Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2"

Transcrição

1 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento elaboramos 6 estudos de caso, apresentando diversas situações, que o ajudarão a entender e incorporar os conceitos apresentados nos Módulos anteriores. Teremos então: Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2; Módulo 7 Estudos de Caso 3 e 4; Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6. Este treinamento é relativo a Formação de Auditores conforme a norma NBR ISO 14001, portanto você deve tê-la a mão para responder os estudos de caso, mas para facilitar seu trabalho disponibilizamos no site um arquivo chamado Índice Detalhado da Norma NBR ISO É muito importante que você tente analisar cada estudo de caso antes de ler as respostas, só assim você adquirirá desenvoltura para iniciar suas atividades como auditor interno. Após o Módulo 8 você estará preparado para realizar a prova que está disponibilizada no site.

3 Estudo de Caso 1 A empresa Alámo A empresa Álamo, possui as características apontadas abaixo: Empresa fabricante de eletrodomésticos, tem 250 funcionários; Possui uma planta na cidade de Candeiras que busca certificação de acordo com a norma ISO 14001; O João da Silva é o Gerente da Qualidade e será também o responsável pela implantação da NBR ISO 14001, sendo o coordenador das auditorias internas com 4 auditores já treinados; A planta está toda dentro da mesma localidade incluindo restaurante que está subordinado a Gerência de Recursos Humanos e um pequeno posto de saúde; A planta tem água e esgoto do sistema municipal mas devido a alguns acabamentos de superfície onde produtos químicos são utilizados foi construída uma estação de tratamento de efluentes, os quais são despejados no rio que é classe 2. O mapa de Processos da Álamo e o organograma são apresentados nos próximos slides

4 Estudo de Caso 1 - A empresa Alámo Empresa Alamo - Processos Compras Estoque de matéria prima Vendas Estoque de produtos acabados Embalagem Expedição Entrega Desenvolvi mento de produtos Planejamento Produção Faturamento Tratamento de resíduos Recursos Humanos Financeiro Centro médico Gestão da qualidade e do meio ambiente

5 Estudo de Caso 1- A empresa Alámo Alámo - Organograma

6 Estudo de Caso 1- A empresa Álamo Tendo em vista as características apontadas e considerando o organograma do próximo slide e os processos identificados: 1) Elabore um esboço de um programa de auditoria para uma avaliação inicial em todos os processos da fábrica a ser realizado no primeiro semestre de ) Elabore um plano de auditoria especifico, indicando que requisitos da norma deveriam ser auditados para o processo de tratamento de resíduos que inclui a estação de tratamento de efluentes e a disposição de resíduos sólidos. 3) Elabore uma política ambiental e 3 objetivos ambientais adequados a esta empresa. 4) Descreva 2 não conformidades ambientais que poderiam ocorrer no processo de vendas e 2 que poderiam ocorrer no estoque de matéria prima. 5) Indique ao menos 2 aspectos / impactos que poderiam ser originados no processo do restaurante.

7 Estudo de Caso 1- Resposta do item 1 PROGRAMA DE AUDITORIA PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007 OBJETIVO diagnóstico inicial CRITÉRIO norma NBR ISO Vendas PROCESSO AUDITORES REQUISITOS DA ISO A SEREM AUDITADOS Desenvolvimento de produto Compras Planejamento Estoque de matéria prima Produção Estoque de produto acabado Embalagem José Antonio Mario Luiz Maria Clara Antonio José Antonio Maria Clara Maria Clara Mario Luiz José Antonio Antonio Mario Luiz Antonio José Antonio Mario Luiz Maria Clara Antonio 4.2, 4.3.3, 4.4.1, 4.4.3, 4.4.5, 4.4.6, 4.4.7, , 4.3.3, 4.4.1, 4.4.3, 4.4.5, 4.4.6, 4.4.7, , 4.3.3, 4.4.1, 4.4.3, 4.4.5, 4.4.6, 4.4.7, , 4.3.3, 4.4.1, 4.4.3, 4.4.5, 4.4.6, 4.4.7, , 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, , 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, , 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, , 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, DATA / HORA 6 de março às 9h 13 de março às 9h 20 de março às 9h 26 de março às 9h 2 de abril às 9h 9 de abril às 9h 16 de abril às 9h 23 de abril às 9h continua

8 Estudo de Caso 1- Resposta do item 1 PROGRAMA DE AUDITORIA PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007 OBJETIVO diagnóstico inicial CRITÉRIO norma NBR ISO PROCESSO AUDITORES REQUISITOS DA ISO A SEREM AUDITADOS Expedição Entrega Faturamento Financeiro Gestão do SGA e do SGQ Recursos humanos Tratamento de resíduos Centro médico Direção José Antonio Maria Clara Maria Clara Mario Luiz José Antonio Antonio Mario Luiz Antonio José Antonio Mario Luiz Maria Clara Antonio José Antonio Maria Clara Maria Clara Mario Luiz Maria Clara Mario Luiz 4.4.1, 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, , 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, , 4.3.3, 4.4.1, 4.4.3, 4.4.5, 4.4.6, 4.4.7, , 4.3.3, 4.4.1, 4.4.3, 4.4.5, 4.4.6, 4.4.7, , 4.2, 4.3.1, 4.3.2, 4.3.3, 4.4.6, 4.5 E , 4.3.3, 4.4.1, 4.4.3, 4.4.5, 4.4.6, 4.4.7, , 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, , 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, DATA / HORA 30 de abril às 9h 7 de maio às 9h 14 de maio às 9h 21 de maio às 9h 28 de maio às 9h 5 de junho às 9h 12 de junho às 9h 19 de junho às 9h de junho às 9h

9 Estudo de Caso 1- Resposta do item 2 PLANO DE AUDITORIA Área: Tratamento de Resíduos Data: 12 de junho de 2007 Reunião inicial: 9h Reunião de encerramento: 16h Responsável da área: Joaquim Maria de Paula Objetivo: Diagnóstico inicial Critério: norma NBR ISO Sub processo Auditor Requisitos Atividades Coleta e disposição de resíduos sólidos Estação de tratamento de efluentes José Antonio 4.4.1, 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, Maria Clara 4.4.1, 4.4.3, 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, h- Reunião inicial 9h30 - Auditoria documental 11h Auditoria de conformidade 12h Almoço 13h Auditoria de conformidade 14h Elaboração do relatório 16h Reunião de encerramento

10 Estudo de Caso 1- Resposta do item 3 Política ambiental da Álamo: A Álamo está comprometida com a redução da poluição e com a melhoria continua do meio ambiente e para garantir este direcionamento todos os esforços serão realizados para redução do consumo dos recursos naturais e tratamento de resíduos e dos efluentes. A Álamo atende a legislação e todas as regulamentações aplicáveis nas localidades de suas instalações. Objetivos ambientais da Álamo: 1) Reduzir o consumo de plásticos em 3% no ano de 2007 em relação a ) Ampliar a estação de tratamento de efluentes para um volume 20% superior do que está sendo tratado no momento. 3) Reduzir o consumo de energia em 7% no ano de 2007 em relação a 2006.

11 Estudo de Caso 1- Resposta do item 4 Identifique 2 não conformidades ambientais possíveis para cada processo: Processo de Vendas: 1) O processo não controlar a seleção de resíduos para coleta seletiva 2) Os profissionais não estarem treinados para uma evacuação em caso de incêndio. Processo de estoque de matéria prima: 1) Armazenamento de tambores de produtos químicos incompatíveis um ao lado do outro. 2) Não haver registro dos resíduos de embalagem conforme determinado em procedimento

12 Estudo de Caso 1- Resposta do item 5 Identifique 2 aspectos ambientais possíveis do restaurante: 1) Geração de resíduos orgânicos 2) Uso de produtos de limpeza não biodegradáveis Impactos ambientais possíveis em função do processo do restaurante: 1) Contaminação de solo e água

13 Estudo de Caso 2 - Auditoria na Grafitech A empresa Grafitech, atua no ramo de estamparias, e seus diretores buscando um diferencial no competitivo mercado que está inserida, consideraram que a obtenção de uma certificação ISO traria grandes benefícios; A empresa apresenta as seguintes características: Trata-se de uma empresa de pequeno porte; Não possui nenhum sistema de qualidade já implementado; Identificou durante o processo de implementação, áreas com maior número de não-conformidades, e determinou que estas seriam áreas prioritárias; Uma dessas áreas é a cozinha de tintas, que será auditada pelo auditor líder Artur Azevedo.

14 Estudo de Caso 2 - Auditoria na Grafitech 1) Utilize o arquivo Estudos de Caso disponibilizado no site e indique para cada parágrafo numerado ou para um conjunto de parágrafos: se você identificou uma não conformidade (neste caso indique a evidência objetiva e o requisito da norma), se você identificou uma oportunidade de melhoria, indique qual se você necessita de mais informações indique a trilha de auditoria que você iria seguir. se houver, indique posturas / condutas inadequadas do auditor. Legenda: NC não conformidade / OM oportunidade de melhoria NMI necessário mais evidências / CA conduta do auditor Utilize a tabela abaixo, também inserida no arquivo Estudos de Caso para registrar suas respostas: Parágrafo NC, OM, NMI, CA Constatações (se for uma NC deve ser registrada a evidencia objetiva) Requisito da norma

15 Estudo de Caso 2 - Auditoria na Grafitech 2) Elabore um checklist com 10 perguntas, considerando que será auditado apenas os subitens do requisito 4.4 para a auditoria a ser realizada na cozinha de tintas. Preencha o quadro abaixo, que está disponível no arquivo estudos de caso: Questão a ser verificada Requisito da Norma Verificado

16 Estudo de Caso 2 Resposta item 1 Parágrafo NC, CA, OM, NMI Constatações Requisitos da norma quando for identificada uma NC 1 a 4 - Esclarecimentos iniciais sobre os processos da cozinha de tinta. O auditor teve uma boa postura, perguntando sobre os processos realizados, para certificar-se de que conhecia todo o processo. - Artur é o auditor líder e segue com o encarregado da produção à cozinha de tintas onde realizará auditoria e pergunta ao mesmo: 1. Artur - Você poderia explicar de forma geral como é o processo na cozinha de tintas? 2. João Primeiro nós recebemos a solicitação do desenho a ser desenvolvido, para cada cor do desenho temos um receituário correspondente (proporção em peso de cada cor de tinta padrão para formação da cor especifica). O colorista pesa as tintas, mistura com a pasta em uma bombona (recipiente de plástico grande), bate no batedor (que é como uma batedeira grande) e coloca em local apropriado à disposição da máquina de estampa. Após estampagem as bombonas vazias retornam para o local de pesagem onde são lavadas e novamente utilizadas fechando o ciclo. Este procedimento de produção está detalhado na instrução YWL Artur Você pode me mostrar qual é o local apropriado que a mistura é colocada antes de ser utilizada na máquina de estampa?

17 Estudo de Caso 2 Resposta item 1 4. João Claro que sim. Nesta sala a mistura é armazenada nestes galões até serem utilizadas. Normalmente este período de espera é curto. Parágrafo 5 a 8 5 a 8 NC, CA, OM, NMI NMI CA Constatações Faltam informações para a avaliação da existência de risco de vazamento dos galões. O auditor não verificou os procedimentos de manuseio dos galões e as condições de armazenagem; não foi uma boa prática de auditoria. Requisitos da norma quando for identificada uma NC 5. Artur Entendo. Existe algum procedimento caso ocorra vazamento destes galões? 6. João Bom, como eu te disse, o tempo que estes galões armazenam a mistura é pequeno, então não existe. 7. Artur Apesar deste período ser pequeno, estes galões são manuseados diariamente; e pela grande quantidade existente, algum procedimento de emergência pode ser necessário. 8. João É verdade, como vazamentos são muito difíceis de acontecer, não tínhamos levado em consideração. - -

18 Estudo de Caso 2 Resposta Parágrafo NC, CA, OM, NMI Constatações Requisitos da norma quando for identificada uma NC 9 a 12 NC Ocorre uma falta de definição de responsabilidade pelo sistema de gestão ambiental, caracterizando uma nãoconformidade Evidência: Desconhecimento do responsável por parte do encarregado 9 a 12 CA O auditor não especificou claramente ao auditado a não conformidade encontrada Artur- Especificamente, quem é o responsável administrativo, incumbido da implementação e manutenção do sistema de gestão ambiental no setor de vocês? 10. João Então, recebemos orientação de alguns superiores responsáveis. Mas não sei te dizer quem é o responsável especificamente pela cozinha de tintas. 11. Artur Entendo. Ter uma definição de responsabilidades e autoridades é importante para o sistema de gestão.

19 Estudo de Caso 2 Resposta item João Sim, ouvi comentários de que um coordenador experiente na área ambiental seria contratado. Estamos esperando. Parágrafo 13 a 18 NC, CA, OM, NMI CA Constatações Validade de calibração de equipamento utilizado no processo produtivo vencida não caracteriza uma não-conformidade ambiental, o auditor errou seria necessário que o equipamento fosse utilizado para medições ambientais, devemos sempre ao realizar uma auditoria nos restringir ao critério de auditoria definido, que no caso é a NBR Gestão Ambiental. Requisitos da norma quando for identificada uma NC 13. Artur Você poderia me mostrar as balanças onde são pesadas as tintas? 14. João São estas duas aqui. 15. Artur Quando foi realizada a última calibração nas balanças? 16. João Está registrado na etiqueta fixada atrás, vamos ver, nossa!!! A calibração está vencida e eu não vi. -

20 Estudo de Caso 2 Resposta item Artur É necessário que os equipamentos de medição sejam aferidos periodicamente, você não poderia estar utilizando uma balança com prazo de validade de calibração vencida. Vou emitir uma não conformidade menor quanto a este tema. Dados: balança digital, capacidade 5 kg, cozinha de cores data de validade da aferição: 15/05/07, data da auditoria: 18/05/ João Você tem razão, não sei como isto foi acontecer. Temos um programa de computador que aponta as datas dos equipamentos que estão com calibração para vencer. Preciso ver onde foi a falha. Parágrafo NC, CA, OM, NMI Constatações Requisitos da norma quando for identificada uma NC 19 a 21 NMI Faltam informações para avaliar se ocorreu algum problema com o programa de computador, o que originaria uma falha no sistema de registros a 21 CA O auditor deveria ter verificado este programa; não poderia ter considerado a não conformidade sem estas informações; não foi uma boa prática de auditoria Artur Este programa é utilizado para registrar o monitoramento dos equipamentos?

21 Estudo de Caso 2 Resposta item João Sim, como te disse, não sei porque ocorreu esta falha no sistema. 21. Artur Correto, porém, precisarei anotar esta falha no seu sistema de registros. Parágrafo NC, CA, OM, NMI Constatações Requisitos da norma quando for identificada uma NC 22 a 33 NC Aspecto ambiental não identificado no sistema de gestão. Evidência: Formulário YWL O auditor agiu corretamente explicando a não-conformidade que seria documentada. 22. Artur Onde estão registrados os aspectos ambientais deste setor? Você poderia me mostrar? 23. João Claro, neste formulário YWL003, temos o levantamento de todos os aspectos e impactos ambientais da cozinha de tintas. 24. Artur Quanto à lavagem das bombonas com resíduos de tintas, para onde segue a água residuária? 25. João Para a ETE Estação de Tratamento de Efluentes onde a água com resíduos industriais é tratada antes de ser lançada no rio.

22 Estudo de Caso 2 Resposta item Artur Você considera a geração desta água residuária um aspecto ambiental significativo? 27. João Sim, pois o volume de água produzido diariamente é elevado. 28. Artur Gostaria de ver o formulário de registro dos volumes de água residuária produzida pela cozinha de cores. Você tem este registro? 29. João Os registros que temos do tratamento de água, são apenas da ETE. Não temos especificamente para este processo. 30. Artur Onde está registrado que a água residuária da cozinha de cores é um aspecto ambiental? 31. João Neste mesmo formulário YWL003, vamos ver... Esquecemos de relacionar este item como aspecto ambiental. 32. Artur Os aspectos ambientais devem ser identificados e não foi evidenciado o registro da água residuária da lavagem das bombonas na cozinha de tintas. Por isso vou documentar uma não conformidade menor. 33. João Você tem razão, foi uma falha nossa não registrar a não conformidade no levantamento de aspectos e impactos ambientais.

23 Estudo de Caso 2 Resposta item 1 Parágrafo NC, CA, OM, NMI Constatações Requisitos da norma quando for identificada uma NC 34 a 37 NC Aspecto ambiental não identificado no sistema de gestão Evidência: Formulário YWL a 37 CA O auditor não declarou explicitamente a não conformidade, não é uma boa prática de auditoria, além disso concluiu que este era um aspecto ambiental significativo, quem define o que é ou não significativo é a organização segundo um método.pré definido 34. Artur Entre os aspectos ambientais identificados neste formulário, não existe nada com relação a água utilizada para a lavagem dos outros componentes do maquinário da cozinha de tintas. Este procedimento de lavagem ocorre duas vezes por semana segundo este formulário YWL007. Isso não foi considerado? 35. João Esse volume de água é bem menor do que o oriundo da lavagem das bombonas. 36. Artur Porém este é um aspecto ambiental significativo, que deveria ser identificado, segundo a norma NBR ISO 14001, requisito João Realmente isso não foi considerado.

24 Estudo de Caso 2 Resposta item 2 10 possíveis perguntas a serem utilizadas considerando que será auditado apenas os subitens do requisito 4.4 para a auditoria: Questão a ser verificada Quem é o responsável pela implementação e manutenção do sistema de gestão ambiental? Que aspectos ambientais significativos estão relacionados com a cozinha de tintas? Que impactos ambientais ocorrem ou podem ocorrer em conseqüência das atividades da cozinha de tinta? Como você comunica ao responsável pelo sistema de gestão ambiental qualquer NC que possa ocorrer? Quais são os critérios operacionais para os procedimentos da cozinha de tintas? Quais são os procedimentos associados aos aspectos ambientais significativos das atividades da cozinha de tintas? Quais são os procedimentos de resposta à emergências? Requisito da Norma Verificado

25 Estudo de Caso 2 Resposta item 2 Questão a ser verificada Quais são os documentos e registros utilizados para o controle eficaz dos processos relacionados aos aspectos ambientais significativos da cozinha de tintas? Com que freqüência os documentos utilizados no controle dos processos da cozinha de tintas são revisados / atualizados? Quais são as potenciais conseqüências ambientais do não seguimento dos procedimentos para a cozinha de tintas? Requisito da Norma Verificado

26 Fim do Módulo 6

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Estudo de Caso 5 Restaurante Comida Mineira O restaurante Comida Mineira pretende implantar um sistema de gestão ambiental. O restaurante pode ser dividido para nosso estudo

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 Responda as questões abaixo relacionadas a Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Nas questões indique Evidências, Critérios e Não Conformidades das questões enunciadas. Utilize como

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6. Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.8 Exercícios 6.5 Conduzindo atividades de auditoria no local

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Bruna Cristina Vieira Lopes CURITIBA JUNHO, 2013 1 BRUNA

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES...

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES... APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... A L3 Engenharia Ambiental é uma empresa de consultoria, serviços, desenvolvimento e execução de projetos ambientais, que possui como foco o desenvolvimento sustentável e desenvolve

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios Módulo 3 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios 4.2 - Requisitos de documentação 4.2.1 - Generalidades A documentação do SGQ

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001

ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001 ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001 Nas questões de 14.1 a 14.10 indique Evidências, Critérios e Conformidades (Sim ou Não) das questões enunciadas abaixo. Utilize como referência a norma NBR ISO 9000:2005 e NBR

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

Alinhando NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 na Administração Pública - USP

Alinhando NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 na Administração Pública - USP Alinhando NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 na Administração Pública - USP 3 3 Apresentação : Introdução. NBR ISO/IEC 27001 e 17799. Proposta de Plano de Trabalho/Ação. Referências. Confidencialidade Permitir

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012. Assunto: Rio+20

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012. Assunto: Rio+20 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012 Seção: Ser Sustentável Pág.: http://bit.ly/okj5q9 Assunto: Rio+20 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012 Seção: Ser Sustentável Pág.: http://bit.ly/okj5q9

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Série ISO 9000: Modelo de certificação de sistemas de gestão da qualidade mais difundido ao redor do mundo: Baseada na norma ISO 9000 No Brasil: a ABNT

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso de Tecnologia em Alimentos. Laís Behrenchsen

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso de Tecnologia em Alimentos. Laís Behrenchsen UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso de Tecnologia em Alimentos Laís Behrenchsen IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA EMPRESA SOINVIE DO BRASIL LTDA. BENEFICIAMENTO

Leia mais

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA ISO 14000

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 2 Volume 2, N. 1 2010 - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 2 Volume 2, N. 1 2010 - ISSN 2177-6636 UM ESTUDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL BASEADO NA NORMA ISO: 14.001: 2004 EM CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS AUTOMOTIVOS Marcelo Talizin Pires, Graduação em Administração,

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios Módulo 6 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios 2 - Referências normativas Relação da ISO 14001:2000 com ISO 14004:2000 Não há referências normativas indicadas

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Grupo Familiar Mulliez

Grupo Familiar Mulliez Grupo Familiar Mulliez Grupo Adeo adeo é um verbo em latim que significa: Eu vou em direção a Eu me aproximo Representa ao mesmo tempo a importância individual de cada colaborador e a nossa força enquanto

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS GERENCIAMENTO DE EVENTOS INTELIGENTES DE E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO SEJA VOCÊ GERENTE DE UNIDADE OU PROFISSIONAL DO SETOR DE COMBATE

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I Ref.: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada para Consultoria para implantação da NBR ISO 10.002 com base

Leia mais

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento Workshop RDC 48 Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para 11. Pessoas & Treinamento 5. Saúde, 1. Considerações Gerais 2. Definições 3. Gestão da Qualidade 4. BPF Higiene, Vestuário e 6.

Leia mais