O PROCESSO DE PODER, DO CORPO E DA RACIONALIDADE: ENTRE KAFKA E FOUCAULT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE PODER, DO CORPO E DA RACIONALIDADE: ENTRE KAFKA E FOUCAULT"

Transcrição

1 DOI: /4cih.pphuem.663 O PROCESSO DE PODER, DO CORPO E DA RACIONALIDADE: ENTRE KAFKA E FOUCAULT Isabelle da Silva de SOUZA (G Ms. Marcio Luiz CARRERI (Orientador UENP); A História tradicional, predominante até início do século XX, não permitia o diálogo da História com outras disciplinas. Nesta fase prevalecia uma história descritiva, factual, na qual o historiador apenas narrava os fatos, sem questioná-los. Tal condição modifica-se a partir do advento da Escola francesa dos Annales, no fim dos anos 1920, momento em que se amplia o diálogo com outras disciplinas, a interdisciplinaridade, juntamente com a concepção de documento. A história faz-se com documentos escritos, sem dúvida. [...] Mas pode fazer-se, deve fazer-se sem documentos escritos se estes não existirem. Com tudo o que a engenhosidade do historiador pode lhe permitir usar para fabricar seu mel. [...] Paisagens, telhas. Formas de campos e de ervas daninhas. Eclipses lunares e cabrestos [...]. Toda uma parte e sem dúvida a mais apaixonante de nosso trabalho de historiador não consiste num esforço constante para fazer falar as coisas mudas e fazê-las dizer o que não dizem por si sós sobre os homens? (FEBVRE. Apud. TÉTART, 2000, p ). Partindo de tal referencial, optamos por relacionar duas disciplinas, a História e a Literatura, objetivando um dialogo entre esses diferentes campos do saber, interpretados também a partir da filosofia. Para isso, utilizamos especificamente a obra literária O Processo 1, de Franz Kafka, analisada a partir do pensamento de Michel Foucault nas obras Os Anormais, Vigiar e Punir e a Microfísica do Poder. Outra referência utilizada é o livro Kafka, Foucault: sem medos 2, que realiza algumas aproximações dos autores sob certas perspectivas. Em geral, buscaremos articular os autores de forma a entender as noções de poder, corpo e racionalidade. O PODER O CORPO Kafka pode ser considerado um autor racional e irônico, que utiliza em suas obras uma linguagem realista, dura e seca. Uma das mais fortes características de sua escrita é o

2 4542 rompimento dos comportamentos pré-estabelecidos e a imprevisibilidade. Suas obras apontam para vários caminhos, mas jamais sugerem um final. Surge, a partir disso, o kafkiano, que apresenta excessos de racionalidade e verdades construídas a partir de sonhos. Essas características da produção de Kafka foram determinantes para a definição de seus leitores, visto que sua escrita era direcionada ao leitor insubmisso, revolucionário. Do pensamento de Michel Foucault, entre os enunciados que já apresentamos, é possível extrair uma série de compreensões e interpretações do que foi escrito por Kafka. Um exemplo disso é a questão do medo, na qual Foucault se debruçou. As personagens kafkianas e o medo nelas presente podem ser vistas, por meio de Foucault, como aquelas que não temem a lei, afinal esta não é clara, na verdade temem e desejam ao mesmo tempo o poder. Isso pode ser observado nas personagens de Kafka a partir de movimentos do corpo, gestos de cabeça, olhar ou não nos olhos. (...) tem de se moderar em suas manifestações, pois quase tudo quanto acaba de dizer podia tê-lo expressado com algumas palavras, e podíamos tê-lo entendido pela sua atitude; tudo isso não fala muito em seu favor. (Kafka: 2007, p. 48) É possível perceber, assim, que esses autores talvez tenham quebrado a visão tradicional sobre a relação violenta entre Estado e Sociedade. Mostram que a disciplinarização dos corpos se dá de outras maneiras, além do tradicional castigo. Desapareceu o corpo como alvo principal da repressão penal (FOUCAULT, 2007, p. 12). Por outro lado, houve uma mudança na perspectiva de castigo. Agora ocorre o aprisionamento, o assujeitamento do indivíduo, que Foucault aborda principalmente em Vigiar e Punir. Trabalha com a perspectiva de que tal normalização é causada pelo poder, conduzindo as pessoas ao espírito de rebanho [...] visa privar o individuo de sua liberdade considerada ao mesmo tempo como um direto e como um bem. Segundo essa penalidade, o corpo é colocado num sistema de coação e de privação, de obrigações e de interdições (FOUCAULT, 2007, p. 14). Foucault também trabalha com a noção de prisão interior na qual o homem não se permite mudar por pensar que, agindo assim, estaria sendo incoerente consigo mesmo. Essa idéia é notada na obra A Metamorfose, de Kafka, na personagem Gregor, um indivíduo conformado, que morreu aprisionado na sua prisão particular, sem disso se dar conta. A partir de suas obras, portanto, é possível notar que Kafka vê o mundo futuro como um mundo de submissos aos poderes. Esse aspecto também é abordado no livro Admirável Mundo Novo 3, de Huxley, quando diz: Decantamos nossos bebês sob a forma de seres vivos socializados (...) (1994, p. 17). Percebe-se não mais a liberdade, mas pessoas

3 4543 como meras criações científicas que seguem um comportamento pré-estabelecido. Outra parte que comprova essa idéia é quando afirma: nós não precisamos de inteligência humana (HUXLEY, 1994, p. 18) [...] o segredo da felicidade e da virtude: amar o que se é obrigado a fazer. Tal é a finalidade de todo o condicionamento: fazer as pessoas amarem o destino social a que não podem escapar. (HUXLEY, 1994, p. 19). A RACIONALIDADE O termo kafkiano é utilizado para referir-se aos excessos de racionalidades utilizados na literatura de Kafka, como já foi mencionado anteriormente. Isso, porém, não nos permite tratá-lo como um racionalista. Visto que tais excessos são baseados em sonhos e pesadelos, são construções de realidades a partir desses aspectos, dos quais jamais se espera o previsível. Rompe-se assim com o que pretende ser global, ao se desviar da rota, do comportamento pré-estabelecido: A cerimônia dos suplícios puros não é mais irracional em si do que o aprisionamento em uma cela; mas ela é irracional em relação a um tipo de prática penal que faz parecer uma nova maneira de alcançar, através da pena, determinados efeitos, de calcular sua utilidade [...] Digamos que não se trata de julgar as práticas com a régua de uma racionalidade que permitiria apreciá-las como formas mais ou menos perfeitas de racionalidade; mas, antes, de ver como as formas de racionalização se inscrevem nas práticas ou nos sistemas de práticas, e que papel desempenham nelas. Porque, certamente, não há práticas sem um determinado regime de racionalidade (FOUCAULT, 1994, p. 26) A partir desta citação podemos notar que, para Foucault, a razão funciona como uma técnica que objetiva conduzir a um final, organizando o modo de fazer ou agir. Tais práticas tornaram-se objeto de estudo de Foucault por influenciarem principalmente no âmbito poder e no discurso. Foucault aproxima-se de Kafka quanto ao racionalismo, chegando a ser chamado algumas vezes de pensador kafkiano, como é citado na obra Kafka, Foucault: sem medos, pois construiu uma leitura da História na qual restou pouco espaço para o sujeito, rompendo, assim, com o obvio, aquilo que já era traçado e determinado. Por outro lado Foucault também se próxima de Kafka por gostar das personagens e dos temas bizarros. É possível ate mencionar que Foucault pode ter apreendido essa questão da prática com Kafka, porque este modificou as práticas que ate então eram fixas.

4 4544 Isso pode ser relacionado ao tempo, visto que ambos romperam com a linearidade e a idéia de tempo contínuo. Essa abordagem essa que é trabalhada na obra Os Anormais, de Michel Foucault, quando este afirma ser o descontínuo que ilumina a continuidade. Rompese assim com o linear, demonstrando que fato histórico inicia-se a partir de um momento raro, de um acontecimento e não mais na plenitude da razão. Tais pressupostos são observados também na obra O Processo, quando a personagem é simplesmente surpreendida em seu quarto. É a partir desse episódio que se desenrola o enredo. No decorrer da narrativa nota-se, também, que há um falta de preocupação com o futuro. K. sempre manifestara inclinação para encarar todas as coisas com a maior ligeireza possível, em acreditar no pior somente quando o pior se apresentava, a não nutrir grandes cuidados pelo futuro mesmo quando tudo tivesse um aspecto ameaçador. (KAFKA, 2007, p. 42) Pretendemos, em um estágio posterior de desenvolvimento da pesquisa, o entendimento, de questões fundamentais como o Estado, a burocracia, as relações de poder inerentes a elas, na linguagem literária e filosófica, especificamente de Kafka e Foucault, aproximando tais conversas ao âmbito da História. Notas 1 O Processo, de Franz Kafka retrata os acontecimentos vividos por Josef K., um funcionário de um banco, que na manhã em que completou trinta anos de idade foi surpreendido por dois policiais, os quais sem nenhum motivo lhe dão ordem de prisão. No começo o personagem acreditava não passar de um engano, mas no decorrer da narrativa percebe que está submetido a um processo real e passa a buscar o verdadeiro motivo disso. 2 Kafka, Foucault: sem medos: obra elaborada a partir de um evento com o mesmo título que teve por objetivo problematizar questões da vida cotidiana, realizado pelo núcleo da Sociabilidade Libertária do pós em ciências sociais. 3 Em Admirável Mundo Novo, Aldous descreve uma sociedade perfeita que era dominada por um único governante, onde o estado distribuía uma droga chamada SOMA para os cidadãos, e todos tinham uma vida muito calma, sem estresse e que ajudava na disciplina de todos os habitantes.

5 4545 Referências Bibliográficas FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos, volume IV. Paris: Gallimard, FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 34. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, JANOUCH, Gustav. Conversas com Kafka. Tradução de Celina Luz. Osasco, SP: Novo Século Editora, KAFKA, Franz. O Processo. Tradução e prefácio de Torrieri Guimarães. São Paulo: Editora Martin Claret, PASSETI, Edson (org). Kafka, Foucault: sem medos. Cotia, SP: Ateliê Editorial, TÉTART, Philippe. Pequena História dos historiadores. Tradução de Maria Leonor Loureiro. Bauru, SP: EDUSC, 2000.

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia do Direito Código: DIR-210 CH Total: 60 h Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2016.2 Turma:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Autora: Alcione Pereira da Silva Universidade Federal do Maranhão Alcione.1980@hotmail.com.br Co-autora: Aldaene Ferreira Silva Universidade Federal

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 CH Total: 60 h Pré-requisito: - Período Letivo: 2016.1 Turma: 2º semestre Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino,

Leia mais

O presídio Feminino Júlia Maranhão como espaço de atuação do Projeto Ressocialização Feminina, Cidadania e Direitos Humanos

O presídio Feminino Júlia Maranhão como espaço de atuação do Projeto Ressocialização Feminina, Cidadania e Direitos Humanos O presídio Feminino Júlia Maranhão como espaço de atuação do Projeto Ressocialização Feminina, Cidadania e Direitos Humanos BEZERRA 1, Leonardo P. BRAGA 2, Rafaelle ORIENTADOR: Prof. Gustavo Barbosa de

Leia mais

Sinopse e/ou Argumento

Sinopse e/ou Argumento Sinopse e/ou Argumento Uma vez que o conflito matriz se apresenta na story line, o segundo passo é conseguir personagens para viver uma história, que não é senão o conflito matriz desenvolvido. Sinopse

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS. Discriminação Racial e as Penas Alternativas

PENAS ALTERNATIVAS. Discriminação Racial e as Penas Alternativas PENAS ALTERNATIVAS Clyverson da Silva Souza (Bolsista CNPq¹). clyverson.cba@gmail.com; Profº Ms. Isael José Santana (Orientador²). isaelsantana@uems.br Discriminação Racial e as Penas Alternativas RESUMO

Leia mais

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Didática e Formação de Professores: provocações Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Vivemos tensões nas propostas e concretizações da formação inicial de professores, com padrões culturais formativos

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 A Redação Quando se fala em redação, em geral se associa a uma composição literária ou a uma dissertação de tese. No primeiro caso, relaciona-se a um trabalho fantasioso;

Leia mais

Anarquismos agora. atualidade, em seus desdobramentos, e na sua forma de se pensar a liberdade, e a

Anarquismos agora. atualidade, em seus desdobramentos, e na sua forma de se pensar a liberdade, e a Anarquismos agora Mauricio Freitas 1 Edson Passetti e Acácio Augusto Anarquismos & Educação Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008. 127p. Um pequeno-grande livro, lançado no segundo semestre de 2008,

Leia mais

A LEI DE EXECUÇÃO PENAL Nº E A EDUCAÇÃO NAS UNIDADES PRISIONAIS: QUAIS DISPOSITIVOS?

A LEI DE EXECUÇÃO PENAL Nº E A EDUCAÇÃO NAS UNIDADES PRISIONAIS: QUAIS DISPOSITIVOS? A LEI DE EXECUÇÃO PENAL Nº 7.210 E A EDUCAÇÃO NAS UNIDADES PRISIONAIS: QUAIS DISPOSITIVOS? Dimas de Lima Santos dimasfilos@gmail.com Ana Karla Loureiro da Silva anakarlaloureiro@hotmail.com Maria da Conceição

Leia mais

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR )

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. RUBENS Todo RAMIRO exemplo JR (TODOS citado

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta matéria é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

Índice. 1. Práticas de Administração Gestão Escolar Administração, Gestão, Direção: Resgatando Alguns Conceitos Introdução...

Índice. 1. Práticas de Administração Gestão Escolar Administração, Gestão, Direção: Resgatando Alguns Conceitos Introdução... GRUPO 6.4 MÓDULO 1 Índice 1. Práticas de Administração Gestão Escolar...3 1.1. Introdução... 3 2. Administração, Gestão, Direção: Resgatando Alguns Conceitos...3 2 1. PRÁTICAS DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESCOLAR

Leia mais

ENSINO RELIGIOSO - 9º ANO

ENSINO RELIGIOSO - 9º ANO CONTEÚDOS ENSINO RELIGIOSO - 9º ANO Coleção Interativa UNIDADE 1 Preparo para o céu 1 - Rota errada A seriedade do pecado Características do pecado Solução 2- Giro de 180 graus Sentimento de culpa Verdadeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES

AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES Paulo Ricardo Soares Pereira (UFCG) pauloricardo_sp_@hotmail.com Monaliza Mikaela Carneiro Silva (UFCG) mikaelamona@hotmail.com Orientadora: Profª. Drª. Márcia Candeia Rodrigues (UFCG)

Leia mais

Nome completo: CRISTINA ELIZABETH VALERO Matrícula: Nome do projeto de pesquisa ao qual o aluno inscrito está vinculado:

Nome completo: CRISTINA ELIZABETH VALERO Matrícula: Nome do projeto de pesquisa ao qual o aluno inscrito está vinculado: Identificação do discente: Nome completo: CRISTINA ELIZABETH VALERO Matrícula: 64959-0 Curso: DIREITO Identificação do professor-orientador: Nome completo: JOSE LUIS SOLAZZ Curso: Nome do projeto de pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Ao longo deste ano, fizeram-me muitas perguntas sobre temas variados relacionados com a sexualidade, perguntas essas feitas em diferentes contextos,

Ao longo deste ano, fizeram-me muitas perguntas sobre temas variados relacionados com a sexualidade, perguntas essas feitas em diferentes contextos, INTRODUÇÃO Falemos de Sexo sem Tabus, de uma forma simples, directa e de fácil compreensão, a todos os portugueses, homens e mulheres, curiosos e interessados em melhorar a sua sexualidade. Falar sobre

Leia mais

Conteúdos e Didática de História

Conteúdos e Didática de História Conteúdos e Didática de História Professora autora: Teresa Malatian Departamento de História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP / Franca. Bloco 2 Disciplina 21 Didática dos Conteúdos Conteúdos

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

Diários de Pesquisa Visual - dispositivos para pensar a formação inicial em artes visuais

Diários de Pesquisa Visual - dispositivos para pensar a formação inicial em artes visuais Diários de Pesquisa Visual - dispositivos para pensar a formação inicial em artes visuais Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado Universidade Federal de Santa Maria Thais Raquel da Silva Paz Orientadora:

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

MICHEL FOUCAULT, GILLES DELEUZE E A EDUCAÇÃO

MICHEL FOUCAULT, GILLES DELEUZE E A EDUCAÇÃO MICHEL FOUCAULT, GILLES DELEUZE E A EDUCAÇÃO Silvano Fidelis de Lira - UFPB João Batista Gonçalves Bueno - UEPB/UFPB Aprender é, de inicio, considerar uma matéia, um objeto, um ser, como se emitissem signos

Leia mais

ENCONTRO DE SECRETÁRIAS A CONSCIÊNCIA COMO PONTO DE PARTIDA PARA O DESENVOLVIMENTO 26/09/2009

ENCONTRO DE SECRETÁRIAS A CONSCIÊNCIA COMO PONTO DE PARTIDA PARA O DESENVOLVIMENTO 26/09/2009 ENCONTRO DE SECRETÁRIAS UNIMED JOÃO MONLEVADE A CONSCIÊNCIA COMO PONTO DE PARTIDA PARA O DESENVOLVIMENTO 26/09/2009 OS SETE PECADOS CAPITAIS DE UMA SECRETÁRIA A vida racional é o que distingue os homens

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CIS211 Sociologia Contemporânea II

Programa Analítico de Disciplina CIS211 Sociologia Contemporânea II 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Ciências Sociais - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

6. Conclusão. Contingência da Linguagem em Richard Rorty, seção 1.2).

6. Conclusão. Contingência da Linguagem em Richard Rorty, seção 1.2). 6. Conclusão A escolha de tratar neste trabalho da concepção de Rorty sobre a contingência está relacionada ao fato de que o tema perpassa importantes questões da reflexão filosófica, e nos permite termos

Leia mais

a cobronça, a princesa e a supresa

a cobronça, a princesa e a supresa projeto pedagógico a cobronça, a princesa e a supresa Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar (11) 3874-0884 divulga@melhoramentos.com.br Fê ilustrações e Celso Linck www.editoramelhoramentos.com.br

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em História Disciplina Professor Responsável Carga Horária Dia/Horário Proposta:

Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em História Disciplina Professor Responsável Carga Horária Dia/Horário Proposta: Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em História Disciplina: Foucault e a História: Diálogos possíveis!? Professor Responsável: William Vaz de Oliveira willianvaz@yahoo.com.br Carga Horária:

Leia mais

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia.

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia. Platão era filho da aristocracia ateniense. Foi discípulo de Sócrates. Sua obra reflete o momento caótico pelo qual passou Atenas no decorrer de sua vida A crise da sociedade ateniense está ligada à guerra

Leia mais

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna OSHO - INTUIÇÃO EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna Maestri 2016/1 O LIVRO três partes

Leia mais

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:.

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:. ARBLS PITAGORAS Nº 28 Fundação : 21 de Abril de 1965 Rua Júlio Cesar Ribeiro, 490 CEP 86001-970 LONDRINA PR JOSE MARIO TOMAL TRABALHO PARA O PERÍODO DE INSTRUÇÃO RENE DESCARTES LONDRINA 2015 JOSE MARIO

Leia mais

Os corpos dóceis e a sociedade disciplinar... PROFESSOR UILSON FERNANDES

Os corpos dóceis e a sociedade disciplinar... PROFESSOR UILSON FERNANDES Os corpos dóceis e a sociedade disciplinar... PROFESSOR UILSON FERNANDES Introdução Michel Foucault O pensador Michel Foucault se dedicou a estudar como foi se desenvolvendo os mecanismos de controle social

Leia mais

Fonte: José Cláudio Gomes

Fonte: José Cláudio Gomes Fonte: José Cláudio Gomes DO TODO À PARTE O professor, arquiteto e urbanista José Cláudio Gomes formou-se, em 1953, com a primeira turma da FAUUSP. Influenciou a formação de centenas de alunos que, entusiasmados,

Leia mais

MULHER E MÍDIA: UMA ANÁLISE FEMINISTA DO JORNAL NEWS SELLER WOMAN AND MEDIA: A FEMINIST ANALYSIS OF THE NEWSPAPER NEWS SELLER

MULHER E MÍDIA: UMA ANÁLISE FEMINISTA DO JORNAL NEWS SELLER WOMAN AND MEDIA: A FEMINIST ANALYSIS OF THE NEWSPAPER NEWS SELLER Comunicação: Mulher e mídia: uma análise feminista do jornal News Seller MULHER E MÍDIA: UMA ANÁLISE FEMINISTA DO JORNAL NEWS SELLER WOMAN AND MEDIA: A FEMINIST ANALYSIS OF THE NEWSPAPER NEWS SELLER Clara

Leia mais

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014 A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BARROSO, Poliana Polinabarroso@saocamilo-es.br BICALHO, Alessandro Erick alessandrobicalho@saocamilo-es.br

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

Data de registro: 30/03/2009 Data de aceite: 07/05/2009

Data de registro: 30/03/2009 Data de aceite: 07/05/2009 KIERKEGAARD, Sören. O Desespero Humano (Doença até a morte). Trad. Adolfo Casais Monteiro. P. 187 a 279 da coleção Os Pensadores. Rio de Janeiro: Abril Cultural, 1988. No Prefácio de O Desespero Humano

Leia mais

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES Anderson Menezes da Silva Willame Santos de Sales Orientadora: Dra. Maria da Penha Casado Alves Departamento de Letras UFRN RESUMO A charge é um gênero recorrente nos

Leia mais

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Caroline Martins de Sousa Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

O PODER DA POLÍTCA. CAPÍTULO 1- Filosofia 8º ano

O PODER DA POLÍTCA. CAPÍTULO 1- Filosofia 8º ano O PODER DA POLÍTCA CAPÍTULO 1- Filosofia 8º ano Você já precisou fazer algo por determinação de alguém? Ler p.3 General do exército tem poder sobre os soldados... 1. Poderes Superpoderes capacidade de

Leia mais

A EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO APENADO

A EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO APENADO A EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO APENADO Selson Garutti 1 ; Rita de Cássia da Silva Oliveira 2. RESUMO: Este trabalho apresenta um estudo qualiquantitativo exploratório que tem por objetivo

Leia mais

Abordagem fria. Por que fazer abordagem fria? Onde fazer abordagem fria?

Abordagem fria. Por que fazer abordagem fria? Onde fazer abordagem fria? ABORDAGEM O que significa? R: Abordagem é o termo utilizado para caracterizar um tipo de aproximação, seja entre pessoas ou coisas. Normalmente, a abordagem é o modo como determinada pessoa se aproxima

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais

Vestibular ª Fase REDAÇÃO. Aguarde a autorização para abrir o caderno e iniciar a prova

Vestibular ª Fase REDAÇÃO. Aguarde a autorização para abrir o caderno e iniciar a prova Vestibular 2010 1ª Fase REDAÇÃO Instruções Gerais: Aguarde a autorização para abrir o caderno e iniciar a prova No dia de hoje (01/11), você deverá elaborar uma Redação e responder às questões de Língua

Leia mais

Condições de relacionar as duas situações: equações lineares e sistemas de equações lineares; A compreensão de conceitos de matrizes e determinantes.

Condições de relacionar as duas situações: equações lineares e sistemas de equações lineares; A compreensão de conceitos de matrizes e determinantes. GUIA DO PROFESSOR DO MÓDULO 6 TÍTULO DO OA: ESCALONADOR CATEGORIA: MATEMÁTICA SUB-CATEGORIA: ESCALONAMENTO DE MATRIZES PARA RESOLUÇÃO DE SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES PÚBLICO ALVO: ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

ANÁLISE HISTÓRICA DOS CONTEÚDOS EXISTENTES NO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS

ANÁLISE HISTÓRICA DOS CONTEÚDOS EXISTENTES NO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS ANÁLISE HISTÓRICA DOS CONTEÚDOS EXISTENTES NO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS Autor(es): Ewerton Jefferson Barbosa Ferreira Layrla Gabriele Santos de Sousa Luciano Feitosa do Nascimento Rhuan Rommell Bezerra

Leia mais

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO Aulas 21 à 24 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO Maioritariamente escrito em prosa, o texto narrativo é caracterizado por narrar uma história, ou seja, contar uma história através de uma sequência de

Leia mais

Pergaminho dos Sonhos

Pergaminho dos Sonhos Pergaminho dos Sonhos Michel R.S. Era uma vez um poeta... Um jovem poeta que aprendera a amar e deixar de amar. E de uma forma tão simples, assim como o bem e o mal, O amor tornou-se o objetivo de suas

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

Guião de Visionamento do vídeo: Sisyphus - the real struggle

Guião de Visionamento do vídeo: Sisyphus - the real struggle Documento 1 Guião de Visionamento do vídeo: Sisyphus - the real struggle Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=lrj-rsxvvua Duração: 3 minutos e 59 segundos Questões: 1. Partindo do Mito de Sísifo, esclarece

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ENSINO DA HISTÓRIA E DA GEOGRAFIA. A Geografia Levada a Sério

INTRODUÇÃO AO ENSINO DA HISTÓRIA E DA GEOGRAFIA.  A Geografia Levada a Sério INTRODUÇÃO AO ENSINO DA HISTÓRIA E DA GEOGRAFIA 1 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou sua construção. Paulo Freire 2 O Último Pau de arara

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM: NO ENSINO DE HISTÓRIA

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM: NO ENSINO DE HISTÓRIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM: NO ENSINO DE HISTÓRIA Renan de Oliveira Silva Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) rennanoliver8@gmail.com Magna Flora de Melo de Almeida

Leia mais

MBA EM CONTROLADORIA PÓS-GRADUAÇÃO DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM CONTROLADORIA PÓS-GRADUAÇÃO DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM CONTROLADORIA PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Negociação e Marketing Empresarial Gestão Estratégica Empresarial Planejamento Estratégico Orçamentário e Gestão do Fluxo de Caixa Autor:

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor No diálogo Fédon, escrito por Platão, seu personagem Sócrates afirma que a dedicação à Filosofia implica que a alma

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Prof Bruno Tamancoldi META DA AULA Apresentar conceitos sobre o Conhecimento, partindo da Filosofia, distinguindo Ciência e senso comum. OBJETIVOS conceituar lógica e raciocínio;

Leia mais

Atividade externa Resenha. MÁTTAR NETO, João Augusto. Metodologia científica na era da informática. São Paulo: Saraiva, p.

Atividade externa Resenha. MÁTTAR NETO, João Augusto. Metodologia científica na era da informática. São Paulo: Saraiva, p. 1 Universidade de São Paulo ECA Depto. de Biblioteconomia e Documentação Disciplina: CBD0100 - Orientação à Pesquisa Bibliográfica Matutino Responsável: Profa. Dra. Brasilina Passarelli Aluna: Rita de

Leia mais

IDEOLOGIA: ENSINO DE FILOSOFIA E DIFICULDADES DO PENSAMENTO ANTI-IDEOLÓGICO NA ESCOLA INTRODUÇÃO

IDEOLOGIA: ENSINO DE FILOSOFIA E DIFICULDADES DO PENSAMENTO ANTI-IDEOLÓGICO NA ESCOLA INTRODUÇÃO IDEOLOGIA: ENSINO DE FILOSOFIA E DIFICULDADES DO PENSAMENTO ANTI-IDEOLÓGICO NA ESCOLA Caio Felipe Varela Martins 1 Universidade Estadual de Paraíba (UEPB) INTRODUÇÃO O seguinte texto aborda as dificuldades

Leia mais

senhor texugo e dona raposa a confusão

senhor texugo e dona raposa a confusão projeto pedagógico senhor texugo e dona raposa a confusão Uma História em Quadrinhos Senhor Texugo e Dona Raposa 2. A CONFUSÃO Série Premiada Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar

Leia mais

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA Gabriel Pereira Paes Neto LEPEL-UFPA/SEDUC-PA gabrieledfisica@hotmail.com Ney Ferreira França LEPEL-UFPA/SEDUC-PA

Leia mais

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS Professor Marlos Pires Gonçalves 1 TEORIA DA COMUNICAÇÃO Toda mensagem tem uma finalidade: ela pode servir para transmitir um conteúdo intelectual, exprimir (ou ocultar)

Leia mais

A filosofia de Espinosa

A filosofia de Espinosa A filosofia de Espinosa Para tratar de qualquer âmbito da filosofia de Espinosa, é necessário de antemão compreender a imagem de Deus feita pelo filósofo, bem como a importância d Ele para sua filosofia.

Leia mais

A sociedade disciplinar em Foucault. Professor Guilherme Paiva

A sociedade disciplinar em Foucault. Professor Guilherme Paiva A sociedade disciplinar em Foucault Professor Guilherme Paiva Reflexão metodológica A Verdade Jurídicas: e as Formas conferência proferida no Rio de Janeiro, em 1973. Pesquisa histórica sobre a formação

Leia mais

Laranja Mecânica e a pós-modernidade. Luciana Penas da Silva

Laranja Mecânica e a pós-modernidade. Luciana Penas da Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES Laranja Mecânica e a pós-modernidade Luciana Penas da Silva 6806034 Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de Estados e formas da cultura

Leia mais

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA RACHEL DUARTE ABDALA - UNITAU A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a metodologia atribuída e empregada

Leia mais

Filosofia. IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA

Filosofia. IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA Filosofia IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA 1.2 Teorias Explicativas do Conhecimento René Descartes

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 Danielle Thais Vital Gonçalves (UEM-CRV) RESUMO: O presente artigo apresenta resultados

Leia mais

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB CURSO DE TECNOLOGIA Metodologia Científica A Atitude Científica As Concepções de Ciência A Ciência na História Classificações de Ciência Tipos de Conhecimentos

Leia mais

A LITERATURA E OS BEBÊS: PROJETO NO CAMINHO DE CASA

A LITERATURA E OS BEBÊS: PROJETO NO CAMINHO DE CASA A LITERATURA E OS BEBÊS: PROJETO NO CAMINHO DE CASA RESUMO Laiana Rosendo Oliveira Universidade Federal da Paraíba laianarosendo@gmail.com A literatura apresentada no ambiente escolar apenas terá continuidade

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

APRENDENDO E ENSINANDO NO ESTAGIO SUPERVISIONADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

APRENDENDO E ENSINANDO NO ESTAGIO SUPERVISIONADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA APRENDENDO E ENSINANDO NO ESTAGIO SUPERVISIONADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Antonia Rayara Pereira Lemos;¹* Neidimar Lopes Matias de Paula¹ 1. Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará-IFCE.

Leia mais

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito;

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito; 1 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: II CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: FILOSOFIA JURÍDICA NOME DO CURSO: DIREITO 2 EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Filosofia, Direito

Leia mais

O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX

O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX PROJETO DE PESQUISA O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX Profª. Ms. Patrícia Chanely da Silva Ricarte Coordenadora Prof. Paulo Alberto da Silva Sales Colaborador Acadêmica:

Leia mais

ELOGIO DESCRITIVO: Uma alternativa à crítica.

ELOGIO DESCRITIVO: Uma alternativa à crítica. ELOGIO DESCRITIVO: Uma alternativa à crítica. Profª Gabriela Caldeira Aranha Apresentação da professora Pós-graduação: Relações Interpessoais e a Construção da Autonomia Moral. Unifran. Ética, valores

Leia mais

À minha Mãe e ao meu Pai, ao meu marido, Nuno e ao meu filho, Renato, com muito amor e carinho.

À minha Mãe e ao meu Pai, ao meu marido, Nuno e ao meu filho, Renato, com muito amor e carinho. À minha Mãe e ao meu Pai, ao meu marido, Nuno e ao meu filho, Renato, com muito amor e carinho. i Agradecimentos O trabalho de pesquisa e de escrita é um processo muito moroso e solitário. Obriga-nos a

Leia mais

CONHECIMENTO E PREFERÊNCIA DOS ALUNOS DO 9º ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA CIDADE DE MUZAMBINHO- MG EM RELAÇÃO AS MODALIDADES ESPORTIVAS.

CONHECIMENTO E PREFERÊNCIA DOS ALUNOS DO 9º ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA CIDADE DE MUZAMBINHO- MG EM RELAÇÃO AS MODALIDADES ESPORTIVAS. 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG CONHECIMENTO E PREFERÊNCIA DOS ALUNOS DO 9º ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA

Leia mais

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2005.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2005. SENNETT, Richard. A corrosão do caráter conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2005. Raphael Guilherme de Carvalho Richard Sennett (1943 ), nascido em Chicago,

Leia mais

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este Vivo num sonho que não é realidade Faz parte do meu viver Crescer sonhando esquecendo os planos Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este EU Hoje deixei pra lá me esqueci de tudo Vivo minha vida sobre

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

Anexo I. Roteiro- estudo do caso concreto: passo a passo

Anexo I. Roteiro- estudo do caso concreto: passo a passo Anexo I Roteiro- estudo do caso concreto: passo a passo Ao se provocar o judiciário por meio de uma Petição Inicial para que um conflito de interesses seja resolvido, pressupõe-se que haja uma relação

Leia mais

TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: ARTES VISUAIS

TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: ARTES VISUAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Isabel Rodrigues Diniz Graduanda em História pelo PARFOR da E-mail: eldinhasoares@hotmail.com José

Leia mais

Walter Benjamin: uma análise filosófica do cinema

Walter Benjamin: uma análise filosófica do cinema Walter Benjamin: uma análise filosófica do cinema Uma das principais tarefas da arte sempre foi criar um interesse que ainda não conseguiu satisfazer totalmente (Walter Benjamin, A obra de arte na época

Leia mais

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009 Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p. 187-191, jan./abr. 2009 RESENHA DE INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM: DISCURSO E TEXTUALIDADE [ORLANDI, E.P.; LAGAZZI- RODRIGUES, S. (ORGS.) CAMPINAS, SP:

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL 1 ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL Wellington de Lucena Moura Mestrando em Filosofia Universidade Federal da Paraíba O objetivo deste trabalho é o exame das críticas à filosofia

Leia mais

Kinesiologia. Na Kinesiologia vamos mais à frente, estudamos o funcionamento de cada músculo e a sua relação com o TODO.

Kinesiologia. Na Kinesiologia vamos mais à frente, estudamos o funcionamento de cada músculo e a sua relação com o TODO. 1 Índice 1. Kinesiologia. 2 2. Porquê fazer este workshop?...... 3 3. A quem se destina este mini workshop?... 4 4. Quer se aprofundar?... 5 5. Formador.... 5 6. Contato... 6 2 Kinesiologia Você conhece

Leia mais

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE Edmar Martins de Oliveira 1, Cleidson Reginaldo Ferreira Ribeiro 2, Renata de Melo Paulino 3, Divino Ordones 4. 1 Graduando no Curso de Licenciatura Plena

Leia mais

HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO

HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO Ítalo Alessandro Lemes Silva (Mestrando) italo.filosofia@gmail.com, Veralúcia Pinheiro (Orientadora) veraluciapinheiro27@gmail.com Universidade

Leia mais

Análise dos conceitos básicos de eletroquímica à luz da epistemologia de Bachelard. Santos, J. E 1 ; Silva, F. J. S 2

Análise dos conceitos básicos de eletroquímica à luz da epistemologia de Bachelard. Santos, J. E 1 ; Silva, F. J. S 2 Análise dos conceitos básicos de eletroquímica à luz da epistemologia de Bachelard Santos, J. E 1 ; Silva, F. J. S 2 1 UFCG CFP - UACEN Cajazeiras. E-mail: jestrela@cfp.ufcg.edu.br 2 Licenciatura em Química

Leia mais