ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001"

Transcrição

1 ESTUDO DIRIGIDO ISO Responda as questões abaixo relacionadas a Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Nas questões indique Evidências, Critérios e Não Conformidades das questões enunciadas. Utilize como referência a norma NBR ISO 14001:2004. Relate as Não Conformidades no Relatório de Auditoria conforme o padrão definido na última página do presente documento. Os relatos abaixo referem se a empresa TUDOCONFORME. A empresa está "buscando" sua certificação ISO Você, como Auditor de SGA (Sistema de Gestão Ambiental), realizará uma auditoria nesta empresa e necessitará evidenciar, dentro do escopo do sistema de gestão ambiental, a conformidade de seus processos com os requisitos da NBR ISO 14001:2004. Nesta auditoria, estabelecida pelo procedimento documentado PAICHAO 69, está determinada a escala de ações sobre os resultados, conforme a tabela abaixo. Estes critérios devem ser utilizados em Resultados e Conclusões da Auditoria, estabelecidos pelo procedimento coorporativo da empresa. Um resultado "muito negativo" poderá levar a empresa a ser considerada de alto risco ambiental, determinando uma não certificação de SGA. Na reunião de abertura da auditoria, em reunião com a Alta Direção, os critérios de auditoria devem ser esclarecidos e um cronograma da auditoria deve ser estabelecido. ESCALA RESULTADO CONCLUSÃO NÃO CONFIRMIDADES ZERO POR CENTO DAS SITUAÇÕES ANALISADAS SISTEMA ROBUSTO SGA DIGNO DE NOTA NÃO CONFIRMIDADES ATÉ 15 % DAS SITUAÇÕES ANASLISADAS SISTEMA PLENO REALIZAR MELHORIAS NÃO CONFIRMIDADES ENTRE 16 E 59 % DAS SITUAÇÕES ANALISADAS SISTEMA ESTÁVEL PLANO DE AÇÕES IMPOSSIBILIDADE TEMPORÁRIA DE CERTIFICAÇÃO NÃO CONFIRMIDADES ENTRE 60 E 80 % DAS SITUAÇÕES ANALISADAS PROBLEMA SISTEMÁTICO REVISÃO GLOBAL NÃO CONFIRMIDADES ACIMA DE 80 % DAS SITUAÇÕES ANALISADAS RISCO JURÍDICO AMBIENTAL Descreva a Evidência, determine o requisito da ISO 14001:2004 pertinente e escreva a não conformidade (justificativa). Utilize um modelo, na última página, para organizar os relatos e reportes resultados, concluindo sobre o SGA da empresa. 1. Em uma auditoria na área de produção da empresa TUDOCONFORME, foram encontrados tambores contendo produtos químicos. Os tambores estavam sem identificação, não sendo possível identificar a natureza da substância química contida na embalagem. Página 1 de 6

2 2. Ao realizar uma inspeção nos coletores seletivos de resíduos sólidos (lixeiras), foram observados materiais plásticos misturados com papelão. O papel é disposto no coletor azul e o plástico no coletor vermelho, condição definida em procedimento escrito. 3. Ao observar a Licença de Operação da empresa, emitida em 2010, foi verificado a necessidade de enviar para o órgão ambiental local (FEPAM), anualmente, no mês de Dezembro, uma relação com todos os resíduos enviados para destinatários finais. Ao solicitar os protocolos de entrega de documentos na FEPAM, constatouse protocolos de entregas das relações de resíduos dos anos 2010, 2011 e A empresa tem como Representante da Alta Direção, definido em seu SGA, o profissional Engenheiro de Meio Ambiente. Em visita ao RH da empresa, após solicitação, foi apresentado ao auditor um descritivo da função. Entre os requisitos da função Engenheiro de Meio Ambiente está configurado "necessário formação em Engenharia Mecânica ou Engenharia Civil". O atual Representante da Alta Direção é Engenheiro Eletricista. 5. Ao andar pela área produtiva da empresa o auditor identificou inúmeros vazamentos de óleos lubrificantes. Não havia no local identificação ou sequer material para contenção. 6. Após o almoço, ao dar um pequena "passada" pelo banheiro masculino do Restaurante, o auditor evidenciou uma torneira do lavatório pingando. Desconfiando de tal situação, o auditor, apontou esta informação em seu relatório de campo. Por volta das 16hs, o auditor, fez uma pequena visita ao banheiro masculino da área de produção. Identificou, nos quatro lavatórios disponíveis, três torneiras com vazamentos. 7. Andando pela área externa da fábrica, o auditor identificou na Rua Celta, três postes de iluminação pública com luzes acesas. O funcionário acompanhante da auditoria justificou que as fotocélulas ainda não haviam funcionado porque o "sol ainda estava baixo" naquela hora da manhã. Pouco antes do almoço, num dia ensolarado de verão, o auditor ainda observou as luminárias ligadas. 8. Na área de recebimento da empresa, o auditor verificou que um caminhão aguardava o descarregamento. Aproximando se do caminhão, observou que o caminhão continha produtos inflamáveis acondicionados em tambores. Não havia nenhuma sinalização de segurança no veículo relacionada a transporte de produtos perigosos. 9. A subestação de energia elétrica da empresa controla através de supervisórios o consumo específico de energia elétrica na planta. Solicitando os históricos de consumo, o auditor pode verificar que há uma tendência de aumento anual a razão de 15% no consumo. Porém, não verificou que o SGA da empresa tem um programa com metas de redução de consumo de energia elétrica estabelecido. 10. A empresa possui poços de captação de água subterrânea. Junto ao sistema de captação não há medidor de volume/vazão de água captada. O setor de manutenção informou que o medidor de vazão foi retirado e enviado para calibração externa. 11. O PPRE Procedimento de Preparação e Respostas a Emergências da empresa define ações e responsabilidades em caso de situações diversas de emergências ambientais. No entanto, não foi identificado nesse documento referência aos simulados de abandono de área em caso de incêndios. Página 2 de 6

3 12. Uma empresa de serviços de limpeza, contratada, possui trinta Auxiliares de Limpeza. Verificando a lista de presença do treinamento de difusão do procedimento PLA 03 (Procedimento de Limpeza e Asseio), que trata de limpeza das instalações prediais, evidenciou que somente doze pessoas haviam participado da instrução conduzida pelo TST da empresa. 13. A reunião de fechamento da auditoria ocorreu conforme o planejamento inicial da auditoria, no período noturno, no último dia da auditoria. O auditor realizou os relatos da auditoria para a Alta Direção. Registre no formulário de auditória, no campo correspondente, os Resultados e Conclusões da auditoria. Página 3 de 6

4 RELATÓRIO DE AUDITORIA EMPRESA: LOCAL: DATA: AUDITOR: NORMA AUDITADA: PROCEDIMENTO AUDITORIA: RELATO 01 RELATO 02 RELATO 03 RELATO 04 Página 4 de 6

5 RELATO 05 RELATO 06 RELATO 07 RELATO 08 RELATO 09 Página 5 de 6

6 RELATO 10 RELATO 11 RELATO 12 Página 6 de 6

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001

ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001 ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001 Nas questões de 14.1 a 14.10 indique Evidências, Critérios e Conformidades (Sim ou Não) das questões enunciadas abaixo. Utilize como referência a norma NBR ISO 9000:2005 e NBR

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A.

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Apresentação Thiago Flores dos Santos Gerente da Assessoria de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental EMENTA 1 2 3 Motivação

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. OGX Procedimento de Gestão PG.SMS.004 Denominação: Gestão de Mudanças SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os riscos inerentes as mudanças, desde

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 03

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 03 1/ 5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 01 Adequação as normas ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007, inclusão das auditorias de manutenção e alteração

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Adequação Ambiental na Indústria Naval Estaleiro Mauá Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Objetivos Descrever o ambiente para o surgimento e permanência da gestão ambiental no Estaleiro Mauá Apresentar

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE. KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental

PENSE NO MEIO AMBIENTE. KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental PENSE NO MEIO AMBIENTE KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental Fevereiro/2014 KPA QUANDO UTILIZAR O KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL? I. Derramamento

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

2009 2010 Metalúrgica Inca Ltda Avenida Geraldo Marra, 865 Distrito Industrial II CEP 13.739-030 Fone/Fax : (19) 3666 5000 - Site www.inca.ind.

2009 2010 Metalúrgica Inca Ltda Avenida Geraldo Marra, 865 Distrito Industrial II CEP 13.739-030 Fone/Fax : (19) 3666 5000 - Site www.inca.ind. RESUMO DO CASE A utilização da água pelo homem depende da captação, tratamento, distribuição e também quando necessário da depuração da água utilizada. No quadro abaixo, podemos analisar um panorama da

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO

CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 2 TAG Condição esperada / Atividade IL Quantidade de luminárias

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA E GESTÃO AMBIENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA E GESTÃO AMBIENTAL METODOLOGIA O curso é dividido em 14 Módulos, sendo 01 módulo de introdução ao curso, 06 módulos com foco em Gestão Ambiental, 06 módulos com foco em Tecnologia Ambiental e 01 módulo correspondente ao

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

Preparação para a Certificação de Auditor da Qualidade

Preparação para a Certificação de Auditor da Qualidade Preparação para a Certificação de Auditor da Qualidade OBJETIVOS DO CURSO Apresentar aos participantes os conteúdos do Corpo de Conhecimento necessários à certificação, possibilitando que aprimorem os

Leia mais

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini GESTÃO AMBIENTAL EM SUBESTAÇÕES AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM VISTAS A PRESERVAR A IMAGEM DA CIA E GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DE SEUS NEGÓCIOS José Mario Dionizio

Leia mais

RAMAL FERROVIÁRIO DE RONDONÓPOLIS SEGMENTO III PROCEDIMENTO DOCUMENTADO AUDITORIAS INTERNAS PLANO DE AUDITORIA

RAMAL FERROVIÁRIO DE RONDONÓPOLIS SEGMENTO III PROCEDIMENTO DOCUMENTADO AUDITORIAS INTERNAS PLANO DE AUDITORIA 1/6 PLANO DE AUDITORIA Objetivo: evitar impactos ambientais adversos nos ambientes e na execução das atividades desempenhadas nas movimentações de Composições Férreas no trecho do Segmento III do Ramal

Leia mais

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços Para execução dos serviços o contratado deve enviar a documentação abaixo conforme a atividade que será desenvolvida. Para outras atividades que não constam na lista, o contratado deve enviar os documentos

Leia mais

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL MINÉRIO DE FERRO BRASIL SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL Da prevenção à resposta às emergências e outros eventos críticos Mineração e pessoas que fazem a diferença. 1 Gerenciamento de risco Anglo American

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1 - Organização e Procedimentos 1.1 Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1.1.1 Estão disponíveis os manuais relevantes dos equipamentos de uso clínico Equipamentos

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Investigação Confirmatória

Investigação Confirmatória MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Procedimentos para postos e sistemas retalhistas Licenciamento Ambiental Recebimento de Denúncia ou Reclamação Medidas Emergenciais Nenhuma intervenção necessária

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental (ISO 14001) e os desafios na implantação. São Paulo

Sistema de Gestão Ambiental (ISO 14001) e os desafios na implantação. São Paulo Sistema de Gestão Ambiental (ISO 14001) e os desafios na implantação São Paulo Apresentação Pessoal Ailton de Paula - Pós Graduação em Administração Industrial / Qualidade - Fundação Carlos Alberto Vanzolini

Leia mais

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1 Os processos Requisitos ISO 9001 s internas S1E1 Metodologia Esta capacitação em s Internas de Sistemas de Gestão da Qualidade prevê a construção do conhecimento por meio de exercícios teórico-práticos

Leia mais

UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES!

UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES! UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES! Fundado em 2010, o Grupo Vikon, hoje é a mais completa prestadora de serviços de consultoria técnica, inspeção e manutenção do mercado. Nossa equipe especializada e eficientemente

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

Avaliação do Impacto sobre o Meio Ambiente. Abrangência. Frequência ou Probab. Incidência. Serviços Internos. 2 Regional. Baixa. Local. Baixa.

Avaliação do Impacto sobre o Meio Ambiente. Abrangência. Frequência ou Probab. Incidência. Serviços Internos. 2 Regional. Baixa. Local. Baixa. fl. de 5 Endereço Aprovado Data Rev. UNIOP-SP Av. Paulista, 0 São Paulo SP 9º, 5º, 7º e 8º andares JMn (SESMS) 0/08/4 C Atividade Aspecto Ambiental Impacto Todas Emissão Atmosférica (Incêndio) Geração

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Questionário para Cotação de Seguro de Responsabilidade Civil Profissional para Engenheiros e Arquitetos

Questionário para Cotação de Seguro de Responsabilidade Civil Profissional para Engenheiros e Arquitetos Questionário para Cotação de Seguro de Responsabilidade Civil Profissional para Engenheiros e Arquitetos Por favor, responda todas as perguntas, quando cabíveis a atividade/empresa. Seção 1 Dados do Proponente

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: 100 ADMINISTRADOR ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Reportar-se ao Diretor de Gestão, de quem recebe orientação e supervisão; Redigir documentos e ter domínio de ferramentas de informática; Efetuar

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 São Paulo 25.08.2004 Seguindo a solicitação dos participantes do primeiro Workshop sobre interpretações da norma ISO 9001:2000 com as Certificadoras,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA ISO 14000

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015

Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015 Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015 2015 ABERJE Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015 Concepção e planejamento: Prof. Dr. Paulo Nassar Coordenação: Carlos A.

Leia mais

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Estudo de Caso 5 Restaurante Comida Mineira O restaurante Comida Mineira pretende implantar um sistema de gestão ambiental. O restaurante pode ser dividido para nosso estudo

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios Módulo 6 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios 2 - Referências normativas Relação da ISO 14001:2000 com ISO 14004:2000 Não há referências normativas indicadas

Leia mais

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº.

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Comissionamento de Infraestrutura Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Resumo: O comissionamento é basicamente a confirmação de um processo ou processos. No entanto, há uma falta de conhecimento de como ele

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS

AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS Elaboração Juscelino Bourbon PRO - GADS - 04-01 Versão Data Histórico Aprovação 00 03/06/11 Emissão de Procedimento Katty Cavalcanti 01 18/11/11 Modificações no título

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Dezembro, 2014 Agenda O incêndio cronologia Cuidados ambientais adotados durante o sinistro Possíveis causa(s) do incêndio Melhorias

Leia mais

Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular:

Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular: Ementa do Curso Curso: SEGURANÇA DO TRABALHO Etapa: 1ª Componente Curricular: PROTEÇÃO AMBIENTAL - PA Carga Horária: 80 H/A Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular: BIÓLOGO ENGENHEIRO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

Ref.: IT 560C BR. Emissão: 30/10/2014. Página 1 de 6 BUREAU VERITAS CERTIFICATION

Ref.: IT 560C BR. Emissão: 30/10/2014. Página 1 de 6 BUREAU VERITAS CERTIFICATION Página 1 de 6 INDÍCE 1. Escopo... 3 2. Manutenção... 3 3. Referências... 3 4. Definições... 3 5. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 3 6. CONDIÇÕES GERAIS... 4 7. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 4 8. MÉTODO...

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais