DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE MULTIMÍDIA PARA O ENSINO DE TÓPICOS DE ELETRÔNICA BÁSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE MULTIMÍDIA PARA O ENSINO DE TÓPICOS DE ELETRÔNICA BÁSICA"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE MULTIMÍDIA PARA O ENSINO DE TÓPICOS DE ELETRÔNICA BÁSICA Galeno José Sena UNESP Guaratinguetá, Departamento de Matemática Rosa Maria Bittencourt UNESP Guaratinguetá, Departamento de Projetos e Construção Civil Odete Pacubi Baierl Teixeira UNESP Guaratinguetá, Departamento de Física e Química Angela Dias Velasco UNESP Guaratinguetá, Departamento de Matemática Maria Auxiliadora R. F. Gonçalves UNESP Guaratinguetá, Colégio Técnico Industrial Jânio Itiro Akamatsu UNESP Guaratinguetá, Colégio Técnico Industrial Resumo O objetivo do trabalho é realizar um estudo visando o desenvolvimento de um software com recursos de Multimídia para o Ensino Profissionalizante, enfatizando conteúdos de Eletrônica, dentro de um Projeto de Melhoria da Qualidade do Ensino Profissionalizante, patrocinado pela FAPESP. O protótipo construído objetiva apoiar o ensino dos seguintes tópicos: Cargas Elétricas, Princípios básicos de Eletrostática, Processos de Eletrização, Lei de Coulomb, Campo Elétrico e Potencial Elétrico Faremos uma análise quanto ao aspecto técnico e com relação a alguns pontos referentes aos aspectos didático-pedagógicos da utilização do protótipo, tendo em vista que no momento o material ainda se encontra em fase de testes junto aos alunos. Procuraremos também apontar as limitações e os pontos significativos dos recursos de software do projeto, do ponto de vista de sua adequação para o desenvolvimento do protótipo. Através dos primeiros testes realizados com o protótipo, foi possível enumerar e caracterizar as variáveis relacionadas à qualidade e à eficiência do modelo de software elaborado, do ponto de vista de sua utilização como um recurso didático para o ensino dos tópicos citados. Por intermédio desta sondagem inicial, foi possível aprofundar diferentes questões relativas à utilização de softwares didáticos como ferramentas de apoio ao ensino, que servirão de subsídios para o aperfeiçoamento de um futuro modelo. 1. Introdução A Universidade como instituição tem que buscar, nos dias atuais, soluções inovadoras que 318

2 permitam gerar conhecimentos de qualidade, com capacidade suficiente para transferi-los de forma eficaz à sociedade. Com a implantação da nova LDB, aprovada em 1996, e diante das mudanças e inovações necessárias para a melhoria do ensino público, em especial o ensino profissionalizante, propusemo-nos a desenvolver um projeto [1], financiado pela FAPESP, tendo por meta formar profissionais não apenas para consumir tecnologias e sim, aprender a aprender. O projeto, implantado a partir de junho de 1998, tem como desafio pesquisar e desenvolver novas metodologias pedagógicas, utilizando tecnologias inovadoras, incluindo no seu desenvolvimento ferramentas de Qualidade. Os objetivos propostos para o projeto são: (i) Caracterizar uma forma adequada de implantação de novas metodologias pedagógicas que levem ao conhecimento operativo e interativo, utilizando tecnologias de informática em geral e, em especial, recursos de multimídia; (ii) reformular as técnicas utilizadas em sala de aula e em laboratórios; e (iii) capacitar professores na utilização das tecnologias disponibilizadas, como microcomputadores e softwares educacionais, aproveitando estas tecnologias, de forma coerente com a proposta pedagógica; e (iv) avaliar o impacto da utilização de novas metodologias, ferramentas e a capacitação do professor na melhoria da qualidade do ensino profissionalizante. Três equipes estão envolvidas no desenvolvimento do projeto, a saber: equipe de pesquisa, equipe das escolas parceiras, e equipe de apoio. A equipe de Pesquisa é formada por pesquisadores, que participam de todas as etapas do Projeto, incluindo, dentre outras, o diagnóstico das escolas parceiras, produção e aplicação de material didático pedagógico, avaliação e/ou reflexão do processo de ensino-aprendizagem, e análise e aplicação futura dos resultados do projeto. A equipe de apoio, constituída por técnicos e bolsistas de Informática, deverá auxiliar na produção, treinamento, e aplicação do material didático. O projeto conta com a participação de duas escolas técnicas, designadas de escolas parceiras. A equipe das escolas parceiras é formada por dois Coordenadores, um para cada uma das escolas, e por professores-bolsistas destas escolas, perfazendo um total de 16 (dezesseis) membros. Dentre as disciplinas contempladas no projeto, podemos citar: Eletricidade Básica, Eletrônica Básica, Sistemas Digitais, CAD e Projeto. A partir das disciplinas do projeto, os professores-bolsistas foram agrupados em três Equipes de Trabalho, a saber: Eletro-Eletrônica, Sistemas Digitais, e Desenho/Projeto. No presente artigo estaremos apresentando a versão atual do protótipo didático construído pela equipe de eletro-eletrônica, objetivando o ensino de tópicos de Eletrônica Básica. A construção deste, bem como dos protótipos das demais equipes de trabalho, constitui um dos resultados do projeto, viabilizado a partir das atividades de treinamento [2] aplicadas aos professores-bolsistas, visando o desenvolvimento de competência técnica O gerenciamento da implementação dos protótipos obedecerá ao ciclo do PDCA [3]. No desenvolvimento dos protótipos, procura-se enfatizar tópicos diferenciados das disciplinas consideradas, reconhecidos como de difícil aprendizagem pelos estudantes. A aplicação destes protótipos para os estudantes já foi iniciada, e será seguida por um processo de avaliação tendo em vista o objetivo de melhoria contínua. 2. Desenvolvimento do Protótipo Nesta seção apresentaremos os aspectos técnicos relativos à construção do protótipo de Eletrônica Básica. Enfatizaremos as modalidades de recursos de software requeridos, os objetos das telas e a confecção das telas propriamente dita, os exercícios de fixação, a organização do protótipo em termos de módulos Professor/Aluno a estrutura do CD construído. A metodologia utilizada na construção do protótipo consta de [4]. 2.1 Recursos de Software Requeridos e Utilizados 319

3 Para a estruturação de algumas das aulas, foi utilizado o software Visual Class [5], uma vez que se trata de um software de autoria de rápido aprendizado e de fácil utilização. Para o desenvolvimento do projeto, precisávamos de um software como o VisualClass, tendo em conta que os professores bolsistas do projeto não são especialistas em Informática e, neste sentido, não tinham condições de utilizar softwares de grande complexidade. O Visual Class monousuário requer, para a sua utilização, que o CD do software esteja inserido no drive de CD-ROM do microcomputador. Todavia, é possível gerar um CD executável, contendo aulas construídas com este software, utilizando um software de geração de CD (GERACD ), adquirido do mesmo fabricante. Com isto será possível transportar as aulas criadas para um CD para serem utilizadas por outros professores das escolas envolvidas, ou mesmo, posteriormente, por outras as escolas da rede de ensino. Na importação de textos (do Microsoft Word, por exemplo), observou-se que o Visual Class trata estes textos como se fossem imagens. Em função disto, antes da importação, deve-se encontrar um tamanho de fonte adequado para que as letras não fiquem distorcidas quando o texto é transferido para o Visual Class. Observou-se também, por outro lado, que o Visual Class oferece um ambiente apropriado para aplicação de testes para avaliar a aprendizagem dos alunos. Outro software utilizado foi o Power Point, o qual, além de se comunicar facilmente com o Microsoft Word, possui vários recursos para montagem das telas do protótipo, além de ser de aprendizado rápido e de fácil utilização. Uma ferramenta mais apropriada, tendo em conta o objetivo de se incluir recursos de Multimídia, é o Director. Todavia, trata-se de uma ferramenta bem mais complexa, que não poderia ser utilizada nesta fase pelos professores. Na versão atual do protótipo, a parte correspondente à explicação dos assuntos foi implementada utilizando o Power Point, enquanto que a parte relativa às questões de avaliação foi desenvolvida utilizando o Visual Class. Para criar as animações do protótipo verificou-se que seria necessário utilizar um aplicativo de animação. Ferramentas apropriadas pela tarefa são o 3D F/X e o Animator Studio. Para a confecção das figuras foram utilizados o Corel Draw 7.0 e o Paint Brush, o primeiro para dar a alguns objetos idéia de 3D e o segundo, para formar as figuras e os quadros das animações. 2.2 Animações Para construção de filmes foram utilizados essencialmente três aplicativos: o Corel Draw, o Paint Brush e um software de animação. Poder-se-ia utilizar apenas o Corel e o software de animação, porém o Paint Brush mostrou-se apropriado em várias situações. Com respeito à utilização do software de animação, as figuras foram manipuladas em um dos outros aplicativos e então importadas para os frames para se fazer a animação. Na montagem dos filmes, algumas vezes foi necessário fazer o ajuste da cor de fundo dos frames do software de animação para a cor de fundo do desenho. 2.3 Confecção dos Slides A primeira preocupação na montagem das telas foi a escolha das cores de fundo, e das cores e tipos de letras a serem utilizadas nos slides. Optou-se pelo uso de cores escuras, com alguns efeitos de preenchimento para que alguns slides não se tornassem monótonos. Quanto às fontes, adotou-se, na maioria das telas, o Times New Roman (em negrito), tamanhos 24, 20 ou 18, utilizando sempre uma cor (na maioria das vezes preta ou amarela) 320

4 que desse um bom contraste com o fundo. As cores vivas foram utilizadas apenas em alguns pontos dos slides para chamar a atenção do aluno. Ao se introduzir o CD-ROM do protótipo no drive de CD, devido à inclusão no CD de um arquivo de AUTO-RUN, será iniciada automaticamente a execução do protótipo, com a exibição da tela de apresentação (Figura 1) e, logo a seguir, da tela do MENU (Figura 2), onde estão presentes os botões que permitem ao aluno navegar para qualquer parte do software. Estas telas serão reapresentadas na mesma seqüência, caso nenhum botão seja selecionado após um tempo de exibição (definido no protótipo), este ciclo sendo continuado por tempo indeterminado. Fig. 1: Tela de Abertura Fig. 2: Tela do Menu Todos as telas utilizadas no software têm estrutura semelhante. Todas possuem uma área reservada para receber textos, filmes e imagens e uma outra área reservada para receber os botões (teclas) de ação. Com exceção da tela de abertura do software e da tela do Menu, as demais telas possuem na parte inferior os seguintes botões: Voltar, Próximo, e Sair (Figura 3), com significados operacionais óbvios. Fig 3: Tela típica do protótipo Alguns destes botões podem não estar presentes em telas específicas, como, por exemplo, o botão Próximo na última tela. Assim, a passagem de uma para outra tem que ser comandada pelo aluno. Já as animações e os sons existentes começam automaticamente após um período de tempo determinado na montagem do software. Para implementação 321

5 dos botões e associação destes a um outro aplicativo ou apresentação, utilizou-se o recurso de hyperlink existente no Power Point. Para se evitar a inclusão de textos explicativos muito extensos nas telas, e também tendo em conta o objetivo de se construir uma ferramenta com recursos de Multimídia, optou-se por substituir, em várias situações, o texto (ou parte dele) por narração (som). Em vários casos fez-se o uso de narração associada a um filme, para tornar mais fácil o entendimento do tópico sendo explicado. 2.4 Montagem dos Exercícios de Fixação No protótipo o aluno encontrará jogos e exercícios de fixação. Os jogos são na realidade exercícios que não foram estruturados na forma tradicional, e que objetivam cobrir grande extensão do conteúdo estudado. Os exercícios foram montados na forma de testes de múltipla escolha, cujas respostas, para cada exercício, estão vinculadas (através de hyperlinks), ou ao próximo exercício ou a telas específicas denominadas slides de alerta, exibidos a partir de uma opção (resposta) errada em um exercício qualquer. Há três modalidades de slides de alerta, diferenciados inclusive pela cor de fundo. A partir do primeiro slide de alerta (cor verde), o aluno poderá retornar ao exercício, sair dos exercícios e começar tudo novamente, ou então ir para o segundo slide de alerta. A partir deste (cor amarela) o aluno poderá sair e começar todos os exercícios novamente ou ir para o terceiro slide (cor vermelha), cuja exibição emitirá um som indicando ao professor que o estudante está tendo dificuldades e necessita de atenção. 2.5 Módulos Professor/Aluno Como em várias aulas o protótipo é utilizado a partir de um microcomputador com um projetor acoplado à sua saída de vídeo, com os slides projetados em um telão, optou-se por diferenciar dois tipos de módulos, a saber: do professor e do aluno. No módulo do professor foram suprimidos os sons e alguns textos, pois as explicações neste caso serão dadas a viva voz pelo próprio professor. Exercícios existentes na outra modalidade não estão presentes neste módulo, pois nem sempre é possível utilizá-los neste estilo de apresentação. Excetuadas estas diferenças, os dois módulos se equivalem. 2.6 Organização do CD do protótipo A organização do CD é apresentada na figura 4. Há uma pasta nomeada ELBA1 (Eletronica Básica, versão 1), na qual se encontram os arquivos executáveis de cada apresentação (extensão PPS e DOC). Os arquivos com extensão PPS, quando ativados, abrem o Power Point no modo de exibição de slides, dando início à apresentação. Associado à exposição de cada tópico, faz-se uso de mais de um arquivo, e com isto trabalha-se com arquivos de menor tamanho, o que torna mais fácil a correção de problemas durante a fase de construção e também não sobrecarrega o computador que tiver pouca memória RAM. São subpastas da pasta ELBA1: Filmes, Mestre, Ppt4view, Testes e Visual Class. A subpasta Filmes guarda todos os arquivos referentes às animações que foram criadas e estão sendo utilizadas no protótipo. O conteúdo subpasta Mestre dependerá da versão do CD-ROM utilizado. Quando o CD-ROM for de uso do aluno esta subpasta estará vazia, mas no CD de uso do professor esta subpasta conterá uma apresentação personalizada, de uso exclusivo para uma aula expositiva. A pasta Ppt4view contém instruções e arquivos para a instalação do visualizador do Power Point 97, caso no microcomputador em uso não exista o PowerPoint 97, ou 322

6 exista uma versão anterior. Já na subpasta teste estão armazenados os exercícios de fixação que deverão ser resolvidos pelos alunos durante determinadas fases das apresentações. Na subpasta Visual Class são armazenados todos os exercícios que serão usados para avaliação ou como exercícios de fixação, mas que dependem do aplicativo Visual Class. Portanto, para utilização desta subpasta o microcomputador deverá estar ligado à uma rede cujo servidor contenha o Visual Class, ou então, todo o seu conteúdo deverá ser copiado para o HD e o CD-ROM do Visual Class colocado no drive de CD, substituindo o CD do protótipo. Fig. 4: Organização do CD do protótipo 3. Aspectos Didático-Pedagógicos da Utilização do Protótipo Basicamente os professores colocaram os seguintes objetivos com relação às disciplinas que estavam sendo ensinadas: (i) interpretar circuitos elétricos; (ii) efetuar soldagem e liberação ( dessoldagem ) de componentes elétricos e eletrônicos sem danificá-los; e (iii) manusear corretamente multímetros analógicos e digitais, geradores de freqüência e osciloscópios. Com relação aos conteúdos a serem desenvolvidos no curso em Eletrostática e Eletrodinâmica foram elencados: estrutura da matéria, cargas elétricas, processos de eletrização, Lei de Coulomb, campo elétrico, potencial elétrico, corrente elétrica, resistência elétrica, Lei de Ohm, potência elétrica, associação de resistores em série e em paralelo, potenciômetro. Dentre os recursos utilizados pelos professores durante as aulas verificamos que grande parte valeram-se de aulas expositivas com o auxílio do giz e do quadro-negro, porém os professores também procuraram utilizar-se de técnicas que muito comumente estavam voltadas para uma abordagem construtivista de ensino, tais como: atentar para a explicação do assunto que estava sendo tratado salientando a importância destes dentro da disciplina; apresentar problemas que de certa forma, tivessem ligação com o dia-a-dia do aluno; procurar gerar discussões a fim de que os alunos fossem estimulados a refletirem sobre suas opiniões, defenderem seus pontos de vista, fazendo com o próprio alunos procurassem encontrar onde estava localizado o seu erro; Com relação ao desenvolvimento das aulas, especificamente no que tange a avaliação foi verificado que os professores procuraram avaliar o transcurso da aula através de perguntas gerais e individuais que eram feitas durante as aulas teóricas. Nas aulas práticas a avaliação embassava nos resultados obtidos dos resultados dos experimentos, e através da observação das atitudes dos alunos na montagem, dos circuitos e medições feitas em componentes. 323

7 Por outro lado, ainda que a avaliação acerca do entendimento dos alunos com relação aos conteúdos que estavam sendo abordados em sala de aula tivesse sido realizada de uma forma mais aberta, as avaliações, segundo os professores, especificamente foram feitas para poder se verificar o aprendizado e no que tange aquelas voltadas para a atribuição de notas, foram realizadas através de provas escritas e as avaliações práticas ocorreram em função da análise dos relatórios que os alunos faziam dos experimentos. Quanto à utilização, especificamente, dos protótipos (softwares) pudemos verificar que no conjunto das aulas que os professores teriam ao seu dispor, sua utilização acabou sendo bastante limitada. Isto pode ser atribuído a dois fatores, em particular: em primeiro lugar, porque os softwares que alguns professores necessitariam para abordar os tópicos pertencentes aos conteúdos, não ficaram prontos, ou seja o software estava atrasado em relação ao andamento do programa; e outro fator, estaria ligado muito mais a uma possível resistência por parte dos professores com relação a uma utilização de um recurso, que ainda não estavam suficientemente familiarizados. Quando perguntados sobre a contribuição do software para a melhoria do processo de ensino-aprendizagem, os professores utilizaram-se de justificativas que acabaram recaindo em função da motivação apresentada e que os alunos conseguiram assimilar os tópicos trabalhados em um tempo bem menor na medida em que o aluno podia adequar a velocidade da aula a sua capacidade de aprendizagem. Outras contribuições que o software poderia oferecer, segundo os professores, principalmente com relação ao ensino de tópicos de eletrônica básica estavam ligados à possibilidade de realização de leituras com o multímetro (multímetro virtual), permitindo que eles simulassem uma manipulação do instrumento sem correr o risco de inverter a polaridade das ponteiras, utilizar escalas inadequadas, ou cometerem algum tipo de procedimento que pudesse danificar o instrumento caso estivessem fazendo medições num instrumento real. Com relação, especificamente aos alunos, os professores foram unânimes na constatação de que com a utilização dos recursos da multimídia: (i) as aulas tornaram-se mais dinâmicas; (ii) aumentou a motivação pelos assuntos que estavam sendo desenvolvidos durante as aulas; e (iii) o tempo despendido durante uma alteração nos circuitos, tabelas e até mesmo textos durante o transcorrer das aulas, acaba sendo realizado num tempo bastante reduzido, muito menor do que aquele das aulas convencionais, facilitando assim o trabalho do docente, podendo este tempo adicional ser utilizado para a introdução e resolução de mais exercícios, por exemplo. Na medida em que o tempo de utilização dos softwares pelos professores acabou se restringindo a poucos momentos de utilização, não nos foi possível realizar uma análise mais detalhada com relação a utilização destes softwares, até porque nem todos os professores que participaram da confecção conseguiram aplicá-lo em sala de aula, e parte daqueles que conseguiram utilizá-lo o fizeram não na sua totalidade tendo em vista que havia uma defasagem entre a execução do material de apoio e o transcurso das aulas que eles estavam ministrando. Um estudo mais aprofundado será realizado no próximo semestre quando todos os professores terão a oportunidade de testá-lo em sala de aula e assim os dados que estarão disponíveis para a análise poderão ser realizados de uma maneira mais aprofundada. 4. Comentários Gerais Nas ultimas duas décadas surgiram um numero significativo de novas tecnologias de informação, e cada vez mais as instituições as estão utilizando estas para fins educacionais. Escolher a melhor tecnologia, tornou-se um grande desafio, pois em muitos casos os custos são relativamente altos, não se conhece a sua eficácia quanto aos resultados da 324

8 aprendizagem do aluno, e ainda são de difícil utilização. Neste projeto, procurou-se dar ênfase na capacitação do professor, e não em uma determinada tecnologia. Para este objetivo: - Foram escolhidas ferramentas computacionais que, com um pequeno treinamento, pudessem ser utilizadas pelos professores para planejar, produzir e aplicar o material didático informatizado na sala de aula. Pois, dificuldades na produção e aplicação do material didático, poderiam desestimulá-los. - Os professores envolvidos no projeto participam de todo o processo, desde o planejamento até a aplicação do material didático informatizado. Assim, há um comprometimento maior dos professores com a proposta do projeto. - Qual, como e quando utilizar determinada ferramenta e/ou material didático informatizado, são questões que devem ser respondidas durante o planejamento das aulas. Portanto, estão sendo utilizados diferentes ferramentas computacionais, adequadas a cada situação exigida pelo tópico a ser ministrado pelo professor. A participação dos professores na confecção dos softwares foi importante para que eles próprios pudessem colocar os objetivos propostos em seus planos de aula nos tópicos que estavam sendo elaborados e que seriam utilizados na sala de aula, diferentemente dos objetivos propostos por pessoas que iriam confeccionar o software para que os professores pudessem aplicá-los com os seus alunos, ou seja, as propostas dos professores deveriam estar presentes em todo o processo de elaboração dos materiais didáticos, e a adequação seria consequência da incorporação de todos os itens reconhecidos como importantes. Todavia, se por um lado, não existe mais dúvida de que o computador é um recurso auxiliar no processo de construção de conhecimento dos alunos, por outro lado, existe a necessidade de que o professor se familiarize com a sua utilização e a incorpore no seu cotidiano, na medida em que o computador possa subsidiar estratégias visando atender às necessidades cognitivas dos alunos que estão interagindo com os programas. Agradecimentos Registramos nossos agradecimentos aos professores-bolsistas da equipe de Eletro-Eletrônica: José Gilberto de Arruda, José Lemos da Silva Filho, Fabiano Dutra Cesar Doria e Orlando Vieira de Siqueira, responsáveis pela construção e aplicação do protótipo aqui descrito. Referências Bibliográficas [1] G. J. Sena; J. I. Akamatsu; R. M. Bittencourt; M. A. R. F. Gonçalves; A. D. Velasco; P. C. Oliveira; G. L. Torres. Improving the Quality of Technical Education: A Proposal. Artigo submetido para o ICECE: Int l Conf. on Engineering and Computer Education, Rio de Janeiro-RJ, de Agosto, [2] SENA, G. J.; AKAMATSU, J. I.; BITTENCOURT, R. M.; GONÇALVES, M. A. R. F.; VELASCO, A. D.; OLIVEIRA, P. C.; TORRES, G. L. Improving the Teaching Effectiveness: Getting the Teachers Prepared for a New Paradigm on Technological Education. Aceito para o ICEE 99, Ostrava-Praga, República Tcheca, de Agosto, [3] BRASSARD, M.. Qualidade: Ferramentas para Melhoria Contínua. Qualitymark Editora, [4] Sena, G. J.; Silva, R. A. C.; Winter, O. C.; Mitsuyassu, F. T.; Moura, E. L. C.; Barbosa, M. A. F. Hypermedia-based Tools: Development and Usage to Support Teaching Activities. Artigo submetido para o ICECE: Int l Conf. on Engineering and Computer Education, Rio de Janeiro-RJ, de Agosto, [5] TATIZANA, C. Visual Class 4.1. São Paulo: Editora Érica Ltda, [6] MÉNDEZ, N. B.; BLANCO, J. C. La Enseñanza de los Circuitos Lógicos através de Libros Electrónicos con el Uso de Tecnología Multimedia. Ensaios e ciência/universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal, v. 2, n. 3 (dez 1998), Campo Grande MS, pp

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: O DIFÍCIL COMEÇO

SOFTWARE EDUCACIONAL: O DIFÍCIL COMEÇO SOFTWARE EDUCACIONAL: O DIFÍCIL COMEÇO TEIXEIRA, Adriano Canabarro 1 BRANDÃO, Edemilson Jorge Ramos 2 Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir questões referentes ao papel do software educacional

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça CAVG Disciplina: Informática Apresentação Gráfica

Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça CAVG Disciplina: Informática Apresentação Gráfica Apresentação Gráfica Microsoft Office Power Point 1 Sumário 1. MICROSOFT POWER POINT... 4 1.1. INICIANDO O MICROSOFT POWER POINT... 4 2. CONHECENDO A INTERFACE DO POWER POINT... 5 2.1. O DOCUMENTO DO POWER

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME Apresentação Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE POWER POINT 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E CARGA HORÁRIA DE CADA MÓDULO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E CARGA HORÁRIA DE CADA MÓDULO Ministério da Educação SETEC Instituto Federal do Rio de Janeiro Campus Rio de Janeiro CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E CARGA HORÁRIA DE CADA MÓDULO 1. MÓDULO DE INICIAÇÃO 20 HORAS/AULA: através do qual o servidor

Leia mais

MICROSOFT POWER POINT 2003

MICROSOFT POWER POINT 2003 MICROSOFT POWER POINT 2003 APOSTILA PAGINAS.TERRA.COM.BR/EDUCACAO/INFOCAO 1 Sumário Software de Apresentação 03 Exemplos de Software de Apresentação 04 Considerações para uma boa Apresentação 05 Apresentações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em Secretariado

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em Secretariado Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC Suzano Código: 146 Município: Suzano Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em Secretariado Qualificação

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

Microsoft Power Point - Manual de Apoio

Microsoft Power Point - Manual de Apoio Microsoft Power Point - Manual de Apoio Pág. 1 de 26 Apresentação e introdução O ambiente de trabalho do Power Point. Abrir, guardar e iniciar apresentações. Obter ajuda enquanto trabalha. Principais barras

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

Informática :: Presencial

Informática :: Presencial MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

Editor de Textos Word 2003 (extensão doc) Word 2007/2010 (extensão docx)

Editor de Textos Word 2003 (extensão doc) Word 2007/2010 (extensão docx) Editor de Textos Word 2003 (extensão doc) Word 2007/2010 (extensão docx) Inserção Caso o usuário deseje inserir palavras num texto previamente produzido, basta clicar com o mouse no ponto desejado e, simplesmente,

Leia mais

Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO

Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO Cristiane Marina de Carvalho Jéssica Regina Romão Cabral Estudantes do curso de Licenciatura

Leia mais

Documentação do Projeto Eletrônica Básica em Escolas Públicas de Brasília

Documentação do Projeto Eletrônica Básica em Escolas Públicas de Brasília Documentação do Projeto Eletrônica Básica em Escolas Públicas de Brasília Cliente: Escolas Públicas de Brasília. Ramo Estudantil do IEEE da Universidade de Brasília IEEE Brasília, 01 de fevereiro de 2012.

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO DE TRÂNSITO Aulas em Slide

MATERIAL DIDÁTICO DE TRÂNSITO Aulas em Slide MANUAL MATERIAL DIDÁTICO DE TRÂNSITO Aulas em Slide 1 Sumário 1. Licença de Uso... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Abrir o Material (Com Microsoft Office PowerPoint 2010)... 3 4. Instalação Power Point Viewer...

Leia mais

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT O PowerPoint é uma poderosa ferramenta que faz parte do pacote Office da Microsoft. O principal uso desse programa é a criação de apresentação de slides, para mostrar

Leia mais

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Carlos Vitor de Alencar Carvalho1 1 Universidade Severino Sombra, Docente do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação Universidade de São Paulo/Faculdade de Saúde Pública Curso de Saúde Pública Disciplina: HEP 147 - Informática Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação 1 Introdução ao Microsoft PowerPoint

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

BrOffice.org, Writer e Calc. Introdução. Software que compõe a suíte

BrOffice.org, Writer e Calc. Introdução. Software que compõe a suíte Introdução O BrOffice.org traz uma proposta de software gratuito, onde encontramos poderosos aplicativos comerciais para edição de texto, planilha eletrônica, software de apresentação entre outros. A cada

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Brayan Paiva Cavalcante¹; Clécio Danilo Dias da Silva²; Dalvan Henrique Luiz Romeiro³;

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

A DISCIPLINA DE ECONOMIA NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA COMPARTILHADA

A DISCIPLINA DE ECONOMIA NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA COMPARTILHADA A DISCIPLINA DE ECONOMIA NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA COMPARTILHADA Maio/2007 Leny Fátima Salles Paschoal - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP - lpaschoal@unaerp.br Edilson Carlos Caritá

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 1 MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 039-TC-B5 05/2005 Cláudia Valéria Nascimento de Araújo Unicarioca claudia@idgrupo.net Carla Araújo Forte Unicarioca - carlaaforte@yahoo.com.br Denise Voigt Kallás

Leia mais

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa.

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa. Janela do Windows Explorer Logo abaixo dos componentes que já conhecemos (barra de título, barra de menus e barra de ferramentas), existe uma divisão vertical, é a exibição de todas as pastas. Modos de

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Montador e Reparador de Computadores Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

TSE TRIBUNAL SUPEIROR ELEITORAL Secretaria de Informática Coordenadoria de Sistemas Administrativos Setor de Apoio ao Usuário

TSE TRIBUNAL SUPEIROR ELEITORAL Secretaria de Informática Coordenadoria de Sistemas Administrativos Setor de Apoio ao Usuário TSE TRIBUNAL SUPEIROR ELEITORAL Secretaria de Informática Coordenadoria de Sistemas Administrativos Setor de Apoio ao Usuário (versão 1.0) 1 APRESENTAÇÃO O Tribunal Superior Eleitoral usando de suas atribuições

Leia mais

BrOffice Impress. FREDERICO J. D. MÖLLER PET Mecatrônica/BSI IF Sudeste MG Campus Juiz de Forta. Frederico Möller

BrOffice Impress. FREDERICO J. D. MÖLLER PET Mecatrônica/BSI IF Sudeste MG Campus Juiz de Forta. Frederico Möller BrOffice Impress FREDERICO J. D. MÖLLER PET Mecatrônica/BSI IF Sudeste MG Campus Juiz de Forta Objetivos: Apresentar conceitos básicos sobre software livre e informática. Apresentar a interface do BrOffice

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Sphinx APRENDIZ - p.94 4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Depois de o questionário estar pronto, seus formulários definidos e as respostas coletadas ou prontas a coletar/importar, é possível

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA

GUIA DE ESTUDOS CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA GUIA DE ESTUDOS CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA Guia do Aluno... 2 Acesso ao Portal do Aluno... 2 Serviços oferecidos no Portal do Aluno.... 4 Secretaria Escolar... 4 Departamento Financeiro... 4 Apoio ao

Leia mais

PLANO DE AULA. IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos de entrada e saída.

PLANO DE AULA. IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos de entrada e saída. 1 AULA 01. CURSO: INFORMÁTICA BÁSICA - MATUTINO Sensibilização e contextualização do programa IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos

Leia mais

Autor: Cícero Carlos Barbosa Silva

Autor: Cícero Carlos Barbosa Silva 1 Power Point 2003 Autor: Cícero Carlos Barbosa Silva 2 3 SUMÁRIO O editor de apresentações Power Point... 41 Criando o primeiro slide... 41 Salvando a apresentação com senha de proteção... 42 Criando

Leia mais

QUIZmica: UM JOGO VIRTUAL AUXILIANDO O ENSINO DE QUÍMICA

QUIZmica: UM JOGO VIRTUAL AUXILIANDO O ENSINO DE QUÍMICA 1 QUIZmica: UM JOGO VIRTUAL AUXILIANDO O ENSINO DE QUÍMICA Guilherme Leocárdio Lucena 1 Meryglaucia Silva Azevedo 2 Resumo As novas tecnologias da informação e comunicação (TICs) nas escolas têm apresentado

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Table of Contents. PowerPoint XP

Table of Contents. PowerPoint XP Table of Contents Finalizando a apresentação...1 Usando anotações...1 Desfazer e repetir...1 Localizar e substituir...2 Substituir...2 Efeitos de transição...3 Esquema de animação...6 Controlando os tempos

Leia mais

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint Serviço Técnico de Informática Curso Básico de PowerPoint Instrutor: Tiago Souza e Silva de Moura Maio/2005 O Microsoft PowerPoint No Microsoft PowerPoint, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo

Leia mais

Sistemas Eletrônicos de Apresentação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 47p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Eletrônicos de Apresentação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 47p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação - UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Modelagem e implementação do SEL - Software de Ensino de Lógica Proposicional

Modelagem e implementação do SEL - Software de Ensino de Lógica Proposicional Modelagem e implementação do SEL - Software de Ensino de Lógica Proposicional Cristiane Gato 1, Isabel Dillmann Nunes 1 1 Departamento de Informática Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ) Caixa Postal 858

Leia mais

www.proinfocamamu.com.br

www.proinfocamamu.com.br www.proinfocamamu.com.br Prof. Miquéias Reale - www.proinfocamamu.com.br Professor: Miquéias Reale Diretor de Tecnologia da Reale Tech Telefone: (75) 3641-0056 / 8838-1300 E-mail: miqueias@realetech.com.br

Leia mais

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade Amélia Maria Rodrigues Oliveira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) amelia.amiga@hotmail.com Joelson Alves Soares Universidade Estadual

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

OFFICE-2007 MS-POWERPOINT POWERPOINT- 2007 INFORMÁTICA - MS-OFFICE-2007 - POWER POINT 1 MANUEL

OFFICE-2007 MS-POWERPOINT POWERPOINT- 2007 INFORMÁTICA - MS-OFFICE-2007 - POWER POINT 1 MANUEL MS-POWERPOINT - 2007 OFFICE-2007 MS-POWERPOINT POWERPOINT- 2007 SOFTWARE DE APRESENTAÇÃO é um programa utilizado para criação, edição e exibição de apresentações gráficas. Os arquivos do Power Point (Apresentações)

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

POWER POINT 2003 CARREGANDO O POWER POINT

POWER POINT 2003 CARREGANDO O POWER POINT ÍNDICE POWER POINT 2003...2 CARREGANDO O POWER POINT...2 JANELA PRINCIPAL...3 PARTES DA JANELA...3 MENUS DO POWER POINT...4 BARRAS DE FERRAMENTAS...6 BARRA DE FERRAMENTA PADRÃO...6 BARRA DE FERRAMENTA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com MANUAL ESCOLA FLEX Revisado em 09/07/2008 Sistema Flex www.sistemaflex.com Índice Manual Escola Flex Índice... 2 Tela de Abertura (Splash Screen)... 3 Login... 4 Seleção de Empresas... 5 Tela Principal...

Leia mais

Licenciamento de Uso

Licenciamento de Uso Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos: 1. As apostilas publicadas pelo Centro de Computação da Unicamp

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO ISSN 1984-9354 UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO Jonathan Velasco da Silva (Instituto Federal Fluminense) Dalessandro Soares Vianna (Universidade

Leia mais

Resumão Writer ( Broffice.org)

Resumão Writer ( Broffice.org) Resumão Writer ( Broffice.org) Resumo BrOffice.org Cespe O Broffice.org é um pacote de programas para escritório, do mesmo nível do pacote Microsoft Office. Os dois pacotes trazem programas parecidos e

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM PROGRAMAÇÃO DE

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL Sejam bem vindos! As Faculdades Integradas do Brasil reafirmam no início desse semestre letivo, o seu compromisso divulgado no Projeto Pedagógico Institucional (PPI), com

Leia mais

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Tutorial Plone 4 Manutenção de Sites Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Sumário Introdução 1 Como fazer a autenticação do usuário 1.1 Através do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

Turma. PowerPoint 2003

Turma. PowerPoint 2003 PowerPoint 2003 Apresentação O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações. Com ele você poderá criar rapidamente slides com esquemas, textos animados, sons e

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Gustavo Dib Belomo Jaderson Assunção Jean Fruehling DESCRITIVO DO SOFTWARE DE LEIS DE AERONÁUTICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Gustavo Dib Belomo Jaderson Assunção Jean Fruehling DESCRITIVO DO SOFTWARE DE LEIS DE AERONÁUTICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Gustavo Dib Belomo Jaderson Assunção Jean Fruehling DESCRITIVO DO SOFTWARE DE LEIS DE AERONÁUTICA Curitiba 2009 Gustavo Dib Belomo Jaderson Assunção Jean Fruehling DESCRITIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ PIBID Física 2014 Escola: E.E.E.M. Waldemar Amorety Machado Turno: Manhã Turma: Série: 3º ano Bolsistas: Amanda, Camila, Daniele, Guilherme e Ysis Prof º. Supervisor: Reinaldo Prof º. Orientador: Pedro

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO Apresentar o PowerPoint, que é o software para montar apresentações na forma de slides da Microsoft. Isso será feito seguindo-se uma seqüência mostrando

Leia mais

INTRODUÇÃO. Não é exagero afirmar que é o sistema operacional o programa mais importante do computador, sem ele seu equipamento não funciona.

INTRODUÇÃO. Não é exagero afirmar que é o sistema operacional o programa mais importante do computador, sem ele seu equipamento não funciona. INTRODUÇÃO O Microsoft Windows XP é um sistema operacional de interface gráfica multifunções, isso significa que podemos trabalhar com vários programas de forma simultânea. Por ex: poderíamos escutar um

Leia mais

PROVA BRASIL NO VISUAL CLASS

PROVA BRASIL NO VISUAL CLASS PROVA BRASIL NO VISUAL CLASS A Caltech Informática desenvolveu 2 soluções alternativas para simulação da Prova Brasil utilizando o Software de Autoria Visual Class: A) Utilizando o pacote Visual Class

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SISTEMA OPERACIONAL DA EMPRESA MICROSOFT Interface gráfica WIMP GUI Windows, Icons, Menus, Pointer, Graphical User

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Agente Administrativo do MTE

Agente Administrativo do MTE PowerPoint 2003 Apresentação O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações. Com ele você poderá criar rapidamente slides com esquemas, textos animados, sons e

Leia mais

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Maria José Basso Marques*, Elisângela Mazei da Silva** Estado de Mato Grosso,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL Sumário efac Brasil... 3 Como acessar o AVA... 4 Acessando a Disciplina... 4 Recursos e Atividades... 5 Apresentação de Slides... 5 Chat... 6 Documento de Texto... 6 Documento

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 O hardware não consegue executar qualquer ação sem receber instrução. Essas instruções são chamadas de software ou programas de computador. O software

Leia mais

Configuração do Ambiente de Trabalho

Configuração do Ambiente de Trabalho pag. 1 Configuração do Ambiente de Trabalho 1. Utilização da Área de Trabalho Criação de Atalhos: O Windows NT apresenta um Ambiente de Trabalho flexível, adaptável às necessidades e preferências do utilizador.

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Técnico

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 2 2. OPERAÇÃO...

1. INTRODUÇÃO... 2 2. OPERAÇÃO... www.easislides.com.br 1 Í N D I C E 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OPERAÇÃO... 2 2.1. CONFIGURAÇÃO GERAL... 2 2.2. CONFIGURAÇÃO BÁSICA... 2 2.3. INICIANDO O EASISLIDES... 4 2.4. TELA GERAL... 5 2.5. CRIAR UM CULTO

Leia mais

Ficha Técnica. Pré-requisitos: não há pré-requisitos. O aluno inicia o curso de Windows 8 com uma introdução à informática.

Ficha Técnica. Pré-requisitos: não há pré-requisitos. O aluno inicia o curso de Windows 8 com uma introdução à informática. Windows 8 O Windows está presente na maior parte dos computadores, seja para uso pessoal ou profissional. Quem vai começar a usar um computador precisa saber trabalhar bem com ele. O Windows 8 é o Sistema

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 Recomendações Iniciais SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.2 (Compatível com Guarita Vr4.03 e Vr4.04) Para

Leia mais