Carta de Gestão Junho 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta de Gestão Junho 2010"

Transcrição

1 Carta de Gestão Junho 2010 O mês de junho foi marcado pela continuidade no movimento de aversão a risco verificado em maio, a partir da divulgação de indicadores que começaram a apontar para uma desaceleração do crescimento em algumas das principais economias mundiais, em um ambiente já conturbado pela gravidade da crise no continente europeu. Nos EUA, apesar da manutenção dos ISMs (índices de gerentes de compras) e das demais pesquisas de atividade de maio em patamares elevados, voltamos a conviver com maiores incertezas em relação a dois componentes primordiais para a recuperação da economia do país: o mercado de trabalho e o mercado imobiliário. Em relação ao mercado de trabalho, em que pese a variação dos dados em decorrência da contratação de pessoal para o censo, houve criação de apenas 33 mil novas vagas (número revisado de 40 mil vagas estimadas inicialmente) no setor privado, um número muito aquém das expectativas de 180 mil. Já no mercado imobiliário, com o final do estímulo tributário, houve quedas acentuadas nas vendas de casas novas e usadas em maio, em relação ao mês anterior: 32,7% e 2,2%. Soma-se a isso ainda a divulgação de indicadores decepcionantes de vendas ao varejo e confiança do consumidor. Neste ambiente, o S&P500 e o Nasdaq encerraram o mês com quedas de 5,4% e 6,5%, respectivamente. Na Ásia, também há sinais de desaquecimento. Apesar dos dados positivos chineses de balança comercial e de concessão de empréstimos em maio, e, ainda, da leve flexibilização da moeda do país, que teve apreciação de aproximadamente 0,7% em relação ao dólar no mês, continuamos a observar uma desaceleração no crescimento. O PMI (índice de gerentes de compras) cedeu mais do que o esperado, a inflação subiu, e o Governo continua dando sinais de restrição ao crescimento do crédito imobiliário, como forma de combater aumentos excessivos de preços em algumas das principais cidades da China. No Japão, apesar de uma revisão acima das expectativas em relação ao PIB do 1 trimestre, que cresceu 5% em termos anualizados, houve a divulgação de dados decepcionantes de vendas ao varejo e emprego. Por último, também as principais economias asiáticas apresentaram moderação nos seus principais indicadores de atividade

2 Carta de Gestão Junho 2010 econômica. Desta forma, o índice CSI-300 cedeu 7,6%, e o Nikkei teve queda de 4%. Chegando à Europa, não houve, aqui, decepções dignas de registro nos indicadores das principais economias da região. Na verdade, a desvalorização do euro em 2010 segue dando suporte à economia alemã, maior exportadora da região. Houve nova queda na taxa de desemprego, agora em 7,7%, manutenção da confiança do empresariado em níveis elevados, e divulgação de produção industrial acima das expectativas em abril. No Reino Unido, vale voltar a mencionar o nível elevado do PMI de construção de maio. Apesar disso, vale lembrar que as expectativas de crescimento para o continente seguem sendo modestas, que o Banco Central Europeu não tem se mostrado agressivo na implantação de novos estímulos, e que os indicadores de risco de solvência ligados aos países periféricos seguem em patamares desconfortáveis. Assim, o índice DAX (Alemanha) fechou estável ao longo do mês, enquanto outros dos principais índices acionários da região fecharam em queda. O Brasil foi afetado pelos movimentos expostos acima, e o Ibovespa teve queda de 3,3% no mês. Em relação à atividade econômica, o país apresentou crescimento anualizado de cerca de 11% no 1 trimestre de 2010, o que levou a novas revisões altistas generalizadas para o ano. Por outro lado, houve desaceleração da produção industrial e das vendas ao varejo em abril. No mercado de trabalho, apesar da criação de quase 300 mil novos postos de trabalho em maio, houve um leve aumento na taxa de desemprego, que, em termos não dessazonalizados, subiu de 7,3% para 7,5%. Por último, vale registrar a moderação nos índices inflacionários, com o IPCA de maio registrando alta de 0,43%, especialmente em virtude da queda na alimentação. Apesar de alguma moderação nos indicadores acima, o ritmo de atividade segue forte, e o Banco Central promoveu uma nova alta de 75 pontos-base na Selic, agora em 10,25%, conforme as expectativas. Nós, da Platina, apesar de alguma moderação nas expectativas inflacionárias, continuamos a esperar uma inflação medida pela IPCA de 2010 e 2011 em torno de 5,5%, significativamente acima do centro da meta de inflação. Em relação à taxa de câmbio, o real teve apreciação moderada de 0,9% em relação à moeda americana.

3 Estratégias Platina Hedge FIM O fundo Platina Hedge teve um rendimento de -0,21% no mês. No mercado de juros, mantivemos, ao longo do mês, uma exposição tomada em juros futuros para janeiro-2011 e janeiro-2012, em linha com o nosso cenário de forte crescimento e inflação acima do esperado por boa parte dos agentes de mercado. Ao final, tivemos uma contribuição positiva de 0,18%. No mercado acionário, ainda que dentro de um posicionamento mais conservador, tivemos uma contribuição negativa de 0,58%, sobretudo em decorrência da queda nas ações da Petrobras, cuja capitalização foi adiada. No mercado de câmbio, mantivemos uma exposição baixa, vendida em dólar em relação à moeda brasileira, por conta da melhora da balança comercial brasileira, e níveis de juros esperados relativamente mais altos no futuro aqui no país, que acabou gerando uma leve contribuição negativa de 0,06% para o fundo. Finalmente, no mercado internacional, a nossa posição vendida em iene contra real, feita através de uma trava de opções, teve o seu vencimento no final do mês, e gerou uma contribuição negativa de 0,11%.

4 Estratégias Platina Long Short Direcional FIM O fundo Platina Long Short Direcional teve um rendimento de 0,19% no mês. De acordo com o nosso cenário de grande incerteza para o momento atual, conforme o nosso último relatório de gestão, mantivemos uma exposição moderada em ações ao longo do mês. O nível médio de exposição do fundo foi de 19,72% do PL (patrimônio líquido), e oscilou entre 28,11% e 8,18%. Assim, apesar da queda do Ibovespa no mês, e de uma leve perda líquida na carteira de ações, conseguimos obter uma rentabilidade ainda positiva no fundo, em virtude, sobretudo, do desempenho relativamente melhor das ações de Guararapes e OGX, além da utilização de índice futuro como hedge dinâmico da carteira. No final deste relatório de gestão, apresentamos o nosso racional para a posição em ações da Brasil Brokers.

5 Perspectivas Além do nosso já muito explorado pano de fundo de desempenho moderado e volátil da economia global nos próximos anos, além da maior intervenção governamental nos negócios e da desalavancagem do Governo e do setor privado em algumas das principais nações desenvolvidas, continuamos a monitorar as principais preocupações dos agentes de mercado no curto prazo: a reforma no sistema financeiro no mundo desenvolvido, em particular nos EUA e na Europa; a desaceleração econômica na China; e a situação de países europeus periféricos em situação fiscal precária, não só pelas eventuais conseqüências à própria União Européia, mas também pela antecipação da discussão sobre a sustentabilidade fiscal de países mais importantes economicamente, como Reino Unido, ou mesmo EUA. Assim, vale destacar que, em relação à reforma do sistema financeiro nos EUA, chegou-se a um projeto combinado de propostas entre o Senado e a Câmara, em fase final de votação, e, em princípio, apesar da queda esperada na rentabilidade das instituições financeiras, não esperamos que isso seja suficientemente grave para comprometer o andamento da economia mundial. Na China, após a divulgação dos últimos indicadores, mantemos a expectativa de que estamos em um processo que deva reduzir o crescimento, em torno de 12% no 1 trimestre de 2010, para algo entre 8 e 10%, ainda que isto nem sempre seja um processo suave, e que dúvidas possam eventualmente aumentar os prêmios de risco, sobretudo em relação às expectativas para o consumo de commodities. Já com relação à Europa, não houve, conforme mencionamos neste relatório de gestão, dados econômicos que pareçam indicar um desaquecimento acentuado nas principais nações do continente. Por outro lado, a situação dos países periféricos segue sendo delicada, com os spreads soberanos ainda em níveis muito elevados, e com a percepção de risco de uma crise bancária de maior magnitude. Nessa linha, ao menos o Banco Central Europeu retomou a expansão do próprio balanço, e foi anunciada recentemente a idéia de se fazer stress tests nas principais instituições bancárias da região (91, ao todo), como uma forma de dar maior transparência em relação à real situação dos bancos.

6 Perspectivas Por fim, a partir do mês passado, tivemos a divulgação de indicadores decepcionantes nos EUA, em um momento que antecede o fim de qualquer efeito positivo dos estímulos fiscais já adotados pelo país (na verdade, a contribuição passa a ser negativa, na segunda metade do ano). Neste cenário de incertezas, entendemos que os riscos atuais deverão permanecer por algum tempo. Mantemos um viés otimista oriundo da recuperação econômica global, do nível atual de preços e do resultado das empresas aqui no Brasil e nos EUA, mas reconhecemos que, nos próximos meses, poderemos ter um mercado ainda demasiadamente volátil e errático. Faz-se necessário seguir acompanhando a evolução dos testes nos bancos europeus, os dados econômicos, sobretudo de China e dos EUA, e, particularmente em julho, a temporada de resultados do 2 trimestre das empresas americanas, cujas projeções médias apontam para um crescimento acima de 30% nos lucros em relação ao mesmo período do ano passado (das empresas do S&P500).

7 Platina Hedge FIM - Estatísticas e Rentabilidades Resultado até junho-2010* Retorno Acumulado 67,55% % CDI 126% Maior Rentabilidade Mensal 4,35% Menor Rentabilidade Mensal -2,63% * Inception 30/06/06 Rentabilidades Mês Ano Últimos 3 Meses Últimos 6 Meses Últimos 12 Meses Últimos 24 Meses Patrimônio Líquido PL Médio Últimos 12 Meses mai-09 mar-08 Cota %CDI -0,21% - -1,98% - -0,82% - -1,98% - 4,58% 52% 19,61% 88% R$ R$ Número de Meses Maior que 150% do CDI % e 150% do CDI 3 0 e 100% do CDI 12 Rendimento Negativo Rentabilidade Mensal* % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano CDI %CDI ,25% 0,82% -0,73% 1,38% -1,97% -0,21% -1,98% 4,29% -46% ,76% 2,01% 3,08% 3,85% 4,35% 0,25% 1,73% 0,29% 1,90% 1,47% 0,51% 0,61% 25,25% 9,82% 257% ,42% 2,59% -2,63% 3,56% 3,99% 1,61% -2,18% -0,67% -1,86% -2,27% 0,75% 3,76% 6,04% 12,44% 49% ,12% 2,59% 1,26% 0,16% 3,83% 0,24% 2,25% -0,03% 2,67% 0,10% 0,01% 0,75% 14,76% 11,82% 125% ,29% 2,07% 0,60% 2,92% 2,00% 2,70% 12,14% 6,75% 180% * A partir de Julho de 2006 o fundo Platina Hedge mudou seu perfil de risco. Rentabilidade desde o início do fundo (12/01/2004) é de 135,50% Ações Renda Fixa Câmbio Internacional Lastro** Total jun-10 No Ano 12 Meses -0,58% -3,67% -1,21% 0,18% -0,38% -0,05% -0,06% -0,09% 1,43% -0,11% -0,26% -0,32% 0,36% 2,43% 4,73% -0,21% -1,98% 4,58% Distribuição de Retornos 10,0% 7,5% 5,0% 2,5% 0,0% -2,5% ** O lastro inclui custos de oportunidade, operacionais, administrativos e de performance -5,0% Lastro Internacional Câmbio Renda Fixa Ações junho-10 No Ano 12 Meses 3,00% 2,50% 2,00% 1,50% 1,00% 0,50% Abertura de VaR Média Diária de Performance por VaR alocado *** jun/10 No ano 12 meses Acoes Moeda Renda Fixa 0,00% 02-jan 23-jan 13-fev 10-mar 31-mar 23-abr 15-mai 05-jun 29-jun 20-jul 07-ago 28-ago 21-set 13-out 04-nov 25-nov 16-dez 08-jan 29-jan 23-fev 16-mar 07-abr 29-abr 20-mai 11-jun Renda Fixa Acoes Moeda Total Total -35% -30% -25% -20% -15% -10% -5% 0% 5% 10% 15% Os fundos multimercados com renda variável podem estar expostos a significativa concentração em poucos emissores, com riscos daí recorrentes. A rentabilidade dos fundos apresentada não é liquida de imposto de renda.

8 Platina Long Short Direcional FIM - Estatísticas e Rentabilidades Resultado até junho-2010* Retorno Acumulado % CDI Maior Rentabilidade Mensal Menor Rentabilidade Mensal * Inception 05/09/08 39,85% 205% 18,10% abr-09-4,51% mai-10 Maior que 150% do CDI Número de Meses 10 Rentabilidades Mês Ano Últimos 3 Meses Últimos 6 Meses Rentabilidade Últimos 12 Meses Patrimônio Líquido PL Médio Últimos 12 Meses Cota %CDI 0,19% 24% -7,94% - -4,86% - -7,94% - 8,88% 101% R$ R$ % e 150% do CDI 1 0 e 100% do CDI 2 Rendimento Negativo Rentabilidade Mensal* % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano CDI %CDI Ibov ,15% -0,24% -2,86% -0,55% -4,51% 0,19% -7,94% 4,29% - -11,16% ,87% 0,82% 3,31% 18,10% 5,43% -1,13% 4,60% 1,41% 4,30% 4,10% 0,84% 1,84% 55,99% 9,88% 566,93% 82,66% ,02% -1,73% -1,55% 1,69% -2,62% 4,20% - -27,70% *Período sob controle da atual equipe de gestão. Rentabilidade desde do início das atividades do fundo em 06/11/2007 é de 53,09%. Distribuição de Retornos Ação Direcional Índice Direcional Opções Pair Trade Lastro ** Total jun-10 No Ano -0,63% -14,14% 0,23% 4,30% 0,00% 0,04% 0,00% -0,50% 0,60% 2,36% 0,19% -7,94% 10% 5% 0% -5% -10% ** O lastro inclui custos operacionais, administrativos e de performance -15% -20% Pair Trade Opções Índice Direcional Ação Direcional jun-10 No Ano 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% -10,0% Exposição Líquida vs. Índice jan 16-jan 3-fev 17-fev 5-mar 19-mar 2-abr 17-abr 5-mai 19-mai 2-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 10-set 24-set 8-out 23-out 9-nov 23-nov 7-dez 21-dez 6-jan-10 Exposição IBOVESPA 20-jan-10 3-fev fev-10 5-mar mar-10 5-abr abr-10 4-mai mai-10 1-jun jun jun-10 Os fundos multimercados com renda variável podem estar expostos a significativa concentração em poucos emissores, com riscos daí recorrentes. A rentabilidade dos fundos apresentada não é liquida de imposto de renda.

9 Característica dos Fundos Platina Hedge FIM Platina Long Short Direcional FIM Público Alvo: Investidores em geral Público Alvo: Investidores em geral Taxa de Adm: 2% ao ano Taxa de Adm: 2% ao ano Taxa de Adm Máxima*: 3% ao ano Taxa de Adm Máxima*: 4% ao ano Taxa de Performance: 20% sobre o excedente do CDI Taxa de Performance: 20% sobre o excedente do CDI Aplicação Inicial: R$ ,00 Aplicação Inicial: R$ ,00 Movimentação Mínima: R$ 5.000,00 Movimentação Mínima: R$ 5.000,00 Data de Início: 12/1/2004 Data de Início: 5/10/2004 Cotização: D+0 para aplicações Cotização: D+0 para aplicações D+0 para resgates D+4 para resgates Liquidação Financeira: D+0 para aplicações Liquidação Financeira: D+0 para aplicações D+1 para resgates D+5 para resgates Horário movimentação: Clientes novos até 13:30 h / Clientes antigos até 14:00 h Gestor: Platina Investimentos Custodiante: Banco Bradesco Auditor: KPMG Auditores Independentes Administrador/Distribuidor: BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S.A. (CNPJ: / ) Av. Presidente Wilson 231, 11º andar, Rio de Janeiro, RJ, CEP Telefone: (21) Fax: (21) SAC: ou (21) / (11) / Ouvidoria : ou

10 Case - Brasil Brokers A Brasil Brokers é um dos maiores grupos de venda de imóveis do Brasil. A empresa funciona como uma holding, que opera 23 subsidiárias espalhadas por 16 estados do país, com presença predominante nas maiores praças Rio e São Paulo. Através de mais de 900 pontos de venda e 10 mil corretores e parceiros, a companhia tem presença nacional. Sua atuação divide-se basicamente em dois segmentos: mercado primário e secundário. O mercado primário ainda é o mais representativo nas vendas da corretora, contribuindo com cerca de 82% do faturamento. A companhia tem vínculos bem diversificados com todas as grandes incorporadoras do país, e, embora a PDG Realty tenha uma participação relevante em seu capital social (aproximadamente 5,9%), o grupo PDG (PDG+Goldfarb) só congrega 12% das vendas realizadas. Esse segmento se beneficia diretamente do crescimento do mercado imobiliário, cujas projeções em termos de lançamento são de 20% para os próximos 3 anos. Nossa visão para o setor de incorporação imobiliária é muito positiva, dado o potencial de expansão de crédito imobiliário no Brasil, a demanda doméstica, e a posição de balanços saudáveis das maiores incorporadoras, que as permitem lançar empreendimentos em ritmo acelerado. O business de corretagem tira proveito desse panorama, sem dividir os riscos de execução e financiamento inerentes à atividade incorporadora. O mercado secundário, pouco representativo atualmente (em torno de 16%), é caracterizado pela baixa concentração, e maiores margens. Acreditamos que a presença da Brasil Brokers e seu conhecimento local das áreas em que atua, aliado a uma grande base de dados, cria uma vantagem comparativa que permitirá aumentar sua participação nesse mercado. O mercado secundário tem um crescimento expressivamente menor que o primário, contudo, suas margens são maiores. Além disso, existe uma possibilidade considerável da Brasil Brokers firmar um acordo com algum grande branco, na linha daquele firmado entre a Lopes Corretora e o Itaú, em Com isso, ela teria in-house um produto financeiro que facilitaria ainda mais suas vendas. Os fundos multimercados com renda variável podem estar expostos a significativa concentração em poucos emissores, com riscos daí recorrentes. A rentabilidade dos fundos apresentada não é liquida de imposto de renda.

11 Case - Brasil Brokers As ações da Brasil Brokers perderam 25% de seu valor de mercado, entre maio e junho. Após essa queda, ela passou a negociar com múltiplos P/L 2010 e 2011, respectivamente, de 9,9x e 7,3x, frente a uma média do setor de construção civil de 10,3x e 7,1x para o mesmo período, o que já nos parece um patamar atrativo. Além disso, quando avaliamos a empresa por outra metodologia - nossos modelos DCF -, acreditamos ainda que haja um upside potencial de aproximadamente 50%. Concluímos, portanto, que seria uma boa oportunidade de entrada para se beneficiar de um play que goza dos benefícios do crescimento do setor imobiliário, sem absorver boa parte dos riscos desse negócio. Os fundos multimercados com renda variável podem estar expostos a significativa concentração em poucos emissores, com riscos daí recorrentes. A rentabilidade dos fundos apresentada não é liquida de imposto de renda.

Carta de Gestão Agosto 2009

Carta de Gestão Agosto 2009 Carta de Gestão Agosto 2009 O mês de agosto foi marcado pela continuidade no processo de recuperação da economia global, com indicadores econômicos surpreendendo positivamente as expectativas dos agentes.

Leia mais

Carta de Gestão Dezembro 2009

Carta de Gestão Dezembro 2009 Carta de Gestão Dezembro 2009 Em meio à continuidade no processo de recuperação da economia global, e do bom desempenho das economias emergentes, o último mês de 2009 foi marcado pela divulgação de indicadores

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1 No terceiro trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -2,75%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,43% e o mercado de bolsa apresentou

Leia mais

Relatório Mensal - Novembro de 2013

Relatório Mensal - Novembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Depois de quatro meses consecutivos de alta, o Ibovespa terminou o mês de novembro com queda de 3,27%, aos 52.842 pontos. No cenário externo, os dados

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1 No terceiro trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -0,07%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,72% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

Propel Axis FIM Crédito Privado

Propel Axis FIM Crédito Privado Melhora expressiva na economia dos EUA; Brasil: inflação no teto da meta, atividade econômica e situação fiscal mais frágil; A principal posição do portfólio continua sendo a exposição ao dólar. 1. Cenário

Leia mais

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa encerrou o mês de fevereiro com alta de 9,97%, recuperando as perdas do início do ano. Mesmo com o cenário macroeconômico bastante nebuloso

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012 O pessimismo amplamente precificado em bolsa ao longo de 2011 parece ter sofrido uma mudança de rota em direção a céus mais azuis. Em janeiro de 2012, o Ibovespa subiu 11,13%, de tal forma a recuperar

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

Relatório Mensal - Junho de 2013

Relatório Mensal - Junho de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Junho foi mais um mês bastante negativo para o Ibovespa. O índice fechou em queda pelo sexto mês consecutivo impactado pela forte saída de capital estrangeiro

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Prezados Investidores,

Prezados Investidores, Prezados Investidores, No mês de março, o fundo Apex Ações FIC de FIA rendeu +6,20% contra +7,05% do Ibovespa. Desde seu início em 30 de novembro de 2011, o fundo rendeu +28,65% contra uma queda de -11,36%

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011 O ano de 11 terminou sem grandes surpresas. Na tentativa de manter aquecido o mercado consumidor brasileiro, a taxa básica de juros, que chegou a 1,5% ao longo do ano, encerrou o período em 11%. O crescimento

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT SUMÁRIO 1. Histórico XP 2. Apresentação XPG 3. Organograma XPG 4. Equipe de Gestão Quant 5. XP Unique Quant. Metodologia de Análise. Conceitos Quantitativos. Estratégia. Exemplos

Leia mais

BNY Mellon ARX Extra FIM. Julho, 2013

BNY Mellon ARX Extra FIM. Julho, 2013 BNY Mellon ARX Extra FIM Julho, 2013 Índice I. Filosofia de Investimento II. Modelo de Tomada de Decisão III. Processo de Investimento IV. Características do Fundo 2 I. Filosofia de Investimento Filosofia

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014 Relatório Semanal 8/12/2014 A semana em revista No cenário doméstico, os destaques da semana foram a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) e a taxa de inflação (IPCA). A produção industrial do mês de outubro

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

BOGARI VALUE FIA Carta Setembro e Outubro/2010

BOGARI VALUE FIA Carta Setembro e Outubro/2010 BOGARI VALUE FIA Carta Setembro e Outubro/2010 Bogari Value FIA é um fundo de ações de empresas negociadas no mercado brasileiro. O fundo tem como foco o investimento de longo prazo baseado na identificação

Leia mais

CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014

CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014 CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014 Cenário Internacional Crescimento mundial: gradual e desequilibrado A economia mundial fecha 2014 com um desempenho não muito diferente daquele

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Outubro de 2012 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/09/2012 a 28/09/2012 Panorama Mensal Setembro de 2012 O mês de setembro

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

Carta Mensal. Maio 2012

Carta Mensal. Maio 2012 Fundos de investimento não contam com a garantia do administrador, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade passada não representa

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

CSHG ALL VERDE AM PRISMA FIC FIM IE Relatório de Gestão Junho de 2015

CSHG ALL VERDE AM PRISMA FIC FIM IE Relatório de Gestão Junho de 2015 Relatório de Gestão Junho de 215 Desempenho Junho 215 Acumulado 215 Prisma -2,39% 18,13% Para mais informações relevantes à análise da rentabilidade deste Fundo - tais como taxa de administração, taxa

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1 No segundo trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 3,61%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,03% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 04 de Maio de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2015 a 30/04/2015 Panorama Mensal Abril 2015 No cenário internacional, o mês de abril foi marcado por surpresas negativas em

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JANEIRO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JANEIRO DE 2015 1 No quarto trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 0,79%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,76% e o mercado de bolsa mostrou queda

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Julho 2010 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Julho 2010 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Edge Investimentos Ltda. Av. Ayrton Senna 3000 Bloco 2 324 Rio de Janeiro RJ Tel: +55 (21) 2421-4262 www.edgeinvestimentos.com.br Administrador/ Distribuidor:

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Carta Mensal. Agosto 2012

Carta Mensal. Agosto 2012 Fundos de investimento não contam com a garantia do administrador, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade passada não representa

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Abril de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 02/03/2015 a 31/03/2015 Panorama Mensal Março 2015 Os mercados financeiros seguiram voláteis ao longo do mês de março, em especial

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Março de 2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 28.02.14 APLICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho Relatório de Gestão Maio - Junho 2013 1 Filosofia O é um fundo de ações alinhado com a filosofia de value investing. O fundo possui uma estratégia de gestão que busca capturar de forma contínua oportunidades

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Janeiro de 2015 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/12/2014 a 31/12/2014 Panorama Mensal Dezembro 2014 A volatilidade

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Desempenho Junho 2015 Acumulado 2015. Global Alpha -3,46% 19,66% Libor 6M em BRL -2,55% 17,03%

Desempenho Junho 2015 Acumulado 2015. Global Alpha -3,46% 19,66% Libor 6M em BRL -2,55% 17,03% Relatório de Gestão Junho de 215 Desempenho Junho 215 Acumulado 215 Global Alpha -3,46% 19,66% Libor 6M em BRL -2,55% 17,3% Para mais informações relevantes à análise da rentabilidade deste Fundo - tais

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

DI BLASI CONSULTORIA FINANCEIRA LTDA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE CAMAÇARI. Relatório dos Investimentos Março/2011

DI BLASI CONSULTORIA FINANCEIRA LTDA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE CAMAÇARI. Relatório dos Investimentos Março/2011 DI BLASI CONSULTORIA FINANCEIRA LTDA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE CAMAÇARI Relatório dos Investimentos Março/2011 Rio de Janeiro (RJ), 12 de abril de 2011 CENÁRIO ECONÔMICO No primeiro trimestre

Leia mais

Polo Macro FIM Setembro de 2014

Polo Macro FIM Setembro de 2014 Mês Trimestre YTD 12 meses 24 meses 36 meses Desde o início PL médio 12m PL último dia do mês Polo Macro 2.28% 5.73% 8.67% 14.96% 28.50% 51.23% 95.12% 313.6 MM 63.8 MM CDI 0.90% 2.72% 7.83% 10.32% 18.49%

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Edge Investimentos, não deve ser considerado como oferta de venda

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

JULHO 2011. Objetivo #1: Preservação de capital

JULHO 2011. Objetivo #1: Preservação de capital O fundo M Square Ações FIC FIA registrou perda de -2,94% em julho, acumulando um resultado de -4,14% em 2011 e +66,00% desde seu início em setembro de 2007. Antes de falar do portfólio, é importante mencionar

Leia mais

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 O FII BTG Pactual Corporate Office Fund é um fundo de investimento imobiliário do tipo corporativo, ou seja, tem como objetivo investir em ativos imobiliários

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015

CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015 Avaliação da Carteira de Investimentos Janeiro/2015 1 CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015 O ano de 2015 inicia com grandes desafios no ambiente econômico internacional, principalmente em relação as incertezas

Leia mais

São Paulo, 10 julho de 2009. Prezado Investidor,

São Paulo, 10 julho de 2009. Prezado Investidor, São Paulo, 10 julho de 2009. Prezado Investidor, No mês de junho o cenário econômico teve comportamento próximo ao esperado, confirmando a expectativa de recuperação industrial no mundo, com destaque para

Leia mais

Carta do Gestor. A Inflação Brasileira e as Desonerações Tributárias. Caros Investidores,

Carta do Gestor. A Inflação Brasileira e as Desonerações Tributárias. Caros Investidores, Carta do Gestor A Inflação Brasileira e as Desonerações Tributárias Caros Investidores, A política de desonerações tributárias que, diga-se de passagem, é bem-vinda, tem se mostrado muito mais um instrumento

Leia mais

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores,

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores, Carta do Gestor Vento Contra Caros Investidores, Há alguns meses temos ressaltado em nossas cartas a piora do ambiente global para as economias emergentes. Esse vento contra, formado inicialmente pela

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

PARECER MENSAL - 6/2015 20/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO

PARECER MENSAL - 6/2015 20/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO PARECER MENSAL - 6/2015 20/07/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Adélio Dalmolin; Atendendo a necessidade do Instituto

Leia mais

PARECER MENSAL - 8/2015 22/09/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI

PARECER MENSAL - 8/2015 22/09/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI PARECER MENSAL - 8/2015 22/09/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Clarice Scheit Calgaro; Atendendo a necessidade

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 Tsunami tupiniquim Fonte: www.shutterstock.com Índice 1. Ambiente Global...2 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 4. Desempenho e Atribuição

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Novembro/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.10.14 APLICAÇÃO

Leia mais

XP FIA BDR NÍVEL 1. Análise do Trimestre

XP FIA BDR NÍVEL 1. Análise do Trimestre XP FIA BDR NÍVEL 1 O XP FIA BDR NÍVEL I é um Fundo de Ações que tem como objetivo proporcionar ganhos de capital no longo prazo a seus cotistas, através de gestão ativa no mercado acionário internacional,

Leia mais

XP TOP Dividendos FIA

XP TOP Dividendos FIA XP TOP Dividendos FIA INTRODUÇÃO O XP TOP DIVIDENDOS FIA é um Fundo de Investimento em Ações que tem como objetivo proporcionar ganho de capital, no longo prazo, a seus cotistas, por meio da gestão ativa

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM JULHO São Paulo, 05 de agosto de 2011. O desordenado cenário externo seguiu impondo fortes perdas aos mercados de ações em todo o mundo durante o mês de julho. As bolsas de valores

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

CSHG Prisma FIM Invest. Exterior

CSHG Prisma FIM Invest. Exterior CSHG Asset Management Comentários do gestor CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CSHG Prisma FIM Invest. Exterior O CSHG Prisma FIM rendeu 1,19% em setembro e 19,62% no acumulado do ano. Em dólares, o rendimento

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 11.160.521/0001-22 Administradora: Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. CNPJ: 61.809.182/0001-30 I. Objeto do Fundo

Leia mais

Portfólio Dinâmico Julho 2013

Portfólio Dinâmico Julho 2013 Portfólio Dinâmico Julho 2013 : : O ÚLTIMO MÊS O desempenho dos ativos em Julho e no acumulado de 12 meses está descrito nas figuras abaixo: ntnb 1,51 ntnb 0,6 pré 1,34 pré 5,4 ações 1,49 ações 6,0 dolar

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados NOTA MENSAL Dezembro/20 Quest Fundos Multimercados O ambiente de mercado foi bastante positivo em dezembro, em função do aumento da confiança de um pouso suave da economia americana, apesar dos riscos

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais