C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2"

Transcrição

1 C O R E C O N PE AMUPE CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA LOGO 2 BRASIL: conjuntura econômica Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE Recife, 29 de Abril de 2015

2 ROTEIRO 1. Desenvolvimento Brasileiro : tendências recentes (de onde estamos vindo) O contexto mundial BRASIL : mudanças no padrão e ritmo de crescimento Transformações relevantes 2. A Conjuntura atual (onde estamos) O contexto mundial: mudanças em curso Brasil: heranças de 2014 e tendências para Considerações Finais : duas observações 3 LOGO 1

3 Contexto mundial (de onde estamos vindo) 3 LOGO 1 LOGO 2

4 Capitalismo em globalização avançada MOVIMENTO CÍCLICO TENDÊNCIA ESTRUTURAL CRISE Globalização avançada SEC. XVI COMERCIAL PRODUTIVA FINANCEIRA

5 Avanço da Financeirização e Crise TRANSAÇÕES FINANCEIRAS: com moedas, com ações, com títulos públicos.. Patrimônio Financeiro ESFERA FINANCEIRA Bolsa de Valores, Mercado de Câmbio, Mercado de Títulos... Ativos Financeiros Mundiais em 2007: US$ 206 Tri ( ou 355% do GDP. Em 1980 era 120% ) TRANSAÇÕES PRODUTIVAS : com bens e serviços Patrimônio Material ESFERA PRODUTIVA Indústrias, Fazendas, Estabelec. Comerciais,... PIB Mundial em 2007: US$ 58 Tri Crise do petróleo ( anos 70) Fonte : MacKinsey Global Institute / Financial Assests Database

6 Momento inicial da crise: impacto maior nas economias avançadas O PIB mundial, que crescia a 4,6% entre 2004 e 2008, recuou para 2,9% entre 2009 e 2013.

7 Desenvolvimento do Brasil Algumas heranças do final do século XX 3 LOGO 1 LOGO 2

8 BRASIL: Heranças do final do Século XX Crise dos anos 80 associada ao endividamento da era Geisel e ao choque dos juros no final dos anos 70 Abertura financeira e comercial rápida nos anos 90: impactos negativos na indústria e reforço ao rentismo Elevada dívida do Governo (com dívida crescendo muito no pós Real) Hiperinflação sob controle (com Plano Real) LOGO 1 LOGO 2

9 Herança na Conta de Governo Despesa Pessoal Custeio Transferências Investimento SUPERAVIT PRIMARIO Despesas Financeiras SALDO OPERACIONAL ( Resultado Nominal) Receita Tributária Patrimonial Operações de crédito Receita de títulos ( Dívida Mobiliária = R$2,1 trilhões) APLICADORES Fontes: Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO)/Secretária do Tesouro Nacional(STN)/Ministério da Fazenda. Elaboração CEPLAN.

10 BRASIL no século XXI: mudanças no padrão e ritmo de crescimento ( ) 3 LOGO 1 LOGO 2

11 BRASIL MUDOU PADRÃO DE CRESCIMENTO CRÉDITO POLÍTICAS SOCIAIS Elevação da renda das famílias Aumento da demanda popular por bens dos setores modernos POLÍTICAS ECONOMICAS Elevação da produtividade renda, Competitividade e exportações Investimentos em máquinas e em inovação POLÍTICAS ECONOMICAS Gráfico baseado em Ricardo Bielshowsky em estudo para CGEE( ADAPTADO)

12 BRASIL MUDOU RITMO DE CRESCIMENTO 4,5% 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% Brasil: taxas de crescimento do PIB TOTAL AGROPEC. INDUSTRIA SERVIÇOS PERIODO TOTAL AGROPEC. INDUSTRIA SERVIÇOS ,8% 2,7% 3,50% 4,1% ,8% 3,3% 0,7% 1,9% Fonte: IBGE Contas Nacionais

13 Brasil: Transformações relevantes 3 LOGO 1 LOGO 2

14 Resultante do padrão de crescimento recente Fonte: IBGE/Contas Nacionais (elaboração Ipea) *Índice de Gini

15 Índice do volume (20000 = 100) Impacto no NE: crescimento acima da média nacional Brasil e Nordeste: série encadeada (2000=100) e taxas anuais de crescimento (%) do PIB, ,0 150,0 140,0 130,0 120,0 110,0 100,0 90,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Variação anual (% a.a.) 80, Brasil (% a.a.) NE (% a.a.) Brasil (2000 = 100) NE (2000 = 100-1,0 Fonte: Contas Regionais IBGE. Elaboração CEPLAN Nota: valores a preços constantes de 2010, deflacionados pelo deflator implícito do PIB nacional.

16 Fato importante: ampliação e interiorização as do ensino superior (Universidades Federais ) 2002: 43 campi 2010: 230 campi

17 BRASIL: avanços do ensino superior Brasil, Nordeste e Semiárido Nordestino, Pessoas que frequentavam escola de ensino superior (graduação) Território Variação absoluta ( ) Variação percentual ( ) Brasil ,38 Nordeste ,90 Semiárido ,50 Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 2000 e de 2010

18 Brasil: melhora importante no IDH Fonte: Atlas do Brasil, 2013

19 Atenção: maioria continua com renda baixa Brasil, Nordeste e Pernambuco: Pessoas de 10 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, por classes de rendimento nominal mensal % 70%

20 A conjuntura em : Ambiente Mundial 3 LOGO 1 LOGO 2

21 RECUPERAÇÃO MUITO LENTA DA CRISE e DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA DA CHINA Mundo e Regiões Selecionadas: Variação do PIB real (%) ,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0 Mundo Zona do Euro Emergentes Brasil China EUA 10,4 9,6 9,3 9,2 7,5 7,5 7,7 7,7 6,2 7,4 7,1 6,8 5,8 5,4 5,1 5,0 5,2 4,7 5,2 4,1 4,4 3,8 3,4 3,3 3,3 4,0 3,1 3,0 2,5 2,7 3,1 2,3 2,5 2,2 3,0 2,2 1,4 2,0 1,6 1,6 0,8 1,7 1,3 0,4 1,0-0,3-0,3 0,0-0,4 0, ,7-2,8-4,5-6,0 Fonte: World Economic Outlook, outubro de FMI. Elaboração CEPLAN. Nota: Os dados são observados de 2008 a 2012 para todos os países e grupos agregados. Para os outros anos, os dados são estimados. 3 LOGO 1 LOGO 2

22 Preços das exportações declinam (peso das commodities) Brasil: Evolução do Índice de preços das Exportações ( Ano Base 1994 = 100) Fonte:FUNCEX

23 Brasil: heranças de 2014 e tendências LOGO 1 LOGO 2

24 Desaceleração do crescimento se mantém desde Brasil: Taxa de crescimento do PIB trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) - I trimestre de 2010 ao III trimestre de LOGO 1 LOGO 2

25 Industria declina. Consumo das Famílias perde força. Investimento patina. Brasil: Taxa de crescimento do PIB semestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) Jan-Set de 2010 Jan-Set de 2014 Setor de atividade Agropecuária 7,3 2,8-0,9 8,6 0,9 Indústria 12,5 2,3-1,0 1,5-1,4 Serviços 5,7 3,2 1,6 2,2 0,9 PIB a preços de mercado 8,3 3,2 0,8 2,6 0,2 Consumo das famílias 6,8 4,8 2,9 2,6 1,2 Consumo da administração pública 4,8 2,2 2,9 1,9 2,0 Formação bruta de capital fixo 25,4 5,7-3,9 5,6-7,4 Exportação de bens e serviços 10,9 4,8-0,1 1,4 2,8 Importação de bens e serviços (-) 39,7 11,0 0,1 9,6-0,2 Fonte: Contas Nacionais Trimestrais - IBGE. Elaboração CEPLAN. 3 LOGO 1 LOGO 2

26 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 mar/15 Inflação no topo da meta (passa em 2015) Brasil: IPCA acumulado nos últimos 12 meses - (%) - jan/10 a mar/15 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 5,26 5,99 6,30 5,63 5,20 7,23 6,71 6,64 5,85 5,24 4,92 5,45 6,59 6,15 6,70 6,27 5,77 5,59 6,15 6,75 8,13 7,70 7,14 6,56 6,41 4,00 4,59 4,49 3,00 2,00 1,00 IPCA 0,00 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços, Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor. Elaboração CEPLAN. LOGO 1 LOGO 2

27 Juros se elevam e se mantêm altos Brasil: Taxa Selic (% a.a) LOGO 1 LOGO 2

28 Quadro Fiscal se deteriora (em % do PIB) Brasil: Necessidades de Financiamento do Setor Público (% do PIB) a 2014 Ano Resultado Nominal Juros nominais Resultado Primário Selic ,45 7,66-3,22 19, ,24 8,51-3,27 23, ,90 6,62-3,72 16, ,58 7,36-3,79 19, ,63 6,83-3,20 15, ,80 6,11-3,31 12, ,04 5,46-3,42 12, ,28 5,28-2,00 10, ,48 5,18-2,70 9, ,61 5,71-3,11 11, ,48 4,87-2,39 8, ,25 5,14-1,88 8, ,71 6,08 0,64 11,00 Fonte: Banco Central do Brasil. Antes da crise mundial: Quadro melhora SELIC cai Quadro piora

29 Superávit Primário se reduz e peso dos Juros aumenta Brasil: Resultados fiscais consolidados do setor público Discriminação Fluxo (R$ milhões) %PIB Fluxo (R$ milhões) %PIB Fluxo (R$ milhões) %PIB Resultado Nominal ,60 2, ,57 3, ,33 6,71 Juros nominais ,79 4, ,69 5, ,42 6,08 Resultado Primário ,19-2, ,12-1, ,90 0,64 Fonte: BCB. Elaboração Ceplan Nota: Inclui Governo Central, Governos regionais e Empresas estatais.

30 OGU 2014 : Composição da Despesa INVESTIMENTOS e INVERSÕES FINANCEIRAS TRANSF. ESTADOS e MUNICÍPIOS 7% 12% PESSOAL e ENCARGOS 9% 12% DEMAIS DESPESAS SERVIÇOS da DIVIDA 45% 15% BENEFICIOS PREVIDENCIARIOS Fontes: Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO)/Secretária do Tesouro Nacional(STN)/Ministério da Fazenda. Elaboração CEPLAN.

31 Resultado Primário : continua a piorar em 2015 Brasil: Resultados fiscais consolidados do setor público - Jan-Fev/2013, Jan- Fev/2014 e Jan-Fev/2015 Jan-Fev/2013 Jan-Fev/2014 Jan-Fev/2015 Discriminação Fluxo (R$ milhões) %PIB Fluxo (R$ milhões) %PIB Fluxo (R$ milhões) %PIB Resultado Nominal ,78 2, ,68 2, ,44 6,50 Juros nominais ,85 5, ,20 5, ,60 8,69 Resultado Primário ,08-3, ,53-2, ,16-2,19 Fonte: BCB. Elaboração Ceplan Nota: Inclui Governo Central, Governos regionais e Empresas estatais.

32 Endividamento público: dívida bruta cresce Fonte: Banco Central do Brasil.

33 Endividamento público: comparação internacional Países e Áreas selecionadas: Dívida Bruta do Setor Público (% do PIB) Dívida Países/Áreas Bruta/PIB (%) Grécia 174,2 Itália 136,7 Portugal 131,3 Irlanda 112,4 Economias Avançadas 105,7 Estados Unidos 105,6 Espanha 98,6 França 95,2 Alemanha 75,5 Zona do Euro 73,9 Países/Áreas Dívida Bruta/PIB (%) Brasil 65,8 Índia 60,5 África do Sul 47,9 China 40,7 Emergentes 40,1 Rússia 15,7 Percentual da dívida bruta sobre o PIB atinge, em dez de 2014, 65,8%, o que posiciona o Brasil na quarta maior dívida entre os países emergentes e a maior entre os BRICS.

34 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 Câmbio tende a se valorizar Brasil: Índice da taxa de câmbio real (%) set 10 a fev/15 120,00 100,00 80,00 75,74 75,57 75,18 73,74 74,67 72,21 73,42 71,76 78,22 79,39 76,7575,45 87,00 81,10 86,89 87,34 88,50 86,00 83,58 98,06 94,79 93,45 84,33 90,18 91,47 94,71 95,59 94,72 91,70 87,65 86,93 87,08 87,51 98,74 96,70 95,01 92,91 93,36 60,00 40,00 20,00 0,00 Fonte:Banco Central do Brasil. Elaboração CEPLAN. Notas: ¹Junho 1994 = 100 ² Índice dataxa Efetiva de Câmbio é o índice da Taxa de Câmbio deflacionada pelo IPCA, ou seja, é o índice da Taxa Real de Câmbio LOGO 1 LOGO 2

35 Saldo Comercial se deteriora: queda de preços das commodities Brasil: Saldo da Balança Comercial US$ (bilhões) ¹ $300,0 Exportações Importações Saldo da Balança Comercial $250,0 $256,0 $242,6 $242,0 $225,1 $200,0 $150,0 $100,0 $50,0 $- $96,7 $73,2 $48,3 $24,9 $118,5 $62,8 $33,8 $160,6 $137,8 $73,6 $44,9 $91,4 $46,5 $197,9 $201,9 $173,0 $153,0 $120,6 $127,7 $40,0 $25,3 $25,0 $181,8 $20,1 $226,2 $29,8 $223,2 $239,7 $229,1 $19,4 $2,3 $(4,0) $210,0 $206,0 $4,0 $(50,0) ¹ Fonte: MDIC; Relatório de Inflação BCB (abril de 2015). Elaboração CEPLAN. Nota: ¹Projeções do Relatório de Inflação de março de 2015 do BCB LOGO 1 LOGO 2

36 STC elevado: IDE não cobre Brasil: Saldo da Balança de Transações Correntes - US$ (bilhões) ¹ LOGO 1 LOGO 2

37 IDE se reduz um pouco ( e não financia o déficit) Brasil: Investimento Estrangeiro Direto (líquido) US$ (milhões) ¹ Período US$ (milhões) , , , , , , ¹ , STC= - 4,2% do PIB IDE= + 2,9% do PIB Fonte:Depec/BCB. Elaboração CEPLAN. Nota: ¹Projeções do Relatório de Inflação de março de 2015 do BCB LOGO 1 LOGO 2

38 Emprego formal cresce mas a ritmo menor Brasil: Evolução do saldo de criação do emprego formal (%)

39 Desemprego se mantém baixo(4,3%) maior na RMR 5,5%) RMs e Total das RMs: Evolução da taxa de desemprego (%) Jan-Dez/13 e Jan-Dez/14 9 RMR Total das RMs RMR Total das RMs ,8 4 6,3 7,4 5,4 5,9 5,5 4,3 4, Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fonte: PME/IBGE. Elaboração: CEPLAN.

40 2015: ano de ajuste 3 LOGO 1 LOGO 2

41 Ambiente mundial A perspectiva de continuação de uma lenta e desigual recuperação da economia mundial nos próximos anos. A dificuldade de recuperação se associa: (i) ao fato de os investimentos não terem acompanhado a valorização ocorridas nas ações (financeirização), (ii) às tensões geopolíticas, (iii) à queda nos preços das commodities ( inclui petróleo) (iv) ao reduzido aumento da produtividade nas economias (avançadas e emergentes) Horizonte de dificuldades em meio a mudanças mais estruturais ( tecnológicas e produtivas ), tensão geopolítica e permanência da hegemonia da acumulação financeira

42 Medidas recentes Impactos Inflacionário (curto prazo) Aumento do preço da gasolina (CIDE) e do transporte urbano Aumento de imposto sobre importações Aumento da tarifa de energia elétrica Impacto no nível de atividade (recessivo) Corte de gastos da União (orçamento ainda não aprovado) Elevação da SELIC Encarecimento do crédito (aumento do IOF) Reajuste da tabela do IR abaixo da inflação Elevação dos juros dos empréstimos imobiliários Redução de benefícios trabalhistas e previdenciários Cortes nos investimentos da Petrobrás Mudança na política de compras da Petrobrás Retração no orçamento do BNDES e mudanças do PSI Oneração de encargos sobre folha de salários em vários setores 3 LOGO 1 LOGO 2

43 Síntese 2015 será um ano de ajustes, com previsões convergindo para baixo crescimento do PIB e persistência de inflação ainda alta ( PIB = 0,8% no OGU e - 0,58% no FOCUS fev. IPCA 7,47 % FOCUS fev. ) Ambiente político mais polarizado interferindo na economia Crise na Petrobrás e ameaça nas grandes construtoras Medidas anunciadas focam no Ajuste Fiscal (não sinalizam para o futuro) Horizonte de dificuldades para manter trajetória de crescimento com redução das desigualdades 3 LOGO 1 LOGO 2

44 Considerações Finais Já passamos por momentos semelhantes em anos recentes Porque parece o pior???? 3 LOGO 1 LOGO 2

45 Brasil: Inflação medida pelo IPCA 22,4 12,5 9,6 5,2 1,7 8,9 6,0 7,7 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 4,3 5,9 6,5 5,8 5,9 6, IPCA Centro da meta Limite superior Limite inferior

46 Brasil: Evolução da SELIC

47 Quadro Fiscal se degrada: resultado primário negativo Brasil: Resultado Nominal, Juros Nominais e Resultado Primário do Setor Público (% do PIB) a 2014 Fonte: Banco Central do Brasil. LOGO 1 LOGO 2

48 Brasil: Resultado Primário do Setor Público ( % do PIB)

49 Déficit na Balança Comercial Saldo da Balança Comercial ( US$ Bilhões) Fonte: BACEN

50 Brasil: Evolução do SBTC Saldo da Balança em Transações Correntes ( em % do PIB)

51 Brasil: evolução das reservas Internacionais líquidas (US$ Bilhões) * De 1998 até 2005 os dados correspondem ao conceito de reservas líquidas ajustadas, referido nos acordos com o FMI. Fonte: BCB 51

52 Evolução do emprego formal Brasil: Geração Líquida de postos de emprego formal ( nᵒ de postos de trabalho) Fonte: MTb/RAIS

53 Considerações Finais Precisamos discutir o pós ajuste, enfrentar os desafios e aproveitar os avanços e potencialidades do país 3 LOGO 1 LOGO 2

54 Crescimento irregular do PIB Brasil: Taxa de crescimento anual do PIB ( ) Fonte: IBGE Serie revisada

55 Comportamento irregular da FBKF Brasil: Taxa de crescimento anual da FBKF ( ) Fonte: IBGE Serie revisada

56 Mapa das Concessões Federais ( 2012): um alerta para o Nordeste Fonte: IBGE - PIB dos Municípios. Elaboração CEPLAN 6 LOGO 1 LOGO 2

57 Evolução do mercado mundial de serviços engenharia

58 Brasil atual: o desafio do desenvolvimento industrial Mercado interno: demanda interna x PIB industria Mercado externo: vendas de commodities x manufaturados 63,0% 60,0% 57,0% 54,0% 51,0% 48,0% 45,0% 42,0% 39,0% 36,0% 33,0% 30,0% 27,0% 24,0% 21,0% 18,0% Produtos manufaturados Produtos básicos

59 O novo contexto mundial: a fábrica da Ásia Em 1990, a China produzia menos de 3% do valor adicionado da manufatura global e sua participação agora alcança cerca de 25%. Hoje ela produz cerca de 80% dos aparelhos de ar condicionado do mundo, 70% dos telefones móveis, 60% dos sapatos... Essa ascensão chinesa forjou cadeias de suprimentos de componentes, máquinas e equipamentos que atingiram profundamente o Sudeste asiático. Esta fábrica da Ásia agora faz quase metade dos bens mundiais. CINTRA, Marcos et alii Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro, IPEA, 2015

60 Obrigado! LOGO 1 LOGO 2

61 Evolução das reservas Internacionais líquidas (US$ Bilhões) * De 1998 até 2005 os dados correspondem ao conceito de reservas líquidas ajustadas, referido nos acordos com o FMI. Fonte: BCB 61

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

XVIIª. Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias

XVIIª. Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias XVIIª Conjuntura 2014 INFORME ESPECIAL: Consumo das Famílias Recife, 24 de setembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVII Análise Ceplan: A economia em 2014: Mundo; Brasil; Nordeste, com ênfase em

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 Cenário Internacional: importante piora nas últimas semanas Zona do Euro

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS José Aguiar Superintendente - Abecip Rio de Janeiro, 18 de Setembro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Atravessando a Crise Mundial

Atravessando a Crise Mundial 1 Atravessando a Crise Mundial LIDE Ministro Guido Mantega Fevereiro de 2009 1 2 Agravamento da Crise Mundial Crise Financeira externa não foi suficientemente equacionada Recessão global vai tomando corpo

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de 4 de maio

Leia mais

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise?

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? José Roberto R. Afonso ANBIMA 14/6/213 2 Pós-Crise Metas Fiscais: contabilidade criativa esconde mudanças mais profundas como modelo de crescente endividamento

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Em Busca do Crescimento Perdido

Em Busca do Crescimento Perdido São Paulo - SP / CORECON-SP em 25 de abril de 2003 Em Busca do Crescimento Perdido Paulo Faveret Filho Chefe do Depto. de Planejamento BNDES (com agradecimentos a Fábio Giambiagi) 1. Retrospecto 2. O problema

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006-07

Cenário Macroeconômico 2006-07 Cenário Macroeconômico 2006-07 Prof. Luciano Coutinho VIII Seminário Econômico Fundação CEEE Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 Cenários Alternativos Cenário Básico (70%) Moderada desaceleração global:

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

Recife, 12 de setembro de 2013. Análise CEPLAN

Recife, 12 de setembro de 2013. Análise CEPLAN Recife, 12 de setembro de 2013 Análise CEPLAN Temas que serão discutidos na XIV Análise Ceplan: A economia nos sete primeiros meses de 2013: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Janeiro 2014 TÊXTIL E VESTUÁRIO CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Para 2014, estima-se que a cadeia produtiva têxtil e de vestuário em termos de volume evolua sobre 2013

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos as turbulências no mercado financeiro europeu e seus impactos nas atividades econômicas

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33 RENDA VARÍAVEL O Ibovespa principal indicador da bolsa de valores brasileira fechou o mês de março em queda (-0,84%). A Bovespa segue bastante vulnerável em meio à desaceleração econômica e a mudança de

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 16 MAIO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 16 MAIO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 16 MAIO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este número da Carta já estava elaborado quando foram divulgados os dados relativos ao resultado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012 Resultado do Tesouro Nacional Fevereiro de 2012 Brasília 29 de Março, 2012 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2011/2012 R$ Bilhões 86,8 59,6 65,9

Leia mais

O equilíbrio da inflação e os efeitos sobre a economia brasileira

O equilíbrio da inflação e os efeitos sobre a economia brasileira O equilíbrio da inflação e os efeitos sobre a economia brasileira Luciano Nakabashi * Marcelo Luiz Curado ** RESUMO - A atual conjuntura da economia aponta que estamos passando pelo período de crescimento

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais