A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS"

Transcrição

1 REVISTA INVESTIGAÇÃO EM ENFERMAGEM - AGOSTO 2016: A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS Resumo Objetivo Materiais e Métodos: Considerações Finais THE HUMOR INTERVENTION IN NURSING AT AN ORTHOPEDIC WARD: STRATEGIES AND BENEFITS ObjectiveMaterials and Methods: search with a interviews were applied. The analysis was based on Bardin. Results and Discussion: two categories emerged, the humor intervention and Final considerations: similarly to other interventions, humor follows the clinical judgment of nursing Descriptors: Wit and humor as topic ; Nursing care; Nursing. Resumen LA INTERVENCIÓN HUMOR EN ENFERMARIA: ESTRATEGIAS Y BENEFÍCIOS EN ORTOPEDIA ObjetivoMateriales y Metodología: Resultado y Discusión: emergieron dos categorías, la pacientes. Descriptores Enfermeira 36 Revista Investigação em Enfermagem

2 INTRODUÇÃO 1 Esta Nursing 2 e na como 2 North American Nursing Diagnosis Association Internacional 4 alcançados se mostra sensível colocar 2 1 MATERIAIS E MÉTODOS Revista Investigação em Enfermagem 37

3 de gravador digital e posterior transcrição RESULTADOS E DISCUSSÃO Intervenção humor intervenção humor Avaliação e planeamento avaliação e planeamento [ ] é uma dimensão, digamos subjetiva pode ter várias interpretações Revista Investigação em Enfermagem

4 10 registo: Enfermagem, tenho de avaliar a pessoa antes de intervir pessoa o meu objetivo é criar um clima positivo e animado de forma a potenciar as capacidades individuais engraçadas, anedotas, trocadilhos por analisar como o doente reage aos tipos de 10 humor pessoas, é preciso saber se a tal pessoa gosta de humor, Tenho sempre presente se a pessoa aprecia humor 11 e em 1 Tenho sempre de conhecer o contexto da pessoa, usar humor ou não fazer humor, 12 da personalidade da pessoa, Revista Investigação em Enfermagem 39

5 personalidade da pessoa, a pessoa pode não compreender o meu ou rude mesmo,[ ] estratégias e recursos Brincadeiras espontâneas por exemplo brinca-se com a situação 4 palhaçadas ou então imito um praticante de artes reproduzem, Procuro encontrar um conjunto de situações tipo, de anedotas, faz-me lembrar alguma anedota Utilizo trocadilhos, ou sejas expressões à literacia e cultura da pessoa Faço surpresas aos doentes e pergunto doentes respondem, nada, não se passa nada. E eu digo de seguida, então vai passar, toda as senhoras a fazer exercício aos pés. Utilizo o efeito surpresa e a descontextualização da expressão utilizada 4 os entrevistados nomeadamente: situações engraçadas, deambular imito um robô todo desengonçado Quando a pessoa está a receber uma unidade de sangue, pergunto se o bife é da de: contar experiências pessoais,[ ] 40 Revista Investigação em Enfermagem

6 referido pelos enfermeiros: ou completo a frase de forma a provocar o riso, Utilizo as deixas dos doentes, se dizem Na maioria dos casos aproveito as situações, dão para introduzir um comentário mais humorístico os entrevistados referiram: de ter em consideração as preferências da pessoa como por exemplo música de um 4 algum ato, consigo logo relacionar com por cartoon 4 Limitações à utilização do humor limitações à utilização do humor Se está numa fase terminal também não utilizo Se está desorientada, confusa, não utilizo 2 4 benefícios da intervenção humor benefícios indirectos A melhoria da relação foi referida pelos enfermeiros nos discursos: [...] fortalece a O humor pode contribuir para melhorar a relação Facilita o estabelecimento de uma relação Revista Investigação em Enfermagem 41

7 Ficam muito mais participativos, sinta sozinha, facilita de certa forma também uma relação de proximidade com a pessoa, proximidade e a pessoa sente-se lada a lado enfermeiros: tentar colocar nessa pessoa uma é uma forma às vezes de motivar a barreiras Contribui também para uma visão mais positiva da vida se houver bom ambiente se as pessoas tiverem bem-dispostas, o trabalho corre A boa disposição facilita em termos de tudo, estabelecer uma relação terapêutica doente adira a determinado tipo de tratamento em seu benefício ou a nível por exemplo dos cuidados de reabilitação, benefícios diretos apresenta stresse enfermeiros: Na minha opinião também tem um papel fundamental na recuperação do doente É muito mais fácil para as doentes estarem a trabalhar a sua recuperação com humor, 4 causem alguma dor diminui o medo e o estresse 42 Revista Investigação em Enfermagem

8 11 proporcionar relaxamento, aliviar a tensão e o desconforto tensão, enfermeira: os doentes até agradecem se distanciar dos problemas ou conseguir recendê-los uma outra estratégia para além de brincar com a dos enfermeiros: o alívio da dor nesta situação Ajuda a lidar com situações difíceis, o pré dependência/independência com situações difíceis, proporciona bem-estar de fazer muitos treinos de Actividades de Vida Diária enfermeiros: diminuí a ansiedade, diminui a ansiedade por parte da as preocupa CONSIDERAÇÕES FINAIS stresse Revista Investigação em Enfermagem 43

9 REFERÊNCIAS Uma revisão literatura. a Prática de Enfermagem - Versão 2. Resposta humana ao humor: humor como resposta humana. Rev. latinoam. enferm. moderating effects of positive emotions: 44 Revista Investigação em Enfermagem

Humor como estratégia de comunicação com a pessoa em situação de doença

Humor como estratégia de comunicação com a pessoa em situação de doença Humor como estratégia de comunicação com a pessoa em situação de doença Autor: Luís Sousa Resumo A investigação no âmbito do humor tem demonstrado benefícios para a saúde e bem-estar das pessoas. O humor

Leia mais

Revisão integrativa sobre a intervenção humor em enfermagem (tema livre)

Revisão integrativa sobre a intervenção humor em enfermagem (tema livre) Revisão integrativa sobre a intervenção humor em enfermagem (tema livre) Luís Manuel Mota de Sousa, Mestre. Enfermeiro Especialista em Reabilitação no Hospital Curry Cabral. Professor Assistente na Universidade

Leia mais

Quando o humor integra o agir profissional dos enfermeiros. Angra do Heroísmo, ilha Terceira Açores 17 de Junho 2014

Quando o humor integra o agir profissional dos enfermeiros. Angra do Heroísmo, ilha Terceira Açores 17 de Junho 2014 Quando o humor integra o agir profissional dos enfermeiros Angra do Heroísmo, ilha Terceira Açores 17 de Junho 2014 Introdução Cuidar em enfermagem Investigação Intervenção Humor Linguagens classificadas

Leia mais

Unidade: Atuação do enfermeiro em Terapias complementares. Revisor Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio

Unidade: Atuação do enfermeiro em Terapias complementares. Revisor Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio Unidade: Atuação do enfermeiro em Terapias complementares Revisor Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio INTRODUÇÃO As terapias complementares são realidade no universo da saúde humana,

Leia mais

ANEXOS. Pedro André Pinho Gomes Impacto da Cultura sob os Valores Sociais: Estudo Comparativo com Portugueses a Residir em Macau e em Portugal

ANEXOS. Pedro André Pinho Gomes Impacto da Cultura sob os Valores Sociais: Estudo Comparativo com Portugueses a Residir em Macau e em Portugal ANEXOS i ANEXO 1: Medida de Valores Sociais: versão reduzida do PVQ (Portrait Values Questionaire; Schwartz, 2001 in Ramos, 2006) O presente questionário faz parte de um estudo empírico que está a ser

Leia mais

Payasos de Hospital Hospital Clown Clown dell'ospedale

Payasos de Hospital Hospital Clown Clown dell'ospedale Palhaços de Hospital Payasos de Hospital Hospital Clown Clown dell'ospedale clown d'hôpital Krankenhausclown [ CÓDIGO DEONTOLÓGICO ] Página 1 de 7 ::: I ntrodução O palhaço de hospital surge para dar resposta

Leia mais

Humor como estratégia de comunicação com a pessoa em situação de doença

Humor como estratégia de comunicação com a pessoa em situação de doença Humor como estratégia de comunicação com a pessoa em situação de doença Luís Sousa, CRRN, MSc, student PhD (ICS, UCP) Leiria, 23 de Setembro 2016 Introdução Cuidar em enfermagem Investigação Intervenção

Leia mais

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Coordenação do Grupo WHOQOL no Brasil Dr. Marcelo Pio de Almeida Fleck Departamento de Psiquiatria e Medicina

Leia mais

XXVIII Jornadas de Enfermagem da AE da Escola Superior de Saúde de Viseu. Prof.ª Paula Diogo, PhD 28 março 2017

XXVIII Jornadas de Enfermagem da AE da Escola Superior de Saúde de Viseu. Prof.ª Paula Diogo, PhD 28 março 2017 XXVIII Jornadas de Enfermagem da AE da Escola Superior de Saúde de Viseu Prof.ª Paula Diogo, PhD 28 março 2017 DIMENSÃO EMOCIONAL DA ENFERMAGEM A disciplina de enfermagem necessita de estudar as emoções

Leia mais

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ASSISTÊNCIA MULDISCIPLINAR AO PACIENTE POLITRAUMATIZADO Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina

Leia mais

Material de Apoio - Como Conquistar Depoimentos

Material de Apoio - Como Conquistar Depoimentos Material de Apoio - Como Conquistar Depoimentos Você não precisa ser nenhum expert para saber que a internet está cheia de pessoas querendo dar golpes em outras e se você tem um negócio online já deve

Leia mais

Encontro Sucesso na Diferença

Encontro Sucesso na Diferença Encontro Sucesso na Diferença E.B. 2,3 Vieira da Silva, 15 de Março de 2012 Síndrome de Asperger e Emprego. Eu quero participar. Tu queres aceitar? Síndrome de Asperger na 1ª Pessoa Testemunho Interpretação

Leia mais

Programa Qualidade de Vida e Saúde do Trabalhador. Categoria: Gestão de Pessoas Subcategoria: Classe 1

Programa Qualidade de Vida e Saúde do Trabalhador. Categoria: Gestão de Pessoas Subcategoria: Classe 1 Programa Qualidade de Vida e Saúde do Trabalhador Categoria: Gestão de Pessoas Subcategoria: Classe 1 Hospital Independência: Infraestrutura: Reconhecimento: Programa: Justificativa: Assistir a saúde do

Leia mais

Avaliação da Dor - 5º Sinal Vital:

Avaliação da Dor - 5º Sinal Vital: Avaliação da Dor - 5º Sinal Vital: Um projecto de intervenção-acção Grupo de Trabalho: Fernanda Dantas Raquel Flores Avaliação da Dor: 5º SINAL VITAL Circular Normativa nº 9 da Direcção-Geral da Saúde

Leia mais

Humanização na Emergência. Disciplna Urgência e Emergência Profª Janaína Santos Valente

Humanização na Emergência. Disciplna Urgência e Emergência Profª Janaína Santos Valente Humanização na Emergência Disciplna Urgência e Emergência Profª Janaína Santos Valente A Enfermagem em cuidados intensivos requer uma capacidade de lidar com situações cruciais com uma velocidade e precisão

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM Iaskara Mazer 1 Ana Paula Modesto 2 Janaina Vall 3 Introdução: É dever do

Leia mais

Pesquisa ANTES E DEPOIS DA AMBIENTAÇÃO NO HEMORIO

Pesquisa ANTES E DEPOIS DA AMBIENTAÇÃO NO HEMORIO Pesquisa ANTES E DEPOIS DA AMBIENTAÇÃO NO HEMORIO Nome: Avaliação do projeto Aquário Carioca em uma unidade hospitalar especializada em hematologia e hemoterapia no Estado do Rio de Janeiro: as percepções

Leia mais

Entrevista Rodrigo

Entrevista Rodrigo Entrevista 1.17 - Rodrigo (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Comentário: ADESÃO À TERAPÊUTICA EM PORTUGAL ATITUDES E COMPORTAMENTOS DA POPULAÇÃO PORTUGUESA PERANTE AS PRESCRIÇÕES MÉDICAS

Comentário: ADESÃO À TERAPÊUTICA EM PORTUGAL ATITUDES E COMPORTAMENTOS DA POPULAÇÃO PORTUGUESA PERANTE AS PRESCRIÇÕES MÉDICAS Comentário: ADESÃO À TERAPÊUTICA EM PORTUGAL ATITUDES E COMPORTAMENTOS DA POPULAÇÃO PORTUGUESA PERANTE AS PRESCRIÇÕES MÉDICAS INTRODUÇÃO Relevância da adesão à terapêutica para a actividade da indústria

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex Praticante Denise Local: Núcleo de Arte Albert Einstein Data: 03.12.2013 Horário: 10 h30 Duração da entrevista: 1h.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO CLIMA DE SEGURANÇA

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO CLIMA DE SEGURANÇA ANEXO I QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO CLIMA DE SEGURANÇA Este questionário pretende conhecer os seus pontos de vista relativamente a diversos aspectos da Segurança no trabalho na SpPM, S.A. Está integrado

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Praticante Igor Local: Núcleo de Arte Nise da Silveira Data: 05 de dezembro de 2013 Horário: 15:05 Duração da entrevista:

Leia mais

Simpósio de TCC Amor: Pessoal e Interpessoal. Norma Manhães Guerra Psicóloga Clínica CRP (21)

Simpósio de TCC Amor: Pessoal e Interpessoal. Norma Manhães Guerra Psicóloga Clínica CRP (21) Simpósio de TCC Amor: Pessoal e Interpessoal Norma Manhães Guerra Psicóloga Clínica CRP 12627-5 (21) 99702-8888 normamanhaes@gmail.com Amor Próprio uma questão de autoestima Amor próprio Sentimento de

Leia mais

Guião de entrevista às crianças

Guião de entrevista às crianças Apêndice 1 Guião de entrevista às crianças Tema: Relações entre crianças Objectivo Geral: Obter a opinião das crianças em relação aos seus colegas. Blocos Objectivos específicos Tópicos Formulário de Perguntas

Leia mais

TRIAGEM DE MANCHESTER NO SUP. -Dois Anos de Experiência -

TRIAGEM DE MANCHESTER NO SUP. -Dois Anos de Experiência - TRIAGEM DE MANCHESTER NO SUP -Dois Anos de Experiência - Rita Carneiro Serviço de Urgência Pediátrica Abril de 2013 1. Triagem Questões Gerais 2. História de Triagem no SUP 3. Implementação do PTM no SUP

Leia mais

a) A multidimensionalidade da pobreza b) A interacção multidimensional

a) A multidimensionalidade da pobreza b) A interacção multidimensional a) A multidimensionalidade da pobreza b) A interacção multidimensional a) A multidimensionalidade da pobreza A Cáritas sabe que as pessoas pobres não só são vítimas, mas também actores; acredita na dignidade

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 17:00 às 21:00 2ª e 3ª sessão - 17:00 às 20:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 17:00 às 21:00 2ª e 3ª sessão - 17:00 às 20:00 INVESTIMENTO ANáLISES CLíNICAS: DA COLHEITA à INTERPRETAçãO (OUT 2016) PORTO A interpretação de exames laboratoriais é uma realidade incontestável do dia-a-dia dos enfermeiros. Mas será que todos os enfermeiros estão

Leia mais

HOSPITAL DE CARIDADE SÃO VICENTE DE PAULO. Cartilha Atendimento ao Cliente

HOSPITAL DE CARIDADE SÃO VICENTE DE PAULO. Cartilha Atendimento ao Cliente Cartilha Atendimento ao Cliente Esta cartilha vai ajudá-lo a conhecer quais os atendimentos de saúde devem ser procurados de acordo com a sua necessidade e de sua família. O Hospital de Caridade São Vicente

Leia mais

CONSULTA DE ENFERMAGEM

CONSULTA DE ENFERMAGEM CONSULTA DE ENFERMAGEM D O E N T E P O R T A D O R D E P M D E C D I Patrícia Fernandes O INÍCIO Identificar as dúvidas, medos, crenças que com mais frequência são referidas pelos doentes portadores de

Leia mais

O que espera desta sessão?

O que espera desta sessão? O que espera desta sessão? a) Saber mais funcionalidades do Kodu; b) Compreender como posso articular o Kodu com as outras áreas; c) Perceber que tipo de abordagem posso ter para trabalhar com os alunos

Leia mais

Anexos Anexo I Anexo II Anexo III Anexo IV

Anexos Anexo I Anexo II Anexo III Anexo IV Anexos Escala da Ruminação (ERR-10-A) Anexo I Questionário de Regulação Emocional Cognitiva (CERQ) Anexo II Escala de Ansiedade Depressão e Stress (EADS21) Anexo III O Questionário de Preocupações de Penn

Leia mais

Religiosidade/Espiritualidade e Prevenção do Suicídio

Religiosidade/Espiritualidade e Prevenção do Suicídio Religiosidade/Espiritualidade e Prevenção do Suicídio Attilio Provedel 24/09/2016 RELIGIÃO Sistema organizado de crenças, práticas, rituais e símbolos projetados para auxiliar a proximidade do indivíduo

Leia mais

Objectivos. Paulo Estrela, Paula Cruz, Carla Carvalhosa Outubro/

Objectivos. Paulo Estrela, Paula Cruz, Carla Carvalhosa Outubro/ Casa de Saúde da Idanha Unidade de Cuidados Paliativos Paulo Estrela, Paula Cruz, Carla Carvalhosa Outubro/2008 Objectivos Reflectir sobre o conceito de Esperança em contexto de Cuidados Paliativos Reconhecer

Leia mais

ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL.

ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL. Simone Lopes de Mattos e Vívian Lopes de Mattos ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL. Para colorir o cenário. Ilustrações de Ana Kléa Moraes Simone Lopes de Mattos e Vívian Lopes de Mattos ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL.

Leia mais

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem XXXII Congresso Português de Cardiologia Enf.ª Patrícia Alves UCIC CHVNGaia/Espinho,Epe Abril 2011 PATOLOGIA CARDIOVASCULAR Principal causa

Leia mais

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica.

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Equipe Trabalho em Equipe São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Objetivo comum. Objetivos do grupo acima dos interesses

Leia mais

Ponto de Apoio. Edição 156

Ponto de Apoio. Edição 156 Ponto de Apoio Edição 156 1 Tema do Mês Altruísmo Apresentar os benefícios desta prática de forma clara, compreendendo que, se todos mantiverem atitudes de altruísmo, muitas outras qualidades surgirão

Leia mais

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DA CARTILHA EDUCATIVA PÉ SAUDÁVEL É PÉ BEM CUIDADO

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DA CARTILHA EDUCATIVA PÉ SAUDÁVEL É PÉ BEM CUIDADO CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DA CARTILHA EDUCATIVA PÉ SAUDÁVEL É PÉ BEM CUIDADO Yara lanne Santiago Galdino Thereza Maria Magalhães Moreira Francisca Alexandra Araújo Silva Luciana Catunda Gomes Menezes Maria

Leia mais

Males da Alma......são transtornos que causam sofrimento intenso, comprometem a rotina da pessoa afetada, alteram

Males da Alma......são transtornos que causam sofrimento intenso, comprometem a rotina da pessoa afetada, alteram Males da Alma......são transtornos que causam sofrimento intenso, comprometem a rotina da pessoa afetada, alteram seu comportamento e trazem prejuízos em todas as áreas da vida de quem está doente. Ansiedade,

Leia mais

Juntos faremos a diferença!

Juntos faremos a diferença! Juntos faremos a diferença! GUIA DE ACOLHIMENTO Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer o melhor. Contamos consigo! COMO FUNCIONAMOS O QUE É UMA USF As U.S.F. Unidades de Saúde Familiares

Leia mais

Metodologia da Pesquisa em Ciências Agrárias. Prof. Massena.

Metodologia da Pesquisa em Ciências Agrárias. Prof. Massena. Metodologia da Pesquisa em Ciências Agrárias Prof. Massena www.professormassena.wordpress.com TIPOS DE PESQUISA As pesquisas podem ser classificadas segundo diversos critérios, como por exemplo, quanto:

Leia mais

A Criança Hospitalizada

A Criança Hospitalizada A Criança Hospitalizada O brincar no hospital Profª Graça Pimenta UCSal A criança acometida por uma doença continua sendo criança e, para garantir seu equilíbrio emocional,o brincar é essencial. O brincar

Leia mais

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor)

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) 1 Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) Compreende as instruções do professor Compreende enunciados orais simples Compreende enunciados orais complexos Escuta atentamente COMPREENSÃO O

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

A consequência da modernidade

A consequência da modernidade A consequência da modernidade A sociedade pós-moderna tem como uma das suas principais características a pressa generalizada, esteja ela presente nas respostas eletrônicas, na expectativa das respostas

Leia mais

Sondagem à Experiência dos Pacientes com os Cuidados Primários [NAME OF CENTRE] SONDAGEM À EXPERIÊNCIA DOS PACIENTES

Sondagem à Experiência dos Pacientes com os Cuidados Primários [NAME OF CENTRE] SONDAGEM À EXPERIÊNCIA DOS PACIENTES Sondagem à Experiência dos Pacientes com os Cuidados Primários [NAME OF CENTRE] SONDAGEM À EXPERIÊNCIA DOS PACIENTES Está a ser convidado/a para participar nesta sondagem porque recentemente teve uma consulta

Leia mais

Publicação e Comunicação em Ciências da Saúde na Era da Literacia Científica. Pedro Morgado Lisboa, Março 2012

Publicação e Comunicação em Ciências da Saúde na Era da Literacia Científica. Pedro Morgado Lisboa, Março 2012 Publicação e Comunicação em Ciências da Saúde na Era da Literacia Científica Pedro Morgado Lisboa, Março 2012 Porque Comunicamos em Ciências da Saúde? (1) Anunciar novas descobertas e novos resultados;

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO UTILIZANDO A TÉCNICA DO GRAFFITI

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO UTILIZANDO A TÉCNICA DO GRAFFITI SESSÃO Nº 1 Conversa com todo o grupo: Objetivos: -Conhecimento do Grupo - Falar um pouco de si - especificar se gostariam de mudar algum comportamento (encontrar denominadores comuns) - Apresentação do

Leia mais

Planeamento como Ferramenta para a Sustentabilidade. Paulo Teixeira

Planeamento como Ferramenta para a Sustentabilidade. Paulo Teixeira Planeamento como Ferramenta para a Sustentabilidade Paulo Teixeira Pensar Estratégicamente a Organização Há várias razões para uma organização apostar em pensarse estratégicamente mas a principal é Para

Leia mais

Campanha de Higiene das Mãos Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE

Campanha de Higiene das Mãos Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE Campanha de Higiene das Mãos Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE First Global Patient Safety Challenge Cuidados limpos são cuidados seguros Produtos limpos Práticas limpas Equipamentos limpos Ambiente limpo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Jaiana Cirino dos Santos Graduanda de Pedagogia CFP / UFCG jaianacz@hotmail.com Alzenira Cândida Alves Graduanda de Pedagogia CFP /UFCG

Leia mais

Leia com calma as questões e responda com carinho, fazendo pausas até a conclusão, se achar necessário.

Leia com calma as questões e responda com carinho, fazendo pausas até a conclusão, se achar necessário. Questionário FIS - Felicidade Interna Sustentável CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA Idade Sexo ( )M ( )F Grau de Instrução ( )Básico ( )Médio ( )Universitário ( )Especialização ( )Mestrado ( )Doutorado ( )Outros

Leia mais

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde SINAIS E SINTOMAS Sinais, sintomas, observações e manifestações clínicas que podem ser tanto objetivas (quando observadas por médicos) como subjetivas (quando

Leia mais

Orientações para Pacientes. Diário da Caminhada

Orientações para Pacientes. Diário da Caminhada Orientações para Pacientes Diário da Caminhada No dia a dia, o hábito de caminhar traz inúmeros benefícios para a sua saúde, melhora o seu humor, contribui para uma mente sadia e proporciona boa forma

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Planeamento da Prática de Exercício Físico (PPEF)

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Planeamento da Prática de Exercício Físico (PPEF) UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Planeamento da Prática de Exercício Físico (PPEF) Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) (2011) Grupo de investigação www.ardh-gi.com

Leia mais

ACONSELHAMENTO VOCACIONAL & ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL. (Doença Coronária) DCV s

ACONSELHAMENTO VOCACIONAL & ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL. (Doença Coronária) DCV s CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ACONSELHAMENTO VOCACIONAL & ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL (Doença Coronária) CR 2 FISIOTERAPIA, 3º ano (2013-2014) Prof. Ricardo João Teixeira DCV s As doenças crónicas, em especial

Leia mais

30 motivos para fazer musculação

30 motivos para fazer musculação Segundo pesquisas, a musculação traz grandes benefícios tanto para a estética quanto para a qualidade de vida, mas não se esqueça de consultar seu médico antes de começar a se exercitar, são eles: 1 -

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR ANáLISES CLíNICAS: DA COLHEITA à INTERPRETAçãO (MAI 2016) LISBOA A interpretação de exames laboratoriais é uma realidade incontestável do dia-a-dia dos enfermeiros. Mas será que todos os enfermeiros estão

Leia mais

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Feedback de Candidato. Nome Sample Candidate. Data 21 maio

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Feedback de Candidato. Nome Sample Candidate. Data 21 maio OPQ Perfil OPQ Relatório de Feedback de Candidato Nome Sample Candidate Data 21 maio 2014 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório é confidencial e destina-se exclusivamente à pessoa que respondeu o questionário.

Leia mais

A COMUNICAÇÃO E A ENFERMAGEM. Maria da Conceição Muniz

A COMUNICAÇÃO E A ENFERMAGEM. Maria da Conceição Muniz A COMUNICAÇÃO E A ENFERMAGEM Maria da Conceição Muniz Acredite em você Nunca deixe de sonhar Na enfermagem, pode-se verificar o valor da comunicação entre enfermeiro e paciente com a sustentação do desenvolvimento

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO FRENTE AO PROCESSO MORTE E MORRER CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Preparação para a cirurgia da criança, jovem / família, enquanto Programa de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem

Preparação para a cirurgia da criança, jovem / família, enquanto Programa de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem Preparação para a cirurgia da criança, jovem / família, enquanto Programa de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem Luísa Bandola Sandra Faleiro Arminda Monteiro Âmbito: Consulta realizada

Leia mais

4.2. Psicologia social da música Preferência musical, motivação e emoção Preferência musical e personalidade...

4.2. Psicologia social da música Preferência musical, motivação e emoção Preferência musical e personalidade... Índice Dedicatória.1 Adradecimentos.2 Resumo...3 Abstract.5 Epígrafe.8 Introdução..9 Parte I FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 18 Capítulo I: Doente operado como indivíduo em contexto de vulnerabilidade psicosocial.......19

Leia mais

Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde

Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde 2016-02-10 17:16:07 http://justnews.pt/noticias/eu-da-ao-utente-um-papel-mais-ativo-na-gestao-da-sua-saude Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde

Leia mais

Semana de Psicologia PUC RJ

Semana de Psicologia PUC RJ Semana de Psicologia PUC RJ O Psicólogo no Hospital Geral Apresentação: Decio Tenenbaum Material didático e concepções: Prof. Abram Eksterman Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital

Leia mais

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas)

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Introdução É relativamente frequente que, pontualmente, a criança se recuse

Leia mais

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 Equipa: Doutor Carlos Silva Doutora Carla Chicau Doutor Luís Cid (coordenador) Psicólogo Luís Gonzaga

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SAÚDE

PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SAÚDE PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SAÚDE Senac Rondônia APRESENTAÇÃO A concepção educacional do Senac visa atender à missão de "Educar para o trabalho em atividades do Comércio de Bens,

Leia mais

ஜ ஜ. Estamos juntos nessa caminhada! ஜ ஜ

ஜ ஜ. Estamos juntos nessa caminhada! ஜ ஜ ஜ ஜ É hora de acreditar em você novamente. É hora de se concentrar em seus pontos fortes e não em suas fraquezas. É hora de você lembrar o quão longe você já chegou. É hora de se dar uma pausa, e se reconectar

Leia mais

ANEXO Nº 1. Questionário

ANEXO Nº 1. Questionário ANEXOS ANEXO Nº 1 Questionário ANEXO Nº 2 Cronograma de Actividades Cronograma do trabalho de Investigação Mês Fase Fev. Escolha e delimitação do tema Revisão bibliográfica Fase metodológica Pré-teste

Leia mais

Capítulo 18 Progressão do seu programa de exercícios

Capítulo 18 Progressão do seu programa de exercícios Capítulo 18 Progressão do seu programa de exercícios Objetivos de aprendizagem: Ø Definir avanços no seu programa de exercícios e explicar por que isso é importante Ø Identificar quando é seguro avançar

Leia mais

PÓS-OPERATÓRIO TARDIO DE CIRURGIA GERAL: VISUALIZANDO AS NECESSIDADES DO PACIENTE NO MOMENTO DA ALTA 1

PÓS-OPERATÓRIO TARDIO DE CIRURGIA GERAL: VISUALIZANDO AS NECESSIDADES DO PACIENTE NO MOMENTO DA ALTA 1 1 PÓS-OPERATÓRIO TARDIO DE CIRURGIA GERAL: VISUALIZANDO AS NECESSIDADES DO PACIENTE NO MOMENTO DA ALTA 1 Shirley Glauci Berté 2 Marister Piccoli 3 INTRODUÇÃO: O período pós-operatório inicia-se após a

Leia mais

Liberte-se de comportamentos que limitam seu desempenho - seja o melhor que você puder!

Liberte-se de comportamentos que limitam seu desempenho - seja o melhor que você puder! palestrante: Márcia Cristina Carvalho Garcia Liberte-se de comportamentos que limitam seu desempenho - seja o melhor que você puder! Liberte-se de comportamentos que limitam seu desempenho Seja o melhor

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Diretor André Local: Núcleo de Arte Albert Einstein Data: 24/09/2012 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h. COR PRETA

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma entrevista para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma entrevista para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

Os objetivos do Curso são de que a partir de uma visão globalizada, o enfermeiro através de uma metodologia sistematizada, seja capaz de:

Os objetivos do Curso são de que a partir de uma visão globalizada, o enfermeiro através de uma metodologia sistematizada, seja capaz de: CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE CUIDADOS INTENSIVOS DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP PARTE 2: O PROCESSO DE ENSINO-APRANDIZAGEM ADOTADO NO CURSO Ana Maria Kazue Miyadahira * Maria Sumie Koizumi

Leia mais

O Toque Terapêutico é uma técnica energética, holística, não invasiva, com fins terapêuticos.

O Toque Terapêutico é uma técnica energética, holística, não invasiva, com fins terapêuticos. Descrição O Toque Terapêutico é uma técnica energética, holística, não invasiva, com fins terapêuticos. É uma técnica de imposição de mãos com raízes milenares em que o terapeuta usa as suas mãos e objectivamente

Leia mais

E Ç O L Ã O. A arte de. Conviver. com. Gustavo, o cão. Carmem Beatriz Neufeld Isabela Maria Freitas Ferreira Juliana Maltoni

E Ç O L Ã O. A arte de. Conviver. com. Gustavo, o cão. Carmem Beatriz Neufeld Isabela Maria Freitas Ferreira Juliana Maltoni C O L E Ç Ã O A arte de Conviver com Gustavo, o cão Carmem Beatriz Neufeld Isabela Maria Freitas Ferreira Juliana Maltoni Sinopsys Editora e Sistemas Ltda., 2016 A arte de conviver com Gustavo, o cão Carmem

Leia mais

Processo de Enfermagem

Processo de Enfermagem Faculdade de Enfermagem Unidade do Cuidado de Enfermagem IV: Adulto e Família- A Processo de Enfermagem Prof a. Dr a. Franciele Roberta Cordeiro Pelotas 2017 Roteiro da apresentação O processo de enfermagem

Leia mais

Grupo de estudos Anthony Robbins

Grupo de estudos Anthony Robbins Grupo de estudos Anthony Robbins Coaching e PNL caps 5 cont 17/12/2013 Como o cérebro efetua uma neuroassociação: Em qualquer momento em que você experimenta quantidades significativas de dor ou prazer,

Leia mais

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f Comunicação em Cuidados Paliativos Ana Valeria de Melo Mendes Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte

Leia mais

Classifique-se conforme a seguinte escala, respondendo com números de 1 a 10. Nunca Às vezes Com frequência. 1. Não consigo decidir o que quero fazer?

Classifique-se conforme a seguinte escala, respondendo com números de 1 a 10. Nunca Às vezes Com frequência. 1. Não consigo decidir o que quero fazer? 1. Não consigo decidir o que quero fazer? 2. Tenho dificuldades de me manter concentrado numa tarefa? 3. Sou hiperativo? 4. Sinto dificuldade de desacelerar? 5. Logo perco o interesse em muitas atividades

Leia mais

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes?

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sávia M. Emrich Pinto Psicóloga Serviço de Radioterapia Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar

Leia mais

Escala de Ansiedade Manifesta (adaptada de Castaneda, McCandless & Palermo)

Escala de Ansiedade Manifesta (adaptada de Castaneda, McCandless & Palermo) Escala de Ansiedade Manifesta (adaptada de Castaneda, McCandless & Palermo) Leia cada questão. Coloque um círculo na palavra SIM se achar que a frase é verdadeira relativamente à sua maneira de ser, ou,

Leia mais

BULLYING NO TRABALHO: IMPACTO NA VIDA PESSOAL DOS ENFERMEIROS

BULLYING NO TRABALHO: IMPACTO NA VIDA PESSOAL DOS ENFERMEIROS BULLYING NO TRABALHO: IMPACTO NA VIDA PESSOAL DOS ENFERMEIROS Antónia Ribeiro Teixeira Prof.ª Doutora Teresa Rodrigues Ferreira Prof.ª Doutora Elizabete Borges Coimbra Fevereiro 2014 JUSTIFICAÇÃO TEMÁTICA

Leia mais

Benefícios da Leitura

Benefícios da Leitura Ler a par Benefícios da Leitura Proporciona à criança informação e conhecimento sobre o mundo. Apresenta à criança situações e ideias novas Estimulando a curiosidade, o pensamento crítico, e ainda a consciência

Leia mais

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais -

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - - Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - A segurança do doente é uma preocupação crescente nos Hospitais Portugueses, tal como acontece noutros países da Europa e do resto do mundo.

Leia mais

RELATÓRIO DE USO PRIVADO E CONFIDENCIAL

RELATÓRIO DE USO PRIVADO E CONFIDENCIAL PERFIL PESSOAL E PROFISSIONAL O presente relatório é des nado ao trabalho e pode ser u lizado em Recrutamento & Seleção, Treinamento & Desenvolvimento ou mesmo para o autoconhecimento. Avalia o comportamento,

Leia mais

Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da leitura. Apoiar iniciativas; Estimular a adesão de voluntários:

Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da leitura. Apoiar iniciativas; Estimular a adesão de voluntários: O Projeto Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da leitura. Objetivos Apoiar iniciativas; Estimular a adesão de voluntários: Disponibilizar

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 10

Transcrição de Entrevista nº 10 Transcrição de Entrevista nº 10 E Entrevistador E10 Entrevistado 10 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Informática E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar. Dr. Antonio Issa Ribeirão Preto-SP

Desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar. Dr. Antonio Issa Ribeirão Preto-SP Desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar Dr. Antonio Issa Ribeirão Preto-SP Os desafios da Alta no Programa de Atenção Domiciliar (AD) são complexos e envolvem várias diretrizes, argumentos,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

01 F E L I C I D A D E 01

01 F E L I C I D A D E 01 100 AFIRMAÇÕES POSITIVAS 01 F E L I C I D A D E 01 1. A felicidade é o meu direito. Eu abraço a felicidade como meu ponto de equilíbrio. 2. Sinto alegria e satisfação neste momento. 3. Despertei de manhã

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT Carla Maria Lima Braga Inicio a minha fala agradecendo o convite e me sentindo honrada de poder estar aqui nesta mesa com o Prof. Rezende

Leia mais

GUIÃO DA ENTREVISTA AOS DIRECTORES DE CURSO PROFISSIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

GUIÃO DA ENTREVISTA AOS DIRECTORES DE CURSO PROFISSIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO GUIÃO DA ENTREVISTA AOS DIRECTORES DE CURSO PROFISSIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO II - 6 I. Tema: As atribuições do Director de Curso Profissional do Ensino Secundário em escolas da rede pública e o

Leia mais

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Sofrimento Espiritual (NANDA) Definição Capacidade prejudicada de experimentar e integrar significado e objetivo a vida por meio

Leia mais