Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva"

Transcrição

1 Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva Jeize de Fátima Batista 1 Devido a uma grande preocupação em relação ao fracasso escolar no que se refere ao desenvolvimento do gosto da leitura e à formação de sujeitos- leitores- críticos é que se despertou para um estudo, no qual se buscou analisar, nos relatórios de estágios dos alunos de Letras da URI (campus de Santo Ângelo), as atividades de leitura, para verificar até que ponto estas permitem uma produção singular do aluno ou se induzem a uma leitura pré-determinada. A análise parte do pressuposto de que a maioria das atividades de interpretação não permite que o aprendiz faça uma leitura crítica do texto, induzindo-o a uma leitura desejada. O estudo embasou-se nos pressupostos teóricos da Análise do Discurso de linha francesa. A análise do discurso, da chamada escola francesa, é uma teoria formulada por Michel Pêcheux, que surgiu na conjuntura dos anos de 1960, como reação a duas fortes tendências em destaque no campo da linguagem: o estruturalismo, inspirado no Curso de Linguística Geral de Saussure e a gramática gerativa transformacional, teoria de Noam Chomsky que se centravam somente nas regras que permitiam a operacionalização da língua, ou seja, na infra-estrutura da língua, como forma de normalizar o sujeito. Foi, então, contra esse cientificismo explícito que insurgiu a Análise do Discurso. Não era possível compactuar com um paradigma que desistoricizava o sujeito e tratava a língua como um órgão mental. Em relação aos saberes próprios dessa linha teórica temos algumas noções como: Sujeito e Ideologia O sujeito nada tem a ver com a noção idealista do sujeito em si, consciente e dono do seu dizer, mas sim, um sujeito do inconsciente, materialmente constituído pela linguagem e interpelado ideologicamente. A ideologia não é consciente, mas está presente em toda manifestação do sujeito. 1 Mestre em Letras e professora da URI- Campos de Santo Ângelo.

2 Sentido e Condições de Produção O sentido não existe em si, mas é determinado pelas posições ideológicas colocadas em jogo no processo sócio-histórico em que as palavras são produzidas. Em relação às condições de produção a análise do discurso considera como sendo a instância verbal da produção do discurso, ou seja, o contexto históricosocial, os interlocutores, o lugar de onde falam, a imagem que fazem de si, do outro e do referente. Texto, Discurso e Interpretação O texto é uma unidade de análise, um objeto empírico, inacabado, lugar em que ocorre o jogo de sentidos. O discurso, não é um conjunto de textos, é uma prática discursiva não individual, nem universal, mas particular, identificada como um domínio de saber. Apresenta determinações de natureza histórica, social, lingüística e ideológica. No trabalho discursivo há que se compreender dois movimentos correlacionados: o Interdiscurso que se inscreve no nível da constituição do discurso, na medida em que trabalha com a re-significação do sujeito, sobre o que já foi dito, o repetível. E o Intradiscurso, que a AD considera como sendo o fio do discurso de um sujeito, ou seja, o que eu digo agora, com relação ao que eu disse antes e ao que eu direi depois. A Interpretação está presente em toda e qualquer manifestação da linguagem. É importante considerar que interpretar não é decodificar signos, mas sim, expor-se à opacidade do texto, levando-se em consideração as condições de produção que se encontrar. Na perspectiva da AD considera-se que a leitura é produzida, considerando as condições de produção, ou seja, o contexto sócio-histórico e os interlocutores. Vê-se a leitura como processo de atribuição de sentidos, o leitor deve saber ler o que o texto diz e o que ele não diz, mas o constitui significativamente. A análise do discurso considera dois processos fundamentais no que se refere à questão da leitura que são os processos parafrásticos e os polissêmicos Orlandi caracteriza os processos parafrásticos como sendo aqueles pelos quais em todo dizer há sempre algo que se mantém. Quanto aos processos polissêmicos considera-se que há um deslocamento, uma ruptura de processo de significação.

3 Assim, com base nessa teoria, foi realizada a análise, que referiu-se, especificamente, as atividades propostas para leitura. Mediante marcas lingüísticas presentes nas atividades e reveladas através do funcionamento do intradiscurso, pôde-se chegar ao nível interdiscursivo, ou seja, as relações estabelecidas com o exterior constitutivo. Também, por meio das marcas lingüísticas, pôde-se apontar para a existência do direcionamento de uma leitura parafrástica e/ou polissêmica, em relação ao texto lido. E, por ser uma análise proposta no âmbito da análise do discurso, considerouse não somente os aspectos lingüísticos, mas também históricos, sociais e ideológicos. Resultados De maneira geral, observou-se o seguinte: 1º) em função da estrutura das atividades de leitura que, via de regra, seguem a mesma ordem: estudo do vocabulário, questões de compreensão e interpretação e, posteriormente questões gramaticais há uma homogeneização do comportamento dos alunos (todos devem reagir da mesma maneira, tendo em vista que a leitura deve ser a mesma); 2º) os alunos-estagiários parecem seguir o modelo de aula do livro didático, isto é, empregam as atividades considerando-as legitimadas, não as questionam, propagando, assim, a uniformização das reações dos alunos; 3º) não há, em grande parte, das atividades propostas, os motivos de tais atividades. Dessa forma, o aluno é totalmente excluído do processo; 4º) há perguntas de compreensão e de interpretação que focalizam apenas o conteúdo factual do texto impossibilitando uma real reflexão sobre o que é desenvolvido a reflexão, quando é proposta, de alguma forma, já é feita da interpretação do professorestagiário; 5º) há questões que não possibilitam uma outra interpretação. Suas ordens são categóricas, causando, como efeito de sentido, a convicção de que o conteúdo do texto é inquestionável, que o sentido é transparente, havendo, portanto, uma só leitura; 6º) o texto literário é banalizado e seu conteúdo deve ser compreendido em sua literalidade; Dessa forma, traça-se o percurso dos sentidos que os alunos devem disciplinarmente seguir. A concepção que norteia tais atividades, em sua grande maioria, é a de que o aluno deve ser guiado na leitura do texto. Sua tarefa é apenas a de resolver

4 as perguntas feitas dentro da ordem estabelecida, com vistas a alcançar a leitura correta. Os sentidos desviantes são bloqueados através dessas estratégias e o espaço de circulação de sentidos outros é fechado. Através disso, foi possível perceber certas medida (em maior e menor grau) entre a leitura mecanizada e controlada pelo professor e a leitura livre, de cunho pessoal, que dá espaço para o aluno interagir com o texto de acordo com sua realidade e vivências. Apesar desse movimento constatado, pôde-se verificar que o discurso pedagógico assume bem a sua forma autoritária, pois a medida de leitura que prevalece em maior grau, de acordo com a análise, é a direcionada e controlada pelo professor. A maioria das atividades compõe-se de cópias de fragmentos do texto, questões com alternativas para assinalar a resposta correta, ou ainda, questões ligadas ao pensamento do autor (àquilo que o autor quis dizer ). Assim, às questões nada têm de interpretação nem possibilitam a compreensão, pois induzem a uma resposta desejada pelo professor, não possibilitando ao aluno produzir novos significados. A leitura não é vista como produzida e o texto deixa de ser um objeto inacabado, lugar onde ocorre o jogo dos sentidos, para ser um depositário de informações transparente e linearmente postas. Em contrapartida, todos os professores, em algum momento da sua aula (mesmo sendo em menor grau), possibilitaram momentos para reflexão, através de questões de cunho pessoal, onde os alunos podiam relacionar as situações do texto as suas realidades e vivências, podendo a partir das suas condições de produção, constituir e dar sentido. Diante disso, pode-se concluir que, mesmo sendo professores em fase final de estágio, preparando-se para se formar, carregam consigo uma forte tendência a um discurso pedagógico autoritário e de poder, já que assumem, em maior grau, um posicionamento tradicional, em que o professor representa uma forte voz que comanda. Ou seja, é uma tradição herdada de produção de atividades didáticas dirigidas que buscam um saber organizado. Dessa maneira, mediante as atividades analisadas, confirma-se a hipótese inicial deste trabalho de que, a maioria das atividades de leitura, não permite que o aprendiz faça uma leitura própria do texto, induzindo-o a uma leitura pretendida, não dando espaço para o mesmo se posicionar enquanto sujeito-leitor-crítico.

5 É importante ressaltar, ainda, que a escolha dos textos pelos professores, no geral, caminha de acordo com a realidade dos alunos (se pensarmos em relação à idade em que se encontram). São temáticas bastantes ricas e que, se bem trabalhadas, poderiam suscitar grandes reflexões. Também, cabe considerar que é possível o professor propor atividades de interpretação, não se limitando a questões puramente lingüísticas ligadas a estrutura sintática do texto que não favoreçam a produção de sentidos e constituam os alunos em sujeitos leitores. Assim, para concluir, espera-se que este trabalho, de análise das propostas de leitura, permita uma reflexão que leve os educadores a pensar em soluções que possam trazer novas perspectivas ao ensino e, particularmente, ao modo de produção de leitura na escola, buscando, cada vez mais, práticas que favoreçam a constituição dos alunos em sujeitos-leitores-críticos.

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 200 REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES Elizete Beatriz Azambuja Doutoranda em Linguística UEG Unidade de São Luís de Montes

Leia mais

Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos

Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos Moraes, João Carlos Pereira 1 ; Barbosa, Alessandro Tomaz 2 Categoria 1: Reflexões e experiências de inovação na sala de aula.

Leia mais

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009 Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p. 187-191, jan./abr. 2009 RESENHA DE INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM: DISCURSO E TEXTUALIDADE [ORLANDI, E.P.; LAGAZZI- RODRIGUES, S. (ORGS.) CAMPINAS, SP:

Leia mais

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, p.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, p. ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009. 100p. Anselmo Peres ALÓS* Nascido de um pedido de alunos (e editores) recebido por Eni Orlandi,

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 SUJEITO

Leia mais

A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1

A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1 A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1 Jailton Lopes Vicente A motivação para este trabalho surgiu durante o trabalho de iniciação científica realizado no projeto de pesquisa Alfabetização: A conquista de

Leia mais

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p Aula 6 GERATIVISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Linguística Gerativa Gerativismo Gramática Gerativa

Leia mais

Mídia e Etnia - figurações do índio e do negro na imprensa brasileira: construção de identidades étnicas

Mídia e Etnia - figurações do índio e do negro na imprensa brasileira: construção de identidades étnicas Mídia e Etnia - figurações do índio e do negro na imprensa brasileira: construção de identidades étnicas Alexandre S. Ferrari Soares asferraris@globo.com Introdução às Ciências da Linguagem (ORLANDI, Eni

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Soeli Maria Schreiber da Silva 1 (UFSCar) xoila@terra.com.br Estudar o sentido significa estudá-lo na relação

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

Oiiandi, Eni Pulcinelli. As formas do silêncio.- no movimento dos sentidos. Campinas, S. R: Editora da Unicamp, 1995, 189 págs.

Oiiandi, Eni Pulcinelli. As formas do silêncio.- no movimento dos sentidos. Campinas, S. R: Editora da Unicamp, 1995, 189 págs. Oiiandi, Eni Pulcinelli. As formas do silêncio.- no movimento dos sentidos. Campinas, S. R: Editora da Unicamp, 1995, 189 págs. RESENHADO POR: CELY BERTOLUCCI O título instigante deste livro de Eni Orlandi

Leia mais

A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975)

A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975) 1 A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975) Marilei Resmini GRANTHAM Fundação Universidade Federal do Rio Grande Nesta brevíssima exposição, procuramos abordar alguns

Leia mais

ATIVIDADES DE LEITURA: UMA ANÁLISE DISCURSIVA

ATIVIDADES DE LEITURA: UMA ANÁLISE DISCURSIVA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS 1 ESCOLA DE EDUCAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM LETRAS ATIVIDADES DE LEITURA: UMA ANÁLISE DISCURSIVA JEIZE DE FÁTIMA BATISTA Pelotas, RS 2005 2 JEIZE DE FÁTIMA BATISTA ATIVIDADES

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

Câmara de Lobos, 15 de setembro de 2015

Câmara de Lobos, 15 de setembro de 2015 GRUPO 300 Português 7.º / 8.º e 9.º anos Critérios de avaliação Perce ntage m Total TESTES DE AVALIAÇÃO LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA / - ler e interpretar textos diversos - escrever para expressar conhecimentos.

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Teoria Gramatical Análise do Discurso Prof. Sidney Facundes Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Análise do Discurso Conforme Maingueneua

Leia mais

TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM SALA DE AULA

TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM SALA DE AULA Simpósio DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NA SALA DE AULA: perspectivas e possibilidades 15 e 16 de maio de 2014, Faculdade de Educação da USP, São Paulo TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM SALA DE AULA Luciana Nobre

Leia mais

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Esta linha de pesquisa objetiva o exame dos processos de construção do conhecimento docente do professor de línguas, com ênfase no papel da linguagem

Leia mais

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem.

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem. HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS 1ª Série 6LET063 LINGUAGEM COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA Linguagem como manifestação artística, considerando os procedimentos sócio-históricos e culturais.

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação. Atividades de planeamento de produções orais: grelhas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais

Aula 5 ESTRUTURALISMO

Aula 5 ESTRUTURALISMO Aula 5 ESTRUTURALISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Sistema, estrutura, estruturalismo SISTEMA: resultado

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LINGUAGEM JURÍDICA (CÓD. ENEX 60106) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA José Fernandes Vilela (UFMG) Quando se indaga por que ensinar teoria gramatical, está-se, na verdade, indagando para que ensiná-la. Ou seja, estão-se buscando, em linguagem pedagógica,

Leia mais

SUJEITO E AUTORIA EM ARTIGOS DE OPINIÃO DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

SUJEITO E AUTORIA EM ARTIGOS DE OPINIÃO DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SUJEITO E AUTORIA EM ARTIGOS DE OPINIÃO DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Maria Simone da Silva Holanda 1 INTRODUÇÃO O percurso investigativo deste trabalho tem por finalidade analisar a

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 Danielle Thais Vital Gonçalves (UEM-CRV) RESUMO: O presente artigo apresenta resultados

Leia mais

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 69 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10 / 09 /2015 Etec Tiquatira Código: Município: São Paulo Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

Água em Foco Introdução

Água em Foco Introdução Água em Foco Introdução O Água em Foco tem como principais objetivos: (I) a formação inicial, com os alunos do Curso de Licenciatura em Química da UFMG, e continuada de professores, para trabalhar com

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Mairiporã Etec: Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.933, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Letras Língua Portuguesa. SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA I LE0007, 45h

Letras Língua Portuguesa. SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA I LE0007, 45h Letras Língua Portuguesa PRÁTICA PEDAGÓGICA I LE0006, 90h Ementa: Discute e analisa o conceito de educação, as políticas públicas em educação e a influencia das diversas tendências pedagógicas brasileiras

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16 Aula 1 Planejamento Lilian R. Rios 18/02/16 Planejamento de Ensino É um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL MATRIZ CURRICULAR NOTURNO Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1. Leitura e produção textual I 4 60 2. Introdução a informática 4

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI 1 DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE Por Claudio Alves BENASSI D uarte, pesquisador da linguística da Língua Brasileira de Sinais, dá uma importante contribuição para o avanço

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO Professora Luciene Juliano Simões UFRGS Participação na Reunião Técnica de Abril de 2012, durante o lançamento da OLPEF para a região sul, em Curitiba

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: discurso, leitura, leitor, tecnologias digitais.

PALAVRAS-CHAVE: discurso, leitura, leitor, tecnologias digitais. DISCURSOS SOBRE LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS 1 * Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José do Rio Preto) RESUMO: Com base em pressupostos teórico-metodológicos da Análise do

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

PLANEJAMENTO 2º TRIMESTRE

PLANEJAMENTO 2º TRIMESTRE Disciplina: Educação Artística Despertar a capacidade de observação e de criticidade a partir de diferentes obras e perante suas criações; Respeitar as diferentes culturas e os diferentes olhares perante

Leia mais

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) OU PROPOSTA PEDAGÓGICA Representa a ação intencional e um compromisso sociopolítico definido coletivamente

Leia mais

AS CRIANÇAS NO CONTEXTO DO CURRÍCULO ESCOLAR: SIGNIFICANDO E SENDO SIGNIFICADAS

AS CRIANÇAS NO CONTEXTO DO CURRÍCULO ESCOLAR: SIGNIFICANDO E SENDO SIGNIFICADAS AS CRIANÇAS NO CONTEXTO DO CURRÍCULO ESCOLAR: SIGNIFICANDO E SENDO SIGNIFICADAS Larissa Mendes Monteiro Universidade do Estado do Rio de Janeiro e-mail: lmendes.monteiro@gmail.com Resumo: O currículo escolar

Leia mais

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo.

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo. Língua Portuguesa - Ensino Médio SISPAE 2013 01 Abaixo do Básico 1º e 2º ano até 200 pontos Neste Padrão de Desempenho, os estudantes se limitam a realizar operações básicas de leitura, interagindo apenas

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores.

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. ATIVIDADES PERMANENTES COM GÊNEROS TEXTUAIS Aula 8 META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o

Leia mais

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul LEITURA DA SIMBOLOGIA MATEMÁTICA MEDEIROS, Gláucia Maria Leal de Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul RESUMO Os conceitos, na linguagem matemática, são formados a partir da

Leia mais

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES Aula 4 META Apresentar os comportamentos leitores e escritores como conteúdos das aulas sobre gêneros textuais. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33)

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) PROFESSOR (A):Adriana Marques Daloy TURMA: 2º Ano Fund. PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2016 a 09/12/2016 DISCIPLINA: Português 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA: Gêneros textuais: Poema, conto, cartaz,canção,

Leia mais

Gustavo Grandini BASTOS * Fernanda Correa Silveira GALLI **

Gustavo Grandini BASTOS * Fernanda Correa Silveira GALLI ** DOI: 10.5433/2237-4876.2013v16n2p355 ROMÃO, Lucília Maria Sousa. Exposição do Museu da Língua Portuguesa: arquivo e acontecimento e(m) discurso. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011. 236 p. Nas exposições

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR Solange Almeida de Medeiros (PG UEMS) Marlon Leal Rodrigues (UEMS) RESUMO: O presente artigo se baseia em um projeto de pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação - P. Blauth Menezes

Leia mais

O MOVIMENTO DOS ESTUDANTES DE UMA TURMA DE PRIMEIRO ANO DE ENSINO MÉDIO: ENTRE OS MOMENTOS DE ESTUDOS E AS MOTIVAÇÕES

O MOVIMENTO DOS ESTUDANTES DE UMA TURMA DE PRIMEIRO ANO DE ENSINO MÉDIO: ENTRE OS MOMENTOS DE ESTUDOS E AS MOTIVAÇÕES O MOVIMENTO DOS ESTUDANTES DE UMA TURMA DE PRIMEIRO ANO DE ENSINO MÉDIO: ENTRE OS MOMENTOS DE ESTUDOS E AS MOTIVAÇÕES Resumo Luiz Gustavo Pampu Mestre em Educação Professor do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru Curso 1503 / 1504 - Licenciatura em Matemática 1701 - Bacharelado em Meteorologia 3002 / 3003 - Licenciatura em Pedagogia Ênfase Identificação Disciplina 0004460A - Leitura e Produção Textual Docente(s)

Leia mais

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios 1 Guia do Professor Episódio Provérbios Programa Quem ri seus males espanta Prezado Professor: O episódio Provérbios do programa de áudio intitulado Quem ri seus males espanta foi elaborado de maneira

Leia mais

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios 1 Guia do Professor Episódio Provérbios Programa Quem ri seus males espanta Prezado Professor: O episódio Provérbios do programa de áudio intitulado Quem ri seus males espanta foi elaborado de maneira

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

CONCEPÇÕES DE LEITURA DE ALGUNS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO E O REFLEXO NA PRÁTICA DOCENTE

CONCEPÇÕES DE LEITURA DE ALGUNS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO E O REFLEXO NA PRÁTICA DOCENTE ISSN 2238-9113 Comunicação oral CONCEPÇÕES DE LEITURA DE ALGUNS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO E O REFLEXO NA PRÁTICA DOCENTE Carolina Suelen Kosuiresko Berger (carolkosuiresko@hotmail.com) Sandra

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA III CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA III CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA III CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 3º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

Leituras literárias nas séries iniciais e seus efeitos na produção de textos escritos por alunos do 6 ano do ensino fundamental.

Leituras literárias nas séries iniciais e seus efeitos na produção de textos escritos por alunos do 6 ano do ensino fundamental. Leituras literárias nas séries iniciais e seus efeitos na produção de textos escritos por alunos do 6 ano do ensino fundamental. Drielle Lorane de Souza Mendonça 1 (IC)*, Silvair Felix dos Santos (PQ).

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades de Aprendizagem CORDEIRO, Ingrydh FIGUEIREDO, Luciana Centro de Ciências da Saúde/ Departamento de Fonoaudiologia PROBEX Resumo Levando em

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 2º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

Metodologia e prática de leitura na sala de aula

Metodologia e prática de leitura na sala de aula Metodologia e prática de leitura na sala de aula 1 Jeize de Fátima Batista Grzechota 2 Sônia Maria Piccoli RESUMO A necessidade de uma reflexão em busca de metodologias, no que se refere ao desenvolvimento

Leia mais

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa SINTAXE DO PORTUGUÊS I AULA 1-2015 Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa Profa. Dra. Márcia Santos Duarte de Oliveira FFFLCH-DLCV/ USP marcia.oliveira@usp.br n O linguista

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Letras Língua Inglesa

Letras Língua Inglesa Letras Língua Inglesa 1 semestre Núcleo de estudos interdisciplinares I 45h Ementa: Estuda os procedimentos envolvidos na realização de uma pesquisa cientifica. Desenvolve habilidade de produção de fichamento,

Leia mais

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira *

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira * Resenha Instrumento COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. Mariângela Maia de Oliveira * Tomando por base os novos conceitos subjacentes ao processo de

Leia mais

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO Programação 1º- ao5º-ano INTRODUÇÃO Ser leitor-escritor competente nos dias de hoje é uma das condições básicas para uma participação social efetiva. Assim, cabe à escola rever seus currículos e estar

Leia mais

OFICINAS. Caderno de resumos das Oficinas do VII ENIEDUC Diversidade: desafios na prática educacional. Campo Mourão: UNESPAR, julho/2017.

OFICINAS. Caderno de resumos das Oficinas do VII ENIEDUC Diversidade: desafios na prática educacional. Campo Mourão: UNESPAR, julho/2017. 0 OFICINAS 1 A CONSTRUÇÃO DA PAZ COMO META DO PROCESSO EDUCATIVO Lucia Helena de Carvalho (UNESPAR) RESUMO: A oficina Educação para a Paz como meta do processo educativo com vistas a promover uma Cultura

Leia mais

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Maria Inês Batista Campos maricamp@usp.br 24/09/2013 Universidade Estadual de Santa Cruz/UESC Ilhéus-Bahia Objetivos Compreender o livro didático

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ADOLESCENTES EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA

Leia mais

O GÊNERO CANÇÃO EM LIVROS DIDÁTICOS: ENTRE A LÍNGUA E A MEMÓRIA DO DIZER

O GÊNERO CANÇÃO EM LIVROS DIDÁTICOS: ENTRE A LÍNGUA E A MEMÓRIA DO DIZER O GÊNERO CANÇÃO EM LIVROS DIDÁTICOS: ENTRE A LÍNGUA E A MEMÓRIA DO DIZER Marieli Mietz (IC-Voluntária-UNICENTRO), Luciana Cristina F. Dias (Orientadora), e-mail: diaslucian@yahoo.com Universidade Estadual

Leia mais

Um bom lugar para ler

Um bom lugar para ler Um bom lugar para ler E.E. Olímpio Catão sala 1- sessão 2 um livro Professor(es) Apresentador(es): Iva Tavares da Rocha Realização: Projeto Um bom lugar para ler um livro Prof. Iva Foco O Projeto Um bom

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 2º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Aspectos morfológicos e

Leia mais

A LEITURA E O LEITOR NA ANÁLISE DO DISCURSO (AD)

A LEITURA E O LEITOR NA ANÁLISE DO DISCURSO (AD) A LEITURA E O LEITOR NA ANÁLISE DO DISCURSO (AD) Jauranice Rodrigues Cavalcanti (METROCAMP/UNICAMP) Introdução Maldidier (1997, p.18), fazendo o percurso histórico da Análise do Discurso na França, diz

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO ALFABETIZAÇÃO EM FOCO NO PERCURSO FORMATIVO DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA

PROJETO DE EXTENSÃO ALFABETIZAÇÃO EM FOCO NO PERCURSO FORMATIVO DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO DE EXTENSÃO ALFABETIZAÇÃO EM FOCO NO PERCURSO FORMATIVO DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA Maria de Fátima Pereira Carvalho - UNEB, SME, NEPE Sandra Alves de Oliveira UNEB, CMAJO, NEPE Resumo

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDO NO CAMPO TEÓRICO DA AD: UM PROCESSO DE MANIFESTAÇÃO ANALÍTICA A SER CONSIDERADO

A PRODUÇÃO DE SENTIDO NO CAMPO TEÓRICO DA AD: UM PROCESSO DE MANIFESTAÇÃO ANALÍTICA A SER CONSIDERADO A PRODUÇÃO DE SENTIDO NO CAMPO TEÓRICO DA AD: UM PROCESSO DE MANIFESTAÇÃO ANALÍTICA A SER CONSIDERADO Elisângela Leal da S. Amaral 1 (UEMS) elisilvamaral@hotmail.com Marlon Leal Rodrigues 2 (UEMS) Marlon@uems.br

Leia mais

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS INTRODUÇÃO Este plano foi criado para trabalhar com uma turma de 2º ano do Ensino Fundamental, com alunos que possuem em torno de 7 a 8 anos de idade, para que se aprofundem

Leia mais