ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY"

Transcrição

1 ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY

2 ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES Definição: Arritmias que necessitam das estruturas localizadas acima da bifurcação do feixe de His para sua manutenção ão.

3 CLASSIFICAÇÃO DAS ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES EXTRASSÍSTOLES ATRIAIS TAQUICARDIAS ATRIAIS TAQUICARDIAS DO NÓ ATRIOVENTRICULAR TAQUICARDIA POR REENTRADA NODAL TAQUICARDIA JUNCIONAL AUTOMÁTICA (rara) TAQUICARDIA ATRIOVENTRICULAR (utilizam via acessória)

4 CLASSIFICAÇÃO DAS TAQUICARDIAS ATRIAIS TAQUICARDIAS ATRIAIS TAQUICARDIA ATRIAL FOCAL TAQUICARDIA SINUSAL INAPROPRIADA TAQUICARDIAS ATRIAIS MACROREENTRANTES:] FLUTTER ATRIAL TÍPICO FLUTTER ATRIAL TÍPICO REVERSO FIBRILAÇÃO ATRIAL REENTRADAS INCISIONAIS

5 Duke University Center

6 EXTRASSÍSTOLES ATRIAIS

7

8

9 Extra-sístoles Supraventriculares tratamento clínico DAEC-SBC/2002 Assintomática Sintomática - Sem disfunção de VE - Com disfunção de VE AA classe I AA classe II e III A B1 B2 C

10 TAQUICARDIAS SUPRAVENTRICULARES ELETROCARDIOGRAMA: Um dado didático para o diagnóstico das taquicardias com QRS estreito é a observação da onda T e sua relação com o complexo QRS. Quando PR>RP geralmente estamos diante de TRN ou TAV por via acessória (com RP <120 TRN e RP>120 TAV). Se PR é < RP geralmente é uma TA ou formas incomuns de TRN ou TAV. Intervalo PR=RP pode ser TA, TRN ou TAV com condução VA lenta.

11 TAQUICARDIAS SUPRAVENTRICULARES ELETROCARDIOGRAMA: PR>RP PR<RP TAV TRN TA TRN/TAV (INCOMUNS) PR=RP TA TRN (slow-slow) TAV (cond lenta)

12 TAQUICARDIA SINUSAL INAPROPRIADA Originada no nón sinusal, porém m com FC acima da fisiológica, sem relação com demandas metabólicas ou fisiológicas. Onda P positiva em derivações inferiores e V1.

13 TAQUICARDIA SINUSAL INAPROPRIADA VLPO 23 anos TS inapropriada Holter: FC média > 100 bpm, FC média sono > 90 bpm

14 TAQUICARDIAS ATRIAIS MECANISMOS: ALTERAÇÕES DO AUTOMATISMO ATIVIDADE DEFLAGRADA REENTRADA

15 TAQUICARDIAS ATRIAIS TRATAMENTO CLÍNICO REVERSÃO: ADENOSINA (ATUA NO NÓ AV. REVERTE 20%) AMIODARONA CVE CONTROLE DE RECORRÊNCIAS: BETA-BLOQUEADORES AMIODARONA, SOTALOL CLASSE I (propafenona) CONTROLE DA RV: BETA-BLOQUEADORES/VERAPAMIL ABLAÇÃO DA JUNÇÃO + MP

16 Taquicardias Supraventriculares

17 TAQUICARDIA POR REENTRADA NODAL TRN: mecanismo reentrante ativado pela presença de duas vias de condução no nó AV com propriedades de condução distintas uma via considerada rápida e outra lenta.

18 A: batimento sinusal normal onde o estímulo chega aos ventrículos passando pela via rápida estando a via lenta bloqueada; B: bloqueio da via rápida na condução anterógrada e o estímulo chega aos ventrículos através da via lenta (PR mais prolongado). C: A via rápida bloqueada no sentido anterógrado, o estímulo elétrico chegando aos ventrículos através da via lenta e retornando aos átrios através da via rápida já recuperada ocasionando uma reentrada. D: Estímulo elétrico desce pela via lenta, retorna aos átrios pela via rápida e assim sucessivamente levando à taquicardia.

19 RP < PR RP < 120 ms P retrógrada muito próxima ao QRS: r em V1 e s em DII

20 TRN Tratamento Farmacológico Via Rápida Propafenona Sotalol Quinidina Amiodarona Via Lenta Beta-bloqueador Verapamil Digital

21 TRN Ablação Diretrizes DAEC/SBC A Nível de evidência 2 Pacientes sintomáticos com TRN recorrente

22 TRN Ablação Diretrizes DAEC/SBC B1 Nível de evidência 2 Dupla via nodal com eco nodal, registrado pelo EEF em paciente com documentação eletrocardiográfica de taquicardia. Taquicardia sustentada induzida no EEF durante ablação de outra arritmia

23 TAQUICARDIA POR REENTRADA NODAL Ablação da via lenta Ablação com índices de sucesso de 98 a 100% Indicações: Taquicardias recorrentes Mais comum das taquicardias supraventriculares (40%) Complicações: BAVT (0,5 a 2%) LEC

24 VIAS ACESSÓRIAS

25 Vias Acessórias Átrio-ventriculares, nodoventriculares, átrio-fasciculares, nodo-fasciculares, fascículoventriculares Síndrome de WPW = PR curto + onda delta + TPSV Incidência: 0,1 a 3 / 1000 Morte Súbita 1 / 1000 pacientes / ano

26 Flutter com RV (300 bvpm) por via acessória Caminhoneiro, 32 anos, pré-sincope: CVE imediata

27 Pós s CVE: WPW

28 Tratamento Farmacológico-WPW Controle das crises: - Com drogas que dificultem a condução pelo nó AV (beta-bloqueadores ou verapamil) e drogas que atuem mais nas vias acessórias (propafenona, sotalol, amiodarona, quinidina). - É importante lembrarmos que não devemos utilizar drogas que bloqueiam o nó AV em vias manifestas de condução rápida; pois estaremos facilitando a condução anterógrada pela via anômala.

29 Tratamento Farmacológico-WPW Nó AV: Beta-bloqueador Verapamil Digital Via acessória: Propafenona Sotalol Amiodarona Quinidina OBS: Não usar drogas que bloqueiam o nó AV em vias manifestas de condução rápida.

30 Vias acessórias Ablação Diretrizes DAEC/SBC A Nível de evidência 2 Paciente com pré-excitação ventricular que já tenha apresentado um episódio de taquiarritmia

31 Vias acessórias Ablação Diretrizes DAEC/SBC B1 Nível de evidência 3 Assintomático com pré-excitação ventricular e profissão de risco (piloto, motorista profissional de coletivos, etc.) Assintomático com período refratário anterógrado da via anômala<270ms

32 Vias acessórias Ablação Diretrizes DAEC/SBC B2 Nível de evidência 4 Pré-excitação ventricular assintomática.

33 Vias acessórias Ablação Diretrizes DAEC/SBC C Nível de evidência 3 Pré-excitação ventricular assintomática de baixo risco quando a localização da via acessória estiver associado com risco aumentado de lesão no sistema de condução.

34 WPW Ablação com índices de sucesso de 95 a 100% Complicações: 0,5 a 1% LEC

35 A B1 B2 C 2 2 TPSV Reversão das Crises Cardioversão elétrica em pacientes com instabilidade hemodinâmica Manobras vagais Adenosina ou verapamil, se não houver contraindicações Procainamida, amiodarona, propafenona, sotalol ou betabloqueadores Nos pacientes com função ventricular comprometida: digital, amiodarona ou diltiazem

36 ALGORITMO LEC

37 Taquiarritmias na Emergência FC dos Complexos QRS > 100 bpm Complexo QRS estreito < 0,12 s Complexo QRS > ou = 0,12 s Regular Irregular Irregular Regular TSV Fibrilação Atrial TV? TSV?

38 TAQUICARDIAS COM QRS ESTREITO RELAÇÃO AV 1:1 2:1 R`V1 Altern. Elétrica RPxPR F. Atr >250 F. Atr <250 RP<PR RP>PR <0,12s >0,12s TRN VA TRN VA TA Flutter TA

39 Taquicardia Regular com Relação AV 2:1 Freq. P > 250 Freq. P < 250 Ondas F em II, III e avf Ondas P em I e avl Flutter Tipo I Flutter Tipo II TA esquerda TA direita

40 FLUTTER ATRIAL TÍPICO Deflexões atriais negativas em DII, DIII e avf.

41 Flutter Atrial O mecanismo eletrofisiológico consiste em uma macro-reentrada, sendo a área de condução lenta, crucial ao circuito da arritmia localizada no istmo entre a veia cava inferior e a valva tricúspide.

42 Flutter Típico

43 Flutter típico reverso, morfologia diferente: ondas p POSITIVAS em DII, DII e avf

44 Flutter Atrial reversão da crise Instabilidade hemodinâmica CVE Controle da FC: Indicação Classe I: Ant. do Ca ++ e Betabloqueadores Classe IIB (função deprimida): Digoxina, Diltiazem e Amiodarona Reversão para ritmo sinusal: Classe I: CVE Classe IIA: Amiodarona, Flecainida, Propafenona

45 Flutter Atrial ANTICOAGULAÇÃO Lembrar sempre que em pacientes com doença cardíaca e disfunção importante do VE ou com FA associada, há risco de acidentes embólicos e é preconizada a anticoagulação (mesmo antes da ablação).

46 Flutter atrial (FA) tratamento clínico DAEC-SBC/2002 AA - primeiro episódio bem tolerado, sem fatores de risco p/ recorrência AA classe I ou III - sem cardiopatia estrutural, sem FR para recorrência A B1 B2 C 2 4 Amiodarona - com cardiopatia estrutural e sem FR para recorrências 2 Amiodarona - com cardiopatia estrutural e com FR para recorrências 2

47 Flutter Atrial Ablação Diretrizes DAEC/SBC A Nível de evidência 2 Flutter Atrial com sintomas claramente relacionados à arritmia A Nível de evidência 4 Flutter Atrial com frequência ventricular média elevada

48 Flutter Atrial Ablação Diretrizes DAEC/SBC B2 Nível de evidência 4 Flutter Atrial assintomático;pacientes assintomáticos com flutter e fibrilação atrial com resposta ventricular controlada

49 FIBRILAÇÃO ATRIAL

50 A FA é a arritmia sustentada mais comum observada na população adulta e o tratamento ideal ainda permanece indefinido. Ela é isoladamente fator de mortalidade e está associada a alta morbidade, particularmente AVC.

51 FA - incidência Guidelines ACC/AHA/ESC Jacc 2001

52 FA INICIAL PAROXÍSTICA PERSISTENTE PERMANENTE DIRETRIZES DE FA DAEC SBC Nov 2003

53 FA CRÔNICA é documentada a recorrência da arritmia. Pode ser: FA PAROXÍSTICA Episódios com duração de até 7 dias. Geralmente são auto-limitados e frequentemente revertem a ritmo sinusal.

54 FA CRÔNICA FA PERSISTENTE Episódios com duração superior a 7 dias. Neste caso a interrupção da FA geralmente exige cardioversão elétrica ou farmacológica.

55 FA CRÔNICA FA PERMANENTE Casos em que a arritmia está documentada há algum tempo e que a cardioversão farmacológica ou elétrica é ineficaz para reversão a ritmo sinusal. També é incluída: A. Casos de recorrência até 24 hs após cardioversão B. FA de longa duração quando há contraindicação à cardioversão ou não é aceita pelo paciente.

56 FIBRILAÇÃO ATRIAL CARDIOPATIA SINTOMAS DOENÇAS ASSOCIADAS DECISÃO TERAPÊUTICA RISCO/BENEFÍCIO CIO RISCO AVC PROARRITMIA

57 FIBRILAÇÃO ATRIAL MANUTENÇÃO EM RITMO SINUSAL DECISÃO TERAPÊUTICA? CONTROLE DA RV ANTICOAGULAÇÃO

58 FA - controle da FC Controle da resposta ventricular: Tratamento Farmacológico Beta-bloqueadores Antagonistas do Ca ++ Amiodarona Tratamento não-farmacológico Ablação por cateter WPW Nó AV + MP

59 FA Controle da Frequência Cardíaca FA > 100 BPM EM REPOUSO? sim DISFUNÇÃO DE VE? FE 40%? não Bloq. de Ca, - bloq,digital ou amiodarona não Controle adequado Digital ou amiodarona sim

60 FA Reversão CVE Classe I Função de VE normal: Amiodarona Flecainida Propafenona Procainamida Função de VE deprimida: Amiodarona OBS: > 48 horas Anticoagulação e/ou Eco TE

61 FA - Cardioversão FA >48 HORAS não sim CV com ETE Heparina (TTPA 1,5 a 2x basal) CV CONVENCIONAL ETE S/ TROMBO C/ TROMBO ACO 3 sem (RNI 2-3)b CVE j ou CV Farmacológica

62 FA CONTROLE DO RITMO OU CONTROLE DA FREQUÊNCIA?

63 RACE -31 centros na Holanda -522 pts com FA persistente submetidos a CVE -CR vs CF - Endpoint: morte cardiovascular, ICC, Tromboembolismo, sangramento, MP, efeitos colaterais de drogas N Engl J Med 2002;247:

64 N Engl J Med 2002;247: RACE - Resultados

65 RACE - Conclusão

66 RACE DISCUSSÃO: Existe indicação para controle do ritmo? Observem que foram incluídos pacientes que tiveram recorrência de FA após pelo menos uma CVE. A alternativa de controle da frequência talvez não se aplique aos pacientes vistos pela primeira vez em FA. E em pacientes muito sintomáticos a primeira opção seria CVE e uso de DAA para manutenção do ritmo sinusal." N Engl J Med 2002;247:

67 AFFIRM N Engl J Med 2002;347:

68 N Engl J Med 2002;347: Intenção de tratar

69 N Engl J Med 2002;347:

70

71 FA controle ritmo x controle da frequência Meta-análise (5175 pacientes) PIAF (252) PAF2 (141) AFFIRM (4.060) RACE (522) STAF (200) PIAF PAF2 STAF RACE AFFIRM TOTAL= pts JEC suplemento setembro de 2003

72 FA controle ritmo x controle da frequência Tendência de maior mortalidade nos pacientes submetidos a controle do ritmo JEC suplemento setembro de 2003

73 Subgrupos do AFFIRM: quando foram analisados os pacientes submetidos a controle da FC, foi observado que beta-bloqueador foi a droga mais eficaz para o controle da RV. A maioria dos pacientes mudaram medicação para BB ao longo do tempo. BB foi a droga mais utilizada ao longo do tempo e poucos pts abandonaram esta droga.

74 Controle da FC - AFFIRM JACC 2004;43:1201-8

75 AFFIRM - CONTROLE DO RITMO JACC 2003;42:20-9

76 AFFIRM CONTROLE DO RITMO Amiodarona foi superior às drogas Classe I para manter o RS. JACC 2003;42:20-9

77 AFFIRM CONTROLE DO RITMO Também foi superior ao Sotalol. JACC 2003;42:20-9

78 AFFIRM CONTROLE DO RITMO CONCLUSÃO: Em 1 ano de seguimento, amiodarona foi mais eficaz para manutenção do ritmo sinusal JACC 2003;42:20-9

79 FA - CONSIDERAÇÕES Não existe estratégia de tratamento ideal Prevenção de tromboembolismo Controle da freqüência parece a melhor indicação para pacientes com poucos sintomas e/ou idosos (efetividade igual e mais barato) Pacientes muito sintomáticos a primeira opção é uso de DAA Terapia invasiva pode ser opção para determinada população Pesquisas e avanços em mecanismos e tecnologia para FA são necessários Clin Cardiol. 2004;27:

80 FA controle ritmo x controle da frequência Decisão individualizada Anticoagulação Drogas futuras Qual o melhor tratamento em pacientes com cardiopatia associada/icc?? Terapia invasiva

81 CASO CLÍNICO FEM, 54 anos, MASCULINO Internado para cirurgia eletiva de safenectomia Na avaliação pré-operatória: feito ECG Queixas de crises de palpitações sustentadas há 5 anos, com até 20 minutos de duração

82

83 Taquiarritmias na Emergência FC dos Complexos QRS > 100 bpm Complexo QRS estreito < 0,12 s Complexo QRS > ou = 0,12 s Regular Irregular Irregular Regular TSV Fibrilação Atrial TV? TSV?

84 Taquiarritmias na Emergência FC dos Complexos QRS > 100 bpm

85

86 FC= 124 bpm

87 Taquiarritmias na Emergência FC dos Complexos QRS > 100 bpm Complexo QRS estreito < 0,12 s Complexo QRS > ou = 0,12 s

88 Qrs=0,10 s

89 Ταθυιαρριτµιασ να Εµεργ νχια FC dos Complexos QRS > 100 bpm Complexo QRS estreito < 0,12 s Regular Irregular

90

91 Taquiarritmias na Emergência FC dos Complexos QRS > 100 bpm Complexo QRS estreito < 0,12 s Regular Irregular TSV

92 TAQUICARDIAS COM QRS ESTREITO RELAÇÃO AV 1:1 2:1 R`V1 Altern. Elétrica RPxPR F. Atr >250 F. Atr <250 RP<PR RP>PR <0,12s >0,12s TRN VA TRN VA TA Flutter TA

93 TAQUICARDIAS COM QRS ESTREITO RELAÇÃO AV 1:1 2:1

94

95 p p p

96 TAQUICARDIAS COM QRS ESTREITO RELAÇÃO AV 1:1 R`V1 Altern. Elétrica TRN VA

97

98 TAQUICARDIAS COM QRS ESTREITO RELAÇÃO AV 1:1 R`V1 Altern. Elétrica RPxPR RP<PR RP>PR <0,12s >0,12s TRN VA TRN VA TA

99 p p p RP= 0,10 s

100 DIAGNÓSTICO TRN (Taquicardia por reentrada nodal)

101 Obrigado!

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila

Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila andredavila@mac.com Serviço de Arritmia e Marcapasso Centro de Fibrilação Atrial RF 1 seg Ativação Ventricular na Síndrome de Wolff-Parkinson-White I II

Leia mais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais Arritmias Cardíacas para Enfermagem Elaine Morais Elementos do ECG normal Onda P Onda T Espaço PR Complexo QRS Ponto J Segmento ST Intervalo QT Onda U Percurso Elétrico Plano Frontal Plano Horizontal ECG

Leia mais

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito rtigo Revista da SOCIEDDE DE CRDIOLOGI DO ESTDO DO RIO GRNDE DO SUL Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito *Eduardo Bartholomay **Rafael Moraes ***Guilherme Gazzoni ****Renata Etchepare

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino Serviço de Arritmia, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca Artificial CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ARRITMIA CLÍNICA E MÉTODOS DIAGNÓSTICOS NÃO

Leia mais

Principais Arritmias Cardíacas

Principais Arritmias Cardíacas Principais Arritmias Cardíacas Arritmia É qualquer mudança na freqüência ou configuração das ondas individuais do eletrocardiograma. Chamamos de arritmias cardíacas toda alteração na condução elétrica

Leia mais

Arritmias. Taquiarritmias

Arritmias. Taquiarritmias Arritmias Taquiarritmias ECG Somente o coração possui células que deflagram seu potencial de ação automaticamente: seja NSA; NAV; seja o feixe de His... O NSA comanda o sistema de condução cardíaca. Na

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Dr. José Carlos Moura Jorge Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba Bradicardia Sinusal. Doença

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

Dissociação atrioventricular

Dissociação atrioventricular ELETROCARDIOGRAMA Antonio Américo Friedmann I Clínica Geral do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Professor Milton de Arruda Martins) não é um diagnóstico de arritmia

Leia mais

ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006. Arritmias Cardíacas. acas. O Sistema de Condução aco. aco

ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006. Arritmias Cardíacas. acas. O Sistema de Condução aco. aco DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Arritmias Cardíacas acas ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006 Murilo Guérios Bittencourt Uma arritmia cardíaca é uma anormalidade na freqüência, regularidade

Leia mais

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [297] Avançar o guia através da agulha. Monitorizar o ECG, devido a risco de produção de arritmias. Remover a agulha deixando o fio guia. Empregar

Leia mais

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber...

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... rof. Moacir Leomil Neto M.V. Msc. hd. UC Minas VES - Especialidades Veterinárias Campinas NOME DAS ARRITMIAS: Da maneira geral... Ritmo (ritmo

Leia mais

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso Sammylle Gomes de Castro Catharina Serafin e Hugo von Ziemssen 1950 primeiros marcapassos móveis com fonte de energia elétrica Auxilio dos experimentos com hipotermia

Leia mais

ARRITMIAS CARDÍACAS FISIOLOGIA DO SISTEMA DE CONDUÇÃO CARDÍACO

ARRITMIAS CARDÍACAS FISIOLOGIA DO SISTEMA DE CONDUÇÃO CARDÍACO ARRITMIAS CARDÍACAS FISIOLOGIA DO SISTEMA DE CONDUÇÃO CARDÍACO Existe uma hierarquia de automatismo do tecido cardíaco, com diversas células com capacidade de despolarização. O nó sinoatrial (sinusal)

Leia mais

Critérios Diagnósticos das Taquicardias de QRS Estreito

Critérios Diagnósticos das Taquicardias de QRS Estreito Critérios Diagnósticos das Taquicardias de QRS Estreito Taquicardias Supraventriculares Taquicardia Sinusal / TRS Taquicardia Atrial 1:1, 2:1, condução variável, TAM Fibrilação Atrial Flutter Atrial (comum/incomum/atípico)

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

VIII. Fibrilação Atrial 2 FIBRILAÇÃO ATRIAL Voce já ouviu falar de Huang Ti? Que era imperador chinês?... Pois sim meus amigos, conta a lenda que este senhor preocupado com a longevidade de seu povo, lá

Leia mais

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma (ECG) é o registro das forças INTERPRETAÇÃO BÁSICA DO ELETROCARDIOGRAMA elétricas produzidas pelo coração. O corpo age como um condutor gigante de corrente elétricas.

Leia mais

Arrit i m t i m as Comu om n u s E uard r o B. B. Saad Coor d nad or o d Se S rviço d o e d A r A ritmias e E s E timul u ação C ão ar d aca

Arrit i m t i m as Comu om n u s E uard r o B. B. Saad Coor d nad or o d Se S rviço d o e d A r A ritmias e E s E timul u ação C ão ar d aca Arritmias Comuns Eduardo B. Saad Coordenador do Serviço de Arritmias e Estimulação Cardíaca Centro de Fibrilação Atrial Hospital Pró-Cardíaco - Rio de Janeiro - RJ Instituto Nacional de Cardiologia - RJ

Leia mais

São Paulo, São José do Rio Preto, Rio de Janeiro, Porto Alegre

São Paulo, São José do Rio Preto, Rio de Janeiro, Porto Alegre 579 Recomendações do Departamento de Arritmias e Eletrofisiologia Clínica (DAEC) da Sociedade Brasileira de Cardiologia para Indicações de Implante de Marcapasso Definitivo, Escolha do Modo de Estimulação

Leia mais

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE ECG EM 10 MINUTOS Luis Lima Lobo (MV, PhD) Hospital Veterinário do Porto FMV-ULHT Congresso OMV 2013 O electrocardiográfo O sistema de condução O sistema de condução

Leia mais

ARRITMIA: O QUE SIGNIFICA NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA?

ARRITMIA: O QUE SIGNIFICA NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA? ARRITMIA: O QUE SIGNIFICA NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA? Dr. Gualberto Nogueira de Leles Campo Grande - MS UFMS Cardio Ritmo Arritmias e ICC Arritmias cardíacas acas podem causar, precipitar ou agravar a insuficiência

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

Diretriz de Fibrilação Atrial

Diretriz de Fibrilação Atrial Editor Martino Martinelli Filho (SP) Editores Associados Dalmo A. Ribeiro Moreira (SP) Adalberto M. Lorga (SP) Eduardo Sosa (SP) Jacob Atié (RJ) João Pimenta (SP) José Carlos S. de Andrade (SP) Márcio

Leia mais

INCOR REALIZA MUTIRÃO NESTE FINAL DE SEMANA PARA CORREÇÃO DE ARRITMIA

INCOR REALIZA MUTIRÃO NESTE FINAL DE SEMANA PARA CORREÇÃO DE ARRITMIA SUGESTÃO DE PAUTA INCOR Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP São Paulo, 31 de agosto de 2012. INCOR REALIZA MUTIRÃO NESTE FINAL DE SEMANA PARA CORREÇÃO DE ARRITMIA Estima se que até 20%

Leia mais

[129] 50. TAQUIARRITMIAS

[129] 50. TAQUIARRITMIAS [129] d. ALGORITMO DE BRADICARDIA Algoritmo de atendimento a pacientes com bradicardia. 50. TAQUIARRITMIAS a. CONSIDERAÇÕES GERAIS Frequentemente encontradas nas emergências. São definidas como ritmos

Leia mais

Arritmias cardíacas em crianças e adolescentes

Arritmias cardíacas em crianças e adolescentes Arritmias cardíacas em crianças e adolescentes cap. 7 Rogério Braga Andalaft Tópicos relevantes Os distúrbios do ritmo são como distúrbios da alma, para tratá-los temos que primeiro compreendê-los. Para

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE ECG LUCAS SILVEIRA DO NASCIMENTO

INTERPRETAÇÃO DE ECG LUCAS SILVEIRA DO NASCIMENTO INTERPRETAÇÃO DE ECG LUCAS SILVEIRA DO NASCIMENTO ANAMNESE + EXAME FÍSICO Paciente masculino de 50 anos com queixa de palpitações taquicárdicas há 2 anos, com frequência aproximada de 1 episódio semanal

Leia mais

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Figura 1: Primeiro eletrocardiograma realizado. Figura 2: Segundo eletrocardiograma realizado. Figura 3: Radiografia de tórax nas incidências

Leia mais

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores Bradiarritmias Editor Dr. José Luiz B. Cassiolato Colaboradores Dr. Ivan G. Maia Dra. Fátima Dumas Cintra Dr. João Pimenta Norman Holter, pai da eletrocardiografia dinâmica, não poderia imaginar a fantástica

Leia mais

XI. Elaboração de Laudo NO POPULAR... COMO EU POSSO LAUDAR UM EXAME DE HOLTER? Noite de 6ª feira...curso de 24 h de Holter em São Paulo...discussão de exames...sala cheia (graças a Deus!)... Este que

Leia mais

[ Scientific Activity - Actividad Científica ] [ Brief Communications - Temas Libres ]

[ Scientific Activity - Actividad Científica ] [ Brief Communications - Temas Libres ] Página 1 de 8 [ Scientific Activity - Actividad Científica ] [ Brief Communications - Temas Libres ] Excepcionais Registros da Síndrome de Wolff- Parkinson-White no Ritmo e na Taquicardia Nodal AV Confirmando

Leia mais

Batendo Papo sobre Holter

Batendo Papo sobre Holter Extra-sístoles Supra-ventriculares Editor Dr. José Luiz B. Cassiolato Colaboradores Dr. Ivan G. Maia Dr. João Pimenta Uma Questão de Prematuridade no Laudo? 4º Fascículo. Que bom que estamos juntos conversando

Leia mais

Taquiarritmias. Fernanda Queiroz

Taquiarritmias. Fernanda Queiroz Taquiarritmias Fernanda Queiroz 2015.2 Definição Alteração do ritmo cardíaco caracterizado por frequencia cardiaca alta (FC>100bpm) na presença de pulso. Pode ser Causa (FC>150bpm) Consequencia (FC

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR ELETROCARDIOGRAMA Professor : Elton Chaves Do ponto de vista funcional, o coração pode ser descrito como duas bombas funcionando separadamente cada uma trabalhando de forma particular e gerando pressões

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Sistema de formação e condução de estímulos no coração. Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração

Sistema de formação e condução de estímulos no coração. Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração Sistema de formação e condução de estímulos no coração Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração O sistema condutor Nodo sinusal Potencial de repouso 55 a 60mV Os canais

Leia mais

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA ARRITMIAS FETAIS INTRODUÇÃO O coração humano pode desenvolver arritmias ou distúrbios de condução em resposta à isquemia, distúrbios hidroeletrolíticos, alterações de pós e pré-carga, defeitos estruturais,

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS ARRITMIAS VENTRICULARES E SUPRAVENTRICULARES

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS ARRITMIAS VENTRICULARES E SUPRAVENTRICULARES Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular DESBHCI DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS ARRITMIAS VENTRICULARES E SUPRAVENTRICULARES Enfa. Veruska Hernandes Especialista de Produto

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA

MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA Dr. J. Sokhi Professor J. Kinnear Southend University Hospital, UK Tradução autorizada do Anesthesia

Leia mais

Diagnóstico e tratamento das arritmias em crianças e pacientes e com Cardiopatia Congênita. Dr. Bráulio Pinna

Diagnóstico e tratamento das arritmias em crianças e pacientes e com Cardiopatia Congênita. Dr. Bráulio Pinna Diagnóstico e tratamento das arritmias em crianças e pacientes e com Cardiopatia Congênita Taquicardias Dr. Bráulio Pinna Declaro que não tenho conflitos de interesse Classificação de arritmias Taquicardia

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA: TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA PROAMI PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA ORGANIZADO PELA ASSOCIAÇÃO DE MEDICINA INTENSIVA BRASILEIRA Diretores acadêmicos Cleovaldo T. S. Pinheiro

Leia mais

Eletrocardiograma: princípios, conceitos e aplicações

Eletrocardiograma: princípios, conceitos e aplicações Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício Eletrocardiograma: princípios, conceitos e aplicações Ângela Patrícia Ramos Bolivar Saldanha Sousa I. INTRODUÇÃO O eletrocardiograma (ECG) é o registro dos

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA 26 2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA O coração normal (Figura 2), é um órgão predominantemente muscular que funciona como uma bomba de ejeção pulsante. A sua função é ejetar o sangue para o sistema

Leia mais

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo?

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? Eletrocardiograma Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? (Monitoria 20/05) O laudo é dividido em três partes principais: - medidas eletrocardiográficas (ou seja, analisar a duração e amplitude de

Leia mais

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ Técnica da ablação Ao final do período, 66% dos pacientes tratados com ablação permaneceram livres dos sintomas, contra 16%

Leia mais

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO:

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: Realidade e Tendencias Rua da Paisagem, bairro Vila da Serra, Nova Lima, 5 e 6 de novembro de 2010 DIRETOR DO CURSO DR EDUARDO BACK STERNICK BIOCOR

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

III. Princípios de Farmacologia Cardiovascular

III. Princípios de Farmacologia Cardiovascular III Princípios de Farmacologia Cardiovascular 18 Farmacologia do Ritmo Cardíaco April W. Armstrong e David E. Clapham Introdução Caso Fisiologia Elétrica do Coração Células Marcapasso e Não-Marcapasso

Leia mais

Suporte Avançado de Vida: Taquicardias Ventriculares

Suporte Avançado de Vida: Taquicardias Ventriculares CAPÍTULO 145 Suporte Avançado de Vida: Taquicardias Ventriculares Fabiano Timbó Barbosa* As arritmias cardíacas podem ser sumariamente definidas como ritmos cardíacos diferentes do ritmo sinusal. Paul

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

Taquicardias Ventriculares

Taquicardias Ventriculares Taquicardias Ventriculares Editor Dr. José Luiz B. Cassiolato Colaboradores Dr. Ivan G. Maia Dr. João Pimenta Dr. Antonio Bayes de Luna Taquicardias Ventriculares Um Tema Palpitante O achado de episódios

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Assistências de enfermagem em cardiointensivismo. Monitorização Não Invasiva. Monitorizar. Monitorização hemodinâmica. O que monitorizar?

Assistências de enfermagem em cardiointensivismo. Monitorização Não Invasiva. Monitorizar. Monitorização hemodinâmica. O que monitorizar? Monitorização Não Invasiva Assistências de enfermagem em cardiointensivismo # Monitorização cardíaca não invasiva; # Noções básicas de eletrocardiograma; # Arritmias cardíacas (TS, BS, FAs, BAVs). Monitorizar

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA:

ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA: TESE ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA: Abordagem Circunferencial Versus Isolamento Elétrico Segmentar das Veias Pulmonares. EDUARDO BARTHOLOMAY INSTITUTO

Leia mais

Procedimentos Operacionais padrão das unidades integradas de Saúde Unimed Rio

Procedimentos Operacionais padrão das unidades integradas de Saúde Unimed Rio Jornada Unimed Rio A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade Insuficiência Cardíaca e a Utilização de Marcapassos, Ressincronizadores e Desfibriladores Implantáveis Procedimentos Operacionais

Leia mais

:: Taquicardia ventricular catecolaminérgica

:: Taquicardia ventricular catecolaminérgica :: Taquicardia ventricular catecolaminérgica Formas específicas: Síndrome de Andersen (forma específica da síndrome de QT longo congénito com taquicardia ventricular bidireccional) Definição: A taquicardia

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 OBJETIVOS 1) Revisar Eletrofisiologia Cardíaca 2) Compreender o ECG - Quanto aos valores - Quanto à técnica - Quanto às derivações

Leia mais

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA O ELETROCARDIOGRAMA É O REGISTRO DA ATIVIDADE ELÉTRICA DO CORAÇÃO Aplicações do Cardiologia Eletrocardiograma Isquemia miocárdica e infarto Sobrecargas (hipertrofia) atriais

Leia mais

Oficina de Interpretação de ECG. Dr. Leandro Dias de Godoy Maia

Oficina de Interpretação de ECG. Dr. Leandro Dias de Godoy Maia Oficina de Interpretação de ECG Dr. Leandro Dias de Godoy Maia Estratégias educacionais para o desenvolvimento de habilidades APRESENTAÇÃO da habilidade DEMONSTRAÇÃO da habilidade PRÁTICA da habilidade

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

ARRITMIAS MAIS FREQUENTES NA INFÂNCIA. Dra Camila Lucia Dedivitis Tiossi Wild Hospital Infantil Darcy Vargas 2010

ARRITMIAS MAIS FREQUENTES NA INFÂNCIA. Dra Camila Lucia Dedivitis Tiossi Wild Hospital Infantil Darcy Vargas 2010 ARRITMIAS MAIS FREQUENTES NA INFÂNCIA Dra Camila Lucia Dedivitis Tiossi Wild Hospital Infantil Darcy Vargas 2010 ARRITMIAS - CONCEITOS As arritmias são distúrbios do ritmo cardíaco por causas intrínsecas

Leia mais

Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial

Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial David Hayes, MD Mayo Clinic Rochester, MN CP1201473-1 Análises dos cenários de início Prévios de FA Reação Pós- FA Tardio (

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Arritmias Cardíacas CLASSIFICAÇÃO. Taquiarritmias. Bradiarritmias. Supraventriculares. Ventriculares

Arritmias Cardíacas CLASSIFICAÇÃO. Taquiarritmias. Bradiarritmias. Supraventriculares. Ventriculares Arritmias Cardíacas CLASSIFICAÇÃO Bradiarritmias Taquiarritmias Supraventriculares Ventriculares Sinusal Atrial Juncional Fibrilação Atrial Flutter Atrial Paroxística Supraventricular Ventricular (Torsades

Leia mais

Localização Tamanho Camadas *Pericárdio Epicárdio Miocárdio Endocárdio

Localização Tamanho Camadas *Pericárdio Epicárdio Miocárdio Endocárdio Arritmias Cardíacas O coração Localização: tórax, na cavidade mediastínica ou mediastino, entre os pulmões e à frente da coluna. A base (parte superior) localiza-se abaixo da segunda costela e o ápice

Leia mais

Sistemas de monitorização em UTI

Sistemas de monitorização em UTI Sistemas de monitorização em UTI # Monitorização cardíaca não invasiva; # Noções básicas de eletrocardiograma; Monitorizar visualização freqüente e repetida das variáveis fisiológicas Logo: Prevenir, Avisar,

Leia mais

INTERPRETA INTERPRET ÇÃO Ã O DE ECG Dora Saraiva

INTERPRETA INTERPRET ÇÃO Ã O DE ECG Dora Saraiva INTERPRETAÇÃO DE ECG Dora Saraiva RITMO SINUSAL Parâmetros a ter em conta na Interpretação do ECG: Presença de todas as ondas Relação da onda P com o QRS Morfologia da onda P e duração do Intervalo PQ

Leia mais

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC MÓDULO AVANÇADO: 2º Semestre de 2013 LOCAL: ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MINAS GERAIS ESTRUTURA DAS AULAS: - Participantes: Um palestrante + Um debatedor +

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

SAVC. Arritmias e seus tratamentos. AmericanHeart.~ Association@ AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA

SAVC. Arritmias e seus tratamentos. AmericanHeart.~ Association@ AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA AVC UPORTE AmericanHeart.~ Association@ Learn and Live," AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA Arritmias e seus tratamentos Algoritmo para bradicardia (pacientesem parada cardíaca) Bradicardias o Lenta (bradicardia

Leia mais

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm Hipertensão Arterial Pulmonar Idiopática (HAPI) Caso Clínico IV Curso Nacional de Circulação Pulmonar 28-2929 de Junho de 2013 - São Paulo SBPT Hugo Hyung Bok Yoo Pneumologia Jun/2010:, 39 anos, mecânico,

Leia mais

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real Arritmia Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche IDENTIFICAÇÃO F.M.C.N.B Sexo feminino 43 anos Caucasiana 9ºano Casada Fajarda Empregada

Leia mais

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Valvulopatias Cardíacas II - Visão Cirúrgica Insuficiência Mitral Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Prof. Dr. Jehorvan L. Carvalho História Existem relatos

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

ao diagnóstico diferencial das taquicardias paroxísticas com complexo QRS alargado

ao diagnóstico diferencial das taquicardias paroxísticas com complexo QRS alargado ARTIGO DE REVISÃO Novas contribuições do eletrocardiograma ao diagnóstico diferencial das taquicardias paroxísticas com complexo QRS alargado New contributions of the electrocardiogram to the differential

Leia mais

WORKSHOP Disfunções e Pseudo-disfunções em Pacing Cardíaco ALGORITMOS DE MINIMIZAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO NO VENTRÍCULO DIREITO

WORKSHOP Disfunções e Pseudo-disfunções em Pacing Cardíaco ALGORITMOS DE MINIMIZAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO NO VENTRÍCULO DIREITO ALGORITMOS DE MINIMIZAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO NO VENTRÍCULO DIREITO Óbidos, 1 de novembro de 2013 DAVID Trial DDD 70 vs VVI 40 CDI (n = 506) MOST Trial VVIR vs DDDR (LR 60 min -1 ) DNS (n=2010) Sub-análise

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

Anestesia e coração: Novos Conceitos na Terapia Antiarrítmica

Anestesia e coração: Novos Conceitos na Terapia Antiarrítmica CAPÍTULO 52 Anestesia e coração: Novos Conceitos na Terapia Antiarrítmica Jaci Custódio Jorge, TSA/SBA* As maiores causas de morte em pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM) e com falência de ventrículo

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira ELETROCARDIOGRAMA História do Eletrocardiograma A história do eletrocardiograma (ECG) remonta ao século XIX Acredita-se que o primeiro registro de de ECG tenha sido realizado em 1872, por Alexander Muirhead

Leia mais