Guia de referência. Versão 6.0 SP1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de referência. Versão 6.0 SP1"

Transcrição

1 Guia de referência Versão 6.0 SP1

2 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes à Pitney Bowes Inc. e/ou a seus subsidiários e suas empresas associadas. Portrait Software, o logotipo Portrait Software, Portrait e a marca Portrait Software s Portrait são marcas comerciais da Portrait Software International Limited e não podem ser usadas nem exploradas de forma alguma sem prévia autorização expressa por escrito da Portrait Software International Limited. Reconhecimento de marcas comerciais Outros nomes do produto, nomes, marcas, logotipos e símbolos da empresa referenciados aqui podem ser marcas comerciais ou marcas comerciais registradas de seus proprietários registrados. Suporte Portrait Software Se precisar de ajuda com algo que não se encontre nesses documentos, visite a Base de Conhecimentos em nosso site da Web. e siga os links para seu produto. Também é possível baixar outros documentos da Portrait Software a partir desse site. Se não tiver um nome de usuário e senha - ou se os esqueceu - contate-nos através de um dos canais abaixo. Se tiver algum problema com o uso, a instalação ou os documentos desse produto, contate-nos usando um dos seguintes métodos: Telefone EUA/Canadá (número gratuito) Resto do mundo Quando estiver reportando um problema, ajuda se nos disser: O nome do aplicativo de software As circunstâncias em que o problema apareceu Que mensagens de erro você viu (se tiver visto alguma) A versão do software que você estava usando Pitney Bowes Software Inc. January 02, 2014

3 Sumário Capítulo 1: Dialogue Admin...11 Dialogue Admin...12 Hosts do Dialogue Server...12 Instâncias do banco de dados...12 Domínios de Cliente...15 Categorias...15 Configuração de diálogo...15 Tipos de grupo...15 Tipos de operação...16 Tipos de status de diálogo...16 Tipos de evento...16 Tipos de Status de Chamada...16 Configuração do Devolvido...16 Configuração de atividade...18 Tipos de atividade...18 Opções de acompanhamento da tarefa...19 Intervalos de visualização da tarefa...19 Campos de tarefas...19 Tipos de canais...19 Canais de saída...19 Tipos de mensagem...22 Recursos...22 Repositório SQL...22 Bancos de dados secundários...23 Servicios Web...23 Repositório de plugin...23 Usuários e segurança...25 Usuários...25 Grupos de Usuários...25

4 Direitos de acesso...25 Segurança do objeto...29 Registro da sessão do usuário...31 Administrador geral...32 Coleções de parâmetros...32 Sistemas de aplicação...32 Manutenção da tabela...32 Serviços Públicos...32 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões...35 Domínios de cliente e Expressões...36 Introdução aos domínios...36 Passo 1 - Criar o grupo principal SQL...36 Passo 2 - Adicionar o domínio...37 Passo 3 - Adicionar o Grupo de dados principal...37 Passo 4 - Adicionar os campos...38 Passo 5 - Editar propriedades do campo...38 Passo 6 - Ativar o novo Domínio...38 Passo 7 - Testar o domínio na Customer View...39 Passo 8 - Testar o domínio no Designer de seleção...39 Passo 9 - Mais Informação sobre os domínios...39 Domínios de cliente no Visual Dialogue...40 Domínios de cliente na Customer View...40 Detalhes da configuração do domínio de cliente...42 Propriedades dos domínios de cliente...42 Grupos de dados...43 Campos...47 Tipos de dados...50 Origens de pesquisa...51 Verificação do domínio de cliente...52 Executar verificação do domínio de cliente...52 Mensagens de verificação do domínio de cliente...52 Expressões...58 Definições de sintaxe de expressão...58 Operadores de expressão...60 Tipos de dados de expressão...62 Funções de expressão Portrait Dialogue 6.0 SP1

5 Capítulo 3: Configurar relatórios...79 Relatórios...80 Report Viewer...81 Formatos de relatório...83 XML do parâmetro de relatório...84 Ações de visualização de relatórios...86 Capítulo 4: Rastreamento de e de links...89 Rastreamento...90 Rastreamento de Rastreamento de link...91 Detalhes do rastreamento de e de links...93 Rastreamento de resposta...95 Capítulo 5: Objetos de conteúdo...99 Objetos de conteúdo URLs de objeto de conteúdo Capítulo 6: Arquivos publicados Arquivos publicados URLs de arquivos publicados Capítulo 7: Manipulação do devolvido Manipulação do devolvido Parâmetros do sistema de devolvido Registro de de devolução Capítulo 8: Importar e exportar objetos Exportação e importação Exportações Importações Configurar um ambiente complementar Capítulo 9: URL shortening Guia de referência 5

6 Abreviação da URL Instâncias do banco de dados Parâmetros Tipos de mensagem Capítulo 10: API de plug-in API de plug-in Plug-ins de dados do cliente Plug-ins da ramificação Plug-ins de expressão Plug-ins genéricos Plug-ins de mensagem Plug-ins do canal de saída Tipos Tipos de parâmetros de ramificações Tipos de dados de questionário Interfaces Interface IMHAnswerForm Interface IMHAnswerFormList Interface IMHBranchDynamicList Interface IMHBranchInfo Interface IMHBranchParamDefs Interface IMHBranchPlugin Interface IMHCategory Interface IMHCacheItem Interface IMHCCCallStatusList Interface IMHCCProject Interface IMHChannelMessage Interface IMHMessageContainer Interface IMHCmsIdList Interface IMHCreateMessagePlugin Interface IMHCreateMessagePlugin Interface IMHCreateMessagePlugin Interface IMHContentItem Interface IMHContentItemList Interface IMHContentObjectRulePlugin Interface IMHContentObjectUtils Interface IMHContentRequestParams Portrait Dialogue 6.0 SP1

7 Interface IMHControlParamDefs Interface IMHCustomer Interface IMHCustomerContainer Interface IMHCustomerList Interface IMHCustomerSortFieldList Interface IMHCustomPluginServices Interface IMHDataField Interface IMHDataFields Interface IMHDataGroupPlugin Interface IMHDialog Interface IMHDialogUtils Interface IMHDialogGroup Interface IMHDialogOperation Interface IMHDialogServerServices Interface IMHDuplicateList Interface IMHDynamicValuesList Interface IMH BounceCodeList IMHExprFunctionDefinterface Interface IMHExprFunctionPlugin Interface IMHGenericPlugin Interface IMHLicenseInfo Interface IMHMessage Interface IMHMessageAssembleInfo Interface IMHMessageAttachment Interface IMHMessageAttachmentList Interface IMHMessageBundle Interface IMHMessageUtils Interface IMHOutputChannelInfo Interface IMHOutputChannelPlugin InterfaceIMHParticipant Interface IMHParticipantContainer Interface IMHPlugin Interface IMHQryAlternative Interface IMHQryQuestion Interface IMHQrySection Interface IMHQuestionnaire Interface IMHQuestionnaireUtils Interface IMHReportEngine Guia de referência 7

8 Interface IMHReportFormat Interface IMHReportParameter Interface IMHReportParameterList Interface IMHReportTemplate Interface IMHSelection Interface IMHSQLDef Interface IMHSystemUser Interface IMHUnmergedMessage Interface IMHWebPublicFile Capítulo 11: API do Dialogue Server API do Dialogue Server API Activity API Dialogue API Customer API Generic API Message API Emarketing Mail API Quest API Report API Selection API System API Telemarketing API Web Utils Capítulo 12: Administração HQ Portrait Shared Server Configurar o Portrait HQ Configurar a taxa de quadros Configurar o registro no aplicativo Portrait HQ Configurar o banco de dados do Portrait Shared Repository Configurar o Sharepoint Configurar o Portrait Shared Server Configurar a Autenticação do Windows Configurar o registro no Portrait Shared Server Configurar relatórios de campanha Configurar links rápidos no MyView Ativar SSL/HTTPS Portrait Dialogue 6.0 SP1

9 Ativar aprovação de campanha Alterar as permissões de usuários do HQ Configurar Atividades de Marketing Configurar tipos de atividade Configurar subtipos de atividades Configuração de prioridades de atividade Configurar canais Configurar cartões de cliente Integração de dados de resultados Tabelas operacionais Tabelas de resumo e esquema de relatório Registrar dados a partir de uma ferramenta externa Solucionar problemas do Portrait HQ Falha ao autenticar o Portrait HQ após a instalação do SharePoint Problemas com as credenciais de segurança ao executar o Portrait HQ A aplicação para solucionar problemas trava ao tentar fazer logon Problema ao carregar o Portrait Shared Services Criar Nomes de entidade de serviço para o Portrait Shared Services Registro Desinstalar o Dialogue Server após ter instalado o SharePoint e o Portrait HQ Alterar a conta usada como Conta de serviço após a instalação do PSS Não consegue visualizar as tarefas criadas no "MyView" do Portrait HQ Obter a mensagem de erro "Failed retrieving task list" no Portrait HQ Capítulo 13: Reconhecimentos de terceiros Reconhecimentos de terceiros Guia de referência 9

10

11 Capítulo 1 Dialogue Admin Nesta seção: Dialogue Admin Hosts do Dialogue Server Instâncias do banco de dados Domínios de Cliente Configuração de diálogo Configuração de atividade Tipos de canais Recursos Usuários e segurança Administrador geral

12 Dialogue Admin Dialogue Admin O Dialogue Admin é o aplicativo cliente de administração do Portrait Dialogue. Hosts do Dialogue Server A partir da janela do navegador do Dialogue Admin é possível se conectar a um ou mais hosts do Dialogue Server. Um host do Dialogue Server representa uma instalação em um servidor. Para se conectar a um Dialogue Server, selecione o nó Hosts do Dialogue Server e escolha Item > Novo a partir do menu. Editar propriedades de host A maior parte das informações em Propriedades de host é somente leitura e inclui informações relativas à versão do software e à licença. Porém, é possível editar o seguinte: Forçar servidor a usar o idioma inglês (US) (para todas as instâncias): Isto substitui o idioma do Dialogue Server e de todas as suas instâncias, de forma que o servidor gere mensagens de erro e outros textos exibidos em inglês (EUA). Esta opção é útil para administradores do sistema que pretendem que o Dialogue Server use temporariamente o inglês (EUA) para exibir informações de erro e de log. Observação: Existe uma configuração correspondente em Propriedades da instância do banco de dados, na qual é possível substituir o idioma em uma única instância. Instâncias do banco de dados Em um Host do Dialogue Server podem existir várias instalações do Dialogue Database. Cada instalação é chamada uma instância do banco de dados. Todas as instâncias disponíveis são enumeradas abaixo do nó Instâncias do banco de dados. Observação: Para administrar ou acessar uma instância, o usuário terá de iniciar sessão na instância com um nome de usuário e uma senha válidos ou iniciar sessão no próprio computador servidor. Definir uma nova instância Para definir e configurar uma nova instância: Certifique-se de que o esquema do banco de dados do Dialogue Server está instalado. 12 Portrait Dialogue 6.0 SP1

13 Capítulo 1: Dialogue Admin Selecione o nó Instâncias do banco de dados e escolha Item > Novo no menu. Essa operação deve ser efetuada localmente no computador servidor hospedando o Dialogue Server. Inicie a sessão na instância usando o nome de usuário/senha padrão (consulte o guia de instalação). Ao definir ou editar uma instância, é possível configurar várias propriedades importantes: Identificador curto (ISID) Um identificador curto para sua instância. O identificador curto deve consistir em um ou dois caracteres alfabéticos maiúsculos e deve ser diferente de todas as outras instâncias do host do Dialogue Server. É a instância padrão Padrão é selecionado se a instância selecionada for a instância padrão do sistema (no host do Dialogue Server). Ativar a opção Ativar serviço do gerenciador de diálogo Ativa ou desativa o Serviço do gerenciador de diálogo Este serviço é responsável pela execução de tarefas de segundo plano, como operações acionadas por eventos ou agendadas, entre outras. Ativar o Serviço para envio de mensagens Ativa ou desativa o Serviço para envio de mensagens. Este serviço é responsável pelo envio de mensagens de saída do sistema. Ativar a opção Ativar serviço Receber Ativa ou desativa o serviço Receber . Esse serviço é responsável por recuperar e tratar dos e- mails devolvidos. Ativar autenticação do Windows Ao ativar esta opção, os usuários podem iniciar a sessão no sistema com suas credenciais do Windows, sem a necessidade de digitar um nome de usuário e uma senha. Registrar erros do servidor e mensagens de depuração Esta opção ativa o registro de todos os erros e exceções para arquivos na pasta: <DialogServer>\LogFiles\Errors Esta opção também ativa o registro de informações diversas para o Portrait Dialogue Process Monitor. Mais importante, as mensagens de erro SQL detalhadas são registradas e o método LogDebugMessage na API do plug-in é ativado. Forçar servidor a usar o idioma inglês (US) Isto substitui o idioma da instância ou da sessão do usuário, de forma que o Dialogue Server gere mensagens de erro ou outros textos exibidos em inglês (EUA). Esta opção é útil para administradores do sistema que pretendem que uma instância use temporariamente o inglês (EUA) para exibir informações de erro e de log. Observação: Existe uma configuração correspondente em Propriedades de host, na qual é possível substituir o idioma do servidor de todas as instâncias. Colocar instância off-line Esta opção desativa a instância para uso e qualquer processamento do servidor. Quando essa opção é configurada, os usuários não conseguem iniciar sessão ou chamar quaisquer métodos de servidor. Guia de referência 13

14 Instâncias do banco de dados Porém, as chamadas de método em curso não são canceladas. Esta opção é útil, por exemplo, ao efetuar a manutenção do banco de dados ou ao atualizar o sistema. Tipo de servidor do banco de dados Um dos DBMSs suportados (atualmente, Oracle e Microsoft SQL Server). String de conexão O string de conexão MS OLE DB usado para se conectar ao Dialogue Database. Observação: Se você estiver usando o SQL Server Native Client para se conectar, deve definir o parâmetro Informações de Persistência de Segurança na guia Tudo da caixa de diálogo da string de conexão para Verdadeiro, para poder manter a senha de usuário do banco de dados. Idioma do banco de dados do sistema O idioma no qual o Dialogue Database e os dados do sistema foram instalados. Esse também é o idioma padrão da interface do usuário da instância. Observação: Esta configuração deve coincidir com o idioma real do Dialogue Database. Clique em Resolver para recuperar o idioma da tabela SYSTEM_INFO no banco de dados. Quando especifica ou altera a string de conexão, o Dialogue Admin tenta automaticamente se conectar ao banco de dados e recuperar o idioma. Tentativa de conexão O valor mínimo determina o intervalo de tempo antes de ser efetuada uma tentativa de conexão caso o Dialogue Database fique indisponível. O intervalo é duplicado para cada falha de conexão subsequente até que o valor máximo seja atingido, o qual é usado como o intervalo de tentativas daí em diante. Editar uma instância Para editar as propriedades de uma instância, selecione a instância no navegador do Dialogue Admin e escolha Item > Propriedades do menu. Reiniciar uma instância Para reiniciar uma instância, selecione a instância no navegador do Dialogue Admin e escolha Item > Reiniciar do menu. A opção de reinicialização é especialmente usada se uma instância tem falhado, por exemplo, se o banco de dados tem estado indisponível. A reinicialização de uma instância indicará aos serviços do Dialogue Server (MH Servidor do gerenciador de diálogo e MH Send Message Service) que a instância está pronta a ser usada. Reiniciar uma instância também limpará todos os dados em cache nessa instância, incluindo consultas SQL, definições de Customer Domain, Parâmetros, etc. 14 Portrait Dialogue 6.0 SP1

15 Capítulo 1: Dialogue Admin Domínios de Cliente Os Domínios de cliente contêm todos os conjuntos diferentes dos clientes definidos no Portrait Dialogue. Um desses conjuntos de clientes é chamado um domínio de cliente. Temos como exemplo de domínios de cliente: pessoas, mercado B2B, residências ou clientes potenciais. Para obter mais informações e ajuda sobre os domínios de cliente, consulte a seção Domínios de cliente e Expressões na Suporte técnico. Categorias Categorias são usadas para caracterizar os clientes. É possível um cliente ser membro de uma ou mais categorias. Existem quatro tipos de categorias: Categoria simples Um cliente pode ser ou não membro de uma categoria simples. Categoria com valores Quando um cliente é membro de uma categoria com valores, esse cliente obtém um ou mais valores na categoria. Se tal categoria for de múltiplas seleções, é possível o cliente obter vários valores. Caso contrário, o cliente irá obter somente um valor. Categoria de pontuação Quando um cliente é membro de uma categoria de pontuação, ele tem um valor de pontuação situado entre um valor mínimo e máximo definido. Categoria de bloqueio de canal Quando um cliente é membro de uma categoria de bloqueio de canal, não irá receber mensagens ou comunicações através do respectivo canal. Exemplo: Um cliente é um membro de uma categoria de bloqueio de , os s não serão enviados para esse cliente. Configuração de diálogo A "Configuração de diálogo" contém subnós usados para administrar itens usados para o design de diálogos. Tipos de grupo Os tipos de grupos são os tipos de grupos definidos que podem ser usados em diálogos. Um tipo de grupo tem um nome e um tipo de dados. O tipo de dados de grupo pode ser constituído por um dos três seguintes: Banco de dados O datatype do banco de dados representa todos os clientes em seu banco de dados do cliente, ou seja, todos os clientes no domínio de cliente abordados pelo diálogo. Guia de referência 15

16 Tipos de operação Padrão O datatype padrão é o datatype normal no qual residem os participantes do diálogo. Difuso O datatype difuso é usado em tipos de grupos que representam clientes não identificados, por exemplo, um mercado ou um público-alvo. É possível definir diversos tipos de grupos para personalizar a forma como cria seus diálogos. Porém, a funcionalidade do grupo será sempre definida pelo datatype que escolher. Tipos de operação Os tipos de operação são a definição das operações usadas ao criar diálogos no Visual Dialogue. É possível definir diversos tipos de operação. A lógica por detrás das operações é implementada em plug-ins. Existem plug-ins padrão ou plug-ins personalizados que é possível programar. A relação entre uma operação e um plug-in é configurada dentro de um tipo de operação. Tal relação é chamada de tipo de ramificação, sendo possível configurar a ordem dos tipos de ramificação em um tipo de operação. Além disso, é possível configurar o símbolo usado para uma operação e a categoria da operação (que é usada para uma categorização visual no Visual Dialogue), bem como opções de execução padrão. Tipos de status de diálogo Os tipos de status de diálogo servem somente para categorizar diálogos de acordo com as diferentes fases de um ciclo de vida de um diálogo. Um diálogo terá sempre um dos tipos de status definidos. É possível definir diversos tipos de status, apesar de alguns tipos serem padrão do sistema e não poderem ser removidos. Tipos de evento Os tipos de evento são as definições de eventos postadas no Dialogue Server a partir do exterior. Alguns tipos de evento são padrão e são usados pelo próprio sistema. Podem ser adicionados outros tipos de eventos em projetos de integração para descrever um evento externo em outro sistema de aplicação, para o qual o Dialogue Server deverá ser notificado. É possível postar eventos através da API do Dialogue Server ou, como alternativa, diretamente no Dialogue Database chamando um procedimento armazenado. Tipos de Status de Chamada Um tipo de status de chamada é usado para descrever o que aconteceu a um cliente em um projeto de telemarketing. Por exemplo, se a chamada foi concluída com sucesso ou se a linha de telefone do cliente estava desligada. É possível definir diversos tipos de status de chamada, apesar de alguns tipos serem padrão do sistema e não poderem ser removidos. Configuração do Devolvido A "Configuração do devolvido" contém subnós usados para administrar o tratamento da configuração de s devolvidos. 16 Portrait Dialogue 6.0 SP1

17 Capítulo 1: Dialogue Admin Configurações de Devolução O Dialogue Server pode tratar dos s devolvidos automaticamente. É possível configurar diferentes configurações de s devolvidos baseadas no fato de o MH Serviço de de entrada recuperar s de diferentes contas para tratar dos s devolvidos. Quando cria ou edita uma configuração, são apresentadas cinco opções em uma caixa de diálogo. Geral: Aqui pode definir o nome da configuração, podendo ativá-la ou desativá-la. A configuração deve ser ativada para processar os s recebidos. Também deve configurar os mapeamentos de campos de domínio do cliente. Esses mapeamentos indicam ao serviço quais os campos dos domínios que irão ser usados para tentar determinar qual o cliente que deveria ter recebido o devolvido. Lógica de devolução:ao selecionar Explorar por ID de mensagem do cliente, coloca o Serviço de e- mail de entrada a analisar s devolvidos pelo ID da mensagem do cliente contido no original.o intervalo de análise em dias, determina o número de dias a observar no histórico de s enviados para identificar um enviado que foi devolvido.os endereços a ignorar ao analisar correspondem a uma lista de endereços, separada por ponto e vírgula, a ignorar durante a análise de s devolvidos. Tipicamente, os endereços usados como endereço do remetente nos s enviados são inseridos aqui. Na parte Manipulação não automática da opção, é possível configurar a forma como os s devolvidos são tratados, se for necessária alguma interação manual no tratamento. Encaminhar para esse endereço corresponde ao endereço de usado quando um devolvido é encaminhado para uma manipulação manual. Se selecionar a opção Se possível, use o "endereço do remetente" original ao encaminhar, o endereço original no devolvido é usado ao encaminhar. Isso é especialmente útil ao tratar s devolvidos que não são s devolvidos verdadeiros mas antes respostas de destinatários Se a caixa de seleção não estiver selecionada ou se o endereço original não for encontrado, o "Endereço do remetente" padrão é usado como endereço do remetente. Códigos de devolução:aqui é possível substituir a configuração do manipulação em Códigos de devolução. Servidores de Aqui é possível configurar a forma como os serviços se ligam aos servidores de .o Servidor de entrada de s é usado para recuperar s devolvidos e a conta aqui configurada é a tipicamente usada como endereço do remetente quando os s são enviados. É possível escolher entre três tipos de servidor de entrada diferentes: pop suporta o protocolo POP3 imap suporta o protocolo IMAP4 nenhum não recupera quaisquer s devolvidos, porém, depende de um programa externo para fazer isso. Isso permite-lhe criar seu próprio programa para recuperar s, não ficando dependente do MH Serviço de de entrada para isso. Os s devem estar em um formato MIME padrão, incluindo o caractere terminador SMTP padrão (CRLF.CRLF). Cada deve estar em um arquivo separado com um nome único dentro da configuração da devolução. Os arquivos devem ser colocados no diretório "<Diretóriodetrabalho>\<Nome de configuração>\entrada" onde o diretório de trabalho é o diretório que especificou no parâmetro do sistema de devolvido geral Diretóriodetrabalho e Nome de configuração é o nome da configuração de devolução. O Servidor de saída de s é usado ao encaminhar s e a enviar relatórios. Guia de referência 17

18 Configuração de atividade Outros:Se a opção Sempre registrar informações do cliente estiver selecionada, o Serviço de de entrada irá relacionar sempre o devolvido com o cliente aplicável e registrará essa informação no Dialogue Database. Se não estiver selecionada, o Serviço de de entrada irá registrar somente a informação do devolvido sem quaisquer informações do cliente. Para códigos de devolução com a ação de devolução configurada para Evento, todos os s devolvidos serão registrados com as informações do cliente, independentemente da configuração desse parâmetro. Selecionar essa opção pode afetar o desempenho de seu sistema. O Endereço do receptor de relatório é o endereço de dos destinatários a receber os relatórios do Serviço de de entrada. Esse relatório contém todos s devolvidos e o total por código de devolução. É possível configurar o intervalo entre cada despacho usado Intervalo em minutos. O Serviço de de entrada mantém os s que recupera no disco. Isso pode ocupar muito espaço se o sistema receber imensas devoluções, para reduzir o espaço usado, é possível configurar o serviço para excluir arquivos antigos. Use Intervalo em dias para fazer isso. Códigos de devolução Existem diferentes motivos que podem levar um a ser devolvido. No Dialogue Server, esses motivos são definidos usando códigos de s devolvidos. Cada código de devolução representa um motivo para um ser devolvido, s com códigos de devolução diferentes podem ser tratados de forma diferente pelo sistema. A ação de devolução determina a forma como tratar um devolvido com um código de devolução específico. Existem três tipos de ação possíveis: ignorar - o devolvido é ignorado e o sistema não toma qualquer ação evento - é postado um evento se o sistema conseguir identificar o destinatário original do encaminhar - o devolvido é encaminhado para um endereço de específico Atualizar registro de mensagem determina se a tabela do banco de dados MESSAGE_LOG será atualizada quando um for devolvido. Essa atualização irá ocorrer somente se o sistema conseguir identificar o original usando as informações do devolvido. Configuração de atividade A "Configuração de atividade" contém subnós usados para configurar tipos de atividade e comportamento de tarefas. Tipos de atividade Os tipos de atividade são as definições das atividades do cliente armazenadas no Dialogue Database. Uma atividade descreve uma interação com um cliente. É possível definir diversos tipos de atividade. Ao configurar uma atividade, é possível especificar se é possível um usuário inserir manualmente tal atividade por meio da aplicação Web. Algumas atividades são postadas automaticamente quando os diálogos são executados, outras atividades são postadas através da aplicação Web por um usuário ou através da API do Dialogue Server de outros sistemas de 18 Portrait Dialogue 6.0 SP1

19 Capítulo 1: Dialogue Admin aplicação. Existe um procedimento armazenado disponível para postar atividades diretamente no Dialogue Database. Opções de acompanhamento da tarefa As opções de acompanhamento da tarefa são valores padrão ao configurar o tempo de acompanhamento de uma tarefa. Podem ser definidos quaisquer conjuntos de opções e esses itens serão listados na interface de usuário em uma lista suspensa. Intervalos de visualização da tarefa Os intervalos de visualização da tarefa são valores padrão ao filtrar a lista Minhas tarefas na Customer View. Podem ser definidos quaisquer conjuntos de intervalos e esses itens serão listados na interface do usuário. Campos de tarefas Os campos de tarefas são um conjunto de campos que mapeiam campos de dados nos domínios de cliente. Uma tarefa está relacionada (ou registrada) a um cliente em um domínio de cliente. Ao exibir uma lista de tarefas, essas podem estar relacionadas com os clientes de domínios diferentes. Para ser possível exibir informações de clientes em uma lista dessas, o conceito de campos de tarefas terá de ter sido introduzido. Um campos de tarefas mapeia os campos de dados nos domínios de cliente sendo usados com tarefas. Quando o sistema gera uma lista de tarefas com colunas de campo de tarefa, os dados dos domínios diferentes são recuperados e exibidos nessas colunas. No Dialogue Database, a tabela TASK_FIELD define os campos de tarefa enquanto o TASK_FIELD_MAPPING guarda as referências para os campos de domínio. Os campos de tarefa são usados tanto no Task Manager no Visual Dialogue como em Minhas tarefas na Customer View. Tipos de canais Os tipos de canais são todos os mídia e outras formas/métodos usados para comunicar com os clientes. Alguns canais são canais de comunicação físicos, como , fax ou SMS. Outros canais representam situações de comunicação, como reuniões. É instalado um conjunto de tipos de canais padrão com o Dialogue Database, sendo possível configurar livremente os tipos de canais, conforme apropriados. Canais de saída Um canal de saída é uma implementação física de um canal para comunicações de saída. Guia de referência 19

20 Canais de saída Por exemplo, para o tipo de canal de , digite as implementações pertencentes do canal de saída, através de um plug-in de canal, a lógica para enviar s usando o protocolo SMTP. Para alguns tipos de canais, pode ser mais apropriado usar mais do que uma implementação física, por exemplo, o envio de mensagens SMS terá uma variedade de implementações dependendo do fornecedor de serviço SMS (a operadora de telecomunicações usada para distribuir mensagens de SMS). Um plug-in do canal de saída define um conjunto de parâmetros de controle. Alguns desses parâmetros são fixos e configurados mediante as propriedades do canal de saída. Outros parâmetros de controle são configurados para cada modelo de mensagem. Os seguintes parágrafos contêm uma descrição dos parâmetros de controle fixos usados pelos canais eletrônicos instalados. Parâmetros de controle fixos para mensagem de Os seguintes parâmetros de controle fixo são usados com o canal de saída de . Eles são, em sua maioria, valores definidos pelos protocolos de padrão. Porém, alguns são específicos para o Dialogue Server. IP do host Smtp O nome ou o endereço IP do servidor de SMTP usado para enviar s. Esse parâmetro é necessário. Porta do host Smtp O número da porta usada pelo servidor de SMTP. O número padrão é o 25. Esse parâmetro é necessário. Tempo limite de conexão Nome do usuário Password Agente de Conjunto de caracteres padrão Codificação da transferência de conteúdo QuotedPrintable RFC2045 O valor de tempo limite em milissegundos usado ao tentar ligar ao serviço de e- mail SMTP. Esse parâmetro é necessário. Especifica o nome de usuário usado para iniciar sessão no servidor de SMTP, se for necessária autenticação. Especifica a senha usada para iniciar a sessão no servidor de SMTP, se for necessária autenticação. Um parâmetro opcional que identifica o programa que criou a mensagem de e- mail. O valor padrão é o Dialogue Server Indica o conjunto de caracteres padrão usado para a mensagem de . O conjunto de caracteres padrão é o UTF-8 Indica a codificação de transferência padrão usada para a mensagem de . Os valores possíveis são: quoted-printable, base64 e 7 bits. A codificação padrão é quoted-printable. Indica se a mensagem deve ser compatível com RFC O valor padrão é True. Endereço de devolvido Especifica um endereço de de caminho de Retorno. Por padrão, (se esse campo estiver vazio) o campo do cabeçalho do caminho de Retorno é configurado para o mesmo que o campo De da mensagem de . Tipicamente, isso é usado para encaminhar todas as mensagens devolvidas para uma conta de devolução. 20 Portrait Dialogue 6.0 SP1

21 Capítulo 1: Dialogue Admin Gerar devolução em caso de erro Especifica se deve ser gerado e enviado um devolvido para a conta de configurada para receber s devolvidos. Se for True, os s devolvidos são gerados quando ocorrem erros, conforme especificado nos parâmetros Códigos de erro de devolução permanente e Códigos de erro de devolução temporária. Códigos de erro de devolução permanente Códigos de erro de devolução temporária Uma lista separada por vírgulas de códigos de erro SMTP tratados como s devolvidos permanentemente. Uma lista separada por vírgulas de códigos de erro SMTP tratados como s devolvidos temporariamente. Destino de saída Caminho de saída Especifica a saída do plug-in de envio de . Os valores possíveis são: Nenhum, Smtp e Arquivo. O valor padrão é Smtp. Usado para especificar o caminho completo para o local onde os arquivos de e- mail são armazenados, caso seja usado um destino de saída do Arquivo. Parâmetros de controle fixos para mensagens do Facebook Não existem parâmetros de controle fixos para os canais de saída do Facebook. Todos os parâmetros de controle do Facebook são configurados com base por modelo de mensagem. Parâmetros de controle fixos para mensagem FTP Não existem parâmetros de controle fixos para o canal de saída FTP. Todos os parâmetros de controle FTP são configurados com base por modelo de mensagem. Parâmetros de controle fixos para mensagem SMS Os parâmetros de controle a seguir são usados com mensagens SMS. Servidor url Observação: Uma URL para a gateway de SMS fornecida pela empresa fornecedora do serviço SMS. Servidor url é necessário. Os parâmetros de controle para os tipos de mensagem SMS podem ser diferentes de instalação para instalação pois o sistema é configurado para usar diferentes fornecedores de gateway de SMS. Os parâmetros listados aqui são os utilizados com o provedor de gateway SMS ScanGIT na Noruega. Parâmetros de controle fixos para mensagens do Twitter Não existem parâmetros de controle fixos para os canais de saída do Twitter. Todos os parâmetros de controle do Twitter são configurados com base por modelo de mensagem. Guia de referência 21

22 Tipos de mensagem Tipos de mensagem Os tipos de mensagem são definições de como as mensagens são criadas. Uma mensagem modelo ou base é sempre baseada em um tipo de mensagem. Um tipo de mensagem usa um plug-in para criar a mensagem. Normalmente, esse plug-in irá mesclar o modelo da mensagem ou a mensagem base com os dados do cliente (de um domínio de clientes). É possível personalizar um plug-in de mensagem. É instalado um conjunto de plug-ins padrão com o Dialogue Server: Plug-in de mesclagem de texto Plug-in de mesclagem de RTF Plug-in de transformação de XSL Plug-in de mesclagem do Microsoft Word Ao configurar tipos de mensagem, é possível configurar um conjunto de propriedades. Os mais importantes são: Um canal de saída opcional usado para enviar mensagens desse tipo O plug-in usado para criar (mesclar) a mensagem Um tipo de atividade padrão para gerar quando esse tipo de mensagem é criado Seja para usar o editor de mensagens interno para editar mensagens modelos ou base ou um editor externo. Otimização do armazenamento de mensagens A opção Permitir a otimização do armazenamento determina se é possível otimizar a forma como as mensagens são armazenadas no banco de dados para reduzir a quantidade de dados armazenados. A otimização do armazenamento tem de ser suportada pelo plug-in de mensagens usado. O Plug-in de mesclagem de texto e o Plug-in de mesclagem de RTF suportam a otimização do armazenamento. Se Permitir otimização do armazenamento estiver desligado, o conteúdo final da mensagem é sempre armazenado. Recursos Recursos contém uma coleção de itens específicos de sistema de baixo nível. Esses itens são tipicamente administrados por usuários técnicos responsáveis pela integração com outros sistemas e fontes de dados, assim como a implementação de plug-ins personalizados. Repositório SQL O Repositório SQL contém grupos de instruções SQL personalizadas usadas pelo Dialogue Server. Existem várias áreas nas quais as consultas SQL podem ser adicionadas e personalizadas: Para recuperar dados nos domínios de cliente 22 Portrait Dialogue 6.0 SP1

23 Capítulo 1: Dialogue Admin Para atualizar dados dos domínios de cliente Para executar instruções SQL dos plug-ins personalizados Para implementar operações selecionar e dividir no diálogo baseado em instruções SELECT Observação: Quando o item de menu Visualizar > Dados do sistema é selecionado, as consultas SQL usadas internamente pelo Dialogue Server são mostradas conjuntamente com as consultas SQL personalizadas. Essas consultas SQL não devem ser modificadas. Bancos de dados secundários Normalmente, as instruções SQL são executadas usando a conexão padrão. A conexão padrão é a Conexão OLE DB usada para conectar ao Dialogue Database. Porém, por vezes o Dialogue Server necessita recuperar dados de outros bancos de dados por meio de outras conexões. Por exemplo, um conjunto de arquivos de banco de dados paradox podem representar um banco de dados do cliente. Esse banco de dados alternativo é chamado Banco de dados secundário e possui sua própria conexão de banco de dados. Ao configurar um banco de dados secundário, é configurado um string de conexão OLE DB. Além disso, é necessário especificar um tipo de banco de dados para que o Dialogue Server saiba como formatar as instruções SQL. DICA: Diversos drivers OLE DB e ODBC acessados por meio de OLD DB não suportam o pool de conexão e transação MTS. Isso pode causar erros como "Falha a inscrever a transação do chamador". Para ignorar o pool automático da conexão e da inscrição da transação, adicione a seguinte string de conexão: ;OLE DB Services=-3 Em alguns casos, os valores apropriados podem ser 0 ou -4, em vez de -3. Tenha em atenção que adicionar essa configuração irá desativar as transações para essa conexão de banco de dados. Servicios Web Os serviços Web contêm um conjunto de serviços Web conhecidos do Dialogue Server. Quando o servidor sabe como chamar um serviço Web, esse pode ser usado como fonte de dados em um domínio de cliente ou pode ser chamado de uma operação em um diálogo. Observação: Os serviços Web e sua aplicação não foram totalmente implementados na versão atual. Repositório de plugin O Repositório de plugin contém pedaços de código ou plug-ins que implementam funções personalizáveis. É possível implementar e instalar um plug-in como um objeto COM, um classe.net ou um script. A abordagem de script usa o Script do Windows e suporta idiomas de script instaladas como VBScript JScript e PerlScript. O Dialogue Server irá carregar e chamar os plug-ins quando necessário. Por exemplo, os plug-ins são chamados quando uma operação de diálogo é executada. Tipos diferentes de plug-ins Existem seis grupos de plug-ins: Guia de referência 23

24 Repositório de plugin Plug-ins de dados do cliente Esses plug-ins são usados na definição dos domínios de cliente para atualizar dados do cliente. Plug-ins da ramificação do diálogo Esses plug-ins implementam ramificações nas operações de diálogo. Muitos dos plug-ins da ramificação padrão instalados com o sistema são implementados como scripts e são open-source. Plug-ins de expressão Esses plug-ins implementam funções de expressão definidas pelo usuário. Plug-ins de mensagem Esses plug-ins são responsáveis por criar mensagens. Por exemplo, um dos plug-ins padrão mescla modelos Word com dados do cliente. Plug-ins do canal de saída Esses plug-ins implementam a comunicação física (saída) por meio de um canal. Por exemplo, o "plug-in de envio de " envia mensagens de por meio do protocolo SMTP. Plug-ins genéricos Esses plug-ins implementam uma lógica personalizada por meio da API do Dialogue Server com um qualquer número de parâmetros de entrada e um valor de retorno. Estes quatro tipos de plug-ins seguem diferentes regras de implementação. As funções implementadas por diferentes tipos de plug-ins são diferentes. Consulte a seção sobre APIs do Plug-in para obter uma descrição detalhada. Instalar plug-ins implementados como objetos COM Os plug-ins implementados como objetos COM devem ser registradas localmente em computadores hospedando o Dialogue Server. Normalmente, os objetos COM são registrados usando a ferramenta do Windows regsvr32.exe. No Dialogue Admin, o GUID representando o ID da classe do objeto COM deve ser inserido na janela Propriedades do plug-in. Instalar plug-ins implementados como classes.net São criados plug-ins baseados em.net como classes em uma biblioteca de classe.net. O nome do arquivo e o caminho da biblioteca compilada ou a montagem devem ser especificados na janela Propriedades do plug-in no Dialogue Admin. O caminho deve ser um caminho local no computador hospedando o Dialogue Server - não um recurso de rede. Além disso, o nome e o namespace da classe devem ser especificados. É possível especificar um arquivo de configuração (similar a app.config) para um plug-in.net. O arquivo de configuração deve ser colocado no mesmo diretório que a montagem.net e deve ter o mesmo nome da montagem mais o.config. Exemplo: myplugin.dll.config deve ser o nome do arquivo de configuração para a montagem myplugin.dll. Para plug-ins baseados em.net, existe um opção chamada "Executar sempre em um domínio de aplicação separado". Se essa opção for selecionada, cada instância da classe do plug-in será criada em um novo domínio de aplicação.net. A criação de novos domínios de aplicação envolve mais inicialização e pode diminuir o desempenho. Isso acontece, por exemplo, se a WCF (Windows Communication Foundation) necessitar ser inicializada. Porém, essa opção é útil se as instâncias do 24 Portrait Dialogue 6.0 SP1

25 Capítulo 1: Dialogue Admin plug-in necessitarem ser separadas, por exemplo, devido a problemas com a segurança do thread. Note que para o "Plug-in de envio de do MH", essa opção deve ser selecionada. Usuários e segurança Usuários e segurança contem subnós para configurar usuários do sistema e grupos de usuários e seus direitos de acesso, assim como a segurança do objeto. Usuários Os usuários são os operadores (ou pessoas) com acesso ao Portrait Dialogue. Um usuário tem um nome de usuário, nome completo e uma senha. Além disso, é possível configurar algumas propriedades adicionais como endereço de e celular. Um usuário tem diferentes direitos de acesso ao sistema e pode ser membro de um ou mais grupos de usuários. Um usuário herda os direitos de acesso de grupos dos quais é membro. O usuário chamado "interno" é usado internamente e deve ser modificado. DICA: Para copiar um usuário, selecione o usuário e escolha Item > Fazer cópia a partir do menu. Grupos de Usuários Um grupo de usuários é um grupo de usuários do sistema. Os direitos de acesso atribuídos a um grupo são herdados por seus membros. Direitos de acesso A tabela abaixo descreve os diferentes direitos de acesso que é possível atribuir aos usuários e aos grupos de usuários. Módulo Dialogue Server Dialogue Admin Direito de acesso Permite ao usuário criar sessões de usuário para outros usuários Permitir início de sessão no Dialogue Admin Descrição É possível o usuário iniciar sessão em nome de outro usuário usando método API LoginDelegate. Permite ao usuário iniciar sessão em uma instância do Dialogue Admin. Permite ao usuário a alteração de dados no Dialogue Admin Permite aos usuários efetuar alterações no Dialogue Admin, exceto alterações relacionadas com a segurança e os usuários do sistema. Permite ao usuário alterar a segurança do sistema Permite aos usuários alterar a segurança do sistema no Dialogue Admin. Guia de referência 25

26 Direitos de acesso Diálogo Permitir início de sessão no Dialogue Permite ao usuário criar novos diálogos Permite aos usuários iniciar sessão no Dialogue. Os usuários podem criar novos diálogos no Dialogue. Permite ao usuário editar diálogos Os usuários podem editar e alterar diálogos no Dialogue. Permite ao usuário excluir diálogos Permite ao usuário executar diálogos Permite ao usuário limpar diálogos Permite ao usuário conceber questionários Permite ao usuário excluir dados de resposta no Dialogue Permite ao usuário acessar o Organizador de tarefas Permite ao usuário acessar o resumo das tarefas Permite ao usuário criar novos modelos de relatório Os usuários podem excluir diálogos no Dialogue. Os usuários podem executar operações de diálogo na visualização de execução de um diálogo. Os usuários podem limpar todos os dados de execução de um diálogo, incluindo a exclusão de todos os participantes de um diálogo. Os usuários podem criar, alterar e excluir questionários. Os usuários podem excluir dados de resposta do Dialogue. Os usuários podem abrir e usar o módulo Organizador de tarefas no Dialogue. Não inclui o direito de acesso à vista resumo da tarefa. Os usuários podem acessar a vista resumo da tarefa (não requer o acesso ao Organizador de tarefas). Os usuários podem criar novos modelos de relatório no Dialogue. Permite ao usuário editar modelos de relatório Permite ao usuário excluir rastreamento de s e de links Os usuários podem editar e excluir modelos de relatório no Dialogue. Os usuários podem excluir rastreamento de s e de links do Dialogue. Permite ao usuário conceber modelos principais Permite ao usuário conceber objetos de conteúdo Os usuários podem criar, alterar e excluir modelos principais. Os usuários podem criar, alterar e excluir objetos de conteúdo. Permite ao usuário exportar dados do cliente no Dialogue Os usuários podem exportar dados do cliente do Dialogue Permite ao usuário exportar objetos no Dialogue Os usuários podem exportar objetos do Dialogue 26 Portrait Dialogue 6.0 SP1

27 Capítulo 1: Dialogue Admin Customer View Web de telemarketing Permite ao usuário importar objetos no Dialogue Permite ao usuário iniciar sessão na Customer View Permite ao usuário procurar dados do cliente Permite ao usuário editar dados do cliente Permite ao usuário excluir clientes Permite ao usuário editar atividades Permite ao usuário excluir atividades Permite ao usuário editar mensagens Permite ao usuário excluir mensagens Permite ao usuário visualizar formulários de resposta Permite ao usuário editar formulários de resposta Permite ao usuário excluir formulários de resposta Permite ao usuário editar associações de categoria Permite ao usuário excluir associações de categoria Permite ao usuário procurar diálogos (Web) Permite ao usuário editar a participação do diálogo (Web) Permite ao usuário excluir a participação do diálogo (Web) Permite ao usuário acessar projetos de telemarketing Os usuários podem importar objetos para o Dialogue. Os usuários podem iniciar sessão no módulo Web da Customer View. Os usuários podem pesquisar por clientes em domínios de cliente e visualizar dados de clientes individuais. Os usuários podem adicionar novos clientes e editar clientes existentes. Os usuários podem excluir clientes existentes. Os usuários podem adicionar e editar atividades de um cliente. Os usuários podem excluir as atividades de um cliente. Os usuários podem adicionar e editar mensagens de um cliente. Os usuários podem excluir as mensagens de um cliente. Os usuários podem visualizar formulários de resposta registrados em um cliente. Os usuários podem adicionar e editar formulários de resposta de um cliente. Os usuários podem excluir um formulário de resposta registrado a um cliente. Os usuários podem adicionar e editar associações de categoria. Os usuários podem remover uma associação de categoria de um usuário. Os usuários podem procurar os diálogos nos quais um cliente participa. Os usuários podem adicionar um cliente a um diálogo se o mesmo tiver grupos que permitam inserções manuais de participantes. Os usuários podem excluir um cliente de participar em um diálogo. Os usuários podem iniciar sessão no módulo Web de telemarketing e acessar qualquer Guia de referência 27

28 Direitos de acesso projeto TM. Esses usuários podem agir como operadores em todos os projetos. Observação: Normalmente, os usuários são atribuídos a projetos de telemarketing por meio do designer de telemarketing no Dialogue e não têm acesso a todos os projetos. Report Portal Dashboard Portal da Web Permite ao usuário acessar os relatórios do projeto TM Permite ao usuário iniciar sessão no Report Portal Permite ao usuário executar relatórios Permite ao usuário visualizar relatórios arquivados Permite ao usuário salvar relatórios em arquivo Permite ao usuário excluir relatórios do arquivo Permite ao usuário substituir os parâmetros do sistema Permite ao usuário iniciar sessão no Dashboard Permite ao usuário alterar suas próprias configurações do Dashboard Permite ao usuário alterar as configurações padrão dos Dashboards Permite ao usuário acessar o Designer de mensagem Os usuários podem visualizar a página de relatório de telemarketing dentro do módulo Web de Telemarketing. Os usuários podem iniciar sessão no Report Portal. Os usuários podem executar relatórios do Report Portal. Os usuários podem visualizar relatórios arquivados a partir do Report Portal. Os usuários podem salvar relatórios que executaram no Report Portal para o arquivo de relatório. Os usuários podem excluir relatórios arquivados no Report Portal. Os usuários podem alterar os parâmetros do id do usuário e do nome de usuário nos relatórios do sistema. Os usuários pode iniciar sessão no Dashboard. Os usuários podem configurar widgets compartilhados entre si e adicionar e configurar seus próprios widgets. Os usuários podem adicionar e configurar widgets compartilhados por todos os usuários. Os usuários podem iniciar sessão no Designer de mensagem. Permite ao usuário editar modelos do Designer de mensagem Os usuários podem criar e editar modelos no Designer de mensagem. 28 Portrait Dialogue 6.0 SP1

29 Capítulo 1: Dialogue Admin Permite ao usuário excluir modelos do Designer de mensagem Os usuários podem excluir modelos no Designer de mensagem. Permite ao usuário verificar a taxa de spam de modelos Permite ao usuário testar o envio de mensagens Os usuários podem usar a funcionalidade da taxa de spam no Designer de mensagem. Os usuários podem usar a funcionalidade de teste de envio no Designer de mensagem. Plug-in do Outlook Permite ao usuário iniciar sessão no plug-in do Outlook do MS Os usuários podem iniciar sessão e usar o plug-in do Outlook. Segurança do objeto A Segurança do objeto contém objetos de diferentes tipos para os quais é possível definir propriedade e em algumas instâncias desbloquear objetos onde a opção bloquear/desbloquear é aplicável. Cada objeto tem um proprietário. Por padrão, o proprietário é o usuário que criou o objeto. O usuário pode bloquear vários tipos de objetos que está a editar atualmente no Visual Dialogue. Se um objeto necessitar ser explicitamente desbloqueado, é possível realizar essa ação a partir da janela "Propriedades do objeto" por um administrador do sistema. Além disso, alguns tipos de objetos podem ter direitos de acesso configurados individualmente. Existem quatro desses tipos de objetos: Domínios de cliente É possível configurar em detalhe os direitos de acesso de um domínio de cliente. Esses direitos de acesso aplicam-se a usuários nas aplicações Web. Diálogos É possível configurar em detalhe os direitos de acesso de cada diálogo. Isso controla os direitos de acesso dentro do Visual Dialogue. Modelos de relatório É possível configurar em detalhe os direitos de acesso para cada modelo de relatório. Isso controla o acesso ao designer do modelo de relatório no Visual Dialogue e o acesso ao modelo no Report Portal da Web. Projetos de Telemarketing Cada projeto de telemarketing aparece como um objeto. É possível configurar direitos de acesso como "Permite ao usuário agir como operador de TM". Descrição dos direitos de acesso que se aplicam a objetos A tabela abaixo descreve os diferentes direitos de acesso que é possível atribuir aos usuários e aos grupos de usuários por objetos. tipo de objeto Direito de acesso Descrição Guia de referência 29

30 Segurança do objeto Domínio do cliente Permite ao usuário acessar aos dados do cliente no domínio Os usuários podem pesquisar e visualizar clientes no domínio. Permite ao usuário editar os dados do cliente no domínio Os usuários podem adicionar novos clientes e editar clientes existentes no domínio. Permite ao usuário excluir clientes no domínio Os usuários podem excluir clientes no domínio. Permite ao usuário editar atividades no domínio Os usuários podem adicionar e editar atividades de clientes no domínio. Permite ao usuário excluir atividades no domínio Permite ao usuário editar mensagens no domínio Permite ao usuário excluir mensagens no domínio Permite ao usuário acessar formulários de perguntas no domínio Permite ao usuário editar formulários de perguntas no domínio Os usuários podem excluir atividades de clientes no domínio. Os usuários podem adicionar e editar mensagens de clientes no domínio. Os usuários podem excluir mensagens de clientes no domínio. Os usuários podem procurar e visualizar formulários de resposta de clientes no domínio. Os usuários podem registrar formulários de resposta novos e alterar outros existentes no domínio. Permite ao usuário excluir formulários de resposta no domínio Os usuários podem excluir formulários de resposta registrados em clientes no domínio. Permite ao usuário editar associações de categoria Permite ao usuário excluir associações de categoria Os usuários podem adicionar e alterar as associações de categoria dos clientes no domínio. Os usuários podem remover associações de categoria de clientes no domínio. Permite ao usuário editar a participação do diálogo no domínio (Web) Permite ao usuário excluir a participação do diálogo no domínio (Web) Os usuários podem adicionar clientes como participantes do diálogo no domínio. Isso é somente possível para diálogos que têm grupos que permitem inserções manuais de participantes. Os usuários podem excluir clientes de participar em um diálogo no domínio. Diálogo Editar diálogo Excluir diálogo Os usuários podem editar o diálogo no Visual Dialogue. Os usuários podem excluir o diálogo no Visual Dialogue. 30 Portrait Dialogue 6.0 SP1

31 Capítulo 1: Dialogue Admin Modelo de relatório Executar diálogo Limpar diálogo Editar modelo de relatório Executar relatório Visualizar relatórios arquivados Salvar relatório para o arquivo Excluir relatórios do arquivo Os usuários podem executar operações na visualização de execução do diálogo no Visual Dialogue. Os usuários podem limpar o diálogo no Visual Dialogue. Isso exclui todos os dados de execução do diálogo, incluindo todos seus participantes. Os usuários podem editar e excluir o modelo de relatório no Visual Dialogue. Os usuários podem executar o relatório a partir do Report Portal. Os usuários podem visualizar relatórios arquivados a partir do Report Portal. Os usuários podem salvar relatórios que executaram no Report Portal para o arquivo de relatório. Os usuários podem excluir relatórios arquivados no Report Portal. Substituir os parâmetros do sistema Os usuários podem alterar os parâmetros do id do usuário e do nome de usuário nos relatórios do sistema. Projeto de telemarketing Permite ao usuário agir como um Operador de TM Permite ao usuário acessar o relatório do projeto TM Os usuários podem agir como operadores de TM no projeto de telemarketing. Esse direito de acesso é atribuído por meio do designer de telemarketing no Visual Dialogue. Os usuários podem visualizar a página de relatório do projeto no módulo Web de telemarketing. Registro da sessão do usuário O Registro da sessão do usuário dá acesso ao histórico dos logons do usuário, incluindo os usuários atualmente como sessão iniciada. DICA: Para fazer logoff de um usuário ativo, selecione o usuário no nó "Ativo" e escolha Item > Logoff da sessão a partir do menu. Guia de referência 31

32 Administrador geral Administrador geral O Administrador geral é uma coleção de diversos itens configuráveis. Coleções de parâmetros As coleções de parâmetros são conjuntos diferentes de parâmetros do sistema. Um parâmetro do sistema é uma configuração que pode ser alterada pelo administrador do sistema. É possível adicionar parâmetros e coleções de parâmetros. Sistemas de aplicação Um Sistema de aplicação pode ser um módulo de aplicação padrão do Portrait Dialogue ou outro sistema integrado com o Dialogue Server. O conceito do sistema de aplicação é usado nos seguintes contextos: Logon Quando uma aplicação faz logon no Dialogue Server, tem de especificar um sistema de aplicação válido. Eventos Quando um evento é postado no Dialogue Server, o servidor irá seguir o sistema de aplicação que postou o evento. Manutenção da tabela A Manutenção da tabela dá aos usuários acesso às tabelas do banco de dados no Dialogue Database: Propriedades Selecionar uma tabela e escolher Item > Propriedades fornece uma lista descritiva de colunas na tabela selecionada. Abrir Selecionar uma tabela e escolher Item > Abrir fornece acesso para editar dados na tabela selecionada. AVISO: A edição de dados em uma tabela de banco de dados deve ser somente efetuada por um técnico certificado com conhecimentos do modelo Dialogue Database. Serviços Públicos O suporte da Microsoft tende a usar três utilitários principais para a depuração de transações e erros associados do MSDTC: DTCPing baixar a partir de e documentado em Use a ferramenta DTCPing 32 Portrait Dialogue 6.0 SP1

33 Capítulo 1: Dialogue Admin para verificar o suporte a transações distribuídas através de firewalls ou em redes. A ferramenta DTCPing deve estar instalada no computador do servidor e do cliente, sendo uma boa alternativa para o utilitário DTCTester quando o SQL Server não está instalado em nenhum dos computadores. DTCTester baixar a partir de e documentado em Use a ferramenta DTCTester para verificar o suporte a transações distribuídas através de firewalls ou em redes. O utilitário DTCTester usa o ODBC para verificar o suporte a transações em um banco de dados do SQL Server e, por esse motivo, necessita do SQL Server instalado em um dos computadores sendo testado. NetMon encontrado nos discos de instalação ou no kit de recursos do Windows. Guia de referência 33

34

35 Capítulo 2 Domínios de cliente e Expressões Nesta seção: Domínios de cliente e Expressões Introdução aos domínios Domínios de cliente no Visual Dialogue Domínios de cliente na Customer View Detalhes da configuração do domínio de cliente Verificação do domínio de cliente Expressões

36 Domínios de cliente e Expressões Domínios de cliente e Expressões Introdução O Portrait Dialogue tem a capacidade de acessar dados do clientes por meio de uma variedade de origens. Para definir a forma como os dados do cliente são acessados, é usado o conceito de domínio de cliente. Os domínios de cliente são configurados no Dialogue Admin e representam todos os tipos diferentes de clientes no Dialogue Server. Temos como exemplo de domínios de cliente: pessoas, mercado B2B, residências ou clientes potenciais. Um domínio de cliente pode ser composto por dados de mais do que uma origem. O Dialogue Server usa a definição do domínio de cliente para acessar aos dados do cliente e para disponibilizar esses dados às aplicações por meio de sua API. No topo dos domínios de cliente, está definida um idioma de expressões. Expressões são uma forma unificada de consultar dados do cliente - independentemente da origem das informações subjacentes. Introdução aos domínios A introdução aos domínios fornece uma introdução à forma como os domínios são configurados. Em um fluxo de trabalho passo a passo, é criado um domínio simples. O domínio criado nesse tutorial representa indivíduos no Banco de dados do cliente padrão. O primeiro passo do tutorial é Criar o grupo principal SQL. Passo 1 - Criar o grupo principal SQL Para definir um domínio de cliente, necessitamos primeiro escrever uma instrução SQL que selecione clientes do banco de dados. Chamamos a isso o grupo principal SQL pois define o grupo de dados principal no domínio. Neste exemplo, selecionamos indivíduos do Banco de dados do cliente padrão. Isso envolveu selecionar a partir de duas tabelas, cliente e pessoa. Conforme mostrado na imagem abaixo, é escrita uma instrução SELECT para recuperar um seleção apropriada das colunas das duas tabelas. 36 Portrait Dialogue 6.0 SP1

37 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões A instrução SQL é armazenada no Repositório SQL no Dialogue Admin. Para adicionar uma definição SQL ao Repositório SQL, selecione um grupo SQL no navegador (lado esquerdo da tela) e escolha Item > Novo... a partir do menu. Passo 2 - Adicionar o domínio O segundo passo será adicionar o próprio domínio. Marque o nó Domínios de cliente em Dialogue Admin e selecione Item > Novo... a partir do menu. Uma janela a pedir o nome do novo domínio aparece. Após digitar o nome, o Editor do domínio de cliente é exibido no Dialogue Admin. Passo 3 - Adicionar o Grupo de dados principal O próximo passo é adicionar o grupo de dados principal ao domínio usando o SQL definido no passo 1. Adicione um novo grupo selecionando Grupo > Novo... a partir do menu. A janela Propriedades do grupo é exibida. Guia de referência 37

38 Passo 4 - Adicionar os campos Primeiro, escolha um nome para o grupo principal e depois uma descrição, opcionalmente. A seguir, selecione a guia Origem de dados para relacionar o SQL criado no passo 1 para o grupo. Use o botão marcado com "..." para selecionar o SQL. A janela do navegador do SQL é exibida. Encontre o SQL criado no passo 1 e clique em OK. Agora, o grupo está configurado para recuperar dados usando a instrução SELECT especificada. Para concluir a adição do grupo, clique em OK na janela propriedades. Passo 4 - Adicionar os campos Após adicionar o grupo de dados principal, necessitamos adicionar os campos ao grupo. Selecione Campo > Atualizar lista de campo... a partir do menu. As colunas na cláusula SELECT do SQL aparecem agora como campos do grupo. Para ser possível identificar unicamente clientes no domínio, o sistema necessita ser indicado qual o campo que identifica unicamente os clientes. Portanto, necessitamos especificar um campo como o campo de identificação do grupo. No Banco de dados do cliente, a coluna cust_char_id da tabela cliente foi concebida para funcionar como um ID único de um domínio. Para especificar o ID único, marque cust_char_id e selecione Campo > Usar como campo do ID a partir do menu. cust_char_id está agora marcado como o campo de identificação e é exibido um ícone de chave à frente do nome do campo para indicar isso. Passo 5 - Editar propriedades do campo Um campo tem muitas propriedades que podem estar configuradas. Todas as propriedades são descritas em detalhe em Campos na página 47. Na guia Geral da janela propriedades, é possível fornecer um nome amigável ao campo, diferente de seu nome de coluna do banco de dados, também é possível adicionar uma descrição de campo mais detalhada para ajudar os usuários a compreender o campo. Na guia Web da janela propriedades, é possível configurar opções relacionadas com aplicações Web, por exemplo, se o campo deve ser pesquisável na Customer View. Passo 6 - Ativar o novo Domínio O novo domínio está agora quase pronto para ser testado. Porém, precisamos primeiro ativar e salvar o domínio. Algumas propriedades-chave do domínio são controladas na janela de propriedades do domínio. Para abrir essa janela, selecione Arquivo > Propriedades... do menu. Para ativar o domínio, marque Ativado na janela de propriedade. A razão por que um domínio é desativado por padrão deve-se a fato dos domínios em construção não deverem ser visíveis para usuários finais das aplicações Web. Para tornar o domínio disponível na Customer View, clique na guia Web da janela de propriedades. Marque Mostrar Customer View. O domínio se torna disponível na página de pesquisa na Customer View. A guia Web também contém algumas outras opções. 38 Portrait Dialogue 6.0 SP1

39 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Campo de nota é um campo opcional exibido em uma guia separada na Customer View. Grupo de endereço é um grupo opcional que contém endereços. Se for especificado, é tratado especialmente na interface do usuário da Customer View. Ativar perfil web do cliente especifica se a aplicação Customer Web Access ativa as páginas do perfil do cliente para esse domínio. Se ativado, os s que contêm links para a página de perfil podem ser enviados para um cliente nesse domínio. Campo de exibição é qualquer campo para exibir ao criar links para os clientes, por exemplo, na lista de Clientes recentes na Customer View. Por padrão, o ID de cliente é usado mas para ver um nome de exibição mais amigável, esse tutorial usa uma concatenação do primeiro nome e do apelido. Finalmente, podemos fechar a janela de propriedades do domínio e selecionar Arquivo > Salvar do menu para salvar todas as alterações no novo domínio. Passo 7 - Testar o domínio na Customer View Para pesquisar clientes no novo domínio, abra a Customer View e escolha Pesquisar > Pessoas do menu à esquerda. Os campos do domínio estão agora disponíveis como critérios de pesquisa. Note que os novos nomes de campo editados são exibidos e não os nomes recuperados a partir do SQL. Realize uma pesquisa digitando alguns critérios de pesquisa (por exemplo, A* no campo Nome). Para exibir um cliente, clique duas vezes em um cliente na lista Pesquisar resultados. Passo 8 - Testar o domínio no Designer de seleção Para testar o novo domínio no Designer de seleção, inicie o Visual Dialogue e escolha Arquivo > Novo > Seleção do menu. É exibido o Novo assistente de seleção e o novo domínio de cliente pode ser selecionado na lista suspensa do Domínio de cliente. O Designer de seleção é mostrado agora sem quaisquer critérios definidos. No lado direito da tela, a caixa de ferramentas do Visual Dialogue mostra campos do novo domínio. A caixa de ferramentas ajuda o usuário a definir critérios para seleções. Por exemplo, para projetar um critério relacionado com o campo Registrado, clique duas vezes em Registrado na caixa de ferramentas. Uma janela de critério aparece. Após definir o critério, pode usar Seleção > Seleção de amostra para obter uma visualização dos clientes que correspondem aos critérios. Passo 9 - Mais Informação sobre os domínios Para obter informações mais detalhadas sobre os domínios de cliente, consulte a seção Detalhes sobre a configuração do domínio de cliente, que descreve todas as propriedades do próprio domínio e os seus grupos e campos. Guia de referência 39

40 Domínios de cliente no Visual Dialogue Domínios de cliente no Visual Dialogue Os diferentes módulos no Visual Dialogue usam as definições do domínio de cliente para deixar o usuário projetar seleções, diálogos e modelos de mensagens Domínios de cliente e diálogos Um diálogo está sempre relacionado com um domínio de cliente específico, o que significa que todos os participantes nesse diálogo irão pertencer a esse domínio de cliente. Essa restrição se aplica porque as operações em um diálogo são configuradas com base na definição de um domínio. À medida que o diálogo é executado, os dados do cliente do domínio são usados de várias formas. Por exemplo, uma operação de pega dados por meio do domínio de cliente ao criar o conteúdo do . Uma operação de divisão usa dados do cliente para decidir como dividir clientes em grupos diferentes. Ao visualizar participantes em um grupo de diálogo, a informação exibida é recuperada usando o domínio de cliente. Domínio de cliente e seleções Ao projetar seleções no Visual Dialogue, o usuário pode criar critérios com base nas informações disponíveis, por meio do domínio de cliente. Os critérios de seleção são definidos usando a linguagem de expressão para abordar grupos e campos em um domínio. Uma seleção está sempre relacionada com um domínio de cliente específico. Ao visualizar clientes em uma seleção (seleção de amostra), a informação visualizada é um subconjunto ou todos os campos no domínio. Domínio de clientes e mensagens Ao criar um novo modelo de mensagem ( , SMS, exportação, etc.) o usuário tem de escolher o domínio de cliente que vai ser abordado. Ao criar um modelo, o usuário pode selecionar campos do domínio a serem mesclados no modelo. Por exemplo, o endereço para de um pode ser definido para o endereço de da pessoa definida no domínio. Além disso, os nomes do cliente e outras informações podem ser incluídas para personalizar a comunicação com os clientes. Domínios de cliente na Customer View A Customer View é uma aplicação Web orientada para o cliente e usada para encontrar, visualizar e editar informação do cliente. Baseia-se fortemente no conceito de domínio de cliente. Os dados do cliente disponíveis na Customer View são os grupos e campos definidos em seus domínios de cliente. 40 Portrait Dialogue 6.0 SP1

41 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Pesquisar por clientes Todos os campos no domínio de cliente podem ser definidos como pesquisáveis na Customer View. A maior parte das vezes é apropriado ter um pequeno conjunto de campos disponíveis na página de pesquisa. Isso é configurável no Dialogue Admin. Quando o usuário pesquisa um ou mais critérios, a aplicação Web compila uma expressão de pesquisa em segundo plano, a qual é enviada para o Dialogue Server. Um conjunto de dados do cliente do domínio é então retornado para a aplicação Web como um documento XML. Visualizar um cliente Ao abrir um cliente específico na Customer View, a aplicação Web consulta o servidor por dados disponíveis no domínio. A página do cliente é compilada dinamicamente com base na configuração do domínio de cliente. Registrar ou editar um cliente A página da Web usada para registrar e atualizar os dados do cliente é compilada dinamicamente usando a definição de domínio. Os grupos e campos do domínio podem ser configurados para serem atualizáveis no Dialogue Admin. Quando as alterações são aplicadas, essas são enviadas para o Dialogue Server como um documento XML. O servidor irá depois validar os dados e tomar os passos necessários para aplicar as alterações. Tudo de acordo com a configuração de domínio atual. As regras de validação de campo definidas no domínio são implementadas dinamicamente como JavaScript na página da Web de edição do cliente. Os campos de pesquisa no domínio podem ser exibidos como caixas de combinação ao editar um cliente. Além disso, as regras podem ser definidas para pesquisar valores do campo quando outro campo obtém um valor. Por exemplo, pode ser pesquisada uma cidade quando o usuário digita o cep. Tais pesquisas são definidas no domínio e implementadas como chamadas do serviço Web no JavaScript. Outras aplicações Web Outras aplicações Web também incluem Telemarketing e Acesso à web do cliente. Como a Customer View, essas aplicações usam a definição de domínio para compilar páginas dinamicamente para visualizar e editar dados do cliente. Criar suas próprias aplicações Web É incluída uma estrutura para construir aplicações Web no Microsoft ASP.NET. Essa estrutura é chamada Estrutura Web e está totalmente documentada no CD de instalação. A Estrutura Web é uma biblioteca de classes criada para fornecer serviços comuns necessários para aplicações Web que comunicam com o Dialogue Server. A estrutura facilita a gravação de aplicações que lêem e atualizam dados do cliente. Todas as aplicações Web padrão usam a Estrutura Web. Guia de referência 41

42 Detalhes da configuração do domínio de cliente Detalhes da configuração do domínio de cliente Os domínios de cliente são definidos no Dialogue Admin. Para criar um novo domínio, selecione o nó chamado Domínios de cliente no navegador de Administrador e selecione Item > Novo do menu. Para editar um domínio existente, marque o domínio no Navegador de administrador e selecione Item > Abrir do menu. A janela de edição do domínio de cliente é mostrada abaixo. O lado esquerdo é um contorno que contém os grupos de dados no domínio. O nó de nível superior é o grupo principal que define os cliente no domínio. Os subgrupos são informação adicional como empresa, endereços, atividades, etc. A parte direita da janela tem dois modos: Campos de dados e Ligações de parâmetros. O modo de alteração é efetuado usando as guias na parte inferior. O modo Campos de dados mostra todos os campos definidos no grupo de dados selecionado à esquerda. Esses campos têm um tipo de dados, tamanho e muitas outras propriedades. O modo Ligações de parâmetros descreve como os campos em um subgrupo se relacionam com o grupo principal. Propriedades dos domínios de cliente Um domínio de cliente tem um conjunto de propriedades. Escolha Arquivo > Propriedades do menu para inspecionar ou editar as propriedades. A janela de propriedade está dividida em várias guias: --> Propriedades gerais --> Propriedades da Web --> Propriedades de logon Propriedades gerais A primeira guia da janela propriedades contém as informações do domínio-chave. O diretório raiz é o caminho no qual os arquivos relacionados com um domínio são armazenados. Esses arquivos podem ser modelos, mensagens e logs. Normalmente, esse caminho não é alterado pelo usuário porque é gerado automaticamente quando é criado um domínio. Se ativado não estiver marcado, o domínio é desativado e se torna indisponível nas aplicações do cliente (Customer View, Visual Dialogue, etc.). Propriedades da Web A segunda guia da janela de propriedades contém configurações relevantes às aplicações Web. Marque Mostrar na Customer View para tornar o domínio disponível na Customer View. Campo de nota é um campo opcional mostrado na guia Nota na página do cliente na Customer View. Grupo de endereço é um grupo de dados que contém informações de endereço. Se for configurado, esse grupo é exibido de forma mais apropriada na Customer View. Ativar verificação de registros duplicados determina se a verificação de registro de duplicados foi ativada para esse domínio. A verificação de registro de duplicados é usada quando os clientes são inseridos 42 Portrait Dialogue 6.0 SP1

43 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões ou editados na Customer View. Para usar a verificação de registro de duplicados, marque Ativar verificação de registro de duplicados e implemente o método CheckForDuplicates(...) no plug-in de atualização do grupo de dados principal do domínio. Consulte Plug-ins de dados do cliente para obter mais detalhes sobre como implementar plug-ins de atualização. Ativar perfil web do cliente especifica se a aplicação Customer Web Access ativa as páginas do perfil do cliente nesse domínio. Se ativado, os s que contêm links para a página de perfil podem ser enviados para um cliente nesse domínio. Campo de exibição é o campo de domínio exibido em legendas e atalhos quando se refere a um cliente. Se não for especificado um campo de exibição, é usado o ID do cliente. Propriedades de logon A terceira guia da janela de propriedades contém configurações relevantes para a funcionalidade de autenticação de cliente incorporada. Clique em Ativar logon do cliente para ativar o logon do cliente para o domínio de cliente atual. O logon do cliente ativa a autenticação de clientes na aplicação Acesso à Web do cliente. Por exemplo, pode ser pedido a um cliente para fazer logon antes de responder a um questionário. Após o logon, o cliente é identificado e o formulário de resposta será relacionado com o cliente. Além disso, a funcionalidade de logon pode ser usada em uma aplicação personalizada, visto que os métodos usados para autenticar os clientes estão disponíveis na API Dialogue Server. Tem de ser selecionado um ID de logon. Esse tem de ser um campo único do domínio de cliente. Normalmente, o ID de contato (como na captura de tela abaixo) é único, enquanto que o primeiro nome não é. A senha pode ser configurada para ser gerada automaticamente pelo Dialogue Server ou um campo de domínio pode ser selecionado como senha. A configuração A senha não é necessária para logon de perfil web determina se somente o ID de Logon (não ambos os ID de logon e senha) devem ser especificados quando os clientes se ligam ao Perfil da Web. Para questionários, esse comportamento pode ser controlado em uma base por questionário no Visual Dialogue. Grupos de dados Tipos de grupos diferentes Um domínio contém sempre um grupo principal de dados do cliente. Esse grupo principal deve sempre recuperar seus dados usando uma instrução SQL SELECT que retorna um conjunto de dados com uma linha por cliente exatamente. Uma coluna no conjunto de dados retornado irá identificar o cliente, também chamado mh_customer_id. Além disso, um domínio de cliente pode conter subgrupos dos dados do cliente. Esses grupos de dados são de tipos diferentes: Grupos um-para-muitos (retorna várias linhas) Esses grupos retornam qualquer número de linhas por cliente. Exemplo: Todos os funcionários de uma empresa. (Então, o grupo principal irá conter empresas). Guia de referência 43

44 Grupos de dados Grupos um-para-um Esses grupos retornam zero ou uma linha por clientes. Exemplo: O endereço postal principal do cliente. Tipos de grupo booleanos Esses grupos definem um campo de dados booleanos que poderá ser True ou False para um cliente específico. Exemplo: Um SQL avançado pode ser usado para determinar se os clientes se qualificam para adquirir cartões de crédito. Observação: Para atingir o melhor desempenho ao trabalhar com grandes conjuntos de clientes, os dados de domínio devem ser acessíveis por meio da mesma conexão de banco de dados (string de conexão) como o Dialogue Database. Grupos de sistema Os grupos de sistema são grupos especiais definidos pelo próprio sistema. Para ler sobre os grupos de sistema, vá para a seção Grupos de sistema Adicionar um novo grupo Para adicionar um novo grupo de dados a um domínio, clique no contorno do grupo no lado esquerdo da janela de domínio e selecione Grupo > Novo... do menu. A janela de propriedades do grupo é exibida. A janela de propriedade do grupo A janela de propriedades do grupo de dados contém configurações definindo o tipo de grupo, origem de dados, como os dados são atualizados e configurações da Web. A janela de propriedade está dividida em várias guias: --> Propriedades gerais --> Propriedades da origem de dados --> Propriedades das atualizações de dados --> Propriedades da Web Propriedades gerais A primeira guia mantém as propriedades-chave. Nome do grupo é o nome do grupo. O nome pode ser composto por letras (maiúsculas e minúsculas) e números, mais sublinhado. O nome deve começar com uma letra. Não pode ter espaços.os nomes da função da expressão estão reservados e não podem ser usados como nomes de grupo. Além disso, o nome deve estar em conformidade com a sintaxe do Nome da linguagem de marcação extensível (XML) 1.0 (Quarta edição). Deverá usar a funcionalidade Verificação do domínio de cliente para validar o nome. Somente uso avançado deve ser marcado se o grupo deve estar normalmente escondido do usuário. Tipo de grupo booleano determina se esse grupo é um tipo de grupo booleano. Tipo de grupo um-para-muitos especifica se esse grupo retorna vários registros por cliente. 44 Portrait Dialogue 6.0 SP1

45 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Expressão para acessar linha padrão especifica uma expressão para recuperar uma linha padrão para um grupo um-para-muitos (atualmente não é usada). Campo de identificação é a chave única para o grupo. É opcional para todos os grupos exceto o grupo principal. No grupo principal, isso representa o ID do cliente (mh_customer_id). Campo de identificação também pode ser configurado a partir do menu do campo quando um campo é selecionado. Propriedades da origem de dados A guia Origem de dados deixa os usuários selecionar uma origem de dados. Isso é feito selecionando a instrução SQL no repositório SQL. Ao criar um novo grupo de dados, o usuário normalmente define a instrução SQL antecipadamente. A instrução SQL deve, no geral, selecionar as colunas correspondentes aos campos no grupo. Porém, existem regras diferentes que aplicam as instruções SQL, dependendo do tipo de grupo: O grupo principal O grupo SQL principal deve retornar o campo de ID do cliente. Note que esse campo de ID deve ser uma coluna de string. Grupos um-para-um As consultas SQL do grupo um-para-um devem retornar zero ou somente uma linha por cliente. Se é retornada mais que uma linha, o domínio não irá funcionar corretamente. Grupos um-para-muitos As consultas SQL do grupo um-para-muitos podem retornar qualquer número de linhas por cliente. Tipos de grupo booleanos Um grupo booleano representa um valor true ou false. Um SQL do grupo booleano deve retornar uma linha se o campo booleano definido pelo grupo avaliar como true. Se não forem retornadas nenhumas linhas, avalia como false. O SQL nunca deve retornar várias linhas por cliente. A opção Recuperar dados em consultas separadas irá afetar a forma como o Dialogue Server compila consultas SQL para recuperar dados do grupo de domínio. Se marcado, o servidor irá tentar acessar esse grupo de domínio usando consultas separadas em vez de juntar o SQL selecionado com instruções SQL de outros grupos de domínio. Pelo contrário, se não for marcado, o servidor irá preferir usar junções externas contra o SQL do grupo principal no domínio. Note que essa opção somente se aplica a grupos um-para-um. Após especificar a origem de dados, o usuário pode pressionar OK e depois selecionar Campo > Atualizar lista de campo do menu. A janela de domínio irá então mostrar todos os campos disponíveis do SQL. As instruções SQL não podem conter variáveis de host. Porém, as colunas que se devem relacionar com os dados no grupo principal devem ser incluídas na parte selecionada e definidas como ligações de parâmetros. Para adicionar uma nova ligação de parâmetro, selecione Parâmetro > Novo... do menu principal. Uma janela é exibida quando o usuário pode selecionar um campo do novo grupo de dados e ligar isso a um campo no grupo principal ou a um valor constante. A parte cinza da guia origem de dados é desativada nessa versão e é indicada para ser usada no futuro. Guia de referência 45

46 Grupos de dados Propriedades das atualizações de dados Opcionalmente, um grupo de dados pode ser atualizável. São suportados dois métodos para atualizar dados: 1) A atualização automática suporta atualizações de somente uma tabela de banco de dados. Usando esses métodos, o Dialogue Server gera instruções SQL para aplicar atualizações. O nome da tabela a atualizar deve ser especificado. Opcionalmente, o Dialogue Server pode gerar IDs únicos quando os registros são inseridos, o campo especificado como campo (guia geral) de identificação obtém o ID gerado. Para usar esse recurso, deve especificar um nome único para a sequência (isto é, MY_SEQ_PERSONS). 2) Usar um plug-in para atualizar dados é o método de atualização mais flexível. O usuário especifica então um plug-in onde o processo de atualização é implementado como um script. O plug-in deve ser definido no Repositório de plugin. Consulte Plug-ins de dados do cliente para obter mais detalhes sobre como implementar plug-ins de atualização. Propriedades da Web Mostrar na Customer View especifica se o grupo de dados é mostrado quando um cliente é aberto na Customer View. Não marcar essa propriedade anula a configuração similar de um campo de dados. Carregar dados a pedido determina se a Customer View pega dados desse grupo de dados quando um usuário clica na guia que contém a lista de dados desse grupo. Caso contrário, os dados são pegados ao abrir a página de cliente. Essa configuração se aplica aos grupos de dados exibidos na parte inferior (a vista de guia) da página do cliente na Customer View. Pesquisável na Customer View determina se os campos desse grupo de dados podem ser exibidos com campos de pesquisa na Customer View. Não marcar essa propriedade anula a configuração similar de um campo de dados. Usar modo de edição com guias se aplica somente a grupos um-para-muitos. Marcar essa opção irá exibir o grupo na parte superior da página do cliente na Customer View. A alteração entre linhas de dados no grupo pode então ser feita usando uma lista suspensa. O valor exibido na lista suspensa corresponde ao especificado no Campo de exibição de tabulação. Por exemplo, essa opção é apropriada se o cliente tiver vários endereços. Grupos de sistema Os grupos de sistema são grupos especiais predefinidos. Esses grupos contém dados sobre os clientes do banco de dados do Dialogue Server. Adicionar um novo sistema de grupo Para adicionar um novo sistema de grupo a um domínio, clique no contorno do grupo no lado esquerdo da janela de domínio e selecione Grupo > Novo... do menu. É exibida uma janela onde o usuário pode selecionar a partir dos grupos de sistema disponíveis. É possível selecionar vários grupos ao mesmo tempo. Assim que o usuário clica em OK, o grupo e seus campos são adicionados ao domínio. As propriedades dos grupos de sistema e seus campos não são tão flexíveis como os grupos de dados normais. Porém, é possível alterar seus nomes e suas descrições. As propriedades da Web também podem ser alteradas. 46 Portrait Dialogue 6.0 SP1

47 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Os diferentes grupos de sistema Atualmente, existem cinco grupos de sistema disponíveis no sistema. Todos esses grupos são grupos um-para-muitos. Serão adicionados mais grupos no futuro. Atividades contém informações sobre todas as atividades relacionadas com o cliente. AnswerForms contém informações sobre todos os formulários de resposta relacionados com o cliente. Existirá uma linha de dados nesse grupo por formulário de resposta. Categorias mantém informações sobre todas as categorias das quais um cliente é um membro. Diálogos mantém informações sobre diálogos em que o cliente participa. Existe uma linha de dados nesse grupo por participante ativo. Mensagens contém uma linha de dados por mensagem enviada ao cliente. Campos Um campo representa um valor único de dados sobre um cliente no domínio. O campo tem um nome e um tipo de dados como suas propriedades mais importantes. A origem de dados de um grupo define um conjunto de campos contidos nesse grupo de dados. Esses são campos de dados normais. Além disso, um grupo pode conter campos de pesquisa, campos virtuais baseados nos dados recuperados de uma origem da pesquisa. Os campos de pesquisa são descritos em sua própria seção em baixo. A janela propriedades do campo Para editar as propriedades de um campo, clique duas vezes no campo ou selecione Campo > Propriedades... a partir do menu. A janela propriedades de um campo contém configurações relativamente ao nome, tipo de dados, comportamento de pesquisa, validação, conteúdo lógico e Web: --> Propriedades gerais --> Propriedades de pesquisa --> Propriedades de validação --> Propriedades do tipo de conteúdo --> Propriedades da Web Propriedades gerais A primeira guia mostra as propriedades-chave.o nome de campo corresponde ao nome do campo exibido nas aplicações. Pode ser diferente do nome do campo de origem, sendo o nome de campo subjacente (na maioria das vezes, o nome da coluna correspondente em um banco de dados). O nome pode ser composto por letras (maiúsculas e minúsculas) e números, mais sublinhado. O nome deve começar com uma letra. Não pode ter espaços.os nomes da função de expressão estão reservados e não podem ser usados como nomes de campos. Além disso, o nome deve estar em conformidade com a sintaxe do Nome da linguagem de marcação extensível (XML) 1.0 (Quarta edição). Deverá usar a funcionalidade Verificação do domínio de cliente para validar o nome. Somente uso avançado deverá ser selecionado se o campo estiver normalmente oculto do usuário. Guia de referência 47

48 Campos Tipo de dados é o tipo de dados do campo. Consulte o tópico Tipos de dados para obter uma lista de tipos válidos. Tamanho é o tamanho físico do campo. Normalmente, isto é definido automaticamente quando a lista de campos é atualizada. Somente leitura determina se o campo é atualizável. Esta opção é apenas ativada se o grupo de dados for atualizável. Propriedades de pesquisa Propriedades de pesquisa A guia de Pesquisa permite ao usuário especificar a origem a partir da qual os valores podem ser pesquisados. Isso significa que os valores podem ser pegados a partir de uma origem de pesquisa e atribuídos ao campo, por exemplo, quando o usuário edita um cliente na Customer View. Uma origem de pesquisa é um conjunto de dados com colunas e linhas de dados. Cada linha contém um valor de pesquisa possível. O Campo-chave é outro campo no mesmo grupo de dados. O Campo-chave de pesquisa é uma coluna na origem de pesquisa, neste caso PC_CODE. Em uma pesquisa, o valor do Campo-chave deve corresponder ao valor do Campo-chave de pesquisa, assim o Campo-chave de pesquisa deve conter valores únicos, o que significa que um valor do Campo-chave corresponderá a nenhuma ou a uma linha. Quando uma pesquisa é efetuada e é encontrada uma correspondência, o valor do campo deve ser configurado para ser igual ao Campo de resultados de pesquisa.o Campo de resultados de pesquisa é uma coluna no conjunto de dados de origem da pesquisa, especificando o resultado da pesquisa. Em conjunto, as configurações de pesquisa definem que os valores para esse campo podem ser encontrados tirando o valor do Campo-chave e pesquisando uma correspondência de PC_CODE (Campo-chave de pesquisa) na origem de pesquisa. Campos usando uma pesquisa vs. Campos de pesquisa É possível definir um tipo de campo especial chamado campo de pesquisa que não existe na origem de dados do grupo, mas é um chamado campo virtual. Um campo de pesquisa deve ter um campo de pesquisa definido, o que significa que a guia de pesquisa da sua janela de propriedades deve ser configurada. No exemplo seguinte, assumimos que no grupo de dados principal existe um campo pers_pms_id que mantém um número que representa o estado civil do cliente. Em vez de exibir pers_pms_id para o usuário, criamos um campo de pesquisa chamado Estado civil. Para criar um novo campo de pesquisa, selecione Campo > Novo campo de pesquisa... do menu. Antecipadamente, definimos uma origem de pesquisa que contém o conjunto de dados seguinte: pms_id pms_desc Solteiro Casado Vivendo junto 48 Portrait Dialogue 6.0 SP1

49 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Para encontrar os valores de Estado civil, o valor pers_pms_is é usado para encontrar uma correspondência no conjunto de dados de pesquisa. Na Customer View, o campo de pesquisa Estado civil pode ser exibido ao invés de pers_pms_id. Na página de pesquisa, será exibida uma caixa suspensa e o usuário poderá selecionar entre Solteiro, Casado e Vivendo junto. Além disso, na página de edição do cliente, o usuário também poderá selecionar entre valores de Estado civil. Quando as atualizações são aplicadas, a aplicação atualiza pers_pms_id em segundo plano com o ID correto, invisível para o usuário. Filtragem de pesquisa (somente grupos um-para-muitos) A opção Filtrar valores de pesquisa permite que os valores de pesquisa sejam filtrados com base no valor de outro campo no grupo de dados. Quando a filtragem de pesquisa é configurada, esta é tipicamente usada pelas aplicações do usuário para filtrar os valores disponíveis nas caixas de combinação suspensas. A filtragem de pesquisa é suportada no Selection Designer no Visual Dialogue e na Customer View (página de pesquisa e página de edição um-para-muitos). Atualmente, a filtragem de pesquisa somente é suportada para campos em grupos um-para-muitos. Ao configurar a filtragem de pesquisa, o campo a que se refere Campo de filtro é o campo que define o filtro. Somente os campos no grupo um-para-muitos podem ser selecionados como Campo de filtro. Além disso, somente é possível selecionar campos que possuem uma pesquisa. Campo-chave de filtro é o campo na Origem da pesquisa que será usado para filtrar os valores de pesquisa. Propriedades de validação Propriedades de validação Os campos sendo atualizados podem ter regras de validação. Esses são configurados na guia validação. Atribuir um valor padrão pode ser verificado se um valor padrão for apropriado. Nesse caso, a Customer View irá preencher automaticamente o Valor padrão, quando são inseridas novas linhas. Necessário deve ser selecionado, se o campo não poder ter valores em branco. Valor/comprimento mín. e Valor/comprimento máx. se aplicam a campos numéricos e string. Definem os valores mínimo e máximo dos campos numéricos e os comprimentos mínimo e máximo dos campos string. Também pode ser usada uma expressão regular para validar valores. Por exemplo, é definido um padrão de expressão regular para validar um endereço de .a Mensagem de erro de expressão regular contém a mensagem exibida ao usuário se a validação falhar. O botão à direita do padrão de expressão regular pode ser clicado para testar a expressão. Apesar do Dialogue Server efetuar a validação de campo, a Customer View implementa as regras de validação como JavaScript nas páginas Web para criar uma interface rápida e amigável. Propriedades do tipo de conteúdo Propriedades do tipo de conteúdo A guia do tipo de conteúdo é usada para especificar que campo possui um significado especial. Existem duas opções. Em primeiro lugar, um campo pode ser definido para apontar para outro domínio de cliente. Por exemplo, o campo ContactID no domínio Empresa pode ser configurado para apontar para o domínio Guia de referência 49

50 Tipos de dados Contato. Isso significa que os valores de ContactID têm de corresponder aos valores do campo de identificação (ID de cliente) no domínio Contato. A opção Ativar atualizações do domínio na Customer View controla se a Customer View irá mostrar atalhos (botões) para inserir, editar e excluir clientes no domínio ligado a partir do domínio Empresa. Essa opção somente se aplica a grupos um-para-todos. Em segundo lugar, existe um conjunto de Outro tipo de conteúdo de campo. Esses são usados com campos como endereços de , URLs e números de telefone onde os valores representam o conteúdo que pode ser aberto para a aplicação tomar ações específicas. Por exemplo, se URL (endereço de internet) for selecionada, a Customer View irá abrir o link em uma nova janela do navegador se o usuário clicar no símbolo pequeno ao lado do campo. Propriedades da Web Propriedades da Web A guia propriedades da Web contém configurações que se aplicam às aplicações Web. Customer View Mostrar na Customer View especifica se o campo é visível na Customer View, enquanto que Pesquisável na Customer View especifica se o campo é mostrado como critério de pesquisa na Customer View. Perfil do cliente Mostrar no perfil do cliente especifica se o campo é mostrado no perfil do Customer Web disponível por meio do Customer Web Access. Marque Permitir atualizações do perfil do cliente se o cliente poder atualizar o campo por meio da página de perfil Telemarketing Mostrar na Web de telemarketing determina se o campo é apresentado na aplicação Web de telemarketing. Marque Permitir atualização a partir da Web de telemarketing se os operadores de telemarketing puderem atualizar o campo. Configurações de pesquisa Conjunto de dados de origem da pesquisa no cache se aplica aos campos que usam a pesquisa e determina se o conjunto de dados de pesquisa deve ser armazenado em cache pelas aplicações Web. Isso é apropriado se o conjunto de dados de pesquisa não for demasiado grande e se normalmente não se altera. Mostrar como suspenso determina se o campo será exibido com um menu suspenso de todos os valores no conjunto de dados de pesquisa. Tipos de dados Introdução Um conjunto de tipos de dados é definido no Dialogue Admin. Esses tipos são usados como tipos de dados lógicos ao definir domínios de cliente. 50 Portrait Dialogue 6.0 SP1

51 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Tipos de dados A tabela abaixo descreve os diferentes tipos de dados. Nome do tipo de dados string inteiro float datetime date boolean binário Int64 Descrição tipo de dados String tipo de dados Integer tipo de dados flutuantes tipo de dados de data e hora Tipo de dados de data (não inclui a parte da hora de datetime) tipo de dados booleano Tipo de dados binários Tipo de dados inteiros de 64 bits entre integer e float Origens de pesquisa Sobre as origens de pesquisa Uma origem de pesquisa é uma origem de dados usada quando as pesquisas são definidas em campos de dados. Na versão atual, todas as origens de pesquisa têm como base as consultas SQL armazenadas no Repositório SQL. Sobre a pesquisa SQL Uma consulta de pesquisa SQL será uma instrução SELECT retornando um conjunto de colunas, incluindo o campo-chave de pesquisa e o campo de resultados de pesquisa. Uma origem de pesquisa pode ser partilhada por vários campos. Por isso, muitas vezes contém mais do que duas colunas. Definir uma nova origem de pesquisa. Os passos seguintes são necessários para definir uma nova origem de pesquisa. 1. Certifique-se de que a pesquisa SQL está no Repositório SQL. 2. Abra a janela Definir origens de pesquisa selecionando Arquivo > Definir origens de pesquisa. 3. De seguida, clique no botão Novo... e dê um nome à nova origem de pesquisa. 4. Selecione o SQL a usar 5. Clique em Atualizar campos para recuperar uma lista de colunas da instrução SQL 6. Clique em Fechar para voltar à janela principal do domínio de cliente. A origem de pesquisa e seus campos estão agora disponíveis ao configurar pesquisas na janela propriedades do campo. Guia de referência 51

52 Verificação do domínio de cliente Verificação do domínio de cliente Configurar domínios de cliente pode ser uma tarefa complexa, especialmente quando trabalha com grandes domínios. Para poder acessar origens diferentes dos dados do cliente, terá um grande grau de liberdade quando configurar um domínio de cliente. Porém, essa liberdade vai permitir criar configurações que irão funcionar mal ou não vão funcionar de todo. Pode usar a ferramenta Verificação do domínio de cliente para o ajudar a evitar alguns desses problemas. Para mais informações, consulte os seguintes tópicos: --> Executar verificação do domínio de cliente --> Mensagens de verificação do domínio de cliente Executar verificação do domínio de cliente A verificação do domínio de cliente é feita por meio da janela de edição do domínio de cliente. Você inicia a verificação clicando no botão Verificar ou usando o botão F9. Quando a verificação for concluída, o resultado pode ser visualizado no painel abaixo da lista de campos. Esse painel irá exibir uma lista de mensagens que descrevem (possíveis) problemas na configuração do domínio. É possível clicar duas vezes ou pressionar Enter em uma mensagem de verificação na lista para se concentrar na área de problema na configuração do domínio. Mensagens de verificação do domínio de cliente Introdução Quando executa a verificação do domínio de cliente, é exibida uma lista de mensagens que lhe mostra possíveis problemas com a configuração do domínio. A tabela abaixo descreve essas mensagens com maior detalhe. Tipo Aviso Aviso Dica Erro Mensagem Um valor padrão deve ser especificado para o campo "<nome do campo>". Um valor padrão deve ser especificado para o parâmetro "<nome do parâmetro>". Um nome de domínio deve começar com um caractere alfanumérico. Um grupo de endereço Web de domínio não pode ser um grupo do tipo booleano. Descrição Configurou um campo de dados para usar um valor padrão, mas o valor padrão especificado está em branco Configurou uma ligação de parâmetro para usar um valor de parâmetro constante, mas o valor constante especificado está em branco. Isso não é um erro, mas é uma boa prática começar com o nome do domínio com um caractere ou um número. Se configurar seu domínio para ter um grupo de endereço Web, esse grupo de dados não pode ser um grupo booleano. 52 Portrait Dialogue 6.0 SP1

53 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Erro Erro Um grupo um-para-um do Se configurar seu domínio para ter um grupo de endereço Web do domínio deve endereço Web, esse grupo de dados deve ser usar o modo de edição com guias. configurado para usar o modo de edição de guias da Web. Um grupo de domínio principal deve usar um plug-in para atualizar dados se a verificação de registro de duplicados tiver sido ativada. Ativou a verificação de registro de duplicados em seu domínio, mas seu grupo de dados principal não está configurado para usar um plug-in para atualizar dados. Erro Erro Erro Deve ser especificado um nome para o domínio. Deve ser especificado um nome para o campo. Deve ser especificado um nome para o grupo. Não especificou um nome para seu domínio. Criou um campo de dados mas não especificou seu nome. Criou um grupo de dados mas não especificou seu nome. Aviso Na definição do domínio de cliente vinculado para "<nome de Configurou um campo de dados para vincular a outro domínio de cliente, mas o tipo de dados do campo é campo>", o campo de identificação diferente do tipo de dados do campo de identificação no tem um tipo de dados diferente do domínio a que está vinculado. Isso pode levar a um próprio campo. desempenho lento ou a erros. Aviso Na definição de pesquisa para "<nome do campo>", o campochave de pesquisa e o campochave diferem no tipo de dados. Configurou um campo de dados para usar uma origem de pesquisa, mas o tipo de dados do campo-chave de pesquisa é diferente do tipo de dados do campo-chave. Isso pode levar a um desempenho lento ou a erros. Aviso Aviso Erro Aviso Na definição de domínio para Configurou um campo de dados para usar uma origem "<nome de campo>", o campo de de pesquisa, mas o tipo de dados do resultado de identificação tem um tipo de dados pesquisa não é o mesmo que o tipo de dados do próprio diferente do próprio campo. campo. Isso pode levar a um desempenho lento ou a erros. Na definição de parâmetro para Configurou uma ligação de parâmetro para ligar a um "<nome de parâmetro>", a ligação campo, mas o tipo de dados do campo de parâmetro e ao campo e ao campo de o campo a que está ligado não são o mesmo. Isso pode parâmetro diferem no tipo de levar a um desempenho lento ou a erros. dados. O campo de ligação do parâmetro Configurou uma ligação de parâmetro para ligar a um "<nome do parâmetro>" não foi campo, mas o campo ao qual está ligado não foi encontrado no grupo de dados encontrado no grupo primário. Isso pode acontecer se primário. o campo foi renomeado ou excluído do grupo de dados primário após a ligação de parâmetro ter sido definida. O valor padrão não pode ser convertido para o tipo de dados de campo do campo "<nome do campo>". Configurou um campo de dados para usar o valor padrão, mas o valor padrão especificado não pode ser convertido para o tipo de dados do campo. Guia de referência 53

54 Mensagens de verificação do domínio de cliente Aviso O valor padrão não pode ser convertido para o tipo de dados do parâmetro "<nome do parâmetro>". Configurou uma ligação de parâmetro para usar o valor padrão, mas o valor padrão especificado não pode ser convertido para o tipo de dados do campo. Dica Erro Erro Erro O domínio não foi ativado. O domínio deve ter pelo menos um grupo de dados. O nome do domínio contém um caractere ilegal. O grupo do endereço Web do domínio "<nome do grupo>" não foi encontrado no domínio. Não ativou seu domínio. Isso significa que o domínio não está acessível a partir do Visual Dialogue ou de aplicações Web. Note que o domínio foi desativado por padrão quando o criou. Não definiu quaisquer grupos de dados para seu domínio. Seu domínio deve ter pelo menos um grupo de dados que seja capaz de pegar dados do cliente. O nome de um domínio de cliente não pode ter pontos finais, aspas ou aspas duplas. Configurou seu domínio para usar um grupo de endereço Web, mas o grupo de dados não foi encontrado na definição do domínio. Isso pode acontecer se o grupo de dados foi renomeado ou excluído após ter configurado seu domínio para usar um grupo de endereços Web. Erro O grupo de endereço Web do domínio "<nome do campo>" não foi encontrado no domínio. Configurou seu domínio para usar um campo de exibição Web, mas o campo de dados não foi encontrado na definição do domínio. Isso pode acontecer se o campo de dados foi renomeado ou excluído após ter configurado seu domínio para usar um grupo de endereços Web. Erro O campo de exibição Web do domínio não pode ser do tipo "booleano" ou "binário". Se configurar seu domínio para ter um campo de exibição Web, o tipo de dados desse campo de dados não pode ser "booleano" ou "binário". Erro Erro Erro Erro O campo de nota Web do domínio "<nome do campo>" não foi encontrado no domínio. O campo de nota Web do domínio deve ser do tipo "string". O campo "<nome do campo>" não pode ter um valor/comprimento máximo. O campo "<nome do campo>" não pode ter um valor/comprimento mínimo. Configurou seu domínio para usar um campo de nota Web, mas o campo de dados não foi encontrado na definição do domínio. Isso pode acontecer se o campo de dados foi renomeado ou excluído após ter configurado seu domínio para usar um campo de nota Web. Se configurar seu domínio para ter um campo de nota Web, o tipo de dados desse campo de dados deve ser "string". Se configurar um campo de dados para ter um valor/comprimento máximo, o tipo de dados do campo deve ser "string", "número inteiro", "int64" ou "flutuante". Se configurar um campo de dados para ter um valor/comprimento mínimo, o tipo de dados do campo deve ser "string", "número inteiro", "int64" ou "flutuante". 54 Portrait Dialogue 6.0 SP1

55 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Erro O campo "<nome do campo>" está configurado para validar usando uma expressão regular, mas não foi configurada nenhuma expressão. Configurou um campo de dados para ser validado por uma expressão regular, mas o padrão de expressão regular especificado está em branco. Erro O nome do campo "<nome do campo>" contém um ou mais caracteres ilegais. O nome de um campo de dados pode conter somente as letras de "A" a "Z", '', '', '', números e sublinhados. Aviso Erro O nome do campo "<nome do campo>" é um nome da função de expressão. O grupo "<nome do grupo>" não tem quaisquer campos de dados. O nome de um campo de dados não deve ser igual ao nome da função de expressão visto que isso produz erros ou resultados indesejados no analisador de expressão interna. Não definiu quaisquer campos de dados para seu grupo de dados. Pode escolher Atualizar lista de campo do menu para adicionar campos ao grupo de dados. Erro Aviso O grupo "<nome do grupo>" não tem quaisquer origem de dados. O grupo "<nome do grupo>" não tem ligações de parâmetro. Não selecionou uma origem de dados a seu grupo de dados. O grupo de dados deve ter uma origem de dados para ser capaz de pegar dados do cliente. Não configurou quaisquer ligações de parâmetro para seu grupo de dados. Todos os grupos de dados, exceto o grupo principal, devem ter ligações de parâmetro para especificar como os dados no grupo estão relacionados com os dados no seu grupo de dados primário. Aviso O grupo "<nome do grupo>" é atualizável, mas todos os campos no grupo são somente leitura. Configurou um grupo de dados para ser atualizável, mas todos os campos de dados no grupo estão configurados para serem somente leitura. Isso significa que não será capaz de editar quaisquer dados no grupo. Erro O nome do grupo "<nome do grupo>" contém um ou mais caracteres ilegais. O nome do grupo de dados pode conter somente as letras de "A" a "Z", '', '', '', números e sublinhados. Aviso O nome do grupo "<nome do grupo>" é um nome da função de expressão. O nome de um grupo de dados não deve ser igual ao nome da função de expressão visto que isso produz erros ou resultados indesejados no analisador de expressão interna. Erro Erro O campo-chave "<nome do campo>", definido para pesquisa do campo "<nome do campo>", não foi encontrado no grupo de dados. O domínio de cliente ligado usado no campo "<nome do campo>" não é válido: "<mensagem de erro>". Configurou uma pesquisa para um campo de dados, mas o campo de dados não foi encontrado no grupo de dados ao qual o campo pertence. Isso pode acontecer se o campo-chave foi renomeado ou excluído do grupo de dados após a pesquisa ter sido definida. Configurou o campo de dados para vincular a outro domínio de cliente, mas o domínio de cliente vinculado não pode ser acessado. Deve estudar a mensagem de Guia de referência 55

56 Mensagens de verificação do domínio de cliente erro para descobrir o que há de errado no domínio ligado. Erro Erro Erro O campo-chave de pesquisa "<nome do campo>", definido para Configurou uma pesquisa para um campo de dados, mas o campo-chave de pesquisa não foi encontrado na pesquisa do campo "<nome do origem de pesquisa. Isso pode acontecer se o campo- campo>", não foi encontrado na chave de pesquisa foi renomeado ou excluído da origem origem de pesquisa. de pesquisa após a pesquisa ter sido definida. O campo de resultado de pesquisa "<nome do campo>" definido para Configurou uma pesquisa para um campo de dados, mas a chave do resultado de dados não foi encontrada pesquisa do campo "<nome do para a origem de pesquisa. Isso pode acontecer se o campo>" não foi encontrado no campo do resultado de pesquisa foi renomeado ou grupo de dados. excluído da origem de procura após a procura ter sido definida. A origem de pesquisa "<origem de pesquisa>", definida para a Configurou uma pesquisa para um campo de dados, mas a origem de pesquisa não foi encontrada no pesquisa do campo "<nome do domínio. Isso pode acontecer se a origem de pesquisa campo>", não foi encontrada no foi renomeada ou excluída após a pesquisa ter sido domínio. definida. Erro O campo-chave do filtro de pesquisa "<nome do campo>", definido para pesquisa do campo "<nome do campo>", não foi encontrado na origem da pesquisa. Configurou uma pesquisa com filtragem para um campo, mas o campo-chave do filtro de pesquisa não foi encontrado na origem da pesquisa. Isto pode acontecer se o campo foi renomeado ou excluído da origem da pesquisa após a pesquisa ter sido definida. Erro Erro Erro O campo "<nome do campo>" está configurado com um filtro de A filtragem de pesquisa somente é suportada para grupos um-para-muitos. Provavelmente configurou uma pesquisa. Isto somente é permitido filtragem de pesquisa para um grupo um-para-muitos e, se o campo fizer parte de um posteriormente, este grupo foi alterado para um grupo grupo um-para-muitos. um-para-um. O campo do filtro de pesquisa "<nome do campo>", definido para Configurou uma pesquisa com filtragem para um campo, mas o campo do filtro não foi encontrado no grupo de pesquisa do campo "<nome do dados ao qual o campo pertence. Isto pode acontecer campo>", não foi encontrado no se o campo do filtro foi renomeado ou excluído do grupo grupo de dados. de dados após a pesquisa ter sido definida. O campo do filtro de pesquisa "<nome do campo>", definido para Configurou uma pesquisa com filtragem para um campo, mas o campo do filtro não possui uma pesquisa pesquisa do campo "<nome do (necessária). Isto pode acontecer se a pesquisa do campo>", não possui uma origem campo do filtro foi removida após o filtro de pesquisa ter de pesquisa. sido definido. Aviso O grupo de domínio principal identificando o tipo de dados do campo é diferente do tipo de dados "mh_customer_id". O campo de dados de identificação em seu grupo de dados principal é usado para vincular dados do cliente de ligação no domínio para outros dados do cliente no Dialogue Database. Se o tipo de dados do seu campo de identificação é diferente do tipo de dados do 56 Portrait Dialogue 6.0 SP1

57 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões identificador do cliente usado noutro local no sistema, podem ocorrer erros e um desempenho lento. Erro Erro Erro Erro Erro Erro O grupo de domínio principal deve ter um campo de identificação. O comprimento máximo para o campo "<nome do campo>" não é válido. O valor máximo para o campo "<nome do campo>" não é válido. O comprimento mínimo para o campo "<nome do campo>" não é válido. O valor mínimo para o campo "<nome do campo>" não é válido. Os dados do cliente em seu domínio estão vinculados a outros dados do cliente no Dialogue Database por meio do campo de identificação em seu grupo de dados principal. Isso significa que deve configurar um campo de identificação para seu grupo de domínio principal para que o domínio funcione. Configurou um comprimento máximo para seu campo de dados, mas o valor não é válido. O comprimento máximo pode ser somente configurado para os campos "string" e deve ter um valor de número inteiro. Configurou um valor máximo para seu campo de dados, mas o valor não é válido. O valor máximo pode ser somente configurado para "número inteiro", "int64" e "campos flutuantes" e o valor não é válido se não for possível converter o valor para o tipo de dados do campo. Configurou um comprimento mínimo para seu campo de dados, mas o valor não é válido. O comprimento mínimo pode ser somente configurado para os campos de "string" e deve ter um valor de número inteiro. Configurou um valor mínimo para seu campo de dados, mas o valor não é válido. O valor mínimo pode ser somente configurado para "número inteiro", "int64" e "campos flutuantes" e o valor não é válido se não for possível converter o valor do tipo de dados do campo. O campo de parâmetro do parâmetro "<nome do parâmetro>" Configurou uma ligação de parâmetro mas o campo de parâmetro não foi encontrado no grupo de dados. Isso não foi encontrado no grupo de pode acontecer se o campo foi renomeado ou excluído dados. do grupo após a ligação de parâmetro ter sido definida. Erro A validação da expressão regular no campo "<nome do campo>" não compila: "<mensagem de erro>". Configurou o campo de dados para ser validado como uma expressão regular, mas existe um erro na expressão regular e não compila. Deve estudar a mensagem de erro para descobrir o que há de errado na expressão regular. Erro Erro Existem dois ou mais campos com o nome "<nome do campo>". Existem dois ou mais campos com o nome "<nome do grupo". Possui dois ou mais campos de dados com o mesmo nome de campo no grupo de dados. Cada nome de campo em um grupo de dados deve ser único. Possui dois ou mais grupos de dados com o mesmo nome de grupo. Cada nome de grupo em um domínio deve ser único. Guia de referência 57

58 Expressões Expressões Introdução às expressões As expressões são usadas para acessar dados nos domínios de cliente. O idioma de expressão tem uma definição de sintaxe formal que foi concebida para facilitar o uso e a compreensão de expressões. As expressões são usadas em diferentes partes do conjunto de produtos. Expressões e seleções As expressões são usadas nas seleções para definir critérios. No Designer de seleção no Visual Dialogue, uma expressão define uma seleção. O usuário compila essa expressão adicionando critérios na vista de design ou editando a expressão diretamente na visualização da expressão. Por exemplo, os seguintes exemplos irão selecionar clientes com um endereço de has Address Expressões e aplicações Web Nas aplicações Web, é possível usar expressões para escrever critérios de pesquisa avançados. Expressões e mensagens Ao trabalhar com modelos de mensagens e mensagens base, é possível usar expressões dentro do texto modelo. Por exemplo, em um , as funções de expressão são usadas para gerar URLs direcionando para formulários de resposta: «#AnswerFormURL(1048, 1101, -1, -1, TRUE)» Observação: O caractere "#" indica ao sistema para tratar o campo de mesclagem como uma expressão, em vez de um simples campo de dados como FirstName. Expressões e Dialogue Admin O Dialogue Admin fornece uma ferramenta chamada Analisador de expressão. Essa ferramenta foi concebida para ajudar a testar expressões. Definições de sintaxe de expressão Expressões do grupo principal O grupo principal é o grupo do topo em uma definição do domínio de cliente. Normalmente, esse é seu grupo de Pessoas que retorna dados como Firstname, Lastname, etc. Para gravar expressões acessando dados do grupo principal, é importante usar os nomes de campo diretamente. Exemplos: 58 Portrait Dialogue 6.0 SP1

59 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Firstname = "José" Firstname = "José" e Lastname = "Santos" Também é possível usar o prefixo com os nomes do grupo principal: Person.Firstname = "José" Expressões do grupo um-para-um Os grupos um-para-um são grupos de dados que retornam somente uma ou nenhuma linha de dados por cliente. Normalmente, esse será o endereço postal principal ou a empresa relacionados com a pessoa. Esses grupos são definidos no domínio por retornarem somente uma linha. Para gravar expressões acessando esses dados, use os nomes de campo prefixados pelo nome do grupo: Exemplos: Address.Streename = "Rua de Baixo*" Company.Name = "Livros Lda." Expressões do grupo um-para-muitos Os grupos de dados que retornam várias linhas por cliente são chamados grupos um-para-muitos. Esses grupos de dados do cliente são normalmente Atividades, Documentos ou AnswerForms. Esses grupos são definidos no domínio como várias linhas que retornam. (Consulte a página de propriedades do grupo). Para gravar expressões acessando os grupos um-para-muitos, terá de verificar a existência de dados. O operador de expressão has é essencial. Ao retornar true ou false, esse operador verifica se um grupo de dados contém informações. Exemplos: has Documents has Documents[DocName = "Relatório*"] O primeiro exemplo acima retorna clientes que têm pelo menos um documento, enquanto que o segundo exemplo retorna clientes que têm pelo menos um documento com o nome a começar com a palavra "Relatório". Outros exemplos são: has Documents[DocId = 1000 and DocType = "Carta"] has Documents[DocDate > ' '] NumberOf( Activities ) > 2 Note que o último exemplo usa uma função de expressão chamada NumberOf(...), retornando o número de itens no grupo um-para-todos Atividades. Valores de número e separador decimal em expressões O caractere "." (padrão americano) é usado como separador decimal em expressões. O caractere "," (vírgula) é usado para separar parâmetros de função. Guia de referência 59

60 Operadores de expressão CustomerScore > 2.5 Valores de data e hora na expressão Os valores constantes de data e hora são fechados por aspas simples. A sintaxe formal dos valores de data e hora segue a usada em XML: "AAAA-MM-DDTHH:MM:SS", exemplo: " T17:00:00" Como é lógico, a parte da hora pode ser excluída: "AAAA-MM-DD", exemplo: " " Além disso, é suportado o formato de data/hora regional atual do Dialogue Server. Exemplos (usando o formato Português de data/hora): "28/12/ :00" "28/12/2003" Operadores de expressão Operadores e expressões As expressões têm um conjunto de operadores incorporados usados como elementos básicos em expressões. Existem tipos diferentes de operadores. Operadores de comparação Os seguintes operadores são usados para comparar valores nas expressões: = Verifica se dois valores são iguais. > Verifica se o valor do lado direito é maior que o valor do lado esquerdo. < Verifica se o valor do lado direito é menor que o valor do lado esquerdo. >= Verifica se o valor do lado direito é maior ou igual ao valor do lado esquerdo. <= Verifica se o valor do lado direito é menor ou igual ao valor do lado esquerdo. <> Diferente de verifica se dois valores são diferentes. 60 Portrait Dialogue 6.0 SP1

61 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Operadores lógicos Os operadores seguintes são operadores lógicos e são usados na álgebra booleana: NOT O operador lógico NOT retorna false se o valor seguinte for true e vice-versa. AND Retorna true se, e somente se, os valores de ambos os lados forem true. OR Retorna true se pelo menos um dos valores do lado direito e esquerdo forem true. Operadores aritméticos Os operadores seguintes são operadores aritméticos e são usados para manipular valores numéricos: + Retorna a soma de dois valores. - Retorna a diferença entre dois valores * Retorna o produto de dois valores. / Retorna o valor do lado esquerdo dividido pelo valor do lado direito O operador de string "+" Além de adicionar valores de número, o operador "+" pode ser usado para concatenar valores de string. Exemplo: Apelido + ", " + Primeiro nome Essa expressão retorna valores como: "Alves, Carlos M." O operador "has" O operador "has" é importante nas expressões e funciona de forma diferente dependendo do argumento seguinte. Retorna sempre true ou false. Se o argumento for um campo de dados, o valor de retorno será true se o campo tiver um valor. Exemplos: has Address has Address.Postcode Guia de referência 61

62 Tipos de dados de expressão Se o argumento for um grupo de dados, o valor de retorno é true se esse grupo de dados tiver pelo menos um item (ou linha) determinado cliente. Exemplos: has Address has Documents has Activities[ChannelType = "SMS"] O operador de nomeação ":" O operador ":" é usado para nomear ou descrever critérios individuais. Exemplo: "Cliente com endereço de ": has "Deseja mais informações: Sim": BoolAnswer(1000, 10, 1) A aplicação principal desse operador está dentro do Designer de seleção para fornecer critérios a uma descrição amigável. Tipos de dados de expressão Introdução Um conjunto de tipos de dados usado por expressão e plug-ins de expressão. Tipos de dados A tabela abaixo descreve os diferentes tipos de dados. Nome do tipo de dados string inteiro float datetime date boolean Descrição tipo de dados String tipo de dados Integer tipo de dados flutuantes tipo de dados de data e hora Tipo de dados de data (não inclui a parte da hora de datetime) tipo de dados booleano Funções de expressão Funções e expressões As expressões possuem um grande conjunto de funções. Algumas funções são usadas para acessar e manipular dados do domínio de cliente, enquanto outras funções estão relacionadas com, por exemplo, questionários e acesso à Web do cliente. 62 Portrait Dialogue 6.0 SP1

63 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Grupos de funções de expressão Estão disponíveis as seguintes categorias de funções de expressão: Funções de agregação Esta categoria de funções de expressão suporta agregação de dados. Funções analíticas Esta categoria de funções de expressão suporta integração com o Portrait Customer Analytics. Funções de objeto de conteúdo Esta categoria de funções de expressão é usada para acessar e executar objetos de conteúdo. Funções de Customer Web Access Esta categoria de funções de expressão é usada para suportar o acesso do cliente às aplicações Web. Algumas das funções geram URLs para páginas da Web personalizadas a partir do Dialogue Server. Estas funções são usadas normalmente em modelos de mensagens. Funções data e hora Esta categoria de funções de expressão é usada para trabalhar com valores de data e hora. Funções de diálogo Esta categoria de funções de expressão é usada para trabalhar com diálogos e participantes de diálogo. Funções auxiliares Esta categoria de funções de expressão consiste em métodos auxiliares para satisfazer necessidades especiais. Funções numéricas Esta categoria de funções de expressão foi projetada para gerir valores numéricos. Funções de questionário Esta categoria de funções de expressão é usada para acessar dados a partir do questionário. Ao usar estas funções, é possível acessar as respostas do cliente por meio de expressões. Funções do Report Viewer Esta categoria de funções de expressão é usada para gerar URLs para a aplicação Web Report Viewer. Funções RTF Esta categoria de funções de expressão é usada ao trabalhar com modelos de mensagens RTF (formato rich text). Funções de seleção Esta categoria de funções de expressão trata de seleções. Funções de texto Esta categoria de funções de expressão foi projetada para tratar valores de string. Funções de sistema Guia de referência 63

64 Funções de expressão Esta categoria de funções de expressão constitui funções de nível de sistema. Funções definidas pelo usuário As funções definidas pelo usuário são funções personalizadas adicionadas por usuários no Dialogue Admin. Para mais informações, consulte Plug-ins de expressão. Chamar funções de expressão Tenha em atenção que, quando chamar funções que assumem mais que um argumento, os argumentos deverão ser separados por uma vírgula. Funções de expressão definidas pelo usuário É possível definir novas funções de expressão ao implementar Plug-ins de expressão. Tais funções são denominadas Funções definidas pelo usuário. Para mais informações, consulte Plug-ins de expressão. Funções de agregação Descrição geral Esta categoria de funções de expressão suporta agregação de dados. float Max( array of integer or float Values ) Retorna o valor máximo de uma matriz de valores, ou seja, o valor mais elevado de um campo em um grupo de um para muitos. O exemplo que se segue retorna o maior de todos os pedidos para um cliente. Exemplo: Max( Orders.Amount ) float Min( array of integer or float Values ) Retorna o valor mínimo de uma matriz de valores, ou seja, o valor mais baixo de um campo em um grupo de um para muitos. O exemplo que se segue retorna o mais pequeno de todos os pedidos para um cliente. Exemplo:Os valores Min( Orders.Amount ) são diferentes. integer NumberOf( datagroup DataGroup ) Retorna o número de itens em um grupo de dados para determinado cliente. O exemplo que se segue retorna o número de formulários de resposta registrados no cliente. Exemplo: NumberOf( AnswerForms ) float Sum( array of integer or float Values ) Retorna a soma de uma matriz de valores, ou seja, a soma de um campo em um grupo de um para muitos. O exemplo que se segue retorna a soma da quantia de todos os pedidos para um cliente. Exemplo: Sum( Orders.Amount ) 64 Portrait Dialogue 6.0 SP1

65 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Funções analíticas Descrição geral Esta categoria de funções de expressão suporta integração com o Portrait Customer Analytics. float EvaluateRule( string RuleName ) Avalia e retorna o resultado de uma regra analítica no contexto do cliente atual. A regra especificada é avaliada usando um mecanismo de pontuação em tempo real. O valor retornado é um valor de ponto flutuante, o que significa que a regra a avaliar deve retornar um valor numérico (inteiro ou flutuante). RuleName é o nome da regra. Exemplo: EvaluateRule( "MyScoringRule" ) datetime EvaluateRuleDatetime( string RuleName ) Faz o mesmo que EvaluateRule(..), exceto que o valor de retorno é um valor datetime. Assim, a regra especificada deverá também retornar um valor datetime. string EvaluateRuleString( string RuleName ) Faz o mesmo que EvaluateRule(..), exceto que o valor de retorno é um string. Assim, a regra especificada deverá também retornar um string. Funções de objeto de conteúdo Descrição geral Esta categoria de funções de expressão é usada para executar objetos de conteúdo. string ContentObject( string ContentObjectKey, string RequestParams ) Executa um objeto de conteúdo e retorna o conteúdo resultante como HTML. ContentObjectKey é um string único que identifica o objeto de conteúdo. Este valor é encontrado em Propriedades do objeto de conteúdo, no Visual Dialogue. RequestParams é um string que contém parâmetros adicionais na chamada para os objetos de conteúdo. O formato desse string é: <param1>=<value1>;<param2>=<value2>;...;<paramn>=<valuen> Exemplo: MyInfo1=B;MyInfo2=C string ContentObjectText( string ContentObjectKey, string RequestParams ) Executa um objeto de conteúdo e retorna o conteúdo resultante como texto. ContentObjectKey é um string único que identifica o objeto de conteúdo. Este valor é encontrado em Propriedades do objeto de conteúdo, no Visual Dialogue. Guia de referência 65

66 Funções de expressão RequestParams é um string que contém parâmetros adicionais na chamada para os objetos de conteúdo. O formato desse string é: <param1>=<value1>;<param2>=<value2>;...;<paramn>=<valuen> Exemplo: MyInfo1=B;MyInfo2=C Observação: A função ContentObject(..) é adequada para usar ao conceber s HTML, enquanto ContentObjectText(..) é adequada para usar em s de texto e mensagens SMS. Funções data e hora Descrição geral Esta categoria de funções de expressão é usada para trabalhar com valores de data e hora. datetime AddMonths( datetime or date DateValue, integer MonthsToAdd ) Retorna o datetime ou o DateValue da data com meses MonthsToAdd a este adicionados. integer Age( datetime or date Value ) Calcula e retorna o número de anos desde uma determinada data ou um determinado valor datetime. Isto é muito conveniente se pretender deduzir a idade a partir de uma determinada data de nascimento. date DateValue( datetime Value ) Retorna somente a parte da data do valor de entrada. integer Day( datetime or date Value ) Retorna o dia a partir de um valor de data ou datetime. integer DayOfWeek( datetime or date Value ) Retorna o dia da semana a partir de um valor de data ou datetime. O resultado é sempre um número inteiro entre 1 e 7, mas é sua base de dados que determina qual dia é considerado o primeiro dia da semana. datetime EncodeDateTime( string DatePart, string TimePart) Retorna o valor datetime correspondente aos parâmetros de duas strings, DatePart e TimePart. O formato destes parâmetros segue as configurações regionais atuais do Dialogue Server. integer Month( datetime or date Value ) Retorna o mês a partir de um valor date ou datetime. datetime Now() Retorna a data e hora atuais. 66 Portrait Dialogue 6.0 SP1

67 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões date Today() Retorna a data atual sem a hora. integer Year( datetime or date Value ) Retorna o ano a partir de um valor date ou datetime. Funções de Customer Web Access Descrição geral As seguintes funções de expressão são usadas para suportar o acesso do cliente a aplicações Web. Algumas das funções geram URLs para páginas da Web personalizadas. Estas funções são usadas normalmente em modelos de mensagens. string AnswerFormURL( integer UrlType, integer QuestionnaireID, integer LayoutID, integer BroadcastID, integer DialogID, bool Scramble) Retorna um string que contém uma URL para uma página da Web de formulário de resposta. Esta URL contém informações que relacionam o formulário de resposta com um cliente específico ou participante no diálogo. UrlType é um número que indica o tipo de URL a gerar: Índice de tipos de URL Descrição Resposta anônima Resposta identificada (CustomerID na URL) Logon do cliente (usando LoginID e Password) Logon de participante (usando ParticipantID e Password) QuestionnaireID é o ID do questionário e LayoutID é o ID do layout para exibição. Defina LayoutID para -1 para usar um layout padrão gerado automaticamente. BroadcastID é o id da difusão com o qual devem estar relacionados os formulários de resposta. Defina BroadcastID para -1 quando não estiver usando uma difusão. Dialog ID é o id do diálogo quando usar o logon de participante. Defina DialogID para -1 quando o diálogo não for relevante ou se o logon tiver de ser independente no diálogo. Scramble informa se é necessário ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar seus conteúdos do cliente abrindo a URL. Em um modelo de , o seguinte exemplo de campo de mesclagem gerará uma URL deste tipo: «#AnswerFormURL(1048, 1101, -1, -1, TRUE)» Observação: O caractere "#" informa o sistema para tratar o campo de mesclagem como uma expressão, em vez de um simples campo de dados como «FirstName». Guia de referência 67

68 Funções de expressão string AnswerFormURLEx( integer UrlType, integer QuestionnaireID, integer LayoutID, integer BroadcastID, integer DialogID, bool Scramble, bool NoTrack) O mesmo que AnswerFormURL( ), mas inclui um parâmetro que desativa o rastreamento de resposta para fins de testes. NoTrack especifica se o parâmetro "notrack" está incluído na URL gerada. Isto desativa o rastreamento de resposta na aplicação Acesso à web do cliente. Observação: A opção NoTrack somente é útil se o rastreamento de resposta for ativado para o questionário usado. string CustLoginID( ) Retorna o ID de logon do cliente atual. string CustomURL( string BaseURL, bool Scramble) Retorna um string que contém uma URL para alguma página da Web. Scramble informa se é necessário ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar seus conteúdos do cliente abrindo a URL. string CustPassword( ) Retorna a senha do cliente atual. string MessageUrl( string MessageID, bool Scramble) Retorna um url para visualizar uma mensagem de na aplicação Customer Web Access. MessageID é o identificador exclusivo da mensagem. Scramble informa se é necessário ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar seus conteúdos do cliente abrindo a URL. string TrackImage( ) Esta função é usada em s HTML e retorna um string que contém uma marca de imagem HTML. Esta marca de imagem fará o download de uma imagem a partir da aplicação Web Utils. Essa aplicação rastreará e armazenará a imagem que foi baixada. Assim, o Dialogue Server saberá que um determinado cliente abriu um para leitura. string TrackImageEx( string ImageName ) TrackImageEx faz o mesmo que TrackImage, exceto o fato de o usuário especificar o nome do arquivo da imagem para fazer download. ImageName é o nome do arquivo da imagem para fazer download. A imagem a ser guardada em uma pasta específica na aplicação Web Utils. Apenas são suportadas imagens gif. bool HasOpened ( integer TemplateID ) HasOpened é usado com o mecanismo Rastreamento de no Dialogue Server. Quando é enviada uma mensagem de HTML para um cliente e o Rastreamento de é ativado nessa 68 Portrait Dialogue 6.0 SP1

69 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões mensagem, o sistema rastreará quando o cliente abre esse . HasOpen retornará true se um cliente tiver aberto um com base em um modelo de mensagem especificado. TemplateID é o ID único de um modelo de mensagem concebido no Visual Dialogue (correspondente a um valor na coluna do banco de dados DOC_BASE_MESSAGE.DBM_ID). bool HasOpenedLink( integer TemplateID, string LinkName ) HasOpenedLink é usado com o mecanismo Rastreamento de link no Dialogue Server. Uma mensagem de pode conter links (URLs) que são ativados para Rastreamento de link. O sistema efetuará o rastreamento quando os clientes abrirem esses links nos s que receberam. HasOpenLink retornará true se um cliente tiver aberto um link específico em uma mensagem especificada. TemplateID é o ID único de um modelo de mensagem concebido no Visual Dialogue (correspondente a um valor na coluna do banco de dados DOC_BASE_MESSAGE.DBM_ID). Se TemplateID for definido para 0, a função efetuará a verificação em todas as mensagens (modelo independente). LinkName é o nome do link rastreado, conforme especificado durante a concepção do modelo no Message Designer ou durante a chamada da função de expressão TrackURL. bool HasOpenedLinkEx( integer TemplateID, string Url ) HasOpenedLinkEx faz exatamente o mesmo que HasOpenLink, exceto o fato de pegar em uma URL como um de seus parâmetros em vez do nome do link rastreado. Url é o endereço (URL) do link a ser rastreado. string PublicFileURL( string ContentID ) Retorna a URL para um arquivo que foi publicado para a Web. Os arquivos que foram publicados para a Web estão armazenados na tabela de banco de dados WEB_PUBLIC_FILE. As URLs retornadas apontarão para a aplicação Web Utils. ContentID é um string (GUID) que identifica exclusivamente o arquivo. string ScrambleURL(string Url ) Codifica uma URL. Url é a URL para codificar. string ShortenAndNameURL (string OriginalUrl, string ShortUrlName, bool EnableLinkTracking, bool ReplaceExistingNamedUrl, string ShortUrlPrefix) Retorna uma URL abreviada para OriginalUrl com um prefixo ShortUrlPrefix opcional adicionado à parte nomeada do caminho da URL, isto é, Se EnableLinkTracking for verdadeiro, coletará informações de rastreamento de links e usará o nome abreviado da URL como nome do link. Retorna a mesma URL sempre que é chamado, a menos que tenha sido chamado anteriormente com parâmetros diferentes; nesse caso, gerará um erro. Esse comportamento pode ser substituído definindo o parâmetro ReplaceExistingNamedUrl como verdadeiro. Porém, isso fará com que as URLs abreviadas geradas anteriormente sejam redirecionadas para a OriginalUrl mais recente. NB! A tabela de banco de dados da URL abreviada é comum a todos os domínios de cliente na instância. Uma URL abreviada nomeada deve ser usada somente para um domínio. string ShortenAndTrackURL( string OriginalUrl, string LinkName, string ShortUrlPrefix ) Guia de referência 69

70 Funções de expressão Retorna uma URL abreviada para OriginalUrl com um prefixo ShortUrlPrefix opcional adicionado à parte codificada da URL, isto é, O Portrait Dialogue coletará informações de rastreamento de links para o LinkName fornecido. Retorna uma URL diferente sempre que é chamado. string ShortenURL( string OriginalUrl, string ShortUrlPrefix ) Retorna uma URL abreviada para OriginalUrl com um prefixo ShortUrlPrefix opcional adicionado à parte codificada da URL, isto é, Retorna uma URL diferente sempre que é chamado. string TrackURL( string OriginalURL, string LinkName ) Usado para criar URLs que serão rastreadas pelo sistema do rastreador de link. OriginalURL é a URL que aponta para a página da Web, para a qual o cliente (usuário do navegador) será direcionado. LinkName é um nome definido pelo usuário do link a rastrear. string TrackURLAnonymous( string OriginalURL, string LinkName ) Usado para criar URLs que serão rastreadas pelo sistema do rastreador de link. OriginalURL é a URL que aponta para a página da Web, para a qual o cliente (usuário do navegador) será direcionado. LinkName é um nome definido pelo usuário do link a rastrear. O rastreamento será armazenado anonimamente, o que significa que não existe qualquer forma de identificação do cliente a ser rastreado (para rastreamento identificado, use a função TrackURL( ).) string UnsubscribeURL( string or integer CategoryNameOrID, bool Scramble) Retorna um string que contém uma URL para uma página não inscrita personalizada. CategoryName é o nome ou o ID único da categoria que controla a inscrição. Um exemplo disto poderia ser uma categoria denominada "Boletim informativo". Todos os clientes que são membros dessa categoria recebem um boletim informativo semanalmente. Através da página da Web direcionada pela URL, os clientes podem controlar sua associação desta categoria. Scramble informa se é necessário ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar seus conteúdos do cliente abrindo a URL. string WebProfileLoginURL( bool Scramble) Retorna um string que contém uma URL para a página de logon do perfil Web do cliente. Scramble informa se é necessário ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar seus conteúdos do cliente abrindo a URL. string WebProfileURL( bool Scramble) Retorna um string que contém uma URL para o perfil Web do cliente. Scramble informa se é necessário ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar seus conteúdos do cliente abrindo a URL. 70 Portrait Dialogue 6.0 SP1

71 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Funções de diálogo Descrição geral Esta categoria de funções de expressão é usada para trabalhar com diálogos e participantes de diálogo. string GetCustomValue( string or integer ValueName ) Retorna um valor a partir da coleção de valores personalizados de um participante. ValueName é o nome do valor. Observação: Para mais informações, consulte SetCustomValue abaixo. bool HasBranchHistory( integer BranchID ) Retorna um valor booleano que é true se o cliente tiver sido tratado por uma ramificação do diálogo específica, ou seja, se o cliente tiver sido movido através da ramificação para o grupo da ramificação em determinado momento. BranchID é o identificador exclusivo da ramificação de diálogo. Esse valor pode ser encontrado na janela Editar operação no designer de diálogo no Visual Dialogue. Observação: Para poder usar esta função, o registro de participantes deve estar ativado para a operação específica de diálogo. bool HasOperationHistory( integer OperationID ) Retorna um valor booleano que é true se o cliente tiver sido tratado por uma operação de diálogo específica, ou seja, se o cliente tiver sido movido através de uma das ramificações da operação em um determinado momento. OperationID é o identificador exclusivo da operação de diálogo. Esse valor pode ser encontrado na janela Editar operação no designer de diálogo no Visual Dialogue. Observação: Para poder usar esta função, o registro de participantes deve estar ativado para a operação específica de diálogo. void SetCustomValue( string or integer ValueName, string Value ) Define um valor na coleção de valores personalizados de um participante. ValueName é o nome do valor a definir. Valores personalizados são valores em uma coleção de nomes/valores armazenada para participantes do diálogo. Qualquer participante pode ter qualquer número de pares de nomes/valores. Os valores personalizados são armazenados no campo do banco de dados DLG_PARTICIPANT.DP_CUSTOM_VALUES. Observação: Se usar essa função fora do contexto de um participante esta não falhará, mas o valor não será armazenado no banco de dados. Guia de referência 71

72 Funções de expressão Funções auxiliares Descrição geral As seguintes funções de expressão são métodos auxiliares para satisfazer necessidades especiais. datetime FieldValueDatetime( string FieldName ) Retorna o valor de um campo de dados no domínio de cliente ou em uma instrução SQL personalizada. As instruções SQL personalizadas são usadas no Designer de mensagem, no Visual Dialogue. Se o campo especificado pertencer a um grupo de dados um-para-muitos, o valor do registro atual é retornado. float FieldValueNumber( string FieldName ) Retorna o valor de um campo de dados no domínio de cliente ou em uma instrução SQL personalizada. As instruções SQL personalizadas são usadas no Designer de mensagem, no Visual Dialogue. Se o campo especificado pertencer a um grupo de dados um-para-muitos, o valor do registro atual é retornado. string FieldValueString( string FieldName ) Retorna o valor de um campo de dados no domínio de cliente ou em uma instrução SQL personalizada. As instruções SQL personalizadas são usadas no Designer de mensagem, no Visual Dialogue. Se o campo especificado pertencer a um grupo de dados um-para-muitos, o valor do registro atual é retornado. Funções numéricas Descrição geral Esta categoria de funções de expressão é usada para trabalhar com diálogos e participantes de diálogo. float Random( ) Retorna um número aleatório entre 0 e 1 (0 <= n < 1). Observação: Quando esta função é expressa como SQL, usa a funcionalidade específica de DBMS e a implementação será diferente no SQL Server e no Oracle. Funções de questionário Descrição geral As seguintes funções de expressão são usadas para acessa dados a partir do questionário. Ao usar estas funções, é possível acessar as respostas do cliente por meio de expressões. São usados alguns parâmetros como parâmetros para diversas das funções abaixo e necessitam de explicações: 72 Portrait Dialogue 6.0 SP1

73 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões QuestionnaireID é o ID do questionário, QuestionKey é a chave da questão e QuestionKey é um string que identifica uma questão e é única em um questionário. A QuestionKey é automaticamente atribuída a uma questão quando esta é inserida no Designer de questionário no Visual Dialogue e tem o formato padrão de: Q1, Q2, Q3,..., Qn. Porém, o usuário pode editar o QuestionKey e, por exemplo, usar a chave "FNAME" para a questão "Firstname". Enquanto QuestionKey se aplica a questões, AlternativeKey se aplica a alternativas em uma questão. AlternativeKey é única em uma questão. O formato padrão para chaves alternativas é: A1, A2, A3,..., An. IncludeIncomplete é um parâmetro booleano que determina se formulários de resposta incompletos devem ser considerados ao avaliar o resultado das funções diferentes. Se esse parâmetro for omitido por padrão para false, significa que são tidos em consideração somente formulários de resposta concluídos. bool AnswerCombination( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, string AlternativeKeys, bool UseOR, bool IncludeIncomplete = False ) AnswerCombination retorna true ou false consoante a combinação de respostas. AlternativeKeys é uma lista de chaves alternativas separadas por ponto e vírgula. UseOR indica se todas as alternativas em AlternativeKeys têm de ser respondidas ou somente uma delas. Exemplo: AnswerCombination(1000, "Q2", "A1;A2;A3", True) string AnswerComment( integer QuestionnaireID, integer SectionNo, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna o comentário da seção especificada. SectionNo é o número da seção, começando por 1 para a primeira seção do questionário. date AnswerDate( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, string AlternativeKey, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna a resposta das questões ou a alternativa do tipo de dados date. datetime AnswerDateTime( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, string AlternativeKey, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna a resposta das questões ou a alternativa do tipo de dados datetime. float AnswerFloat( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, string AlternativeKey, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna a resposta das questões ou a alternativa do tipo de dados float. integer AnswerInt( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, string AlternativeKey, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna a resposta das questões ou a alternativa do tipo de dados integer. string AnswerSingleChoice( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, bool IncludeIncomplete = False ) Guia de referência 73

74 Funções de expressão Retorna a chave alternativa da resposta em uma questão de escolha única. string AnswerSingleChoiceText( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna a legenda alternativa da resposta em uma questão de escolha única. string AnswerText( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, string AlternativeKey, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna a resposta das questões ou a alternativa do tipo de dados string. bool HasAnswerForm( integer QuestionnaireID, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna true se o cliente tiver respondido o questionário especificado (no contexto específico), caso contrário, retorna false. bool HasInclompleteResponse( integer QuestionnaireID, integer LayoutID, integer PageIndex ) Retorna true se o cliente tiver começado a responder o questionário especificado, mas não tiver concluído a resposta. HasIncompleteResponse( ) pode somente existir se Rastreamento de respostas for ativado. LayoutID é o ID exclusivo do layout do questionário usado. PageIndex é o número da página introduzida (visualizada pelo respondedor) na resposta incompleta. PageIndex começa com 1 na primeira página do layout. bool IsAnswered( integer QuestionnaireID, string QuestionKey, string AlternativeKey, bool IncludeIncomplete = False ) Retorna true se a questão especificada ou alternativa forem respondidas (ou selecionada para questões de opções múltiplas), caso contrário, é retornado false. Funções do Report Viewer Descrição geral Esta categoria de funções de expressão é usada para gerar URLs para a aplicação Web Report Viewer. string ArchivedReportURL( string or integer ArchivedReportID, bool Scramble ) Retorna um string que contém a URL para visualizar o relatório arquivado especificado. O relatório será visualizado no formato de exibição padrão do relatório arquivado. ArchivedReportID é o ID único do relatório arquivado (coluna do banco de dados REPORT_ARCIVDE.RA_ID) Scramble informa se se deve ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar os seus conteúdos da pessoa que abre a URL. string ArchivedReportURL( string or integer ArchivedReportID, integer FormatIndex, integer Action, bool Scramble ) 74 Portrait Dialogue 6.0 SP1

75 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Retorna um string contendo a URL para visualizar o relatório arquivado especificado no formato especificado. ArchivedReportID é o ID único do relatório arquivado (coluna do banco de dados REPORT_ARCIVDE.RA_ID) FormatIndex é um número inteiro que especifica o formato usado para visualizar o relatório arquivado. Consulte Formatos de relatório para obter uma lista de definições de formatos. Action é um número inteiro que especifica a forma como o relatório é apresentado ao usuário. Consulte Ações de visualização de relatórios para obter uma lista de definições de ações. Scramble informa se se deve ou não codificar os parâmetros da URL para ocultar os seus conteúdos da pessoa que abre a URL. Funções RTF Descrição geral As seguintes funções de expressão são usadas ao trabalhar com modelos de mensagens RTF (formato rich text). string RtfInsertPicture( string Filename, integer ScaleFactor ) Insere uma imagem em um modelo RTF durante o processo de mesclagem de mensagens. O valor retornado é um string que representa uma marca de imagem RTF. Filename é o caminho completo e nome do arquivo para a imagem ou arquivo de imagem a inserir. ScaleFactor é um número que indica se a imagem deverá ser dimensionada. ScaleFactor é especificado na porcentagem do tamanho original da imagem. O valor 0 (ou 100) significa que não existe dimensionamento. string RtfInsertPictureCID( string CID, integer ScaleFactor ) RtfInsertPictureCID faz o mesmo que RtfInsertPicture, exceto o fato de a imagem ser carregada a partir de Arquivos publicados e não a partir de um arquivo. CID é o identificador exclusivo na biblioteca de Arquivos publicados no Dialogue Server. Observação: Arquivos publicados são descritos no Arquivo de Ajuda do Visual Dialogue. Funções de seleção e lista Descrição geral Esta categoria de funções de expressão trata de seleções e listas. bool IsInSelection( integer SelectionID ) Retorna TRUE se o cliente se encontrar na seleção especificada por SelectionID. Guia de referência 75

76 Funções de expressão IsInSelection é usado para definir os critérios da subseleção em Designer de seleção. Observação: Existem duas restrições no uso de IsInSelection: 1) A seleção especificada por SelectionID não pode especificar valores de contexto ("Usar contexto na seleção" não pode ser assinalado no Designer de seleção). 2) A seleção deve ser conversível para uma instrução SQL (a maioria das seleções efetuará isto). bool IsInList(lista de integer ou string) Retorna TRUE se o cliente se encontrar na lista especificada por List. O parâmetro List pode conter o ID único da lista (coluna do banco de dados LIST.LST_ID) ou o nome da lista (coluna do banco de dados LIST.LST_NAME). Por exemplo, é possível usar IsInList para definir critérios no Editor de seleção referentes a uma lista de clientes que foram exportados a partir do aplicativo Portrait Explorer. Funções de texto Descrição geral As seguintes funções de expressão são projetadas para lidar com valores de string. string HtmlEncode( string UncodedString ) Retorna o string de entrada após a codificar usando codificação HTML. string IfString( bool Condition, string TrueValue, string FalseCondition ) Retorna um string se "Condition" for true, outra se for false. No exemplo seguinte, o valor retornado varia consoante a ocorrência ou não ocorrência de comunicação usando mensagens SMS. Exemplo: IfString( has Activities[Channel="SMS"], "recebeu SMS", "não recebeu SMS" ) integer Length( string Value ) Retorna o comprimento do string de entrada. string LowerCase( string Value ) Retorna o string de entrada em letra minúscula. integer StrToInt ( string Value ) Converte um string em um número inteiro. O valor de entrada deve ser um número inteiro válido, caso contrário, é lançada uma exceção. string ToString( Value ) Retorna um valor de entrada sem string convertido para um string. string UpperCase( string Value ) 76 Portrait Dialogue 6.0 SP1

77 Capítulo 2: Domínios de cliente e Expressões Retorna o string de entrada em letra maiúscula. Funções de sistema Descrição geral As seguintes funções de expressão são funções ao nível do sistema. string UserCellular() Retorna o número de telefone celular do usuário atual. string UserDisplayName() Retorna o nome real do usuário atual. string User () Retorna o endereço de do usuário atual. string UserName() Retorna o nome de usuário do usuário atual. Guia de referência 77

78

79 Capítulo 3 Configurar relatórios Nesta seção: Relatórios Report Viewer Formatos de relatório XML do parâmetro de relatório Ações de visualização de relatórios

80 Relatórios Relatórios Sobre os relatórios O Portrait Dialogue contém capacidades de relatório. Os diferentes módulos no conjunto contêm partes diferentes da funcionalidade de relatório. O diagrama abaixo ilustra isso. 80 Portrait Dialogue 6.0 SP1

81 Capítulo 3: Configurar relatórios Designer de relatórios do Visual Dialogue Os relatórios são concebidos no Visual Dialogue. No Designer de relatórios, o usuário trabalha com modelos de relatório e define as origens de dados, parâmetros e layout de um relatório. Report Engine do Dialogue Server O Report Engine dentro do Dialogue Server é responsável pela produção da saída de relatório em formatos diferentes. Através da API do Dialogue Server (ReportAPI), os programadores e integradores podem trabalhar com relatórios de forma programática. As definições de modelo de relatório e relatórios arquivados são armazenados em um conjunto de tabelas no Banco de dados do Dialogue Server. Report Portal O Report Portal é uma aplicação Web que fornece aos usuários uma interface para procurar, executar e visualizar relatórios Os usuários fazem logon nessa aplicação e obtêm acesso para executar e visualizar relatórios, de acordo com seus direitos de acesso. Report Viewer O Report Viewer é uma aplicação Web compilada para suportar a distribuição de relatórios. O Report Viewer suporta visualizar e baixar relatórios por meio dos parâmetros da URL. Os usuários não fazem logon no Report Viewer, mas obtém acesso somente ao único relatório especificado em uma URL única. Normalmente, essas URLs irão estar codificados e contêm uma soma de verificação para evitar manipulação. Ler mais. Report Viewer Introdução O Report Viewer é usado para exibir relatórios arquivados e para executar modelos de relatório. Vincular a um relatório arquivado É possível vincular diretamente a um relatório arquivado. Isso irá abrir o relatório arquivado no Report Viewer. O formato da URL descrito: (texto a negrito representa parâmetros opcionais) ArchiveID=[ARCHIVE ID]&Action=[ACTION]& FormatIndex=[FORMAT INDEX]&Instance=[INSTANCE_NAME] Parâmetros da URL: O parâmetro ArchiveID é necessário. Substitua o [ARCHIVE ID] na URL com o id do relatório arquivado. Guia de referência 81

82 Report Viewer O parâmetro Ação é opcional. Use esse parâmetro para configurar diferentes ações de visualização para o relatório. Substitua [ACTION] na URL com a ação desejada. Consulte Ações de visualização de relatórios para obter mais detalhes. O parâmetro FormatIndex é opcional. Use esse parâmetro para substituir o formato padrão do relatório arquivado. Substitua [FORMAT INDEX] na URL com o formato desejado. Consulte Formatos de relatório para obter mais detalhes. O parâmetro Instância é opcional. Use esse parâmetro para especificar o nome da instância a usar. Se não for especificada, será usada a instância padrão. Exemplo: ArchiveID=1061&FormatIndex=1&Action=Browse Executar um modelo de relatório É possível vincular ao Report Viewer e executar um relatório, com ou sem parâmetros. Se executar um relatório com parâmetros de relatório, é necessário fornecer o ID do modelo e os parâmetros de relatório. Se especificar parâmetros de relatório de URL, é necessário indicar o nome e o valor do parâmetro (e, opcionalmente, o operador do parâmetro). Caso o operador de parâmetro de relatório não seja especificado, é usado o operador padrão. O formato da URL descrito: (texto a negrito representa parâmetros opcionais) Sem parâmetros de relatório: TemplateID=[TEMPLATE ID]&Action=[ACTION]&FormatIndex=[FORMAT INDEX] Com parâmetros de relatório: TemplateID=[TEMPLATE ID]&Action=[ACTION]&FormatIndex=[FORMAT INDEX]&Instance=[INSTANCE_NAME]& pname[1,2...]=[parameter NAME]& pvalue[1,2...]=[parameter VALUE]& poperator[1,2...]=[parameter OPERATOR] Parâmetros da URL: O parâmetro TemplateID é necessário. Substitua o [TEMPLATE ID] na URL com o id do modelo do relatório. O parâmetro Ação é opcional. Use esse parâmetro para configurar diferentes ações de visualização para o relatório. Substitua [ACTION] na URL com a ação desejada. Consulte Ações de visualização de relatórios para obter mais detalhes. 82 Portrait Dialogue 6.0 SP1

83 Capítulo 3: Configurar relatórios O parâmetro FormatIndex é opcional. Use esse parâmetro para substituir o formato padrão do relatório arquivado. Substitua [FORMAT INDEX] na URL com o formato desejado. Consulte Formatos de relatório para obter mais detalhes. O parâmetro Instância é opcional. Use esse parâmetro para especificar o nome da instância a usar. Se não for especificada, será usada a instância padrão. Especifique o primeiro parâmetro de relatório da seguinte forma: pname1=[parameter NAME]&pvalue1=[PARAMETER VALUE] Especifique o segundo parâmetro de relatório da seguinte forma: pname2=[parameter NAME]&pvalue2=[PARAMETER VALUE] e assim por diante... Exemplo: TemplateID=1267&FormatIndex=1&Action=Browse URLs codificadas Nos exemplos acima, os valores de parâmetro da URL (por exemplo, o ArchiveID) são expressos em "texto limpo". ReportViewer também suporta os valores de parâmetro da URL a serem codificados com uma soma de verificação. Dialogue Admin contém uma ferramenta para o ajudar a codificar e descodificar URLs. A ferramenta está disponível em Ferramentas no menu principal no Dialogue Admin. Exemplo: URL não codificada: ArchiveID=1061&FormatIndex=1&Action=Browse URL codificada: ArchiveID=085D0158&FormatIndex=08&Action=7B1F581E4609&CheckSum=015A0F Formatos de relatório Introdução Existem alguns formatos para exibir relatórios. É usado um Índice de formato para especificar os formatos quando chamar a API do Dialogue Server ou quando trabalhar com URLs para acessar as aplicações Web Report Portal e Report Viewer. Visão geral de formatos de relatório A tabela abaixo define os diferentes formatos disponíveis. Índice de formato Descrição Arquivos de saída Guia de referência 83

84 XML do parâmetro de relatório 0 Arquivos PDF do Adobe Acrobat. Um arquivo PDF é gerado. 1 HTML - com quebras de página É gerado um arquivo HTML por página. Imagens e gráficos são retornados como arquivos JPG HTML - uma página XHTML Formato Rich Text Microsoft Excel - Página única Imagem em formato JPEG Imagem em formato GIF Formato de imagem BITMAP Metarquivo do Windows Metarquivo avançado do Windows Microsoft Excel - Múltiplas páginas É gerado um arquivo HTML com todas as páginas. Imagens e gráficos são retornados como arquivos JPG. É gerado um arquivo XHTML por página. Imagens e gráficos são retornados como arquivos JPG. É gerado um arquivo RTF. É gerada uma planilha do Excel. Não contém gráficos. É gerado um arquivo JPG por página. É gerado um arquivo GIF por página. É gerado um arquivo BMP por página. É gerado um arquivo WMF por página. É gerado um arquivo EMF por página. É gerada uma planilha do Excel por página de relatório. Inclui elementos gráficos (por ex., imagens). Gráficos serão incluídos como imagens. Exemplos É apresentado abaixo um exemplo de uma URL para visualizar um relatório no Report Viewer: ArchiveID=1061&FormatIndex=1&Action=Browse XML do parâmetro de relatório Descrição geral O XML do parâmetro de relatório é um documento XML usado na API do relatório do Dialogue Server. O documento XML do parâmetro do relatório é usado para especificar os parâmetros de relatório aplicados ao gerar um relatório. 84 Portrait Dialogue 6.0 SP1

85 Capítulo 3: Configurar relatórios Formato XML do Parâmetro do Relatório Ao especificar um parâmetro no XML do parâmetro de relatório, o nome do parâmetro, o tipo de dados, o operador e o valor são especificados. Cada parâmetro é representado por um nó XML param. Todos os nós param são filhos do nó XML raiz chamado xml. Cada nó XML param especifica o nome, tipo de dados, operador e o valor do parâmetro. Especificar nó de string string_value Especificar valores de parâmetro (número inteiro e flutuante) no nó number_value Especificar valores de parâmetro de datetime no nó datetime_value Os operadores válidos são: Igual ( =) Menor que (<) Menor que ou igual a (<=) Maior que (>) Maior que ou igual a (>=) Não é igual a (<>) In (in) (somente aplicável para o string e o tipo de dados do número inteiro) Exemplo de um XML do parâmetro de relatório Em baixo encontra-se um exemplo de um XML do Parâmetro do relatório. Observação: O operador deve estar codificado, assim < codifica para < e > codifica para > <xml> <param> <name>contact ID</name> <type>integer</type> <operator>=</operator> <number_value>1031</number_value> </param> <param> <name>contact name</name> <type>string</type> <operator>=</operator> <string_value>john Johnsen</string_value> </param> <param> <name>last Contacted</name> <type>datetime</type> <operator><=</operator> <datetime_value> </datetime_value> </param> <param> <name>scoring</name> <type>float</type> <operator><></operator> <number_value>5.5</number_value> </param> Guia de referência 85

86 Ações de visualização de relatórios </xml> Usar o operador IN O operador IN abre para especificar vários valores de parâmetro. O operador IN trabalha somente com os tipos de dados string e número inteiro. O exemplo seguinte mostra como o operador IN é usado: <xml> <param> <name>address_types</name> <type>string</type> <operator>in</operator> <string_value>'office_address', 'postal_address', 'delivery_address'<string_value> </param> <param> <name>products</name> <type>integer</type> <operator>in</operator> <string_value>2, 44, 80, 34</string_value> </param> </xml> Ações de visualização de relatórios Introdução Quando é visualizado um relatório usando uma URL no Report Viewer, podem ser especificadas ações de visualização diferentes como parâmetros da URL. Visão geral de ações de visualização de relatórios A tabela abaixo define as diferentes ações de visualização disponíveis. Índice de ação 0 Ação Browse Descrição O relatório será exibido no navegador da Web com uma barra de navegação. Esta ação de visualização é indicada para relatórios que possuem vários arquivos (por ex., HTML com quebras de página). Observação: Se o relatório estiver em um formato que não pode ser exibido em uma página HTML, será usada a ação de visualização Open, caso contrário, a ação "Browse" é a ação padrão. 86 Portrait Dialogue 6.0 SP1

87 Capítulo 3: Configurar relatórios 1 2 Abrir Salvar O arquivo de relatório é aberto pelo navegador da Web. Será usado o modo de abrir padrão do tipo de arquivo. Observação: Se o relatório for composto por vários arquivos (por ex., HTML com quebras de página), a primeira página será aberta por padrão. Para especificar outra página, use o parâmetro querystring PageNumber (...Action=Open&PageNumber=3...). Especificar uma página não existente resultará em uma mensagem de erro. O arquivo do relatório é baixado e o navegador solicitará ao usuário que salve o arquivo em um local. Observação: Se o relatório for composto por vários arquivos (por ex., HTML com quebras de página), somente a primeira página será baixada. 3 Imprimir O arquivo do relatório é baixado e o navegador solicitará ao usuário por meio da exibição da caixa de diálogo de impressão. Observação: Esta ação de visualização funciona somente com o formato de relatório HTML. 4 PrintClose O mesmo que Print, mas a janela do navegador será fechada após a impressão (necessitará da confirmação do usuário se não for aberta a partir de outra página da Web). Observação: Esta ação de visualização funciona somente com o formato de relatório HTML. Exemplos É apresentado abaixo um exemplo de uma URL para visualizar um relatório no Report Viewer: ArchiveID=1061&FormatIndex=1&Action=Browse Consulte também Ações de visualização semelhantes se aplicam no Report Portal. Consulte a documentação do Report Portal para detalhes. Guia de referência 87

88

89 Capítulo 4 Rastreamento de e de links Nesta seção: Rastreamento Rastreamento de Rastreamento de link Detalhes do rastreamento de e de links Rastreamento de resposta

90 Rastreamento Rastreamento Rastreamento de e de links A funcionalidade de rastreamento de e rastreamento de links está incluída na aplicação utilitários da Web. O rastreamento é principalmente usado em s criados no Visual Dialogue (consulte a documentação do Visual Dialogue para obter mais informações) mas também pode ser usado independentemente adicionando URLs de rastreamento a s e páginas Web. Consulte os Detalhes de rastreamento de s e links para obter uma descrição de como o rastreamento é registrado pelo sistema e para outros detalhes técnicos. Rastreamento de respostas A funcionalidade rastreamento de resposta faz parte da funcionalidade questionário e é usada quando as respostas são registradas através da aplicação Customer Web Access (CWA) ou a aplicação Web de telemarketing. Rastreamento de Introdução É incluída uma guia de imagem nos s sendo rastreados. Quando o destinatário de abre o , a imagem é baixada e a informação sobre o destinatário é registrada. Estrutura URL da imagem A URL da imagem contém partes diferentes que são usadas para identificar o que está baixando a imagem. A URL contém os parâmetros seguintes: Parâmetros Instância ID da mensagem do cliente Nome A instância do Dialogue Server ID que identifica o cliente e a mensagem. Esse valor é equivalente à coluna do banco de dados CUSTOMER_MESSAGE.CM_ID. Configure ID de mensagem do cliente para 0 se o valor for desconhecido ou para "nt" para desativar o rastreamento. 90 Portrait Dialogue 6.0 SP1

91 Capítulo 4: Rastreamento de e de links Figura 1 - A parte diferente da URL da imagem Imagem de rastreamento A imagem de rastreamento padrão é uma imagem gif, transparente de 1 x 3 pixels (três pixels de largura). Visto que é transparente, não irá aparecer no e visto que só tem 1 x 3 pixels terá um impacto mínimo nos outros elementos de . A imagem padrão pode ser trocada com outras imagens adicionando-as à pasta Recursos/Imagens ET na pasta da aplicação utilitários da Web. A nova imagem é usada em vez da imagem padrão, substituindo a parte da Imagem baixada da URL da imagem mostrada na Figura 1 para o nome da nova imagem. A imagem padrão é usada se não for encontrada uma imagem no catálogo Imagens ET que coincide com o nome especificado. Rastreamento de link Introdução O rastreamento de links registra quando um usuário clica em rastrear links ativados. Quando um usuário clica em um link rastreado, ele é direcionado para a parte de rastreamento da aplicação utilitários da Web. A aplicação utilitários da Web registra o clique e redireciona o usuário para a URL de destino. Estrutura da URL do link O rastreamento de links identifica que link foi clicado, extraindo informações da URL. A URL contém os parâmetros seguintes: Parâmetros Parte da instância Nome A Instância. Necessário. Parte do ID da mensagem do cliente ID que identifica o cliente e a mensagem. Esse valor é equivalente à coluna do banco de dados CUSTOMER_MESSAGE.CM_ID. Não é necessário. Configure para 0 se o valor for desconhecido ou para "nt" para desativar o rastreamento. Parte do ID do nome do link O ID do nome do link. Usado somente pelo Visual Dialogue. Não é necessário. Configure para 0 quando o link é criado manualmente. Guia de referência 91

92 Rastreamento de link Parte do nome do link Redirecionar o parâmetro string de consulta Parâmetro soma de verificação O nome do link é usado principalmente para fins de relatório. Não é necessário. Remover quando não for necessário. A URL de destino. Necessário. Uma soma de verificação para assegurar a integridade da URL de destino. Configurável se necessário. Se for necessário, serão aceitos somente redirecionamentos com uma soma de verificação presente e correta. Se não for necessário, também serão aceitos redirecionamentos de links sem uma soma de verificação. O Rastreador de links suporta duas estruturas diferentes de URL: uma usada pelo Visual Dialogue e outra usada se o link for criado fora do Visual Dialogue. A diferença é que o Visual Dialogue usa um ID de nome de link em vez do próprio nome do link. Como é difícil fazer isso ao criar links fora do Visual Dialogue, também é possível adicionar o nome do link a um parâmetro string de consulta. Observação: Se for necessária uma soma de verificação, links criados manualmente não funcionarão pois não contêm somas de verificação. Ativar verificação da integridade do rastreamento de link (Soma de verificação) Por padrão, o mecanismo de rastreamento de link não necessita de uma soma de verificação presente nas URLs de rastreamento de link. Isso é feito para assegurar a compatibilidade com URLs nas mensagens enviadas antes de atualizar para a versão Para forçar a verificação da integridade (necessita de soma de verificação), é necessário alterar uma configuração em web.config em <WebUtilities>\LT: <checksum enable="true"> <instances> <!--<instance name="instancename" enable="true" defaultredirect="" />--> </instances> </checksum> 92 Portrait Dialogue 6.0 SP1

93 Capítulo 4: Rastreamento de e de links Este arquivo de configuração também contém configurações para fornecer uma URL de redirecionamento para usar se a soma de verificação estiver incorreta ou em falta. Há uma seção padrão no arquivo de configuração, mas também poderá existir uma seção para cada instância do banco de dados. Qualquer seção de instância substituirá os valores padrão. Observação: É recomendado ativar a verificação de integridade para novas instalações do PD. Detalhes do rastreamento de e de links Registro A tabela WEB_TRACK_LOG é usada para armazenar as informações sobre os s e s rastreados. A primeira tabela mostra as informações registradas quando um destinatário de baixa uma imagem de rastreamento enquanto que o segundo apresenta as informações registradas quando um link rastreado é registrado. Informações armazenadas quando o rastreado é aberto informações armazenadas A data e a hora em que a imagem foi baixada ID da mensagem do cliente O tipo de item de registro ( _OPEN) O string do agente do usuário (string que identifica o navegador de ) O tipo de navegador A versão do navegador A plataforma (sistema operacional) Campo usado na tabela WEB_TRACK_LOG WTL_TIMESTAMP WTL_CM_ID WTL_LOG_TYPE WTL_USER_AGENT WTL_BROWSER_TYPE WTL_BROWSER_VERSION WTL_PLATFORM Informações armazenadas quando um link de rastreamento é clicado informações armazenadas A data e a hora em que a imagem foi baixada Campo usado na tabela WEB_TRACK_LOG WTL_TIMESTAMP ID da mensagem do cliente Observação: Um valor de "0" significa que o ID da mensagem do cliente (e o próprio cliente) não foi identificado. WTL_CM_ID O nome do link A URL de destino WTL_LINK_NAME WTL_URL Guia de referência 93

94 Detalhes do rastreamento de e de links O tipo de item de registro (LINK) O string do agente do usuário (string que identifica o navegador de ) O tipo de navegador A versão do navegador A plataforma (sistema operacional) WTL_LOG_TYPE WTL_USER_AGENT WTL_BROWSER_TYPE WTL_BROWSER_VERSION WTL_PLATFORM Configurar o registro de e de links O arquivo web.config da aplicação utilitários da Web contém parâmetros sobre como o rastreamento de e de links é tratado. Nome do parâmetro LogMethod SaveLogAfterXSeconds LogFileLocation MaxLogFileSize Descrição Especifica que método de registro usar. Consulte a tabela abaixo para ver os tipos de registro diferentes suportados. Especifica o número de segundos a aguardar antes de armazenar os itens de registro no banco de dados/arquivo. Os registros são salvos para um arquivo/banco de dados quando um item de log é registrado e quando o número de segundos desde a última gravação excedeu o valor especificado. A localização do arquivo de log. O tamanho de arquivo de log máximo em kb. O padrão não é o limite. O rastreamento de e de links suporta vários métodos de registro: Método Banco de dados Arquivo Banco de dados e arquivo Banco de dados e arquivo (padrão) Nenhum Descrição Registro somente no banco de dados Registro somente no arquivo Registro no banco de dados e no arquivo. Registro no banco de dados. Registra nos arquivos se falhar o registro no banco de dados. Não está a registrar. Status e estatísticas da aplicação A aplicação utilitários da Web inclui uma página da Web para acesso fácil às estatísticas de registro e às mensagens de erro. Essa informação pode ser visualizada navegando para: 94 Portrait Dialogue 6.0 SP1

95 Capítulo 4: Rastreamento de e de links Por padrão, a página está desligada mas pode ser ativada alterando o parâmetro StatisticsMode no arquivo web.config da pasta da Aplicação. Registro personalizado As aplicações personalizadas podem adicionar a funcionalidade de rastreamento de e de links facilmente usando os serviços da Web em WebUtilsAPI. Rastreamento de resposta Introdução O rastreamento de respostas é usado para monitorar o andamento do Questionário, ou seja, quantas perguntas o respondedor já respondeu. Um item de log de Rastreamento de resposta é armazenado no banco de dados para cada página do questionário que um respondedor visita. Usar o rastreamento de resposta O Visual Dialogue inclui um relatório padrão para acesso fácil aos dados de Rastreamento de resposta do questionário. O relatório contém as seguintes informações: Quantos dos respondedores terminaram de responder o Questionário. A porcentagem de respondentes que acabaram de responder às diferentes páginas do questionário (comparada com o número total de respondedores que começaram a responder ao questionário) O tempo médio utilizado para responder ao Questionário. O tempo médio utilizado para responder às diferentes páginas do Questionário. Requisitos do rastreamento de resposta O Rastreamento de resposta é implementado no Customer Web Access e nos módulos da Web de telemarketing. Consulte a documentação do Visual Dialogue para saber como o Rastreamento de resposta é ativado. O Rastreamento de resposta está relacionado com um layout do questionário visto que é o layout que define umas páginas do questionário. Assim, um questionário necessita de um layout para que o Rastreamento de resposta funcione. Quando o Rastreamento de resposta é ativado. O Rastreamento de resposta é ativado somente quando o respondedor responde mesmo ao questionário e não quando o questionário é testado. Assim, o Rastreamento de resposta é desativado quando se abre o questionário do Visual Dialogue (por exemplo, quando é aberto por meio de uma mensagem de no Gerenciador de mensagens ou na Visualização de mensagens). O Rastreamento de resposta também pode ser desativado ao criar uma URL de questionário no Designer de questionário selecionando "Desativar rastreamento de resposta". Guia de referência 95

96 Rastreamento de resposta O Visual Dialogue desativa o Rastreamento de resposta adicionando um parâmetro querystring chamado "notrack" à URL usada para abrir o questionário. Os links do questionário contidos em s incluem esse parâmetro, desde que os s sejam abertos usando o Visual Dialogue, mas o parâmetro é removido quando o é enviado. Itens de log do rastreamento de resposta O Rastreamento de resposta usa três tipos diferentes de itens de log ao rastrear respostas: Iniciar - O item de log de início é registrado quando um respondedor abre pela primeira vez o questionário. Inserção de página - O item de log de inserção de página é registrado quando um respondedor navega para uma página nova. Completo - O item de log completo é registrado quando o respondedor acaba de responder ao questionário. Cache Para melhorar o desempenho do Rastreamento de resposta, os itens de log não são salvos diretamente no banco de dados. Em vez disso, são armazenados em cache no servidor Web e salvos em massa no banco de dados. Por padrão, os itens de log são salvados para o banco de dados se um novo item de log estiver registrado e se já tiveram passado mais de 10 segundos desde a última gravação. Porém, é possível alterar a frequência com que os itens de log são salvos usando a configuração SaveResponseLogAfterXSeconds no arquivo web.config do módulo apropriado. Os itens de log do Rastreamento de resposta armazenados em cache também são salvos se o módulo for descarregado. Informações armazenadas ao rastrear respostas: A tabela QRY_RESPONSE_TRACK_LOG é usada para armazenar as informações sobre o Rastreamento de resposta. A tabela abaixo mostra as informações registradas: informações armazenadas ID de layout Descrição O ID do layout do questionário usado ao rastrear respostas. Campo usado na tabela QRY_RESPONSE_TRACK_LOG QRTL_QL_ID ID de AnswerForm O ID do AnswerForm. Somente configurado se o respondedor acabou de responder ao questionário. QRTL_QAF_ID Identificador de resposta Timestamp Tipo de log Índice da página É anônimo Todos os itens de log registrados por um respondedor durante uma resposta única têm o mesmo identificador de resposta. Quando o item de log foi registrado. O tipo de item de log (início, page_enter, ou completo). O índice da página do questionário quando o item de log foi gerado. Se o questionário é respondido anonimamente. QRTL_RESPONSE_IDENTIFIER QRTL_TIMESTAMP QRTL_LOG_TYPE QRTL_PAGE_INDEX QRTL_IS_ANONYMOUS 96 Portrait Dialogue 6.0 SP1

97 Capítulo 4: Rastreamento de e de links ID do domínio de cliente ID do cliente Contexto ID do participante do diálogo O ID do domínio de cliente. O ID do cliente. O contexto O ID do participante do diálogo. QRTL_CD_ID QRTL_CUSTOMER_ID QRTL_CONTEXT QRTL_DP_ID ID do projeto de telemarketing Nome do tipo de canal ID da difusão O ID do projeto de telemarketing (se o questionário foi respondido por meio do módulo de telemarketing). O nome do tipo de canal usado ao responder ao questionário. O ID da difusão. As difusões são armazenadas na tabela do banco de dados FUZZY_MESSAGES. QRTL_CCP_ID QRTL_CT_NAME QRTL_FM_ID URL A URL usada para acessar ao questionário (inserida somente para itens de log do tipo "Iniciar"). QRTL_URL Tipo de logon O tipo de logon usado ao responder ao questionário (inserido somente quando o questionário é respondido por meio do módulo Customer Web Access). QRTL_LOGIN_TYPE É a atualização do AnswerForm Se o item de log for registrado ao atualizar um AnswerForm. QRTL_IS_ANSWER_FORM_UPDATE Agente do usuário O string do Agente de usuário do navegador da Internet usado para responder ao questionário (inserido somente em itens de log do tipo "Iniciar"). QRTL_USER_AGENT Tipo de navegador O Tipo de navegador da Internet usado para responder ao questionário (somente inserido para itens de log do tipo "Iniciar"). QRTL_BROWSER_TYPE Versão do navegador A Versão do navegador da Internet usada para responder ao questionário (somente inserida para itens de log do tipo "Iniciar"). QRTL_BROWSER_VERSION Platform A Plataforma usada pelo respondedor que respondeu aos questionários. QRTL_PLATFORM Guia de referência 97

98

99 Capítulo 5 Objetos de conteúdo Nesta seção: Objetos de conteúdo URLs de objeto de conteúdo

100 Objetos de conteúdo Objetos de conteúdo Os Objetos de conteúdo definem o conteúdo dinâmico onde o conteúdo real mostrado é decidido por meio da avaliação de um conjunto de regras. Normalmente, são usados em questionários, s e estilos do Meu perfil, mas podem ser usados em qualquer página da Web desde que a aplicação Web de utilitários da Web esteja disponível. URLs de objeto de conteúdo Modos de objeto de conteúdo Os Objetos de conteúdo podem ser exibidos usando um de dois modos: modo de página ou modo envolvido. Modo de página Um Objeto de conteúdo exibido usando o modo de página é exibido usando uma página HTML inteira e necessita ser exibido usando um iframe ou algo parecido. O exemplo seguinte exibe como um Objeto de conteúdo pode ser incluído em um iframe: <iframe src="http://server/mhwu/co/contentobject.axd? om=page&cok=content_1" ></iframe> Modo envolvido Um Objeto de conteúdo exibido usando o modo envolvido é exibido usando código HTML parcial e necessita ser incluído dentro de outra página da Web. O Objeto de conteúdo é adicionado à página da Web incluindo uma etiqueta de script com referência ao Objeto de conteúdo no local onde o Objeto de conteúdo será exibido. O exemplo seguinte exibe como um Objeto de conteúdo pode ser incluído em uma página da Web: <script src="http://dev004/mhwu/co/object.axd? om=wrapped&cok=content_1000&customerid=106981&showerror" type="text/javascript"></script> Estrutura de URL do Objeto de Conteúdo A URL que especifica um Objeto de conteúdo pode conter os seguintes parâmetros: Parâmetro Chave de parâmetro Nome 100 Portrait Dialogue 6.0 SP1

101 Capítulo 5: Objetos de conteúdo Modo de objeto de conteúdo Chave de objeto de conteúdo Instância ID de domínio OM COK Instância CustDomainId Como o Objeto de conteúdo é exibido (parâmetro necessário). Valores válidos: Página - o Objeto de conteúdo é exibido como uma página HTML inteira. Envolvido - um Objeto de conteúdo é exibido como código HTML parcial. A chave do Objeto de conteúdo (parâmetro necessário). Especifica que Instância do Dialogue Server o Objeto de conteúdo faz parte. A instância padrão é usada caso não seja especificada outra. O ID do domínio do cliente ID do cliente CustomerId O ID do cliente pode ser especificado para exibir conteúdo específico de cliente. Contexto Contexto O contexto. Valor padrão: "0". ID do participante Exibir Erro ParticipantId showerror O ID do participante pode ser usado em vez do ID do cliente para exibir conteúdo específico do cliente. Se uma mensagem de erro deve ser mostrada caso ocorra um erro ao mostrar o objeto de conteúdo. Utilizado principalmente para depuração. Origem Sem rastreamento Parâmetros adicionais Cache origem notrack C Um valor opcional que especifica a origem do pedido para o objeto de conteúdo. Esse valor é armazenado em uma coluna separada (col_origin) na tabela do banco de dados (content_object_log) onde as execuções do objeto de conteúdo são registradas. Assim, o parâmetro é apropriado para relatório. Se o rastreamento de link for usado no objeto de conteúdo, especificando esse parâmetro irá desativar o rastreamento. É possível incluir quaisquer parâmetros adicionais. Esses parâmetros podem ser recuperados e usados nos Itens e regras do conteúdo do Objeto de conteúdo. Se e quando a cache é usada. O parâmetro - Nenhuma cache é usada. Também é o comportamento padrão, quando o parâmetro "C" é especificado. Use - O item de conteúdo é retornado da cache se for encontrado e do Dialogue Server se não for encontrado na cache. Clear - Remove o item de conteúdo da cache e retorna uma cópia atualizada do Dialogue Server. ClearOnly - Remove o item de conteúdo da cache sem retornar nada. Guia de referência 101

102 URLs de objeto de conteúdo Observação: Os itens de conteúdo têm como base a cache nos parâmetros seguintes: Se não especificado nenhum ID de participante: Modo objeto de conteúdo, chave do Objeto de conteúdo, Instância, ID de domínio, ID do cliente, Contexto e Parâmetros adicionais. Se um ID de participante for especificado: Modo objeto de conteúdo, chave do Objeto de conteúdo, Instância, ID de participante e Parâmetros adicionais. Tempo limite da cache CTO A quantidade de tempo em minutos que os itens de conteúdo estão em cache. O período de tempo da cache é móvel, o que significa que é reiniciado sempre que cada item é acessado. O tempo limite padrão da cache é 5 minutos. A imagem abaixo mostra a estrutura da URL do objeto de conteúdo: Figura 1 - Estrutura da URL do objeto de conteúdo. 102 Portrait Dialogue 6.0 SP1

103 Capítulo 6 Arquivos publicados Nesta seção: Arquivos publicados URLs de arquivos publicados

104 Arquivos publicados Arquivos publicados Um arquivo publicado é um arquivo armazenado e disponibilizado por meio do Dialogue Server. Estão acessíveis na Web por meio das URL especialmente construídas e podem ser usadas em qualquer página da Web. URLs de arquivos publicados Estrutura da URL de arquivos publicados Uma URL que especifica que um Arquivo publicado contém os seguintes parâmetros: Parâmetro Instância ID de conteúdo Nome do arquivo Modo de atualização (opcional) Nome do parâmetro refreshmode Nome Especifica a que Instância do Dialogue Server os Arquivos publicados pertencem. O ID do conteúdo do Arquivo publicado. Especifica o nome do arquivo dos Arquivos publicados. Especifica como tratar quaisquer versões em cache do arquivo. Consulte a figura abaixo para ver um exemplo. Valores de parâmetro permitidos: 0 - Arquivo de retorno. Retorna da cache se estiver disponível e do Dialogue Server se não estiver. 1 - Limpar cache. Remove qualquer versão em cache do arquivo (não retorna o arquivo). 2 - Limpar cache e retornar. Limpa quaisquer versões de cache do arquivo e obtém uma versão atualizada do Dialogue Server. 104 Portrait Dialogue 6.0 SP1

105 Capítulo 6: Arquivos publicados Use o diálogo "Salvar como..." (opcional) usesaveasdialog O diálogo "Salvar como.." é mostrado dependendo do tipo de arquivo do arquivo publicado. O comportamento padrão pode ser substituído especificando esse parâmetro. Por padrão, o diálogo "Salvar como..." é mostrado para todos os tipos de arquivo exceto os seguintes: Imagens - Arquivos com extensões bmp, gif, jpg, jpeg e png Arquivos HTML - Arquivos com extensões htm e html Arquivos PDF Valores de parâmetro permitidos: true - O diálogo "Salvar como..." é usado. false - O diálogo "Salvar como..." não é usado. A figura abaixo mostra a estrutura da URL do arquivo publicado. Figura 1 - Estrutura URL do arquivo publicado. Guia de referência 105

Notas de Versão. Versão 6.0 SP1

Notas de Versão. Versão 6.0 SP1 Notas de Versão Versão 6.0 SP1 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes à Pitney

Leia mais

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0 Versão 7.0A 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas

Leia mais

Guia do usuário Customer View. Versão 6.0 SP1

Guia do usuário Customer View. Versão 6.0 SP1 Guia do usuário Customer View Versão 6.0 SP1 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes

Leia mais

Manual de Instruções do Visual Dialogue. Versão 6.0 SP1

Manual de Instruções do Visual Dialogue. Versão 6.0 SP1 Manual de Instruções do Visual Dialogue Versão 6.0 SP1 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais

Leia mais

Guia do usuário do Web Portal. Versão 6.0

Guia do usuário do Web Portal. Versão 6.0 Guia do usuário do Web Portal Versão 6.0 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes

Leia mais

Guia de instalação. Versão 4.0

Guia de instalação. Versão 4.0 Guia de instalação Versão 4.0 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes à Pitney

Leia mais

Guia do Usuário do Telemarketing. Versão 6.0 SP1

Guia do Usuário do Telemarketing. Versão 6.0 SP1 Guia do Usuário do Telemarketing Versão 6.0 SP1 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

administração Guia de BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1

administração Guia de BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia de administração Publicado: 16/01/2014 SWD-20140116140606218 Conteúdo 1 Primeiros passos... 6 Disponibilidade de recursos administrativos... 6 Disponibilidade

Leia mais

TeamViewer 9 Manual Management Console

TeamViewer 9 Manual Management Console TeamViewer 9 Manual Management Console Rev 9.2-07/2014 TeamViewer GmbH Jahnstraße 30 D-73037 Göppingen www.teamviewer.com Sumário 1 Sobre o TeamViewer Management Console... 4 1.1 Sobre o Management Console...

Leia mais

Guia de introdução. Para os administradores do programa DreamSpark

Guia de introdução. Para os administradores do programa DreamSpark Guia de introdução Para os administradores do programa DreamSpark Este documento destaca as funções básicas necessárias para configurar e gerenciar seu ELMS na WebStore do DreamSpark. Versão 2.4 05.06.12

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia

Leia mais

Guia do usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 8.5 (MeetingPlace Scheduling)

Guia do usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 8.5 (MeetingPlace Scheduling) Guia do usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 8.5 (MeetingPlace Scheduling) Americas Headquarters Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose, CA 95134-1706 USA http://www.cisco.com

Leia mais

e-mails editores de e-mails Como configurar contas de nos principais Como configurar contas de e-mails nos principais editores de e-mails

e-mails editores de e-mails Como configurar contas de nos principais Como configurar contas de e-mails nos principais editores de e-mails Como configurar contas de e-mails nos principais editores de e-mails Podemos acessar nossos e-mails pelo webmail, que é um endereço na internet. Os domínios que hospedam com a W3alpha, acessam os e-mails

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Guia do usuário do Portrait HQ. Versão 2.0

Guia do usuário do Portrait HQ. Versão 2.0 Guia do usuário do Portrait HQ Versão 2.0 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes

Leia mais

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para BLACKBERRY INTERNET SERVICE. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a

Leia mais

Área de Administração

Área de Administração Área de Administração versão 1.1 Partir de 2012/01/14 aplica-se para a versão phpcontact 1.2.x www.phpcontact.net Geral A área de administração é utilizado para uma fácil configuração do software elaboraçao

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Guia do Usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 7.1

Guia do Usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 7.1 Guia do Usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 7.1 Sede das Américas Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose, CA 95134-1706 EUA http://www.cisco.com Tel.: +1 408 526-4000

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC FileMaker 13 Guia de ODBC e JDBC 2004 2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e Bento são marcas comerciais da

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps

Manual do Usuário Microsoft Apps Manual do Usuário Microsoft Apps Edição 1 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos da Microsoft oferecem aplicativos para negócios para o seu telefone Nokia

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1)

Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1) Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1) Primeira publicação: May 25, 2012 Americas Headquarters Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon MDaemon GroupWare plugin para o Microsoft Outlook Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon Versão 1 Manual do Usuário MDaemon GroupWare Plugin for Microsoft Outlook Conteúdo 2003 Alt-N Technologies.

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Gateway de email emailgtw série 2.7 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia O material contido neste documento é fornecido

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

KM-NET for Accounting. Guia de Operação

KM-NET for Accounting. Guia de Operação KM-NET for Accounting Guia de Operação Informações legais e gerais Aviso É proibida a reprodução não autorizada deste guia ou parte dele. As informações neste guia estão sujeitas a alterações sem aviso

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Meu Monitor do SQL Server mysql série 1.4 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia O material contido neste documento é fornecido

Leia mais

FileMaker. Guia de instalação e novos recursos. do FileMaker Pro 15 e FileMaker Pro 15 Advanced

FileMaker. Guia de instalação e novos recursos. do FileMaker Pro 15 e FileMaker Pro 15 Advanced FileMaker Guia de instalação e novos recursos do FileMaker Pro 15 e FileMaker Pro 15 Advanced 2007-2016 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

BlackBerry Desktop Software. Versão: 7.1. Guia do usuário

BlackBerry Desktop Software. Versão: 7.1. Guia do usuário BlackBerry Desktop Software Versão: 7.1 Guia do usuário Publicado: 2012-06-05 SWD-20120605130141061 Conteúdo Aspectos básicos... 7 Sobre o BlackBerry Desktop Software... 7 Configurar seu smartphone com

Leia mais

Adobe Acrobat Connect Pro 7 Notas de lançamento

Adobe Acrobat Connect Pro 7 Notas de lançamento Adobe Acrobat Connect Pro 7 Notas de lançamento Bem-vindo ao Adobe Acrobat Connect Pro 7. Este documento contém informações de última hora sobre produtos que não foram mencionadas na documentação do Connect

Leia mais

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Índice Introdução ao Serviço de E-mail O que é um servidor de E-mail 3 Porque estamos migrando nosso serviço de correio eletrônico? 3 Vantagens de utilização

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Shavlik Protect. Guia de Atualização

Shavlik Protect. Guia de Atualização Shavlik Protect Guia de Atualização Copyright e Marcas comerciais Copyright Copyright 2009 2014 LANDESK Software, Inc. Todos os direitos reservados. Este produto está protegido por copyright e leis de

Leia mais

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Importante: as instruções contidas neste guia só serão aplicáveis se seu armazenamento de mensagens for Avaya Message Storage Server (MSS)

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

Guia do usuário do Portrait HQ. Versão 2.0

Guia do usuário do Portrait HQ. Versão 2.0 Guia do usuário do Portrait HQ Versão 2.0 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas neste documento,

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Integrated User Verification Guia de Implementação do Cliente 2015-05-04 Confidencial Versão 2.9

Integrated User Verification Guia de Implementação do Cliente 2015-05-04 Confidencial Versão 2.9 Integrated User Verification Guia de Implementação do Cliente 2015-05-04 Confidencial Versão 2.9 SUMÁRIO Introdução... 2 Finalidade e público-alvo... 2 Sobre este documento... 2 Termos mais utilizados...

Leia mais

Guia de Instalação do Servidor. Versão 6.0 SP1

Guia de Instalação do Servidor. Versão 6.0 SP1 Guia de Instalação do Servidor Versão 6.0 SP1 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes

Leia mais

Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL

Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL Tutorial Hotmail Sobre o MSN Hotmail Acessando o Hotmail Como criar uma conta Efetuando o login Verificar mensagens Redigir

Leia mais

Diveo Exchange OWA 2007

Diveo Exchange OWA 2007 Diveo Exchange OWA 2007 Manual do Usuário v.1.0 Autor: Cícero Renato G. Souza Revisão: Antonio Carlos de Jesus Sistemas & IT Introdução... 4 Introdução ao Outlook Web Access 2007... 4 Quais são as funcionalidades

Leia mais

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 2010 Guia de Instalação Rápida 20047221 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes da instalação Sobre a conta de serviço do

Leia mais

4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows 8.1 Update

4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows 8.1 Update 4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911 2015 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox, Xerox com a marca figurativa e FreeFlow são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia do administrador do Service desk. Julho de 2013

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia do administrador do Service desk. Julho de 2013 Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5 Guia do administrador do Service desk Julho de 2013 2004-2013 Dell, Inc. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reprodução deste

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

Outlook 2003. Apresentação

Outlook 2003. Apresentação Outlook 2003 Apresentação O Microsoft Office Outlook 2003 é um programa de comunicação e gerenciador de informações pessoais que fornece um local unificado para o gerenciamento de e-mails, calendários,

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para

Leia mais

Integrated User Verification Guia de Implementação do Cliente

Integrated User Verification Guia de Implementação do Cliente Integrated User Verification Guia de Implementação do Cliente Versão 2.5 31.01.12 e-academy Inc [CONFIDENCIAL] SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 FINALIDADE E PÚBLICO-ALVO... 3 SOBRE ESTE DOCUMENTO... 3 TERMOS MAIS

Leia mais

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade Manual do SMS Copyright 1998-2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync, o logotipo da Palm e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo de HotSync e Palm são marcas comerciais

Leia mais

IBM Connections Plug-In for Microsoft Outlook Ajuda da Instalação

IBM Connections Plug-In for Microsoft Outlook Ajuda da Instalação IBM Connections Versão 4.5 IBM Connections Plug-In for Microsoft Outlook Ajuda da Instalação Aviso da Edição Nota: Antes de usar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em

Leia mais

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01 EDITORA FERREIRA MP/RJ NCE EXERCÍCIOS 01 GABARITO COMENTADO 01 Ao se arrastar um arquivo da pasta C:\DADOS para a pasta D:\TEXTOS utilizando se o botão esquerdo do mouse no Windows Explorer: (A) o arquivo

Leia mais

Manual do aplicativo Conexão ao telefone

Manual do aplicativo Conexão ao telefone Manual do aplicativo Conexão ao telefone Copyright 2003 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. O logotipo da Palm e HotSync são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo da HotSync e Palm são marcas

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian

Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian Edição 1.0 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos Microsoft oferecem aplicativos corporativos Microsoft para o

Leia mais

Spam Manager. Guia do Usuário

Spam Manager. Guia do Usuário Spam Manager Guia do Usuário Guia do Usuário do Spam Manager Versão da documentação: 1.0 Avisos legais Avisos legais Copyright Symantec Corporation 2013. Todos os direitos reservados. Symantec, o logotipo

Leia mais

CA Nimsoft Unified Reporter

CA Nimsoft Unified Reporter CA Nimsoft Unified Reporter Guia de Instalação 7.5 Histórico de revisões do documento Versão do documento Data Alterações 1.0 Março de 2014 Versão inicial do UR 7.5. Avisos legais Este sistema de ajuda

Leia mais

IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5. Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft Office

IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5. Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft Office IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5 Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft Office ii Instalando Manuais PDF e o Centro de Informações Os manuais PDF

Leia mais

FileMaker 14. Guia de ODBC e JDBC

FileMaker 14. Guia de ODBC e JDBC FileMaker 14 Guia de ODBC e JDBC 2004 2015 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e FileMaker Go são marcas comerciais

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitor de resposta do SQL. sql_response série 1.6

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitor de resposta do SQL. sql_response série 1.6 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitor de resposta do SQL sql_response série 1.6 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins informativos

Leia mais

Ajuda on-line de aplicativos do Cisco Unified Intelligence Center

Ajuda on-line de aplicativos do Cisco Unified Intelligence Center Primeira publicação: December 12, 2013 Americas Headquarters Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose, CA 95134-1706 USA http://www.cisco.com Tel: 408 526-4000 800 553-NETS (6387) Fax: 408 527-0883

Leia mais

IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5. Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint

IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5. Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5 Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint ii Instalando Manuais PDF e o Centro de Informações Os manuais

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

Arcserve Replication and High Availability

Arcserve Replication and High Availability Arcserve Replication and High Availability Guia de Operações do servidor Oracle para Windows r16.5 A presente Documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente

Leia mais

Mais configuração OptraImage

Mais configuração OptraImage 1 fax Personalizar configurações..................... 2 Defina manualmente as informações básicas do fax........ 4 Crie destinos permanentes de fax....................... 6 Altere as configurações de receber

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Manual do usuário do Sistema de mensagens expressas de correio de voz Unity 2.3 da Cisco

Manual do usuário do Sistema de mensagens expressas de correio de voz Unity 2.3 da Cisco Manual do usuário do Sistema de mensagens expressas de correio de voz Unity 2.3 da Cisco Revisão: 1º de agosto de 2006, OL-10499-01 Primeira publicação: 1º de agosto de 2006 Data da última atualização:

Leia mais

LotusLive inotes. LotusLive inotes Guia do Usuário

LotusLive inotes. LotusLive inotes Guia do Usuário LotusLive inotes LotusLive inotes Guia do Usuário LotusLive inotes LotusLive inotes Guia do Usuário Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações na seção

Leia mais

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Maio de 2012 Conteúdo Capítulo 1: Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Introdução ao Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Instalando

Leia mais

Tutorial: Webmail. Dicas de Uso e Funcionalidades 02/2015. Versão 01

Tutorial: Webmail. Dicas de Uso e Funcionalidades 02/2015. Versão 01 Tutorial: Webmail Dicas de Uso e Funcionalidades 02/2015 Versão 01 Conteúdo Tutorial: Webmail 2015 Descrição... 2 Possíveis problemas... 5 Criando Regras de Mensagens (Filtros Automáticos)... 11 A partir

Leia mais

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013 Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5 Guia de gerenciamento de ativos Julho de 2013 2004-2013 Dell, Inc. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reprodução deste material

Leia mais

Guia de Início Rápido da Caixa de Entrada do Cisco Unity Connection (Versão 10.x)

Guia de Início Rápido da Caixa de Entrada do Cisco Unity Connection (Versão 10.x) Guia de início rápido Guia de Início Rápido da Caixa de Entrada do Cisco Unity Connection (Versão 10.x) Caixa de Entrada da Web do Connection do Cisco Unity Connection(Versão 10.x) 2 Sobre a Caixa de Entrada

Leia mais

Spam Manager. Guia do Administrador da Quarentena

Spam Manager. Guia do Administrador da Quarentena Spam Manager Guia do Administrador da Quarentena Guia do Administrador da Quarentena do Spam Manager Versão da documentação: 1.0 Avisos legais Avisos legais Copyright Symantec Corporation 2013. Todos os

Leia mais

4.0 SP1 (4.0.1.0) novembro 2014 708P90868. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows Server 2012

4.0 SP1 (4.0.1.0) novembro 2014 708P90868. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows Server 2012 4.0 SP1 (4.0.1.0) novembro 2014 708P90868 Guia de Instalação: Windows Server 2012 2014 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox, Xerox e Design, FreeFlow e VIPP são marcas registradas da

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade Manual do SMS Copyright 1998-2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo do HotSync, Palm e o logotipo da Palm são marcas comerciais

Leia mais

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br Capture Pro Software Introdução A-61640_pt-br Introdução ao Kodak Capture Pro Software e Capture Pro Limited Edition Instalando o software: Kodak Capture Pro Software e Network Edition... 1 Instalando

Leia mais

Manual do Usuário do Nokia Mail for Exchange 2.9

Manual do Usuário do Nokia Mail for Exchange 2.9 Manual do Usuário do Nokia Mail for Exchange 2.9 2009 Nokia. Todos os direitos reservados. Nokia e Nokia Connecting People são marcas comerciais ou marcas registradas da Nokia Corporation. Outros nomes

Leia mais

Como configurar e-mails nos celulares. Ebook. Como configurar e-mails no seu celular. W3alpha - Desenvolvimento e hospedagem na internet

Como configurar e-mails nos celulares. Ebook. Como configurar e-mails no seu celular. W3alpha - Desenvolvimento e hospedagem na internet Ebook Como configurar e-mails no seu celular Este e-book irá mostrar como configurar e-mails, no seu celular. Sistemas operacionais: Android, Apple, BlackBerry, Nokia e Windows Phone Há muitos modelos

Leia mais

Guia de instalação e configuração do Alteryx Server

Guia de instalação e configuração do Alteryx Server Guia de referência Guia de instalação e configuração do Alteryx Server v 1.5, novembro de 2015 Sumário Guia de instalação e configuração do Alteryx Server Sumário Capítulo 1 Visão geral do sistema... 5

Leia mais

Guia do Produto Revisão A. Software Cliente do McAfee Secure Web Mail 7.0.0

Guia do Produto Revisão A. Software Cliente do McAfee Secure Web Mail 7.0.0 Guia do Produto Revisão A Software Cliente do McAfee Secure Web Mail 7.0.0 COPYRIGHT Copyright 2011 McAfee, Inc. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, transmitida,

Leia mais

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 1.0

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 1.0 Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix Versão 1.0 Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix O software descrito neste livro é fornecido sob um contrato de licença

Leia mais