A ADOÇÃO DE UM ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) E SEU IMPACTO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO DE UMA ORGANIZAÇÃO DO SETOR DE SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ADOÇÃO DE UM ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) E SEU IMPACTO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO DE UMA ORGANIZAÇÃO DO SETOR DE SERVIÇOS"

Transcrição

1 A ADOÇÃO DE UM ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) E SEU IMPACTO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO DE UMA ORGANIZAÇÃO DO SETOR DE SERVIÇOS Marcellus Egydio de Lima Universidade de Brasília / Mestrado em Ciências Contábeis Campus Universitário UnB Prédio da FACE 1º Andar - CCA. CEP Brasília-DF. Adelaida Pallavicini Fonseca, D.Sc. Universidade de Brasília / Mestrado em Transportes. Campus Universitário - SG-12, 1º andar. CEP Brasília-DF Edwin Pinto de la Sota Silva, D.Sc. Campus Universitário UnB Prédio da FACE 1º Andar - CCA. CEP Brasília-DF. Área temática: Administração e Gestão da Produção RESUMO O objetivo da pesquisa foi verificar se a implantação de um Enterprise Resource Planning (ERP) impacta positivamente no processo orçamentário de uma organização considerando quatro características das informações geradas: Acurácia, Completude/Disponibilidade, Consistência e Tempestividade. Nesse sentido foram estudados os impactos que a implantação do ERP Solomon provocou na Associação Brasileira de Bancos Estaduais e Regionais, ASBACE, e sua controlada, a ATP S.A., que atuam na prestação de serviços em todo o território nacional. O foco de atuação é o mercado financeiro e as concessionárias de serviços públicos. A pesquisa foi realizada com todos os membros da equipe de orçamento. Os resultados demonstraram que houve uma melhoria de forma geral, incluído um aumento médio na satisfação do usuário, mas a característica de Tempestividade da informação foi prejudicada com a adoção do sistema. Palavra-chave: Enterprise Resource Planing, sistema orçamentário e logística. ABSTRACT To verify if the implantation of the Enterprise Resource Planning (ERP) impacts positively in the budgetary process of an organization was realized this survey, which considered four outputs information: Accuracy, Availability, Consistency and Timely. The Brazilian Association of State and Regional Banks - ASBACE - and its subsidiary ATP S.A was studied. The ASBACE supplies services in the domestic territory and it is focused on the financial market and on utility concessionaires. All the members of the budget team were interviewed in order to evaluate the ERP. The results of this survey demonstrated that the budgetary process had a general improvement. An average increase on the users satisfaction was observed, but the information timely characteristic was impaired by the adoption of the system. Key word: Enterprise Resource Planning, budgetary system and logistic.

2 1. INTRODUÇÃO Um dos principais componentes do planejamento operacional é o orçamento. O sistema orçamentário é considerado o instrumento mais relevante de controle e consecução do planejamento estratégico e conseqüentemente, o responsável pelo cumprimento da missão organizacional, visto que ele representa a tradução da estratégia em curto prazo. Um dos principais fatores que o diferenciam do planejamento estratégico é sua amplitude temporal. Em geral os orçamentos são realizados para períodos de até um ano, enquanto no planejamento estratégico este período supera os três anos. Outro ponto importante a ressaltar é a distinção que deve ser feita entre o sistema orçamentário e as previsões. O primeiro é antes de tudo um compromisso assumido entre a alta direção e os gestores de recursos, ou seja, traz implícita em si, que esforços serão despendidos para a obtenção dos resultados orçados. A previsão, por sua vez, é uma técnica de estudo das condições futuras da organização, sem conter compromissos entre as partes. Pode-se classificar o sistema orçamentário como um sistema de suporte à decisão, pois seu processo de elaboração e acompanhamento é concomitante com o processo de planejamento de atividades futuras. Um aspecto essencial para o sucesso de ambos os processos é a utilização de informações oriundas de sistemas especialistas. Estas informações são um componente essencial para o sucesso do processo orçamentário, pois este se inicia com base no desempenho histórico que é registrado nestes sistemas. No entanto, vale ressaltar que também são necessárias informações não estruturadas, como presunção de taxas de juros futuras, evolução da economia, demanda de produtos e/ou serviços, entre outras. O sistema orçamentário é de vital importância para a organização. Seu processo de elaboração é altamente complexo, de tal forma que não se medem esforços para aperfeiçoar as técnicas de elaboração e detalhamento dos diversos módulos que compõem o sistema. Um aspecto importante do sistema é que este deve ser capaz de adequar-se aos imprevistos e perturbações do ambiente externo e interno da organização. Nesse sentido é fundamental a qualidade da informação disponível. Portanto, o sucesso do processo orçamentário depende fundamentalmente da qualidade da informação disponível, tanto na fase de elaboração quanto na de acompanhamento do orçamento. Nos últimos anos, tem sido muito grande a adesão de empresas brasileiras aos sistemas integrados, conhecidos como ERP. As principais vantagens alegadas pelas empresas que adotam estes sistemas, segundo Souza e Vasconcellos (2003), estão relacionadas à integração da informação organizacional, à qualidade da informação e seu impacto na tomada de decisão, aumento de controle sobre os processos dentre outras. Todas estas vantagens citadas impactam diretamente no processo orçamentário. Por meio desta afirmação, a princípio, a adoção de um Enterprise Resource Planning (ERP) influencia positivamente no processo orçamentário, uma vez que seu principal insumo é informação dos centros de custos e seu produto final é informação para a tomada de decisões. Pelas características descritas acima, a princípio, a adoção de um sistema de informação integrado deve impactar positivamente no processo orçamentário de uma organização, uma vez que o ERP possibilita a visão sistêmica dos processos organizacionais, além de ter uma única base de dados. Barcellos da Costa (2002) desenvolveu nas empresas Aracruz Celulose e Cemig uma pesquisa para avaliar os impactos derivados da implantação de um (ERP). Os resultados da pesquisa mostraram que houve uma melhoria na integração das diversas áreas das organizações, assim como melhoria no tipo e acesso às informações geradas, o que impactou diretamente no processo orçamentário destas organizações. Saccol et al. (2002), em pesquisa realizada em setenta e cinco das maiores empresas brasileiras, constatou também que a adoção do ERP contribuiu para melhores avaliações nos relatórios anuais de orçamento e melhoria no planejamento estratégico. Diante dessas constatações, este trabalho tem como objetivo avaliar o impacto da implementação do ERP nos processos orçamentários da Associação Brasileira de Bancos Estaduais e Regionais, ASBACE, e sua controlada ATP S.A., sob a ótica das pessoas responsáveis pela operacionalização deste. Este artigo está estruturado da seguinte forma: na primeira seção se apresenta o embasamento teórico da pesquisa, abordando os conceitos e principais características do processo orçamentário e do ERPs; na segunda seção, caracterizam-se as empresas e seus processos orçamentário; na terceira se faz uma 192

3 descrição da metodologia adotada no estudo de caso e analisam-se os resultados obtidos; a última seção é composta pelas conclusões deste estudo. 2. O PROCESSO ORÇAMENTÁRIO E SISTEMAS ERPs 2.1. O processo orçamentário Segundo Garrison e Noreen (2001), um sistema orçamentário eficaz deve ser desenvolvido com base em dois conceitos, planejamento e controle. O planejamento orçamentário implica no estabelecimento dos objetivos, que devem ser coerentes com os objetivos do planejamento estratégico, e o controle visa assegurar a consecução dos objetivos estabelecidos. Anthony e Govindarajan (2001) assinalam que são quatro as principais finalidades que se destacam em um orçamento: detalhar o planejamento estratégico; facilitar a coordenação das diversas áreas de uma firma; explicitar as alçadas dos executivos em relação à autorização de despesas/investimentos; e ser um parâmetro de avaliação de desempenho dos gestores. No processo de planejamento estratégico existe a participação, em geral, de poucos executivos/gerentes da alta administração. O espaço temporal é maior e é elaborado anteriormente ao orçamento. Estas características possibilitam a inferência que as informações utilizadas no processo orçamentário são mais atualizadas, pois o orçamento é elaborado em momento pouco anterior ao início das operações anuais, e todos seus módulos são detalhados, pois em seu processo participam todos aqueles que possuem autoridade para autorizar despesas/investimentos. O orçamento permite a otimização do emprego dos recursos escassos por meio da integração das diversas áreas. Quando os orçamentos das áreas são consolidados, pode-se observar as inconsistências e desta forma repará-las. O orçamento aprovado, conforme citado na introdução, é um compromisso assumido pelos gestores de recursos perante a organização. O conceito adotado é o de centro de responsabilidade, que parte do princípio que o gestor deve ser responsabilizado somente pelos itens que pode controlar. A adoção deste conceito reforça o compromisso assumido pelas partes. Outra vantagem do orçamento é sua utilização como instrumento de avaliação de desempenho. O orçamento reflete um compromisso assumido entre o gestor e seu superior hierárquico, nos diversos níveis da organização. Assim, o subordinado só é responsável pelos resultados que ele pode influenciar. Dessa forma, os resultados obtidos comparados com os orçados são um excelente referencial para a avaliação de desempenho dos gestores de recursos. De acordo com Carr-Hill (2004), a adoção dessa comparação como base para avaliação de desempenho e o respectivo reconhecimento monetário, nos casos positivos, proporciona uma melhor aplicação dos recursos. Essa remuneração também permite uma melhoria no tratamento de problemas relacionados à Teoria da Agência. De maneira geral, o processo orçamentário e o fluxo de informações por ele produzido são gerenciados por um departamento de orçamento. Dentre as diversas atividades deste departamento destacam-se, a elaboração das premissas orçamentárias, que devem ser aprovadas pela alta administração; a divulgação destas premissas para o restante da organização; a condução do processo de comunicação com respeito a qualquer informação relacionada ao orçamento; a atuação como consultoria interna para as demais áreas; a análise dos orçamentos periodicamente, verificando e questionando os gestores pelos desvios apresentados. O sucesso do processo orçamentário é diretamente dependente da participação da alta administração, no caso em que ela não visualize neste processo um instrumento valioso de gestão o orçamento tornase desacreditado por toda organização, e aquele acordo citado anteriormente perde sua validade, pois os compromissos ali traçados não serão avaliados. Segundo Anthony e Govindarajan (2001), [...] o primeiro passo do processo de elaboração do orçamento é a determinação de parâmetros para essa elaboração e a divulgação desses parâmetros entre todos os executivos. Estes parâmetros podem incluir, por exemplo, a política de promoções de pessoal, a taxa de inflação a ser considerada para a realização das previsões orçamentárias, dentre outras. 193

4 O processo orçamentário inicia-se com a aprovação dos parâmetros orçamentários. Após essa aprovação, cada centro de responsabilidade elabora seu orçamento, ficando estruturada a primeira versão do orçamento. Esta versão tem grande influência no desempenho atual da organização sendo ajustada apenas pelos parâmetros orçamentários estabelecidos. A segunda fase do processo consiste na negociação entre o responsável de cada centro e seu superior hierárquico, sendo este último responsável pela coerência entre os diversos orçamentos apresentados e por verificar a consistência das proposições efetuadas pelos subordinados. Uma das principais atribuições dos superiores hierárquicos, do departamento de orçamento e mesmo da alta administração, é evitar as folgas orçamentárias. Chow et al.(1988) definem a folga orçamentária como o desempenho mínimo esperado do responsável, ou seja, há uma tendência, por parte do responsável, em minimizar as receitas e maximizar os custos e despesas. Os orçamentos preliminares vão sendo consolidados e ascendendo a hierarquia organizacional, até o momento da consolidação total, que é de responsabilidade do departamento orçamentário. Após a consolidação, o orçamento organizacional é revisto por este departamento que verifica a consistência do todo. Possíveis dúvidas e questionamentos são tratados com os responsáveis. Após a fase de revisão o orçamento é levado à alta administração para aprovação. Durante o período de execução, o orçamento pode ser revisto, sendo que estas revisões ocorrem por motivos sistemáticos ou devido a impactos circunstanciais. No primeiro caso, existem organizações que periodicamente revisam seus orçamentos como forma de seu processo de trabalho, não se deve confundir esta revisão, que é um processo minucioso com o simples acompanhamento. As revisões decorrentes de impactos circunstanciais são feitos devido ao fato que estes podem invalidar as metas e objetivos expressos no orçamento. Vale ressaltar que o sucesso do processo orçamentário está relacionado ao grau de participação das pessoas. Existem processos orçamentários conduzidos de forma top-down, ou seja, as metas e objetivos são definidos pela alta cúpula da organização. Esta condução pode levar à falta de comprometimento com os objetivos traçados, isto é, o orçamento deixa de ser um contrato com compromisso explícito entre duas partes, já que uma delas não participa deste processo. A desvantagem do processo conduzido de baixo para cima consiste na possibilidade do abuso do uso de folgas orçamentárias, pois raramente a alta cúpula possui um conhecimento detalhado das atividades desenvolvidas pelos diferentes centros de responsabilidade, visto que as metas passam a serem estabelecidas pelos níveis hierárquicos inferiores. A conclusão deste impasse, de acordo com Anthony e Govindarajan (2001), é um misto dos dois sistemas, pois as desvantagens de cada uns dos processos é minimizada. As principais vantagens na adoção deste sistema misto decorrem da maior aceitação das metas orçamentárias por parte dos subordinados, já que eles participaram do processo, e esta participação leva a um maior comprometimento por parte deles. Destaca-se que a definição final da meta é de responsabilidade dos níveis hierárquicos superiores, mas estas são negociadas. A segunda vantagem é decorrente da troca de informações entre subordinados e superiores durante a negociação das metas orçamentárias, possibilitando aos primeiros um conhecimento dos detalhes das operações, que dificilmente seria obtido de outra forma Sistemas ERPs O ERP é uma evolução dos sistemas denominados MRP (Manufacturing Resources Planning), que foram desenvolvidos na década de sessenta, com a finalidade de automatizar o processo de gerenciamento da produção. Essa evolução representou uma mudança na gestão e controle do processo de produção. Esses sistemas evoluíram para um segundo estágio, onde eram denominados de MRP2, e como os sistemas de primeira geração possuíam uma filosofia de planejamento da produção e controle centralizados. O grande avanço desta segunda geração, segundo Swan et al. (1999) foi à integração das informações do processo produtivo com outras oriundas da gestão estratégica das operações. O 194

5 MRP2 foi difundido rapidamente durante a década de oitenta, sendo considerado como melhor pratica com relação a sistemas de informações para gerenciamento de operações. Esse conceito foi ampliado, surgindo, dessa forma, a criação de sistemas com a mesma filosofia, mas que trabalham totalmente integrados, sendo o que os especialistas os denominaram de Enterprise Resource Planning (ERP). A principal característica destes sistemas é a abordagem por processo, ou seja, estes sistemas visualizam a empresa como uma série de processos inter e intra-relacionados. Os sistemas ERPs são compostos, segundo Davenport (1998, apud Schmidt) por dois elementos básicos, uma base de dados central e módulos funcionais. Alguns dos módulos que fazem parte do sistema são: contabilidade, que é o módulo central e dificilmente encontra-se um ERP sem este módulo; finanças; produção; qualidade; logística; gestão de projetos; vendas; marketing; e recursos humanos entre outros. A estrutura modular, que é uma característica dos ERPs, permite que a organização adote somente aqueles módulos que ela tem necessidade. De acordo com Swan et al. (1999), esta possibilidade é criticada por vários consultores e representantes das empresas desenvolvedoras destes sistemas, pois estes acreditam que os benefícios da adoção do sistema só serão percebidos mais claramente com a adoção completa. Esses sistemas não são desenvolvidos especificamente para um determinado cliente, na realidade existe um software básico que foi desenvolvido considerando as experiências em implantações anteriores pelas empresas fornecedoras. Segundo os fornecedores o software incorpora as melhores práticas de mercado. Esse conceito é o ponto central do experimento empírico desenvolvido por Swan et al.(1999), onde foram analisadas mil e quarenta e seis empresas em quatro países: Inglaterra, Holanda, Suécia e França. Este experimento possibilitou a verificação que o conceito de melhores práticas não é igual para usuários e fornecedores. Segundo Souza & Zwicker (2000, apud Barcellos da Costa, 2002), a disseminação dos ERPs no mundo e, especificamente no Brasil, foi possível devido, principalmente, à sua capacidade de integração das informações organizacionais e à evolução da tecnologia de processamento (banco de dados relacionais, processamento cliente/servidor e mais recentemente a Internet). A decisão para a aquisição e implementação de um sistema integrado deve ser realizada com cautela. Em geral estes sistemas são caros e tomam um tempo razoável para sua implementação. De modo geral a decisão de compra deve ser tomada por um comitê, o que sempre é composto por pessoas ligadas à área de tecnologia, por membros da alta administração e representantes das demais áreas que sofrerão o impacto no caso da aquisição e implementação. A empresa antes de adquirir o sistema, deve fazer um levantamento de todos os seus processos. Esta fase é necessária para a escolha de um ERP que atenda às reais necessidades da organização. Esse tempo gasto visa a redução de tempo de implementação. Por exemplo, se a empresa escolhe um sistema que já possua uma determinada ferramenta que atenda às suas necessidades relativas a uma determinada especificidade no módulo de finanças, o tempo gasto na customização desta peculiaridade por uma outra empresa fornecedora pode ser superior ao tempo gasto nos levantamentos de processos. Um fator importante que pode influenciar no sucesso da implementação de um ERP, segundo Mendes e Escrivão Filho (2001) é a qualidade dos profissionais responsáveis pela implementação do sistema, que além da necessidade de conhecimento em sistemas de informação, também precisam dominar os conceitos do negócio da organização. A implementação de um sistema integrado é uma fase crítica e em muitos casos demorada. Portanto, é imprescindível o apoio da cúpula administrativa na implementação. De modo geral, esta participação ocorre via um comitê especialmente criado para solucionar qualquer tipo de pendência, por exemplo, um impasse que possa surgir entre as diversas áreas afetadas por mudanças em seus processos em decorrência da adoção do sistema. Outra maneira de efetivar esta participação é dando carta branca a um executivo que será especialmente designado para ser o líder do processo de implementação. Este executivo deve ter acesso direto a alta cúpula da organização. 195

6 3. CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA E SEU PROCESSO ORÇAMENTÁRIO A pesquisa foi realizada na Associação Brasileira de Bancos Estaduais e Regionais, ASBACE, e sua controlada ATP S.A. A ASBACE atua principalmente no setor público (bancos estaduais) e a ATP no setor privado. Por realizarem os mesmos serviços, simplesmente executados em segmentos diferentes, e pelo ERP implantado servir às duas organizações, inclusive permitindo a consolidação de todos os resultados, neste artigo as duas organizações serão tratadas apenas como ASBACE. A ASBACE possui mais de vinte anos de existência, atuando, principalmente, no setor de serviços bancários e concessionárias de serviço público, seu faturamento excede cem milhões de reais ao ano, e possui um mil oitocentos e setenta e nove colaboradores, segundo dados da Coordenadoria de Recursos Humanos (maio de 2004). A sede da organização está localizada na cidade de Brasília, sendo que esta atua em todo o território nacional. A ASBACE adota o conceito de unidade estratégica de negócio (três unidades) e mantém as atividades em comum sob controle de uma gerência administrativa, que engloba três áreas: controle (contratos, contabilidade, orçamento, custos); administração (qualidade, recursos humanos e infra-estrutura); e tecnologia, que é responsável tanto pelo suporte e desenvolvimento de soluções informatizadas internas como voltadas para o negocio. A maior unidade estratégica de negócios é a Diretoria Comercial e de Serviços (DIREC), sendo que seu foco de atuação é a prestação de serviços bancários, principalmente rotinas ligadas à compensação, custódia, microfilmagem de cheques e documentos. É um serviço com baixa tecnologia agregada sendo que seu principal custo é o gasto com pessoal. Devido à especificidade de seu serviço, esta unidade tem que estar presente em todo o território nacional. Essa presença é realizada por meio dos vinte Centros Regionais de Processamento (CRPs) responsáveis pela execução dos serviços. A segunda unidade estratégica de negócios é a Gerência de Transações Eletrônicas (GETEL), cujo principal serviço é a integração de redes computadorizadas, permitindo a troca de informações entre diversas empresas e o sistema de arrecadação. E, finalmente, tem-se a Gerência de Auto-atendimento sendo seu foco a automação de serviços bancários via auto-atendimento. As duas últimas unidades destacam-se pela necessidade do emprego de alta tecnologia de hardware e software na execução de seus serviços. A organização iniciou seu processo orçamentário, de forma estruturada, no ano de 1994, quando foi criada uma gerência de controle, ficando esta responsável pela condução dos processos orçamentário, contábil e de custos. Para cada uma das atividades foi criada uma coordenadoria para a condução dos processos. Inicialmente todo o processo orçamentário era conduzido com a utilização de planilhas eletrônicas interligadas, o que tornava a elaboração do orçamento lenta e não muito confiável. A partir do ano de 1998 passou-se a utilizar uma base de dados em Access onde eram armazenadas as informações contidas no orçamento. Com esta medida foi possível a redução do tempo tanto na elaboração, como no acompanhamento do orçamento. No ano de 2000, adquiriu-se um sistema especialista, Cognos Enterprise Planning, para dar suporte ao processo orçamentário, sendo logo utilizado na elaboração do orçamento de O sistema orçamentário de 2000 foi carregado com dados oriundos dos sistemas legados da empresa para a elaboração do orçamento de Este sistema foi instalado em um servidor central e permitiu que qualquer responsável, dentro da permissão disponibilizada pelas políticas da organização, em qualquer parte do território nacional, acessasse as informações do orçamento. O ERP só entrou em produção no ano de 2001 e imediatamente foi realizada a integração de ambos os sistemas. Para o processo de elaboração do orçamento de 2002 foi utilizada a base de dados do sistema integrado como input das informações. Ao longo da evolução do processo orçamentário, iniciado em 1994, o orçamento tornou-se o principal instrumento de gestão da organização. A elaboração do orçamento inicia-se na primeira quinzena de outubro, e possui como base os objetivos do planejamento estratégico. De acordo com estes objetivos e com as premissas adotadas no planejamento estratégico, a Coordenadoria de Orçamento, com o aval 196

7 da alta direção, disponibiliza as premissas orçamentárias que embasam o orçamento das diversas unidades. Estas unidades têm até a primeira quinzena de novembro para finalizar o processo, sendo que nesta data a coordenadoria consolida o orçamento e tece seus comentários e sugestões, sendo depois encaminhado para deliberação da alta administração. Em caso que não existam alterações, o orçamento é aprovado na hora. Caso contrário, se a alta administração discorda do orçamento, este é remetido à coordenadoria com as observações da cúpula organizacional, iniciando-se então nova rodada de elaboração do orçamento, considerando-se as novas premissas adotadas pela alta direção. O prazo final para a reformulação do orçamento encerra-se na primeira semana de dezembro, quando novamente é encaminhado para aprovação pela alta direção. O acompanhamento orçamentário ocorre mensalmente em uma reunião de análise de resultados. O foco central desta reunião é a comparação entre os resultados orçados e os realizados, sendo apuradas as causas das distorções. O orçamento pode ser revisto a qualquer tempo, caso haja algum impacto externo que o torne obsoleto. Nos últimos cinco anos, foi necessária apenas uma única revisão no ano de Metodologia utilizada e resultados apurados A metodologia utilizada na pesquisa foi a da análise de um estudo de caso, com o intuito de verificar se houve uma melhora no processo orçamentário da organização estudada com a implementação do ERP e quais foram os impactos verificados. Nesse sentido foi elaborado um questionário que se aplicou aos membros da Coordenadoria de Orçamento, composta por sete colaboradores um coordenador, quatro analistas e dois assistentes. Os dados da pesquisa foram processados e analisados estatisticamente, empregando teste de hipóteses de uma amostra para médias, e análise de correlação entre as variáveis, pelas quais foram avaliadas as informações disponibilizadas e a satisfação do usuário. Devido ao tamanho da amostra e por se tratar de uma análise de um estudo de caso os resultados alcançados não permitem a generalização Objetivo e procedimentos de pesquisa O objetivo da pesquisa foi verificar o impacto da implementação do ERP no processo orçamentário da organização. Dessa forma, aplicou-se uma pesquisa, onde quatro variáveis relacionadas à informação, que é o principal input do processo, foram analisadas. Os entrevistados foram orientados para que as respostas comparassem o processo orçamentário atual, que possui como fonte de suas informações o ERP Solomon, com o antigo, ou seja, os sistemas legados. As variáveis analisadas foram: acurácia, completude/disponibilidade, consistência e tempestividade. As definições das variáveis adotadas foram: Acurácia representa o grau de precisão e objetividade da informação; Completude/Disponibilidade - se a informação fornecida é completa e não se precisa recorrer à outra fonte; Consistência se a informação fornecida é consistente com outras fontes de dados, ou existe mais de um número (valor) para a mesma informação, provavelmente vindo de fontes diferentes; Tempestividade se a informação está disponível no tempo necessário para a tomada de decisão. As três primeiras questões foram elaboradas visando levantar algumas informações que pudessem impactar nas respostas das questões seguintes. Para cada variável foram formuladas duas questões, totalizando oito questões, mais uma relacionada à satisfação geral do usuário em relação à troca dos sistemas legados para o ERP e seu impacto, de maneira geral, no processo orçamentário. Foi disponibilizado, na pesquisa, um espaço específico caso o pesquisado quisesse expressar algum comentário. A relação entre as variáveis e os números das questões foi: acurácia questões 5 e 11; disponibilidade questões 6 e 8; consistência questões 7 e 10; e tempestividade questões 4 e

8 4.2. Análise dos resultados Para a análise dos dados foi utilizada a escala comparativa, que teve como objetivo apurar a percepção dos pesquisados com relação ao impacto sobre o processo orçamentário devido à implantação do ERP quando comparado ao processo antigo, isto é, com o uso dos sistemas legados como fonte de informações. Para a construção da escala, cada questão relacionada às variáveis recebeu o valor 4 quando o ERP foi considerado muito superior ao sistema antigo, e 1 quando este foi considerado muito inferior. Como cada variável foi mensurada por duas questões, a escala final foi constituída pelo somatório das respostas destas, sendo obtida a escala conforme a tabela 1. Os resultados da pesquisa estão disponibilizados em gráficos, na forma de pizza, onde o primeiro número representa o total de entrevistados e o segundo o percentual sobre o total. Da Figura 1 observa-se que 71,4% da equipe que trabalha na Coordenadoria de Orçamento têm mais de 3 anos de experiência na elaboração de orçamento. Do total de entrevistados, 42,9% acharam que havia necessidade de se implantar o ERP na organização (Figura 2), 28,6% respondeu que não era necessário e o restante não respondeu. Na implantação do sistema somente participaram 29% dos entrevistados. Tabela 1: Escala de avaliação Somatório das 2 questões Análise comparativa da implantação 8 Muito positiva 7 Positiva superior 6 Positiva 5 Sem alteração 4 Negativa 3 Negativa inferior 2 Muito negativa 0; 0,0% 2; 28,6% 2; 28,6% 2; 28,6% 5; 71,4% menos de 1 ano de 1 a 3 anos mais de 3 anos Figura 1: Tempo de trabalho na coordenadoria 3; 42,9% não respondeu havia necessidade sem necessidade Figura 2: Necessidade de implantação de um ERP As figuras 3 a 6 representam o comparativo efetuado pelos entrevistados entre quatro características relacionadas às informações geradas pelo ERP e os sistemas anteriores, considerando o impacto destas no desenvolvimento do processo orçamentário da organização. A avaliação variou entre muito negativa, que significava muito inferior ao sistema anterior, até muito positiva, que significava muito superior ao sistema anterior. 198

9 ACURÁCIA DA INFORMAÇÃO 1; 14% 1; 14% COMPLETUDE/DISPONIBILIDADE DA INFORMAÇÃO 3; 43% 3; 43% 2; 29% 3; 43% 1; 14% Muito Positiva Positiva Superior Positiva Não Alterada Negativa Negativa Inferior Muito Negativa Figura 3: Acurácia Muito Positiva Positiva Superior Positiva Não alterada Negativa Negativa Inferior Muito Negativa Figura 4: Disponibilidade Os resultados obtidos em relação às quatro características das informações pesquisadas sugerem que a implantação do ERP Solomon causou uma melhoria no processo orçamentário da organização, uma vez que, considerando somente as alternativas de Não Alterada até Muito Positiva, os índices apurados para Acurácia, Disponibilidade e Consistência alcançam 87,51%, 57,14% e 100% respectivamente. Se for retirada a alternativa de Não Alterada e analisando somente as alternativas positivas, estes itens representam 57,14%, 42,86% e 42,86% respectivamente. Estes resultados demonstram uma melhoria significativa em relação a estas características da informação, que impactam diretamente no processo orçamentário. A única característica onde não foi apurada melhoria refere-se à Tempestividade da informação, ou seja, fazendo a mesma análise anterior obtêm-se os seguintes resultados: 14,29% e 0%. CONSISTÊNCIA DA INFORMAÇÃO TEMPESTIVIDADE DA INFORMAÇÃO 1; 14% 1; 14% 1; 14% 4; 57% 2; 29% 2; 29% 3; 43% Muito Positiva Positiva Superior Positiva Não alterada Negativa Negativa Inferior Muito Negativa Muito Positiva Positiva Superior Positiva Não alterada Negativa Negativa Inferior Muito Negativa Figura 5: Consistência Figura 6: Tempestividade Para confirmação estatística destes resultados foi realizado um teste de hipótese, observando-se que houve uma piora nas características das informações, e por conseqüência do processo orçamentário. Desta forma considerou-se, de acordo com a escala desenvolvida, que H 4. Para um nível de 0 confiança de 95% os resultados obtidos estão disponíveis na Tabela 2. Os resultados corroboram a análise gráfica desenvolvida anteriormente. Na variável Tempestividade não se teve rejeição de H 0, porém em todas as outras houve a refutação da hipótese nula, indicando uma melhoria nas características das informações e por conseqüência no processo orçamentário. Tabela 2: Teste t t crítico Acurácia Disponibilidade Consistência Tempestividade 1,943 4, , , , A Figura 7 representa o nível de satisfação com o ERP por cada participante pesquisado e a média da coordenadoria. O nível de satisfação dos usuários reflete os resultados alcançados, onde de maneira geral houve uma melhoria nas características das informações. 199

10 100% 90% 90% 80% 70% 60% 50% 70% 50% 60% 50% 50% 60% 61,43% 40% 30% 20% 10% 0% Média Entrevistados Figura 7: Nível de satisfação com o ERP Com a finalidade de verificar como ocorre a contribuição de cada variável para este nível de satisfação foi aplicada correlação entre as variáveis e o nível de satisfação. Os resultados estão disponíveis na Tabela 3. Tabela 3: Correlação das variáveis Acurácia Disponibilidade Consistência Tempestividade Satisfação Acurácia 1,00 Disponibilidade 0,17 1,00 Consistência 0,59 0,64 1,00 Tempestividade 0,65 0,17 0,81 1,00 Satisfação 0,75 0,57 0,64 0,52 1,00 De acordo com a Tabela 3, as correlações obtidas entre as características das informações e a satisfação do usuário podem ser explicadas por meio da comparação entre os índices positivos (Positiva a Muito Positiva) e negativos (Negativa a Muito Negativa), disponíveis na análise gráfica exposta anteriormente. Considerando a Acurácia, a correlação de 0,75 deve-se ao percentual dos índices positivos atingidos de 57,4%, sendo que os índices negativos atingiram 14,29%. No caso da Disponibilidade, correlação de 0,57, estes índices atingem 42,86% e 42,86% respectivamente, o resultado da Consistência, correlação de 0,64, foi de 42,86% e 0% respectivamente, enquanto a Tempestividade, correlação de 0,52, atingiu 0% e 85,71%. 5. Conclusões O processo orçamentário da ASBACE caracteriza-se por sua maturidade. São dez anos de experiência na formulação e interpretação do orçamento. Sua equipe orçamentária é formada por profissionais experientes, onde a grande maioria possui mais de três anos na função orçamentária. A ASBACE adotou o ERP Solomon, relativamente, há pouco tempo e o que pôde ser observado é que as melhorias já começam a ser identificadas pelos usuários. Foi percebida uma melhoria geral pelos participantes, mas os resultados, considerando-se o porte do sistema, ficaram abaixo do esperado. Esta informação foi colhida quando da apresentação dos resultados da pesquisa ao gerente de controle da organização. A pesquisa possibilitou o levantamento de um problema relacionado à tempestividade da informação. Somente neste item o percentual dos aspectos negativos superou os positivos. O índice negativo atingiu 85,71%, ou seja, dos sete respondentes seis consideram que o ERP tem problemas com relação à tempestividade das informações se comparado aos sistemas legados anteriores. Em relação a esta característica, não houve a apuração de nenhum índice positivo. O principal impacto decorreu em relação à questão 9, que se refere ao tempo de resposta do ERP em relação a informações ocasionais e fora da rotina. Em todos os outros quesitos examinados os pontos positivos somados à neutralidade superaram os pontos negativos. Destaca-se que as maiores melhorias verificadas referem-se à acurácia e à consistência das informações disponibilizadas pelo ERP, onde as diferenças entre os índices positivos e negativos atingiram os maiores valores. Este resultado ficou demonstrado no índice de satisfação geral dos participantes em relação ao ERP, onde foi alcançado um índice médio de 200

11 satisfação de 61,43%, destacando-se a correlação entre a satisfação do usuário e estas duas características. A utilização do teste t de Student confirmou os resultados obtidos por meio da análise gráfica, sendo que somente no teste da característica da tempestividade a hipótese nula não pode ser refutada. As conclusões obtidas não podem ser generalizadas, uma vez que se trata de uma análise de caso específica, sendo que estes resultados são válidos apenas para a organização estudada. Pode-se concluir que a adoção do ERP Solomon, pela ASBACE, melhorou o seu processo orçamentário, uma vez que os responsáveis por sua elaboração obtiveram ganhos qualitativos em relação às informações, que são o principal input de um sistema orçamentário. 6. Referências Bibliográficas ANTHONY, Robert N; GOVINDARAJAN, Vijay. Sistemas de Controle Gerencial. São Paulo: Atlas, BARCELLOS DA COSTA, Luciana Silva Araújo. Benefícios Percebidos com a implementação do ERPIII/SAP: um estudo comparativo de casos. Anais do XXVI Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD 2002). ANPAD, Salvador, Brasil, 22-25/09/ p. CD-ROM. CARR-HIL, Roy. Incentive-based budgeting systems in public universities. International Journal of Educational Development, 2004, 12 p. CHOW, Che W., et al. Participative Budgeting: effects of a truth-inducing pay scheme and information asymmetry a slack and performance. The Accounting Review, jan. 1988, p GARRISON, Ray H. e NOREEN, Eric W., Contabilidade Gerencial. Rio de Janeiro: LTC, MENDES, Juliana Veiga e ESCRIVÃO FILHO, Edmundo. Sistema Integrado de Gestão (ERP): um confronto entre o referencial teórico e a prática empresarial. Anais do XXV Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD 2001). ANPAD, Campinas, Brasil, 16-19/09/ p. CD-ROM. SACCOL, Amarolinda Zanela, et al. Algum tempo depois... como grandes empresas brasileiras avaliam o Impacto dos sistemas ERP sobre suas Variáveis Estratégicas. Anais do XXVI Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD 2002). ANPAD, Salvador, Brasil, 22-25/09/ p. CD-ROM. SCHIMIDT, Paulo (Org). Controladoria: Agregando Valor para a Empresa. São Paulo: Bookman, SOUZA, César Alexandre de e VASCONCELLOS, Eduardo Pinheiro Gondim de. Tecnologia da Informação e Centralização Organizacional: Um Estudo de Caso de Implementação de Sistema ERP. Anais do XXVII Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD 2003). ANPAD, Atibaia, Brasil, 20-24/09/ p. CD-ROM. SWAN, J, et al. The illusion of best practice in information systems for operations management. European Journal of Information Systems, 1999, 8, p Anexo PESQUISA SOBRE O IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DO ERP NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO Prezados senhores (as), Gostaria de contar com sua colaboração para o preenchimento desta pesquisa, que tem como finalidade avaliar o impacto da implantação de sistemas integrados na prática orçamentária desta organização. Este trabalho possui fins acadêmicos e está sendo realizado para a obtenção de créditos na disciplina Sistemas de Informações Gerenciais do Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis UnB, UFPB, UFPE, UFRN. Parte 1 201

12 1 A quanto tempo trabalha na área de orçamentos ( ) de 1 ano ( ) de 1 a 3 anos ( ) + de 3 anos 2 Em sua opinião havia a necessidade da aquisição de um sistema integrado? ( ) Sim ( ) Não 3 Participou da implementação do sistema? ( ) Sim ( ) Não Parte 2 4 O acesso às informações necessárias para a execução de suas tarefas, após a implantação do ERP, ocorre: ( ) De maneira muito ( ) Em geral de forma ( ) Leva uma pouco ( ) Muito mais rápida mais rápida mais de tempo demorada 5 O sistema atende as necessidades de informações, em relação à clareza e objetividade de que forma? ( ) Totalmente adequada ( ) Na maioria das vezes ( ) Poucas vezes de ( ) Nunca de forma adequadamente forma adequada adequada 6 Todas as informações necessárias para a execução de suas tarefas são disponibilizadas pelo sistema integrado? ( ) Todas ( ) A maioria ( ) A minoria ( ) Nenhuma 7 Há necessidade de tratamento/adequação das informações fornecidas pelo ERP? ( ) Nunca ( ) Ás vezes ( ) Na maioria das vezes ( ) Sempre 8 Em relação aos relatórios emitidos pelo ERP? ( ) Atendem totalmente ( ) Atende na maioria das vezes ( ) Quase nunca são adequados ( ) Não atendem nunca 9 Quando há necessidade de informação não padronizada, isto é, informações fora da rotina da área, o acesso a estas informações é obtido? ( ) Muito rapidamente ( ) De forma ( ) Demora um pouco ( ) Não são fornecidas à relativamente rápida tempo 10 Em relação à possibilidade de manipulação da informação, com a adoção do ERP? ( ) Não existe ( ) Foi reduzida ( ) Permaneceu constante ( ) Aumentou 11 A relação entre informação útil/objetiva e o total de informação gerada pelo sistema? ( ) Aumentou muito ( ) Aumentou ( ) Permaneceu constante ( ) Reduziu 12 De 0 a 10 qual o seu nível de satisfação com a implantação do ERP. A menor escala seria totalmente insatisfeito e a maior o contrário. Parte 3. Caso queira fazer algum comentário adicional sobre a adequabilidade do Sistema de Informações, escreva a seguir e no verso desta página, se necessário. 202

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO OS IMPACTOS DE UM ERP NA GESTÃO DE PROCESSOS DE UMA ORGANIZAÇÃO LUAN MOREIRA CAMARGO

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TECNOLOGIA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MAYARA DA COSTA PIRES THIERES DIAS TEMBRA BUSINESS PLAN MYTDT CORPORATION BELÉM

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

ÍNDICE DE RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA

ÍNDICE DE RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA 1 ÍNDICE DE RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA EFICIÊNCIA E EFICÁCIA A metodologia, quanto ao critério de Eficiência e Eficácia, está estruturada para verificar se os resultados do Programa estão sendo

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante.

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Diagnóstico Empresarial Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Introdução Nos últimos anos as empresas têm focado pesadamente em gestão por resultados, proporcionando a seus gestores e equipes

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado.

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado. O., situado à Avenida Pedro Ramalho, 5700, Bairro Passaré Fortaleza-CE, através do Projeto Estratégico Sistema Integrado de Gestão Empresarial Aquisição e Implantação de ERP (Enterprise Resources Planning)

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO:

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: Fabre, Jorge Leandro; Carvalho, José Oscar Fontanini de. (2004). Uma Taxonomia para Informações

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais