Brasília, 14 de abril de 2015 às 08h57 Seleção de Notícias. CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasília, 14 de abril de 2015 às 08h57 Seleção de Notícias. CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional"

Transcrição

1 Brasília, 14 de abril de 2015 às 08h57 Seleção de Notícias CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional

2 Valor Econômico BR Temas de Interesse Colunas e Editoriais Cúpula das América cria um promissor clima de distensão OPINIÃO Temas de Interesse Colunas e Editoriais Morte e esperança em alto-mar OPINIÃO Governo defenderá novo modelo de investimento FINANÇAS JULIANO BASILE Temas de Interesse Comércio Internacional Yoshiaki Nakano YOSHIAKI NAKANO Temas de Interesse Questões Trabalhistas Levy prepara produtores para tempos de vacas mais magras AGRONEGÓCIOS O Estado de S. Paulo BR 'Indústria chega sem fôlego ao ajuste' ECONOMIA VINICIUS NEDER Foxconn não cumpre promessas no Brasil ECONOMIA Investimento deve continuar em queda ECONOMIA Após 14 semanas, mercado reduz projeção de inflação ECONOMIA Agro ajuste: chegou a hora? ECONOMIA Governo anuncia aumento de juros agrícolas nesta semana ECONOMIA

3 Mercosul não está na lista de prioridades da União Europeia ECONOMIA Folha de S. Paulo BR Temas de Interesse Pronatec Governo Dilma adia de novo início das aulas do Pronatec COTIDIANO Temas de Interesse Colunas e Editoriais Vladimir Safatle VLADIMIR SAFATLE Temas de Interesse Colunas e Editoriais Sol para todos OPINIÃO O Globo BR Temas de Interesse Colunas e Editoriais Míriam Leitão MÍRIAM LEITÃO MIRIAM LEITÃO Terceirização: sindicatos querem escolher quem acionar na Justiça ECONOMIA GERALDA DOCA JUNIA GAMA Brasil Econômico BR Federações FIESP Câmara vota ajustes na lei da terceirização BRASIL PATRYCIA MONTEIRO RIZZOTTO

4 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Cúpula das América cria um promissor clima de distensão A sétima Cúpula das Américas, pela primeira vez, terminou com a promessa de novos tempos, com mais possibilidades abertas para o futuro do que pelo passado das criticas ao veterano imperialismo da potência dominante na região, os Estados Unidos. A retomada de relações entre EUA e Cuba, após mais de 50 anos de animosidades e um feroz bloqueio econômico, trouxe um arejamento crucial para as relações entre os países no continente que não chegou a ser contaminado pela subsistência de velhos antagonismos, como os apresentados na retórica inflamada de governos "bolivarianos" do Equador, Venezuela e Bolívia. Livre da obrigação de concorrer a novo posto eletivo e sem muita liberdade de movimento no plano doméstico - as duas Casas do Congresso estão nas mãos dos rivais republicanos-, Barack Obama deu forma e dinamismo à política externa. No Oriente Médio, obteve histórico acordo nuclear com o Irã, embora arestas importantes do compromisso ainda devam ser aparadas. Na América Latina, o esforço se dirigiu a encerrar o anacrônico embargo econômico a Cuba, em um momento em que o governo de Raul Castro enfrenta novas dificuldades e acena com algumas reformas em sua ossificada ditadura. OPINIÃO A estreia de Cuba na Cúpula foi marcada pelo encontro histórico de mais de uma hora entre Raúl Castro e Obama, e pelo discurso de 49 minutos do líder cubano, no qual mesclou a defesa dasconquistas de suarevolução comum ataque às conhecidas intervenções americanas na região. O tom mais importante foi expresso quando, por exemplo, Raúl disse de sua "disposição ao diálogo respeitoso e à convivência civilizada entre ambos os Estados, dentro de nossas profundas divergências". Exatamente pelas divergências, Raúl pediu paciência quanto à evolução do novo entendimento entre as duas nações, em um recado aos EUA e ao público doméstico. Barack Obama, por seu lado, não se furtou a defender as liberdades e os direitos humanos, claramente ausentes na ilha de Cuba, mas se comprometeu a olhar para frente e deixar no passado a herança da "guerra fria". Os EUA não retiraram, porém, o status de país que promove o terrorismo de Cuba, mas deve fazê-lo em breve, até mesmo para ser fiel à realidade dos fatos contemporâneos. Isolada, e com prestígio declinante, a ditadura cubana não patrocina mais aventuras armadas. A distensão com Cuba não mudou a clivagem no continente entre os que têm laços comerciais e políticos mais intensos com os EUA e os que mantêm equidistância, cautelosa ou belicosa com os americanos. Parte da animosidade foi estimulada pouco antes da Cúpula, após a esdrúxula inclusão da Venezuela entre os países que ameaçavam a segurança dos EUA, um erro diplomático crasso. O governo venezuelano, que vetou a possibilidade de um comunicado finalda Cúpula, obtevecomisso tudo que precisava para denunciar a atitude imperial da qual os EUA não abrem mão em suas relações com a América Latina e seu suposto interesse em derrubar Maduro. A aproximação dos EUA com Cuba deixou os bolivarianos, como Maduro, Rafael Corrêa, do Equador e Evo Morales, presidente da Bolívia, um pouco mais histéricos do que de costume. Às voltas com uma profunda crise econômica e política, Maduro perdeu as condições de nutrir Cuba com petróleo barato e deixou de contar com pg.4

5 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Continuação: Cúpula das América cria um promissor clima de distensão um dos nortes ideológicos firmes na bússola do chavismo, representado por Cuba, agora aproximando-se de seu grande rival Aos poucos, Maduro está perdendo até o apoio de sócios do MercosuL Após anos de complacência com as ações autoritárias dos chavistas, o Brasil começou a subir o tom no tratamento da questão democrática. A presidente Dilma foi inusualmente clara, no decorrer da reunião, ao declarar que é contrária à prisão de rivais políticos, como Maduro tem sistematicamente feito com a oposição em seu país. Odiálogoentre a presidentedilmaeobama se beneficiou da atmosfera de relaxamento das tensões que permeou a Cúpula. Obama esclareceu que o episódio de espionagem a Dilma não se repetirá. A presidente parece ter arquivado a questão e finalmente agendou uma reunião de trabalho com os EUA, o primeiro passo para uma retomada séria de relações bilaterais, antes impedida seja pelo descaso americano para com a região, seja por preconceitos ideológicos do governo brasileiro. E um novo ponto de partida básico para discussões profícuas e mutuamente benéficas. pg.5

6 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Morte e esperança em alto-mar OPINIÃO entanto, podería marcar o início de uma abordagem mais sólida para proteger ecossistemas oceânicos, em particular no que se refere à sobrepesca, responsável pelos declínios acentuados em muitas espécies. A conservação e governança oceânica estão em um momento crucial. Por Derek Tittensor Tubarões e seus primos, as arraias, antecedem os dinossauros. Sobreviveram à catastrófica extinção em massa que exterminou o Tyrannosaurus Rex e todos os demais, assim como à extinção do Permiano-Triãssico, que dizimou 96% das espécies marinhas. Mesmo as linhagens de tubarão que evoluíram mais recentemente, como a de tubarão-martelo, existem há mais de 30 milhões de anos. Ainda assim, em apenas algumas décadas, 25% de todos os tubarões e arraias passaram a estar em risco de extinção. A culpa é nossa - assim como a responsabilidade de reparar a situação. As populações de tubarões e arraias não estão sozinhas. Muitos outros elementos da biodiversidade marinha - em especial corais, mamíferos marinhos, aves oceânicas e tartarugas-também estão também lutando para resistir âs pressões humanas. Como resultado, ecossistemas marinhos estão ameaçados de dissolução e de ficarem cada vez menos estáveis e menos produtivos. Dada a grande variedade de ameaças à vida marinha - entre as quais, a pesca em excesso, as mudanças climáticas, a poluição e o desenvolvimento costeiro-é fácil, talvez até racional ser pessimista. Este ano, no O desafio à frente não deve ser subestimado. Enfrentá-lo vai exigir superar um dos obstáculos mais difíceis para a conservação marinha: assegurar a sustentabilidade da biodiversidade em 60% dos oceanos mundiais, que estão além da jurisdição de cada Estado. Dentro do limite de 200 milhas náuticas que abrange suas zonas econômicas exclusivas (ZEEs), alguns países valeram-se de uma combinação de leis firmes, boa gestão e supervisão eficaz para preservar ecossistemas e populações de peixes (também houve demasiados exemplos do contrário). Fora das ZEEs, contudo, há uma complicação muito nociva: há acesso livre de facto para a maioria dos recursos vivos, o que os deixa vulneráveis a uma exploração exagerada. Embora tenham surgido diversas tentativas bem intencionadas para melhorar a gestão desses recursos, todas dependem de que agentes individuais estejam dispostos a abrir mão dos benefícios econômicos de curto prazo do uso intensivo dos recursos em nome do bem comum delongo prazo. Quando qualquer engajamento em um processo internacional traz custos, sempre haverá a tentação de não jogar dentro das regras, de cumpri-las sem grande comprometimento ou de nem engajar-se. Isso é especialmente verdadeiro para questões ambientais, em que o capital político necessário é alto; a necessidade de apoio praticamente unânime é crucial; as questões podem ser controversas; e os benefícios são distribuídos desproporcionalmente e colhidos apenas em um longo horizonte de tempo. pg.6

7 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Continuação: Morte e esperança em alto-mar Um pouco de familiaridade com a "realpolitik" das mudanças climáticas é suficiente para indicar que isso é um desafio intimidador - se não insuperável -, acompanhado dos mais difíceis dilemas sociais e políticos: o dilema do prisioneiro, o problema do cavaleiro livre e a tragédia dos comuns. Atualmente, um emaranhado de leis - incluindo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, as diretrizes da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação(FAO, na sigla em inglês) e o Acordo sobre as Populações de Peixes, assim como a Convenção sobre Espécies Migratórias de Animais Selvagens - regem as atividades que podem afetar a biodiversidade em alto-mar. Ainda assim, a proteção dos recursos vivos continua limitada-e repleta de lacunas. Por exemplo, como nem todos os países são signatários desses acordos, embarcações podem escolher que bandeira usar para não ficarem presas a regras (uma "bandeira de conveniência"). Algumas áreas de pesca continuam excluídas da jurisdição de qualquer um dos órgãos regionais que atuam na gestão dos recursos. Como resultado, a pesca ilegal, não regulamentada e não declarada movimenta bilhões de dólares por ano. Um passo promissor, recomendado por um grupo de trabalho da ONU em janeiro, é a criação de um novo acordo, de cumprimento legalmente obrigatório, sobre a biodiversidade em alto-mar, que estará pronto para ser avaliado em setembro pela Assembléia Geral da ONU. Essa estrutura coordenada e harmonizada pode ajudar a fechar lacunas regionais na governança; a forçar órgãos existentes responsáveis a trabalhar para melhorar seus resultados; e, em algum momento, a permitir o desenvolvimento de novos órgãos dedicados à gestão e proteção de ecossistemas, não apenas de populações de peixes. Isso, por sua vez, pode servir de catalisador para a cooperação necessária para criar áreas protegidas em alto-mar, o que permitiria a recuperação de ecossistemas exauridos ou danificados. Naturalmente, em nome da efetividade, essas áreas precisam ser monitoradas. Um desenvolvimento promissor é o uso de tecnologia de satélites para detectar e lidar com violações de pesca por embarcações. Isso podería trazer profundas mudanças para melhor na gestão oceânica, em particular em países com grandes ZEEs e com capacidade de supervisão marítima limitada. Um sistema coordenado para reagir a violações também é vital É possível fechar portos a embarcações que infrinjam as regras por meio do Acordo sobre Medidas do Estado do Porto, atualmente aguardando ratificação. A conservação e governança oceânica estão em um momento crucial Os recursos marinhos não podem ser sobre-explorados indefinidamente. Um futuro acordo de "biodiversidade além da jurisdição nacional", fortalecido por novas formas de monitoramento do cumprimento das regras, podería melhorar imensamente a gestão oceânica. A dificuldade é que, em qualquer cenário, uma melhor gestão presume que optemos pela sustentabilidade delongoprazo em vez do lucro decurto prazo. Resta saber se vamos superar nossa propensão a escolher a forma inversa. pg.7

8 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Continuação: Morte e esperança em alto-mar -- Os recursos marinhos não podem ser sobre-expl orados indefinidamente. Um futuro acordo de "biodiversidade além da jurisdição nacional", fortalecido por novas formas de monitoramento, podería melhorar imensamente a gestão oceânica Derek Tittensor é cientista sênior de biodiversidade marinha no Centro de Monitoramento da Conservação Mundial (WCMC) do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e professor-adjunto de biologia na Dalhousie University. Copyright Project Syndicate, oject-syndlcate.org pg.8

9 Valor Econômico Governo defenderá novo modelo de investimento Integrantes do governo brasileiro vão defender durante a reunião de primavera do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, nesta semana, em Washington, uma nova prática de investimentos na área de infraestrutura no país. FINANÇAS A segunda linha vai nesse sentido, já que prevê o fortalecimento da área de governança na infraestrutura. O governo pretende elaborar projetos capazes de oferecer aos investidores uma visão de longo prazo para os aportes. O objetivo é mostrar que os aportes de capitais para esses projetos no Brasil podem se tornar um ativo alternativo a outras opções de renda fixa e variável que estão disponíveis no mercado, possuem baixo risco e costumam ser mais atrativas. A reunião de primavera do FMI e do Banco Mundial é uma oportunidade para os governos dos países apresentarem suas metas e propostas a investidores em busca de novos aportes de capital. Segundo estimativas do Banco Mundial, para obter taxas mais favoráveis de crescimento, os países em desenvolvimento devem investir US$ 1 trilhão por ano em infraestrutura até A instituição calcula que esse montante estaria disponível, mas há dificuldades para canalizá-lo aos países que necessitam de recursos. No caso dos emergentes, os aportes do setor privado para infraestrutura vêm caindo. Em 2012, os emergentes - Brasil incluído - receberam US$ 186 bilhões e, em 2013, foram US$ 150 bilhões, segundo cálculos do banco. A delegação brasileira, sob o comando do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, terá vários encontros com investidores e deverá apresentar três linhas gerais para aportes em infraestrutura. A primeira é a criação de melhores instrumentos para investidores na área de "project finance". Diante do ajuste fiscal, os aportes diretos do BNDES estão sofrendo uma redução natural. Por isso, há a necessidade de fazer com que os investimentos tenham novas formas de sustentação. Nos países em desenvolvimento, como o Brasil, os investimentos em infraestrutura, como aqueles feitos por meio da aquisição de debêntures, costumam envolver riscos mais elevados, o que aumenta a taxa de retorno. As dificuldades para a realização desses aportes eram solucionadas a partir da atuação do BNDES, que entrava com subsídios aos projetos, garantindo a realização. Agora, esse cenário mudou e o governo pretende elaborar projetos com prêmio baixo e modicidade tarifária. A ideia é oferecer recursos por meio das linhas de financiamento do BNDES com TJLP, atualmente em 6% ao ano, às empresas que captem recursos adicionais no mercado, como debêntures. Se essa meta for atingida, a expectativa é que haverá uma alavancagem no mercado de capitais, vista como necessária e positiva pela Fazenda. A terceira linha envolve um esforço do governo para reduzir riscos regulatórios e garantir previsibilidade nas regras para a participação nos projetos. Essas medidas dariam mais segurança a investidores internacionais. O objetivo é criar condições para que o mercado comece a reduzir o custo do capital para investimentos no Brasil. Como a Fazenda espera obter resultados num curto prazo, os encontros com investidores devem ser intensificados a partir de quinta-feira, quando Levy chegará em Washington, e estendidos até a semana que vem, já que o ministro irá a Nova York para mais reuniões logo após o fim do evento do FMI. pg.9

10 Valor Econômico Continuação: Governo defenderá novo modelo de investimento Nesses diálogos não haverá a defesa de aportes num setor específico da economia, mas na área de infraestrutura como um todo. "O objetivo será, sobretudo, o de apresentar mudanças nos modelos de concessão num contexto de busca de maior atratividade do setor privado para investir nessas áreas e dinamização do mercado de capitais no Brasil", informou uma fonte da área econômica. Também não será feita a defesa de uma modalidade específica de investimento, mas a apresentação de um novo ambiente no país para a realização de aportes. pg.10

11 Temas de Interesse Comércio Internacional Valor Econômico Desafios de crescimento no longo prazo Yoshiaki Nakano Praticamente todos os analistas econômicos concordam que a implementação do ajuste fiscal, como anunciado pelo governo, não tem condições de fazer a economia brasileira crescer de forma sustentada no longo prazo. São necessárias reformas e medidas para dinamizar a economia do lado da oferta, particularmente, ampliando a taxa de investimento e acelerando o crescimento da produtividade do trabalho. Para alcançar o nosso potencial de crescimento existem problemas de natureza estrutural, além dos problemas de política macroeconômica, que há muito tempo vêm sendo apontados, como a precária infraestrutura física; excessiva e desestimulante intervenção e controle burocrático do Estado; péssima qualidade dos serviços públicos; baixa qualificação da nossa mão de obra; reduzida taxa de inovação; baixa competitividade da indústria brasileira, enfim o "custo Brasil". Além de remover todos os obstáculos estruturais mencionados acima para aumentar a taxa de investimento e acelerar o aumento da produtividade é preciso reindustrializar o Brasil. Somente com a diversificação e avanço da indústria de transformação em setores mais intensivos de tecnologia será possível criar e expandir setores dinâmicos de serviços, intensivos em tecnologia e de alto valor agregado. Mas a reindustrialização no novo contexto de globalização, neste início de século XXI, impõe desafios muito maiores comparativamente aos meados do século passado. Yoshiaki Nakano YOSHIAKI NAKANO A globalização do comércio internacional e a integração global da indústria deram-se comandadas pelas grandes empresas multinacionais, que dominam os setores mais dinâmicos, e implantaram um sistema de otimização logística global, gerando cadeias globais de valor. E este processo se concretizou por meio de acordos setoriais, regionais e bilaterais de comércio. Enquanto esta globalização baseada em acordos de livre comércio ocorria de forma acelerada desde a década de 80, o Brasil se posicionou fortemente contra estes acordos, na presunção arro gante de que o Brasil, por ser um país continental, seria um "global trader" de bens finais. Nada, portanto, de nos integrarmos às cadeias globais de valor. Isto é, insistimos no modelo de economia fechada, na ilusão de montarmos uma indústria autossuficiente, verticalmente integrada, como era o objetivo do processo de substituição de importações. É preciso redistribuir competências para aproximar o Estado do mercado e dos empresários Mas esta estrutura industrial desconectada do comércio global não tem competitividade e está sendo desmontada há décadas - a chamada desindustrializaçâo precoce - e hoje atingimos uma situação dramática: a sua participação no valor agregado nacional (PIB) deverá cair para um dígito em poucos anos. A solução neoliberal de abrir simplesmente a indústria seria, simplesmente, decretar o fim imediato da indústria de transformação. Sem política adequada de preços macroeconômicos, sem reformas para remover os obstáculos estruturais, sem eliminar o "custo Brasil", seria um suicídio. A tentativa de replicar modelos pg.11

12 Temas de Interesse Comércio Internacional Valor Econômico Continuação: Yoshiaki Nakano do Japão, Coréia do Sul e China, criando empresas campeãsmundiais nãoéopção, pois amaioria dos setores é dominada por multinacionais, que têm estratégia própria, ainda mais em um país com taxa de câmbio instável, tendência à sobreapreciação e que se nega a fazer acordos de livre comércio. Resta a política industrial Mas até agora as sucessivas políticas industriais têm sido uma sucessão de fracassos, partindo de diagnósticos errados, com ausência de pragmatismo e uma coleção de sonhos e desejos nunca realizados, sempre embasados num modelo de indústria que referimos acima e na ilusão de que seríamos um "global trader". Sem uma visão global da dinâmica industrial, excluindo-se dos acordos de livre comércio, governos incompetentes incapazes de definir claramente a direção estratégica, ficamos presos ao passado e à visão de industrialização da primeira metade do século passado. Estamos assim condenados à semi-estagnação, com indústria declinante e crescimento dependente da agricultura e serviços pessoais? Creio que não, mas os desafios são enormes. Precisamos sim de uma radical mudança na visão estratégica, uma profunda reforma na ordem política e, dentro desta, uma reforma drástica na burocracia brasileira e na forma como ela se relaciona ção dos mercados. Precisamos sim de uma redistribuição de competências, para cada nível da federação para aproximar o Estado do mercado e dos empresários. Não pode ser mais uma ação estatal de cima para baixo. A ação do Estado deve ser interativa e experimental o esforço do empreendedor, inovação, aproveitamento de oportunidades locais são fundamentais. Ao Estado cabe o papel se suprir as falhas de coordenação dos mercados e esta coordenação é sempre específica para cada indústria. Esta tarefa de transformação gigantesca se iniciaria pela implantação de um sistema regionalmente descentralizado, do que Hausmann e Rodrik chamaram de "auto-descoberta" no que somos bons e competitivos, isto é, onde temos vantagens competitivas. Aí sim, quem sabe podemos ter uma Nova Política Industrial, completamente diferente das anteriores e adequada para este início de século XXI. Não custa sonhar! Yoshiaki Nakano com mestrado e doutorado na Comell University, é professore diretor da Escola de Economia da Fundação Getulio Vargas (F- GV/EESP) e escreve mensalmente neste espaço. pg.12

13 Temas de Interesse Questões Trabalhistas Valor Econômico Levy prepara produtores para tempos de vacas mais magras Política agrícola Edna Simão AGRONEGÓCIOS agropecuária é uma das atividades que respondem com mais facilidade e rapidez aos indicadores econômicos. Estamos contando com isso". De Rio Verde (G0) Em evento com agricultores ontem em Rio Verde (GO), o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, preparou o setor de agronegócios para conviver com condições mais restritivas de crédito neste ano devido ao cenário de ajuste nas contas públicas. Durante tradicional feira anual promovida pela cooperativa Comigo, Levy e a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, informaram que o governo deverá anunciar as regras para a contratação de crédito para pré-custeio até o fim desta semana. Já as condições do Plano Safra 2015/16 deverão ser conhecidas até o fim de maio. Os ministros não informaram qual será o volume total de recursos do plano, nem suas taxas de juros. Kátia Abreu confirmou, contudo, que a presidente Dilma deverá editar uma medida provisória autorizando a liberação de recursos prometidos - e ainda represados - para atender à demanda dos produtores pelos subsídios aos prêmios do seguro rural. "A presidenta garantiu que eu poderia usar R$ 300 milhões deste Orçamento, e será via MP. Nós pagaremos todo o seguro agrícola. Isso já está negociado, com data marcada com as seguradoras. E não vai atrapalhar a tomada de recursos, tomada do crédito e, muito menos, o seguro da próxima safra", disse. A ministra tentou tranquilizar os agricultores quanto ao aumento das taxas de juros que serão praticadas no pré-custeio e no próximo Plano Safra. "A presidenta Dilma não permitiria, e nem o ministro Joaquim Levy, nenhum juro incompatível com o setor. A Sem revelar quanto os juros poderão subir, Levy complementou que deve trabalhar por um aumento do crédito para a classe média rural do país entre 20% e 25% neste ano. E garantiu que haverá recursos suficientes, dentro do realismo, para atender ao setor. Kátia Abreu foi além. "Não teremos diminuição de recursos no Plano Safra. Mas sou franca com meus amigos: os juros não serão os mesmos. Estamos em outras condições fiscais. Teremos ajuste nos juros, masserãolimites epercentuais compatíveis com nossa realidade". Ela também destacou que é preciso pensar em um Plano Safra de médio e longo prazos que "respeite" as condições financeiras do Tesouro Nacional. "Não queremos trabalhar no improviso", disse, acrescentando que está sendo desenhado no ministério uma Lei Agrícola para o Brasil nos moldes da que é adotada nos EUA. Em um auditório com a capacidade máxima para 690 pessoas lotado, Levy apresentou um rápido diagnóstico da economia e ressaltou que o país passa por um momento de "ajuste e reequilíbrio". "Não podemos correr risco com a questão fiscal". Para o ministro, o momento é de "recalibrar algumas coisas". "Nós estamos vivendo um momento diferente em que o câmbio ajuda nos preços de várias coisas e também impacta nos custos", frisou, ressaltando que no balanço final isso é favorável para o setor. Sobre o projeto de terceirização de trabalhadores, que atrai grande atenção do setor, Levy defendeu que as contribuições trabalhistas, no caso da pg.13

14 Temas de Interesse Questões Trabalhistas Valor Econômico Continuação: Levy prepara produtores para tempos de vacas mais magras terceirização, sejam pagas pela empresa contratante. Segundo ele, isso evitaria que o trabalhador tivesse uma surpresa indesejada no futuro. "O avanço das medidas no Congresso Nacional são fundamentais para trazer tranquilidade para o trabalhador e um ambiente de segurança para o investidor", afirmou. O ministro reforçou que o objetivo do governo é disponibilizar os recursos para o Plano Safra, inclusive para o custeio, o mais rápido possível. Mas também reiterou que tudo será feito de acordo com a atual situação fiscal do país. "Precisamos decidir rapidamente essas questões, inclusive as que estão no Congresso". Para o ministro, é fundamental que o país volte a crescer e fortaleça sua classe média, inclusive no campo. E louvou o agronegócio, que definiu como uma atividade com "pujança incrível". pg.14

15 O Estado de S. Paulo 'Indústria chega sem fôlego ao ajuste' ECONOMIA tradicional comportamento "pare e siga" ("stop and go") do crescimento econômico, sempre dependente da atividade global. A seguir, os principais trechos da entrevista: Como a indústria enfrentará a crise atual? Aperto. 'A indústria trabalha há muito tempo com câmbio apreciado', diz Kupfer Entrevista Davld Kupfer, professor da UFRJ --- Para economista, período de ajuste da economia não pode ser longo, sob o risco de pôr as empresas em situação ainda mais difícil Vinícius Neder - A indústria brasileira chega ao contexto de mudança de rumo na economia ''bastante mal posicionada" e "sem fôlego". Por isso, o período de ajustes não pode se estender mais do que um ano ou um ano e meio, segundo o economista David Kupfer, que, após três anos e meio como assessor da Presidência do BN- DES, está de volta ao Grupo de Indústria e Competitividade (GIG) da UFRJ, para se dedicar à pesquisa acadêmica. Para ele, o que falta é a sinalizaçãodos caminhos após o ajuste. Semisso, o risco é o investimento seguir retraído e, quando a economia se recuperar, a volta da demanda ser atendida com capacidade produtiva antiga, improdutiva e de alto custo. O resultado é inflação pressionada e o Há um compromisso com um ajuste, eminentemente fiscal, que tem como elementos a retomada de umsuperávit primário, a manutenção da taxa de juros elevada por um período de tempo em torno de dois anos e a transição para uma taxa de câmbio mais desvalorizada. É uma mudança importante no mix macroeconômico. Tudo está um pouco apoiado em como esse momento vai ser digerido pelo sistema econômico. Se a economia consemix, então, vamos ter um quadro que vai trazer alguma mudança nos setores (industriais) que vão estar em expansão, realizando investimentos mais intensivos em modernização, ou mesmo em substituição de equipamentos. O ajuste e o novo mix são positivos para a indústria? Ainda estamos numa fase em que o ajuste está sendo colocado como um fim em si mesmo. A percepção é de um ajuste como uma etapa necessária para alguma coisa que não sabemos o que é. Não há uma visão de política econômica mais longa que permita extrair implicações para a atividade produtiva em geral. Há uma necessidade de completar uma transição em direção a uma taxa de câmbio mais desvalorizada, que traz implicações relativamente profundas sobre a organização do tecido industrial. A indústria passou muito tempo com câmbio apreciado? Sim, o que significa que está há muito tempo trabalhando com uma baixa competitividade de ex- pg.15

16 O Estado de S. Paulo Continuação: 'Indústria chega sem fôlego ao ajuste' portação, trabalhando com uma rentabilidade nas operações internas comprimida pelo preço de importação, particularmente em manufaturados, que tem levado, na medida do possível, àquele processo de substituição de insumos locais por insumos importados, numa tentativa de reduzir os custos de produção. Com a mudança do dólar, essa estratégia, que é uma estratégia de flexibilidade de "sourcing" (fornecedores), entra em xeque. Como a indústria está posicionada perante o ajuste? A indústria chega bastante mal posicionada porque ela já vem sem gordura para poder acomodar esse período de retração. A indústria já vem sem fôlego e isso sugere que o período de ajustamento não pode se estender demais, porque se isso não se resolver num tempo satisfatório, essas empresas já sem fôlego talvez enfrentem dificuldades maiores. O que seria tempo satisfatório? Éumano,umanoepouco,daqui para 2016, para meados de A gente não pode, e isso é parte de uma agenda de política econômica, deixar o sistema industrial hibernando, esperando a bonança, para voltar a se colocar em movimento. De algum modo, há que se criar as condições para que, rapidamente, o investimento retome, para que, quando a economia melhorar e voltar a crescer, você já esteja construindo capacidade nova. O que pode ocorrer se a indústria ficar hibernando? Suponha que tudo funcione macroeconomicamente, daqui aumanoemeio aeconomia começa acrescer, e a gente não terá capacidade de atender esse crescimento e vai atender com a capacidade prévia existente, com um estoque de capital de relativamente baixa produtividade, defasado tecnologicamente. Aí, a oferta vai encontrar uma demanda mais animada, mas ela vai fazer isso com custos crescentes e vamos ter pressões inflacionárias. Vai parecer que há uma inflação de demanda, mas não pode existir inflaçãodedemandase agente está numprocesso deestagnação há quatro anos. O que ocorre se esse quadrose repetir com o câmbio elevado? Vai acontecer o que é o padrão histórico recente, dos últimos 30 anos, que é o "stop and go". A economia começa a crescer, rapidamente encontra restrições, a inflação começa a reagir e a aumentar, a política (monetária) é obrigada a atuar, para fazer a economia caber na capacidade de produção. A gente vai saber claramente que a economia brasileira só poderá ter um surto de crescimento se as condições externas forem muito favoráveis. Como isso não é esperado, o nosso "stop and go" será mais "stop" do que "go". pg.16

17 O Estado de S. Paulo Foxconn não cumpre promessas no Brasil ECONOMIA únicos feitos fora da China, custam aproximadamente US$ 1 mil como é o caso do iphone 5S de 32 gigabytes - e está entre os maiores valores do mundoe cercadeduas vezes o preço nos EstadosUnidos. Montagem. Reunião na fábrica da Foxconn, em Jundiaí: só empregos sem qualificação As vendas de iphones da Apple no Brasil ainda sobem. As remessas subiram mais de 40%, para 2,9 milhões no ano passado, de acordo com pesquisas da Gartner. A Apple não quis comentar. Representantes do governo brasileiro e da Foxconn recusaram-se a falar sobre a razão de resultados tão abaixo das previsões iniciais. Investimentos da empresa taiwanesa no País ficaram abaixo do prometido em Quando a taiwanesa Foxconn aceitou em abril de 2011 que fabricaria produtos da Apple no País, a presidente Dilma Rousseff e seus conselheiros prometeram que até US$ 12 bilhões em investimentos nos próximos seis anos transformariam o setor de tecnologia brasileiro e o colocariam na vanguarda do desenvolvimento de telas sensíveis ao toque. Uma nova cadeia de suprimentos seria criada, gerando empregos de alta qualidade e derrubando os preços de cobiçados aparelhos eletrônicos. Quatro anos depois, no entanto, nada disso se tomou realidade. A Foxconn criou apenas uma pequena fração dos 100 mil empregos que o governo projetou, e a maior parte das vagas é de baixa qualificação. Há poucos sinais de que tenha sido catalisadora do setor de tecnologia brasileiro ou criado uma cadeia de suprimentos local. Os iphones agora produzidos perto de São Paulo, os Atraso. Enquanto a Foxconn aumentou a montagem de iphones e ipads no Brasil durante 2012, colhendo benefícios fiscais, a empresa fez compromissos públicos e previu um investimento inicial de R$ 1 bilhão para criar um parque industrial local de produção decomponentesem dois anos em Itu,no interior de São Paulo. Hoje, o local permanece vazio. Escavadeiras começaram a nivelar a terra no fim do ano passado. O vereador Givanildo da Silva, que ajudou na doação de aproximadamente 100 hectares de terra para a Foxconn, desde então se virou contra o projeto. "As pessoas estão realmente frustradas", disse. "Ainda estamos esperando todos aqueles empregos que até agora são promessas vazias." A prefeitura de Itu disse, em comunicado, que deu todo o apoio necessário para levar a Foxconn à cidade, recusando-se a informar as razões do atraso. A Foxconn disse, em nota, que a fábrica deve se tomar operacional até o fim deste ano,elevandosua força de trabalho a mais de 10 mil funcionários no Brasil, apesar de não fornecer seu número atual de funcionários ou informar quantos trabalham atualmente nos produtos da Apple. pg.17

18 O Estado de S. Paulo Continuação: Foxconn não cumpre promessas no Brasil A Foxconn tem hoje cinco fábricas no País quefazem produtos sob contrato para várias companhias de tecnologia, incluindo uma unidade que produza aparelhos da Apple em Jundiaí, a 50 km de São Paulo. Sem futuro. Trabalhadores entrevistados do lado de fora da fabrica disseram que ainda não há trabalho tão qualificado. "Você ouve Foxconn e Apple e logo pensa que é algo especial. Mas não há glamour lá. E um trabalho sem saída", disse Andressa Silva, de 19 anos. Andressa testa iphones na fabrica por cerca de US$80 por semana, cerca de US$ 15 acima do salário mínimo. Ela e diversos colegas reclamaram do trabalho monótono e da falta de oportunidades de ascensão. Evandro Oliveira Santos, líder do sindicato local de metalúrgicos, disse à Reuters que a entidade está organizando uma greve na fabrica. Seria a quarta paralisação em quatro anos. A Foxconn recusou um pedido de visita à fábrica, mas disse que trabalha para atender padrões internacionais. --- Reconhecimento "Você ouve os nomes Foxconn e Apple e logo pensa queéalgo especial. Mas nãoháglamour lá (nafábrica da empresa). É um trabalho sem saída." Andressa Silva FUNCIONARIA DA UNIDADE DA FOXCONN EM JUNDIAÍ pg.18

19 O Estado de S. Paulo Lu Aiko Otta Investimento deve continuar em queda Depois de atingir, em 2014, a menor taxa dos últimos cinco anos, os investimentos deverão continuar em queda este ano.éo quepreveemos pesquisadoresjosé Roberto Afonso e Bernardo Fajardo, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV). "A perspectiva é negativa e a situação, bastante complicada", resumiu Fajardo. O ajuste nas contas públicas, a crise das construtoras e o rebaixamento da nota de crédito da Petrobrás serão os principais obstáculos. O trabalho decompõe os investimentos nos últimos 20 anos entre setor privado, setor público e empresas estatais. O objetivo foi compreender como cada grupo atuou na formação bruta de capital fixo no País e, assim, traçar uma perspectiva para o futuro e uma estratégia de recuperação. Eles constataram queo setorprivado, responsável pela maior fatia dos investimentos, atua conforme os ciclos de alta e baixa da economia. De forma que, no atual quadro, tende a reduzir seus gastos em expansão da capacidade de produção. A menos que haja um conjunto de estímulos consistentes, e não as desonerações tributárias e subsídios localizados que marcaram o governo anterior. O setor enfrenta no momento um grande gargalo, que é a redução e encarecimento do crédito. ECONOMIA Estatais. Comparando o quadro de 2014 com o de 20 anos atrás, os pesquisadores constataram que ataxa de investimento caiu no período, de 20,75% do Produto Interno Bruto (PIB) para 16,81% do PIB. O único grupo que apresentou aumento nos investimentos foram as empresas estatais, que passaram de 0,76% do PIB para 1,86% do PIB. Elas, que representavam 3,68% do total dos investimentos em 1994, responderam por 11,08% em Esse movimento foi liderado pela Petrobrás, que se converteu numa alternativa do governo para estimular os investimentos, principalmente após a crise de 2008/2009. Em 1994, ela representava 57,8% do total das estatais, passando para 89,1% em Mas a estratégia de puxar os investimentos pela estatal do petróleo começou a falhar em já em "A operação Lava Jato contribuiu, mas o principal é a perda de credibilidade da Petrobrás por questões gerenciais e o corte do rating", avaliou Fajardo. O rebaixamento da nota de avaliação de crédito vai encarecer as captações de recursos da empresa e puxar para baixo seus investimentos este ano. O que evitou uma queda mais acentuada do investimento no ano passado foi o setor público, notadamente Estados e municípios. --- Os números mostram que quem remou contra a maré da baixa na economia nos últimos anos, buscando aumentar investimentos em momentos de crise, foram as empresas estatais e o próprio governo, notadamente os de Estados e municípios. Porém, há problemas nesses dois motores. No caso das estatais, pelas dificuldades enfrentadas pela principal delas, a Petrobrás. No setor público, por causa do ajuste fiscal. Impactos "A operação Lava Jato contribuiu, mas o principal é a perda de credibilidade da Petrobrás." Bernardo Fajardo PESQUISADOR DO IBRE/FGV pg.19

20 O Estado de S. Paulo Após 14 semanas, mercado reduz projeção de inflação ECONOMIA administrados pelo governo. As projeções para os preços administrados se mantiveram em 13% para 2015, mesmo valor da semana passada. Um mês antes, a mediana estava em 12%. Para o BC, os preços administrados devem apresentar alta menor, de 11% em Analistas ouvidos pelo boletim Focus, do Banco Central, preveem inflação de 8,13% este ano e de 5,60% em 2016 Victor Martins Depois de 14 semanas consecutivas de projeções em alta, os analistas ouvidos pelo Banco Central para o boletim Focus reduziram a previsão para a inflação deste ano. Apesar da redução, o número continua elevado e muito acima do limite de tolerância, definido em 6,5%. Nesta semana, os analistas passaram a projetar 8,13% para o índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA); na semana passada essa expectativa estava em 8,20%. O cenário para o Produto Interno Bruto (PIB) apesar de negativo, não piorou entre uma semana e outra. A projeção continua sendo uma retração de 1,01%. Essa foi a primeira vez, também depois de 14 semanas seguidas de deterioração, que esse indicador apresentou estabilidade. Há quatro semanas, a previsão do PIB indicava uma queda de 0,78%. Para 2016, a expectativa do PIB caiu de 1,10% para 1%. Energia. A previsão do BC leva em conta variações ocorridas, até fevereiro, nos preços da gasolina (84%) e do gás de bujão (1,2%). Além disso, o Banco Central prevê redução de 4,1% nas tarifas de telefonia fixa e de aumento de 38,3% nos preços da eletricidade em Já para 2016, a expectativa no boletim Focus é a de que a pressão para a inflação dos preços administrados seja menor. A mediana das estimativas continuou em 5,50% pela nona vez consecutiva. Top 5. Entre o grupo de analistas que mais acertam as previsões, chamado de Top 5, a expectativa para a inflação piorou. A mediana para o IPCA deste ano segue acima da banda superior de 6,5% da meta e passou de 844% para 8,73%. Quatro semanas atrás, estava em 8,33%. Para o fim de 2016, a mediana das projeções para o IPCA foi mantida em 5,60%. Já no Top 5, a projeção para a inflação ao final do ano que vem foi corrigida para próximo do limite máximo de tolerância ao passar de 5,64% para 640% - um mês antes estava em 5,61%. De acordo com o Relatório Trimestral de Inflação do Parte desse quadro é puxada pelo ajuste dos preços pg.20

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação

Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação BRICS Monitor #4 V.1 n 4 Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação Fevereiro de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Segurança Daniel Mendes 21 de outubro de 2004 Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Comércio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior Es ecial Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior MARCELO SAKATE economia brasileira atingiu

Leia mais

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 Francisco José Gouveia de Castro* No início do primeiro semestre de 2015, o foco de atenção dos agentes tomadores de decisão, principalmente da iniciativa privada, é

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif Fórum Estadão Brasil Competitivo Comércio Exterior Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros Zeina Latif 15 de Outubro de 2013 Economia

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO A cafeicultura brasileira, vitimada por longo período de preços baixos, empreendeu um esforço imenso para tornar-se mais eficiente e ganhar competitividade.

Leia mais

IPCA, SELIC e CAGED: uma reflexão.

IPCA, SELIC e CAGED: uma reflexão. SUMÁRIO EXECUTIVO > Revisamos IPCA para 6,1%; > Pior CAGED desde 2003; > Serviços ainda não recuaram; > SELIC ainda na bateu em inflação. IPCA, SELIC e CAGED: uma reflexão. O IPCA-15 divulgado ontem veio

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais