Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira"

Transcrição

1 Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira

2 PEDAGOGO UNIb ESPECIALIZAÇÃO EM DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR PUC/SP BACHARELANDO EM DIREITO Uninove DIRETOR DE ESCOLA PMSP/SP PROFESSOR DE CUSRO PREPARATÓRIO ESCRITOR

3 A dificuldade que os alunos encontram em ler e compreender textos de problemas estão, entre outras coisas, ligadas à ausência de um trabalho pedagógico específico com o texto do problema, nas aulas de matemática.

4 O estilo nos quais geralmente os problemas de matemática são escritos, a falta de compreensão de um conceito envolvido no problema, o uso de termos específicos da matemática e que não fazem parte do cotidiano do aluno palavras que têm significados diferentes na matemática e fora dela total, diferença, ímpar, média, volume, produto.

5 Recursos dos quais o professor pode se valer para explorar a alfabetização e a matemática enquanto trabalha com problemas.

6 Um deles é escrever uma cópia do problema no quadro e fazer com os alunos uma leitura cuidadosa; Primeiro do problema todo, para que eles tenham ideia geral da situação; depois mais vagarosamente, para que percebam as palavras do texto, suas grafias e seus significados.

7 Propor o problema escrito e fazer questionamentos orais com a classe auxilia o trabalho inicial com problemas escritos: Quem pode me contar o problema novamente? Há alguma palavra nova ou desconhecida? Do que trata o problema? Qual é a pergunta?

8 Cuidado é para não resolver o problema pelos alunos durante a discussão e não tornar o recurso uma regra ou conjunto de passos obrigatórios que representem um roteiro de resolução.

9 Providenciar para cada aluno uma folha com o problema escrito, o professor pode: Pedir aos alunos que encontrem e circulem determinadas palavras; Escrever na lousa o texto do problema sem algumas palavras; Pedir para os alunos em duplas olharem seus textos, que devem ser completos, e descobrirem as palavras que faltam.

10 Conforme as palavras são descobertas, os alunos são convidados a ir ao quadro e completar os espaços com os termos ausentes. Em todos os casos, o professor pode escolher trabalhar com palavras e frases que sejam significativas para os alunos. Ou que precisem ser discutidas com a classe, inclusive aquelas que se relacionam com noções matemáticas.

11 Os problemas são resolvidos após toda a discussão sobre o texto, que a essa altura já terá sido interpretado e compreendido pela turma. Uma vez que as atividades que sugerimos contemplam leitura, escrita e interpretação simultaneamente.

12 A leitura individual ou em dupla auxilia os alunos a buscarem um sentido para o texto. O professor pode indicar que cada leitor tente descobrir sobre o que o problema fala, qual é a pergunta, se há palavras desconhecidas. Conduzir um debate com toda a classe para socializar as leituras, dúvidas, compreensões.

13 Não se trata de resolver o problema oralmente, mas de garantir meios para que todos os alunos possam iniciar a resolução do problema sem, pelo menos, ter dúvidas quanto ao significado das palavras que nele aparecem.

14 Se houver um dado do problema, um termo que seja indispensável e que os alunos não conheçam ou não saibam ler. O professor deve revelar seu significado, proceder à leitura correta. Esse processo é para quando os alunos entendem o contexto dos problemas.

15 Propor aos alunos o registro, no caderno ou em um dicionário, das palavras novas que aprenderam. Ou mesmo daquelas sobre as quais tinham dúvida para que possam consultar quando necessário.

16 Em relação àqueles termos que tenham significados diferentes em matemática e no uso cotidiano, o ideal é que sejam registrados no caderno dos alunos com ambos os significados, podendo inclusive escrever frases que ilustrem os dois sentidos

17 Apresentar aos alunos problemas com falta ou excesso de dados para que eles analisem a necessidade ou não de informações no texto; Apresentar aos alunos o texto de um problema no qual falte uma frase ou a pergunta, deixar que eles tentem resolver e completar o que falta para o problema ser resolvido;

18 Apresentar um problema com frases em ordem invertida e pedir que os alunos reorganizem o texto; Pedir que os alunos elaborem problemas com palavras que apresentam sentidos diferentes quando utilizadas na matemática e no cotidiano: tira, produto, domínio, diferença etc.

19 Essas ações para tornar o aluno leitor de um problema não podem ser esporádicas, nem mesmo isoladas.

20 É necessário que haja um trabalho constante com as estratégias, em todas as séries escolares Será apenas enfrentando a formação do leitor e do escritor como uma tarefa de todos os professores da escola, Inclusive de matemática, que criaremos oportunidades para que todos desenvolvam as habilidades essenciais para o aprendizado de qualquer conceito, em qualquer tempo.

21 Ler e escrever nas diferentes disciplinas constitui uma das chaves mais essenciais para a formação da autonomia por meio da escola.

22 A Resolução de Problemas e Comunicação Matemática como uma forma de desenvolver nos alunos a capacidade de pensar matematicamente.

23 O professor de matemática deve preocuparse em oferecer experiências de aprendizagem integradas e significativas de forma a desenvolver, Tanto competências conceituais, como capacidades de pensamento crítico e tomada de decisão, processos inerentes à eficácia da Resolução de Problemas.

24 Resolução de Problemas trata de situações que não possuem soluções evidentes e exigem que o resolvedor combine seus conhecimentos e decida pela maneira de usá-los em busca da solução.

25 Ensinar aos alunos a resolver problemas supõe dotá-los da capacidade de aprender a aprender, no sentido de habituá-los a encontrar por si mesmos respostas às perguntas que os inquietam ou que precisam responder, ao invés de esperar uma resposta já elaborada por outros e transmitida pelo livrotexto ou pelo professor.

26 Ensinar a resolver problemas não consiste somente em dotar os alunos de habilidade e estratégias eficazes, consiste também em criar neles o hábito e a atitude de enfrentar a aprendizagem como um problema para o qual deve ser encontrada uma resposta.

27 É importante tanto em termos de conteúdo de aprendizagem (enquanto capacidade) como em termos de orientação metodológica para ensinar.

28 a comunicação é essencial no sentido de propor ao aluno a construção de um vínculo entre suas noções informais e intuitivas e a linguagem abstrata e simbólica da matemática

29 Explorar e ter uma visão ampla do assunto em estudo e, consequentemente, organizar e conectar seus pensamentos a novos conhecimentos. A compreensão é acentuada pela comunicação, do mesmo modo que a comunicação é realçada pela compreensão. Os recursos da comunicação são essenciais para interferir nas dificuldades encontradas ou para permitir que o aluno avance mais.

30 A educação tecnológica não deve ser entendida numa perspectiva puramente tecnicista ou técnica. Mas como elemento educativo voltado a guiar, educar e cooperar com os alunos e professores na construção do conhecimento em estudo.

31 Muitas são as opções que podem ser utilizadas para enriquecer o ensino, entre elas: calculadoras (comuns, científicas e gráficas), textos apresentados para os alunos com a utilização do retro-projetor, vídeos, computadores através de softwares matemáticos, e internet

32 São fontes extremamente motivantes capaz de desafiá-los: a formular estratégias para a resolução de problemas, elaborando decisões de fundamental importância para o desenvolvimento de atividades no âmbito da Educação Matemática.

33 Ensino: organiza-se uma série de atividades didáticas para ajudar os alunos a compreender áreas específicas do conhecimento de matemática. Educação: o foco, além de ensinar, é ajudar a integrar ensino e vida, conhecimento e ética, reflexão e ação, a ter uma visão de totalidade.

34 A utilização das tecnologias no ensino da Matemática, pode: torná-lo mais interessante, produzindo diferentes motivações, interesses e capacidades, criar condições de inserir o aluno num mundo em mudanças. contribuir para desenvolver as capacidades que deles serão exigidas em sua vida social e profissional

Aluno(a): / / Cidade Polo: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA

Aluno(a): / / Cidade Polo:   CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA Preencha o GABARITO: 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla

Leia mais

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS TENDO SUPORTE AS QUESTÕES DA OBMEP. Palavras-chave: Educação Matemática. Olimpíadas de Matemática. Leitura e Escrita Matemática.

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS TENDO SUPORTE AS QUESTÕES DA OBMEP. Palavras-chave: Educação Matemática. Olimpíadas de Matemática. Leitura e Escrita Matemática. SOLUÇÕES DE PROBLEMAS TENDO SUPORTE AS QUESTÕES DA OBMEP Mariane Kneipp Giareta 1 Neuza Terezinha Oro 1 Rosa Maria Tagliari Rico 1 Paula Boito 2 Juliano Zanon 2 RESUMO: A presente oficina é resultado do

Leia mais

Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante

Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante O que é um problema? Intuitivamente, todos nós temos uma ideia do que seja um problema. De maneira genérica, pode-se

Leia mais

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA VISÃO GERAL DA DISCIPLINA Antes eu não gostava de Matemática, mas agora a professora joga, conta história e deixa a gente falar né? Então é bem mais divertido, eu estou gostando mais. Pedro, 9 anos. Neste

Leia mais

AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA?

AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA? AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA? O planejamento consiste em sistematizar o trabalho docente na intenção de ajudar o aluno a desenvolver competências e habilidades que deem significação para efetivação

Leia mais

Tradicionalmente tornou-se consensual na literatura definir problema como uma situação que envolve o aluno em atividade, mas para a qual não conhece

Tradicionalmente tornou-se consensual na literatura definir problema como uma situação que envolve o aluno em atividade, mas para a qual não conhece Tradicionalmente tornou-se consensual na literatura definir problema como uma situação que envolve o aluno em atividade, mas para a qual não conhece à partida, ou não é óbvio, um caminho para chegar à

Leia mais

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões PLANEJAMENTO INSTRUMENTO DE AÇÃO EDUCATIVA PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões Busca determinar fins Torna presentes valores e crenças Explicita nossa compreensão (mundo, vida, sociedade,

Leia mais

Novas ferramentas para uma metodologia da EJA

Novas ferramentas para uma metodologia da EJA Novas ferramentas para uma metodologia da EJA Vídeo SESI - EDUFOCO Ampliação do espaço Ensino-Aprendizagem Educar é colaborar para que professores e alunos nas escolas e organizações - transformem suas

Leia mais

Resolução de problemas não numéricos

Resolução de problemas não numéricos Resolução de problemas não numéricos Ler e buscar informações Em Panizza (2006), a didática da matemática define os problemas como aquelas situações que criam um obstáculo a vencer, que promovem a busca

Leia mais

ALUNO DIGITAL Formação para Estudantes Monitores do PROUCA Ensino Fundamental 6º, 7º e 8º 30 horas Erechim, maio de 2014.

ALUNO DIGITAL Formação para Estudantes Monitores do PROUCA Ensino Fundamental 6º, 7º e 8º 30 horas Erechim, maio de 2014. ALUNO DIGITAL Formação para Estudantes Monitores do PROUCA Ensino Fundamental 6º, 7º e 8º 30 horas Erechim, maio de 2014. Prefeitura de Erechim Prefeito Paulo Alfredo Polis Vice-Prefeita Ana Lúcia de Oliveira

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (4º E 5º ANOS) PROFESSORA ANDRESSA CESANA CEUNES/UFES/DMA FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS AGOSTO DE 2015 A PEDAGOGIA DO TEXTO é

Leia mais

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa:

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Sabendo que o aluno tem pouco contato com a leitura em seu ambiente familiar, apresentando na escola dificuldades de aprendizagem, decorrentes dessa

Leia mais

Caderno de apoio Alunos e Pais

Caderno de apoio Alunos e Pais Caderno de apoio Alunos e Pais ÍNDICE Apresentação... 3 Aprofunde os conteúdos vistos em sala de aula... 4 Amplie as fontes de pesquisas... 4 Aprenda com recursos interativos e linguagens diferenciadas...

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA Bruno

Leia mais

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA Rudinei José Miola rmiola@positivo.com.br PARA INÍCIO DE CONVERSA ATIVIDADE MATEMÁTICA Por atividade matemática deve entender-se uma mescla entre tarefa,

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Análise de software. 1 o software analisado: Workshop Vila Sésamo

Análise de software. 1 o software analisado: Workshop Vila Sésamo Análise de software 1 o software analisado: Workshop Vila Sésamo Este software estimula a criatividade da criança, também desenvolve noções de espaço e distribuição na tela. Nele, a criança dispõe de diversos

Leia mais

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Cada segmento tem sua característica Educação Infantil: - desenvolvimento dos padrões de aprendizagem. Ensino Fundamental: - domínio de conceitos essenciais

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

"Jardim um mundo para os animais pequenos." E.E. Profº Nidelse martins de almeida

Jardim um mundo para os animais pequenos. E.E. Profº Nidelse martins de almeida "Jardim um mundo para os animais pequenos." E.E. Profº Nidelse martins de almeida Professor(es) Apresentador(es): Viviane Cristina Dalfre Realização: Foco do Projeto A leitura para aprender mais, ou seja,

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

Condições de relacionar as duas situações: equações lineares e sistemas de equações lineares; A compreensão de conceitos de matrizes e determinantes.

Condições de relacionar as duas situações: equações lineares e sistemas de equações lineares; A compreensão de conceitos de matrizes e determinantes. GUIA DO PROFESSOR DO MÓDULO 6 TÍTULO DO OA: ESCALONADOR CATEGORIA: MATEMÁTICA SUB-CATEGORIA: ESCALONAMENTO DE MATRIZES PARA RESOLUÇÃO DE SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES PÚBLICO ALVO: ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO

Leia mais

Tema: Matemática e Desenho Animado. Título: Formulação e Resolução de Problemas Matemáticos Com Desenho Animado

Tema: Matemática e Desenho Animado. Título: Formulação e Resolução de Problemas Matemáticos Com Desenho Animado PROGRAMA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO PROJETO: Investigando a Formulação e a Resolução de Problemas Matemáticos na Sala de Aula: Explorando Conexões Entre Escola e Universidade. COORDENADORA: Professora Drª

Leia mais

A REESCRITA DE CONTOS COMO GATILHO PARA A ALFABETIZAÇÃO INICIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Escola Estadual Conselheiro Antônio Prado

A REESCRITA DE CONTOS COMO GATILHO PARA A ALFABETIZAÇÃO INICIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Escola Estadual Conselheiro Antônio Prado A REESCRITA DE CONTOS COMO GATILHO PARA A ALFABETIZAÇÃO INICIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Escola Estadual Conselheiro Antônio Prado Professor(es) Apresentador(es): Maria Gildacy Araújo Lôbo Gomes Realização:

Leia mais

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS?

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? II Encontro Orientadores de Estudo PNAIC A criança no ciclo de alfabetização Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com Professora Departamento de Administração

Leia mais

Cartografia Tátil na sala de aula E. E. João XXIII

Cartografia Tátil na sala de aula E. E. João XXIII Cartografia Tátil na sala de aula E. E. João XXIII Sala 14 Sessão 1 Profª Elizandra Maria Aleixo Realização: Foco As atividades realizadas em sala de aula na disciplina de Geografia são desenvolvidas de

Leia mais

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES Aula 4 META Apresentar os comportamentos leitores e escritores como conteúdos das aulas sobre gêneros textuais. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Caderno de apoio. Gestores Escolares

Caderno de apoio. Gestores Escolares Caderno de apoio Gestores Escolares 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Escola Digital e os Gestores Escolares... 4 AÇÕES DO DIRETOR ESCOLAR Navegue pela plataforma... 4 Analise resultados e escolha projetos pedagógicos...

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Prof. Me. Luana Serra Secretaria Municipal de Educação de Santos DOCUMENTO PRELIMINAR PARA A CONSTRUÇÃO DA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Material adaptado de Beatriz Ferraz Educação Infantil na BNCC A Base Nacional

Leia mais

Utilização do Microsoft Excel para o ensino de Matemática

Utilização do Microsoft Excel para o ensino de Matemática Utilização do Microsoft Excel para o ensino de Matemática Ana Paula Lopes da Silva¹(IC), Hestenio Jose do Anjo Alcântara²(IC) *- hestenioanjo@hotmail.com, Jerônimo Rosa de Moraes Neto³ (IC), Marcos Roberto

Leia mais

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois.

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. AULA 04 Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. Jussara Hoffmann Avaliar respeitar primeiro, educar depois Interesse questões avaliativas As crianças permanecem

Leia mais

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curso Ciências Biológicas Licenciatura Campus Santa Helena Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 1.º Matemática PROGRAMA-A ANO: 10º ANO LECTIVO : 2008 /2009 p.

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 1.º Matemática PROGRAMA-A ANO: 10º ANO LECTIVO : 2008 /2009 p. ANO: 10º ANO LECTIVO : 2008 /2009 p.1/9 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Nº. AULAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO Módulo Inicial Geometria e Números Reais. - Função afim, Equações e inequações do 1º.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI. PROJETO Leitura para ser feita em casa

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI. PROJETO Leitura para ser feita em casa ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI PROJETO Leitura para ser feita em casa... aprender não é um ato findo. Aprender é um exercício constante de renovação.... Paulo Freire ANGÉLICA MS ABRIL/MAIO

Leia mais

Avaliando o desenvolvimento de competências em sala de aula Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 Roteiro: O sentido de desenvolver competências Ensinar conteúdos X desenvolver

Leia mais

PET ESTUDOS SÍNDROME METABÓLICA da anatomia à intervenção clínica

PET ESTUDOS SÍNDROME METABÓLICA da anatomia à intervenção clínica PET ESTUDOS SÍNDROME METABÓLICA da anatomia à intervenção clínica O curso Síndrome Metabólica da anatomia à intervenção clínica será desenvolvido a partir de dois grandes eixos: - Eixo teórico-prático

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL AGENDA ANUAL 2017

ENSINO FUNDAMENTAL AGENDA ANUAL 2017 ENSINO FUNDAMENTAL 8. o ano AGENDA ANUAL 20 FEVEREIRO 2 3 4 5 6 8 9 0 2 3 4 5 6 8 9 20 2 22 23 24 25 26 2 28 Carnaval MARÇO Cinzas 2 3 4 5 6 8 9 0 2 3 4 5 6 8 9 20 2 22 23 24 25 26 2 28 29 30 3 2 ABRIL

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE ENSINO QUE FACILITAM A APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES. Márcia Maria Gurgel Ribeiro DEPED/PPGEd/CCSA

PROCEDIMENTOS DE ENSINO QUE FACILITAM A APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES. Márcia Maria Gurgel Ribeiro DEPED/PPGEd/CCSA PROCEDIMENTOS DE ENSINO QUE FACILITAM A APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES Márcia Maria Gurgel Ribeiro DEPED/PPGEd/CCSA OBJETIVO Analisar os processos de ensino e de aprendizagem e suas significações no ensino

Leia mais

A visualização e a leitura de informações gráficas em Matemática são aspectos importantes, pois auxiliam a compreensão de conceitos e o

A visualização e a leitura de informações gráficas em Matemática são aspectos importantes, pois auxiliam a compreensão de conceitos e o PORTAL POSITIVO A visualização e a leitura de informações gráficas em Matemática são aspectos importantes, pois auxiliam a compreensão de conceitos e o desenvolvimento de capacidades de expressão gráficas.

Leia mais

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste 1 Introdução Autor(a): Humberto de Medeiros Silva Coautor(es): Inalmir Bruno Andrade

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores.

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores. 00465 A IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA Regina Helena Munhoz Professora Adjunta Departamento de Matemática UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina RESUMO

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Lourinhã. Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo. 4.º ano

Agrupamento de Escolas da Lourinhã. Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo. 4.º ano Agrupamento de Escolas da Lourinhã Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo 4.º ano VII Seminário das Escolas Híbridas 15 de março de 2012 Divisores: abordagem no 1.º Ciclo 4.º ano Aplicada no início de

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA. Profa. Ma. Lilian Pessôa

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA. Profa. Ma. Lilian Pessôa Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Profa. Ma. Lilian Pessôa Um começo de conversa Para discutir estratégias de leitura, imaginemos a seguinte situação: Você está numa livraria

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO INSTITUTO Programa de Desenvolvimento BRASIL da Educação SOLIDÁRIO - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO Ler e escrever, não são capacidades natas. Precisam ser realizadas em situações reais, onde se

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Teste Cognitivo do Programa Brasil Alfabetizado (Leitura, escrita e matemática)

Teste Cognitivo do Programa Brasil Alfabetizado (Leitura, escrita e matemática) Teste Cognitivo do Programa Brasil Alfabetizado (Leitura, escrita e matemática) Congreso Iberoamericano de Educación Permanente y técnico profisional Asunción, Paraguay 27 y 28 de setiembre de 2011 Dra.

Leia mais

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO Maria Solange de Lima Silva FCU/UNIFUTURO Sol_lyma@hotmail.com INTRODUÇÂO A característica básica

Leia mais

Miguel Dias. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC.

Miguel Dias. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC. migdias@gmail.com www.migdias.weebly.com www.facebook.com/migueldias.pt Miguel Dias Bolsista PNPD/CAPES Universidade do Estado do Rio Grande do Norte O que

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pampilhosa Plano de Actividades do Núcleo de Estágio de Matemática Ano lectivo 2006 / 2007

Agrupamento de Escolas de Pampilhosa Plano de Actividades do Núcleo de Estágio de Matemática Ano lectivo 2006 / 2007 Agrupamento de Escolas de Pampilhosa Plano de Actividades do Núcleo de Estágio de Matemática Ano lectivo 2006 / 2007 Actividades Objectivos Descrição Dinamizadores Intervenientes Cartas Tio Papel Palestra

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A CRIAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHO DOCENTE

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A CRIAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHO DOCENTE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A CRIAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHO DOCENTE Título e estrutura curricular O título da aula deverá ser claro e estar relacionado aos objetivos Os objetivos precisam se relacionar com

Leia mais

Problema. Exercício. Atividade cujo resolvedor já tem habilidades ou conhecimentos suficientes para resolvê-la

Problema. Exercício. Atividade cujo resolvedor já tem habilidades ou conhecimentos suficientes para resolvê-la Exercício Atividade cujo resolvedor já tem habilidades ou conhecimentos suficientes para resolvê-la Problema... o problema é visto como ponto de partida para a construção de novos conceitos e novos conteúdos;

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA. Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Etapa II Caderno III 09/04/2015

CIÊNCIAS DA NATUREZA. Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Etapa II Caderno III 09/04/2015 CIÊNCIAS DA NATUREZA Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Etapa II Caderno III 09/04/2015 1. Contextualização e contribuições da área de Ciências da Natureza para a formação do estudante

Leia mais

Índice. 1. A Escola e a Linguagem Escrita Aprendizagem Significativa da Linguagem Escrita...3

Índice. 1. A Escola e a Linguagem Escrita Aprendizagem Significativa da Linguagem Escrita...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 7 Índice 1. A Escola e a Linguagem Escrita...3 2. Aprendizagem Significativa da Linguagem Escrita...3 2.1. Motivação: Escrever e Ler faz Sentido... 4 3. Metodologia de Matemática...5 4.

Leia mais

Professor ou Professor Pesquisador

Professor ou Professor Pesquisador Professor ou Professor Pesquisador Cláudio Luis Alves do Rego Cúneo 1 Resumo O perfil de professor pesquisador tem sido associado à oportunidade de prática reflexiva daquele professor que busca a pesquisa

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA MATEMÁTICA

ORIENTAÇÃO TÉCNICA MATEMÁTICA ORIENTAÇÃO TÉCNICA DE MATEMÁTICA 28-03-2017 Objetivos do encontro; Plataforma Foco Aprendizagem; Mapa de Habilidades; Números Racionais; PCN Matemática; Oficina; Exercícios; Plano de Ação e Sequência

Leia mais

PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I (Ensino Fundamental 1ª. Fase) (Professores de Anos Iniciais)

PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I (Ensino Fundamental 1ª. Fase) (Professores de Anos Iniciais) PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I (Ensino Fundamental 1ª. Fase) (Professores de Anos Iniciais) 01. Num plano de aula o último item a ser realizado pelo professor é: (A) a metodologia; (B) o conteúdo;

Leia mais

A construção da apresentação tem a ver com o que queremos apresentar: um trabalho de pesquisa; uma recolha de dados; um trabalho criativo; outros.

A construção da apresentação tem a ver com o que queremos apresentar: um trabalho de pesquisa; uma recolha de dados; um trabalho criativo; outros. A construção da apresentação tem a ver com o que queremos apresentar: um trabalho de pesquisa; uma recolha de dados; um trabalho criativo; outros. Antes de iniciar a apresentação Devemos ter: o trabalho

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ Organização: Profª Esp. Ariane Polizel Objetivos: Se comunicar com maior repertório da Língua Portuguesa na modalidade escrita. Favorecer a aprendizagem dos conteúdos

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 3ª Rosemeire Meinicke/Gustavo Lopes 6º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade H47- Resolver problemas que envolvam potenciação de números naturais. 1. Números naturais (N) 1.4-

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

Jogos Educativos. Joceline Mausolff Grübel. Marta Rosecler Bez. Centro Universitário Feevale

Jogos Educativos. Joceline Mausolff Grübel. Marta Rosecler Bez.  Centro Universitário Feevale Jogos Educativos Joceline Mausolff Grübel joceline.grubel@gmail.com Marta Rosecler Bez martabez@feevale.br Centro Universitário Feevale Novo Hamburgo, novembro de 2006. Roteiro Introdução A importância

Leia mais

Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato

Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 24 e 25/05/2011 Matemática na Educação Infantil Do concreto ao

Leia mais

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO.

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. SILVA, Gislene de Sousa Oliveira 1 Universidade Federal de Goiás Regional Catalão-GO. FIRMINO, Janaina Karla Pereira da S.

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A ATIVIDADE DE SITUAÇÕES PROBLEMA EM SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES NA ESCOLA ESTADUAL MARIA DAS DORES BRASIL

UMA REFLEXÃO SOBRE A ATIVIDADE DE SITUAÇÕES PROBLEMA EM SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES NA ESCOLA ESTADUAL MARIA DAS DORES BRASIL UMA REFLEXÃO SOBRE A ATIVIDADE DE SITUAÇÕES PROBLEMA EM SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES NA ESCOLA ESTADUAL MARIA DAS DORES BRASIL LEITE* 1, Jardel Sousa; MENDOZA 2, Héctor José García RESUMO 1 jardelsousa562@gmail.com

Leia mais

O celular na sala de aula

O celular na sala de aula O celular na sala de aula ELABORANDO NOTÍCIAS Objetivo: Noticiar um fato - Entrevistar, utilizando o gravador do celular, pessoas que fazem parte do fato a ser noticiado, no bairro ou comunidade em que

Leia mais

Avaliação Diagnóstica 1ºano

Avaliação Diagnóstica 1ºano Avaliação Diagnóstica 1ºano Manual do Educador Prezado Professor (a), Elaboramos este instrumento avaliativo a fim de contribuir no trabalho didático, bem como fazer com que você conheça de imediato os

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático.

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático. MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES Josislei de Passos Vieira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Rio Pomba. josisleipassos@gmail.com

Leia mais

PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL

PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL A vida tem mais imaginação do que carregamos dentro dos nossos sonhos. Cristóvão Colombo APRESENTAÇÃO O crescimento atual da robótica tanto educacional como competitiva, nos

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Avaliação de projetos.

Resumo Aula-tema 08: Avaliação de projetos. Resumo Aula-tema 08: Avaliação de projetos. Ao longo desta disciplina, aprendemos os conceitos fundamentais envolvidos na proposta de ensino de Fernando Hernández e a noção de ensino e de aprendizagem

Leia mais

Projeto TRILHAS Evento de Lançamento

Projeto TRILHAS Evento de Lançamento Projeto TRILHAS Evento de Lançamento !"##"$"%&'()"$ Daqui a 15 anos Daqui a pouco tempo Daqui a um pouco mais de tempo *"+",$ Projeto TRILHAS: Material de apoio à prática dos educadores para promover a

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

Planificação Semanal

Planificação Semanal Planificação Semanal Local de estágio: EB nº31 do Lumiar Professora Cooperante: Cecília Mergulhão Turma: 3º ano C Coordenadora de Estágio: Mestre Maria de Fátima Santos Discente: Maria de Fátima Ferreira

Leia mais

A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que

A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que RBEBBM -01/2001 A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que Autores:José A. Valente Afiliação:Departamento de Multimeios e Nied - Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas - SP javalente@unicamp.br

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular.

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular. A IMPORTÂNCIA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Artur Carmello Neto Diretoria de Ensino Região de Araraquara RESUMO A prática docente bem sucedida foi realizada em uma Sala de Recursos

Leia mais

Após um dia longo no trabalho, os pais ainda se veem diante de mais um compromisso: apoiar os filhos na realização da lição de casa. E o cansaço que s

Após um dia longo no trabalho, os pais ainda se veem diante de mais um compromisso: apoiar os filhos na realização da lição de casa. E o cansaço que s Após um dia longo no trabalho, os pais ainda se veem diante de mais um compromisso: apoiar os filhos na realização da lição de casa. E o cansaço que surge neste momento faz muitos se perguntarem por que,

Leia mais

UFRN PIBID Subprojeto PIBID-Pedagogia SEQUENCIAS DIDÁTICAS

UFRN PIBID Subprojeto PIBID-Pedagogia SEQUENCIAS DIDÁTICAS SEQUENCIAS DIDÁTICAS EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Para explorar outras formas de expressão... Produção textual através do texto de imagem por meio da obra: Ritinha Bonitinha - Eva Furnari. Apresentação

Leia mais

Estratégias e Procedimentos de Leitura de Textos Extensos I. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor do UNISEB COC

Estratégias e Procedimentos de Leitura de Textos Extensos I. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor do UNISEB COC Estratégias e Procedimentos de Leitura de Textos Extensos I Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor do UNISEB COC Para início de conversa... É preciso fazer um diagnóstico adequado para propormos encaminhamentos

Leia mais

Recomendação de políticas Alfabetização digital

Recomendação de políticas Alfabetização digital Recomendação de políticas A oportunidade O conhecimento de informática e a alfabetização, a familiaridade com software de produtividade, a fluência no uso de uma ampla gama de dispositivos digitais, estas

Leia mais

DEPA Setor de Educação de Adultos. Explorando o Portal Área do Educador

DEPA Setor de Educação de Adultos. Explorando o Portal Área do Educador DEPA Setor de Educação de Adultos Explorando o Portal EJ@: Área do Educador Pauta do dia: Retomando a visão geral do Portal Explorando a Área do Educador Participação interativa Dúvidas gerais Portal EJ@

Leia mais

ENTREVISTA PROF. DR ELIO CARLOS RICARDO 1

ENTREVISTA PROF. DR ELIO CARLOS RICARDO 1 ENTREVISTA PROF. DR ELIO CARLOS RICARDO 1 Livre-docente de Ensino de Ciências e Matemática, Faculdade de Educação da USP. Entrevista concedida à TV SENAI/SC por ocasião de Formação continuada, no âmbito

Leia mais

Preparo de aula - Professor. Andrew Graham

Preparo de aula - Professor. Andrew Graham Preparo de aula - Professor Andrew Graham Sumário Cap. 03 Como ensinar com estudos de caso Cap. 04 Preparo para ensino através de casos Cap. 05 Escrever ou pesquisar um caso 03 Como ensinar com estudos

Leia mais

Operações com Números Decimais

Operações com Números Decimais Operações com Números Decimais Resumo Iconográfico Duração Pré-requisitos Pré-requisitos técnicos Estratégias Avaliação LEGENDA Uma hora-aula de 45 minutos Livro Didático Conhecimentos adquiridos em aaulas

Leia mais

O ENSINO DOS CONCEITOS DE MÉDIA, MEDIANA E MODA ATRAVÉS DE UM JOGO DE CARTAS

O ENSINO DOS CONCEITOS DE MÉDIA, MEDIANA E MODA ATRAVÉS DE UM JOGO DE CARTAS O ENSINO DOS CONCEITOS DE MÉDIA, MEDIANA E MODA ATRAVÉS DE UM JOGO DE CARTAS José Marcos Lopes Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho jmlopes@mat.feis.unesp.br Renato Sagiorato Corral Resende

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC)

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) Análise da segunda versão ANÁLISE GERAL Principais pontos de atenção nas etapas e componentes curriculares foco no essencial O documento está muito extenso, com excesso

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras ISSN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras ISSN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN Beatriz Ferrari Crivari (G UENP/campus Jac) beatrizfcrivari@uol.com.br Caroline Arlindo (G UENP/campus Jac.) carolarlindo@hotmail.com

Leia mais

COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS

COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS By Prof. Ms. Deborah Costa - 2014 INTRODUÇÃO 1 Este e-book discutirá sobre as questões dissertativas propostas em diferentes avaliações : universidade,

Leia mais