XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015"

Transcrição

1 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: Recife, 18 de dezembro de 2014

2 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco 2. Perspectivas para os próximos seis meses 3. Projeções do PIB para 2015

3 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial

4 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial O Contexto: A economia mundial manteve, durante , em média, crescimento em torno de 3,3%, influenciada positivamente pelo crescimento maior dos emergentes, notadamente da China; No que se refere aos países desenvolvidos, a Zona do Euro, depois de dois anos de taxas negativas do PIB (2012 e 2013) apresenta neste ano um crescimento reduzido (0,8%); A economia dos Estados Unidos registra, nos últimos anos, um crescimento variando entre 2,2% e 2,5%, indicando recuperação pós-2008; Quanto aos países emergentes, ocorreu recentemente, entre 2012 e 2014, uma desaceleração, influenciada em grande parte pela economia chinesa; Neste contexto, o Brasil registrou uma desaceleração, passando de 1% em 2012 e 2,5% em 2013, para 0,3% em 2014, segundo o FMI. A previsão do Boletim Focus para este último ano é de 0,2%.

5 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial Continua a recuperação desigual e lenta da economia mundial. Destaque para o crescimento médio das economias emergentes, ajustado a uma taxa menor de expansão do produto. Entre os países avançados, é importante enfatizar a recuperação dos Estados Unidos. Mundo e Regiões Selecionadas: Variação do PIB real (%) ,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0 Mundo Zona do Euro Emergentes Brasil China EUA 10,4 9,6 9,3 9,2 7,5 7,5 7,7 7,7 6,2 7,4 7,1 6,8 5,8 5,4 5,1 5,0 5,2 4,7 5,2 4,1 4,4 3,8 3,4 3,3 3,3 4,0 3,1 3,0 2,5 2,7 3,1 2,3 2,5 2,2 3,0 2,2 1,4 2,0 1,6 1,6 0,8 1,7 1,3 0,4 1,0-0,3-0,3 0,0-0,4 0, ,7-2,8-4,5-6,0 Fonte: World Economic Outlook, outubro de FMI. Elaboração CEPLAN. Nota: Os dados são observados de 2008 a 2012 para todos os países e grupos agregados. Para os outros anos, os dados são estimados.

6 1. A economia em 2014: Ambiente Mundial Perspectivas: A perspectiva é a de continuação de uma lenta e desigual recuperação da economia mundial nos próximos anos. Desigual quando são considerados os grupos dos países desenvolvidos e os países emergentes e na consideração dos países isoladamente; Este comportamento expressa, segundo o FMI, (i) o fato de os investimentos não terem acompanhado a valorização ocorridas nas ações, (ii) as tensões geopolíticas, (iii) além do reduzido aumento da produtividade nas economias avançadas e emergentes; As previsões de recuperação são, portanto, mais modestas por considerarem também, no contexto da política econômica, a moderada consolidação fiscal ocorrida e a vigência de uma política monetária que não permite avanços significativos no crescimento das economias. Relativamente aos riscos presentes, o pressuposto adotado é o de que as tensões mundiais se reduzam; Em resumo, considera-se que as economias avançadas e as economias emergentes continuariam a apresentar uma grande heterogeneidade: (i) com os desenvolvidos, como o Japão e a Zona do Euro, registrando lenta recuperação e os Estados Unidos com uma recuperação mais rápida; (ii) quanto aos emergentes, eles deverão apresentar um recuperação maior que a média mundial, notadamente os da Ásia com a China registrando um leve desaceleração, e o Brasil e Rússia com uma recuperação muito mais lenta.

7 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro

8 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro A variação do PIB na comparação trimestral interanual entrou na zona negativa, transitando-se da fase de desaceleração para a de retração da atividade. Brasil: Taxa de crescimento do PIB trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) - I trimestre de 2010 ao III trimestre de 2014

9 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Pelo lado da demanda o consumo das famílias desacelera acentuadamente enquanto a variação da FBCF torna-se novamente negativa, conduzindo a taxa de investimento com relação ao PIB para 17,4% (a mais baixa para um III trimestre desde 2006). Pelo lado da oferta, crescimento moderado da agropecuária e dos serviços e retração na indústria. Brasil: Taxa de crescimento do PIB trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) Jan-Set/2010 Jan-Set/2014 Setor de atividade Agropecuária 7,3 2,8-0,9 8,6 0,9 Indústria 12,5 2,3-1,0 1,5-1,4 Serviços 5,7 3,2 1,6 2,2 0,9 PIB a preços de mercado 8,3 3,2 0,8 2,6 0,2 Consumo das famílias 6,8 4,8 2,9 2,6 1,2 Consumo da administração pública 4,8 2,2 2,9 1,9 2,0 Formação bruta de capital fixo 25,4 5,7-3,9 5,6-7,4 Exportação de bens e serviços 10,9 4,8-0,1 1,4 2,8 Importação de bens e serviços (-) 39,7 11,0 0,1 9,6-0,2 Fonte: Contas Nacionais Trimestrais - IBGE. Elaboração CEPLAN.

10 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Inflação coloca-se acima do teto da meta, evidenciando resistência à queda. Inconsistência entre politica fiscal e monetária, nos últimos anos, dificulta a estabilização. Brasil: IPCA Acumulado nos últimos 12 meses - (%) - jan/10 a nov/14

11 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro A má condução da política fiscal é evidente pelo déficit nominal e primário. Governo teve que recorrer a artifícios contábeis para cumprir a LDO. Brasil: Resultados fiscais consolidados do setor público - Jan-Out/12 - Jan-Out/14 Jan-Out/2012 Jan-Out/2013 Jan-Out/2014 Discriminação Fluxo (R$ milhões) %PIB Fluxo (R$ milhões) %PIB Fluxo (R$ milhões) %PIB Resultado Nominal ,40 2, ,50 3, ,26 5,71 Juros nominais ,65 4, ,92 4, ,81 5,43 Resultado Primário ,24-2, ,42-1, ,45 0,27 Fonte: BCB. Elaboração Ceplan Nota: Inclui Governo Central, Governos regionais e Empresas estatais.

12 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Real apresenta desvalorização crescente devido ao elevado déficit externo. Intervenções do BACEN montam a mais de US$ 100 bilhões em operações de swap cambial. Brasil: Índice da taxa de câmbio real (%) set/10 a out/14

13 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro SELIC em alta com viés crescente na tentativa de conter a inflação mas sem respaldo na política fiscal. Juros na ponta respondem com forte elevação desestimulando o investimento e o consumo. Brasil: Taxa Selic (% a.a)

14 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro No contexto de uma baixa demanda externa, real sobrevalorizado e queda no preço das commodities, saldo da balança comercial estreita-se e torna-se negativo. Brasil: Saldo da Balança Comercial US$ (bilhões) ¹

15 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Acentuado déficit nas transações com o exterior (3,5% do PIB) refletindo poupança externa para compensar a poupança doméstica que se situa em 14% e abaixo da taxa de investimento (17,4%). Brasil: Saldo da Balança de Transações Correntes (BTC) - US$ (bilhões) ¹

16 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Ligeira queda no IED liquido, insuficiente para cobrir o déficit de transações correntes. A despeito das dificuldades o país continua atraindo substanciais montantes de capitais produtivos para a sua economia. Brasil: Investimento Estrangeiro Direto (líquido) US$ (milhões) Brasil: Investimento Estrangeiro Direto (líquido) US$ (milhões) Jan/Out Jan/Out 2014 Período US$ (milhões) , , , , , ¹ ,00 Fonte:Depec/BCB. Elaboração CEPLAN. Nota: ¹Projeções do Relatório de Inflação de setembro de 2014 do BCB Período US$ (milhões) Jan/Out ,00 Jan/Out ,80 Jan/Out ,10 Jan/Out ,40 Jan/Out ,30 Jan/Out ,70 Fonte:Depec/BCB. Elaboração CEPLAN.

17 1. A economia em 2014: Ambiente Brasileiro Síntese Em 2014, baixo crescimento com inflação alta e renitente; Desajuste fiscal com resultados primário e nominal negativos; Balança comercial torna-se negativa evidenciando crescentes dificuldades no setor externo da economia; Déficit externo não compensado pela entrada de Investimentos Estrangeiros Diretos, conduzindo à desvalorização do real. Pelo lado da demanda a economia perde no dinamismo do consumo e apresenta retração no investimento; Pelo lado da oferta, a indústria retraiu-se e os demais setores apresentaram discreto crescimento; Déficits interno e externo, inflação elevada, baixo crescimento com perda de dinamismo do mercado interno, e descompasso entre investimento e poupança doméstica resumem o desempenho recente da economia brasileira.

18 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco

19 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Principais estados do Nordeste cresceram acima de 0,6%, na contramão da taxa negativa do Brasil no 3º trimestre. PE apresentou desempenho abaixo do CE e acima da BA. Destaque para taxa de 4,7% da indústria de PE, frente às taxas negativas do Brasil e CE e BA, puxada pela indústria de transformação e pelo SIUP. No CE ressaltam-se as taxas da agropecuária e do varejo. Construção Civil registrou taxas negativas no Brasil e nos três estados. Brasil, Bahia, Ceará e Pernambuco: Taxa de crescimento do PIB trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior (%) - 3 trimestre de 2014 Área Geográfica PIB Agropecuária Indústria Serviços Ceará 5,6 51,2-0,7 4,5 Pernambuco 2,7 8,7 4,7 1,9 Bahia 0,6 7,2-3,1 1,9 Brasil -0,2 0,3-1,5 0,5 Fonte: IBGE, IPCE-CE, SEI-BA, CONDEPE/FIDEM-PE. Elaboração CEPLAN. Nota: Refere-se ao crescimento com respeito ao mesmo período do ano anterior.

20 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Crescimento maior de PE em relação ao Brasil no acumulado de janeiro a setembro, influenciado pelo desempenho relativo da agropecuária, da indústria de transformação, do SIUP e do comércio. Recuo da construção civil no Brasil e em PE. Brasil e Pernambuco: Taxa de crescimento do PIB acumulado no ano (%) Jan-Set/2014 Setor de Atividade Brasil Pernambuco Agropecuária 0,9 18,4 Indústria -1,4 3,2 Transformação -3,3 2,5 Construção Civil -5,1-1,8 Produção e Distribuição de Eletricidade, Gás e Água 2,2 11,1 Serviços 0,9 2,0 Comércio -0,7 1,2 Transporte, Armazenagem e Correio 2,2 7,7 Interm. Financ, Seguros, Prev. Complem. E 2,7 serv Relacionados 2,7 Atividades Imobiliárias e Aluguel 1,9 Administração, Saúde e Educação Públicas 1,4 1,5 Outros Serviços -0,6 2,0 PIB a Preços de Mercado 0,2 2,8 Fonte:CONDEPE/FIDEM-PE. Elaboração CEPLAN. Nota: Refere-se ao crescimento com respeito ao mesmo período do ano anterior.

21 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Crescimento da indústria de transformação de PE, contrasta com desempenho negativo do Brasil e NE, no acumulado de janeiro a outubro. Influenciou no estado, o desempenho dos segmentos da produção de alimentos e bebidas e da construção naval. Brasil, Nordeste, Bahia, Ceará e Pernambuco: Crescimento da produção industrial (%) - Acumulado de Janeiro a Outubro de 2014 Área Geográfica Indústria geral Indústria Indústria de extrativa transformação Pernambuco 1,4-1,4 Nordeste -0,6 0,1-0,7 Ceará -2,0 - -2,0 Brasil -3,0 5,5-4,0 Bahia -4,8 1,8-5,2 Fonte: IBGE - PIM. Elaboração CEPLAN. Nota: Crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior.

22 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Comércio Varejista Ampliado dos estados do NE com comportamento distinto da taxa negativa do Brasil, no acumulado de janeiro a outubro de PE registrou o menor desempenho regional, influenciado por segmentos como o de Hipermercados e Supermercados, e Veículos. Brasil e Estados do Nordeste: Crescimento médio mensal do comércio varejista ampliado (%) Acumulado de Janeiro a Outubro de 2014

23 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Taxa de crescimento da arrecadação do ICMS de Pernambuco foi menor que a variação apresentada para a BA e CE, no acumulado de janeiro a outubro de Estados do Nordeste selecionados: Arrecadação do ICMS acumulado de Janeiro a Outubro de 2013 e de Janeiro a Outubro de 2014 em R$ mil Área Geográfica Acumulado Jan- Acumulado Jan- Out/13 Out/14 Variação (%) Paraíba , ,12 8,8 Piauí , ,26 6,7 Bahia , ,54 4,3 Ceará , ,24 3,4 Pernambuco , ,45 2,8 Maranhão , ,68 1,6 Fonte: CONFAZ. Elaboração: CEPLAN Nota: 1) A preços de outubro de 2014 deflacionados pelo IGP-DI.

24 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco RMR apresentou taxas de desemprego acima das taxas do conjunto das RMRs, ao longo dos dez primeiros meses de Destacando ainda na RMR as taxas superiores registradas de agosto a outubro no comparativo com os mesmos meses de RMs e Total das RMs: Evolução da taxa de desemprego (%) Jan-Out/13 e Jan-Out/14 9,0 RMR Total das RMs RMR Total das RMs ,0 7,0 6,0 5,0 4,0 7,4 6,3 6,7 6,1 5,4 5,2 4,8 4,7 3,0 2,0 1,0 0,0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Fonte: PME/IBGE. Elaboração: CEPLAN.

25 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco A variação de 4,6% rendimento médio da RMR entre janeiro-outubro de 2014 em relação a igual período de 2013 foi 1,8 p.p. acima da média das RMRs e 3,5 vezes o crescimento médio da RM de São Paulo. RMs: Rendimento médio real das pessoas ocupadas Em R$ - Média de Jan/Out 2013 e Média de Jan/Out 2014 Área Geográfica Média de Jan/Out 2013 (Em reais) Média de Jan/Out 2014 (Em reais) Variação (%) Rio de Janeiro - RJ 2.146, ,29 7,0 Recife - PE 1.478, ,19 4,6 Porto Alegre - RS 1.988, ,80 3,2 Total das áreas 2.016, ,08 2,8 São Paulo - SP 2.133, ,17 1,4 Salvador - BA 1.543, ,09 0,4 Belo Horizonte - MG 1.975, ,67 0,0 Fonte: PME-IBGE.Elaboração CEPLAN. Nota: (1) Valores a preços de Outubro de 2014 inflacionados pelo INPC de cada Região Metropolitana. (2) Exclusive trabalhadores não remunerados e trabalhadores que receberam somente em benefícios.

26 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Crescimento do estoque de emprego formal de Pernambuco em outubro foi abaixo da taxa do NE e superior ao crescimento médio do Brasil. Destaques regionais para o Piauí e Paraíba com mais de 5,0% de incremento. Brasil, Nordeste e Estados: Estoque de empregos formais¹ estoque em out/13 e out/14 Área Geográfica Estoque de emprego em outubro de 2013 Estoque de emprego em outubro de 2014 Taxa de Crescimento (%) Piauí ,4 Paraíba ,1 Ceará ,9 Sergipe ,4 Nordeste ,7 Rio Grande do Norte ,7 Pernambuco ,9 Maranhão ,8 Brasil ,8 Bahia ,6 Alagoas ,0 Fonte: CAGED/RAIS - MTE. Elaboração Ceplan ¹Série ajustada incorpora as informações declaradas fora do prazo até setembro

27 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Setorialmente influenciaram no desempenho do emprego formal de Pernambuco em outubro de 2014, o incremento de empregos na administração pública e nos serviços em geral. Destaque, por outro lado, para taxa negativa da construção civil e baixa expansão da indústria de transformação. Pernambuco: Estoque de empregos formais por setor¹ estoque em out/13 e out/14 Setor de Atividade Estoque de emprego em Out/13 Estoque de emprego em Out/14 Taxa de Crescimento (%) Administração Pública ,4 Serviços ,2 Total ,9 Servicos industriais de utilidade pública ,9 Comércio ,6 Agropecuária, extração vegetal, caça e pesca ,7 Indústria de transformação ,3 Extrativa mineral ,4 Construção Civil ,5 Fonte: CAGED/RAIS - MTE. Elaboração Ceplan ¹Série ajustada incorpora as informações declaradas fora do prazo até setembro

28 1. A economia em 2014: Nordeste, com ênfase em Pernambuco Síntese Entre janeiro e outubro de 2014 os destaques ficaram por conta: Da expansão de janeiro-outubro da indústria de transformação em PE frente às taxas acumuladas negativas do Brasil, Nordeste, Ceará e Bahia; Do crescimento positivo das vendas do varejo, no mesmo período, dos estados do NE, com a média do BR registrando taxa negativa; Das taxas de desemprego da RMR acima da média do Brasil de janeiro a outubro de 2014; e das taxas mais elevadas desta RMR entre agosto a outubro em relação a igual período de 2013; Do crescimento do rendimento médio da metrópole de Recife acima da média das RMRs entre jan-out de 2014, ficando bem acima da RM de São Paulo; Do ritmo de crescimento do emprego formal em PE inferior a expansão verificada na média do NE e ligeiramente superior a variação do Brasil, em outubro de Em suma: O NE e PE apresentaram indicadores de desempenho econômico e de mercado de trabalho superiores a média brasileira, porém com sinais de diminuição do ritmo de atividade.

29 2. Perspectivas para os próximos seis meses

30 2. Perspectivas para os próximos seis meses As expectativas dos industriais para a demanda de seus produtos ainda é positiva (acima de 50), sendo mais favorável no NE e em PE que na média do país. De julho em diante, no entanto, houve redução de expectativas em todos os casos. Brasil, Nordeste e Pernambuco Expectativas dos empresários da Indústria da Transformação e Extrativa Mineral para os próximos seis meses demanda por produtos Out/2013- Nov/ ,0 60,0 50,0 64,5 59,6 56,0 56,7 58,4 58,9 56,7 53,8 54,7 61,5 62,4 57,8 60,4 55,5 54,2 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 Fonte: Sondagem Industrial de novembro de 2014/FIEPE. Elaboração: CEPLAN. Pernambuco Brasil Nordeste

31 2. Perspectivas para os próximos seis meses As expectativas na Construção Civil seguem tendências de queda semelhantes às da indústria extrativa e de transformação, mas em PE a quebra de expectativa é maior. Brasil, Nordeste e Pernambuco Expectativas dos empresários da Indústria da Construção Civil para os próximos seis meses nível de atividade Out/2013- Nov/ ,0 70,0 66,1 65,7 69,0 66,3 66,2 66,0 60,0 50,0 61,0 57,2 52,7 52,2 53,3 52,6 51,7 50,3 47,7 46,3 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 Pernambuco Brasil Nordeste Fonte: Sondagem Indústria da Construção de novembro de 2014/ FIEPE. Elaboração: CEPLAN.

32 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 2. Perspectivas para os próximos seis meses Segundo a FGV, no país, as expectativas dos empresários do setor dos Serviços também vêm se deteriorando. Em PE elas melhoraram mas depois se estabilizaram num patamar mais baixo. Brasil Índice de Expectativas dos empresários do setor de Serviços Jul/2013- Nov/ ,0 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 129,8 134,9 132,6 135,9 131,4 122,1 127,9 119,4 124,6 123, Pernambuco Índice de Expectativas dos empresários do setor de Serviços Out/2013- Nov/ ,2 136,2 129,4 142,4 145,4 149,9 149,5 145,3 127,7 124,1 129,4 129,1 125,5 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 118,8 Fonte: Sondagem de Serviços de Novembro de IBRE/FGV. Nota: (1) Série com ajuste sazonal. Fonte: Sondagem de Serviços - Pernambuco de novembro de IBRE/FGV.

33 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 2. Perspectivas para os próximos seis meses A FGV também revela expectativa declinante dos consumidores. Brasil Índice de Expectativas do Consumidor Jul/2013- Nov/ ,0 100,0 80,0 107,0 110,4 108,8 108,4 107,6 105,6 104,5 103,6 100,6 101,2 100,1 101,6 94,7 60,0 40,0 20,0 0,0 Fonte: Sondagem do Consumidor de novembro de IBRE/FGV. Nota: (1) Base: Setembro de 2005 = 100 (2) Série com ajuste sazonal.

34 2. Perspectivas para os próximos seis meses Síntese As previsões sobre o comportamento da economia brasileira para 2015 não são favoráveis. Tanto quando se analisam as tendências recentes com base em dados disponíveis como quando se consultam expectativas dos empresários e consumidores. No caso de Pernambuco, o quadro tende a continuar sendo melhor que o do conjunto do país.

35 3. Projeções para 2015

36 3. Projeções para 2015 Previsões Econométricas Para poder estimar o desempenho da economia em 2015, medida pelo PIB, montamos um sistema de previsões econométricas envolvendo dados: Mundiais: Desempenho da economia medida pelo PIB; Projeções de preços de commodities como petróleo, minérios e alimentos. Nacionais: Desempenho da economia medido pelo PIB; Taxa de juros; Inflação; Câmbio; Transações correntes; Endividamento das empresas e famílias; Desempenho fiscal do Estado. Regionais: Desempenho da economia nordestina e pernambucana medido pelo PIB.

37 3. Projeções para 2015 Critérios das previsões A partir do modelo estatístico efetuamos previsões para os próximos 4 trimestres (2015). Foi incorporado às previsões cenário onde o choque de redução de preços do petróleo permanece durante o ano de Foi incorporado às previsões de Pernambuco a entrada em funcionamento de diversas unidades industriais cujos investimento estão maturando. As previsões estão condicionadas à manutenção do atual cronograma de inaugurações.

38 3. Projeções para 2015 A economia mundial tem desempenho próximo a estimada pelo FMI. A do Brasil está em linha com as previsões do mercado (boletim FOCUS) e as Pernambuco evidenciam que o desempenho da economia local continuará sendo melhor do que a nordestina e brasileira. Mundo, Brasil, Nordeste e Pernambuco Estimativas de crescimento do PIB (%) ,50% 3,00% 3,01% 2,50% 2,31% 2,00% 1,50% 1,21% 1,00% 0,50% 0,32% 0,00% Fonte: Elaboração Ceplan. Mundo Brasil Nordeste Pernambuco

39 Obrigado!

XVIIª. Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias

XVIIª. Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias XVIIª Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias Recife, 24 de setembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVII Análise Ceplan: A economia em 2014: Mundo; Brasil; Nordeste, com ênfase em

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2 C O R E C O N PE AMUPE CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA LOGO 2 BRASIL: conjuntura econômica Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE Recife, 29 de Abril de 2015 ROTEIRO

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Henrique de Campos Meirelles Outubro de 20 1 Brasil entrou na crise forte, com fundamentos macroeconômicos sólidos 2 US$ bilhões Reservas

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011 A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades Britcham São Paulo 25 de fevereiro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe Onde estamos? Indicadores de Conjuntura Inflação em alta

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Recife, 12 de setembro de 2013. Análise CEPLAN

Recife, 12 de setembro de 2013. Análise CEPLAN Recife, 12 de setembro de 2013 Análise CEPLAN Temas que serão discutidos na XIV Análise Ceplan: A economia nos sete primeiros meses de 2013: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015 Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB cresceu 0,1% no terceiro trimestre de, em relação ao anterior, após dois

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral Brasileiro Vera Martins da Silva (*) As perspectivas sombrias sobre a economia brasileira se confirmaram e houve

Leia mais

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Estrutura da Apresentação População - distribuição e estrutura Produção (PIB) distribuição e evolução Agricultura Industria Serviços Emprego - distribuição e evolução Balança

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais Informativo CNI ECONOMIA BRASILEIRA Edição Especial do Informe Conjuntural Duplo desafio para crescer mais O BRASIL TEM UM DUPLO DESAFIO EM 2015: restaurar os fundamentos macroeconômicos e elevar a competitividade.

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO 4º. ENCONTRO NACIONAL DE ATUÁRIOS (ENA) PROF. LUIZ ROBERTO CUNHA - PUC-RIO SETEMBRO 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. BRASIL: DE ONDE VIEMOS... II. BRASIL: PARA ONDE

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

Cenário Econômico. Alocação de Recursos

Cenário Econômico. Alocação de Recursos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Cenário Econômico UGP- Unidade de Gestão Previdenciária BB Gestão de Recursos DTVM S. A. Alocação de Recursos setembro/2015 Outubro/2015 Cenário Econômico Economia Internacional

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 01 JANEIRO 2016 1 ÍNDICE SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO... 2 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL... 3 1.1 CUB PARÁ - DEZEMBRO

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado O ciclo de flexibilização monetária iniciado em janeiro, quando a meta para a taxa básica de juros foi reduzida em p.b.,

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise Os gastos com investimentos no Brasil, após registrarem expansão gradual no quinquênio encerrado em 2008, experimentaram retração acentuada em resposta

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

Programação Monetária

Programação Monetária Diretoria Colegiada Departamento Econômico DEPEC Programação Monetária Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB, embora

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

para 2006 Everton Freire de Carvalho*

para 2006 Everton Freire de Carvalho* para 2006 Everton Freire de Carvalho* O ano de 2005 foi marcado por uma política econômica que alcançou bastante êxito, dentro dos objetivos traçados. Os principais índices de preços registraram altas

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Relatório de Inflação Brasília v. 15 nº 3 set. 2013 p. 1 118

Relatório de Inflação Brasília v. 15 nº 3 set. 2013 p. 1 118 ISSN 1517-6576 CNPJ 00.038.166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v. 15 nº 3 set. p. 1 118 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Economia para Trabalhadores,

Economia para Trabalhadores, Economia para Trabalhadores Ano 3, Edição XXXII Novembro de 2015 Nesta edição: Resumo de Conjuntura Econômica Resumo de Indicadores do Mercado de Trabalho Atividade Industrial no Atividade Industrial em

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Federação do Comércio do Paraná Análise Conjuntural da Economia e do Comércio

Federação do Comércio do Paraná Análise Conjuntural da Economia e do Comércio Federação do Comércio do Paraná Análise Conjuntural da Economia e do Comércio Mensal N.º 65 Fevereiro 2014 Federação do Comércio do Paraná 2 Federação do Comércio do Paraná Presidente: Darci Piana Diretor

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3 Boletim Conjuntural Junho / 2014 BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) 1. Contexto nacional e regional Em junho, a economia brasileira

Leia mais

Análise Conjuntural da Economia e do Comércio

Análise Conjuntural da Economia e do Comércio Análise Conjuntural da Economia e do Comércio Julho 2015 N.º 82 2 Presidente: Darci Piana Diretor Superintendente: Eduardo Luiz Gabardo Martins Rua Visconde do Rio Branco, 931 6º andar CEP 80410-001 Curitiba

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

MONITOR ECONÔMICO. Balanço Anual 2014 e Perspectivas 2015

MONITOR ECONÔMICO. Balanço Anual 2014 e Perspectivas 2015 MONITOR ECONÔMICO Balanço Anual 2014 e Perspectivas 2015 Mensagem do Presidente Encerramos mais um ano com a economia mundial dando sinais de gradual recuperação, e, ao que tudo indica, entrando numa

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais

A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais Gráfico 1 Efeitos da crise financeira sobre o emprego Dados dessazonalizados Abril = 104 103 102 101 99 98 97 96 104 102 98 96 94 92 88 86 Abr Jun Mai

Leia mais