UNIVERSIDADE DE LISBOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE LISBOA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática DESENVOLVIMENTO DE PLATAFORMA DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SOBRE SHAREPOINT Inês Alexandra da Silva Brito Soares Alberto PROJECTO MESTRADO EM INFORMÁTICA 2014

2

3 UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática DESENVOLVIMENTO DE PLATAFORMA DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SOBRE SHAREPOINT Inês Alexandra da Silva Brito Soares Alberto PROJECTO MESTRADO EM INFORMÁTICA Trabalho orientado pelo Prof. Doutor António Emanuel Magalhães Duarte Pereira dos Santos e co-orientado por André Pires Dias Alves 2014

4

5 Agradecimentos À minha família por me ter proporcionado todos os estudos académicos até então e ter acreditado no meu sonho e nas minhas capacidades. Ao meu namorado pelo amor, apoio e convicção em mim. Aos meus amigos pela ajuda e compreensão. A mim pela dedicação e empenho. Ao meu orientador pela ajuda e disponibilidade para encarecer o meu trabalho com as suas sugestões e orientações. Ao meu coorientador pela oportunidade e participação em projetos produtivos e interessantes.

6

7 À minha família

8 Resumo Business Process Management (BPM) is a discipline involving any combination of modeling, automation, execution, control, measurement and optimization of business activity flows, in support of enterprise goals, spanning systems, employees, customers and partners within and beyond the enterprise boundaries. [8] Desde o século XX, que as empresas apostaram numa abordagem de Gestão de Processos de Negócio (Business Process Management - BPM) para obterem vantagens competitivas face aos seus concorrentes. Contudo, hoje em dia, muitas delas ainda não entenderam o conceito e a importância desta conduta na aplicação do seu trabalho e consequentemente não a implementaram de modo tecnológico. Este documento descreve um trabalho autónomo de natureza profissionalizante realizado ao longo de nove meses de estágio na empresa multinacional Unisys Portugal, no âmbito da disciplina de Projeto de Engenharia Informática, onde o tema geral retratado foi exatamente o BPM. Aqui é dada uma clara descrição sobre BPM, a sua definição, evolução e benefícios para os negócios de uma empresa, as motivações e objetivos que levaram à escolha e investigação nesta área. São também apresentadas as várias ferramentas e tecnologias utilizadas no trabalho desenvolvido, tais como SharePoint, Skelta BPM.Net, Nintex Workflow, SharePoint Designer e InfoPath, assim como uma descrição pormenorizada dos projetos envolvidos e seus resultados. Dos projetos envolvidos, o principal denomina-se ubpm e centra-se no desenvolvimento de uma solução de Gestão Documental e desmaterialização de processos. No final é exposta a realidade do mercado atual nesta área, uma breve autoavaliação do trabalho realizado e o trabalho futuro a alcançar. Palavras-chave: Business Process Management, Gestão Documental, desmaterialização de processos, workflows e SharePoint. i

9 ii

10 Abstract Business Process Management (BPM) is a discipline involving any combination of modeling, automation, execution, control, measurement and optimization of business activity flows, in support of enterprise goals, spanning systems, employees, customers and partners within and beyond the enterprise boundaries. [8] Since the 20th century, corporations relied on a Business Process Management (BPM) approach to achieve competitive advantages over their competitors. However, presently, many of those corporations still didn t understood the concept and importance of this conduct in the applicability of their work and, consequently, didn t implemented it s technology. This document describes an independent work of professional nature performed over a nine-month internship in multinational Unisys Portugal, within the discipline of Computer Engineering Project, where the general theme was BPM. Here, it s given a clear description about BPM, including its definition, evolution and business benefits within a corporation, motivations and objectives that led to choice and research within this area. Here are also introduced the multiple tools and technologies used in this work, such as SharePoint, Skelta BPM.Net, Nintex Workflow, SharePoint Designer and InfoPath, as well as a detailed description of the projects involved and its results. Of all the projects involved, the main one it s called ubpm, and it s focused in the development of a solution to Documental Management and process dematerialization. In the end, it s shown the reality of the current market in this area, a short selfassessment of the work developed and also the future work to accomplish. Keywords: Business Process Management, Document Management, dematerialization of processees, workflows e SharePoint iii

11 iv

12 Conteúdo Capítulo 1 Introdução Motivação Objetivos Enquadramento Institucional Áreas de Negócio Área Inserida Planeamento Inicial Efetivado Estrutura do documento Capítulo 2 Contexto Tecnológico SharePoint Arquitetura Funcionalidades Skelta BPM.Net (2011 SP4) Arquitetura e Funcionalidades Solução ubpm Arquitetura Funcionalidades Nintex Workflow SharePoint Designer InfoPath Capítulo 3 Trabalho Realizado ubpm Criação de Formulários v

13 3.1.2 Workflows Gestão de Filas Transição Considerações Finais MDocFlow Criação de Features Processo de Captura de Documentos Workflows Considerações Finais Projeto Office Modelo Colaborativo Funções Desempenhadas Workflows Considerações Finais Outros Projetos Trimbos Solução de Gestão de Atendimento Capítulo 4 Conclusão Reflexão Trabalho Futuro Abreviaturas Glossário Bibliografia Anexos vi

14 Lista de Figuras Figura 1 - Sumário da evolução da Framework BPM [20]... 4 Figura 2 - Origem dos BPMS [14]... 4 Figura 3 - Ciclo de vida do BPM [14]... 5 Figura 4 - Diagrama das Áreas de Negócio da Unisys PT... 8 Figura 5 - Estrutura nativa do SharePoint [13] Figura 6 - Capacidades do Skelta BPM.Net [2] Figura 7 - Exemplo de workflow Skelta Figura 8 - Configuração de atividade I Figura 9 - Configuração de atividade II Figura 10 - Diagrama de Funcionalidades do Skelta BPM.Net Figura 11 - Modelo conceptual do ubpm [18] Figura 12 - Arquitetura aplicacional da Solução ubpm [18] Figura 13 - Típica estrutura das áreas da Solução ubpm Figura 14 - Ambiente de trabalho do Nintex Workflow [10] Figura 15 - Exemplo de workflow Nintex Figura 16 - Configurações de atividade Nintex I Figura 17 - Configurações de atividade Nintex II Figura 18 - Ambiente de trabalho do SharePoint Designer [7] vii

15 viii

16 Lista de Tabelas Tabela 1 - Planeamento Geral Tabela 2 - Planeamento previsto na entrega do relatório preliminar Tabela 3 - Trabalho realizado até entrega do relatório preliminar Tabela 4 - Calendarização do trabalho realizado Tabela 5 - Tempo disponibilizado pela Unisys para elaboração dos relatórios Tabela 6 - Tempo real despendido na elaboração dos relatórios ix

17 x

18 Capítulo 1 Introdução Nas últimas décadas, muitas empresas aperceberam-se que tinham de alterar o seu sistema de gestão relativamente às operações de negócio para conseguirem melhorar o desempenho dos negócios em geral. Após várias tentativas durante este período, estendendo as fronteiras funcionais e organizacionais para incluir clientes e fornecedores, o efeito gerado foi a transformação de uma organização funcional numa organização de processos. A mais recente descoberta nesta direção é conhecida no mercado como Gestão de Processos de Negócio (Business Process Management - BPM).[20] Com o impulso da Revolução Industrial, os estudos em BPM revelaram duas perspectivas divergentes que no final se fundiram numa abordagem holística e estratégica para a gestão de negócios. O primeiro aspeto foca-se no estudo da organização através de componentes individuais que incluem a sua estratégia, desenho, estrutura e cultura. O segundo aspeto, promove modificações no sistema através do desenvolvimento das tecnologias de informação (TI). Para tal, muitas organizações investiram na melhoria das suas infraestruturas de TI com o objetivo de se tornarem mais competitivas.[20] Assim surgiu o BPM a partir destas duas vertentes tradicionais que até então tinham seguido caminhos separados. Considerada uma disciplina e uma boa prática de gestão, esta ajuda as empresas a manter uma vantagem competitiva e a adaptar-se mais rapidamente à constante mudança e exigência do mercado e dos seus clientes. É composta por todas as atividades de criação de valor ao longo da cadeia de negócios.[20] Depois de dez anos de procura e desacordo a definição oficial elaborada pelos investigadores da indústria é a seguinte: 1

19 Business Process Management (BPM) is a discipline involving any combination of modeling, automation, execution, control, measurement and optimization of business activity flows, in support of enterprise goals, spanning systems, employees, customers and partners within and beyond the enterprise boundaries. [8] O BPM tem como objetivo tratar pessoas, processos e tecnologias como uma entidade unificada da organização. Isto inclui atividades como formação, alinhamento dos objetivos das unidades de negócio, criação de sistemas e infraestruturas de TI, assim como promover uma cultura conduta. São utilizados métodos, técnicas, ferramentas e tecnologias para auxiliar a conceção, criação, gestão e análise de processos de negócio para que estes se tornem mais eficientes (reduzindo os recursos utilizados), eficazes (produzindo os resultados esperados) e adaptáveis (atendendo às necessidades do mercado).[20] 1.1 Motivação Atualmente a maioria das empresas nacionais ainda continuam com as suas atividades organizacionais de forma e produção primitiva. Isto é, utilizam frequentemente o papel e dossiês como forma de documentação e arquivo, não investem na formação dos seus colaboradores, não evoluem as suas infraestruturas, meios de trabalho e ferramentas mais adequadas e desenvolvidas para seu proveito. Com o aparecimento das novas TI, era esperada uma mudança significativa ao nível do funcionamento dos trabalhos. Lamentavelmente, esta mudança não surgiu havendo várias causas para tal. As principais razões prendem-se com a forma habitual com que o trabalho é executado, a familiaridade de uso dos métodos que utilizam para realizá-lo, e a ilusão de segurança de não perda de informação e a simplicidade de encontrá-la. Não esquecendo que o custo das aquisições das novas tecnologias também é um fator muito influente. Em suma, a resistência face às tecnologias que simplificam, aceleram, auxiliam e tornam mais eficiente o trabalho por parte dos colaboradores, é uma dura realidade que se tem vindo a tentar colmatar ao longo dos tempos. A estratégia principal das empresas para criar valor para o seu negócio desde o final do século passado tem vindo a ser o redesenho das suas funções de negócio na forma de processos. Um processo é um conjunto de atividades que contribuem para um determinado objetivo, as quais criam valor para o cliente, e seguem um caminho end-toend.[14] Por outras palavras, as atividades iniciam-se num determinado ponto terminando em outro, seguindo uma determinada ordem. Em suma, um processo é a 2

20 unidade básica de valor do negócio de uma empresa [14]. Tomando como exemplo a marcação do período de férias num emprego temos as seguintes atividades: Verificar a quantidade de dias a marcar e proceder à sua escolha; Envio dessa mesma seleção para o superior hierárquico com vista a aprovação; Avaliação da marcação de férias do colaborador por parte do superior hierárquico; Dar conhecimento da decisão ao funcionário, e posteriormente aos recursos humanos. A automatização, otimização e controle dos processos de negócio, bem como a sua desmaterialização e informatização têm como objetivos: Aumentar a performance e eficiência; Facilidade e rapidez de utilização; Maior transparência; Melhor organização e gestão; Maior brevidade e disponibilidade de recursos possíveis; Colaboração, suporte e fornecimento de serviços; Aumento da qualidade e satisfação dos clientes - aproximando-os das TI; Redução de custos e períodos de tempo. O BPM, determina que toda a gestão de uma organização é baseada nos seus processos core [8]. A evolução desta disciplina/área partiu de conceitos de gestão como a Gestão Total da Qualidade (Total Quality Management - TQM), seguido da Reengenharia de Processos de Negócio (Business Process Reengineering - BPR), até ao BPM. A nível tecnológico, com a implementação de várias estratégias de TI como as Base de Dados (BDs), os sistemas Integrados de Gestão Empresarial (Enterprise Resource Planning - ERP), a Gestão de workflows (Work Flow Management - WFM) e a Integração de Aplicações Corporativas (Enterprise Application Integration - EAI), entre outros. A Figura 1 (Fig.1) ilustra a evolução do BPM a partir destas duas componentes, com foco na integração de processos de negócio com as capacidades das TI. [20] 3

21 Figura 1 - Sumário da evolução da Framework BPM [20] O impacto dos sistemas de informação e da tecnologia de BPM foi tão significativo que originou os Sistemas de Gestão de Processos de Negócio (Business Process Management Systems - BPMS), Fig.2. Estes são referidos como um conjunto de aplicações de software que permitem a modelação, execução, e manutenção técnica e operacional dos processos de negócio. Os BPMS não se destinam a substituir sistemas já existentes nas organizações. Em vez disso, estes usam a informação retirada dos sistemas, e acrescentam um novo processo e uma nova camada de integração para tornar todo o sistema de informação mais flexível e adaptável para que o negócio se torne mais ágil.[20] Figura 2 - Origem dos BPMS [14] 4

22 No BPM os processos de negócio movem-se através de um ciclo de vida composto por várias fases e fatores tais como valores, crenças, liderança e cultura (Fig.3). As várias fases constituintes do seu ciclo de vida são [14]: 1. Planeamento; 2. Análise; 3. Desenho e Modelação; 4. Implementação; 5. Monitorização e Controle; 6. Refinamento. Figura 3 - Ciclo de vida do BPM [14] As subdisciplinas que englobam o BPM estão fortemente ligadas ao seu ciclo de vida. Portanto é compreensível que muitas delas façam parte das suas fases. Assim, podem ser descritas da seguinte forma [14]: Modelação conjunto de atividades envolvidas na criação de representações de um processo de negócio já existente ou proposto. Análise compreensão e verificação do estado atual dos processos. Obtenção de informação necessária sobre os processos de negócio. Desenho envolve a criação de especificações para processos de negócio. Documentação também do desenho lógico (quais as atividades que são realizadas) e do desenho físico (as atividades que são executadas). 5

23 Gestão de Desempenho definição das métricas e medições associadas ao trabalho ou ao resultado do processo que é executado. Transformação definição de uma metodologia claramente identificada e uma abordagem disciplinada de forma a garantir que o processo continua a atingir os objetivos. A sua utilização permite a evolução planeada dos processos de negócio. Organização orientada a processos. Gestão de Processos Organizacionais assegura o alinhamento dos processos de negócio e a sua arquitetura com a estratégia de negócio da organização e alocação de recursos. Proporciona um modelo de governação para a gestão e avaliação de iniciativas. Envolve a deliberação, colaboração e a definição crescente de tecnologias de apoio, melhoria, inovação e gestão de processos de negócio que conduzem a agilidade do negócio. Tecnologia suporta e automatiza as atividades de BPM, utilizando os BPMS. O sucesso do BPM está dependente de alguns fatores críticos, sendo o principal a cultura da organização [20]. Para que as empresas consigam obter uma vantagem competitiva é necessário que a formulação da sua estratégia esteja orientada pela missão e objetivos, baseando-se numa análise cuidada do meio envolvente e da sua própria empresa [14]. Tendo em conta o enquadramento acima apresentado, o principal foco deste trabalho será a execução das atividades de BPM nomeadamente a modelação; análise e desenho de processos; a implementação e execução de processos; e as decisões de gestão, medição de desempenho de negócio e atividades administrativas, onde as tecnologias para suportar as mesmas são geralmente, denominadas por BPMS. Ao longo do estágio foram identificados vários problemas comuns nos projetos em que estive inserida, como é o caso da desmaterialização de processos e a disponibilização de plataformas colaborativas que auxiliassem no suporte a ferramentas e funcionalidades às necessidades de cada cliente. Em pormenor, os problemas que tentei resolver foram os seguintes: Inconsistência na forma de tratar os processos; Não definição de período de tempo entre atividades; Inexistência de registo e controlo dos processos, atividades e pessoas; Inexistência de registo e armazenamento ligado e automático de toda a informação referente e relevante envolvida nos processos; Não definição de circuitos; Prazos de resposta não estipulados. 6

24 1.2 Objetivos A integração no mercado de trabalho é um ponto-chave para uma melhor compreensão de todas componentes estudadas ao longo da vida académica. A perceção de como tudo funciona e a maneira como se desenvolve, proporciona uma visão mais realista e prática da área de informática. O estágio tem como objetivo fundamental o desenvolvimento de soluções para os problemas dos clientes relacionados com a sua carga de documentação em papel e os seus processos imaturos com diversas falhas em vários níveis, ou seja, a implementação de soluções de Gestão Documental e desmaterialização de processos. De seguida são apresentados os objetivos de uma forma mais pormenorizada: Uniformizar processos de negócio. Potenciar a visibilidade, automação, otimização, controlo e agilidade dos processos de negócio. Centralizar informação. Acelerar o acesso autorizado a toda a informação relativa aos processos. Aumentar a produtividade dos colaboradores. Promover o uso das novas tecnologias (e.g. diminuir o uso de papel e dossiers como forma de armazenamento). Na implementação destas soluções são utilizadas várias ferramentas adequadas para a sua função, tais como o SharePoint que serve de base a todas as outras aplicações complementares, o Skelta BPM.Net, a solução ubpm, o Nintex Workflow, o SharePoint Designer e o InfoPath (Ver Cap.2). 7

25 1.3 Enquadramento Institucional A Unisys é uma corporação multinacional de TI nascida a 1873 com presença em mais de 100 países por todo o Mundo, incluindo Portugal (PT), com foco de negócio na consultoria, manutenção e tecnologias de servidores, infraestrutura, integração de sistemas e outsourcing. O mercado no qual atua são o sector público, os serviços financeiros, transportes, telecomunicações, indústria, comércio e media. É composta por quatro áreas de negócio denominadas por Federal Systems (FS), Global Managed Services (GMS), Technology, Consulting and Integration Solutions (TCIS) e Unified Social Business (USB).[19] Na Unisys PT apenas constam duas destas quatro áreas (Fig. 4): a GMS, mais focada para serviços; e a TCIS mais direcionada para as tecnologias. A primeira é composta por dois grupos, os Serviços de suporte ao utilizador final (End User Outsourcing and Support Services), e a Segurança (Security). A TCIS é composta igualmente por dois grupos, sendo estes a Modernização de aplicações (Application Modernization and Outsourcing Services - AMOS) e a Transformação do centro de dados (Data Center Transformation - DCT). Ambas as áreas de negócio irão ser apresentadas na subseção seguinte, prosseguindo posteriormente para outra subseção onde o ênfase recairá na AMOS, área onde estou inserida. Unisys PT GMS TCIS End User Outsourcing and Support Services Security AMOS DCT Figura 4 - Diagrama das Áreas de Negócio da Unisys PT 8

26 1.3.1 Áreas de Negócio Na primeira área de negócio (End User Outsourcing and Support Services) existe um suporte a utilizadores finais com base na garantia de segurança, disponibilidade e facilidade de uso, e correção de erros. O portfolio inclui os MyWork Services (serviços como o suporte, sincronização com gadgets e otimização das ferramentas de trabalho), a gestão de serviços integrados e os serviços de infraestrutura. [19] Na segunda área (Security) o propósito é minimizar o impacto de possíveis ataques às empresas respondendo, recuperando e retomando as operações habituais e processos de negócio críticos com sucesso e maior rapidez. Os temas ciber-ataques, perda de informação, spear phishing, ameaças persistentes e complexas, roubo de identidades, instalação física comprometida e falhas nas redes de energia são eventos que podem levar a incidentes de segurança. A conceção de segurança holística de identidade de pessoas, localizações, ativos e dados é o core desta unidade. Integra um portfolio de soluções a nível de segurança na identificação de pessoas, soluções de mobilidade, ciber-segurança, segurança física, entre outras. [19] Na terceira área (AMOS) o ponto fulcral é envolto nas aplicações e a sua modernização para uma melhor performance, redução de custos e tempo de espera de recursos. A solução apresentada é uma única plataforma com um conjunto de várias funcionalidades que outras aplicações oferecem separadamente. [19] Na quarta e última área (DCT) é referente a parte de infraestruturas, descoberta e avaliação de hardware e software, desenho e implementação de redes, serviços de virtualização, tecnologia end-to-end, e administração de sistemas, entre outras. [19] Área Inserida A TCIS é uma área de negócio que fornece serviços de integração de sistemas e consultoria, serviços de infraestrutura, manutenção e tecnologia de servidores highend.[19] Estes serviços abrangem a gestão de data centres, servidores e ambientes computacionais do utilizador final, bem como processos específicos de negócio; análise da segurança e eficiência de custos de sistemas de TI, desenho, integração e modernização das aplicações core de negócio; suporte de serviços de infraestrutura de TI, incluindo redes, desktops, servidores, dispositivos móveis e sem fios; manutenção de produtos e sistemas da Unisys. [19] 9

27 Na área da tecnologia as principais atividades são o desenho e desenvolvimento de servidores e produtos relacionados com a redução de custos e o aumento da eficiência de ambientes de data centres (gestão de infraestruturas e cloud computing). [19] A AMOS é uma das áreas de força da TCIS composta por quatro equipas de vários âmbitos, sendo a primeira onde me enquadro. Segue-se a definição de cada equipa: Portals and Colaboration (Portais e Colaboração) desenvolvimento de portais e modelos colaborativos para que as organizações possam ter um melhor acesso, organização e partilha de informação centralizada, diminuição de custos face a ter várias aplicações versos uma plataforma com todas as funcionalidades precisas. A integração com os outros três sectores abaixo descritos é um exemplo disso. Business Intelligence (BI) extração, organização, análise e tratamento de dados para responder às questões de negócio face a uma melhor tomada de decisão. A geração de relatórios é o resultado final de toda a informação tratada após todas as atividades serem executadas. Customer Relationship Management (CRM) definição de métodos mais adequados ao relacionamento com os clientes, através de ferramentas automatizadas com sistemas informatizados sobre qualquer atividade e interação com a empresa. Business Process Management (BPM) desmaterialização dos processos de negócio para que haja uma melhoria contínua dos mesmos, acesso, simplicidade, eficiência e otimização. Os objetivos dos métodos, técnicas e ferramentas utilizadas passam por analisar, modelar, publicar, otimizar e controlar os processos envolvendo recursos humanos, aplicações, documentos e outras fontes de informação. 10

28 1.4 Planeamento O planeamento é uma fase muito importante no clico de vida de um projeto. Neste define-se os objetivos do projeto, o seu âmbito, recursos necessários, tempo estimado, viabilidade do projeto, riscos associados e elaboração de uma proposta. Os riscos associados aos objetivos de um projeto sobre qualquer planeamento podem abranger resultados, constrangimentos e o contexto do projeto. A nível de resultados engloba tanto a definição do projeto como a especificação de requisitos que faz parte do âmbito do projeto. Dentro dos constrangimentos temos a conformidade com as especificações, relacionado com a qualidade, o custo para alcançar a qualidade exigida dentro do âmbito do projeto e a duração do trabalho a realizar. No contexto, a envolvência de ambas as organizações para que haja um bom entendimento e se consiga alcançar os objetivos. Os constrangimentos de um projeto são, como descrito acima, o tempo, custo, qualidade e âmbito. Sendo que este último está representado no meio de um triângulo em que cada lado representa os restantes constrangimentos. A largura de cada lado caracteriza não só o tipo de projeto que se irá desenrolar, mas também a sua adequação à área em questão e à importância que cada um destes elementos deverá ter em relação ao respetivo projeto. A escolha do ciclo de vida do desenvolvimento de um projeto também condiciona os riscos e objetivos referidos anteriormente, logo este tem de ser ponderado e controlado ao longo do tempo Inicial Na Tabela 1 encontra-se o planeamento geral inicial apresentado na proposta no princípio do estágio. Este planeamento foi alterado, sendo a explicação dada no Cap Tabela 1 - Planeamento Geral Fase Descrição Duração 1 Integração na organização, apresentação do projeto no qual será inserido e preparação inicial, estudo da arquitetura existente e formação inicial on the job. 2 Identificação, em conjunto com o coordenador de projeto, das funcionalidades a desenvolver pelo estagiário e respectiva análise 1 Mês 1 mês 11

29 funcional. 3 Desenvolvimento das diversas funcionalidades identificadas. 4 Meses 4 Testes, correções e atualização da documentação técnica. 2 Meses 5 Finalização do relatório final de projeto 3 Semanas Na Tabela 2 encontra-se o planeamento previsto durante o restante período do estágio, na altura da entrega do relatório preliminar. Este planeamento não foi totalmente cumprido por vários motivos, explicação dada no Cap Tabela 2 - Planeamento previsto na entrega do relatório preliminar Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Introdução/Formação Levantamento dos Processos Implementação Documentação Testes Produção Efetivado Para que haja um conhecimento detalhado e transparente do trabalho realizado ao longo dos nove meses de estágio, é indispensável a apresentação das justificações das várias alterações dos planos elaborados numa fase anterior, e a apresentação da calendarização de todo o trabalho realmente efetivado. Relativamente ao plano geral, a alteração efetuada deveu-se ao projeto principal e inicialmente único, ubpm (ver Cap.3.1), ter tido alguns atrasos e algumas paragens por parte do cliente. Posto isto, fui destacada para auxiliar em outros novos projetos, e também num projeto já em curso. No que diz respeito ao plano inicial, este também era referente ao projeto ubpm, o qual só foi iniciado no final de janeiro. Depois disso, teve paragem no meio de Fevereiro, onde fui inserida em dois outros projetos, Trimbos (ver Cap.3.4.1) e MDocflow (ver Cap.3.2), e recomeçou novamente em Junho. O primeiro projeto teve 12

30 uma duração de três semanas, chegando até inícios de Março, e o segundo três meses a partir dessa data. Na Tabela 3 pode-se verificar o trabalho realizado aquando da entrega do relatório preliminar. Tabela 3 - Trabalho realizado até entrega do relatório preliminar Período Atividade Descrição 1ª Semana 2ª Semana 3ª Semana 4ª Semana 5ª Semana 6ª Semana 7ª Semana 8ª Semana 9ª Semana Formação de Administração de Winshuttle Projeto no cliente Projeto no Cliente/Escritórios Pequena formação de aprendizagem de instalação, configuração e manutenção das tarefas do administrador na plataforma e servidor; descrição da arquitetura, prérequisitos, migração e recuperação de desastres; workflows no Winshuttle. Desenvolvimento de um portal colaborativo, incluindo criação de workflows de aprovação, listas e bibliotecas, site collections e subsites (dentro dos mesmos as configurações e apresentação das páginas com web parts adequadas), fase de testes e correções, bem como adicionar novas funcionalidades ou alterar as iniciais, e redação da documentação técnica. Auxiliar nos testes e correções do projeto inicial inserido. Aprendizagem de nova ferramenta para ser introduzida no projeto até final do estágio. Na Tabela 4 é apresentada a calendarização de todo o trabalho realmente efetivado, incluindo o período e duração de cada um dos projetos envolvidos. 13

31 Tabela 4 - Calendarização do trabalho realizado Projeto Período Duração Projeto Office 365 Modelo Colaborativo 10/ / meses Trimbos 02/ / semanas MDocFlow 03/ / meses ubpm 12/ / meses (incluindo aprendizagem e interrupções) A Tabela 5 é referente ao período proporcionado pela Unisys para elaboração dos respetivos relatórios, preliminar e final. Enquanto a Tabela 6 mostra o real tempo despendido na redação dos documentos. Pode-se constatar que foi necessário mais tempo para a realização destes documentos, pois em paralelo estava a completar a parte curricular do mestrado ao mesmo tempo que estava envolvida nos projetos que também despendia do meu tempo fora do horário previsto. Tabela 5 - Tempo disponibilizado pela Unisys para elaboração dos relatórios Relatório Preliminar Final Duração 1 semana e 2 dias 2 semanas Tabela 6 - Tempo real despendido na elaboração dos relatórios Relatório Preliminar Final Duração 3 semanas 2 meses 14

32 1.5 Estrutura do documento Este documento está organizado da seguinte forma: Capítulo 2: Contexto Tecnológico Descrição das várias ferramentas de trabalho utilizadas, a visão geral da sua arquitetura, as funcionalidades exploradas nos projetos envolvidos e os projetos em que cada uma teve intervenção. Capítulo 3: Trabalho Realizado Apresentação detalhada dos vários projetos envolvidos, seus problemas e objetivos, fases inseridas, ferramentas utilizadas, trabalho desenvolvido e por fim as considerações finais obtidas. Capítulo 4: Conclusão Constatação final do mercado atual na área de BPM, abordagem crítica do trabalho realizado, os seus resultados e trabalho futuro. 15

33 Capítulo 2 Contexto Tecnológico Neste capítulo são apresentadas as várias ferramentas de trabalho utilizadas, descrevendo o que são, para que servem e onde se enquadram em cada projeto envolvido. Do mesmo modo, é dada uma visão geral da arquitetura e funcionalidades exploradas ao longo do estágio de cada uma destas. Sendo uma das palavras-chave, não poderia deixar de mencionar que a primeira ferramenta, denominada SharePoint, é a base que suporta todas as outras. 2.1 SharePoint O SharePoint (SP) é uma plataforma colaborativa de negócio que visa suportar as necessidades empresariais através de aplicações web nas componentes colaborativa, gestão da informação e gestão de processos de negócio. Em todas estas componentes a plataforma inclui tanto a vertente servidor, e as respetivas ferramentas de administração, como os serviços para integração de aplicações externas. Introduzindo a componente colaborativa, esta traduz-se num maior envolvimento por parte dos colaboradores internos e externos no(s) trabalho/projetos a decorrer na organização. A partilha de documentos, informação sobre a evolução de cada projeto, criação e participação em fóruns de discussão, bem como a ligação com comunidades expertise são exemplos práticos disponibilizados por esta plataforma. Em relação à componente de gestão da informação, esta traduz-se na integração com soluções de gestão documental e nas funcionalidades de BI e reporting com extração de dados e análise da informação obtida que contribuem para uma melhor tomada de decisão. Por último, a componente de gestão de processos de negócio está relacionada com a desmaterialização de processos de negócio, a sua informatização, automatização, 16

34 uniformização, otimização, registo, controlo e manutenção. Esta componente está interligada com a componente de gestão da informação. Para uma melhor compreensão desta ferramenta e suas componentes é necessário conhecer as várias regras (Fig.5) e conceitos pré-definidos desta plataforma que são partes integrantes da sua arquitetura. Ambos serão apresentados na subseção seguinte. Figura 5 - Estrutura nativa do SharePoint [13] Arquitetura Nesta subseção são descritos os vários conceitos referentes aos vários elementos da arquitetura do SharePoint, e apresentada uma visão geral da sua arquitetura lógica, representada no Anexo I. Os conceitos pré-definidos desta plataforma são os seguintes [3] [9]: 1. Server Farm elemento de topo na hierarquia do desenho da arquitetura lógica do servidor de SharePoint. É composto por um ou mais servidores instalados e configurados com a ferramenta SharePoint. Num servidor podem estar alojadas diversas Web Applications e/ou Service Applications. Podem existir múltiplas Server Farms consoante os critérios de cada organização. Entre estes estão a carga de utilização de serviços explorados e dedicados, a responsabilidade de separação de divisões operacionais, as fontes de financiamento dedicado, data centres 17

35 separados por diversos locais, e os requisitos de mercado para isolamento físico entre sites. 2. Service Application (Service App) fornece recursos que podem ser compartilhados entre sites dentro de uma Farm ou através de múltiplas Farms. Cada serviço pode ser configurado independentemente e podem ser adicionados novos serviços à plataforma. Estes estão associados às Web Applications. 3. Web Application (Web App) um Internet Information Services (IIS) web site que é criado e usado no servidor de SharePoint. Pode ser estendido até quatro vezes para criar quatro zonas adicionais, resultando em cinco ISS web sites, cada site irá estar associado a uma zona diferente. É composta por uma ou mais Site Collections. 4. Zone representa um caminho lógico (URL) para aceder à Web App. Existem cinco tipos de zonas disponíveis, tais como, Padrão, Intranet, Internet, Personalizado ou Extranet. Cada tipo só pode ser escolhido uma vez por cada Web App e o tipo de zona por defeito (default) é o Padrão. 5. Content Database Fornece capacidade de armazenamento numa única base de dados (BD), por default, com o conteúdo da Web App. Este conteúdo pode ser separado em várias BDs de conteúdo ao nível da Site Collection. Este tipo de BDs pode conter uma ou mais Site Collections. Uma Site Collection não pode abranger múltiplas BDs. Backups e restauro de sites é a nível das BDs de conteúdo. 6. Site Collection conjunto de web sites que têm o mesmo dono e partilham as mesmas configurações de administração. Cada Site Collection contem um web site de topo e pode conter também um ou mais subsites (Fig.5). Dentro desta temos a gestão a nível de permissões, navegação e features. 7. Site constituído por uma ou mais páginas web e outros elementos, como por exemplo, listas, bibliotecas e documentos que estão alojados dentro da Site Collection. 8. Web Part é um componente que tem como objetivo apresentar/disponibilizar informação. Pode ser de vários tipos, como por exemplo, branding ou configuração (lista, biblioteca, hiperligação, índice, entre outros), e colocado ao longo do esquema da página. Dependendo do tipo de template e features ativas no site respetivo existem Web Parts que são adicionadas automaticamente às páginas do 18

36 mesmo. Contudo, estas podem ser desenvolvidas de raiz para determinado propósito Funcionalidades Descritas de uma forma mais geral, as principais funcionalidades do SharePoint são as seguintes [11]: Sites contêm uma infraestrutura para todos os sites de negócio que permite a partilha e publicação de informação na organização e também para os clientes adjacentes, bem como, gerir projetos com parceiros, entre outros. Communities fornece ferramentas de colaboração e a plataforma para as gerir. Simplifica a partilha de ideias e conhecimento entre indivíduos dentro de uma empresa e o trabalho em paralelo no mesmo documento quando assim for necessário. Content estabelece medidas de referência com características tais como, tipos de documentos, políticas e gestão de permissões, e filtragem automática de informação. Clareza e simplicidade na gestão de conteúdo. Search combinação de relevância, refinamento e aspetos sociais são pontos desta funcionalidade, que ajudam as pessoas a encontrar as informações e contactos acertados que necessitam para realizar o seu trabalho. Insights permitem o acesso global à informação contida nas BD s, relatórios e aplicações de negócio. Auxiliam as pessoas a localizar a informação essencial para uma melhor tomada de decisão. Composites disponibiliza ferramentas e componentes para a criação de soluções de negócio sem código. 19

37 2.2 Skelta BPM.Net (2011 SP4) O Skelta BPM.Net é uma plataforma de Gestão de Processos de Negócio embebida na web que tem como objetivos a criação de soluções BPM, sua execução e otimização. É uma ferramenta que integrada com o SharePoint (ver Cap.2.1.) estende várias funcionalidades avançadas de BPM, tais como o acesso a listas e formulários Skelta associados a workflows específicos, Web Parts direcionadas para a interação do utilizador com a plataforma, a gestão, administração e configuração centralizada dos workflows, a configuração dinâmica de alertas, e a gestão de tarefas a realizar, entre outros.[2] Esta foi utilizada no âmbito do projeto ubpm (Ver Cap.3.1.). Na Fig.6 pode-se constatar as várias capacidades do Skelta BPM.Net com os vários tipos de colaboradores da organização. Em primeiro lugar os analistas de negócio que têm como função modelar os vários processos de negócio. Em segundo, os programadores que integram os processos com o negócio, desenvolvendo os workflows de acordo com os processos modelados pelos analistas. Em terceiro lugar, os utilizadores que interagem com os processos informatizados e uniformizados, ou seja, os utilizadores que executam ações no sistema, realizam tarefas/atividades no processo. Por último, os gestores da empresa que monitorização o negócio, o real desempenho não só dos colaboradores mas também dos processos em si, e se estes trazem ou não valor para o negócio ou precisam de ser alterados. Figura 6 - Capacidades do Skelta BPM.Net [2] A criação de soluções BPM nesta ferramenta passou essencialmente pelo desenvolvimento de workflows e seus formulários. Os workflows Skelta são desenhados segundo uma notação de BPM (Business Process Model and Notation BPMN), isto é, uma linguagem/representação comum à modelagem de processos de negócio. Estes workflows são compostos por um ponto de partida (representado por um círculo denominado Start), atividades, decisões e ligações. Cada um destes elementos tem o seu objetivo e é configurável. Os workflows podem ser despoletados de diversas formas, 20

38 sendo exemplos destas, o preenchimento de um formulário, chamadas efetuadas por código ou até através da monitorização de uma pasta específica ou alterações na mesma. Na Fig.7 está representado um workflow Skelta, onde se pode observar com detalhe todo o seu fluxo. No ponto número um (1) está representado o ponto de partida (Start) que tem como objetivo declarar, inicializar variáveis e objetos SOA, e definir a vista de analista deste workflow. No ponto número dois (2) está representado um tipo de atividade, Invocação de um Formulário, onde o seu objetivo é invocar um formulário para execução de uma tarefa, colocando essa tarefa na caixa de entrada de um utilizador ou de um grupo de utilizadores (Queue). A configuração deste tipo de atividade está ilustrada nas figuras 8 e 9, onde são definidas todas as propriedades necessárias à execução desta atividade. No ponto número três (3) apresenta-se uma decisão onde é configurada uma ou mais condições que têm o propósito de determinar qual o caminho a seguir no workflow. No ponto número quatro (4) temos as ligações que são o elemento específico que tem como contributo o prosseguimento da atividade corrente para a atividade seguinte consoante a condição definida. Nas figuras 8 e 9 estão ilustrados vários elementos da configuração da atividade do tipo Invocação de um Formulário, como é o caso do(s) interveniente(s) da tarefa (separador Actors - Fig.8), e o nome do formulário a invocar (separador Form Name - Fig.8). Outros destes elementos são a configuração de um determinado tempo para associar a um evento (e.g. alerta) quando o utilizador não realizou a tarefa (separador Escalation & Timeout - Fig.9), e a seleção da variável que irá guardar os valores inseridos no formulário (separador Output Instance XML - Fig.9). Em suma, o Skelta BPM.Net apresenta vários benefícios como [2]: Visibilidade de todos os processos; Alinhamento do negócio através da gestão de processos centralizada; Eliminação de duplicação de esforço da gestão de processos; Solução para todas as necessidades BPM - análise de processos, descoberta, design, execução e monitorização; Maior controlo de alterações nos processos; Exposição de processos interdependentes para a eliminação de conflitos relacionados com processos; Automação de processos integrados e as suas associações de workflow com o SharePoint, websites, aplicações e sistemas ERP; Administração e configuração centralizada de todos os workflows Skelta; Diversas funcionalidades avançadas de BPM. 21

39 Figura 7 - Exemplo de workflow Skelta 22

40 Figura 8 - Configuração de atividade I 23

41 Figura 9 - Configuração de atividade II 24

42 2.2.1 Arquitetura e Funcionalidades O Skelta é constituído por cinco componentes core, ilustrados na Fig.10, que dão suporte a toda a infraestrutura desta ferramenta que é demonstrada no Anexo II. Esta destaca-se por ser robusta 1, extensível e interoperável, capaz de integrar aplicações externas, BD s e a gama de produtos Microsoft. De seguida são descritas as componentes do software em causa [1]: 1. Envision & Model engloba quatro funcionalidades sendo estas o desenho dos formulários e processos de negócio, o desenvolvimento de aplicações apropriadas ao mesmo, e a capacidade de interagir com a plataforma em dispositivos móveis, bem como, uma assinatura digital para uma maior segurança a nível dos processos transpostos para workflows No desenho dos formulários é possível compô-los apenas com o drag-and-drop dos tipos de campos necessários (e.g. caixas de texto, drop down, data e hora, número), configurá-los a partir de um conjunto de propriedades já disponibilizadas e escrever scripts para validações. Tem a possibilidade de associar workflows e a hipótese de importar ou exportar formulários, reutilizando-os caso haja relevância No desenho dos processos (workflows) o método de drag-and-drop é também utilizado para a sua composição, tendo diversas atividades dos tipos humanas, não humanas e ubpm (ver Cap. 2.5.). As humanas são relativas a atividades de aprovação, invocação de formulários, envio de uma informação, desígnio de uma tarefa, entre outras. As não humanas relacionadas com a comunicação, criação de BD s, Exception handling, desenho customizado das atividades humanas, atividade motor 2 (Engine Activity) ou atividades de SharePoint 3, e o uso ou criação de wizards 4 de workflows. As atividades do tipo ubpm são referentes à solução ubpm desenvolvida exclusivamente para a Unisys com os conceitos de processo capa, processo, documento, registo, circuito e histórico. 1 Ferramenta que contém muitas funcionalidades core da tecnologia (BPM). 2 Exemplo: Atualização de uma variável ou atividade de decisão. 3 Exemplo: Criação, atualização ou eliminação de uma lista ou subsite. 4 Exemplo: Funcionalidade que cria uma variável em formato XML para aceder ou atualizar um item numa lista de SharePoint. 25

43 2. Manage & Execute engloba seis funcionalidades 2.1. Enterprise Console que disponibiliza uma única interface web para acesso a dados e modelação, execução, implementação e gestão dos processos num ambiente centralizado onde a necessidade de vários pontos de armazenamento de dados é diminuída. Permite o mapeamento de diferentes repositórios a partir de vários locais. Possibilita o controlo de versões nativas, a monitorização e auditorias de alterações nos processos. Proporciona suporte a múltiplos diretórios de utilizadores, gestão de filas (Queue Management) do Skelta, vários níveis de calendários hierárquicos para vários locais geográficos e vistas de administrador para todos os atributos dos processos a partir de uma única localização Human Workfow Services que reúne vários serviços tais como a atribuição dinâmica de tarefas baseada em atributos presentes na BD de recursos. Apresentação de calendários com vários níveis para a gestão de disponibilidade de recursos usando atores alternativos quando necessário. Proporciona a gestão de filas para a gestão de recursos que desempenham atividades similares. Permite o escalonamento de tarefas e a criação no nível de design de notificações de tarefas de múltiplos canais Comunicação que permite a entrega e resposta de tarefas e notificações através de múltiplos canais como por exemplo Web (Outlook), SMS, IM e Voz Workflow Engine que permite alcançar a agilidade através da automação e monitorização dos processos para a sua otimização Segurança a partir da Active Directory (AD), SharePoint, regras para os utilizadores e grupos de utilizadores. Permite a utilização de mecanismos de autenticação, limite de direito de vistas de Progresso, Análise e Execução, bem como a configuração de vistas de controlo (e.g. análise de desempenho) através da segurança da ferramenta de Business Activity Monitoring (BAM) Skelta Lists que armazenam a informação dos formulários podendo ser associadas a workflows. Permite a geração relatórios a partir destas e a visualização dos passos de um workflow ao longo do tempo (audit trail), contendo segurança a nível do item e suporte para pastas. Inclui também a componente de histórico de versões. 3. Analyse & Optimize engloba duas funcionalidades sendo estas BAM e Key Performance Indicators (KPIs). A monitorização e a melhoria contínua para a resiliência operacional de negócio é feita através de capacidades de BI que proporcionam a geração de relatórios com informação detalhada e configurações de KPIs para definição de critérios de medição de desempenho de workflows, e a disponibilização de Dashboard & 26

44 Web Parts onde se podem configurar propriedades de apresentação de gráficos sobre os relatórios gerados e seu conteúdo. 4. Integration engloba cinco funcionalidades sendo estas: 4.1. Acelerador de SharePoint que estende funcionalidades avançadas de BPM, tais como filas, Dashboards, KPI s e relatórios com o SharePoint, dentro do ambiente Skelta. Skelta Lists and Forms, Web Parts, Skelta Workflow, Skelta Security, Skelta Reports, Templates, Calendários, Filas e Regras Sincronizadas são outras destas funcionalidades SAP LOB Adapter permite a integração de sistemas SAP com o Skelta BPM BizTalk Connector utiliza o protocolo TCP/IP onde fornece integração entre o BizTalk Server e uma variedade de aplicações, tais como sistemas ERP, Supply Chain Management (SCM), e CRM Integração com os produtos Microsoft tais como SharePoint, BizTalk, Office, InfoPath e Dynamics, pois ambos foram desenvolvidos na Framework.Net Skelta Object Acess que elimina a necessidade de desenvolver código pois as aplicações externas podem ser registadas ou associadas dentro do Skelta. Isto permite a reutilização de objetos existentes dentro dos processos. Envision & Model Manage & Execute Analyse & Optimize Integration Process Designer Enterprise Console BAM and KPIs SharePoint Accelerator Forms Designer Human Workflow Services Dashboard & Web Parts SAP LOB Adapter Composite Application Communicatio n Biztalk Connector Enterprise Mobility Workflow Engine Microsoft Integration Security Skelta Object Access Skelta Lists Figura 10 - Diagrama de Funcionalidades do Skelta BPM.Net 27

45 2.3 Solução ubpm A solução ubpm é uma Framework de Gestão de Processos integrada na plataforma SharePoint (ver Cap. 2.1.) com utilização da plataforma Skelta BPM.Net (ver Cap. 2.2.) para a implementação de workflows. Esta solução de Gestão Documental permite a facilidade de produção, organização, pesquisa e acesso a conteúdos, de forma colaborativa e/ou estruturada por parte dos utilizadores, devido ao conjunto de ferramentas e disciplinas incorporadas. Foi utilizada no âmbito do projeto ubpm (ver Cap.3.1.). Desenvolvida pela Unisys com vista à sua reutilização, esta Framework teve como base os seguintes princípios orientadores [18]: Normalização. Separação clara entre as aplicações de negócio e o motor de BPM 5. Separação entre as camadas de negócio e de apresentação. Aceleração dos projetos de desenvolvimento de soluções de gestão de processos de negócio documentais. Disponibilização de um conjunto de funcionalidades base e extensíveis do SharePoint em conformidade com as necessidades específicas de cada situação. Potenciação de uma experiência de utilização consistente 6. Assim, de forma a assegurar uma gestão uniforme de documentos, foi definido um modelo de Gestão Documental estruturado em torno dos principais conceitos, representados na Fig.11, e seguidamente descritos. [18] Processo Capa Documento Registo Processo Circuito Legenda Zero ou vários Zero ou um Um Histórico Figura 11 - Modelo conceptual do ubpm [18] 5 Referente à plataforma Skelta BPM.Net. 6 Duradouro, executado sempre da mesma maneira. 28

46 Documento entidade caracterizadora dos conteúdos, contém informação como a data formal, referência na origem e tipo de documento. Cada tipo de Documento pode ter associado um Modelo Documental 7 de modo a permitir a criação automática de conteúdos. Cada Documento contém no máximo um único conteúdo e estão sempre associados a Registos ou Processos. Contém toda a informação (e.g. comprovativos), referente a um processo. Registo é o envelope dos Documentos. Para além da lista de Documentos associados, o Registo Documental contém informação essencial à administração dos Documentos e respetivos conteúdos como remetente, destinatário, assunto, classificação, tipo de registo, data de entrada, número de registo, livro de registo entre outros. Os Registos podem conter vários Documentos e podem existir de forma independente ou associados a Processos ou Processos Capa. Exemplo: dados com os vários campos relacionados com o processo em causa e referenciados com documentos específicos. Processo são pastas aglutinadoras de Registos e Documentos alvo de um determinado procedimento. A entidade Processo contém um conjunto de meta-dados essenciais ao controlo da execução do procedimento, tais como tipo de processo, classificação, requerente, assunto, gestor do procedimento, prazo, entre outros. Os Processos podem conter vários Registos Documentais e vários Documentos. Podem existir de forma independente ou associados a Processos Capa. Exemplos: Recrutamento; Estágio; Contratação; Marcação de Férias; Ausências; Licença de Casamento; Licença de Parto; Avaliação de Professores. Processo Capa deve ser entendido como uma representação de uma entidade de negócio genérica, incluindo todos os processos relativos a essa entidade de negócio. São a entidade documental de nível mais elevado, podendo conter Processos, Registos Documentais e Documentos. Exemplos: Processo individual de um colaborador interno/externo da empresa; Munícipe; Departamento de Informática. Circuito fluxo de atividades, humanas ou eletrónicas, estruturadas ou ad-hoc, interligadas sequencialmente com o intuito de se atingir determinado objetivo de negócio. Cada Circuito incide sobre um Registo (é o Registo que circula) ou um Processo (é o Processo que circula). Em cada momento, os Registos e Processos podem ter uma única circulação ativa. Exemplo: fluxo de atividades relacionadas com o assunto em questão. 7 Template de documento. 29

47 Histórico registo histórico das diversas ações que realizadas ao longo de um determinado Circuito. Exemplo: Registo da avaliação (Aprovado/Rejeitado) de um determinado documento, nome do aprovador e data da sua decisão Arquitetura Dando um enquadramento da arquitetura global da solução ubpm sobre a forma de uma visão geral, esta tem por base uma Plataforma Unificada de Portais onde engloba diversos serviços (BPM, CRM e BI), portais de apoio organizacional (Intranets, Extranet, e Internet), integração com várias aplicações e repositório de dados. Retendo esta ideia geral, podemos compreender melhor os principais componentes estruturais da arquitetura aplicacional do ubmp que é o que realmente nos interessa para perceber o que será feito e como será feito o trabalho desenvolvido a nível desta solução de Gestão Documental com a desmaterialização de processos de negócio sobre a forma workflows. Esta arquitetura é constituída por sete componentes principais como mostra a Fig.12 [18]: Camada de Apresentação constituída por inúmeras interfaces web, integradas entre si. Nomeadamente, a interface aplicacional disponibilizada pelo SharePoint, formulários de gestão documental e de tarefas, Web Parts específicas 8 do Skelta e SharePoint. Motor de Formulários disponibilizado pelo Skelta Forms Server, componente que estende o motor de workflow, com vista à criação drag & drop de formulários de negócio, integrados com os workflows aos quais estão associados. Motor de Workflow disponibilizado pelo Skelta BPM 2011 SP4 para a modelação, implementação e monitorização de processos de negócio. Esta ferramenta foi estendida com um conjunto de cerca de trinta atividades customizadas com vista à integração com o modelo de gestão documental definido. Camada de Interoperabilidade constituída por Web Services para cliente e administração que assegura a comunicação, interação com os outros sistemas aplicacionais Framework de Gestão Documental constitui um conjunto de extensões ao SharePoint. É responsável pela abstração das regras de negócio de gestão documental e acesso à BD que a suporta. Aqui são realizadas as diversas operações sobre as entidades/conceitos do modelo de Gestão Documental. 8 Apropriadas a esta solução. 30

48 SharePoint 2010 plataforma que tem como principais funções a autenticação dos utilizadores, o controlo de acesso a recursos e documentos, a interface aplicacional, a integração com os portais intranet e extranet, o motor de pesquisa, a gestão de arquivo corrente, entre outros. Repositório de dados o SharePoint Server repositório de documentos, possibilitando assim a lógica da gestão de versões e permissões de acesso. o SQL Server repositório de todos os dados relativos ao modelo de Gestão Documental. Camada de Apresentação Motor de BPM Motor de Formulários Camada de Interoperabilidade Framework de Gestão Documental Sharepoint 2010 Repositório Gestão Documental SQL Repositório Documentos - Sharepoint Repositório de Dados Figura 12 - Arquitetura aplicacional da Solução ubpm [18] Funcionalidades Conforme referido anteriormente, a interface aplicacional da solução ubpm será o SharePoint Como tal, é criado um site a partir do qual os utilizadores desta solução poderão aceder às diversas funcionalidades que a plataforma dispõe. Portanto, a seguir serão descritas as funcionalidades existentes e posteriormente a estrutura típica do site de Gestão Documental e Processos com exemplos ilustrativos necessários à sua compreensão. Sendo assim, as funcionalidades existentes são [18]: Ambiente de trabalho 9. Criação de Registos (internos, externos e de saída). 9 Espaço virtual de trabalho onde os utilizadores têm acesso aos Registos, Processos, Atividades e Alertas que lhes foram enviados a si ou ao seu grupo e a partir do qual poderão dar seguimento aos mesmos. 31

49 Classificação de Registos. Relacionamento entre Registos. Anexação de Documentos. Tipificação de Documentos. Geração de Documentos a Partir de Templates. Criação de Processos. Gestão de Acessos e Permissões. Gestão de Entidades. Enviar com conhecimento (automático ou ad-hoc). Delegação de Tarefas. Mecanismos de Alertas. Controlo de Prazos. Pesquisas. Arquivo. Encaminhamento de Registos e Processos. Suporte a tramitações paralelas ad-hoc. Histórico. Gestão de Versões de Documentos. Integração com produtos Microsoft. Desenho de processos. Passando à transposição destas funcionalidades para o site que as disponibiliza em forma de áreas, apresentadas na Fig.13, com a seguinte estrutura: ubpm Home Área de Trabalho Arquivo Corrente / Gestão Documental Indicadores de Negócio Centro de Pesquisa Dashboard Tarefas BAM Administração do Sistema A realizar Concluídas Alertas Figura 13 - Típica estrutura das áreas da Solução ubpm 32

50 Portanto, cada área específica tem a sua função e só é acessível conforme o perfil de cada utilizador. As áreas são constituídas por [18]: Home Página inicial definida pelo cliente. Pode conter a explicação geral dos procedimentos, manuais de utilização, informação útil, entre outros. Dashboard Área composta por um conjunto de funcionalidades com vista à monitorização da produtividade do colaborador. Exemplos: Número de tarefas ativas, recebidas e enviadas; Tempo médio por tarefa; Alertas; Listas das últimas tarefas enviadas e recebidas com conhecimento; Lista dos Processos; entre outros. Tarefas Área para acesso às tarefas pendentes do utilizador ou dos grupos a que pertence (A Realizar), acesso às tarefas concluídas, e acesso à apresentação dos alertas despoletados por não execução de uma tarefa no tempo previsto. Os Anexos III, IV e V representam estes três casos. BAM Área de acesso aos relatórios de monitorização técnica da execução dos workflows (Anexo VI). Administração do Sistema Área de configuração geral da solução ubpm. Arquivo Corrente/Gestão Documental Biblioteca de documentos onde serão armazenadas as diversas entidades documentais. Também é possível criá-las a partir dos ícones referentes às mesmas (Anexo VII). Indicadores de negócio área de acesso a um conjunto de relatórios de negócio. Centro de pesquisa área de pesquisa com diversos filtros disponíveis. 33

51 2.4 Nintex Workflow O Nintex Workflow é uma ferramenta de Gestão de Processos de Negócio embebida na web e integrada na plataforma do SharePoint (ver Cap. 2.1.) com o objetivo de modelar, implementar e automatizar os processos de negócio em forma de workflows. Considerado um Add-In esta ferramenta traz várias funcionalidades de conectividade e funcionalidades de workflows avançadas que se estendem no SharePoint, utilizando o método de drag-and-drop no desenho dos workflows e configuração das várias atividades/ações nos mesmos. Em relação às funcionalidades de conectividade, esta ferramenta permite a ligação com outros sistemas e web services como o Office 365, AD, BDs, BizTalk, Twitter, Bing, entre outros. Nas funcionalidades avançadas dos workflows destacam-se a delegação ad hoc de tarefas pelos utilizadores, direta ou programada, o agendamento programado para repetição dos processos, e as notificações possíveis por correio eletrónico, IM, e SMS.[10] Na Fig. 14 encontra-se representado o ambiente de trabalho do Nintex Workflow juntamente com as suas seções que serão descritas imediatamente: 1. Barra de Ferramentas Contem as várias opções que podem ser utilizadas organizadas por categorias. 2. Painel de Funcionalidade contém as várias atividades/ações disponíveis para o desenho e implementação do workflow. 3. Área de Conteúdo espaço onde se desenvolve o workflow. Figura 14 - Ambiente de trabalho do Nintex Workflow [10] 34

52 O Nintex Workflow foi utilizado no âmbito do projeto MDocflow (ver Cap.3.2). Na Fig.15 está representado um workflow Nintex, onde se pode observar com detalhe todo o seu fluxo. No ponto número um (1) está representado o ponto de partida do workflow. No ponto número dois (2) está representado um tipo de atividade/ação, Assignar uma tarefa, onde o seu objetivo é invocar um formulário para execução de uma tarefa atribuindo-a a um utilizador, estando esta numa lista definida para ser realizada. As configurações deste tipo de atividade/ação estão ilustradas nas figuras 16 e 17. Nos pontos número três (3), temos as várias opções de decisão que o utilizador poderá escolher, dando cada uma destas um rumo diferente ao workflow. No ponto número quatro (4) temos o símbolo que representa o fim do workflow. Na Fig.16 encontra-se alguns elementos da configuração da atividade Assignar uma tarefa, tais como o(s) interveniente(s) na tarefa (Assignes), as opções que estes podem tomar (Outcomes), e as permissões de utilizador durante e após a realização da tarefa (separador Item permissions). Na Fig.17 apresenta-se a configuração da notificação que é enviada via correio eletrónico à pessoa ou grupo à qual está destinada a tarefa. A título de exemplo e justificação de como a ferramenta Nintex é simples mas completa a diversos níveis, tendo várias configurações conjuntas e complexas 10, os Anexos VIII, IX e X ilustram algumas imagens dessas várias configurações possíveis. Figura 15 - Exemplo de workflow Nintex 10 Elaboradas; que encerra várias coisas ou componentes; difíceis; conjunto de coisas ligadas por um nexo. 35

53 Figura 16 - Configurações de atividade Nintex I 36

54 Figura 17 - Configurações de atividade Nintex II 37

55 2.5 SharePoint Designer O SharePoint Designer é uma ferramenta de web design e editor de HTML que serve para criar ou alterar sites e páginas web para/do SharePoint através do URL da aplicação web. Esta ferramenta tem várias funções como a customização de páginas web, branding, formulários e desenvolvimento de workflows. O SharePoint Designer foi utilizado no âmbito do Projeto Office Modelo Colaborativo (Ver Cap.3.3.). Na Fig. 18 encontra-se representado o ambiente de trabalho do SharePoint Designer juntamente com as suas seções que serão descritas imediatamente[7]: 1. Barra de Ferramentas Contem as várias opções que podem ser utilizadas. Estão organizadas por categorias para aceder facilmente. 2. Navegação Estrutura da aplicação web organizada por categoria dos objetos. 3. Tabs Espaço onde estão abertos todos os objetos que estamos a trabalhar. 4. Breadcrumb Espaço onde se consegue navegar para trás e para a frente pelo caminho que prosseguimos até chegar onde estamos. 5. Área de Conteúdo espaço onde se está a trabalhar. Figura 18 - Ambiente de trabalho do SharePoint Designer [7] 38

56 2.6 InfoPath O InfoPath é uma ferramenta de desenvolvimento de formulários utilizando o formato XML. Nesta podem ser criados formulários com validações apropriadas e várias vistas associadas aos mesmos. O InfoPath foi utilizado no âmbito de um projeto (ver Cap.3.3.) onde foi implementado vários workflows, com o objetivo de produzir os respetivos formulários com as suas validações e vistas necessárias. Os workflows foram desenvolvidos em SharePoint Designer e implementados num portal feito em SharePoint. Nos Anexos LXIII, LXIV e LXV encontram-se exemplos dos formulários desenvolvidos onde se pode visualizar o resultado final do formulário, podendo este ser sempre mais elaborado tanto a nível de estrutura, validação e grafismo. 39

57 Capítulo 3 Trabalho Realizado Neste capítulo são descritos os vários projetos envolvidos de pequena a grande dimensão e o trabalho realizado em cada um deles. Destacam-se também participações em outros projetos com menor, ou nenhum grau de relacionamento com o BPM. O projeto de grande dimensão, denominado ubpm, foi considerado o projeto principal pois apresentava uma maior complexidade e mais processos a desmaterializar. A existência de uma paragem inicial no arranque deste projeto permitiu a participação noutros projetos. Os vários projetos serão apresentados por ordem de relevância e complexidade demonstrando sempre quais os problemas e objetivos dispostos, as diversas fases do ciclo de vida de um projeto envolvidas, o trabalho em si realizado, e o seu resultado final com algumas considerações caso se aplique. 3.1 ubpm O projeto ubpm teve como propósito a implementação de uma Solução de Gestão Documental e Desmaterialização de Processos numa Câmara Municipal (CM) onde foi solicitada uma modernização administrativa. De entre os inúmeros problemas existentes, são exemplificadas já de seguida, algumas das principais situações aferidas [18]: Período de tempo que leva desde a conclusão de uma atividade à inicialização da seguinte num processo; Não registo das atividades no sistema informático pelas entidades correspondentes; Não definição de circuitos; Prazos de resposta não estipulados; Criação manual de ordens de serviço; 40

58 Registo de informações e pareceres necessários no sistema informático dos intervenientes do processo; Formação insuficiente. De forma a melhorar os serviços prestados por esta entidade estatal, os objetivos a alcançar foram [18]: Aperfeiçoamento e melhoria da qualidade no serviço prestado ao Munícipe; Aumento do grau de satisfação dos Munícipes; Fomentação de uma visão de serviço centrado nos Munícipes; Introdução de uma cultura de simplificação que promova a redução de custos administrativos e de contexto centrada na simplificação, agilidade, inovação, automatização e desmaterialização dos processos; Aumento da produtividade dos colaboradores. Na implementação da Solução de Gestão Documental foi utilizada a Framework ubpm (ver Cap.2.3.) e na Desmaterialização de Processos a ferramenta Skelta BPM.Net (ver Cap.2.2.) para o desenvolvimento dos workflows e dos formulários respetivos. Toda esta conjuntura está assente na plataforma SharePoint 2010 (ver Cap.2.1.). Durante o decorrer deste projeto as várias fases do seu ciclo de vida envolvidas foram a análise, desenho, implementação e transição, que inclui testes, entrada em produção e documentação. Com o enquadramento acima apresentado as restantes subseções serão referentes à informação relativa às tarefas desempenhadas para o sucesso do desenvolvimento e implementação dos processos informatizados Criação de Formulários O processo de criação de formulários para posterior uso nos fluxos desenvolvidos foi realizado através da ferramenta Skelta BPM.Net pela funcionalidade de Gestão de Formulários (Manage Forms). Aqui podem ser criados, desenhados, editados, associados a workflows como sendo o formulário que o despoleta, importados, exportados, publicados e apagados. As fases envolvidas neste processo são: 1. Análise definição e descrição dos campos necessários, suas propriedades e validações. 2. Desenho esboço do fluxo de atividades, seu caminho e outros elementos envolvidos (e.g. período de tempo entre atividades; geração de alertas). 41

59 3. Desenvolvimento seleção e composição dos campos nos formulários, configuração de todas as suas propriedades e programação das validações necessárias. 4. Testes a. Manage Forms quando estão a ser desenhados os formulários existe uma opção de visualização e teste/experiência, denominada Preview, que simula a submissão do formulário no servidor e executa as validações programadas. b. Solução ubpm testa a submissão do formulário no ambiente real em que este irá ser usado. 5. Publicação formulário disponível para ser utilizado. Em anexo encontram-se alguns dos formulários desenvolvidos (Anexos XI a XIX) e algumas validações dos campos contidos nos formulários (Anexos XX a XXX). As figuras nos anexos apresentadas referem-se ao ambiente real na solução ubpm (Anexo XI) e as restantes ao Preview oferecido pela funcionalidade Manage Forms no desenho dos formulários Workflows Nesta subseção são descritos os workflows desenvolvidos bem como o objetivo de cada um. Estes são referentes aos serviços de Águas e Saneamento prestados pela Câmara Municipal. Em anexo encontram-se os desenhos dos dois fluxos (Anexos XXXI e XXXII), imagens da sua construção na ferramenta Skelta BPM.Net (Anexos XXXIII, XXXIV e XXXVII), bem como de uma vista implementada, também esta um workflow, e as suas soluções mais detalhadas (Anexo XXXV e XXXVIII). Fluxo de Ligação Geral Rede Água O objetivo deste fluxo é permitir ao estabelecimento estatal um procedimento mais célere, eficaz e simples, com registo e controlo de todo o processo de pedido de Ligação Geral à Rede de Água. A redução de papel, tempo de execução e custo foram as três principais motivações para a implementação deste processo informatizado. O fluxo de Ligação Geral Rede Água (Anexo XXXIII e XXXIV) sofreu uma integração por parte de outro processo para que inicialmente seja despoletado a partir de 42

60 uma Solução de Gestão de Atendimento implementada pela equipa de CRM, com todos os dados e documentos necessários ao workflow propriamente dito. Assim que o pedido é registado pelo lado do CRM, o sistema iniciará o fluxo de Ligação Geral Rede Água, criando o processo, uma tramitação associada a este, e anexando os documentos gerados pela solução ao processo. Este é constituído por várias atividades que dependendo de certas variáveis vão definir o caminho do fluxo. Estas variáveis podem ser do tipo se o consumidor tem dívidas ou não, se o despacho é aprovado ou reprovado, ou se o ofício foi ou não enviado ao munícipe, entre outros. As atividades são atribuídas a vários serviços e pessoas singulares consoante o local onde se encontra o fluxo, nomeadamente a serviços como o de Águas e Saneamento, Tesouraria, Unidade de Obras Públicas Equipamento e Apoio às Freguesias (UOPE), Armazém, e Expediente. A estas atividades estão associadas permissões de atualização no processo quando a tarefa ainda está por realizar, e permissões de leitura após a sua finalização. Também são associados alertas mediante um período no qual é suposto a tarefa ser executada. Com a geração das várias atividades, estas ficam disponíveis no portal nas Tarefas a Realizar, sendo apenas acessíveis pelo utilizador logado pertencente ao seu serviço. Selecionando a atividade respetiva, esta fica disponível na sua caixa de entrada, não sendo assim possível outro membro do mesmo serviço poder realizá-la. Após estar concluída, é feito um registo automático nas Tarefas Concluídas com a identificação do processo, a data, o utilizador para qual foi enviado a tarefa e o seu assunto. É registado nos movimentos do processo, ou seja, no seu histórico, todas as ações que são feitas no fluxo, incluindo o tipo de evento, a informação do mesmo, a data em que foi efetuado, e a pessoa que o realizou. O fluxo vai passando por várias atividades sendo a primeira a verificação de dívidas do consumidor. Posteriormente se esta situação for positiva, as próximas atividades serão referentes ao contacto com o munícipe, e o respetivo pagamento. De seguida, após estas duas últimas atividades ou se o consumidor não possuir quaisquer dívidas, é enviado um requerimento para o serviço UOPE para que este proceda à elaboração de um despacho que terá de ser avaliado e assinado pela pessoa do serviço que o redigiu. Caso o despacho seja aprovado são geradas tarefas para ordem de serviço, a sua execução e registo, algum pagamento adicional que tenha de ser feito, e elaboração de um oficio para assinatura e envio ao Expediente e Municipe. Caso contrário, se o despacho for negativo é elaborado um oficio com o mesmo intuito do que foi mencionado anteriormente. No final a tramitação é concluída e o processo arquivado. 43

61 Vista de Analista do Fluxo Ligação Geral Rede Água O objetivo deste workflow é única e exclusivamente fazer de vista ao fluxo de Ligação Geral Rede Água (Anexo XXXVI). Este é exatamente igual ao seu respetivo fluxo mas contém apenas as atividades de invocação de formulários, ou seja, as tarefas em si. A vista serve para certificação de onde se encontra o erro existente no workflow, que originou uma falha. Nesta consulta encontram-se todas as tarefas executadas, as que faltam fazer, aquela que falhou, ou perceber que o problema está entre a tarefa anteriormente executada e a seguinte. É uma vista de consulta minimalista para quem está a administrar a solução ubpm e os seus fluxos, sendo o propósito seguinte informar a pessoa responsável pela manutenção/desenvolvimento dos workflows para que esta resolva o problema. Fluxo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água O objetivo deste fluxo é permitir ao estabelecimento estatal um procedimento mais célere, eficaz e simples, com registo e controlo de todo o processo de pedido de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água. A redução de papel, tempo de execução e custo são as três principais motivações para a implementação deste processo a informatizar. O fluxo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água (Anexo XXXVII) sofreu uma integração por parte de outro processo para que inicialmente seja despoletado a partir de uma Solução de Gestão de Atendimento implementada pela equipa de CRM, com todos os dados e documentos necessários ao workflow propriamente dito. Assim que o pedido é registado pelo lado do CRM, o sistema iniciará o fluxo de Ligação Geral Rede Água, criando o processo, uma tramitação associada a este, e anexando os documentos gerados pela solução ao processo. Este é constituído por várias atividades que são atribuídas a vários serviços e pessoas singulares consoante o local onde se encontra o fluxo, nomeadamente a serviços como o de Águas e Saneamento, Armazém, e Unidade de Obras Públicas Equipamento e Apoio às Freguesias (UOPE). Todas estas atividades têm associadas permissões e alertas, são disponibilizadas nas funcionalidades do portal, Tarefas a Realizar e Tarefas Concluídas, e são registadas no histórico do processo, como foi igualmente mencionado no fluxo de Ligação Geral Rede Água. 44

62 As atividades constituintes deste fluxo são: 1. Analisar documentos anexos ao processo e registar pedido no SGA Emitir ordem de serviço. 3. Efetuar serviço. 4. Registar execução do serviço. 5. Efetuar despacho. 6. Atualizar SGA. 7. Arquivar processo do consumidor e arquivar na pasta de arquivo morto Gestão de Filas Utilizando a funcionalidade Queue Management da ferramenta Skelta BPM.Net foram criadas filas (Queues) a serem usadas na execução das tarefas nos workflows desenvolvidos nas quais são intervenientes (Anexo XXXIX). Uma fila é constituída por um grupo de utilizadores da AD ou utilizadores individuais, que podem escolher e executar uma tarefa que venha parar à sua caixa de entrada comum que tem o nome dessa mesma fila. Uma vez escolhida a tarefa por um utilizador esta deixa de estar disponível na caixa de entrada comum, sendo apenas visualizada na caixa particular do utilizador que a selecionou. Na configuração das filas necessárias foram também desempenhadas as seguintes tarefas: Atribuição dos participantes adição/associação de utilizadores ou grupos provenientes da AD da Câmara Municipal (Anexos XL a XLIII). Atribuição de permissões aos participantes (Anexos XLIV a XLVI). Definição dos critérios de Escalation conjunto de configurações utilizadas para despoletar eventos (Anexos XLVII e XLVIII). Como é o caso da seleção da tarefa por parte de um utilizador que irá parar à sua caixa de entrada Transição Nesta fase foi realizado vários pontos tais como testes, documentação e entrada em produção. 11 Sistema específico da Câmara Municipal. 45

63 Em relação aos formulários foram essencialmente testados e verificados todos os campos, suas propriedades e validações, submissão do próprio formulário e a informação passada pelo mesmo. De seguida são apresentados alguns pormenores sobre esses testes: Durante o seu desenvolvimento no servidor Skelta pela funcionalidade Manage Forms e no ubpm pelas Web Parts específicas. No ubpm pelo fornecedor (eu e Unisys). No ubpm pelo cliente (CM). Em relação aos testes nos workflows foram testadas todas as atividades, formulários das mesmas, documentos gerados e anexados ao processo, permissões, alertas, e o próprio caminho e solução apresentada. De seguida são apresentados alguns pormenores sobre esses testes: Durante o seu desenvolvimento no servidor Skelta e no ubpm. No ubpm pelo fornecedor (eu e Unisys). No ubpm pelo cliente (CM). Em relação à documentação: Documentos de Especificação referentes aos dois workflows numa primeira fase para validar questões com o cliente, apresentando o mesmo, e numa fase final para estar registado o que realmente está implementado. Documento de suporte à ferramenta Skelta para a implementação de workflows no ubpm descrição das várias atividades, seus objetivos, notas, configurações, resolução de problemas, entre outros. Em relação à entrada em produção: Fluxo de Processo de Ligação Geral Rede Água testando todas as atividades com várias contas de utilizadores; resolvendo alguns erros de permissões e validações; verificando se todas as funcionalidades necessárias à realização das atividades estavam disponíveis e aos utilizadores certos; testando as atividades com o cliente Considerações Finais Como qualquer projeto no sector público, é sempre um desafio conseguir obter toda a informação necessária e no tempo certo para apresentar uma solução rápida e eficaz que ultrapasse todos os objetivos. A complexidade neste sector é de um grau 46

64 bastante elevado e reside numa boa comunicação entre ambas as partes envolvidas no projeto. Apesar da existência de uma falha de comunicação interna dentro da equipa que originou um novo recomeço de um dos workflows que já estaria praticamente finalizado e à espera da última validação por parte do cliente, incluindo testes do seu lado, o trabalho foi feito com sucesso, nomeadamente o fluxo de Ligação Geral Rede Água. Com alguma persistência conseguiu-se que o cliente fosse esclarecendo as dúvidas que iam surgindo. A comunicação ao longo deste projeto foi uma componente muito importante pois os documentos e informação passada sobre o processo em causa, não eram os mais atuais, logo houve a necessidade de validação constante com o cliente, que por diversas razões, não foi uma tarefa assim tão linear. Este não tinha muita disponibilidade, pois tinha em mãos a entrada em produção da Solução de Gestão de Atendimento, complementar à solução de Gestão Documental e desmaterialização de processos em curso, para além do seu trabalho do dia-a-dia. Referente à implementação do fluxo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água, não houve a possibilidade da sua total implementação nem da sua passagem a produção. A falta de validações alusivas às tarefas e seus formulários respetivos, a falta de tempo e de disponibilidade do cliente, e o pedido tardio de desenvolvimento deste fluxo no período final do estágio ditou a não aplicção deste workflow. No entanto, o desenvolvimento executado deixou as situações apuradas implementadas e as restantes prontas a configurar aquando da resposta às validações. Tanto a nível de formulários como do próprio workflow. A paragem inicial no arranque deste projeto também impossibilitou a implementação de mais processos. Relativamente à experiência com a ferramenta Skelta BPM.Net, revelou-se uma escolha adequada ao projeto, apenas com algumas nuances relativamente ao armazenamento de documentos no processo provenientes dos formulários dos workflows. Esta não conseguia guardar, através da informação em XML que retirava dos formulários preenchidos, os documentos que eram anexados a estes, logo foi necessária a elaboração de uma classe com vários métodos adequados para conseguir esta funcionalidade (dll). 47

65 3.2 MDocFlow O projeto MDocflow prestado a uma empresa privada teve como propósito a iniciativa de implementação de uma Solução de Gestão Documental e Desmaterialização de Processos sobre a plataforma SharePoint 2013 (ver Cap.2.1.). De entre os principais problemas existentes constam: Suporte de armazenamento antiquado 12 e não adequado. Pouca capacidade de crescimento e armazenamento de informação e processos de negócio. Inconsistência na forma de tratar os processos. Processos lentos, não controláveis e não registados. Não registo das atividades no sistema informático pelos intervenientes correspondentes. Pouca informação sobre em que ponto se encontra o processo, onde e por quem está a ser executado ou à espera de. Os principais objetivos a atingir foram [18]: Implementação de uma Solução de Gestão Documental e workflow, preparada para suportar o crescimento e internacionalização da empresa; Potenciar a visibilidade, otimização, controlo e agilidade dos processos pela sua desmaterialização progressiva (nomeadamente validação de faturas e requisições de compras internas); Estabelecimento de uma base de gestão documental, preparada para suportar múltiplos processos de forma consistente; Agilizar a digitalização dos documentos (processo de captura); Assegurar a autonomia da empresa na operação e criação de novos processos sobre a solução. Para atingir estes objetivos, o projeto teve dependência da prévia execução de reforço da infraestrutura tecnológica de suporte à solução e migração da plataforma de virtualização para Hyper-V pela empresa que contratou os serviços. 12 Em forma de papel. 48

66 Sendo o foco do trabalho a desmaterialização dos processos de Requisição de Compra e Validação de Faturas, ou seja, o desenvolvimento de dois workflows, os potenciais benefícios previstos foram: Agilização operacional face à desmaterialização progressiva dos processos; Aumento de sinergias e condições comerciais através da centralização e harmonização dos processos negociais; Rastreabilidade e auditoria dos processos de decisão e contratação. Na Desmaterialização de Processos as ferramentas utilizadas recaíram sobre o Nintex Workflow (ver Cap.2.4) para o desenvolvimento dos workflows e o Nintex Forms para o desenvolvimento dos formulários respetivos. Sendo que esta última tarefa não foi da minha responsabilidade. Durante o decorrer deste projeto as várias fases do seu ciclo de vida envolvidas foram o desenho, implementação e testes. Com o enquadramento acima apresentado as restantes subseções serão referentes à informação relativa à implementação dos processos informatizados, e todo o trabalho realizado até ao início da mesma, para que estivesse completa e exequível Criação de Features Utilizando a ferramenta Microsoft Visual Studio 2013 para criar programaticamente features necessárias à implementação do projeto, entende-se que uma feature é um pacote 13 que quando é ativado faz despoletar alguma ação no sistema (SharePoint). Esta tem quatro estados, instalado, desinstalado, ativado e desativado e pode ter várias funções como: Criação de Content Types conjunto de campos de vários tipos que pertencem a um determinado grupo. São atribuídos a Listas e Bibliotecas e respetivas Vistas. (Anexo XLIX) Criação de Listas - coleção de dados que pode ser partilhado com vários membros de um grupo de utilizadores ou utilizadores individuais (Anexo L). Criação de Bibliotecas - é um tipo de Lista que contém documentos, imagens e outros tipos de ficheiro (Anexo LI). Criação de Vistas para Listas e Bibliotecas (Anexos L e LI). Criação de Event Receivers pedaços de código que lidam com vários tipos de eventos. Existem dois tipos de Event Receivers, síncronos e assíncronos. Os 13 Pedaços de código referentes a uma funcionalidade. Estão contidos numa classe, biblioteca ou pasta. 49

67 primeiros são programados para executar alguma ação antes de ocorrer um evento, neste caso há uma flexibilidade de cancelar um evento mediante certas condições. Enquanto que os Event Receivers do tipo assíncronos ocorrem depois do evento (ações personalizáveis), não necessariamente logo após este mas num momento posterior mais oportuno. Exemplos de ações que uma feature deste tipo pode despoletar são a geração de uma notificação ao utilizador que criou um item numa lista/biblioteca; a atualização de dados numa lista proveniente de uma BD feita num dado período do dia (normalmente fora do horário de trabalho, de madrugada quando há menos acessos e movimentos); criação de Vistas e seus campos associados; entre outros. Ativação de funcionalidades de Add-Ins componente de outra ferramenta que é usado em conjunto com o SharePoint, ou foi desenhado para esse propósito. Estende as capacidades do mesmo. Estas features foram programadas em XML e C#, sendo a primeira linguagem aplicada à criação de Content Types e a segunda linguagem a todo o género de features acima referidas Processo de Captura de Documentos O processo de captura de documentos serviu essencialmente para ser usado no contexto das faturas. Estas são digitalizadas, pré-classificadas e tornadas não só pesquisáveis como os seus meta dados vão ser utilizados para preencher o formulário das faturas dando origem à validação das suas linhas e consequentemente ao início do fluxo (workflow). Após a conclusão desta atividade de captura, os documentos são exportados para uma Biblioteca no SharePoint sendo acessível a sua consulta mediante utilizadores credenciados para o efeito. A ferramenta que possibilita esta funcionalidade denomina-se Kofax Express e é a componente cliente. Para complementar este processo temos a ferramenta Aquaforest searchlight, componente servidor, que correrá de hora em hora com a função de converter os documentos que não são pesquisáveis em documentos pesquisáveis, mantendo os meta dados já existentes e substituindo o documento original. Apesar deste processo ter sido de grande importância para a completude do workflow e para que este estivesse de acordo com os requisitos do cliente, foi a única tarefa que não participei na componente de implementação. No entanto, acompanhei de perto este processo e sendo uma componente imprescindível é indispensável referi-lo. 50

68 3.2.3 Workflows Nesta subseção são descritos os workflows desenvolvidos bem como o seu objetivo e âmbito. Estes são referentes aos processos de Aprovação e Requisição de Compras e Aprovação de Faturas. Em anexo encontram-se os desenhos dos dois fluxos (Anexos LII e LIII) e as suas soluções mais detalhadas (Anexos LIV e LV). Fluxo de Aprovação de Requisição de Compra O objetivo deste fluxo é permitir à organização uma aprovação das requisições de compra de bens e serviços, de uma forma mais célere e eficaz. A redução do papel e o aumento do controlo e eficácia dos processos desta organização foram o seu âmbito. O fluxo de aprovação de requisição de compra encontra-se dividido em três fases, sendo estas a criação, a aprovação das linhas da requisição, e a conclusão do fluxo como apresentado no Anexo LII. O workflow propriamente dito só é iniciado quando a requisição for criada, isto é, preenchida com toda a informação, e submetida. Pois o fluxo recai sobre as linhas da requisição. Com a submissão da requisição, o sistema iniciará o fluxo de aprovação das diversas linhas que lhe estão associadas, definindo quantos níveis hierárquicos irá ter através do tipo de engagement (projeto) e limite de RC Code (Identificador do departamento). Isto é, comparando o valor total da requisição com o limite de cada nível hierárquico por RC Code até encontrar o primeiro valor maior ou igual. Assim são definidos quantos aprovadores farão parte da avaliação das linhas de requisição. Após a definição dos aprovadores é gerada então a tarefa de aprovação com notificação via correio eletrónico e possível resposta por esta via apenas para decisões de Aprovar, Rejeitar e Cancelar. No decurso do processo de validação das linhas de requisição cada interveniente terá as seguintes opções: Aprovar o fluxo segue para o nível de aprovação seguinte. Pedir esclarecimentos o fluxo volta para o nível de aprovação anterior. Caso seja o primeiro nível de aprovação o fluxo gera uma tarefa para o requisitante que tem como função alterar ou cancelar a linha de requisição. Rejeitar o fluxo gera uma tarefa para o requisitante que tem como função alterar ou cancelar a linha de requisição. Considerando que diferentes níveis hierárquicos podem ser exercidos pela mesma pessoa, este aprovador terá a opção de poder aprovar todos os níveis seguintes a que 51

69 pertence. Neste caso o sistema notificará todos os aprovadores intermédios até ao último nível que este é interveniente. Concluída a aprovação por parte de todos os intervenientes, o fluxo irá verificar se todas as linhas da requisição de compra foram aprovadas e se for assim for a requisição passa automaticamente para o estado de aprovada, terminando o fluxo. No caso de a requisição ser cancelada em qualquer altura do fluxo por parte do requisitante, todos os aprovadores serão notificados e o workflow é automaticamente finalizado. Fluxo de Aprovação de Faturas O objetivo deste fluxo é permitir à organização uma aprovação das faturas de fornecedores, de uma forma mais célere e eficaz. A redução do papel e o aumento do controlo e eficácia dos processos desta organização foram o seu âmbito. O fluxo de criação e aprovação de uma fatura encontra-se dividido em três fases, sendo estas o registo da fatura, a aprovação das linhas de fatura, e a conclusão do fluxo como apresentado e detalhado no Anexo LIII. O workflow propriamente dito só é iniciado quando a fatura for registada, o que corresponde à atividade de captura do documento, com indexação dos campos base e carregamento da mesma na solução, e devidamente classificada. O fluxo recai sobre as linhas da fatura. Após a classificação da fatura, o sistema iniciará o fluxo de aprovação das diversas linhas que lhe estão associadas, definindo quantos níveis hierárquicos irá ter através do tipo de engagement (projeto) e limite de RC Code (Identificador do departamento). Isto é, comparando o valor total da requisição com o limite de cada nível hierárquico por RC Code até encontrar o primeiro valor maior ou igual. Assim são definidos quantos aprovadores farão parte da avaliação das linhas de requisição. Após a definição dos aprovadores é gerada então a tarefa de aprovação com notificação via correio eletrónico e possível resposta por esta via apenas para decisões de Aprovar, Rejeitar e Cancelar. No decurso do processo de validação das linhas de fatura cada interveniente terá as seguintes opções: Aprovar o fluxo segue para o nível de aprovação seguinte. Conferência o fluxo fica suspenso durante o período de tempo que o aprovador definiu quando tomou esta decisão. O sistema enviará uma notificação via correio eletrónico para todos os aprovadores anteriores. 52

70 Rejeitar o Dados incorretos na linha de fatura o fluxo gera uma tarefa para o requisitante que tem como função alterar ou cancelar a linha de requisição. o Documento do fornecedor incorreto o fluxo volta para o nível de aprovação anterior. Caso seja o primeiro nível de aprovação o fluxo gera uma tarefa para o requisitante que tem como função alterar ou cancelar a linha de requisição. Considerando que diferentes níveis hierárquicos podem ser exercidos pela mesma pessoa, as regras de aprovação múltipla definidas para a requisição de compra também se aplicam a este caso. Quando a linha for aprovada pelo último nível de aprovação é registado o valor real da compra que fica associado a esta linha. No caso do valor real da compra ser menor que o valor da linha de requisição o aprovador tem de indicar se a linha fica fechada (já não permite qualquer ligação a outra fatura) ou aberta, quando ainda está à espera de receber alguma(s) fatura(s) do fornecedor para serem ligadas a esta linha de requisição de compra. Se o valor real da compra exceder o valor da linha de requisição o sistema notificará o requisitante para que este proceda a uma nova versão da requisição. Com a aprovação das diversas linhas de fatura esta passa automaticamente para o estado de aprovada, atualizando-se a requisição de compra, com o estado da linha como fechada e o valor real da compra. No caso de a fatura ser cancelada em qualquer altura do fluxo por parte do requisitante, todos os aprovadores serão notificados e o workflow é automaticamente finalizado Considerações Finais O projeto MDocFlow começou com um atraso de duas semanas por falta de pessoal e algumas validações de requisitos. No entanto, como o projeto principal, ubpm (ver Cap.3.1.), estava parado, foi-me proposto ingressar neste projeto para desenvolver os workflows necessários com vista a também me proporcionar mais experiência com outras ferramentas de BPM. Em relação ao trabalho em si, foi interessante trabalhar com outra ferramenta de BPM apesar de no início ser mais moroso o processo de desenvolvimento do primeiro workflow em comparação com o segundo que foi bem mais célere. Os processos em si também eram mais complexos e necessitavam de uma maior concentração, validação e 53

71 verificação. Neste projeto a comunicação com o cliente era feita essencialmente com o responsável do projeto e com o responsável da equipa não tendo tanta interação direta para esclarecimento de dúvidas. Uma abordagem um pouco diferente do projeto ubpm. O Nintex Workflow apresenta uma interface simples e várias funcionalidades específicas que auxiliam na obtenção de informação entre várias sites collections, ou seja em toda a Web App. Nomeadamente consultas a listas (Query List Anexo VIII), operações numa coleção (Collection Operation Anexo IX), criar itens na lista (Create item Anexo X), entre outras. A formação autodidata é uma capacidade valorizada e imprescindível nesta área possibilitando assim um bom trabalho, mas o facto de não se ter apostado numa formação especializada nesta ferramenta não ajudou a colmatar o atraso inicial, pois poderia ter desenvolvido mais rapidamente os workflows, ter sobrado mais tempo para fazer testes, possivelmente ter passado a produção enquanto estive envolvida neste projeto e ter ajudado mais os meus colegas nas suas tarefas. Durante o tempo em que estive no projeto cheguei à fase de testes, não finalizando a mesma pois tive que voltar para o projeto principal que estava de novo em curso. 54

72 3.3 Projeto Office Modelo Colaborativo No decorrer dos primeiros dois meses de estágio foi realizado um projeto num cliente do sector semiprivado para implementar um modelo colaborativo em Office 365. A necessidade de disponibilizar a um determinado conjunto de colaboradores uma plataforma de trabalho que não dependa das ferramentas Office instaladas no seu próprio computador foi o objetivo principal deste projeto. Deste modo, os colaboradores podem ter acesso instantâneo a partir de qualquer máquina em qualquer lugar, às ferramentas do Office sem ter as mesmas instaladas na máquina local. É por este motivo que o modelo utilizará o Office 365 para o efeito. Este serviço de subscrição permite aceder às ferramentas do Microsoft Office (Word, PowerPoint, Excel, OneNote, Outlook, Access, Publisher, Lync) através do acesso online, com capacidade de partilha de documentos e trabalho em paralelo, como é o caso da edição de documentos ao mesmo tempo. O modelo colaborativo (Anexo LVI) é constituído por duas zonas fundamentais, uma de entrada comum a todos os utilizadores e outra de acesso privado dependente da área de negócio à qual o colaborador pertence. Com base nesta estrutura, este modelo é implementado em SharePoint Online em versão 2010 e migrado para a versão 2013 (ver Cap.2.1). Na sequência da gestão das várias áreas no portal, tornou-se uma necessidade e complementaridade, o desenvolvimento de processos informatizados, denominados workflows de aprovação. Para este desenvolvimento foi utilizada a ferramenta SharePoint Designer (ver Cap.2.5) e para o desenvolvimento dos formulários respetivos a ferramenta InfoPath (ver cap.2.6). Durante o decorrer deste projeto as várias fases do seu ciclo de vida envolvidas foram a análise, desenho, implementação e transição, que inclui testes e documentação. Com o enquadramento acima apresentado as restantes subseções serão referentes à informação relativa às tarefas desempenhadas para o sucesso do projeto e desenvolvimento e implementação dos processos informatizados Funções Desempenhadas Neste projeto desempenhei diversas tarefas a nível de configurações do portal e documentação técnica, para além da responsabilidade de desenvolver os workflows, tarefa essencial à qual estava destinada quando fui inserida neste projeto. 55

73 As tarefas desempenhadas neste projeto passaram por: Criação de Subsites. Criação de ContentType Hubs - conjunto de campos de vários tipos que pertencem a um determinado grupo. São atribuídos a Listas e Bibliotecas e respetivas Vistas. Criação de Listas coleção de dados que pode ser partilhado com vários membros de um grupo de utilizadores ou utilizadores individuais. Criação de Bibliotecas é um tipo de Lista que contém documentos, imagens e outros tipos de ficheiro. Criação de Vistas de Listas e Bibliotecas. Criação de templates de Listas que se estendem em outros sites. Criação, apresentação e configuração de site collections, subsites, e páginas com Web Parts. Configurações a nível de gestão de permissões e navegação. Criação de um workflow de aprovação estendido a três Listas. Reunir com o cliente. Testar e corrigir. Redigir documentação técnica. Em anexo são apresentadas algumas figuras que representam o trabalho envolvido neste projeto. Entre estas destacam-se a apresentação das configurações das site collections, subsites, e páginas com as suas Web Parts respetivas (Anexos LVII e LVIII), o desenho do workflow implementado para fazer um pedido administrativo (Anexo LIX), e os vários formulários que irão ser preenchidos pelo requerente e pelos aprovadores ao longo do processo (Anexos LX a LXV) Workflows O objetivo dos workflows desenvolvidos pemitiu a aprovação de pedidos de criação de uma nova Site Collection, um Site de Projeto ou incrementos de quota para uma Site Collection. O fluxo de aprovação propriamente dito só é iniciado com a criação de um novo item na Lista respetiva para o seu objetivo. Este é constituído por três passos de aprovação, onde os aprovadores são o Chefe Hierárquico, o Diretor e a Equipa de SharePoint Online. Com a criação do novo item na Lista, os aprovadores vão ter de avaliar o pedido e justificar a sua decisão. A decisão negativa do aprovador em quaisquer dos passos 56

74 resulta no término do workflow e num envio de uma notificação para o Requerente com a respetiva decisão. Se o caminho for positivo em todo o seu processo, o primeiro passo do aprovador é o preenchimento do nome do diretor do requerente. O segundo passa por validar o nome do despacho, caso este tenha sido introduzido no início do pedido, ou adicionar o mesmo. O terceiro e último passo, passa por consagrar a produção do pedido, ou seja, prosseguir à criação da Site Collection, do Site de projeto, ou do incremento de quota da Site Collection antes de concluir a sua tarefa, escolhendo a opção de aprovar, e finalizar assim o workflow. O aprovador tem também o poder de delegar a sua tarefa a outra pessoa, perdendo assim as suas permissões na mesma e cedendo-as ao utilizador escolhido. Em qualquer altura o requerente pode consultar em que estado está o seu pedido, sem nunca o poder alterar, mas pode eliminá-lo da sua Lista se assim o pretender. Os administradores do SharePoint poderão cancelar tarefas ou concluir o workflow quando houver quaisquer problemas ou ordens superiores. Ao cancelar as tarefas, o pedido é automaticamente reprovado e o fluxo termina Considerações Finais O projeto em si teve um grande impacto na integração na equipa de trabalho pois foi o primeiro projeto onde estive inserida. Aqui tomei o primeiro contacto com o SharePoint e a migração de uma versão de 2010 para Em relação ao desenvolvimento dos workflows na ferramenta SharePoint Designer, à qual também não tinha tido qualquer contacto, a meu ver não foi uma escolha muito positiva pois tive de voltar refazer várias partes do workflow. Esta não demonstrou ser uma ferramenta fiável nesse sentido, pois apresentou um comportamento instável. Num dado instante aceitava as linhas de código programadas e no instante seguinte já não. A solução utilizada para averiguar a veracidade do erro ser de programação ou uma falha da ferramenta, foi apagar e voltar a colocar o mesmo pedaço de código. Sendo este o primeiro projeto, o período de tempo inserido chegou até uma fase de documentação técnica e testes. Prossegui também à passagem de pasta para outro colaborador, pois era necessário passar à escrita do relatório preliminar para entrega e começar a ter contacto com a ferramenta Skelta BPM.Net (ver Cap.2.2) para ingressar no projeto principal, denominado ubpm (ver Cap.2.3). Mais tarde, voltei a ser requerida neste projeto para acelerar o processo de entrega da solução e passagem a produção, voltando a configurar várias site collections das muitas áreas de negócio do cliente. 57

75 3.4 Outros Projetos Nesta seção serão descritos os projetos e contribuições realizadas no período de menos carga de trabalho no projeto principal, aliado à necessidade de prosseguir com outros projetos que iam surgindo e estavam a finalizar Trimbos Durante três semanas estive envolvida num projeto internacional para uma Fundação de Investigação onde foi desenvolvida uma maquete funcional para um portal de apresentação e consulta de conteúdos (artigos científicos essencialmente) na área da saúde. O projeto manifestava um problema de apresentação de conteúdos de artigos científicos num portal disponibilizado essencialmente para um público especializado, mas também para consulta dos mais interessados, público em geral. Em pormenor são referidas algumas das falhas encontradas: Estruturas diferentes de documentos; Índices não remissivos; Inconsistência na disponibilização dos artigos alguns com toda a informação ou partes desta, outros apenas disponíveis para download. O projeto Trimbos teve como objetivo o desenho funcional de um protótipo de um portal colaborativo, o qual apresentasse a informação estruturada dos artigos científicos com o máximo de interação dinâmica no site. A plataforma colaborativa usada como base neste projeto assentou no SharePoint (ver Cap.2.1.) e o desenvolvimento da maquete funcional utilizou a ferramenta Microsoft Office PowerPoint. Durante o decorrer deste projeto as várias fases do seu ciclo de vida envolvidas foram a análise, desenho e documentação. Com o enquadramento acima apresentado as restantes subseções serão referentes à informação relativa às tarefas desempenhadas para o sucesso do projeto, o desenvolvimento da maquete, e os resultados finais obtidos. Funções desempenhadas Após uma reunião inicial com o representante do cliente para apurar o âmbito do projeto, seus problemas e objetivos, os próximos passos foram os seguintes: 58

76 Análise de Requisitos reuniões constantes para averiguar e perceber o que realmente faria sentido ter no portal como funcionalidades. Consulta do estado atual do portal já existente para aferir em que ponto de situação se está e fazer uma ponte do que têm, para o que devem e podem ter. Tendo sempre a sensibilidade de simplificar e não alterar demasiado, sempre que possível, a composição do site. Pesquisa de portais semelhantes, funcionalidades relevantes e ideias construtivas o Consulta de outros sites com um propósito semelhante. o Procura de Web Parts que possam trazer um bom contributo e ao mesmo tempo simplicidade. Criação da maquete funcional (ver subseção seguinte). Pesquisa de soluções no mercado para implementar as funcionalidades apresentadas o Consulta de Web Parts já desenvolvidas e disponíveis no mercado para aquisição. o Consulta de tempo despendido para customizar uma Web Part. Registo documental da estrutura do site com base nas Web Parts apropriadas e soluções encontradas para implementação das mesmas. Apresentação da possível solução ao cliente. Planeamento inicial do projeto (estimativas) utilizando os conhecimentos adquiridos na disciplina de Gestão de Projetos da minha Licenciatura em Sistemas e Tecnologias de Informação e consultando colaboradores mais experientes para ter uma noção do tempo preciso para concretizar as tarefas necessárias. Maquete Funcional A criação da maquete funcional desenvolvida em Microsoft Office PowerPoint consistiu em várias definições relativas a: Master Page Page Layouts Site Collections o Sites o Web Parts o Conteúdo o Estrutura e apresentação do conteúdo Estrutura de navegação Pesquisa 59

77 Área Pessoal Fórum Sugestões o Plataforma de crowd funding sítio onde são registados e propostos projetos com o intuito de obter capital através de pessoas singulares ou potenciais investidores coletivos. o Formulário para expor um(a) contributo/ideia para desenvolvimento de investigação. Em anexo encontram-se algumas imagens referentes à maquete desenvolvida (Anexos LXVI a LXX). Considerações Finais O projeto utilizou uma abordagem de modelos iterativos para uma boa gestão e controle de projeto. Nomeadamente o modelo baseado em protótipos e o modelo ágil SCRUM com reuniões diárias para apresentação do trabalho feito até então, esclarecimento de dúvidas face a quaisquer questões relacionadas e feedback respetivo. O resultado obtido foi um sucesso tendo o cliente e o seu representante ficado bastante satisfeitos com o trabalho e a solução apresentadas Solução de Gestão de Atendimento Pontualmente estive envolvida na entrada em produção do projeto da Câmara Municipal da Solução de Gestão de Atendimento para dar apoio à equipa de CRM da Unisys. O trabalho consistiu no suporte aos colaboradores da Câmara com a solução ubpm (ver Cap.2.5) e correção de problemas encontrados, especificamente na organização da árvore de meta dados. 60

78 Capítulo 4 Conclusão O rápido desenvolvimento e evolução da informática nos últimos anos trouxe o aparecimento do BPM e a sua contribuição para um melhor alcance de resultados nas empresas. Apesar deste acontecimento, como pude constatar na minha experiência pessoal e profissional, ainda existe um grande número de empresas que ainda não tem os seus processos automatizados a trazer valor acrescentado para o seu negócio. Surpreendentemente até empresas de consultoria informática ainda estão atrasadas neste nível (comprovação feita neste trabalho descrita no Cap.3.2), tanto que contratam serviços externos de outras empresas da mesma área para realizar este tipo de trabalho. O ganho está a nível de tempo e dinheiro a longo prazo. Em contrapartida é bastante dispendioso a curto prazo e depende da qualidade do serviço prestado pelo fornecedor. Independentemente das razões que levaram à contratação deste tipo de serviço, é de considerar a hipótese da construção de uma equipa ou até mesmo de um departamento que gira todo o desenvolvimento e implementação do trabalho interno, pois existe sempre a manutenção desse mesmo trabalho e também novos desafios a abraçar. Assim, podem poupar-se situações como a integração de um colaborador na equipa externa, também este tendo outras funções a desempenhar na empresa e tempo limitado, e a formação rápida e por vezes insuficiente dada pelo fornecedor do serviço. Futuramente, as empresas irão cada vez mais ter soluções de Gestão Documental e desmaterialização de processos com o intuito de se tornarem mais competitivas e trazerem valor acrescentado para o seu negócio. A informação centralizada e acessível de forma mais rápida, os processos uniformizados, automatizados, otimizados, registados e controlados são algumas das vantagens que o BPM traz a nível mundial não só a nível de negócio e sua gestão mas também a nível governativo de cada país, incluindo áreas como a educação e a saúde. Em relação ao trabalho desenvolvido ao longo destes nove meses de estágio, este foi bastante positivo e produtivo, apesar de desconhecer os reais contributos das implementações de BPM nos vários projetos envolvidos (e.g. eficiência). Sobre alguns 61

79 projetos não houve uma clara informação sobre os seus resultados após entrada em produção, e noutros não houve a possibilidade de alcançar essa fase por diversas razões, entre as quais, o decorrer da continuação da desmaterialização de mais processos na organização e o decorrer do projeto em si como um todo. O projeto principal é um destes casos, em que ainda existe questões por validar e muitos processos a desmaterializar, não só do departamento estudado, como de outros serviços relevantes ao bom funcionamento de uma câmara. Como seria de esperar o sector público é um grande desafio e constitui uma enorme meta a alcançar. Num futuro próximo é desejável que se consiga colocar este sistema a funcionar corretamente, principalmente em Portugal. 4.1 Reflexão Em todos os projetos envolvidos tentei sempre dar o meu melhor e fazer um bom trabalho, sem nunca descuidar a formação académica que ainda tinha em falta. Apresentei sugestões e opiniões sempre que necessário, colocando perguntas pertinentes para atingir os objetivos profissionais. A redação dos dois relatórios foi deixada para último lugar por falta de tempo, mas como a qualidade é o mais importante, a preferência recaiu sobre prolongar a escrita da dissertação para garantir um melhor resultado. Acabei por adquirir várias competências técnicas relativas a várias ferramentas de BPM e a capacidade de saltar de umas para as outras com alguma agilidade e compreensão da diferença e completude de cada uma delas de acordo com o âmbito de cada projeto. A experiência profissional permitiu retirar várias conclusões sobre o mundo profissional e o seu funcionamento obtendo uma balança de pontos positivos e menos positivos. Pelo lado mais positivo temos a integração no mercado de trabalho por um período mais longo do que o já obtido noutra experiência, os projetos interessantes nos vários sectores e a integração e colaboração com várias equipas. A contribuição de melhoria de negócio nas várias empresas, as competências adquiridas e a experiência em si também foram pontos gratificantes extraídos do trabalho. Como aspetos menos positivos apresenta-se a consolidação da ideia inicial de que as empresas não investem muito na formação dos seus colaboradores; a comunicação limitada com o cliente e a transparência da informação com a equipa de desenvolvimento sobre alterações no projeto ou decisões discutidas em reuniões; e a pouca visualização do trabalho no dia-adia por parte dos gestores de projeto de ambas as organizações, assim como a constante pressão de um trabalho bem executado de uma forma rápida. 62

80 4.2 Trabalho Futuro É meu desejo especializar-me nesta área de BPM e BI pois ambas se completam. A primeira gere todos os processos de negócio corrigindo todas as falhas que possam ter existido no passado e possam existir no presente, e a segunda gere toda uma quantidade de informação proveniente desses processos, analisando-a, tratando-a e extraindo-a, por exemplo, sob a forma de relatórios e fornecendo alguns indicadores de desempenho. Os sectores onde gostaria de me focar mais e desempenhar as minhas funções são a Administração Pública e a Saúde, porque são neste momento os que se encontram mais atrasados a nível de organização e gestão de processos interligados com uma comunicação central entre todos os intervenientes do negócio. 63

81 Abreviaturas AD Active Directory AMOS Application Modernization and Outsourcing Services BAM Business Activity Monitoring BD Base de Dados BI Business Intelligence BPM Business Process Management BPMN Business Process Model and Notation BPMS Business Process Management Systems BPR Business Process Reengineering CM Câmara Municipal CRM Customer Relationship Management DCT Data Center Transformation EAI Enterprise Application Integration ERP Enterprise Resource Planning Fig. Figura FS Federal Systems GMS Global Managed Services HTML HyperText Markup Language IIS Internet Information Services IM Instant Messaging KPI Key Performance Indicator PT Portugal SCM Supply Chain Management 64

82 Service App Service Application SMS Short Message Service SP SharePoint TCIS Technology, Consulting and Integration Solutions TI Tecnologias de Informação TQM Quality Management ubpm Unisys Business Process Management URL Uniform Resource Locator USB Unified Social Business Web App Web Application WFM Work Flow Management XML extensible Markup Language 65

83 Glossário Active Directory Software que armazena informações sobre objetos (e.g. utilizadores, grupos de utilizadores) em redes de computadores. Add-In Componente de outra ferramenta que é usada em conjunto com outra, ou foi desenhada para esse propósito. Estende as capacidades da mesma. Ad-hoc Finalidade específica. Ambiente de Trabalho Interface gráfica/espaço virtual de trabalho com todas as funcionalidades da ferramenta onde os utilizadores interagem com esta. Bing Motor de pesquisa da Microsoft. BizTalk Solução da Microsoft que permite a integração de aplicações empresariais, automação de processos de negócio, comunicação entre negócios, corretor de mensagens e monitoramento de atividades de negócio (BAM). Branding Configurações gerais a nível gráfico aplicadas ao portal. Estilo do portal, ou seja, cores, tipo de letra, tamanho do tipo de letra, imagens, estrutura da master page, entre outros. Branding Configurações gerais a nível gráfico aplicadas ao portal. Estilo do portal, ou seja, cores, tipo de letra, tamanho do tipo de letra, imagens, estrutura da master page, entre outros. Breadcrumb Funcionalidade que permite a navegação desde o caminho inicial até ao local onde nos encontramos neste momento. Circuito Caminho com princípio, meio e fim. Conjunto de atividades sequenciais para atingir determinado objetivo. Cloud computing É a utilização de recursos partilhados, software e informação proveniente de outros computadores e/ou dispositivos, através da Internet. É considerado um serviço pois disponibiliza e partilha recursos online. Complexas Elaboradas; que encerra várias coisas ou componentes; difíceis; conjunto de coisas ligadas por um nexo. 66

84 Comunidade Expertise Pessoa ou conjunto de pessoas especializadas numa determinada matéria. Partilham o seu conhecimento, respondem a dúvidas e publicam informações e resultados relevantes á área em questão. Consistente Duradouro, executado sempre da mesma maneira. Dashboard Painel composto por representações gráficas retiradas dos KPIs. Resultado final na fase BAM exposto num painel. Data centres/centro de Dados Local físico onde se encontram equipamentos informáticos, tais como os servidores, dispositivos de armazenamento de dados (storage) e dispositivos de rede (switches routers). Download Opção de descarregar uma solução, documento ou objeto. Drag-and-drop Seleção, Arrastamento e Soltura de um objeto. Drop down Caixa de seleção de opções. Dynamics Software de CRM. ERP Sistema de informação que integra todos os dados e processos de uma organização. Exception handling Atividades de tratamento de ocorrência de um erro. Fase de Análise Levantamento e especificação de requisitos. Fase de Desenho esboços, representações gráficas da estrutura dos vários elementos que compõem a solução. Fase de Implementação real desenvolvimento da solução. Testes unitários, de módulos, de integração, entre outros, realizados pelos colaboradores da empresa fornecedora. Fase de Operação Garantia e suporte. Fase de Planeamento Definição dos objetivos do projeto. Análise da situação atual da empresa face ao serviço ou produto requerido. Recursos necessários. Análise de viabilidade do projeto. Análise e definição de riscos. Tempo estimado. Elaboração de uma proposta. Fase de Transição Instalação de equipamentos e/ou software. Formação. Testes de aceitação feitos pelos utilizadores e testados no ambiente real. Documentação. Passagem a produção. Features Pacotes de funcionalidade que quando são ativados fazem despoletar alguma ação no sistema. 67

85 Framework Conjunto de classes que colaboram entre si para atingir uma ou mais funcionalidades de um subsistema de uma aplicação. Grafismo Aspeto gráfico. E.g. cores, tipo e tamanho de letra, espaçamento, entre outros. Hardware Equipamento físico. High-end Tecnologia ou equipamento de alta qualidade. Hyper-V Tecnologia de virtualização. Instant Messaging é uma aplicação que permite o envio e recebimento de mensagens em tempo real via online/web. Com acesso na rede. Key Performance Indicators Parâmetros chave de medição que indicam o desempenho e sucesso de uma organização ou de um determinado processo. Master Page Template de página que é aplicado em todo o site contendo definições de estilo, menus, cabeçalhos e rodapés. Microsoft Visual Studio 2013 Ferramenta Microsoft versão 2013 para desenvolvimento de software. Modelo Documental Template de documento. Nintex Forms Ferramenta Nintex para desenvolvimento de formulários para SharePoint. Office 365 Serviço de subscrição que permite aceder às ferramentas do Microsoft Office (Word, PowerPoint, Excel, OneNote, Outlook, Access, Publisher, Lync) através do acesso online. Outsourcing Forma de contratação/trabalho. Um colaborador pertence a uma empresa mas trabalha no seu dia-a-dia no cliente. Recurso humano cedido a outra empresa. Pacote Pedaços de código referentes a uma funcionalidade. Estão contidos numa classe, biblioteca ou pasta. Page Layouts Templates de páginas com as áreas dos elementos definidas. Processo Conjunto de atividades que contribuem para um determinado objetivo, as quais criam valor para o cliente, e seguem um caminho end-to-end. Reporting Atividade de geração de relatórios. Short Message Service permite o envio de mensagens para dispositos móveis. 68

86 Spear phishing É uma forma eletrónica de roubar dados confidenciais de uma determinada organização através de um , normalmente de destinatário confiável. Supply Chain Management Sistema que contém toda a informação sobre o fluxo de mercadorias de uma organização, desde o ponto de origem, fornecedor, até ao ponto de consumo, consumidor. Integra os processos de negócio e suas matérias-primas. Template Estrutura definida, que segue um padrão. Twitter Rede social. URL Endereço de um recurso disponível em rede. Neste caso específico de um endereço de um web site. Web Part Componente que tem como objetivo apresentar/disponibilizar informação numa página de SharePoint. Web Service Solução com âmbito na integração e comunicação de aplicações diferentes transpostas num formato único, XML, através da Internet. Workflow Processo, fluxo de trabalho informatizado. Conjunto de atividades que contribuem para um determinado objetivo de negócio. 69

87 Bibliografia [1] About Invensys Skelta BPM Components of Skelta BPM and Workflow software for enterprises. (n.d.). Retrieved Dezembro 2013, from Invensys Skelta Business Process Management for All: [2] Business Processs Management software for enterprises. Collaboration for enterprises made easy with Skelta BPM. (n.d.). Retrieved Dezembro 2013, from Invensys Skelta Business Processs Management for All: [3] Deployment overview (SharePoint Server 2010). (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from SharePoint: [4] Descrição Geral do SharePoint funcionalidades do software de colaboração - Office.com. (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from Office: funcionalidades-do-software-de-colaboracao-fx aspx [5] Flório, J. (2013). IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÕES DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT NO SECTOR BANCÁRIO E SEGURADOR. Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. [6] - sharepoint (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from ARQUICONSULT: %20sharepoint% pdf [7] Hughes, M. (n.d.). SharePoint 365» SharePoint 2010 / 2013 / OnlineIntroduction to SharePoint Designer 2010» SharePoint 365. Retrieved Julho 2014, from SP365.co.uk: [8] Industry experts. (n.d.). What is BPM? Retrieved Agosto 2014, from bpm.com: 70

88 [9] Logical architecture components (SharePoint Server 2010). (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from SharePoint : [10] Nintex. (n.d.). Workflow for SharePoint Nintex. Retrieved Julho 2014, from Nintex *Workflow for Everyone*: US/Products/Pages/NintexWorkflow.aspx [11] O que é o Microsoft Sharepoint? (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from ARQUICONSULT: [12] Office 365 Médias Empresas - software de produtividade - Office.com. (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from Office: [13] Overview of sites and site collections in SharePoint (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from SharePoint : [14] Santos, V. (2012). Slides da disciplina de BPM. Lisboa: Instituto Supeior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. [15] SharePoint 2010 Products. (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from SharePoint: [16] Silva, A. (2013). DESENVOLVIMENTO DE PLATAFORMA DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SOBRE SHAREPOINT Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. [17] Team, S. D. (n.d.). Server Architecture Object Model Overview - SharePoint dev blog - Site Home - MSDN Blogs. Retrieved Dezembro 2013, from SharePoint dev blog: [18] Unisys (Portugal) - Sistemas de Informação, S.A. (n.d.). Documentos Internos. Porto Salvo. [19] Unisys Portugal - Fornecedor de Soluções para TI de missão crítica. (n.d.). Retrieved Novembro 2013, from Unisys Portugal: [20] Wong, W. P. (2013, Maio 9). Business-process management: a proposed framework for future research, Total Quality Management & Business Excellence. Retrieved Agosto 25, 2014, from b-on biblioteca de conhecimento online: 71

89 Anexos Anexos Anexo I - Arquitetura Lógica do SharePoint Anexo II - Arquitetura do Skelta BPM.Net Anexo III Tarefas a Realizar Anexo IV Tarefas Concluídas Anexo V Alertas Anexo VI - BAM Anexo VII Arquivo Corrente/Gestão Documental Anexo VIII Configuração de atividade de consulta (Query List) Anexo IX Configurações de atividade de ordenação de coleção Anexo X Configurações de atividade de criação de um item numa lista de SharePoint Anexo XI - Formulário Skelta da atividade Validar e Registar Pedido no SGA 83 Anexo XII - Formulário Skelta da atividade Contactar Munícipe (Opção Telefone) Anexo XIII - Formulário Skelta da atividade Contactar Munícipe (Opção Ofício/ ) Anexo XIV - Formulário Skelta da atividade Efetuar Despacho Anexo XV - Formulário Skelta da atividade Assinar Ofício Anexo XVI - Formulário Skelta da atividade Enviar Ofício ao Munícipe Anexo XVII - Formulário Skelta da atividade Enviar Requerimento ao Vereador Anexo XVIII - Formulário Skelta da atividade Atualizar SGA

90 Anexo XIX - Formulário Skelta da atividade Arquivar Processo e Arquivo Morto Anexo XX - Validação de um campo de texto (Propriedades) Anexo XXI - Validação de um campo de texto (Script de Obrigatoriedade) Anexo XXII - Validação de um campo de texto (Script de Validação Geral de Submissão) Anexo XXIII - Validação de um campo de anexo (Propriedades) Anexo XXIV - Validação de um campo de anexo (Script de Visibilidade) Anexo XXV - Validação de um campo de anexo (Script de Validação Geral de Submissão) Anexo XXVI - Validação de um botão (Propriedades Avançadas) Anexo XXVII - Validação de um botão (Script On click) Anexo XXVIII - Validação de um botão (Propriedades) Anexo XXIX - Validação de um botão (Script de Validação Geral de Submissão) Anexo XXX - Concretização de uma Validação na Submissão de um Formulário Anexo XXXI Desenho do Workflow Processo de Ligação Geral Rede Água 102 Anexo XXXII Desenho do Workflow Processo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água Anexo XXXIII - Workflow Skelta do Processo de Ligação Geral Rede Água (Parte I) Anexo XXXIV Workflow Skelta do Processo de Ligação Geral Rede Água (Parte II) Anexo XXXV Solução detalhada do Processo Ligação Geral Rede Água Anexo XXXVI Workflow Skelta da Vista do Processo de Ligação Geral Rede Água Anexo XXXVII Workflow Skelta do Processo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água Anexo XXXVIII - Solução detalhada do Processo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água Anexo XXXIX Criação de uma Queue

91 Anexo XL Atribuição de Participantes (Grupos) Anexo XLI - Atribuição de Participantes (Seleção Grupos) Anexo XLII Atribuição de Participantes (Utilizadores) Anexo XLIII Atribuição de Participantes (Seleção Utilizadores) Anexo XLIV Opções de Seleção nos Participantes Anexo XLV Visualizar utilizadores Anexo XLVI Atribuição de Permissões aos Participantes Anexo XLVII Escalation I Anexo XLVIII Escalation II Anexo XLIX Criação de um Content Type em XML Anexo L Criação de uma Lista através de um Event Receiver da mesma Anexo LI Criação de uma Biblioteca através de um Event Receiver da mesma Anexo LII Desenho do Workflow Aprovação de Requisição de Compra Anexo LIII Desenho do Workflow Aprovação de Faturas Anexo LIV Solução detalhada do Processo de Aprovação de Requisição de Compra Anexo LV Solução detalhada do Processo de Aprovação de Faturas Anexo LVI Modelo Colaborativo Anexo LVII Site Collection com Web Parts Anexo LVIII Página de um Subsite com Web Parts Anexo LIX Desenho do Workflow de Pedidos Administrativos Anexo LX Formulário de Pedido Administrativo (Site Collection) Anexo LXI Formulário de Pedido Administrativo (Incremento de Quota de Site Collection) Anexo LXII Formulário de Pedido Administrativo (Projetos Transversais). 155 Anexo LXIII Formulário do Aprovador 1 Chefe Hierárquico Anexo LXIV Formulário do Aprovador 2 Diretor Anexo LXV Formulário do Aprovador 3 Equipa de SharePoint Online Anexo LXVI Maquete Funcional (Home Page)

92 Anexo LXVII Maquete Funcional (Pesquisa) Anexo LXVIII Maquete Funcional (Site Collection) Anexo LXIX Maquete Funcional (Estrutura e apresentação de conteúdo) Anexo LXX Maquete Funcional (Sugestões Plataforma de Crowd Funding)

93 Anexo I - Arquitetura Lógica do SharePoint 76

94 Anexo II - Arquitetura do Skelta BPM.Net 77

95 Anexo III Tarefas a Realizar Anexo IV Tarefas Concluídas 78

96 Anexo V Alertas Anexo VI - BAM 79

97 Anexo VII Arquivo Corrente/Gestão Documental 80

98 Anexo VIII Configuração de atividade de consulta (Query List) 81

99 Anexo IX Configurações de atividade de ordenação de coleção Anexo X Configurações de atividade de criação de um item numa lista de SharePoint 82

100 Anexo XI - Formulário Skelta da atividade Validar e Registar Pedido no SGA 83

101 Anexo XII - Formulário Skelta da atividade Contactar Munícipe (Opção Telefone) 84

102 Anexo XIII - Formulário Skelta da atividade Contactar Munícipe (Opção Ofício/ ) 85

103 Anexo XIV - Formulário Skelta da atividade Efetuar Despacho 86

104 Anexo XV - Formulário Skelta da atividade Assinar Ofício 87

105 Anexo XVI - Formulário Skelta da atividade Enviar Ofício ao Munícipe 88

106 Anexo XVII - Formulário Skelta da atividade Enviar Requerimento ao Vereador 89

107 Anexo XVIII - Formulário Skelta da atividade Atualizar SGA 90

108 Anexo XIX - Formulário Skelta da atividade Arquivar Processo e Arquivo Morto 91

109 Anexo XX - Validação de um campo de texto (Propriedades) 92

110 Anexo XXI - Validação de um campo de texto (Script de Obrigatoriedade) 93

111 Anexo XXII - Validação de um campo de texto (Script de Validação Geral de Submissão) 94

112 Anexo XXIII - Validação de um campo de anexo (Propriedades) 95

113 Anexo XXIV - Validação de um campo de anexo (Script de Visibilidade) if(control.findbyid(/*meio de contacto */"R1").Value == "Oficio" Control.FindById(/*Meio de contacto */"R1").Value == " "){ return true; } else return false; Anexo XXV - Validação de um campo de anexo (Script de Validação Geral de Submissão) 96

114 Anexo XXVI - Validação de um botão (Propriedades Avançadas) 97

115 Anexo XXVII - Validação de um botão (Script On click) /*Validar Campos*/ while(control/*btencaminhar*/.validate() == false){ return false; } /*Imprimir Campos*/ print "\n" + "Pedido corretamente instruído: " + Control.FindById(/*Pedido corretamente instruído*/"d2").value + "\n" + "Consumidor tem dívidas: " + Control.FindById(/*Consumidor tem dívidas */"D1").Value + "\n" + "Nº Pedido SGA: " + Control.FindById(/*Nº Pedido SGA*/"N1").Value + "\n" + "Detalhe: " + Control.FindById(/*Comentários*/"T1").Value; /*Submeter Pedido*/ CurrentBehaviour="Submit"; return true; 98

116 Anexo XXVIII - Validação de um botão (Propriedades) 99

117 Anexo XXIX - Validação de um botão (Script de Validação Geral de Submissão) 100

118 Anexo XXX - Concretização de uma Validação na Submissão de um Formulário 101

119 Anexo XXXI Desenho do Workflow Processo de Ligação Geral Rede Água 102

120 Anexo XXXII Desenho do Workflow Processo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água 103

121 Anexo XXXIII - Workflow Skelta do Processo de Ligação Geral Rede Água (Parte I) 104

122 Anexo XXXIV Workflow Skelta do Processo de Ligação Geral Rede Água (Parte II) 105

123 Anexo XXXV Solução detalhada do Processo Ligação Geral Rede Água Assim que o pedido é registado pelo lado do CRM, o sistema iniciará o fluxo de Ligação Geral Rede Água, prosseguindo da seguinte forma: 1. Atualização do estado do Processo para Submetido. 2. Envio de atividade (Analisar o requerimento e documentos anexos no BPM & Registar pedido no SGA e atualizar BPM com o nº do SGA) para Serviço A (fila respetiva) 2.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Se o consumidor tem dívidas Adicionar registo de atividade no histórico - separador Movimentos do formulário do Processo no ubpm Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio da atividade Contactar Munícipe para Serviço A (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Se o meio de contacto ao Munícipe foi por telefone Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio da atividade (ponto 2.5.4) Caso contrário, se o meio foi ofício ou Adicionar documento ao Processo Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 2.5.4) Envio de atividade Rececionar Pagamento para Serviço B Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm. 106

124 Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio da atividade (ponto 3) Caso contrário, o consumidor não tem dívidas Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 3). 3. Envio de atividade Efetuar Despacho para Serviço C 3.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade com aprovação ou rejeição do Despacho Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm O sistema cria automaticamente o Despacho com base no campo Despacho da atividade e com todo o histórico do Processo Adicionar documento ao Processo Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Adicionar link para Despacho no formulário da próxima atividade Envio de atividade (ponto 4). 4. Envio de atividade Assinar Despacho para utilizador que realizou a tarefa Efetuar Despacho 4.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Assinar digitalmente documento Gravar documento Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Se o Despacho foi Aprovado na atividade anterior Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade Emitir Ordem via SGA para Serviço A Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 107

125 Envio de atividade (ponto 4.6.3) Envio de atividade Executar Serviço para Serviço A Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 4.6.4) Envio de atividade Registar Execução do Serviço para Serviço D Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Se existir Pagamento Adicional Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 4.6.5) Caso contrário, se não existir Pagamento Adicional Adicionar registo de atividade no histórico (ponto 5) Envio de atividade Elaborar Ofício para Serviço A Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar documento ao Processo Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Adicionar link para Ofício no formulário da próxima atividade Envio de atividade (ponto 4.6.6) Envio de atividade Assinar Ofício para Serviço A Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas). 108

126 Execução da atividade (Assinar digitalmente documento & Gravar documento) OU (Anexar documento) Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Se Ofício foi assinado digitalmente Adicionar documento ao Processo Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 4.6.7) Caso contrário, o Ofício foi anexado Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 4.6.7) Envio de atividade Enviar Ofício ao Expediente para Serviço A Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 4.6.8) Envio de atividade Enviar Ofício Munícipe para Serviço E Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico (ponto 5) 4.7. Caso contrário, se o Despacho foi Rejeitado Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Envio de atividade (ponto 4.6.5) Envio de atividade (ponto 4.6.6) Envio de atividade (ponto 4.6.7) Envio de atividade (ponto 4.6.8) 5. Atualização do estado da Tramitação para Concluído. 109

127 6. Adicionar registo no histórico. 7. Atualização do estado do Processo para Arquivado. 8. Adicionar registo no histórico. 9. O fluxo termina. 110

128 Anexo XXXVI Workflow Skelta da Vista do Processo de Ligação Geral Rede Água 111

129 Anexo XXXVII Workflow Skelta do Processo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água 112

130 Anexo XXXVIII - Solução detalhada do Processo de Rescisão do Contrato de Fornecimento de Água Assim que o pedido é registado pelo lado do CRM, o sistema iniciará o fluxo de Ligação Geral Rede Água, prosseguindo da seguinte forma: 1. Atualização do estado do Processo para Submetido. 2. Envio de atividade (Analisar o requerimento e documentos anexos no BPM & Registar pedido no SGA e atualizar BPM com o nº do SGA) para Serviço A (fila respetiva) 2.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 3. Envio de atividade Emitir Ordem via SGA para Serviço A 3.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 4. Envio de atividade Efetuar Serviço para Serviço A 4.1. Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 5. Envio de atividade Registar Execução do Serviço para Serviço B 5.1. Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Se existir Pagamento Adicional Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 113

131 Envio de atividade (ponto 6) 5.6. Caso contrário, se não existir Pagamento Adicional Adicionar registo de atividade no histórico (ponto 11) 6. Envio de atividade Enviar Requerimento ao Vereador para Serviço A 6.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar documento ao Processo Adicionar link para documento no formulário da próxima atividade Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 7. Envio de atividade Efetuar Despacho para Serviço C 7.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade com aprovação ou rejeição do Despacho Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm O sistema cria automaticamente o Despacho com base no campo Despacho da atividade e com todo o histórico do Processo Adicionar documento ao Processo Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas Adicionar link para Despacho no formulário da próxima atividade. 8. Envio de atividade Assinar Despacho para utilizador que realizou a tarefa Efetuar Despacho 8.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Assinar digitalmente documento Gravar documento Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 9. Envio de atividade Atualizar SGA para Serviço A 9.1. (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade 9.3. Revogação da permissão anterior. 114

132 9.4. Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico Adicionar registo nas Tarefas Concluídas. 10. Envio de atividade Arquivar no Processo do Consumidor e Arquivar na Pasta do Arquivo Morto (Atribuição de permissão a quem escolheu a atividade) & (Acionar alertas) Execução da atividade Revogação da permissão anterior Atribuição de permissão de leitura do processo no ubpm Adicionar registo de atividade no histórico. 11. Atualização do estado da Tramitação para Concluído. 12. Adicionar registo no histórico. 13. Atualização do estado do Processo para Arquivado. 14. Adicionar registo no histórico. 15. O fluxo termina. 115

133 Anexo XXXIX Criação de uma Queue 116

134 Anexo XL Atribuição de Participantes (Grupos) 117

135 Anexo XLI - Atribuição de Participantes (Seleção Grupos) 118

136 Anexo XLII Atribuição de Participantes (Utilizadores) 119

137 Anexo XLIII Atribuição de Participantes (Seleção Utilizadores) 120

138 Anexo XLIV Opções de Seleção nos Participantes 121

139 Anexo XLV Visualizar utilizadores 122

140 Anexo XLVI Atribuição de Permissões aos Participantes 123

141 Anexo XLVII Escalation I 124

142 Anexo XLVIII Escalation II 125

143 Anexo XLIX Criação de um Content Type em XML <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Elements xmlns="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/"> <!-- #Region Requisition fields --> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1B}" StaticName="IDRequisition" Name="IDRequisition" DisplayName="Requisition Nr." Type="Text" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1C}" StaticName="Confidentiality" Name="Confidentiality" DisplayName="Confidentiality" Type="Choice" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <CHOICES> <CHOICE>Confidential</CHOICE> <CHOICE>Non Confidential</CHOICE> <CHOICE>Restricted Confidential</CHOICE> <CHOICE>Secret</CHOICE> </CHOICES> <Default>Restricted Confidential</Default> </Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1D}" StaticName="Currency" Name="Currency" DisplayName="Currency" Type="Choice" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <CHOICES> <CHOICE>EUR</CHOICE> <CHOICE>USD</CHOICE> <CHOICE>KZ</CHOICE> <CHOICE>MT</CHOICE> <CHOICE>REAL</CHOICE> </CHOICES> <Default>EUR</Default> </Field> 126

144 <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1E}" StaticName="BaseAmount" Name="BaseAmount" DisplayName="Base Amount" Type="Number" Decimals="2" Min=" " Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields" /> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1F}" StaticName="CostTaxAmount" Name="CostTaxAmount" DisplayName="Tax with Cost Amount" Type="Number" Decimals="2" Min=" " Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields" /> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2A}" StaticName="TaxAmount" Name="TaxAmount" DisplayName="Tax without Cost Amount" Type="Number" Decimals="2" Min=" " Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields" /> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2B}" StaticName="TotalAmount" Name="TotalAmount" DisplayName="Total Amount" Type="Calculated" ResultType="Number" Decimals="2" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <Formula>=BaseAmount+CostTaxAmount+TaxAmount</Formula> <FieldRefs> <FieldRef Name="BaseAmount" /> <FieldRef Name="CostTaxAmount" /> <FieldRef Name="TaxAmount" /> </FieldRefs> </Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2C}" StaticName="BaseAmountCounterValue" Name="BaseAmountCounterValue" DisplayName="Base Amount Counter Value" Type="Text" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/field"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2D}" StaticName="CostTaxAmountCounterValue" Name="CostTaxAmountCounterValue" DisplayName="Tax with Cost Counter Value" Type="Text" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/field"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2E}" StaticName="TaxAmountCounterValue" Name="TaxAmountCounterValue" DisplayName="Tax 127

145 without Cost Counter Value" Type="Text" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/field"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2F}" StaticName="TotalAmountCounterValue" Name="TotalAmountCounterValue" DisplayName="Total Amount Counter Value" Type="Text" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/field"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3A}" StaticName="PaymentMethod" Name="PaymentMethod" DisplayName="Payment Method" Type="Choice" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <CHOICES> <CHOICE>Cash</CHOICE> <CHOICE>Credit Card</CHOICE> <CHOICE>Bank Transfer</CHOICE> <CHOICE>Debit Card</CHOICE> <CHOICE>Check</CHOICE> </CHOICES> <Default>Credit Card</Default> </Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3B}" StaticName="PaymentCondition" Name="PaymentCondition" DisplayName="Payment Condition" Type="Text" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3F}" StaticName="ReasonDescription" Name="ReasonDescription" DisplayName="Reason Description" Description="Reason or Description" Type="Note" RichText="FALSE" NumLines="6" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields" ></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1A}" StaticName="SaleType" Name="SaleType" DisplayName="SaleType" Type="Choice" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <CHOICES> 128

146 <CHOICE>Property</CHOICE> <CHOICE>Service</CHOICE> </CHOICES> <Default>Property</Default> </Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D4F}" StaticName="ExpectedDate" Name="ExpectedDate" DisplayName="Expected Date" Type="DateTime" Format="MonthYearOnly" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D4E}" StaticName="ValueType" Name="ValueType" DisplayName="Value Type" Type="Choice" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <CHOICES> <CHOICE>Real</CHOICE> <CHOICE>Predicted</CHOICE> </CHOICES> <Default>Real</Default> </Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D4A}" StaticName="Periodicity" Name="Periodicity" DisplayName="Periodicity" Type="Choice" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <CHOICES> <CHOICE>Oneshot</CHOICE> <CHOICE>Monthly</CHOICE> <CHOICE>Yearly</CHOICE> <CHOICE>Trimonthly</CHOICE> </CHOICES> <Default>Oneshot</Default> </Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5A}" StaticName="ApprovalLimitDate" Name="ApprovalLimitDate" DisplayName="Approval Limit Date" 129

147 Description="Approval Limit Date" Type="DateTime" Format="DateOnly" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5B}" StaticName="SubmitDate" Name="SubmitDate" DisplayName="Submit Date" Description="Submit Date" Type="DateTime" Format="DateTime" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5C}" StaticName="ApprovalComment" Name="ApprovalComment" Description="Approval Comment" DisplayName="Approval Comment" Type="Note" RichText="FALSE" NumLines="6" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5D}" StaticName="RequisitionStatus" Name="RequisitionStatus" DisplayName="Requisition Status" Type="Choice" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"> <CHOICES> <CHOICE>Draft</CHOICE> <CHOICE>Submitted</CHOICE> <CHOICE>Approved</CHOICE> <CHOICE>Rejected</CHOICE> <CHOICE>Cancelled</CHOICE> </CHOICES> <Default>Draft</Default> </Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5E}" StaticName="OnBehalfOf" Name="OnBehalfOf" DisplayName="On Behalf Of" Type="User" UserSelectionMode="PeopleOnly" ShowField="Name" Required="FALSE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D6A}" StaticName="EntityName" Name="EntityName" DisplayName="Entity Name" Type="Text" Required="TRUE" 130

148 Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D6B}" StaticName="EntityID" Name="EntityID" Hidden="TRUE" DisplayName="Entity ID" Type="Text" Required="TRUE" Group="Maksen" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields"></Field> <!-- #EndRegion Requisition fields --> <!-- #Region Requisition Line fields --> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5F}" StaticName="EntityNIF" Name="EntityNIF" DisplayName="Entity NIF" Type="Text" Required="TRUE" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields" Group="Maksen"></Field> <Field ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3C}" StaticName="LegalEntity" Name="LegalEntity" DisplayName="Legal Entity" Type="TaxonomyFieldType" Required="TRUE" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields" Description="Legal Entity" ShowField="Term1033" > Group="Maksen" <Customization> <ArrayOfProperty> <Property> <Name>TextField</Name>; <Value xmlns:q6="http://www.w3.org/2001/xmlschema" p4:type="q6:string" xmlns:p4="http://www.w3.org/2001/xmlschemainstance">{46715fc0-a139-4a d90e3d3d}</value> </Property> </ArrayOfProperty> </Customization> </Field> <Field Type="Note" DisplayName="LegalEntity_0" StaticName="LegalEntityTaxHTField0" Name="LegalEntityTaxHTField0" ID="{46715FC0- A139-4A D90E3D3D}" 131

149 ShowInViewForms="FALSE" Required="TRUE" Hidden="TRUE" CanToggleHidden="TRUE" Group="Maksen" RowOrdinal="0" SourceID="http://schemas.microsoft.com/sharepoint/v3/fields" /> <!-- #EndRegion Requisition Line fields --> <!-- Parent ContentType: Document (0x0101) --> <ContentType ID="0x010098BFC1714CC24AE1B577A54F023E940800DB7629AA8F4541B9B4EBF164F0B9D9BB" Name="RequisitionCT" Group="Maksen" Description="Content Type of Requisition Document" Inherits="TRUE" Version="0"> <FieldRefs> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1B}" Name="IDRequisition"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1C}" Name="Confidentiality"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1D}" Name="Currency"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1E}" Name="BaseAmount"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1F}" Name="CostTaxAmount"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2A}" Name="TaxAmount"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2B}" Name="TotalAmount"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2C}" Name="BaseAmountCounterValue"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2D}" Name="CostTaxAmountCounterValue"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2E}" Name="TaxAmountCounterValue"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D2F}" Name="TotalAmountCounterValue"/> <FieldRef ID="{84FDA D2F-8FD1-C62DD6AED75E}" Name="ExchangeRateDate"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3A}" Name="PaymentMethod"/> 132

150 <FieldRef Name="PaymentCondition"/> ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3B}" <FieldRef Name="LegalEntity" /> <FieldRef Name="LegalEntityTaxHTField0"/> ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3C}" ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3D}" <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D3F}" Name="ReasonDescription"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D1A}" Name="SaleType"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D4F}" Name="ExpectedDate"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D4E}" Name="ValueType"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D4A}" Name="Periodicity"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5A}" Name="ApprovalLimitDate"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5B}" Name="SubmitDate"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5C}" Name="ApprovalComment"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5D}" Name="RequisitionStatus"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5E}" Name="OnBehalfOf"/> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D6A}" Name="EntityName" /> <FieldRef ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D6B}" Name="EntityID" /> <FieldRef Name="EntityNIF"/> </FieldRefs> </ContentType> </Elements> ID="{46715FC0-A139-4A D90E3D5F}" 133

151 Anexo L Criação de uma Lista através de um Event Receiver da mesma using System; using System.Runtime.InteropServices; using System.Security.Permissions; using Microsoft.SharePoint; using Microsoft.SharePoint.Administration; using System.Collections.Specialized; using System.Collections.Generic; using System.Linq; using System.Web.Configuration; using System.Configuration; namespace Maksen.Features.RequisitionList { /// <summary> /// This class handles events raised during feature activation, deactivation, installation, uninstallation, and upgrade. /// </summary> /// <remarks> /// The GUID attached to this class may be used during packaging and should not be modified. /// </remarks> [Guid("3ae21d0e-db36-4e19-b609-a1d8a4d0c3a6")] public class RequisitionListEventReceiver : SPFeatureReceiver { // Uncomment the method below to handle the event raised after a feature has been activated. public override void FeatureActivated(SPFeatureReceiverProperties properties) { Guid listid = Guid.Empty; SPSite site = properties.feature.parent as SPSite; SPWeb web = site.rootweb; web.allowunsafeupdates = true; try { listid = web.lists.add("requisition", "List that contains the requisitions", SPListTemplateType.GenericList); web.update(); } catch (Exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } try { SPList list = web.lists["requisition"]; 134

152 IEnumerable<SPContentType> ctitemremove = from SPContentType ctitem in list.contenttypes where ctitem.name == "Item" select ctitem; foreach (SPContentType c in ctitemremove) { list.contenttypes.delete(c.id); } SPContentType ctrequisitionlines = web.availablecontenttypes["requisitionlinesct"]; SPContentType ctrequisitionattachments = web.availablecontenttypes["requisitionattachmentsct"]; SPContentType ct = web.availablecontenttypes["requisitionct"]; list.contenttypesenabled = true; try { if (list.contenttypes.bestmatch(ctrequisitionlines.id)!= ctrequisitionlines.id) list.contenttypes.add(ctrequisitionlines); } catch { } try { if (list.contenttypes.bestmatch(ctrequisitionattachments.id)!= ctrequisitionattachments.id) list.contenttypes.add(ctrequisitionattachments); } catch { } try { if (list.contenttypes.bestmatch(ct.id)!= ct.id) list.contenttypes.add(ct); } catch { } list.rootfolder.uniquecontenttypeorder = null; list.rootfolder.update(); //get a list of content types for the "new" drop down on the list SPContentType[] ordcontenttypes = new SPContentType[list.ContentTypes.Count - 1]; int ordcontenttypescount = 0; int icontenttypecount = list.contenttypes.count; for (int icount = 0; icount < icontenttypecount; icount++) { if (icount == 0) { ordcontenttypes[ordcontenttypescount] = list.contenttypes[ct.name]; } if (icount == 1) { ordcontenttypes[ordcontenttypescount] = list.contenttypes[ctrequisitionlines.name]; 135

153 } if (icount == 2) { ordcontenttypes[ordcontenttypescount] = list.contenttypes[ctrequisitionattachments.name]; } } ordcontenttypescount++; //set the content types for the "new" drop down list list.rootfolder.uniquecontenttypeorder = ordcontenttypes; list.rootfolder.update(); } catch (Exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } try { SPList list = web.lists["requisition"]; if (list!= null) { SPEventReceiverDefinition newerd = list.eventreceivers.add(); newerd.assembly = System.Reflection.Assembly.GetExecutingAssembly().FullName; newerd.class = "Maksen.MDocFlow.Requisitions.Event_Receivers.RequisitionsEventReceiver.Requisiti onseventreceiver"; newerd.sequencenumber = 1000; newerd.type = SPEventReceiverType.ItemUpdated; newerd.hostid = list.id; newerd.hosttype = SPEventHostType.List; newerd.update(); list.update(); } } catch(exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } try { SPList list = web.lists["requisition"]; if (list!= null) { SPEventReceiverDefinition newerd = list.eventreceivers.add(); newerd.assembly = System.Reflection.Assembly.GetExecutingAssembly().FullName; 136

154 newerd.class = "Maksen.MDocFlow.Requisitions.Event_Receivers.PermissionItemRequisitionItem.Permi ssionitemrequisitionitem"; newerd.sequencenumber = 1000; newerd.type = SPEventReceiverType.ItemAdded; newerd.hostid = list.id; newerd.hosttype = SPEventHostType.List; newerd.update(); list.update(); } } catch (Exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } try { SPList list = web.lists["requisition"]; List<Guid> ids = new List<Guid>(); SPViewCollection oviewcollection = list.views; foreach (SPView oviewcoll in oviewcollection) { if (oviewcoll.title == "Requisition_View") { ids.add(oviewcoll.id); } } foreach (Guid id in ids) { oviewcollection.delete(id); } StringCollection strviewfields = new StringCollection(); strviewfields.add("idrequisition"); strviewfields.add("confidentiality"); strviewfields.add("currency"); strviewfields.add("baseamount"); strviewfields.add("costtaxamount"); strviewfields.add("taxamount"); strviewfields.add("totalamount"); strviewfields.add("baseamountcountervalue"); strviewfields.add("costtaxamountcountervalue"); strviewfields.add("taxamountcountervalue"); strviewfields.add("totalamountcountervalue"); strviewfields.add("exchangeratedate"); strviewfields.add("paymentmethod"); strviewfields.add("paymentcondition"); strviewfields.add("legalentity"); strviewfields.add("reasondescription"); strviewfields.add("saletype"); strviewfields.add("expecteddate"); strviewfields.add("valuetype"); strviewfields.add("periodicity"); strviewfields.add("periodinitialdate"); 137

155 strviewfields.add("periodenddate"); strviewfields.add("approvallimitdate"); strviewfields.add("submitdate"); strviewfields.add("approvalcomment"); strviewfields.add("requisitionstatus"); strviewfields.add("onbehalfof"); strviewfields.add("entityname"); strviewfields.add("entityid"); strviewfields.add("entitynif");//o que e isto???? list.views.add("requisition_view", strviewfields, String.Empty, 0, true, true, SPViewCollection.SPViewType.Html, false); list.update(); } catch (Exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } web.allowunsafeupdates = false; } } } Anexo LI Criação de uma Biblioteca através de um Event Receiver da mesma using System; using System.Runtime.InteropServices; using System.Security.Permissions; using Microsoft.SharePoint; using Microsoft.SharePoint.Administration; using System.Collections.Specialized; using System.Collections.Generic; using System.Linq; using System.Web.Configuration; using System.Configuration; namespace Maksen.Features.RequisitionAttachmentsLibrary { /// <summary> /// This class handles events raised during feature activation, deactivation, installation, uninstallation, and upgrade. /// </summary> /// <remarks> /// The GUID attached to this class may be used during packaging and should not be modified. /// </remarks> 138

156 [Guid("a1f53dfc-d1de-46fc-9f ee62816")] public class RequisitionAttachmentsLibraryEventReceiver : SPFeatureReceiver { // Uncomment the method below to handle the event raised after a feature has been activated. public override void FeatureActivated(SPFeatureReceiverProperties properties) { Guid listid = Guid.Empty; SPSite site = properties.feature.parent as SPSite; SPWeb web = site.rootweb; web.allowunsafeupdates = true; try { listid = web.lists.add("requisitionattachments", "Document Library that contains the Requisition attachments", SPListTemplateType.DocumentLibrary); web.update(); } catch (Exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } try { SPList list = web.lists["requisitionattachments"]; IEnumerable<SPContentType> ctitemremove = from SPContentType ctitem in list.contenttypes where ctitem.name == "Document" select ctitem; foreach (SPContentType c in ctitemremove) { list.contenttypes.delete(c.id); } SPContentType ct = web.availablecontenttypes["requisitionattachmentsct"]; list.contenttypesenabled = true; if (list.contenttypes.bestmatch(ct.id)!= ct.id) list.contenttypes.add(ct); list.update(); } catch (Exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } try { SPList list = web.lists["requisitionattachments"]; List<Guid> ids = new List<Guid>(); 139

157 SPViewCollection oviewcollection = list.views; foreach (SPView oviewcoll in oviewcollection) { if (oviewcoll.title == "RequisitionAttachments_View") { ids.add(oviewcoll.id); } } foreach (Guid id in ids) { oviewcollection.delete(id); } StringCollection strviewfields = new StringCollection(); strviewfields.add("requisitionnr"); String.Empty, list.views.add("requisitionattachments_view", strviewfields, 0, true, true, SPViewCollection.SPViewType.Html, false); list.update(); } catch (Exception ex) { SPDiagnosticsService.Local.WriteTrace(0, new SPDiagnosticsCategory("Maksen", TraceSeverity.Unexpected, EventSeverity.Error), TraceSeverity.Unexpected, ex.message, ex.stacktrace); } web.allowunsafeupdates = false; } } } 140

158 Anexo LII Desenho do Workflow Aprovação de Requisição de Compra 141

159 Anexo LIII Desenho do Workflow Aprovação de Faturas 142

160 Anexo LIV Solução detalhada do Processo de Aprovação de Requisição de Compra Com a submissão da requisição, o sistema iniciará o fluxo de aprovação das diversas linhas que lhe estão associadas, prosseguindo da seguinte forma: 1. Enquanto a requisição não for cancelada 1.1. Consoante o tipo de Projeto e valor total da requisição Verifica na Lista de Limites por Projeto (valores monetários) qual o nível hierárquico máximo que terá de aprovar determinada linha de requisição Escreve na Lista de Aprovadores quais os aprovadores teóricos, que devem avaliar a linha de requisição. A ordem pela qual é escrito os aprovadores é ascendente por limite. O identificador da linha da requisição, o cargo do aprovador e o nome do aprovador são os campos preenchidos nesta Lista Atualiza o estado da Linha de Requisição para Wainting for Approval Envia tarefa de aprovação da Linha de Requisição com notificação via correio eletrónico e possível resposta por esta via apenas para decisões de Aprovar, Rejeitar e Cancelar (iterar sobre uma coleção de aprovadores definida pela Lista de Aprovadores) Se o aprovador Aprovar Atualiza estado da Linha de Requisição para Approved Se o aprovador em questão for aprovador de um nível superior e decidir aprovar os níveis seguintes (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e quaisquer comentários que tenha escrito) & (Criar um item para cada nível de aprovação que aprovou por ser o mesmo aprovador de um nível superior. Para cada item adicionar o aprovador que aprovou vários níveis, sendo este o aprovador real, o aprovador teórico e sua função, a decisão do aprovador, a data da decisão, e um comentário com o valor Already approved by approver «Nome do Aprovador» ) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) O sistema envia tarefa de aprovação da Linha de Requisição para o aprovador seguinte Caso contrário, aprova só o nível em que se encontra no momento (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e 143

161 quaisquer comentários que tenha escrito) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) O sistema envia tarefa de aprovação da Linha de Requisição para o aprovador seguinte Se o aprovador Pedir um Esclarecimento Atualiza estado da Linha de Requisição para Clarification Required (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e quaisquer comentários que tenha escrito) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) Se o aprovador for o 1ºaprovador O sistema envia uma tarefa para o Requisitante para que este proceda ao pedido de esclarecimentos Caso o Requisitante decida atualizar a linha ou fazer quaisquer comentários O sistema volta a enviar uma nova tarefa de aprovação da linha de Requisição para o aprovador Caso o Requisitante decida cancelar a linha É obrigado a preencher um comentário (Atualiza o estado da Linha de Requisição para Canceled ) & (Cria um item na Lista de Histórico com a informação que o Requisitante cancelou a linha, data do cancelamento, e o comentário respetivo) O fluxo termina Caso contrário se o aprovador não for o 1º O sistema volta a enviar uma tarefa para o aprovador anterior como pedido de esclarecimento Caso contrário se o aprovador Rejeitar É obrigado a preencher um comentário Atualiza estado da Linha de Requisição para Rejected (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e quaisquer comentários que tenha escrito) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) O sistema envia uma tarefa para o Requisitante para que este proceda às alterações necessárias Caso o Requisitante decida atualizar a linha ou fazer quaisquer comentários O sistema volta a enviar uma nova tarefa de aprovação da linha de Requisição para o aprovador em questão. 144

162 Caso o Requisitante decida cancelar a linha É obrigado a preencher um comentário (Atualiza o estado da Linha de Requisição para Rejected ) & (Cria um item na Lista de Histórico com a informação que o Requisitante cancelou a linha, data do cancelamento, e o comentário respetivo) O fluxo termina Consulta das linhas da Requisição Se todas as linhas da Requisição estiverem no estado Approved Atualiza o estado da Requisição para Approved O fluxo termina. 2. Caso contrário (Requisição Cancelada) 2.1. (Notificação enviada via correio electrónico aos aprovadores que já efetuaram a sua avaliação) & (Atualização do estado da Requisição para Canceled ) O fluxo termina. 145

163 Anexo LV Solução detalhada do Processo de Aprovação de Faturas Após a classificação da fatura, o sistema iniciará o fluxo de aprovação das diversas linhas que lhe estão associadas, prosseguindo da seguinte forma: 1. Enquanto a fatura não for cancelada 1.1. Consoante o tipo de Projeto e valor total da requisição Verifica na Lista de Limites por Projeto (valores monetários) qual o nível hierárquico máximo que terá de aprovar determinada linha de fatura Escreve na Lista de Aprovadores quais os aprovadores teóricos, que devem avaliar a linha de fatura. Sendo o primeiro aprovador em quaisquer dos casos (tipo de Projeto) o Requisitante, sendo por isso adicionado em primeiro lugar. A ordem pela qual é escrito os aprovadores é ascendente por limite. O identificador da linha da fatura, o cargo do aprovador e o nome do aprovador são os campos preenchidos nesta Lista Atualiza o estado da Linha de Fatura para Wainting for Approval Envia tarefa de aprovação da Linha de Fatura com notificação via correio eletrónico e possível resposta por esta via apenas para decisões de Aprovar, Rejeitar e Cancelar (iterar sobre uma coleção de aprovadores definida pela Lista de Aprovadores) Se o aprovador Aprovar Atualiza estado da Linha de Fatura para Approved Se o aprovador em questão for aprovador de um nível superior e decidir aprovar os níveis seguintes (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e quaisquer comentários que tenha escrito) & (Criar um item para cada nível de aprovação que aprovou por ser o mesmo aprovador de um nível superior. Para cada item adicionar o aprovador que aprovou vários níveis, sendo este o aprovador real, o aprovador teórico e sua função, a decisão do aprovador, a data da decisão, e um comentário com o valor Already approved by approver «Nome do Aprovador» ) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) O sistema envia tarefa de aprovação da Linha de Fatura para o aprovador seguinte. 146

164 Caso contrário, aprova só o nível em que se encontra no momento (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e quaisquer comentários que tenha escrito) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) O sistema envia tarefa de aprovação da Linha de Fatura para o aprovador seguinte Se o aprovador colocar a Linha de Fatura em Conferência Atualiza estado da Linha de Fatura para On Hold (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e quaisquer comentários que tenha escrito) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) O sistema envia uma notificação via correio electrónico para todos os aprovadores anteriores O workflow fica parado durante o período de tempo espectável que o aprovador definiu quando tomou a sua decisão Findo este tempo o sistema envia uma nova tarefa de aprovação da Linha de Fatura para o aprovador em questão Caso contrário se o aprovador Rejeitar É obrigado a preencher um comentário Atualiza estado da Linha de Fatura para Rejected (Criar um item na Lista Histórico com as informações de quem executou a tarefa na realidade, o aprovador teórico e sua função, qual a decisão do aprovador, a data da decisão, e quaisquer comentários que tenha escrito) & (Atualizar a decisão na Lista de Aprovadores) Se o motivo da rejeição for dados incorretos na Linha de Fatura O sistema envia uma tarefa para o Requisitante para que este proceda às alterações necessárias Caso o Requisitante decida atualizar a linha ou fazer quaisquer comentários O sistema volta a enviar uma nova tarefa de aprovação da linha de Requisição para o aprovador em questão Caso o Requisitante decida cancelar a linha É obrigado a preencher um comentário. 147

165 (Atualiza o estado da Linha de Requisição para Rejected ) & (Cria um item na Lista de Histórico com a informação que o Requisitante cancelou a linha, data do cancelamento, e o comentário respetivo) O fluxo termina Se o motivo da rejeição for documento incorreto do fornecedor Se o aprovador for o 1ºaprovador O sistema envia uma tarefa para o Requisitante para que este proceda às alterações necessárias Caso o Requisitante decida atualizar a linha ou fazer quaisquer comentários O sistema volta a enviar uma nova tarefa de aprovação da linha de Requisição para o aprovador em questão Caso o Requisitante decida cancelar a linha É obrigado a preencher um comentário (Atualiza o estado da Linha de Requisição para Rejected ) & (Cria um item na Lista de Histórico com a informação que o Requisitante cancelou a linha, data do cancelamento, e o comentário respetivo) O fluxo termina Caso contrário se não for o 1ºaprovador O sistema envia nova tarefa de aprovação da Linha de Fatura para o aprovador anterior Registo do valor real da compra que fica associado à Linha de Fatura em questão Consulta do valor real da Linha de Requisição associada 1.6. Verifica o valor real da compra Se o valor real da compra for diferente do valor da Linha de Requisição Se o valor real da compra for menor que o valor da Linha de Requisição Atualiza o estado da Linha de Requisição com o valor fechada (já não permite ser ligada a mais nenhuma Fatura) ou aberta (ainda se encontra à espera de uma ou mais Faturas do fornecedor para serem ligadas a esta Linha de Requisição) consoante a escolha do aprovador no último nível de aprovação. 148

166 Caso contrário, se o valor real for maior que o valor da Linha de Requisição É enviada uma notificação ao criador da Requisição associada para que este inicie uma nova versão da Requisição para obter a sua aprovação Se o valor real da compra for igual ao valor da Linha de Requisição Atualiza o estado da linha de Requisição associada à Linha de Fatura em questão para Fechada e o valor real de compra da Linha Consulta das linhas da Fatura Se todas as Linhas de Fatura estiverem no estado Approved Atualiza o estado da Fatura para Approved O fluxo termina. 2. Caso contrário (Fatura Cancelada) 2.1. (Notificação enviada via correio eletrónico aos aprovadores que já efetuaram a sua avaliação) & (Atualização do estado da Requisição para Canceled ). 3. O fluxo termina. 149

167 Anexo LVI Modelo Colaborativo Página Inicial Zonas Comuns Área de Negócio Projetos Transversais Sites Pessoais Ajuda Gestão do Portal SkyDrive Pro Sites Anexo LVII Site Collection com Web Parts 150

168 Anexo LVIII Página de um Subsite com Web Parts 151

169 Anexo LIX Desenho do Workflow de Pedidos Administrativos 152

170 Anexo LX Formulário de Pedido Administrativo (Site Collection) 153

171 Anexo LXI Formulário de Pedido Administrativo (Incremento de Quota de Site Collection) 154

172 Anexo LXII Formulário de Pedido Administrativo (Projetos Transversais) 155

173 Anexo LXIII Formulário do Aprovador 1 Chefe Hierárquico Anexo LXIV Formulário do Aprovador 2 Diretor 156

174 Anexo LXV Formulário do Aprovador 3 Equipa de SharePoint Online Anexo LXVI Maquete Funcional (Home Page) 157

175 Anexo LXVII Maquete Funcional (Pesquisa) 158

176 Anexo LXVIII Maquete Funcional (Site Collection) 159

177 Anexo LXIX Maquete Funcional (Estrutura e apresentação de conteúdo) 160

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática DESENVOLVIMENTO DE PLATAFORMA DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SOBRE SHAREPOINT 2010 André Rodrigues Pereira da Silva PROJETO MESTRADO

Leia mais

Uma marca da Leadership Business Consulting

Uma marca da Leadership Business Consulting Uma marca da Leadership Business Consulting 1 Sequence e Business Process Management O Sequence é a plataforma líder em ibpm & Workflow. É um software de BPM simples e intuitivo, com programação por meio

Leia mais

A different way of doing business

A different way of doing business A different way of doing business SOBRE NÓS Sobre Nós A Bizdirect, é uma empresa tecnológica do universo SSI/ Sonaecom, fundada em 2000, e posiciona-se como um player de referência na comercialização

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações.

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. - - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. Com Q-flow, uma organização pode tornar mais eficientes os processos que permitem

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Microsoft System Center Operations Manager 2007

Microsoft System Center Operations Manager 2007 Microsoft System Center Operations Manager 2007 O que há de novo? Por que vale a pena atualizar? Microsoft Corporation Publicado em: 18 de dezembro de 2006 Sumário Executivo O System Center Operations

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Realizado por: o Bruno Martins Nº 17206 o Cátia Chasqueira Nº 17211 o João Almeida Nº 17230 1 Índice 1 Índice de Figuras... 3 2 Versões... 4 3 Introdução... 5 3.1 Finalidade...

Leia mais

Gestão de Processos de Negócio

<Insert Picture Here> Gestão de Processos de Negócio Gestão de Processos de Negócio Susana Santos Principal Sales Consultant Agenda Quais os Desafios Business Process Management Modelação Execução Interacção Humana Monitorização Resumo

Leia mais

BPM (Business Process Management)

BPM (Business Process Management) Instituto Superior de Economia e Gestão Ano lectivo 2007/2008 Cadeira de Tecnologias de Informação BPM (Business Process Management) Planeamento e Controlo de Gestão Baseados nos Processos de Negócio José

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Introdução ao Oracle Identity Management

Introdução ao Oracle Identity Management Introdução ao Oracle Identity Management White Paper Oracle Junho de 2008 Introdução ao Oracle Identity Management página 1 Introdução ao Oracle Identity Management INTRODUÇÃO A suíte Oracle Identity Management

Leia mais

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto Os Sistemas de Informação nas PME s José Pinto José Ângelo Costa Pinto Licenciado em Gestão Empresas Pós-Graduação em Sistemas de Informação (PM) Pós Graduação em Economia e Gestão Mestre em Sistemas de

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO 2 GESTÃO DOCUMENTAL VANTAGENS Informação sempre acessível, acesso fácil e rápido Redução do espaço, custos de armazenamento e impressão Redução da duplicação de dados

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

www.lanuniversity.com.br MCTS SHAREPOINT 2010, CONFIGURING Um exame para obter a Certificação completa

www.lanuniversity.com.br MCTS SHAREPOINT 2010, CONFIGURING Um exame para obter a Certificação completa www.lanuniversity.com.br MCTS SHAREPOINT 2010, CONFIGURING Um exame para obter a Certificação completa 10174B - Configuring and Administering Microsoft SharePoint 2010 Exame 70-667 Módulo 1: Introdução

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma Oracle BPM 11g Análise à Plataforma Maio de 2010 Tive o privilégio de ser convidado a participar no "EMEA BPM 11g beta bootcamp" em Abril de 2010, no qual tive contacto mais próximo com a última versão

Leia mais

O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso

O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso Na atitude está a nossa diferença O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso Faturação Eletrónica Desmaterialização Documental Outsourcing TI Solução integrada para desmaterialização de documentos

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution IAPMEI EEN KMS Knowledge Management Solution Praia, 1 e 2 de Dezembro de 2011 IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação http://www.iapmei.pt/ Principal instrumento das políticas

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Helping your business grow faster

Helping your business grow faster Helping your business grow faster Espírito de Inovação TECNOLOGIA E INOVAÇÃO A FAVOR DAS EMPRESAS Fundada em 1995, a NOESIS é uma consultora portuguesa que fornece soluções para aumentar a competitividade,

Leia mais

CA ARCserve Backup. Visão geral

CA ARCserve Backup. Visão geral INFORME DE PRODUTO: CA ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup CA ARCSERVE BACKUP, O PRODUTO DE ALTA PERFORMANCE, LÍDER DA INDÚSTRIA DE PROTEÇÃO DE DADOS, COMBINA TECNOLOGIA INOVADORA DE ELIMINAÇÃO DE

Leia mais

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 INTRODUÇÃO 5 ÍNDICE PREFÁCIO Carlos Zorrinho 11 PREFÁCIO Jorge Rocha de Matos 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 CAPÍTULO

Leia mais

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA Como tudo começou GIDEONI SILVA CONSULTOR BI & CRM Analista de Sistemas e Green Belt Six Sigma Experiência de 15 anos em projetos executados de Business

Leia mais

Microsoft System Center Operations Manager 2007

Microsoft System Center Operations Manager 2007 Microsoft System Center Operations Manager 2007 Visão Geral Microsoft Corporation Publicado: 18 de dezembro de 2006 Atualizado: 5 de abril de 2007 Sumário Executivo O System Center Operations Manager 2007

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

Sobre a PNMsoft. Fundada em 1996 - Especialista em BPM e Workflow. Sede em Inglaterra, com escritórios e parceiros em todo o mundo

Sobre a PNMsoft. Fundada em 1996 - Especialista em BPM e Workflow. Sede em Inglaterra, com escritórios e parceiros em todo o mundo Sobre a PNMsoft Fundada em 1996 - Especialista em BPM e Workflow Sede em Inglaterra, com escritórios e parceiros em todo o mundo Escritório em Portugal. Reditus como principal Parceiro SEQUENCE: Plataforma

Leia mais

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação O SoftExpert ECM Suite provê as tecnologias utilizadas para criar, capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir todos os

Leia mais

OTIMIZE OS SEUS PROCESSOS! Base sólida para negócios de sucesso

OTIMIZE OS SEUS PROCESSOS! Base sólida para negócios de sucesso OTIMIZE OS SEUS PROCESSOS! Base sólida para negócios de sucesso O SIGA Cloud é um sistema integrado de gestão administrativa que engloba todas as componentes de gestão documental e processos das organizações,

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow CS DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Gaya. Mestrado de Administração de Redes e Sistemas Informáticos. Disciplina Estagio Profissional

Instituto Superior Politécnico Gaya. Mestrado de Administração de Redes e Sistemas Informáticos. Disciplina Estagio Profissional Instituto Superior Politécnico Gaya Mestrado de Administração de Redes e Sistemas Informáticos Disciplina Estagio Profissional Gestão Documental e Workflow Alexandra Sofia dos Santos Rocha nº 1572 assr@ispgaya.pt

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

NELSON MACHADO JUNIOR. Disseminação da informação utilizando ferramenta de colaboração Office Sharepoint

NELSON MACHADO JUNIOR. Disseminação da informação utilizando ferramenta de colaboração Office Sharepoint NELSON MACHADO JUNIOR Disseminação da informação utilizando ferramenta de colaboração Office Sharepoint Londrina 2009 NELSON MACHADO JUNIOR Disseminação da informação utilizando ferramenta de colaboração

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Visão Geral A Logica Adviser SAP A Logica Adviser SAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros

O projecto de sistemas de informação para as empresas de Facility Services e sua rede de parceiros PREMIVALOR O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros Rita Oliveira SEIDOR roliveira@seidor.es Telef.: +351 210 001 686 Lisboa, 6 Dezembro 2007

Leia mais

6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 0 2 4 6 8 10 33 34 35 36 37 38 39 40 resolução de problemas recolha e tratamento da informação planeamento / organizção inovação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Big enough to do the job small enough to do it better!

Big enough to do the job small enough to do it better! Big enough to do the job small enough to do it better! Conteúdos 1 Competências 2 Case studies 3 Quero mais Competências > Assistência Informática > Outsourcing > Web ' ' Webdesign Hosting Email ' Webmarketing

Leia mais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

Caso de Estudo - Secretaria-Geral do Ministério da Justiça do BPM às Interações Humanas. Paulo Moniz - CTO

Caso de Estudo - Secretaria-Geral do Ministério da Justiça do BPM às Interações Humanas. Paulo Moniz - CTO Caso de Estudo - Secretaria-Geral do Ministério da Justiça do BPM às Interações Humanas Paulo Moniz - CTO Agenda BPM Objectivos Desafios Solução Primesoft Ganhos Obtidos Recomendações BPM na Primesoft

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

CAPÍTULO 2 Processos de negócios, informação e sistemas de informação 39

CAPÍTULO 2 Processos de negócios, informação e sistemas de informação 39 Sumário Introdução 17 PARTE I OsSIG evocê 21 CAPÍTULO 1 A importância do SIG 23 1.1 Existem aplicativos de negócios para Facebook e Twitter que ofereçam uma boa relação custo-benefício? 25 1.2 Como conquistar

Leia mais

CURSO Microsoft Project Server. Instalando, Configurando e Administrando o Microsoft Project Server

CURSO Microsoft Project Server. Instalando, Configurando e Administrando o Microsoft Project Server CURSO Microsoft Project Server Instalando, Configurando e Administrando o Microsoft Project Server Conteúdo Programático: 1. Visão Geral. O que é o Project Server / EPM. Arquitetura da Solução de EPM.

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Acelerador de Nuvem Privada da CA para Plataformas Vblock com que rapidez sua nuvem privada pode dar suporte à crescente demanda por serviços de negócios e acelerar o tempo levado para

Leia mais

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Marcos Moysés da Cunha marcos.cunha@eletrobras.com (21) 2514-5695 Gestão de Documentos SharePoint GED... caminho... Gestão de Documentos

Leia mais

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso Fernando Cesar Camilo Centro Universitário de Araraquara- UNIARA SP Brasil fc_camilo@yahoo.com.br Prof. Dr.

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 v.1.6. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 Versão reduzida Hugo Sousa Departamento de Tecnologias PESI 2009 Calendário de Projectos Calendário Direcção de projectos para 2009Projecto Licenciamento

Leia mais