Lei N /14 Relevantes Alterações na Legislação Tributária Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lei N. 12.973/14 Relevantes Alterações na Legislação Tributária Brasileira"

Transcrição

1 ALERTA TRIBUTÁRIO Lei N /14 Relevantes Alterações na Legislaçã Tributária Brasileira Prezads Clientes, N últim dia 14 de mai fi publicada a Lei nº , de 13 de mai de 2014, cnvertend em lei dispst na Medida Prvisória nº 627, de 11 de nvembr de Referida lei traz prfundas alterações na legislaçã tributária, em especial cm relaçã à adequaçã das nrmas tributárias às nvas regras cntábeis intrduzidas pela Lei n , de 28 de dezembr de 2007, que aprximu as nrmas cntábeis brasileiras as padrões internacinais IFRS Internatinal Financial Reprting Standards. As alterações trazidas pela Lei nº /2014 impactam a determinaçã da base de cálcul d Impst de Renda da Pessa Jurídica ( IRPJ ), Cntribuiçã Scial Sbre Lucr Líquid ( CSLL ) e Cntribuições para Prgrama de Integraçã Scial ( PIS ) e para Financiament da Seguridade Scial ( COFINS ). O presente infrmativ tem pr escp apresentar apenas algumas alterações principais realizadas na cnversã em lei n text riginal da Medida Prvisória sem, cntud, esgtar a análise das alterações prmvidas pel diplma legal. Parcelament Especial Reabertura d praz para adesã a Refis da crise, ns terms Lei nº , de 27 de mai de 2009, pdend ela crrer até últim dia útil d segund mês subsequente a da publicaçã da lei (14 de mai de 2014). As dívidas que pderã ser parceladas sã aquelas vencidas até 30 de nvembr de O dispsitiv intrduzid pel Cngress que ampliava parcelament para dívidas vencidas até 30 de junh de 2013 fi vetad pela Presidência. Cm relaçã a parcelament de PIS e COFINS devid pr instituições financeiras e seguradras (Lei nº , de 09 de utubr de 2013), cuj praz também fi reabert, huve reduçã ttal das multas n cas de pagament à vista de débits vencids até 31 de dezembr de 2013 (e nã mais 31 de dezembr de 2012). Cm relaçã a parcelament de IRPJ e CSLL relativs a lucrs n exterir apurads pr

2 cntrladas e cligadas, cm praz também reabert, este também passu a alcançar s fats geradres crrids até 31 de dezembr de O númer máxim de parcelas também aumentu, de 120 para 180 meses, e huve um aument n descnt aplicad sbre valr de jurs (de 40% para 50%). Regime Tributári de Transiçã ("RTT") O RTT, criad cm a finalidade de neutralizar s efeits das nvas nrmas cntábeis na determinaçã d lucr real e da base de cálcul da CSLL será extint em janeir de A pessa jurídica, mediante pçã, pderá abandnar RTT já a partir de janeir de Lucrs e Dividends Apurads Entre 2008 e 2014 Os lucrs e dividends apurads entre 1º de janeir de 2008 e 31 de dezembr de 2013 em valres superires as apurads segund s métds e critéris cntábeis vigentes em 31 de dezembr de 2008 ( Cntabilidade RTT ) serã isents d IRPJ e da CSLL. Antes, n text riginal da MP, a isençã era cndicinada à pçã pel términ d RTT em Ademais, a regra se aplica a dividends apurads n períd, independente da data de distribuiçã (a MP 627 limitava a regra as lucrs pags até a data de sua publicaçã). Jurs Sbre Capital Própri ( JCP ) Apurads Entre 2008 e 2014 Asseguru-se que cálcul ds limites para pagament de JCP entre 2008 e 2014 pde ser realizad cm base n patrimôni líquid apurad segund padrã IFRS, nã devend ser realizad cm base na Cntabilidade RTT. Pr utr lad, cas a pessa jurídica pte pr antecipar fim d RTT em 2014, ela deverá calcular JCP cm base nas nvas regras, que restringem as cntas que pderã ser utilizadas para cálcul: Capital Scial; Reservas de Capital; Reservas de Lucrs; Ações em Tesuraria; e Prejuízs Acumulads. Esclareceu-se que s lucrs e dividends pags a beneficiáris das ações previstas n artig 15 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembr de 1976 ( Lei das S.A. ) nã pdem ser excluíds d lucr real e da base de cálcul da CSLL, ainda que cntabilizads cm despesa financeira. Para fins de cálcul da JCP, a cnta capital scial, inclui tdas as ações previstas n art. 15 da Lei das S.A., ainda que classificadas em cntas de passiv na escrituraçã cmercial. Métd de Equivalência Patrimnial ("MEP") Da mesma frma d que JCP, ns ans-calendári de 2008 a 2014, a pessa jurídica pderá avaliar investiment pel valr de patrimôni líquid da cligada u cntrlada, segund padrã IFRS, cm exceçã das empresas ptantes pel fim d RTT, que nã pderã valer-se dessa sistemática de cálcul para an-calendári de

3 O valr d patrimôni líquid das filiais sucursais, cntrladas e cligadas, dmiciliadas n exterir, serã calculads cm base nas nrmas da legislaçã crrespndente d país de dmicíli. Avaliaçã a Valr Just ( AVJ") Fi incluíd, de frma expressa, que eventual ganh decrrente de AVJ também deverá ser cmputad em perações de permuta que envlvam trca de ativ u passiv. AVJ na Hipótese de Subscriçã de Ações Cm relaçã a ganhs relativs a AVJ em peraçã de subscriçã de ações, incluiu-se dispsiçã determinand que quand s bens nã frem sujeits à realizaçã de depreciaçã, amrtizaçã u exaustã e que nã tenha sid alienad, baixad u utilizad na integralizaçã d capital de utra pessa jurídica, ele deverá ser tributad ns 5 (cinc) ans-calendári subsequentes à subscriçã/emissã, à razã de 1/60 (um sessenta avs), n mínim, para cada mês d períd de apuraçã. Fi eliminada na cnversã em lei a dispsiçã da Medida Prvisória que determinava que s ganhs de AVJ deveriam ser cmputads n lucr real de frma idêntica as lucrs, dividends e participações recebidas pela pessa jurídica, que crrespndesse à participaçã u as valres mbiliáris adquirids cm aument d valr d bem d ativ. Alterações semelhantes fram realizadas cm relaçã às perdas. Lucrs n Exterir Tributaçã em Bases Universais O IRPJ e a CSLL agra serã pags na prprçã ds lucrs (a MP falava em resultads ) distribuíds n exterir ns ans subsequentes a encerrament d períd de apuraçã a que crrespnder, até 8º an subsequente (e nã mais até 5º an), bservandse a distribuiçã mínima de 12,5% (antes, 25%) n 1º an. A Medida Prvisória criu uma regra de cnslidaçã de lucrs n exterir, pssibilitand que as pessas jurídicas apurem s lucrs de suas cntrladas e cligadas de frma cnslidada, permitind-se a cmpensaçã de prejuízs de uma empresa cm s lucrs apurads pelas utras. N entant, excluem-se dessa cnslidaçã as parcelas referentes às pessas jurídicas investidas que: Estejam situadas em país cm qual Brasil nã tenha acrd para trca de infrmações tributárias. A lei incluiu que essa exceçã nã se aplica a lucr de empresa situada nessas jurisdições se a cntrladra n Brasil dispnibilizar a cntabilidade scietária em mei digital e a dcumentaçã suprte da escrituraçã, na frma e praz a ser estabelecid pela Receita Federal d Brasil ( RFB ); Estejam situadas (u sejam cntrladas, direta u indiretamente pr empresas situadas) em Jurisdiçã cm Tributaçã Favrecida ( JTF ) u sejam beneficiárias de Regime Fiscal Privilegiad ( RFP ); 3

4 Tenham renda ativa própria inferir a 80% da renda ttal (nva hipótese incluída pela lei); Cm relaçã às instituições financeiras recnhecidas e autrizadas a funcinar n país em que situadas, jurs, aplicações financeiras e intermediaçã financeira passaram a ser cnsideradas cm renda ativa própria. As cntrladras que detenham investiment em pessas jurídicas n exterir que realizem atividades de fabricaçã de bebidas, prduts alimentícis, cnstruçã de edifícis e de bras de infraestrutura passarã a apurar um crédit presumid de 9% sbre a renda incidente sbre a parcela psitiva cmputada n lucr real (desde que as investidas nã estejam excluídas da cnslidaçã), até an-calendári de O Pder Executiv pderá ampliar rl de atividades beneficiadas. Retiru-se a necessidade de a cligada ter renda ativa própria igual u superir a 80% da renda ttal para que ela seja qualificada cm cligada nã sujeita à tributaçã autmática ds lucrs em 31 de dezembr de cada an-calendári. Passu-se a equiparar à cndiçã de cligads s empreendiments cntrlads em cnjunt cm partes nã vinculadas. Prrrgaçã da pssibilidade de cnslidaçã pela cntrladra até 2022 (e nã mais 2017). Fim da limitaçã de cinc ans para a utilizaçã de prejuízs acumulads na cnslidaçã. Prém, a partir de agra, tais prejuízs smente pderã ser utilizads na cmpensaçã cm lucrs futurs se s estques frem infrmads na frma e praz estabelecids pela RFB. Esclareceu-se que s jurs que serã acrescids a pagament d resultad cnslidad em parcelas smente serã incluíds a partir d 2º an subsequente e, de frma expressa, a lei dispõe que tais jurs serã dedutíveis da apuraçã d lucr real e da base de cálcul da CSLL. Exclusã da variaçã cambial cm relaçã a investiment em cntrlada, direta u indireta. Revgaçã ttal das regras de tributaçã de lucrs n exterir em cntrladas detidas de frma direta pr pessas físicas. Lucrs n Exterir Prspecçã e Explraçã de Petróle e Gás Na exclusã da tributaçã de lucrs auferids n exterir relativs às atividades de óle e gás, huve um alargament nas hipóteses abrangidas. 4

5 Agra, nã só s lucrs das cntrladas diretas, mas também das indiretas e das cligadas nã serã cmputads da determinaçã d lucr real e da base de cálcul da CSLL da cntrladra brasileira. Também fazem jus a benefíci, além das detentras de cncessã u autrizaçã, u sb regime de partilha de prduçã, u sb regime de cessã nersa, as pessas que sã cntratadas pr essas últimas. Ademais, nã apenas s lucrs derivads de cntrats de prestaçã de serviçs e afretament pr temp fram alcançads pela exclusã, mas também s cntrats de afretament a casc nu, arrendament mercantil peracinal, aluguel e empréstim. Ági nas Operações Scietárias A cnversã em lei restauru a pssibilidade de amrtizaçã d gdwill gerad em perações scietárias de substituiçã de ações u qutas de participaçã scietária, perações nã realizadas em dinheir. O laud que fundamenta a peraçã, que antes seria descnsiderad se estivesse incrret u nã merecesse fé, passu a ser descnsiderad na hipótese de apresentar vícis u incrreções de caráter relevante. Alteraçã n cnceit de dependência (caracterizaçã de ági intern ): enquant a MP 627 cnsiderava dependência relações que permitissem inferir dependência entre as pessas jurídicas envlvidas, text cnvertid em lei restringiu essa hipótese para quand fique cmprvada a dependência scietária. Fi incluída regra esclarecend que n cas de participaçã scietária adquirida em estágis, a relaçã de dependência deve ser verificada n at da primeira aquisiçã, desde que as cndições d negóci estejam previstas n instrument negcial. Fi estendida a prteçã cnferida pela Medida Prvisória cm relaçã à transações crridas n passad. Cntinuará valend a regra antiga (Lei 9.532, de 10 de dezembr de 1997) n cas das perações de incrpraçã, fusã e cisã crridas até 31 de dezembr de 2017 (e nã mais 2015), cuja participaçã scietária tenha sid adquirida até 31 de dezembr de Cas a aquisiçã dependa de aprvaçã de órgã reguladr / fiscalizadr, praz para incrpraçã pderá ser de até 12 meses da data da sua aprvaçã. Arrendament Mercantil Além da dedutibilidade das despesas pagas u creditadas pr frça de cntrat de arrendament mercantil, referentes a bens móveis u imóveis intrinsecamente relacinads cm a prduçã u cmercializaçã ds bens e serviçs, prjet de cnversã em lei acrescentu que as despesas financeiras nelas cnsideradas também serã cmputadas na determinaçã d lucr real. 5

6 Funds de Investiment de nã residentes Isençã de IR para rendiments e ganhs de capital auferids pr nã residente (lcalizad fra de JTF), prduzids pr funds de investiments que preencham s seguintes requisits: Cujs ctistas sejam exclusivamente investidres estrangeirs; e Cujs recurss sejam aplicads exclusivamente em depósit à vista, u em ativs sujeits à isençã d IR (e.g., pupança), u tributads à alíquta zer. Cas regulament d fund determine, de frma expressa, que s ctistas sejam investidres estrangeirs pessas físicas, serã aplicáveis as regras de isençã previstas n artig 3º da Lei nº , de 21 de dezembr de Assim, pr exempl, serã isents d referid impst s rendiments prduzids pr letras hiptecárias, certificads de recebíveis imbiliáris e letras de crédit imbiliári e de rendiments distribuíds pr Funds de Investiments Imbiliáris ( FII ), negciads em blsa/mercad de balcã rganizad e bservads s requisits prevists em lei. Funds de Investiment em Participações ( FIP ), Funds de Investiment em Ctas de Funds de Investiment em Participações ( FIC-FIP )e Funds de Investiment em Empresas Emergentes ( FIEE ) Recnheceu-se, de frma expressa, que s ganhs de capital auferids na alienaçã u amrtizaçã de qutas desses funds de investiment também sã tributads à alíquta zer, afastand entendiment de que a regra anterir alcançaria apenas s rendiments. PIS e COFINS O prjet de cnversã excluiu d cnceit de receita bruta: Os resultads psitivs da avaliaçã de investiment pel valr d patrimôni líquid e derivads de participações scietárias (e nã apenas investiments avaliads pel cust de aquisiçã, cm previst na MP); A receita recnhecida pela cnstruçã, recuperaçã, ampliaçã u melhrament da infraestrutura, cuja cntrapartida seja ativ intangível representativ de direit de explraçã, n cas de cntrats de cncessã de serviçs públics; A receita decrrente da venda de ativ nã-circulante (ativ realizável a lng praz, investiments, imbilizad e intangível), aumentand a exclusã anterirmente em vigr que smente incluía a venda de ativ imbilizad (PIS) e permanente (COFINS), excluind intangíveis. Penalidades n Descumpriment de Obrigaçã Acessória - Sistema Públic de Escrituraçã Digital ( SPED ) A multa pr atras, antes de 0,025% da receita bruta, passu a ser de 0,25% sbre lucr líquid antes d IRPJ e da CSLL. 6

7 Em cas de missã u apresentaçã incrreta/inexata de valres, a multa de 5% d valr da infrmaçã, nunca inferir a R$ 500,00, passu a ser de 3%, prém limite fi reduzid para R$ 100,00. Isençã de Impst de Renda da Pessa Física ( IRPF ) para Rendiments Recebids pr Cndmínis Residenciais Ficam isents d IRPF s rendiments n valr máxim de R$ ,00 a an auferids pr cndmínis residenciais, desde que revertids em benefíci d cndmíni para cbertura de despesas de custei e de despesas extrardinárias, estejam prevists e autrizads na cnvençã cndminial, nã sejam distribuíds as cndômins e decrram: de us, aluguel u lcaçã de partes cmuns d cndmíni; de multas e penalidades aplicadas em decrrência de inbservância das regras previstas na cnvençã cndminial; u de alienaçã de ativs detids pel cndmíni. Custs Relacinads à Instruments de Capital e Dívidas Subrdinadas (excet ações) A remuneraçã, s encargs, as despesas e demais custs relacinads a instruments de capital e dívidas subrdinadas, ainda que cntabilizads n patrimôni líquid, pderã ser excluíds na determinaçã d lucr real e da base de cálcul de CSLL quand incrrids. Para instituições financeiras e assemelhadas ( 1º d art. 22 da Lei nº 8.212/1991), a remuneraçã e s encargs mencinads pderã, para fins de determinaçã da base de cálcul das cntribuições para PIS e COFINS, ser excluíds u deduzids cm despesas de perações de intermediaçã financeira. Pr favr, nã hesitem em ns cntatar n cas de dúvidas. Publicad pr Camps Mell Advgads. Cpyright Camps Mell Advgads. Tds s direits reservads Este bletim infrmativ fi cncebid cm uma visã geral ds assunts aqui tratads e nã deve ser usad cm substitut para um acnselhament jurídic frmal. Camps Mell Advgads nã aceitará nenhuma respnsabilidade pr quaisquer ações tmadas u nã cm base neste bletim infrmativ. Vcê está recebend esta cmunicaçã pr ser um imprtante cliente u cntat d Camps Mell Advgads. 7

TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS

TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS Pribida a reprduçã. TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS Abril de 2012 Índice Pessas Físicas 1. À Vista... 2 2. Opções... 4 3. POP Prteçã d Investiment cm Participaçã... 6 4. Term... 7 5. Futur Títuls

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Padrões Contábeis CPC-IFRS Atualizado pelos Pronunciamentos CPC. Rafael Borges Morch José Augusto Veiga da Costa Marques

Padrões Contábeis CPC-IFRS Atualizado pelos Pronunciamentos CPC. Rafael Borges Morch José Augusto Veiga da Costa Marques Padrões Cntábeis CPC-IFRS Atualizad pels Prnunciaments CPC Rafael Brges Mrch Jsé August Veiga da Csta Marques Prpsta de curs Cntextualizar ambiente da cnvergência cntábil Apresentar s nvs padrões cntábeis

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

FIES - Documentação comprobatória

FIES - Documentação comprobatória FIES - Dcumentaçã cmprbatória OBS: Devem ser apresentads riginais e cópias ds dcuments relacinads. COMPROVANTES DE RESIDÊNCIA DO ESTUDANTE: O estudante deverá cmparecer à CPSA e psterirmente a agente financeir

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

PCASP Alterações propostas no GTCON de maio/10

PCASP Alterações propostas no GTCON de maio/10 ALTERAÇÕES N PCASP PCASP Alterações propostas no GTCN de maio/10 Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte. Alterações Antiga no estrutura PCASP Ficou acordado que

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

Resultados Consolidados 3º Trimestre de 2014

Resultados Consolidados 3º Trimestre de 2014 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2º semestre / 2012 O Prgrama de Educaçã Cntinuada da trna públic, para cnheciment

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 38 Especial OE 2014 e Reforma do IRC Janeiro 2014

NEWSLETTER FISCAL Nº 38 Especial OE 2014 e Reforma do IRC Janeiro 2014 Nº 38 Especial OE 2014 e Refrma d IRC Janeir 2014 N passad dia 20 de dezembr de 2013 fi aprvad na Assembleia da República Decret n.º 195/XII, relativ à refrma d IRC, aguardand-se prmulgaçã pel Presidente

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Prcediments Hspitalares d SUS pr lcal de internaçã de 1992 a 2007 Ntas Técnicas Origem ds dads Os dads dispníveis sã riunds d Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS - SIH/SUS, gerid pel Ministéri da Saúde,

Leia mais

REGULAMENTO REGRA GERAL PARA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO. Carrinho Premiado Tricard Smart 2015

REGULAMENTO REGRA GERAL PARA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO. Carrinho Premiado Tricard Smart 2015 REGULAMENTO REGRA GERAL PARA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO Carrinh Premiad Tricard Smart 2015 Banc Triângul S.A. (mandatária), cm sede na Av. Cesári Alvim, 2209, Bairr Aparecida Uberlândia/MG, inscrita n CNPJ/MF

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Política de Investimentos. OABPrev-SP

Política de Investimentos. OABPrev-SP Plítica de Investiments OABPrev-SP 2011 1 Intrduçã 2 Objetivs de Investiment 3 Alcaçã Estratégia 4 Limites peracinais para investiment n segment de Renda Fixa 5 Us de Instruments Derivativs 6 Índices de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICAS PARA EMPRESAS

MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICAS PARA EMPRESAS MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICAS PARA EMPRESAS MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA EMPRESAS 3 Lei 11.196, de 21. 11. 2005 (Lei d bem) CAPÍTULO III DOS INCENTIVOS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 17.

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Manual de Procedimentos do Correspondente no País

Manual de Procedimentos do Correspondente no País Manual de Prcediments d Crrespndente n País Manual de Prcediments d Crrespndente n País A BV Financeira elabru este manual para rientar e esclarecer seus parceirs cmerciais, de frma simples e bjetiva,

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009.

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009. PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA: Sã Paul, 14 de julh de 2010: A CAMARGO CORRÊA DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO ( CCDI u Cmpanhia ; Bvespa: CCIM3) anuncia seus resultads peracinais referentes a segund trimestre de

Leia mais

Resultados Consolidados 4º Trimestre de 2014

Resultados Consolidados 4º Trimestre de 2014 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Ativo Externo. Circ. 3181, de 06.03.03 Declaração de valores detidos no exterior. Dispensados. Modalidades

Ativo Externo. Circ. 3181, de 06.03.03 Declaração de valores detidos no exterior. Dispensados. Modalidades Ativ Extern Circ. 3181, de 06.03.03 Declaraçã de valres detids n exterir O Cnselh Mnetári Nacinal, a emitir a Resluçã 2911/01 (vide RP News - nvembr/01), bjetivu cntrlar e acmpanhar estque de bens e valres

Leia mais

Resultados Janeiro Junho / 2015. Resultados 2T14 Telefônica Brasil S.A.

Resultados Janeiro Junho / 2015. Resultados 2T14 Telefônica Brasil S.A. Resultads Janeir Junh / 2015 Resultads 2T14 Resultads 2T15 Neste 0+ trimestre, após a cnclusã da aquisiçã da GVT, divulgams as infrmações da nva Cmpanhia, que atingiu sólid cresciment anual ns principais

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO 01. Instruções para recadastrament Pessa Física IN CVM 301/2001 e 463/2008 1. Pr favr preencha tds s camps ds frmuláris, aqueles que nã frem preenchids, pr gentileza, bliterá-ls u invalidá-ls; 2. Imprima

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

Sua Empresa Tem Um Contrato Com Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Caução ou Fiança? Garantia do Executante Construtor (PERFORMANCE BOND)

Sua Empresa Tem Um Contrato Com Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Caução ou Fiança? Garantia do Executante Construtor (PERFORMANCE BOND) Segur Garantia O que é Segur Garantia? Sua Empresa Participa de Cncrrência Pública? Sua Empresa Tem Um Cntrat Cm Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Cauçã u Fiança? Partes Intervenientes Garantia

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML 1 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML Plítica Anual de Investiments 2015 TERMO DE REFERÊNCIA 2 Em cnsnância a que determina a Resluçã d CMN n 3.922/2010 n Artig 4, fica estabelecid pr mei

Leia mais

Análise da conformidade das demonstrações contábeis das Fundações de Apoio as Universidades Públicas no Brasil

Análise da conformidade das demonstrações contábeis das Fundações de Apoio as Universidades Públicas no Brasil Análise da cnfrmidade das demnstrações cntábeis das Fundações de Api as Universidades Públicas n Brasil ALESSANDRO JORGE a219128@fumec.edu.br Fumec Carls Albert de Suza carlsprfs@gmail.cm Fumec e Una Vanda

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007 COMUNICADO SONAE - SGPS, S. A. Sede: Lugar d Espid, Via Nrte, Maia Capital scial: 2.000.000.000,00 Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Maia sb númer únic de matrícula e identificaçã fiscal

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo Prspet Infrmativ Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Prdut Financeir Cmplex Designaçã Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Classificaçã Prdut Financeir Cmplex Depósit Indexad O depósit Mntepi Cnsumer Brands -

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais