Universidade Anhanguera-Uniderp. Sistema para Tratamento de Demandas e Reclamações em um Plano de Saúde. Patrícia Mendonça de Nóvoa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Anhanguera-Uniderp. Sistema para Tratamento de Demandas e Reclamações em um Plano de Saúde. Patrícia Mendonça de Nóvoa"

Transcrição

1 1 Universidade Anhanguera-Uniderp Sistema para Tratamento de Demandas e Reclamações em um Plano de Saúde Patrícia Mendonça de Nóvoa Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado no Pós-Graduação em Gestão de Planos de Saúde Área de concentração: Gestão da Assistência à Saúde Orientadora: Profª Alba Valéria Eira Fleury Rio de Janeiro (RJ) 2010

2 2 SISTEMA PARA TRATAMENTO DE DEMANDAS E RECLAMAÇÕES EM UM PLANO DE SAÚDE PATRÍCIA MENDONÇA DE NÓVOA RESUMO Apresentar o benefício de um sistema de análise do tratamento das demandas e reclamações recebidas em um plano de saúde, utilizando-se dos princípios da Norma ABNT NBR ISO 10002: Gestão da Qualidade: Satisfação do Cliente. O objetivo é mostrar que as empresas que se preocupam em conhecer as reais necessidades dos seus usuários poderão oferecer um melhor entendimento sobre os serviços prestados, através do diálogo e acolhimento, onde a proximidade estimula um relacionamento de parceria entre cliente e organização, com o estabelecimento da confiança mútua, troca de informações e permissão para críticas abertas e construtivas. É o Marketing de Relacionamento, que solidifica as relações entre o usuário e prestador, aproximando, ouvindo e escutando. Palavras - chave: Reclamação - Satisfação do Cliente (ABNT NBR ISSO 1002:2005) Diálogo Acolhimento Marketing de Relacionamento. ABSTRACT Present the benefit of an analysis system of handling the demands and complaints received in a health plan, using the principles of ABNT NBR ISO 10002: Quality management: Customer Satisfaction. The goal is to show that companies are

3 3 concerned with knowing the actual needs of their users may provide a better understanding of the services provided, through dialogue and accommodation, where the proximity encourages a partnership relationship between customer and organization, with the establishment mutual trust, exchange of information and permission to open and constructive criticism. Is the Relationship Marketing, which solidifies the relationship between user and provider, approaching and listening. Key - words: Complaint - Customer Satisfaction (ABNT NBR ISSO 1002:2005) - Dialogue - Home Relationship Marketing.

4 4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...6 CAPÍTULO Objetivo CAPÍTULO Referencial Teórico 2.1. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) 2.2. Stakeholders 2.3. Diálogo com Stakeholder 2.4. Norma ABNT NBR ISO 10002: Termos e definições CAPÍTULO Diretriz e Política para Implementação do Sistema CAPÍTULO Estruturação de Canais de Atendimento

5 5 CAPÍTULO Grupo Estratégico: Funcionário de Atendimento CAPÍTULO Processo de Tratamento das Demandas e Reclamações - Operacionalização CAPÍTULO Recursos Tecnológicos CAPÍTULO Indicadores de Desempenho CAPÍTULO Manutenção e Melhoria do Processo CONCLUSÃO...26 REFERÊNCIAS...28

6 6 INTRODUÇÃO Marketing de relacionamento ou pós-marketing (McKenna, 1991) significa construir e sustentar a infra-estrutura dos relacionamentos de clientes. Consiste em uma estratégia de negócios que visa construir proativamente relacionamentos duradouros entre a organização e seus clientes, contribuindo para o aumento do desempenho desta e para resultados sustentáveis. Ouvir o Mercado, em Marketing de Relacionamento, implica em ouvir o cliente individualmente e, para isso, é imprescindível a implantação de serviços que possibilitem esse acesso. A Voz do cliente e o Diálogo são fatores essenciais na identificação de seus desejos e necessidades. Saber ouvir o Cliente é fundamental para o planejamento e implementação objetiva e personalizada do seu atendimento. Além disso, a modernidade vem causando uma mudança no comportamento dos clientes, onde as pessoas se tornaram mais exigentes e esperam que as suas necessidades sejam prontamente atendidas. No site do Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC, 2010) as experiências diárias dos consumidores mostram que o setor de planos de saúde é bastante problemático e, reiteradamente, causa transtornos nos momentos em que o usuário mais precisa. São negativas de atendimento, demora ou recusas de liberação de exame ou cirurgia, reajustes abusivos, descredenciamentos de profissionais de saúde, hospitais e laboratórios. A Lei 9.656/08, conhecida como Lei dos Planos de Saúde, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, e a Lei 9.961/00, que criou a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), tiveram como objetivo mitigar os conflitos no setor. A prestação de serviços pelos planos de saúde envolve uma relação de consumo sendo imprescindível que a ANS leve em conta, no exercício de sua atividade regulatória, os preceitos do Código de Defesa do Consumidor. Portanto, a organização deve considerar o tratamento das demandas e

7 7 reclamações recebidas como importantes subsídios de melhorias dos seus processos e de ação corretiva, pois ao identificar os problemas recorrentes e/ou que potencialmente possam trazer conseqüências graves para a organização, poderão adotar medidas preventivas. A proposta deste artigo é apresentar um sistema onde as operadoras de saúde podem colocar em prática o Marketing de Relacionamento saindo da relação de foco no mercado para o foco no relacionamento.

8 8 1. Objetivo A Agência Nacional de Saúde Suplementar (site ANS, 2010) contabiliza mais de 400 mil ligações recebidas por ano envolvendo reclamações contra as operadoras de planos de saúde. Entre 2007 e 2009, o volume de ligações quase triplicou no atendimento eletrônico da Agência, conhecido como Disque ANS. As reclamações dos consumidores registradas no call center da agência reguladora pularam de para , sendo com indício de infrações praticadas pelas empresas do setor. Entre as principais queixas dos usuários, estão o aumento indevido de mensalidade, o descumprimento do contrato e a negativa de cobertura assistencial. São demandas que deságuam também nos órgãos de defesa do consumidor de todo o país. Fonte: ANS

9 9 Mensalmente a ANS publica o Índice de Reclamações do setor de Saúde Suplementar com o objetivo de ajudar os consumidores a avaliar a atuação das operadoras de planos privados de saúde. Este Índice é calculado considerando o total de reclamações e de beneficiários de todas as operadoras registradas na ANS no mês e permite comparar a atuação das diversas operadoras. No contexto de minimizar o número de reclamações, a organização deve procurar mapear seus problemas e ter a responsabilidade de envolver as áreas relacionadas às principais reclamações apuradas a buscar soluções mais apropriadas. A organização que se preocupa em tratar as demandas e reclamações pode aumentar a satisfação do cliente, a sua fidelidade e aprovação para com a organização. A qualidade na prestação de serviços, independentemente da atividade ou setor, é o grande diferencial do mercado. No entanto, prestar um atendimento que satisfaça um cliente não é somente fornecer soluções para as suas necessidades, mas sim cumprir com os requisitos combinados previamente com o cliente. Os princípios organizacionais (missão, visão e valores), bem como o regulamento e normas internas da empresa devem ser considerados, pois criam a imagem de confiança, credibilidade e segurança da organização, além de estabelerem os parâmetros de relacionamento com públicos estratégicos. O surgimento de parâmetros de relacionamento com os públicos estratégicos ou grupos de interesse levam a ações e posições que resultam em processos de conduta, como por exemplo: em relação ao usuário, o surgimento de leis de proteção ao consumidor que aumentam o seu poder de negociação; em relação aos funcionários, a cooperação entre os diferentes níveis hierárquicos promovida pela introdução de novos modelos de gestão; em relação aos fornecedores, a adoção de parcerias na cadeia de suprimento gerada pela necessidade de reduzir custos; em relação à comunidade local, a preservação ambiental e a responsabilidade social como elemento de reciprocidade e de comprometimento com a sociedade; e até em relação à concorrência, surgem alianças estratégicas e fusões (Ernest & Young et all, A management guide to stakeholders reporting). Para fazer com que isso aconteça é necessário contar com técnicas e ferramentas que permitam, primeiramente, identificar quais são os requisitos desejados pelos clientes e em seguida, medir e monitorar o atendimento a esses requisitos. A proposta deste artigo é exatamente analisar um sistema que priorize as demandas e reclamações recebidas, identificando os seus requisitos desejados e oferecendo soluções de qualidade e dentro do tempo adequado. O sistema tem como princípios, a Norma ABNT NBR ISO 10002: Gestão da Qualidade - Satisfação do Cliente.

10 10 2. Referencial Teórico 2.1. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Criada pela Lei 9.961, de 28 de janeiro de 2000, a ANS é autarquia sob regime especial, vinculada ao Ministério da Saúde. Sua missão é promover a defesa do interesse público na assistência suplementar, regulando as operadoras, inclusive nas relações com prestadores e consumidores, contribuindo, assim, para o desenvolvimento das ações de saúde no país Públicos Estratégicos (Stakeholders) O termo inglês stakeholder designa uma pessoa, grupo ou entidade com legítimos interesses nas ações e no desempenho de uma organização, ou seja, grupos que atuam direta ou indiretamente sobre as organizações (Freeman, 1984). A teoria dos stakeholders sugere que o comportamento estratégico das organizações é afetado por diversos grupos situados em seu ambiente e as estratégias da organização devem buscar satisfazê-los da melhor maneira possível Diálogo com o Público Estratégico (Stakeholder) O programa de consulta ao público estratégico não é uma novidade no meio empresarial e vem sendo utilizado há algum tempo pelas organizações como ação estratégica (Valéria Vinha, 2003). O Diálogo com Grupos de Interesse (Stakeholder Dialogue ou Stakeholder Engagement) é uma metodologia de consulta social participativa, que identifica e caracteriza cada membro do grupo estratégico da empresa, captando sua percepção e suas expectativas sobre a organização. Após uma correta identificação, a organização deve, então, abrir um canal de

11 11 diálogo com aqueles que revelam ter um maior impacto para a atividade da empresa. Os assuntos devem ter uma abrangência total e transversal às atividades da empresa Norma ABNT NBR ISO 10002:2005 Essa Norma fornece orientação para o projeto e a implementação de um processo eficaz e eficiente de tratamento de reclamações para todos os tipos de atividades comerciais e não comerciais. A informação obtida através do processo de tratamento de reclamações pode levar a melhorias de produtos e processos, e, onde as reclamações são tratadas corretamente, pode melhorar a reputação da organização, independentemente do porte, localização e ramo de atividade. Esta norma não tem a característica de ser uma norma certificadora ou para finalidades contratuais (E. E. Lima, 2007) Termos e Definições Conforme Norma ABNT NBR ISO 10002:2005 a) reclamante: pessoa, organização ou representante desta, que faz uma reclamação; b) reclamação: expressão de insatisfação feita a uma organização, relativa a seus produtos, ou ao próprio processo de tratamento de reclamações, para a qual explicitamente ou implicitamente espera-se uma resposta ou resolução; c) usuário: consumidor, cliente, associado, beneficiário; d) satisfação do usuário: percepção do cliente do grau em que os seus requisitos foram atendidos; e) serviços ao usuário: interação de uma organização com o cliente durante o ciclo de vida do produto; f) retorno: opiniões, comentários e expressões de interesse sobre produtos ou processo de tratamento de reclamações; g) parte interessada: pessoa ou grupo que tem interesse no desempenho ou no sucesso de uma organização; h) objetivo: algo que se busca ou se almeja relacionado ao tratamento de reclamações;

12 12 i) política: declaração formal, pela Alta Direção de uma organização, das intenções e diretrizes globais com relação ao tratamento de reclamações; j) processo: conjunto de atividades inter-relacionadas ou interativas que transformam insumos (entradas) em produtos (saídas).

13 13 3. Diretriz e Política para Implementação do Sistema O sistema deve atuar identificando e direcionando as necessidades e as expectativas dos reclamantes, em um processo acessível, efetivo e de fácil uso. Para manter o foco no cliente a organização deve ter como política (José S. Filho, 2010): atender satisfatoriamente, cativar, fascinar e ser eleita pelo cliente como sua fornecedora preferencial; destacar-se no mercado por honrar e executar fielmente todos os contratos assinados; conquistar a reputação de ser assídua e pontual em todos os compromissos assumidos; manter postura ética e fidelidade com os parceiros; deixar o cliente satisfeito ao ponto de sentir-se confortável em recomendá-la no seu círculo de amizades. As responsabilidades e obrigações da empresa, assim como direitos, regalias, benefícios e vantagens do cliente devem ser estabelecidos com base no Código de Defesa do Consumidor. Além do código, a Norma ABNT NBR ISO 0002: Gestão da Qualidade: Satisfação do Cliente Diretrizes para Tratamento de Reclamações nas Organizações complementa o processo de gestão com foco no cliente. Para este sistema é primordial o envolvimento e comprometimento da Alta Direção através da adequada aquisição e disponibilidade de recursos, incluindo treinamento de pessoal. O processo deve oferecer: um sistema de atendimento e monitoramento de desempenho, de avaliação das soluções e dos resultados (análise crítica do processo);

14 14 recrutamento e treinamento de pessoal apropriado; estabelecimento de requisitos tecnológicos, documentação; estabelecimento e atendimento das metas, dos prazos e de outras exigências; instruções de trabalho das atividades e serviços oferecidos, mapeado e padronizado, com constantes atualizações; BackOffice reconhecido, com prioridade de suporte das demais áreas da empresa.

15 15 4. Estruturação de Canais de Atendimento O Decreto nº 6.523/2008, do Ministério da Justiça, regulamenta a Lei n o 8.078, de 11 de setembro de 1990, e fixa normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor - Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) por telefone, no âmbito dos fornecedores de serviços regulados pelo Poder Público federal, com vistas à observância dos direitos básicos do consumidor de obter informação adequada e clara sobre os serviços que contratar e de manter-se protegido contra práticas abusivas ou ilegais impostas no fornecimento desses serviços. Esse Decreto se aplica a todas as prestadoras de serviços regulados, ou seja, no caso da saúde suplementar, se aplica a todas as operadoras de planos privados de assistência à saúde. Desse modo, toda operadora que esteja devidamente registrada na ANS deverá seguir essa norma e oferecer ao consumidor serviços regulados que tenha como finalidade resolver as demandas dos consumidores sobre informação, dúvida, reclamação, suspensão ou cancelamento de contratos e de serviços SAC. Entretanto, o processo de tratamento das demandas e das reclamações deve dispor de vários canais de atendimento de fácil acesso e que forneça retornos rápidos. Estes devem estar acessíveis para todos os reclamantes, com suporte de fácil entendimento e uso. Os canais de relacionamento com os clientes são ferramentas que a organização coloca à disposição para que possa existir maior interação, desde os mais simples (como o velho telefone) até os mais sofisticados (contidos na técnica de Customer Relationship Management CRM), mas fundamentais para que o cliente possa manter contato com a organização e apresentar suas demandas. O CRM é uma filosofia que envolve pessoas, processos e tecnologia, e visa à criação de uma sistemática para adquirir maior conhecimento sobre o cliente ao longo de toda a vida dele e não apenas no momento em que

16 16 realiza uma transação comercial com a empresa. É um conceito novo que não tem um respaldo próprio no mundo acadêmico, mas ampara-se nos grandes papas do Marketing, entre os quais Phillip Kotler (autor do livro Administração de Marketing, considerada a bíblia do Marketing), Robert Kaplan e David Norton (autores do livro Balanced Scorecard), Patricia Seybold (Cliente.com) e Don Peppers e Martha Rogers (autores de várias obras sobre o one-to-one Marketing ou Marketing de Relacionamento) (Customer Relationship Management CRM, ANDERSON, Kristin; KERR, Carol, 2001). Exemplos de canais que podem ser instituídos: a) Central de Relacionamento com o Cliente (0800) SAC, que deve ser estruturado conforme Decreto nº 6.523/2008, que regula os procedimentos para os call centers; b) Central de Regulação (0800) - Liberação de senhas, atendimento de emergência e serviços de remoção (*); c) Atendimento Presencial: atendimento aos usuários que se dirigem às unidades representativas da organização; d) Atendimento Portal / Site da Organização / / Chats: acesso via Internet; e) Atendimento por Correspondência: atendimento por meio de instrumentos como: carta, fax, telegramas e outros; f) Ouvidoria: recebimento de demandas (reclamações, sugestões etc.), que o atendimento "normal" falhou e não conseguiu absorver; g) Quiosques de Atendimentos: terminais eletrônicos. Para eficácia do sistema, as estruturas devem atuar de forma homogênea, oferecendo consistências de informações, de forma que independente do canal que o usuário escolher, ele obterá a mesma resposta para a mesma pergunta. Para tal, é necessário conscientizar a própria equipe de atendimento para o fortalecimento do papel de cada um dos desses canais, avaliando os processos de informações, de forma que sejam precisas, completas e homogêneas. A ajuda de como fazer uma reclamação dever estar disponível em qualquer língua ou formato em que o produto foi oferecido ou fornecido, incluindo formatos alternativos, como texto em letras grandes, Braille ou audiovisual, para que nenhum reclamante fique em desvantagem (ABNT NBR ISO 10002:2005). Convém ainda que o recebimento de cada reclamação seja confirmado imediatamente ao cliente e as reclamações encaminhadas prontamente, de acordo com as suas urgências. Questões significativas de saúde e segurança devem ser tratadas imediatamente.

17 17 Os reclamantes devem ser mantidos informados sobre o andamento de suas reclamações durante o processo de tratamento de reclamações e a informação deve estar em linguagem clara.

18 18 5. Grupo Estratégico: Funcionário de Atendimento Conhecer bem o cliente é saber se comunicar com ele. Mas isso só ocorrerá se a organização estiver comprometida com a visão de excelência no atendimento ao cliente e toda a empresa e todos os funcionários forem treinados para proporcionar o mais elevado nível de atendimento ao cliente. Realizar programas de treinamento de atendimento com os funcionários é tentar assegurar que eles estejam aptos para transmitir o objetivo maior da organização. O funcionário com excelente capacidade de atendimento é bem informado, simpático e faz perguntas. Cumpre com o prometido, assume as responsabilidades e demonstra interessa pelo cliente e em responder prontamente as perguntas (Acácio Moraes Garcia, 2010). No caso do tratamento das reclamações é imprescindível a abertura de diálogo com o usuário por meio de funcionários capacitados e treinados. Todos os funcionários em contato com os usuários e reclamantes devem ser treinados em tratamento de reclamações. O funcionário deve tratar o usuário de maneira educada e estar seguro para responder prontamente às reclamações ou direcionar para a pessoa apropriada, demonstrando boa habilidade de relações interpessoais e comunicação. O profissional que prestar o atendimento deverá ter a segurança e clareza nas informações. Havendo dúvidas, a recomendação é o redirecionamento do atendimento e um melhor aprofundamento e eficiência da resposta. De acordo com a Norma da ABNT, convém que o pessoal de atendimento seja consciente de suas funções e responsabilidades com relação às reclamações, sobre quais procedimentos seguir e quais informações prestar ao reclamante, e comunicar à chefia as reclamações que tenham um impacto significativo sobre a organização.

19 19 6. Processo de Tratamento das Demandas e Reclamações - Operacionalização O sistema tem como base os princípios da norma ABNT NBR ISO 10002: Gestão da Qualidade: Satisfação do Cliente, que estabelece as diretrizes para o tratamento de reclamações nas organizações e orientações para a implantação do processo, sendo estes: a) recebimento da demanda: no recebimento deve-se gerar protocolo e processar o registro com uma descrição resumida da reclamação e a remediação pretendida. O Decreto nº 6.523/2008 estabelece a obrigatoriedade de se fornecer um protocolo quando se utiliza o canal 0800 (SAC); b) confirmação da reclamação: informar imediatamente ao reclamante o recebimento da reclamação (resposta automática via por exemplo); c) avaliação inicial: a reclamação deve ser avaliada por critérios como gravidade, complexidade, impacto e a necessidade e possibilidade de ação imediata. Devese apurar as circunstâncias que a geraram e se existe freqüência de ocorrência e qual o impacto (severidade) da reclamação. d) tratamento local ou de verificação de outras áreas: prazo para resposta e ação imediata tomada (se existir), inclusive se redistribuída a outra área; e) acompanhamento da reclamação: a reclamação deve ser acompanhada desde a recepção inicial, durante o decorrer do processo, até que o reclamante esteja satisfeito ou a decisão final. Convém que uma posição atualizada seja disponibilizada para o reclamante ao seu pedido e em intervalos regulares, até a data final preestabelecida. De acordo com o Decreto, o prazo máximo que as operadoras têm para resolver as reclamações pelo canal SAC é de 5 (cinco) dias. Aquelas não solucionadas neste prazo deverão estar bem

20 20 consubstanciadas e registrados no atendimento, pois as exceções serão analisadas casuisticamente. f) pesquisa: avaliação dos produtos e da sistemática relacionado à reclamação. Neste momento consideram-se as normas e regulamentos adotados pela organização para o produto ou serviços; g) elaboração da resposta (qualidade): após investigação apropriada e identificada a solução do problema, a organização deve oferecer uma resposta. Neste caso ainda, cabe à organização, se pertinente, corrigir o problema e prevenir sua repetição futura. Caso a reclamação não possa ser resolvida imediatamente, convém que seja tratada de tal maneira que resulte, o mais breve possível, na sua efetiva resolução; h) comunicação: a decisão ou qualquer ação tomada relacionada à reclamação deve ser logo comunicada ao reclamante; i) encerramento: caso o reclamante aceite a ação ou decisão proposta, convém executá-la e registrá-la. Caso o reclamante rejeite a ação ou decisão proposta, convém manter a reclamação aberta. Convém que isto seja registrado e o reclamante informado sobre formas alternativas dos recursos internos e externos disponíveis. Convém que a organização continue acompanhando o andamento do tratamento da reclamação até que todos os recursos razoáveis, internos e externos, sejam esgotados ou o reclamante esteja satisfeito.

21 21 7. RECURSOS TECNOLÓGICOS O ponto crítico no tratamento das demandas e reclamações está em se ter uma solução rápida e eficaz. A gestão do tratamento inclui a análise das causas e a determinação de prioridades, com base no impacto das demandas nos custos, na retenção do cliente e na imagem da organização. Todo o processo pode ser apoiado pela atuação de grupos multifuncionais para a solução de problemas, mas principalmente por sistemas informatizados que permitam o registro e o acompanhamento das reclamações e sugestões. Qualquer que seja o canal utilizado, a equipe de atendimento tem que dispor de um sistema que ofereça um repositório de informações (dados dos clientes, informações da demanda, evidências das providências, documentação e soluções adotadas) e um monitoramento dos desdobramentos da demanda, auxiliando no tempo de resposta e garantindo a satisfação do usuário quanto ao atendimento. Para este monitoramento, o sistema deve: administrar os prazos e enviar notificações para as áreas envolvidas; fornecer consultas imediatas de um processo: histórico e estágio de solução; extrair relatórios gerenciais e indicadores quantitativos e qualitativos. workflow parametrizado com categorização das demandas: i. registro das demandas e encaminhamentos; ii. geração de protocolos e das datas de compromisso para finalização do registro (definir um prazo de tempo dias, passível de prorrogação, porém que só ocorra por autorização da chefia); iii. registro das informações do andamento, realizado por todas as áreas envolvidas na solução do problema; iv. registro de status: em andamento, no prazo, pendência e finalizado.

22 22 Para auxiliar a esta etapa, podem-se realizar visitas a outras organizações, e ver como elas tratam suas demandas e reclamações (BENCHMARKING).

23 23 8. DEFINIÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO Não menos importante é a implantação de sistemas de medição dos resultados, avaliando potenciais gaps (lacunas) que devam ser corrigidos. É evidente que a ênfase deve ser dada aos relacionados com a estratégia de negócio. Os indicadores de desempenho são fundamentais por mensurar com medidas claras o desempenho da organização de acordo com as necessidades de informação colocadas pela administração. No processo de tratamento das reclamações serão considerados para definição: acessibilidade; prontidão nas respostas (o retorno sobre a demanda ou reclamação recebida deve ser cumprido no prazo acordado) e objetividade (prevê que cada demanda ou reclamação seja tratada de forma igual, objetiva e imparcial). A organização deve definir os seus indicadores para tratamento de reclamações, como por exemplos: número de acionamentos (reclamações emitidas) número de reincidências (verifica a eficiência nas respostas dadas e ações tomadas para evitar a reincidência de problemas já ocorridos) número de reclamações resolvidas no ato do recebimento número de reclamações finalizadas além do prazo acordado número de reclamações resolvidas além do prazo acordado número de reclamações resolvidas em última Instância tempo médio de duração de um atendimento da central de atendimento número de elogio recebidos índice de satisfação com o atendimento número de sugestões recebidas

24 24 9. MANUTENÇÃO E MELHORIA DO PROCESSO As reclamações fornecem informações, geralmente fidedignas, das percepções de clientes que não foram bem sucedidas com os produtos e serviços que receberam, as quais permitem a organização adotar ações corretivas para melhorar seus processos. Um bom processo de análise de reclamações poderá contribuir para determinar a estratégia de melhoria. Entretanto, um bom sistema de medição da satisfação do cliente não pode depender exclusivamente de informações negativas. É necessário ter uma visão equilibrada com os pontos fracos e os pontos fortes do produto ou serviço sob a perspectiva do cliente. O processo de reclamações dos clientes deve estar inserido em um sistema integrado de monitoramento da satisfação para detectar problemas atuais e potenciais que poderiam afetar negativamente a satisfação do cliente: a) classificar as reclamações (conforme os negócios da organização) e identificar as tendências e os problemas sistemáticos, recorrentes e incidentes isolados, contribuindo para a eliminação das suas causas; b) realizar pesquisa aleatórias para determinar os níveis de satisfação dos reclamantes com o processo de tratamento de reclamações; c) monitorar contínuamente o processo de tratamento de reclamações, dos recursos necessários (inclusive o pessoal) e dos dados a serem coletados; d) executar periódicamente auditorias para avaliar o desempenho do processo de tratamento de reclamações; e) elaborar Relatórios Gerenciais (desempenho, atendimento, reclamações e outros) que possibilitem prestar as informações necesária para a análise do processo e tomadas de decisões necessárias para a sua melhoria;

25 25 f) executar periódicamente uma avaliação técnica da equipe de atendimento (indicador de acompanhamento); g) definir critérios para monitoramento e análise estastíticas, que servirão para o estabelecimento de metas de desempenho (indicadores de desempenho); h) manter continuamente a eficácia do processo através de ações corretivas e preventivas de melhorias. A organização deve explorar, identificar e aplicar as melhores práticas no tratamento de reclamações, criando uma abordagem com foco no cliente dentro da organização, encorajando inovações para o desenvolvimento no tratamento de reclamações, reconhecendo o comportamento exemplar quando tratar de reclamações.

26 26 CONCLUSÃO Mais do que qualquer setor, a área da saúde deve prestar serviços de excelência aos seus clientes e usuários, de forma a proporcionar todas as facilidades possíveis. No setor da saúde, esse aspecto se apresenta de maneira ainda mais enfática, inclusive pelo nível de competitividade crescente, seja pela demanda de novos serviços, seja pela entrada de novos concorrentes de porte significativo. Além do mais, tais empresas têm um compromisso ético fundamental - o de atender aos seus clientes, para os quais devem fornecer soluções em saúde. A ABNT NBR ISO 10002: Gestão da Qualidade: Satisfação do Cliente, não é uma norma desenvolvida para substituir requisitos estatutários ou regulamentares da organização, mas para fazer com que a empresa repense os modelos e os resultados que vem obtendo com o uso da informação fornecida por seus clientes. A perspectiva de um cliente pode representar um sinal de mudança do mercado, uma fragilidade do sistema da organização, uma fragilidade estrutural de produto ou serviço. O fato é que essa norma aponta que, ouvir o cliente, precisa fazer parte da rotina da empresa. Também traz a preocupação de que esse sistema seja rápido, acessível e corresponda a uma forma de o cliente saber o nível de relevância de sua demanda, e em que situação se encontra o andamento da mesma. A empresa que tem foco em seu cliente tem a consciência de que o tratamento das reclamações e sugestões as levará a melhorar seus produtos e também os seus processos. Quando as reclamações são tratadas de forma adequada, ocorre a melhoria da reputação da organização e aumento da satisfação do cliente, trazendo como benefícios: retenção dos clientes, reconhecimento da marca, eficiência operacional, melhoria das relações e da comunicação interna. Portanto, cabe a empresa pensar de forma estruturada nos mecanismos que permitam analisar a dinâmica de seus clientes e usuários.

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos mediação, ouvidoria e gestão de relacionamentos A Ouvidoria nas Empresas Ferramenta

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO CVM N o 529, DE 1º DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instituição da Ouvidoria no âmbito do mercado de valores mobiliários. O PRESIDENTE INTERINO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho DEZ 2000 NBR ISO 9004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Como agregar valor durante o processo de auditoria

Como agregar valor durante o processo de auditoria QSP Informe Reservado Nº 55 Fevereiro/2006 Como agregar valor durante o processo de auditoria Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais