XVIIª. Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XVIIª. Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias"

Transcrição

1 XVIIª Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias Recife, 24 de setembro de 2014

2 Temas que serão discutidos na XVII Análise Ceplan: A economia em 2014: Mundo; Brasil; Nordeste, com ênfase em Pernambuco; Perspectivas para os próximos meses; Informe especial: Consumo das Famílias.

3 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial

4 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial O Contexto: Para o ano de 2014, o FMI estima, na sua previsão mais recente, uma pequena redução das estimativas feitas anteriormente, tendo em vista acontecimentos ocorridos no primeiro semestre deste ano, entre os quais: A presença de grandes excedentes de estoques, maiores que esperados, nos Estados Unidos; A diminuição da intensidade da demanda na China associada à contenção do crédito; A desaceleração das atividades econômicas na Rússia, ocasionada pelas tensões geopolíticas com desaceleração da demanda. Associado à menor demanda externa dos Estados Unidos e China, constatou-se um menor crescimento do que o previsto das economias emergentes. De positivo, cabe o registro de uma melhoria das condições financeiras com a redução da taxa de juros de longo prazo e com a diminuição dos indicadores de volatilidade de preços. Some-se a isto a recuperação dos fluxos de capitais das economias emergentes, não obstante a debilidade constatada na atividade econômica.

5 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial Desaceleração entre 2010 e 2014 da economia mundial, com destaque para a China e os países emergentes. Desaceleração significativa da economia brasileira. Sinais de recuperação para os países da Zona do Euro que registraram taxas negativas em 2012 e Mundo e Regiões Selecionadas: Variação do PIB real (%)

6 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial Perspectivas: Para a economia mundial está prevista, no próximo ano, uma recuperação muito tímida sustentada pelos Estados Unidos e influenciada pelo comportamento da economia da Zona do Euro que deverá registras taxas positivas de crescimento em 2014 e Quanto aos países emergentes e em desenvolvimento, as previsões mais relevantes são as seguintes: A China continua a desaceleração da sua economia, passando de 7,4% em 2014 para 7,1% em No Brasil as condições financeiras mais restritivas e a debilidade da confiança das empresas e consumidores influenciaram os investimentos e o consumo (especialmente para 2014). Na Rússia a perspectiva é de pequeno crescimento dos investimentos, por um longo período, dadas as tensões geopolíticas.

7 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro

8 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Desde o segundo trimestre de 2013 que a economia brasileira desacelera para concluir com uma variação negativa um ano depois. Tendência à queda já vinha desde 2010 com pequena recuperação em 2012 até primeiro semestre de Brasil: Taxa de crescimento do PIB trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) - I trimestre de 2010 ao II trimestre de 2014

9 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro O motor do crescimento não é mais o consumo das famílias. E o investimento revela instabilidade, com queda acentuada nos seis primeiros meses de Quais serão as novas fontes do crescimento brasileiro? Brasil: Taxa de crescimento do PIB semestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) 1 semestre de semestre de 2014 Setor de atividade Agropecuária 8,1 1,2-3,0 12,4 1,2 Indústria 14,6 2,9-1,2 1,1-1,4 Serviços 6,0 3,8 1,6 2,2 1,1 PIB a preços de mercado 9,0 3,8 0,7 2,7 0,5 Consumo das famílias 7,3 5,8 2,5 2,7 1,7 Consumo da administração 4,6 2,7 2,7 1,6 2,1 pública Formação bruta de capital fixo 28,5 7,5-3,0 5,0-6,8 Exportação de bens e serviços 10,7 5,2 1,7 0,5 2,3 Importação de bens e serviços (-) 39,6 14,1 3,8 7,6-0,6 Fonte: Contas Nacionais Trimestrais - IBGE. Elaboração CEPLAN.

10 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro A inflação continua renitente e no limite da banda superior da meta. Tolerância, erros e inconsistências entre as políticas monetária e fiscal. Brasil: IPCA Acumulado nos últimos 12 meses - (%) - jan/10 a ago/14

11 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro O Banco Central continua intervindo para evitar uma maior desvalorização do real por conta dos impactos inflacionários. Câmbio sobrevalorizado, contudo, agrava o problema da indústria. Brasil: Índice da taxa de câmbio real (%) jan/11 a jul/14

12 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro O saldo da BC continua se estreitando. Crise de 2008, problemas de competitividade da indústria, câmbio sobrevalorizado, Mercosul e política de comércio exterior são os vilões. Brasil: Saldo da Balança Comercial US$ (bilhões) ¹

13 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro A poupança externa continua cobrindo a diferença doméstica entre a taxa de investimento e a taxa de poupança. Brasil: Saldo da Balança de Transações Correntes (BTC) - US$ (bilhões) ¹

14 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Síntese Recessão técnica e bom desempenho do mercado de trabalho: aparente contradição; Qual será o novo motor do crescimento brasileiro? Inflação: instrumentos ortodoxos e heterodoxos; Setor externo continua com dificuldades: crise 2008, custo Brasil e baixa competitividade; câmbio, Epilogo: expectativas ruins pelo menos até o final do período eleitoral.

15 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco

16 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Principais estados do Nordeste apresentaram taxas superiores a 1,5% no 2º trimestre, na contramão da taxa negativa do Brasil. PE cresceu abaixo do CE (puxado pela recuperação da seca e impacto da Copa) e acima da BA (puxado pela Construção Civil e Extrativa Mineral). Brasil, Bahia, Ceará e Pernambuco: Taxa de crescimento do PIB trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior (%) - 2 trimestre de 2014 Área Geográfica Taxa Ceará 3,0 Pernambuco 1,9 Bahia 1,6 Brasil -0,9 Fonte: IBGE, IPCE-CE, SEI-BA, CONDEPE/FIDEM-PE. Elaboração CEPLAN.

17 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco No 1º semestre PE e CE cresceram acima da Bahia e os três bem acima do Brasil. Pernambuco se destacou no desempenho da indústria e o Ceará na agropecuária e serviços. Brasil, Bahia, Ceará e Pernambuco: Taxa de crescimento do PIB acumulado no ano (%) - 1 semestre de 2014 Área Geográfica PIB Agropecuária Indústria Serviços Pernambuco 3,5 27,5 3,9 2,5 Ceará 3,5 47,2-1,3 3,5 Bahia 1,6 14,9-0,8 1,5 Brasil 0,5 1,2-1,4 1,1 Fonte: IBGE, IPCE-CE, SEI-BA, CONDEPE/FIDEM-PE. Elaboração CEPLAN. Nota: Refere-se ao crescimento com respeito ao mesmo período do ano anterior.

18 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Crescimento maior de PE em relação ao Brasil no 1º semestre influenciado pelo desempenho relativo da agropecuária, indústria de transformação, construção civil e comércio. Brasil e Pernambuco: Taxa de crescimento do PIB acumulado no ano por setor (%) 1 semestre de 2014 Setor de Atividade Brasil Pernambuco Agropecuária 1,2 27,5 Indústria -1,4 3,9 Transformação -3,1 4,8 Construção Civil -4,9 1,7 Produção e Distribuição de Eletricidade, Gás e Água 3,1 4,8 Serviços 1,1 2,5 Comércio -0,1 2,3 Transporte, Armazenagem e Correio 2,4 6,8 Interm. Financ, Seguros, Prev. Complem. E serv 2,5 Relacionados 3,4 Atividades Imobiliárias e Aluguel 1,8 Administração, Saúde e Educação Públicas 1,6 1,5 Outros Serviços -0,5 2,5 PIB a Preços de Mercado 0,5 3,5 Fonte:CONDEPE/FIDEM-PE. Elaboração CEPLAN. Nota: Refere-se ao crescimento com respeito ao mesmo período do ano anterior.

19 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Crescimento da indústria de transformação de PE contrasta com desempenho negativo do Brasil e NE, no acumulado janeiro-julho. Influenciou no estado o desempenho de segmentos como o da construção naval e produção de alimentos. Brasil, Nordeste, Bahia, Ceará e Pernambuco: Crescimento da produção industrial (%) - Acumulado de Janeiro a Julho de 2014 Área Geográfica Indústria geral Indústria Indústria de extrativa transformação Pernambuco 2,6-2,6 Nordeste -0,5 1,2-0,7 Ceará -1,5 - -1,5 Brasil -2,8 4,4-3,6 Bahia -5,0 4,8-5,5 Fonte: IBGE - PIM. Elaboração CEPLAN. Nota: Crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior.

20 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Comércio varejista dos estados NE com comportamento distinto da taxa negativa do Brasil, no acumulado janeiro-julho. PE cresceu acima da Bahia e abaixo do CE. Brasil e Estados do Nordeste: Crescimento médio mensal do comércio varejista ampliado (%) Acumulado de Janeiro a Julho de 2014

21 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Taxa de crescimento da arrecadação de ICMS da Bahia e do Ceará foi praticamente o dobro da taxa verificada em Pernambuco no acumulado de janeiro-julho de Estados selecionados: Arrecadação do ICMS acumulado de Janeiro a Junho de 2013 e de Janeiro a Junho de 2014 em R$ mil Acumulado Acumulado Área Geográfica Variação (%) Jan-Jul/13 Jan-Jul/14 Paraíba ,8 Ceará ,2 Bahia ,2 Piauí ,9 Rio Grande do Norte ,8 Pernambuco ,2 Maranhão ,1 Fonte: CONFAZ. Elaboração: CEPLAN Nota: 1) A preços de julho de 2014 deflacionados pelo IGP-DI.

22 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco RMR apresentou taxas de desemprego de março a junho superiores ao mesmo período de Em julho voltou a registrar taxa menor. RMs e Total das RMs: Evolução da taxa de desemprego aberto (%) Jan-Jul/13 e Jan-Jul/14

23 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco A variação do rendimento médio da RMR entre janeiro-julho de 2014 em relação a igual período de 2013 foi superior a taxa verificada nas metrópoles de São Paulo e Belo Horizonte. RMs: Rendimento médio real das pessoas ocupadas Em R$ - Média de Jan/Jul 2013 e Média de Jan/Jul 2014 Área Geográfica Média de Jan/Jul 2013 (Em reais) Média de Jan/Jul 2014 (Em reais) Variação (%) Rio de Janeiro - RJ 2.111, ,83 6,7 Recife - PE 1.461, ,69 3,9 São Paulo - SP 2.107, ,26 1,6 Belo Horizonte - MG 1.950, ,99 0,1 Fonte: PME-IBGE.Elaboração CEPLAN. Nota: (1) Valores a preços de Julho de 2014 inflacionados pelo INPC de cada Região Metropolitana. (2) Exclusive trabalhadores não remunerados e trabalhadores que receberam somente em benefícios.

24 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Expansão do emprego formal de Pernambuco em julho foi um pouco abaixo da taxa do NE e superior ao crescimento médio do Brasil. Destaques regionais para Piauí e Paraíba com mais de 5,5% de incremento. Brasil, Nordeste e Estados: Estoque de empregos formais¹ estoque em jul/13 e jul/14 Área Geográfica Estoque de emprego em julho de 2013 Estoque de emprego em julho de 2014 Taxa de Crescimento (%) Piauí ,1 Paraíba ,7 Ceará ,7 Sergipe ,0 Nordeste ,3 Pernambuco ,0 Rio Grande do Norte ,9 Maranhão ,7 Brasil ,3 Bahia ,0 Alagoas ,6 Fonte: CAGED/RAIS - MTE. Elaboração Ceplan ¹Série ajustada incorpora as informações declaradas fora do prazo

25 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Setorialmente influenciaram no desempenho do emprego formal de Pernambuco em julho de 2014 a adição de empregos na administração pública e no setor de serviços em geral. Destaque, por outro lado, para a taxa negativa da construção civil. Pernambuco: Estoque de empregos formais por setor¹ estoque em jul/13 e jul/14 Setor de Atividade Estoque de emprego em Jul/13 Estoque de emprego em Jul/14 Taxa de Crescimento (%) Administração Pública ,4 Serviços ,1 Servicos industriais de utilidade pública ,7 Total ,0 Indústria de transformação ,4 Comércio ,0 Extrativa mineral ,2 Agropecuária, extração vegetal, caça e pesca ,3 Construção Civil ,4 Fonte: CAGED/RAIS - MTE. Elaboração Ceplan ¹Série ajustada incorpora as informações declaradas fora do prazo

26 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Síntese Entre janeiro e julho de 2014 os destaques ficaram por conta: Da expansão em janeiro-julho da indústria de transformação em PE frente ao Brasil, Nordeste, Ceará e Bahia; Do crescimento positivo das vendas do varejo, no mesmo período, dos estado do NE, com a média do BR registrando taxa negativa; Do aumento da taxa de desemprego na RMR de março a junho em relação a igual período de 2013, (exceto em abril); Do crescimento do rendimento médio da metrópoles de Recife acima das RMs de São Paulo e Belo Horizonte; Da diminuição do ritmo de crescimento do emprego formal em PE.

27 2. Perspectivas para os próximos meses

28 2. Perspectivas para os próximos meses Perspectiva - Brasil Previsão do PIB (FOCUS): 0,30% (em setembro); Produção Industrial (FOCUS): -1,94% (em setembro); Inflação (FOCUS): 6,30% (em setembro); Saldo da Balança Comercial (FOCUS): US$ 2,40 bilhões (em setembro); Saldo de Transações Correntes (FOCUS): - US$ 81 bilhões (em setembro). (estabiliza) Índices de Confiança dos setores de comércio, serviços e indústria de transformação apresentam declínio (FGV).

29 2. Perspectivas para os próximos meses Perspectiva - Pernambuco Previsão do PIB (CONDEPE): 3,5% a 4% Recuperação de safra; Arrefecimento da construção civil e crescimento dos SIUP; Bom desempenho do setor de Transporte, armazenagem e correio. Serviços - Sondagens (CONDEPE / FGV em julho) Índice de Confiança cai: -6,8% (julho/14 versus julho/13). Índice de confiança do empresário industrial (FIEPE em agosto) Índice de Confiança: melhora, em patamar superior a média nacional. Indústria da Construção Civil (FIEPE em julho) Índice de expectativa para os próximos 6 meses: acima da média nacional, apesar da sondagem ter apresentado dados menores que no ano anterior.

30 3. Informe especial: Consumo das famílias

31 3. Informe especial: Consumo das famílias Contexto Desenvolvimento econômico, politicas sociais e crédito atenuaram as desigualdades e estimularam o consumo ao longo da primeira década deste século; Sintomas de desaceleração dos efeitos positivos dessas politicas fazem-se sentir nas estatísticas econômicas e sociais; O que aconteceu e por que?

32 3. Informe especial: Consumo das famílias Consumo com tendência de crescimento até 2010, quando começa a desacelerar e o investimento permanece muito instável. Brasil: Taxa de crescimento do Consumo da Famílias e da FBCF anual com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%)

33 3. Informe especial: Consumo das famílias Essa instabilidade continua trimestralmente a partir de 2011 enquanto o consumo das famílias permanece em declínio. Inflação, endividamento, crédito mais rígido e juros mais altos são prováveis causas. Brasil: Taxa de crescimento do Consumo da Famílias e da FBCF trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) I trimestre de 2011 ao II trimestre de 2014

34 3. Informe especial: Consumo das famílias Entre , e a partir de 2010 inflação e consumo das famílias apresentam tendências opostas. Na crise crédito e desonerações pontuais estimularam o consumo. Brasil: Taxa de crescimento do Consumo da Famílias e do IPCA anual com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%)

35 3. Informe especial: Consumo das famílias Endividamento geral sobe e se estabiliza, mas o imobiliário continua crescente e ampliando participação. Brasil: Endividamento das famílias - (%) Jan/ Mar/14

36 3. Informe especial: Consumo das famílias Comprometimento da renda das famílias com dividas também é crescente com pico em por conta dos estímulos ao consumo. Depois diminui e se estabiliza em torno dos 20%. Brasil: Comprometimento de renda das famílias - (%) Jan/ Mar/14

37 3. Informe especial: Consumo das famílias Crédito mais caro torna-o mais escasso. Ligeira tendência à desaceleração exceto para veículos que declina acentuadamente no último ano e meio. Brasil: Taxa de crescimento anual da carteira de crédito por modalidade - (%) Dez/ Jun/14

38 3. Informe especial: Consumo das famílias Tendência decrescente para PE e Brasil. Até 2011 as variações do Saldo em PE foram maiores do que no país. Brasil: Variação em 12 meses do Saldo das Operações de crédito - Pessoas físicas- (%)

39 3. Informe especial: Consumo das famílias Tendência à queda com subida em Novo declínio em 2013 e pequeno repique nos últimos meses. Aumento da renda e emprego reduziu inadimplência até Brasil: Taxa de Inadimplência de Pessoa Física - (%) Jan/04 a Jul/14

40 3. Informe especial: Consumo das famílias A POF corrobora o fato de que em sociedades mais pobres a maior parte da renda é gasta em habitação, alimentação e transporte. Brasil, Nordeste e Pernambuco: Distribuição das despesas de consumo monetário e não monetário média mensal familiar (%) Tipos de despesa Brasil Nordeste Pernambuco Total 100,0 100,0 100,0 Habitação 35,9 32,8 33,0 Alimentação 19,8 24,2 22,5 Transporte 19,6 18,2 15,4 Vestuário 5,5 6,5 8,2 Assistência à saúde 7,2 6,5 7,6 Higiene e cuidados pessoais 2,4 3,1 3,3 Educação 3,0 2,8 3,3 Despesas diversas 2,9 2,4 2,6 Recreação e cultura 2,0 1,8 2,4 Serviços pessoais 1,1 1,1 1,3 Fumo 0,5 0,4 0,4 Fonte: POF /IBGE. Elaboração Ceplan. 70,9%

41 3. Informe especial: Consumo das famílias Inflação em PE acima da média nacional com alimentação puxando para cima. Pernambuco: IPCA Acumulado nos últimos 12 meses por grupos (%) - Jan/10 - Ago/14

42 3. Informe especial: Consumo das famílias As vendas no varejo são cíclicas mas apresentam clara tendência de queda com Pernambuco tendo um melhor desempenho relativo. Brasil e Pernambuco: Crescimento do volume de vendas no comércio varejista ampliado acumulado de 12 meses (%) Jan/10 a Jul/14

43 3. Informe especial: Consumo das famílias Nos itens de alimentação as variações de Pernambuco são mais acentuadas. Mas tendência à queda permanece. Pernambuco: Variação acumulada de 12 meses do índice de volume de vendas no comércio de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (%) jan/10 a jul/14

44 3. Informe especial: Consumo das famílias Nos bens semiduráveis, desempenho do consumo medido pelas vendas indica acentuada variação. Caem os dois mas com desempenho melhor para Pernambuco em relação ao Brasil. Pernambuco: Variação acumulada de 12 meses do índice de volume de vendas no comércio de Tecidos, vestuário e calçados (%) jan/10 a jul/14

45 3. Informe especial: Consumo das famílias Para os bens duráveis PE tem desempenho bem superior do que a média brasileira, mas com sensibilidade também maior às variações na renda real. Pico ocorre por causa das desonerações tributárias para estimular o consumo. Pernambuco: Variação acumulada de 12 meses do índice de volume de vendas no comércio de Móveis e eletrodomésticos (%) jan/10 a jul/14

46 3. Informe especial: Consumo das famílias No segmento de veículos e componentes a queda é mais acentuada para ambos com o Brasil tendo melhor desempenho até o final de Em 2014 a situação se inverte. Pernambuco: Variação acumulada de 12 meses do índice de volume de vendas no comércio de Veículos, motocicletas, partes e peças (%) jan/10 a jul/14

47 3. Informe especial: Consumo das famílias A partir de 2012 crescimento das vendas de material de construção em PE se descola do Brasil. Por conta do boom da construção em infraestrutura, empreendimentos produtivos e habitação as vendas cresceram e se estabilizaram até inicio em 2014 em patamar elevado. Depois desaceleram. Pernambuco: Variação acumulada de 12 meses do índice de volume de vendas no comércio de Material de construção (%) jan/10 a jul/14

48 3. Informe especial: Consumo das famílias Síntese Consumo perde força e investimento não toma seu lugar; Comércio varejista mantém taxas relativamente altas mas cadentes com forte variação para alguns grupos de bens; Inflação, sobretudo a de alimentos, gera alguma substituição da demanda entre tipos de bens. Aumento da renda real gera espaço para aumentar a demanda por outros bens e vice-versa. Bens duráveis são sensíveis à variação de renda e aos estímulos tributários; Inflação alta, juros elevados, maior endividamento e crédito mais rígido contribuíram para a desaceleração do consumo medido pelas vendas ao comércio varejista ampliado.

49 Obrigado!

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Recife, 12 de setembro de 2013. Análise CEPLAN

Recife, 12 de setembro de 2013. Análise CEPLAN Recife, 12 de setembro de 2013 Análise CEPLAN Temas que serão discutidos na XIV Análise Ceplan: A economia nos sete primeiros meses de 2013: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014 A Construção na Ótica da Indústria de Materiais Walter Cover 27/08/2014 Representatividade ABRAMAT 10% Do PIB Nacional Cadeia da Construção 5,5 Milhões de trabalhadores formais (3,5 na construção Civil)

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº43 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Com crescimento em julho, setor acumula 1,48% no ano Em julho, as vendas

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado COMENTÁRIOS Em maio, o Comércio Varejista do País apresentou variações em relação ao mês anterior ajustadas sazonalmente, de 0,5% para o volume de vendas e de 1,0% para a receita nominal. Quanto à média

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO PÁGINA 1 Página 1 SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO I N F O R M A T I V O B I M E S T R A L

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Nível de atividade. 1.1 Comércio

Nível de atividade. 1.1 Comércio Nível de atividade 1 Tabela 1.1 Índice de volume de vendas Variação percentual Discriminação Jan Fev Mar No mês 1/ Comércio varejista 0,3-0,4-1,0-0,4 Combustíveis e lubrificantes -0,9-4,9 2,7-0,1 Hiper,

Leia mais

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2 C O R E C O N PE AMUPE CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA LOGO 2 BRASIL: conjuntura econômica Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE Recife, 29 de Abril de 2015 ROTEIRO

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA JANEIRO/2011

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA JANEIRO/2011 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) apresenta os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor e a Cesta Básica para a Região Metropolitana de Fortaleza.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice Coletiva de Imprensa - ABECIP Índice 1. Ambiente Macroeconômico 2. Mercado Imobiliário 3. Financiamento Imobiliário - SBPE 4. Inadimplência 5. Ativos Financeiros 6. Poupança SBPE 7. Expectativas 2013 2

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

1/ Conceito que exclui do comércio ampliado os segmentos veículos e motos, partes e peças, e material de construção.

1/ Conceito que exclui do comércio ampliado os segmentos veículos e motos, partes e peças, e material de construção. Nível de atividade 1 A evolução recente de indicadores coincidentes da atividade econômica sugere que o ritmo de crescimento da economia brasileira segue em patamar inferior ao potencial. Nesse sentido,

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

A emergência da classe média no Brasil

A emergência da classe média no Brasil División América Departamento Econômico André Loes A emergência da classe média no Santander, 06 de julho de 2007 : um Campeão da Desigualdade de renda Coeficiente de Gini no mundo (0 = igualdade absoluta,

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Apesar de menor, deflação continua

Apesar de menor, deflação continua 1 São Paulo, 06 de julho de 2006. NOTA À IMPRENSA Apesar de menor, deflação continua Pelo terceiro mês consecutivo, o Índice do Custo de Vida (ICV) calculado pelo DIEESE - Departamento Intersindical de

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Destaques do mês - Copom sinaliza alta de juros, mas não se compromete com ação já na próxima reunião, em meados de abril; - Atividade econômica mostra sinais de recuperação

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição:

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição: Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Fevereiro de 2015 Setor inicia o ano com crescimento real de 3,42% Em janeiro de 2015

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil consolida um mercado de consumo de massa e promove o surgimento de uma nova

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais