Sessão Prática: Simulação e Controle com LabVIEW

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sessão Prática: Simulação e Controle com LabVIEW"

Transcrição

1 Sessão Prática: Simulação e Controle com LabVIEW 1

2 Visão geral Este tutorial mostra as características dos controles proporcional (P), integral (I) e derivativo (D), e como utilizálos para obter a resposta desejada. Este tutorial usa o LabVIEW e o módulo Control Design and Simulation. Esses artigos são baseados nos tutoriais de controle desenvolvidos pelo Professor Dawn Tilbury do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Michigan e pelo Professor Bill Messner do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Carnegie Mellon e foram desenvolvidos com a devida permissão dos autores. Problema de exemplo Suponha que nós temos um problema simples de massa, mola e amortecedor. A equação de modelagem desse sistema é: Figura 3: Massa, mola e amortecedor Tirando a transformada de Laplace da equação do modelo, nós obtemos: A função de transferência entre o deslocamento X(s) e a entrada F(s) então se torna: Sendo,, e F. Se usarmos esses valores na função de transferência acima, o resultado é: O objetivo desse problema é mostrar a você como, e contribuem para obter um rápido tempo de subida, overshoot mínimo e nenhum erro de regime estacionário. Resposta ao degrau em malha aberta 2

3 Primeiro vamos ver a resposta ao degrau em malha aberta. Abordagem gráfica com LabVIEW Crie um novo VI em branco e insira o VI CD Construct Transfer Function Model e o VI CD Draw Transfer Function Equation, da sessão Model Construction da paleta Control Design. Crie controles para os terminais Numerator e Denominator do VI Construct Transfer Function Model. Conecte a saída Transfer Function Model deste VI ao terminal de entrada do VI CD Draw Transfer Function Equation. Finalmente, crie um indicador do terminal Equation do VI Draw Transfer Function. Crie um loop While ao redor deste código, e crie um controle para o terminal condicional do loop. A seguir, adicione o VI CD Step Response ao diagrama de blocos. Conecte a saída Transfer Function Model do VI CD Construct Transfer Function Model à entrada Transfer Function Model do VI CD Step Response. Crie um indicador da saída Step Response Graph do VI CD Step Response. ao degrau Figura 4: Resposta Abordagem híbrida gráfica/mathscript Alternativamente, nós podemos usar um MathScript Node com um VI CD Step Response para traçar a resposta ao degrau em malha aberta, usando o seguinte código: plant = tf(num,den); Tenha certeza de que você alterou o tipo de dados da variável de saída do MathScript Node para TF object. 3

4 ao degrau usando MathScript Node Figura 5: Resposta Resultado A execução do VI da figura 4 ou da figura 5 deve retornar o gráfico mostrado abaixo na figura 6. Figura 6: Gráfico de resposta ao degrau O ganho DC da função de transferência da planta é 1/20, então o valor final da saída a uma entrada de degrau unitário é 0,05. Isso corresponde ao erro de regime estacionário de 0,95, bastante grande na verdade. Além disso, o tempo de subida é cerca de 1 segundo e o tempo de estabelecimento é cerca de 1,5 segundos. Vamos projetar um controlador que irá reduzir o tempo de subida, reduzir o tempo de estabelecimento e eliminar o erro regime estacionário. 4

5 Controle proporcional Da tabela na figura 2, nós vemos que o controlador proporcional (Kp) reduz o tempo de subida, aumenta o overshoot e reduz o erro de regime estacionário. A função de transferência de malha fechada do sistema acima com um controlador proporcional é: Abordagem gráfica com LabVIEW Altere o VI CD Construct Transfer Function Model para SISO (Symbolic) para que seja possível o uso de variáveis. O diagrama de blocos resultante está mostrado na Figura 7. de malha fechada usando o LabVIEW Figura 7: Sistema Agora insira um controlador proporcional na função de transferência de malha fechada do sistema. Coloque o valor de 300 para o ganho proporcional ( ). Abordagem híbrida gráfica/mathscript Alternativamente, para alcançar este resultado usando um MathScript Node, use o código a seguir: num=1; den=[ ]; plant=tf(num,den); Kp=300; contr=kp; sys_cl=feedback(contr*plant,1); 5

6 de malha fechada usando o LabVIEW MathScript Figura 8: Sistema Nota: A função de arquivo.m chamada feedback foi usada para obter uma função de transferência de malha fechada diretamente da função de transferência de malha aberta (em vez de calcular a função de transferência de malha fechada manualmente). Resultado Tanto a abordagem com o LabVIEW quanto a abordagem híbrida devem produzir o gráfico mostrado abaixo na Figura 9. Figura 9: Controle proporcional O gráfico mostra que o controlador proporcional reduziu o tempo de subida e o erro de regime estacionário, aumentou o overshoot e diminuiu o tempo de estabelecimento em uma pequena quantidade. 6

7 Controle proporcional derivativo Agora, vamos dar uma olhada em um controle PD. Na tabela na figura 2, nós vemos que o controlador derivativo ( ) reduz tanto o overshoot quanto o tempo de estabelecimento. A função de transferência de malha fechada do dado sistema com um controlador PD é: Estabeleça o igual a 300 como antes e o igual a 10. Abordagem gráfica com LabVIEW Usando o VI da figura 7, modifique os termos de entrada no painel frontal para adicionar o elemento derivativo ao sistema. Abordagem híbrida gráfica/mathscript seguir: Alternativamente, para alcançar este resultado usando um MathScript Node, use o VI da Figura 8 com o código a num=1; den=[ ]; plant=tf(num,den); Kp=300; Kd=10; contr=tf([kd Kp],1); sys_cl=feedback(contr*plant,1); Resultado Tanto a abordagem com LabVIEW quanto a abordagem híbrida devem produzir o gráfico mostrado abaixo na figura 10. 7

8 Figura 10: Controle proporcional-derivativo Compare o gráfico na figura 10 ao gráfico na figura 9. O gráfico da resposta ao degrau mostra que o controlador derivativo reduziu tanto o overshoot quanto o tempo de estabelecimento, e teve um pequeno efeito no tempo de subida e no erro de regime estacionário. Controle proporcional-integral Antes de entrar em um controle PID, vamos ver o controle PI. Da tabela, nós vemos que um controlador integral ( ) diminui o tempo de subida, aumenta tanto o overshoot quanto o tempo de estabelecimento e elimina o erro de regime estacionário. Para o sistema dado, a função de transferência de malha fechada com um controle PI é: Vamos reduzir o para 30 e deixar o igual a 70. Abordagem gráfica com LabVIEW Usando o VI da figura 7, modifique os termos de entrada no painel frontal para adicionar o elemento integral ao sistema. Abordagem híbrida gráfica/mathscript seguir: Alternativamente, para chegar nesse resultado usando um MathScript Node, use o VI da figura 8 com o código a num=1; den=[ ]; plant=tf(num,den); Kp=30; Ki=70; contr=tf([kp Ki],[1 0]); sys_cl=feedback(contr*plant,1); 8

9 Resultado Tanto a abordagem com LabVIEW quanto a abordagem híbrida devem produzir o gráfico mostrado abaixo na figura 11. Figura 11: Controle proporcional-integral Nós reduzimos o ganho proporcional ( ) por conta do controlador integral também reduzir o tempo de subida e aumentar o overshoot da mesma forma que o controlador proporcional (efeito duplo). A resposta acima na figura 11 mostra que o controlador integral eliminou o erro de regime estacionário. Controle proporcional-integral-derivativo Agora, vamos observar um controlador PID. A função de transferência de malha fechada do sistema com um controlador PID é: Depois de várias execuções de tentativa e erro, os ganhos,, e forneceram a resposta desejada. 9

10 Abordagem gráfica com LabVIEW Para confirmar, teste esses termos no seu VI, usando o VI da figura 7. Abordagem híbrida gráfica/mathscript Alternativamente, esse resultado pode ser alcançado com um MathScript Node, usando o VI da figura 8 com o código a seguir: num=1; den=[ ]; plant=tf(num,den); Kp=350; Ki=300; Kd=50; contr=tf([kd Kp Ki],[1 0]); sys_cl=feedback(contr*plant,1); Resultado Tanto a abordagem com o LabVIEW quanto a abordagem híbrida devem produzir o gráfico a mostrado abaixo na Figura 12. Figura 12: Controle proporcional-integral-derivativo Agora, nós obtivemos um sistema de malha fechada sem overshoot, rápido tempo de subida e nenhum erro de regime estacionário. Dicas gerais para projetar um controlador PID Ao projetar um controlador PID para um dado sistema, siga os passos abaixo para obter uma resposta desejada. 1. Obtenha uma resposta em malha aberta e determine o que precisa ser melhorado 2. Adicione um controle proporcional para melhorar o tempo de subida 10

11 3. Adicione um controle derivativo para melhorar o overshoot 4. Adicione um controle integral para eliminar o erro de regime estacionário 5. Ajuste o, e até você obter uma resposta geral desejada. Você pode sempre utilizar à tabela mostrada neste artigo para encontrar qual controlador controla quais características. Tenha em mente que você não precisa implementar todos os três controladores (proporcional, derivativo e integral) em um único sistema, se não for necessário. Por exemplo, se um controlador PI fornecer uma resposta boa o suficiente (como no exemplo acima), então você não precisa implementar um controlador derivativo no sistema. Mantenha o controlador o mais simples possível. DESAFIO! Se você chegou até aqui e ainda há tempo aproveite e explore outros recursos do módulo Control Design and Simulation do LabVIEW. Abaixo falaremos sobre Lugar das Raízes e Resposta em Malha Fechada! Polos de malha fechada O lugar das raízes de uma função de transferência de malha aberta é um mapeamento das localizações (lugares geométricos) de todos os polos de malha fechada possíveis com ganho proporcional e realimentação unitária: A função de transferência de malha fechada é: Figura 1: Sistema de malha fechada Assim, os polos do sistema de malha fechada são valores de s para os quais. Se nós utilizarmos a relação, então a equação anterior tem a forma: 11

12 nele]. Sendo ordem de a(s) e ordem de [a ordem de um polinômio é a maior potência de que aparece Nós vamos considerar todos os valores positivos de. No limite em que tende a 0, os polos do sistema de malha fechada são ou os polos de. No limite em que tende ao infinito, os polos do sistema de malha fechada são ou os zeros de. Não importando o valor de que escolhermos, o sistema de malha fechada deve sempre ter n polos, onde n é o número de polo de. O lugar das raízes deve ter n ramos, cada traço começa em um polo de e vai até um zero de Se tiver mais polo do que zeros (que geralmente é o caso), e nós dizemos que possui zeros no infinito. Neste caso, o limite de com é zero. O número de zeros no infinito é, o número de polos menos o número de zeros, e é o número de traços que vão para o infinito (assíntotas). Uma vez que o lugar das raízes é realmente a localização de todos os possíveis polos de malha fechada, a partir dele nós podemos selecionar um ganho de forma que o nosso sistema de malha fechada realizará a tarefa da maneira que nós queremos. Se qualquer um dos polos selecionados estiver no plano da metade direita, o sistema de malha fechada será instável. Os polos que estão mais próximos do eixo imaginário possuem a maior influência na resposta em malha fechada, então embora o sistema possua três ou quatro polos, ele ainda age como um sistema de segunda ou mesmo primeira ordem dependendo da(s) localização(ões) do(s) polo(s) dominante(s). Traçando o lugar das raízes de uma função de transferência Considere um sistema de malha aberta que possui uma função de transferência de: Como nós projetamos um controlador com realimentação para o sistema usando o método do lugar das raízes? Digamos que os nossos critérios são 5% de overshoot e tempo de subida de 1 segundo. Abordagem gráfica com LabVIEW Nós podemos criar um VI para traçar o lugar das raízes, usando o VI CD Root Locus da sessão Model Construction da paleta Control Design. 12

13 Figura 2: Traçando o lugar das raízes Abordagem híbrida gráfica/mathscript Alternativamente, você pode usar um MathScript Node para traçar o lugar das raízes, usando o código a seguir: num=[1 7]; den=conv(conv([1 0],[1 5]),conv([1 15],[1 20])); sys=tf(num,den); o lugar das raízes usando MathScript Node Figura 3: Traçando Abordagem com LabVIEW MathScript Ainda outra abordagem para este problema é usar a janela MathScript. Selecione Tools» MathScript Window, e insira o código a seguir em Command Window: num=[1 7]; den=conv(conv([1 0],[1 5]),conv([1 15],[1 20])); sys=tf(num,den); rlocus(sys) axis([ ]) 13

14 Resultado Usando a abordagem gráfica com LabVIEW, a abordagem com LabVIEW MathScript ou a abordagem híbrida gráfica/mathscript, o resultado deve ser um gráfico similar ao mostrado abaixo na Figura 4. Escolhendo o valor para K do lugar das raízes Figure 4: Gráfico do lugar das raízes O gráfico na Figura 4 acima mostra todas as localizações possíveis do polo de malha fechada para um controlador puramente proporcional. Obviamente nem todos os polos de malha fechada vão satisfazer os critérios do nosso projeto. Para determinar qual parte do lugar é aceitável, nós podemos utilizar o comando sgrid on para traçar linhas de taxa de amortecimento e frequência natural constantes. No nosso problema, nós precisamos de um overshoot de menos que 5% (que significa uma taxa de amortecimento Zeta maior que 0,7) e um tempo de subida de 1 segundo (que significa uma frequência natural maior que 1,8). Insira o comando sgrid on na janela de comando do MathScript e pressione Enter. A figura a seguir mostra o gráfico que você deve ver. As linhas verde e vermelha foram sobrepostas no gráfico. 14

15 Figura 6: Gráfico do lugar das raízes com linhas de grade No gráfico acima, as linhas diagonais indicam taxas de amortecimento (Zeta) constante e os semicírculos indicam linhas de frequência natural ( ) constante. As linhas vermelhas sobrepostas no gráfico indicam as localizações de polo com uma taxa de amortecimento de 0,7. Entre essas linhas, os polos terão Zeta > 0,7 e fora das linhas Zeta > 0,7. O semicírculo verde indica localizações de polos com uma frequência natural = 1,8; dentro do círculo, < 1,8 e fora do círculo > 1,8. Voltando ao nosso problema, para fazer com que o overshoot seja menos que 5%, os polos devem estar entre as duas linhas vermelhas, e para tornar o tempo de subida menor que 1 segundo, os polos devem estar fora do semicírculo verde. Então agora nós sabemos que somente a parte de fora do semicírculo e entre as duas linhas é aceitável. Todos os polos nessa localização estão no plano da esquerda, então o sistema de malha fechada será estável. A partir do gráfico acima nós vemos que há uma parte do lugar das raízes dentro da região desejada. Então neste caso nós somente precisamos de um controlador proporcional para mover os polos para a região desejada. Você pode usar o comando rlocfind na janela MathScript para escolher os polos desejados no lugar: [k,poles] = rlocfind(sys) Clique e arraste os polos de malha fechada no gráfico para designar onde você quer que o polo de malha fechada esteja. Você pode selecionar os pontos indicados no gráfico abaixo para satisfazer os critérios do projeto. 15

16 Figura 7: Lugar das raízes interativo na janela MathScript Note que uma vez que o lugar das raízes pode ter mais que um traço, quando você seleciona um polo, você pode querer descobrir onde estão os outros polos. Lembre-se de que eles afetarão a reposta também. Do gráfico acima nós vemos que todos os polos selecionados estão em posições razoáveis. Nós podemos seguir em frente e usar o selecionado como o nosso controlador proporcional. Clique em OK para selecionar esses polos. Resposta em malha-fechada Com o objetivo de encontrar a resposta ao degrau, você precisa conhecer a função de transferência de malha fechada. Você pode calculá-la, ou deixar o LabVIEW fazê-lo para você na janela MathScript. sys_cl= feedback(k*sys,1) Os dois argumentos para a função feedback são o numerador e denominador do sistema de malha aberta. Você precisa incluir o ganho proporcional que você escolheu. Assume-se que a realimentação é unitária. step(sys_cl) Finalmente, confira a resposta ao degrau do seu sistema de malha fechada. 16

17 Figura 8: Resposta de malha fechada Como nós esperávamos, essa resposta possui um overshoot menor que 5% e um tempo de subida menor que 1 segundo. 17

5. Diagramas de blocos

5. Diagramas de blocos 5. Diagramas de blocos Um sistema de controlo pode ser constituído por vários componentes. O diagrama de blocos é uma representação por meio de símbolos das funções desempenhadas por cada componente e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 3 Análise do Comportamento de uma Suspensão de Automóvel

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 3 Análise do Comportamento de uma Suspensão de Automóvel SISEL Sistemas Electromecânicos Guião do Trabalho Laboratorial Nº 3 Análise do Comportamento de uma Suspensão de Automóvel GRIS Group of Robotics and Intelligent Systems Homepage: http://www.dee.isep.ipp.pt/~gris

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva Controlador Proporcional Controlador PI A Relação entre a saída e o

Leia mais

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Estabilidade Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Já vimos que existem três requisitos fundamentais para projetar um sistema de controle: Resposta Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário Estabilidade

Leia mais

ESCOLA NAVAL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

ESCOLA NAVAL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski ESCOLA NAVAL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO Na aula passada vimos Compensação de sistemas Efeitos da Adição de pólos e zeros Compensadores de Avanço de Fase

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO JOSÉ C. GEROMEL e RUBENS H. KOROGUI DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br

Leia mais

Sessão Prática: Oficina de Robótica com NI LabVIEW e LEGO Mindstorms NXT

Sessão Prática: Oficina de Robótica com NI LabVIEW e LEGO Mindstorms NXT Sessão Prática: Oficina de Robótica com NI LabVIEW e LEGO Mindstorms NXT LabVIEW e NXT Hardware Necessário: LEGO MINDSTORMS NXT Software Necessário: LabVIEW Módulo NXT Exercício 1: Atualização de firmware

Leia mais

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS JOSÉ C. GEROMEL DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br Campinas, Janeiro de 2007

Leia mais

Estabilidade no Domínio da Freqüência

Estabilidade no Domínio da Freqüência Estabilidade no Domínio da Freqüência Introdução; Mapeamento de Contornos no Plano s; Critério de Nyquist; Estabilidade Relativa; Critério de Desempenho no Domínio do Tempo Especificado no Domínio da Freqüência;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI MR0720 - Simulação de Processos em Eng. de Materiais. Aula 5. Matlab

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI MR0720 - Simulação de Processos em Eng. de Materiais. Aula 5. Matlab EE CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI MR0720 - Simulação de Processos em Eng. de Materiais Aula 5 Matlab 1 I. Objetivos Objetivo destas notas de aula, é o de ensinar os comandos básicos do Matlab focados para

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Prova 2 - Sistemas de Controle Projetos

Prova 2 - Sistemas de Controle Projetos Prova - Sistemas de Controle Projetos Pedro Batista (887) - pedro@ufpa.br Paulo Victor Mocbel (887) - pvmocbel@gmail.com December 4, Projeto de Controlador PI ideal Desejamos adicionar um controlador proporcional

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

Atividade 4 Movimento circular uniforme.

Atividade 4 Movimento circular uniforme. Modellus Atividade 4 Movimento circular uniforme. Amarrou-se uma pedra a um fio e pôs-se a rodar com movimento circular uniforme. As equações do movimento, para um sistemas de coordenadas com origem no

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB NOME: UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB O que é o Matlab? O Matlab é um sistema para cálculo científico que proporciona um ambiente de fácil utilização com uma notação intuitiva,

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE CONTROLADORES A SISTEMAS DE 1ªORDEM E 2º ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE CONTROLADORES A SISTEMAS DE 1ªORDEM E 2º ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 3: APLICAÇÃO DE CONTROLADORES A SISTEMAS DE 1ªORDEM E 2º ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

Passo 3: No diagrama de blocos com o menu de funções aberto (Figura anterior), abra a função express Signal Analysis e escolha Simulate signal.

Passo 3: No diagrama de blocos com o menu de funções aberto (Figura anterior), abra a função express Signal Analysis e escolha Simulate signal. TUTORIAL INTRODUÇÃO AO LABVIEW 8.2 Passo 1: Inicie o Labview. Você verá esta tela: Passo 2: Selecione blank VI (VI é a sigla de VIRTUAL INSTRUMENT). Fazendo isso você terá acesso a área de trabalho, a

Leia mais

Função de Transferência de Malha Fechada

Função de Transferência de Malha Fechada Função de Transferência de Malha Fechada R(s) B(s) + - E(s) Controlador Gc(S) U(s) Sensor G(S) Planta C(s) C(s)=G(s)*U(s) H(S) C(s)=G(s)*Gc(s)*E(s) C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-B(s) ] C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-H(s)*C(s)

Leia mais

Sistema de excitação

Sistema de excitação Sistema de excitação Introdução Introdução A função do sistema de excitação é estabelecer a tensão interna do gerador síncrono; Em consequência,o sistema de excitação é responsável não somente pela tensão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Controle automático de processo Processos Contínuos: são aqueles que possuem saídas contínuas como, por exemplo, processos de geração de energia. Processos

Leia mais

Sistemas de Controle (CON) Ações Básicas de Controle e Controle Proporcional

Sistemas de Controle (CON) Ações Básicas de Controle e Controle Proporcional Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Mecânica DEM Sistemas de Controle (CON) Ações Básicas de Controle e Controle Proporcional Aula

Leia mais

Certified LabVIEW Associate Developer Examination

Certified LabVIEW Associate Developer Examination Certified LabVIEW Associate Developer Examination Cliente Data Obs.: Durante o exame não é permitido o uso do computador ou de qualquer material de referência Instruções: No momento em que receber as folhas

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE CONTROLADORES ELETRÔNICOS BÁSICOS VIA AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE CONTROLADORES ELETRÔNICOS BÁSICOS VIA AMPLIFICADORES OPERACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 2: ESTUDO DE CONTROLADORES ELETRÔNICOS BÁSICOS VIA AMPLIFICADORES OPERACIONAIS COLEGIADO

Leia mais

AULA 4 Manipulando Tabelas

AULA 4 Manipulando Tabelas 4.1 AULA 4 Manipulando Tabelas Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades relativas a manipulação de tabelas de atributos no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado nas Aulas

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS custo Diagrama de Bode Outros Processos de Separação Prof a Ninoska Bojorge 5.A. Traçado das Assíntotas Traçado

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

Me todos de Ajuste de Controladores

Me todos de Ajuste de Controladores Me todos de Ajuste de Controladores Recapitulando aulas passadas Vimos algumas indicações para a escolha do tipo de controlador feedback dependendo da malha de controle que está sendo projetada. Vimos

Leia mais

2.17 Matlab em Sistemas de Controle

2.17 Matlab em Sistemas de Controle 46 CAPÍTULO 2. INTRODUÇÃO AO MATLAB 2.17 Matlab em Sistemas de Controle Nesta seção, os comandos básicos do CONTROL SYSTEM Toolbox do MATLAB são introduzidos. O comando helpcontrol fornece uma lista das

Leia mais

Como Aumentar a Velocidade da Sua Internet no Windows XP Professional

Como Aumentar a Velocidade da Sua Internet no Windows XP Professional Como Aumentar a Velocidade da Sua Internet no Windows XP Professional Ao que parece o Windows XP reserva 20% da largura de banda disponível (em português, 20% da velocidade da sua conexão com a Internet)

Leia mais

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92)

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) ADL22 4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) A transformada de Laplace fornece: (4.93) (4.94) A fim de separar X(s), substitua sx(s)

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. Erro em estado estacionário de sistemas de controle realimentados 2. Erro em estado estacionário de sistemas com realimentação não-unitária 3. Índice de

Leia mais

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s MICROMASTER MM4 Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline USANDO O CONTROLE DE MALHA FECHADA NO MM4 O que é controle de malha fechada

Leia mais

RELATÓRIO FINAL PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO ATRAVÉS DE MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA

RELATÓRIO FINAL PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO ATRAVÉS DE MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA RELATÓRIO FINAL PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO ATRAVÉS DE MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA Laboratório De Controle I (LECI) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes : Antônio J. R. Chaves, Marcelo

Leia mais

Toolbox de Sistemas de Controle MATLAB

Toolbox de Sistemas de Controle MATLAB Toolbox de Sistemas de Controle MATLAB Control System Toolbox Grupo PET Engenharia Elétrica UFMS Campo Grande MS Junho - 2003 2 Índice Índice 3 1. Introdução 4 2. Representação dos Sistemas 5 2.1. Representação

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

Root Locus (Método do Lugar das Raízes)

Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Ambos a estabilidade e o comportamento da resposta transitória em um sistema de controle em malha fechada estão diretamente relacionadas com a localização das raízes

Leia mais

Transformada z. ADL 25 Cap 13. A Transformada z Inversa

Transformada z. ADL 25 Cap 13. A Transformada z Inversa ADL 25 Cap 13 Transformada z A Transformada z Inversa Qualquer que seja o método utilizado a transformada z inversa produzirá somente os valores da função do tempo nos instantes de amostragem. Portanto,

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

A equação da posição em função do tempo t do MRUV - movimento retilíneo uniformemente variado é:

A equação da posição em função do tempo t do MRUV - movimento retilíneo uniformemente variado é: Modellus Atividade 3 Queda livre. Do alto de duas torres, uma na Terra e outra na Lua, deixaram-se cair duas pedras, sem velocidade inicial. Considerando que cada uma das pedras leva 3,0s atingir o solo

Leia mais

Controle de Sistemas. O Método do Lugar das Raízes. Renato Dourado Maia. Universidade Estadual de Montes Claros. Engenharia de Sistemas

Controle de Sistemas. O Método do Lugar das Raízes. Renato Dourado Maia. Universidade Estadual de Montes Claros. Engenharia de Sistemas Controle de Sistemas O Método do Lugar das Raízes Renato Dourado Maia Universidade Estadual de Montes Claros Engenharia de Sistemas Introdução No projeto de um sistema de controle, é fundamental se determinar

Leia mais

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002)

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002) Tutorial do Sistema GeoOffice Todos os direitos reservados (1999-2002) Sistema GeoOffice Sistema Topográfico Solution Softwares Tutorial Passo a Passo Conteúdo I Tabela de Conteúdos Foreword 0 Parte I

Leia mais

Sistemas a Tempo Discreto - Projeto

Sistemas a Tempo Discreto - Projeto Sistemas a Tempo Discreto - Projeto 1. Especificações de Projeto no domínio discreto 2. Projeto via Emulação 2.1 Controladores Equivalentes Discretos 2.2 Mapeamento pólo-zero 2.3 Avaliação do projeto pag.1

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas de Controle pelo Método do Lugar das Raízes

Análise e Projeto de Sistemas de Controle pelo Método do Lugar das Raízes Análise e Projeto de Sistemas de Controle pelo Método do Lugar das Raízes Saulo Dornellas Universidade Federal do Vale do São Francisco Juazeiro - BA Dornellas (UNIVASF) Juazeiro - BA 1 / 44 Análise do

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I

LABORATÓRIO DE CONTROLE I UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 1: ESTUDO DE FUNÇÕES DE TRANSFERÊNCIA E ANÁLISE DE RESPOSTA TRANSITÓRIA COLEGIADO DE

Leia mais

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos A partícula livre A U L A 7 Meta da aula Estudar o movimento de uma partícula quântica livre, ou seja, aquela que não sofre a ação de nenhuma força. objetivos resolver a equação de Schrödinger para a partícula

Leia mais

Sobre a Segunda Parte: Sobre a Primeira Parte:

Sobre a Segunda Parte: Sobre a Primeira Parte: Tutorial Sobre Como Criar Sprites 3D Utilizando o Editor Gráfico do Word e Sobre Como Manipular Sprites Criados no Word Utilizando o Programa de Criação de Jogos Game Maker Sobre a Primeira Parte: Esta

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos cassiano@ieee.org 1 Projeto por alocação de pólos Na abordagem convencional, usando por exemplo o método do lugar das

Leia mais

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor OBJETIVOS: - analisar a resposta transitória a mudanças degrau pelas variações de ganho, pela inclusão de atraso e pelo aumento do momento de inércia;

Leia mais

Projeto de sistemas de controle

Projeto de sistemas de controle Projeto de sistemas de controle Os controladores clássicos encontrados na literatura podem ser classificados como: Controladores de duas posições (ou on-off). Controladores proporcionais. Controladores

Leia mais

AULA #12. Estabilidade de Sistemas de Controle por

AULA #12. Estabilidade de Sistemas de Controle por AULA #12 Estabilidade de Sistemas de Controle por Realimentação Estabilidade de Sistemas de Controle por Realimentação A presença de medidores, controladores e elementos finais de controle afetam as características

Leia mais

Métodos de Sintonização de Controladores PID

Métodos de Sintonização de Controladores PID 3ª Aula de Controlo Inteligente Controlo PI iscreto Métodos de Sintonização de Controladores PI Os controladores PI são muito utilizados em aplicações industrias. A função de transferência que define o

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Banco de Dados Microsoft Access: Criar s Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na. 3. Criar uma no modo

Leia mais

Controle de Rifas CEOD-RN. Instalação e Manual de Uso

Controle de Rifas CEOD-RN. Instalação e Manual de Uso Controle de Rifas CEOD-RN Instalação e Manual de Uso Primeiros Passos Extraia o arquivo RifaDeMolayMobile.apk do arquivo baixado. Conecte seu celular na porta USB. Envie o arquivo RifaDeMolayMobile.apk

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1

Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1 Introdução Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1 Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Na análise de circuitos CA estudamos como

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma tabela no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na tabela.

Leia mais

Tratamento de Dados Utilizando o SciDAVis Tutorial Parte 1 Como construir um gráfico e fazer um ajuste linear

Tratamento de Dados Utilizando o SciDAVis Tutorial Parte 1 Como construir um gráfico e fazer um ajuste linear LABORATÓRIO DE FÍSICA EXPERIMENTAL 1 DEPARTAMENTO DE FÍSICA - DAFIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - UTFPR Tratamento de Dados Utilizando o SciDAVis Tutorial Parte 1 Como construir um gráfico

Leia mais

Tutorial microsoft Excel

Tutorial microsoft Excel Tutorial microsoft Excel GET da Engenharia Computacional Curso de Mídias Digitais mai 17, 2011 Vamos construir a seguinte tabela Salte uma linha e uma coluna logo apos na coluna B insira os dados da figura

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

SIFEM - CURSO BÁSICO DE EXCEL

SIFEM - CURSO BÁSICO DE EXCEL SIFEM - CURSO BÁSICO DE EXCEL Leonardo Ramos de Oliveira Analista de Sistemas Nesta lição vamos apresentar os conceitos de colunas, linhas,células e célula ativa em uma planilha do Excel. LINHA, COLUNA

Leia mais

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização Capítulo 2 Laboratório 2.1 Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização tel (41) 430457810 ou (41) 4063-7810 - info@dltec.com.br - www.dltec.com.br INDICE 1 Objetivo do Laboratório...

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL LEVANTAMENTOS QUANTITATIVOS EM PLANTAS LIGANDO O EXCEL AO AUTOCAD Para que possamos estudar os custos em uma construção, além de estarmos municiados com um bom

Leia mais

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 - Abrindo o Winplot Para abrir o Winplot.exe clique duas vezes no ícone. Abrirá a caixa: Clique (uma vez) no botão. Surgirá uma coluna: Clique no

Leia mais

Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual

Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual Leonardo de Carvalho Vidal leonardo.carvalho.vidal@hotmail.com AEDB, UBM, UNIFEI Tiago Martins de Oliveira

Leia mais

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Hector Bessa Silveira e Daniel Coutinho 2012/2 1 Objetivos Neste próximos laboratórios, utilizar-se-á

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

SCILAB. Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de:

SCILAB. Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de: SCILAB Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de: Controle e processamento de sinais Automação industrial Computação gráfica Matemática Física Entre outras.

Leia mais

Engenharia de Controle

Engenharia de Controle Engenharia de Controle Prof. Fernando de Oliveira Souza Contato: Sala 2523 (BLOCO 1) e-mail: fosouza@cpdee.ufmg.br www.cpdee.ufmg.br/ fosouza Terças-feiras (20h55 às 22h35) e Sextas-feiras (19h00 às 20h40)

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno cassiano@ieee.org 1 Objetivos da aula Projeto de um controlador PID para o controle da tensão de saída de um inversor

Leia mais

Curso de Introdução ao SIMULINK

Curso de Introdução ao SIMULINK 4.3 - Modelando Sistemas Não Lineares O SIMULINK fornece uma variedade de blocos para a modelagem de sistemas não lineares. Esses blocos estão na biblioteca Nonlinear. O comportamento destes blocos não

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

3. No painel da direita, dê um clique com o botão direito do mouse em qualquer espaço livre (área em branco).

3. No painel da direita, dê um clique com o botão direito do mouse em qualquer espaço livre (área em branco). Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 2 Criando e compartilhando uma pasta - Prática Autor: Júlio Battisti - Site: www.juliobattisti.com.br Neste tópico vamos criar e compartilhar uma pasta chamada

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Objetivo do Sistema. Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual

Objetivo do Sistema. Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual Índice Objetivo do Sistema Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual Módulo Básico Instalando o PDV Abertura e tela de Senha Seleções / Tecla de Funções Ajuda Usando o sistema como ferramenta

Leia mais

4.6. Nós do Diagrama de Bloco

4.6. Nós do Diagrama de Bloco 30 Obs: A constante tem o mesmo valor contido no controle ou indicador do painel frontal. 4.6. Nós do Diagrama de Bloco Nós são objetos do diagrama de bloco que têm entrada e/ou saídas e executam operações

Leia mais

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS T utorial por David Oilveira Figuras 1A e 1B Animation Master Parte 2 Modelando Personagens Orgânicos no AM Figura 2 MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS Um dos pontos diferenciais do Animation

Leia mais

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana Projeto Novos Talentos Edital CAPES 55/12 Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA Professor Responsável: Ivan José Coser

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

Tutorial de animação

Tutorial de animação Tutorial de animação Uma animação nada mais é que uma sequência de imagens estáticas que, quando mostradas rapidamente, dão a ilusão de movimento. Selecionamos um conjunto de dicas para você, professor(a),

Leia mais

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop.

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Inicialize o 3D Studio VIZ. Faça duplo clique no ícone de 3D Studio VIZ Abre-se a janela da figura seguinte. Esta

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel Introdução ao Excel Esta introdução visa apresentar apenas os elementos básicos do Microsoft Excel para que você possa refazer os exemplos dados em aula e fazer os projetos computacionais solicitados ao

Leia mais

Circuitos Osciladores

Circuitos Osciladores Circuitos Osciladores Em virtude da realimentação do sinal, a estabilidade do circuito deve ser analisada pois quando a freqüência aumenta, o deslocamento de fase varia e como parte deste sinal é adicionado

Leia mais

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA.

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Aulas anteriores Tipos de Sinais (degrau, rampa, exponencial, contínuos, discretos) Transformadas de Fourier e suas

Leia mais

MANUAL ZEDIT 32 Índice:

MANUAL ZEDIT 32 Índice: MANUAL ZEDIT 32 Índice: Configuração Painel -------------------------------------------------------------------- 02 à 04 Criar Novo modelo Painel -------------------------------------------------------------

Leia mais

Criando e usando Gráficos

Criando e usando Gráficos DANDO A LARGADA Criando e usando Gráficos Mathcad torna fácil para você criar um gráfico de x-y de uma expressão. Para isto, digite uma expressão que depende de uma variável, por exemplo, sin(x), e então

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

MATERIAL DE APRESENTAÇÃO DO SCRATCH

MATERIAL DE APRESENTAÇÃO DO SCRATCH MATERIAL DE APRESENTAÇÃO DO SCRATCH 1 Scratch é uma nova linguagem de programação que permite a criação de histórias, animações, jogos e outras produções. Tudo pode ser feito a partir de comandos prontos

Leia mais