A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL"

Transcrição

1 A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período Abril de 2012

2 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período , do: Saldo da balança comercial da indústria de transformação; Volume de importação de bens industrializados Coeficiente de penetração dos importados / consumo aparente Demonstra claramente que a indústria brasileira de transformação perde, de forma crescente, mercado interno e externo. Esta perda, que vem desde a década de 90, se acelera a partir de 2006 e se agrava ainda mais no pós crise ( ). DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 2

3 Balança Comercial da indústria de transformação (US$ bilhões FOB) Saldo Importação Exportação 200,00 195,55 150, ,68 100,00 50,00 49,11 45,99 0,00-3,12-42,87-50, Fonte: SECEX. Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 3

4 Balança Comercial de Bens de Capital US$milhões FOB Saldo da Balança Comercial Exportação Importação Fonte: SECEX. Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 4

5 Importação de bens industriais US$ bilhõ ões Var. % 2011/ % Ou +13% a.a. Var. % 2011/ % Ou +21% a.a. Var. % PIB Var. % PIB / / ,5 +31,7 Ou Ou 60 +3,5% a.a. +4% a.a Fonte: FUNCEX; Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 5

6 Importação de bens de capital mecânicos US$ bilhõ ões 25 ABIMAQ (CNAE 28) Demais setores 20 21% % Var. % 2010/ % Ou +19% a.a. 20% Var. % 21% 2010/ % Ou 19% 12% a.a. 14% 20% 15% 14% 17% 22% Var. % PIB 2010/ ,6 Ou +3,6% a.a Var. % 2010/ ,5% Ou +24% a.a. Var. % 2010/ ,5% Ou 21% a.a. Var. % PIB 2010/ ,2 Ou +4,2% a.a Fonte: DCEE/ABIMAQ, SECEX e MF; Elaboração: DCEE/ABIMAQ. Nota: CNAE 28 Máquinas e equipamentos versão 2.0 DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 6

7 Consumo Aparente Líquido mensal R$ milhões constantes (defl. Col.32/FGV) / Faturamento (R$) 77% Fat. Int. Líquido Importados (c/ CIF + II) Import. dentro do Fat. (c/ CIF + II) Rec. Líquida de produção nacional - Exportação (US$) 69% Importação (US$) 290% jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan abr jul out jan Fonte: DCEE/ABIMAQ, SECEX; Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 7

8 Indicador de competitividade da indústria (Índice base 2000 = 100) 135 Variáveis utilizadas: Participação das exportações na produção de produtos industriais peso 25 para ind. de transformação e 30 para BKM 2. Participação da produção interna no consumo aparente peso 75 para ind. de transformação e 70 para BKM 95 92, ,7 Bens de capital mecânicos Indústria de transformação Fonte: DCEE/ABIMAQ, SECEX e FIRJAN. Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 8

9 Estrutura da Receita Líquida e Custo Brasil

10 Estrutura da receita bruta Indústria de transformação (R$ milhões a preços de 2011 deflator: IPA da Indústria de Transformação) DESCRIÇÃO Faturamento Bruto ,0% ( - ) IPI ( - ) ICMS ( - ) PIS ,7% ( - ) COFINS ( = ) Faturamento Líq ,9% ( - ) Insumos ,5% ( - ) Salários ,7% ( - ) Encargos benefícios ,9% ( - ) Outros custos ,7% ( + ) Receitas financeiras ,3% ( - ) Despesas financeiras ,2% ( = ) Resultado Bruto ,4% ( - ) IRPJ ,4% ( - ) CSSL ,4% ( = ) Resultado Líquido ,4% Fonte: IBGE. Elaboração: DEEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 10

11 Estrutura da receita bruta Máquinas e equipamentos (R$ milhões a preços de 2011 deflator: IPA Máquinas e Equipamentos) DESCRIÇÃO PESO Faturamento Bruto ,5 12,0% ( - ) IPI ( - ) ICMS ( - ) PIS ,5 22,9% Inflação ( - ) COFINS ( = ) Faturamento Líq ,0 9,6% ( - ) Insumos ,9 12,2% ( - ) Salários ,3 27,1% acumulada IPA Col. 32* +21,1% ( - ) Encargos benefícios ,7 33,4% ( - ) Outros custos ,1-15,4% ( + ) Receitas financeiras ( - ) Despesas financeiras ,2 42,8% ,6 18,7% ( = ) Resultado Bruto ,6 10,2% ( - ) IRPJ ,4 10,2% ( - ) CSSL ,5 10,2% ( = ) Resultado Líquido ,7 10,2% Fonte: IBGE. Elaboração: DEEE/ABIMAQ. * Preço de máquinas e equipamentos IPCA +27,9% PIB REAL +19,3% DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 11

12 Custo Brasil (2010) Diferencial de custos na produção nacional em relação aos concorrentes internacionais Aumento de custos em ponto percentual da RL Componentes do Custo Brasil Ind. IBKM Transformação Custo Brasil 43,85 36,27 1 Impostos não recuperáveis na cadeia produtiva 2,98 2 Encargos sociais e trabalhistas 3,99 3 Custos dos insumos básicos (2) 24,01 4 Custos de energia (2) 0,00 5 Logística (1) 1,90 6 Burocracia e custos de regulamentação 0,40 7 Impacto dos juros sobre capital de giro 9,41 8 Custos de investimento 1,16 2,98 2,84 18,57 0,51 1,90 0,36 7,95 1,16 (1) Comparativo com Estados Unidos; (2) Comparativo com Alemanha. EXEMPLO: Produção e venda do PRODUTO X Receita líquida de venda na Alemanha = 100,0 Receita líquida de venda no Brasil = 143,8 RESULTADO: O custo Brasil encarece em 43,8% o preço do PRODUTO X no Brasil DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 12

13 Participação Percentual da Carga Tributária* no Faturamento Líquido 26% 25% 24% 23% 22% 21% 20% Indústria de Transformação Máquinas e Equipamentos Fonte: PIA/IBGE Elaboração: DCEE/ABIMAQ * IPI, ICMS, PIS e Cofins DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 13

14 Participação Percentual da Folha de Pagamento* no Faturamento Líquido 22% 20% 18% 16% 14% 12% 10% Indústria de Transformação Máquinas e Equipamentos Fonte: PIA/IBGE Elaboração: DCEE/ABIMAQ. * Salários, Encargos e Benefícios DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 14

15 Participação Percentual das Despesas Financeiras no Faturamento Líquido 6,0% 5,5% 5,0% 4,5% 4,0% 3,5% 3,0% Indústria de Transformação Máquinas e Equipamentos Fonte: PIA/IBGE Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 15

16 Resultado Líquido Percentual 10% 8% 6% 4% 2% 0% Indústria de Transformação Máquinas e Equipamentos Fonte: PIA/IBGE Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 16

17 Principais fatores de custos

18 Principais fatores de custos: ( ) 2011) INSUMOS: Chapa grossa de aço laminado a quente A36 Preço do aço no mercado mundial e no Brasil (US$/Tonelada sem impostos) Brasil Mundo ,5% s/ ,2% s/ Fonte: MEPS e DEEE/ABIMAQ (pesquisa por amostragem). Elaboração: DEEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 18

19 Principais fatores de custos: ( ) 2011) Mão de obra: Salário médio 250 Salário médio real em SP Índice jan04 = 100 Máquinas e Equipamentos US$ R$ jan/04 mai/04 set/04 jan/05 mai/05 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 Fonte: FIESP. Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 19

20 Principais fatores de custos: ( ) 2011) 36,0 Carga Tributária 36,5 (Participação % no PIB) 35,5 35,0 34,5 7,5% superior a ,0 34,0 33,5 33,5 33,0 32,5 32, * Fonte: BACEN e IBPT. Elaboração: DEEE/ABIMAQ. * Preliminar DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 20

21 Principais fatores de custos: ( ) 2011) Custos Financeiros: Juros pessoa jurídica Decomposição dos juros Total pessoa jurídica Taxa de captação Spread bancário SELIC ,1% 16,5% 14,4% 28,2% 2% 17,9% 11,5% 0 jan/04 mai/04 set/04 jan/05 mai/05 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 Fonte: BACEN. Elaboração: DEEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 21

22 Paridade cambial Dólar comercial il Ptax Média, Venda (R$/US$) 4,0 3,5 3,0 25 2,5 2,0 1,5 1,0 jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul out. jan. abr jul out jan Fonte: BACEN. Elaboração: DEEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 22

23 12 meses Impacto do preço das commodities no câmbio e na balança comercial US$/R$ IC Br Brasil (US$) Saldo da balança comercial base: jan/02 = 100 US$ milhões acumulado nos últimos Fonte: MDIC e BACEN. Elaboração: DEEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 23 Índice jan/02 jun/02 nov/02 abr/03 set/03 fev/04 jul/04 dez/04 mai/05 out/05 mar/06 ago/06 jan/07 jun/07 nov/07 abr/08 set/08 fev/09 jul/09 dez/09 mai/10 out/10 mar/11 ago/11

24 Coeficiente de penetração 45,0 Coeficiente de penetração dasimportações em preços constantes de 2007(%) 0,800 Indústrias de transformação 40,0 39,2 Fabricação de máquinas e equipamentos 36,6 0,700 US$/R$ 34,4 35,0 31,9 Var. % 29,9 2011/ ,0 28,5 0, ,6% 25,9 26,6 Ou 25,0 24,1 23,3 +4,9% a.a. 22,3 22,2 0,500 20,0 20,0 19,0 17,3 15,3 15,4 Var. % 15,0 13,5 0, / ,6 11,8 11,9 10,5 11,1 +72,4% 10,3 10,0 Ou +5,1% a.a. 0,300 5,0 Var. % 2011/ ,4% Ou +8,4% a.a. Var. % 2011/ ,5% Ou +8,8% a.a. 0, * 0,200 Fonte: FUNCEX; Elaboração: DCEE/ABIMAQ. *Média até o 3º trimestre de 2011 DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 24

25 Variação do custo em R$ e US$ do produto nacional x importado 210 Índice de preços Máquinas e Equipamentos Base 2004 = , Exportação (US$) Importação (US$) , DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 25

26 Produção física Número índice base 2002 = Indústria de transformação Máquinas e equipamentos (IBGE) , , jan/00 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 Fonte: IBGE; Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 26

27 Perda de peso da indústria de transformação 2000/ Participação (%) da indústria no PIB Peso das categorias na indústria de transformação Bens de consumo duráveis Bens de capital Bens de consumo semi e não duráveis Bens intermediários Produção e Distribuição de Eletricidade, Gás e Água Construção Civil Extrativa Mineral Transformação 2011 Fonte: IBGE e LCA; Elaboração: DCEE/ABIMAQ. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 27

28 Peso da indústria no PIB Países exemplos bem sucedidos de transição de economias pobres para economias de renda elevada Peso da Indústria no PIB Em % do Valor Adicionado. Fonte: Banco Mundial. Elaboração: LCA Quando possuiam o mesmo PIB per capita que o Brasil tinha em 2010 (em PPP) Atual PIB per capita PPP em 2010, US$ mil: Japão: 34,6 Coréia do Sul: 29,0 Brasil: 10,0 Japão Coréia do Sul Brasil DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 28

29 Peso da indústria no PIB Países que se beneficiaram da ampla disponibilidade de recursos naturais Peso da Indústria no PIB Em % do Valor Adicionado. Fonte: Banco Mundial. Elaboração: LCA. Quando possuiam o mesmo PIB per capita que o Brasil tinha em 2010 (em PPP) Atual PIB per capita PPP em 2010, US$ mil: África do Sul: 10,4 Austrália: 38,4 Chile: 14,6 México: 14,3 Noruega: 56,8 Brasil: 10,0 África do Sul Austrália Chile México Noruega Brasil DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 29

30 Conclusão

31 Conclusão O que mudou a partir de 2004 que afetou fortemente a competitividade da indústria de transformação? Custo Brasil já existia antes de 2004 e era da mesma ordem de grandeza Principais custos aumentaram no período aproximadamente 14 p.p. da RL Houve uma forte apreciação cambial (+60% em relação ao dólar) Preços industriais em leve declínio no mercado internacional e praticamente estáveis no mercado interno (IPP +10,86 Transformação e + 2,18 Máquinas e equips. dez/09 dez/11) dez/11) Custos cresceram fortemente no período, quando medidos em dólar DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 31

32 Conclusão A problemática (segundo cada um) SETORES SERVIÇOS E SETOR FINANCEIRO > 60% do PIB GOVERNO > 20% do PIB Governo Indústria Outros países Indústria CULPADOS Falta de reformas, Ineficiência, Cobra muito, Gasta mal Baixos investimentos Guerra cambial, excesso de liquidez e juros baixos Baixos investimentos em inovação INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO < 20% do PIB Governo Carga tributária (?), Câmbio, Juros e Custo Brasil. DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 32

33 Conclusão A solucionática (segundo cada um) SERVIÇO E SETOR FINANCEIRO > 60% do PIB Na perda de competitividade o câmbio tem apenas uma pq pequena responsabilidade. Os custos elevados decorrem da alta carga tributária, do excessivo e ineficiente gasto público, das ausências de infraestrutura e de baixa produtividade. Não vai ser com protecionismo, incentivos e mais conteúdo local* que a indústria vai ser competitiva. GOVERNO > 20% do PIB O governo acha que já está fazendo a sua parte O PBM é a solução: Inovar para competir, competir para crescer Reintegra + Redução da folha + PSI. Com um pouco mais de câmbio (R$/US$ 1,8) e um pouco mais de proteção acha que fez a lição de casa Falta a indústria fazer sua parte: investir em modernização e inovação INDÚSTRIA DE TRASNFORMAÇÃO < 20% do PIB A solução é a imediata redução dos custos medidos em dólar. É necessário cortar: Insumos em 40% Folha de pagamento em 50% Impostos em 20% Custos de capital em 80% DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 33

34 Conclusão Reduzir custos da indústria ITEM Ganho sobre receita líquida Prazo estimado Eliminar impostos não recuperáveis de 5 a 6% 5 a 10 anos Insumos: redução de 50% do diferencial de preço de 9 a 12% 3 a 6 anos Redução de 50% das ineficiências sistêmicas (infraestrutura, logística, energia, burocracia e outros) de 1,1 a 1,4% > 10 anos Reduzir em 50% o custo do capital (SELIC + SPREAD) de 4,6 46a5,3% 1 a 3 anos Subtotal de 19,7 a 24,7% Entre 5 e 10 anos Administrar o câmbio para o piso R$/US$ 2,30 30% 1 ano DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 34

35 AGENDA: prioridades da IBK Curto Prazo 1. Defesa Comercial: Licença não automática/ Linha de corte/ Alíquota de importação 2. Conteúdo Local* : Em compras, concessões e financiamentos públicos /em incentivos fiscais 3. Margem de preferência: Regulamentação com inclusão do setor pelo limite máximo previsto Médio Prazo ao 1. BKM como setor estratégico: Para efeitos de financiamento e inovação 2. Regime especial para BKM/PROMAQ: Incentivos fiscais e de financiamento 3. Revisão dos Regimes Especiais: Eliminação do viés importador Longo Prazo 1.Eliminar Custo Brasil : Melhorar a competitividade sistêmica 2. Inovação: Programa de apoio e funding setorial 3. Investimentos Produtivos: Incentivos fiscais e creditícios DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 35

36 Conteúdo local Conceito BNDES O índice de nacionalização atualmente exigido é maior ou igual a 60% da receita líquida (RL) Receita Líquida 100% RL Insumo (55% da RL) Valor adicionado (45%) Importado (40%) Nacional (15%) Valor adicionado (45%) Em média 60% Conteúdo Nacional Considerando que o VA (valor adicionado) é integralmente nacional e representa 45% da RL (receita líquida) da indústria de bens de capital mecânicos para atender a exigência de 60% de conteúdo nacional basta ter 27,3% de insumos nacionais (15% de 55% da RL) DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 36

37 DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE, ECONOMIA E ESTATÍSTICA

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Maio de 2012 Balança Comercial da indústria de transformação (US$ bilhões FOB) Saldo Importação Exportação

Leia mais

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) Janeiro/2011 IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO E NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) O CUSTO BRASIL E O CÂMBIO Custo Brasil Indústria

Leia mais

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010 Grupo II Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e setorial da indústria brasileira de bens de capital FEVEREIRO DE 2010 1 Objetivo O presente trabalho se propõe a mensurar o Custo Brasil,

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PROF.DR. HERON CARLOS ESVAEL DO CARMO Dezembro de 2006 Rua Líbero Badaró, 425-14.º andar - Tel (11) 3291-8700 O controle do processo

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento ESPM Novembro / 2013 José Ricardo Roriz Coelho Vice-presidente da FIESP e Diretor-titular do 1 1 Oportunidades 2 Desafios

Leia mais

Sem indústria não há Desenvolvimento

Sem indústria não há Desenvolvimento ESTUDOS E PESQUISAS Nº 622 Sem indústria não há Desenvolvimento Carlos Pastoriza * Fórum Nacional (Sessão Especial) O Brasil que Queremos Nova Grande Concepção: Sair da Crise e Enfrentar os Desafios do

Leia mais

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011 A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades Britcham São Paulo 25 de fevereiro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe Onde estamos? Indicadores de Conjuntura Inflação em alta

Leia mais

Por que não crescemos? NOVEMBRO DE 2014

Por que não crescemos? NOVEMBRO DE 2014 Por que não crescemos? NOVEMBRO DE 2014 1979 1981 1983 1985 1987 1989 1991 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009 2011 2013 O Brasil não cresce suficientemente há mais de 30 anos % a.a. 10,0 8,0

Leia mais

Custo Brasil 2002-2012. Agosto de 2013

Custo Brasil 2002-2012. Agosto de 2013 Custo Brasil 2002-2012 Agosto de 2013 Objetivo Este trabalho é a atualização, baseada em dados de 2012*, do Custo Brasil já medido pela ABIMAQ em março de 2010. Ele quantifica o diferencial de custo para

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Ministro da Fazenda Guido Mantega 27 de fevereiro de 2008 1 Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 Preliminares Paridade do Poder de Compra (PPC) Equilíbrio de longo prazo Bens comercializáveis (PPC) e não-comercializáveis Câmbio

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Ribeirão Preto, Novembro de 2013 Relatório Final apresentado ao DEPECON-FIESP Equipe: Rudinei Toneto Junior (Coordenador) Luciano Nakabashi Marcio Laurini Sérgio

Leia mais

Alternativas para o Brasil. Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004

Alternativas para o Brasil. Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004 Alternativas para o Brasil Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004 Tema do Momento: Crescimento Apesar da recente recuperação da economia, crescimento sustentável continua sendo a preocupação central

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Estrutura da Apresentação População - distribuição e estrutura Produção (PIB) distribuição e evolução Agricultura Industria Serviços Emprego - distribuição e evolução Balança

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Adiantamento para futuro Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE 2010 255.719.100

Leia mais

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Estrutura 1. Termos de troca e taxa de câmbio 2. Taxa

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009 Reforma Tributária Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária Brasília Março de 2009 1 O PROJETO DE REFORMA TRIBUTÁRIA RIA 2 Objetivos da Reforma Tributária ria A proposta de Reforma

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

Prof. Roberto Macedo E-mail: roberto.macedo@post.harvard.edu

Prof. Roberto Macedo E-mail: roberto.macedo@post.harvard.edu Perspectivas, Tendências e Impactos da atual Crise Econômica Palestra para o COFECON Brasília-DF, 20-3-0909 Prof. Roberto Macedo E-mail: roberto.macedo@post.harvard.edu A ECONOMIA MUNDIAL Corrente de Comércio

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Ministro Paulo Bernardo Brasília - DF, outubro de 2009 Sumário 1. Situação recente do setor da construção civil 2. Medidas já adotadas pelo

Leia mais

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro FNQ- Reunião do Conselho Curador São Paulo, 26 de agosto de 2010 Luciano Coutinho 1 Brasil retomou o ciclo de crescimento sustentado pela

Leia mais

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO TABELAS 1) ARRECADAÇÃO MENSAL DOS TRIBUTOS (2006): Em R$ Bilhões TRIBUTOS JAN FEV MAR IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO 0,82 0,66 0,79 IPI 2,25 2,05 2,04 IMPOSTO SOBRE A RENDA 10,89

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

Palavras de Saudação

Palavras de Saudação ESTUDOS E PESQUISAS Nº 327 Palavras de Saudação Luciano Coutinho* Fórum Especial 2009 - Na Crise Esperança e Oportunidade, Desenvolvimento como Sonho Brasileiro, Oportunidade para as Favelas 17 e 18 de

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego

Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego Ministério da Fazenda Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Reunião de 28 de janeiro de 2016 1 Prioridades da Política Econômica

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Coordenadoria da Administração Tributária - CAT janeiro-2015 APRESENTAÇÃO E NOTAS ANÁLISE DA RECEITA

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Notícias do Comércio Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D2.1 Economia Brasileira (24h) (Aula 1 Fase desenvolvimentista 1930/80 e os planos de estabilização nos anos 1980 a 1990) Professora: Maria Abadia Alves 23

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO 4º. ENCONTRO NACIONAL DE ATUÁRIOS (ENA) PROF. LUIZ ROBERTO CUNHA - PUC-RIO SETEMBRO 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. BRASIL: DE ONDE VIEMOS... II. BRASIL: PARA ONDE

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Investimento derrete e leva o PIB junto.

Investimento derrete e leva o PIB junto. Ibovespa 8-6-29:,54% Pontos: 53.63,39 Ibovespa 8-6-9 INTRADAY 545 54 535 53 525 52 515 Indicador Valor Var.% Data Dólar Comercial 1,936-1,63 1h45 Dólar Paralelo 2,3, 8/6 Dólar Turismo 2,9 +,97 8/6 Dólar/Euro

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 01 JANEIRO 2016 1 ÍNDICE SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO... 2 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL... 3 1.1 CUB PARÁ - DEZEMBRO

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Nuno

Leia mais

Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens

Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens - Brasil: Vulnerável à Crise? - Por que Ainda Estamos Positivos? - Onde Estamos Pior? - Inflação Será Mais Alta? Outubro 2008 Pág. 2 Brasil: Vulnerável à Crise?

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral Brasileiro Vera Martins da Silva (*) As perspectivas sombrias sobre a economia brasileira se confirmaram e houve

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Linhas de Financiamento às Exportações Brasileiras. Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior

Linhas de Financiamento às Exportações Brasileiras. Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Linhas de Financiamento às Exportações Brasileiras Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior 1 1 Linhas Internas de Financiamento 2 2 PROEX Recursos: Tesouro Nacional Instituição: Banco

Leia mais

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional Comparativamente com o mesmo período de 2013, o percentual de crescimento dos custos assistenciais (atendimentos a beneficiários locais - 158) foi de 20,06%, enquanto que as receitas oriundas de mensalidades

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2013

Seminário Anual de Saúde 2013 Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Luiz Augusto Carneiro Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson.

Leia mais

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015 Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB cresceu 0,1% no terceiro trimestre de, em relação ao anterior, após dois

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais