UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA WEB OPEN SOURCE DE CRM Rodrigo Moura Gonçalves Florianópolis SC 2007 / 2

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA WEB OPEN SOURCE DE CRM Rodrigo Moura Gonçalves Trabalho de conclusão de curso apresentado como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação Florianópolis SC 2007 / 2

3 Rodrigo Moura Gonçalves APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA WEB OPEN SOURCE DE CRM Trabalho de conclusão de curso apresentado como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação Orientadora: Lúcia Helena Martins Pacheco Banca examinadora: Maria Marta Leite Roberto Carlos dos Santos Pacheco

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela vida e saúde. A minha família que sempre está ao meu lado. Aos meus amigos pelo apoio e momentos de descontração. A professora Lúcia Helena Martins Pacheco pela oportunidade de aprendizado, orientação, atenção, paciência e dedicação prestadas no decorrer deste trabalho. Aos membros da banca, professor Roberto Carlos dos Santos Pacheco e a professora Maria Marta Leite que contribuíram com suas sugestões enriquecedoras. Ao meu amigo Matheus Lemes, por fazer parte deste trabalho participando e ajudando no desenvolvimento. A todos os professores e funcionários do INE que me acompanharam nessa trajetória.

5 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 7 LISTA DE TABELAS... 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... 9 RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO FORMULAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA CENÁRIO DE APLICAÇÃO ESTRUTURA DO TRABALHO GERÊNCIA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTE DEFINIÇÃO CICLO DO PROCESSO DE CRM MOTIVOS E BENEFÍCIOS DE UM PROCESSO CRM TIPOS DE TECNOLOGIA CRM ecrm OU CRM ON-LINE SOFTWARE DEFINIÇÃO LICENÇAS DE SOFTWARE SOFTWARE LIVRE SOFTWARE OPEN SOURCE DIFERENÇAS ENTRE SOFTWARE LIVRE E CÓDIGO ABERTO... 33

6 3.6 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE METODOLOGIA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ATIVIDADES PRELIMINARES PESQUISA E ESCOLHA DA FERRAMENTA IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO LEVANTAMENTO DE REQUISITOS REQUISITOS FUNCIONAIS REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS CONTATO INICIAL COM A EMPRESA PESQUISA E ESCOLHA DA FERRAMENTA SUGAR OPEN SOURCE DEFINIÇÃO CARACTERÍSTICAS GERAIS PRINCIPAIS RECURSOS DO SUGAR OPEN SOURCE RECURSOS ADMINISTRATIVOS IMPLANTANDO A FERRAMENTA SUGAR OPEN SOURCE PRÉ-IMPLANTAÇÃO HOSPEDAGEM TREINAMENTO CONSIDERAÇÕES FINAIS RESULTADOS OBTIDOS TRABALHOS FUTUROS GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE 1 ARTIGO... 63

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 O processo de gerenciamento de CRM Figura 2 Tela inicial do Sugar Open Source Figura 3 Gráficos de oportunidades Figura 4 Módulo Studio que permite personalização dos demais módulos

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Compatibilidade com Sugar Open Source

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AJAX acrônimo de Asynchronous JavaScript And XML BZs Below Zeros ou abaixo de zero CMPs Clientes de Maior Potencial CMVs Clientes de Maior Valor CRM Customer Relationship Management ebrm eletronic Business Relationship Management ecrm eletronic CRM ERM Enterprise Relationship Management ERP Enterprise Resource Planning FSF Free Software Foundation GNU acrônimo recursivo de GNU is Not Unix GPL General Public License IIS Internet Information Services PHP acrônimo recursivo de PHP: Hypertext Preprocessor PRM Partner Relationship Management RIA Rich Internet Applications RSS Really Simple Syndication SCA Sales Channel Automation SFA Sales Force Automation SPL Sugar Public License VoIP Voice over Internet Protocol 9

10 RESUMO Muitas empresas ainda encontram dificuldades em gerenciar as informações a respeito de seus clientes, o que tende a dificultar o relacionamento da companhia com o cliente e afastá-lo. Considerando a importância de se manter o relacionamento com o cliente, este trabalho apresenta a aplicação de uma ferramenta Web open source de CRM. Deste modo são abordados conceitos de CRM, portal CRM, software livre e open source. A utilização e o desenvolvimento de softwares livres e open source têm crescido em grande escala nos dias atuais. Diversas soluções surgem no mercado a cada ano e muitas delas na área de gerenciamento do relacionamento com o cliente. Foram pesquisadas e analisadas aplicações Web open source de CRM, e dentre as ferramentas, destacou-se o Sugar Open Source. Sendo então a aplicação escolhida para este estudo. O sistema dispõe de diversos recursos, tais como: contatos, contas, oportunidades, ocorrências, campanhas de marketing, etc. Palavras-chave: Software livre, open source, CRM, aplicações Web. 10

11 ABSTRACT A lot of companies still find it difficult to manage the information about their customers, this difficulty tends to hinder the relationship of the company with the customer and to back him away. Considering the importance of maintaining the relationship with the customer, this work presents the application of an open source Web tool for CRM. Concepts of CRM, portal CRM, free software and open source are approached. The use and development of free software and open source have been growing in large scale in the current days. Several solutions come out at the market every year and many of them in the area of customer relationship management. Open source Web applications of CRM were researched and analyzed, and among the tools the Sugar Open Source was highlighted, thus it was the application chosen for this study. The system has many features, such as: contacts, accounts, opportunities, occurrences, marketing campaigns and so on. Keywords: Free software, open source, CRM, Web applications. 11

12 1. INTRODUÇÃO 1.1 APRESENTAÇÃO Antigamente para os estabelecimentos comerciais era fácil conhecer os seus clientes. O atendente sabia seus nomes, preferências de produtos e a freqüência com que costumavam comprar. Eram tratados de forma individualizada. Não era um número muito grande de pessoas e todos moravam nos arredores da loja comercial. De certa forma o gerenciamento de clientes já era aplicado naturalmente pelos proprietários destes pequenos estabelecimentos comerciais. Porém, atualmente, devido ao crescimento da demanda e das exigências dos consumidores fica impraticável manter essa mesma filosofia. Nos dias de hoje, conhecer as necessidades, as preferências e o perfil dos clientes e a freqüência com que eles adquirem os serviços e produtos, mantendo todas as informações numa base de dados única, não é tarefa fácil. Entretanto, é fundamental para que a empresa possa se posicionar adequadamente no mercado e levar até o cliente o que ele realmente quer. No processo de busca por esse conhecimento surgiu o conceito de Customer Relationship Management (CRM), traduzido como Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente. Gerência de Relacionamento com Clientes é uma abordagem empresarial destinada a entender e influenciar o comportamento dos clientes, por meio de comunicações significativas para melhorar as compras, a retenção, a lealdade e a lucratividade deles (SWIFT, 2001). CRM é uma estratégia de negócio voltada ao entendimento e à antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa. Do ponto de vista tecnológico, CRM envolve capturar os dados do cliente ao longo de toda a empresa, consolidar todos os dados capturados interna e externamente em um banco de dados central, analisar os dados consolidados, distribuir os resultados dessa análise aos vários pontos de contato com o cliente e usar essa informação ao interagir com o cliente através de qualquer ponto de contato com a empresa (PEPPERS & ROGERS, 2004). 12

13 Segundo GREENBERG (2001), CRM é uma estratégia de negócio, que envolve a mensuração do valor do ciclo de vida dos clientes, para que se possa estabelecer a atenção que deve ser focada em cada cliente. CRM também engloba funções analíticas, operacionais e colaborativas. Envolve não apenas vendas, mas também as parcerias, marketing e serviços ao cliente. 1.2 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA Claramente, sem a ajuda do computador e diversas ferramentas de tecnologias de informação, a prática atual do marketing personalizado (prática semelhante da época dos nossos antecessores) seria inviável para qualquer companhia com uma carteira de algumas centenas de clientes. Com as ferramentas atuais de tecnologia de informação, as empresas têm a possibilidade de interagir com os seus clientes de maneira mais eficaz (SILVA, 2003). Dentre as ferramentas destaca-se a Web, que, por ser bidirecional e totalmente interativa, permite o desenvolvimento de sites que podem ser personalizados de acordo com os gostos e preferências de cada um dos visitantes. É um meio perfeito para o desenvolvimento de estratégias one-toone e para a implementação de aplicações integradas à iniciativa corporativa de CRM. Sendo assim, este trabalho busca encontrar e implantar uma solução de software open source de CRM na Web que atenda os requisitos da empresa neste estudo de caso. Uma aplicação CRM em que as informações seriam centralizadas e padronizadas para uma melhor utilização por parte dos funcionários da empresa. 1.3 OBJETIVO GERAL Realizar uma análise e a implantação de uma ferramenta de CRM Web, Open Source (código aberto) e livre, para a utilização em uma empresa. A aplicação será utilizada para centralizar e distribuir as informações sobre os clientes, histórico de atividades, acompanhamento de obras, gerenciamento de 13

14 contas e contatos, histórico de vendas, definição de táticas e estratégias entre outros dados. 1.4 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Pretende-se alcançar os seguintes objetivos: a) Centralizar em um banco de dados relacional as informações sobre os clientes; b) Facilitar o acesso aos dados e sua atualização através da Web para os funcionários; c) Transformar os dados armazenados em informações que visam auxiliar o desenvolvimento da negociação de venda com um cliente; d) Compartilhamento de informações e experiências. 1.5 JUSTIFICATIVA Muitas empresas ainda encontram dificuldades em gerenciar as informações a respeito de seus clientes, o que acaba afastando o relacionamento da companhia com o cliente. Assim, não é possível conhecêlos melhor e oferecer um tratamento mais personalizado. Segundo SWIFT (2001), os clientes leais que indicam outro cliente geram negócios a um custo muito baixo (ou sem custo). E geralmente os clientes indicados permanecem mais tempo, utilizam mais produtos e tornam-se clientes lucrativos mais rapidamente. Utilizando a Web como tecnologia e a personalização, as empresas poderão realizar uma relação mais próxima com seus clientes. Do ponto de vista tecnológico, a integração dos dados é o grande desafio. Assim para os fins deste trabalho, pretende-se implementar um site que não apenas substitua uma planilha ou tabela, mas sim criar uma nova forma de relacionar e aprender com os clientes (PEPPERS & ROGERS, 2004). 14

15 1.6 CENÁRIO DE APLICAÇÃO Este trabalho será aplicado em uma filial da empresa TRANE do Brasil localizada na cidade de Brasília. 1.7 ESTRUTURA DO TRABALHO Para uma melhor compreensão, este trabalho organiza-se em oito capítulos conforme a estrutura abaixo: No primeiro capítulo apresenta-se a introdução do trabalho, trazendo uma apresentação sobre o tema. Neste capítulo definem-se também os objetivos gerais e específicos e a justificativa. O segundo capítulo apresenta os conceitos relacionados a gerência de relacionamento com o cliente. O terceiro capítulo trata a respeito de software livre e software código aberto. No quarto capítulo apresenta-se a metodologia do trabalho. O quinto capítulo trata sobre o levantamento de requisitos de software que possibilite a aplicação de um sistema CRM na empresa. O sexto capítulo apresenta o software proposto e suas características técnicas. O sétimo capítulo trata sobre a implantação do sistema e treinamento aos funcionários da empresa. No oitavo capítulo são apresentadas as considerações finais, resultados obtidos e sugestões de trabalhos futuros. 15

16 2. GERÊNCIA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTE 2.1 DEFINIÇÃO Conway presidente da PeopleSoft define CRM da seguinte forma: Cada vez que um consumidor procura uma empresa, ele chega com alguma expectativa. Pode ser a necessidade de um serviço, ou o interesse em um novo produto, mas de qualquer modo, ele tem uma expectativa que acompanha o interesse dele pela empresa. O que pode acontecer em seguida será uma experiência que vai determinar seu comportamento. Uma boa experiência vai fortalecer sua fidelidade e tendência de comprar posteriormente. Uma experiência ruim pode levá-lo aos concorrentes. A capacidade de reconhecer esse processo e de geri-lo ativamente constitui a base da gestão de relacionamento com o cliente, ou CRM. (GREENBERG, 2001). PricewaterhouseCoopers (PRICEWATERHOUSECOOPERS, 1999 apud GUMMESSON, 2002, p. 297), define CRM como: CRM é uma estratégia de negócios uma postura para empregados e clientes que é suportada por certos processos e sistemas. O objetivo é construir relacionamentos de longo prazo através da compreensão de necessidades e preferências individuais e desta maneira adicionar valor para a empresa e para os clientes. SWIFT (2001) diz que CRM é um processo interativo que transforma informações que as empresas possuem sobre os clientes em relacionamentos positivos com os mesmos. SWIFT (2001) ainda afirma que CRM é um processo interativo que transforma informações sobre os clientes em relacionamentos com clientes por meio da utilização ativa e da aprendizagem a partir das informações. Inicia-se CRM construindo-se conhecimento sobre o cliente o que resulta em interações com maior intensidade com ele. Isto permite a empresas ou agências governamentais estabelecer relacionamentos lucrativos e de longo prazo com o cliente e que gerenciem os recursos. 16

17 2.2 CICLO DO PROCESSO DE CRM CRM é um ciclo de processo que visa a englobar os principais elementos de processo ou grupo de ações (SWIFT, 2001): Descoberta do conhecimento processo de análise das informações do cliente para identificar oportunidades de mercado e estratégias específicas de investimento. A análise é feita por meio de processo de identificação, segmentação e predição de clientes. A descoberta do conhecimento capacita a equipe de marketing com acesso a informações detalhadas de clientes, o que possibilita melhor análise de informações históricas e das características dos clientes, e gerando tomadas de decisão mais adequadas. Um ambiente de data warehouse com informações históricas dos clientes oferece condições de combinar as diversas informações, junto a ferramentas de mineração de dados para melhorar as taxas de resposta. Planejamento de mercado define ofertas específicas para os clientes, os canais de distribuição, programas e dependências. O planejamento de mercado permite o desenvolvimento de planos ou programas de comunicações estratégicas, define previamente os tipos de campanha específicos, preferências de canal e planos de tratamento e seleciona ou desenvolve acionadores de eventos para colocar em prática os planos a partir do conhecimento obtido. Interação com clientes importante fase de ação em que se estabelecem e se gerenciam comunicações com clientes existentes/em potencial com informações e ofertas relevantes e convenientes. Para isso são utilizados diversos canais de interação e aplicações administrativas, incluindo as aplicações de atendimento ao cliente. É a fase de ação sobre os planos e mensagens criados com base na descoberta do conhecimento e no planejamento do mercado. 17

18 Análise e refinamento é a fase do processo de aprendizagem contínua a partir de diálogos com os clientes. Nesta fase, capturam-se e analisam-se se dados de interações de clientes, refinando-se mensagens, comunicações, preços, volumes, localizações, abordagens e cronogramas e procura-se entender as respostas aos estímulos dados aos clientes. Figura 1 O processo de gerenciamento de CRM. Fonte: SWIFT (2001, p. 36) 2.3 MOTIVOS E BENEFÍCIOS DE UM PROCESSO CRM Alguns dos principais motivos que levam uma empresa a implantar um processo de CRM são: a necessidade de descobrir, conhecer e manter comunicação com os clientes. Um processo de CRM se destaca na sua importância porque adquirir clientes, em geral, é muito mais oneroso para as organizações do que manter uma clientela já existente (STONE; WOODCOCK; MACHTYNGER, 2001). SWIFT (2001) afirma que é até dez vezes mais caro gerar receitas a partir de um novo cliente que de um cliente existente. Segundo STONE (2001) a prática de um processo so CRM traz a empresa os seguintes benefícios: 18

19 Melhor retenção e fidelidade do cliente os clientes permanecem mais tempo, compram mais e com mais freqüência ou seja, maior valor em longo prazo. Maior lucratividade dos clientes não apenas porque cada um deles compra mais, mas também por causa dos menores custos para recrutá-los e da não necessidade de recrutar um número grande de clientes para manter constante o volume de negócios. Custo reduzido de vendas, pois os clientes existentes, em geral, respondem mais. Outros benefícios da gerência de relacionamento segundo SWIFT (2001): Não é necessário conseguir muitos clientes para manter um grande volume de negócios (especialmente em ambientes de marketing voltados para empresas). Avaliação da lucratividade do cliente sabendo que clientes são realmente lucrativos, os clientes devem ser avaliados e separados por classes. Classes de clientes que não dão lucro ou que dão lucro baixo, classe de clientes lucrativos, classe de clientes que nunca serão lucrativos e classe de clientes que devem render futuros negócios. Menores custos de recrutamento de clientes economia em marketing, mala-direta, contato, acompanhamento, desempenho, serviços e outros. 2.4 TIPOS DE TECNOLOGIA CRM De acordo com GREENBERG (2001) existem três segmentos de tecnologia CRM: operacional, analítico e colaborativo. A arquitetura dessa tecnologia é um encadeamento entre o operacional e o analítico. CRM operacional são os aplicativos voltados para o cliente como os de automação de força de vendas, automação de marketing empresarial, e pacotes para linha de frente de atendimento, que englobam tudo isso simultaneamente. O 19

20 segmento analítico inclui programas de armazenamento e processamento de dados, como os que são utilizados por aplicativos que empregam algoritmos para minerar os dados e apresentá-los de maneira utilizável para o usuário. CRM colaborativo, que alcança todos os pontos de toque dos consumidores (todos os diferentes meios de comunicação pelos quais um consumidor pode interagir com a empresa, como , telefone, fax, site), inclui aplicativos como os programas de PRM (Gerência de Relacionamento de Parcerias). CRM operacional CRM operacional é a denominação adotada para o conjunto de ferramentas e processos que envolvem atividades de atendimento ao cliente, o registro dos seus contatos e encaminhamento destas às áreas verticais que cuidam de sua resolução, dentro ou fora da empresa, abastecendo uma base de conhecimentos deste cliente através da formação do histórico do seu relacionamento com a companhia, nas suas mais variadas formas, por qualquer meio de contato (PERES, 2003). Segundo PEPPERS & ROGERS GROUP, é a aplicação da tecnologia de informação para melhorar a eficiência do relacionamento entre os clientes e a empresa. Estão entre os produtos de CRM operacional as aplicações de automação de força de vendas (SFA), automação de canais de venda (SCA), sistemas de comércio eletrônico e call centers. O CRM operacional prevê a integração de todos os produtos de tecnologia para proporcionar o melhor atendimento ao cliente. GREENBERG (2001) afirma que é um segmento que se assemelha ao ERP (Enterprise Resource Planning). Funções empresariais típicas, envolvendo serviços ao consumidor, gerenciamento de pedidos, faturamento/contabilidade, ou automação de marketing e vendas, todas essas funções cabe no espectro do segmento de CRM operacional. GREENBERG (2001) ainda diz que um dos aspectos peculiares do CRM operacional é sua possibilidade de integração com os aplicativos destinados às funções de finanças e recursos humanos do planejamento de recursos empresariais (ERP), como PeopleSoft e SAP. 20

21 CRM analítico CRM analítico diz respeito à captação, armazenagem, acesso, processamento, interpretação e transmissão de dados dos clientes para o usuário do programa. A vantagem de aplicações desse tipo não está somente nos algoritmos de armazenamento, mas também na capacidade de personalizar a utilização dos dados (GREENBERG, 2001). Segundo PEPPERS & ROGERS GROUP CRM analítico é um componente do CRM que permite identificar e acompanhar diferentes tipos de clientes (entre CMVs, CMPs e mesmo BZs) dentro da carteira de clientes de uma empresa e de posse destas informações, determinar qual estratégia seguir para atender as diferentes necessidades dos clientes identificados. Normalmente utiliza recursos de mineração de dados para localizar padrões de diferenciação entre os clientes Tão ou mais importante que implementar o processo de CRM, é saber extrair o máximo de informações do cliente, que possam ser usadas no negócio. A partir desse ponto que o CRM deixa de ser simplesmente. operacional para ganhar uma dimensão extra passa a ser analítico, permitindo ao usuário pensar em novas formas de oferecer um produto ou serviço ao seu cliente. O CRM analítico permite que se faça uma radiografia do cliente para atendê-lo de forma personalizada. Isso cria um círculo de valor com o cliente e ajuda a construir a lealdade com ele (PERES, 2003). CRM colaborativo De acordo com o PEPPERS & ROGERS GROUP é a aplicação da tecnologia de informação que permite a automação e a integração entre todos os pontos de contato do cliente com a empresa. Esses pontos de contato devem estar preparados para interagir com o cliente e disseminar as informações levantadas para os sistemas do CRM Operacional. GREENBERG (2001) afirma que pode significar canais de comunicação como a Web ou o , canal de voz, ou correio convencional. Pode consistir de uma estratégia sobre canais. Em outras palavras, é qualquer função de 21

22 CRM que ofereça um ponto de interação entre o consumidor e o canal de comunicação. 2.5 ecrm OU CRM ON-LINE Segundo PEPPERS & ROGERS GROUP: ecrm é o conceito que envolve o CRM e e-commerce, permitindo que o CRM desfrute das mesmas vantagens das aplicações disponíveis via Internet, como disponibilidade 24x7, auto-serviço e cooperação com outros sistemas de ecrm. Alguns fornecedores oferecem outros nomes para este conceito, como PRM (Partner Relationship Management), ERM (Enterprise Relationship Management) e ebrm (eletronic Business Relationship Management). GREENBERG (2001) afirma que ecrm é a parte do CRM que funciona como uma interface com o cliente na Internet. Isto inclui capacidades como base de dados de auto-serviço, respostas automatizadas de , personalização do conteúdo do Web site, entre outras funções. A diferença essencial entre CRM tradicional e ecrm está na forma de aplicação do sistema. Não é instalado nenhum software cliente de aplicativo puro para a Internet. O navegador é o software cliente. A arquitetura é um modelo verdadeiramente multi-plataforma, centralizado em um servidor, na qual se separa a apresentação (tela mostrada para o usuário), a lógica de negócios e o gerenciamento de dados. Portal CRM De acordo com GREENBERG (2001), um portal é a entrada para uma grande diversidade de serviços e funcionalidades. É um ponto de ingresso centralizado, geralmente centrado em um servidor Web, que faz a ligação entre diversas fontes de interatividade e informações, permitindo assim uma visão personalizada dos serviços, de acordo com o interesse e a necessidade do usuário. A personalização é possível por meio de uma identificação e uma 22

23 senha. Cada usuário pode ter uma visão diferente das informações, serviços e bens disponíveis na rede. Cada pessoa que é usuária do portal personaliza a sua visão de acordo com suas necessidades, interesses e limitações de acesso. A totalidade dessas informações, serviços e bens disponíveis na rede é universal e está disponível em diversos servidores que estão por trás dos portais. Um bom portal de CRM agrega as informações relevantes dos clientes dentro um único aplicativo, em formato personalizado pelo departamento de uma empresa ou um usuário que interage com a aplicação. Um portal ideal não apenas fornece o acesso aos dados dos clientes, mas torna-se uma base de conhecimentos adequada às necessidades de cada público que irá utilizar o portal. Seja a necessidade uma ferramenta, materiais de referências, informações detalhadas, enfim qualquer atributo que possa ser usado pelos grupos de atendimento ao cliente para melhorar seu entendimento da experiência e necessidades dos clientes. Itens que são importantes para o sucesso de uma estratégia de portal CRM: O sistema precisa ser planejado e elaborado em torno do cliente, em vez de em torno de uma função específica. Ao se colocar o cliente na base do aplicativo, não importa quem esteja examinando, usando ou compartilhando as informações, a organização assegura um processo de interação sem rupturas com o cliente. Desenvolver um portal CRM em apenas um departamento da organização não vai trazer os mesmos resultados de uma solução abrangente para toda a empresa, que proporciona a todos os funcionários o acesso a importantes dados dos clientes e à base de conhecimentos. Um sistema de portal de terminais ou baseado na Web pode trazer uma economia de milhões de reais em tempo, rotatividade de funcionários e demais custos, por reduzir muito o tempo de implementação e gerenciamento dos sistemas. Embora ainda exista a necessidade do ambiente cliente/servidor o futuro das aplicações está presente na Web, onde as instalações e expansões podem ser gerenciadas de um local, 23

24 em um servidor, e tudo o que os usuários finais precisam é de um navegador para poder acessar o sistema. Públicos diferentes requerem visões diferentes e diferentes tipos de informação, tornando assim necessário adequar o conteúdo e a estrutura de cada caso. Esse universo pode ser dividido em três grupos principais: clientes, funcionários e parceiros. Esses três principais públicos podem ser depois segmentados em departamentos, divisões, funções até alcançar o indivíduo, para que todos que interajam com o sistema CRM acessem apenas a informação que lhes é relevante, no melhor formato para cada um, de modo que propicie um uso mais eficiente. Tipos de Portais Portal de Funcionários Um portal de funcionários é uma solução para a Web abrangente a toda organização, que combina a funcionalidade CRM com aplicativos adicionais e conteúdos relevantes da Internet. O seu propósito é maximizar a eficiência das equipes de vendas, serviços e marketing, o que consegue com sucesso. Algumas funções de CRM proporcionadas pelo portal de funcionários: Vendas é possível rever a historia completa de cada conta, gerenciar as rotas e oportunidades de vendas, fazer previsões e rever dados de ganhos e perdas. Marketing pode-se criar listas de clientes e clientes potenciais, conduzir campanhas de marketing e gerenciar contatos via fax, ou correio. Serviço ao consumidor pode resolver as questões dos clientes, e gerenciar, sem interrupções, filas de espera por serviços; e monitorar a satisfação dos clientes. Conteúdo relevante da Internet links com sites da Internet que estão diretamente integrados na interface, dando aos funcionários um acesso 24

25 instantâneo a informações sobre o mercado de ações, concorrência, mapas, previsão meteorológica entre outros. Aplicativos adicionais integrados a uma única interface, para que os usuários não precisem ficar abrindo e fechando aplicativos múltiplos para acessar as informações de que necessitam. Portal de Clientes Portal de clientes visa atender os clientes atuais e potenciais da empresa por meio de múltiplos canais. As capacidades do e-marketing proporcionam às empresas a possibilidade de adequar seus esforços de marketing às necessidades individuais de cada segmento da clientela. Abaixo algumas funções oferecidas: Catálogos on-line organizados por necessidades, ajudam os clientes a pesquisar os produtos, acessando todas as informações de que necessitam de acordo com o seu interesse. Captura e análise de contatos captura informações dos clientes potenciais no Web site da companhia e permite a empresa manipular as informações para dar continuidade aos contatos. Pesquisas on-line coletam informações sobre preferências. Isso pode ser usado para qualificar potenciais clientes. Remesse de material impresso providencia a remessa automática de pedidos de material de divulgação por parte dos clientes atuais e potenciais, seja por , fax ou correio. Marketing por proporciona quaisquer tipos de mensagens personalizadas, com base nas informações sobre o destinatário. Configuração on-line de produtos capacita os clientes a desenhar e configurar os produtos para que esses possam atender às suas necessidades especificas. Processamento on-line de pedidos disponibiliza as informações sobre as transações on-line para os funcionários de vendas e serviços, para vendas cruzadas e melhoria do atendimento ao cliente. 25

26 E, o mais importante de um ecrm, é a capacitação de auto-serviço para os clientes, que possibilita a utilização de um canal mais conveniente para a interação. As características de auto-serviço, essenciais para um ecrm adequado, são as seguintes: Auto-ajuda da Web dá aos clientes a capacidade de resolver seus próprios problemas, 24 horas por dia e sete dias da semana, utilizando uma base de soluções de conhecimento disponível on-line. Serviço on-line permite que os usuários relatem e busquem informações sobre serviços e suporte disponíveis em toda a rede. Gerenciamento de encaminha, prioriza e escalona os s que chegam aos clientes. Gerenciamento de informações pessoais permite que os clientes atualizem seus próprios dados pessoais. Registro de produtos capacita os clientes a registrarem produtos online, de modo fácil e rápido. Portal de Parceiros Um portal de parceiros visa auxiliar a gestão do relacionamento de interesses mútuos com outras empresas, como marcas, produtos, revenda e distribuição. Segue abaixo, importantes elementos de PRM presentes nas capacidades de um portal de parceiros, tais como: Venda colaborativa capacitar os parceiros a tornarem-se membros virtuais da equipe e vendas da companhia, oferecendo assim as seguintes funções: Entrada de contatos coleta informações detalhadas entre os parceiros de novas oportunidades de vendas. Distribuição de contatos faz o encaminhamento dos contatos entre os parceiros, utilizando regras baseadas em roteamento e escalonamento. 26

O que é software livre

O que é software livre O que é software livre Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 17:12. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos

Leia mais

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE Reinaldo Candido da Costa 1 * Rosaria Ferreira Otoni dos Santos* Resumo O presente artigo busca instigar a reflexão dos usuários dos meios de comunicação e disseminação da informação

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA O que é Software Livre? Software Livre (Free Software) é o software disponível com a permissão para qualquer um usá-lo, copiá-lo, e distribuí-lo, seja na sua forma

Leia mais

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source 978 Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source Keoma Gomes de Souza 1, Carlos Mário Dal Col Zeve 2 1 Acadêmico do Curso

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Aula 34 Software livre e código aberto Aula 34 2 Gestão em Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. TURMA: 2 TERMOS TÉCNICOS PELOTAS, 2012 ANA CAROLINA, ROMÁRIO,

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

Introdução 13/06/2012. Software Livre

Introdução 13/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson Informática I Aula 26 Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 26-17/07/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de

Leia mais

Licenças Livres. Terry Laundos Aguiar

Licenças Livres. Terry Laundos Aguiar Licenças Livres Terry Laundos Aguiar "Quando nos referimos a software livre, estamos nos referindo a liberdade e não a preço." Licença GPL Licenças de Softwares Comprar um software, geralmente, é como

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre CAMPOS, Augusto. O que é software livre. BR-Linux. Florianópolis, março de 2006. Disponível em . Consultado em 16 de Dezembro de 2008. O que é software livre

Leia mais

São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário. Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1

São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário. Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1 Softwares São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário Tipos : Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1 Licenciados São software autorizados, cedidos

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Classificação / Licenciamento de Software MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Componentes de um Sistema Computacional

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Distribuições de Linux embarcado. O mercado de Linux embarcado. Distribuição Linux: desktop x embarcados. Projeção do mercado de Linux embarcado

Distribuições de Linux embarcado. O mercado de Linux embarcado. Distribuição Linux: desktop x embarcados. Projeção do mercado de Linux embarcado Linux Sistemas Embarcados Introdução ao Linux embarcado e aspectos de software livre Aula 02 É um núcleo, não um sistema operacional Altamente modulável usado desde servidores a equipamentos dedicados

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Curso de Contabilidade INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Prof. Francisco José Lopes Rodovalho Gerência do Relacionamento com o Cliente CRM CUSTOMER RELATIONSHIP

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Softwares Aplicativos. (Capítulo 2)

Softwares Aplicativos. (Capítulo 2) Softwares Aplicativos (Capítulo 2) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definição 2. Aquisição 3. Classificações 4. Ética 5. Profissionais 03

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação 08 - Licenças, Tipos de Softwares, Tradutores. Linguagens de Máquina, de Baixo Nível e de Alto Nível Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Software Livre GPL BSD Software

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

SOFTWARE LIVRE DISCIPLINA:

SOFTWARE LIVRE DISCIPLINA: SOFTWARE LIVRE DISCIPLINA: Introdução a Ciência da Computação DOCENTE: Ricardo Sant ana DISCENTE: Matheus Vieira e Silva 1º ANO ARQUIVOLOGIA Junho de 2006 Entendendo o que é Software Livre: Liberdade dos

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Sistemas ERP - 01. Sistemas de Informações Gerenciais Rafael Diniz

Sistemas ERP - 01. Sistemas de Informações Gerenciais Rafael Diniz Sistemas ERP - 01 Sistemas de Informações Gerenciais Rafael Diniz Tipos de Sistemas de Informação Empresariais Sistemas que abrangem toda a empresa Aplicativos Integrados Sistemas que abrangem todas as

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Curso de Sistemas de Informação. Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Curso de Sistemas de Informação. Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Curso de Sistemas de Informação Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso 1. Título Aplicação Web de gerência de relacionamentos de clientes 2.

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Universidade do Contestado Campus Concórdia. Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry. Noções de Software

Universidade do Contestado Campus Concórdia. Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry. Noções de Software Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Noções de Software DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Definição A rigor, tudo o que pode ser armazenado

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742 Data Warehouse - DW Data Warehouse (Armazém de Dados) é um depósito integrado de informações, disponíveis para análise e para a construção de filtros de busca; Centraliza informações localizadas em diferentes

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

CONCEITOS DE SOFTWARE. Prof. Erion Monteiro

CONCEITOS DE SOFTWARE. Prof. Erion Monteiro CONCEITOS DE SOFTWARE Prof. Erion Monteiro PENSAMENTO DO DIA Imagine uma nova história para a sua vida e acredite nela! Paulo Coelho O QUE É SOFTWARE? É o produto que os engenheiros de software projetam

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Marketing de Relacionamento C.R.M. Custumer Relationship Management Marketing de Assiduidade Programa de milhagens Benefício financeiro Brinde por utilização

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Filipi Damasceno Vianna (PUCRS) filipi@em.pucrs.br Resumo Este trabalho visa mostrar a importância da integração entre sistemas de ERP 1 e

Leia mais

Software Aplicativo. Introdução a Computação. Software Customizado. Software Amigável (User-Friendly) Software Empacotado

Software Aplicativo. Introdução a Computação. Software Customizado. Software Amigável (User-Friendly) Software Empacotado Software Aplicativo Introdução a Computação Software Aplicativos Software usado para solucionar um problema em particular ou realizar uma tarefa específica. Imposto de Renda Impressão MSN Adquirindo Software:

Leia mais

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com. Curso Introdução ao Linux Desmistificando o Software Livre Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.br Índice 1 O que é Software Livre? 2 A história por trás do Software Livre.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior ÍNDICE SOFTWARE LIVRE / OPEN SOURCE...2 PROPRIEDADE INTELECTUAL...2 GRAUS DE RESTRIÇÃO EM LICENÇAS DE SOFTWARE...2 LICENÇAS DE SOFTWARE...2 OPEN SOURCE...2 SOFTWARE LIVRE...2 GNU GPL...4 GNU LGPL...4 SOFTWARE

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Capítulo. Sistemas empresariais

Capítulo. Sistemas empresariais Capítulo 8 1 Sistemas empresariais 2 Objectivos de aprendizagem Identificar e exemplificar os seguintes aspectos da gestão do relacionamento com os clientes, da gestão de recursos empresariais e dos sistemas

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

SOFTWARES LIVRES PARA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA. Nome Expositor: Adriano Almeida Órgão: Secretaria Executiva de Transparência Púbica da PMJP

SOFTWARES LIVRES PARA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA. Nome Expositor: Adriano Almeida Órgão: Secretaria Executiva de Transparência Púbica da PMJP SOFTWARES LIVRES PARA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA Nome Expositor: Adriano Almeida Órgão: Secretaria Executiva de Transparência Púbica da PMJP 2015 A SETRANSP Criada em 2005, tem como missão estabelecer os fundamentos

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

CRM Customer Relationship Management

CRM Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management C R M : DEFINIÇÃO TEÓRICA NO PASSADO CONHECÍAMOS NOSSOS CLIENTES PELO NOME, ONDE VIVIAM, QUE TIPO DE PRODUTOS NECESSITAVAM, COMO SERIAM ENTREGUES, COMO QUERIAM PAGAR

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI034)

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais