>>Atas CIAIQ2016 >>Investigação Qualitativa em Ciências Sociais//Investigación Cualitativa en Ciencias Sociales//Volume 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ">>Atas CIAIQ2016 >>Investigação Qualitativa em Ciências Sociais//Investigación Cualitativa en Ciencias Sociales//Volume 3"

Transcrição

1 Potencial das entrevistas narrativas no estudo de experiências traumáticas a partir das narrativas de mulheres vítimas de violência nas relações de intimidade (short title: entrevistas narrativas em estudo com vítimas de violência) Bárbara Martins 1, Virgínia Ferreira 2 1 Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Portugal. 2 Centro de Estudos Sociais/Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Portugal. Resumo. Este artigo propõe- se apresentar uma metodologia de investigação qualitativa aplicada num estudo envolvendo dois grupos de mulheres vítimas de violência: um grupo que passou por Casas de Abrigo e outro que não teve esse percurso. O estudo, de natureza exploratória, teve como objetivo perceber quais eram os principais suportes na (re)construção do seu projeto de vida com que contavam as mulheres de cada um dos grupos. A principal fonte de informação é constituída por dez entrevistas narrativas, cujo conteúdo foi submetido a uma análise temática e estrutural. Depois de uma breve introdução em que apresentamos a entrevista narrativa como estratégia de produção de informação, exploramos as particularidades da sua operacionalização e algumas das estratégias de análise usadas. Nas conclusões, apontamos as vantagens e as desvantagens das entrevistas narrativas, tal como as percebemos nesta pesquisa sobre vivências traumáticas, como é o caso da violência contra as mulheres nas relações de intimidade. Palavras- chave: entrevistas narrativas; análise temática e estrutural; violência contra mulheres nas relações de intimidade; atores nas redes formais e informais. Potential of narrative interviews in the study of traumatic experiences from the narratives of women victims of violence in intimate relationships Abstract. This article proposes to introduce a qualitative research methodology applied in a study involving two groups of women who were victims of violence: one group has received the support from Shelter homes and the other did not. The exploratory study aimed to understand which are the main supports facilitating women s (re)construction of life projects in each group. The primary source of information is based on ten narrative interviews were the primary source of information, whose content was subjected to a thematic and structural analysis. After a brief introduction in which we present the narrative interview as a methodological tool for the production of information, we explore the ways we used to put the study in practice and some of the strategies of analysis used. As a conclusion, we point out the advantages and disadvantages of narrative interviews in studies as this one, about traumatic experiences, such as violence against women in their intimate relationships. Keywords: narrative interviews; thematic and structural analysis; violence against women in intimate relationships; actors of formal and informal networks. 1 Introdução A pesquisa realizada enquadrou- se num plano de investigação qualitativa, orientada por um paradigma interpretativo ou qualitativo, uma vez que o objetivo era compreender quais os apoios que as mulheres recebem em situação de violência e identificar as situações que mais as reforçam na sua autonomia para (re)construir o seu projeto de vida. Foi, assim, necessário entrar no mundo pessoal das entrevistadas, com o intuito de percecionar e interpretar, num dado contexto social, os 619

2 significados construídos (Coutinho, 2013), as ações e as relações humanas. Utilizámos como método de pesquisa o estudo fenomenológico, que enfatiza a subjetividade das pessoas participantes, sendo que o que se pretendia era o conhecimento e a compreensão da experiência vivida pelas mulheres vítimas de violência nas relações de intimidade, na perspetiva de quem descreve os factos da forma como os vivencia. Para compreender e interpretar a subjetividade de cada mulher, optámos por realizar entrevistas narrativas. 2 Entrevistas Narrativas em contexto As entrevistas narrativas enquadram- se num plano de investigação de cariz qualitativo, do tipo descritivo. Esta metodologia de recolha de dados identifica- se com as tradições teóricas provenientes da psicologia social, da sociologia fenomenológica, do interacionismo simbólico e da etnometodologia, em que se procura interpretar e compreender histórias complexas, tendo em conta os significados, as experiências e as emoções num determinado acontecimento ou contexto social (Prokkola, 2014, p. 442). Esta metodologia é utilizada sobretudo nas seguintes situações: estudos que investiguem acontecimentos que geram uma certa controvérsia (ex. políticas locais); estudos onde várias perspetivas estão em análise, levando a uma compreensão plena e geral do acontecimento; estudos que combinam histórias de vida e contextos socio- históricos (Jovchelovitch & Bauer, 2002: ). As entrevistas narrativas possuem uma característica colaborativa, na medida em que a história emerge a partir da interação, da troca, do diálogo entre entrevistador e participantes (Muylaert, Gallo, Neto, & Reis, 2014: 194), em que a pessoa participante conta a história que viveu e o/a entrevistador/a utiliza esta metodologia para (re)construir as histórias pessoais e sociais, tendo em conta o modelo interpretativo dos acontecimentos narrados (Riessman, 2002). Em vez de apresentarmos a técnica no abstrato, fá- lo- emos no contexto do estudo realizado junto de mulheres vítimas de violência nas suas relações de intimidade. Começaremos pelos critérios a que obedeceu a escolha das pessoas a entrevistar. Estando interessadas em comparar dois grupos, realizámos as entrevistas narrativas a cinco mulheres que passaram por Casas de Abrigo e a outras cinco que tinham tido um percurso diferente. Não considerámos como critério excludente o terem ou não filhos/as. A entrevista narrativa procurava proporcionar o enquadramento para que cada mulher pudesse contar a sua própria história e experiência quotidiana (Prokkola, 2014), descrevendo a sua trajetória desde a rutura com a situação de violência até à (re)construção do novo projeto de vida, tendo em conta os apoios que receberam tanto da rede formal Casa de Abrigo como da rede informal, ou seja de pessoas dos seus círculos familiares, de amizade e de vizinhança. É um método de pesquisa qualitativa, não- estruturada e de profundidade (Jovchelovitch & Bauer, 2002), uma vez que leva a entrevistada a recorrer à sua memória (Schütze as cited in Herz, Peters & Truschkat, 2015: 11), recordando- se de acontecimentos, experiências pessoais que tendem a ser detalhadas em forma de sequência de acontecimentos ligados entre si (Loo, Cooper, & Manochin, 2015), que lhe confere uma lógica temporal específica, com princípio- meio- fim, localizando- a no tempo e no espaço (Pentland, 1999), tendo em conta as suas perspetivas e representações. Nas entrevistas narrativas não há um esquema de pergunta- resposta, mas sim um conjunto de perguntas abertas e de tópicos de investigação que levam a que as pessoas entrevistadas narrem a sua história nos seus próprios termos, utilizando uma linguagem própria. Para proceder a esta técnica de recolha de informação, devem ser tidos em conta alguns critérios, uma vez que esta pressupõe uma preparação prévia, ou seja, deve haver uma ampla compreensão do fenómeno, uma familariedade ou proximidade com as pessoas entrevistadas para que se desenvolva um ambiente de confiança, uma linguagem acessível para uma melhor comunicação. Durante a 620

3 entrevista devem mostrar- se sinais de estímulo, gestos, olhares e sinais verbais de incentivo. A pessoa entrevistada é levada a narrar os acontecimentos passados e é importante que, no momento da entrevista, haja uma reciprocidade na escuta ativa e visual. De seguida, apresentamos um quadro com informações tidas em conta nas várias fases em que se desenvolve a entrevista narrativa. Fases Preparação Iniciação Narração Central Fase de Questionamento Fase Conclusiva Quadro 1 Fases e critérios da entrevista narrativa Critérios Exploração do tema leituras exploratórias, consulta de documentos (ex: processo das vítimas). Escolha de participantes. Determinação dos objetivos da pesquisa. Formulação de questões que reflitam os interesses da pesquisa. Clima propício e informal, ausente de distrações e interrupções. Formulação do tópico inicial para a narração. Emprego de auxílios visuais (ex: fotografias). Lançar uma única questão Por favor, conte- me a sua história de violência, todos os acontecimentos e experiências pessoais importantes para si. Comece por onde quiser. Escutar ativamente. Não interromper. Mostrar sinais não- verbais de encorajamento (ex: sim, hum hum, pois ). Moderar o grau de contacto visual. Deixar a pessoa entrevistada expressar as suas emoções. Estimular a pessoa entrevistada a contar a sua história. Manter o processo de narração com perguntas abertas Que aconteceu então?, Explique- me melhor esse momento., Pode descrever- me essa situação., Como é que se sentiu?, Pode falar- me mais sobre, Como é que lidou com, Haveria alguma coisa que gostasse de acrescentar?. Livre argumentação da pessoa entrevistada. Não dar opiniões ou fazer perguntas sobre atitudes. Não discutir sobre contradições. Não fazer perguntas do tipo Porquê. Lançar tópicos de acontecimentos que ainda não foram narrados pela entrevistada. Tirar notas de campo. Parar de gravar. Podem ocorrer conversas informais, em que a pessoa entrevistada fornece mais informações relevantes para a pesquisa. Fazer breves apontamentos após a entrevista, como forma de aprendizagem pessoal e individual. Fonte: Jovchelovitch & Bauer, 2002; Wengraf & Chamberlayne, Com base nos objetivos delineados para esta investigação, foi estruturado um guião orientador para a realização das entrevistas narrativas a mulheres vítimas de violência nas relações de intimidade que tinham passado pelas Casas de Abrigo e às que não tinham tido essa experiência. As leituras exploratórias acerca da temática e as investigações já desenvolvidas na área da violência sobre as mulheres e dos apoios prestados pelas redes de apoio formal e informal foram importantes na elaboração de critérios orientadores, assim como nos levaram a formular uma única questão inicial que permitisse às entrevistadas a reconstituição dos factos passados. 621

4 No momento da realização das entrevistas narrativas, quem entrevista deve adotar uma postura empática: apresenta- se e descreve o teor da investigação, solicita a colaboração e autorização para gravação da entrevista. Depois de formalizar os procedimentos, deve escutar as pessoas entrevistadas de forma interessada e ativa, sem limite de tempo. Deve ainda ser capaz de ativar o esquema da história e de manter o processo da narrativa, a intervenção deve ser mínima e só deve envolver- se para esclarecer ou aprofundar determinados aspetos, para melhor compreensão da história de cada uma na sua individualidade. As condições necessárias à realização das entrevistas devem ter em conta um ambiente propício e informal, ausente de distrações e interrupções, que permita um à vontade das entrevistadas no momento da narração (Muylaert, Gallo, Neto, & Reis, 2014). Contudo, a entrevistadora deve assumir o controlo da situação e ter cuidado com o clima de descontração. As narrativas devem ser entendidas com clareza, sendo por isso necessário um bom equipamento de gravação, um guião com os tópicos orientadores e um bloco de notas para anotações breves. As entrevistas devem ser transcritas na íntegra, tal como foram expressas. As informações conseguidas permitiram compreender o fenómeno em estudo pela descrição e análise das narrações, orientadas pelo significado dos acontecimentos reais (Loo, Cooper, & Manochin, 2015). Importa referir que as narrativas não estão disponíveis para comprovação, ou seja, não podem ser julgadas como verdadeiras ou falsas ou para discussão/debate das respostas e dificilmente podem ser generalizáveis pois visam a compreensão de um acontecimento ou experiência particular (Muylaert, Gallo, Neto, & Reis, 2014; Riessman, 2002), que diz respeito à vida e trajetória de cada vítima, desde a rutura com a situação de violência, à passagem ou não por uma Casa de Abrigo e a (re)construção de um novo projeto de vida. 3 Dificuldades na aplicação da metodologia Todas as entrevistas decorreram bastante bem, com as entrevistadas a ganharem confiança e a demonstrarem à vontade. Duas delas, no entanto, não quiseram começar a contar a sua história, preferindo que lhes fossem feitas perguntas. Nestes casos recorremos aos critérios elaborados, para conseguir que todos os tópicos fossem abordados de uma ou outra forma, mas mesmo assim, mostraram- se pouco à vontade, dando respostas sucintas, recusando- se a recordar e relatar certos episódios daquele período das suas vidas. Uma das entrevistadas mostrou- se de certa forma incomodada com a presença do gravador, mas uma vez desligado, começou por mencionar episódios interessantes e por isso nesta entrevista foram tiradas mais notas. Para além desta entrevista, nas restantes, não foram tomadas notas tão exaustivas, tendo- se optado por manter um contacto visual com as entrevistadas mais efetivo, porque embora muitas delas não olhassem diretamente para a entrevistadora havia uma ligação na escuta ativa e visual. Após as entrevistas, foram então feitas muitas notas sobre o ambiente, a postura das pessoas entrevistadas e os sentimentos expressos, ou seja, tudo o que não podia ser captado pela gravação, mas que foi observado durante a entrevista e nos permitiu uma melhor interpretação da subjetividade inerente a cada caso, tal como nos sugere Loo, Cooper, & Manochin (2015). 4 Análises Temática e Estrutural de enredos e atores Reconhecemos, na esteira de Riessman (2002) e de Wengraf & Chamberlayne (2006), que a transcrição das entrevistas é um processo de interpretação das informações obtidas, por isso, logo após a realização de cada entrevista e de elaborados os apontamentos necessários para complementar a 622

5 informação recolhida, procedeu- se à transcrição textual do que foi gravado no momento da entrevista, sendo fiel ao vocabulário e às expressões das entrevistadas. As entrevistas narrativas são compostas por informações dispersas, vagamente ordenadas ou estruturadas e difíceis de reter (Boutin, Goyette, & Lessard- Hébert, 1994: 118), deste modo, a análise vai permitir- nos organizá- las e atribuir- lhes significado. Riessman (2002) aponta quatro métodos para a análise de narrativas, nomeadamente: a análise temática, a análise estrutural, a análise dialógica/performativa e análise visual. Na nossa investigação o procedimento adotado foi a análise temática e a análise estrutural tendo em conta os enredos e atores. A análise temática é um método útil e flexível em investigações qualitativas que trabalha com o que foi dito (told) e não com a maneira de dizer (telling) (Zaccarelli & Godoy, 2013: 27). Este método analítico consiste na construção de um referencial de codificação, através do procedimento de redução do texto qualitativo até chegar às palavras- chave e, posteriormente, desenvolve- se um sistema de categorias em que os textos podem ser codificados. Esta metodologia permite reunir a informação necessária de forma esquemática e, deste modo, relacionar classes de acontecimentos ordenados (Coutinho, 2013). Segundo Braun & Clarke (2006), este tipo de análise não parte apenas dos dados das entrevistas, mas também de documentos de arquivo, da observação e de notas de campo. Na análise temática realizada no estudo aqui referido, seguimos as seis fases aconselhadas por estas duas autoras, começando por fazer várias leituras de todo o material reunido, para numa segunda fase criar um referencial de codificação. Os temas foram construídos para responderem à diversidade de códigos. Estas autoras aconselham uma orientação que também seguimos no sentido de nos envolvermos com a literatura antes de ir para o terreno, uma vez que descremos da ideia de que os temas emergem dos dados. Com alguns assim acontece, desde que estejamos com atenção a outros temas que não apenas os que presidiram à formulação dos próprios objetivos do estudo. Verificámos, com efeito, que as leituras feitas a priori nos permitiram ter mais conhecimento sobre a realidade em causa e facilitaram a realização das entrevistas narrativas, assim como nos permitiram a elaboração de categorias e de subcategorias. Após a elaboração do referencial de codificação, ou seja, a partir do todo narrativas, identificámos palavras- chave, que a posteriori transformámos em categorias de análise, que por sua vez foram divididas em subcategorias, para melhor facilitar a compreensão dos discursos dos dois grupos de mulheres entrevistadas. Quadro 2 Algumas das categorias e subcategorias criadas na pesquisa Categorias Estratégias de proteção adotadas pela própria vítima com o apoio da rede informal e formal Rutura com a situação de violência Tipos de apoio formal prestado às vítimas de violência nas relações de intimidade Individual Social Subcategorias Pedido de ajuda Situação de explosão Preparação da saída Tempo de espera Saída de casa Tempo de permanência Social Psicológico Material Jurídico Policial Financeiro 623

6 Tipos de apoio informal prestado às vítimas de violência nas relações de intimidade (Re)construção do projeto de vida através da capacitação Fonte: elaborado pelas autoras, com base em dados da pesquisa. Social Psicológico Material Financeiro Individual Profissional Social A análise estrutural das narrativas permitiu- nos refinar a análise, identificar locais estruturais pertinentes para a compreensão e interpretação dos conteúdos e dos sentidos expressos nos discursos das entrevistadas (Herz Peters & Truschkat, 2015). Segundo Barthes, compreender uma narrativa não é somente seguir o esvaziamento da história, é também reconhecer nela «estágios», projetar os encadeamentos, horizontais do «fio» narrativo sobre um eixo implicitamente vertical; ler (escutar) uma narrativa não é somente passar de uma palavra a outra, é também passar de um nível a outro (1981: 26-27). Para proceder a esta análise, o autor afirma que as narrativas têm diferentes níveis o das funções, das ações e da narração devendo a análise procurar na articulação destes diferentes níveis (de sequências, atores e argumentos) aceder à lógica interna da narrativa. A temporalidade passado, presente e futuro é também um aspeto a considerar na análise estrutural das narrativas, ao identificar aspetos cronológicos e aspetos não- cronológicos. Os aspetos cronológicos traduzem- se numa sucessão de episódios narrados que destacam atores, ações, contextos locais e temporais. Os aspetos não- cronológicos de uma narrativa correspondem a explicações dadas aos acontecimentos, dotados de sentido e significado. Para compreender a narrativa não se segue apenas a sequência cronológica dos eventos que são contados por quem narra, é também necessário reconhecer a sua dimensão não- cronológica expressa pelas funções e significados do enredo. O enredo é parte constituinte desta estrutura e a sua função é ligar episódios numa história coerente, bem como proporcionar o contexto em que a ação se desenvolve, os atores mencionados e os respetivos papéis (ações) desempenhados (Jovchelovit & Bauer, 2002). Tudo isto tendo em conta que os significados sobre o passado são construídos em função do presente e das expectativas para o futuro. A narrativa é organizada de acordo com uma sequência lógica e temporal de eventos. William Labov propôs que a narrativa seja analisada segundo uma estrutura de enredo que permita ordenar aquilo que nos parece estar desorganizado uma vez que os episódios não têm uma coerência lógica (as cited in Flannery, 2011), já que são narrados sem começos e fins precisos (Prokkola, 2014). Deste modo, Labov para dar sentido aos eventos da vida, delineou critérios sequencialmente ordenados: Quadro 3 Análise Estrutural das narrativas segundo os critérios de Labov Critérios de Labov 1) Exposição - início da história; - estabelece o contexto; - introduz os atores; - posiciona o/a observador/a; - estabelece pontos de vista. Excertos das transcrições das entrevistas Ent. 4 Mulher que passou por uma Casa de Abrigo Bem eu conheci o meu ex- marido na terra dele, que era a terra da minha mãe, hã começámos a namorar, juntámo- nos passados três meses, passados três meses tive a minha filha, engravidei hã depois tive um tempo com ele hã junta, depois quando a minha filha nasceu e teve um ano e meio Ent. 10 Mulher que não passou por uma Casa de Abrigo Casei- me com vinte e três anos ( ) um casamento não muito, mas foi um casamento já estava grávida do menino de vinte e quatro anos. Depois tivemos um casamento de quatro anos que ele bebia, era alcoólico ( ) e dava muitos ouvidos à mãe, só a mãe é que mandava, eu não prestava para nada. 624

7 2) Início do Conflito - identificação de crises e conflitos. 3) Ação Crescente - sucessão de acontecimentos seguintes; - dificuldades após o conflito. 4) Clímax - momento de maior tensão; - o conflito chega ao seu ponto máximo. 5) Ação Decrescente - efeitos dos acontecimentos. 6) Resolução - o incidente crítico dissolve- se; - o problema é solucionado 7) Desfecho - modo como se vai lidar com os acontecimentos; - conclusão da história. hã fizemos casamento e batizado, a gente casou- se por Igreja. ( ) e passado um mês de me ter casado já estava a apanhar. ( ) Hã continuei nessa situação durante quatro anos, hã ele batia- me por tudo e por nada, chegou a bater- me hã (...) Batia por bater! ( ) Hã ele chamava- me todos os nomes e mais algum, hã ( ) Hã depois pedi ajuda na escola da minha filha ( ). Hã cheguei à escola comecei a chorar e disse: sofro de violência doméstica e venho aqui falar porque eu já não aguento muito mais. Porque o meu marido o que me fez vir aqui falar foi uma frase que o meu ex- marido me disse: que com cocaína e heroína tínhamos a casa pronta num ano. E isso fez- me pensar no fim- de- semana muita coisa, e fez- me pensar vir aqui e pedir ajuda. Entretanto cheguei lá à escola e disse que sofria maus- tratos, violência doméstica e ele disseram que já sabiam, que não me tinham dito nada ainda porque queriam que fosse eu a dizer e através de uma assistente social que chamaram de lá da zona ( ) Mas ainda tive um tempo, mais um mês com o meu ex- marido sem ele saber de nada ( ). Ela [Assistente Social] disse que ia falar com uma Casa Abrigo, se Ah, ela perguntou- me: atão em vez de você ir pa uma Casa Abrigo como você quer ir, porque que é que não vai pa casa do seu pai e frequenta um psicólogo no hospital? E eu disse que não, que não estava em condições de ir pa casa do meu pai, preferia uma Casa Abrigo onde tivesse pessoas competentes pa prontos pa eu arrebitar. ( ) Hã vou tentar arranjar trabalho lá, já estou a fazer os currículos para enviar. Se arranjar trabalho lá, saio da casa do meu pai e vivo autónoma, sozinha. Tenho o meu trabalho, tenho a minha E depois veio aqueles casos de uma bofetada hoje, um empurrão amanhã e também me defendia. ( ) Chamava- me muitos nomes e doía, dizia coisas que não eram e doía. ( ) Houve uma ocasião que ele me aleijou bastante deu- me em cheio e eu estava assim bastante pisada e mostrei à polícia e a polícia disse: não podemos fazer nada, você não tem testemunhas, não tem nada. ( ) Não podemos fazer nada! Ele vinha pra me dar com o ferro e ele vai ( ) E eu não tenho mais nada disse: vou- te assustar! Mando prás telhas, assusto- te! Tu nunca mais me metes as mãos. Mas não assustei! Ele subiu eu tinha nove degraus e ele subiu três, ao mesmo tempo que ele subiu três eu apanhei- o. Depois chamei- o e ele já não me falou. Fui pôr a arma ao carro, embrulhei o menino num robe e fui entrega- lo à minha mãe, aos meus pais e disse pra eles tomarem conta do menino que eu não sabia quando é que vinha (Choro). ( ) E fui- me entregar! Quando cheguei lá à GNR eles viram e um senhor que era meu amigo disse assim: já fizeste asneiras! Entreguei- lhe a arma, nunca mais saí do domínio deles. Quatro anos! Ao fim de quatro anos não sei o que é que me deu. Sinceramente, não sei o que é que me deu se calhar já tinha o problema que tenho e os nervos. ( ) Fizeram- me fiz o que fiz! ( ) não sei o que me passou pela cabeça dei- lhe dois tiros. Fui parar à cadeia! ( ) Como foi em legítima defesa e como eu me entreguei, era de quinze a vinte e eu só levei catorze. Mudou a minha forma de ser! Mudou mudou porque cresci mais, tanto por dentro prontos. Aprendi muita coisa. Hã ( ) e a gente tanto se porta bem como se porta mal. Tanto estamos bem como há uma balburdia e a gente tem que 625

8 filha, tenho o meu companheiro, depois vou viver com ele. (...) Fonte: elaborado pelas autoras, com base em dados da pesquisa. se defender. Hã mas graças a Deus aguentei! Por o meu filho! É de salientar que nem todas as narrativas contêm estes critérios e podem ocorrer em sequências diferentes e a sua interpretação exige um processo complexo, mas que facilita a análise em termos estruturais (Riessman, 2002; Loo, Cooper, & Manochin, 2015). O quadro acima apresentado dá- nos uma perspetiva de como as entrevistadas nos foram descrevendo as suas trajetórias de vida, tendo a preocupação de começar as suas histórias a partir do momento em que conheceram os seus companheiros e como foi evoluindo a relação, passando, no entanto, logo para a situação de violência e para os fatores desencadeadores desta. Os atores envolvidos na ação devem também ser identificados na análise das narrativas (Pentland, 1999), uma vez que formam um plano de descrição necessário, fora do qual as «pequenas ações» narradas deixam de ser inteligíveis, de sorte que se pode bem dizer que não existe uma só narrativa no mundo sem «personagens», ou ao menos sem «agentes» (Propp as cited in Barthes, 1981: 43). Ou ainda como propôs Greimas, os atores devem ser vistos pela forma como atuam e não pelo que são (as cited in Barthes, 1981: 44). As entrevistadas referiram vários atores e as respetivas ações nos apoios que lhes deram ou não. A rede de apoio formal, após o pedido de ajuda da vítima, avalia a situação para perceber qual a melhor solução para o seu caso específico. As vítimas, que não têm uma rede de apoio informal que as possa ajudar a romper com a situação de violência, são encaminhadas para uma Casa de Abrigo, se esta for a sua vontade e se aceitarem as regras impostas para o bom funcionamento da instituição. Os apoios são providenciados a nível social, psicológico, material, jurídico, policial e financeiro. As narrativas dão- nos conta, porém, de que os apoios formais nunca ocorrem em exclusivo, e é por isso que nelas surgem também referências a familiares (pai, mãe, filhos/as, irmã e cunhada), que durante o processo de rompimento da relação e de reconstrução dos projetos de vida das entrevistadas as apoiaram a nível psicológico, material e financeiro. 5 Conclusões Esta metodologia de investigação qualitativa permitiu- nos compreender o fenómeno em estudo através das descrições e análises das narrativas das mulheres vítimas de violência nas relações de intimidade, orientadas pelo significado que detinham da experiência vivida. A metodologia seguida não foi vista apenas como um modo de transmitir conhecimento sobre uma realidade, mas também uma forma de construí- lo (Prokkola, 2014), uma vez que se obteve uma visão holística do fenómeno possibilitada pela integração das análises temática e estrutural. A complementaridade entre a categorização e a análise vertical de cada narrativa permitiu- nos fazer comparações e ter acesso a lógicas subjacentes aos processos de capacitação por parte da rede formal e informal para a (re)construção do projeto de vida, que era o objetivo do estudo. No decorrer da investigação verificámos vantagens, mas também desvantagens ao utilizar esta técnica de produção de informação. As vantagens prendem- se com o facto de esta metodologia poder ser aplicada a qualquer grupo de pessoas, de diferentes contextos, uma vez que a competência de contar histórias é universal (Bauer, 1996); as entrevistadas tiveram o tempo necessário para narrar as suas trajetórias de vida, sendo possível utilizarem a comunicação quotidiana e foi- lhes dadas a abertura para aprofundar certos acontecimentos da sua vida, com o intuito de melhor se compreender o seu ponto de vista. A partir da análise temática e estrutural enredos e atores podemos comparar 626

9 diferentes trajetórias de vida, tendo em conta sempre a individualidade de cada uma e o desenrolar dos acontecimentos e dos atores que as marcaram. Quanto às desvantagens das entrevistas narrativas, podemos apontar a morosidade do processo de seleção e análise da informação pertinente; a dificuldade de ganhar a confiança necessária para o desfiar das narrativas (subprodução) no curto espaço de tempo de uma entrevista, em especial quando se trata de temáticas de grande sensibilidade e verdadeiramente traumáticas, como é o caso da violência nas relações de intimidade, ou pode ocorrer o oposto, a entrevistada pode contar a sua história de forma compulsiva ou imaginativa, afastando- se dos factos reais (superprodução) (Jovchelovitch & Bauer, 2002); outro risco a que há que prestar atenção é o de ausência de questões que levam algumas pessoas entrevistadas a desviarem- se do objetivo da pesquisa. Todas estas dificuldades são atenuadas com o recurso a uma estratégia simultaneamente indutiva (a lógica subjacente à entrevista narrativa) e dedutiva (substanciada nas questões específicas da pesquisa), que obriga a introduzir questões que contemplem algumas palavras- chave, tal como sugerido por Witzel (2002). Neste tipo de entrevistas não- estruturadas, a correlação de forças está claramente do lado das pessoas entrevistadas que decidem que histórias querem contar, pelo que quem conduz as entrevistas terá que recorrer a uma escuta muito ativa e a questões ad- hoc, que ajudem à compreensão das narrativas e à comparabilidade dos dados. Donde concluímos que, apesar de reconhecermos o potencial das entrevistas narrativas, pelo facto de evitarem uma imposição da problemática por parte de quem conduz a investigação, é necessária a adoção de uma postura flexível, dado que, no caso de entrevistas incidentes sobre experiências traumáticas, como são as situações de violência sobre as mulheres em relações de intimidade, algumas das regras revelaram- se claramente irrealistas. Referências Barthes, R. (1981). Introdução à Análise Estrutural da Narrativa. In R. Barthes, A. J. Greimas, C. Bremond, H. Eco, J. Gritti, V. Morin, C. Metz, T. Todorov & G. Genette. Análise Estrutural da Narrativa (pp ). Petrópolis: Vozes. Bauer, M. W. (1996). The narrative interview Comments on a technique for qualitative data collection. LSE Methodology Institute Discussion Papers Qualitative Service. London School of Economics and Political Science Methodology Institute. Boutin, Gérald, Goyette, Gabriel & Lessard- Hébert, Michelle (1994) [1990]. Investigação qualitativa: fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget. Braun, V. & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psyclology. Qualitative Reserach in Psychology, 3 (2), Coutinho, C. P. (2013). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. Coimbra: Almedina. Flannery, M. R. de S. (2011). Reflexões sobre as abordagens linguísticas para o estudo da narrativa oral. Letras de Hoje, 46 (1), Herz, Andreas; Peters, Luisa & Truschkat, Inga (2015). How to do qualitative structural analysis? The qualitative interpretation of network maps and narrative interviews [52 paragraphs]. Forum 627

10 Qualitative Sozialforschung/Forum: Qualitative Social Research, 16(1), Art. 9. Disponível em: resolving.de/urn:nbn:de:0114- fqs [Consult. 2 março, 2016]. Jovchelovitch, S. & Bauer, M. W. (2002). Entrevista narrativa. In Bauer, M. W. & Gaskell, G. (Ed.), Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som um manual prático (pp ). Petrópolis: Vozes. Loo, I., Cooper, S. & Manochin, M. (2015). Enhancing the transparency of accounting research: the case of narrative analysis. Qualitative Research in Accounting & Management, 12 (1), Muylaert, C., Jr. V., Gallo, P., Neto, M. & Reis, A. (2014). Entrevistas Narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Revista Esc Enferm USP, 48 (Esp2), Pentland, B. T. (1999). Building process theory from narrative: from description to explanation. Academy of management review, 24 (4), Prokkola, E. (2014). Using Narrativity as Methodological Tool. ACME: An International E- Journal for Critical Geographies, 13 (3), Riessman, C. K. (2002). Analysis of Personal Narratives. In Gubrium, J.F. & Holstein, J.A. (Eds.), Handbook of Interview Research: Context and Method (pp ). Thousand Oaks, CA: Sage Publications. Wengraf, T. & Chamberlayne P. (2006). Interviewing for life- histories, lived situations and personal experience: The Biographic- Narrative Interpretive Method (BNIM). Shortest Short Guide to BNIM interviewing and interpretation. London: University of East London. Witzel, A. (2000). The problem- centered interview [26 paragraphs]. Forum Qualitative Sozialforschung /Forum: Qualitative Social Research, 1(1), Art. 22. Disponível em: resolving.de/urn:nbn:de:0114- fqs [Consult. 2 março, 2016]. Zaccarelli, L. M. & Godoy, A. S. (2013). Deixa eu te contar uma coisa : Possibilidades do uso de narrativas e sua análise nas pesquisas em organizações. RGO - Revista Gestão Organizacional, 6 (ed. Esp.),

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

O MODELO DE ATENDIMENTO À DIVERSIDADE (MAD) E SISTEMAS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS DE APOIO A ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS.

O MODELO DE ATENDIMENTO À DIVERSIDADE (MAD) E SISTEMAS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS DE APOIO A ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS. O MODELO DE ATENDIMENTO À DIVERSIDADE (MAD) E SISTEMAS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS DE APOIO A ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS. Andréa Tonini Luís de Miranda Correia Ana Paula Loução Martins

Leia mais

Observar (lat observare) vtd 2 Estudar, examinar, olhar com atenção, pesquisar minuciosamente. Bento, Maio de 2009

Observar (lat observare) vtd 2 Estudar, examinar, olhar com atenção, pesquisar minuciosamente. Bento, Maio de 2009 OBSERVAÇÃO Observar (lat observare) vtd 2 Estudar, examinar, olhar com atenção, pesquisar minuciosamente Bento, Maio de 2009 OBSERVAÇÃO OBSERVAR é manifestar a habilidade de ver, de examinar e registar

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO Prova de Equivalência à Frequência de 302 - BIOLOGIA (ter como referência o Desp.Norm. nº 1-G/2016) Ano letivo 2015/2016 I. INTRODUÇÃO

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação Domínios a desenvolver Descritores

Leia mais

Palavras chave: trabalho colaborativo, desenvolvimento profissional, articulação curricular, tarefas de investigação e exploração.

Palavras chave: trabalho colaborativo, desenvolvimento profissional, articulação curricular, tarefas de investigação e exploração. RESUMO Esta investigação, tem como objectivo perceber como é que o trabalho colaborativo pode ajudar a melhorar as práticas lectivas dos professores, favorecendo a articulação curricular entre ciclos na

Leia mais

A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS

A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS REVISTA INVESTIGAÇÃO EM ENFERMAGEM - AGOSTO 2016: 36-44 A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS Resumo Objetivo Materiais e Métodos: Considerações Finais THE

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (Carga horária:

Leia mais

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória Dedicatória Às minhas filhas, meus anjos de luz, e ao meu marido, por todo o apoio e compreensão indispensáveis para a elaboração deste trabalho, mas também para a realização deste meu sonho: Concluir

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE HISTÓRIA 2016 9º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139 / 2012, DE 5 DE JULHO)

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. Araribá Ciências Organização do Conteúdo: Por que estudar

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Pai e Filho 1 Paulo Victor Batista de SOUSA 2 Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES 3 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Pai e Filho 1 Paulo Victor Batista de SOUSA 2 Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES 3 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte XXIII Prêmio Expocom 06 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Pai e Filho Paulo Victor Batista de SOUSA Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo:

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo: Foto Calabor@tiva Carga Horária: 15h presenciais Facilitador: Sandro Barros Objetivo: O objetivo é estimular crianças e jovens a utilizar a linguagem fotográfica como elemento alternativo e visual, despertando

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO Espanhol Prova 15 / 2015 3 Ciclo do Ensino Básico INTRODUÇÃO O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos

Leia mais

Formador Residente, Maurício Ferreira

Formador Residente, Maurício Ferreira A Compreensão do Oral A compreensão do oral consiste na atribuição de significado a cadeias fónicas produzidas de acordo com a gramática da língua. Formador Residente, Maurício Ferreira Factores de compreensão

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ciências Naturais 2016 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do 3.º Ciclo

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês Maio de 2015 Prova 358 12º Ano (continuação) Escrita e Oral Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento

Leia mais

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA 2014 FICHA TÉCNICA Título: Estrutura de Termos de Referência Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 OBJETO DE AVALIAÇÃO O Exame de Equivalência à Frequência de História tem por referência o Programa de História em

Leia mais

TRABALHO DE PROJETO ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS

TRABALHO DE PROJETO ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS TRABALHO DE PROJETO ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS Num trabalho de projeto, normalmente, são consideradas as seguintes etapas: 1- Identificação da Área do Problema 2- Identificação e formulação de problemas

Leia mais

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família INDICE pp. INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I - A TRANSIÇÃO PARA A PATERNIDADE 1. A parentalidade 1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família 10 10 14 1.2 O desejo de paternidade

Leia mais

Avaliação psicológica, fundamentos e processo

Avaliação psicológica, fundamentos e processo Avaliação psicológica, fundamentos e processo Ponto principal A centralidade dos aspectos éticos e de defesa dos Direitos Humanos; Devem subordinar todos os outros utilizados, inclusive, e principalmente,

Leia mais

Atividade 1. Objetivos: Planificação: Etapa 1. Debata: Tempo: 3 horas. Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês.

Atividade 1. Objetivos: Planificação: Etapa 1. Debata: Tempo: 3 horas. Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês. Atividade 1 Tempo: 3 horas Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês. Ciclo de ensino: Ensino secundário da área das ciências. Objetivos: Conseguir decifrar e compreender um artigo científico

Leia mais

Anexo 2.2- Entrevista G1.2

Anexo 2.2- Entrevista G1.2 Entrevistado: E1.2 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 53 anos Masculino Cabo-Verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: 4ª classe Imigrações prévias : -- Língua materna: Outras línguas: Agregado

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: Distinguir características de vários materiais riscadores (lápis de grafite, lápis de cor, lápis de cera,

Leia mais

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

INGLÊS PROVA (06) 2ª FASE 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INGLÊS PROVA (06) 2ª FASE 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE: INGLÊS PROVA (06) 2ª FASE 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Multidisciplinaridade: é a organização de conteúdos mais tradicional. Os conteúdos escolares são apresentados por matérias independentes umas das outras.

Leia mais

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. desco entusiasmo pela berta só o é anglo. ENSINAR É UMA TAREFA MUITO SÉRIA. MAS ISSO NÃO QUER DIZER QUE NÃO POSSA VIR ACOMPANHADA DE AFETO E DE

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA História e Geografia de Portugal

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA História e Geografia de Portugal Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2015 / 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA História e Geografia de Portugal Prova (05) 2016 2º Ciclo do Ensino

Leia mais

Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos

Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos FICHA DE DIÁLOGO Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos Dimensão do grupo: 6 ou mais participantes Objectivos da Toolbox: Reflectir

Leia mais

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem 1 AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem Ernesto F. L. Amaral 03 de setembro de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.33-42 & 43-55.

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

DISCIPLINA INGLÊS ( PROVA ESCRITA )

DISCIPLINA INGLÊS ( PROVA ESCRITA ) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA INGLÊS ( PROVA ESCRITA ) PROVA 21/2016 9º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, republicado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa 2014. 1 Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa FACULDADE POLIS DAS ARTES Professor: Tiago Silva de Oliveira E-mail: psicotigl@yahoo.com.br Noturno/2014.1 Carga Horária 80h 1 Dia da Semana

Leia mais

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016 Curso Formação Geral Formação específica Matemática A (disciplina Curso Ciências e Tecnologia A - Biologia Química Física Geologia B - Psicologia B Inglês Aplicações Informáticas B (ver síntese pp. 4 e

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Texto Narrativo Quadro Geral O que se entende

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder?

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder? MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA Roteiro da aula 1. Por que planejar a pesquisa? 2. Principais tipos de desenhos de pesquisa - Quantitativos ou qualitativos - Transversais ou longitudinais - Exploratórios,

Leia mais

Elementos Pré-textuais. Elementos Textuais. O Relatório de Pesquisa (adaptado para artigo) Elementos Pós-textuais. Elementos Pré-textuais

Elementos Pré-textuais. Elementos Textuais. O Relatório de Pesquisa (adaptado para artigo) Elementos Pós-textuais. Elementos Pré-textuais ELEMENTOS ESTRUTURAIS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO Elementos Pré-textuais O Relatório de Pesquisa (adaptado para artigo) Elementos Pós-textuais Profª. Drª. Berenice Gonçalves Hackmann Elementos Pré-textuais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Às voltas com as palavras

Às voltas com as palavras Às voltas com as palavras Brochura 8 Definição verbal II Susana Pereira Ana Rita Santos Mariana Pinto Encarnação Silva Adriana Cardoso Às voltas com as palavras Percursos didáticos para a explicitação

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

2º Ciclo Disciplina de História e Geografia de Portugal 3º Ciclo (7º ano) Disciplina de História

2º Ciclo Disciplina de História e Geografia de Portugal 3º Ciclo (7º ano) Disciplina de História CRITÉRIOS DE CORREÇÃO / CLASSIFICAÇÃO DOS TESTES ESCRITOS DE AVALIAÇÃO ENSINO BÁSICO Ano letivo 2016/2017 2º Ciclo Disciplina de História e Geografia de Portugal 3º Ciclo (7º ano) Disciplina de História

Leia mais

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO Simone Marks Santos 1 Alessandro Frederico da Silveira 2 Resumo: O presente artigo apresenta o resultado de uma investigação

Leia mais

À CONVERSA COM UMA PROFISSIONAL

À CONVERSA COM UMA PROFISSIONAL À CONVERSA COM UMA PROFISSIONAL A 27 de abril de 2012, os alunos do 2º F do curso profissional de Técnico de Turismo, realizaram uma entrevista, a uma profissional da área. A entrevista foi previamente

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano (Carga horária: Português

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA.

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. ANEXO 02 DA RESOLUÇÃO CGESA Nº 001, DE 27 DE MARÇO DE 2013. NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. A estrutura do TCC deverá ser composta por pré-texto,

Leia mais

Fundação Darcy Ribeiro

Fundação Darcy Ribeiro I Fundação Darcy Ribeiro ATUAÇÃO DOS EDUCADORES PONTOS ESSENCIAIS DA PROPOSTA Vídeo 05 Coordenação Nacional Formação Inicial e Continuada do Educador do ProJovem: o especialista, o pensador, o cidadão

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência FRANCÊS L.E II Prova 16 2013 Prova escrita 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

Planificação anual de Português 12º ano

Planificação anual de Português 12º ano Planificação anual de Português 12º ano 1 OBJETIVOS Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção

Leia mais

INGLÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA.

INGLÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova 21 2014 Tipo de prova: Escrita e Oral 1ª e 2ª Fases 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 abril Disciplina: HISTÓRIA Código: 19 Tipo de Prova: ESCRITA 1. INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS - Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. (C. G. 6) - Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O

MANUAL DO AVALIADOR O MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

Escola Básica da Senhora da Hora. 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012. Tipologia Textual - O Texto Poético.

Escola Básica da Senhora da Hora. 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012. Tipologia Textual - O Texto Poético. Escola Básica da Senhora da Hora 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012 ipologia extual - O exto Poético explícito da língua Compreensão do oral Leitura Escrita Expressão oral

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso Algumas Informações Importantes: a) O modelo da proposta está especificado

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog: Uberlândia - MG

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog:  Uberlândia - MG FLUXOGRAMA CONCEITO Fluxograma é um tipo de diagrama, e pode ser entendido como uma representação esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Anexo E Plano da Sessão n.º2

Anexo E Plano da Sessão n.º2 Anexo E Plano da Sessão n.º2 PLANO DA SESSÃO N.º2 Nome da Sessão: O envolvimento parental a leitura conjunta entre mãe/pai e filho. Data: 10 de outubro 2014. Destinatários: Pais de bebés. O Formador: Rosário

Leia mais

Curso de Relações Internacionais - 3º período Disciplina: Método de Pesquisa Objetivo quatro módulos Avaliação

Curso de Relações Internacionais - 3º período Disciplina: Método de Pesquisa Objetivo quatro módulos Avaliação 1 Curso de Relações Internacionais - 3º período 2014.1 Disciplina: Método de Pesquisa Prof. Patricia Rivero Aula teórico-prática: quinta-feira das 16:40 às 20:10h Local: Anexo CFCH, sala 4 Objetivo Essa

Leia mais

Bancas slides e dicas

Bancas slides e dicas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA Bancas slides e dicas Trabalho de Conclusão de Curso Conteúdo

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 5º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 UM, DOIS, TRÊS COMEÇAR! UNIDADE

Leia mais

DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10. Ensino Básico: 3.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 9.º

DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10. Ensino Básico: 3.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 9.º DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10 Ensino Básico: 3.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 9.º O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 3.º Ciclo da

Leia mais

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano Critérios de Avaliação de Francês 2016 / 2017 7ºano A avaliação certifica as aprendizagens e tem como objetivo a melhoria dessas aprendizagens. Os conteúdos programáticos serão trabalhados, desenvolvendo

Leia mais

Revisão da literatura / Fundamentação teórica

Revisão da literatura / Fundamentação teórica Revisão da literatura / Fundamentação teórica Reunir obras relevantes Descrever o objeto analisado Expôr o que se pensa sobre o objeto Criticar o que se pensa sobre o objeto Página 1 PARTES PRINCIPAIS

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês 2015 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova final do 2.º Ciclo da disciplina de Inglês, a realizar em 2015,

Leia mais

Sugestão de Atividade / Redação / 8ª Série (9ºAno)

Sugestão de Atividade / Redação / 8ª Série (9ºAno) Sugestão de Atividade / Redação / 8ª Série (9ºAno) COMPONENTE CURRICULAR: Redação INTERDISCIPLINARIDADE: Língua Portuguesa SÉRIE: 8ª Série / 9º Ano CONTEÚDOS: Eixo Temático IV: 01: Produção de Textos Eixo

Leia mais

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 Prova 358 2014 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Disciplina: FRANCÊS Código: 16 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira II, Nível 3)

Disciplina: FRANCÊS Código: 16 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira II, Nível 3) INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: FRANCÊS Código: 16 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira II,

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

4. Análise de Tarefas

4. Análise de Tarefas Interacção com o Utilizador 4. Análise de Tarefas Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Identificar necessidades e problemas dos utilizadores Avaliar solução Conceber uma solução Prototipar

Leia mais

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014.

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 Informação n.º 01 /2014 Prova 16 / 2014 Prova de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: História Série: 1 Eixo Tecnológico:

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 10. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 10. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões...

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões... Cabeçalho da secção 1 Índice 1. Introdução...1 1.1. O que é um relatório...1 2. Organização de um relatório...2 2.1. Identificação...2 2.2. As 4 questões...2 2.3. Informação adicional...2 2.4. Estrutura...2

Leia mais

Prof. Ms. Renato Dering

Prof. Ms. Renato Dering Prof. Ms. Renato Dering A Redação é o primeiro critério de desempate na hora de escolher as Universidades e cursos superiores; A segunda forma de desempate é a prova de Linguagens; Tirar menos de 450 pontos

Leia mais