Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog: Uberlândia - MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog: Uberlândia - MG"

Transcrição

1 FLUXOGRAMA CONCEITO Fluxograma é um tipo de diagrama, e pode ser entendido como uma representação esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada a transição de informações entre os elementos que o compõem, ou seja, fluxograma é um gráfico que demonstra a sequência operacional do desenvolvimento de um processo, o qual caracteriza: o trabalho que está sendo realizado, o tempo necessário para sua realização, a distância percorrida pelos documentos, quem está realizando o trabalho e como ele flui entre os participantes deste processo. O fluxograma pode também ser definido como o gráfico em que se representa o percurso ou caminho percorrido para alcançar um objetivo. Portanto, Fluxograma é uma técnica de representação gráfica que se utiliza símbolos previamente convencionados, permitindo a descrição clara e precisa do fluxo, ou sequência, de um processo, bem como sua análise e redesenho. A razão porque os fluxogramas funcionam tão bem é porque eles trabalham com a parte forte que as pessoas têm. O que o cérebro faz de melhor é reconhecer imagens. Fluxogramas são imagens. A maioria das companhias tem poucos fluxogramas ou nenhum. Normalmente elas dependem de pastas cheias de procedimentos e instruções que não refletem realmente como a empresa funciona e não conduz a identificação de melhorias. Isto acontece porque a maioria destas pastas não é lida. Se alguém as lê, isto é feito uma vez e em seguida são postas de lado. As pessoas não seguem estas instruções e fazem o seu trabalho o melhor que podem, algumas vezes baseado em uma memória latente resultante desta leitura única. Em todos os processos de uma empresa, tanto administrativo quanto operacional, tem um fluxo das operações, esse fluxo envolvem várias etapas como: Operações, Áreas da organização envolvidas, Recursos (humanos e materiais),

2 Custos relativos a esses recursos, Volume de trabalho, os tempos de execução, Documentação que tramita pelo mesmo e a tecnologia de informação utilizada. PRINCIPAIS ASPECTOS Padronizar a representação dos métodos e os procedimentos administrativos; Maior rapidez na descrição dos métodos administrativos; Facilitar a leitura e o entendimento; Facilitar a localização e a identificação dos aspectos mais importantes; Maior flexibilidade; Melhor grau de análise. PRINCIPAIS VANTAGENS E DESVANTAGENS NA UTILIZAÇÃO DO FLUXOGRAMA Vantagens Aumenta a competência e influência de quem os elabora Seu desempenho afeta a maneira como outros usam determinada saída. Desenvolve o espírito da equipe Cria motivação pelas fontes de informações e apoio disponíveis Floresce a responsabilidade individual Facilita o estabelecimento de objetivos Desvantagens Apresentam dificuldades no desenho e alterações; Depuração e testes não são fáceis, em geral; Dificuldade na decisão do nível de detalhes a serem colocados nos fluxogramas COMO FAZER A ANÁLISE PELO FLUXOGRAMA É muito comum fazerem a pergunta: Como fazer a análise pelo fluxograma? Para isso, é necessário responder em primeiro lugar as seguintes questões: O que é feito?

3 Para que serve essa fase? Por que essa fase é necessária? Onde essa fase deve ser feita? Quando essa fase deve ser feita? Quem deve executar a fase? Há alguém mais bem qualificado para executá-la? Como a fase está sendo executada? Respondendo estas questões saberemos a resposta para a pergunta Como fazer a análise pelo fluxograma? AS FORMAS DO FLUXOGRA É de suma importância que as figuras usadas no processo do fluxograma sejam usadas corretamente, pois cada forma no estêncil representa uma etapa diferente em um processo e assim sendo, todos os envolvidos ou responsáveis pela execução do processo entendam onde estão em cada momento. Existe 28 formas diferentes como segue quadro abaixo: Inicial ou Final Decisão Processo Armazenamento Dados Subprocesso Referência na página Mudança na página 1 Referência fora da página Entrada de Manual

4 Cartão Fita Fluxo Agrupar Extrair Mesclar Documento Vários Documentos Somador Preparação Operação Manual Exibir Classificar Dados Armazenados Armazenamento de acesso direto Armazenamento de Acesso Sequencial Atraso Disco Magnético

5 Os mais utilizados nos processos administrativos são: Símbolo Inicial - Final Significado Use essa forma para a primeira e a última etapa do seu processo Processo Essa forma representa uma etapa do processo Documento Essa forma representa uma etapa que resulta em um documento Vários Documentos Essa forma representa uma etapa que resulta em vários documentos Subprocesso Documento Use essa forma para um conjunto de etapas que se combinam para criar um subprocesso definido em outro lugar, com frequência em outra página do mesmo desenho. Essa forma representa uma etapa que resulta em um documento Dados Referência na página Referência fora da página Essa forma indica que informações estão entrando no processo a partir do terior, ou deixando-o. Essa forma também pode ser usada para representar ateriais e às vezes é chamada de forma Entrada/Saída. Esse pequeno círculo indica que a etapa seguinte (ou anterior) está em algum outro local do desenho. Isso é particularmente útil em fluxogramas grandes, onde você teria que usar um conector longo, que pode ser difícil de acompanhar. Quando você soltar essa forma na página de desenho será aberto uma caixa de diálogo onde é possível criar um conjunto de hiperlinks entre duas páginas de um fluxograma ou entre uma forma de subprocesso e uma página separada de fluxograma que mostre as etapas do subprocesso

6 CRIANDO UM FLUXOGRAMA Agora que já conhece todas as figuras, vamos fazer um Fluxograma. 1. Primeiramente identifique e relacione todas as ações do processo ou procedimento a ser representado no fluxograma em uma sequência lógica, de dependência, coloque uma ação dentro de cada figura do fluxograma. 2. Interligue os blocos com setas mostrando a relação de sequência entre as ações. Na figura acima você vê a simbologia usual para os blocos de fluxograma; TIPOS DE FLUXOGRAMA: Diagrama de Blocos: Apresenta uma sequência de atividades contínua e sem envolvimento de decisão, este tipo pode ser utilizado em processos simples ou macro sendo que neste caso somente para demonstrar relações contínuas entre os processos. Fluxograma de Processo Simples: Este é um fluxo que mostra as relações entre as fases e necessidades básicas de qualquer processo. Fluxograma Funcional: Mostra a sequência das atividades de um processo entre as áreas ou seções por onde ele flui, este fluxo é bastante comum e útil para processos que não se completam em uma única área pois indica também os responsáveis por cada fase. Uma variante desse fluxograma apresenta também uma linha do tempo cronológica que permite a identificação de gargalos do processo. Fluxograma Físico ou Geográfico: Mostra o caminho percorrido por um processo no ambiente. É geralmente confeccionado sobre uma planta do setor ou da fábrica. Fluxograma ANSI: Este se for bem feito, apesar de o mais complexo deles, mas também o mais completo, apresentando uma relação fiel da interação das etapas do processo.

7 EXEMPLO DE FLUXOGRAMA:

8 CONCLUSÃO Os fluxogramas possibilitam às pessoas identificarem falhas inerentes dos procedimentos, ao reconhecerem a falta de um fecho em uma descrição de processo ou mesmo identificando processos redundantes. Identificar falhas em um documento de várias páginas em texto torna-se muito mais difícil. A maior parte das companhias falha em manter a revisão de documentos que não são lidos. Os documentos tornam-se desatualizados porque os processos passam a ser definidos sem que haja atenção a esses documentos. Os fluxogramas são documentos vivos. Eles são alterados com facilidade e podem ser usados diariamente para ajudar a definir e refinar os processos.

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos)

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Sistema Computacional Peopleware (usuário) Software (programas) Hardware (máquina) Hardware Corresponde à parte material, aos componentes

Leia mais

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. M.e Livaldo dos Santos Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Objetivos Compreender o significado de planejamento operacional. Entender o papel do planejamento operacional

Leia mais

27/08/2013. Aula 05 Análise Estruturada de Sistemas

27/08/2013. Aula 05 Análise Estruturada de Sistemas Aula 05 Análise Estruturada de Sistemas A maior parte do trabalho do analista de sistema está baseada na construção de modelagem dos sistemas, ou seja, representar de forma gráfica aquilo que o usuário

Leia mais

Programação de Computadores I Introdução. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa

Programação de Computadores I Introdução. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa Programação de Computadores I Introdução Prof. Ramon Figueiredo Pessoa 1 Conceitos Básicos O computador só consegue: Armazenar dados em disco Imprimir Relatórios gerar gráficos realizar cálculos 5 4 3

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 8

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 8 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 8 Índice 1. Alguns tipos de fluxogramas...3 1.1 Vertical... 3 1.2 Horizontal... 3 1.3 Blocos... 5 2. Simbologia...6 3. Programas e programações...8

Leia mais

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo Sistemas de s Introdução O armazenamento e a recuperação de informações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO ERP

SISTEMA DE GESTÃO ERP SISTEMA DE GESTÃO ERP DEFINIÇÃO, CONCEITUAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BPM E TÉCNICAS DE MODELAGEM DE PROCESSOS Walison de Paula Silva Agenda BPM MODELAGEM DE PROCESSOS Sistemas de Gestão ERP BPM - Business

Leia mais

Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra.

Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra. Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra. Unidades de Trabalho Elemento de trabalho: é a menor ação de trabalho executada por uma pessoa que pode ser transferida para outra pessoa.

Leia mais

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa Desenvolvimento de programas 1 Análise do problema Desenvolvimento do algoritmo Codificação do programa Compilação e execução Teste e depuração Análise do problema 2 Conhecer exatamente o que o problema

Leia mais

algoritmo "exercício 5" var x, y, aux: inteiro inicio escreva ("Entre com um valor inteiro p/ variável x: ") leia (x) escreva ("Entre com um valor

algoritmo exercício 5 var x, y, aux: inteiro inicio escreva (Entre com um valor inteiro p/ variável x: ) leia (x) escreva (Entre com um valor algoritmo "exercício 5" var x, y, aux: inteiro inicio escreva ("Entre com um valor inteiro p/ variável x: ") leia (x) escreva ("Entre com um valor inteiro p/ variável y: ") leia (y) aux

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES 1. Introdução à Lógica de Programação 1.1. Lógica? Lógica de programação é a técnica de encadear pensamentos para atingir determinado objetivo.

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto Lógica de Programação Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto O curso Técnico em Informática É o profissional que desenvolve e opera sistemas, aplicações, interfaces gráficas; monta estruturas

Leia mais

Aula 4B. Lógica e Algoritmos. Profª. Fabiany

Aula 4B. Lógica e Algoritmos. Profª. Fabiany Fundamentos de Programação 1 Aula 4B Lógica e Algoritmos. Profª. Fabiany Lógica A lógica de programação é a técnica de encadear pensamentos para atingir determinado objetivo. Sequência Lógica São passos

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Resolução de problemas usando computador Computador: ferramenta para processamento automático de dados Processamento

Leia mais

Análise de Processos. Por José Luís Carneiro. - www.jlcarneiro.com -

Análise de Processos. Por José Luís Carneiro. - www.jlcarneiro.com - Análise de Processos Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Introdução Movimentação de pessoas, papéis e informação na organização Assegurar a fluidez Limites decisórios variam segundo a posição

Leia mais

Computadores = cérebros eletrônicos?

Computadores = cérebros eletrônicos? Prof. André Backes Introdução Computadores = cérebros eletrônicos? Computadores são máquinas e, por si sós, não podem ser inteligentes. Alguém as projetou e deu a ela todas as características que possuem.

Leia mais

AULA: Introdução à Informática I

AULA: Introdução à Informática I Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreir Disciplina: Informática Aplicada I AULA: Introdução à Informática I O que é Informática? Pode dizer-se que informática é ciência que estuda o processamento

Leia mais

DISCO MAGNÉTICO Cabeçote Trilha

DISCO MAGNÉTICO Cabeçote Trilha 1 São os componentes mais importantes da memória externa. É formado por um prato circular coberto de um material que pode ser magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos por meio de uma bobina

Leia mais

Gerência de Projetos de Software: Cronograma

Gerência de Projetos de Software: Cronograma Gerência de Projetos de Software: Cronograma SSC-121 Engenharia de Software I Simone Senger de Souza ICMC/USP Plano de Projeto Cronograma A precisão nos cronogramas é mais importante que a precisão nos

Leia mais

EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I

EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I CURSO: ENG CIVIL PROFESSOR: ANDRÉ LUÍS DUARTE PERÍODO 1º BIMESTRE 1 1) Identifique as afirmações como verdadeira (V) ou falsa (F): a) Existem três tipos

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES Autor: Prof. Dr. Carlos

Leia mais

UNEMAT SINOP Ciências Contábeis

UNEMAT SINOP Ciências Contábeis UNEMAT SINOP Ciências Contábeis Organização Sistemas e Métodos(FA) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br Sinop 2016/1 FLUXOGRAMA Existem, basicamente, dois tipos de fluxogramas:

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Capítulo 1 - Lógica e Algoritmos

Capítulo 1 - Lógica e Algoritmos 1. Introdução à Lógica de Programação Capítulo 1 - Lógica e Algoritmos A lógica de programação é necessária para pessoas que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas e programas, ela permite definir

Leia mais

Microcomputadores. É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame.

Microcomputadores. É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame. A UU L AL A Microcomputadores É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame. Um problema A onda agora são os videogames, os CD-ROMS, equipamentos de

Leia mais

Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Programação e Sistemas de Informação. Módulo 1. 2ª Parte Prof. Sandra Pais Soares

Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Programação e Sistemas de Informação. Módulo 1. 2ª Parte Prof. Sandra Pais Soares Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Programação e Sistemas de Informação Módulo 1 2ª Parte Prof. Sandra Pais Soares Introdução à Lógica de Programação A elaboração de um

Leia mais

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases)

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) MDS II Aula 04 Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) 55 DIAGRAMA DE CASOS DE USO BENEFÍCIOS DOS CASOS DE USO ILUSTRAR POR QUE O SISTEMA É NECESSÁRIO OS REQUISITOS DO SISTEMA SÃO COLOCADOS

Leia mais

Diagrama de Atividades

Diagrama de Atividades Diagrama de Atividades Profa Simone Sawasaki Tanaka simone.tanaka@unifil.br Diagramas da UML Diagrama de Atividade Um Diagrama de atividade é essencialmente um gráfico de fluxo, mostrando o fluxo de controle

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Hugo de Oliveira Barbalho hbarbalho@ic.uff.br Material produzido pelo professor: Leandro Augusto Frata Fernandes

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro

Leia mais

AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS

AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS Decompondo processos Para podermos modelar processos, é necessário que entendamos como se aplicam alguns conceitos importantes. Por definição, cada processo possui entradas,

Leia mais

UNIDADE 1 CONCEITOS BÁSICOS EM ALGORITMOS

UNIDADE 1 CONCEITOS BÁSICOS EM ALGORITMOS 1 UNIDADE 1 CONCEITOS BÁSICOS EM ALGORITMOS 1.1 NOÇÕES DE LÓGICA a) Conceitos: - Lógica é a ciência que estuda as leis do raciocínio; coerência; raciocínio. - Lógica como técnica nos ensina a usar corretamente

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

Best of Both Worlds. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS - INPE Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia Espaciais - ETE.

Best of Both Worlds. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS - INPE Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia Espaciais - ETE. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS - INPE Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia Espaciais - ETE Título: Best of Both Worlds Autores: Ednei Augusto Januário João Rodrigues da Costa 08/11/2011

Leia mais

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Conceitos Lógica de Programação técnica de encadear pensamentos

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação. Adaptação de Luis Otavio Alvares

Introdução à Lógica de Programação. Adaptação de Luis Otavio Alvares 1 Introdução à Lógica de Programação Adaptação de Luis Otavio Alvares 2 Elaboração de um programa Problema Análise Programa Algoritmo 3 Processo de geração de um programa Análise do problema: Ler atentamente

Leia mais

4 Detecção de Silhueta

4 Detecção de Silhueta 4 Detecção de Silhueta No decorrer deste capítulo é proposto um modelo de detecção da silhueta da mão capaz de lidar com os erros da segmentação e ruídos na sua morfologia. Num primeiro passo são considerados

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador slide 1 Conceito de programa Sistemas hardwired são inflexíveis.

Leia mais

As técnicas de concepção

As técnicas de concepção As técnicas de concepção Acadêmicos: Bruno Amaral de Sousa Claudivan Gottardi Guilherme Assufi Dallanol Marlon Victor de Paula Objetivo Demonstrar técnicas destinadas a implementar as especificações para

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Program João Manuel R. S. Tavares Sumário 1. Ciclo de desenvolvimento de um programa; 2. Descrição de algoritmos; 3. Desenvolvimento modular de programas; 4. Estruturas de controlo de um programa.

Leia mais

Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas

Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas Engenharia de Software Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Agenda Modelagem de Sistemas Modelos de contexto Diagramas de Atividades Modelos

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa Organização e Arquitetura de Computadores Leslier S. Corrêa O nome refere-se ao matemático John Von Neumann, que foi considerado o criador dos computadores da forma como são projetados até hoje. Entretanto,

Leia mais

Documentação de Software

Documentação de Software ISO/IEC 12207: Documentação de Software Registra a evolução do software para que sejam criadas as bases necessárias para uma melhor utilização e manutenção do software Estima-se que de 20% a 30% de todo

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE APOIO PORTUÁRIO

GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE APOIO PORTUÁRIO ISSN 1984-9354 GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE APOIO PORTUÁRIO Luciana Costa da Silva Alves (LATEC/UFF) Resumo As organizações modernas precisam estar preparadas para lidar com

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Introdução. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Introdução Profa. Flávia Cristina Bernardini * Slides Baseados no material elaborado pelos professores Eduardo R. Hruschka, Cristina D. A. Ciferri e Elaine Parros Machado Motivação Operações

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Bloco I 11.º Ano Ficha de avaliação sumativa n.º 1 Duração: 50 min. + 50 min.

Leia mais

Diagrama de Comunicação

Diagrama de Comunicação Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros, E. Desenvolvendo Software

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objetos Aula III Concepção Visão Geral do Sistema. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN

Análise e Projeto Orientados a Objetos Aula III Concepção Visão Geral do Sistema. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN Análise e Projeto Orientados a Objetos Aula III Concepção Visão Geral do Sistema Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Introdução Fase de concepção do UP Analista vai em busca das primeiras informações sobre

Leia mais

Professora Martha Spalenza Professora de Informática da Faetec

Professora Martha Spalenza Professora de Informática da Faetec Algoritmos em Estrutura seqüencial 1. Tipos de dados São quatro os tipos básicos de dados, e podem assumir os seguintes valores válidos: - números inteiros: -,, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3,, + ; - números reais:

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conceitos Básicos Sistema Operacional: Um Sistema Operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O Propósito do SO é fornecer

Leia mais

2º TESTE (Questões 5, 6, 7, 8 e 9)... 1h30m EXAME (Questões 1 a 9)... 2h30m

2º TESTE (Questões 5, 6, 7, 8 e 9)... 1h30m EXAME (Questões 1 a 9)... 2h30m SISTEMS DIGITIS 4-5 9 de Janeiro de 5, 5: EXME ntes de iniciar a prova, tenha em atenção o seguinte: i. O enunciado da prova inclui páginas. ii. O teste contempla as perguntas 5, 6, 7, 8 e 9 e tem a duração

Leia mais

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Ciclos de Vida 1 Ciclo de Vida de um Produto Qualquer desenvolvimento de produto inicia com uma idéia e termina com o produto pretendido. O ciclo de vida de um produto

Leia mais

Requisitos de sistemas

Requisitos de sistemas Requisitos de sistemas Unidade III - Casos de Uso Identificação de casos de uso Conceitos de orientação a objetos Modelagem do diagrama de classes e casos de uso 1 Casos de uso CONCEITO Especifica o comportamento

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Curso de C. Introdução by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber 3/10/ :43 AM

Curso de C. Introdução by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber 3/10/ :43 AM Curso de C Introdução 1 Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação 2 Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Circuitos Sequenciais. Combinacionais x Sequenciais. Circuitos Sequenciais. Circuitos Sequenciais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Circuitos Sequenciais. Combinacionais x Sequenciais. Circuitos Sequenciais. Circuitos Sequenciais Ciência da Computação Conteúdo Circuitos Combinacionais Sequenciais Flip-Flops e Dispositivos Sequenciais Flip-Flop RS com Entrada de Clock com Entradas Preset e Clear Prof. Sergio Ribeiro Exercício Material

Leia mais

Apostila de Excel 2007

Apostila de Excel 2007 1 Apostila de Excel 2007 Índice 1-Guias do excel... 3 1.1 Início... 3 1.2 Inserir... 4 1.3 Layout de Página... 5 1.4 Formulas... 6 1.5 Dados... 7 1.6 Revisão... 8 1.7 Exibição... 9 2 Conceito de células...

Leia mais

Algoritmos I Aula 3 Resolução de Problemas (Fluxogramas)

Algoritmos I Aula 3 Resolução de Problemas (Fluxogramas) Algoritmos I Aula 3 Resolução de Problemas (Fluxogramas) Professor: Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Ciência da Computação Problemas...aula anterior Problema 1 1. Comece a avaliação 2.

Leia mais

Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015

Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015 Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015 Problemas na manutenção de Software Código fonte e documentação mal elaborada. Falta de compreensão do sistema e suas funcionalidades. Muitas vezes

Leia mais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais Curso: Conceitos Iniciais Discussão inicial O que são Bancos de Dados? Quais os programas de Bancos de Dados mais conhecidos no mercado? Quais as vantagens do uso de Bancos de Dados nas empresas? Como

Leia mais

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Layout / Arranjo Físico - Posicionamento físico de recursos transformadores; Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Recursos transformadores: Instalações, máquinas, equipamentos,

Leia mais

CNC Comando Numérico Computadorizado

CNC Comando Numérico Computadorizado CNC Comando Numérico Computadorizado 1 - Histórico Busca de melhoria ao produto, aliado ao desenvolvimento dos computadores. Principal fator: 2ª Guerra Mundial produção em massa (a guerra consumia tudo,

Leia mais

Arquitectura de Computadores LEEC/MEEC (2006/07 2º Sem.)

Arquitectura de Computadores LEEC/MEEC (2006/07 2º Sem.) LEEC/MEEC (2006/07 2º Sem.) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade Central de Processamento

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização de arquivos Operações de E/S Estrutura de diretórios Gerência de espaço livre Gerência de alocação de espaços

Leia mais

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software AJA Software www.ajasoftware.wordpress.com De Olho na Pista Documento de Arquitetura Confidencial De Olho na Pista, 2013 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Metas e Restrições da Arquitetura 3 3. Padrão da Arquitetura

Leia mais

Fluxograma Pseudocódigo Estruturas de decisão. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes

Fluxograma Pseudocódigo Estruturas de decisão. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Programação de Computadores III Aula 4 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização de arquivos Operações de E/S Estrutura de diretórios Gerência de espaço livre Gerência de alocação de espaços

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto Modelo em Cascata ou Clássico O modelo de ciclo de vida em cascata foi o primeiro modelo a ser conhecido em engenharia de software e está na base de muitos ciclos de vida utilizados hoje em dia. Este consiste

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Modelagem de sistemas A fase do desenvolvimento do sistema exige: esforço; dedicação; envolvimento; um único objetivo. Estilo de desenvolvimento

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin memória é o local onde se armazenam dados Será???? Memória é um local ou dispositivo onde podem se armazenar dados e que permite que sejam recuperados quando deles se precisar

Leia mais

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde 95 96 Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Princípio 1 Foco no cliente: dado que as organizações dependem

Leia mais

Função Fundamental do SO

Função Fundamental do SO Função Fundamental do SO Gestão do Hardware Uma das funções fundamentais do sistema operativo é gerir os recursos do hardware de um modo o mais transparente possível ao utilizador Recursos principais a

Leia mais

A principal conclusão deste estudo é que é essencial a utilização qualquer uma das estruturas

A principal conclusão deste estudo é que é essencial a utilização qualquer uma das estruturas Capítulo 5 Conclusões A principal conclusão deste estudo é que é essencial a utilização qualquer uma das estruturas mencionadas, na representação de grandes bancos de dados cartográficos, para que se obtenha

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Realizando a Análise e Projeto

Realizando a Análise e Projeto Realizando a Análise e Projeto Modelagem de Negócios O que temos: Modelagem dos processos: Diagrama de Atividades Modelo de Casos de Uso de Negócio: Modelo de Objetos de Negócio Ator de negócio, trabalhador

Leia mais

Tecnologia em Sistemas para Internet: Professor: Elielder Berwanger

Tecnologia em Sistemas para Internet: Professor: Elielder Berwanger Tecnologia em Sistemas para Internet: Análise e Projeto Orientado a Objetos Professor: Elielder Berwanger Um diagrama de atividade é essencialmente um gráfico de fluxo, mostrando o fluxo de controle de

Leia mais

Informática para o MPU. Prof. Jefferson Moreira 1

Informática para o MPU. Prof. Jefferson Moreira 1 Informática para o MPU Prof. Jefferson Moreira 1 Sites e contato Email e msn: jefferson.jbsm@hotmail.com www.projetofuturoservidor.wordpress.com Twitter: @jeff_bala Orkut: Jefferson Moreira Prof. Jefferson

Leia mais

RAID: Conceito e Tipos

RAID: Conceito e Tipos RAID: Conceito e Tipos RAID significa em português Conjunto Redundante de Discos Independentes/Econômicos (inglês: Redundant Array of Independent/Inexpensive Drives) que tem como objetivos aumentar a velocidade

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA Informática Aplicada 2009.2 Campus Angicos LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Professor: Araken de Medeiros Santos INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores

Leia mais

Memória Interna. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Interna. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Interna Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Sistema de Memória de Computadores; Hierarquia de Memória; Memória Principal de Semicondutores; Memória Cache; Organizações das Memórias

Leia mais

Diagrama de Classes. Prof. Maikel Linares

Diagrama de Classes. Prof. Maikel Linares Modelo Conceitual Artefato mais importante da análise orientada a objetos. Diagrama de Classes. Prof. Maikel Linares Objetivo: - Identificar um conjunto rico de objetos conceituais. - Suas associações.

Leia mais

Programas Interativos

Programas Interativos Programação Funcional DECOM UFOP 2012-1 Aula prática Capítulo 8 Prof. José Romildo Malaquias Programas Interativos Resumo Nesta aula pretende-se explorar construção de programas interativos usando ações

Leia mais

FERRAMENTAS FERRAMENTAS

FERRAMENTAS FERRAMENTAS FACILITAR A VISUALIZAÇÃO E ENTENDIMENTOS DOS PROBLEMAS SINTETIZAR O CONHECIMENTO E AS CONCLUSÕES DESENVOLVER A CRIATIVIDADE PERMITIR O CONHECIMENTO DO PROCESSO FORNECER OS ELEMENTOS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS Página 1 de 10 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 20/08/2010 Emissão do Documento 01 08/11/2011 Alteração logomarca e revisão do procedimento Claudiane Freire de Oliveira Coordenador

Leia mais

Fluxogramas. Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito.

Fluxogramas. Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito. Fluxogramas - Taguspark Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito. Nesta aula foram usados slides concebidos pelo Prof. Carlos Serro e alterados para esta

Leia mais

Conceitos básicos de programação

Conceitos básicos de programação Especificação de comandos Objectivo: O objectivo da especificação formal de comandos é a necessidade de assegurar a correcção dos comandos a desenvolver. Torna-se necessário desenvolver uma metodologia

Leia mais

Ferramenta 8: Fluxograma

Ferramenta 8: Fluxograma ferramentas apresentadas 1. Brainstorming 2. Estratificação 3. Folha de Verificação 4. Diagrama de Pareto 5. Gráfico sequencial / carta de tendência 6. Diagrama de causa e feito 7. Diagrama de Dispersão

Leia mais

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião GERENCIAMENTO DE TAREFAS Prof. Me. Hélio Esperidião O CONCEITO DE TAREFA Uma tarefa pode ser definida como a execução de um fluxo sequencial de instruções para atender uma finalidade específica. Realizar

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Hierarquia de Memória: Introdução Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Computação Organização interna de CPU Parte operativa: Lógica combinacional

Leia mais

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos Sistemas operacionais modernos criam vários processadores virtuais, cada um para executar um programa. Para monitorar

Leia mais

Desenho de Software. Sumário

Desenho de Software. Sumário (QJHQKDULDGD3URJUDPDomR Desenho de Software Carla Ferreira Carla.Ferreira@dei.ist.utl.pt Sumário Objectivos Problemas Qualidades Técnicas Avaliação e Validação Casos Notáveis Exemplo Conclusões Desenho

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Significa o uso correto das leis do pensamento e de processos de raciocínio para a produção de soluções logicamente válidas v e coerentes,, que resolvam com qualidade os problemas

Leia mais

Métodos de Representação de Algoritmos

Métodos de Representação de Algoritmos Métodos de Representação de Algoritmos Contudo, quando falamos em algoritmo sob o enfoque computacional, como já foi mencionado, não podemos utilizar uma descrição narrativa para representar um algoritmo.

Leia mais