Carta de Gestão Dezembro 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta de Gestão Dezembro 2009"

Transcrição

1 Carta de Gestão Dezembro 2009 Em meio à continuidade no processo de recuperação da economia global, e do bom desempenho das economias emergentes, o último mês de 2009 foi marcado pela divulgação de indicadores nos EUA que aumentaram a confiança na obtenção de um crescimento mais sólido da principal economia mundial, especialmente em relação à Europa e ao Japão. Como conseqüência, se, por um lado, houve uma nova melhora nos principais mercados acionários, por outro, vale registrar o movimento expressivo de aumento das taxas de juros americanas, e de melhora do dólar contra as principais moedas do mundo. Apesar da revisão final do PIB do 3º trimestre de 2,8% pra 2,20%, e dos últimosisms(índicesdegerentesdecompras)industriaisedeserviçosumpoucoabaixo das expectativas, boa parte dos indicadores da economia americana divulgados em dezembro surpreenderam positivamente. No mercado de trabalho, uma das grandes preocupações para a sustentabilidade da recuperação do país, houve queda acentuada no número de demissões em novembro, e a taxa de desemprego ficou em 10%, contra expectativas de 10,2%. Além disso, os dados semanais de procura por auxílio-desemprego voltaram a ceder, chegando a 432 mil no final do mês. No mercado de imóveis, apesar da queda acima de 11% nas vendas de novas casas em novembro, as vendas de casas usadas, que representam cerca de 90% do mercado de imóveis residenciais, subiram 7,4% em relação ao mês anterior. Por fim, dados de produção industrial, confiança do consumidor e vendas ao varejo também mostraram uma recuperação mais acentuada. Desta forma, conforme mencionado acima, as taxas de juros americanas tiveram uma alta acentuada ao longo do mês taxas de 2 anos saíram de 0,66% para 1,14%, e as de 10 anos saíram de 3,2% para 3,84% -, e o dólar index teve apreciação de 4% no mês, sendo 4,8% contra o euro, 7,6%contraoiene,e2%contraodólaraustralianoeacoroanorueguesa.JáoS&Peo Nasdaq tiveram altas respectivas de 1,8% e 5,8%.

2 Carta de Gestão Dezembro 2009 Na Europa, a produção industrial de outubro, divulgada em dezembro, foi decepcionante, inclusive na Alemanha, maior economia e país exportador da região, onde cedeu 1,8% em relação a setembro. Além disso, as vendas no varejo do mesmo mês não mostraram crescimento algum, e o continente conviveu ainda com downgrades das principais agências de rating para a Grécia, em meio às dificuldades do país em apresentar um plano ambicioso e factível de redução acentuada do déficit fiscal (em 12% do PIB). Por outro lado, os PMIs (índices de gerentes de compras) seguem apresentando bom comportamento, eaconfiança doempresariado alemão, medida pelo IFO, chegou a 94,7 em dezembro, o maior nível desde julho de Motivado pela depreciação do euro e pela melhora da economia americana, o índice de ações Dow Stoxx 600 teve alta expressiva de 6% no mês, apesar dos dados econômicos menos pujantes. Conforme regularmente mencionado, voltamos a destacar o papel p do continente asiático na recuperação da economia mundial, e, em particular da China. Neste sentido, os dados de produção industrial seguiram mostrando crescimento acelerado, e agências governamentais já projetam crescimento da economia em torno de 9,5% para Além disso, ficou mais explícita a disposição do Governo em manter a taxa de câmbio estável em relação ao dólar, ao menos até que o setor externo se mostre mais robusto, e a inflação comece a despertar algumas preocupações. Por fim, vale citar aindaadisposiçãodogovernoemconterosaumentosdepreçosemalgumasregiõesdo país, promovendo medidas como aumento do valor da entrada para a compra de terrenos e de segunda casa, e orientando os bancos públicos a uma maior rigidez na qualidade dos empréstimos. Apesar da queda no setor de construção, o CSI 300 ainda teve alta moderada de 1,8% em dezembro. Já no Japão, apesar da decepção com a revisão do PIB do terceiro trimestre para 1,3% (taxa anualizada), contra expectativa de 2,8%, e dos dados fracos de investimentos das empresas, o índicenikkeiteveumaaltasubstancialde 12,8%, ajudado pela desvalorização do iene, em meio ao anúncio de um novo pacote fiscal, às declarações do Banco do Japão, reforçando a necessidade de liquidez ampla e

3 Carta de Gestão Dezembro 2009 taxas de juros muito baixas por um longo período, e ao discurso inaugural do novo Ministro das Finanças, sinalizando um desejo de ter o iene mais fraco. No Brasil, os dados seguiram mostrando crescimento econômico em ritmo acelerado. No mercado de trabalho, a pesquisa mensal de novembro mostrou queda na taxa de desemprego para 7,4%, além de aumento da renda. Além disso, o CAGED apresentou criação de 247 mil vagas em novembro. Já a produção industrial de outubro mostrou alta de 2,2% em relação a setembro, com destaque para o item Bens de Capital (+9,4%). Por fim, o NUCI da CNI atingiu 80,5% em outubro (com ajuste sazonal), ante uma máxima histórica de 83,6% em A medida correspondente da FGV subiu para 83,8% em dezembro. Em relação à inflação, o IPCA de novembro e o IPCA-15 de dezembro vieram sem surpresas, porém em um nível mais elevado (0,41% e 0,38%, respectivamente), e nossas expectativas para a inflação do início de 2010 pioraram, devido ao aumento das tarifas de ônibus urbanos em SP, e aos dados de nossas coletas de Atacado Agrícola. Desta forma, o cenário benigno de queda da inflação acumulada de 12 meses ao longo do 1º trimestre de 2010 com que vínhamos trabalhando parece hoje menos provável. Neste ambiente, o Ibovespa teve alta de 2,3% em dezembro. Já o real teve apenas uma leve apreciação de 0,6% contra a moeda americana. Finalmente, em relação às commodities, vale destacar que o CRB teve alta de 2,6%, e o contrato de petróleo WTI subiu 2,7%, para US$79,36.

4 Estratégias Platina Hedge FIM OfundoPlatinaHedgeteveumrendimentode0,61%nomês,fechandooano com ganho de 25,25%, ou 256% do CDI. A contribuição positiva do fundo em dezembro veio do mercado de ações, e foi de 0,39%. Tal contribuição veio, sobretudo, das ações de OGX, Tivit e GP Investimentos. Jáaestratégianomercadocambial,ondemantivemosumapolíticadediminuiçãoderisco ao longo do mês em meio ao processo de recuperação do dólar em relação às principais moedas globais apesar da nossa crença em novas depreciações da moeda americana em relação às moedas emergentes no futuro -, não gerou resultados significativos, contribuindo com 0,01% do fundo. Mantivemos ainda a posição de opções de compra de yuan contra dólar, e fizemos uma posição de 2% do patrimônio líquido do fundo, em opções de real contra iene, que não geraram resultados significativos no mês contribuindo com -0,03% do fundo. Por fim, a estratégia de juros gerou uma contribuição de -0,13% em dezembro. Mantivemos ao longo do mês uma posição tomada em juros futuros, devido às nossas expectativas de que as eventuais divulgações de dados fortes de atividade levariam a uma mudança nas expectativas para o ciclo de aumento de juros esperado para 2010.

5 Estratégias Platina Long Short Direcional FIM O fundo Platina Long Short Direcional teve um rendimento de 1,84% no mês, fechando o ano com ganho de 55,99%, ou 567% do CDI. Em meio ao nosso otimismo em relação ao mercado de ações, o nível médio de exposição do fundo foi de 49,94% do PL (patrimônio líquido), e oscilou entre 32,73% e 60,59%. As maiores contribuições positivas para a rentabilidade do mês vieram das ações de TAM, Tivit e OGX. No caso das contribuições negativas, estas vieram principalmente da queda nas ações da Petrobrás, e, em menor escala, da queda nas ações de Banco do Brasil. No final deste relatório de gestão, apresentamos o nosso racional para a posição em ações de American Banknote.

6 Perspectivas Apesar do nosso pano de fundo para os próximos anos, que, conforme destacamos há vários meses, inclui crescimento potencial mais baixo, sobretudo dos países desenvolvidos, maior regulação e intervenção governamental nos negócios, desalavancagem das instituições financeiras e dos consumidores, sobretudo nos EUA e no Reino Unido, e um papel de maior destaque das economias emergentes fiscalmente responsáveis, acreditamos que a tendência ainda é de melhora nos ativos de risco. Mesmo levando-se em consideração o aumento significativo de preços em grande parte destes ativos ações, crédito corporativo, commodities, dentre outros -, justificamos o nosso posicionamento em função das nossas expectativas de manutenção de boa parte dos estímulos monetários vigentes, em um ambiente de grande capacidade ociosa e de inflação muito baixa nas maiores economias desenvolvidas núcleos de inflação pouco acima de 1% nos EUA e na Zona do Euro, edecercade-1%nojapão - e do aumento de nossa confiança em um crescimento mais sólido nos EUA. Tal crescimento incluiria alguma melhora no mercado de trabalho, tendo em vista os fortes programas de cortes de custos já feitos pelas empresas, e a contínua estabilização dos preços dos imóveis residenciais. Por fim, destacamos ainda a possibilidade de novos estímulos fiscais no país, tendo em vista a retirada dos programas excepcionais de liquidez do FED já no primeiro trimestre de 2010, e as eleições parlamentares no final do ano. Desta forma, além dos indicadores econômicos e da divulgação dos lucros corporativos nos EUA em janeiro teremos os resultados do último trimestre de 2009 fazse necessário observar os passos das principais autoridades governamentais e monetárias do mundo. Uma eventual retirada em breve dos principais estímulos, sobretudo das economias do G-3 (EUA, Europa e Japão) e da China, nos levaria a rever imediatamente nossas posições.

7 Platina Hedge FIM - Estatísticas e Rentabilidades Resultado até dezembro 2009* Retorno Acumulado 70,94% % CDI 150% Maior Rentabilidade Mensal 4,35% Menor Rentabilidade Mensal 2,63% * A partir de 30/06/06 maio 09 março 08 Maior que 150% do CDI Número de Meses 21 Rentabilidades Cota %CDI Mês 0,61% 85% Ano 25,25% 256% Últimos 3 Meses 2,95% 144% Últimos 6 Meses 6,43% 150% Últimos 12 Meses 25,25% 256% Últimos 24 Meses 32,82% 140% Patrimônio Líquido R$ PL Médio Últimos 12 Meses R$ % e 150% do CDI 0 e 100% do CDI Rendimento Negativo Rentabilidade Mensal** % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano CDI %CDI ,76% 2,01% 3,08% 3,85% 4,35% 0,25% 1,73% 0,29% 1,90% 1,47% 0,51% 0,61% 25,25% 9,88% 255,63% ,42% 2,59% 2,63% 3,56% 3,99% 1,61% 2,18% 0,67% 1,86% 2,27% 0,75% 3,76% 6,04% 12,38% 48,82% ,12% 2,59% 1,26% 0,16% 3,83% 0,24% 2,25% 0,03% 2,67% 0,10% 0,01% 0,75% 14,76% 11,82% 124,86% ,29% 2,07% 0,60% 2,92% 2,00% 2,70% 12,14% 6,75% 179,81% ** A partir de Julho de 2006 o fundo Platina Hedge mudou seu perfil de risco Distribuição de Retornos Ações Renda Fixa Câmbio Internacional Lastro*** Total dezembro 09 No Ano 12 Meses 0,39% 8,20% 8,20% 0,13% 6,69% 6,69% 0,01% 6,19% 6,19% 0,03% 0,11% 0,11% 0,38% 4,28% 428% 4,28% 0,61% 25,25% 25,25% 10,0% 7,5% 5,0% 2,5% 0,0% *** O lastro inclui custos operacionais, administrativos e de performance Abertura de VaR 3,00% 2,5% Lastro Internacional Câmbio Renda Fixa Ações dez 09 No Ano 12 Meses Média Diária de Performance por VaR alocado**** dez/09 No ano 2,50% 2,00% Acoes 4,9% 7,8% 1,50% Moeda 0,5% 6,6% 1,00% 0,50% 1,3% Renda Fixa 2,2% 0,00% 02 jan 23 jan 13 fev 10 mar 31 mar 23 abr 15 mai 05 jun 29 jun 20 jul 07 ago 28 ago 21 set 13 out 04 nov 25 nov 16 dez Total 0,6% 6,7% Renda Fixa Acoes Moeda Total **** Razão de performance média apropriada sobre VaR de abertura diário médio Os fundos multimercados com renda variável podem estar expostos a significativa concentração em poucos emissores, com riscos daí recorrentes. A rentabilidade dos fundos apresentada, não é liquida de imposto de renda. 2% 0% 2% 4% 6% 8% 10%

8 Platina Long Short Direcional FIM - Estatísticas e Rentabilidades Resultado até dezembro 2009* Retorno Acumulado % CDI Maior Rentabilidade Mensal Menor Rentabilidade Mensal * A partir de 05/09/08 51,91% 358% 18,10% abr 09 1,73% out 08 Maior que 150% do CDI Número de Meses 10 Rentabilidades Mês Ano Últimos 3 Meses Últimos 6 Meses Rentabilidade Últimos 12 Meses Patrimônio Líquido PL Médio Últimos 12 Meses Cota %CDI 1,84% 254% 55,99% 567% 7,24% 352% 18,13% 424% 55,99% 567% R$ R$ % e 150% do CDI 1 0 e 100% do CDI 1 Rendimento Negativo Rentabilidade Mensal** % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano CDI %CDI Ibov ,87% 0,82% 3,31% 18,10% 5,43% 1,13% 4,60% 1,41% 4,30% 4,10% 0,84% 1,84% 55,99% 9,88% 566,89% 80,18% ,02% 1,73% 1,55% 1,69% 2,62% 4,20% 27,70% **Período sob controle da atual equipe de gestão. Rentabilidade desde do início das atividades do fundo em 06/11/2007 é de 65,8%. Evento Direcional Long & Short Lastro *** Total *** O lastro inclui custos operacionais, administrativos e de performance Distribuição de Retornos dez 09 No Ano 60% 0,16% 1,04% 50% 3,67% 58,24% 40% 1,48% 2,89% 30% 0,51% 6,17% 20% 1,84% 55,99% 10% 0% 10% Long & Short Direcional Evento dez 09 No Ano Exposição Líquida vs. Índice Os fundos multimercados com renda variável podem estar expostos a significativa concentração em poucos emissores, com riscos daí recorrentes. A rentabilidade dos fundos apresentada, não é liquida de imposto de renda.

9 Característica dos Fundos Platina Hedge FIM Platina Long Short Direcional FIM Público Alvo: Investidores em geral Público Alvo: Investidores em geral Categoria ANBID: Multimercado Macro Categoria ANBID: Long Short Direcional Taxa de Administração: 2% ao ano Taxa de Administração: 2% ao ano Taxa de Administração i Máx 3% ao ano Taxa de Administração i Máxima*: 4% ao ano Taxa de Performance: 20% sobre o excedente do CDI Taxa de Performance: 20% sobre o excedente do CDI Aplicação Inicial: R$ ,00 Aplicação Inicial: R$ ,00 Movimentação Mínima: R$ 5.000,00 Movimentação Mínima: R$ 5.000,00 Data de Inicio: 12/1/2004 Data de Inicio: 6/11/2007 Horário movimentação: Clientes novos até 13:30 h / Clientes antigos até 14:00 h Gestor: Platina Investimentos Custodiante: Banco Bradesco Auditor: KPMG Auditores Independentes Administrador/Distribuidor: BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S.A. (CNPJ: / ) 201 Av. Presidente Wilson 231, 11º andar, Rio de Janeiro, RJ, CEP Telefone: (21) Fax: (21) SAC: ou (21) / (11) / Ouvidoria : ou

10 Case - American Banknote A American Banknote (ABnote) é líder no fornecimento de soluções integradas para os mercados de cartões plásticos, sistemas de identificação e serviços gráficos. A ABnote iniciou sua operação no Brasil em 1957 com a atuação da De La Rue, e através dos anos construiu uma sólida reputação pela qualidade e confiabilidade dos serviços que oferece. Sua excelência se traduz nos contratos que foram firmados com grandes clientes nacionais, tais como as principais instituições financeiras (Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco, Citibank, HSBC) e companhias telefônicas (Oi, Claro, TIM, BrT, Vivo), além de diversos órgãos públicos (Dpto. De Transito, IFP, tribunais de justiça, etc). As atividades da companhia se dividem nos seguintes segmentos: cartões, sistemas de identificação (ID), e serviços gráficos. A divisão de cartões é responsável pela fabricação de cartões indutivos (ex: cartão de telefonia pública), cartões magnéticos, smart cards,, SIM card (cartões que equipam os telefones celulares GSM) e contactless cards. Nesse segmento, a maior oportunidade em curso é o aumento da participação do smart card no mix de produtos. Os bancos vêm migrando sua base de cartões magnéticos simples, que são mais sujeitos a fraudes e clonagem, para os cartões com chip (smart card). Para a companhia, isso significaria uma alta substancial no preço médio por cartão vendido na divisão de cartões. De fato, essa dinâmica de preços já vem ocorrendo, e, nos nove primeiros meses de 2009, o ticket médio teve uma alta de 32%. Mesmo com uma margem EBITDA menor, a venda do smart card gera um resultado operacional superior, o que mais que compensa essa queda na margem. A área de cartões contribui com um terço da receita líquida e 35% do EBITDA total da empresa. No ramo de ID, a ABnote é responsável pela emissão e manutenção do banco de dados de documentos, tais como carteira nacional de habilitação (CNH), carteiras de identidade, documentos de veículos, selos notoriais, etc. A ABnote possui hoje grandes contratos para carteiras de identidade (DF, RS, MA, e parte do RJ) e é responsável pela

11 Case - American Banknote emissão de 100% das CNH do país. Além disso, está participando de uma licitação para o contrato de emissão de carteiras de identidade do estado de MG. O seu preço por emissão sugerido de R$30 foi o menor dentre os concorrentes. Por já ter boa parte de seus investimentos depreciados nessa divisão, a empresa consegue ofertar preços vantajosos nos processos de licitação. Todavia, esse processo de MG passa por uma discussão judicial, e, não havendo data para a decisão final da licitação, não consideramos tal evento em nossas projeções. A restrição no acesso ao papel moeda imposta pelo Ministério da Defesa funciona como uma barreira de entrada nas operações nesse material e ressalta mais uma vantagem comparativa da empresa frente aos seus concorrentes. Atualmente, somente quatro empresas estão autorizadas a imprimir em papel moeda: Casa da Moeda do Brasil, ABnote,ICEeThomasGreg.OutrotemaquepodeseroportunoparaaABnoteéacriação de um documento único que unificaria os dados que hoje estão divididos em vários outros documentos. Vale ressaltar que, mais do que imprimir o documento, a companhia é responsável pela criação e manutenção do banco de dados com os cadastros. Portanto, quanto mais informações num só documento, maior o valor a ser remunerado pela inclusão de novo indivíduo. O ramo de ID agrega 30% da receita líquida e 52% do EBITDA total da empresa. Aoperaçãodeserviçosgráficoséaqueofereceumcrescimentopotencial menor, mas ao mesmo tempo tem um perfil mais defensivo e previsível. A empresa faz o processo gráfico para fabricar, por exemplo, o papel das contas bancárias, telefônicas e de serviços públicos em layout desejado pelo cliente, e também imprime nesse papel os dados associados de cada usuário. Como a companhia tem acesso a dados confidenciais dos usuários de seus clientes (ex: dados da conta bancária de um usuário de determinado banco), a confiabilidade, a segurança das informações e a reputação da ABnote são importantes fatores que diferenciam a sua operação de um serviço gráfico padrão. Essa divisão corresponde a 37% da receita líquida da ABnote e 13% do EBITDA.

12 Case - American Banknote Aoanalisarmosastrêsdivisõesdenegócios,suascaracterísticas,easnuancesde mercado, percebemos um potencial de crescimento sustentável com baixa necessidade de investimentos (da ordem de 4% do faturamento). Em nossas projeções, não levamos em conta novos contratos ou mudanças significativas na venda de produtos de maior valor agregado, deixando esses eventos como um upside adicional às nossas estimativas. Em nosso valuation, elaborado através do desconto dos fluxos de caixa da companhia, encontramos um valor justo por ação de R$24,50, o que representa um upside de 30% sobre o preço de fechamento de dezembro. Fonte: Platina Investimentos

Carta de Gestão Junho 2010

Carta de Gestão Junho 2010 Carta de Gestão Junho 2010 O mês de junho foi marcado pela continuidade no movimento de aversão a risco verificado em maio, a partir da divulgação de indicadores que começaram a apontar para uma desaceleração

Leia mais

Carta de Gestão Agosto 2009

Carta de Gestão Agosto 2009 Carta de Gestão Agosto 2009 O mês de agosto foi marcado pela continuidade no processo de recuperação da economia global, com indicadores econômicos surpreendendo positivamente as expectativas dos agentes.

Leia mais

Relatório Mensal - Novembro de 2013

Relatório Mensal - Novembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Depois de quatro meses consecutivos de alta, o Ibovespa terminou o mês de novembro com queda de 3,27%, aos 52.842 pontos. No cenário externo, os dados

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

Relatório Mensal - Junho de 2013

Relatório Mensal - Junho de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Junho foi mais um mês bastante negativo para o Ibovespa. O índice fechou em queda pelo sexto mês consecutivo impactado pela forte saída de capital estrangeiro

Leia mais

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa encerrou o mês de fevereiro com alta de 9,97%, recuperando as perdas do início do ano. Mesmo com o cenário macroeconômico bastante nebuloso

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

Propel Axis FIM Crédito Privado

Propel Axis FIM Crédito Privado Melhora expressiva na economia dos EUA; Brasil: inflação no teto da meta, atividade econômica e situação fiscal mais frágil; A principal posição do portfólio continua sendo a exposição ao dólar. 1. Cenário

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 04 de Maio de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2015 a 30/04/2015 Panorama Mensal Abril 2015 No cenário internacional, o mês de abril foi marcado por surpresas negativas em

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011 O ano de 11 terminou sem grandes surpresas. Na tentativa de manter aquecido o mercado consumidor brasileiro, a taxa básica de juros, que chegou a 1,5% ao longo do ano, encerrou o período em 11%. O crescimento

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Janeiro de 2015 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/12/2014 a 31/12/2014 Panorama Mensal Dezembro 2014 A volatilidade

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014 Relatório Semanal 8/12/2014 A semana em revista No cenário doméstico, os destaques da semana foram a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) e a taxa de inflação (IPCA). A produção industrial do mês de outubro

Leia mais

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho Relatório de Gestão Maio - Junho 2013 1 Filosofia O é um fundo de ações alinhado com a filosofia de value investing. O fundo possui uma estratégia de gestão que busca capturar de forma contínua oportunidades

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Prezados Investidores,

Prezados Investidores, Prezados Investidores, No mês de março, o fundo Apex Ações FIC de FIA rendeu +6,20% contra +7,05% do Ibovespa. Desde seu início em 30 de novembro de 2011, o fundo rendeu +28,65% contra uma queda de -11,36%

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

BNY Mellon ARX Extra FIM. Julho, 2013

BNY Mellon ARX Extra FIM. Julho, 2013 BNY Mellon ARX Extra FIM Julho, 2013 Índice I. Filosofia de Investimento II. Modelo de Tomada de Decisão III. Processo de Investimento IV. Características do Fundo 2 I. Filosofia de Investimento Filosofia

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Outubro de 2012 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/09/2012 a 28/09/2012 Panorama Mensal Setembro de 2012 O mês de setembro

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Abril de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 02/03/2015 a 31/03/2015 Panorama Mensal Março 2015 Os mercados financeiros seguiram voláteis ao longo do mês de março, em especial

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1 No terceiro trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -2,75%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,43% e o mercado de bolsa apresentou

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

CARTA JBI FOCUS #8 Dezembro 2011

CARTA JBI FOCUS #8 Dezembro 2011 CARTA JBI FOCUS #8 Dezembro 2011 ÍNDICE DESTAQUES DA CARTEIRA... 3 I. MARCOPOLO... 3 II. MILLS... 3 III. BEMATECH... 4 DESEMPENHO DA CARTEIRA... 6 I. JB FOCUS FIC DE FIA... 6 2 Carta JBI Focus #8 dez/11

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012 O pessimismo amplamente precificado em bolsa ao longo de 2011 parece ter sofrido uma mudança de rota em direção a céus mais azuis. Em janeiro de 2012, o Ibovespa subiu 11,13%, de tal forma a recuperar

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT SUMÁRIO 1. Histórico XP 2. Apresentação XPG 3. Organograma XPG 4. Equipe de Gestão Quant 5. XP Unique Quant. Metodologia de Análise. Conceitos Quantitativos. Estratégia. Exemplos

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Edge Investimentos, não deve ser considerado como oferta de venda

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Novembro/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.10.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JANEIRO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JANEIRO DE 2015 1 No quarto trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 0,79%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,76% e o mercado de bolsa mostrou queda

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1 No terceiro trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -0,07%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,72% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA

Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA EXODUS Institucional - Junho/14 Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA A inflação oficial desacelerou no mês de julho e ficou em,1% contra,4% de junho. O índice anualizado

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Perfin Long Short 15 FIC FIM

Perfin Long Short 15 FIC FIM Perfin Long Short 15 FIC FIM Relatório Mensal- Junho 2013 O Perfin LongShort 15 FICFIM tem como objetivo gerarretorno superior ao CDIno médio prazo. O fundo utiliza-se de análise fundamentalista eaestratégia

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago Deiro Gerente Financeiro & de

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014

CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014 CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014 Cenário Internacional Crescimento mundial: gradual e desequilibrado A economia mundial fecha 2014 com um desempenho não muito diferente daquele

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Julho 2010 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Julho 2010 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Edge Investimentos Ltda. Av. Ayrton Senna 3000 Bloco 2 324 Rio de Janeiro RJ Tel: +55 (21) 2421-4262 www.edgeinvestimentos.com.br Administrador/ Distribuidor:

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

Macro Local 17 de maio de 2013

Macro Local 17 de maio de 2013 Macro Local 17 de maio de 2013 Mercados Retorno Jan/12 a Mai/13 70,0% 67,7% 50,0% 30,0% 10,0% 25,5% 20,1% 15,3% 12,2% -10,0% -30,0% -13,5% -3,3% Fonte: Bloomberg / AE Broadcast 2 A bolsa brasileira apresenta

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Agosto de 2015

Carta Mensal Iporanga Agosto de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 2.30% (208% do CDI) em Agosto. No acumulado de 2015, o fundo obteve um rendimento de 27.73% (332% do CDI). Brasil O mês de Agosto marcou a

Leia mais

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015 Objetivo e Política do Fundo O fundo CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII tem como objetivo proporcionar retorno aos seus cotistas por meio de uma carteira diversificada de

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 Tsunami tupiniquim Fonte: www.shutterstock.com Índice 1. Ambiente Global...2 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 4. Desempenho e Atribuição

Leia mais

Conference Call. Maio 2008

Conference Call. Maio 2008 Conference Call Maio 2008 Cenário macro O Brasil é Investment Grade: E agora? Taxa de câmbio/ taxa de juros Atração de capital de longo prazo Potencial impacto positivo no PIB Disponibilidade de crédito:

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

BOGARI VALUE FIA Carta Setembro e Outubro/2010

BOGARI VALUE FIA Carta Setembro e Outubro/2010 BOGARI VALUE FIA Carta Setembro e Outubro/2010 Bogari Value FIA é um fundo de ações de empresas negociadas no mercado brasileiro. O fundo tem como foco o investimento de longo prazo baseado na identificação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Carta Mensal. Maio 2012

Carta Mensal. Maio 2012 Fundos de investimento não contam com a garantia do administrador, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade passada não representa

Leia mais

Cenário. Ibovespa 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000. set-02. set-06. set-04. set-05. set-03. jan-02. jan-04. jan-03. jan-05. jan-06.

Cenário. Ibovespa 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000. set-02. set-06. set-04. set-05. set-03. jan-02. jan-04. jan-03. jan-05. jan-06. Data Base: jun/07 Cenário O Brasil está começando a firmar-se como economia estável e previsível. A queda dos juros vem diminuindo o atrativo dos investimentos em títulos do Governo. Quanto mais credibilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ABRIL 2008

RELATÓRIO DE GESTÃO ABRIL 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO ABRIL 2008 Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Edge Investimentos, não deve ser considerado como oferta de venda

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Outubro 2010 ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO RENTABILIDADE 1 INDICADORES

Outubro 2010 ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO RENTABILIDADE 1 INDICADORES Outubro 2010 Caro Cliente, No mês de outubro, os nossos fundos apresentaram resultados muito positivos. O fundo GAP Absoluto, como referência dos nossos fundos multimercados, teve uma rentabilidade de

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM JULHO São Paulo, 05 de agosto de 2011. O desordenado cenário externo seguiu impondo fortes perdas aos mercados de ações em todo o mundo durante o mês de julho. As bolsas de valores

Leia mais