Revisão da literatura / Fundamentação teórica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisão da literatura / Fundamentação teórica"

Transcrição

1 Revisão da literatura / Fundamentação teórica Reunir obras relevantes Descrever o objeto analisado Expôr o que se pensa sobre o objeto Criticar o que se pensa sobre o objeto Página 1

2 PARTES PRINCIPAIS Obras fundantes caracterização do objeto de estudo diferentes definições percurso histórico Página 2

3 Obras críticas releitura das características novas definições análises do objeto diferentes pontos de vista Página 3

4 Resumo Gêneros básicos o Descrever a essência do texto. o Isenção da opinião do resumista. Resenha o Descrever partes criticáveis do texto. o Tecer críticas pertinentes a essas partes. o Dar uma visão geral do texto. Página 4

5 RESUMO - Indicação da referência (texto e autor) No texto Academia de ginástica (mental), Cláudio de Moura Castro aponta... Cláudio de Moura Castro, em seu artigo Academia de ginástica (mental), defende... O artigo Academia de ginástica (mental), de Cláudio de Moura Castro,... Página 5

6 - Seleção de informações relevantes o Partes essenciais na construção do texo original. o O que não pode ficar de fora do texto do autor. Página 6

7 Passos Pré-escrita Compreender o texto como um todo: tema, posição do autor (frase que resuma o texto). 2. Separar as ideias apresentadas no texto (parágrafos e/ou seções). Página 7

8 Escrita Identificar as ações do autor: define, classifica, argumenta, nega, incita, ressalta Seguir a ordem do texto: primeiro, segundo, depois, finalmente Articular as ideias: no entanto, porque, visto que, em razão de, para que, dessa forma... No material sobre resumo (no xerox), há muitas indicações de verbos e articuladores textuais. Página 8

9 - Texto independente (bem articulado) - Menção a diferentes ações do autor Cláudio Moura e Castro inicia o artigo Academia de ginástica (mental) descrevendo... A partir disso, o autor... Página 9

10 Como inserir resumos no projeto? Castro (2012) defende que... Para o autor,... Por outro lado, Silva (2014) afirma que... (vamos ver mais adiante) Página 10

11 RESENHA Mais comuns: filme, livro, CD, produto tecnológico. Intenção: mostrar ao leitor se vale a pena ou não comprar o produto. Na universidade: Intenção mostrar se vale a pena ou não comprar a ideia do texto original. Página 11

12 Essencial Opinião do resenhista Texto bem articulado e único. Menção às ações do autor Página 12

13 EXEMPLO1 Ingenuamente, Cláudio de Moura Castro acredita que conhecer fatos científicos pode salvar as pessoas. Página 13

14 EXEMPLO 2 Claúdio de Moura Castro argumenta que os dados do Pisa apontam para uma ineficiência do Estado na gestão educacional do país, o que de fato é um argumento relevante. Página 14

15 EXEMPLO 3 Ao contrário do que se sabe na área hoje, não há separação entre a ginástica física e a ginástica mental, tal como Cláudio de Moura Castro parece defender em seu texto. E isso revela a própria ignorância científica do autor. Página 15

16 Como inserir a resenha no projeto? Castro (2012) defende que... Para o autor,... No entanto, tais afirmações se mostram frágeis perante outros fatores igualmente relevantes e que são ignorados pelo autor... Por outro lado, Silva (2014) afirma que... Nesse sentido, o autor se mostra mais coerente do que Castro (2012), já que... Página 16

17 O que é importante para o projeto/artigo? Mostrar a relevância do texto para a pesquisa. Opiniar criticamente com relação ao texto, deixando claro para o leitor por que você está inserindo o texto no seu trabalho. Mostrar como o texto dialoga com outras referências utilizadas no texto. Deixar claro se o texto resenhado está ligado à justificativa, aos objetivos, às hipóteses... Página 17

18 CITAÇÕES CURTAS: ATÉ 3 LINHAS Introduzir o tópico para que a citação faça sentido. Nestes momentos, estamos de certa forma iniciando o processo de alfabetização. Porém, oficialmente, aprende-se a ler na escola. Como também é nela que se aprende a escrever (PARANÁ, 2010, p.18). Página 18

19 Nesse sentido, Marcuschi (2010, p.16) compartilha que na atual sociedade da informação, a Internet é uma espécie de protótipo de novas formas de comportamento comunicativo. Página 19

20 CITAÇÕES LONGAS: ACIMA DE 4 LINHAS Introduzir o tópico para que a citação faça sentido. Sobre o desenvolvimento do gosto e da prática pela leitura e escrita no aluno, Demo ressalta que: [...] observando os jovens de hoje, a primeira constatação é que, longe de estarem desmotivados, o que ocorre é que se motivam por outras coisas. Por exemplo, não gostam de ler na escola, mas lêem freneticamente tudo que lhes interessa, em especial com referência ao mundo virtual computador, internet, nova mídia. (DEMO, 2007, p. 139) Página 20

21 E em relação ao uso do computador e, sobretudo da Internet, o historiador Roger Chartier 1, em entrevista à Revista Nova Escola, afirmou que: Pesquisas realizadas em vários países mostram que o uso do computador na Educação, quando acompanhado de métodos pedagógicos, melhora, sim, o aprendizado, acelera a alfabetização e permite o domínio das regras da língua, como a ortografia e a sintaxe. É preciso desenvolver políticas públicas que tenham por objetivo a correta utilização da tecnologia na sala de aula. 1 Portal da Educação e Tecnologia. Página 21

22 CITAÇÕES INDIRETAS Utilizadas para relacionar uma referência/autoridade a uma parte de desenvolvimento da ideia numa frase ou num parágrafo. Página 22

23 As Diretrizes para o uso de tecnologias de informação e comunicação nas escolas públicas estaduais de educação básica do Paraná, ao falar da Mídia Impressa na Escola (PARANÁ, 2010), afirmam que, desde pequenos, já começamos a ter consciência de que o mundo a nossa volta é feito de escrita e leitura. Página 23

24 A acelerada renovação dos meios tecnológicos, segundo Kenski (2013), alteram esse quadro, colocando os profissionais em redes ou em comunidades onde eles podem estar frequentemente presentes, mesmo quando situados em locais e tempos diversos. Página 24

25 Para Kenski (2013), o computador, sobretudo a Internet, tornou-se uma possibilidade e um instrumento de inclusão, pois em uma sociedade que isola as pessoas, o espaço on line se apresenta como um link com um plano social diferenciado, que agrega as pessoas em um mesmo espaço virtual, mesmo estando elas geograficamente separadas. Página 25

26 Nesse sentido, Prado e Valente (2003) destacam que a formação de professores capazes de utilizar as novas tecnologias na educação, exige não apenas o domínio dos recursos, mas também uma prática pedagógica reflexiva que deve ser pensada em coerência com os meios a serem utilizados, para que eles possibilitem a mediação entre o conteúdo e o saber do aluno. Página 26

27 Relacionando o trabalho com as referências Ver fundamentação. Página 27

PROFESSORA: CLAUDIA ROSA

PROFESSORA: CLAUDIA ROSA PROFESSORA: CLAUDIA ROSA 1- DEMONSTRAR DOMÍNIO DA MODALIDADE ESCRITA DA LÍNGUA PORTUGUESA; Usar linguagem coloquial não rola Tipo assim, use a norma culta da gramática! 2 COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO

Leia mais

Uma reflexão crítica

Uma reflexão crítica O USO DAS TICS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NO ENSINO FUNDAMENTAL Uma reflexão crítica Ana Cláudia G. Carvalho Ana Paula Fermin Gilmara R. Santos Patrícia Elaine B.R. Alecrim Telma Augusta da Cunha RESUMO Este

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Alex Junior Bilhoto Faria 1, Yuka Garcia Kinoshita 2, Winnie Mandela de Paula Raimundo 3 Karina Oliveira Silva 4 Marieli

Leia mais

Sugestão de Atividade / Redação / 8ª Série (9ºAno)

Sugestão de Atividade / Redação / 8ª Série (9ºAno) Sugestão de Atividade / Redação / 8ª Série (9ºAno) COMPONENTE CURRICULAR: Redação INTERDISCIPLINARIDADE: Língua Portuguesa SÉRIE: 8ª Série / 9º Ano CONTEÚDOS: Eixo Temático IV: 01: Produção de Textos Eixo

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência 1. INTRODUÇÃO O presente documento publicita a informação relativa à prova de equivalência à frequência do Ensino Secundário da disciplina de Psicologia B, a realizar em 2016, a nível de escola, de acordo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1 Título: Localizando-se... 2 Autora: Adriana Regina Perez Rech 3 Docente: Lisiane Cristina Amplatz 4 Aplicativo utilizado: Geogebra 5 Disciplina: Matemática 6 Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA Silvia Ferreto da Silva Moresco Patricia Alejandra Behar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA APLICADA

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação - FEUSP. Plano de aula

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação - FEUSP. Plano de aula Universidade de São Paulo Faculdade de Educação - FEUSP Disciplina: Metodologia do ensino de português - a alfabetização Docente: Dr.ª Nilce da Silva Discente: Eliana da Silva Santos Plano de aula Parte

Leia mais

Prof. Ms. Renato Dering

Prof. Ms. Renato Dering Prof. Ms. Renato Dering A Redação é o primeiro critério de desempate na hora de escolher as Universidades e cursos superiores; A segunda forma de desempate é a prova de Linguagens; Tirar menos de 450 pontos

Leia mais

Regulamento do Concurso «Ler é uma Festa!»

Regulamento do Concurso «Ler é uma Festa!» Regulamento do Concurso «Ler é uma Festa!» 1. O Concurso «Ler é uma Festa» é uma iniciativa do Plano Nacional de Leitura, em parceria com o Banco Popular, e enquadra-se na 8ª Edição da Semana da Leitura

Leia mais

FORMATAÇÃO E MODELO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

FORMATAÇÃO E MODELO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO FORMATAÇÃO E MODELO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO O relatório deverá ser entregue em formato pdf, sendo dispensada a forma impressa. Para a elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado

Leia mais

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2013, este informativo apresenta um perfil dos 50.798 profissionais

Leia mais

Desenvolvimento do trabalho

Desenvolvimento do trabalho Desenvolvimento do trabalho Manhã do dia 28.03 Conceitos e características da avaliação em larga escala. Principais aspectos do delineamento de uma proposta de avaliação. Desenvolvimento do trabalho Tarde

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

Bibliográfica: Levantamento de informações impressas e eletrônicas de obras publicadas sobre um tema; De campo: A partir da coleta de dados in

Bibliográfica: Levantamento de informações impressas e eletrônicas de obras publicadas sobre um tema; De campo: A partir da coleta de dados in A pesquisa científica faz parte da vida acadêmica do aluno exigindo que o pesquisador, através de seu trabalho, proponha formas de superar o conhecimento existente até o momento sobre determinado assunto.

Leia mais

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado Um Mundo de Letras Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado RESUMO Este vídeo apresenta 5 episódios: Um mundo imerso em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO BOA VISTA RR 2010 1 CONCEIÇÃO SOUSA EDGARD GARCIA JOSILÉIA

Leia mais

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 RESUMO Melquisedec Anselmo da Costa AZEVEDO

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Seminário Motivações para o Início e o Fim do Consumo de Drogas: uma análise das comunidades virtuais relacionadas ao tema SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Arthur Guerra de Andrade Coordenação da Área

Leia mais

A escrita que faz a diferença

A escrita que faz a diferença A escrita que faz a diferença Inclua a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro em seu planejamento de ensino A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é uma iniciativa do Ministério

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO?

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO? Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO? Título do artigo, centralizado. Maria da Silva Pereira* Maria Alves de Arruda** Nome(s) do(s) autor(es). RESUMO

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS-2ºCICLO (PROVA 1. INTRODUÇÃO ESCRITA) Prova nº 06 O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Jaiana Cirino dos Santos Graduanda de Pedagogia CFP / UFCG jaianacz@hotmail.com Alzenira Cândida Alves Graduanda de Pedagogia CFP /UFCG

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Proeja no IFG - Campus Goiânia: os desafios do trabalho docente

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 OBJETO DE AVALIAÇÃO O Exame de Equivalência à Frequência de História tem por referência o Programa de História em

Leia mais

INTRODUÇÃO [Times New Roman 12, Justificado, Caixa Alta, espaçamento 1,5]

INTRODUÇÃO [Times New Roman 12, Justificado, Caixa Alta, espaçamento 1,5] 1 TÍTULO DO ARTIGO [fonte Times New Roman 14, Centralizado, espaçamento 1.0] Subtítulo [Se houver, fonte Times New Roman 14, Centralizado, espaçamento 1.0] Nome do Autor 1 [Fonte Times New Roman 10, Texto

Leia mais

LEI DA LIBRAS E O ENSINO DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES.

LEI DA LIBRAS E O ENSINO DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES. LEI DA LIBRAS E O ENSINO DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Rachel Colacique Gomes¹ UNIRIO / INES / GPDOC - UERJ r_colacique@hotmail.com ¹ Mestranda do programa PROPED/UERJ.

Leia mais

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL Amanda Gonçalves Figueiredo Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ leona_shyla@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS

MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS Jonei Cerqueira Barbosa d Universidade Federal da Bahia Faculdade de Educação jonei.cerqueira@ufba.br MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS E

Leia mais

Citações NBR 10520/2002

Citações NBR 10520/2002 Citações NBR 10520/2002 Citação é mencionar uma informação extraída de outra fonte (livros, revistas, fitas de vídeo, CD-ROM, documentos extraídos da Internet). As citações podem ser direta, indireta e

Leia mais

EDITAL 1 a OLIMPÍADA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE APPS: Ações para o Desenvolvimento Sustentável 1 a ONDA

EDITAL 1 a OLIMPÍADA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE APPS: Ações para o Desenvolvimento Sustentável 1 a ONDA EDITAL 1 a OLIMPÍADA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE APPS: Ações para o Desenvolvimento Sustentável 1 a ONDA Informações gerais: A Olimpíada Nacional de Apps irá ocorrer em todo o país e envolverá a participação

Leia mais

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE RESUMO O presente trabalho apresenta os resultados da aplicação da

Leia mais

Autor: Profª Msª Carla Diéguez METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

Autor: Profª Msª Carla Diéguez METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Autor: Profª Msª Carla Diéguez METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA OBJETIVO DA AULA AULA 3 O PROJETO E O ARTIGO PARTE 1 TEMA DE PESQUISA, FONTES E FICHAMENTO Objetivo Geral Auxiliar o aluno na elaboração

Leia mais

Introdução a Algoritmos Aula 1

Introdução a Algoritmos Aula 1 Introdução a Algoritmos Aula 1 Professor: Maurício Archanjo Nunes Coelho Metodologia Aulas expositivas Transparências Quadro negro Material disponível em PDF Resolução de exercícios Leitura/Estudo do material

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES 1 RELATO

ESPECIFICAÇÕES 1 RELATO Este material foi elaborado como requisito de avaliação final da oficina Apoio ao Uso dos Recursos do Portal Dia-a-dia Educação na Prática Pedagógica, sob orientação do(a) docente, assessor(a) pedagógico(a)

Leia mais

Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI

Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI Universidade Federal do Espírito Santo. CCHN DLL. Abril 2012. Segundo encontro: Formação continuada de professores de inglês. The

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Pacajus - CE Maio/2011.1 Sumário Apoio e Parcerias:... 3 Justificativa... 4 Introdução... 5 Objetivos... 6 Objetivo Geral:... 6 Objetivo Específico:... 6 Público Alvo... 7

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

SEAM - SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ

SEAM - SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ SEAM - SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ MÚLTIPLOS E DIVISORES PROFª EDNALVA DOS SANTOS Um Objeto de Aprendizagem é um arquivo digital (imagem, filme, etc.) que pretende ser utilizado para fins pedagógicos

Leia mais

Como formatar a sua Monografia no Microsoft Word (2007) Como formatar o tipo e o tamanho da fonte

Como formatar a sua Monografia no Microsoft Word (2007) Como formatar o tipo e o tamanho da fonte Como formatar a sua Monografia no Microsoft Word (2007) Chegou a hora de desenvolver sua monografia de conclusão de curso e você ainda não tem ideia nem de como formatar seu trabalho (nos moldes das normas

Leia mais

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

6º ANO ENSINO FUNDAMENTAL INFORMÁTICA

6º ANO ENSINO FUNDAMENTAL INFORMÁTICA Habilidade Habilidades afins Interdisciplinaridade Conteúdo Conhecer a barra de menus, de formatação, de ícones e de título de um editor de texto; Saber guardar um documento de texto na pasta meus documentos;

Leia mais

Alfabetização digital: o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação

Alfabetização digital: o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação 22-24 October, 2012 Washington, DC - USA Alfabetização digital: o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação Teresa Avalos Pereira; Sueli Mitiko Yano Suga; Rita Maria Lino Tarcia; Daniel Sigulem

Leia mais

Relação entre Textos. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier. Professor das Faculdades COC

Relação entre Textos. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier. Professor das Faculdades COC Relação entre Textos Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC RELAÇÕES ENTRE TEXTOS Pode-se falar de um mesmo assunto, um mesmo tema, de forma diferente. Atitude crítica e reflexiva

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL Nº 162/2014 ARTES ÁREA 1

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL Nº 162/2014 ARTES ÁREA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS CONGONHAS CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL

Leia mais

TABELA ELEMENTOS PARA ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO

TABELA ELEMENTOS PARA ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO TABELA ELEMENTOS PARA ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO TIPO DE ELEMENTO ELEMENTOS DESCRIÇÃO Elementos externos Capa Nome da Instituição, Nome do autor, título e subtítulo, local (cidade), Ano. Elementos

Leia mais

Estágio Supervisionado em Química I

Estágio Supervisionado em Química I Estágio Supervisionado em Química I Profª Tathiane Milaré AULA 1 Planejamento das atividades Objetivos Gerais da Disciplina vivenciar situações do cotidiano da escola e, em especial, aquelas dirigidas

Leia mais

paulinhaven@hotmail.com Introdução

paulinhaven@hotmail.com Introdução DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: REFLEXÃO A PARTIR DE SUBSTRATOS TEÓRICOS E PESQUISAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE PARNAÍBA/PI 1 Ana Paula Costa do Nascimento 1 Nailton de Souza

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

O CARRO-BIBLIOTECA DA ECI/UFMG: 38 ANOS

O CARRO-BIBLIOTECA DA ECI/UFMG: 38 ANOS Adriana Bogliolo Sirihal Duarte Cíntia de Azevedo Lourenço Organizadoras O CARRO-BIBLIOTECA DA ECI/UFMG: 38 ANOS Rona Editora Belo Horizonte 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Ciência

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS ENSINO MÉDIO / TÉCNICO SUMÁRIO

MANUAL DE ESTÁGIOS ENSINO MÉDIO / TÉCNICO SUMÁRIO MANUAL DE ESTÁGIOS ENSINO MÉDIO / TÉCNICO SUMÁRIO 1. Introdução 2. Professores orientadores de estágio 3. Relatório de estágio 3.1 Apresentação do relatório 4. Roteiro do relatório de estágio 4.1 Estagiário

Leia mais

Variação social ou diastrática

Variação social ou diastrática L.E. Semana 3 Sábado Variação social ou diastrática Variação linguística a partir da posição social ocupada pelo falante A idade do falante é um importante elemento na produção do discurso oral e escrito.

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO CRIATIVA DA LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

TÍTULO: UTILIZAÇÃO CRIATIVA DA LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM TÍTULO: UTILIZAÇÃO CRIATIVA DA LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE BELO HORIZONTE

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES IV PORTFÓLIO. Aluno:

ATIVIDADES COMPLEMENTARES IV PORTFÓLIO. Aluno: ATIVIDADES COMPLEMENTARES IV PORTFÓLIO Aluno: RA: Curso: Campus: Período: Turma: Semestre: Coordenador (a):...,.../.../... Observações: 1-) O aluno deverá utilizar ao longo do curso (2 anos) para a realização

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER ANDRADINA/SP 2016 NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

APRESENTANDO O GÊNERO DIÁRIO

APRESENTANDO O GÊNERO DIÁRIO CAMPUS DE BAGÉ CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PIBID - LETRAS APRESENTANDO O GÊNERO DIÁRIO Bolsista: Camila da Luz Peralta Kassandra dos Santos Pâmela Castro Melina Pereira Andréia Castro Coordenadora:

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

Descrição da Pesquisa

Descrição da Pesquisa Projeto de Pesquisa Descrição da Pesquisa Título do Projeto Pesquisador Principal Colaboradores [se houver] Local de Realização Período da Pesquisa 1. Objetivo da Pesquisa [o que se pretende pesquisar]

Leia mais

HISTÓRIA Profº Maurício POETA

HISTÓRIA Profº Maurício POETA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PADRONIZAÇÃO DOS TRABALHOS ESCOLARES. Este manual tem por objetivo orientar a produção dos trabalhos escolares feitos pelos alunos da Escola Estadual Poeta Domingos Bauer Leite,

Leia mais

FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015

FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015 Prova 16 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) 1. Introdução O presente documento dá a conhecer

Leia mais

As transformações num mundo digital

As transformações num mundo digital As transformações num mundo digital Todos os seus sonhos podem se realizar, se você tiver a coragem de persegui-los! Walt Disney O início das transformações. A partir do meio do século XX as mudanças estão

Leia mais

Tratamento e Análise de Dados e Informações (TADI)

Tratamento e Análise de Dados e Informações (TADI) Tratamento e Análise de Dados e Informações (TADI) Apresentação do Curso Prof. André Martins A USP http://www4.usp.br/index.php/a-usp http://www.webometrics.info/ http://www.arwu.org/ By all means let's

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Computação Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto Universidade Estadual de

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Introdução: Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto com o meio que

Leia mais

DESAFIOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 1º ANO DO PROGRAMA BÁSICO DE

DESAFIOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 1º ANO DO PROGRAMA BÁSICO DE DESAFIOS E POSSIBILIDADES NAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ATUANDO COM CRIANÇAS NO 1º ANO DO PROGRAMA BÁSICO DE ALFABETIZAÇÃO CILIANE C. FABRI NÃO É NO SILÊNCIO QUE OS HOMENS SE FAZEM, MAS NAS PALAVRAS, NO TRABALHO,

Leia mais

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Critérios para submissão e análise de trabalhos a serem apresentados no III Seminário Internacional de Extensão Universitária e DISPOSIÇÕES

Leia mais

A Leitura a par Criar um relacionamento positivo

A Leitura a par Criar um relacionamento positivo A Leitura a Par A Leitura a par Criar um relacionamento positivo - Apresente-se. Fale um pouco de si. Se quiser pode falar do seu gosto pelos livros e pela leitura. - Procure conhecer a criança fazendo

Leia mais

Objetivos. Material a ser utilizado. - Cópias da atividade - Livro e caderno do aluno. Procedimentos

Objetivos. Material a ser utilizado. - Cópias da atividade - Livro e caderno do aluno. Procedimentos Objetivos - Reconhecer as características de uma fábula. - Relacionar um provérbio popular à moral de uma fábula, a partir da compreensão do sentido do texto. - Identificar palavras escritas com s inicial

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR SHOW ATÔMICO

GUIA DO PROFESSOR SHOW ATÔMICO Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Modelos atômico Uma aula de 50 minutos SHOW ATÔMICO Apresentar a evolução dos modelos atômicos até o aceito atualmente. Filósofos e cientistas

Leia mais

Manual para elaboração de artigos

Manual para elaboração de artigos 1 Manual para elaboração de artigos ESTRELA 2016 2 APRESENTAÇÃO Este documento visa auxiliar os estudantes da Faculdade La Salle Estrela na elaboração de artigos, apresentando as regras dispostas nas normas

Leia mais

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre - 2010 INFORME GESTOR teste capa verde.indd 1 13/1/2010 08:40:47 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27 Avaliação: uma importante ferramenta para ações educativas. 2/27 O que é avaliação? 3/27 É um processo para se obter informações que essencialmente

Leia mais

2- ORIENTE-se com o seu professor(a) sobre a ordem das questões que serão realizadas;

2- ORIENTE-se com o seu professor(a) sobre a ordem das questões que serão realizadas; ATIVIDADE 1 Ensino Fundamental 8º e 9º anos Língua Portuguesa Conteúdo: Atividade do livro Que rock é esse? Caros alunos, Esta é uma atividade sobre o livro Que rock é esse?. Os procedimentos necessários

Leia mais

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características A Educação Profissional e Tecnológica Conceituação Princípios Objetivos Características Conceituação A educação profissional tecnológica, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, a ciência

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

Produção de Videoaulas

Produção de Videoaulas Produção de Videoaulas Etapas da Produção Prof. Eduardo Barrére Nossas videoaulas são no estilo bricolagem. Por isso, não temos condições de elaborá-las com todas as etapas de produção de um material profissional

Leia mais

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil 2015 I F P A 1 0 5 a n o s SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 1 CALENDÁRIO

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo Setembro 2015 Este documento pretende dar a conhecer a todos os intervenientes no processo educativo os critérios de avaliação, e respetivas percentagens, a que

Leia mais

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Coordenação do Curso de Engenharia Elétrica Câmpus Medianeira PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ENCAMINHADA NO DIA 05/08/2013

APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ENCAMINHADA NO DIA 05/08/2013 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ENCAMINHADA NO DIA 05/08/2013 Estratégia de Ação para o Movimento de Luta dos Profissionais da Área Tecnológica no Espírito Santo pela garantia do Salário Mínimo Profissional estabelecido

Leia mais

11-14 anos de idade. Assunto. Preparação. Resultado de aprendizado

11-14 anos de idade. Assunto. Preparação. Resultado de aprendizado Educação Pode Transformar o Mundo P1 "A educação é um direito fundamental e não um privilégio. Eu quero ajudar as crianças a compreender o poder da educação e da sua capacidade de transformar vidas." Ayswarrya

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) BRA/06/005 - OEI - A Educação Como

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

MANUAL PARA PROFESSORES KITUTOR

MANUAL PARA PROFESSORES KITUTOR MANUAL PARA PROFESSORES KITUTOR O que é o KITUTOR? O KITUTOR é uma ferramenta que usaremos para acrescentar mais conteúdo às aulas. Funciona de forma similar a uma rede social, de forma que o aluno tenha

Leia mais

Aula 1.2 Conteúdo: Ginástica rítmica. Habilidades: Sintetizar os fundamentos e regras da ginástica rítmica EDUCAÇÃO FÍSICA INTERATIVIDADE FINAL

Aula 1.2 Conteúdo: Ginástica rítmica. Habilidades: Sintetizar os fundamentos e regras da ginástica rítmica EDUCAÇÃO FÍSICA INTERATIVIDADE FINAL Aula 1.2 Conteúdo: Ginástica rítmica Habilidades: Sintetizar os fundamentos e regras da ginástica rítmica Ginástica rítmica GR Rudolf Bode (1930) Isadora Duncan (1940) Aparelho de Ginástica Rítmica Materiais

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA

INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA Evandro dos Santos Paiva Feio paivamat@yahoo.com.br Luciano Augusto da Silva Melo luciano.melo10@gmail.com

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A NA EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A NA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Teresa Avalos Pereira UNIFESP teresa.bc@epm.br Rita Maria Lino Tarcia UNIFESP rtarcia@unifesp.br if Daniel Sigulem UNIFESP sigulem@dis.epm.br

Leia mais