de falta de precipitaçã pluvimétrica n períd, é necessária para a emergência das plântulas, frmaçã e desenvlviment d sistema radicular suficiente para atingir bulb mlhad. O mnitrament da água n sl fi feit durante as fases de desenvlviment vegetativ, flraçã e frutificaçã da cultura. Utilizu-se uma snda de neutrns, cm leituras a 0,25 e 0,50 m de prfundidade e a 0,05 m d gtejadr; fi também mnitrad, ns mesms estágis de desenvlviment da cultura, ter de água d sl pr mei de gravimetria, utilizand-se amstras de sl cletadas em 30 psições diferentes de uma malha retangular, cnfrme ilustrad na Figura 2. As amstras fram cletadas antes das irrigações, 2 h e 24 h após, para intervals de irrigaçã de e 2 dias. Os teres de água determinads na malha permitiram definir dmíni d vlume mlhad, cm base ns valres em tdas as psições, antes e após as irrigações. A adubaçã nitrgenada fi efetuada via água de irrigaçã, aplicand-se 20 kg de N ha'. Para a adubaçã ptássica, utilizaram-se 30 kg de K20 ha', send 3 aplicad n sl e 23 via água de irrigaçã. O fósfr e s micrnutrientes fram aplicads nas quantidades sugeridas pr Pint et al. (996). A distribuiçã de raízes da cultura sb diferentes trataments fi determinada na mesma malha mstrada na Figura 2. As amstras fram cletadas ns estádis de desenvlviment vegetativ, flraçã e frutificaçã da cultura, 3 pr mnlits e prcessadas pr lavagem e separaçã das raízes (Bõhm, 979). Psterirmente, fram btidas imagens digitais das raízes determinand-se a densidade de cmpriment das raízes cm us d aplicativ Rtedge (Kaspar & Ewing, 997). 0,0 () g~ejadr Superfície d sl U U U U U... S 0,2 U U Ô Ô U ~ 0,3 U Ô Ô Ô U..a. ~ 0,4 Ô Ô Ô J..Ô U.. 0,5 Ô U U. U U. 0, '-' 0,6. U U U Ô -{j l l j j 0, 0,2 0,3 0,4 0,5 Distância Radial (m) Figura 2. Psições de cleta de amstras de sl para determinaçã d ter de água d sl e densidade de cmpriment de raízes Fram realizadas três clheitas, nde as prdutividades ttal e cmercial da cultura fram avaliadas pr mei de análise estatística send que a prdutividade cmercial baseu-se em fruts de pes igualu superir a 0,800 kg. RESULTADOS E DSCUSSÃO ntervals de irrigaçã e dispsiçã das linhas laterais Nã huve diferença significativa (p > 0,05) entre intervals de irrigaçã para as prdutividades médias ttal e cmercial (Tabela 2). Esses resultads divergiram ds btids sb as mesmas cndições edafclimáticas, pr Susa et al. (998) a testarem diferentes intervals de irrigaçã pr gtejament superficial cm as linhas de irrigaçã junt' às fileiras de plantas de meleir (Eldrad 300) cujas prdutividades ttal e cmercial para intervals de irrigaçã de um e dis dias fram superires às btidas para s intervals de três e quatr dias. Tabela 2. Médias de prdutividade ttal e cmercial d meleir em diferentes intervals de irrigaçã nterval de rrigaçã (dias) ,68 38,45 38,4 35,85 Média 38,0 37,69 C.V (%) 2,97 7,47 Ttal Prdutividade' Cmercial (t ha") 39,63 38,40 36,92 35,79 * Teste F nã significativ (p>o,05) R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, Grande. v.3, n.s, p , 999

4 32 E.F. COELHO et a!. As prdutividades ttal e cmercial d meleir nã dependeram da dispsiçã das linhas laterais em relaçã às fileiras de plantas (Tabela 3) ist é, nã huve interaçã entre interval de irrigaçã e a dispsiçã das linhas de gtejament em relaçã às fileiras de plantas; cntud, s resultads dã suprte à hipótese de que aument d interval de irrigaçã pde cmpensar aument d espaçament entre linhas laterais, prque a lâmina aplicada é mair para intervals maires; em cnseqüência, mviment lateral de água trna-se mais acentuad (Figura 3) resultand em mair e mais achatad vlume mlhad. Cnfrme Susa & Celh (n prel) para sl em estud cm gtejadres na superfície, diâmetr mlhad pde atingir 0,70 e 0,84 m quand se aplica 20 e 30 L de água, respectivamente. Essa distribuiçã de água favrece a migraçã das raízes da regiã da fileira de plantas para vlume mlhad, n cas das linhas de gtejament entre fileiras de plantas. Tabela 3. Médias de prdutividade ttal e prdutividade cmercial d meleir sb duas dispsições das linhas laterais de gtejadres Dispsiçã Prdutividade* da linha Ttal Cmercial lateral -----(t ha- ) Na fileira Entre fileiras 38,98 37,23 38,96 36,42 Média 38,0 37,69 c.v. (00) 2,97 7,47 * Teste F nã significativ (p>o,05) A migraçã das raízes pde ser cnstatada bservand-se a Figura 4, que mstra deslcament d centr de densidade de cmpriment das raízes, nde prvavelmente crre a mair absrçã de água, para a regiã d bulb mlhad n sentid d gtejadr, para 3 e 4 dias de interval de irrigaçã, cm as linhas de gtejament entre fileiras alternadas de plantas. Os teres médis de água, durante estági de flraçã, a 0,25 m de prfundidade, btids antes, 24 e 48 h após a irrigaçã (Tabela 4) demnstram reduçã d ter de água, n final d cicl de irrigaçã, crescente cm aument d interval de irrigaçã mas, devid à cmpensaçã na lâmina aplicada, s teres de água durante parte d cicl de irrigaçã (24 h após a irrigaçã) apresentaram valres próxims u acima d limite superir da dispnibilidade de água ,, gtejadr sup. sl nt. irrig ldia 8 '-' Q) 0.7 ~ e.... "d c.8 =i ,,...--L r Distância radial (m) Figura 3. slinhas d ter de água d sl (m' m') em relaçã a gtejadr, 2 h após a irrigaçã, sb s intervals entre irrigações de e 2 dias O menr valr de prdutividade média para interval de um dia entre irrigações (Tabela 2) fi devid, principalmente, às prdutividades d tratament referente às linhas de gtejament entre fileiras alternadas de plantas. Neste cas, as irrigações diárias representaram a menr lâmina pr irrigaçã, Tabela 4. Teres médis de água d sl (m'' m') determinads pela snda de nêutrns junt a gtejadr à prfundidade 0,25 m para dispsiçã da linha de gtejament na fileira de plantas e entre fileira de plantas em dis cicls de irrigaçã n estádi de flraçã d meleir Dispsiçã da Linha Lateral Na fileira Entre fileiras nterval de rrigaçã (dias) Antes da rrigaçã 24 h Após a rrigaçã 48 h Após a rrigaçã 0,70 0,25 0,75 0,58 0,205 0,64 0,23 0,90 0,40 0,6 0,50 0,66 0,25 0,64 0,40 0,73 0,30 0,20 0,76 0,38 0,05 0,70 0,08 R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, Grande, v.3, n.3, p , 999

5 PRODUTVDADE DO MELOERO SOB DFERENTES planta NTERVALOS DE RRGAÇÃO tejadr 33 Tabela 5. Efeit de duas psições das linhas laterais (superfícial e enterrada) sb as prdutividades ttal e cmercial d meleir Prduti vidade * Psiçã Ttal Cmercial da Linha Lateral Superfície 38,33 38,078 Enterrada 38,073 37,298 38,0 37,69 Média 7,47 C.v (%) 2,97 * Teste 0.6 DE LNHAS Dispsiçã da linha de gtejament em relaçã à superfície d sl Nã huve diferença significativa entre as prdutividades d meleir irrigad pr gtejament superficial e enterrad (Tabela 5). planta O.O-~ ~ , E DSPOSÇÃO 3 dias 4 dias Distância radial (m) Figura 4. Densidade de cmpriment de raízes (emem") para quatr intervals de irrigaçã, gtejadr junt à fileira de plantas para intervals de e 2 dias e entre fileiras para intervals de 3 e 4 dias que resultu numa faixa mlhada de menr rai lateral (Figura 3) dificultand, assim, acess das raízes das plantas à água retida a menres ptenciais nas regiões mais centrais d bulb mlhad. Na Figura 3, as islinhas de teres de água, abaix da regiã de dmíni d sistema radicular ilustrad na Figura 4, indicam a crrência de perclaçã, cm mair intensidade para interval de irrigaçã de dis dias. Apesar da inexistência de dads de teres de água ns perfis crrespndentes as intervals de irrigaçã de 3 e 4 dias, prvavelmente a perda pr perclaçã fi mais intensa nesses intervals, principaunente para s trataments cm linhas de gtejament entre fileiras de plantas, nde pel mens em 40% das irrigações fram aplicads mais de 20 L de água pr gtejadr, valr este, suficiente para acarretar perclaçã n perfil d sl em estud (Susa & Celh, prel). As prdutividades similares btidas para a cultura d melã, independente da dispsiçã das linhas de gtejament e ds intervals de irrigaçã (Tabelas 2 e 3) indicam a viabilidade técnica d us de linhas laterais de gtejament entre fileiras alternadas de plantas de melã (espaçament entre linhas de até 3 m) u seja, uma linha de gtejament para cada duas fileiras de plantas. a interval de irrigaçã de dis dias é mais adequad a esta dispsiçã de linhas de gtejament nas cndições edafclimáticas d lcal d estud, uma vez que permite a distribuiçã de água n vlume mlhad suficiente para atender à demanda hídrica da cultura, cm baix risc de perdas pr perclaçã. F nã significativ (p>o,05) Fi avaliada a distribuiçã de água num plan, perpendicular à direçã da linha lateral, de 0,65 m de prfundidade x 0,45 m de largura x 0,0 m de espessura, similar a da Figura 2 n vlume de sl, tant para gtejament enterrad cm para superficial, a partir de 5 determinações de ter de água pel métd gravimétric ns 30 pnts da malha retangular, ilustrada na Figura 2. a ter médi de água nesses pnts, cnsiderand-se sistema superficial, fi cmparad cm ter médi sb sistema enterrad, pel teste t. a ter médi 0,493 em" cm', resultante d sistema superficial, nã diferiu d ter médi 0,464 em' cm' d sistema enterrad pel teste t (p > 0,05). Cnsiderand-se a gemetria esférica e semi-esférica d vlume mlhad para gtejament enterrad e superficial, respectivamente, adtada pr Ben-Asher & Phene (993) esta prximidade ds teres de água d sl referentes as dis sistemas de gtejament, indicaria, tericamente, um rai d vlume mlhad n cas d gtejament enterrad, 20% inferir a rai d vlume mlhad n cas d gtejament superficial adtad pr Ben-Asher & Phene (993) que nã fi bservad n presente estud, cnfrme ilustra a Figura 5. Esses teres médis próxims entre si, resultantes de valres individuais verificads em diferentes períds após a irrigaçã, indicam similaridade na quantidade de água dispnível para as plantas n bulb mlhad ns dis sistemas de gtejament, cntribuind para explicar as prdutividades semelhantes btidas ns dis sistemas. Esses resultads nã clcam gtejament enterrad em psiçã de vantagem em relaçã a sistema superficial, em terms de prdutividade, cnfrme precniza ar (997). A recmendaçã de seu us fica dependente d balanç das vantagens relativas à reduçã das perdas de linhas laterais decrrentes ds trats culturais e das desvantagens relativas a aument d cust de implantaçã d sistema que, n mínim, adicina a instalaçã das linhas laterais enterradas. N cas d melã plantad em cndições semi-áridas d Nrdeste brasileir, us d gtejament enterrad, principalmente em sls de textura arensa, apresenta uma limitaçã durante períd de germinaçã das sementes, que é frnecer água as primeirs centímetrs abaix da superfície d sl nde as sementes sã clcadas. Para sls cm textura semelhante à d experiment, a R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, Grande, v.3, n.3, p , 999

6 E.F. COELHO et a!. 34 (A) 2. A recmendaçã d us d gtejament enterrad para meleir em cndições semelhantes à desse estud, depende d balanç entre as vantagens relativas à reduçã das perdas n sistema, decrrentes ds trats culturais e das desvantagens relativas a cust d sistema, uma vez que s rendiments btids cm seu us nã diferem ds btids cm us d gtejament superficial. (lgtejadres '", J - AGRANUAL 98; ANUÁRO DA AGRCULTURA BRASLERA. Sã Paul FNP Cnsultria & Cmérci Mendes & Sctni p. ANSHUZ, J.D. Efficient and ecnmical drip irrigatin systems designer's cnsideratins. n ZOLDOSKE, D.F.; MYASAK, M.Y. Micrirrigatins methds and materias update. Fresn Califrnia Agricultural Technlgy nstitute, 986. p.-3. BEN-ASHER, J.; PHENE, C.J. Analysis f surface and subsurface drip irrigatin using a numerical mdel. n JORGENSEN, G.S.; NORUM, K.N. Subsurface drip irrigatin. Thery, practices and applicatin. Fresn Califrnia Center f rrigatin Technlgy. 993, p.l BOHM, W. Methds f studying rt systems. New Yrk Springer-Verlag, p. BUCKS, D.A.; DAVS, S. ntrductin. n NAKAYAMA, F.S.; BUCKS, D.A. eds. Trickle irrigatin fr crp prductin, design, peratin and management. New Yrk Elsevier, 986. p.l2-3., REFERÊNCAS BffiLOGRÁFCAS - -, --.> J (B) 0.3 egtejadres <, , - ;'! - ~ O.7 -l--, ,jl l Distância radial (m) Superficial Enterrad Figura 5. slinhas d ter de água (m' m') 2 h após uma irrigaçã (A) e antes da próxima irrigaçã (B) e para s dis sistemas de gtejament (superficial e enterrad) prfundidade de 0,25 m das linhas nã é suficiente para manter um ter de água adequad a 0,05 m de prfundidade, Assim, fi necessári efetuar-se irrigaçã pr micraspersã n estági inicial, para permitir a germinaçã e desenvlviment das raízes. Este prcediment é cmum em países que utilizam sistema de irrigaçã pr gtejament e a limitaçã pde, n entant, ser crrigida, em parte, pela instalaçã das linhas laterais de gtejament em prfundidades que permitam vlume mlhad tangenciar a superfície d sl. N cas de planti pr mudas em épcas chuvsas, nã crre esse prblema. CONCLUSÕES. O us de linhas laterais de gtejament entre fileiras alternadas de plantas de melã cm interval de irrigaçã de 2 dias permite prdutividades cmerciais cmpatíveis cm as btidas cm us de uma linha lateral pr fileira de plantas para sl em questã. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, Grande, v.3, n.3, p.309-3s, 999 BURT, C. Strategies fr high emissin unifrmity design n ZOLDOSKE, D.F.; MYASAK, Micrirrigatins methds and materiais update. Fresn Califrnia Agricultural Technlgy nstitute, 986. p DOORENBOS, J.; KASSAM, A.H. Yield respnse t water. Rme FAO, p. FAO rrigatin and Drainage Paper,33 EMBRAPA. Centr Nacinal de Agricultura rrigada (Pamaíba, P). Bletim Agrmeterlógic. Pamaíba EMBRAPAc CNPA, 992, 44p. EMBRAPA-CNPA. Bletim Agrmeterlógic, 3 GOLDBERG, D.B.; GORNAT, B.; RMON, D. Drip irrigatin., Kfar Shmaryalu Drip rrigatin Scientific Publicatins p.lo-. GOLDBERG, D.B.; SHMUEL, M. Drip irrigatin A methd used under arid desert cnditins f high water and sil salinity. Transactins fthe ASAE, St. Jseph, v.3, p.38-4, 970. KASPAR, T. c, EWNG, R.P. Rtedge Sftware fr measuring rt length frm desktp scanner images. Agrnmy Jurual, Madisn, v.89, p OLLTA, A.F.L; ABREU, T.A.; MARCHETT, D.A.B. Estud cmparativ ds métds de irrigaçã pr sulc e gtej na cultura d melã. Sl, V. 70, n. 2, p. 7-4, 978. OR, U. La aplicacin precisa de agua y fertilizante aumenta a prducin. Agrtecnlgia en srael, Tel-Aviv, v.l, p PHENE, C.J.; BLUME, M.F.; HLE, M.M.S.; MEEK,D.W.; RE, Lv. Management f subsurface trickle systems. ASAE paper N , StJseph, p

7 PRODUTVDADE DO MELOERO SOB DFERENTES NTERVALOS DE RRGAÇÃO E DSPOSÇÃO DE LNHAS 35 PHENE, C.J.; DAVS, K.R; HUTMACHER, RB.; MCCORMCK, RL. Advantages f subsurface drip irrigatin fr prcessing tmates. n NTERNATONAL SYMPOSUM ON NTEGRATED MANAGEMENT PRACTCES FOR TOMATO AND PEPPER PRODUCTON N THE TROPCS, 987, SHANHUA Prceedings. 987, p PHENE, C.J.; HUTMACHER,RB.; AYARS, E. Subsurface drip irrigatin Realizing the full ptential. n JORGENSEN, G.S.; NORUM, K.N. Subsurface drip irrigatin. Thery, practices and applicatin. Fresn Califrnia Center f rrigatin Technlgy, 993. p PNTO, M.; SOARES, J.M.; PERERA, R; COSTA, N.D.; BRTO, L.T.L.; FARA, C.M.B.; MACEL, L. Sistema de cultiv de melã cm aplicaçã de fertilizantes via água de irrigaçã. Petrlina EMBRAPA-CPATSA p. Circular Téénica,36 SHMUELL, M.; GOLDBERG, S.D. Rieg pr aspercin, pr sulc e pr gtej dei meln in una zna arida. Jerusalem Universidade Hebrea de Jerusalem, 97. 5p. SOUSA, Y.F.Freqüência gtejament de aplicaçã de N e K via irrigaçã pr n meleir (Cucumis mei L.) cv. E Drad 300 em sl de textura arensa. Btucatu UNESP, 993. Tese Mestrad SOUSA, Y.F.;COELHO, E.F. Dinâmica de água num sl arens sb irrigaçã pr gtejament. Pesquisa Agrpecuária Brasileira. Brasília (n prel) SOUSA, Y.F.de; COELHO, E.F.; FRZZONE, JA; FOLEGATT, M.Y.; ANDRADE JUNOR, AS.; OLVERA, F. das C. Freqüência de irrigaçã pr gtejament na eficiência d us da água n meleir. n CONGRESSO BRASLERO DE ENGENHARA RURAL, 27,998, Pçs de Caldas. Anais... Pçs de Caldas, Sciedade Brasileira de Engenharia Agrícla, 998. v.l,p van GENUCHTEN, M. Th. A csed-frm equatin fr predicting the hydraulic cnductivity f unsaturated sils. Sil Science Sciety f America Jurnal, Madisn, v. 44, p R. Bras. Eng. Agríc. Ambiemal. Grande. v.3, n.3. p

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO ATIVIDADE DIDATICA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO ATIVIDADE DIDATICA Universidade Federal Rural d Semi-Árid 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO ATIVIDADE DIDATICA 1. Se irriga pr gtejament um cultiv de melã,

Leia mais

Granalha De Aço Sablacier

Granalha De Aço Sablacier INFORMES TECNICOS Granalha De Aç Sablacier IKK d Brasil, a mair fabricante de Granalha de aç da América Latina, realizu extensivs testes, para avaliar a perfrmance de diferentes abrasivs (metálics e nã

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA O prblema de cmparaçã de distribuições de sbrevivências surge cm freqüência em estuds de sbrevivência. Pr exempl, pde ser de interesse cmparar dis trataments para

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO MT Tecnologias para melhoria e sustentabilidade do algodão brasileiro.

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO MT Tecnologias para melhoria e sustentabilidade do algodão brasileiro. SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO MT Tecnlgias para melhria e sustentabilidade d algdã brasileir. Evald Kazushi Takizawa Engenheir Agrônm Cnsultr Ceres CONSIDERAÇÕES INICIAIS O amadureciment da ctnicultura

Leia mais

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013 Cmunicad Cetip n 091/2013 26 de setembr de 2013 Assunt: Aprimrament da Metdlgia da Taxa DI. O diretr-presidente da CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS infrma que, em cntinuidade às alterações infrmadas n Cmunicad

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

Análise da Paisagem Pedreira "Mané"

Análise da Paisagem Pedreira Mané Legenda Curvas de nível EN 246 Caminh de Ferr Estradas Nacinais Hipsmetria 240-250 250,0000001-260 260,0000001-270 270,0000001-280 280,0000001-290 290,0000001-300 300,0000001-310 EN 243 Fntes: Cartas Militares

Leia mais

Sistema Alveolar Leve. Ecotelhado com. membrana dupla com. vegetação rústica

Sistema Alveolar Leve. Ecotelhado com. membrana dupla com. vegetação rústica Sistema Alvelar Leve Ectelhad cm membrana dupla cm vegetaçã rústica ECOTELHADO Sluções em Infraestrutura Ltda Rua Erechim 330 Bairr Nnai - Prt Alegre RS site: www.ectelhad.cm.br email: ectelhad@ectelhad.cm.br

Leia mais

I. INTRODUÇÃO IV. CONTEXTUALIZAÇÃO III. OBJECTIVOS. Conteúdo da Apresentação. II. Problema de estudo e justificação

I. INTRODUÇÃO IV. CONTEXTUALIZAÇÃO III. OBJECTIVOS. Conteúdo da Apresentação. II. Problema de estudo e justificação República de Mçambique Ministéri da Agricultura Ins:tut d Algdã de Mçambique Efeit da cnsciacã em Faixa de Algdã e Milh na Intensidade de Ataque das Pragas e n Rendiment das Culturas n Distrit de Mrrumbala

Leia mais

MELHORAMENTO DO MILHO

MELHORAMENTO DO MILHO MELHRAMENT D MILH IV MPRTAMENT REGNAL DE VARIEDADES E HÍBRIDS ( 1 ) G. P. VIEGAS ( 2 ) Engenheir agrônm, Secçã de Cereais e Leguminsas, Institut Agrnômic de Campinas. ( 1 )Trabalh apresentad à Segunda

Leia mais

COMPORTAMENTO DE CULTIVARES DE AIPIM DE POLPA AMARELA NO ESTADO DE SERGIPE

COMPORTAMENTO DE CULTIVARES DE AIPIM DE POLPA AMARELA NO ESTADO DE SERGIPE COMPORTAMENTO DE CULTIVARES DE AIPIM DE POLPA AMARELA NO ESTADO DE SERGIPE Héli Wilsn Lems de Carvalh 1, Wânia Maria Gnçalves Fukuda 2, Vanderlei Silva Sants2, Ivêni Rubens de Oliveira12, Marc Antôni Sedrez

Leia mais

Compactação. Material de apoio COMPACTAÇÃO DOS SOLOS. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Compactação. Material de apoio COMPACTAÇÃO DOS SOLOS. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Institut de Ciências Exatas e Tecnlgia Departament de Engenharia Civil Prfessra Mema Castr, MSc. 1 Material de api 2 Curs básic de mecânica ds sls (Carls Suza Pint, Oficina de Texts,

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Geração de Guias para ST, DIFAL e FCP

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Geração de Guias para ST, DIFAL e FCP CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Geraçã de Guias para ST, DIFAL e FCP 1. Objetivs Gerar títuls n cntas a pagar cm ttal de ICMS-ST, DIFAL e/u FCP das ntas fiscais de saída. Página 2 de 6 2. Requisits 2.1. RF01 Geraçã

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Australe Jrnal Pessal de Astrnmia, Física e Matemática - Prduzid pr Irineu Gmes Varella Criad em 1995 Retmad em Junh de 01 An III Nº 01 - Junh de 01 REFRAÇÃO ATMOSFÉRICA - I Prf. Irineu Gmes Varella,

Leia mais

Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas

Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas Miquéias Gomes dos

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 PDR2020 (Jvens agricultres) Página 1 de 7 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 13)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 13) Ntas de aula prática de Mecânica ds Sls II (parte ) Héli Marcs Fernandes Viana Cnteúd da aula prática xercíci relacinad a cálcul d empux ativ pel métd de Rankine, qual é causad pr um sl granular (u arens)

Leia mais

Numa vazão estimada em o uso de filtros de mangas. o aumento da vazão total dos resfriamento dos gases.

Numa vazão estimada em o uso de filtros de mangas. o aumento da vazão total dos resfriamento dos gases. Tecnlgia Prjet de Filtr de Mangas auxiliad pr Simulaçã Cmputacinal rmalmente prjet Desta frma, um sistema de Menr cust ttal gases cnstituída pela sma d s i s t e m a d e resfriament ds gases é (investiment,

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura Administraçã AULA- 7 1 Ecnmia Mercads [3] Oferta & Prcura Prf. Isnard Martins Bibligrafia: Rsseti J. Intrduçã à Ecnmia. Atlas 06 Rbert Heilbrner Micr Ecnmia N.Gregry Mankiw Isnard Martins Pag - 1 Oferta,

Leia mais

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público Caixas Ativas e Passivas SKY 3000, SKY 00, SKY 700, SKY 600 e NASH 144 Áreas de Cbertura e Quantidade de Públic www.studir.cm.br Hmer Sette 18-07 - 01 A área cberta pelas caixas acima, em funçã d psicinament

Leia mais

Sistema Modular Hexa. Ecotelhado

Sistema Modular Hexa. Ecotelhado Sistema Mdular Hexa Ectelhad CNPJ: 94.179.082/0001-27 - Inscriçã Estadual: 096 / 3403761 Rua Erechim 330 Bairr Nnai - Prt Alegre RS Fne: (51) 3242.8215 site: www.ectelhad.cm.br email: cntat@ectelhad.cm.br

Leia mais

Estoques e origem de carbono em sistemas de rotação de culturas após 20 anos de plantio direto

Estoques e origem de carbono em sistemas de rotação de culturas após 20 anos de plantio direto 80 Embrapa Sja. Dcuments, 276 Estques e rigem de carbn em sistemas de rtaçã de culturas após 20 ans de planti diret Thais Prtantil Crrea Prt 1 ;Juli César Franchini 2 ; ElenTrres 2. 1 Estudante d curs

Leia mais

PPGEP Comentários Iniciais CAPÍTULO 7 TESTE DE HIPÓTESE UFRGS. Testes de Hipótese

PPGEP Comentários Iniciais CAPÍTULO 7 TESTE DE HIPÓTESE UFRGS. Testes de Hipótese CAPÍTULO 7 7.. Cmentáris Iniciais Uma hipótese estatística é uma afirmativa a respeit de um parâmetr de uma distribuiçã de prbabilidade. Pr exempl, pdems frmular a hipótese que a prdutividade,5 peças/hra.

Leia mais

Sondagem do Bem-Estar

Sondagem do Bem-Estar 1 PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO RIO DE JANEIRO E EM SÃO PAULO A crescente demanda pr melhria ds serviçs públics n Brasil ganhu ainda mair evidência ns dis últims ans, quand a recessã

Leia mais

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento Desenvlviment e Otimizaçã de Hidrciclnes Frente a Mdificações de Variáveis Gemétricas e de Prcess Hérmane Mntini da Silva 1 Gilssaha Franklin Maciel 2 Orientadra: Ph.D. Andréia Bicalh Henriques RESUMO

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

COMPRIMENTO TOTAL DE RAÍZES DA BANANEIRA CV. D ANGOLA IRRIGADAS SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTAS 1

COMPRIMENTO TOTAL DE RAÍZES DA BANANEIRA CV. D ANGOLA IRRIGADAS SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTAS 1 COMPRIMENTO TOTAL DE RAÍZES DA BANANEIRA CV. D ANGOLA IRRIGADAS SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTAS 1 L. W. F. Lima 3 ; E. F. Coelho 4 ; L. A. Queiroz 2 ; T.S.M. da Silva 6 ; R. A. Boa sorte 5 ; D. M. de Melo

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA FOLHA DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA FOLHA DE QUESTÕES CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC FOLH DE QUESTÕES 007 1 a QUESTÃO Valr: 1,0 Um hmem está de pé diante de um espelh plan suspens d tet pr uma mla. Sabend-se que: a distância entre s lhs d hmem

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

I S INSERTOS ERTOS

I S INSERTOS ERTOS www.ikf.cm.br INSERTOSI NS T A IKF Serviçs e Ferramentas d Brasil Eireli, segue padrões nacinais e internacinais na cnstruçã de inserts para usinagens, mantend seu sistema de Gestã de Qualidade cnfrme

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #4 () O circuit a seguir é usad cm pré-amplificadr e

Leia mais

A grandeza física capaz de empurrar ou puxar um corpo é denominada de força sendo esta uma grandeza vetorial representada da seguinte forma:

A grandeza física capaz de empurrar ou puxar um corpo é denominada de força sendo esta uma grandeza vetorial representada da seguinte forma: EQUILÍBRIO DE UM PONTO MATERIAL FORÇA (F ) A grandeza física capaz de empurrar u puxar um crp é denminada de frça send esta uma grandeza vetrial representada da seguinte frma: ATENÇÃO! N S.I. a frça é

Leia mais

Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio.

Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio. Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio. Geraldo M. de Resende; Nivaldo D. Costa Embrapa - Semi-Árido, C. Postal 23, 56302.970 Petrolina - PE. E-mail: gmilanez@ufla.br RESUMO

Leia mais

Transdutor de corrente alternada (analógico)

Transdutor de corrente alternada (analógico) Transdutr de crrente (analógic) Revisã 1.1 22/04/2014 [1] Intrduçã Os transdutres de crrente têm pr finalidade cnverter um determinad sinal de crrente em um sinal cntínu islad galvanicamente. Sã dispnibilizads

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE IRRIGAÇÃO Francisco Fernandes da Costa Eng o. Agr o, M.Sc. em Irrigação e Drenagem; Projetar Irrigação LTDA, Av. Monsenhor Ângelo Sampaio, 56302-290, Petrolina-PE, fone (87) 3864.4010. E-mail:

Leia mais

TVDA - Tested, Validated, Documented Architectures. Arquitecturas de automação testadas e validadas para máquinas.

TVDA - Tested, Validated, Documented Architectures. Arquitecturas de automação testadas e validadas para máquinas. TVDA - Tested, Validated, Dcumented Architectures. Arquitecturas de autmaçã testadas e validadas para máquinas. Antóni Varandas Schneider Electric Prtugal Tel. +351 21 750 71 00 Fax: +351 21 750 71 01

Leia mais

Classificações ECTS. - Resultados da aplicação experimental às disciplinas do IST - Carla Patrocínio

Classificações ECTS. - Resultados da aplicação experimental às disciplinas do IST - Carla Patrocínio Classificações ECTS - Resultads da aplicaçã experimental às disciplinas d IST - Carla Patrcíni Crd.: Drª Marta Pile Gabinete de estuds e planeament Institut Superir Técnic Janeir, 2003 1. Enquadrament

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PID0001 ÁGUA NO SISTEMA SOLO-PLANTA- ATMOSFERA PROFESSOR(ES): José Francismar de Medeiros [ X ] Obrigatória [ ] Optativa

Leia mais

Distribuidores regulagem ... (DMET) seria de 214 kglha de nitrogênio.

Distribuidores regulagem ... (DMET) seria de 214 kglha de nitrogênio. .. Distribuidres regulagem.9 1 Nl j 1 LN[l]rl@)@. 'JfJ [ill@[iili)@)@[fq@..... tt1 ",t ( 1 ii " Váris estuds têm mstrad que as gramíneas cm milh, trig, cevada, ave.iarespndem à aplicaçã de fertilizante

Leia mais

Estudo do efeito de sistemas de forças concorrentes.

Estudo do efeito de sistemas de forças concorrentes. Universidade Federal de Alagas Faculdade de Arquitetura e Urbanism Curs de Arquitetura e Urbanism Disciplina: Fundaments para a Análise Estrutural Códig: AURB006 Turma: A Períd Letiv: 2007 2007-2 Prfessr:

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (Empreendedorismo Qualificado) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (Empreendedorismo Qualificado) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 (Empreendedrism Qualificad) Página 1 de 8 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

DISPOSIÇÃO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

DISPOSIÇÃO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) DISPOSIÇÃO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) J. E. TEIXEIRA MENDES, engenheir-agrônm, Divisã de Agrnmia e H. J. SCARANARI. engenheir-agrônm, Seçã de Genética, Institut Agrnômic RESUMO N presente trabalh sã

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e o Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e o Programa da disciplina. Infrmaçã da Prva de Exame de Equivalência à Frequência de Prjet Tecnlógic Códig: 196 2013 Curs Tecnlógic de Infrmática/12.º Prva: Pr (Prjet) Nº de ans: 1 Duraçã: 30-45 minuts Decret-Lei n.º 139/2012, de

Leia mais

1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA 2 O FRACASSO DA EQUAÇÃO MECÂNICA DE ESTADO M ECANISMOS DE ENDURECIMENTO ENCRUAMENTO DOS METAIS

1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA 2 O FRACASSO DA EQUAÇÃO MECÂNICA DE ESTADO M ECANISMOS DE ENDURECIMENTO ENCRUAMENTO DOS METAIS Capítul IV: ecanisms de Endureciment 1 CAPÍTULO IV ECANISOS DE ENDURECIENTO 4.1 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

QUESTÕES DISCURSIVAS

QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÕES DISCURSIVAS Questã 1 Um cliente tenta negciar n banc a taa de jurs de um empréstim pel praz de um an O gerente diz que é pssível baiar a taa de jurs de 40% para 5% a an, mas, nesse cas, um valr

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

EM34B Mecânica dos Fluidos 1

EM34B Mecânica dos Fluidos 1 EM34B Mecânica ds Fluids 1 Prf. Dr. André Damiani Rcha archa@utfpr.edu.br Parte II: 2 Escp da Mecânica ds Fluids Mecânica ds fluids é estud de fluids em repus u em mviment. Ela tem sid tradicinalmente

Leia mais

Cartografia e Geoprocessamento Parte 3. Escala cartográfica, PEC e divisão das folhas ao milionésimo.

Cartografia e Geoprocessamento Parte 3. Escala cartográfica, PEC e divisão das folhas ao milionésimo. Cartgrafia e Geprcessament Parte 3 Escala cartgráfica, PEC e divisã das flhas a milinésim. Recapituland... Geide; Datum; Sistemas de Crdenadas; Prjeções Cartgráficas. Escala Cartgráfica qual é prblema?

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 PDR2020 (Invest. Explr. Agrícla) Página 1 de 9 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020

Leia mais

Irrigação de Fruteiras

Irrigação de Fruteiras Fruticultura Geral Irrigação de Fruteiras Alessandra Alves Rodrigues DCR / FAPESQ / CNPq Prof a Railene Hérica Carlos Rocha UAGRA / CCTA / UFCG Introdução Definição de irrigação: é a aplicação artificial

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Bletim Ecnômic Ediçã nº 71 mai de 2014 Organizaçã: Mauríci Jsé Nunes Oliveira Assessr ecnômic A Bancarizaçã d país e a disparada das reclamações cntra s bancs 1 Queixas cntra bancs disparam Quand a relaçã

Leia mais

Política de Investimentos. OABPrev-SP

Política de Investimentos. OABPrev-SP Plítica de Investiments OABPrev-SP 2006 1 Intrduçã 2 Objetivs de Investiment 3 Alcaçã Estratégia 4 Limites peracinais para investiment n segment de Renda Fixa 5 Us de Instruments Derivativs 6 Índices de

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

~'~~~~~~~1~~~~~i~~rt~~~~1r~ RECOMEDAÇÃO DE VARIEDADE DE GUANDU FORRAGEIRO ec. FL ISSN '"~

~'~~~~~~~1~~~~~i~~rt~~~~1r~ RECOMEDAÇÃO DE VARIEDADE DE GUANDU FORRAGEIRO ec. FL ISSN '~ 1'1 15339 2004 2. ec. FL-15339 Semi-Árid ISSN 1415-5095 Petrlina-PE, agst de 2004-2 a ediçã RECOMEDAÇÃO DE VARIEDADE DE GUANDU FORRAGEIRO '"~ üi - '" ~'~~~~~~~1~~~~~i~~rt~~~~1r~ Ul ~ U.9 u, FL - 15339

Leia mais

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos João Bosco C. da Silva; Jairo Vidal Vieira; Cristina Maria M. Machado; Graziella B. de Lima. Embrapa

Leia mais

ENERGISA MINAS GERAIS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A

ENERGISA MINAS GERAIS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A XXII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de nvembr Curitiba - PR - Brasil Paul Rbert Freitas Valadã ENERGISA MINAS GERAIS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A Victr Barrs Rispli

Leia mais

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE Coffea arabica SUBMETIDAS AO ESTRESSE HÍDRICO 1

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE Coffea arabica SUBMETIDAS AO ESTRESSE HÍDRICO 1 ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE Cffea arabica SUBMETIDAS AO ESTRESSE HÍDRICO 1 Julieta Andrea Silva de Almeida 2 ; Emíli Sakai 3 ; Priscila Fratin Medina 4 ; M. Bernadete Silvarlla

Leia mais

EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA. Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA. Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA Vitória, Guilherme 1 ; Weber, Francieli S. 1 ; Lopes, Herberto 1 ; Salvador, Rodrigo 1 ; Alves, Tainah Triani

Leia mais

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA BONFADA, Élcio B. 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; SILVA, Alieze N. da 3 ; WYZYKOWSKI, Tiago 4 Palavras-chave: Nutrição de Plantas.

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO*

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* ANTONIO FERNANDO OLITTA** KEIGO M I N A M I * * * INTRODUÇÃO O método de irrigação por gotejo foi desenvolvido em termos de uma agricultura intensiva e altamente produtiva,

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 10. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 10. Professora: Mazé Bechara Institut de Física USP Física V - Aula 10 Prfessra: Mazé Bechara Material para leitura na Xerx d IF 1. Prduçã e ransfrmaçã de Luz; Albert instein (1905); Artig 5 d Livr O an Miraculs de instein (traduçã

Leia mais

FINANCIAMENTO: REINO DE ESPANHA RESPONSAVEL DE PROGRAMA, PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

FINANCIAMENTO: REINO DE ESPANHA RESPONSAVEL DE PROGRAMA, PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCIAMENTO: REINO DE ESPANHA RESPONSAVEL DE PROGRAMA, PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Departament: Infraestrutura Direçã: Unidade de PPDU Categria: P4 Salári anual: USD 44,328

Leia mais

Resultados 4º Trimestre de de Fevereiro de 2017

Resultados 4º Trimestre de de Fevereiro de 2017 Resultads 4º Trimestre de 2016 24 de Fevereir de 2017 Resultads 4º Trimestre de 2016 24 de Fevereir de 2017 Faturament d segment Alimentar atinge R$ 45 bilhões em 2016, cresciment de 11,7%, acelerand para

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E 3/0/06 As grandezas P, T e V sã tais que P é diretamente prprcinal a T e inversamente prprcinal a V Se T aumentar 0% e V diminuir 0%, determine a variaçã

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Edital nº26/2015 PROPP/UEMS, 28 de agst de 2015. ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENSINO EM SAÚDE, MESTRADO PROFISSIONAL, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

REGULAMENTO PARA O INOVA SENAI 2017

REGULAMENTO PARA O INOVA SENAI 2017 REGULAMENTO PARA O INOVA SENAI 2017 1. O INOVA SENAI 1.1 O que é INOVA SENAI é uma atividade técnica-cultural n frmat de cncurs que visa recnhecer publicamente as capacidades de invaçã, empreendedrism

Leia mais

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M.

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M. Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1 Antônio M. Coelho 2 1 Parcialmente financiado pela Sul Óxidos Industria e Comércio

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA

PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA Módul 5 O ESTADO E A ATIVIDADE ECONÓMICA 1- Estad nçã e Apresentar a nçã de Estad Expsiçã ral Avaliaçã d prcess de 32 funções Trabalhs de grup trabalh: grelhas de Nçã Caraterizar as funções d Leitura e

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

SEGURANÇA PATRIMONIAL ANÁLISE PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

SEGURANÇA PATRIMONIAL ANÁLISE PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS SEGURANÇA PATRIMONIAL ANÁLISE PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS Sbre autr: Raphael de Mel Alves Ex-militar d Exércit Brasileir, frmad em Gestã de Segurança Privada, MBA em Gestã de Prjets e extensã universitária

Leia mais

DETECTOR FOTOELÉTRICO ATIVO, DE 3 FEIXES, COM CONVERSÃO DIGITAL DE FREQUÊNCIA MANUAL DE INSTALAÇÃO

DETECTOR FOTOELÉTRICO ATIVO, DE 3 FEIXES, COM CONVERSÃO DIGITAL DE FREQUÊNCIA MANUAL DE INSTALAÇÃO DETECTOR FOTOELÉTRICO ATIVO, DE 3 FEIXES, COM CONVERSÃO DIGITAL DE FREQUÊNCIA MANUAL DE INSTALAÇÃO Faixas de alcance de cada mdel, cnfrme tip de instalaçã: ABE-50 Interna: 150 m; Externa : 50 m ABE-75

Leia mais

SCALEIO READY NODE. Specification Sheet de hardware. Especificações PRINCIPAIS RECURSOS DO SCALEIO READY NODE. ScaleIO Ready Node

SCALEIO READY NODE. Specification Sheet de hardware. Especificações PRINCIPAIS RECURSOS DO SCALEIO READY NODE. ScaleIO Ready Node ScaleIO Ready Nde SCALEIO READY NODE Specificatin Sheet de hardware O ScaleIO Ready Nde é um servidr SAN definid pr sftware para armazenament em blck. Ele cmbina s servidres Dell PwerEdge de última geraçã

Leia mais

REGULAMENTO 1ª EDICÃO PRÉMIO FOOD FAB LAB

REGULAMENTO 1ª EDICÃO PRÉMIO FOOD FAB LAB REGULAMENTO 1ª EDICÃO PRÉMIO FOOD FAB LAB O TAGUSVALLEY assume um papel fundamental cm agente dinamizadr da invaçã e ecnmia da regiã e prcura as cndições necessárias para que as atividades ecnómicas sejam

Leia mais

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA A.M.A. Taeira A.C.M. Barreir V.S. Bagnat Institut de Físic-Química -USP Sã Carls SP Atraés d lançament de prjéteis pde-se estudar as leis

Leia mais

USO DA CENTRÍFUGA PARA DETERMINAÇÃO DA CURVA DE RETENÇÃO DE ÁGUA DO SOLO, EM UMA ÜNICA OPERAÇÃO 1

USO DA CENTRÍFUGA PARA DETERMINAÇÃO DA CURVA DE RETENÇÃO DE ÁGUA DO SOLO, EM UMA ÜNICA OPERAÇÃO 1 US DA CENTRÍFUGA PARA DETERMINAÇÃ DA CURVA DE RETENÇÃ DE ÁGUA D SL, EM UMA ÜNICA PERAÇÃ 1 ELIAS DE FREITAS JÚNIR 2 e EtJZÊBI MEDRAD DA SILVA 3 RESUM - Uma equaçã derivada da teria da centrífuga, aplicada

Leia mais

CAMPANHA DE INCENTIVO DESAFIO 2,99 4º TRIMESTRE DE 2016

CAMPANHA DE INCENTIVO DESAFIO 2,99 4º TRIMESTRE DE 2016 CAMPANHA DE INCENTIVO DESAFIO 2,99 4º TRIMESTRE DE 2016 1. OBJETIVOS GERAIS 1.1 Cntribuir para a melhria d resultad peracinal da CAIXA, pr intermédi da reversã de perações em prejuíz e da reduçã d Prvisinament

Leia mais

Programa IBP de Bolsas de Mestrado

Programa IBP de Bolsas de Mestrado 1. Infrmações Gerais Prgrama IBP de Blsas de Mestrad Term de Referência 8 Cicl - 2014 O Institut Brasileir de Petróle, Gás e Bicmbustíveis, ciente da imprtância da frmaçã de prfissinais cm capacitaçã adequada

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia Ecologia II c 2006 ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE ORGANISMOS NUMA ZONA INTERTIDAL

Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia Ecologia II c 2006 ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE ORGANISMOS NUMA ZONA INTERTIDAL Universidade Nva de Lisba, Faculdade de Ciências e Tecnlgia Eclgia II c 2006 ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE ORGANISMOS NUMA ZONA INTERTIDAL Jana Alves, Núria Csta & Raquel Machad Resum: Este trabalh

Leia mais

CRÉDITO ESPECIAL - CAPITAL DE GIRO

CRÉDITO ESPECIAL - CAPITAL DE GIRO LINHA DE CRÉDITO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CRÉDITO ESPECIAL - CAPITAL DE GIRO A CAIXA ferece cndições invadras para que empresas públicas e sciedade de ecnmia mista ampliem seu capital de gir. Agra as empresas

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Thiago Henrique Carvalho de Souza

Leia mais

MODELAGEM BI-DIMENSIONAL HIDRODINÂMICA E DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DO ESTUÁRIO DO POTENGI CE-QUAL-W2

MODELAGEM BI-DIMENSIONAL HIDRODINÂMICA E DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DO ESTUÁRIO DO POTENGI CE-QUAL-W2 MODELAGEM BI-DIMENSIONAL HIDRODINÂMICA E DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DO ESTUÁRIO DO POTENGI CE-QUAL-W2 Autres: Felipe Fernandes Viana de Araúj (Eng. Civil, Dr.) Jsé Alexandre Mreira Farias (Eng. Civil, M.Sc.)

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE CRÍTICA PARA COMPACTAÇÃO E DENSIDADE MÁXIMA A PARTIR DO CARBONO ORGÂNICO E DA TEXTURA EM UM LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE CRÍTICA PARA COMPACTAÇÃO E DENSIDADE MÁXIMA A PARTIR DO CARBONO ORGÂNICO E DA TEXTURA EM UM LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE CRÍTICA PARA COMPACTAÇÃO E DENSIDADE MÁXIMA A PARTIR DO CARBONO ORGÂNICO E DA TEXTURA EM UM LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO Wagner

Leia mais

ACUMULADOR DE PRESSÃO. Linha de produto 9.1. Pré-seleção

ACUMULADOR DE PRESSÃO. Linha de produto 9.1. Pré-seleção ACUMULADOR DE PRESSÃO Linha de prdut Préseleçã 9.1 Acumuladr de pressã cm diafragma Acumuladr D,725 Acumuladr D,75 Acumuladr D,1625 Acumuladr D,321 Acumuladr D,3225 Acumuladr D,51 Acumuladr D,751 Acumuladr

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS SIMULAÇÃO DE FLUXO MULTIFÁSICO EM ANÁLOGO DE RESERVATÓRIO DE PETRÓLEO Sants, E. A. 1, Guimarães, L. J. N. 2, Csta, L. M. 3, Pntes Filh, I. D. S. 3, A. P.,

Leia mais

SIMULAÇÃO DA NECESSIDADE DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO FEIJÃO UTILIZANDO O MODELO CROPWAT-FAO

SIMULAÇÃO DA NECESSIDADE DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO FEIJÃO UTILIZANDO O MODELO CROPWAT-FAO SIMULAÇÃO DA NECESSIDADE DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO FEIJÃO UTILIZANDO O MODELO CROPWAT-FAO Z. B. de Oliveira 1 ; R. Carlesso 2 ; M. P. Petry 3 ; A. E. Knies 4 ; T. François 3 ; M. G. G. Piñango 3 RESUMO:

Leia mais

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE Marcos Antônio Drumond 1, José Barbosa dos Anjos 1, Máira Milani 2, Luiz Balbino Morgado 1, e José Monteiro

Leia mais

Resposta de Cultivares de Milho à Adubação Nitrogenada em Cobertura

Resposta de Cultivares de Milho à Adubação Nitrogenada em Cobertura Resposta de Cultivares de Milho à Adubação Nitrogenada em Cobertura Previous Top Next JOSÉ C. CRUZ. 1, FRANCISCO T. F. PEREIRA. 1, ISRAEL A. PEREIRA FILHO 1 e ANTONIO M.COELHO 1 1Embrapa Milho e Sorgo,

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Modelo - Octo Blocos Estruturais

Modelo - Octo Blocos Estruturais Mdel - Oct Blcs Estruturais A alvenaria estrutural pde ser armada, u seja, refrçada cm armadura passiva u até mesm armadura ativa e a nã-armada, encntrada em edificações mais baixas, geralmente até 04

Leia mais

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções Avaliaçã Imbiliária e Manutençã das Cnstruções 1ª Épca 15 de junh de 2016 (11h30) (V1.26 V1.25) Nme: Númer: Duraçã ttal sem interval: 1,45 hras Ntas: I. Nã é permitida a cnsulta de quaisquer ntas u dcuments,

Leia mais

Mais problemas resolvidos! Atrito e força centrípeta:

Mais problemas resolvidos! Atrito e força centrípeta: Mais prblemas reslvids! Atrit e frça centrípeta: Prblema 04. a figura a lad, um prc brincalhã escrrega em uma ο rampa cm uma inclinaçã de 35 e leva dbr d temp que levaria se nã huvesse atrit. Qual é ceficiente

Leia mais

Diagramas líquido-vapor

Diagramas líquido-vapor Diagramas líquid-vapr ara uma sluçã líquida cntend 2 cmpnentes vláteis que bedecem (pel mens em primeira aprximaçã) a lei de Rault, e prtant cnsiderada cm uma sluçã ideal, a pressã de vapr () em equilíbri

Leia mais

LUIZ FERNANDO RAIZER MORO 1 ROSANA MARIA RODRIGUES 1

LUIZ FERNANDO RAIZER MORO 1 ROSANA MARIA RODRIGUES 1 O USO DE PRODUTOS SUB ORBITAIS NA CARACTERIZAÇÃO DO MEIO FÍSICO COM ÊNFASE AS ÁREAS DE ENCOSTA SUSCETÍVEIS A EROSÃO: Estud de cas para a prçã sudeste d municípi de Balneári Cambriú / SC LUIZ FERNANDO RAIZER

Leia mais

Solicitação do Cliente

Solicitação do Cliente Cnsultria Slicitaçã d Cliente IDENTIFICAÇÃO Códig d Prvedr: 88 Nº Atendiment: 78620 Ambiente Ocrrência Aceite Cliente Extern X Web Nva Implementaçã Impress Desk X Melhria Email Mbile Custmizaçã Data d

Leia mais